Leitura e escrita, inclusão digital e o processo de aprendizagem dialógica na educação de pessoas adultas em São Carlos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Leitura e escrita, inclusão digital e o processo de aprendizagem dialógica na educação de pessoas adultas em São Carlos"

Transcrição

1 Leitura e escrita, inclusão digital e o processo de aprendizagem dialógica na educação de pessoas adultas em São Carlos Autoria: Arnaldo Martins Salazar Junior Paulo Eduardo Gomes Bento Roseli Rodrigues de Mello Sara Regina Moreira da Silva Alessandra Marques da Cunha Instituição: Universidade Federal de São Carlos UFSCar, Brasil Resumo A leitura e a escrita têm sido um forte instrumento de exclusão social e cultural. O atual desenvolvimento e a difusão das novas tecnologias de comunicação, ao mesmo tempo que permitem uma grande circulação de informações, o que caracteriza a Sociedade da Informação, se constituem também como um novo item de desigualdade. Na busca pela superação dessas desigualdades, o Núcleo de Investigação e Ação Social e Educativa (NIASE), em parceria com o Departamento de Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação e Cultura Prefeitura Municipal de São Carlos cidade de São Carlos, desenvolvem um trabalho de formação de educadores para atuar no processo de alfabetização. Uma das frentes desse trabalho é o uso de computador nas salas de alfabetização de jovens e adultos. Durante o ano de 2005, cerca de 600 educandos/as, 50 educadores/as, professores/as da UFSCar, profissionais da Secretaria de Educação e mais de 40 monitores e voluntários puderam interagir para potencializar o aprendizado da leitura e escrita com a utilização dos recursos computacionais. Um importante resultado desse projeto foi sua adoção como política pública pela Secretaria de Educação de São Carlos. Introdução e objetivos A leitura e a escrita atualmente têm sido um forte instrumento de divisão social e cultural, marcada pela contraposição entre o mundo letrado e o não letrado. Neste sentido, saber ler e escrever é requisito indispensável para que as pessoas possam se inserir e viver em sociedade. Nesta concepção de mundo letrado, a vida das pessoas que não dominam esses códigos torna-se muito difícil, pois em situações diversificadas lhe são cobradas atitudes que envolvem habilidades simples e complexas do ler e do escrever, desde a assinatura de seu nome até a leitura de um importante documento que pode interferir na sua vida. Diante disso, jovens e adultos, que não tiveram oportunidade de estudar na infância e adolescência, procuram salas de alfabetização como uma necessidade atual urgente, pois o conhecimento não escolarizado que possuem não mais tem garantido a mobilidade no mundo do trabalho e nem a inserção no mundo letrado. Associado a esse contexto, constata-se um enorme crescimento e difusão das novas tecnologias de informação e comunicação, que trazem uma grande circulação de informações. Isso tem caracterizado um novo momento, denominado por muitos autores como Sociedade da Informação. Nesse novo paradigma, as capacidades de produzir, distribuir, armazenar, selecionar e processar informação se tornam fatores determinantes no desenvolvimento econômico e sócio-cultural de pessoas, de regiões e de países, desempenhando um papel 1423

2 central na atividade econômica, na geração de novos conhecimentos, na criação de riqueza, na definição da qualidade de vida e satisfação das necessidades dos cidadãos e das suas práticas culturais (Mello & Bento, 2004). Estas capacidades ocorrem não apenas em função da disponibilidade técnica dos equipamentos, mas também da capacidade informacional da sociedade, isto é, da capacidade dos cidadãos e das organizações em incorporar e adaptar essas novas tecnologias a sua vida cotidiana (Castells, 1996). Com isso surgem ao menos duas novas fontes de exclusão social e cultural: a impossibilidade de acesso e a falta de conhecimento em manusear o equipamento e processar as informações. Essa polarização, denominada por Castells (2001) de divisória digital, é evidenciada pelos dados constantes no Mapa da Exclusão Digital, elaborado pela da Fundação Getúlio Vargas a partir dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do IBGE de 2001, que mostram que apenas 12,46% dos brasileiros têm computador em seu domicílio e 8,31% dispõem de acesso à Internet. A ausência de acesso ao computador em seu próprio domicílio é agravada na faixa populacional com até 4 anos de estudo: somente 4,1% dos analfabetos e 4,8% dos que estudaram de 1 a 4 anos possuem computador em casa. Assim, ampliar a possibilidade de acesso a computadores e à internet em espaços públicos e/ou coletivos é ação importante para a quebra da lógica da exclusão/inclusão digital, que segue a mesma lógica dos demais elementos de inclusão social e cultural. A instalação de computadores em escolas, em centros comunitários, em ONGs de trabalho social etc. são exemplos importantes dessas frentes, na construção de uma Sociedade da Informação para todos e todas (Mello et al. 2004). Com isso é possível afirmar, segundo Mello et al (2004), que a inclusão digital aliada à alfabetização não apenas cria condições para as pessoas terem acesso à informação ou utilizarem o aprendizado de programas computacionais como diferencial para conseguir emprego, mas também é um recurso que potencializa a aprendizagem do conhecimento escolar, desenvolvendo uma das principais habilidades requisitadas pela sociedade da informação: ter acesso à informação, saber selecioná-la e utilizá-la de maneira crítica transformando-a em conhecimento. Considerando que pessoas jovens e adultas analfabetas enfrentaram e enfrentam em seu percurso vários muros sociais e culturais, e que muitas vezes introjetam essas barreiras como sentimentos de autodepreciação, vivendo então auto-exclusão (Flecha, 1997), poder aliar ações de alfabetização, com ações de uso de programas de computador e de acesso à rede internet, em muito pode auxiliar no sucesso das aprendizagens, da construção da confiança básica (Giddens, 1995) e na superação de exclusão. Ao mesmo tempo, por parte das educadoras/res envolvidos num projeto de alfabetização de pessoas jovens e adultas, o acesso ao computador e à internet, e sua exploração como meios potencializadores da aprendizagem da leitura e da escrita por seus educandos/as apresenta-se como contribuição fundamental para a formação em contexto de novas potencialidades e habilidades profissionais. Ganham educadoras/es e educandas/os. (Mello et al., 2004). Com o intuito de contribuir para a superação das desigualdades presentes neste novo contexto, desde 2003, o NIASE (Núcleo de Investigação e Ação Social e Educativa) e o Departamento do Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação e Cultura da Prefeitura Municipal de São Carlos, em parceria, desenvolvem um trabalho de formação de educadores para atuar no processo de alfabetização de pessoas jovens e adultas. Nesta perspectiva, o NIASE/UFSCar e o Departamento do Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação e Cultura de São Carlos, têm desenvolvido ações de formação de educadores (as) e Inclusão Digital em uma disciplina - Aprendizagem Dialógica de Jovens e adultos - em que as atividades são diretamente interligadas e fazem parte do Programa de Educação de Pessoas Jovens e Adultas. Essa disciplina denominase ACIEPE (Atividade Curricular Integrada de Ensino Pesquisa e Extensão) e é uma criação recente da UFSCar. Na ACIEPE revelou-se a necessidade de se aprofundar a atuação e a construção de conhecimento sobre processos de aprendizagem e de apoio à apropriação dos espaços públicos e dos instrumentos e conhecimentos sistematizados. Concomitante à essas ações, 1424

3 percebeu-se a oportunidade de aliar o processo de alfabetização ao de Inclusão Digital com o Projeto Alfabetização de Jovens e Adultos e Inclusão Digital da Universidade Federal de São Carlos. Financiado pelo Programa PROEXT/2003 do MEC/SESu e pela Pró-Reitoria de Extensão da UFSCar, e, contando com a parceria Secretaria de Educação e Cultura da Prefeitura Municipal de São Carlos, este projeto teve como objetivo principal a utilização de computadores em aulas de alfabetização de adultos dos programas Brasil Alfabetizado e MOVA. Sua duração foi de abril a agosto de Visando à ampliação e aprofundamento deste Programa, o NIASE/UFSCar elaborou o Projeto Educação de Pessoas Jovens e Adultas: Aprendizagem Dialógica de Leitura e de Escrita, de Matemática e Inclusão Digital, que foi também financiado pelo MEC/SESu através do Programa PROEXT/2004, e também contou com a parceria da Secretaria de Educação e Cultura da Prefeitura Municipal de São Carlos. O objetivo principal deste projeto, em sua frente específica de Inclusão Digital, foi o de oferecer acesso a computadores para alunos/as e educadores/as dos programas Brasil Alfabetizado, MOVA e EJA. Desta maneira, buscou-se aumentar a confiança destas pessoas em sua aprendizagem, criando mais um sentido à aprendizagem da modalidade escrita da língua. Visou-se, também, contribuir para o rompimento das barreiras que fazem com que as pessoas tenham a visão de que o computador é um recurso a ser utilizado apenas por uma minoria, ou pelos mais jovens. Quanto aos educadores/as destas turmas, a intenção foi a de consolidar a incorporação do computador como recurso de ensino, ampliando a oportunidade de acesso e desenvolvendo práticas dialógicas de formação, aprofundando a compreensão a respeito dos processos de aprendizagem adulta, elaborando aulas e materiais de ensino, em conjunto para as aulas de alfabetização, leitura e inclusão digital. O projeto teve também por objetivo, a formação de monitores/as para o trabalho em salas de inclusão digital e alfabetização de adultos, incluindo a produção de material a ser utilizado nas aulas. O Projeto buscou promover a interlocução a respeito da educação de pessoas jovens e adultas entre educadores/as, educandos/as, especialistas da universidade, profissionais da Secretaria de Educação e alunos de graduação, dialogando sobre os processos educacionais vividos e indicando políticas a serem estabelecidas para a efetiva democratização do acesso ao conhecimento e à educação. Metodologia Quanto à metodologia de trabalho, pensada para se atingir os objetivos propostos, o projeto sofreu algumas mudanças em relação ao anterior, apresentado em 2003 (Mello et al., 2004). Foram desenvolvidas duas frentes de trabalho concomitantes: a) a formação de monitores(as) (alunos de cursos de graduação da UFSCar) e de educadores(as) em programas de computador, no conceito de aprendizagem dialógica e no processo de ensino-aprendizagem de leitura e escrita e de matemática através de encontros semanais de ACIEPE e grupos de estudo e; b) trabalho direto com educandos(as) em turmas de alfabetização de jovens e adultos (MOVA e Brasil Alfabetizado) e de EJA no município de São Carlos, desenvolvendo atividades de leitura e escrita e Internet. Fizeram parte da equipe de trabalho os seguintes monitores-bolsistas, alunos e alunas de diversos cursos de graduação da UFSCar e financiados pelo PROEXT/2004 do MEC/SESu: Cláudia Y. S. Reis, Daviani R. Pavão, José Geraldo B. Chaves Fo., Lisandra R. dos Santos, Maria Goretti Mião e Talita Justel. Um dia por semana nessas turmas, as aulas aconteciam em salas com computador, situadas em Escolas do Futuro da prefeitura Municipal de São Carlos e na UFSCar. Em algumas turmas (zona rural, asilos etc.) eram levados notebooks até a sala onde ocorrem as aulas regulares de alfabetização. As chamadas Escolas do Futuro são bibliotecas, com uma sala com computadores e impressora, vinculadas a escolas municipais de ensino fundamental. As 1425

4 aulas de informática realizadas na UFSCar aconteciam na Secretaria Geral de Informática SIn em salas com computadores e impressora. Algumas turmas, devido à grande distância entre as salas de alfabetização e as salas com computadores, utilizavam o transporte de vans contratadas com a verba do financiamento do PROEXT/2004. Os notebooks utilizados compunham o que chamamos de posto móvel. Estes notebooks eram transportados às turmas mais distantes, juntamente com o/a monitor/a, por uma perua cedida pela Prefeitura Municipal de São Carlos. Em quatro turmas optou-se por um modelo diferente do descrito acima. Ao invés de trocarem uma aula de alfabetização tradicional pela de inclusão digital uma vez por semana, quatro turmas, de um mesmo bairro da cidade, realizavam aulas com computador às sextas feiras, dia que não se tem aulas de alfabetização, em turmas nos períodos da manhã, tarde e noite. Desta maneira, a ida ao posto de inclusão era desvinculada da presença do/a educador/a, podendo ter a presença de educandos de diversas turmas em um mesmo horário. Este modelo de aula foi testado com o intuito de se obter mais uma alternativa de oferta de acesso aos computadores, além de demandar menos monitores ao unir turmas com poucos educandos e, principalmente, permitir que os educandos ocupassem rotineiramente um espaço público. Os monitores/as (bolsistas e voluntários) tiveram uma formação teórico-prática sobre os conceitos de aprendizagem dialógica, através do estudo de textos sobre esse tema, e de reuniões semanais com a coordenação. Eles/as passaram por uma formação específica em conceitos de informática como editores de texto, sistema operacional LINUX e manuseio de notebooks. Passaram também por um processo prático contínuo de formação através de experiências nas salas de alfabetização em um primeiro momento, e, posteriormente, nos encontros semanais com os educadores/as que aconteciam na ACIEPE. O trabalho nas salas de alfabetização teve início em janeiro de 2005 com o atendimento às salas de Brasil Alfabetizado recentemente criadas. Foram atendidas duas turmas pelo "posto móvel" e 12 turmas nas "Escolas do Futuro" e nas salas de informática da UFSCar. Em fevereiro de com o reinício do ano letivo nas turmas de MOVA, e em março, com o início das aulas do ACIEPE/UFSCar, a oferta foi expandida. Passaram a ser atendidas também estas 53 turmas de MOVA (13 turmas pelo "posto móvel" e 40 em "Escolas do Futuro" e na UFSCar), contando, agora, com a monitoria dos alunos matriculados na ACIEPE, que a tinham como atividade prática obrigatória. Na disciplina ACIEPE ocorria o encontro semanal entre educadoras/es, pessoas da universidade (docentes, monitores e voluntários) e pessoas da secretaria de educação. A formação na ACIEPE, em um primeiro momento, deu-se através do estudo dos aspectos históricos e políticas de educação de adultos no Brasil e dos conceitos da aprendizagem dialógica. Depois disso, as turmas foram divididas em quatro para que pudessem ter conhecimento também dos outros projetos desenvolvidos. As quatro turmas foram organizadas nos módulos de leitura e escrita, inclusão digital, matemática e tertúlia literária, passando todos/as participantes pelos quatro módulos durante o semestre. Os módulos de leitura e escrita e de inclusão digital foram colocados em continuidade um ao outro, pois o aprendizado da língua era a base para as aulas de inclusão digital. No módulo de leitura e escrita debateu-se o método Paulo Freire destacando-se também a importância do diálogo na aprendizagem adulta. Ocorreu também um aprofundamento dos estudos a respeito do ensino de língua através de autoras como Miriam Lemle que escreveu sobre o processo de aquisição da escrita mostrando a lógica interna do conteúdo que pode favorecer o trabalho das educadoras e educadores no processo dialógico de ensino da língua aos educandos e educandas com quem convivem todos os dias, na busca da democratização do conhecimento da leitura e da escrita para a superação de exclusão social, cultural e educativa. Além disso, na ACIEPE, as educadoras/es e os monitores/as prepararam materiais de trabalho para uso em sala de aula considerando as questões sobre as quais se estava dialogando. Esse material foi sistematizado e pretendese publicá-lo em um site na internet sobre alfabetização e inclusão digital que está sendo criado pelo NIASE no segundo semestre de

5 No módulo de inclusão digital discutiu-se profundamente a importância do domínio de novas tecnologias de comunicação e informação pelos educandos/as, para que possam superar obstáculos no dia a dia, como por exemplo, utilizar um caixa eletrônico de banco com maior facilidade. No último encontro da ACIEPE foi demandado pelos educadores a sua continuação, com o aprofundamento nas questões teóricas e práticas de leitura e escrita, matemática e inclusão digital. O acesso aos computadores das turmas de MOVA e EJA estendeu-se até junho, e continuou durante o 2 o semestre de Resultados e discussão Através das atividades realizadas, tanto no projeto de inclusão digital quanto no de formação de educadores/as é possível perceber a importância do trabalho de extensão, como via de troca de conhecimentos entre universidade e comunidade, ambas se enriquecendo no processo de aprofundamento de práticas de aprendizagem dialógica. O diálogo estabelecido na ACIEPE permitiu a participação efetiva de educandos/as e educadores/as no espaço público da Universidade, possibilitando a reflexão e proposição de práticas pedagógicas e até mesmo de proposições de políticas públicas. Uma importante decorrência desse diálogo foi a participação efetiva de educandos/as e educadoras/es no II Congresso Regional de Educação de Pessoas Adultas e I Congresso de Participantes de Educação de Pessoas Adultas visto que foi na ACIEPE que se deu o processo de articulação da melhor forma de participação para educandos/as, educadoras/es e acadêmicos/as nesse Encontro. O projeto de inclusão digital possibilitou o acesso a mais de 600 educandos/as jovens e adultos/as à computadores e internet como ferramentas de aprendizagem, incorporando a idéia de que têm direito ao acesso a tais instrumentos e aos espaços públicos onde eles estão. Foi possível ainda perceber que, tratando-se especificamente da Educação de Pessoas Jovens Adultas, composta de pessoas que, pelas trajetórias que percorreram em suas vidas, não puderam ter acesso ao conhecimento escolar na infância, e, que agora sentem urgência em aprender a leitura e escrita, visto que este é um dos eixos pelo qual são excluídos, é fundamental que o uso da tecnologia esteja aliado diretamente ao aprendizado de leitura e escrita, de modo que se crie um sentido para o uso do computador. Ao digitar um texto que escreveu, o alfabetizando/a está também aprendendo a ler e a escrever. Quando faz uma pesquisa na internet, além atividade de leitura, se abre também a possibilidade de obter, individual ou coletivamente, informações úteis a sua vida. Os alunos/as não tiveram aulas exclusivamente de informática. O uso do computador ocorreu como mais uma possibilidade para potencializar o aprendizado de leitura e escrita e de obtenção de informações pela internet. Outro importante resultado desse projeto de extensão foi a sua adoção pela Secretaria de Educação e Cultura da Prefeitura Municipal de São Carlos, a partir do segundo semestre de 2005, como uma das políticas públicas de inclusão digital. Segundo a avaliação dos estudantes da universidade, que participaram do projeto como alunos da ACIEPE, o projeto de inclusão digital lhes proporcionou crescimento profissional e pessoal, além de melhorar a qualidade de vida dos educandos que não tiveram acesso às escolas ou tiveram que se afastar delas para trabalharem. O crescimento profissional ocorreu pelo fato de que educadores/as e monitores/as trabalharam em conjunto com os processos de ensino e aprendizagem dos educandos e deles próprios, através do planejamento das aulas e da produção de atividades de acordo com o nível de alfabetização de cada educando, aprendendo a lidar com as imprevisibilidades na realização das atividades pelos educandos, tendo em vista a utilização do computador como base pedagógica e como ferramenta de acesso às novas tecnologias. Os estudantes da universidade indicaram, como fator positivo, a possibilidade de trabalharem em contextos diferentes do ambiente acadêmico, em zona rural, por exemplo, o que impulsionou aprendizagens pessoais que não são adquiridas convivendo apenas com o 1427

6 ambiente urbano. Destacaram que, concomitantemente, para os moradores de zona rural, as aulas de inclusão digital possuem um significado relevante diante do acesso às tecnologias, já que muitos nunca tinham manuseado um computador e nunca tinham visto o funcionamento de uma impressora antes do início das aulas com os computadores, o que, para eles, demonstra a importância do projeto na vida dessas pessoas para amenizar as desigualdades sociais que sofrem e conseqüentemente as exclusões sociais que permeiam suas vidas. De acordo com os pontos de vistas dos próprios estudantes universitários, pode-se afirmar que o projeto de inclusão digital proporciona inúmeras aprendizagens, que produzem reflexões pessoais diante das relações sociais e das práticas educativas, satisfazendo aos estudantes pelo crescimento pessoal e profissional através das interações com os/as educadores/as e os educandos. As citações a seguir retratam as idéias pessoais de alguns/mas estudantes diante da experiência no projeto e evidenciam a importância das aulas de inclusão digital para várias pessoas envolvidas nelas: Realizar um trabalho dentro da temática da inclusão digital, sendo formada em Educação Física, foi extremamente desafiador e inovador. Notei que a aprendizagem ocorreu em todas as pessoas envolvidas no processo: monitoras/educadores, educadores/educandos e monitoras/educandos. Além disso, busquei e discuti temas para melhor adaptar as aulas à população específica, aumentando minha gama de conhecimentos e as outras formas que se pode dialogar, entrar em um consenso e ajudar a romper com as visões de superioridade e inferioridade (Cristiane Nicioli - Licenciatura em Educação Física). Acredito que o meu amadurecimento como profissional, de uma área da educação que sempre me atraiu, começou a ser consolidada. Compreendo melhor a realidade deste Brasil de exclusões, que até então se traduzia apenas em números nos dados estatísticos (Adaísis Ribeiro Bonato - Licenciatura em Pedagogia). O interessante da Inclusão digital é que ela não se desvincula da inclusão social, pois o educando no contato com a tecnologia se insere na sociedade da informação, que tanto exige dos sujeitos. A inclusão digital possibilita a superação da exclusão tecnológica, possibilita o acesso a informações e torna-se uma ferramenta preciosa para a alfabetização. Com isso eu pude redirecionar meu olhar em relação ao uso que se pode fazer das tecnologias (Lívia Carolina Beneton - Licenciatura em Pedagogia). Um dos resultados que foi nítido de perceber foi a familiaridade com que, tanto a educadora como os(as) educandos(os), manipulavam o computador. Se no início das aulas havia um certo receio em quebrar a máquina ou preocupação quando apagava tudo da tela do computador, já não haviam mais estas preocupações ao final. Em relação à escrita, pude perceber que os(as) educandos(as) que escreviam bem melhoraram mais e que os(as) que não conseguiam escrever, que estavam conhecendo as letras, passaram a achá-las rapidamente no teclado do computador (Lígia Menezes - Licenciatura em Pedagogia). A experiência foi maravilhosa, pois passei a ter uma outra visão dos analfabetos e com isso pude compreendê-los melhor e eliminar uma das barreiras as quais eu enfrentarei na minha transição para a vida profissional, como: elaborar materiais adequados para a execução de atividades com a finalidade de melhorar a cadeia de produção e reduzir os acidentes nas obras que se tornaram corriqueiros (Fábio Mineo Kumagai - Engenharia Civil). O meu aproveitamento como pessoa foi ótimo, nunca tive tanta experiência boa, o projeto consegue cumprir o proposto, realmente o computador e as 1428

7 atividades colaboram na aprendizagem da leitura e da escrita (Maria Fernanda de Aguiar Machado - 'Licenciatura em Química). Em relatório técnico, realizado sobre essa frente de trabalho, uma das monitoras bolsistas do projeto analisa: Enfim, esses relatos de monitores/as participantes das aulas, revelam a satisfação pessoal pelas aprendizagens que adquiriram ao trabalharem em prol da melhoria de vida dos educandos, as citações também demonstram a relevância do projeto de inclusão digital aliado à alfabetização de jovens e adultos para a vida das pessoas que sofrem exclusões sociais e comprovam a importância do projeto como política pública, para que os educandos efetivamente tenham acesso aos novos conhecimentos exigidos nos dias atuais diante do avanço das tecnologias na sociedade da informação, na qual as pessoas são valorizadas pelos níveis de escolaridade e qualificação profissional que possuem para a garantia de um emprego (Mião, 2005, p.11). Conclusões Pode-se afirmar que os objetivos do projeto foram atingidos e suplantados. Numa perspectiva dialógica de trabalho, foi possível construir conhecimentos, alternativas e redes de solidariedade para a superação de dificuldades e exclusões impostas às pessoas que sofrem discriminações e limitações por não dominarem a leitura e a escrita e, em acréscimo, não terem acesso às novas tecnologias de informação e comunicação. Formação de futuros profissionais e de educadoras e educadores em exercício, aliaram-se à aprendizagem por parte dos pesquisadores e dos educandos de turmas de MOVA, Brasil Alfabetizado e EJA, para a superação da divisória de letramento e da divisória digital presentes na cidade de São Carlos. Neste âmbito, o tema do encontro expressa profundamente o espírito do trabalho realizado pelo Núcleo de Investigação e Ação Social e Educativa, da UFSCar: "navegar é preciso... transformar é possível". Referências GIDDENS, A. Modernidad e Identidad del Yo. Barcelona, Ediciones Península, CASTELLS, M. A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura. Vol.1: A Sociedade em Rede, Vol.2: O Poder da Identidade, Vol.3: Fim de Milênio. São Paulo. Paz e Terra, CASTELLS, M. A Galáxia da Internet Reflexões sobre a Internet, os Negócios e a Sociedade. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, CASTELLS, M. Fluxos, Redes e Identidades: Uma Teoría Crítica da Sociedade Informacional. In FLECHA et al. Novas Perspectivas Críticas em Educação. Porto Alegre, Artes Médicas, 1996, p MELLO, R.R. & BENTO, P.E.G. A Sociedade da Aprendizagem no Discurso Científico Internacional: o caso brasileiro. Relatório de Pesquisa (circulação restrita). Financiamento: Euronet/União Européia, out. de MELLO, R.R.; BENTO, P.E.G.; MELLO, M.A.; REYES, C.R. Alfabetização de adultos e inclusão digital. In: Anais do 2 Congresso Brasileiro de Extensão Universitária, Belo Horizonte, set

8 MIÃO, M.G. Relatório sobre o Projeto de Inclusão Digital. São Carlos: UFSCar, texto mimeo, set NERI, M. C. Mapa da Exclusão Digital. Rio de Janeiro, FGV/IBRE, CPS,

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Alfabetização de Jovens e Adultos e Inclusão Digital Área Temática de Educação Resumo O projeto Alfabetização

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL ATRAVÉS DE CURSOS DE INFORMÁTICA NA ULBRA CAMPUS GUAÍBA

INCLUSÃO DIGITAL ATRAVÉS DE CURSOS DE INFORMÁTICA NA ULBRA CAMPUS GUAÍBA INCLUSÃO DIGITAL ATRAVÉS DE CURSOS DE INFORMÁTICA NA ULBRA CAMPUS GUAÍBA Daniele Pinto Andres RESUMO Este artigo aborda uma análise das atividades realizadas na ULBRA de Guaíba sobre os cursos de informática

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE PESSOAS ADULTAS: SUPERANDO EXCLUSÕES E CONTRIBUINDO PARA ALFABETIZAÇÃO E PÓS- ALFABETIZAÇÃO.

INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE PESSOAS ADULTAS: SUPERANDO EXCLUSÕES E CONTRIBUINDO PARA ALFABETIZAÇÃO E PÓS- ALFABETIZAÇÃO. INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE PESSOAS ADULTAS: SUPERANDO EXCLUSÕES E CONTRIBUINDO PARA ALFABETIZAÇÃO E PÓS- ALFABETIZAÇÃO 1. HENRIETTE GONÇALVES, Becky UFSCar. becky_hg@yahoo.com.br Categoria: Pôster

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB Introdução Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho Universidade Federal

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. A Universidade e a Comunidade de Mãos Dadas

Mostra de Projetos 2011. A Universidade e a Comunidade de Mãos Dadas Mostra de Projetos 2011 A Universidade e a Comunidade de Mãos Dadas Mostra Local de: Arapongas. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: (campo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL COMO AUXILIO AS METODOLOGIAS DE ENSINO

O USO DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL COMO AUXILIO AS METODOLOGIAS DE ENSINO ISSN 2316-7785 O USO DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL COMO AUXILIO AS METODOLOGIAS DE ENSINO Gabriel Souza Germann da Silva Universidade Federal de Pelotas germann.gabriel.mat@gmail.com Antônio

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA OLIVEIRA, Paula Cristina Silva de Faculdade de Educação/UFMG EITERER, Carmem Lúcia. (Orientadora) Faculdade de Educação/UFMG RESUMO: Este é um trabalho de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA Neire Oliveira de Castro Souza 1 Lorrainy Dias Mendes 2 Airson José de Moraes Júnior 3 Neusa Elisa Carignato Sposito (Orientador) 4 RESUMO

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook.

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook. A INCLUSÃO DIGITAL E O FACEBOOK NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EJA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA POMBAL PB Autor (1) Amélia Maria

Leia mais

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Regina Luzia Corio de Buriasco * UEL reginaburiasco@sercomtel.com.br Magna Natália Marin Pires* UEL magna@onda.com.br Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino*

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade 1 Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade Maria Helena de Lima helenal@terra.com.br/helena.lima@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. Este artigo constitui

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores, software livre e TIC s.

Palavras-chave: Formação de professores, software livre e TIC s. INFORMÁTICA EDUCATIVA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES EM UMA ESCOLA PÚBLICA: PROCESSOS DE POTENCIALIZAÇÃO DOS SABERES E PRÁTICAS Jardel Silva 1 Alex Sandro C. Sant Ana 2 RESUMO Aliada às discussões

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba 1 Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba Sílvia Helena Santos Vasconcellos 1 Resumo O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

As práticas de letramento digital na formação de professores

As práticas de letramento digital na formação de professores As práticas de letramento digital na formação de professores Nádie Christina Machado Spence 1 1 Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) 90040-060

Leia mais

META 5 Alfabetizar todas as crianças, no máximo, até o final do 3º (terceiro) ano do Ensino Fundamental.

META 5 Alfabetizar todas as crianças, no máximo, até o final do 3º (terceiro) ano do Ensino Fundamental. META 5 Alfabetizar todas as crianças, no máximo, até o final do 3º (terceiro) ano do Ensino Fundamental. Diagnóstico Um dos fatores que comprometem a permanência das crianças na escola é a repetência,

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

Polo Universitário Santo Antônio Núcleo de Tecnologia Educacional Santo Antônio da Patrulha. Planejamento para 2015

Polo Universitário Santo Antônio Núcleo de Tecnologia Educacional Santo Antônio da Patrulha. Planejamento para 2015 Polo Universitário Santo Antônio Núcleo de Tecnologia Educacional Santo Antônio da Patrulha Planejamento para 2015 Formação Aprender faz parte da vida, sendo um processo permanente de desenvolvimento humano

Leia mais

TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS

TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS Resumo O Teia é um Programa que objetiva consolidar e articular 31 projetos de extensão que compartilham concepções, práticas e metodologias baseadas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares.

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares. APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI: POSSÍVEIS ENCONTROS COM A APRENDIZAGEM DIALÓGICA NOS CADERNOS DE PESQUISA 1 Adrielle Fernandes Dias 2 Vanessa Gabassa 3 Pôster - Diálogos Abertos

Leia mais

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL Resumo Cláudia Luíza Marques 1 - IFB Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com

Leia mais

É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades das aulas 1 e 2 do Módulo IV do Curso, em que iremos tratar dos seguintes assuntos:

É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades das aulas 1 e 2 do Módulo IV do Curso, em que iremos tratar dos seguintes assuntos: EXERCÍCIO ANTECIPADO PARA O ESTUDO DIRIGIDO Módulo IV Aspectos Contemporâneos do Marco legal Profa. Maria José Lacerda Xavier Prezado (a) Aluno (a), É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades

Leia mais

FAZENDO RÁDIO NA ESCOLA: A IMPLANTAÇÃO DA RÁDIO BEATRIZ

FAZENDO RÁDIO NA ESCOLA: A IMPLANTAÇÃO DA RÁDIO BEATRIZ FAZENDO RÁDIO NA ESCOLA: A IMPLANTAÇÃO DA RÁDIO BEATRIZ Giselle Gomes Tiscoski, Marcos Franzoni Acadêmicos do Curso de Jornalismo da UFSC Maria José Baldessar, Ms. Professora do Departamento de Jornalismo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO CURSO DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO CURSO DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA ISSN 2177-9139 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO CURSO DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Gerusa Camargo Rodrigues gerusa.cr@gmail.com Ana Maria Zornitta de Alencar ana.zornitta@gmail.com

Leia mais

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 LEGENDA: EM VERMELHO O QUE INCLUÍMOS NO FÓRUM EJA / RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE VERDE PROPOSTA

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

Projeto de Monitoria 2010/2011

Projeto de Monitoria 2010/2011 Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Campus Guarulhos Curso de Ciências Sociais Projeto de Monitoria 2010/2011 Ciências Sociais, Linguagens e Tecnologias: formação docente inicial e práticas de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES P R O POS T A A INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES SOBRE NÓS Quem Somos A mantenedora do Seu Professor atua há mais de 18 anos no segmento educacional, com escolas de Ensino Fundamental, Médio, cursos técnicos,

Leia mais

Educação e inclusão digital

Educação e inclusão digital Educação e inclusão digital Na Escola Municipal da Palmeia, em Muzambinho (MG), educação e inclusão caminham juntos. Para ajudar na alfabetização das crianças e ao mesmo tempo estimular e melhorar a leitura,

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente A internet como atividade integrante de uma prática docente Flávio Chame Barreto Instituto Educacional Vivenciando RJ flaviocbarreto@yahoo.com.br Resumo Um consenso entre os docentes do Ensino Fundamental

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL PARA PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

INCLUSÃO DIGITAL PARA PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS INCLUSÃO DIGITAL PARA PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Área Temática: Educação Natalina Francisca Mezzari Lopes 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Natalina Francisca Mezzari Lopes Andressa

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática Michel da Silva Machado e-mail: michel_nick25@hotmail.com Isaque Rodrigues e-mail: isaque.max@hotmail.com Márcia Marinho do Nascimento Mello e-mail:

Leia mais

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE 689 O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: Este estudo traz os resultados de uma pesquisa de campo realizada em uma escola pública

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES. Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Pedagogia Campus São Carlos.

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES. Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Pedagogia Campus São Carlos. RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES CURSO: PEDAGOGIA UFSCAR Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Pedagogia Campus São Carlos. INDICADOR CLASSIFICAÇÃO ÍNDICE DE AVALIAÇÃO GERAL ALTO

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO Secretaria de Educação Especial/ MEC Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Objetivo Orientar os sistemas

Leia mais

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ESPAÇO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E AMPLIAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Florianópolis SC - maio 2012 Categoria: C Setor

Leia mais

A EAD NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO TOCANTINS

A EAD NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO TOCANTINS Introdução A EAD NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO TOCANTINS Ângela Noleto da Silva angelanoleto@uft.edu.br Darlene Araújo Gomes lenegomes20@yahoo.com.br Kátia Cristina Custódio Ferreira Brito katiacristina@uft.edu.br

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO MIRANDA 1, Márcia Verônica Costa; SILVA 2, Gilmar Batista da 1 Professora Orientadora

Leia mais

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO O Programa Tempo de Escola foi iniciado em junho de 2010, com a participação de Escolas Municipais e ONGs executoras. O Programa Tempo de Escola, que inclui o Programa Mais Educação

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo

Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo 1 Congresso sobre práticas inovadoras na educação em um mundo impulsionado pela tecnologia Workshop: Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo Palestrante: João Vilhete Viegas d'abreu Núcleo

Leia mais

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Dayana da Silva Souza 1 ; Luana de Oliveira F. Crivelli 1 ; Kerly Soares Castro 1 ; Eduardo Machado Real 2 ; André

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

Fabio Favarim 1 (Coordenador da Ação de Extensão)

Fabio Favarim 1 (Coordenador da Ação de Extensão) INCLUSÃO DIGITAL PROMOVENDO OPORTUNIDADES DE TRABALHO E CIDADANIA Área Temática: Trabalho Fabio Favarim 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Fabio Favarim Beatriz Terezinha Borsoi 2 Palavras-chave: inclusão

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA (Ato de Aprovação:

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS 01. JUSTIFICATIVA: Entendemos que a Educação de Jovens e Adultos foi concebida para resgatar aqueles que por vários motivos tenham

Leia mais

CICLO DA INFÂNCIA E CICLO DE ALFABETIZAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: COMPARAÇÕES PRELIMINARES

CICLO DA INFÂNCIA E CICLO DE ALFABETIZAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: COMPARAÇÕES PRELIMINARES CICLO DA INFÂNCIA E CICLO DE ALFABETIZAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: COMPARAÇÕES PRELIMINARES Rosilene Lagares PET Pedagogia/Campus de Palmas/Pedagogia/Mestrado em Educação/UFT/Capes roselagares@uft.edu.br

Leia mais

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Aline Alcalá; Amanda Fernandes Dayrell; Danielle Martins Rezende; Gabriela Camacho; Renata Carmo-Oliveira O processo de inclusão de pessoas com necessidades

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO

A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO 112 A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO FAILI, Valmir Rogério 1 Aula de Português Carlos Drummond de Andrade A linguagem na ponta da língua, tão fácil de

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Atividades Complementares

Atividades Complementares Centro de Ciências da Educação, Artes e Humanidades CCEAH-UNISANTOS Atividades Complementares ENGENHARIA AMBIENTAL ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA ELÉTRICA ENGENHARIA PETRÓLEO ENGENHARIA PORTUÁRIA ENGENHARIA

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais