A IMPORTÂNCIA DAS CORES PARA A QUALIFICAÇÃO DA PAISAGEM CULTURAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DAS CORES PARA A QUALIFICAÇÃO DA PAISAGEM CULTURAL"

Transcrição

1 A IMPORTÂNCIA DAS CORES PARA A QUALIFICAÇÃO DA PAISAGEM CULTURAL WARPECHOWSKI, CAMILA. (1); MACHADO, NARA HELENA NAUMANN 1. (2) 1. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Faculdade de Arquitetura Av. Ipiranga, Prédio 9 Porto Alegre/RS 2. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Faculdade de Arquitetura Av. Ipiranga, Prédio 9 Porto Alegre/RS RESUMO O trabalho tem como objetivo analisar a importância do uso da cor para a valorização da arquitetura que compõe os centros históricos urbanos. Serão abordadas as cores de edificações integrantes do Centro Histórico de Porto Alegre, e de que forma as intervenções de reabilitação qualificam a paisagem cultural, através de planos de cor para superfícies arquitetônicas. O estudo irá analisar a imagem urbana a partir de um estudo de caso, no Centro Histórico de Porto Alegre, que atualmente se encontra bastante descaracterizado. Para analisar de que maneira se pode buscar o equilíbrio cromático entre as edificações novas e antigas, serão selecionados alguns imóveis situados na Rua dos Andradas para elaboração de um diagnóstico cromático. A rua mais antiga da cidade também se encontra descaracterizada pelo forte apelo comercial e isso igualmente pode influenciar a escolha cromática das edificações. Palavras-chave: Cor; Centro Histórico; Paisagem Cultural. 1 Professora Orientadora do trabalho no curso de Especialização em Restauração e Reabilitação do Patrimônio Edificado/PUC-RS.

2 Introdução O presente trabalho tem como objetivo central estudar as preferências cromáticas atuais e antigas dos centros históricos urbanos. A análise terá como eixo a imagem urbana do Centro Histórico da cidade de Porto Alegre, através do diagnóstico cromático de edificações que compõe o acervo preservado da Rua dos Andradas. Como objetivos específicos serão estudadas diretrizes para o equilíbrio cromático entre as edificações novas e antigas, no centro histórico de Porto Alegre. Salvo desconhecimento da autora, não existem pesquisas nessa área a partir do acervo preservado em Porto Alegre, e o centro da cidade está bastante descaracterizado em termos cromáticos, demonstrando a necessidade de pesquisas neste domínio, para possibilitar uma adequada análise cromática dos centros históricos visando a qualificação da paisagem urbana. Entre as principais dificuldades encontradas para a elaboração do trabalho, destaco a restrita bibliografia existente sobre o tema e poucos registros sobre os aspectos cromáticos da cidade. A dificuldade da realização dessa pesquisa se deve também ao desenvolvimento da cidade, pois seu rápido crescimento e as transformações urbanas decorrentes ao longo do tempo dificultam o registro de documentos existentes sobre as edificações. Também pode se considerar que as fontes documentais possuem registros de informações muitas vezes incompletas, assim o trabalho apresentado não esgota o assunto, podendo ser visto como um estudo inicial básico para a análise cromática do centro histórico de Porto Alegre. Para este estudo será revisada a bibliografia existente sobre o tema e também serão analisados os principais aspectos da Rua dos Andradas a partir de material iconográfico da rua objeto do estudo de caso. Também será feito levantamento fotográfico da situação atual da Rua dos Andradas em termos cromáticos, identificação de imóveis tombados e inventariados e o levantamento de suas atividades predominantes. Para a análise cromática serão selecionados imóveis de uso comercial e misto de propriedade privada, visto que são os imóveis mais propensos a alterações cromáticas indevidas, e que façam parte do patrimônio a ser protegido na cidade, sendo então selecionados somente imóveis tombados e inventariados. Os imóveis públicos foram excluídos desta análise, sugerindo também a continuidade da pesquisa neste tema para um futuro trabalho.

3 Cores e a paisagem cultural dos centros históricos A cor é a impressão produzida no olho pela luz, é a aparência dos corpos segundo o modo como refletem ou absorvem a luz. A cor é importante para a percepção do ambiente pelo ser humano, pois cerca de 80% de toda informação que o ser humano recebe é de natureza óptica e compõe-se simultaneamente de formas e cores. (KUPPERS, 1994 apud AGUIAR, 2005, p.145) Como um conceito de paisagem podemos dizer que é um espaço de terreno que se abrange com um lance de vista, panorama, representação ou descrição de uma vista panorâmica. (LUFT, 1996, p. 460) O termo Paisagem Urbana é um conceito que exprime a arte de tornar coerente e organizado, visualmente, o emaranhado de edifícios, ruas e espaços que constituem o ambiente urbano. (CULLEN, 1983) Contempla a sensação visual do ambiente urbano com suas edificações em diferentes estilos, texturas e cores que caracterizam a malha urbana. A cor permite criar diferentes espaços na paisagem, com efeitos de profundidade e dinamismo, buscando o equilíbrio ou o desequilíbrio em um determinado espaço. Também é considerada como característica do estilo de vida de uma época, com as tecnologias e materiais utilizados naquele período. É certo que os revestimentos e a cor imitavam materiais nobres e arquitecturas mais ricas em formas, mas faziam-no protegendo os edifícios ao mesmo tempo em que garantiam o respeito pela linguagem e pela gramática da arquitectura, sublinhando o primado da ordem, marcando o claro e o escuro, realçando o cheio e o vazio, potenciando a capacidade comunicacional das formas projectadas. (AGUIAR, 2002, p.02). Centro histórico é considerado o local mais antigo da cidade, onde a mesma teve o início de sua ocupação, testemunhando várias épocas desse núcleo de origem. Neste local se concentram elementos preservados da cidade, correspondendo ou não a uma área central da mesma. O centro histórico torna-se reconhecido como lugar onde vários elementos materiais e imateriais se integram, testemunhando como a sociedade e a cultura se relacionaram ao longo dos anos. (NAOUMOVA, 2009, p. 5) O conceito da preservação e conservação pode ser ampliado, em outros estudos cromáticos, para núcleos considerados históricos, visto que o patrimônio construído das cidades não se limita somente ao centro histórico. Os centros históricos das cidades possuem um papel muito importante de contribuição para a memória da sociedade e as cores influenciam na percepção

4 de autenticidade e de identidade cultural desses espaços, que deve ser transmitido, ensinado e contado para as próximas gerações, como forma de assegurar a continuidade e autenticidade da história da cidade. O início da conservação da cidade histórica surge confrontando-se com o inevitável processo de urbanização, ou seja, com a aplicação da cultura da cidade moderna ao desenho da cidade com o objetivo de salvaguarda desse patrimônio. (AGUIAR, 2005, p. 81) A partir de uma análise das principais cartas patrimoniais podemos perceber a evolução dos conceitos de preservação ao longo do tempo. As cartas patrimoniais organizadas para o estudo da conservação e elaboração de diretrizes para a prática da conservação tratavam inicialmente de monumentos. O conceito de preservação foi ampliado ao longo do tempo para a proteção de conjuntos urbanos integrados na paisagem urbana, discutindo seus valores de autenticidade no seu contexto cultural. Em 2007 na cidade de Bagé no Rio Grande do Sul, foi organizado um encontro que originou um documento chamado Carta da Paisagem Cultural, onde: A paisagem cultural inclui, dentre outros, sítios de valor histórico, pré-histórico, étnico, geológico, paleontológico, científico, artístico, literário, mítico, esotérico, legendário, industrial, simbólico, pareidólico, turístico, econômico, religioso, de migração e de fronteira, bem como áreas contíguas, envoltórias ou associadas a um meio urbano. (Carta da Paisagem Cultural, 2007, Art. 11º). Na Carta de Nara em 1994 foi debatido o conceito de autenticidade, tendo como objetivo a garantia da identidade cultural, no mundo onde a globalização cada vez mais traz o risco de homogeneizar as culturas. A autenticidade na conservação dos bens culturais é uma maneira de qualificar e garantir a identidade da diversidade cultural e da memória de cada comunidade. A importância do estudo das superfícies arquitetônicas para a teoria e prática da conservação e restauro do patrimônio arquitetônico ainda é recente, sendo reconhecida então como parte integrante e indissociável da autenticidade material dos edifícios históricos (AGUIAR, 2005 p. 320). As cores que fazem parte da paisagem de um conjunto urbano são responsáveis por atribuir identidade a esses espaços, e muitas vezes são associadas aos materiais que existem na região, como fontes de pigmentação para essas cores.

5 Também se deve considerar que os bens históricos possuem além da função de propiciar saber e prazer à disposição de todos, a função de produtos culturais, fabricados, empacotados e distribuídos para serem consumidos (CHOAY, 2006, p.211). Por isso o cuidado com a autenticidade dos bens e de seus revestimentos é importante para a identidade das edificações, de forma que a difusão da cultura não acabe por transformar esses espaços em cenários que são iguais em qualquer lugar do mundo, mantendo assim a identidade de cada região. A identidade das edificações que compõem o espaço urbano é formada pela história e evolução dos materiais de revestimentos e pigmentos que os compõem. Os condicionantes sociais e culturais também compõem a paisagem e fazem parte da sua história, bem como de diferentes períodos arquitetônicos em que as edificações são construídas A moda e até mesmo as preferências cromáticas influenciaram na arquitetura, e sua repintura era e ainda é uma forma de seguir tendências e modismos de cada época. Os revestimentos possuem duas funções principais que são a de proteção e a função estética. É uma camada de proteção, pois resguarda as paredes e estruturas de umidade e agressões físicas do ambiente; e também de valor estético, regularizando as superfícies e expressando sua composição arquitetônica. (AGUIAR, 2005) O reconhecimento do revestimento e pintura como forma de garantir a autenticidade das edificações é recente no estudo da preservação arquitetônica. As pesquisas iniciaram na Europa com a preservação dos revestimentos de edificações históricas, buscando então a investigação sobre planos de cores para cidades históricas. Em países como Itália, Inglaterra, Áustria, França e Alemanha foram elaborados estudos com objetivo da preservação dos revestimentos e acabamentos originais das edificações históricas, originando Planos de Cor para a preservação das superfícies. (AGUIAR, 2005) No Brasil a preocupação com a qualificação dos centros históricos iniciou nas duas últimas décadas do século XX, porém o tema da aparência estética é mais recente. Os assuntos cromáticos são pouco abordados nos estudos do patrimônio arquitetônico urbano, e quando abordados, são bastante pontuais apesar da sua importância para a qualificação e autenticidade dos centros históricos. (NAOUMOVA, 2009) A publicação referente à recuperação de imóveis no Corredor Cultural do Rio de Janeiro sugere algumas observações para a pintura das fachadas que fazem parte do Corredor Cultural. Recomenda-se avaliar o entorno no qual está inserido o imóvel, de forma a harmonizar ou destacar do conjunto no qual está inserido. A repetição de tonalidades e o

6 destaque de um imóvel com tom mais forte nas esquinas ou realçá-lo do seu contexto devem ser analisados conforme a intenção da proposta. (RIOARTE, 1985) No Rio Grande do Sul, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (IPHAE), possui uma publicação destinada a proprietários, moradores e usuários de edifícios considerados bens culturais com orientações para sua preservação, que considera que as cores originais das fachadas devem ser mantidas, recomendando o uso de tintas à base de cal e silicatos, e tinta a óleo e esmalte para esquadrias e metais. Para as edificações com acabamento em cirex não é indicada a pintura do revestimento, pois altera de maneira irreversível suas propriedades, características da arquitetura protomodernista. (IPHAE, 2004) As cores são um aspecto importante que vem sendo considerado para a visibilidade e legibilidade da paisagem urbana em Porto Alegre. Nesta cidade, a Secretaria Municipal de Cultura através da Equipe de Patrimônio Histórico e Cultural (EPAHC) possui Diretrizes para Intervenções no Conjunto Arquitetônico da Rua João Alfredo, que podem ser adotadas como base para a definição de diretrizes para outros conjuntos arquitetônicos da urbe. Quanto ao uso de cores diz que A escolha da cor para a pintura, além de contribuir para destacar particularidades e definir um ambiente urbano, acaba sendo uma forma de apropriação do espaço por parte dos usuários que deve ser respeitada. Sugere também que o uso de cores não acarrete descaracterização do conjunto, vedando cores escuras, cítricas ou fosforescentes. (EPAHC, 2005, p. 8) Percebe-se que a preocupação com a cromática das edificações de centros históricos com o passar do tempo foi adquirindo especificidades conforme o local e revestimentos utilizados em determinadas épocas. Estudo de Caso: Rua dos Andradas A escolha da Rua dos Andradas como eixo de análise do estudo de caso se baseou no seu próprio histórico e características. A rua se localiza no Centro Histórico de Porto Alegre e é uma das mais antigas da cidade, possuindo características marcantes e concentrando parte significativa de seu comércio desde sua origem até os dias atuais. Características da Rua dos Andradas Para descrever a situação atual da Rua dos Andradas, ela foi subdividida em trechos conforme o Atlas Ambiental de Porto Alegre (MENEGAT, 2006).

7 No primeiro trecho temos a concentração de atividades de defesa, por se tratar do trecho mais acessível para quem chegava pelo lago Guaíba. Seu uso atual é residencial e institucional, com poucas atividades de comércio e uso misto. A maioria das edificações é recente, com alguns exemplares importantes do século XIX e início do século XX. Destaca-se o conjunto das edificações formadas pelo quarteirão da Igreja Nossa Senhora das Dores, com os Quartéis Generais e os Museus do Trabalho e Militar. Grande parte das edificações remanescentes é de propriedade e uso público. No segundo trecho se localizava uma área mais comercial junto ao trapiche da Praça da Alfândega e foram surgindo equipamentos de apoio. Do início da rua até este trecho, a Rua dos Andradas era chamada de Rua da Praia. As atividades atuais são mistas, e possui uma amostra significativa de imóveis protegidos. As edificações residenciais vão perdendo seu espaço para o comércio e uso misto. Destacam-se neste trecho a Casa de Cultura Mário Quintana, a Catedral da Santíssima Trindade, o Museu de Comunicação Social, o Centro Cultural da Caixa que está em execução no prédio do antigo Cine Imperial, o Clube do Comércio, o antigo Cine Guarani e a antiga Farmácia Carvalho. O terceiro trecho teve um uso comercial bastante intenso e sofisticado. A partir deste trecho até o seu final, a Rua dos Andradas era chamada de Rua da Graça. Com a abertura da Borges de Medeiros, surgem os edifícios com galerias e também edifícios mais altos. O uso comercial e de serviços é intenso até os dias de hoje. Destacam-se o Centro Cultural CEEE Érico Veríssimo, a antiga Livraria do Globo e edifícios comerciais e mistos como o Edifício Santa Cruz, a Galeria Chaves, Sulacap, Sul América e o Edifício Herrmann. No quarto trecho o uso comercial se estende e a verticalização é bastante característica, modificando bastante a paisagem e possuindo poucos remanescentes de edificações históricas. O uso misto residencial e comercial também diminui e podemos destacar o edifício comercial da antiga Casa Bromberg e o edifício Bastian Pinto. Cada um desses trechos possui características diferentes desde a sua formação até hoje. A atividade principal da Rua dos Andradas continua sendo comercial, tendo um uso mais variado e com residências nos dois primeiros trechos. Os dois últimos trechos já se configuram como comerciais, tendo poucos imóveis de uso misto e residenciais.

8 Figura 1 - Mapa Esquemático dos Bens Integrantes do Patrimônio Cultural da Rua dos Andradas. Fonte: Desenho da autora com base no mapa aerofotogramétrico da Prefeitura Municipal de Porto Alegre. O Patrimônio Cultural da cidade é identificado através de bens imóveis, isolados ou em conjunto, parques, praças, sítios e paisagens, bens arqueológicos e bens intangíveis que tenham valor significativo, bem como manifestações culturais que conferem identidade a esses espaços. Na Rua dos Andradas podemos identificar Edificações Tombadas 2, e Inventariadas de Estruturação 3 ou Inventariadas de Compatibilização 4. A rua apresenta Imóveis Tombados pelos diferentes órgãos de preservação como o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), o IPHAE e pela Equipe do Patrimônio Artístico, Histórico e Cultural, vinculada à Secretaria de Cultura do Município. 2 Bens Tombados são os que constituem o Patrimônio Histórico-Cultural, Natural e Paisagístico do Município e o conjunto de bens móveis e imóveis e os espaços existentes em seu território e que, por sua vinculação a fatos pretéritos memoráveis, a fatos atuais significativos por seu valor cultural ou natural, ou por sua expressão paisagística, seja de interesse público preservar e proteger contra ações destruidoras. (Art. 1º da LC 275/92) 3 Edificação Inventariada de Estruturação é aquela que por seus valores atribui identidade ao espaço, constituindo elemento significativo na estruturação da paisagem onde se localiza. (Inciso I do Parágrafo único do Art. 14 da LC 646/10) 4 Edificação Inventariada de Compatibilização é aquela que expressa relação significativa com a de Estruturação e seu entorno, cuja volumetria e outros elementos de composição requerem tratamento especial. (Inciso II do Parágrafo único do Art. 14 da LC 646/10)

9 Esses imóveis preservados tanto pelo tombamento quanto pelo inventário do Município caracterizam o valor histórico, arquitetônico e cultural que a rua possui. São 91 imóveis com algum tipo de proteção que configuram o valor cultural da via, cerca de 40% dos imóveis. O Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano e Ambiental de Porto Alegre (PDDUA) identifica na cidade Áreas de Interesse Cultural, entre elas setores que integram a Rua dos Andradas. Essas Áreas de Interesse Cultural, bem como os bens que fazem parte do Inventário do Patrimônio Cultural, são identificadas conforme seu valor histórico, arqueológico, excepcionalidade, valores de representatividade, de referência, arquitetônicos, simbólicos, práticas culturais, tradições e heranças, considerando também, as relações físicas e culturais com o entorno. ( 4º do Art. 92 da LC 646/10) A Rua dos Andradas encontra-se atualmente bastante descaracterizada e degradada. A rua sempre teve características de uso comercial, porém esse uso intenso acabou agravando a condição de descaracterização, visto o apelo do comércio em se destacar através da cor e da comunicação visual. Análise Cromática Analisando a Rua dos Andradas hoje, considerando as edificações protegidas e as edificações que compõem seu entorno, através de fotografias de testada de quarteirão, percebemos que as edificações de uso público e privado possuem um controle diferenciado na escolha das cores dos revestimentos. A escolha da cor dos imóveis privados pode ser uma manifestação espontânea dos proprietários, mas se não for uma decisão adequada, pode colocar em risco a leitura das edificações de forma coerente com a influência arquitetônica da época de sua concepção. Os proprietários dos imóveis têm na cor um instrumento de individualização e apropriação do espaço e as camadas cromáticas encontradas nas edificações evidenciam o costume de repintá-la várias vezes, sendo também incentivados pelo lançamento de novas paletas de cores de tintas e conforme novas tendências. Assim, para a análise da preferência cromática dos imóveis da Rua dos Andradas foram selecionados os imóveis Inventariados de Estruturação e Tombados, que são de propriedade privada e tenham uso atual comercial ou misto, considerando que estes são os imóveis mais suscetíveis a alterações cromáticas. Como não foi possível realizar prospecções pictóricas nas edificações selecionadas para a análise cromática no centro de Porto Alegre, o assunto será introduzido a partir de estudos

10 cromáticos realizados em cidades no interior do estado. Prospecções realizadas em edificações nas cidades de Pelotas, Piratini, Bagé e Jaguarão no estado do Rio Grande do Sul evidenciam a estreita relação entre os estilos arquitetônicos e a cor frequentemente utilizada nas edificações, a partir de pesquisas que obtém esses resultados. (NAOUMOVA, 2009) As edificações existentes preservadas na Rua dos Andradas são de diferentes períodos históricos e de diversos estilos, influências e tipologias arquitetônicas. Os estilos das fachadas também são, no geral, bastante heterogêneos, misturando influências de vários estilos em uma mesma edificação. Os períodos arquitetônicos também foram acontecendo de maneira concomitante, com alguns casos em que a edificação sofria uma atualização estilística para se enquadrar nas influências do momento. O estilo colonial português ou arquitetura luso-brasileira se caracterizava pelo uso do contraste nas cores do branco das paredes com o colorido das esquadrias. Com o passar do tempo, ao longo do século XIX, houve então um desprezo no Brasil pelas casas brancas caiadas que eram consideradas casa caiadas de pobres, contrapondo então com as casas coloridas dos ricos. (NAOUMOVA, 2009, p.68 e 69) O estilo eclético, que se caracteriza pelo edifício com estilos de diferentes influências, foi utilizado em Porto Alegre entre a segunda metade do século XIX e primeiras décadas do século XX. Em geral eram utilizadas cores contrastantes entre a parede de fundo e os ornamentos e detalhes, que eram em tons mais claros ou brancos. Em alguns casos o térreo era pintado com uma coloração mais escura. Também se utilizavam da cor para imitar materiais mais nobres, geralmente no interior das edificações. Nas edificações com influências do protomodernismo, que foi um período de transição entre o estilo eclético e o moderno, se utilizavam cores mais neutras e discretas como bege ou cinza, se assemelhando com os novos materiais que estavam sendo utilizados. Nessa época se utilizava bastante a argamassa sem proteção, também chamado de cirex, cimento aparente ou cimento penteado. As fachadas eram pintadas somente com uma cor sem diferenciar os ornamentos das paredes. As esquadrias eram geralmente pintadas de cinza ou marrom. (NAOUMOVA, 2009) No modernismo as edificações eram geralmente revestidas com cirex ou reboco com pintura e reboco tingido, com grandes vãos envidraçados, semelhantes também com os imóveis influenciados pela Escola de Chicago. Entre as edificações da amostra selecionada para o diagnóstico cromático da rua, foi identificado predominantemente a influência dos estilos eclético, sendo alguns com

11 características neoclássicas, protomodernistas, modernistas e alguns com características da Escola de Chicago. Dentro do protomodernismo se inserem as edificações que apresentam fachadas com elementos de características Art Nouveau e Art Déco, época em que para sugerir a modernização dessas edificações, algumas eram pintadas com cores semelhantes aos materiais mais modernos empregados na época. Os padrões cromáticos das edificações foram evoluindo conforme o desenvolvimento dos estilos arquitetônicos. (NAOUMOVA, 2009). Foram analisados 31 imóveis com uso comercial e 5 imóveis de uso misto comercial e residencial, totalizando 36 imóveis. São 34 imóveis inventariados de estruturação e 2 imóveis tombados pelo município. Nestes imóveis foram identificadas as principais características arquitetônicas das fachadas e o período aproximado de sua construção, para separá-los por suas influências predominantes. Grande parte das fachadas está preservada a partir do segundo pavimento da edificação, pois o pavimento térreo muitas vezes não possui seus vãos nem suas esquadrias originais, tendo também um tratamento de revestimento diferente do restante do prédio, com revestimento de granito ou madeira. Foram identificadas 18 edificações que possuem suas esquadrias do térreo substituídas por cortinas metálicas e algumas destas com cores diferentes do restante da edificação. Foram analisadas as preferências cromáticas atuais das edificações divididas em base, paredes, detalhes e esquadrias. Figura 2 Exemplo de perda da unidade da edificação através da pintura. Fonte: Fotografia da autora.(2014)

12 A maioria das fachadas analisadas corresponde ao período eclético. Das 15 edificações da amostra, 12 são pintadas com ornamentos mais claros que as paredes de fundo. Uma delas está pintada com os ornamentos mais escuros que a parede de fundo e 2 estão com a mesma cor nos ornamentos e parede. As cores mais utilizadas para as paredes são amarelo, rosa e azul e naquelas que possuem a mesma cor nos ornamentos e parede foram utilizados tons de bege. Foi identificada uma edificação da amostra com revestimento em azulejo estilo português com características neocoloniais. A situação atual da fachada é conservada apesar do pavimento térreo com revestimento de madeira estar bastante desconfigurado devido à troca das esquadrias existentes pela cortina metálica. Duas das 5 edificações com elementos Art Nouveau possuem a pintura semelhante a das edificações ecléticas, com ornamento mais claro que a parede de fundo nas cores amarelo e verde. Duas edificações possuem os ornamentos mais escuros que a parede de fundo, nas cores laranja e marrom claro. Em uma edificação foi utilizada a mesma cor para paredes e ornamentos na cor bege. Dos 10 exemplares de características Art Déco, 5 possuem revestimento em cirex e entre eles 4 possuem a mesma cor para revestimento e ornamentos um possui ornamentos mais escuros que a parede de fundo. Também se identificaram 3 exemplares que possuem a mesma cor para a pintura de toda edificação. Uma edificação com influência Art Déco, possui pintura que remete ao estilo eclético em tons da logomarca da empresa que ocupa o imóvel. Duas edificações possuem influência da Escola de Chicago com semelhança no tratamento de fachadas a características do protomodernismo. As edificações modernistas utilizam cores mais sóbrias como bege e marrom, conforme identificado em 3 exemplares, com revestimento de reboco tingido de bege e rosa, reboco com pintura e revestimento sem proteção (cirex). Os prédios com revestimento em cirex ocasionam a impressão do centro da cidade ser bastante acinzentado, porém é característico da época de construção das edificações. Alguns exemplares protomodernistas e modernistas do centro da cidade estão com seu revestimento de cirex pintado como forma de renovação da fachada do imóvel, o que pode ocasionar danos ao revestimento original.

13 Figura 3 Exemplo de edificação com características protomodernistas nas cores da logotipia da empresa. Fonte: Fotografia da autora (2014) As cores predominantes das paredes dos edifícios em geral são na cor amarelo e bege (18,75% cada), branco e marrom claro (9,38% cada) e amarelo ocre e rosa claro (6,25%). Para a pintura da base 18,75% são de cor marrom, 12,50% na cor amarelo e 6,25% cada nas cores branco, cinza claro, marrom claro, preto e rosa claro na maioria das edificações. Os detalhes são na sua maioria de cor branca (43,25%), marrom claro (15,63%), amarelo claro, bege, bege escuro e marrom (6,25% cada). A maioria das esquadrias são brancas (46,88%), cinza (21,88%) e marrom (15,63%). Tão importante quanto o aspecto da cor na autenticidade das edificações protegidas, é o entorno desses bens. Analisando os quarteirões percebemos o quanto uma edificação com excesso de comunicação visual e com pintura inadequada descaracteriza a paisagem urbana. Figura 4- Paisagem de entorno de bens tombados. Fonte: Fotomontagem Leandro de Lima Martins (2014)

14 Apesar das dificuldades para a classificação das edificações por estilos arquitetônicos é possível perceber que algumas edificações poderiam estar mais bem representadas e com sua tipologia arquitetônica legível caso estivesse pintada com suas cores originais. Para a determinação da proposta cromática a ser utilizada, temos no trabalho de Baldi et al. apud Naoumova, as seguintes opções de decisões cromáticas: 1) manter a cor atualmente existente; 2) reconstituir a cor original, tal como concebida pelo artífice); 3) adaptar a pintura do edifício às cores dominantes do ambiente histórico, do qual a arquitetura faz parte; 4) reconstruir qualquer outra pintura em sequência das camadas sobrepostas nas paredes da edificação; e 5) adaptar a cor ao estado estético otimizado da edificação ou período historicamente mais significativo da apresentação daquela arquitetura, quando a cor que caracterizava o edifício tornou-se o referencial histórico e foi memorizado na arquitetura da cidade, mesmo quando essa cor não apresenta o conceito original. (NAOUMOVA, 2009, p. 11) A partir do levantamento fotográfico da situação atual das edificações na Rua dos Andradas e em comparação com fotografias, postais e documentos antigos, percebemos a necessidade de um esclarecimento maior a proprietários e arquitetos sobre a importância da valorização das edificações a partir da cromática apresentada na paisagem de centros históricos. Diretrizes Cromáticas para Centros Históricos A partir do estudo realizado, pode-se considerar que cada local deve ser analisado conforme suas especificidades, porém é possível traçar diretrizes que podem ser utilizadas para a valorização cromática de núcleos históricos e viabilizar a autenticidade e identidade da paisagem urbana. Para instruir as decisões sobre cores em edificações com valores a serem preservados é necessário pesquisar o máximo possível de dados sobre o imóvel. É importante analisar o material histórico e iconográfico disponível sobre a edificação. Também pode subsidiar essa pesquisa, bibliografia com dados sobre a época de sua construção, informações sobre o autor do projeto e suas obras. É necessário fazer uma análise das cores utilizadas na edificação em diferentes épocas através de técnica de prospecção pictórica. A prospecção pictórica consiste em retirar cuidadosamente camada por camada de tinta sobrepostas ao longo dos anos de amostras analisadas, registrando todas as cores identificadas. Esses pontos de prospecção devem ser

15 escolhidos preferencialmente em locais protegidos de intempéries e vandalismo, pois assim possuem mais camadas de tinta preservadas. Nessa análise também se deve considerar a insolação incidente no imóvel e o possível desbotamento que a cor original possa ter sofrido. Os pontos escolhidos para a prospecção devem abranger diferentes locais e diferentes elementos da fachada, como embasamento, ornamentos, frisos, elementos decorativos, paredes e esquadrias. É preciso ter cautela para verificar, na seleção de pontos de análise, a ocorrência de amostras de reboco que já foram substituídas em reformas anteriores, para conduzir assim a uma possível coloração original. A tinta a ser escolhida também deve estar de acordo com o revestimento existente, pois dependendo do tipo de material utilizado no revestimento e do tipo de fundação utilizada na sua construção, a edificação poderá apresentar patologias por não ter sido utilizada tinta adequada, e trazer danos à edificação por incompatibilidade dos materiais. É possível também a elaboração de um estudo para a organização de paletas de cores conforme levantamento de prospecções feitas nos trabalhos de restauro dos imóveis da região. Essa paleta de cores pode dar sugestões cromáticas utilizadas conforme cada período e a partir das influências arquitetônicas da fachada da edificação, para subsidiar o trabalho de arquitetos e proprietários desses imóveis. O Guía para la aplicación de color em inmuebles de barrio antiguo de Nuevo León, no México, apresenta passos para a prospecção pictórica como:...determinar la época y estilo del edifício; realizar calas en muros y elementos ornamentales, capa por capa de color, para determinar el original; se registrará fotográficamente cada capa pictórica; determinar la calidad de la pintura aplicada mediante análisis químico: si se aplicó cal, cal con pigmento natural, pintura de aceite o pintura vinílica; e finalmente, se respetará el color original. (Fonte: antiguo_base/guiaaplicacioncolores.pdf) Sugere também que os imóveis de contexto ou de entorno do prédio preservado possuam cores com igual ou menor saturação e luminosidade. As recomendações de referem a edificações preservadas, do entorno e novas situadas no sítio antigo da cidade. A cidade de Puebla, também no México, possui uma Carta de Colores para a área de monumentos que abrange diferentes paletas de cores, uma para os séculos XVI a XVIII, com 3 cores e 5 variações de tonalidades com sugestões de combinações entre elas; e outra

16 paleta para os séculos XIX e XX, com 17 cores e 5 variações de tonalidades, além do uso da cor branca para ambas. (Fonte: Carta de Colores, INAH PUEBLA) Nesse caso percebe-se que houve uma preocupação com a manutenção das cores conforme os pigmentos existentes em cada época, aumentando a gama de cores nas edificações conforme a época em que a disponibilidade de corantes era maior. A elaboração de um plano de cor ou paleta de cores é importante para servir de guia para proprietários e arquitetos ao escolher as cores para as fachadas dos imóveis no Centro Histórico da cidade. Assim, prevendo opções mais adequadas, conforme cada tipo e características do imóvel, seja de um imóvel protegido ou de um imóvel do entorno dessas edificações. É necessário que esses estudos tenham o objetivo de qualificar a identidade do centro histórico, através de um plano colorístico para a sua revitalização. A comparação com outros centros históricos serve como referência de casos bem sucedidos, porém a cidade não pode se tornar um cenário com referências sem autenticidade ou um pastiche. Os imóveis devem ser pintados de maneira coerente com a edificação, mantendo sua unidade e evidenciando suas características históricas e arquitetônicas. A decisão cromática pode ser estabelecida a partir da definição da cor original do imóvel. Como a definição da cor original pode não ser conclusiva, também se pode optar pela reconstrução de outra camada pictórica sobreposta, pesando valores estéticos ou de um período histórico de maior importância do imóvel. Conclusão Tendo como base os dados obtidos por esta pesquisa conclui-se que o estudo da relação das cores com a arquitetura precisa ser aprofundado em termos de estética cromática, bem como deve considerar os dados históricos das edificações e suas respectivas influências arquitetônicas para a adequada utilização dos padrões cromáticos. Dessa forma a escolha cromática das edificações deve ser uma decisão crítica, estética e determinante para os projetos de conservação patrimonial. Não se tem a intenção de defender o controle das decisões cromáticas de centros e núcleos históricos, mas de possibilitar a discussão e difundir o conhecimento para que se possam tomar decisões a partir desse estudo. Afinal, conhecendo os valores patrimoniais e divulgando-se esse conhecimento, promove-se uma maior e mais democrática partilha das decisões de salvaguarda. (AGUIAR, 2008, p. 28)

17 É importante frisar que não se trata somente da escolha cromática envolvendo cores de tintas, mas também de texturas, acabamentos, materiais e técnicas que envolvem a recuperação e conservação de revestimentos assim como a cromática de seus materiais. A preservação do revestimento como um elemento importante para a leitura da edificação contribui para que não se perca a identidade e a autenticidade do bem protegido. A pesquisa sobre um estudo de cores para as edificações que compõem o entorno de bens históricos é importante para a qualificação da legibilidade do ambiente, a partir do controle e articulação das edificações novas e antigas. A adequação cromática das edificações integrantes do centro histórico é importante para buscar o conforto visual da paisagem e manutenção de sua identidade. Busca-se assim incentivar a capacitação teórica e crítica para o desenvolvimento de projetos de conservação do patrimônio arquitetônico e de reabilitação urbana com mais qualidade cromática. O presente trabalho deixa em aberto uma linha de investigação para explorar a cromática de centros históricos, pois o fomento da discussão é importante, uma vez que quanto mais se reconhece o valor das edificações através de seus revestimentos, melhor será a determinação dos elementos de conservação e preservação. Também é importante salientar que sempre que possível é necessário buscar intervir menos nos revestimentos originais das edificações, pois com a preservação desses revestimentos antigos se mantém a autenticidade da paisagem dos centros históricos. Referências AGUIAR, José. A cor escondida das cidades históricas portuguesas e o caso do Palácio de Queluz, em Cadernos Edifícios nº2, Outubro, Lisboa, LNEC, Disponível em: <http://mestradoreabilitacao.fa.utl.pt/disciplinas/jaguiar/jaguiarcadernosedificios2.pdf>. Acesso em 06 de abril AGUIAR, José. Cor e Cidade Histórica. Estudos cromáticos e Conservação do Patrimônio. Porto: Edições FAUP, p. BELLO, Helton Estivalet. O ecletismo e a imagem da cidade: caso Porto Alegre. Porto Alegre: UFRGS, f. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal do Rio Grande

18 do Sul, Faculdade de Arquitetura, Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional, Porto Alegre, BRANDI, Cesare. Teoria da restauração. São Paulo: Ateliê, p. CARTA de colores factibles para aplicar a inmuebles de la Zona Monumental: Siglos XVI XVII XVIII. Puebla, México folder. CARTA de colores factibles para aplicar a inmuebles de la Zona Monumental: Siglos XIX - XX. Puebla, México folder. CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade, p. CULLEN, Gordon. Paisagem urbana. Lisboa: 70, p. EPAHC. Diretrizes para Intervenções no Conjunto Arquitetônico da Rua João Alfredo. Porto Alegre, EPAHC/SMC/PMPA, Disponível em: <http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/smc/usu_doc/diretrizes_conjunto-joao-alfred o.pdf> Acesso em 15 de fevereiro FARINA, Modesto. Psicodinâmica das cores em comunicação. 4ª ed. São Paulo: E. Blücher, p. FRANCO, Sérgio da Costa. Porto Alegre: Guia Histórico. Porto Alegre: Ed. Da Universidade/UFRGS, p. GUÍA de colores para inmuebles del Barrio Antiguo. Nuevo León, México. Disponível em: <http://www.nl.gob.mx/pics/pages/paletadecolores_barrioantiguo_base/guiaaplicacioncolores.pdf> Acesso em 10 de janeiro GUIMARAENS, Rafael. Rua da Praia: um passeio no tempo. Porto Alegre: Libretos, p. INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DO ESTADO. Patrimônio edificado: orientações para sua preservação. 2º ed. Porto Alegre: Corag, p. INSTITUTO HISTÓRICO GEOGRÁFICO DO RIO GRANDE DO SUL. Cartografia virtual histórica-urbana de Porto Alegre Século XIX e início do XX. Porto Alegre, CD-ROM.

19 INSTITUTO HISTÓRICO GEOGRÁFICO DO RIO GRANDE DO SUL. Acervo Fotográfico Laudelino Teixeira de Medeiros. Porto Alegre. CD-ROM. INSTITUTO MUNICIPAL DE ARTE E CULTURA DO RIO DE JANEIRO. Coleção Corredor Cultural/Rioarte. A Cor. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, p. MACEDO, Francisco Riopardense de. Porto Alegre: origem e crescimento. Porto Alegre: Sulina, p. MACHADO, Nara Helena Naumann. Modernidade, arquitetura e urbanismo: o centro de Porto Alegre: Porto Alegre: PUC-RS f.tese (Doutorado) Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Curso de Pós-Graduação em História, Porto Alegre, v. MEIRA, Ana Lúcia Goelzer. O passado no futuro da cidade: políticas públicas e participação dos cidadãos na preservação do patrimônio cultural de Porto Alegre. Porto Alegre: UFRGS, p. MENEGAT, Rualdo. Atlas ambiental de Porto Alegre. Porto Alegre: UFRGS, p. MONTEIRO, Charles. Breve História de Porto Alegre. Porto Alegre: Ed. da Cidade; Letra & Vida, p. MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO. Transformações urbanas: Porto Alegre de Montaury a Loureiro / Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo. Porto Alegre: Secretaria Municipal da Cultura: IEL, p. catálogo. Disponível em: < catalogo_transformaces_urbanas.pdf> Acesso em 17 de janeiro NAOUMOVA, Natalia. Qualidade estética e policromia de Centros Históricos. Porto Alegre: UFRGS, f. Tese (Doutorado) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Arquitetura, Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional, Porto Alegre, v. PEDROSA, Israel. Da cor à cor inexistente. 2ª ed. Rio de Janeiro: Léo Christiano, p. PESAVENTO, Sandra Jatahy. Álbum de Porto Alegre: Porto Alegre: Nova Roma, p.

20 REIS FILHO, Nestor Goulart. Quadro da arquitetura no Brasil. 11. Ed. São Paulo: Perspectiva, p. SPALDING, Walter. Pequena história de Porto Alegre. Porto Alegre: Sulina, p. STUMVOLL, Denise. Memória visual de Porto Alegre: : acervo de imagens Museu de Comunicação Social Hipólito José da Costa. Porto Alegre: Caixa Econômica Federal, p.: il.

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia Intervenção em Bens Culturais Edificados Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO NO PATRIMÔNIO EDIFICADO? Compreende-se por Projeto de Intervenção

Leia mais

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas.

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas. IPHAE SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DO ESTADO Av. Borges de Medeiros, 1501, 21º andar- Porto Alegre-RS - Cep:90110-150 Fone/Fax: (051)3225.3176 e-mail: iphae@via-rs.net

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

OBRAS DE RESTAURO E CONSERVAÇÃO DO ED. RAMOS DE AZEVEDO E ANEXO. - RELATÓRIO DE PROSPECÇÃO (ED. ANEXO)

OBRAS DE RESTAURO E CONSERVAÇÃO DO ED. RAMOS DE AZEVEDO E ANEXO. - RELATÓRIO DE PROSPECÇÃO (ED. ANEXO) OBRAS DE RESTAURO E CONSERVAÇÃO DO ED. RAMOS DE AZEVEDO E ANEXO. - RELATÓRIO DE PROSPECÇÃO (ED. ANEXO) Fichas de Prospecções No. 01 Ambiente: fachada do anexo Andar: térreo Data: Fevereiro de 2007 Elemento:

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT06.P METODOLOGIAS DE INVENTÁRIO PARA RESTAURO DE EDIFICAÇÕES DE VALOR PATRIMONIAL Carolina Marques Chaves (2) ; Maria Berthilde Moura Filha (3) Centro de Tecnologia/Departamento de Arquitetura e

Leia mais

R 1 O T E I R O 2 0 0 5

R 1 O T E I R O 2 0 0 5 R O T E I R O 1 2 0 0 5 2 SUMÁRIO A - INTRODUÇÃO B CRITÉRIOS TÉCNICOS C ORIENTAÇÕES TÉCNICAS 1. Pesquisa Histórica 2. Pesquisa Arqueológica 3. Prospecções 4. Análises Laboratoriais 5. Levantamento Arquitetônico

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281 Estabelece normas e procedimentos para recuperação, manutenção e valorização de edifícios, obras e monumentos tombados, sujeitos ao tombamento vizinho ou identificados

Leia mais

Grupo escultórico; Ornatos menores; Esquadrias; Alvenarias externas;

Grupo escultórico; Ornatos menores; Esquadrias; Alvenarias externas; Como metodologia do projeto de restauro, a fim de identificar as camadas pictóricas das fachadas do edifício, foram executadas diversas prospecções estratigráficas, distribuídas entre os seguintes elementos:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO O UNIVERSO DA RESTAURAÇÃO NO RIO DE JANEIRO O estado do Rio de Janeiro apresenta um enorme acervo de imóveis de valor cultural, histórico, artístico, arquitetônico

Leia mais

2.2.3 Casos de Imóveis preservados

2.2.3 Casos de Imóveis preservados 2.2.3 Casos de Imóveis preservados Em Sorocaba o tombamento municipal é a base da política de preservação adotada em nível local. Em entrevista para o Jornal Cruzeiro do Sul a presidente do CMDPH, Maria

Leia mais

Organização e Manutenção do Acervo Arquitetônico de Theo Wiederspahn

Organização e Manutenção do Acervo Arquitetônico de Theo Wiederspahn 2155 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Organização e Manutenção do Acervo Arquitetônico de Theo Wiederspahn Helga Pfeifer Koelln (bolsista apresentador), Paulo Renato Silveira Bicca (orientador) Faculdade

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Bens preservados em destaque: A. Igreja e Cemitério de Parelheiros B. Igreja e Cemitério de Colônia C. Vila e Estação Ferroviária Evangelista

Leia mais

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS 01. Município: Uberlândia 02. Distrito: Sede 03. Designação: Estabelecimento de Uso Misto Comércio e Residência 04. Endereço: Rua Coronel Antônio Alves, nº 9.151

Leia mais

FASE 3 (1998-2003) 3.1 Criação da Comissão Especial Casa de Dona Yayá (1998)

FASE 3 (1998-2003) 3.1 Criação da Comissão Especial Casa de Dona Yayá (1998) 3.1 Criação da Comissão Especial Casa de Dona Yayá (1998) 3.2 O restauro de murais artísticos realizado pelo programa Identificação, Consolidação e Restauração de Pinturas Murais (Canteiro Escola) do CPC

Leia mais

Obra civil de recuperação/restauração de patrimônio edificado, com tombamento federal ou estadual.

Obra civil de recuperação/restauração de patrimônio edificado, com tombamento federal ou estadual. Artistas, historiadores, arquitetos, designers, arqueólogos, paleontólogos, produtores culturais, educadores, pesquisadores e demais interessados podem apresentar propostas de projetos de patrimônio dentro

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PO-05/2013 Unidade Responsável: Gestão de Programas OBJETIVO: Fornecer a metodologia e ferramentas para implementação da Política de Salvaguardas

Leia mais

Museu da Inconfi dência

Museu da Inconfi dência c a s e Museu da Inconfi dência Por Claudia Sá Fotos: Gustavo Xavier Luz suave e pontual revela traçado colonial ANTIGA CASA DE CÂMARA E CADEIA DE VILA RICA, O casarão que abriga o Museu da Inconfidência,

Leia mais

REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS

REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Florianópolis (SC), 2013 1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA INSTITUIÇÃO Mantenedora: Sistema Barddal de Ensino Grupo UNIESP Mantida: Faculdades

Leia mais

DOS CRITÉRIOS PARA COLOCAÇÃO DE LETREIROS

DOS CRITÉRIOS PARA COLOCAÇÃO DE LETREIROS Ministério da Cultura IPHAN INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL Escritório Técnico II - São João del Rei Rua Hermíllo Alves n.º 52 Centro São João del-rei Minas Gerais CEP 36.307-328

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

Plano de Conservação Preventiva do Museu Casa de Rui Barbosa: Documentação para Preservação Segundo Módulo

Plano de Conservação Preventiva do Museu Casa de Rui Barbosa: Documentação para Preservação Segundo Módulo CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação Título do Projeto Coordenador do Projeto: Endereços para contato: Setor: Plano de Conservação Preventiva do Museu

Leia mais

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009.

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009. INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DE RIBEIRÃO PRETO SP Henrique Telles Vichnewski 1 Lílian Rodrigues de O. Rosa 2 Nainôra Maria B. de Freitas 3 O Inventário de Bens Culturais de Ribeirão Preto faz parte do

Leia mais

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES Profª. Msc. Carolina Albuquerque de Moraes Prof. Dr. Luiz Fernando Loureiro Ribeiro São Paulo, Brasil

Leia mais

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 14 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 15 FOTOS: Miguel Serradas Duarte FOTOS: Miguel Serradas Duarte Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ Página 48 de 108 BENS IMÓVEIS IPAC Nº 4 / 2013 MUNICÍPIO: Uberlândia. DISTRITO: Sede. DESIGNAÇÃO: Comércio. ENDEREÇO: Rua Barão de Camargo, 614 - Bairro Fundinho. USO ATUAL: Comércio (bar). IMAGEM 01:

Leia mais

3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é

3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é 3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é tombada em nível estadual, apenas um bem é tombado pela

Leia mais

PAC CIDADES HISTÓRICAS. Natal /RN

PAC CIDADES HISTÓRICAS. Natal /RN PAC CIDADES HISTÓRICAS Natal /RN INTRODUÇÃO O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), iniciado em 2007, é uma inciativa do governo federal coordenada pelo Ministério do Planejamento que promoveu a

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

ESTUDO DE FACHADAS AV. PRESIDENTE VARGAS 62, CENTRO

ESTUDO DE FACHADAS AV. PRESIDENTE VARGAS 62, CENTRO ESTUDO DE FACHADAS AV. PRESIDENTE VARGAS 62, CENTRO ESTUDO DE FACHADAS AV. PRESIDENTE VARGAS 62, CENTRO Índice INTRODUÇÃO 5 1. LOCALIZAÇÃO 7 2. CONTEXTO URBANO 8 3. CONTEXTO ARQUITETÔNICO 16 4. PROPOSTA

Leia mais

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Definição de Paisagem Natural / Cultural 1. Consideramos Paisagem todo o espaço que se abrange num lance de vista, e que é delimitado pela linha

Leia mais

Concurso Fotográfico Património e Paisagem Urbana do Concelho

Concurso Fotográfico Património e Paisagem Urbana do Concelho JORNADAS EUROPEIAS DO PATRIMÓNIO 2011 PATRIMONIO E PAISAGEM URBANA As Jornadas Europeias do Património, promovidas em Portugal pelo IGESPAR a 23/24/25 de Setembro, são uma iniciativa anual do Conselho

Leia mais

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território Graça Filipe Modelos de redes de museus I Encontro de Museus do Douro Vila Real 24 Setembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial 1 Coimbra - 1941 Coimbra - 2001 2 Pólo II - Estado actual Pólo III - Estado actual 3 Pólo I - Estado actual 4 Pólo I - Estado actual

Leia mais

Estruturas institucionais esfera federal

Estruturas institucionais esfera federal Estruturas institucionais esfera federal Departamento do Patrimônio Imaterial Princípio de atuação: respeito à diversidade cultural e valorização da diferença são os princípios organizadores da atuação

Leia mais

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 187 ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Gabriella Fernandes

Leia mais

Preservacionismo PRESERVAÇÃO metodologia preservacionista

Preservacionismo PRESERVAÇÃO metodologia preservacionista Preservacionismo PRESERVAÇÃO (do latim praeservare = observar previamente) tem o sentido atual de guardar ou conservar os bens culturais para os próximos tempos, sendo uma medida políticoadministrativa.

Leia mais

ALMARES A história como exemplo, o mar como inspiração

ALMARES A história como exemplo, o mar como inspiração Edif cio ALMARES A história como exemplo, o mar como inspiração Edif cio ALMARES O RESPEITO E A PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, DE POSSUIR O MAIOR PORTO DA AMÉRICA LATINA E, CLARO, O MAR, FAZEM COM QUE SANTOS

Leia mais

I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro

I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro MUSEU DA IMIGRAÇÃO Santa Bárbara d Oeste - SP Proposta de Intervenção Emergencial I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro 2 16 MUSEU DA IMIGRAÇÃO Santa

Leia mais

Rerratificação do tombamento Conjunto Arquitetônico e Urbanístico na Cidade de Icó

Rerratificação do tombamento Conjunto Arquitetônico e Urbanístico na Cidade de Icó Rerratificação do tombamento Conjunto Arquitetônico e Urbanístico na Cidade de Icó Preâmbulo Inicio este parecer agradecendo a indicação da Presidenta Jurema Machado para relatar o pedido de rerratificação

Leia mais

As principais conclusões foram as seguintes:

As principais conclusões foram as seguintes: A REABILITAÇÃO EXIGE PROJETO IN SITU Vasco Peixoto de Freitas Professor Catedrático da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Diretor do Laboratório de Física das Construções * Nesta sessão foi

Leia mais

Arquitetura do ciclo da Borracha en Belém do Pará- Brasil. Guia temático e roteiros culturais.

Arquitetura do ciclo da Borracha en Belém do Pará- Brasil. Guia temático e roteiros culturais. 792 Arquitetura do ciclo da Borracha en Belém do Pará- Brasil. Guia temático e roteiros culturais. R. Verbicaro (1), C. Nóbrega (2) Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) - Faculdade de Arquitetura

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

A Nova Velha Praça do Ferreira: signo da requalificação do Centro de Fortaleza.

A Nova Velha Praça do Ferreira: signo da requalificação do Centro de Fortaleza. A Nova Velha Praça do Ferreira: signo da requalificação do Centro de Fortaleza. Ricardo Alexandre Paiva FAUUSP-DAUUFC paiva_ricardo@yahoo.com.br O objeto de estudo do presente trabalho é uma análise do

Leia mais

Eixo Temático ET-02-001 - Gestão de Áreas Protegidas A FOTOGRAFIA NA GESTÃO DOS IMÓVEIS DE PROTEÇÃO DE ÁREA VERDE DO RECIFE-PE

Eixo Temático ET-02-001 - Gestão de Áreas Protegidas A FOTOGRAFIA NA GESTÃO DOS IMÓVEIS DE PROTEÇÃO DE ÁREA VERDE DO RECIFE-PE 141 Eixo Temático ET-02-001 - Gestão de Áreas Protegidas A FOTOGRAFIA NA GESTÃO DOS IMÓVEIS DE PROTEÇÃO DE ÁREA VERDE DO RECIFE-PE Yasodhara Silva Lacerda; Mônica de Moraes Barbosa; Adriana Carla Pontes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO. Política de Desenvolvimento de Coleções

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO. Política de Desenvolvimento de Coleções UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO Política de Desenvolvimento de Coleções Porto Alegre 2013 2 1 APRESENTAÇÃO A Biblioteca Paulo Lacerda de Azevedo

Leia mais

Igrejas paulistas: barroco e rococó

Igrejas paulistas: barroco e rococó Igrejas paulistas: barroco e rococó Vanessa Proença Título da obra: Igrejas paulistas: barroco e rococó. Autor: Percival Tirapeli 1 Um grande catálogo: é essa a impressão que o livro nos passa. A proposta

Leia mais

Itinerários Culturais do Mercosul

Itinerários Culturais do Mercosul II Reunião da Comissão de Patrimônio Cultural do MERCOSUL Os projetos em desenvolvimento no Brasil Antecedentes Considerando as reflexões sobre as novas categorias de bens culturais que estão sendo discutidas

Leia mais

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL 1 A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL Colégio Londrinense Alunos(as): Natalia Bergamini da Silva Lucas Tsuchya Hubacek Nasser Nasser Orientadora

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA Karin Comerlatto da Rosa kcomerlattodarosa@yahoo.com.br Resumo: A história da Lapa está presente

Leia mais

1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Equipamento para Observação Didática e Análise da Influência da Temperatura de Cor sobre as Cores.

1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Equipamento para Observação Didática e Análise da Influência da Temperatura de Cor sobre as Cores. 1 RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE TRABALHO Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação, Extensão e Cultura - ProPPEC Departamento de Pesquisa Programa de Bolsas do Artigo 170 1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO

Leia mais

Gestalt do Objeto. Teoria Geral da Gestalt. Fundamentado Cientificamente na

Gestalt do Objeto. Teoria Geral da Gestalt. Fundamentado Cientificamente na Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Teoria Geral da Gestalt Fundamentado Cientificamente na Psicologia i da Percepção da Forma Prof. Dr. João Gomes Filho... Setembro. 2006 BIBLIOGRAFIA

Leia mais

gestão do design: projeto final professor: rodrigo a. gianello aluno: wellington v. amarante jr. curso técnico de design gráfico: turma 01

gestão do design: projeto final professor: rodrigo a. gianello aluno: wellington v. amarante jr. curso técnico de design gráfico: turma 01 : projeto final professor: rodrigo a. gianello aluno: wellington v. amarante jr. curso técnico de design gráfico: turma 01 Cronograma de desenvolvimento do projeto Fases Período Março Abril Maio Junho

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

Claudia S. Rodrigues de Carvalho. Eletrônico: crcarvalho@rb.gov.br Telefônico: 55-21- 32894676 Núcleo de Preservação Arquitetônica

Claudia S. Rodrigues de Carvalho. Eletrônico: crcarvalho@rb.gov.br Telefônico: 55-21- 32894676 Núcleo de Preservação Arquitetônica CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação Título do Projeto Coordenador do Projeto: Endereços para contato: Setor: Plano de Conservação Preventiva do Museu

Leia mais

GOVERNO DE MINAS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA SUPERINTENDÊNCIA DE MUSEUS E ARTES VISUAIS. plano museológico

GOVERNO DE MINAS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA SUPERINTENDÊNCIA DE MUSEUS E ARTES VISUAIS. plano museológico GOVERNO DE MINAS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA SUPERINTENDÊNCIA DE MUSEUS E ARTES VISUAIS plano museológico GOVERNO DE MINAS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA SUPERINTENDÊNCIA DE MUSEUS E ARTES VISUAIS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

PLANO DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA DO MUSEU CASA DE RUI BARBOSA - CONSERVAÇAO DAS SUPERFÍCIES ARQUITETÔNICAS DO MUSEU CASA DE RUI BARBOSA

PLANO DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA DO MUSEU CASA DE RUI BARBOSA - CONSERVAÇAO DAS SUPERFÍCIES ARQUITETÔNICAS DO MUSEU CASA DE RUI BARBOSA CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Plano de Conservação Preventiva do Museu Casa de Rui Barbosa: CONSERVAÇÃO DAS SUPERFÍCIES ARQUITETÔNICAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE ALUNA: ORIENTADORA: TERESA FARIA NOVEMBRO 2011 AGRADECIMENTOS AGRADEÇO A TODOS QUE ACREDITARAM,

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA ESQUADRIAS/PANOS

Leia mais

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS FEIRA DE CORES E SABORES A mostra, contemplada pelo Fundo de Cultura da Bahia através do IPAC, tem a intenção de valorizar os patrimônios materiais e imateriais da Feira de São Joaquim

Leia mais

Estrutura Arquitetônica. 3- Designação: ESCOLA MUNICIPAL AMÂNCIO BERNARDES

Estrutura Arquitetônica. 3- Designação: ESCOLA MUNICIPAL AMÂNCIO BERNARDES INVENTÁRIO DE PROTEÇÃO DO ACERVO CULTURAL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DO MONTE Praça Getúlio Vargas, nº 18, Centro Tel.: (37) 3281-1131 CEP: 35560-000 Estação Cultura: Praça Benedito Valadares,

Leia mais

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Na frente ribeirinha de Lisboa, a poucos minutos do Parque das Nações, desenvolve-se um novo condomínio que enquadra toda a estrutura pré-existente

Leia mais

LINHAS ESPECIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL

LINHAS ESPECIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL LINHAS ESPECIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL 01 Sumário 04 Esquadrias Master Inova Extrema Gold IV Única 08 Fachadas Soluta Citta Due ACM 12 Proteção & Estilo Brises Guarda-corpo Grades e Gradis Portão Vidro Temperado

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR-4.3.2 e ao IPHAN. 2-No item

Leia mais

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Ação Piloto para a Regeneração Urbana Avenida da Liberdade, Braga Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Cientes da importância de promover uma intervenção capaz de revitalizar o centro histórico

Leia mais

Guia de qualidade de cores

Guia de qualidade de cores Página 1 de 5 Guia de qualidade de cores O Guia de qualidade de cores ajuda você a entender como as operações disponíveis na impressora podem ser usadas para ajustar e personalizar a saída colorida. Menu

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana 6.1. A Dinâmica de Uso e Ocupação do

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO

CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO EMPREENDIMENTOS DE PEQUENO PORTE 01 APRESENTAÇÃO MELNICK EVEN DA EMPRESA APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Melnick Even, com 20 anos de atuação no mercado gaúcho

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ Página 42 de 108 BENS IMÓVEIS IPAC Nº 3 / 2013 MUNICÍPIO: Uberlândia. DISTRITO: Sede. DESIGNAÇÃO: Residência. ENDEREÇO: Rua Vigário Dantas, 495 Bairro Fundinho Uberlândia MG. USO ATUAL: A casa se encontra

Leia mais

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE RESUMO A reconstituição e o resgate da memória do centro de histórico da cidade foi o audacioso trabalho que a franquia O Boticário

Leia mais

FCH Consultoria e Projetos de Engenharia Escritório: São Paulo Atuação: Nacional

FCH Consultoria e Projetos de Engenharia Escritório: São Paulo Atuação: Nacional Projeto de Revestimento de Fachada em Argamassa Engª MSc Fabiana Andrade Ribeiro www.fchconsultoria.com.br Projeto de Revestimento de Fachada Enfoque na Racionalização FCH Consultoria e Projetos de Engenharia

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

2013: Ano da Contabilidade no Brasil. Manual de aplicação da marca

2013: Ano da Contabilidade no Brasil. Manual de aplicação da marca Apresentação A profissão contábil é um ofício antigo, que evoluiu e continua evoluindo, mas a sociedade não tem consciência dessa visão histórica, nem mesmo da importância dessa profissão para os dias

Leia mais

S c e n a r i u m G a l e r i a. Exposição Azul Cobalto, Azulejos e Memórias

S c e n a r i u m G a l e r i a. Exposição Azul Cobalto, Azulejos e Memórias S c e n a r i u m G a l e r i a Exposição Azul Cobalto, Azulejos e Memórias Azul Cobalto, Azulejos e Memórias...Ladrilhos eternos, como eterno para mim é o prédio número 13 da Rua do Lavradio e sua fachada

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA MURO CERCA

Leia mais

USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU

USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU O jantar no Brasil, de Jean Baptiste Debret Com este material de apoio é possível entender como os fragmentos arqueológicos nos ajudam a decifrar

Leia mais

HISTÓRIA DO PRÉDIO DO MUSEU DA ESCOLA CATARINENSE

HISTÓRIA DO PRÉDIO DO MUSEU DA ESCOLA CATARINENSE HISTÓRIA DO PRÉDIO DO MUSEU DA ESCOLA CATARINENSE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC Reitor: Prof. Antonio Heronaldo de Souza Vice Reitor: Prof. Marcus Tomasi Coordenação do Museu da Escola

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

Urban View. Urban Reports. É velho, mas está novo: retrofit e requalificação urbana

Urban View. Urban Reports. É velho, mas está novo: retrofit e requalificação urbana Urban View Urban Reports É velho, mas está novo: retrofit e Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Qual é a mudança mais rápida e barata que

Leia mais

ANAIS da XV SEMANA DE HISTÓRIA: HISTORIA REGIONAL COMO RECORTE DE ENSINO E PESQUISA - 2011 ISSN - 21773157 INVENTÁRIO DE REFERÊNCIAS CULTURAIS

ANAIS da XV SEMANA DE HISTÓRIA: HISTORIA REGIONAL COMO RECORTE DE ENSINO E PESQUISA - 2011 ISSN - 21773157 INVENTÁRIO DE REFERÊNCIAS CULTURAIS ANAIS da XV SEMANA DE HISTÓRIA: HISTORIA REGIONAL COMO RECORTE DE ENSINO E PESQUISA - 2011 ISSN - 21773157 INVENTÁRIO DE REFERÊNCIAS CULTURAIS Ribeirão Preto, SP Adriana SILVA * Lilian Rodrigues de Oliveira

Leia mais

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL 57 5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL O conjunto arquitetônico da residência de Antônio de Rezende Costa, que hoje abriga a Escola Estadual Enéas de Oliveira Guimarães foi pelos autores do presente

Leia mais

O Barroco no Brasil. Capitulo 11

O Barroco no Brasil. Capitulo 11 O Barroco no Brasil Capitulo 11 O Barroco no Brasil se desenvolveu do século XVIII ao início do século XIX, época em que na Europa esse estilo já havia sido abandonado. Um só Brasil, vários Barrocos O

Leia mais

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009.

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O Condomínio Ilhas do Sul abrange uma área total de 30.178m² e tem 118.000m² de área construída. O acesso se faz

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tabuleta

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tabuleta CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tabuleta 02 Critérios específicos 03 Condições Gerais 05 Zonas de Proteção Específica 1 Uma tabuleta por estabelecimento e não ser colocada acima do piso térreo;

Leia mais

Manual pra quê? O que move uma marca? Ela é movida pela CONFIANÇA E PERCEPÇÃO DE VALOR POR SEUS CONSUMIDORES.

Manual pra quê? O que move uma marca? Ela é movida pela CONFIANÇA E PERCEPÇÃO DE VALOR POR SEUS CONSUMIDORES. Manual pra quê? O que move uma marca? Ela é movida pela CONFIANÇA E PERCEPÇÃO DE VALOR POR SEUS CONSUMIDORES. E a marca HEAVYLOAD transmite essa confiança e, também, cria essa percepção! Em cada momento

Leia mais

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Neoclássico França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Definição Neoclássico Movimento cultural dado no século

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

Gestão do Patrimônio Cultural

Gestão do Patrimônio Cultural ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO, CULTURA E ESPORTE FUNDAÇÃO CATARINENSE DE CULTURA FCC Gestão do Patrimônio Cultural Conceito Memória da coletividade a que pertencemos Identidade:

Leia mais

ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA. Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: IMOVEL: 1. Endereço:

ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA. Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: IMOVEL: 1. Endereço: ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: CARACTERIZAÇÃO DO BEM IMOVEL: 1. Endereço: 2. Proteção legal: Tombamento Municipal Tombamento Estadual Tombamento Federal Preservado

Leia mais

RESTAURAÇÃO DAS PINTURAS MURAIS DA CASA DE RUI BARBOSA

RESTAURAÇÃO DAS PINTURAS MURAIS DA CASA DE RUI BARBOSA RESTAURAÇÃO DAS PINTURAS MURAIS DA CASA DE RUI BARBOSA Arquitetos Responsáveis: Márcia Braga e Delfim Carvalho RELATÓRIO TÉCNICO 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1- PINTURAS DECORATIVAS E ARTÍSTICAS DA VARANDA...

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL VOLUME 1 - SISTEMA BÁSICO MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL GUIA PARA APLICAÇÃO DA IDENTIDADE VISUAL DO PROJETO TARAMANDAHY - FASE 2 1 MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL SISTEMA BÁSICO 2 REDESENHO DA MARCA TARAMANDAHY

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

5. LEVANTAMENTO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO 5.1. RELAÇÕES TEMÁTICA / SÍTIO SÍTIO PROPOSTO O sítio proposto para a implantação situa-se no limite dos bairros Menino Deus e Praia de Belas, divididos pela Avenida

Leia mais