Alfabetização e letramento: um estudo sobre as concepções que permeiam as práticas pedagógicas dos professores alfabetizadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alfabetização e letramento: um estudo sobre as concepções que permeiam as práticas pedagógicas dos professores alfabetizadores"

Transcrição

1 Alfabetização e letramento: um estudo sobre as concepções que permeiam as práticas pedagógicas dos professores alfabetizadores Resumo Este artigo é o resultado da investigação realizada junto a um grupo de em processo de formação continuada. O objeto de estudo foi a concepção de alfabetização presente nas práticas alfabetizadoras dos professores que trabalham nas classes de alfabetização. Buscou se examinar a concepção de alfabetização e letramento que sustentam as práticas dos professores alfabetizadores e o que de fato está sendo concebido quando se ensina a leitura e a escrita na alfabetização. Metodologicamente, foi adotado uma abordagem de pesquisa qualitativa, enfatizando a condição do pesquisador como sujeito e destacando a importância do seu diálogo com o campo empírico no processo de produção do conhecimento. Uma das características que se destaca na pesquisa qualitativa é a interação entre pesquisadores e o grupo/membros das situações investigadas, o que possibilita uma comunicação efetiva entre os mesmos. Do ponto de vista teórico, foram utilizados os estudos desenvolvidos por Freire (1995, 1996, 1999, 2002); Vygotsky ( ); Luria (1983, 1988); Kleiman (1995), Soares (1998) e Tfouni (1995). UFFS Palavras chave: alfabetização; letramento; prática alfabetizadora; processos pedagógicos. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.1

2 1 Introdução Neste artigo, apresentamos e problematizamos os resultados de uma pesquisa desenvolvida no projeto Alfabetização e letramento: um estudo sobre as concepções que permeiam as práticas pedagógicas dos. Existem várias teorias que procuram compreender e explicar os caminhos da alfabetização e que no processo de ensinar a leitura e a escrita num contexto efetivo e sistemático de ensino diferentes concepções estão presentes nas práticas pedagógicas sem que eles necessariamente as percebam. Assim, o trabalho de alfabetização pode ser realizado com o desconhecimento daquilo que o fundamenta. É fundamental destacar que o modo como é concebido o processo de alfabetização pode fazer a diferença de todo o encaminhamento metodológico em sala de aula, pois a alfabetização, entendida como simples aquisição do código gráfico (letras, sílabas, palavras), fica dissociada da situação real vivida pelo aluno, bem como de seu significado ao contrário, para que se ampliem as possibilidades de leitura e escrita basta ultrapassar esse entendimento restrito e limitado. Aprender a língua escrita por repetição, cópia, reprodução de letras, palavras e frases isoladas, leitura em coro, não garantem que a criança aprenda a linguagem escrita, mas somente a escrita das letras. Neste sentido, a pesquisa procurou investigar as práticas pedagógicas alfabetizadoras, não como forma de ver de fora a realidade, mas de inserir se nela e percebê la em suas múltiplas relações, facetas e significados. E para compreender melhor o cotidiano das classes de alfabetização, foi necessário investigar qual é a concepção de alfabetização e letramento que sustentam as práticas dos e o que de fato está sendo concebido quando se ensina a leitura e a escrita na alfabetização? O processo de alfabetização tem, ao longo de sua história, apresentado características dicotômicas, pois, se de um lado ele se constitui na possibilidade de apropriação de todo um universo antes inatingível, por outro, ele pode vir a ser um espaço de fracassos e frustrações onde o aluno é colocado frente a um saber com o qual ele não consegue se relacionar e estabelecer sentido. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.2

3 O trabalho de alfabetização ao mesmo tempo em que se constrói como um fator de angústia entre os professores organiza se como elemento gerador de busca constante de metodologias capazes de dar conta das questões que se apresentam no cotidiano da sala de aula. As dificuldades inerentes ao processo de alfabetização de crianças, o qual acontece de forma mecânica, com palavras soltas, sem sentido e significado e ancorado numa linguagem artificial diferente da linguagem social que a criança usa no seu cotidiano, cria no professor a necessidade de buscar outras concepções, outros fundamentos e outras metodologias capazes de compreender de maneira diferente o processo de aprendizagem trabalhado no interior das escolas. A busca de novos rumos para a alfabetização nem sempre tem dado resultados positivos, pois, muitas vezes, as metodologias têm se mostrado ineficazes na resolução dos problemas e acabam virando meros paliativos para as dificuldades que sobrevivem e se cristalizam no interior da escola. Deste modo, o processo de alfabetização das crianças passa pelos mais variados enfoques, sendo necessário não perder de vista o como a criança se apropria da escrita. Nesse contexto encontram se as práticas alfabetizadoras que foram ao mesmo tempo produto e produtoras de tais paradigmas, desde uma compreensão de linguagem enquanto dom, hereditária, imutável, individual a de como prática social, coletiva, histórica, construída, etc. O processo de alfabetização não se restringe ao aprendizado da leitura e da escrita mecânica quando se adquire uma tecnologia de codificar e decodificar a escrita, mais ainda, que esta conquista superficial não é suficiente na sociedade de hoje. O desafio, portanto, se coloca aos, que necessitam desenvolver práticas de leitura e escrita na sala de aula na perspectiva do letramento. Soares (1998) em suas pesquisas sobre linguagem e alfabetização tem analisado que a partir das transformações das sociais em torno do uso da escrita e de suas funções na sociedade, surgiu o conceito de letramento. Ou seja, não basta mais os sujeitos aprenderem a codificar e decodificar e escrita, mas, é necessário fazer uso adequado da X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.3

4 leitura e da escrita na sociedade, sabendo utilizar o material escrito, interpretando e posicionando se criticamente diante dela. As atividades de pesquisa desenvolvidas foram articuladas com o projeto de extensão alfabetização e linguagem: possibilidades de intervenção em sala de aula. Para efeito desse estudo estabelecemos como objetivo, investigar qual a concepção de alfabetização e letramento que sustentam as práticas dos professores alfabetizadores e o que de fato está sendo concebido quando se ensina a leitura e a escrita na alfabetização? Nunca estudamos um objeto neutro, mas sempre um objeto implicado, caracterizado pela teoria e pelo dispositivo que permite vê lo, observá lo e conhecê lo. É valido destacar que a concepção de pesquisa não é neutra, portanto, torna se imprescindível analisá la numa perspectiva que se distancie da concepção meramente técnica, afastando qualquer possibilidade de sua neutralidade. A pesquisa foi realizada numa abordagem qualitativa, enfatizando a condição do pesquisador como sujeito e destacando a importância do seu diálogo com o campo empírico, no processo de produção do conhecimento. Nesta direção, buscam se os princípios da pesquisa qualitativa nos aportes de Ludke e André (1986, p 23), que destaca: A pesquisa qualitativa envolve a obtenção de dados descritivos, obtidos no contato direto do pesquisador com a situação estudada, enfatiza mais o processo do que o produto e se preocupa em retratar a perspectiva dos participantes. Investiga os sujeitos a partir de sua cultura, de sua história, de suas condições de trabalho, seus saberes e fazeres, sua subjetividade. Assim, a pesquisa qualitativa supõe o contato direto e prolongado do pesquisador com o local/ambiente e a situação que está sendo investigada,os problemas devem ser estudados no ambiente em que eles ocorrem, sem qualquer manipulação intencional do pesquisador pesquisadores e pesquisados são sujeitos de um trabalho comum, mesmo que cada um esteja em lugares e situações diferentes. A investigação aconteceu com os docentes alfabetizadores que participaram do curso de extensão Alfabetização e X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.4

5 Linguagem: Possibilidades de intervenção em sala de aula. Para a divulgação dos resultados fizemos o uso do termo de consentimento livre e esclarecido e também mantivemos o sigilo e anonimato dos sujeitos envolvidos. Os sujeitos foram nominados como P 1, 2,..., sucessivamente. No projeto inicial foi definido como instrumento de pesquisa uma entrevista, mas no decorrer do processo não foi possível a realização das entrevistas e foi utilizado como instrumento de pesquisa os documentos desenvolvidos durante o curso e também os diários de campo. Assim a metodologia seguiu a abordagem qualitativa de pesquisa em educação caracterizada como descritiva e documental, conforme Lüdke e André (1986), com a produção dos resultados obtida através da análise dos Diários de campo e dos trabalhos produzidos pelos professores durante o curso. A partir da análise dos diários de campo e dos trabalhos desenvolvidos foi possível identificar algumas das concepções que permeiam as práticas pedagógicas dos. Nesse texto vamos discutir as temáticas que apresentaram maior destaque na análise e que possibilitaram perceber como os professores concebem o processo de alfabetização. Após a análise, os dados foram organizados em três categorias que melhor traduziam os resultados obtidos: Alfabetização compreendida como à aquisição do código escrito (codificação e decodificação) e a aquisição de uma habilidade técnica; Alfabetização e letramento e Alfabetização como desafio, que passo a discutir na sequência. 2 Os diálogos possíveis 2.1 Alfabetização compreendida como à aquisição do código escrito (codificação e decodificação) e a aquisição de uma habilidade técnica. Durante muito tempo se pensava que ser alfabetizado era conhecer o código linguístico, ou seja, conhecer a grafia das palavras. Atualmente, sabe se que embora seja X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.5

6 necessário, o conhecimento das letras não é suficiente para ser competente no uso da língua escrita. A língua não é um mero código para comunicação, ela é um fenômeno social, estruturado de forma dinâmica e coletiva, portanto, a escrita também deve ser concebida do ponto de vista cultural e social. Para compreender o papel da escrita como prática social, diferenciada da aquisição da tecnologia de aprender a ler e a escrever, considera se o domínio do código como alfabetização e as práticas de escrita como letramento (LEITE, 2001, p.53). A concepção de alfabetização compreendida como à aquisição do código escrito (codificação e decodificação) e a aquisição de uma habilidade técnica permanece presente nos discursos dos.isso fica expresso nas falas: É quando você reconhece os símbolos e consegue interpretá los. (P 1) Processo de codificação e decodificação.(p2) Alfabetização é ensinar a ler e a escrever (P13). Compreender a língua como um conjunto de formas prontas que devem ser memorizadas, compreendidas como um sistema abstrato e homogêneo e ainda desvinculado do uso, estabelece uma importância ao domínio do sistema gráfico, desconsiderando o trabalho da linguagem no seu sentido mais amplo. Considerar a alfabetização dessa forma impõe exclusivamente um treinamento perceptual e motor no período preparatório e ainda a repetição de palavras e padrões silábicos durante todo o processo de alfabetização, enfatizando a cópia repetitiva de palavras e sílabas descontextualizadas para a simples memorização mecânica da correspondência entre grafema e fonema. Esse movimento de ensinar a mecânica da leitura e da escrita não é alfabetizar. O domínio do gráfico é apenas parte de um processo mais amplo. Aprender a língua não é apenas aprender estruturas, mas é, sobretudo, aprender formas de pensar o mundo e agir sobre ele. É preciso entender que a alfabetização não se restringe ao aprendizado da leitura e da escrita mecânica quando se adquire uma tecnologia de codificar e decodificar a escrita, mais ainda, que esta conquista superficial não é suficiente na sociedade de hoje. Práticas de alfabetização centradas na memorização, repetição e cópia de conteúdos X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.6

7 alfabetizadores de cartilhas com a lógica do simples para o complexo, das famílias silábicas entre outros que não levam em conta a linguagem social utilizada pela criança, mas consideram uma linguagem artificial que só encontramos nas cartilhas como O boi baba, A vaca voa, Vivi viu a uva O dado é de Dada no processo de alfabetização, causa muitas vezes o desinteresse e o fracasso escolar. 2.2 Alfabetização e Letramento Outra concepção que permeia as práticas alfabetizadoras dos professores sustenta que o processo de alfabetização deve compreender que relação de ensino tem que se organizar de forma que o aluno possa entender a leitura e a escrita como atividades sociais significativas que envolvem o uso da língua em situações reais, através de textos significativos e contextualizados.podemos corroborar nossas afirmações os registros das professoras na compreensão da alfabetização no cotidiano do contexto escolar: Alfabetizar é bem mais do que ler palavras frases, realizar cálculos simples, é preciso compreender, gostar, criar, opinar (P17). Alfabetizar é ensinar ler, escrever, mas acima e tudo entender o que é lido e escrito, ter uma opinião crítica, são as práticas sociais de leitura e escrita (P19) Alfabetização é quando criança, escreve e entende o que leu, constrói sua aprendizagem (P10). A alfabetização é um processo de aquisição e apropriação da leitura e escrita onde, cada criança tem o seu tempo para iniciar e o professor deve ser um mediador nesse processo (P19). Alfabetizar é iniciar com processos de leitura e escrita dos alunos a partir do conhecimento que o aluno traz de casa (P12). Para melhor compreender os conceitos de alfabetização e letramento, estes serão registrados a seguir segundo a ótica de Kleiman (1995), Soares (1998) e Tfouni (1995). Kleiman (1995, p.19) define letramento como o conjunto de práticas sociais que usam a escrita, enquanto sistema simbólico e enquanto tecnologia, em contextos específicos, para objetivos específicos. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.7

8 Soares (1998, p.39) define letramento como: o estado ou a condição que adquire um grupo social ou um indivíduo como consequência de ter se apropriado da escrita e de suas práticas, e ainda, enfatiza que a leitura e a escrita são uma condição necessária, muito embora não sendo a única para o pleno exercício da cidadania. De outro modo, Tfouni (1995, p.16), concebe o termo letramento em confronto com o conceito de alfabetização. Enquanto a alfabetização ocupa se da aquisição da escrita por um indivíduo ou grupo de indivíduos, o letramento focaliza os aspectos sócio históricos da aquisição de um sistema escrito por uma sociedade. O conceito de letramento apresentado por Kleiman enfatiza a noção de práticas sócias de leitura e escrita e os eventos em que elas são colocadas em ação. Já Soares, destaca a dimensão de letramento como produto dessas mesmas práticas, apontando as condições e as possibilidades que um grupo ou indivíduo adquirem através dos usos sociais da leitura e da escrita. Não centra o enfoque nas práticas, mas sim, nos sujeitos que fazem uso delas, ou seja, aquele que é usuário da tecnologia que as envolve. Para Soares (1998), o que muda no indivíduo que apresenta um bom nível de letramento é o seu lugar social, isto é sua forma de inserção cultural, à medida que passa a usufruir outra condição social e cultural. Assim, as práticas sociais que envolvem leitura e escrita podem promover algumas alterações tornando então mais adequadas às relações que o indivíduo mantém com os outros, com os diversos contextos sociais, com os bens culturais e porque não dizer, consigo mesmo. O alfabetismo não se limita pura e simplesmente à posse individual de habilidades e conhecimentos; implica também e talvez principalmente, um conjunto de práticas sociais associadas com a leitura e a escrita, efetivamente exercida por pessoas em um contexto social específico (SOARES, 1998, p.10). Tfouni (1995) enfatiza o aspecto individual da alfabetização e registra, com ênfase, o aspecto social do letramento. Aponta que a alfabetização, enquanto processo individual, não se completa nunca, visto que a sociedade está em contínuo processo de mudança, e a atualização individual para acompanhar essas mudanças é constante (TFOUNI, 1995, p.15). X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.8

9 Desse modo, a prática de alfabetização, buscando o letramento, deve considerar não somente o processo individual, mas também o social, pois este não se refere somente ao estado ou à condição do sujeito, mas a maneira como a leitura e a escrita são praticadas nos diferentes contextos. Também para a autora, letrado é quem se apropria da escrita, que adquire condições ou estado de apropriar se da leitura e escrita, incorporando as práticas sociais, já que alfabetizado é aquele que apenas lê e escreve. É um equívoco afirmar que todos os conceitos de letramento são iguais, contudo o processo social do letramento é um ponto que ambas as autoras apontam. Observando ainda, os conceitos de letramento, pode se dizer que o analfabetismo pode ser designado aos que não sabem ler e escrever como também àqueles que leem e escrevem, mas não sabem fazer uso da leitura e escrita, não respondem às exigências que a sociedade faz continuamente. Para que o professor alfabetizador possa intervir e planejar estratégias que permitam avanços, reestruturação e ampliação do conhecimento, já estabelecido pelo grupo, é necessário que conheça o nível efetivo das crianças, ou seja, as suas descobertas, hipóteses, informações, crenças, opiniões, enfim, suas teorias acerca do mundo em que vivem. Este deve ser o ponto de partida para uma relação de diálogo com as crianças, através da qual elas expressarão aquilo que já sabem. Alfabetizar visando o letramento não significa considerar somente as dimensões técnicas de leitura e escrita, mas também a apropriação das representações e das demandas que se constituem em torno dessa leitura. 2.3 Alfabetização como desafio O trabalho do professor alfabetizador requer conhecimento sobre os processos de como a criança aprende a ler e a escrever o por isso essa é uma temática discutida, problematizada e pesquisada pelos educadores, mas ainda tem questões especificas que acontecem no contexto da sala de aula que não tem respostas se tornando assim um grande desafio para os professores. Esse foi um apontamento recorrente X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.9

10 Nos dias de hoje é um desafio alfabetizar, onde a mídia traz inúmeras novidades e a escola não é tão atraente, Também há muita desestrutura familiar e desrespeito com o educador (P11). Para alfabetizar nos dias de hoje se torna um desafio, fazer com que a criança aprenda é gratificante.alfabetizar é poder envolver o aluno num todo (P16). Tem momentos que acontecem coisas na minha sala de aula que eu não sei como resolver, converso com os colegas, procuro ler, mas não encontro solução (P9). Diante dos desafios colocados é necessário compreender que a função social da escola é trabalhar o conhecimento que foi historicamente produzido, e para aprender a ler e escrever a criança precisa conhecer sobre funcionamento do sistema de escrita, e da leitura, e para sua aquisição é preciso pensar sobre ela e compreendê la, eis um grande desafio para o professor no processo de alfabetização. Nesse sentido é importante ressaltar a importância do professor organizar o trabalho com as crianças numa perspectiva de trabalhar a linguagem social, real que tenha sentido e significado. Oliveira, acerca desta questão, reconhece que: É de fundamental importância que, desde o início, a alfabetização se dê num contexto de interação pela escrita. Por razões idênticas, deveria ser banido da prática alfabetizadora todo e qualquer discurso (texto, frase, palavra, exercício ) que não esteja relacionado com a vida real ou o imaginário das crianças, ou em outras palavras, que não esteja por elas carregado de sentido (OLIVEIRA, 1998, pp ). Ensinar e aprender a ler e escrever com métodos tradicionais utilizando cartilhas é possível, entretanto percebe se que tal encaminhamento leva à mera codificação e decodificação reduzindo o processo de alfabetização a um processo mecânico e descontextualizado. Porém a necessidade de aprender a ler e a escrever não é igual para todas as crianças que chegam a escola, pois a heterogeneidade é uma categoria que precisa ser considerada, as diferenças estão presentes no contexto da sala de aula. Rego destaca que: A heterogeneidade, característica presente em qualquer grupo humano, passa a ser vista como um fator imprescindível para as interações na sala de aula. Os diferentes ritmos, comportamentos, experiências, trajetórias X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.10

11 pessoais, contextos familiares, valores e níveis de conhecimento de cada criança (e do professor) imprimem ao cotidiano escolar a possibilidade de troca, de repertórios, de visão de mundo, confrontos, ajuda mútua e consequente ampliação das capacidades individuais (REGO, 1995,p 88). No processo de aquisição da linguagem oral e escrita a criança não é um sujeito vazio ela traz conhecimentos socialmente construídos, marcas de leitura e de escrita vivenciadas anteriormente, para o ambiente escolar que devem ser ampliadas e não rejeitadas. A criança, quando chega à escola, é um sujeito que já sabe determinadas coisas, pois faz parte de um grupo sociocultural que fornece situações de cultura, como valores, ideias, conceitos e formas de agir. Pois como afirma Luria, se apenas pararmos para pensar na surpreendente rapidez com que uma criança aprende esta técnica extremamente complexa, que tem milhares de anos de cultura por traz de si, ficará evidente que isto só pode acontecer porque durante os primeiros anos de seu desenvolvimento, antes de atingir a idade escolar, a criança já aprendeu e assimilou um certo número de técnicas que prepara o caminho para a escrita, técnicas que a capacitam e que tornam incomensuravelmente mais fácil de aprender o conceito e a técnica da escrita (LURIA, 1988, p.143). O processo de apropriação da escrita não acontece da mesma forma, tampouco ao mesmo tempo para toda criança, pois algumas delas tem acesso à televisão, internet, jornais revistas, livros, tem acesso à leitura e a escrita muito antes de chegar na escola, mas é necessário registrar também que ainda tem crianças que o primeiro contato com a leitura e a escrita acontece somente na escola. Vygotsky enfatiza que o ensino deve ser organizado de tal forma, que a leitura e a escrita se tornem necessárias às crianças. [.] a escrita deve ter significado para as crianças, de que uma necessidade intrínseca deve ser despertada nelas e a escrita deve ser incorporada a uma tarefa necessária e relevante para a vida. Só então poderemos estar certos de que ela se desenvolverá não como hábito de mão e dedos, mas como uma forma nova e complexa de linguagem [.] o que se deve fazer é ensinar às crianças a linguagem escrita, e não apenas a escrita de letras (VYGOTSKY, 1991, p ). O desafio, portanto, se coloca aos, que necessitam desenvolver práticas de leitura e escrita na sala de aula na perspectiva do letramento. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.11

12 3 Considerações finais As concepções que permeiam as práticas pedagógicas dos professores alfabetizadores apontam para diferentes formas de compreender como acontece o processo de aquisição da linguagem oral e escrita. Ainda é muito presente a compreensão da necessidade do aluno memorizar letras, sílabas e palavras soltas. Também aparece a compreensão do processo da aquisição da linguagem oral e escrita como prática social. É possível perceber que existe interesse em compreender a alfabetização comprometida com uma concepção de linguagem que leve em conta não apenas o aspecto material da língua, mas também todos os significados resultantes do uso da linguagem em situações reais de interação social. O processo de aquisição da linguagem oral e escrita, dessa forma, resultará das relações sociais oportunizadas pelo professor e seus alunos no ambiente escolar. Desse modo, contemplar a dimensão discursiva da linguagem no processo de alfabetização implica o uso e a realização efetiva da linguagem em situações diversas do cotidiano. Trabalhar a alfabetização na perspectiva do letramento constitui um desafio para o professor, pois requer mudanças significativas acerca das concepções que norteiam a prática pedagógica e por isso é necessário um processo de formação continuada discutindo questões teórico metodológicas em torno da alfabetização e do letramento na perspectiva de uma aprendizagem significativa, de modo que o professor explore, na sala de aula, diferentes usos e funções sociais da leitura e da escrita, a fim de formar leitores e escritores proficientes. Referências FREIRE, Paulo. Política e educação. 2ª ed. São Paulo: Cortez, (coleção questões de nossa época; v.23).. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 32ª ed. São Paulo: Cortez, Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo; Paz e Terra, X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.12

13 . Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 10ª ed. São Paulo: Paz e Terra, LEITE, Sérgio Antônio da Silva (Org.). Alfabetização e Letramento: contribuições para as práticas pedagógicas. S. Campinas: Komedi: arte escrita., LURIA, Alexander Romanovich. Pensamento e linguagem: as últimas conferências de Luria. Porto Alegre: Artes Médicas, LURIA, A. R. O desenvolvimento da escrita na criança. In: VYGOTSKY, L. S. et al. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone/EDUSP, LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Elisa D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, KLEIMAN, Ângela (org.). Os Significados de Letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas SP: Mercado de Letras, OLIVEIRA, Anne Marie M. : A formação de : lições da prática. In: GARCIA, Regina L. Alfabetização dos alunos das classes populares. São Paulo: Cortez, REGO, Teresa Cristina. Vygotsky: uma perspectiva histórico cultural da educação. Petrópolis: Vozes, SOARES, Magda Becker. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, TFOUNI, Leda Verdiani. Letramento e Alfabetização. São Paulo: Cortez. Questões da nossa época; v. 47, VYGOTSKY, L. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.13

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

ALFABETIZAR LETRANDO: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ALFABETIZADORA

ALFABETIZAR LETRANDO: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ALFABETIZADORA ALFABETIZAR LETRANDO: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ALFABETIZADORA Georgyanna Andréa Silva Morais ¹ RESUMO O presente artigo é parte integrante das discussões empreendidas na pesquisa do Mestrado em Educação

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NUMA ESCOLA DO CAMPO

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NUMA ESCOLA DO CAMPO eliane.enaile@hotmail.com Introdução Nos últimos anos, as reflexões realizadas sobre a alfabetização têm mostrado que a aquisição da escrita é um processo complexo e multifacetado. Nesse processo, considera

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura.

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

O APRENDER A LER E A ESCREVER: PRÁTICAS DE UM 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

O APRENDER A LER E A ESCREVER: PRÁTICAS DE UM 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL O APRENDER A LER E A ESCREVER: PRÁTICAS DE UM 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL PRISCILA PELLEGRINI DE ALMEIDA BUENO Núcleo de Estudos e Pesquisas: Práticas Educativas e Processos de Interação Mestranda Orientadora:

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino Pedagogia Profª Silvia Perrone Ensino de Língua Portuguesa Roteiro Teorias que orientam o ensino: empirista e construtivista. A visão de texto nas diferentes teorias. Ensinar a produzir textos na escola.

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus I julia.araujo13@gmail.com

BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus I julia.araujo13@gmail.com LIMITES E DIFICULDADES PARA ALFABETIZAR E LETRAR TURMA DA EJA: EXPERIÊNCIA DO PIBID SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I alziralima37@hotmail.com BARBOSA, Maria Julia de Araújo.

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Síntia Lúcia Faé Ebert Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS SMED/POA- Escola M. E. F. João Antônio Satte Cristiane Lumertz Klein Domingues

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E AS PRÁTICAS DE ENSINO NO ESPAÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Alfabetização. Letramento. Formação. Métodos de alfabetização.

ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E AS PRÁTICAS DE ENSINO NO ESPAÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Alfabetização. Letramento. Formação. Métodos de alfabetização. ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E AS PRÁTICAS DE ENSINO NO ESPAÇO ESCOLAR Ana Claudia Rodrigues - Graduanda de Pedagogia - UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia - UEPB Ana Paula Martins Costa

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES Mércia Rodrigues Gonçalves Pinheiro, UESB RESUMO O presente trabalho foi articulado através de pesquisa de campo, utilizando observação direta e entrevista

Leia mais

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem.

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DA LEITURA E ESCRITA NAS SERIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO: BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC 1. Dados do Município ou GERED a) Município: FLORIANÓPOLIS b)município/gered: SECRETARIA MUNICIPAL RELATÓRIO

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Slides produzidos a partir do caderno: Currículo no ciclo de

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO INTRODUÇÃO Solange dos Santos (UFS) A leitura tem sido por muito tempo um tema muito debatido

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

O posicionamento teórico do alfabetizador e...

O posicionamento teórico do alfabetizador e... Page 1 of 6 suas conseqüências Prof. Ms. Joana Maria Rodrigues Di Santo Após as pesquisas de Emilia Ferreiro e Ana Teberosk sobre a psicogênese da língua escrita, ficou claro que a capacidade de ler e

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba 1 Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba Sílvia Helena Santos Vasconcellos 1 Resumo O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Lilian Simone Leal Machado URZEDO 1, Rosely Ribeiro LIMA 2 (UFG/CAJ) lilianmachadoinove@hotmail.com

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA

OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA JOSE MABEL PEREIRA LOPES DAS NEVES (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS). Resumo A pesquisa tem como objetivo conhecer quais os saberes que as ingressantes

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO E O LETRAMENTO DE JOVENS E ADULTOS MEDIANTE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA CONSISTENTE

A ALFABETIZAÇÃO E O LETRAMENTO DE JOVENS E ADULTOS MEDIANTE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA CONSISTENTE A ALFABETIZAÇÃO E O LETRAMENTO DE JOVENS E ADULTOS MEDIANTE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA CONSISTENTE Damares Araújo Teles, Graduanda na UFPI Francisca Samaritana Saudita de Oliveira Véras, Graduanda na UFPI

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: REFLEXÃO SOBRE A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA Juliana Suelen Alves dos Santos* Maria da Conceição Pires**

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: REFLEXÃO SOBRE A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA Juliana Suelen Alves dos Santos* Maria da Conceição Pires** ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: REFLEXÃO SOBRE A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA Juliana Suelen Alves dos Santos* Maria da Conceição Pires** RESUMO Este artigo apresenta uma reflexão sobre a leitura e

Leia mais

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários.

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários. PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS Zeni Aguiar do Nascimento Alves i Zênio Hélio Alves ii O SESC LER Zona Norte de Natal desenvolve atividades que evidenciam a questão da

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

FILGUEIRAS, Karina Fideles - FaE-UFMG GT: Alfabetização, Leitura e Escrita/n. 10 Agência Financiadora: não contou com financiamento

FILGUEIRAS, Karina Fideles - FaE-UFMG GT: Alfabetização, Leitura e Escrita/n. 10 Agência Financiadora: não contou com financiamento (CON)FUSÕES ENTRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: AS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NUMA ESCOLA PÚBLICA E NUMA ESCOLA PARTICULAR. FILGUEIRAS, Karina Fideles - FaE-UFMG GT: Alfabetização,

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

As concepções de professoras alfabetizadoras acerca do conceito de letramento. PALAVRAS-CHAVE: Letramento. Alfabetização. Professoras. Concepções.

As concepções de professoras alfabetizadoras acerca do conceito de letramento. PALAVRAS-CHAVE: Letramento. Alfabetização. Professoras. Concepções. As concepções de professoras alfabetizadoras acerca do conceito de letramento RESUMO A recente incorporação do termo letramento no campo da educação brasileira associada com a ampliação do Ensino Fundamental

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR 1 ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR Maurina Passos Goulart Oliveira da Silva 1 mauripassos@uol.com.br Na formação profissional, muitas pessoas me inspiraram: pensadores,

Leia mais

O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS

O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS Ana Lúcia Silva Vargas 1 Ana Maria Lara Lopes 2 Resumo A aprendizagem de crianças de 7 a 10 anos nas séries

Leia mais

Resumo. Palavras- chave: alfabetização, Ciclos de Alfabetização, leitura, escrita.

Resumo. Palavras- chave: alfabetização, Ciclos de Alfabetização, leitura, escrita. V SEMINÁRIO SOBRE LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO As práticas de ensino da leitura e escrita dos professores que participaram do Ciclo de Alfabetização (1986-1988) da Secretaria de Educação da cidade do Recife:

Leia mais

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS TOLEDO, Daniela Maria de (Mestranda) RODRIGUES, Maria Alice de Campos (Orientadora); UNESP FCLAr Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar CAPES Texto

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA Camila Escarlety Costa 1, Jaciara Serafim De Souza 2, Lídia Thaislene Dos Santos 3, Nora Lucia Corrêa 4. 1 Universidade

Leia mais

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007)

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Graciela Hendges e Désirée Motta-Roth

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Francisca Roseneide Gurgel Campêlo Graduanda de Pedagogia CAMEAM/UERN Francisca Rozângela Gurgel

Leia mais

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE SÃO VICENTE AUTOR(ES): MARIA DE FATIMA

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: O QUE REGISTRAM OS ALUNOS E O QUE DIZEM AS PROFESSORAS DO 1ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: O QUE REGISTRAM OS ALUNOS E O QUE DIZEM AS PROFESSORAS DO 1ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: O QUE REGISTRAM OS ALUNOS E O QUE DIZEM AS PROFESSORAS DO 1ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL BENEVENUTTI, Zilma M. Sansão FURB zilmamsb@yahoo.com.br FISCHER, Julianne FURB july@icpg.com.br

Leia mais

Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais

Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais "LETRAR É MAIS QUE ALFABETIZAR" Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais Nos dias de hoje, em que as sociedades do mundo inteiro estão cada vez mais centradas na escrita,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO RESUMO Arlam Dielcio Pontes da Silva UFRPE/UAG Gerciane

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DE ALFABETIZAÇÃO NO COTIDIANO ESCOLAR.

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DE ALFABETIZAÇÃO NO COTIDIANO ESCOLAR. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DE ALFABETIZAÇÃO NO COTIDIANO ESCOLAR. Área Temática: Formação de educadores. Resumo Adriana de Almeida * Pedagogia DEPED. Universidade Estadual do Centro Oeste UNICENTRO. O tema proposto

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UMA ANÁLISE ACERCA DOS CONCEITOS.

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UMA ANÁLISE ACERCA DOS CONCEITOS. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UMA ANÁLISE ACERCA DOS CONCEITOS. Gersivalda Mendonça da Mota (Universidade Tiradentes) historiagerssyn@hotmail.com Carlos Vinícius de Farias (Universidade Tiradentes) Alfabetizar

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES PEDAGOGICAS NO PROCESSO DE ORALIDADE, ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

AS CONTRIBUIÇÕES PEDAGOGICAS NO PROCESSO DE ORALIDADE, ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO AS CONTRIBUIÇÕES PEDAGOGICAS NO PROCESSO DE ORALIDADE, ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO OLIVEIRA, Andrielly Silva CHICARELLE, Regina (Orientadora) Universidade Estadual de Maringá Formação de professores e Intervenção

Leia mais

O ENSINO DE LEITURA EM TURMAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA QUESTÃO PARA SE (RE) PENSAR

O ENSINO DE LEITURA EM TURMAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA QUESTÃO PARA SE (RE) PENSAR O ENSINO DE LEITURA EM TURMAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA QUESTÃO PARA SE (RE) PENSAR Geilza Maria Fontes da Silva 1 Suely Gomes Moreira 2 Maria Lúcia Ferreira de Figueiredo Barbosa 3 RESUMO Numa

Leia mais

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA Eliane Aparecida Galvão dos Santos 1 Dóris Pires Vargas Bolzan 2 Resumo Este trabalho é um recorte da pesquisa de Mestrado

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS

OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS ESPAÇOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL CHERUBINI, Iris Cristina Barbosa (UNIOESTE) Resumo: Este trabalho tem por propósito divulgar a importância da brincadeira

Leia mais

Letramento: considerações históricas e conceituais

Letramento: considerações históricas e conceituais Letramento: considerações históricas e conceituais Aluna: Gessélda Somavilla Farencena Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Desirée Motha-Roth Graciela R. Hendges

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Kelly Cristina Costa Martins 1 Simônica da Costa Ferreira 2 Introdução Nos dias atuais percebemos

Leia mais

UNIVERSIDADE E ESCOLA: parceria na formação de professores na perspectiva do letramento 1

UNIVERSIDADE E ESCOLA: parceria na formação de professores na perspectiva do letramento 1 UNIVERSIDADE E ESCOLA: parceria na formação de professores na perspectiva do letramento 1 Magna Maria Jesus Bueno, Aldelicia Batista dos Santos, Giselle Ribeiro da Silva 1, Cleonice Maria Cruz de Oliveira

Leia mais

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E DA LINGUAGEM ESCRITA PELA CRIANÇA Professor(a), ao abordarmos, no texto anterior, a linguagem escrita como uma das múltiplas linguagens da criança, procuramos enfatizar a

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

LÍNGUAS EM CONTATO E EM CONFLITO: A TRAJETÓRIA DO SURDO NA ESCOLA

LÍNGUAS EM CONTATO E EM CONFLITO: A TRAJETÓRIA DO SURDO NA ESCOLA LÍNGUAS EM CONTATO E EM CONFLITO: A TRAJETÓRIA DO SURDO NA ESCOLA Ivani Rodrigues Silva 1 CEPRE / FCM / UNICAMP (Brasil) 1. Introdução Em estudos anteriores (Silva-Mendes, 1993 e Silva, 1998) procuramos

Leia mais

O USO DOS GÊNEROS TEXTUAIS NA ALFABETIZAÇÃO: CRENÇAS QUE NORTEIAM A PRÁTICA DOCENTE

O USO DOS GÊNEROS TEXTUAIS NA ALFABETIZAÇÃO: CRENÇAS QUE NORTEIAM A PRÁTICA DOCENTE O USO DOS GÊNEROS TEXTUAIS NA ALFABETIZAÇÃO: CRENÇAS QUE NORTEIAM A PRÁTICA DOCENTE Lenir de Jesus Barcelos-Coelho 1 Ivonete Bueno 2 RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

A noção de sujeito no campo construtivista e a prática pedagógica

A noção de sujeito no campo construtivista e a prática pedagógica A noção de sujeito no campo construtivista e a prática pedagógica Isabelle de Paiva Sanchis Universidade Federal de Minas Gerais isabellesanchis@yahoo.com.br Este texto faz parte de uma pesquisa mais ampla

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

Palavras chaves: Oralidade. Ensino e aprendizagem. Língua materna

Palavras chaves: Oralidade. Ensino e aprendizagem. Língua materna A ORALIDADE NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE LÍNGUA PORTUGUESA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 Maria Betânia Dantas de Souza - UFRN Márcia Rejane Brilhante Campêlo - UFRN Departamento do Programa de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais