SEGREGAÇÃO E MIXITÉ SOCIOESPACIAL: conceitos e realidades na França

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGREGAÇÃO E MIXITÉ SOCIOESPACIAL: conceitos e realidades na França"

Transcrição

1 1 SEGREGAÇÃO E MIXITÉ SOCIOESPACIAL: conceitos e realidades na França Patrick Le Guirriec* Professor do Département de Sociologie, Université François Rabelais à Tours (França); professor visitante estrangeiro da UFRN e bolsista da Capes ( ). Resumo Segregação socioespacial designa diversas formas de agrupamento de populações semelhantes nos espaços urbanos. Na França, o conceito é principalmente usado para designar o agrupamento, mais ou menos forçado, das populações de origem estrangeira, que são consideradas, pela ideologia universalista, na qual se baseia a República, como uma ameaça. No intuito de espalhar essas comunidades e de possibilitar que elas sejam assimiladas, o poder público tenta misturá-las. Mas se a dispersão, a mixité, destrói o grupo primário, os seus laços de solidariedade, ela então não favorece o desenvolvimento das relações de sociabilidade no espaço de vizinhança nem a sua assimilação. Palavras-chave: Mixité; segregação espacial; políticas públicas. Abstract Socio-spatial segregation denotes several forms of groupings of homogenours populations in urban space. In France, the concept is mainly used to point at groupings of foreign origin populations, that are considered a danger by prevailing ideology. To disperse these communities and favour their assimilation, the government has tried to encourage their socio-spatial mixing (mixité). However, the dispersion of these populations destroys the primary groups and their links based on solidarity and, at the same time, it does not favour the development of social relations in the neighbourhood, nor their assimilation. Keywords: Mixité; socio-spatial segregation; government policy. 2 9

2 As principais tendências sociais que se observam na maior parte das cidades do mundo, e isso desde o nascimento da cidade industrial, traduzem-se por uma busca de vizinhos que nos sejam semelhantes, para a construção de áreas onde a população tenha as mesmas características socioeconômicas, religiosas, étnicas etc., até se constituírem espaços com fronteiras materiais e simbólicas cada vez mais fechadas. Essa segregação socioespacial ocorre em todas as categorias da população, mas não tem as mesmas características para todas, nem as mesmas causas. Este artigo pretende apontar duas coisas: primeiro, com o fechamento crescente das populações urbanas, a cidade não está mais construindo uma sociedade, mas se tornando uma justaposição de grupos que se desconhecem; segundo, na França, a mixité das populações, em que a outra face da moeda é a segregação, se tornou uma prioridade de todas as políticas urbanas, principalmente nos subúrbios, onde foram relegados os pobres e as pessoas de origem estrangeira. Mas a mixité, conceito bem francês, profundamente marcado pela interiorização dos valores universalistas da Revolução, fica muito difícil de se realizar e não resolve os problemas das minorias nos subúrbios; muito pelo contrário. Segregação: um conceito polissêmico Como se pode observar nas pesquisas que tratam da distribuição socioespacial das populações nas cidades, o conceito de segregação é usado para descrever situações muito diferentes e, às vezes, num sentido abusivo. Podem-se distinguir pelo menos cinco tipos de segregação: a institucionalizada, a natural, a sofrida, a voluntária e a voluntária e sofrida. Segregação institucional Segundo os dicionários, a segregação é uma ação: ação de separar, de afastar. Nesse primeiro sentido, a separação física dos grupos sociais é institucionalizada e aparece como efeito de uma vontade coletiva, de uma organização socioespacial que o grupo dominante impõe. Ela designa uma recusa de contatos e, principalmente, de mistura, conscientemente assumida pelo grupo que possui o poder de excluir um outro grupo do espaço que quer usar, como no regime de apartheid na África do Sul. A segregação, no sentido estrito, inclui a idéia de discriminação e se baseia no princípio de desigualdade racial, social, religiosa, ou outra. Nesse sentido estrito, como prática voluntária de relegação de uma parte da população para longe das áreas ocupadas pelas categorias mais favorecidas, a segregação está dissociada dos princípios da maioria dos países. 3 0 Segregação natural, em Chicago O conceito de segregação é apresentado pela Escola de Chicago como um fenômeno natural, resultante da competição. Segundo Robert Ezra Park (1925), citado por Yves Grafemeyer e Isaac Joseph (1984), a cidade funciona como um mecanismo de triagem e de filtragem que seleciona, no conjunto da população, os indivíduos mais capazes de morar numa área particular e num meio particular. Todo mundo quer morar nos lugares mais agradáveis, mas nem todo mundo consegue, porque os grupos não têm as mesmas características, nem a mesma influência política, nem o mesmo poder de escolher o seu lugar de residência.

3 Conseqüentemente, os indivíduos entram em competição para ocupar os melhores lugares, e as pessoas os grupos mais fortes conseguem atribuir-se os lugares privilegiados. Assim, as pessoas que têm características parecidas agrupam-se nos mesmos bairros, resultando disso a segregação socioespacial dos grupos sociais, que são distribuídos em lugares mais ou menos distintos: as áreas naturais. A descrição do fenômeno inspira-se no que acontece nas comunidades vegetais e animais. Para resumir, numa sociedade hierarquizada, há, obrigatoriamente, marcas visíveis de pertencimento a uma categoria social. Na cidade, essas marcas são principalmente os lugares de residência. Informar o endereço é dar indicações sobre o nível socioeconômico ou outras características. Conseqüentemente, há uma competição entre os grupos para ocupar os melhores lugares, e as pessoas que têm as mesmas características reúnem-se nos mesmos lugares. Resulta disso uma segregação socioespacial. Essa visão das relações entre os homens na cidade produziu duas figuras ideais típicas da cidade: a cidade concêntrica, de E. Burgess, e o gueto, de Wirth. No seu primeiro sentido, a palavra gueto designa um bairro judeu, um bairro que era reservado e imposto aos judeus. O primeiro gueto foi construído em Veneza, em 1516, e destruído em Mas os guetos judeus espalharam-se na Europa inteira. O mais conhecido foi o de Varsóvia. O gueto era um espaço murado, fechado de noite, onde um grupo da população era forçado a reunir-se por causa do seu pertencimento religioso. Em seguida, a palavra gueto foi usada na língua comum, e o seu sentido passou a ser muito variável. No sentido mais geral, gueto significa um espaço geográfico onde se acha uma concentração de pessoas que compartilham algumas características, como a origem étnica, a situação econômica, até mesmo as tendência sexuais. Mas esse uso traz sempre uma idéia negativa sobre a população, e muito indefinida, já que não há mais espaços urbanos completamente homogêneos. O gueto de Chicago não tem nada a ver como os guetos judeus da Europa, porque, em Chicago, ele é espontâneo, enquanto, na Europa, foi ordenado pelos poderes dos Estados. Os primeiros judeus do gueto de Chicago chegaram da Alemanha e, depois, do Leste da Europa. Quando Wirth fez a sua pesquisa, em 1928, a comunidade contava com habitantes. Nem todos os judeus moravam no bairro judeu, mas se encontrava lá uma reprodução das formas da organização social e dos modelos culturais dos países de origem do povo judeu: sinagogas, escolas religiosas, jornais, organizações de assistência etc. No entanto os laços comunitários eram frágeis e, à medida que encontravam seu lugar na sociedade norte-americana, muitos judeus deixavam o gueto e se distanciavam da identidade judia, principalmente os judeus alemães, os mais ricos. Na comunidade, encontramos uma diferenciação social, e o declínio do gueto como centro da vida comunitária. Essa diferenciação social tem por efeito uma dispersão geográfica dos membros da comunidade. No primeiro momento, os judeus deixaram o gueto para juntar-se, aos poucos, num outro bairro, até a identidade judia recapturá-los e encorajá-los a uma nova dispersão. Aí está uma ilustração do processo de assimilação que tentaram desenvolver os pesquisadores da Escola de Chicago. Veremos, mais tarde, que essa situação do gueto, como transição entre o país de origem e o país de chegada, é muito interessante para se entenderem as conseqüências dos ajuntamentos étnicos que existem hoje em dia nas cidades européias, principalmente na França. 3 1

4 2 Segregação sofrida, nos subúrbios Muitas vezes, o conceito de segregação é utilizado para designar as situações mais evidentes de ajuntamento territorial e é relacionado à pobreza e à etnicidade. Nesse caso, ilustrado pelos subúrbios franceses, a segregação é chamada de relegação. Fica difícil conhecer a origem dessa segregação, mas podemos destacar duas razões: a política pública na alocação de moradias sociais e os efeitos perversos das idéias provenientes do urbanismo moderno ( ). No início, depois da Segunda Guerra, esses bairros foram construídos numa perspectiva de igualdade, misturando, no mesmo espaço residencial, todas as camadas sociais. Mas a crise industrial, a descolonização, a fuga das classes médias para casas individuais nas pequenas cidades ao redor dos centros urbanos maiores, as medidas financeiras para ajudar o trabalhador a comprar uma casa individual provocaram a concentração de populações pobres e, muitas vezes, de origem estrangeira. Como disse Jacques Donzelot (2004, p.31), Os moradores dos subúrbios constituem uma sociedade particular marcada pela natureza sofrida do entre-nós, na medida em que a liberdade de escolher a vizinhança fica muito improvável. Eles estão nesse lugar porque não podem estar em outro e não escolhem os seus vizinhos. [ ] eles se sabem proibidos na França de ter apoio em relação às origens deles, à cultura e à religião, para constituírem uma sociedade que estaria à margem da Republica. A única característica que compartilham os moradores desses subúrbios é a pobreza. Nesses territórios, encontram-se populações de origens muito diferentes, que não podem constituir grupos de solidariedade, o que aumenta o sentimento de solidão e impede a integração na sociedade francesa. Relegada residencialmente, essa população também é relegada social, cultural e economicamente. De fato, os moradores desses bairros, muitas vezes afastados dos lugares de trabalho, não têm acesso aos meios que facilitam a integração na sociedade francesa. A frustração deles por causa dessa situação manifestou-se com violência durante o inverno de 2005, e o principal alvo dos jovens dos subúrbios era aquilo que simbolizava o que eles não tinham: os supermercados, lugares de consumo; as escolas, lugares de aprendizagem e esperança de promoção social; os veículos privados e públicos, meios de mobilidade; e, evidentemente, a polícia e os bombeiros, que simbolizam o Estado. Nessa situação, a segregação residencial aparece claramente como resultado de uma relegação que não concerne somente ao lugar de residência, mas a todas as formas de pertencimento à sociedade. Essa concentração da parte muito desfavorecida da população, relegada por causa das condições socioeconômicas, étnicas ou religiosas, dentro de um bairro bem delimitado, é um exemplo de segregação, mesmo se não institucionalizada. 3 2 Segregação voluntária Mas a segregação não pode ser estudada independentemente do conceito de agregação voluntária, ou seja, do que está acontecendo do outro lado da escada social. Pelo mecanismo da sua formação, os guetos de ricos ficam completamente diferentes dos bairros de exclusão. Nos primeiros, os habitantes decidiram livremente morar lá. Esse agrupamento significa para os moradores a vontade de preservar o entre-nós. Aqui, a segregação não é vivida como um processo negativo de exclusão, mas, antes de tudo, como uma agregação de semelhantes que preserva a qualidade da vizinhança, a homogeneidade social e um espaço de vida privilegiado.

5 Assim, Michel Pinçon e Monique Pinçon-Charlot (1989) estudaram as escolhas residenciais das famílias de poder aquisitivo muito alto, das famílias da grande burguesia e da aristocracia parisiense. A população que dispõe de riqueza da sua fortuna pode morar onde quiser. Para não levar em conta apenas o fator financeiro, os autores realizaram o seu estudo a partir dos endereços dos clubes mais fechados da capital, como o Jockey Club, o Automobile Club de France, ou o Pólo de Paris, que só aceitam como membros os aristocratas. Observaram que a maioria dos membros desses clubes morava num espaço muito restrito no oeste de Paris. Essas escolhas residenciais não dependem somente de fatores econômicos, mas também de fatores socioculturais. Por um lado, trata-se de dividir o espaço residencial com pessoas que compartilham os mesmos valores, os mesmos gostos, os mesmos hábitos de vida. Por outro lado, é importante oferecer aos filhos uma vizinhança em que podem encontrar pessoas do mesmo nível econômico e sociocultural, o que facilita os casamentos no mesmo grupo e a reprodução da posição social. Como destaca Anne Raulin (2001, p.93-94), o endereço é a condição necessária à definição do pertencimento social, mas não é uma condição suficiente, e os membros dessa burguesia compartilham os diferentes tipos de capital (econômico, social, cultural e simbólico) definidos por Bourdieu. O agrupamento residencial favorece a reprodução dessas diferentes formas de capital. Segregação voluntária e sofrida A França pós-guerra precisava de mão-de-obra, principalmente nas indústrias e na construção civil. Muitas empresas foram buscá-la nas aldeias das antigas colônias. Assim, milhares de imigrantes estrangeiros chegaram à França, geralmente homens solteiros ou homens que deixaram a família na aldeia. Esses homens, mal pagos, usavam o salário que ganhavam na França para sustentar a família no país de origem. Eles se instalavam nos prédios mais baratos e mais deteriorados das cidades, em geral nos centros antigos, abandonados pelos franceses que tinham se deslocado para os apartamentos novos dos subúrbios, nas décadas de 1950 e Entre os imigrantes, temos de distinguir entre os homens sozinhos que continuam a sustentar suas famílias no país de origem, para onde voltam várias vezes por ano, e que aceitam um apartamento medíocre e sem conforto, dos que trouxeram a família para morar na França. Esses últimos, muito influenciados pelos filhos, cortaram, progressivamente, os laços com o país de origem e adotaram comportamentos parecidos com os das pessoas da mesma camada social, na França, independentemente da origem étnica. Os primeiros, por causa da sua situação financeira, não tiveram a possibilidade de sair do bairro, mas também não quiseram, porque acharam lá a rede de ajuda mútua e de troca de numerosos serviços de que precisam para sobreviver, até (re)-constituírem uma comunidade com esses laços de solidariedade: os mais velhos ajudando os recém-chegados a encontrarem apartamento, trabalho, a enfrentarem os problemas administrativos; em suma, a inserirem-se na sociedade francesa sem cortar os laços com a cultura de origem. Pelo contrário, a opinião dos segundos, que pertencem às camadas médias, traduz-se seja pela dispersão residencial, o que não significa necessariamente uma ruptura dos laços com a comunidade de origem, seja pelo afastamento da cultura de origem. Por conseqüência, a integração dessa população à sociedade francesa é estritamente ligada às relações que os indivíduos continuam a ter com a cultura e o país de origem e que se traduzem seja por uma posição de fechamento no espaço comunitário, seja pela dispersão residencial e a adoção dos valores 3 3

6 culturais franceses. Essa população segregada foi forçada a concentrar-se, mas encontrou nessa concentração os benefícios do pertencimento a uma comunidade com os seus grupos primários. Nesses bairros se pode escutar isso: O que é melhor: ter um apartamento novo longe dos seus ou ficar aqui perto dos seus?. Por conseqüência, nas sociedades igualitárias, onde a discriminação não é institucionalizada, o uso do conceito de segregação fica difícil e, como sugere Yves Grafemeyer, temos de reservar essa palavra para designar as situações em que alguns grupos da população conhecem uma concentração espacial importante e são mais ou menos forçados a essa concentração. A mistura O conceito de mixité, palavra que não é traduzível em qualquer outra língua, é um conceito francês proveniente da ideologia universalista da revolução francesa. A França não foi o único país que tentou misturar as populações no sentido de homogeneizar as culturas das minorias, mas foi o único que conseguiu isso. Essa mistura foi principalmente usada na antiga URSS, para espalhar as comunidades étnicas, mas os movimentos separatistas que se seguiram à queda do muro mostraram que as minorias nunca foram realmente integradas. Por outro lado, essa necessidade de misturar aparece como uma preocupação tipicamente francesa, que não se encontra nos outros países europeus. A mistura nunca foi definida. Trata-se da justaposição de populações diferentes num prédio, sem contato nenhum? Trata-se de interpenetração de culturas diferentes? Da co-presença de diferentes populações nos shopping-centers? Podese perguntar também quais populações misturar. Já que os ricos podem morar entre eles próprios, a mixité consistiria em misturar os pobres entre eles? É, sem dúvida, porque esse conceito não tem definição nenhuma que todo mundo considera a mixité como um objetivo importante na organização socioespacial das populações no espaço urbano. 3 4 Mixité: um objetivo bem compartilhado Na França, o consenso a respeito da mistura é compartilhado tanto pelos atores políticos como pela opinião pública, ainda que os motivos não sejam os mesmos. Todo mundo concorda em que a mistura é um bem incontestável, e todos são hostis às formas visíveis demais de segregação. Ninguém aprova as formas de agregação dos ricos, mas elas são toleradas, enquanto a segregação dos pobres, e sobretudo a dos estrangeiros, é percebida como uma ameaça para os valores da República. Pela sua história, a França é um país muito centralizado, no qual todos os valores e ideologias são decididos em Paris, onde se concentram as ferramentas 3 do poder. Para difundir essas ideologias e homogeneizar o povo francês, o poder usou dois meios: as escolas públicas, gratuitas e obrigatórias para todos, e o serviço militar, que favorecia o contato entre as populações tanto das diferentes províncias como das colônias. Através desses meios, a França conseguiu assimilar as minorias do país e também os primeiros imigrantes que chegaram dos outros países europeus, no final do século XIX e início do século XX (da Polônia, da Bélgica, da Itália, da Espanha...). Esses dois meios eram favorecidos pela Igreja católica, que reunia todas as populações. Porém, depois da descolonização, chegaram populações muçulmanas, estranhas à Igreja e à cultura européia, e, com a crise econômica da década de

7 1970, elas foram as primeiras vítimas do mercado do trabalho e, aos poucos, foram afastadas da sociedade. A escola perdeu sua função de promoção social, porque os diplomas não eram mais suficientes para garantir emprego. O serviço militar foi suprimido durante os anos 1990, e a França perdeu os seus meios de assimilação, sem deixar a ideologia. Portanto, a assimilação dessas populações se tornou difícil, e o povo francês ficou menos homogêneo. Daí em diante, o Estado quis assimilá-los por meio da mistura territorial, da dispersão espacial das comunidades étnicas. Era importante impedir os estrangeiros de ficarem entre eles próprios, para não reproduzirem a sua cultura. É isso também o que quer a opinião pública, que vê na mistura um meio de esconder os pobres e os estrangeiros, não para salvar a República, mas para impedir que a presença deles seja visível demais, tornando-se um obstáculo à valorização material e simbólica do patrimônio imobiliário. Mas, se a população é favorável à assimilação dos estrangeiros, dificilmente ela aceita o processo e a vizinhança deles. Por conseqüência, a vontade de misturar as populações não tem motivos sociais ou filantrópicos o bem-estar dos estrangeiros, por exemplo, mas financeiros e, principalmente, ideológicos. Nesse último caso, trata-se de preservar a República, estabelecida sobre os valores universais da Revolução de Assim, a França não pode aceitar a presença de culturas diferentes no seu 4 território, nem qualquer forma de multiculturalismo, ou outras linguagens, no país. Mixité e relações sociais Devemos também perguntar-nos acerca dos efeitos da mistura sobre essas populações pobres e de origem estrangeira, os quais se traduzem na impossibilidade de constituírem grupos primários, não favorecendo o desenvolvimento das relações de sociabilidade. Todas as pesquisas mostram que um dos fatores essenciais no processo de assimilação no país de recepção é o apoio fornecido pelo grupo primário. Pelo alojamento, pelo emprego, pelas formalidades administrativas, os membros da família servem de apoio para os recém-chegados. É nos grupos primários que os vínculos de solidariedade são mais ativos. É exatamente o que se encontra nas comunidades étnicas dos antigos bairros das cidades, como no gueto de Chicago. No momento em que a situação destas está estabelecida, quando têm trabalho e dinheiro suficiente, eles saem do bairro e se dispersam na cidade. Portanto, a comunidade não é um obstáculo para a assimilação, mas uma etapa transitória entre o país de origem e o país de acolhida. A situação dos bairros antigos é muito diferente da dos subúrbios, onde foram agrupadas, rejeitadas, populações pobres com origens diferentes e que não podem estabelecer vínculos de solidariedade. A única coisa que as pessoas compartilham é a pobreza. Mas também se pode contestar a utilidade da mistura quando se sabe que a intensidade da vida social é função da homogeneidade da população. Faz muito tempo que a sociologia mostrou que a mistura, quando é imposta a categorias muito diferentes quanto à forma de viver e às referências culturais, não produz relações sociais, mas, pelo contrário, distanciamento (Peter Wilmott, 1996; Pierre-Henri Chombart de Lauwe, 1959; Jean Claude Chamboredon, Madeleine Lemaire, 1970). Em Londres, Peter Wilmott (1996) comprovou que, nas ruas onde a população é homogênea, existem mais relações sociais que nas ruas 3 5

8 heterogêneas. Os pobres preferem morar entre pobres, e não aceitam ser comparados com habitantes mais ricos, porque isso evidencia os sentimentos de pobreza daqueles. Quanto às pessoas mais ricas, elas dizem que não gostam do comportamento dos trabalhadores e que têm medo deles. Existem os mesmos fenômenos de agrupamento e de diferenciamento entre os grupos étnicos. Tal como outros pesquisadores, Philippe Genestier (1991, p.54) entende que, Na ordem social, a comunidade realizada é o gueto (no sentido de Louis Wirth), já que ele constitui uma formação social caracterizada pela intensidade da sua vida comunitária e pela sua organização interna. O gueto seria a forma residencial em que a comunidade fica completamente realizada. Com certeza, ao observarem-se os territórios onde estão os agrupamentos étnicos ou religiosos, percebem-se formas de sociabilidade que não se encontram em outros lugares. Mas essa observação requer duas críticas. De um lado, os guetos constituem-se nas condições particulares de povoamento e de relações entre o grupo e a sociedade global (uma população homogênea afastada da sociedade global, como os judeus de Chicago ou os agrupamentos étnicos nas cidades, mas não se pode imaginar que todos os grupos da população constituam guetos). As populações que se fecham atrás dos muros dos condomínios horizontais, por exemplo, não desenvolvem nenhuma forma de sociabilidade particularmente estreita. Por outro lado, não se pode imaginar uma sociedade urbana constituída só de uma justaposição de guetos. A segregação e a agregação voluntária não constituem a forma ideal de organização socioespacial. Porém fica difícil conhecer as conseqüências da mistura na construção das relações sociais, porque elas são ligadas a outros fatores, como a categoria e a trajetória social, as características dos grupos e do espaço urbano. No entanto, ela provoca práticas de afastamento e de fechamento na casa. Mas, por outro lado, não se pode afirmar que a mistura constitui um fator desfavorável à construção das relações sociais. Com certeza, ela alimenta a relação com a alteridade, exacerba a consciência de si e da diferença; mas podemos nos perguntar se a presença do Outro não é indispensável à afirmação de si mesmo e à existência da sociedade. 3 6 NOTAS * Agradeço a Márcio Moraes Valença, da UFRN, pelas leituras, correções e comentários deste artigo. 1 Neste artigo, decidimos não traduzir a palavra mixité, porque, no seu sentido francês, ela não tem nenhum equivalente em português. 2 Usamos essa palavra como sinônima de periferia no seu sentido brasileiro. Como escreveu Teresa Caldeira (1984, p.7), Além de indicar distância, ela significa o que é precário, carente, desprivilegiado em termos de serviços públicos e infra-estrutura. 3 Foi só na década 1980 que a descentralização em benefício das regiões foi estabelecida. 4 A França foi o único país da União Européia que se recusou a assinar a carta das línguas regionais, que dá a estas um estatuto oficial.

9 REFERÊNCIAS BAUDIN, Gerard. La mixité sociale, une utopie urbaine et urbanistique. Revue du CREHU, n.10, 13-23, BONVALET, J. Brun. (Eds.). Logement et habitat: L'état des savoirs. Paris: La Découverte, BOURDIEU, Pierre. La distinction. Paris: Minuit, CALDEIRA, Teresa P. do Rio. A política dos outros: o cotidiano dos moradores da periferia e o que pensam do poder e dos poderosos. São Paulo: Editora Brasiliense, CHAMBOREDON, Jean Claude; LEMAIRE, Madeleine. Proximité spatiale et distance sociale. Revue Française de Sociologie, v.11, n.1, 3-33, jan./mar., CHOMBART DE LAWE, Pierre Henri. (Ed.). Famille et habitation. Paris: CNRS, DONZELOT, Jacques. La ville à trois vitesses. Gentrification, périurbanisation, relegation. Esprit, 14-40, fev., GENESTIER, Philippe. Pour une intégration communautaire. Esprit: La France des banlieues, 48-59, fev., GRAFMEYER, Yves. La ségrégation spatiale. ( ). In: PAUGAM, Serge. L'exclusion, l'état des savoirs. Paris: La Découverte, GRAFMEYER, Yves; JOSEPH, Isaac. L'Ecole de Chicago. Naissance de l'écologie urbaine. Paris: Aubier, JAILLET-ROMAN, Marie Christine. La mixité sociale : une chimère? Informations sociales, n.123, , mai., LELÉVRIER, Christine. Mixité et politique de la ville. Cahiers de L'IAURIF, Paris, n.20, 23-26, MERTON, Robert King. Eléments de théorie et de méthode sociologique. Paris: Plon, MAURIN, E. Le ghetto français. Enquête sur le séparatisme social. Paris: Editions du Seuil, PARK, Robert Ezra. The city: suggestions for the study of human nature in the urban environment (com R. D. McKenzie e Ernest Burgess). Chicago: University of Chicago Press, PINCON, Michel; PINCON-CHARLOT, Monique. Dans les beaux quartiers. Paris: Seuil, RAULIN, Anne. Anthropologie urbaine. Paris: Cursus, WILMOTT, Peter. Ségrégation et entre soi en Grande-Bretagne. In: HAUMONT, Nicole. (Ed.). La ville: agrégation et ségrégation sociales. Paris: L 'Harmattan,

10 3 8

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville CAPÍTULO I Globalização e solidariedade Jean Louis Laville Cadernos Flem V - Economia Solidária 14 Devemos lembrar, para entender a economia solidária, que no final do século XIX, houve uma polêmica sobre

Leia mais

TAG 4/2010 STC-6. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº 20

TAG 4/2010 STC-6. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº 20 TAG 4/2010 STC-6 Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº 20 1 Índice Introdução A Migração As Diversas Formas de migração humana As Causas ou motivos de migração humana Os grandes fluxos de migratórios

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Unesp 2014/2 Geografia 2ª Fase

Unesp 2014/2 Geografia 2ª Fase QUESTÃO 5 (Placas Tectônicas e Terremotos) A partir das informações apresentadas e de conhecimentos geográficos, indique as áreas e as razões que levam algumas zonas do planeta a estarem sujeitas a maior

Leia mais

Opinião N13 O DEBATE SOBRE AÇÕES AFIRMATIVAS NO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E NA ÁFRICA DO SUL 1

Opinião N13 O DEBATE SOBRE AÇÕES AFIRMATIVAS NO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E NA ÁFRICA DO SUL 1 Opinião N13 O DEBATE SOBRE AÇÕES AFIRMATIVAS NO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E NA ÁFRICA DO SUL 1 GRAZIELLA MORAES SILVA 2 O debate sobre ações afirmativas no Brasil é geralmente tratado como uma questão

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Universidade Federal da Bahia Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Reunião de 18 de junho de 2010 Resumo

Leia mais

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS CRÍTICAS À TEORIA DO CAPITAL HUMANO: UMA CONTRIBUIÇÃO À ANÁLISE DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM EDUCAÇÃO Camila Fernandes da Costa UFRN - fernandes.camila23@yahoo.com.br Emerson Nunes de Almeida UFRN - nunespedagogo@yahoo.com.br

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Lógica Urbana e bairros com vocação múltipla

Urban View. Urban Reports. Lógica Urbana e bairros com vocação múltipla Urban View Urban Reports Lógica Urbana e bairros com vocação múltipla Lógica Urbana e bairros com vocação múltipla Como funciona seu plano particular de logística para ir de casa para o trabalho, levar

Leia mais

A Metrópole e a Questão Social

A Metrópole e a Questão Social A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades Bem-Estar Social Renda Urbana Oportunidades A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO A educação é um dos pilares da sociedade e no nosso emprego não é diferente. Um povo culto está mais preparado para criar, planejar e executar os projetos para

Leia mais

PLANO DE ESTRUTURA URBANA DO MUNICÍPIO DE MAPUTO

PLANO DE ESTRUTURA URBANA DO MUNICÍPIO DE MAPUTO PLANO DE ESTRUTURA URBANA DO MUNICÍPIO DE MAPUTO Seminário sobre Pobreza Urbana Maputo, 16 de Abril de 2009 RAZOES E FILOSOFIA DO PEUMM O PEUM é o primeiro plano de ordenamento urbano elaborado pelo próprio

Leia mais

Ei-los que partem. Virão um dia ricos ou não contando histórias de lá de longe onde o suor se fez em pão virão um dia ou não

Ei-los que partem. Virão um dia ricos ou não contando histórias de lá de longe onde o suor se fez em pão virão um dia ou não Ei-los que partem Ei-los que partem novos e velhos buscando a sorte noutras paragens noutras aragens entre outros povos ei-los que partem velhos e novos Ei-los que partem de olhos molhados coração triste

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

A situação dos idosos de origem Portuguesa na região de Montreal: uma causa esquecida?

A situação dos idosos de origem Portuguesa na região de Montreal: uma causa esquecida? Direitos humanos e qualidade de vida das comunidades portuguesas da diáspora nos Estados Unidos e no Canadá A situação dos idosos de origem Portuguesa na região de Montreal: uma causa esquecida? 9 e 10

Leia mais

DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE

DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE MELHORES CONDIÇÕES DE VIDA DEPUTADO MARCELO SERAFIM

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Novas centralidades: minibairros são tendência no segmento econômico

Urban View. Urban Reports. Novas centralidades: minibairros são tendência no segmento econômico Urban View Urban Reports Novas centralidades: minibairros são tendência no segmento econômico Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Novas centralidades:

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE PROCESSO DE INGRESSO NA UPE SOCIOLOGIA 2º dia 1 SOCIOLOGIA VESTIBULAR 11. A Sociologia surgiu das reflexões que alguns pensadores fizeram acerca das transformações ocorridas na sociedade do seu tempo.

Leia mais

DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª TURMA:

DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª TURMA: DISCIPLINA: SOCIOLOGIA PROFESSORA: Ana Carolina Maciel NOME COMPLETO: I N S T R U Ç Õ E S DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª TURMA: 1. Este trabalho

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Teorias de Media e Comunicação

Teorias de Media e Comunicação Teorias de Media e Comunicação (4) Teóricos Contemporâneos Rita Espanha Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação 1º Semestre 2012/2013 terça-feira, 20 de Novembro de 2012 Página 2 Jürgen

Leia mais

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA An Innovations in Technology and Governance Case Study Desde o final dos anos 1980, diversos governos

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Rita de Cássia da Conceição Gomes Natal, 11/09/2011 As Desigualdades socioespacias em nossa agenda de pesquisa: Dialética apresentada Pesquisa

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Apresentação dos convidados e do moderador. Como vai a vida. O que está acontecendo de bom e de ruim.

Apresentação dos convidados e do moderador. Como vai a vida. O que está acontecendo de bom e de ruim. PESQUISA SEGUROS ROTEIRO 1. Abertura da reunião Apresentação dos convidados e do moderador 2. Aquecimento Como vai a vida. O que está acontecendo de bom e de ruim. Está dando para viver? 3. Valores (espontâneo)

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

Voluntário em Pesquisa: informe-se para decidir! Qual documento garante que os meus direitos serão respeitados?

Voluntário em Pesquisa: informe-se para decidir! Qual documento garante que os meus direitos serão respeitados? Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde Voluntário em Pesquisa: O que é uma pesquisa, afinal de contas? Eu, um sujeito de pesquisa? Qual documento garante que os meus direitos serão respeitados?

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

O Indivíduo em Sociedade

O Indivíduo em Sociedade O Indivíduo em Sociedade A Sociologia não trata o indivíduo como um dado da natureza isolado, livre e absoluto, mas como produto social. A individualidade é construída historicamente. Os indivíduos são

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente A CARTA DE BELGRADO Colecção Educação Ambiental Textos Básicos Editor Instituto Nacional do Ambiente INTRODUÇÃO Texto adoptado, por unanimidade, no Colóquio sobre Educação Ambiental", organizado pela UNESCO

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA CONVIVÊNCIA MULTICULTURAL DA CIDADE DE TOYOHASHI ASPECTOS GERAIS

PLANO DE PROMOÇÃO DA CONVIVÊNCIA MULTICULTURAL DA CIDADE DE TOYOHASHI ASPECTOS GERAIS PLANO DE PROMOÇÃO DA CONVIVÊNCIA MULTICULTURAL DA CIDADE DE TOYOHASHI ASPECTOS GERAIS PREFEITURA DE TOYOHASHI Obs.: Os termos residentes estrangeiros e moradores estrangeiros utilizados nesse Plano de

Leia mais

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Aula Expositiva pelo IP.TV Dinâmica Local Interativa Interatividade via IP.TV e Chat público e privado Email e rede

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

Ambiente destruído...

Ambiente destruído... Voluntariado Ambiente destruído... A qualidade do ar e o aquecimento global ameaçam a vida no planeta Ritmo acelerado Violência nas ruas... Pobreza... MILHÕES DE CRIANÇAS ESTÃO FORA DA ESCOLA Um bilhão

Leia mais

PRATICANDO EXERCÍCIOS - 2013. Colégio Santa Clara Prof. Marcos

PRATICANDO EXERCÍCIOS - 2013. Colégio Santa Clara Prof. Marcos PRATICANDO EXERCÍCIOS - 2013 Colégio Santa Clara Prof. Marcos Densidade e crescimento demográfico brasileiro (FUVEST 2011) E este mapa, por que que ele difere dos demais? a) Correlacione as informações

Leia mais

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA PREFEITURA MUNICIPAL DE BETIM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMED DIVISÃO PEDAGÓGICA 2010 MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA 06 ANOS 07 ANOS 08 ANOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome Nº Ano Data: Professor: Piero/ Thales Nota: (valor 2,0) 2º semestre a) Introdução Neste semestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou os conteúdos

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições Maria Cecília de Souza Minayo 1ª. característica: elevadas e crescentes taxas de homicídios nos últimos 25 anos Persistência das causas externas

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ.

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. Apresentação Este relatório contém os resultados da 1ª pesquisa de Qualidade de Vida na cidade de Aracruz solicitada pela FACE. O objetivo

Leia mais

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL SOTARELLI, Álvaro F. GRANDI, Ana Lúcia de. Universidade Estadual do Norte do Paraná Resumo: O presente estudo trabalha

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES 1. A Juventude Socialista Açores é a organização política dos jovens açorianos ou residentes na Região Autónoma dos Açores que nela militam, que

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL

CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL PREÂMBULO A igualdade das mulheres e dos homens é um direito fundamental para todos e todas, constituindo um valor capital para a democracia.

Leia mais

GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO

GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO O que é População? População é um conjunto de pessoas que ocupam um determinado espaço em um período de tempo específico. Ela pode ser classificada segundo vários aspectos, como:

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE.

AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE. AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE. Saulo de Paula Pinto e Souza Evânio dos Santos Branquinho 1068 saulodepaula@gmail.com Geografia

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

Ambientes Não Formais de Aprendizagem

Ambientes Não Formais de Aprendizagem Ambientes Não Formais de Aprendizagem Os Ambientes formais de aprendizagem desenvolvem-se em espaços próprios (escolas) com conteúdos e avaliação previamente determinados; Os Ambientes não formais de aprendizagem

Leia mais

Loteamentos Fechados & Segurança

Loteamentos Fechados & Segurança Mesa redonda 7: Espaço, território e conflitos urbanos Loteamentos Fechados & Segurança Thyana Farias Galvão de Barros Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Expressão Gráfica Universidade

Leia mais

Tema-Problema: A CONSTRUÇÃO DO SOCIAL

Tema-Problema: A CONSTRUÇÃO DO SOCIAL Ano Lectivo 2010/2011 ÁREA DE INTEGRAÇÃO Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 10º Ano Apresentação nº 2 Tema-Problema: A CONSTRUÇÃO DO SOCIAL Pedro Bandeira Simões

Leia mais

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 TEMAS SOCIAIS Diferentes histórias, diferentes cidades A evolução social brasileira entre 1996 e 1999 não comporta apenas uma mas muitas histórias. O enredo de

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

AULA 9. Ação pelo Ambiente

AULA 9. Ação pelo Ambiente AULA 9 Ação pelo Ambiente Roberto e o seu grupo do meio ambiente estão se preparando para a Grande Reunião que irá tratar dos problemas ambientais do planeta. Ele pede ajuda à Sofia para bolar um plano

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO

REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO DIVISÃO DO CONTINENTE AMERICANO Os países que pertencem a América do Norte são: EUA, Canadá e México. Os países que pertencem a América Anglo Saxônica são: EUA

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 Cidadania Europeia Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 O que é a cidadania? Vínculo jurídico entre o indivíduo e o respectivo Estado, traduz-se num conjunto de direitos e deveres O relacionamento

Leia mais

Princípios, valores e iniciativas de mobilização comunitária. Território do Bem - Vitória/ES

Princípios, valores e iniciativas de mobilização comunitária. Território do Bem - Vitória/ES Princípios, valores e iniciativas de mobilização comunitária. Território do Bem - Vitória/ES O Ateliê de Idéias é uma organização social, sem fins lucrativos, fundada em 2003, que tem como missão desenvolver

Leia mais

Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS)

Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS) Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS) A capacidade de gerar tecnologia e inovação é um dos fatores que distinguem os países ricos dos países pobres. Em sua maioria, essas novas tecnologias

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto 38 a. ASSEMBLEIA & 1º FORUM ANUAL 21 de Maio de 2010 NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais