PAULA PEREZ BOJIKIAN ESTUDO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA ERP COMO APOIO AO PROCESSO DE MUDANÇA DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PAULA PEREZ BOJIKIAN ESTUDO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA ERP COMO APOIO AO PROCESSO DE MUDANÇA DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL"

Transcrição

1 PAULA PEREZ BOJIKIAN ESTUDO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA ERP COMO APOIO AO PROCESSO DE MUDANÇA DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Trabalho de Formatura apresentado à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para obtenção do Diploma de Engenheiro de Produção. São Paulo 2004

2 PAULA PEREZ BOJIKIAN ESTUDO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA ERP COMO APOIO AO PROCESSO DE MUDANÇA DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Trabalho de Formatura apresentado à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para obtenção do Diploma de Engenheiro de Produção. Orientadora: Profª. Drª. Márcia Terra da Silva São Paulo 2004

3 À minha família.

4 AGRADECIMENTOS Este trabalho contou com o apoio e a colaboração direta e indireta de muitas pessoas. Manifesto meus agradecimentos a todas elas. À Professora Doutora Márcia Terra da Silva, minha orientadora, por todos os conselhos que tornaram esse trabalho possível. A todos os professores do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica pela dedicação e pela qualidade de ensino que proporcionam a nós alunos. Especialmente, agradeço a meus pais, João e Luciana, por todo o apoio e confiança e, principalmente, pelo exemplo de princípios, amor e luta. Por tudo o que fizeram por mim e continuam fazendo, pelas oportunidades que me ofereceram e pela compreensão nos momentos de dificuldade. A meus avós, Clóvis, Marina, Alzira e Naylor, in memoriam, por todo carinho e pelos conselhos sábios. Pelo exemplo de vida que sempre foram. A meu irmão, Pedro, por sua amizade, seus conselhos e pelo modelo que é para mim de determinação e carisma. A minha tia, Maria Apparecida Marcondes Bussolotti, vencedora do Prêmio Jabuti de Literatura em 2004, pela revisão cuidadosa deste trabalho. Aos companheiros de turma da Engenharia de Produção, pelas pessoas brilhantes que são, por me ensinarem tanto e pela divertida convivência nesses últimos cinco anos. A todos meus amigos pela alegria dos bons momentos e pela ajuda nas horas difíceis. A todos da Editora Abril, pela ajuda no desenvolvimento deste trabalho.

5 RESUMO O presente trabalho apresenta recomendações para a implantação dos módulos restantes do sistema ERP (Enterprise Resource Planning) na Editora Abril, elaboradas a partir de um estudo sobre a visão dos usuários a respeito dos problemas ocorridos na implantação dos dois primeiros módulos do software adotados pela empresa. O sistema foi implantado para viabilizar a mudança da estrutura organizacional. A empresa migrou de uma configuração totalmente agrupada por mercado para uma configuração na qual os serviços de apoio pertencem a uma área de serviços compartilhados. O levantamento das opiniões dos usuários sobre o sistema foi feito utilizando ferramentas da qualidade. As recomendações geradas para as próximas implantações surgiram da comparação entre críticas dos usuários, a visão da área de sistemas da empresa e os fatores críticos de sucesso para esse tipo de aplicação.

6 ABSTRACT This paper presents recommendations for the implementations of the remaining ERP (Enterprise Resource System) modules at Editora Abril. The recommendations were elaborated from a study of the users vision of the problems occurred during the implementation of the first two software modules adopted by the company. The system was implemented to support a change of the organizational structure. The company changed from a configuration totally grouped by market to a configuration in which the support services belong to a shared services area. The survey of the users opinions was made using quality tools. The recommendations for the next implementations arose from the comparison between the users complaints, the systems area of the company and the critical success factors for this kind of application.

7 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS 1 INTRODUÇÃO A EDITORA ABRIL A história do Grupo Abril Os negócios A crise A busca por investimentos estrangeiros A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E SUA TRANSFORMAÇÃO A estrutura Mudança da estrutura Impacto da forma de agrupamento Tipos de agrupamento A escolha da Editora Abril INTEGRANDO A NOVA ESTRUTURA Alternativas O uso da TI Workflow management systems A TI E OS SISTEMAS ERP Tecnologia de Informação Sistemas ERP (Enterprise Resource Planning) Implicações do sistema ERP Ciclo de vida de sistemas ERP Fase de planejamento Fase de introdução Fase de adaptação Fase de utilização Terceirização em sistemas ERP... 36

8 5.2.4 Terceirização via ASPs Fatores críticos de sucesso Composição da equipe de trabalho Suporte da alta administração Comunicação eficaz Gerenciamento de projeto Programa de gerenciamento de mudança e cultura Reengenharia de processos e customização mínima Desenvolvimento do software, testes e detecção de erros Documentação Visão de negócios e monitoramento de performance Medindo o sucesso da implantação do ERP Implantação do ERP Corporativo Compras Recebimento Contabilidade Finanças Tecnologia de Informação METODOLOGIA Técnica do incidente crítico Diagrama de Pareto Diagrama de Causa e Efeito (Espinha de Peixe) Análise de Modo e Efeito de Falha (FMEA) LEVANTAMENTO DOS INCIDENTES CRÍTICOS Módulo de Suprimentos O fluxo de atividades de compras Usuários do módulo de Suprimentos entrevistados Incidentes críticos positivos levantados em Suprimentos Incidentes críticos negativos levantados em Suprimentos Áreas de compras Marginal e NEA Área de Contratos... 66

9 Área de Planejamento e Estratégia de Suprimentos Módulo de Finanças O fluxo de atividades financeiras Usuários do módulo de Finanças entrevistados Incidentes críticos positivos levantados em Finanças Incidentes críticos negativos levantados em Finanças Recebimento Integrado Obrigações Fiscais Obrigações a Pagar Conciliação Bancária Cobrança Contabilidade Observações IDENTIFICANDO AS CAUSAS Problemas mais citados e suas causas Problemas de lentidão e travamento Problemas de adaptação ao processo Sistema tem operação complexa Faltam modificações para atender a empresa FMEA RECOMENDAÇÕES E CONCLUSÕES Conclusões Recomendações ANEXO A Modelo da entrevista de incidentes críticos ANEXO B Tabelas de itens de satisfação negativos área por área ANEXO C Tabela de itens de satisfação negativos de todas as áreas LISTA DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA

10 LISTA DE FIGURAS Figura 2.1 Logotipo da Editora Abril...5 Figura 2.2 Mercados de atuação do Grupo Abril...5 Figura 2.3 Participação dos negócios do grupo na sua receita total...6 Figura 3.1 Organograma do Grupo Abril até Figura 3.2 Organograma da antiga Uniser Figura 3.3 Organograma atual do Grupo Abril Figura 4.1 Risco e retorno dos tipos de mudanças por SIs (LAUDON; LAUDON, 2002) Figura 5.1 Arquitetura de um sistema ERP, adaptada de Davenport (1998)...26 Figura Fases do ciclo de vida do ERP, adaptado de Markus; Tanis (2000)...32 Figura 6.1 Relação hierárquica entre incidentes críticos, itens de satisfação e requisitos dos clientes, Hayes (1998)...50 Figura 6.2 Diagrama de Pareto, adaptado de Rotondaro (2002) Figura 6.3 Diagrama Espinha de Peixe, adaptada de Rotondaro (2002)...53 Figura 6.4 Modelo da tabela básica do FMEA, adaptada de Rotondaro (2002)...54 Figura 6.5 Modelo da tabela do FMEA que será utilizada para este trabalho, adaptada de Rotondaro (2002) Figura 7.1 Fluxo das atividades de compras, elaborado pela Autora...59 Figura 7.2 Organograma da área de Suprimentos...62 Figura 7.3 Gráfico dos pontos fortes do sistema, segundo os usuários das áreas de Suprimentos e o número de incidentes críticos associados...63 Figura 7.4 Gráfico dos problemas do sistema citados pelas áreas de compras...65 Figura 7.5 Gráfico dos problemas do sistema citados pela área de Contratos...67 Figura 7.6 Gráfico dos problemas do sistema citados pela área de Planejamento e Estratégia de Suprimentos...68 Figura 7.7 Fluxo de atividades financeiras, elaborado pela Autora...70 Figura 7.8 Organograma da diretoria de Finanças...72 Figura 7.9 Gráfico dos pontos fortes do sistema segundo os usuários das áreas financeiras e o respectivo número de incidentes críticos associados...73 Figura 7.10 Gráfico dos problemas citados pela área de Recebimento Integrado...74

11 Figura 7.11 Gráfico dos problemas citados pela área de Obrigações Fiscais...75 Figura 7.12 Gráfico dos problemas citados pela área de Obrigações a Pagar...76 Figura 7.13 Gráfico dos problemas citados pela área de Conciliação Bancária...77 Figura 7.14 Gráfico dos problemas citados pela área de Cobrança...78 Figura 7.15 Gráfico dos problemas citados pela área de Contabilidade Figura 8.1 Gráfico dos problemas mais citados em todas as áreas Figura 8.2 Gráfico de causa e efeito dos problemas de lentidão e travamento do sistema.84 Figura 8.3 Gráfico de causa e efeito dos problemas de adaptação ao processo Figura 8.4 Gráfico de causa e efeito da operação complexa do sistema Figura 8.5 Gráfico de causa e efeito da falta de adaptações para atender a empresa... 89

12 LISTA DE TABELAS Tabela 3.1 Tipos de agrupamento da estrutura, elaborada pela Autora Tabela 5.1 Razões para adoção do ERP, adaptada de Markus; Tanis (2000) Tabela 5.2 Razões para adoção do ERP na Editora Abril Tabela 5.3 Benefícios e riscos da implantação via ASPs, elaborada pela Autora.. 37 Tabela 8.1 FMEA criado em conjunto com a área de TI da empresa Tabela B.1 - Tabela dos itens de satisfação negativos das áreas de compras e o número respectivo de incidentes críticos Tabela B.2 - Tabela dos itens de satisfação negativos da área de Contratos e o número respectivo de incidentes críticos Tabela B.3 - Tabela dos itens de satisfação negativos da área de Planejamento e Estratégia de Suprimentos e o número respectivo de incidentes críticos Tabela B.4 - Tabela dos itens de satisfação negativos da área de Recebimento Integrado e o número respectivo de incidentes críticos Tabela B.5 - Tabela dos itens de satisfação negativos da área de Obrigações Fiscais e o número respectivo de incidentes críticos Tabela B. 6 - Tabela dos itens de satisfação negativos da área de Obrigações a Pagar e o número respectivo de incidentes críticos Tabela B.7 - Tabela dos itens de satisfação negativos da área de Conciliação Bancária e o número respectivo de incidentes críticos Tabela B.8 - Tabela dos itens de satisfação negativos da área de Cobrança e o número respectivo de incidentes críticos Tabela B.9 - Tabela dos itens de satisfação negativos da área de Contabilidade e o número respectivo de incidentes críticos Tabela C.1 - Tabela dos itens de satisfação negativos de todas as áreas entrevistadas e o número respectivo de incidentes críticos

13 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS TI ERP ASP FMEA Tecnologia de Informação Enterprise Resource Planning Application Service Provider Failure Mode and Effect Analysis LAJIDA Lucros antes dos juros, impostos, depreciações e amortizações UN SI MRP WMS NEA OC RI Unidade de Negócio Sistema de Informação Manufacturing Resource Planning Warehouse Management System Novo Edifício Abril Ordem de compra Recebimento Integrado

14 1 INTRODUÇÃO 1 1 INTRODUÇÃO

15 1 INTRODUÇÃO 2 1 INTRODUÇÃO A adoção de um sistema ERP (Enterprise Resource Planning) tem sido o caminho adotado por diversas empresas para resolver problemas de integração, viabilizar a reengenharia de processos ou para cortar custos. Nesse trabalho será analisado o caso da Editora Abril, uma empresa que adotou o sistema para possibilitar a mudança da estrutura organizacional. Foram implantados primeiramente apenas dois módulos do sistema, de Suprimentos e Finanças, em algumas empresas do Grupo Abril. Hoje, a empresa possui planos de implantar outros módulos e, também, de estender a utilização do sistema para as empresas recém-adquiridas pelo Grupo. No entanto, existe um clima de insatisfação entre os usuários com relação ao sistema, como conseqüência de alguns problemas ocorridos no processo de implementação. A proposta deste trabalho é pesquisar as causas de insatisfação e relacioná-las com o que ocorreu durante a implantação. Por fim, serão elaboradas recomendações para que os problemas não se repitam nas implementações futuras. A relevância do tema para a Editora Abril foi detectada pela Autora durante o estágio que realiza na empresa, na área de Suprimentos. O dia-a-dia da área sofreu grandes mudanças com a implantação do sistema e com a mudança organizacional. No capítulo 2 será apresentada uma visão geral sobre a Editora Abril, seus negócios e a situação atual da empresa. No terceiro capítulo explica-se como ocorreu a mudança da estrutura organizacional. Primeiramente, mostra-se a estrutura anterior da empresa, em seguida, são apresentadas diferentes formas de agrupamentos e, então, analisa-se a nova estrutura adotada. No capítulo 4, são mostradas as diferentes maneiras de se integrar a nova estrutura e a escolha da Abril pelo uso da tecnologia da informação (TI). O capítulo 5 traz informações sobre TI e sistemas ERP. São apresentados os estágios da implantação do sistema, a possibilidade de terceirização desse processo e

16 1 INTRODUÇÃO 3 os fatores críticos de sucesso. O capítulo apresenta também os principais objetivos que a Editora Abril pretendia alcançar com a implantação do ERP. O capítulo 6 mostra qual será a metodologia utilizada para a análise dos problemas ocorridos durante a implementação do sistema. No capítulo 7, apresenta-se um resumo das observações feitas pelos usuários sobre o ERP, área por área. No capítulo seguinte, são estudadas as causas dos problemas citados pelos usuários na visão dos especialistas da empresa. Nas considerações finais, apresentam-se as conclusões deste trabalho e as recomendações para as futuras implantações de módulos do sistema nas empresas do grupo.

17 2 A EDITORA ABRIL 4 2 A EDITORA ABRIL

18 2 A EDITORA ABRIL 5 2 A EDITORA ABRIL 2.1 A história do Grupo Abril A Editora Abril foi fundada em 1950, por Victor Civita, com a publicação da revista em quadrinhos do Pato Donald. Dois anos mais tarde, a editora lançou mais um título, desta vez uma revista feminina, a Capricho, e em 1959 foi lançada a revista Criativa. Na década de 1960, a aposta em publicações em fascículos trouxe bons resultados à empresa, que não parou de crescer, tornando-se hoje a maior editora de revistas da América Latina. 1 Figura 2.1 Logotipo da Editora Abril. 2.2 Os negócios A editora, buscando diversificar o seu ramo de atuação, passou a adquirir e criar empresas de outros ramos da comunicação. Atualmente o Grupo Abril emprega cerca de funcionários e atua nos mercados de revistas, livros didáticos, conteúdos e serviços on-line, Internet de banda larga, música, TV segmentada e por assinatura e database marketing. Com receita líquida de 1,862 bilhão de reais em 2003, é um dos maiores grupos de comunicação da América Latina. Revistas Livros TV segmentada TV por assinatura Database Marketing Internet em banda larga Conteúdo e serviços online Música Figura 2.2 Mercados de atuação do Grupo Abril. 1 Informações extraídas de documentos internos da empresa e da intranet.

19 2 A EDITORA ABRIL 6 O mercado de revistas, no entanto, continua sendo o mais importante para o grupo, responsável por 77% de sua receita total. Em 2003 foram publicados aproximadamente 250 títulos, atingindo 26 milhões de leitores. As revistas publicadas pela Editora Abril voltam-se para diversos públicos: feminino, masculino, jovem, negócios, infantil, entre outros. Entre as dez revistas mais lidas do país, sete são da Editora Abril, incluindo a quarta revista mais lida no mundo, a VEJA, com circulação semanal de aproximadamente exemplares. Entretenimento 15% Educação 8% Publicações 77% Figura 2.3 Participação dos negócios do grupo na sua receita total. O Grupo passou a fazer parte também do mercado de livros didáticos ao adquirir as editoras Ática e Scipione, recentemente. As duas editoras juntas publicam títulos e 40 milhões de livros por ano, e possuem fatia de 40% do mercado de livros didáticos do país. No setor de televisão, o Grupo Abril está representado pela MTV, emissora lançada em 1990, da qual o Grupo Abril detém 70% do controle. A MTV foi a primeira emissora de televisão segmentada do país dedicada ao público jovem e, hoje, possui 7,7 milhões de espectadores por mês, com idades entre 15 e 29 anos. A redação das revistas do grupo está centralizada em um único edifício no bairro de Pinheiros, na cidade de São Paulo. As edições são impressas na gráfica do grupo, localizada no bairro Freguesia do Ó, também em São Paulo. A distribuição é feita a

20 2 A EDITORA ABRIL 7 partir do centro de distribuição da Dinap, empresa do grupo responsável pela distribuição, na Rodovia Raposo Tavares. A Abril está presente também em outras localidades, através das agências da Dinap e das sucursais locais de reportagem espalhadas pelo país. 2.3 A crise Há anos que a Editora Abril vem passando por uma grave crise financeira. Essa crise foi motivada por diversos fatores, entre eles podem-se destacar a tentativa de entrar para o mercado de televisão por assinatura, tendência seguida também por outras grandes empresas brasileiras de comunicação. A entrada no novo mercado exigiu grandes investimentos, que foram possibilitados através de empréstimos em moeda estrangeira. Investimentos em outros mercados como a Internet também demandaram recursos, e com isso, a Editora Abril, assim como grande parte do setor de comunicações brasileiro, assumiu grande dívida no decorrer dos anos 90. Em 1999, com a forte alta do dólar, a dívida tomou proporções bem maiores, porque além da variação cambial, a estagnação da economia e a frustração dos mercados de Internet e televisão por assinatura também contribuíram para resultados negativos. Grande parte da receita da editora obtida com suas publicações é decorrente de publicidade. Se as empresas brasileiras enfrentam crise, o mercado publicitário encolhe e, conseqüentemente, as editoras também sofrem. Nos anos seguintes outros fatos fizeram que a situação se tornasse ainda mais grave. Em 2000, foram proibidos anúncios de empresas de cigarro, responsáveis por pesados investimentos em propaganda. Em 2001, com a crise energética do país, o setor de eletro-eletrônicos sofreu retração, interferindo nos seus gastos com publicidade. 2.4 A busca por investimentos estrangeiros A Constituição Brasileira até 2002 não permitia que as empresas de mídia brasileiras recebessem investimentos internacionais ou mesmo que fossem controladas por pessoas jurídicas, ainda que nacionais. O artigo 222 da Constituição

21 2 A EDITORA ABRIL 8 previa que as empresas deste setor só poderiam ser controladas por pessoas físicas e proibia investimentos estrangeiros. Em 2002, no entanto, foi aprovada uma Proposta de Emenda Constitucional que admite que grupos estrangeiros adquiram até 30% das empresas de mídia brasileiras e que elas sejam controladas por pessoas jurídicas nacionais. A Editora Abril, então, passou a se preocupar em tornar a empresa atraente para receber investimentos estrangeiros. Foram realizadas reestruturações e mudanças de processos. As transformações visavam não apenas à busca de investimentos, mas também ao objetivo maior de reduzir a dívida. Em 2003, a Editora Abril conseguiu alavancar seu LAJIDA (lucros antes dos juros, impostos, depreciações e amortizações) para 242,8 milhões de reais, um aumento de 42,1% em relação a Esses números dizem respeito apenas à Editora Abril S/A e não a todo o grupo. Finalmente, em julho de 2004, a Abril vendeu 13,8% de suas ações a um fundo de investimentos internacional. Apesar de a transação ser permitida legalmente desde 2002, a experiência foi pioneira no setor de mídia brasileiro. O grupo que adquiriu a cota foi o fundo de investimentos americano Capital International Inc. As ações foram vendidas por cerca de 150 milhões de reais. Esse valor reduziu a dívida do Grupo Abril, então estimada em 980 milhões de reais, e aumentou o seu capital de giro.

22 3 A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E SUA TRANSFORMAÇÃO 9 3 A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E SUA TRANSFORMAÇÃO

23 3 A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E SUA TRANSFORMAÇÃO 10 3 A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E SUA TRANSFORMAÇÃO 3.1 A estrutura A empresa, até o ano 2000 possuía uma estrutura quase toda agrupada por mercado e o organograma era o seguinte: Presidência Corporativo Fundação VC Grupo Publicações Grupo Entretenimento Grupo Multimídia Grupo MKT Direto Grupo Internet Uniser Veja Negócios Musiclub Jovem Serviços Mkt Abril.com Masculinas Femininas Abril Eventos Staff Multimídia Datalistas Idealyze Casa & Família Caras Abril Music Multimídia Abril Coleções Staff Projetos Staff MTV Staff Publicidade Vendas Assinaturas Entreteni - mento/rádio Operações Serviços Editoriais Abril Produções Abril Marcas Varejo Usina do Som Dinap Labone Figura 3.1 Organograma do Grupo Abril até Nessa estrutura, a única unidade centralizada funcionalmente, e não por mercado, era a Uniser, que abrigava os serviços de suprimentos, viagens e hospedagem, administração predial, planejamento de espaço, segurança e atendimento, alimentação, recursos humanos e revisão de processos. Uniser Suprimentos Administração Predial Segurança e atendimento Recursos Humanos Viagens e Hospedagem Planejamento de espaço Terraço Abril Revisão de Processos Figura 3.2 Organograma da antiga Uniser.

24 3 A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E SUA TRANSFORMAÇÃO 11 Esses serviços, no entanto, eram prestados basicamente para a Editora Abril, e as demais empresas do grupo possuíam suas próprias estruturas para suprir essas necessidades de serviços, havendo duplicação de diversas funções. Mesmo dentro da Editora Abril, as revistas possuíam autonomia para realizar algumas destas atividades de apoio internamente, sem utilizar estrutura própria preparada pela organização. 3.2 Mudança da estrutura Como visto, há tempos a empresa enfrentava problemas financeiros e em 1999, no auge da crise, contratou os serviços de uma consultoria para analisar seus processos e torná-los mais eficientes. A empresa precisava cortar custos para poder honrar os compromissos assumidos com os bancos que passaram a administrar suas dívidas. Entre as mudanças propostas pela consultoria e adotadas pela Editora Abril estava a alteração da estrutura da organização. Como a necessidade do redesign surgiu a partir das alterações nas metas da empresa, metas de corte radical de custos, as mudanças ocorreram de cima para baixo. A reestruturação de uma organização em outras formas de agrupamentos tem grande impacto sobre o desempenho e a dinâmica da empresa. Por isso, a escolha do tipo de agrupamento aplicado a determinado grupo de pessoas deve ser cuidadosa Impacto da forma de agrupamento O agrupamento, primeiramente, estabelece diversos tipos de mecanismos de coordenação dos trabalhos. Segundo Mintzberg (2003), ao formar-se um grupo de pessoas e designar uma pessoa como responsável por este grupo, estabelece-se o mecanismo de supervisão direta. Além disso, as pessoas de um mesmo grupo passam a trabalhar juntas, geralmente próximas fisicamente, ou ao menos, têm maior contato uns com os outros. Essa proximidade incentiva o clima informal e a coordenação natural dos trabalhos entre as pessoas. Caso seja estabelecida uma medida de desempenho única para o grupo, tem-se ainda a formação de um terceiro mecanismo de coordenação: o de padronização de outputs.

25 3 A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E SUA TRANSFORMAÇÃO Tipos de agrupamento São inúmeras as formas de agrupamento que podem ser adotadas. Mas pode-se classificá-las em dois tipos básicos: por mercado; funcional. O agrupamento por mercado atendido pela organização, inclui as bases de agrupamento por produtos ou serviços, e por clientes e locais. Agrupamento por produtos ou serviços (ou por output): separa as unidades da organização por linha de produtos. Agrupamento por clientes: cada grupo deve lidar com um determinado tipo de cliente. Agrupamento por local: esse tipo de agrupamento pode ser feito com base nas posições geográficas onde a organização atua ou na instalação específica em que o trabalho é realizado, por exemplo, as partes de um avião (asa, cauda etc). Já o agrupamento funcional está baseado nos agrupamentos por conhecimento e habilidade, processo de trabalho e função: Agrupamento por conhecimento e habilidade: os grupos são formados de acordo com o tipo de conhecimento e habilidade, por exemplo, área de formação acadêmica. O agrupamento também pode ser estruturado levando em conta o nível de conhecimento das pessoas, por exemplo, aprendizes e profissionais. Agrupamento por processo de trabalho e função: nesse tipo, as unidades são estabelecidas de acordo com o sistema técnico; por exemplo, separa-se torneamento, soldagem e montagem em uma fábrica de autopeças. Esse agrupamento também pode seguir a função básica dentro da organização. Essa forma é muito comum e tem como exemplos as áreas de engenharia, marketing, recursos humanos, etc. Outra forma de agrupamento que pode ser classificada tanto como por mercado ou funcional é a do agrupamento por tempo, que leva em conta o período em que o trabalho é feito, como o trabalho em turnos diferentes.

26 3 A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E SUA TRANSFORMAÇÃO 13 Resumindo, tem-se o seguinte quadro: Tabela 3.1 Tipos de agrupamento da estrutura, elaborada pela Autora Tipo de agrupamento Por mercado Funcional Bases Produtos e serviços Clientes Locais Conhecimento Habilidade Processo de trabalho e função Os critérios de seleção do tipo de agrupamento a ser utilizado podem variar dentro de uma mesma empresa de acordo com o nível hierárquico e com a divisão de negócios A escolha da Editora Abril A Editora Abril estava organizada por mercado, de maneira a ter contato mais próximo com seus consumidores. O nível superior de agrupamento era por tipo de produtos e serviços, que incluía Publicações, Entretenimento, Multimídia, Marketing Direto e Internet, como mostra a Figura 3.1. A divisão Uniser era a única agrupada funcionalmente, como explicado anteriormente. O segundo nível hierárquico era dividido por título publicado, ou produto e serviço específico. Cada empresa do grupo possuía total autonomia de gestão e possuía sua própria estrutura de Finanças, Suprimentos e Recursos Humanos. Dentro do grupo de publicações algumas atividades, como as de Finanças, eram realizadas totalmente dentro da redação de cada revista. Outras atividades, como de suprimentos e dos demais serviços de apoio, ora utilizavam a estrutura comum, ora eram realizadas diretamente. A estrutura por mercado possui diversas vantagens. As vantagens advêm do fato de o processo completo para a entrega do produto estar agrupado em uma única unidade. Assim, todos os problemas que surgem no decorrer do processo, são detectados e resolvidos dentro de uma única área, mediante ajuste mútuo. Os

27 3 A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E SUA TRANSFORMAÇÃO 14 funcionários podem ter uma visão completa do processo e um maior contato com o cliente final, percebendo suas necessidades e mudanças de opinião. A empresa pode, assim, criar respostas mais rápidas às alterações de mercado. Mas o agrupamento por mercado também tem as suas desvantagens. Quando se dividem as funções por mercado, tem-se duplicação de funções por unidade. Por exemplo, duas divisões podem requerer apenas um funcionário por meio período para o processamento de dados cada uma. Em uma estrutura funcional seria necessária a contratação de apenas um funcionário, mas com a separação da estrutura por mercado, seriam necessárias duas pessoas, uma para cada unidade. Assim, o agrupamento funcional traz ganhos de escala, formando grupos grandes suficientes para trabalharem eficientemente. Unir especialistas de uma mesma área em um mesmo espaço faz também que eles troquem experiências e conhecimentos, o que aumenta a capacitação do grupo. As desvantagens das áreas funcionais são o aumento da distância entre as diferentes áreas e o cliente final e a criação de departamentos com objetivos antagônicos dentro da organização. Por exemplo, a área de marketing exige a customização dos produtos vendidos para atender às exigências dos clientes, enquanto a produção deseja produtos padronizados de maneira a baixar os custos operacionais e entregar os produtos dentro do prazo estimado. Uma área não necessariamente entende a necessidade da outra e nem sempre é possível satisfazer a todas. A consultoria realizou um estudo de quais atividades desempenhadas por cada unidade trariam maiores ganhos de escala para o Grupo, caso passassem centralizadas. A conclusão desse estudo foi a de que as atividades de Suprimentos, Finanças e Recursos Humanos seriam as que mais trariam benefícios, caso fossem desempenhadas por uma estrutura única para todo o grupo. Seguindo a proposta da consultoria contratada, a Abril migrou de uma estrutura agrupada basicamente por mercado para uma estrutura com alguns aspectos funcionais. A nova estrutura é mostrada a seguir.

28 3 A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E SUA TRANSFORMAÇÃO 15 Presidência Fundação Victor Civita Escola Escola CARAS Bravo! Bravo! VP VP Serviços Serviços Compartilhados Compartilhados Diretoria Diretoria Geral Geral VEJA VEJA e e EXAME EXAME Diretoria Diretoria Geral Geral VP VP Comercial Comercial Administração Publicidade Corporativa Finanças VEJA VEJA NEGÓCIOS NEGÓCIOS ESTILO ESTILO TURISMO TURISMO e TECNOLOGIA TECNOLOGIA CASA CASA e BEM BEM -ESTAR -ESTAR ALTO ALTO CONSUMO JOVEM JOVEM EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO MÍDIA MÍDIA ELETRÔNICA ELETRÔNICA TVA TVA Marketing Corporativo Logística e Distribuição Marketing Publicitário Operações Industriais Veja Exame Cláudia Quatro Rodas Casa Cláudia Viva Mais Almanaque Abril Ática MTV TVA Assinaturas Tecnologia de Informação Veja SP Veja RJ Você S.A. Nova Elle Estilo Placar Info Super Arquitetura e Construção Bons Fluidos Saúde! Ana Maria Contigo! Minha novela Ana Maria Contigo! Disney Scipione Usina do Som Produtora Abril Videos Abril Portal Veja São Paulo Guia da TV Atendimento ao Cliente Dinap Manequim Viagem e Turismo Boa Forma Tititi Witch Revista da MTV Abril Sem Fio DataListas Manequim Noiva National Geographic Cláudia Cozinha Heróis da TV Guia Quatro Rodas Vida Simples SuperSurf Info Corporate Capricho Playboy Figura 3.3 Organograma atual do Grupo Abril.

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas Prof Valderi R. Q. Leithardt Objetivo Esta apresentação tem por objetivo mostrar tanto os benefícios como as dificuldades da implantação

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP Enterprise Resource Planning Implantação de Sistema ERP Jorge Moreira jmoreirajr@hotmail.com Conceito Os ERP s (Enterprise Resource Planning) são softwares que permitem a existência de um sistema de informação

Leia mais

Capítulo 2 E-Business global e colaboração

Capítulo 2 E-Business global e colaboração Objetivos de estudo Capítulo 2 E-Business global e colaboração Quais as principais características de um negócio que são relevantes para a compreensão do papel dos sistemas de informação? Como os sistemas

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP)

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Um sistema ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) é um pacote de software que tem por finalidade organizar, padronizar e integrar as

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Centro Universitário de Barra Mansa UBM Curso de Administração Tecnologia da Informação Aplicada à Administração ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Prof. M.Sc. Paulo

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Leonardo C. de Oliveira1, Diogo D. S. de Oliveira1, Noemio C. Neto 1, Norberto B. de Araripe1, Thiago N. Simões1, Antônio L. M. S. Cardoso 1,2 1.Introdução

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 12 PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO OBJETIVOS: Explicar os princípios e as etapas do processo de organizar. Definir responsabilidade e autoridade e suas implicações especialização,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

IBM WebSphere Product Center

IBM WebSphere Product Center Soluções de gerenciamento de informação de produto para dar suporte aos seus objetivos de negócios IBM WebSphere Product Center Oferece uma solução abrangente de gerenciamento de informação de produto

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Somos uma empresa especializada em desenvolver e implementar soluções de alto impacto na gestão e competitividade empresarial. Nossa missão é agregar valor aos negócios de nossos

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

E R P. Enterprise Resource Planning. Sistema Integrado de Gestão

E R P. Enterprise Resource Planning. Sistema Integrado de Gestão E R P Enterprise Resource Planning Sistema Integrado de Gestão US$ MILHÕES O MERCADO BRASILEIRO 840 670 520 390 290 85 130 200 1995-2002 Fonte: IDC P O R Q U E E R P? Porque a única coisa constante é a

Leia mais

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC.

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC. Orientação Geral para Mandatos de Seguro de Depósito Eficazes Considerações importantes no Projeto de um Mandato Eficaz Disponibilidade de Recursos para um Sistema Eficaz de Seguro de Depósitos: Financiamentos,

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados.

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados. MRP l SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados. Material Requirement Planning Planejamento de requisição de materiais. Tecnológica e Organizacional décadas de 60 e 70

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN Sistemas ERP Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Definições Sistemas de informações que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Como viajar mais, gastando menos. FogStock?Thinkstock. 52 KPMG Business Magazine

Como viajar mais, gastando menos. FogStock?Thinkstock. 52 KPMG Business Magazine Como viajar mais, gastando menos FogStock?Thinkstock 52 KPMG Business Magazine Boa gestão propicia redução de custos com viagens corporativas O controle de custos é tema recorrente nas organizações. O

Leia mais

Tecnologia melhora o ABC

Tecnologia melhora o ABC Tecnologia melhora o ABC As inovações da informática estão contribuindo para tornar realidade a determinação de custos com base em atividade Por Mary Lee Geishecker FINANÇAS 18 Mais do que nunca, trabalhar

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Controlar. Otimizar. Crescer.

Controlar. Otimizar. Crescer. Controlar. Otimizar. Crescer. Neste material de suporte, você encontrará informações de SAM para: Novos Líderes de Tecnologia Fusões e Aquisições True-Up Assist Serviço Microsoft EAP Assist Assuma o controle

Leia mais

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso Uma única plataforma BPM que oferece total visibilidade e gerenciamento de seus processos de negócios 2 IBM Business Process Manager Simples

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI

EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI Referência Conhecimento em TI : O que executivos precisam saber para conduzirem com sucesso TI em suas empresas. Peter Weill & Jeanne W. Ross Tradução M.Books, 2010. 2 O

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura O conceito de CIM e a integração de processos Prof. Breno Barros Telles do Carmo Evolução da Manufatura Integração.A evolução da manufatura segundo reportado em Russell e Taylor III (1995) se deu em quatro

Leia mais

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Ambiente Organizacional voltado a inovação As 6 chaves para o Sucesso Foco Flexibilidade

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Classificação dos Sistemas de Informação

Classificação dos Sistemas de Informação Sistemas de Informação Classificação dos Sistemas de Informação O que veremos? Estaremos examinando o tipo de sistema de informação Gerencial. Veremos também, outras classificações dos sistemas de informação.

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> Como saber o momento certo para investir em um ERP?... 6 >> Como um sistema ERP pode me ajudar na prática?... 11 >> O que preciso

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Fóruns / Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias e experiências que

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

Prof.: Gilberto Onodera

Prof.: Gilberto Onodera Automação de Sistemas Prof.: Gilberto Onodera Aula 21-maio maio-2007 Revisão Conceitos de Macro-economia: Globalização Objetivo: Entender os principais drivers de mercado Economia de escala Paradigma da

Leia mais

LOJAS COLOMBO S/A COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E CONTROLADAS

LOJAS COLOMBO S/A COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E CONTROLADAS 1 LOJAS COLOMBO S/A COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E CONTROLADAS RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores acionistas: Atendendo às disposições legais e estatutárias, a administração de Lojas Colombo S/A

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Miracema-Nuodex: SAP Business All-in-One proporciona maior visibilidade de negócios para a companhia

Miracema-Nuodex: SAP Business All-in-One proporciona maior visibilidade de negócios para a companhia Picture Credit Customer Name, City, State/Country. Used with permission. Miracema-Nuodex: SAP Business All-in-One proporciona maior visibilidade de negócios para a companhia Geral Executiva Nome da Miracema-Nuodex

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

Slice Management. Controlando o que você não vê. Direto ao assunto

Slice Management. Controlando o que você não vê. Direto ao assunto Slice Management Controlando o que você não vê Direto ao assunto O Slice Management (SM) é uma prática de gerenciamento que consiste em colocar um sistema de inteligência em todas as áreas da empresa.

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Sistemas ERP. Conceitos Iniciais

Sistemas ERP. Conceitos Iniciais Sistemas ERP Prof. Breno Barros Telles do Carmo Conceitos Iniciais Sistema de Informação adquirido em forma de pacotes comerciais de software que permite a integração de dados de sistemas de informação

Leia mais

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem Professional Folheto Professional A HP oferece um portfólio abrangente de serviços profissionais em nuvem para aconselhar, transformar e gerenciar sua jornada rumo

Leia mais

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Por Christian Vieira, engenheiro de aplicações para a América Latina da GE Fanuc Intelligent Platforms, unidade da GE Enterprise

Leia mais

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL NATAL RN 2013 UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013 www.pwc.com Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Agenda Introdução Como abordar o problema Discussões Conclusão PwC 2 Introdução PwC 3 Introdução Visões do Marketing Marketing tem que fazer

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais