ESTUDO DO IMPACTO DE ATIVIDADE RÍTMICA EM PISOS DE UM EDIFÍCIO EM CONCRETO ARMADO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DO IMPACTO DE ATIVIDADE RÍTMICA EM PISOS DE UM EDIFÍCIO EM CONCRETO ARMADO"

Transcrição

1 ESTUDO DO IMPACTO DE ATIVIDADE RÍTMICA EM PISOS DE UM EDIFÍCIO EM CONCRETO ARMADO Matheus Salmaso Borges de Souza Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais, Av. Antônio Carlos, Campus Pampulha , Belo Horizonte, MG - Brasil Fernando A. de Paula Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais, Av. Antônio Carlos, Campus Pampulha , Belo Horizonte, MG - Brasil Resumo. A vibração de pisos é um fenômeno muitas vezes deixado em segundo plano por projetistas. Nas estruturas de edifícios comerciais ou residenciais, esse fenômeno usualmente provém de qualquer atividade ritmada como passos de um caminhante, uma leve corrida ou, como será desenvolvida nesse trabalho, uma aula de aeróbica. Essas atividades geram vibrações nas lajes em que elas estão aplicadas e, além disso, como a estrutura é um corpo contínuo, as vibrações também podem ser transmitidas para lajes adjacentes e mesmo para outros pavimentos. Caso ocorra ressonância entre a frequência com que os praticantes da atividade rítmica praticam seus movimentos e a frequência natural das lajes, o efeito da vibração é agravado. Em geral, não há problemas estruturais devido às vibrações. Entretanto, como as estruturas estão se tornando mais esbeltas, o que resulta em frequências naturais mais próximas da frequência de excitação, há uma preocupação maior com a resposta dinâmica da estrutura e seus efeitos para os usuários da edificação. Por isso, serão avaliadas nesse trabalho as situações em que uma academia de aeróbica perturba ou não os ocupantes de uma edificação de um prédio comercial de concreto armado. Será feita uma avaliação dos níveis de vibração para avaliar o possível incômodo que os ocupantes sentem devido à carga oriunda de uma aula de aeróbica, usando critérios prescritos em normas internacionais, publicações e manuais elaborados por pesquisadores da área para avaliar as respostas estruturais. Palavras chave: Concreto armado, aeróbica, vibrações. 1. INTRODUCÃO A vibração de pisos é um assunto pouco abordado nos cursos de graduação em Engenharia Civil, embora ela seja de grande importância para a concepção de projetos estruturais. Esse trabalho abordará a resposta de um edifício comercial de concreto armado de médio porte quando um de seus pavimentos for submetido a uma excitação dinâmica decorrente de uma academia de aeróbica. Em uma aula de aeróbica, um grupo de pessoas exerce uma atividade rítmica e sincronizada. Na realidade, o simples caminhar de uma pessoa sobre a laje produz vibração. Porém, são vibrações pequenas e praticamente imperceptíveis nos pavimentos usuais. Por outro lado, as vibrações causadas pela aula de aeróbica são mais fortes e podem causar desconforto para os ocupantes de ambientes em sua vizinhança. O ritmo e a sincronia produzem uma excitação quase periódica, que contém energia concentrada em algumas frequências que podem se aproximar das frequências naturais da estrutura.

2 Será realizado um estudo dos impactos causados pelas excitações geradas na academia de aeróbica no seu piso e da influência nos demais ambientes na vizinhança, avaliando se a atividade gerará desconforto para os ocupantes do prédio e em qual magnitude. O comportamento das estruturas em relação à vibração não é linear, mas aproximações lineares são satisfatórias e aceitáveis. Assim, o estudo deste trabalho não se deterá em análises mais aprofundadas e complexas. Além disso, será gerado um modelo em um programa computacional de elementos finitos que irá fornecer os resultados a serem analisados. Existem vários artigos e publicações que tratam sobre a vibração de estruturas. Artigos como o de Murray et. al. (1987) trata das vibrações causadas por atividades humanas. Nele encontra-se um capítulo de introdução à vibração de pisos e um capítulo dedicado à atividades rítmicas, recomendações e critérios de projeto. Allen (1990), trata das principais preocupações do projetista ao estudar vibrações. Aborda temas como frequência natural e ressonância, além de destacar atividades como dança e aeróbica. No Brasil, o trabalho de Stolovas (2011) foi utilizado como referencia por atentar à realidade local e utilizar as normas brasileiras. 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Para o desenvolvimento desse trabalho é importante definir alguns conceitos básicos que serão utilizados posteriormente e que devem ser considerados no contexto do mesmo. Todos os conceitos a seguir são encontrados na publicação de Murray et al. (1997). Os carregamentos dinâmicos podem ser classificados como harmônicos, periódicos, transientes e impulsivos. Carregamentos harmônicos ou senoidais são normalmente associados com máquinas rotativas. Carregamentos periódicos são causados por atividades rítmicas humanas como dança e aula de aeróbica, assim como máquinas de impacto. Carregamentos transientes ocorrem devido ao movimento de pessoas, incluindo caminhada e corrida. Um pulo simples e um impacto de calcanhar são exemplos de carregamentos impulsivos. Em um carregamento dinâmico, período é o tempo, normalmente em segundos, entre sucessivos picos de eventos repetidos, associado com uma função de tempo harmônica e repetitiva, e a frequência é o inverso do período, sendo normalmente expressa em Hertz (ciclos por segundo - Hz). Se um sistema estrutural é submetido a uma força harmônica contínua, o movimento resultante terá uma frequência e amplitude máxima constante e é conhecido como estado estacionário. Se um sistema estrutural real é submetido a um impulso simples, o amortecimento, que refere-se à perda de energia mecânica num sistema vibratório e está sempre presente, causará a diminuição do movimento. Frequência natural é a frequência em que o corpo ou estrutura vibrará quando deslocado e depois rapidamente liberado, sendo esse estado de vibração classificado como vibração livre. Todas as estruturas tem um grande número de frequências naturais. O movimento oscilatório de um edifício tridimensional depende da sua distribuição de massa, da rigidez dos elementos estruturais e do amortecimento inerente à todo sistema. Uma estrutura de concreto armado tem massa e rigidez bem definidos, mas o amortecimento tem sua determinação mais complexa e, normalmente, é considerado como uma certa quantidade de amortecimento definida de forma aproximada. Considerando o amortecimento crítico como a menor parte do amortecimento viscoso pela qual cada sistema de vibração livre vai repousar sem oscilação depois de deslocado da posição de equilíbrio, o amortecimento de uma estrutura real, como a estrutura de concreto armado analisada, é normalmente expresso como uma porcentagem do amortecimento crítico

3 ou como a fração do amortecimento real (assumindo como viscoso) para o amortecimento crítico, denominado fator de amortecimento. Na literatura encontram-se valores que variam de 1% a 5% do amortecimento crítico para estruturas de concreto armado, sendo o maior valor adotado para estruturas com presença de revestimentos de pisos e de alvenarias de vedação. Se uma frequência componente de uma força excitante aproxima-se do valor da frequência natural da estrutura, ocorrerá o fenômeno da ressonância, no qual a amplitude do movimento tende a ser amplificado, podendo causar transtornos a seus ocupantes. Segundo Murray et al. (1997), a excitação originada em um piso sob atividade de aula de aeróbica pode ser satisfatoriamente representada como periódica e constituída pela superposição de três harmônicos de frequências múltiplas, sendo a frequência básica definida pela frequência de movimento dos alunos, que varia em uma faixa de 2,2 a 2,8 Hz. Desta forma, sendo variável a frequência básica da excitação, adota-se um valor para a mesma que resulte em uma pior situação para a resposta estrutural, seja por ser uma frequência próxima da frequência natural da estrutura, seja por ter a frequência de um harmônico superior nesta situação. Com a definição de um modelo estrutural linear para representar o edifício, pode-se utilizar o Método da Superposição Modal para avaliação das respostas de deslocamentos e acelerações nos pontos nodais do modelo computacional. É um método analítico computacional no qual, após a determinação das frequências naturais e as formas de vibração da estrutura, obtém-se as respostas dos modos individuais mais significativos para a excitação dada, que são então superpostas para obter uma resposta total do sistema (Rao, 2009). Nesse trabalho foi utilizado o programa computacional (SAP2000, 2014), para obtenção desses resultados. 3. METODOLOGIA Para poder usar um critério prático, que permita aos projetistas considerar a vibração no projeto estrutural, a norma NBR:ABNT6118 apresenta itens referentes à aceitabilidade de desempenho no Estado Limite de Vibrações Excessivas (ELS-VE) que preveem situações de vibrações no piso. De acordo com esta norma, deve-se cumprir que a frequência fundamental da estrutura, nesses casos, seja pelo menos 9,6 Hz. Com isso, garante-se um bom desempenho quanto a vibração e diminuí-se a possibilidade de desconforto devido à vibração. Entretanto, nem sempre se tem frequências naturais de pisos acima do valor estabelecido em normas práticas, seja por questões arquitetônicas ou financeiras, tornando-se necessária a avaliação dos impactos gerados por um carregamento dinâmico. 3.1 Critério de aceitação do conforto humano A vibração causada por atividades rítmicas em um piso resulta em vibrações também nos pisos adjacentes. São vibrações de frequência e aceleração pequenas; porém, dependendo da atividade exercida nestes ambientes, pode ser bastante incômoda. É difícil classificar essa perturbação, porque o que causa desconforto no usuário varia de pessoa para pessoa e da atividade exercida por elas. Uma pessoa que se encontra em sua residência para descansar percebe vibrações no chão do seu quarto mais facilmente do que uma pessoa que está exercendo uma atividade física. O mesmo acontece com um trabalhador em um escritório. Esses usuários sentem-se mais incomodados e aborrecidos com as vibrações da estrutura e, por isso, o limite máximo de vibração nestes ambientes deve ser menor.

4 A ISO2631-2:1989 adota critérios para servir de base para projetistas. Ela considera a atividade exercida no piso analisado e sugere limites de aceitação da aceleração, em porcentagem da aceleração da gravidade (g). A Fig. 1 mostra um gráfico com essas relações. Como pode ser observado na Fig. 1, as frequências de vibração devidas a atividades humanas que causam maior desconforto encontram-se na faixa de 4 a 8 Hz. Nesses casos, o pico de aceleração recomendado para escritórios e residências não deve superar 0,5%g. Para atividades rítmicas e pontes ou passarelas externas, é aceitável um pico de até 5%g. Figura 1 - Aceleração de pico recomendada para o conforto humano (ISO : 1989) A maior preocupação do projetista deve ser com o fenômeno da ressonância. Se a frequência principal do carregamento atuante, f, for próxima à frequência natural, f 0, haverá grande amplificação nas respostas estruturais, o que sempre deverá ser evitado. Entretanto, o carregamento pode ser constituído de diversos harmônicos e, mesmo harmônicos de menor importância na constituição do carregamento, devem ser levados em consideração. A Fig. 2 ilustra como a ressonância aumenta a aceleração de pico, podendo causar diversas complicações. Figura 2 - Resposta de um carregamento em um sistema de um grau de liberdade (Allen, 1990).

5 3.2 Características do edifício O estudo é feito em um edifício de concreto armado de 10 pavimentos iguais (pavimento tipo) de 264m² de área, sendo 24m de frente e 11m de lateral, um barrilete e um pavimento para caixa d água. O pé direito dos pavimentos é de 3m. A caixa de elevador é considerada como um elemento estrutural. O concreto utilizado tem resistência característica à compressão (fck) de 30 MPa e peso específico de 25kN/m³. O módulo de elasticidade foi calculado segundo a Norma NBR 6118: 2003 que recomenda, para avaliação global da estrutura, utilizar em projeto o módulo de elasticidade de deformação tangente inicial E ci, neste caso igual a 30672,5MPa. O Coeficiente de Poison ( ) é igual a 0,2 e o Módulo de elasticidade transversal G considerado tem valor de 11797MPa. A Fig. 3 representa as disposições das salas, escadas, elevadores e banheiros. As paredes podem ser removidas para criar salas maiores e, nas salas 3 e 4, a parede frontal pode ser removida para colocar uma porta de vidro, por exemplo. Os pilares estão com seus eixos de maior inércia perpendiculares à menor direção da estrutura. Essa configuração concede maior rigidez nessa direção e faz com que a estrutura se deforme e vibre menos lateralmente. Suas dimensões são de 30x20 cm para os pilares externos, 40x20 cm para os pilares internos e 30x15 cm para os pilares que sustentam a escada. As vigas das lajes têm dimensões de 15x48 cm. As do elevador e das escadas são de 15x40 cm. As lajes têm espessura de 8 cm. Em termos de vibração, é uma laje pouco rígida e permite maiores amplitudes de movimento. A Fig. 4 mostra as disposições dois eixos das vigas do pavimento e a localização dos pilares. 3.3 Definição dos carregamentos estáticos Figura 3- Disposição das salas no pavimento A resposta da estrutura quanto às cargas dinâmicas é influenciada pelas cargas estáticas, já que podemos considerar que ela está diretamente relacionada com a massa da edificação.as cargas permanentes e sobrecarga de utilização, inclusive a carga da aula de aeróbica, foram consideradas como elementos de massa para análises dinâmicas.

6 Figura 4- Eixos das vigas e disposição dos pilares As massas consideradas pelo programa são o peso próprio da estrutura e revestimento, em sua totalidade, e 25% da sobrecarga de utilização. A Tabela 1 contém os valores e os tipos das cargas consideradas. Tabela 1 - Carregamentos estáticos da estrutura Tipo Valor Alvenaria 1,1 KN/m² Revestimento 0,5 kn/m² Sobrecarga de piso 2 kn/m² Sobrecaga de escada 3 kn/m² Caixa d'água 7 kn/m² 3.4 Definição dos carregamentos dinâmicos A análise feita foi baseada idealizando a ação das pessoas do grupo de aeróbica como ação de três excitações harmônicas, levando-se em consideração somente os três primeiros harmônicos para o estudo de vibração dos pisos dessa estrutura. Harmônicos maiores já são muito pequenos e pouco contribuem. A Tabela 2 apresenta os valores das cargas e faixas de frequências que devem ser consideradas em um estudo de vibrações causadas por aulas de aeróbica. Tabela 2 - Superposição de Harmônicos Harmônico Amplitude (N/m²) Frequência (Hz) Expressão analítica H ,2-2,8 H 1 =300cos(2πf 1d t) H ,4-5,6 H 2 =120cos(2πf 2d t+φ 2 ) H ,6-8,4 H 3 =20cos(2πf 3d t+φ 3 ) A análise foi feita considerando a hipótese de uma população padrão de aula de aeróbica de densidade de uma pessoa a cada 4 metros quadrados. Assim, é razoável adotar o peso uniformemente distribuído da população como 200 N/m². Essa consideração foi feita assumindo que os indivíduos pesam 80 kg e a distância entre indivíduos é de 2 m (nas duas direções principais). A Fig. 5 é um diagrama representando a hipótese.

7 É bastante conservador assumir que as respostas dos três harmônicos estão em fase, o que resulta em amplificar consideravelmente os efeitos dinâmicos da excitação. Na realidade, como é o caso da aceleração, cada valor de pico ocorre em fases distintas. Por isso foi adotado o método proposto por Allen (1990), que recomenda utilizar ângulo de fase nulo ( =0) para os três harmônicos e obter uma aceleração superposta dos três harmônicos (a m ) com a seguinte relação: (1) Figura 5 - Hipótese da população padrão em uma aula de aeróbica (Stolovas, 2011). 3.5 Modelagem da estrutura A estrutura do edifício foi modelada de acordo com as características do material e com as dimensões dos elementos descritas nos itens acima. Após a definição dos eixos, dos materiais e das seções dos elementos foram inseridas as barras (pilares e vigas) e elementos de área (lajes e caixa de elevador) no programa computaconal. Feito isso, para aumentar os números de nós, e consequentemente, obter uma resposta mais próxima da realidade, os elementos de laje e vigas foram sub-divididos em elementos menores de dimensão máxima de 50cm. A representação em 3 dimensões do modelo final está mostrada na Fig. 6. Figura 6 - Representação da estrutura no modelo computacional

8 Para fazer um estudo simplificado porém abrangendo boa parte das possibilidades, foram aplicadas cargas somente no 9, 5 e 2 pavimentos para avaliar como se comporta a estrutura com uma carga dinâmica na parte mais elevada, no meio e na base. Em cada pavimento, a carga foi aplicada em dois locais: no referente à Sala 1 e no referente às Salas 3 e 4, seguindo o que está representado na Fig. 3. Para avaliar a resposta nos pavimentos, foi escolhido um ponto aproximadamente no meio da laje e, a partir das respostas obtidas em uma análise do tipo time history, gerar o gráfico da aceleração para esse ponto. Foi considerado que esse ponto no meio da laje representa o ponto mais crítico de vibração e todos os outros pontos na laje terão uma aceleração igual ou menor à dele. No ponto analisado, considerou-se as respostas dos 3 harmônicos. A aceleração encontrada em cada uma deles é substituída na Eq. (1) de acordo com a sugestão de Allen (1990). O modo transiente foi desconsiderado nessa análise uma vez que ele ocorre em um espaço de tempo muito curto e tem picos de aceleração não tão altos. Foram considerados 50 modos de vibração para a obtenção das respostas estruturais. As frequências de excitação foram de 2Hz para o primeiro harmônico, 5Hz para o segundo e 7Hz para o terceiro. Os fatores de carregamento dinâmico de 1,5, 0,6 e 0,1 foram adotados para os três primeiros harmônicos, respectivamente, conforme indicado na Tabela 2. Observe-se que, para esse estudo, não foram consideradas frequências múltiplas para o carregamento dinâmico, adotando-se os valores de números inteiros próximos aos valores médios das faixas de frequências de forma isolada. O amortecimento considerado para a estrutura foi de 0,05 ou 5% do amortecimento crítico, conforme Allen (1990). 4. RESULTADOS As figuras a seguir mostram em quais lajes da edificação ocorreram acelerações que pudessem causar desconforto para o usuário. Acelerações acima de 5%g para a academia e acima de 0,5%g para escritórios foram consideradas como acima do limite aceitável para o conforto humano. Figura 7 - Condição de perturbação para carregamento no 9 pavimento (a) Carregamento aplicado na Sala 1 (b) Carregamento aplicado nas salas 3 e 4

9 Figura 8 - Condição de perturbação para carregamento no 5 pavimento (a) Carregamento aplicado na Sala 1 (b) Carregamento aplicado nas salas 3 e 4 Figura 9 - Condição de perturbação para carregamento no 2 pavimento (a) Carregamento aplicado na Sala 1 (b) Carregamento aplicado nas salas 3 e 4 4 DISCUSSÃO Ao observar os resultados, nota-se que, quando o carregamento foi aplicado no 9 pavimento, as vibrações ao longo da edificação foram mais acentuadas, assim como quando aplicados nas lajes centrais, ou seja, nas salas 3 e 4. Quando aplicado nessas salas deste pavimento, os limites de aceleração recomendados foram ultrapassados até o terceiro piso. A carga aplicada na Sala 1 do 2 pavimento foi a situação que gerou menos impacto na estrutura. Esse carregamento não resultou em valores de aceleração insatisfatórios nas lajes dos pisos acima e, nas salas do próprio pavimento, somente em duas os limites foram ultrapassados, sendo uma delas a própria academia. O piso intermediário também apresentou uma resposta com poucos impactos na edificação. Portanto, estes locais podem ser indicados como os mais adequados para a implantação da academia, considerando pequenas adaptações localizadas para garantir os valores recomendados de aceleração em todo o piso, como uma maior espessura para algumas lajes. Outro aspecto observado foi a influência da ressonância na resposta da estrutura. Percebese que o segundo harmônico do carregamento foi o que gerou maiores acelerações, mesmo com a amplitude do carregamento menor do que a amplitude do primeiro harmônico. A

10 frequência de excitação neste caso é muito próxima da frequência natural da estrutura e, por isso, ele foi preponderante na análise. 5 CONCLUSÃO De acordo com os objetivos iniciais, mostrou-se que os movimentos vibratórios causados por uma atividade rítmica podem, de fato, gerar desconforto para seus ocupantes. Para essa estrutura, pôde-se observar: Quando o carregamento foi aplicado nos pavimentos mais altos, desencadeou-se maiores perturbações ao longo da estrutura. Quando aplicado nos andares intermediários e mais baixos, sua influência nas outras lajes e pavimentos diminuiu. O segundo harmônico do carregamento foi o preponderante na resposta da estrutura por estar mais próximo à frequência natural. Ainda que a carga aplicada seja menor, as acelerações geradas foram maiores e contribuíram para as maiores perturbações. Recomenda-se situar a academia na Sala 1 do 2 pavimento ou em qualquer sala do 5 pavimento. Foram nelas as situações de menores impactos na estrutura. Além disso, o incômodo causado por eles é facilmente resolvido aumentando-se a rigidez da estrutura localmente, o que não é possível em outras situações. A vibração é fenômeno que pode causar um estado limite de serviço e pode ser preponderante no dimensionamento dos elementos estruturais, como foi o caso. Neste estudo, recomendam-se modificações nas espessuras das lajes para minimizar as vibrações, ainda que não seja necessário no dimensionamento de cargas estáticas convencional. Entretanto, a resposta de cada estrutura varia com parâmetros intrínsecos à elas, como a massa, a rigidez e a localização do carregamento. Por isso, deve ser feito um estudo específico e individualizado para cada edificação. REFERÊNCIAS INTERNATIONAL STANDARDS ORGANIZATION, ISO : "Evaluation of Human Exposure to Whole- Body Vibration-Part 2: Human Exposure to Continuous and Shock-Induced Vibrations in Buildings (1 to 80 Hz)." International Standard, Allen, David E.. Building Vibration from Human Activities. Concrete International: Design &Construction, Murray, Thomas M.; Allen, David E.; Ungar, Eric E.. Floor Vibrations Due to Human Activity. American institute of Steel Construction, 1ª ed. Chicago, ASSOCIACAO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS.; NBR-6118: Projeto e execução de obras de concreto armado. Rio de Janeiro, ABNT, Rao, S.; Vibrações Mecânicas, 4ª. Ed., Pearson, SAP2000, Versão 16, Computers and Structures, Inc., 2014 Stolovas, Sergio E. Análise e projeto de estruturas que sustentam atividades rítmicas. Revista Engenharia, São Paulo, Edição 603, Disponível em: <http://www.brasilengenharia.com/portal/images/stories/revistas/edicao603/603_art_cons_civil.pdf>. Acesso 30 Jan

11 STUDY OF THE IMPACT OF RHYTHMIC ACTIVITY IN A REINFORCED CONCRETE BUILDING S FLOOR Abstract. The floor vibration is a phenomenon often left in the background by designers. In structures of commercial or residential buildings, this phenomenon usually comes from any rhythmic activity such as walking, a jog or, as will be developed in this work, an aerobic class. These activities generate vibrations of the slab in which they are applied. However, as the structure is a continuous body, the vibrations can be transmitted to other slabs and other floors. When resonance occurs between the frequency which practitioners of rhythmic activity practice their movements and the natural frequency of the slabs, the vibration effect is compounded. In general, there are no structural problems due to those vibrations. On the other hand, as the structures are becoming more slender, which results in natural frequency closer to excitation frequencies, there is a greater concern with the dynamic response of the structure and its effects on the users of the building. Therefore, this work will evaluate which situations an aerobic gym disturbs or not the occupants of a building. The building is a trade building made of reinforced concrete. An assessment of vibration levels will be undertaken to assess the possible occupants annoyance due to the dynamic load arisin from an aerobics class. Will be used prescribed criteria contained in international standards, publications and manuals developed by researchers in the field to evaluate the structural response. Keywords: reinforced concrete, aerobics, vibrations

Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos. Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²;

Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos. Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²; Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²; 3 Zenón José Guzmán Nuñez DEL PRADO 1,2,3 Escola de Engenharia Civil UFG 1 farneyjr@hotmail.com,

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

Análise Dinâmica da Estrutura de um Estádio de Futebol

Análise Dinâmica da Estrutura de um Estádio de Futebol Análise Dinâmica da Estrutura de um Estádio de Futebol Débora Cardoso dos Santos 1, Sergio Hampshire C. Santos 2, Rodrigo G. Martins 3 1 Eng. Civil / Casagrande Engenharia/ PPE/UFRJ / deborac_santos@poli.ufrj.br

Leia mais

Considerações de Projeto Sobre a Análise de Vibrações de Sistemas Estruturais de Pisos de Concreto Armado

Considerações de Projeto Sobre a Análise de Vibrações de Sistemas Estruturais de Pisos de Concreto Armado Considerações de Projeto Sobre a Análise de Vibrações de Sistemas Estruturais de Pisos de Concreto Armado Anderson Bastos Amorim de Amorim 1 Fernanda da Rocha de Carvalho Lopes 1 José Guilherme Santos

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural Universidade Estadual de Maringá - Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto I Professor: Rafael Alves de Souza Recomendações para a Elaboração do Projeto

Leia mais

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Universidade Federal de Viçosa - Av. P.H. Rolfs s/n - Viçosa MG - 36.570-000

Leia mais

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Junior, Byl F.R.C. (1), Lima, Eder C. (1), Oliveira,Janes C.A.O. (2), 1 Acadêmicos de Engenharia Civil, Universidade Católica

Leia mais

FÁBRICAS DE CIMENTO. Engº Afonso Archilla Engº Sergio Stolovas

FÁBRICAS DE CIMENTO. Engº Afonso Archilla Engº Sergio Stolovas FÁBRICAS DE CIMENTO Engº Afonso Archilla Engº Sergio Stolovas FÁBRICAS DE CIMENTO 1- DADOS DE PRODUÇÃO e CONSUMO FÁBRICAS DE CIMENTO 2 FUNCIONAMENTO DE UMA FÁBRICA DE CIMENTO BRITADOR PRE HOMOGENIZAÇÃO

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objetivo fornecer aos projetistas e contratantes, recomendações básicas e orientações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas PROJETO DE ESTRUTURAS COM GRANDES VARANDAS EDUARDO VIEIRA DA COSTA Projeto

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO ANALISANDO A RIGIDEZ DO ENGASTAMENTO ENTRE VIGAS E PILARES E UTILIZANDO

Leia mais

Efeito do comportamento reológico do concreto

Efeito do comportamento reológico do concreto Efeito do comportamento reológico do concreto FLECHAS E ELEENTOS DE CONCRETO ARADO 1 - INTRODUÇÃO Todo o cálculo das deformações de barras, devidas à fleão, tem por base a clássica equação diferencial

Leia mais

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Prof. Túlio Nogueira

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 Relatório técnico nº 00412 Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 SINDUSCON- Grande Florianópolis End.: Avenida Rio Branco,1051- Centro, Florianópolis, SC Contato:

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO Marcos Alberto Ferreira da Silva (1) ; Jasson Rodrigues de Figueiredo Filho () ; Roberto Chust Carvalho ()

Leia mais

[3] VSL, Sistema VSL de Proteção de LAJES, Sistemas VSL de Engenharia S.A., Rio de Janeiro, Brasil.

[3] VSL, Sistema VSL de Proteção de LAJES, Sistemas VSL de Engenharia S.A., Rio de Janeiro, Brasil. A análise aqui executada permite, com base nos exemplos aqui apresentados, recomendar que o dimensionamento das lajes lisas de concreto, com índice de esbeltez usuais, obedeça aos seguintes critérios:

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica Tópicos Abordados Método dos Elementos Finitos. Softwares para Análise Numérica. Método do Elementos Finitos No

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

Lajes de Edifícios de Concreto Armado

Lajes de Edifícios de Concreto Armado Lajes de Edifícios de Concreto Armado 1 - Introdução As lajes são elementos planos horizontais que suportam as cargas verticais atuantes no pavimento. Elas podem ser maciças, nervuradas, mistas ou pré-moldadas.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração.

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração. Quais são os métodos mais utilizados para controle de vibrações? Defina um absorvedor de vibração? Qual é função de um isolador de vibração? Por que um eixo rotativo sempre vibra? Qual é a fonte da força

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Referências Bibliográficas 1 KAEFER, L. F. Desenvolvimento de uma ferramenta gráfica para análise de pórticos de concreto armado. São Paulo, 2000. Dissertação de Mestrado Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS

ESTRUTURAS METÁLICAS SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO ESTRUTURAS METÁLICAS DIMENSIONAMENTO SEGUNDO A NBR-8800:2008 Forças devidas ao Vento em Edificações Prof Marcelo Leão Cel Prof Moniz de Aragão

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

ANÁLISE DINÂMICA DE ESTRUTURAS de aço SUPORTES DE MÁQUINAS ROTATIVAS

ANÁLISE DINÂMICA DE ESTRUTURAS de aço SUPORTES DE MÁQUINAS ROTATIVAS SUPORTES DE MÁQUINAS ROTATIVAS Rafael Marin Ferro 1,2 rafael.ferro@ifes.edu.br 1 - Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Espírito Santo IFES Campus Aracruz Coordenação de Mecânica. Walnório Graça

Leia mais

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo.

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo. DINÂMICA Quando se fala em dinâmica de corpos, a imagem que vem à cabeça é a clássica e mitológica de Isaac Newton, lendo seu livro sob uma macieira. Repentinamente, uma maçã cai sobre a sua cabeça. Segundo

Leia mais

Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada

Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada Módulo de Elasticidade do Concreto Normalização, fatores de influência e interface com o pré-moldado Enga. Inês Laranjeira

Leia mais

DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO

DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA Departamento de Estruturas e Construção Civil Disciplina: ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO

Leia mais

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 1 MENEGAZZO Projeto e Consultoria Ltda / carlos.menegazzo@gmail.com 2 IFSC

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 27 DETERMINAÇÃO DAS CAUSAS DE FISSURAÇÃO EM VIGA DE CONCRETO PROTENDIDO USANDO SIMULAÇÃO NUMÉRICA Savaris, G.*, Garcia, S.

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE TEÓRICA-COMPUTACIONAL DE LAJES LISAS DE CONCRETO ARMADO COM PILARES RETANGULARES Liana de Lucca Jardim Borges,1,2 1 Pesquisadora 2 Curso de Engenharia Civil, Unidade Universitária de Ciências Exatas

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego

Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego Elevadores de Passageiros Conhecimentos iniciais: Normas da ABNT NORMA NBR - 5666 Elevadores Elétricos - Terminologia NORMA NBR - NM 207 Elevadores

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE UMA ESTRUTURA DE EDIFÍCIO EM LAJE LISA PELOS PROGRAMAS SAP2000 E EBERICK

ANÁLISE COMPARATIVA DE UMA ESTRUTURA DE EDIFÍCIO EM LAJE LISA PELOS PROGRAMAS SAP2000 E EBERICK Universidade Federal do Rio de Janeiro ANÁLISE COMPARATIVA DE UMA ESTRUTURA DE EDIFÍCIO EM LAJE LISA PELOS PROGRAMAS SAP2000 E EBERICK Danilo de Araujo Canaes 2013 ANÁLISE COMPARATIVA DE UMA ESTRUTURA

Leia mais

Influência dos recalques do radier na edificação

Influência dos recalques do radier na edificação Influência dos recalques do radier na edificação The influence of vertical displacement in the foundation raft for the building Cícero Isac de Alencar de Lima¹; Ricardo José Carvalho Silva²; Francisco

Leia mais

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos.

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos. PRÉ-DIMENSIONAMENTO CAPÍTULO 5 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 3 abr 2003 PRÉ-DIMENSIONAMENTO O pré-dimensionamento dos elementos estruturais é necessário para que se possa calcular

Leia mais

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes SUPRSTRUTUR s estruturas dos edifícios, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade é suportar e distribuir as cargas, permanentes e acidentais, atuantes

Leia mais

Practical formulas for calculation of deflections of reinforced concrete beams

Practical formulas for calculation of deflections of reinforced concrete beams Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.18, p.6-70 Novembro, 011 Fórmulas práticas para cálculo de flechas de vigas de concreto armado Practical formulas for calculation of deflections of reinforced concrete

Leia mais

ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS

ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS Henrique Innecco Longo hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Escola de Engenharia Rua Brigadeiro Trompowsky s/n, Centro de

Leia mais

Tensão para a qual ocorre a deformação de 0,2%

Tensão para a qual ocorre a deformação de 0,2% O QUE É DIMENSIONAR UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO? Dimensionar uma estrutura de concreto armado é determinar a seção de concreto (formas) e de aço (armadura) tal que: a estrutura não entre em colapso

Leia mais

Teoria das Estruturas

Teoria das Estruturas Teoria das Estruturas Aula 02 Morfologia das Estruturas Professor Eng. Felix Silva Barreto ago-15 Q que vamos discutir hoje: Morfologia das estruturas Fatores Morfogênicos Funcionais Fatores Morfogênicos

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Hipóteses

Leia mais

Caso (2) X 2 isolado no SP

Caso (2) X 2 isolado no SP Luiz Fernando artha étodo das Forças 6 5.5. Exemplos de solução pelo étodo das Forças Exemplo Determine pelo étodo das Forças o diagrama de momentos fletores do quadro hiperestático ao lado. Somente considere

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

Análise do Uso de Vigas Transversinas em Pontes de Concreto Armado

Análise do Uso de Vigas Transversinas em Pontes de Concreto Armado Análise do Uso de Vigas Transversinas em Pontes de Concreto Armado João Paulo Teixeira Oliveira Rodrigues Fulgêncio 1 Fernando Amorim de Paula 2 Crysthian Purcino Bernardes Azevedo 3 Resumo O emprego de

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS PARÂMETROS QUANTITATIVOS DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO EM RELAÇÃO A RESISTÊNCIA CARACTERÍSTICA DO CONCRETO, O f CK

COMPARAÇÃO DOS PARÂMETROS QUANTITATIVOS DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO EM RELAÇÃO A RESISTÊNCIA CARACTERÍSTICA DO CONCRETO, O f CK COMPARAÇÃO DOS PARÂMETROS QUANTITATIVOS DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO EM RELAÇÃO A RESISTÊNCIA CARACTERÍSTICA DO CONCRETO, O f CK Samuel Hilgert Pizzetti (1) (1) Engenheiro Civil, Empresa Pizzetti

Leia mais

CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED

CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO Cliente: INFRARED Data: 06 de maio de 2015 REVISÃO: 00 DATA: 06 de maio de 2015 Identificação DESCRIÇÃO: Esta análise

Leia mais

Soluções para Amortecimento das Vibrações sobre o Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação

Soluções para Amortecimento das Vibrações sobre o Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação Soluções para Amortecimento das Vibrações sobre o Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação Resumo O objetivo do trabalho foi desenvolver uma estrutura capaz

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO

PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC Indicação Indicada para permitir acesso a desníveis de até 2m. Acesso a mezaninos, entradas de edifícios

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Marcos Geraldo S. Diretor da MGS Jánes Landre Júnior Prof. Depto. Engenharia Mecânica, PUC-Minas 1 - Introdução O setor

Leia mais

plataforma elevatória até 4m modelos ac08 ac11 acionamento hidráulico

plataforma elevatória até 4m modelos ac08 ac11 acionamento hidráulico plataforma elevatória até 4m modelos ac08 ac11 acionamento hidráulico JUL/2011 Acionamento Hidráulico Atende às normas NBR 9050 e NBR15655-1 Movimentação por botão de pressionamento constante ou joystick

Leia mais

INDICE 3.CÁLCULO PELO MÉTODO SIMPLIFICADO X CÁLCULO COMO PLACAS ISOLADAS...5

INDICE 3.CÁLCULO PELO MÉTODO SIMPLIFICADO X CÁLCULO COMO PLACAS ISOLADAS...5 INDICE 1.INTRODUÇÃO 3 2.OBJETIVO 4 3.CÁLCULO PELO MÉTODO SIMPLIFICADO X CÁLCULO COMO PLACAS ISOLADAS...5 3.1 Caixa d`água Vazia...... 6 3.1.1 Parede XZ (Par 1 e Par 3)... 7 3.1.2. Parede YZ (Par 4 e Par

Leia mais

Análise de estruturas 3D com o programa SAP2000 V11.0.4

Análise de estruturas 3D com o programa SAP2000 V11.0.4 Análise de estruturas 3D com o programa SAP2000 V11.0.4 Hugo Rodrigues 2008 1. Introdução Este documento tem por finalidade auxiliar a modelação tridimensional de estruturas de betão armado utilizando

Leia mais

Exemplo de projeto estrutural

Exemplo de projeto estrutural Planta de formas do pavimento tipo Exemplo de projeto estrutural P1-30x30 P2-20x50 P3-30x30 V1 L1 L2 P4-20x50 P5-40x40 P-20x50 V2 Estruturas de Concreto Armado Prof. José Milton de Araújo L3 480 cm 480

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Escadas Escada é o elemento de composição arquitetônica cuja função é proporcionar a possibilidade de circulação vertical entre dois ou mais pisos

Leia mais

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha MULTIGRAFICA 2010 Capa: foto do predio do CRUSP em construção,

Leia mais

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS Volume 4 Capítulo 3 ESCDS USUIS DOS EDIFÍCIOS 1 3.1- INTRODUÇÃO patamar lance a b c d e Formas usuais das escadas dos edifícios armada transversalmente armada longitudinalmente armada em cruz V3 V4 Classificação

Leia mais

de energia anteriores representa a forma correta de energia.

de energia anteriores representa a forma correta de energia. 1 a fase Nível II Ensino Médio 1ª e 2ª séries LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 01) Esta prova dest ina-se exclusivamente a alunos das 1ª e 2ª séries do ensino médio. Ela contém vinte e cinco questões.

Leia mais

Os princípios fundamentais da Dinâmica

Os princípios fundamentais da Dinâmica orça, Trabalho,Quantidade de Movimento e Impulso - Série Concursos Públicos M e n u orça, Exercícios Trabalho,Quantidade propostos Testes de Movimento propostos e Impulso Os princípios fundamentais da

Leia mais

A INTEGRAL DE DUHAMEL E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO DE VIBRAÇÕES ESTRUTURAIS

A INTEGRAL DE DUHAMEL E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO DE VIBRAÇÕES ESTRUTURAIS A INTEGRAL DE DUHAMEL E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO DE VIBRAÇÕES ESTRUTURAIS Diogo Folador Rossi rossi.diogo@gmail.com Universidade Federal do Espírito Santo, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil

Leia mais

Resistência dos Materiais I

Resistência dos Materiais I Resistência dos Materiais I Profa. Patrícia Habib Hallak Prof Afonso Lemonge 3º. Período de 2012 Aspectos gerais do curso Objetivos Gerais Fornecer ao aluno conhecimentos básicos das propriedades mecânicas

Leia mais

O concreto armado tem inúmeras aplicações: estruturas, pavimentos, paredes, fundações, barragens, reservatórios.

O concreto armado tem inúmeras aplicações: estruturas, pavimentos, paredes, fundações, barragens, reservatórios. AS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO. Concreto armado - é um material da construção civil que se tornou um dos mais importantes elementos da arquitetura do século XX. É usado nas estruturas dos edifícios.

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais NBR 68 : Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo P R O O Ç Ã O Conteúdo Cargas e Ações Imperfeições Geométricas Globais Imperfeições Geométricas Locais Definições ELU Solicitações Normais Situações

Leia mais

A SEGURANÇA NAS ESTRUTURAS

A SEGURANÇA NAS ESTRUTURAS A SEGURANÇA NAS ESTRUTURAS CONCEITO DE SEGURANÇA Quando uma estrutura pode ser considerada segura? SEGURANÇA: Resistência Estabilidade Durabilidade ENVOLVE DOIS CONCEITOS: Conceito Qualitativo: (Método

Leia mais

Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço

Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Aplicações para edificações Estruturas de Aço e Madeira Prof Alexandre Landesmann FAU/UFRJ AMA Loft A1 1 Definição do sistema estrutural do pavimento Lajes armadas

Leia mais

Resumidamente, vamos apresentar o que cada item influenciou no cálculo do PumaWin.

Resumidamente, vamos apresentar o que cada item influenciou no cálculo do PumaWin. Software PumaWin principais alterações O Software PumaWin está na versão 8.2, as principais mudanças que ocorreram ao longo do tempo estão relacionadas a inclusão de novos recursos ou ferramentas, correção

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS Benedito Rabelo de Moura Junior 1, Denis da Silva Ponzo 2, Júlio César Moraes 3, Leandro Aparecido dos Santos 4, Vagner Luiz Silva

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Fundações Diretas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 5 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Introdução: Todo peso de uma obra é transferido para o terreno em que a mesma é apoiada. Os esforços produzidos

Leia mais

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT 4.2 Pessoas em cadeira de rodas (P.C.R.) 4.2.1 Cadeira de rodas A figura 2 apresenta dimensões referenciais para cadeiras de rodas

Leia mais

plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso

plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso OUT / 2011 plataforma elevatória ac 02 Indicação Indicada para permitir acesso a desníveis de até 2m. Acesso a mezaninos, entradas de edifícios residenciais

Leia mais

ANÁLISE SÍSMICA DE UM EDIFÍCIO DE MÚLTIPLOS ANDARES EM AÇO

ANÁLISE SÍSMICA DE UM EDIFÍCIO DE MÚLTIPLOS ANDARES EM AÇO ANÁLISE SÍSMICA DE UM EDIFÍCIO DE MÚLTIPLOS ANDARES EM AÇO Éverton Reis 1, Zacarias Martin Chamberlain Pravia 2 RESUMO No Brasil registram-se poucos abalos sísmicos. Muitos tremores são repercussões das

Leia mais

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode. Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.com/blog/ Referência Bibliográfica Hibbeler, R. C. Resistência de materiais.

Leia mais

CAPÍTULO II INTRODUÇÃO À MECÂNICA DOS SÓLIDOS EQUILÍBRIO EXTERNO I. OBJETIVO PRINCIPAL DA MECÂNICA DOS SÓLIDOS

CAPÍTULO II INTRODUÇÃO À MECÂNICA DOS SÓLIDOS EQUILÍBRIO EXTERNO I. OBJETIVO PRINCIPAL DA MECÂNICA DOS SÓLIDOS 1 CAPÍTULO II INTRODUÇÃO À MECÂNICA DOS SÓLIDOS EQUILÍBRIO EXTERNO I. OBJETIVO PRINCIPAL DA MECÂNICA DOS SÓLIDOS O principal objetivo de um curso de mecânica dos sólidos é o desenvolvimento de relações

Leia mais

CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS

CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS Vicente Coney Campiteli (1); Sérgio Luiz Schulz (2) (1) Universidade Estadual de Ponta Grossa, vicente@uepg.br

Leia mais

- Avaliação e proposta de espectro de resposta cinemática para tornados.

- Avaliação e proposta de espectro de resposta cinemática para tornados. 5 Desenvolvimento Analisam-se os efeitos da pressão direta de vento resultante da incidência do tornado descrito na seção.1 nas estruturas reticuladas prismáticas de alturas, 6 e 1 m, descritas em., utilizando-se

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação.

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. ESCADAS Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. Componentes da escada: Degraus: São os múltiplos níveis

Leia mais

Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos

Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos 132 Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos COMPÓSITO CIMENTÍCIO COM RESÍDUOS DE EVA COMO ALTERNATIVA PARA ATENUAÇÃO DE RUÍDOS DE IMPACTOS ENTRE LAJES DE PISO NAS EDIFICAÇÕES Fabianne Azevedo

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

AULA A TIPOS DE LAJES

AULA A TIPOS DE LAJES AULA A TIPOS DE LAJES INTRODUÇÃO Lajes são partes elementares dos sistemas estruturais dos edifícios de concreto armado. As lajes são componentes planos, de comportamento bidimensional, utilizados para

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE ESTRUTURAS

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE ESTRUTURAS Lui Fernando Martha Processo do Projeto Estrutural Concepção (arquitetônica) da obra atendimento às necessidades funcionais e econômicas Anteprojeto estrutural plantas

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS Eng. Civil Leonardo Roncetti da Silva, TECHCON Engenharia e Consultoria Ltda. Resumo Estuda-se a otimização

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2011 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Um varal de roupas foi construído utilizando uma haste rígida DB de massa desprezível, com

Leia mais