ALIMENTAÇÃO, MEMÓRIA E EDUCAÇÃO: HÁBITOS SAUDÁVEIS DE VIDA EM ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE PONTA GROSSA, NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALIMENTAÇÃO, MEMÓRIA E EDUCAÇÃO: HÁBITOS SAUDÁVEIS DE VIDA EM ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE PONTA GROSSA, NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX."

Transcrição

1 ALIMENTAÇÃO, MEMÓRIA E EDUCAÇÃO: HÁBITOS SAUDÁVEIS DE VIDA EM ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE PONTA GROSSA, NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX. Maurício Wisniewski - Universidade Estadual de Ponta Grossa. O objeto desta pesquisa é a alimentação de crianças em idade escolar entre as décadas de 1920 e 1950, em escolas públicas de Ponta Grossa e região. O recorte histórico se justifica em função das transformações estruturais no estado do Paraná, neste período do entre guerras. Usando como referência Demeterco e Santos 1, a baliza inferior (1920) resgata o momento de consolidação da imigração estrangeira no Brasil, principalmente européia, estando algumas etnias com a segunda geração estabelecida na sociedade. A questão alimentar tem um vínculo estreito com a questão do imigrante e da sua culinária. A baliza posterior (1950) é o marco tanto da industrialização quanto da expansão do norte cafeeiro, o que traz para o estado, reflexos generalizados, principalmente na urbanização do interior, o que afeta consideravelmente os hábitos de vida na região. A investigação sobre o cotidiano infantil, mais particularmente, hábitos saudáveis de vida em crianças de idade escolar, inclui desde a merenda até a alimentação em família, passando pelos hábitos de higiene, pela possibilidade de uma educação alimentar, ainda que informal e pela incidência ou não da obesidade infanto-juvenil. O sul do Brasil, diferentemente do restante do país, sofreu a influência da gastronomia do imigrante europeu, que ao aqui chegar em meados do século XIX, encontrou a terra rica e fértil, onde se plantando, tudo dá: Os camponeses, que na Pomerânia ou no Palatinato se alimentavam de batatinhas, hortaliças, massas de farinha de trigo, carnes salgadas e defumadas, pão de centeio, foram obrigados a substituir tudo por feijão preto, mandioca, arroz, cará, taioba, pão de milho e carne-seca. E raramente aceitaram espontaneamente os novos padrões alimentares, logo voltando ao padrão antigo. Com isso, introduziram na região os seus hábitos alimentares 2 Desta insatisfação alimentar, e talvez também do desejo de preservar a cultura da pátria-mãe através da mesa, é que começa, principalmente nas regiões de serra, o cultivo da 1 Demeterco, S.M.S. e Santos, C.R.A. "Doces Lembranças - cadernos de receitas e comensalidade". Dissertação de Mestrado, UFPR, Damasceno, Athos. Breve Notícia e Ligeiras Considerações acerca da Arte Doceira do Rio Grande do Sul. Rio de Janeiro: Globo, p.100.

2 uva, a fabricação do vinho, a confecção da pastelaria e charcutaria tão típicas dos povos germânicos, conforme Carlos R. A dos Santos 3. Esta tradição criou raízes e as mesas sulbrasileiras, criaram fama. As sociólogas Marina Heck e Rosa Beluzzo 4 explicam que tal fato se deve unicamente à memória culinária: dentre as diferentes formas de memória coletiva, uma das mais persistentes é a memória culinária, com sua variedade de sabores, aromas e cores que resistem ao impacto do tempo e até mesmo aos desenraizamento cultural e geográfico. Na investigação priorizou-se as fontes de história oral enquanto textualização da própria vida 5 e, conseqüentemente, construção da identidade pessoal ou coletiva através da memória 6. Estas recordações criaram um processo dialógico com o presente e acabaram por concluir que hoje a vida das crianças segue outros parâmetros de valores. Com a análise dos dados obtidos em campo e através da teoria tanto da História da Alimentação, quanto da tríade História, Memória e Educação, espera-se que, ao final, a contribuição deste trabalho no campo educacional possa ser dada na forma de um esclarecimento sobre hábitos saudáveis de vida presentes no contexto escolar, na primeira metade do século XX, em confronto com o sedentarismo e a obesidade infantil, das décadas mais recentes. O enfoque desta investigação de memória está na transformação do gosto alimentar, em Ponta Grossa, entre os anos 1920 e Averiguações sobre a modificação do comportamento ao comer, com sua desritualização (come-se o que se quer, onde e quando se quer), a crescente onda de terror à gordura (o que caracteriza a lipofobia,), bem como a culpabilização da obesidade frente a esbeltez. Todos estes são conceitos atuais dos ambientes escolares que estão em constante transformação (o que confere caráter provisório 3 (...) O trigo, juntamente com os cereais secundários como a cevada, a aveia e o centeio, afirmou, por onde passou, a expansão da civilização européia, e no Brasil, o trigo enfrentou culturas rivais como o milho e a mandioca, e se implantou com a valorização da qualidade da alimentação, implementada pelos hábitos alimentares dos camponeses imigrantes, e a partir daí pela pressão demográfica e pelo desenvolvimento urbano. Santos, C.R.A. dos, História da Alimentação no Paraná, p Beluzzo, R. e Heck, M. Cozinha dos Imigrantes Memórias e Receitas. São Paulo, 1998, p Oliveira, M.H.P. Lembranças do Passado: a Infância e a Adolescência na vida de Escritores Brasileiros. Bragança Paulista: EDUSF, Pollack, M. Memória e Identidade Social. IN Estudos Históricos. Rio de Janeiro: Cpdoc/FGV, vol. nº 10, p Tal transformação do gosto alimentar tem referenciais na França do final do século XVIII, sendo que nesta época a mudança se operou do fausto para a simplicidade, da quantidade para a qualidade, do exótico para o nativo. Nos últimos 20 anos, algo parecido vem ocorrendo, porém o foco não é mais somente o gosto, o prazer de comer, mas sim o que faz bem ao organismo. (Flandrin, J-L., A distinção pelo gosto in A história da vida privada. vol. 3: da Renascença ao século das Luzes. São Paulo. Companhia das Letras, 1991, p. 275).

3 a este trabalho, no que diz respeito às discussões de tais conceitos no presente). A investigação em especial do recorte histórico 8, vem responder a uma necessidade de compreensão não só da História da Educação, mas também da História da Alimentação, Sociologia, Psicologia, Pedagogia e Nutrição sobre a formação de hábitos saudáveis de vida na infância e o aspecto sócio-histórico e cultural do alimento. Na sua busca constante pela melhora na qualidade de vida, a construção do corpo saudável do homem contemporâneo é seu objetivo maior, que nasce e se constrói a partir da visão arquetípica do bem viver: ser rico, bonito e saudável 9. Jean-Louis Flandrin, no seu A distinção pelo gosto 10 deixa clara a idéia de que o gosto de modo geral e o gosto alimentar, especificamente, eram vistos como prerrogativas das elites dominantes e então tidos como modelo de bom gosto. Também imposto socialmente, de cima para baixo, é o modelo de magreza que caracteriza uma sociedade de abundância, que considera a gordura ruim e a obesidade vulgar. Segundo Ariovaldo Franco 11 muitas dietas de emagrecimento têm nítidas conotações morais e são geradoras de sentimento de transgressão. A estética magra é imposta pela mídia, intimando as pessoas a se adaptarem adotando dietas e exercícios aeróbicos. O corpo dito ideal, bonito, saudável, segundo P. Bourdieu 12, é uma imposição que tem a forma sutil de uma luta de classes. Ao se acatar tal imposição de um modelo, este irá mais tarde formar um arquétipo, que segundo C. Jung, é possuidor de imenso significado emocional acatado pelo inconsciente coletivo 13. A lipofobia é a ilustração do estilo de vida contemporânea que gera a obesidade e em contrapartida a condena. O conceito de transgressor imposto ao obeso é discriminatório e culpabilizante, gerando uma obsessão em ser magro. No Brasil, mais especificamente na região sul, e particularmente no Paraná, com a promoção de Curitiba à Capital de Primeiro Mundo, na década de 1990, devida a repercussão de projetos que preservavam a ecologia, a população foi grandemente influenciada e levada a adotar o estilo de vida plausível a alcunha de primeiro mundo. O 8 A geração dos entrevistados compõe duas ou três gerações anteriores à geração que hoje se encontra no Ensino Fundamental. 9 Hatfield, E. & Sprecher, S., Weighty Issues in Mirror, Mirror The importance of looks in everyday life. State University of New York Press, Albany Op. cit. Flandrin, J-L Op. cit. Franco, A Op. cit, Prost, A. e Vincent, G Storr, A. As idéias de Jung. Cultrix, São Paulo, 1973.

4 conceito de qualidade de vida mudou, se aperfeiçoou e ficou mais exigente. Assim, se o hábito alimentar do paranaense era grandemente influenciado pela culinária do imigrante há mais de 100 anos, nos anos 1990 a influência do american way of life 14 veio para ficar e mudar. A criança do tipo bebê Johnson, gordinha e rosada perde o status de beleza saudável, para ganhar o de não saudável e remeter à idéia de que a obesidade na primeira infância pode levar à obesidade na fase adulta. METODOLOGIA DE PESQUISA As fontes orais utilizadas nesta pesquisa têm o objetivo de resgatar os significados culturais que permeiam as práticas alimentares, (principalmente, mas também os hábitos saudáveis de vida) buscando reconstruir o passado através da memória 15. As práticas da vida cotidiana são atualmente consideradas por alguns historiadores como a única história verdadeira, o centro a que tudo o mais deve ser relacionado 16. Le Goff, em seu História e Memória, coloca que a memória é um elemento essencial do que se costuma chamar identidade individual ou coletiva 17. Também Thompson defende a utilização da fonte oral em conjunto com fontes tradicionais para a pesquisa, com bons resultados, pois a história oral não é apenas sobre eventos, ou estruturas, ou padrões de comportamentos, mas também como eles são vivenciados e lembrados na imaginação 18. Quanto à perspectiva da alimentação na escola, Peter MacLaren 19 comenta sobre a importância em se analisar o cotidiano escolar e as identidades culturais no contexto escolar (e aqui, especificamente o fator alimento-cultura), para melhor entendimento do processo ensino-aprendizagem. A coleta dos dados se deu através da realização de 10 entrevistas com idosos, 3 homens e 7 mulheres, com idades entre 65 e 97 anos. Todos estudaram em escolas públicas, da cidade de Ponta Grossa ou área rural próxima, sendo que três freqüentaram escola de língua polonesa dirigida por irmãs religiosas, porém de ensino gratuito. A seleção do grupo de amostragem se deu pelo conhecimento prévio do autor com alguns dos sujeitos, que 14 [modo de vida americano]. N. do autor. 15 Demeterco, S.M.S. e Santos, C.R.A. "Doces Lembranças - cadernos de receitas e comensalidade". Dissertação de Mestrado, UFPR, p Burke, Peter. A escrita da História IN Op. cit. Demeterco e Santos, 1998, p Le Goff, J. Memória e História, Ed. Unicamp. Campinas, Thompson, P. A voz do Passado.(Op. cit. Demeterco e Santos, UFPR, 1998) 19 Sobre o conceito de Hegemonia: McLAREN, P.L. A vida nas escolas: uma introdução à pedagogia crítica nos fundamentos da educação. Porto Alegre: Artmed, 2002.

5 concordaram em colaborar com a pesquisa. A amostragem se completou com indicações dos 4 primeiros sujeitos entrevistados. O questionário constava de 10 perguntas 20 abertas que buscavam diretamente traçar um perfil da vida das crianças em idade escolar na primeira metade do século XX. As 4 primeiras perguntas eram de identificação do entrevistado: nome, data e local de nascimento; descendência étnica; nome da escola que freqüentou; e idade de ingresso no sistema escolar. O fato de descendência étnica constar no rol de perguntas se deve à influência da culinária do imigrante nos hábitos alimentares do sul do Brasil. As entrevistas foram marcadas com antecedência e realizadas somente com prancheta, papel e lápis. O gravador cassete não foi utilizado, pois na primeira entrevista, houve resistência à gravação das respostas, o que veio alertar para a possibilidade do gravador cassete intimidar os sujeitos. Os entrevistados se limitaram a responder oralmente às perguntas, que eram anotadas na folha de respostas. O roteiro das perguntas foi elaborado seguindo a temática da investigação, isto é, priorizando a investigação dos hábitos alimentares tanto domésticos quanto no ambiente escolar, porém sem deixar de lado os hábitos saudáveis de vida que incluíam os momentos de lazer, os hábitos de higiene, e também a presença ou não de uma educação para a vida 21. Na quinta pergunta foi unânime a resposta negativa quanto à presença da merenda escolar. Dois dos entrevistados, inclusive citaram que não havia nem cozinha na escola, e um deles que não havia nem água para beber. Quanto ao que levavam de casa, o pão foi o alimento presente em 9 dos 10 relatos, e que variava somente no acompanhamento (banana, mel, banha ou salsichão). O alimento menos citado para merenda foi polenta frita (1). Na sexta pergunta, os alimentos que mais aparecem na dieta alimentar do cotidiano doméstico são: feijão (10), arroz (10), pão (10), café (10), carne de frango (10), polenta (10), verduras da horta (10), banana (10), frutas do pomar (9), carne de porco (9), banha de 20 5) Como era a alimentação na escola? Havia merenda? O que levava de casa para comer? 6) Como era a alimentação em casa? 7) Qual era a ocorrência de obesidade na infância nesta época? 8) Havia algum tipo de educação alimentar no programa das disciplinas escolares? 9) Fale sobre o dia-a-dia das crianças fora da escola? O que faziam? Brincavam? 10) Quanto aos cuidados com o corpo, higiene e hábitos saudáveis de vida, existia alguma disciplina na escola que cuidasse de tais assuntos? 21 i.e. produzir uma nova base para o diálogo entre políticas a metas educacionais (...) para que reflitam julgamentos sobre habilidades relevantes para a vida adulta. IN OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), Conhecimentos e Atitudes para a Vida: Resultados do PISA a. Ed. São Paulo: Moderna, p. 3

6 porco (9), macarrão caseiro (8), ovos (7), carne de caça (7), peixe pescado de rio (4), carne de boi (3), leite de chácara (3). Os alimentos menos citados foram: salsichão (2), bolo (2), cucas (2), pão doce (1). Quanto a guloseimas, a prevalência foi de balas e pirulitos (8), cocada (5), pé-de-moleque (4). A guloseima menos citada foi torrão de amendoim (1). Todos relataram a larga utilização da técnica de fritura em banha de porco, tanto para alimentos salgados, quanto para massas doces. Todos foram unânimes em considerar a prevalência na dieta dos carboidratos, tanto simples (farinhas refinadas e amidos), quanto os complexos (centeio e trigo sarraceno - muito utilizado pelos imigrantes poloneses). Na sétima pergunta, 8 dos 10 entrevistados relatam não haver índice significativo de obesidade entre alunos de escolas públicas na época em questão. A prevalência ficou entre 5% e 10%. Somente 2 entrevistados relataram que o índice devia se aproximar de 20% das crianças. Dado interessante: ambos são descendentes de famílias germânicas, caracterizadas principalmente pela mesa farta em açúcares e gorduras. Seis dos entrevistados ainda complementaram a pergunta ao relatar que na época em questão a obesidade não se constituía um problema, tanto que era considerada bonita a criança mais gordinha. As crianças e os adolescentes magros demais ainda que não discriminados eram tidos como os que não comiam bem. Na oitava pergunta todos os entrevistados foram unânimes em afirmar que não havia qualquer espécie de educação alimentar no programa de disciplinas escolares. Tal fato se deve, segundo 6 dos entrevistados, a que este assunto era tratado em casa, pois a mulher era desde cedo educada para cozinhar. Dois ainda afirmaram que não havia necessidade de tal educação, visto que todo o alimento era consumido sem exageros. Na nona pergunta, todos foram unânimes em relatar que as brincadeiras eram todas de exercícios físicos por princípio: correr, pular corda, subir em árvores, jogar bola, andar de bicicleta, pular amarelinha. Além disso, o tempo restante, fora da escola era preenchido com pequenos trabalhos (8) como cuidar de animais de pequeno porte, varrer o quintal, juntar lenha. Porém 6 dos entrevistados relatam trabalhos de maior responsabilidade: atender fregueses no balcão (1), entregar encomendas (3), vender verduras e hortaliças de porta em porta (2). Novamente todos foram unânimes em afirmar que toda a atividade, desde passeios, idas à missa, pescaria, caça, idas à escola, tudo enfim era feito a pé. Muito pouca gente possuía carro puxado a cavalo ou automóvel, e mesmo que possuísse, não se

7 despendia tempo para levar uma criança onde ela precisasse ir. Todos iam sozinhos à escola ou simplesmente acompanhados dos outros colegas, a partir do 1º ano do ensino primário. Na décima e última pergunta, somente 2 dos entrevistados acreditavam existir uma disciplina que cuidasse do asseio e da higiene corporal, inclusive tais relatos pertencem aos dois sujeitos mais jovens do grupo, ambos com 65 anos. Porém todos os 10 são unânimes ao confirmar a presença da revista semanal. Esse procedimento, apesar de não estar ligado a nenhuma disciplina em particular, era realizado pela professora na maioria das vezes, e constava de exame apurado de mãos, unhas, cabelo, orelhas, nariz. A criança que apresentasse qualquer problema levava um bilhete de advertência aos pais (o mais comum, segundo 8 dos entrevistados, era a infestação por piolhos). Um dos entrevistados relata que havia alguns dias em que o fiscal da porta de entrada da escola não permitia admissão de crianças com mãos sujas. Outra entrevistada relata que esta inspeção semanal era o máximo que se exigia das crianças na época. Segundo ela, não havia esta preocupação intensa com o vestuário como ocorre atualmente (por vezes usava-se a mesma roupa durante a semana toda). Os banhos de corpo inteiro comumente eram somente aos sábados. Diariamente se usava lavar apenas pés, mãos e rosto. Ao serem questionados sobre hábitos saudáveis de vida, todos os 10 entrevistados são unânimes em afirmar que na época só se consumiam alimentos naturais, sem agrotóxicos, carnes na maioria caseiras, leite de chácara. Afora este fator nutricional, 6 dos entrevistados consideram que, pelo fato de ainda não existirem a televisão e o computador, as pessoas procuravam por outras atividades, principalmente ao ar livre, passeios, visitas. Como já mencionado todos andavam a pé e isso contribuía para que tudo o que era comido, fosse gasto (sic). ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS DADOS DE PESQUISA A abordagem do tema através da técnica da história oral fornece elementos inúmeros para interpretação, sendo um deles a dificuldade em falar de si mesmo. Pollack explica esse detalhe do depoimento pelo fato de que contar a própria vida nada tem de natural. 22 Neste caso em particular, os depoimentos tiveram um estilo temático 23, pois não 22 (...) Uma pessoa a quem nunca ninguém perguntou quem ela é, de repente ser solicitada a relatar como foi sua vida, tem muita dificuldade para entender esse súbito interesse. Op. cit. Pollack, M p Op. cit. Pollack, M p. 213

8 se ligavam muito à questão cronológica, fazendo um caminho de idas e vindas entre a própria infância, a infância dos pais em outro país, a infância dos filhos e a vida das crianças de hoje. Os casos em que houve respostas unânimes delimitam de certa forma o conceito de Halbwachs sobre memória coletiva socialmente construída 24. Ainda citando Demeterco e Santos 25, o uso da história oral vem complementar os métodos tradicionais da investigação histórica, e tem impacto transformador no estudo da história da vida cotidiana. Os hábitos alimentares e os hábitos saudáveis de vida são, através do depoimento oral, resgatados e levam à construção de um perfil do fator alimentação x cultura no início do século XX. É interessante notar que a escolha por sujeitos de pesquisa que tivessem freqüentado escolas públicas se deu casualmente, pois somente os 4 primeiros depoimentos eram de ex-alunos do ensino público. Optou-se então, pela conclusão da amostragem neste âmbito. Desta maneira pôde-se formar o perfil da população infantil da classe média baixa, se for levado em consideração o fator econônico-social da época, no qual somente as elites freqüentavam escolas particulares. Vera Cleser, autora de O lar doméstico, manual de condutas e de economia doméstica do início do século, discute já a preocupação com a alimentação saudável e o reaproveitamento dos alimentos. No que tange ao cuidado com a alimentação dos pequenos fornece sugestões para o cardápio infantil 26, indicando vegetais, pão e leite, em detrimento da carne para o desjejum e para a ceia das crianças. Quanto ao asseio e hábitos de higiene, esta autora em 1906, apregoava que se pode avaliar o gráo de civilisação de uma família pela quantidade de sabão que ella gasta 27. Além disso, aborda os cuidados com outras partes do corpo: dentes, cabelo, mãos, unhas, olhos, postura, etc. Este dado vem confirmar, de certa forma, a unanimidade das entrevistas quando citam a revista semanal feita na escola. A ausência de uma educação alimentar é outro ponto de concordância entre todos os relatos, e se deve principalmente pelo fato de que a alimentação tem um estreita relação com o feminino, e a formação da mulher era, via de regra, no lar. Segundo Demeterco e Santos: 24 Burke, Peter. O mundo como teatro. IN Op. cit. Demeterco e Santos, p Op. cit Cleser, Vera. O lar domestico: conselhos para a boa direcção de uma casa. 3 a. edição. Rio de janeiro: Dembert & C., p Op. cit. Cleser, V., p

9 Esse saber eminentemente feminino, fruto da experimentação e da prática constantes, era valorizado como fator distintivo entre mulheres e fundamental para sua realização enquanto esposa/mãe/dona-de-casa exemplar, de acordo com os padrões ditados pela ideologia que pregava a permanência da mulher no ambiente doméstico 28 Quanto aos momentos fora da escola, é importante ressaltar que nas questões lazer e atividades domésticas de responsabilidade da criança, se nota certa dose de autonomia. Há também o fato de que todos os percursos na cidade eram feitos a pé, além é claro, da intensa atividade física no brincar. Ao concluir a pesquisa os dados apontam para a confirmação de que há 60 anos crianças em idade escolar possuíam outros parâmetros de valores em relação à vida saudável, não por opção, mas pela estrutura social na qual se inseriam. A questão obesidade, se presente, era em muito menor número do que atualmente, não se constituindo como problema de saúde pública, tal qual acontece hoje. Estima-se que dos aproximados 6 bilhões de pessoas no mundo, 1,7 bilhões estão acima do peso 29. O sedentarismo não existia, ou se existia, certamente não era como na proporção atual. Os perfis de magreza e obesidade eram tratados menos categoricamente do que o são hoje, pois os padrões estéticos eram menos rígidos. É a partir dos anos de 1980, principalmente no sul da Califórnia, Estados Unidos 30, que surge uma grande onda de culto ao corpo, com novos tipos de dietas e exercícios aeróbicos. Homens, mulheres, crianças, adolescentes, ninguém quer ser gordo. Comer passou a ser crime, e o pecado da gula parece ser, dos sete pecados, o único capital 31. Para acatar-se a imagem imposta como ideal, ou seja, magra, bonita e saudável, o homem do século 21 aboliu o açúcar, o amido e a gordura. Esta é a tríade criminosa inimiga nº 1 da geração-saúde, responsável pelo diabetes, doenças cardiovasculares, hipertensão, cárie dentária, altos níveis de colesterol. Triglicérides, HDL, LDL são termos técnicos presentes em conversas casuais à mesa, ou na cozinha, ou no supermercado. O crítico da 28 Op. cit. Demeterco e Santos, p C. Segatto e P. Pereira, Obesidade Zero in Revista Época, nº 275. Ed. Globo. 30 Prost, A. e Vincent, G. (org.) O corpo e o enigma sexual in A história da vida privada, vol. 5 São Paulo, 1992, p Vítimas da Fome IN WEINBERG, Cybelle (org.). Geração Delivery". Rio de Janeiro: Sá Editora, p. 149.

10 revista Vogue, Jeffrey Steingarten 32 comenta que de acordo com pesquisa recentes, os consumidores americanos se mostram mais preocupados com o açúcar que com qualquer outra coisa em suas dietas, excetuando-se o colesterol. O gráfico de análise nutricional é obrigatório em todas as embalagens de alimentos e, se há 30 anos o consumidor passava pela prateleira apenas conferindo preços, hoje ele pode conhecer a análise química completa do que vai levar para casa. Chega-se assim forma de neocanibalismo que aflora como pensamento dominante: o alimento passa da condição de mantenedor para a de modificador do organismo. Citando Franco 33 : o liame entre alimentação e saúde não é novo. A novidade é a fonte de onde provém essa informação e os seus termos. Até os anos 1960, eram sobretudo os usos sociais que condicionavam a maneira de comer. A indústria alimentícia tem sabido explorar a moda da esbeltez, lançando produtos com aura de leveza,(...) que são apresentados como solução para os que desejam ser delgados, sem privações. Tais direcionamentos levam a reflexões sobre a trajetória do hábito alimentar no século XX, de como chegou a ser considerado um problema, de como a dietética frente ao processo de macdonaldização 34 se viu incapaz quase de atuar, e de como, nos últimos 20 anos, principalmente, o homem contemporâneo se identificou com a máxima dize-me o que comes, e te direi quem és. (Brillat-Savarin) 35 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CLESER, Vera. O lar domestico: conselhos para a boa direcção de uma casa. 3 a. edição. Rio de janeiro: Laemmert & Cia. Editores, p DAMASCENO, Athos. Breve Notícia e Ligeiras Considerações acerca da Arte Doceira do Rio Grande do Sul. Rio de Janeiro: Globo, p.100. DEMETERCO, S.M.S. e Santos, C.R.A. "Doces Lembranças - cadernos de receitas e comensalidade". Dissertação de Mestrado, UFPR, FIGUEIREDO, G. A culinária brasileira. Editora Globo. São Paulo, Steingarten, J., O homem que comeu de tudo feitos gastronômicos do crítico da Vogue. Companhia das Letras, São Paulo, Op. cit. A. Franco, Flandrin, J-L. e Montanari, M. História da Alimentação. São Paulo: Estação Liberdade, Figueiredo, G. A culinária brasileira. Editora Globo. São Paulo, 1983.

11 FLANDRIN, J.-L. e MONTANARI, M., HISTÓRIA DA ALIMENTAÇÃO. São Paulo: Ed. Estação Liberdade, FRANCO, Ariovaldo. DE CAÇADOR A GOURMET Uma história da gastronomia. São Paulo ª edição. HATFIELD, E. & SPRECHER, S., Weighty Issues in Mirror, Mirror The importance of looks in everyday life. State University of New York Press, Albany McLAREN, P.L. A vida nas escolas: uma introdução à pedagogia crítica nos fundamentos da educação. Porto Alegre: Artmed, OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), Conhecimentos e Atitudes para a Vida: Resultados do PISA a. Ed. São Paulo: Moderna, p. 24. POLLACK, M. Memória e Identidade Social. IN Estudos Históricos. Rio de Janeiro: Cpdoc/FGV, vol. nº 10, p PROST, Antoine. Fronteiras e Espaço do Privado: A família e o indivíduo IN PROST, A.& VICENT, G. (orgs), A História da Vida Privada V: da Primeira Guerra aos nossos dias. São Paulo: Companhia das Letras, p. 94. PROST, A. e VINCENT, G. O corpo e o enigma sexual. In HISTÓRIA DA VIDA PRIVADA, V. São Paulo: Companhia das Letras, P STORR, A. As idéias de Jung. Cultrix, São Paulo, SEGATTO, C & PEREIRA, P., "Obesidade Zero in Revista Época, nº 275. Ed. Globo. STEINGARTEN, J., O homem que comeu de tudo feitos gastronômicos do crítico da Vogue. Companhia das Letras, São Paulo, WEINBERG, Cybelle (org.). "Vítimas da Fome" IN "Geração Delivery". Rio de Janeiro: Sá Editora, p. 149.

Comida, Corpo, Comportamento, Cultura: Obesidade Infantil, Ensino de Ciências e a Educação Alimentar na Escola.

Comida, Corpo, Comportamento, Cultura: Obesidade Infantil, Ensino de Ciências e a Educação Alimentar na Escola. Comida, Corpo, Comportamento, Cultura: Obesidade Infantil, Ensino de Ciências e a Educação Alimentar na Escola. Maurício Wisniewski e Ademir José Rosso. Universidade Estadual de Ponta Grossa/ PR. Alimentação

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

CLÍNICA UPTIME TRATAMENTO DA DOR E PROBLEMAS EMOCIONAIS OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO. (segunda parte) A ESCOLHA

CLÍNICA UPTIME TRATAMENTO DA DOR E PROBLEMAS EMOCIONAIS OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO. (segunda parte) A ESCOLHA OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO (segunda parte) A ESCOLHA Responda à seguinte pergunta: Você gosta de carro? Se você gosta, vamos em frente. Escolha o carro de seus sonhos: Mercedes,

Leia mais

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Projeto Novos Talentos Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Oficina: Comer bem, para viver melhor! Cristiane da Cunha Alves Tatiane Garcez Bianca Maria de Lima Danielle Costa INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA

Leia mais

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A promoção da alimentação saudável é uma diretriz da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e uma das prioridades para a segurança alimentar e nutricional

Leia mais

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Quantitativa Consumo de Frutas e Hortaliças Elaborado por CONNECTION RESEARCH Maio 2011 2 Objetivos da pesquisa. Estudar os hábitos alimentares da população

Leia mais

Dicas Para Emagrecer com Saúde

Dicas Para Emagrecer com Saúde 2011 www.blog.vivaplenamente.com Página 1 DIREITOS DE DISTRIBUIÇÃO Você pode distribuir este e-book livremente, assim como presenteá-lo a través do seu site ou blog aos seus visitantes e clientes. A única

Leia mais

ALIMENTAR NO CONTEXTO ESCOLAR SCHOOL. Maurício Wisniewski 1 Ademir José Rosso 2

ALIMENTAR NO CONTEXTO ESCOLAR SCHOOL. Maurício Wisniewski 1 Ademir José Rosso 2 O ENSINO DE CIÊNCIAS CHEGA À MESA: PERSPECTIVAS PARA A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR NO CONTEXTO ESCOLAR SCIENCE TEACHING COMES TO TABLE: FEEDING EDUCATION PROSPECTS INSIDE SCHOOL Maurício Wisniewski 1 Ademir José

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

Palavras-chave Pirâmide alimentar, reeducação alimentar, alimentação saudável, obesidade, digestão.

Palavras-chave Pirâmide alimentar, reeducação alimentar, alimentação saudável, obesidade, digestão. Geração Saúde II Episódio 7 Em paz com a balança Resumo Isadora se prepara para um trabalho escolar sobre hábitos alimentares. Neste trabalho aprenderá mais sobre os grupos de alimentos. Enquanto isso

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ponte Alta Processo Seletivo Edital 001/2014 Monitor Desportivo

Prefeitura Municipal de Ponte Alta Processo Seletivo Edital 001/2014 Monitor Desportivo 1 CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Em seu Artigo 1º, a Lei Orgânica da Assistência Social LOAS, explica que a assistência social é: a. Uma política de seguridade social que provê os mínimos sociais

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material.

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. O surgimento das Charqueadas e sua importância econômica Ogadofoiabasedaeconomiagaúchaduranteumlongoperíododahistória do Rio

Leia mais

S I 1º E 2º ANO DO ENSINO BÁSICO

S I 1º E 2º ANO DO ENSINO BÁSICO S I 1º E 2º ANO DO Tema 1 E tu, conheces os alimentos? S I Objetivos: Após o desenvolvimento das atividades propostas para o Tema 1, as crianças deverão adquirir conhecimentos sobre: Os alimentos e os

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE União Metropolitana de Educação e Cultura Faculdade: Curso: NUTRIÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE Disciplina: INTRODUÇÃO A NUTRIÇÃO Carga horária: Teórica 40 Prática 40 Semestre: 1 Turno:

Leia mais

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL?

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? O Ministério da Saúde está lançando a versão de bolso do Guia Alimentar para a População Brasileira, em formato de Dez Passos para uma Alimentação Saudável, com o objetivo

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS

INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS Kelly Karina Cardoso (kkimica@hotmail.com) Eniz Conceição de Oliveira (eniz@univates.br) Marlise

Leia mais

Ficha 01 ALIMENTA ÇÃO. O dia é feito de hábitos QUERES MELHORAR? QUERES MELHORAR? Tema 3

Ficha 01 ALIMENTA ÇÃO. O dia é feito de hábitos QUERES MELHORAR? QUERES MELHORAR? Tema 3 Ficha 01 O dia é feito de hábitos :: Analisa o teu dia e os momentos em que te cruzas com alimentos. Quais são os teus hábitos? O que concluis? Lê as pistas para melhorares o teu desempenho. 7h30m Pequeno-almoço

Leia mais

Dicas para uma alimentação saudável

Dicas para uma alimentação saudável Dicas para uma alimentação saudável NECESSIDADE FISIOLÓGICA ATO DE COMER SOCIABILIZAÇÃO Comida Japonesa PRAZER CULTURAL Alimentação aliada à saúde Hábitos alimentares pouco saudáveis desde a infância,

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

6. o ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF. FRANCISCA AGUIAR PROF. SUZY PINTO

6. o ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF. FRANCISCA AGUIAR PROF. SUZY PINTO 6. o ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF. FRANCISCA AGUIAR PROF. SUZY PINTO CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tecnologia: Corpo, movimento e linguagem na era da informação Aula

Leia mais

EXPLORANDO O MUNDO COM OS SENTIDOS RESUMO INTRODUÇÃO

EXPLORANDO O MUNDO COM OS SENTIDOS RESUMO INTRODUÇÃO EXPLORANDO O MUNDO COM OS SENTIDOS RESUMO Andrea Cristina Lombardo Debora Cristina Millan Maria Conceição Olimpio de Almeida deboramillan@yahoo.com.br Ouvir o barulho da chuva, saborear os alimentos, cheirar

Leia mais

PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB.

PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB. 1 PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB. ¹Thatiany de Sousa Pereira; ¹ Sebastião Ângelo da Silva; ¹Adeilma Fernandes de Sousa

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Hábitos saudáveis na creche

Hábitos saudáveis na creche 11 Hábitos saudáveis na creche Elvira Bezerra Pessoa: elvirabe@gmail.com Patrícia Edióne da Silva Graduada edionne.jp@hotmail.com Adeilson Paulino de Barros UEPB 1.INTRODUÇÃO No Brasil o atendimento á

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONCEITOS NUTRICIONAIS EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AVALIAÇÃO DE CONCEITOS NUTRICIONAIS EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL AVALIAÇÃO DE CONCEITOS NUTRICIONAIS EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL GEORG, Raphaela de Castro; MAIA, Polyana Vieira. Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Goiás rcgeorg@gmail.com Palavras

Leia mais

Projeto Tempero de Mãe

Projeto Tempero de Mãe Projeto Tempero de Mãe Secretaria Municipal de Educação 1 Introdução A nutrição da população brasileira está cada vez mais afetada de más influências que vão da ignorância de uns até a superstição de outros,

Leia mais

Natural versus Artificial

Natural versus Artificial Natural versus Artificial A percepção dos nossos leitores/ seus consumidores Lúcia Helena de Oliveira diretora de redação Para 91% do nosso público (cerca de 900 mil leitores) a principal aspiração, em

Leia mais

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR JUSTIFICATIVA Uma vez que a sobrevivência da sociedade dependerá da alfabetização cultural, social e ecológica e, sendo a Terra nossa casa maior,

Leia mais

Conheça o lado bom e o lado ruim desse assunto. Colesterol

Conheça o lado bom e o lado ruim desse assunto. Colesterol Conheça o lado bom e o lado ruim desse assunto. Colesterol COLESTEROL O nome colesterol vem do grego e significa cálculo biliar. Ele foi batizado pelo químico francês Michel Eugene Chevreul, em 1815.

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

Guia Alimentar para a População Brasileira

Guia Alimentar para a População Brasileira Guia Alimentar para a População Brasileira Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Departamento de Atenção Básica Secretaria de Atenção à Saúde Ministério da Saúde Revisão do Guia Alimentar para a

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

Educação alimentar e nutricional

Educação alimentar e nutricional Educação alimentar e nutricional Disciplinas envolvidas: Matemática, Português, Sociologia, Educação Física, História e Arte. Justificativa: A Educação Alimentar e Nutricional é um campo de conhecimento

Leia mais

Alimentação na Antiguidade Clássica Greco-Romana

Alimentação na Antiguidade Clássica Greco-Romana Problematização Alimentação na Antiguidade Clássica Greco-Romana O que distingue a civilização da barbárie, o homem civilizado do bárbaro e do selvagem? Ementa de um Banquete Romano Aperitivos Tetas de

Leia mais

Congregação das Filhas do Amor Divino

Congregação das Filhas do Amor Divino Congregação das Filhas do Amor Divino EXERCÍCIO FÍSICO E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Em se tratando dos conhecimentos necessários para a prática de exercícios e/ou atividades físicas, a alimentação deve ser considerada

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2

UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2 UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia de Souza acadêmica 3º ano Pedagogia UNICENTRO 1 Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2 RESUMO: Este artigo dialogou com

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP

10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP 10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP Políticas e Ambiente Escolar Padronização dos ambientes físicos de todas as escolas, procurando proporcionar espaços saudáveis

Leia mais

Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil

Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil Introdução e objetivo Para avaliar o grau de aderência do consumidor brasileiro às tendências internacionais, a Fiesp encomendou

Leia mais

COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES

COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES Muitas pessoas já ouviram falar deles. Algumas podem até imagine que colesterol e triglicérides sejam sinônimos de doença. Para desfazer a imagem de vilões que essas duas substâncias

Leia mais

Senhor Presidente, Sras. e Srs. Deputados,

Senhor Presidente, Sras. e Srs. Deputados, Senhor Presidente, Sras. e Srs. Deputados, Ocupamos hoje esta tribuna para abordar um tema de grande importância para a infância brasileira. A Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) divulgou, recentemente,

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde?

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? DICAS DE SAÚDE 2 Promova a sua saúde. Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? Veja o gráfico : 53% ao estilo de vida 17% a fatores hereditários 20% a condições ambientais 10% à assistência médica

Leia mais

Alimentação Saudável. 2008 Teresa Bilhastre - CSCR

Alimentação Saudável. 2008 Teresa Bilhastre - CSCR Ministério da Saúde O Programa de Saúde Escolar insere-se no Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Pretende: Reforçar as acções de promoção da saúde e prevenção da doença em ambiente escolar. Ministério da

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

REDE DE EDUCAÇÃO SMIC COLÉGIO SANTA CLARA SANTARÉM-PARÁ ENSINO FUNDAMENTAL I PROJETOS PARA FEIRA DO CONHECIMENTO 2014

REDE DE EDUCAÇÃO SMIC COLÉGIO SANTA CLARA SANTARÉM-PARÁ ENSINO FUNDAMENTAL I PROJETOS PARA FEIRA DO CONHECIMENTO 2014 Projeto: O MUNDO ENCANTADO DA ARTE - 1º ano A, B, C e D Professoras: Newman Miranda, Girlainy Aragão e Eliziana Monteiro A arte faz parte da vida das crianças como instrumento de leitura do mundo e de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

Biologia. 8 o ano. Caderno 2

Biologia. 8 o ano. Caderno 2 Biologia 8 o ano Caderno 2 Módulos 7 e 8 1 A atividade das enzimas no organismo humano varia em função do grau de acidez do meio. Observe o gráfico e responda: Qual curva representa o local da ação da

Leia mais

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto:

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto: PROJETO ANIMAIS 1. Tema: O mundo dos animais Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração: 01/06

Leia mais

Entendendo a lipodistrofia

Entendendo a lipodistrofia dicas POSITHIVAS Entendendo a lipodistrofia O que é a lipodistrofia? Lipodistrofia é quando o corpo passa a absorver e a distribuir as gorduras de maneira diferente. Diminui a gordura nas pernas, braços,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS ESCOLA DE FORMAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL - EFETI PROJETO SEMESTRAL. EMEF Prof.ª Ignêz Sagula Fossá

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS ESCOLA DE FORMAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL - EFETI PROJETO SEMESTRAL. EMEF Prof.ª Ignêz Sagula Fossá EMEF Prof.ª Ignêz Sagula Fossá NOME DO PROFESSOR: Andréia Roque Vizinho Gonçalves EIXO : M.E.L. ATELIÊ: Brincadeiras de Rua SEMESTRE: Primeiro ANO: 2013 Tema do Projeto: Brincadeiras de Rua Nome do Projeto:

Leia mais

Obesidade Infantil. O que é a obesidade

Obesidade Infantil. O que é a obesidade Obesidade Infantil O que é a obesidade A obesidade é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma doença em que o excesso de gordura corporal acumulada pode atingir graus capazes de afectar

Leia mais

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS À SAÚDE Beatriz da Silveira Pinheiro Beatriz da Silveira Pinheiro Embrapa Estudos e Capacitação Arroz e Feijão Associados, constituem a base da dieta

Leia mais

Associação Sócio-Cultural Idéia Solidária

Associação Sócio-Cultural Idéia Solidária PROJETO COMER BRINCANDO HISTÓRICO: No CEI Vó Xinha desde 2010 vem sendo desenvolvido a cultura do plantio de horta. As crianças que passaram e as que estão no CEI, sempre tiveram a oportunidade de manusear

Leia mais

Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida

Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida SETEMBRO Regresso à escola/adaptação Facilitar a adaptação/readaptação ao jardim de infância Negociar e elaborar a lista de regras de convivência Diálogo sobre

Leia mais

PROJETO: HÁBITOS ALIMENTARES EM NOSSA ESCOLA

PROJETO: HÁBITOS ALIMENTARES EM NOSSA ESCOLA PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ESCOLA CORONEL ARAÚJO CHAVES PROJETO: HÁBITOS ALIMENTARES EM NOSSA ESCOLA Prof. Francisco Junielison Correia Lopes (Educação Física) Colaboração: Prof. Gleidson Mendes Melo

Leia mais

QFase REVISTA TJ 11. Tiago Elias Junior. Volume 02 julho/2014 Ano 1 Bebedouro SP. Redator chefe. Experiências. Bebe da Semana. Obesidade infantil

QFase REVISTA TJ 11. Tiago Elias Junior. Volume 02 julho/2014 Ano 1 Bebedouro SP. Redator chefe. Experiências. Bebe da Semana. Obesidade infantil Marca registrada Volume 02 julho/2014 no 1 Bebedouro SP QFase REVIST Obesidade infantil Por : Dr. Tiago Elias Diferença da criança gordinha da criança obesa Bebe da Semana O Bebê da semana do facebook

Leia mais

CLÍNICA UPTIME TRATAMENTO DA DOR E PROBLEMAS EMOCIONAIS OBESIDADE: ASSUMINDO A RESPONSABILIDADE

CLÍNICA UPTIME TRATAMENTO DA DOR E PROBLEMAS EMOCIONAIS OBESIDADE: ASSUMINDO A RESPONSABILIDADE OBESIDADE: ASSUMINDO A RESPONSABILIDADE Emagrecer é seu desafio, por isso termine essa luta com uma vitória pessoal: assuma a responsabilidade pessoal de cuidar de você no que for necessário e de perseguir

Leia mais

Dieta. Lanche da manhã. Almoço. Café da manha:

Dieta. Lanche da manhã. Almoço. Café da manha: Café da manha: Dieta opção 1 1 xíc. (chá) de café com leite desnatado 1 pão francês sem miolo na chapa com 1 col. (sopa) rasa de margarina ou 1 fatia de queijo fresco ½ xíc. (chá) de cereal 1 xíc. (chá)

Leia mais

E L R O R B ETSE SO L O R C FALAS O VAM

E L R O R B ETSE SO L O R C FALAS O VAM SOBRE COLESTEROL VAMOS FALAR COLESTEROL O nome colesterol vem do grego e significa cálculo biliar. Ele foi batizado pelo químico francês Michel Eugene Chevreul, em 1815. Presente nas gorduras animais,

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É...4 PREVENÇÃO...5 DIAGNÓSTICO...6 TRATAMENTO...7 ORIENTAÇÕES...8 ALIMENTAÇÃO CORRETA...9 OUTRAS DICAS...12 ATIVIDADE FÍSICA...

SUMÁRIO O QUE É...4 PREVENÇÃO...5 DIAGNÓSTICO...6 TRATAMENTO...7 ORIENTAÇÕES...8 ALIMENTAÇÃO CORRETA...9 OUTRAS DICAS...12 ATIVIDADE FÍSICA... 2 SUMÁRIO O QUE É...4 PREVENÇÃO...5 DIAGNÓSTICO...6 TRATAMENTO...7 ORIENTAÇÕES...8 ALIMENTAÇÃO CORRETA...9 OUTRAS DICAS...12 ATIVIDADE FÍSICA...14 FIQUE SABENDO...16 3 O QUE É A dislipidemia é o aumento

Leia mais

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência 1. ALIMENTE-SE MELHOR Prevê-se que em 2025 1, só na Europa, o grupo etário mais idoso (acima dos 80 anos), passe de 21,4

Leia mais

Ambos os métodos possuem vantagens e desvantagens, por isso deve se analisar cada caso para decidir qual o mais apropriado.

Ambos os métodos possuem vantagens e desvantagens, por isso deve se analisar cada caso para decidir qual o mais apropriado. Módulo 4 Como Organizar a Pesquisa O questionário e a observação são dois métodos básicos de coleta de dados. No questionário os dados são coletados através de perguntas, enquanto que no outro método apenas

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Educação Nutricional. Por quê?

Educação Nutricional. Por quê? Educação Nutricional Por quê? CRIANÇAS COM DOENÇAS DE ADULTOS CAUSAS: * Estilo de Vida = Sedentarismo * Má Alimentação * Hereditariedade CONSEQÜÊNCIAS: * Hipertensão * Diabetes - tipo 2 * Colesterol e

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

UM NOVO ESTILO DE VIDA A

UM NOVO ESTILO DE VIDA A 1 UM NOVO ESTILO DE VIDA A Dieta de South Beach sempre se propôs a ser mais do que uma dieta. Na verdade, ela foi desenvolvida para ajudar meus pacientes diabéticos e cardíacos a emagrecer e a se prevenir

Leia mais

ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO

ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO Lucia B. Jaloretto Barreiro Qualidade de Vida=Saúde=Equilíbrio Qualidade de Vida é mais do que ter uma boa saúde física ou mental. É estar

Leia mais

ATIVIDADES PARA EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL: EDUCAÇÃO BÁSICA E EDUCAÇÃO INFANTIL. Maria Cristina Faber Boog

ATIVIDADES PARA EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL: EDUCAÇÃO BÁSICA E EDUCAÇÃO INFANTIL. Maria Cristina Faber Boog ATIVIDADES PARA EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL: EDUCAÇÃO BÁSICA E EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Cristina Faber Boog Aqui você encontrará um repertório de atividades para educação alimentar e nutricional na

Leia mais

PROJETO RECICLAGEM. 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: 2. Duração: 01 /03 a 31/03

PROJETO RECICLAGEM. 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: 2. Duração: 01 /03 a 31/03 PROJETO RECICLAGEM 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Uma alimentação equilibrada proporciona uma quantidade correcta

Leia mais

Este nível de insulina baixo também o ajuda a controlar a sua fome pois é o nível de insulina que diz ao seu cérebro que está na hora de comer.

Este nível de insulina baixo também o ajuda a controlar a sua fome pois é o nível de insulina que diz ao seu cérebro que está na hora de comer. A dieta da Toranja já vem sendo discutida por algum tempo, mas não se sabia ao certo porque a Toranja possui tantas capacidades para a perda de gordura e mesmo os cientistas se dividem sobre esse assunto.

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

1 Por que tomar café da manhã?

1 Por que tomar café da manhã? A U A UL LA Por que tomar café da manhã? Exercícios Acordar, lavar o rosto, escovar os dentes, trocar de roupa e... tomar o café da manhã. É assim que muitas pessoas começam o dia, antes de ir trabalhar.

Leia mais

JORNAL ESTAÇÃO FELICIDADE

JORNAL ESTAÇÃO FELICIDADE CAMPANHA DA FRATERNIDADE SAÚDE PÚBLICA Quem és, deixa marca! CRIANÇA SAUDÁVEL É CRIANÇA FELIZ! BRINCAR É SAUDÁVEL E APRENDE-SE MUITO HIGIENE CORPORAL SEMANA PASSIONISTA - BRINCADEIRAS INFANTIS A importância

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DE PERNAMBUCO. Faculdade Senac PE FACULDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE 2015.

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DE PERNAMBUCO. Faculdade Senac PE FACULDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE 2015. SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DE PERNAMBUCO Faculdade Senac PE FACULDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE 2015.1 O Sistema FECOMÉRCIO, através da Faculdade SENAC, realizará a

Leia mais

PROFISSÕES URBANAS E TRAJETÓRIAS DE TRABALHO: TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM GOIÂNIA E ANÁPOLIS

PROFISSÕES URBANAS E TRAJETÓRIAS DE TRABALHO: TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM GOIÂNIA E ANÁPOLIS PROFISSÕES URBANAS E TRAJETÓRIAS DE TRABALHO: TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM GOIÂNIA E ANÁPOLIS Allyne Chaveiro Farinha 1 ; Helen Dhiane Sousa Melo 1 ; Sônia Aparecida Lobo 2 1 Bolsista PBIC/UEG,

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA. INSTRUÇÃO: Responder às questões 21 a 26 com base no texto 1. TEXTO 1

LÍNGUA PORTUGUESA. INSTRUÇÃO: Responder às questões 21 a 26 com base no texto 1. TEXTO 1 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 LÍNGUA PORTUGUESA INSTRUÇÃO: Responder às questões 21 a 26 com

Leia mais

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil Maria Rita Marques de Oliveira 1- MEIO AMBIENTE E PRODUÇÃO DE ALIMENTOS 2- ACESSO AOS ALIMENTOS 3- ALIMENTO SEGURO 4- PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Dor de Barriga. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECIFICO O episódio Dor de barriga faz parte da série Balinha e

Leia mais

Anais do Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão. Volume 8, Número 8. Recife: Faculdade Senac PE, 2014.

Anais do Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão. Volume 8, Número 8. Recife: Faculdade Senac PE, 2014. OBESIDADE INFANTIL: UMA BUSCA POR HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS Bruno Felipe Rothbarth Decker brunofrd@gmail.com Introdução O presente artigo refere-se a um trabalho de campo realizado por alunos do primeiro

Leia mais

CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO

CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a alimentação apresentação Uma boa saúde é, em grande parte, resultado de uma boa alimentação. Há muita verdade no dito

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS 1 A IMPORTÂNCIA DOS PAIS NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ELABORADO POR LUCILEIDE RODRIGUES DOS SANTOS Gerente de Supervisão e Avaliação DAE SEED/SE 2 EQUIPE DAE SEED/SE Edneia Elisabete Cardoso Diretora DAE - SEED/SE

Leia mais

1. O que é gordura trans?

1. O que é gordura trans? GORDURA TRANS 1. O que é gordura trans? É um tipo de gordura produzida industrialmente a partir de um processo químico, a hidrogenação. Usada desde o início do século passado, ela passou a ser consumida

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

QUAL É O SEU NOME? NOME DA SUA ESCOLA: NOME DO PROFESSOR (A):

QUAL É O SEU NOME? NOME DA SUA ESCOLA: NOME DO PROFESSOR (A): QUAL É O SEU NOME? NOME DA SUA ESCOLA: NOME DO PROFESSOR (A): ASSIM COMO VOCÊ, OS ALIMENTOS TAMBÉM TÊM NOME. NO QUADRO ABAIXO, FAÇA UMA REPRESENTAÇÃO COM DESENHOS, COLAGENS OU PINTURAS DOS ALIMENTOS DE

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

Registo Alimentar de 3 dias. Nota: Leia com atenção, e tente cumprir, os parâmetros de utilização.

Registo Alimentar de 3 dias. Nota: Leia com atenção, e tente cumprir, os parâmetros de utilização. Registo Alimentar de 3 dias Nota: Leia com atenção, e tente cumprir, os parâmetros de utilização. Parâmetros de Utilização: É necessário anotar tudo o que foi ingerido durante 3 dias representativos do

Leia mais

Vida bem estar. Menu Semanal e Lista de Compras. Para uma alimentação saudável!

Vida bem estar. Menu Semanal e Lista de Compras. Para uma alimentação saudável! Vida bem estar Menu Semanal e Lista de Compras Para uma alimentação saudável! Vida bem estar Lista de Compras Lista de Compras Frutas Abacate Banana Maçã Tomate Frutas secas Damasco Banana Abacaxi Ameixa

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Secretaria de Saúde do Estado do Tocantins Gerência de Alimentação e Nutrição E-mail: nutricao@saude.to.gov.br (63) 3218 1789 Terezinha Franco Nutricionista ALIMENTAÇÃO

Leia mais

Coração Saudável! melhor dele?

Coração Saudável! melhor dele? As doenças cardiovasculares (DCV s) - incluem as doenças coronarianas e o acidente vascular cerebral (AVC) também conhecido como derrame afetam pessoas de todas as idades, até mesmo mulheres e crianças.

Leia mais