PROJECTO DE ALFABETIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJECTO DE ALFABETIZAÇÃO"

Transcrição

1 PROJECTO DE ALFABETIZAÇÃO MO26402 (26434) Cabo Delgado & Nampula, RELATÓRIO SEMESTRAL Pela UATAF Unidade de Assistência Técnica de Alfabetização Funcional Período Janeiro a Junho de Por Isidro Alberto Joaquim Nampula, Julho de

2 1. Resumo Executivo A visão da área de alfabetização, no âmbito da parceria existente entre a Helvetas e a UATAF, prevê que até os membros das comunidades alfabetizadas participem activamente na vida da comunidade, com vista a um desenvolvimento pessoal, uma participação na vida familiar e social, nas áreas de intervenção do Programa, com vista a contribuir para a alfabetização de Grupos de Interesse (CDCs, Associações, Uniões), nas comunidades das áreas de intervenção da Helvetas para fortalecer e aumentar a participação sócio-econômica e política ao nível local. Assim, o primeiro semestre marcou a continuação da implementação das actividades da UATAF como implemetntador com um valor total de ,74MT (um milhão duzentos e setenta e nove mil duzentos e setenta e seis Meticais, setenta e quatro centavos), para o pagamento do pessoal e despesas gerais de funcionamento durante o primeiro semestre de. Destacamos aqui a efectivação das grandes realizações nomeadamente, i). inscrição dos membros a participar na alfabetização e educação de adultos (1499 dos quais 743 são mulheres); ii). Reciclagem de 63 facilitadores em matérias de alfabetização do segundo Nível em Português; iii). Distribuição de material didático (3150 cadernos, 1575 lápis, 1276 manuais de Matemática (638) e Português (638) e 63 Resma A4; iv). Alocação de uma biblioteca móvel por centro de alfabetização; v). Início das sessões de alfabetização nos centros; vi). Seguimento das sessões nos centros de alfabetização em coordenação com os SDEJT; vii). Desembolso de fundos aos SEDJT para assegurar o seguimento das actividades de alfabetização; viii). Capacitação dos Assistentes de alfabetização da UATAF e Técnicos dos SDEJT em matérias de supervisão e avaliação do método Reflect, balanço com os SDEJT, para elaboração de relatório semestral. A quantidade dos manuais não corresponde ao número dos inscritos. O objectivo foi no âmbito de contenção de custos onde foi estabelecido que um manual tinha que ser usado por dois participantes, tanto de Matemática assim como de Português. Uma das lições aprendidas foi a realização de encontros regionais que envolviam directores dos SDEJT, Helvetas, UATAF e Direcções Provinciais de Educação e Cultura, visando apresentar os relatórios das actividades realizadas pelos SDEJT em 2010, apresentação da acta do Workshop da avaliação das actividades 2010 do Programa da alfabetização, avaliar o relatório da UATAF das actividades realizadas em 2010 e definição dos passos seguintes para ; No que refere às principais oportunidades, o destaque vai para a afectação de um Técnico de alfabetização da UATAF por distrito, o que facilita a recolha e reportagem de informação ligada à alfabetização, coordenação das actividades desde a planificação e elaboração conjunta de relatórios e planos trimestrais entre UATAF, SDEJT e AMA esta última em Ancuabe, a outra oportunidade está relacionada com a continuação da alocação de fundos aos SDEJT em todos distritos. No nível institucional, vai o apoio que está sendo dado à UATAF na elaboração do seu plano estratégico, visando orientá-la para uma visão estratégica, ser uma associação organizada e cumpridora dos resultados do plano de desenvolvimento institucional. Esta actividade tem sido realizada aos fins-de-semana, porque grande parte dos membros da UATAF, trabalha em outras organizações, não sendo possível para tal, ter encontros ao meio da semana. Neste processo, a dificuldade encarada refere-se ao incumprimento do compromisso de pagamento regular do subsídio dos alfabetizadores, aspecto que poderia impulsionar as actividades de alfabetização nas comunidades, caso o pagamento fosse regular (mensal ou bimensalmente). De forma geral, o projecto está a decorrer normalmente segundo o planificado. As despesas previstas estão sendo gastas nas respectivas rubricas. UATAF 2

3 Em termos orçamentais para implementação do projecto para o primeiro semestre, sem incluir os gastos dos SDEJT, foi desembolsado um valor total de ,74MT (um milhão duzentos e setenta e nove mil duzentos e setenta e seis Meticais e setenta e quatro centavos). Deste valor, foi feita a realocação de fundos referentes às despesas de combustíveis para motas e carro e custos de viagens durante os meses de Janeiro e Fevereiro, para aquisição do material didáctico para três centros de Macomia que trabalham com a Fundação Neyma em GULUDO LODGE nomeadamente, quadros pretos, lápis, caderno e malas para bibliotecas móveis num valor total de ,00 MT (cinquenta mil e duzentos e cinquenta Meticais). UATAF 3

4 Índice 1. RESUMO EXECUTIVO...2 INTRODUÇÃO SITUAÇÃO FINANCEIRA ACTIVIDADES E RESULTADOS LoA 1: Administração e Gestão do Projecto LoA 4: Criação de Centros AEA (MO34): LoA 5: Alfabetização dos grupos de interesse (MO34): LoA 6: Ligação entre facilitadores e SDEJT (MO34): MONITORIA DO PROJECTO DE JANEIRO MARÇO LIÇÕES APRENDIDAS & CONCLUSÕES APRECIAÇÃO GERAL DO PRIMEIRO SEMESTRE Principais forças (continuar aproveitar) Principais fraquezas (fazer diferente) PERSPECTIVAS PARA O SEGUNDO SEMESTRE Principais riscos e medidas preventivas Principais oportunidades e acções concretas...13 UATAF 4

5 Abreviaturas AC Assistente Comunitário AEA Alfabetização e Educação de Adultos AKF Aga Khan Foundation (Fundação Aga Khan) CDC Conselho de Desenvolvimento Comunitário DPEC Direcção Provincial de Educação e Cultura Helvetas Associação Suíça para a Cooperação Internacional HIV Vírus de Imunodeficiência Adquirida (tradução Portuguesa) PROGRESSO Associação ligada à Educação REFLECT Alfabetização Freiriana Regenerada através de Técnicas de Potenciação Comunitária SAAN Segurança Alimentar e Agro-negócios SDEJT Serviços Distritais de Educação, Juventude e Tecnologia SIDA Sindroma de Imunodeficiência Adquirida UATAF Unidade de Assistência Técnica de Alfabetização Funcional Tabelas # Titulo Pagina Situação financeira... 7 LOA 1: Administração e Gestão do Projecto... 8 LoA 4: Criação de Centros de Alfabetização MO LoA 5: Alfabetização dos grupos de interesse (MO34)... 9 LoA 6: Ligação entre facilitadores e SDEJT (MO UATAF 5

6 Introdução Geral A visão da área de alfabetização no âmbito da parceria existente entre a Helvetas e a UATAF, prevê que até os membros das comunidades alfabetizadas participem activamente na vida da comunidade, com vista a um desenvolvimento pessoal e uma participação na vida familiar e social, nas áreas de intervenção do Programa. O objectivo geral é de contribuir para a alfabetização de Grupos de Interesse das comunidades nas áreas de intervenção da Helvetas para fortalecer e aumentar a participação sócio-económica e política ao nível local. Momentos importantes de: Janeiro: Realização de encontros regionais que envolviam directores de SDEJT, Helvetas, UATAF e Direcções Provinciais de Educação e Cultura (Nampula e Cabo Delgado), que visava auscultar os relatórios das actividades realizadas pelos SDEJT em 2010, apresentação da acta do Workshop da avaliação das actividades 2010 do Programa da alfabetização; apresentação e avaliação do relatório UATAF 2010; e a definição dos passos a dar em. Fevereiro: Março: Abril: Maio: Junho: Formação dos facilitadores e técnicos dos SDEJT em matérias de alfabetização para o II Nível em português; assinatura das adendas aos contratos de financiamento entre a Helvetas Moçambique - Associação Suíça para a Cooperação Internacional e os governos dos distritos com alfabetização funcional. (i). Início de sessões de alfabetização nos CDCs; (ii). Desembolso dos fundos para SDEJT; (iii). Reciclagem dos ACs da UATAF e Técnicos dos SDEJT em matérias de monitoria e avaliação do Reflect. Seguimento das actividades de alfabetização aos CDCs Seguimento das actividades de alfabetização aos CDCs Realização do encontro de balanço com todos SDEJT (Nacaroa, Muecate, Mecufi, Ancuabe e Macomia), para realização do relatório semestral UATAF 6

7 2. Situação Financeira MO34 Orçamento para (MZN) Gasto em (MZN) 1. Despesas com pessoal 1,301, , Bens 159,600 79, Serviços 83,000 53, Custos de viagens 806, , Despesas de capital 0 39,690, Custos de Formação 232, , Sub total (custos da UATAF) 2,583, 400 1,279, Custos com SDEJT 416, , Mecufi 77,700 38, Ancuabe 77,700 38, Macomia 105,800 52, Muecate 77, Nacaroa 77,700 38, , Total Projecto 3,000,000 1,488, Imprevistos 35, Custos de operação 0 TOTAL 3,035,000 1,488, Tabela 2: Resumo financeiro UATAF Comentários sobre execução financeira: No que respeita à situação financeira, continuamos numa situação estável não havendo para tal razão de queixa. Importa referir que todos os SDEJT, os seus pedidos de desembolsos, são de periodicidade semestral e não trimestral como vem referido no plano. Para serem de periodicidade semestral, foi através dum consenso comum entre SDEJT e Helvetas (sector de educação e temas transversais), a partir dos encontros regionais havidos nos meses de Janeiro e Fevereiro do corrente. Segundo os SDEJT referiram no facto de se tratar de fundos pequenos e a sua solicitação obedecesse o período trimestral, podia acontecer o mesmo do ano de 2010, onde pediram os desembolsos e a sua justificação não foi regular. A ser assim evitou-se interrupções constantes das actividades de monitoria das actividades de alfabetização, com alegação de que estão a espera de fundos. No que refere às despesas do fundo de capital, este foi para aquisição do material didáctico para os três centros de GULUDO LODGE que inclui manuais, cadernos, lápis, quadros pretos, razão pela qual não consta na planificação orçamental apenas nos gastos, referente ao valor de realocação. As despesas de formação ultrapassaram o planificado, devido ao aumento de mais 3 facilitadores de Macomia das aldeias da zona de GULUDO LODGE. Isto foi agravado pela subida de preços das despesas no terreno sobretudo em Namialo e Ancuabe. UATAF 7

8 3. Actividades e resultados 3.1 LoA 1: Administração e Gestão do Projecto Resultado 1.1: Finanças Assegurada a utilização racional e transparente dos recursos financeiros e materiais pelo projecto e parceiros Indicadores de efeitos (outcome) Tabela 1: Resultado 1.1: Finanças Actividades realizadas e resultados atingidos versus esperados: Assegurada a utilização racional e transparente dos recursos financeiros e materiais pelo projecto e parceiros Realizar planificação financeira e controlo orçamental Análise de efeitos e comentários: Como vem referido, planificar e controlar o orçamento, importa referir que a UATAF está cumprindo com os critérios e normas administrativas da Helvetas. O cumprimento das normas, veio a ser reforçado com base na formação sobre os procedimentos administrativos dada pelo pessoal administrativo da Helvetas, onde ficou vincado que era necessário planificar as despesas trimestralmente e desagregar por mês e por áreas como por exemplo salários, bens e serviços, custos de viagem, facto que não cria até o presente momento transtornos com as despesas e a gestão do projecto. LoA 4: Criação de Centros AEA (MO34): Tabela 14: Resultado 4.1: Centros de AEA - de execução orçamental 95 - Indicadores de metas (output) Total 1. Alcançado ate 1º. s Total 1. UATAF # de relatórios operativos aprovados # de relatórios financeiros aprovados # de relatórios de auditoria interna elaborados Objectivo específico: Criação de Centros de Alfabetização que serão geridos pelos Conselhos de Desenvolvimento Comunitário (CDCs) ao nível local em coordenação com SDEJT Efeito esperado: Os CDCs juntamente com os Governos Distritais sejam capazes de gerir e manter os Centros de Alfabetização operacionais após a retirada da Helvetas Indicadores de efeitos (outcome) Alcançado em 1. Total 1. Nac Mue Anc Mec Mac # de Centros AEA do nível A # de Centros AEA do nível B # de Centros AEA do nível C # de Centros AEA do nível D # de Memorandos assinados Indicadores de metas (output) Alcançado em 1. Nac Mue Anc Mec Mac Total 1. # de facilitadores Reciclados # de técnicos de SDEJT reciclados # de bibliotecas moveis acompanhadas UATAF 8

9 Actividades realizadas e resultados atingidos versus esperados: Os CDCs juntamente com os Governos Distritais sejam capazes de gerir e manter os Centros de Alfabetização operacionais após a retirada da Helvetas Análise de efeitos e comentários: Importa referir que, após o início das sessões, fez-se a mobilização junto aos líderes dos CDCs para construção dos alpendres e outras formas de organização, participação na vida das suas organizações, e todos os CDCs têm bibliotecas móveis. De lá para cá, nota-se uma evolução nos CDCs, pois alguns já têm alpendres construídos, outros mostram uma capacidade de organização como é caso da ligação do CDC aos SDEJT, desde a contratação do facilitador para beneficiar do subsídio mensal não só, como também a exposição dos problemas que acontecem no CDCs relacionado ao processo de alfabetização como é o caso dos atrasos dos alfabetizandos, faltas constantes dos facilitadores entre outros aspectos. Os indicadores mencionados são os que asseguram a sustentabilidade nos Centros de Alfabetização. Estes serão mensuráveis junto da avaliação externa do projecto de alfabetização para 2012, não só para coincidir com o SAAN, como também foi referido que fim do ano o relatório da UATAF deverá ser acompanhado duma avaliação qualitativa e quantitativa feita por Suale Saide (no relatório do MO6402), recomendação tida a quando da retro alimentação do relatório anual da alfabetização. No que refere ao uso de bibliotecas móveis aos CDCs, após o seguimento com base nas fichas de monitoria, temos a dizer que são frequentadas pelos seguintes: Membros dos CDCs chegando a levarem os livros para lerem nas suas casas durante 2 ou 3 dias; Os professores das escolas vizinhas dos CDCs sobre tudo jornais; Estudantes/estagiários universitários a procura de informação sobre os CDCs Alunos do ensino formal. 3.2 LoA 5: Alfabetização dos grupos de interesse (MO34): Objectivo específico 2: Alfabetizar e garantir a participação dos membros dos grupos de interesse do projecto nos processos de desenvolvimento local Efeito esperado: Alfabetizados participam nos grupos nas tomadas de decisões, resolução de problemas dentro da comunidade Indicadores de efeitos (outcome) # de graduados dos cursos de AEA são membros de CDCs, Associações e CLs Alcançado em 1. Total 1. Nac Mue Anc Mec Mac # de graduados que transitam para a segunda fase do 2 Niv # de pessoas formadas pelos Centros de Alfabetização de mulheres participantes na alfabetização Indicadores de metas (output) # de técnicos de Helvetas envolvidos na divulgação da Alfabetização junto dos grupos de interesse Alcançado em 1. Total 1. Nac Mue Anc Mec Mac # de Centros de Alfabetização a que iniciaram com as aulas # de cursos de supervisão pedagógica Tabela 14: Resultado 5: Centros de AEA funcionam UATAF 9

10 Resultado 3.2: 10 encontros de planificação e balanço trimestral das actividades realizados em cada distrito no período Actividade Assistir os técnicos dos SDEJT e os técnicos da Helvetas no acompanhamento pedagógico e monitoria aos Centros de Alfabetização. Observação Esta actividade será reportada no segundo semestre, porque até finais do mês de Março, grande parte dos SDEJT não tinha recebido os fundos e consequentemente não tinha realizado a planificação das actividades. Como se pode notar, a UATAF está em posse dos planos conjuntos entre SDEJT e UATAF, onde vem patente o acompanhamento conjunto das actividades de alfabetização, ficando apenas aos técnicos da Helvetas realizar o acompanhamento pedagógico com base nas fichas de monitoria que a UATAF disponibilizou em 2010 quando da formação em matérias de supervisão Pedagógica havida a 30/04/10. Actividade que vai ser seguida por Suale Saide. Análise de efeitos esperados e comentários: Alfabetizandos participam nos grupos de tomada de decisões, resolução de problemas dentro da comunidade Este aspecto vai ser medido na avaliação quantitativa e qualitativa no fim do projecto em 2012, contudo nas visitas que são levadas a cabo pelos ACs da UATAF e técnicos dos SDEJT tanto como aos gestores de UATAF e da Helvetas (género e temas transversais), nas suas visitas abordam aos técnicos que nos relatórios que forem a ser fornecidos no segundo semestre deve aparecer evidencias sobre a participação dos membros nos grupos de tomada de decisão através das fichas de monitoria disponíveis, procurando saber com os formandos dentre vários aspectos o nível de aprendizagem, a utilização da bibliotecas, os livros mais consultados e a propria participação individual nas sessões assim como na vida do CDC. 3.3 LoA 6: Ligação entre facilitadores e SDEJT (MO34): Objectivo específico 3: Reforçar as capacidades dos SDEJT de modo a que coordenem as actividades de Alfabetização de forma sustentável ao nível distrital, onde facilitadores têm contractos de trabalho com os SDEJT e recebem os seus subsídios Efeito esperado: Centros de Alfabetização geridos pelos CDCs e monitorados pelos SDEJT Indicadores de efeitos (outcome) Alcançado em 1. Total 1. Nac Mue Anc Mec Mac # de visitas de monitoria efectuadas pelo SDEJT # de subsídios pagos # de pessoas formados pelos Centros de Alfabetização de mulheres participantes na alfabetização Indicadores de metas (output) Alcançado em 1. Nac Mue Anc Mec Mac Total 1. # de adendas elaboradas com as DPEC # de adendas elaboradas com os SDEJT # de relatórios trimestrais recebidos e aprovados # de planos trimestrais das actividades elaborados Tabela 14: Resultado 6: Centros de AEA monitorados Constatações da monitoria realizada junto dos CDCs Foi constatado que os manuais são insuficientes, os cadernos acabaram, os quadros pretos precisam de serem pintados, os CDCs (novos) pedem mais alfabetização; o programa de alfabetização é bem vindo na opinião dos membros: agora têm mais higiene, têm latrinas, há redução de doenças, conseguem ler balanças ultrapassando a problemática dos vendedores ambulantes que atrofiam as balanças e há um maior envolvimento dos líderes dos CDCs na alfabetização. UATAF 10

11 Análise de efeitos esperados e comentários: Resultado 3.2: 10 encontros de planificação e balanço trimestral das actividades realizados em cada distrito no período Actividade Actividade ) Promover junto dos SDEJT a realização de encontros de planificação e balanco trimestral das actividades com todos os parceiros de AEA no Distrito. Actividade 3.2.2) Monitorar as actividades financiadas, através da assistência e Relatórios de Actividade apresentados pelos SDEJT. Actividade 3.2.3) Disponibilizar fundos a serem geridos pelos SDEJT trimestralmente na base dos resultados reportados. Observação Planificação integrada trimestral: O relatório anual fez referência a necessidade de planificar conjuntamente com o SDEJT e os projectos da Helvetas e parceiros. Neste relatório referia que em 2010 foi dificil realizar a coordenação entre parceiros a trabalharem na alfabetização ao nivel dos distritos pois as redes destas organizações localizam-se nas capitais provinciais, tornando difícil coordenar ao nível dos distritos. Para inverter a situação deve-se incentivar a planificação conjunta das actividades de Supervisão Pedagógica ao nível destas organizações. => planear conjuntamente em que fica a responsabilidade da Helvetas na pessoa de Suale Saide. É uma actividade que vai ser concretizada no segundo semestre, porque os SDEJT receberam os desembolsos de fundos no mês de Março. Disto resultou que os planos trimestrais de actividades foram elaborados e entregues a UATAF até 04 de Abril. Ficando a responsabilidade do gestor da educação e temas transversais (Suale Saide) de monitorar as activades. Foi acordado que os fundos para os SDEJT seriam desembolsados semestral e não trimestralmente como vem referido no plano. O acordo foi de consenso comum entre os directores dos SDEJT e Helvetas (gestor da educação e temas transversais), quando da realização dos encontros regionais havidos nos meses de Janeiro e Fevereiro do presente ano, que visava apresentar os resultados da avaliação do projecto da alfabetização implementada pela UATAF. A medida surgiu como forma de evitar os mesmos erros do ano de 2010 onde os SDEJT pediram os desembolsos e a sua justificação foi deficiente, provocando assim, a paralização das actividades companhamento pedagógico nos CDCs. de Resultado 3.3: 60 Facilitadores de Alfabetização e 10 técnicos dos SDEJT reciclados em materias do II Nível de alfabetização Actividades Actividade 3.3.1) Identificar junto dos SDEJT e às comunidades, os alfabetizadores com experiência de trabalho de um ano e que possuam bom desempenho Observações De 14 a 18 de Fevereiro do corrente ano, foram realizadas três capacitações simultâneas, dos facilitadores de alfabetização nos seguintes locais: Namialo (facilitadores de Nacaroa e Muecate); Ancuabe (os de Mecufi e Ancuabe) e Macomia (em Macomia sede), num total de 63 facilitadores dos quais apenas 09 são mulheres. Os facilitadores são 63 porque foram contemplados na formação mais três facilitadores em Macomia, das aldeias que são assistidas pela Fundação Neyma em GULUDO LODGE, através duma parceria existente de assitência às aldeias vizinhas do Lodge. Durante a elaboração do plano estratégico da Helvetas em Fevereiro, achou-se a necessidade de implementar alfabetização funcional. 3.4 LoA 7: Documentação e disseminação das experiências (MO34): (Objectivo Especifico 4: As lições aprendidas pela Componente são partilhadas com outros stakeholders nos diferentes níveis (Distrital, Provincial, Nacional) UATAF 11

12 Resultado 7: Coordenação com parceiros Efeito esperado: Divulgação da metodologia Reflect e projecção da mesma Indicadores de efeitos (outcome) # de participações na plataforma provincial sobre alfabetização Tabela 14: Resultado 7: Coordenação com parceiros Alcançado em 1. NPL 4 1 # de participações nos encontros de coordenação provincial 4 2 CD Total 1. UATAF 12

13 Monitoria do projecto de Janeiro a Junho de No contexto da monitoria do projecto de Janeiro a Junho, importa referir que durante o semestre em referência todas actividades planificadas estão a decorrer. Foram consolidados 60 centros e criados mais 3 na zona de GULUDO LODGE, todos do II Nível; foram assinadas as adendas de mandato entre a Helvetas e os SDEJT; foram reciclados os facilitadores e Técnicos dos SDEJT em matérias do II Nível de alfabetização; as sessões de alfabetização tiveram o seu início nos finais de Fevereiro e princípios de Março/11, onde temos como inscritos 1489 participantes destes 49 são mulheres; o seguimento das aulas foi concretizado com base nas fichas de monitoria. Uma das lições aprendidas: foi a realização dos encontros regionais em Ancuabe para Cabo Delgado em Namialo, para os distritos de Nampula. Os encontros regionais serviram para apresentar/discutir junto dos directores dos SDEJT os relatórios das actividades realizadas pelos SDEJT em 2010, a acta do Workshop da avaliação das actividades 2010 do Programa da alfabetização; avaliação do relatório da UATAF de 2010 e definição dos passos a dar em. A apreciação geral do primeiro semestre: importa referir que realizámos as actividades que tinham sido planificadas (reciclagem dos facilitadores e seguimento das actividades de campo) e a realização duma capacitação em matérias do HIV/SIDA para os facilitadores, actividade não prevista, o treinamento com vista a dar habilidade aos facilitadores no processo de leccionação das aulas, estejam em condições de promover debates ligados ao Género e HIV/SIDA. As principais forças do projecto que merecem continuar a aproveitar é o envolvimento dos Governos distritais nas actividades, nomeadamente a planificação conjunta (Helvetas, SDEJT e UATAF) e a colaboração directa com os ACs da Helvetas no que respeita a facilitação de transporte em caso de avaria das motas da UATAF, a distribuição do material didáctico (manuais, lápis, cadernos para os participantes), a qualidade dos manuais de alfabetização é uma força; boa receptividade da comunidade ao programa de alfabetização; as bibliotecas móveis fazem chegar a informação actualizada nas comunidades; o envolvimento dos Líderes dos CDCs no programa de alfabetização; apreciação positiva por parte dos avaliadores externos ao programa de alfabetização nos CDCs; o reajuste do subsídio dos facilitadores de 550,00 para 650,00MTs. Uma das fraquezas a ser feita de forma diferente deve ser o pagamento de subsídio dos alfabetizadores continua a chegar tarde; interferência negativa de alguns Líderes comunitários no funcionamento da alfabetização; fraco uso das bibliotecas móveis em alguns CDCs, alguns CDCs não têm alpendres construídos; a planificação conjunta entre ACs da Helvetas, UATAF e Técnicos dos SDEJT continua uma fraqueza. Uma das perspectivas para o segundo semestre, será de continuar Monitorar as actividades financiadas, através da assistência e Relatórios de Actividade apresentados pelos SDEJT. Neste período serão acompanhados os centros na realização das avaliações finais do segundo semestre e a respectiva recolha de fichas de registo das avaliações para o relatório anual, reforçar a planificação conjunta entre ACs da Helvetas, UATAF e técnicos dos SDEJT; reciclagem dos facilitadores em matérias de apoio pedagógico às sessões de Alfabetização do II Nível. Um dos riscos, é a demora do envio dos contratos dos facilitadores às Direcções Provinciais de Educação e Cultura, para tramitação dos processos de pagamento de subsídios em tempo útil; exiguidade de fundos para reprodução de manuais que chegam para todos os participantes; outro risco está relacionado com a não expansão da Alfabetização para outros CDCs neste mandato de 2009/. Uma das oportunidades para o presente semestre é do anúncio do financiamento da alfabetização para o III Nível em 2012; o valor alocado aos SDEJT para seguimento das actividades de alfabetização. UATAF 13

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS I. Introdução TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS O melhoramento da prestação de serviços públicos constitui uma das principais prioridades do Governo da Província

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

FINANCIAMENTO AO NIVEL COOPERAÇÃO NO SECTOR SAÚDE: ASPECTOS CONTEMPORÁNEOS MAPUTO 13 DE OUTUBRO

FINANCIAMENTO AO NIVEL COOPERAÇÃO NO SECTOR SAÚDE: ASPECTOS CONTEMPORÁNEOS MAPUTO 13 DE OUTUBRO FINANCIAMENTO AO NIVEL DISTRITAL COOPERAÇÃO NO SECTOR SAÚDE: ASPECTOS CONTEMPORÁNEOS MAPUTO 13 DE OUTUBRO Estrutura da apresentação Que é o financiamento externo ao nível distrital? Por que é importante?

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

PROGRAMA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DESCENTRALIZADOS NA ÁREA DE ÁGUA E SANEAMENTO NAS 5 VILAS DE CABO DELGADO 2011 2012 (Programa PSAA Cabo Delgado)

PROGRAMA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DESCENTRALIZADOS NA ÁREA DE ÁGUA E SANEAMENTO NAS 5 VILAS DE CABO DELGADO 2011 2012 (Programa PSAA Cabo Delgado) PROGRAMA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DESCENTRALIZADOS NA ÁREA DE ÁGUA E SANEAMENTO NAS 5 VILAS DE CABO DELGADO 2011 2012 (Programa PSAA Cabo Delgado) RELATÓRIO SEMESTRAL JANEIRO A JUNHO DE 2011 Por António

Leia mais

PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU

PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU A IBIS Moçambique é uma Organização Não Governamental Dinamarquesa, com sede em Maputo que trabalha em Moçambique desde 1976. As áreas temáticas actuais da

Leia mais

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Unidade Técnica da Reforma Da Administração Financeira do Estado - UTRAFE MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE Maputo, 12 de Julho de

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE I INTRODUÇÃO 1.1 Enquadramento Legal A Constituição da República de Moçambique estabelece, na alínea l) do n.º 2 do artigo 179, que é da exclusiva competência da Assembleia da República deliberar sobre

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG. Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.01) PAISAS VISÃO GERAL - 1 COMPONENTES - Informação Chave do Projecto ConMngências

Leia mais

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011 Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar Ano lectivo 2010/2011 Apreciação Geral A aplicação do Regime de Fruta Escolar (RFE) em Portugal tem os seguintes objectivos gerais: Saúde Pública:

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS PROJECTO DE APOIO À GESTÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA (PAGEF) TERMOS DE REFERÊNCIA RESPONSÁVEL ADMINISTRATIVO

Leia mais

Perguntas e respostas mais frequentes

Perguntas e respostas mais frequentes Convite n.ºeuropeaid/136-792/dd/act/mz para a apresentação de propostas para o Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Perguntas e respostas mais frequentes Por ocasião do lançamento do

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Orientações e Metodologia para a Elaboração das Propostas de: Plano Económico e Social e Orçamento do Estado

Leia mais

Aumento do investimento: Considerações sobre a gestão do investimento público

Aumento do investimento: Considerações sobre a gestão do investimento público Aumento do investimento: Considerações sobre a gestão do investimento público COMENTÁRIOS DE ENRIQUE BLANCO ARMAS, BANCO MUNDIAL MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 Estrutura dos comentários Por que razão a gestão

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO S FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO ANO 2013 JANEIRO A JUNHO RELATÓRIO 1. Introdução 2. Equilíbrio Orçamental 3. Receitas do Estado 4. Financiamento

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO S FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO ANO 2012 JANEIRO A JUNHO RELATÓRIO 1. Introdução 2. Equilíbrio Orçamental 3. Receitas do Estado 4. Financiamento

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA FORMADOR EM CONTABILIDADE, GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

Balanço das Medidas do Domínio de Valorização do Capital Humano e Gestão de Apoio à Segurança Social

Balanço das Medidas do Domínio de Valorização do Capital Humano e Gestão de Apoio à Segurança Social Balanço das do Domínio de Valorização do Capital Humano e Gestão de Apoio à Segurança Social Dr. Hugo Brás ENAD. 31 de Agosto de 2015 AGENDA Academia INSS Transferência de Conhecimento Apoio Operacional

Leia mais

Delegação da União Europeia em Moçambique

Delegação da União Europeia em Moçambique PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQ / Europeia em Moçambique Enquadramento geral Lógica da intervenção Porquê o PAANE? Beneficiários e grupos-alvo Actividades e ferramentas Orçamento detalhado Modalidades de implementação

Leia mais

Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais

Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais TERMOS DE REFERÊNCIA Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais 1. ANTECEDENTES A Fundação IEPALA tem assinado com a Agencia Espanhola de Cooperação Internacional

Leia mais

RELATÓRIO SIMPLIFICADO DE AUDITORIA DE DESEMPENHO AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA

RELATÓRIO SIMPLIFICADO DE AUDITORIA DE DESEMPENHO AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE TRIBUNAL ADMINISTRATIVO Contadoria de Contas e Auditorias RELATÓRIO SIMPLIFICADO DE AUDITORIA DE DESEMPENHO AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA Distribuição Gratuita do Livro Escolar

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

MAIS E MELHOR CRÉDITO PARA AS MICROEMPRESAS E PME EM MOÇAMBIQUE

MAIS E MELHOR CRÉDITO PARA AS MICROEMPRESAS E PME EM MOÇAMBIQUE MAIS E MELHOR CRÉDITO PARA AS MICROEMPRESAS E PME EM MOÇAMBIQUE Junho de 2015 FECOP Breve Historial Surge em 2009, da vontade os Governos Português e Moçambicano fortalecerem os laços de cooperação entre

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redacção

Leia mais

Avaliação Externa Final. Relatório de Avaliação

Avaliação Externa Final. Relatório de Avaliação 1 Avaliação Externa Final Relatório de Avaliação Projecto Incremento do acesso e a qualidade dos cuidados de saúde primários através do fortalecimento dos serviços nacionais de saúde, priorizando o âmbito

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

BOLETIM DA REPÚBLICA 5.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45

BOLETIM DA REPÚBLICA 5.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45 Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45 BOLETIM DA REPÚBLICA PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE 5.º SUPLEMENTO IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E.P. Ministério das Obras Públicas

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

A Experiência da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva (ITIE) em Moçambique

A Experiência da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva (ITIE) em Moçambique www.iese.ac.mz A Experiência da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva (ITIE) em Moçambique Rogério Ossemane 3ª Conferencia Internacional sobre Monitoria e Advocacia da Governação Maputo,

Leia mais

relatório final do projecto.../pt/16/c/ /

relatório final do projecto.../pt/16/c/ / Relatório Final Estrutura 1. INTRODUÇÃO 1.1 Caracterização da Situação Antes da Intervenção 1.2 Objectivos da Intervenção 2. IDENTIFICAÇÃO DA DECISÃO 2.1 Elementos Básicos da Decisão Inicial 2.2 Alterações

Leia mais

Delegação da União Europeia em Moçambique

Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

Id: 40938 (31 years)

Id: 40938 (31 years) Ver foto Id: 40938 (31 years) DADOS PESSOAIS: Gênero: Masculino Data de nascimento: 01/08/1984 País: Mozambique, Região: Maputo, Cidade: Maputo Cidade Ver CV completo Grave o CV TRABALHO DESEJADO: Objectivo:

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias 1. Contexto e Justificação O Programa conjunto sobre o Empoderamento da Mulher

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

circular ifdr Orientações para o preenchimento do formulário de declaração de despesa SÍNTESE ÍNDICE

circular ifdr Orientações para o preenchimento do formulário de declaração de despesa SÍNTESE ÍNDICE N.º 07/2009 Versão n.º 01.0 Data de aprovação: 2009/11/04 Orientações para o preenchimento do formulário de declaração de despesa Elaborada por: Unidade de Coordenação da Gestão Operacional SÍNTESE A presente

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR DA CONVENÇÃO DE DISPONIBILIZAÇÃO DE FUNDOS. Referência: GCI-PG-B-PT-COMM-Nº12

RELATÓRIO INTERCALAR DA CONVENÇÃO DE DISPONIBILIZAÇÃO DE FUNDOS. Referência: GCI-PG-B-PT-COMM-Nº12 RELATÓRIO INTERCALAR DA CONVENÇÃO DE DISPONIBILIZAÇÃO DE FUNDOS Referência: GCI-PG-B-PT-COMM-Nº12 em aplicação da convenção de delegação GCI-PG-A-PT-COMM-Nº1 Página 1 de 12 Índice 1. Introdução... 3 2.

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO 2. GERAÇÃO BIZ

1. SUMÁRIO EXECUTIVO 2. GERAÇÃO BIZ 1. SUMÁRIO EXECUTIVO O Programa Geração Biz (PGB) é um programa de promoção de Saúde Sexual e Reprodutiva e prevenção do HIV que teve o seu inicio em 1999, como um projectopiloto na Cidade de Maputo e

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso das operações a apoiar no âmbito da Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos, para:

Leia mais

Auto-emprego Juvenil e o Papel das Cooperativas Modernas Maputo, 02 de Agosto de 2012

Auto-emprego Juvenil e o Papel das Cooperativas Modernas Maputo, 02 de Agosto de 2012 Auto-emprego Juvenil e o Papel das Cooperativas Modernas Maputo, 02 de Agosto de 2012 Por Ocasião do Lançamento do Projecto Oficinas de Trabalho e Aprendizagem promovido pela O nosso bem estar e a qualidade

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012.

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012. ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO Posição: Director Executivo Programa Inter Religioso Contra a Malária (PIRCOM) Projecto Academy for Educational Development/Communication for Change (C Change) Supervisor:

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 SA11715 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 MECANISMO REVISTO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO

Leia mais

Id: 36265 (31 years)

Id: 36265 (31 years) Ver foto Id: 36265 (31 years) DADOS PESSOAIS: Gênero: Masculino Data de nascimento: 13/03/1984 País: Mozambique, Região: Maputo, Cidade: Maputo Ver CV completo Grave o CV TRABALHO DESEJADO: Objectivo:

Leia mais

Jovens empreendedores lançam-se num novo desafio

Jovens empreendedores lançam-se num novo desafio Edição de Fevereiro de 2010 Jovens empreendedores lançam-se num novo desafio Os seis jovens integrados no programa de empreendedorismo a decorrer já há dois anos no complexo agro-industrial de Matama lançaram

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO ÍNDICE 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE 1.1. Missão 1.2. Público-Alvo 1.3. Linhas de actuação estratégica 1.4. Modalidade de Formação 1.5. Formas de Organização

Leia mais

POLÍTICA DE HIV/SIDA DA HELVETAS MOÇAMBIQUE

POLÍTICA DE HIV/SIDA DA HELVETAS MOÇAMBIQUE Helvetas Swiss Association for International Cooperation / Schweizer Gesellschaft für internationale Zusammenarbeit / Association suisse pour la coopération internationale Associação suíça para a cooperação

Leia mais

República de Moçambique Ministério das Finanças Direcção Nacional do Tesouro PROGRAMA DE GESTÃO DE FINANÇAS PÚBLICAS ORIENTADO PARA RESULTADOS (GFPR)

República de Moçambique Ministério das Finanças Direcção Nacional do Tesouro PROGRAMA DE GESTÃO DE FINANÇAS PÚBLICAS ORIENTADO PARA RESULTADOS (GFPR) República de Moçambique Ministério das Finanças Direcção Nacional do Tesouro PROGRAMA DE GESTÃO DE FINANÇAS PÚBLICAS ORIENTADO PARA RESULTADOS (GFPR) Título da atribuição: TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO

Leia mais

CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL

CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL I. INTRODUÇÃO No âmbito dos compromissos assumidos pelo Governo em sede de Concertação Social, o Governo apresentou

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de 31 de Agosto de 2011 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA (Unidade-Disciplina-Trabalho) DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS PROJECTO DE APOIO À GESTÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA (PAGEF) TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O RECRUTAMENTO

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Novembro/2014 Índice INTRODUÇÃO... 3 Balanço da execução do plano... 4 Conclusão... 5 Recomendações... 8 REVISÃO DO

Leia mais

CMSC-FAC COMUNICAÇÃO. PARA A MUDANÇA SOCIAL E DE COMPORTAMENTO Ferramenta de Avaliação da Capacidade PARA USO COM ORGANIZAÇÕES

CMSC-FAC COMUNICAÇÃO. PARA A MUDANÇA SOCIAL E DE COMPORTAMENTO Ferramenta de Avaliação da Capacidade PARA USO COM ORGANIZAÇÕES CMSC-FAC COMUNICAÇÃO PARA A MUDANÇA SOCIAL E DE COMPORTAMENTO Ferramenta de Avaliação da Capacidade PARA USO COM ORGANIZAÇÕES PARTE II: FERRAMENTA DE AVALIAÇÃO Esta publicação é tornada possível graças

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Parte 4 Recursos e Serviços públicos

Parte 4 Recursos e Serviços públicos Parte 4 Recursos e Serviços públicos GOVERNAÇÃO LOCAL E MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS PARA FINANCIAR SERVIÇOS BÁSICOS. ESTUDOS DE CASO: ÁGUA E SAÚDE Introdução e resumo Descentralização e governação local têm

Leia mais

Plano de Atividades. Relatório de Atividades Intervenção Precoce

Plano de Atividades. Relatório de Atividades Intervenção Precoce Plano de Atividades Relatório de Atividades Intervenção Precoce Mod221/V01.PG01 (02.02.2015) Página 1 de 14 Mod221/V01.Org (09.02.2015) Página 1 de 14 2014 Elaborado: Ângela Madureira Data: 20.02.2015

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

Jornadas da Medicus Mundi: Coordenação no Pais do Fundo Global. Kate Brownlow membro do MCP/NAIMA+

Jornadas da Medicus Mundi: Coordenação no Pais do Fundo Global. Kate Brownlow membro do MCP/NAIMA+ Jornadas da Medicus Mundi: Cooperação no Sector Saúde em Moçambique: Aspectos Contemporâneos Funcionamento do Mecanismo de Coordenação no Pais do Fundo Global Kate Brownlow membro do MCP/NAIMA+ O que é

Leia mais

REGULAMENTO MARCAMUNDOS

REGULAMENTO MARCAMUNDOS REGULAMENTO MARCAMUNDOS Título I (MarcaMundos) Capítulo I (Definição) Art.1 1. O MarcaMundos (MM) é um projeto da Associação de Estudantes da NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas da Universidade

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

RELATÓRIO DA 1ª CAMPANHA NACIONAL DE SAÚDE ORAL NAS ESCOLAS

RELATÓRIO DA 1ª CAMPANHA NACIONAL DE SAÚDE ORAL NAS ESCOLAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA MÉDICA PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE ORAL RELATÓRIO DA 1ª CAMPANHA NACIONAL DE SAÚDE ORAL NAS ESCOLAS PROMOVENDO A HIGIENE ORAL

Leia mais

CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS Os Cursos de Educação e Formação de Adultos (cursos EFA) são um instrumento fundamental para a qualificação da população adulta. Os Cursos EFA são destinados a

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais

Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais Programa Operacional Valorização do Território Deliberações CMC POR: 26/03/2008, 17/04/2009, 14/08/2009, 20/04/2010,

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6.1 RECURSOS ECONÓMICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO Competindo ao Ministério da Educação definir a política educativa e coordenar a sua aplicação, bem como assegurar o funcionamento

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO ESTATAL Direcção Nacional de Promoção do Desenvolvimento Rural A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVÍNCIA DE MAPUTO DIRECÇÃO PROVINCIAL DA JUVENTUDE E DESPORTOS DE MAPUTO 5. Realizações da instituição, Planos da Instituição e Serviços prestados ao Publico 5.1 NO

Leia mais

DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPÚBLICA DE CABO VERDE ASSEMBLEIA NACIONAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSEMBLEIA NACIONAL PROGRAMA DE COOPERAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES PARLAMENTARES DA ASSEMBLEIA NACIONAL DA REPÚBLICA

Leia mais

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães Freguesia de Tabuadelo e São Faustino Concelho de Guimarães Relatório de Gerência de Contas e Relatório de Actividades Ano de 2013 Índice: Introdução:... 3 Analise Económica e Financeira... 5 Execução

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union. AFRICAN UNION UNION AFRICAINE PRIMEIRO PROJECTO DO CONVITE PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS SOBRE O TEMA: EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Ao abrigo das Decisões da Conferência da União Africana Assembly/AU/Dec.277(XVI)

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TECNICA PARA FORMADOR/A EM COMUNICAÇÃO E VISIBILIDADE DAS ORGANIZAÇÕES UE-PAANE

Leia mais

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Apoio ao Investimento Empresarial, adiante designado

Leia mais

(CRÉDITO Nº 4684) FUNDO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL FDI GUIÃO DE CONCEPÇÃO DE PROJECTOS 4.º CICLO DE CANDIDATURAS

(CRÉDITO Nº 4684) FUNDO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL FDI GUIÃO DE CONCEPÇÃO DE PROJECTOS 4.º CICLO DE CANDIDATURAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Direcção para a Coordenação do Ensino Superior DICES Projecto do Ensino Superior, Ciência e Tecnologia HEST UNIDADE DE COORDENAÇÃO DO PROJECTO (CRÉDITO Nº

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Âmbito e finalidades

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Âmbito e finalidades REGULAMENTO: PARTIS - PRÁTICAS ARTÍSTICAS PARA INCLUSÃO SOCIAL Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Âmbito e finalidades 1. A Fundação Calouste Gulbenkian tem vindo a apoiar ao longo dos anos diversas

Leia mais

Formulário de PEPFAR para Financiamento de Actividades de Prevenção A/B

Formulário de PEPFAR para Financiamento de Actividades de Prevenção A/B Formulário de PEPFAR para Financiamento de Actividades de Prevenção A/B O Escritório dos Assuntos Públicos do Governo Americano em Moçambique tem fundos disponíveis para apoiar projectos de HIV/SIDA em

Leia mais

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO Havendo necessidade de regulamentar o funcionamento da Secretaria Provincial

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006)

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) PREÂMBULO O presente regulamento define as normas relacionadas com a actividade financeira a observar

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Nota Conceitual da FIEI 2013 Ponto de negócio e oportunidade de investimento Maputo Contexto Quadro orientador O Programa Quinquenal do Governo (PQG) prevê no âmbito do Vector Económico

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

Programa de Assistência para Projectos Comunitários Embaixada do Japão Informação 2014 Visão Geral

Programa de Assistência para Projectos Comunitários Embaixada do Japão Informação 2014 Visão Geral Programa de Assistência para Projectos Comunitários Embaixada do Japão Informação 2014 Visão Geral O Governo do Japão reconhece a importância dos projectos de desenvolvimento ao nível das bases que podem

Leia mais