1 Expansão da agropecuária e terras comuns: quatro casos nos cerrados de Minas Gerais 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Expansão da agropecuária e terras comuns: quatro casos nos cerrados de Minas Gerais 1"

Transcrição

1 1 Expansão da agropecuária e terras comuns: quatro casos nos cerrados de Minas Gerais 1 Eduardo Magalhães Ribeiro Economista, professor adjunto da Universidade Federal de Lavras, Minas Gerais, CPF ; pesquisador CNPq; CxPostal 37, , Lavras, MG. Flávia Maria Galizoni Antropóloga, pesquisadora do Núcleo PPJ/Universidade Federal de Lavras, Minas Gerais, CPF ; bolsista CNPq; CxPostal 151, , Lavras, MG. Grupo de pesquisa sugerido: Agricultura Familiar, 7 Forma de apresentação: apresentação em sessão com debatedor 1 Este artigo foi parcialmente financiado com recursos do CNPq (CTHidro, Projeto /03-5, 2003/2006).

2 Expansão da agropecuária e terras comuns: quatro casos nos cerrados de Minas Gerais 2 Resumo A incorporação das terras de cerrado ao processo produtivo modernizado, ocorrida a partir dos anos 1970, promoveu um movimento de ocupação e tomada de terras pertencentes a comunidades rurais que estavam há séculos assentadas nessas áreas. Essas terras foram usadas para plantio de eucalipto ou lavouras anuais por parte de empresas de fora ou por pessoas da própria localidade, mas sempre seu impacto foi significativo sobre os sistemas produtivos e regimes agrários locais. Este artigo analisa quatro casos de ocupação de terras que eram usadas em comum - no Alto Paranaíba, na Sanfranciscana de Januária, no Alto Jequitinhonha e na Mantiqueira ao sul - em Minas Gerais, reunindo notas de pesquisa coletadas desde a década de 1980, de forma a desenhar um quadro comparativo dessas diversas situações. Percebe-se que em cada uma das regiões um mesmo processo básico - a ocupação de terras comuns - provocou efeitos semelhantes mas apresentou desfechos absolutamente diversos. As terras da Mantiqueira serviram para enriquecer uma parte dos lavradores da própria localidade com integração produtiva; as chapadas do Alto Paranaíba passaram a criar algum emprego para os agricultores que as perderam e a proximidade dos sistemas integrados abriram espaços de comercialização para fazendeiros e sitiantes tradicionais; os eucaliptais do Alto Jequitinhonha provocaram uma elevação da pressão de uso sobre as terras baixas de culturas, provocando redução no fundo comunitário de fertilidade; na Sanfranciscana de Januária a falência das empresas e de seus projetos trouxeram as terras de novo ao uso comum. Cada desfecho se associa à maneira como cada região se integrou ao projeto de modernização agrícola dos cerrados; mas houve um forte componente das características e da trajetória local na definição das iniciativas corretivas, dos pendores e fracassos que viabilizaram ou não a sobrevida dos antigos regimes agrários. Palavras-chaves: Minas Gerais, cerrados, agricultura familiar, bens e recursos comuns. Introdução Nos dez anos que medeiam o começo das décadas de 1970 e 1980 ocorreu uma rápida expansão da agropecuária na vasta região dos cerrados situada a oeste, norte e nordeste de Minas Gerais. O crescimento foi animado pelas políticas públicas do período e tinha como propósito suprir com terras baratas e mecanizáveis uma produção que até então havia sido "fácil", porque era baseada nas terras férteis das áreas de mata atlântica a nordeste, sudeste e sul do Brasil. Ocupar terras de cerrado, conforme toda a literatura da época registrou, foi um desafio: exigiu um novo

3 3 patamar produtivo, um vínculo orgânico da produção com a pesquisa agropecuária, um consumo expressivo de insumos e um forte componente de liderança por parte do setor público. Passadas três décadas há um certo consenso técnico que no cerrado ocorreu uma definitiva integração entre agricultura e indústria e que o modelo de expansão - ressalvadas suas externalidades inevitáveis como a profusão de problemas ambientais e culturais - foi um sucesso. Nessa trajetória de crescimento, porém, há um aspecto que sempre insiste em ser lembrado: sobre quais terras ocorreu essa expansão da agropecuária e quais foram as suas consequências? Os cerrados foram cobiçados e explorados pelas características da topografia, os vastos chapadões de gerais bruta que serviu durante séculos à pecuária vasqueira, ao extrativismo vegetal e à caça mais ou menos assistemática. Eram terras de raro emprego produtivo, de preço geralmente muito reduzido, que num período de tempo muito curto foram transformadas em plantações e pastagens. Ocorre, porém, que muitas dessas áreas eram dominadas - quase sempre com base no costume e não legalizadas - por comunidades rurais. Eram áreas de fato ou de direito exploradas em comum que serviam a muitos usos complementares à lavoura e criação, geralmente governadas por normas costumeiras. Na maioria das vezes quando a agropecuária modernizada foi implantada nessas áreas não houve muito cuidado com aquelas cadeias de domínio, que em sua maioria eram realmente muito diluídas, antigas e frágeis, e foi assim que surgiram conflitos que acabaram tendo desfechos muito diferentes: alguns foram encaminhados para a reforma agrária, outros para demandas na justiça, outros para o campo dos direitos de etnias, outros ainda foram negociados em particular. Uma parte da literatura técnica da época registrou esses casos. Alguns deles foram mais gritantes, como as populações indígenas e quilombolas; outros foram mais silenciados como os geraizeiros e barranqueiros que mantinham relações muito esparsas com a sociedade envolvente; de outros, ainda, foi registrada apenas a dor das perdas de terras e recursos que foram sorvidos por fazendas e empresas. Em geral os autores desses registros associaram esse processo aos cercamentos de campos que ocorreram na Inglaterra até o século XIX, os enclosures, e por isso também encontraram o mercado de trabalho na porta que o camponês entrava ao sair do cerrado. Isto efetivamente foi observado em muitos dos casos documentados principalmente nos anos 1970; nos anos 1980 o fim do crescimento econômico, da ditadura e de postos de trabalhos fez com que essa história fosse já outra, e as pressões pela tomada de terras encontraram respostas de comunidades rurais organizadas que enriqueceram a crônica da década com os casos de resistências, assassinatos e por fim com a politização da expansão da agropecuária nos cerrados, um assunto que nos 1970 parecera tão técnico e tão trivial.

4 4 Embora esses desfechos notáveis tenham recebido um destaque merecido na crônica ligeira da imprensa e na reflexão mais apurada das teses acadêmicas, depois de passados já mais de trinta anos é possível perceber que as privatizações ou tomadas de terras apontaram para uma diversidade de situações maior ainda do que era possível supor no calor dos acontecimentos. Em muitas das áreas a expansão perdeu fôlego pela ação da sua própria inércia ou da mudança de políticas públicas, em tantas outras ocorreu uma acomodação por cima via consolidação de um mercado rural de trabalho, e noutras ainda os benefícios da modernização tecnológica se espraiaram além dos seus limites costumeiros abrindo uma inusitada oportunidade de inclusão. Essa diversidade de desfechos é o tema deste artigo. Terras comuns, destinos diversos Este artigo procura sistematizar observações que os autores foram fazendo ao longo de pesquisas realizadas entre 1984 e 2004 sobre populações rurais, em sua maioria agricultores familiares, que em certos momentos de suas trajetórias, com maiores ou menores constrangimentos, se viram de frente com a perda de terras e recursos comuns. O objetivo do artigo é analisar como essas perdas foram absorvidas pelas comunidades rurais e quais circunstâncias ou aspectos influíram para que situações aparentemente tão iguais - a perda das áreas comuns - desembocassem em dinâmicas tão diferentes entre as regiões. Não se procura, portanto, avaliar a dimensão das perdas, e sim compreender como a combinação de elementos fundamentalmente locais moldaram trajetórias absolutamente específicas, embora mediadas pela mesma lógica e estratégias de reprodução. As pesquisas que deram origem ao artigo tiveram, sempre, a população local como temática. O método de levantamento de informações, nos diversos casos, foram as entrevistas exaustivas, as visitas repetidas às unidades de produção, a participação em eventos comunitários, a permanência às vezes prolongada nas casas de famílias ou o acompanhamento por longos anos das organizações regionais. O artigo resulta, portanto, do rescaldo das notas de muitas cadernetas de campo, recompiladas a partir de uma pergunta básica: depois da perda das terras comuns em determinada região qual foi o destino daquela comunidade atingida? As pesquisas que deram base ao artigo foram realizadas nas regiões do Alto Paranaíba, a oeste de Minas Gerais, entre 1984/1985 e 1997/1998; no Norte, alto-médio São Francisco, entre 1986/1988 e 2002; no Jequitinhonha, a nordeste, entre 1992/1993 e 2002/2004; na Mantiqueira, ao sul, em Em todas essas regiões estiveram presentes ações modernizadoras do rural, comunidades de produtores familiares, políticas públicas e terras e recursos comuns. A combinação de elementos aparentemente equivalentes, porém, não implicou em igualdade de situações ou de desfechos. Vale notar que foi necessária uma compreensão ao mesmo tempo mais holística e mais

5 5 local das circunstâncias, porque em cada caso a ação de um fator óbvio, como por exemplo o mercado, foi temperada pela capacidade de recombinação de tantas outras forças que se tornava difícil reconhecer a mesma instituição nas diversas regiões. Ainda é necessário fazer alguns esclarecimentos sobre os conceitos usados neste artigo. O primeiro deles é o de "modernização da agropecuária". Este conceito foi usado de forma mais ou menos generalizada até os anos 1970 com um sentido próximo do senso comum, considerando como o equivalente à substituição das relações e processos produtivos característicos da situação de "atraso" pelas transformação sobretudo tecnológica da agropecuária. O termo, porém, tem outra acepção mais complexa, usada por Celso Furtado em vários textos, e neste caso ele identifica aquelas situações em que ocorrem mudanças de aparência em processos produtivos ou sociais que não conduzem a transformações integrais, acentuam desigualdades e se concretizam sempre como processos parciais de assimilação técnica ou cultural. É neste sentido que o termo é empregado aqui. O outro conceito que necessita de uma certa lapidada é o de agricultura familiar. Para dar maior precisão a essa referência é necessário esclarecer que neste caso o conceito se remete sempre àquele segmento mais profundamente identificado com um território delimitado e práticas culturais específicas, e se situa neste conjunto bastante genérico que tem sido denominado de populações tradicionais rurais. São segmentos da agricultura familiar não integrada, com regimes fundiários e técnicas agrícolas muito específicas. Costumam gerir em conjunto os recursos naturais e fundiários, manter uma relação muito próxima da coleta ou beneficiamento primário de produtos da natureza, e, assentados em territórios muito definidos têm permanecido na maioria dos casos à margem da expansão da agricultura comercial (Soares, 1981; Almeida, 1989; Galizoni, 2000). Para compreender esses regimes de domínio e uso de terras e distingui-los das outras formas de apropriação - como a propriedade privada, pública ou do Estado - Diegues (1995) denomina-as populações tradicionais e delimita sua emergência a territórios marcados por fronteiras definidas, normas coletivas de formulação de regulamentos internos, controle comunitário dos recursos naturais, sanções específicas aplicáveis ao descumprimento destes regulamentos e mecanismos internos de negociação dos conflitos.2 Nas partes seguintes do artigo é analisada, primeiro, a lógica de modernização dos cerrados; em seguida são apresentados os históricos dos quatro casos e, por fim são feitos comentários conclusivos e comparativos entre as diferentes situações. A modernização dos cerrados 2 Para discussão detalhada sobre esses aspectos consultar McKean e Ostrom (2001), Ostrom (1990) e Burke (2001).

6 6 Os cerrados ocupam um terço do território brasileiro; em Minas Gerais ocupam praticamente todo o oeste, noroeste, norte e parte do nordeste. Geralmente são áreas de terras planas, de vegetação arbustiva, arbórea ou de campos. Tecnicamente essa vegetação tem quatro gradações, que podem ser encadeadas ou alternadas, com o predomínio da apenas um dos tipos. Há o cerradão, formado por árvores de porte elevado, quase iguais às florestas; há o cerrado propriamene dito, de vegetação arbustiva, cascas e folhas grossas, troncos retorcidos formando quase sempre uma massa de vegetação compacta. Onde os arbustos que caracterizam o cerrado são espaçados, entremeados do gramíneas - conhecidas como capim-do-campo, flecha ou barba-de-bode - é o campo sujo, e, finalmente, onde ocorrem apenas os capins é o campo. Desde pelo menos o século XVIII os cerrados mineiros foram sendo ocupados pela criação extensiva de gado, pelas lavouras de mantimentos e por grupos de caçadores, mineradores e coletores. Conforme descreveu Saint-Hilaire, a pecuária da região era super-extensiva, havendo de rarro em raro, a cada 3 ou 4 léguas a sede de uma fazenda; segundo o autor os campos eram sistematicamente queimados a cada dois anos, o gado pastava na solta desses campos e os lavradores faziam suas lavouras nas áreas mais próximas às nascentes, as terras de culturas, de vegetação e solos mais nobres. Os campos, assentados sempre em terras mais altas e planas, conhecidos em alguns locais como chapadas, gerais ou maravalhas, eram considerados como "terras de fazer longe", isto é, terras que serviam principalmente para aumentar distâncias. No entanto, desde meados do século XIX o cerrado foi objeto de atenção dos cientistas. Eugênio Warming (1973) é considerado o pioneiro nesses estudos: durante os três anos que passou em Lagoa Santa em companhia de Peter Lund, de quem era assistente, pesquisou o clima, a vegetação e o regime hídrico para formular algumas hipóteses sobre aquele bioma. Warming suspeitava que a escassez de chuvas e o fogo eram os responsáveis pelo caráter raquítico, tortuoso e falho da vegetação. Acreditava que o fogo, principalmente, servia para expandir as áreas de cerrado. Durante muitos anos as hipóteses de Warming dominaram, mas uma concepção diferente surgiu a partir das pesquisa de Mário G. Ferri. Na década de 1940 ele observou que a vegetação do cerrado poderia não ser condicionada pelo fogo e suas pesquisa mostraram que o solo profundo do cerrado continha água. Nos anos 1950 as pesquisas apontaram que o solo, mais que qualquer outro fator, influi na distribuição espacial dos cerrados, e a ação do fogo poderia, quando muito, ter ampliado a área. As árvores retorcidas e de casca grossa assumiam essa forma pela elevada acidez do solo e em decorrência da escassez de macro nutrientes - fósforo, cálcio, nitrogênio, potássio, magnésio e enxofrre - desaparecidos do solo pela formação de compostos insolúveis, não-trocáveis ou lixiviados. Como se estes elementos que estão geralmente disponíveis na superfície de terras mais férteis fossem drenados para profundidades inacessíveis às raízes das plantas, numa espécie de erosão "para dentro", na vertical.

7 7 Foi a partir dai que que Ferri formulou a hipótese do "escleromorfismo oligotrófico" (Goodland, 1971), ou seja que a vegetação tem aquele aspecto tortuoso e de cascas grossas ("escleromorfismo") por escassez de nutrientes disponíveis e trocáveis no solo ("oligotrofismo"). O "gradiente fisionômico" do cerrado - cerradão, cerrado, campo-sujo e campo-limpo - é determinado pelo "gradiente de oligotrofismo": as formações arbóreas são determinadas por diferentes graus de fertilidade natural da terra. Uma forma didática de acompanhar a evolução das pesquisas sobre cerrados são os anais dos "Simpósios sobre o cerrado", organizados pelo professor Ferri a partir de No primeiro deles as comunicações versam sobre aspectos conceituais de química e botânica, da mesma forma que o segundo (1965). No terceiro (1971) e quarto (1977) Simpósios, embora ainda existam essas comunicações, elas vão sendo sobrepujadas por experimentações agronômicas: são relatos de plantios e adubações, proposições de manejo de solo, plantas e rebanhos. A partir da década de 1970 grande parte da produção científica sobre o assunto passou a ser quase exclusivamente subordinada aos interesses imediatamente produtivos. A experimentação agronômica sobre o cerrado nasceu na década de 1940, a partir da Estação Experimental de Sete Lagoas, do Ministério da Agricultura, que depois tornou-se Instituto de Pesquisa Agronômica do Centro Oeste (IPEACO) e por fim Centro Nacional de Pesquisa do Milho e Sorgo, da Embrapa. As pesquisas obedeciam a dois parâmetros fundamentais: primeiro, descobrir formas de tornar disponíveis os macro-nutrientes, de forma que as plantas pudessem crescer a partir de sua oferta; segundo, desenvolver variedades adaptadas a estas condições, aptas para resistir à rudeza das condições do cerrado. Para que os nutrientes ficassem disponíveis para as plantas foram adotadas as práticas de calagem e fosfatagem. Foi em Sete Lagoas, no começo dos anos 1950, que os pesquisadores começaram a usar o calcário - em substituição da farinha de ostras usada até então usavam - como corretivo dos solos e medir seus efeitos. A partir dai, sucessivas experiências de dosagens e plantas terminaram por criar uma base relativamente sólida de conhecimentos, que de maneira geral já estava à disposição dos agricultores no começo dos anos O modelo adotado desde então passou por alguns ajustes mas no essencial permanece o mesmo: a análise química constata as deficiências do solo; o técnico faz a recomendação de calcário suficiente para reduzir a acidez do solo; em seguida se aplica o fosfato, e passado algum tempo esses compostos dão às plantas condições de absorver os nutrientes.3 Para a agricultura empresarial, descobrir o cerrado para sua exploração foi um excelente negócio. Área imensa de terras aproveitávis para as operações motomecanizadas em virtude da topografia plana, com solos possíveis de serem transformados, com cllima e regime hídrico

8 8 propícios para a prática agrícola, localização privilegiada em relação aos grandes mercados consumidores e dispondo de infra-estrutura viária relativamente bem montada: era o que se falava na época; mas ainda, e talvez principalmente, o cerrado carecia de um volume imenso de insumos para tornar-se produtivo. Essa exploração emrpresarial dos cerrados ensaiou seus primeiros passos em 1971/72 com o Programa de Crédito Integrado, PCI, coordenado pelo Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais e a então ACAR; seus resultados controversos, porém, conduziram à formulação do PADAP, que foi definitivamente o primeiro programa de ocupação empresarial de larga escala no cerrado. Na sua gênese o PADAP aproveitava o modelo de ação concentrada do PCI, com a diferença essencial de concentrar recursos num segmento e região específicos e delimitados; neste sentido, o PADAP foi uma inequívoca demonstração de força e prestígio político da burocracia agrícola mineira. Depois dele veio a enxurrada de recursos do POLOCENTRO e depois os demais programas setoriais de integração (Ribeiro, 1986). A partir dessas iniciativas do governo mineiro nasceu a exploração empresarrial dos cerrados, que apresenta algumas características estruturantes e persistentes que merecem ser comentadas, pois ao mesmo tempo precedem e subsidiam do ponto de vista cultural esta exploração. Em primeiro lugar existe a noção consolidada que aquela área estava vazia e aquelas eram terras desocupadas. Isto fica explícito ou implícito nos diversos estudos oficiais e privados, mesmo onde dados de ocupação da terra não podem ser completamente escamoteados. Quando se constata ocupação dessas terras, sempre se constata a baixa produtividade e os magros retornos desses empreendimentos de tipo tradicional no cerrado. Em geral, poré, o cerrado era considerado o grande "vazio" nacional. Isto é notado em diversos estudos, artigos e relatórios dos anos 1970, como num dos registros mais nobres que é o documento da JICA de 1979: "Há na região centro-oeste do Brasil uma extensa área inexplorada, com cerca de km2 de superfície (aproximadamente maior que todo o território japonês), estendendo-se pelos estados de Goiás e Minas Gerais." Desse ponto de vista, que não era exclusivo da JICA, o cerrado aparecia como área vazia de população, de capital, de exploração e produção. Por isso se explica o fato de se falar geralmente em "ocupação" dos cerrados, na "nova terra", em cerrado como "fronteira agrícola". Assumindo tal prespectiva, qualquer "ocupação" que se faça é melhor que o "nada" existente. 4 Por essa razão, também, as avaliações de desempenho dos programas do cerrado enfatizam não um crescimento da produtividade, mas o nascimento da produção ou de uma nova 3 Pesquisador Renato Coimbra, EMBRAPA, entrevista, julho 1983; ver Ribeiro, Sobre esta noção ver relatórios da Ruralminas entre 1973 e 1979; relatórios da CAMPO de 1981 e 1982.

9 9 produtividade; não o crescimento do emprego, mas a geração do emprego. Por essa forma forma de compreender a expansão da agropecuária nos cerrados os resultados sobre a população estabelecida há muito na região tendem a não existir ou serão sempre muito positivos. De qualquer forma, partindo de um suposto "vazio", a população local só poderia mesmo ser beneficiária dos projetos, pois há troca do "nada" pela "ocupação". Esse enfoque tem uma grande difusão na rica literatura técnica sobre o cerrado. Mas regra geral - e colocada desta forma a concepção é absolutamente hegemômica - o cerrado é considerado como o grande "vazio" de capital. Isto é exposto de maneira muito clara pelo ex-ministro Alysson Paulinelli: "O cerrado era a 'terra de fazer longe'. A não ser uma pecuária extrativa muito incipiente ele não tinha outra atividade. Se você procurou analisar bem o cerrado, pode olhar que isso ainda existe até hoje. A população era muito rarefeita no cerrado e vivia quase sempre em torno dos cursos d'água, levando uma vida muito precária, típica da agricultura de subsistência só. Plantava uma mandiocazinha, perto da nascente um arroz, e vivia da exploração do gado, muito irracionalmente. Então era um vazio, era uma expectativa. Bom, a proximidade dos grandes centros consumidores, a infra-estrutura já existente, e principalmente a confiança de que o Brasil já dispunha de uma tecnologia para isso, nos levou a fazer projetos de ocupação do cerrado." Exposta dessa forma fica clara a noção de vazio de capital: o caráter de subsistência é contraposto nessas formulações ao caráter empresarial moderno - era uma expectativa, afinal. O segundo aspecto notável no discurso da expansão dos cerrados é que a região deve ser explorada com capitalização intensiva da atividade produtiva; esta era a única forma possível de fazer agricultura na região. Um marco nessa concepção é o estudo coordenado pelo IPEA (1973): nele a pesquisa saiu definitivamente dos aspectos botânicos/agronômicos/pedológicos e enveredou para o rol das considerações econômicas. Aquele estudo concluía que sob o manejo "primitivo" o potencial dos solos do cerrado era extremamente baixo; ao contrário, sob manejo "desenvolvido" a capacidade de produção melhorava significativamente: "A observação de vários manejos propostos indica que de modo geral, a melhoria no sistema de manejo faz com que áreas de classe inferior sejam classificadas com melhor aptidão agrícola, de onde se conclui que, somente com nível mais elevado de tecnologia grandes exteensões de terra poderiam ser incorporadas ao processo produtivo. A este respeito parace não existirem mais dúvidas de que para a exploração agropecuária nas áreas de cerrado não se pode mais valer dos métodos tradicionais." (IPEA, 1973) A partir daí foi surgindo a orientação técnica para a "ocupação" da região. A diferença de renda gerada pela terra mais fértil seria compensada por um grande aumento da produtividade e da

10 10 escala de operações, suficientes para diluir os custos diferenciais de produção do cerrado. Assim, a exploração dos cerrados será sempre considerada um empreendimento intensivo em capital. O terceiro aspecto que merce destaque é o perfil do agricultor. Para levar à frente o empreendimento de uma nova agricultura, era preciso um também novo agricultor, despido dos sestros do manejo tradicional. Vem dai a ênfase no agricultor do sul ou do sudeste, no gaúcho, no japonês e na empresa de perfil urbano. A educação formal, a experiência com os bancos e cooperativas passaram a ser referências fundamentais para engajamento nessas iniciativas, pois apenas agricultores de perfil moderno têm a apptidão gerencial necessária. Formou-se assim um círculo vicioso, onde o ponto de partida é uma área precisando de capitalização, mas isso exige um processo intensivo e um novo agricultor. O cerrado demanda uma exploração, como se dizia, moderna. Por essas razões se justificavam as propostas de ações transformadoras, e apenas neste sentido foi concebid a possibilidade de exploração dos cerrados, e a produção - moderna - já emerge associada ao adubo e ao veneno, à máquina e ao crédito; a exploração do cerrado, conforme disse o então presidente da CAMPO, "já nasce moderna", realizando de forma plena os objetivos de mudança na agricultura que durante anos foram perseguidos pelos governos, agroindústrias e, sobretudo, pelos técnicos do setor público. Quatro casos de terras perdidas Alto Paranaíba, a Oeste: os chapadões do PADAP Desde, pelo menos, o século XIX a região dos cerrados a oeste de Minas Gerais foi sendo ocupada por lavouras e sistemas de criação. Segundo Saint-Hilaire (1975) o povoamento foi estimulado pelas minerações do Paracatu e Desemboque, e a criação de gado foi apoiada principalmente pelas salinas das chapadas. Os campos eram sistematicamente queimados e o gado pastejava livre por léguas em roda; nas terras baixas das culturas de vegetação de porte elevado e solos mais férteis, eram usadas para fazer roças de milho e feijão. A região onde foi implantado o Programa de Assentamento Dirigido do Alto Paranaíba, PADAP, a partir de 1974, era um chapadão de hectares contínuos, dos quais hectares eram de um único dono - Antônio Luciano Pereira; a outra metade era de muitos fazendeiros e sitiantes que exploravam as terras de cultura e criavam na solta no chapadão sem cercas ou divisas, que todos, inclusive o maior fazendeiro, desfrutavam em comum nos tempos de chuvas. O projeto, em linhas gerais, compreendia a desapropriação de área contínua, o assentamento de colonos ligados à Cooperativa Agrícola da Cotia - CAC -, a implantação de armazéns e agroindústrias, o plantio mecanizado de grãos no cerrado em lotes. Selecionados pela CAC, com assistência técnica da antiga ACAR, depois Emater MG, supervisão da Ruralminas e fornecimento

11 11 de crédito pelo BDMG, os colonos plantariam uma pauta diversificada de bens: "arroz, cebola, cenoura, feijão, milho, soja, sorgo, tomate, trigo sarraceno, café, batata e fruticultura, além do reflorestamento, avicultura e suinocultura" (Ruralminas, 1974). Depois a pauta produtiva foi substancialmente reduzida, passando a produzir principalmente soja, café e milho. A criação do Polocentro em 1975 abriu novas e bartas linhas de crédito aos assentados que deslancharam definitivamente como produtores na segunda metade dos anos Desde então o PADAP passou a ser uma referência de sucesso em termos de projetos de exploração dos cerrados. O esplendor da expansão deste programa foi limitado no começo dos anos 1990: a falência da CAC colocou muitos dos colonos numa situação muito difícil. O começo dos anos 1990 foi um período de ajuste, com os colonos muito endividados e perdendo a estrutura mundial de negociação da CAC. Só se reergueram, e mesmo assim, parte deles, na segunda metade dos anos 1990 com uma produção mais especializada, voltada fundamentalmente para cenoura e grãos. Fazendeiros e sitiantes desde os anos 1970 perderam suas terras de soltas de gado; foram obrigados a concentrar a produção nas terras de cultura, a aumentar os trabalhos com os cuidados com o gado e a conviver com uma especialização produtiva avassaladora nos chapadões. Isto provocou uma desqualificação produtiva muito sentida, que era relacionada aos tratos desiguais de produtores brasileiros ou nativos - eles próprios - e japoneses - os colonos da CAC. Mantiqueira, ao Sul: os campos compartilhados Os terrenos familiares de Bom Repouso, na Mantiqueira aos Sul de Minas Gerais, quase sempre são organizados em três espaços principais: área de lavoura, área de pasto e área de mata. Esta combinação tem por finalidade associar usos e necessidades produtivas das famílias, cada terra tem um uso, e são classificadas por relevo, clima, textura e cor. A divisão entre as qualidades de terra de campo e cultura é básico no sistema produtivo das famílias agricultoras. Os campos localizam-se nas partes altas do relevo, são no geral terras frias, secas, com vegetação baixa como a fruta-de-porco, a carqueja, o capim-do-campo e a vassoura-docampo, pouco férteis para se fazer lavoura: as plantas nascem, mas não encorpam. Mas os campos não são todos iguais, possuem diversidades internas: existe o campo carrasco, que antigamente não dava mantimento, era cheio de samambaia, mas que depois pôde ser corrigido com calcário e se transformou em terra para lavoura de batata; existem os campos secos ou de capim, compostos só por capins nativos e usados somente para pastagem; há ainda as campanhas, que são espécies de campos que se localizam tanto em terras altas quanto nas baixadas. As terras denominadas de cultura situam-se nas partes baixas do relevo, possuem clima quente se comparadas com os campos, são úmidas, férteis e melhores para lavoura de mantimento, possuem vegetação de madeira mole (sem cerne) como o assa-peixe e também de madeira de lei como o cedro terrenos que têm cedro são os mais férteis, o milho nasce sem adubo e o jacarandá, capim meloso ou gordura, e um

12 12 arbusto nativo denominado localmente de picuia que os agricultores consideram uma praga, mas que, segundo eles, é também indicador de terra forte. Afirmam que a terra de cultura enfeia a batata, que prefere a terra fria. Há ainda os matões ou matas virgens. Os matões são classificados pelo uso, pois em alguns é possível plantar, em outros não. Existem também os terrenos de capoeira: compostos por mata baixa, fina e nova, são diferentes de matão porque quase não possuem madeira de lei, e não são terras naturalmente férteis para o plantio de milho e feijão. Glebas de matão eram e ainda são reservas de recursos naturais: nelas quase sempre estão situadas as minas d água, as madeiras de lei que são muito apreciadas para construções e também diversos tipos de cipó, taquara e lenha. As principais madeiras de lei que caracterizam os matões são o jacarandá, cedro, cajarana, guatambu, maçaranduba, pereira, jequitibá. São árvores que quase não rebrotam quando cortadas Não dá brota: cortou, acabou, por isso são demoradas para renovar só por sementes e mais raras; o cálculo de uso delas tem que ser bem pensado. Os matões possuem uma situação singular: estão locados numa terra particular, mas o uso de alguns de seus recursos vegetais pressupõe normas diversas; os vizinhos entram e colhem madeira seca principalmente para lenha, mas também taquara, cipós etc. Estes recursos são percebidos como comunitários. Já as madeiras de lei não são tocadas, pertencem ao dono da terra. Também a água para ser captada no olho da mina no matão precisa de pedir consentimento. Mesmo nos dias atuais, quando não se encontram áreas comuns no bairro, os matões persistem como área de reserva de recursos da natureza que são usados pela comunidade, mesmo que a contragosto dos donos dos terrenos, que não têm força moral para coibir a coleta nessas áreas. Os dons da natureza permanecem como dádivas comuns. É o que se observa também em relação à araucária. Os bosques desses pinheiros se localizam em áreas que se transformaram em lavouras ou pastagem, mas seus frutos (os pinhões) são objeto de coleta da comunidade, não importando em qual terra estejam. Os pinheiros, além dos frutos, fornecem madeira, mas esta pertence ao dono do terreno. Há muito tempo atrás essas terras não produziam mantimentos; eram consideradas terras fracas, pouco propícias para lavoura, mas reputadas boas para criar gado e suínos capados. Só era possível fazer lavouras na cabeceira das águas. Mas, eram lavouras pequeninas: plantavam milho, muito pouquinho de feijão. Os moradores trabalhavam nas terras de cultura de outros bairros rurais da região onde havia terra mais quente, cultura boa para plantar milho e feijão. Trabalhavam no fôro, pagando renda na terra de outros; plantavam feijão da seca em fevereiro e o colhiam em abril, nas águas plantavam milho. As famílias coletavam muito pinhão da araucária, que trocavam por arroz com moradores de outros bairros e comerciantes, à proporção de dois litros de pinhão por

13 13 um de arroz. As famílias criavam gado e animais no aberto, na terra de campo sem cerca; só fechavam o terreno de beira d água enquanto ele estava com a lavoura de milho. Até o final dos anos 1960 era costumeiro plantar só nas terras mais baixas e quentes: culturas; os terrenos de campo eram abertos, sem cercas, usados para soltar o gado na época das chuvas. No inverno o rebanho era trazido para pastar os restos de lavouras das terras de cultura porque o frio matava o capim dos campos. Foi por volta da década de 1970 que as terras foram cercadas e repartidas, e as famílias iniciaram o plantio da batata. A terra de campo, até então inútil para agricultura, foi corrigida com calcário. Depois da adição do calcário, só necessitava de colocar adubo químico na terra; oito anos após os primeiros plantios de batata, a terra foi sovando e se cansou, começou a dar praga nas batatas que ficavam todas furadas. Aí eles foram obrigados a usar veneno na lavoura; desde então não pararam de usá-lo. A terra só se tornou propícia para lavoura depois da batata, ou seja, depois do advento da correção do solo. Alto Jequitinhonha, a Nordeste: grotas e chapadas No alto Jequitinhonha, no cerrado e outras vegetações de transição, encontram-se grandes planaltos formados por terras planas, as chapadas, que são entremeadas por vales profundos e estreitos, as grotas. Naquelas a terra pouco fértil e a vegetação rasteira ou arbustiva limitaram as possibilidades de fazer agricultura. As grotas, pelo contrário, embora ocupem menor área no conjunto da região, são caracterizadas pela fertilidade natural, presença de água e vegetação de floresta, denominada localmente capões de mata. O povoamento do alto Jequitinhonha concentrouse nas áreas de grotas, onde os pequenos produtores podiam fazer roças de mantimentos utilizandose da abundância de recursos naturais: florestas, água e fertilidade. Essas terras de grota foram usufruídas e vem sendo partilhadas entre lavradores desde começos do século XVIII; cada grota com sua nascente compõe uma rede familiar de domínio da terra e história compartilhada entre um determinado grupo de parentesco, que é denominado comunidade rural. Nas comunidades os recursos naturais e a terra não são objeto de apropriação privativa contínua, pois há serventia mais imediata para as lavouras apenas nos capões e parte dos carrascos, terras de encostas. Campos e chapadas servem para criação de animais e extração; historicamente foram e são áreas de apropriação coletiva e livre, submetidas a um controle diferente do domínio mais pleno que se manifesta sobre as terras dos capões e carrascos. Por isto nas comunidades existem um conjunto de normas de uso ambiental muito rigorosas. As áreas em lavoura são definidas com cuidado, a criação de gado é regulamentada e às vezes proibida, porque prejudica plantios e terrenos em descanso. Algumas comunidades regulam o acesso às matas comunais e estabelecem restrições ao uso das águas, áreas de garimpo e terras comuns (Galizoni, 2000; Ribeiro e Galizoni, 2000).

14 14 Os agricultores utilizaram nas suas explorações familiares sistemas de pousio que consistiam em plantar por 3 ou 4 anos determinada gleba, abandonando-a em seguida por 10 ou 12 anos para permitir a recomposição de vegetação e fertilidade. Ao final deste período de pousio retornavam às glebas recompostas para reiniciar o processo. Na medida que os estoques de recursos naturais reduziram-se, foram sendo objeto de escrupuloso cuidado e delicado estudo. Os agricultores do alto Jequitinhonha sistematizaram reuniram conhecimento sobre o meio, regularam o consumo pelo que o ambiente fornecia e transformaram a escassez - de lenha, madeira, água, frutas - em normas de convívio consensualmente respeitadas pelas comunidades. Ajustaram suas lavouras aos ciclos de seca e s'águas, e selecionando variedades adaptadas ao local aprenderam o quê, como, quando e quanto suas terras podiam produzir. Os plantios são espalhados pelos sítios, pois cada mantimento é plantado na terra onde melhor se adapta: terras para feijões ou cana, terras de mandioca ou de arroz; cada uma exige conhecimento e manejo específico. Cada lavoura demanda roçada e fogo diferentes; nunca põem qualquer fogo numa roça e sim o fogo que ela precisa, e estes podem ser de variados tipos: de roça nova ou velha, de pasto, de capoeira; fogo de limpa ou adubação, fogo para feijoal ou mandiocal, fogo da seca e de Santana. Intensidade e duração são determinadas pelo modo como o lavrador derruba a madeira, pelo tipo de madeira existente - capão, capoeira ou carrasco -, pelo encoivaramento, pelo instrumento - foice ou machado -, estação e horário que é posto o fogo. A combinação dessas situações ajusta terra e planta para alcançar o resultado produtivo e cultural que é a roça. O extrativismo, por sua vez, é um componente ao mesmo tempo periférico e fundamental nos sistemas de produção. Periférico por conta da sua não assiduidade: os agricultores extraem geralmente ao longo de uma caminhada, no caminho da roça, em ocasiões específicas; assim, não há uma certeza cotidiana da extração e tampouco é realizada pelos trabalhadores adultos, restando geralmente para as forças auxiliares, os idosos e crianças. Mas é fundamental dada sua constância no correr do ano e sua importância na dieta, na produção de energia e de bens de uso doméstico (sabão, remédio, ornamento, etc). Num cenário de migrações rural/urbano e as sazonais acentuadas e quase ausência de produção mercantil, o Estado, a partir dos anos 1970, começou a propor medidas corretivas, tanto assistenciais quanto desenvolvimentistas para a região com as políticas de planejamento regional. Foi instituída agência regional de fomento, CODEVALE, cuja ação nunca deslanchou; na segunda metade dos anos 1970 foram alocados créditos para plantio de eucaliptos em larga escala, o que acarretou um processo de tomada de terras de comunidades, expropriando lavradores de grande parte de seus campos de extração e pastoreio, as chapadas. Posteriormente os eucaliptais foram

15 15 responsabilizados pelos danos ambientais, como a redução das águas e acentuação do pastoreio nas áreas de áreas de grotas. Monopolizadas por grandes empresas, quase todas do Sudeste, as terras das áreas planas de chapadas converteram-se em grandes desertos verdes, pois após 20 anos de plantados há mínimo uso econômico dos eucaliptais para madeira e lenha. Sanfranciscana de Januária, ao Norte: gerais dos Cóchos Os campos gerais, típicos dessa região na margem esquerda do rio São Francisco, são chapadas extensas e pouco elevadas, cobertos por vegetação rasteira e arbustiva, assentada na maioria das vezes sobre solos muito pobres, arenosos e secos. Essa paisagem é recortada de tempos em tempos pelas veredas, cercadas por buritizais e pindaibeiras, que conferem à região sua característica própria, de alternar grandes áreas de chapadões com os embrejados das veredas. Essas terras sempre foram ocupadas pela população rural da região numa combinação alternada de gerais (chapadas), vazantes (beiras de brejos) e mata seca (culturas): as matas eram usadas no tempo das águas para plantio e para criação na estação seca; os gerais eram usados para solta de gado na estação das águas; as beiras de brejos eram usadas para plantios irrigados de mantimentos na seca. As terras mais embrejadas de beiras de veredas e córregos começavam a ser trabalhadas depois da quaresma, plantada de feijão da seca; em junho era plantado o feijão-desantana mais as miunças - legumes e verduras. Este esquema permitia ao produtor explorar de maneiras absolutamente diferente as terras de natureza diferente. As águas nascem sempre nas terras ruins de gerais: tem proteção do buriti e da pindaíba, desce depois às culturas onde é mais desprotegida e mais usada. A terra fraca e seca dos gerais encobre uma portentosa qualidade: nela que estão os frutos, as plantas medicinais e o pasto, pouco mas diversificado de leguminosas e capins-de-campo. Por isso nunca se concebia uma exploração familiar sem gerais, vazante e cultura, sem essas possibilidades de combinação que faziam do agricultor um criador extensivo nas águas e intensivo nas secas, pois quando acabavam as chuvas seu movimento se reduzia, dos vastos chapadões se concentrava na borda da casa, na irrigação da vazante, no cuidado com os animais soltos nos piquetes restritos das terras de culturas que foram lavouras no tempo das águas. Os gerais eram áreas comuns; quer dizer, eram terras com donos, mas ninguém se importava se o gado de outro pastasse por suas terras, pois naquelas áreas sem fechos o proveito da criação estava justamente no poder andar muito, e encontrar barreiros e salinas, águas e leguminosas. Às vezes o gado de muitos donos, de várias comunidades, se irmanava e pastava por áreas quefacilmente ultrapassava 50 quilômetros da casa do dono. A técnica de junta de gado consistia em colocar o sal nos cochos nas épocas de lua nova, e então o gado se chegava aos currais, pois na lua nova seus corpos careciam de mais sal.

16 16 Para suportar o manejo de gado o gerais deveria ser queimado de tempos em tempos: a cada dois anos, três anos, em agosto ou setembro antes da primeira chuva. Nunca se devia queimar todo o gerais de uma comunidade, mas apenas a metade; outra metade seria queimada no ano seguinte. Depois da queima, com a chuva, em um mês o capim e as leguminosas estavam rebrotando, e então os produtores tiravam o gado das culturas e o colocavam nos pastos de campos, onde ficariam até a quaresma do ano seguinte.o gado emagrecido nos pastos estiolados da cultura já seca consertava rapidamente o peso comendo grão-de-galo e caraíba, pequizeiro e unha danta, favela e cipótrindade. Se os campos não fossem queimados eles não teriam rebrota, ficava muito cru, cheio de folhas secas no chão, com pouca revegetação; sem o fogo a cada dois anos, com o chão recoberto de palha, a chapada ficava sujeita a incêndios arrasadores, demorados, que destruiam definitivamente parte da vegetação, atrasava a frutificação das nativas, fornecia pouco alimento para o gado. Quando o lugar fora queimado no ano anterior o fogo não rompia porque não faxina, não havia muito o que queimar. As culturas não eram queimadas. A madeira resiste pouco ao fogo, sua raiz é rasa, e por isso faziam lá as roças de sequeiro sempre guiados pela qualidade da madeira, que indicava a fertilidade da terra. Essas terras, ao contrário dos gerais, eram cercadas e privatizadas. A partir dos finais dos anos 1970 essas terras de gerais começaram a ser privatizadas por empresas de reflorestamento e carvoejamento. As empresas adquiriam grandes áreas de gerais e cercavam outros tantos de terras ainda. Desmatavam aqueles campos com tratores de esteiras, faziam carvão com a lenha rala das chapadas, e plantavam eucaliptos nos campos arenosos. Como a terra tinha sempre um preço muito baixo, essas empresas incorporavam milhares de hectares ao plantio de florestas homogêneas. As comunidades rurais da região a partir dessa época perderam o acesso às chapadas. Restritos à cultura e às vazantes, intensificaram seus sistemas de produção ainda mais naquelas áreas reduzidas, conservando o gado pelo ano inteiro nas culturas, que passaram a ser plantadas de pastos de capins brachiária e andropogon; lavouras ficaram mais restritas às vazantes. Quatro destinos comparados: conclusão No Alto Jequitinhonha a implantação dos eucaliptais promoveu um empobrecimento material e cultural da agricultura familiar. Perdidas grande parte das chapadas, perderam-se campos de coleta e de produção de água, áreas de solta de animais e retirada de madeira. Isto pressionou muito o consumo de recursos nas terras baixas das culturas e forçou a queda da sua fertilidade. De todos os casos observados é onde se pode concluir que os efeitos da tomada de terras foram mais absolutamente negativos.

17 17 Na Mantiqueira, ao contrário, os campos foram incorporados à produção pelas próprias famílias que os compartilhavam. Serviram, neste caso, para ampliação da produção nos padrões técnicos de agricultura integrada. Promoveram elevação da renda e do emprego rurais, promoveram uma requalificação do uso da terra; integraram lavradores como sócios do projeto de modernização agrícola. Pesaram, neste caso, a acumulação prévia de bens e a característica marcadamente familiar da agropecuária de toda a região. Na região Sanfranciscana de Januária a falência gradativa das firmas de carvão e eucalipto, a inadequação dos eucaliptais àquelas chapadas, promoveram a retomada informal das chapadas, e seu uso meio sistemático pelos agriculltores da região dos Cóchos. Retornaram os mesmos antigos sistemas de solta e de coleta, de queimada e de criação combinada de gado em gerais e culturas. No Alto Paranaíba as terras privatizadas foram cada vez mais otimizadas: o manejo tradicional das terras de cultura/cerrado perdeu força, tanto tecnica quanto culturalmente. Os produtores da região se beneficiaram da integração produtiva da cadeia de laticínios e se transformaram no que antes jamais foram: produtores especializados de leite em terras de culturas ou assalariados temporários ou permanentes nas chapadas de produção intensiva. Os efeitos dessas tomadas de terras foram amenizados por três ações estruturais que contribuíram de maneiras diferentes para minorar suas piores consequências: a criação de FUNRURAL e o estabelecimento de aposentadorias e pensões para trabalhadores rurais idosos, a expansão do mercado de trabalho urbano que absorveu grande parte dessa força de trabalho liberada do campo nos anos 1970 e a própria dinâmica de expansão da revolução verde, que incorporou produtivamente muitos desses agricultores na condição de assalariados ou de produtores. Essa amenização, porém, foi diferente por região e por período. Em cada uma delas, em épocas distintas, essas ações estruturais foram mais e menos eficazes, mais e menos integrativas, mais e menos duradouras; dependeu sobretudo da forma como a organização de cada região - história, iniciativas locais, mercados - se encontraram com essas ações. Pode ser notado tembém que os impactos das tomadas de terras, ao longo desses 30 anos, não foram os mesmos, nem sempre foram diretos, e nem sempre colocaram os expropriados em desvantagem. Na crise do começo dos anos 1990 os produtores integrados da CAC sofreram os efeitos do endividamento e da queda de renda, enquanto os produtores de leite viviam na então estável integração. No correr dos anos 1980/1990 a abertura do mercado paulista aos cortadores de cana do Jequitinhonha propiciaram à agricultura familiar uma renda que não seria jamais gerada no sistema de exploração que usavam nos campos. A crise da batata na Mantiqueira na segunda metade dos 1980 promoveu uma revalorização dos sistemas produtivos diversificados e familiares das terras de cultura.

18 18 Assim, se percebe que há um dinamismo ativo nessas relações ente terras usadas e terras perdidas, entre sistemas inovadores ou tradicionais, entre sistemas de sitiantes ou de empresas. Essa dinâmica, às vezes cíclica, é que marca uma certa periodicidade de confrontos e ajustes, de renovação de programas regionais de desenvolvimento, de redefinição do lugar dos atores no cenário dos projetos. Há, porém, algo que é comum a todos esses quatro casos: as consequências ambientais. Tanto nas culturas quanto nos campos os efeitos da modernização agrícola foram devastadores. Principalmente em relação às águas e recursos vegetais as consequências foram tão danosas que seria necessário um novo artigo para começar a listar seus efeitos. Bibliografias ALMEIDA, A.W.B. de. "Terras de preto, terras de santo, terras de índio: uso comum e conflito." IN HEBETTE, J. e CASTRO, E. (orgs) Na trilha dos grandes projetos. Belém, NAEA/UFPA, BURKE, B.E. "Hardin revisited: a critical look at perception and the logic of the commons" Human Ecology, vol 29, no. 4, CAMPO, Companhia de Promoção Agrícola. Relatório Síntese de Atividades.Mimeog, Belo Horizonte, DIEGUES, A.C. "Repensando e recriando as formas de apropriação comum dos espaços e recursos naturais." IN Povos e mares: leituras em sócio-antropologia marítima. São Paulo, NUPAUB/USP, FERRI, M.G. A vegetação dos cerrados brasileiros. Belo Horizonte, Itatiaia; SãoPaulo, Edusp, FERRI, M.G.(org) Simpósio sobre o cerrado. São Paulo, Edgar Blucher/Edusp, FERRI, M.G.(org) III Simpósio sobre o cerrado. São Paulo, Edgar Blucher/Edusp, 1973 FERRI, M.G.(org) IV Simpósio sobre o cerrado. Belo Horizonte, Itatiaia; SãoPaulo, Edusp, GALIZONI, F.M. "A terra construída". São Paulo. Dissertação (mestrado). FFLCH/USP, GOODLAND, R. Oligotrofismo e alumínio no cerrado. FERRI, M.G.(org) III Simpósio sobre o cerrado. São Paulo, Edgar Blucher/Edusp, 1973 IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Aproveitamento atual e potencial dos cerrados. Estudos para o planejamento. Rio de Janeiro, 1(2), JICA, Japan Internacional Cooperation Agency. Estudo de desenvolvimento regional de três estados: Espírito Santo, Minas Gerais e Goiás, República Federativa do Brasil. Relatório Final (sumário) mimeog, 1979.

19 19 MCKEAN, M.A. e OSTRON, E. "Regimes de propriedade comum em florestas: somente uma relíquia do passado?" IN DIEGUES, A.C. e MOREIRA, A.C.C. Espaços e recursos naturais de uso comum. São Paulo, Nupaub/USP, OSTROM, E. Governing the commons. New York, Cambridge University Press, RIBEIRO, E.M. "Fazendeiros da cultura: a fazenda tradicional e a modernização agrícola na região mineira dos cerrados." Dissertação (mestrado), IFCH/Unicamp, RIBEIRO, E.M. e GALIZONI, F.M. "Sistemas agrários e reprodução familiar: o caso dos lavradores do alto Jequitinhonha, Minas Gerais". IN GAMA, H. e COSTA, H. População e meio ambiente. São Paulo, SENAC, RURALMINAS, Fundação Rural Mineira. A Ruralminas e seus programas. Belo Horizonte, mimeog, RURALMINAS, Fundação Rural Mineira. A Ruralminas e seus programas. Belo Horizonte, mimeog, 1974 RURALMINAS, Fundação Rural Mineira. O trabalho da Ruralminas. Belo Horizonte, mimeog, SAINT-HILAIRE, A. Viagem à província de Goiás.Belo Horizonte, Itatiaia; SãoPaulo, Edusp, SOARES, L.E. Campesinato: ideologia e política. Rio de Janeiro, Zahar, WARMING, E. Lagoa Santa. Belo Horizonte, Itatiaia; SãoPaulo, Edusp, 1973.

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Moacyr Bernardino Dias-Filho Embrapa Amazônia Oriental www.diasfilho.com.br Importância das pastagens na pecuária brasileira A maioria (> 90%) do rebanho é criado a pasto Pastagem é a forma mais econômica

Leia mais

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia Vegetação Solo Relevo Clima Hidrografia VEGETAÇÃO E SOLOS HETEROGÊNEA CALOR E UMIDADE RÁPIDA DECOMPOSIÇÃO/FERTILIDADE. NUTRIENTES ORGÂNICOS E MINERAIS (SERRAPILHEIRA). EM GERAL OS SOLOS SÃO ÁCIDOS E INTEMPERIZADOS.

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO Formações vegetais do globo AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO As Grandes Formações Vegetais da Superfície da Terra Tundra Vegetação

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia Bernardo Campolina Universidade Federal do Tocantins Seminário Crise Mundial e Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades para o Brasil BNDES Rio de

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 3ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno: Nº Série: 7º Turma: Data: Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMAS BRASILEIROS Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMA: É CONJUNTO DE ECOSSISTEMAS TERRESTRES, CLIMATICAMENTE CONTROLADOS, QUE SÃO CARACTERIZADOS POR UMA VEGETAÇÃO PRÓPRIA (RAVEN ET AL., 2001) LOCALIZAÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

SISTEMAS AGROFLORESTAIS

SISTEMAS AGROFLORESTAIS SISTEMAS AGROFLORESTAIS O que é Sistema Agroflorestal? Sistema agroflorestal é uma forma de uso da terra na qual se combinam espécies arbóreas lenhosas (frutíferas e/ou madeireiras) com cultivos agrícolas

Leia mais

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 OS BIOMAS DO BRASIL: (Aziz Ab Saber) O que se leva em consideração nesses domínios morfoclimáticos? Clima. Relevo. Solo. Vegetação. Vida. História da Terra e da ocupação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Rede Amazônia Sustentável. Pesquisas sobre vegetação

Rede Amazônia Sustentável. Pesquisas sobre vegetação Rede Amazônia Sustentável Pesquisas sobre vegetação > Quem somos A Rede Amazônia Sustentável (RAS) é formada por mais de 30 instituições de pesquisa e universidades que, em parceria com a sociedade civil,

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

Biomas Brasileiros. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Fevereiro/2015

Biomas Brasileiros. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Fevereiro/2015 Biomas Brasileiros Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Fevereiro/2015 Bioma Bioma é um conjunto de diferentes ecossistemas, que possuem certo nível de homogeneidade. O termo "Bioma" (bios, vida, e oma,

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios Você é nosso convidado para participar

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES FORMAÇÕES VEGETAIS - Os elementos da natureza mantém estreita relação entre si. - A essa relação, entendida como a combinação e coexistência de seres vivos (bióticos) e não vivos (abióticos) dá-se o nome

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Linhas de Financiamento Setor Florestal 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Política Ambiental do BNDES O BNDES entende que investimentos

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna Domínio Amazônico Clima equatorial Solos relativamente pobres Relevo

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

Definição. Unidade Territorial com características naturais bem. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado

Definição. Unidade Territorial com características naturais bem. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado Definição Compreende-se como sendo uma Unidade Territorial com características naturais bem marcantes e que o individualizam. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado como sinônimo para identificar

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

FOTO1-Preparo do solo inadequado na recuperação de pastagem, ocasionando erosão em sulcos.

FOTO1-Preparo do solo inadequado na recuperação de pastagem, ocasionando erosão em sulcos. IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA E FLORESTA EM PROPRIEDADES DA AGRICULTURA FAMILIAR DA ZONA DA MATA DE MINAS. 1 Ricardo Tadeu Galvão Pereira- Eng o Agrônomo, Dsc, Coordenador Regional

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo

Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo 103 Trigo no Brasil começa nos Cerrados Márcio Só e Silva Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo dos anos, tem procurado opções de culturas para melhorar, tanto agronomicamente quanto economicamente,

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

GRUPO X 3 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO X 3 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 27/10/2010 PROVA GRUPO GRUPO X 3 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos Linhas de crédito para o setor florestal Homero José Rochelle Engº Agrônomo ESALQ 1979 Plano de Safra 2014/2015 MAPA - Ministério

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL Instituto Federal Goiano Disciplina de Elaboração e Gestão de Projetos Agronegócio (Noturno) Bruno Maia, Eng Agrônomo, M. Sc. ROTEIRO Classificação das atividades agrícolas.

Leia mais

Caatinga. Clima: Semi-árido. Solo: Raso e pobre em matéria orgânica e rico em sais minerais. Vegetação: Arbustiva, com cactáceas

Caatinga. Clima: Semi-árido. Solo: Raso e pobre em matéria orgânica e rico em sais minerais. Vegetação: Arbustiva, com cactáceas Caatinga Clima: Semi-árido. Solo: Raso e pobre em matéria orgânica e rico em sais minerais. Vegetação: Arbustiva, com cactáceas ceas ou xerófitas (plantas adaptadas a ambientes secos). Caatinga As espécies

Leia mais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais 1. Observe o mapa a seguir. As partes destacadas no mapa indicam: a) Áreas de clima desértico. b) Áreas de conflito. c) Áreas

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

Capítulo 9. Climas Brasileiros. Há grande variação climática, devido:

Capítulo 9. Climas Brasileiros. Há grande variação climática, devido: Capítulo 9 Climas Brasileiros Há grande variação climática, devido: Diferença de latitude (extensão norte-sul); Maior ou menor influência da Maritimidade (extensão leste-oeste). Massas de ar Tipos: Equatoriais,

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

Fitogeografia do Brasil

Fitogeografia do Brasil Prof. Me. Fernando Belan Fitogeografia do Brasil BIOLOGIA MAIS Introdução Devido as grandes dimensões territoriais, estabelecem-se muitas formações vegetais características de alguma região do Brasil.

Leia mais

MOGNO BRASILEIRO. "Mogno resssurge no cerrado mineiro

MOGNO BRASILEIRO. Mogno resssurge no cerrado mineiro MOGNO BRASILEIRO A valiosa madeira mogno está sendo cultivada no norte de MG. Cresce rápido, e agricultores já a veem como futura fonte de lucro. Vejam: "Mogno resssurge no cerrado mineiro A valiosa madeira

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1ª QUESTÃO ( 4,0 ) Comparar os sistemas de transportes da Região Norte com os da Região Centro-Oeste, concluindo sobre as medidas

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola:

Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola: Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola: Muito extenso Solos férteis Clima variado Bom regime pluviométrico Extensas planícies Cultivo variado Problemas: Falta de reforma agrária

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil A classificação morfoclimática reúne grandes combinações de fatos geomorfológicos, climáticas, hidrológicos, pedológicos e botânicos que por sua relativa homogeinidade,

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA CAPA AQUECIMENTO GLOBAL Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas Por Mônica Georgino Um dos maiores desafios da humanidade no século 21 é aprender a lidar

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

O ESPAÇO RURAL e a EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O ESPAÇO RURAL e a EDUCAÇÃO AMBIENTAL EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MEIO RURAL O ESPAÇO RURAL e a EDUCAÇÃO AMBIENTAL Luciano Gebler, MSc TESTE DE NIVELAMENTO 1 - O MEIO RURAL É : A - REGIÃO ONDE É FEITO O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES AGRÍCOLAS; B

Leia mais

Região Norte e Amazônia não são sinônimos

Região Norte e Amazônia não são sinônimos REGIÃO NORTE Região Norte e Amazônia não são sinônimos Não existe uma Amazônia, e, sim, várias. Amazônia Internacional: região natural coberta pela floresta Amazônica, que se estende por alguns países

Leia mais

Século XVIII e XIX / Europa

Século XVIII e XIX / Europa 1 I REVOLUÇÃO AGRÍCOLA Século XVIII e XIX / Europa! O crescimento populacional e a queda da fertilidade dos solos utilizados após anos de sucessivas culturas no continente europeu, causaram, entre outros

Leia mais

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se:

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: 01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: I. Concentração nas baixas latitudes, associadas a elevadas precipitações. II. Distribuição

Leia mais

Seu Alcides conta sua experiência com tecnologias de captação de água de chuva para a convivência com o semiárido

Seu Alcides conta sua experiência com tecnologias de captação de água de chuva para a convivência com o semiárido Seu Alcides conta sua experiência com tecnologias de captação de água de chuva para a convivência com o semiárido Introdução Alcides Peixinho Nascimento 1 Alaíde Régia Sena Nery de Oliveira 2 Fabrício

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 1

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 1 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado GEOGRAFIA 01 O episódio sobre a exploração

Leia mais