PROGRAMA MAIS ALIMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA MAIS ALIMENTOS"

Transcrição

1 PROGRAMA MAIS ALIMENTOS MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DO FEIJOEIRO Prof. Dr. Wilson Mozena Leandro Escola de Agronomia e Engenharia Alimentos Universidade Federal de Goiás GOIÂNIA, GO OUTUBRO 2009

2 Importância Social e Alimentar FEIJÃO NO BRASIL - Alimento Utilizado para a alimentação humana: Conteúdo protéico; Baixo custo; Baixo teor de gordura e sódio; Ausência de colesterol. O Brasil é o maior consumidor de feijão: 16Kg/hab/ano (década de Kg/hab/ano) Estrutura social; Hábitos alimentares; Falta de tempo.

3 IMPORTÂNCIA ECONÔMICA, ALIMENTAR E SOCIAL Fonte: Produtividade Média 2007/2008 no Brasil Cultivo Kg/ha 3ª Inverno ª Seca 773 1ªÁguas 946 Diferenças sistemas de cultivo AGRICULTURA EMPRESARIAL AGRICULTURA FAMILIAR Potencial Produtivo da Cultura: > 3000 Kg.ha-1

4 Principais Causas da Baixa Produtividade Ausência de calagem; Adubação e tratos fitossanitários inadequados; Estresse hídrico nos períodos críticos da cultura (florescimento e enchimento de grãos); Excesso de água durante a colheita; Ocorrência de doenças; Uso inadequado de cultivares; Semeadura fora do zoneamento agrícola.

5 IMPORTÂNCIA ECONÔMICA, ALIMENTAR E SOCIAL Area de 4000 mil ha Produção de 3500 mil toneladas Principais Estados Produtores: PR,MG, BA, GO, SP, CE, SC, RS, PE e PA; 85% da produção nacional.

6 Desordens nutricionais nos solos do Cerrado Latossolos Limitações em condições naturais: km 2 (IBGE, 2005) Acidez do solo, toxidez de Al, Mn e Fe Deficiência de nutrientes: P, K, Ca, Mg, S, Zn e B Limitações após vários cultivos: Toxidez de Zn, Mn e Fe Deficiência de nutrientes: P, Mg, B, Mn e Cu (Lopes, 1984)

7 Região de Cerrados (2004) Produção nacional (Souza & Lobato, 2004): 54% Soja; 76% Algodão; 28% milho; 18% Arroz; 41% do rebanho bovino nacional 55% Produção de Carne 22% feijão; 65% na agricultura familiar 1/3 das proteínas consumidas pela população. mediante o uso adequado de corretivos da acidez do solo e do fornecimento de nutrientes, especialmente de fósforo.

8 1.2. CONCEITO DE ADUBAÇÃO PLANTA SOLO ADUBO ADUBO = PLANTA - SOLO

9 Conceitos Transporte/Redistribuição M M M M M M Não labil Labil Solução raiz xilema residencia Disponível (Absorvívil ou Assimilável) Absorvido

10 1.3. FATORES DE PERDAS absorção

11 FÓRMULA GERAL DA ADUBAÇÃO ADUBAÇÃO = (PLANTA - SOLO) x f Nutriente Aproveitamento (%) Fator (f) N 50 a 60 2,0 P 2 O 5 20 a 30 3,0 a 5,0 K 2 O 70 1,5

12 NUTRIÇÃO MINERAL DO FEIJOEIRO 2.1. O QUE? 2.2. QUANTO? 2.3. QUANDO? 2.4. ONDE? 2.5. COMPENSA?

13 2.1. O QUE? * MACRONUTRIENTES ORGÂNICOS C, H e O * MACRONUTRIENTES PRIMÁRIOS N, P e K * MACRONUTRIENTES SECUNDÁRIOS Ca, Mg e S * MICRONUTRIENTES Culturas em geral: B, Cu, Mn e Zn Leguminosas: B, Cu, Mn, Zn, Co e Mo Fe: Abacaxi, hidroponia e viveiro Cl:Coco (KCl)

14 LEI DO MÍNIMO A PRODUÇÃO AGRÍCOLA NÃO PODE SER MAIOR DO QUE O POSSIBILITADO PELO NUTRIENTE QUE SE ENCONTRA EM ESTADO DE MÍNIMO EM RELAÇÃO ÀS EXIGÊNCIAS DO VEGETAL

15 Quanto? EXTRAÇÃO E EXPORTAÇÃO - Feijão EXTRAÇÃO EXPORTAÇÃO Produt. 3,6 t/ha 0,8 t/ha 3,6t/ha 0,8 t/ha Nutr kg/ha kg/ha kg/ha kg/ha N 242,4 57,2 126,0 28,0 P 21,6 5,1 14,4 3,2 K 220,8 52,1 54,0 12,0 CA 129,6 30,6 10,8 2,4 MG 43,2 10,2 10,8 2,4 S 60,0 14,2 18,0 4,0 ROTAÇÃO E SUCESSÃO DE CULTURAS = > SILAGEM => tomate/algodão

16 Quanto? EXTRAÇÃO E EXPORTAÇÃO Feijão EXTRAÇÃO EXPORTAÇÃO Produt. 3,6 t/ha 0,8 t/ha 3,6 t/ha 0,81 t/ha Nutr g/ha g/ha g/ha g/ha B 240,1 56,7 0,36 0,08 Cu 40,0 9,4 - - Fe Mn 61,2 14,5 - - Mo Zn 119,9 28,3 - -

17 Quanto? EXTRAÇÃO E EXPORTAÇÃO Milho Tabela 3. Exportação de macronutrientes de algumas culturas Cultura N P K Ca Mg S Observações kg.ha -1 Algodão (1) 22,3 3,08 18,5 8,46 3,85 7,69 1 t caroços Batata (2) 2,0 0,13 2,5 0,08 0,08 0,08 1 t tubérculos Café (1) 1,0 0,06 1,0 0,2 0,1 0,08 1 sc beneficiada Citros (1) 2,0 0,2 1,5 0,5 0,12 0,13 1 t frutos Feijão (3) 35,0 4,0 15,0 3,0 3,0 5,0 1 t grãos Milho (1) 13 2,4 3,0 0,2 0,8 1,0 1 t grãos Soja (1) 63,3 4,58 17,9 3,33 2,5 1,67 1 t grãos Tomate (1) 16,7 3,67 4,0 0,33 2,0 1,0 1 t frutos (1) Malavolta et al., 1997 (2) Malavolta, 1981 (3) Oliveira & Thung, 1988

18 Quanto? EXTRAÇÃO E EXPORTAÇÃO Milho Tabela 4. Exportação de micronutrientes de algumas culturas Cultura B Cu Fe Mn Mo Zn g.ha -1 Observações Algodão (1) 90,0 33, ,769 32,3 1 t caroços Batata (2) - 0,4 5,0 1, t tubérculos Café (1) 1,0 0,8 4,0 1,0 0,003 0,7 1 sc beneficiada Citros (1) 2,0 1,0 7,0 3,0 0,008 0,9 1 t frutos Feijão (1) 0,1 0,0-0,0-0,0 1 t grãos Milho (1) 4,4 2,2 11,0 6,0 0,556 18,9 1 t grãos Soja (1) 24,2 14, ,0 4,583 42,5 1 t grãos Tomate (1) 2,8 1,4-3,0-3,2 1 t frutos (1) Malavolta et al., 1997 (2) Malavolta, 1981

19 Fixação Biológica do N no feijoeiro Microssimbiontes do feijoeiro 5 espécies Rhizobium: - R. leguminosarum bv. phaseoli (Jordan, 1984) - R. tropici (Martínez-Romero et al., 1991) - R. etli bv. phaseoli (Segovia et al., 1993) - R. gallicum (Amarger et al., 1997) - R. giardinii (Amarger et al., 1997) Brasil: R. etli, R. leguminosarum: altas porcentagens diluições solos R. tropici: predomina plantas isca cultivares feijão mesoamericano Tolerância à acidez e altas temperaturas Estabilidade genética Elevada competitividade

20 2.3. QUANDO? A) ÉPOCA DE MAIOR EXIGÊNCIA DA CULTURA MARCHA DE ABSORÇÃO B) DINÂMICA DO NUTRIENTE NO SOLO

21 Quando? MARCHA DE ABSORÇÃO - Feijão kg/ha 200 K N Ca 50 S P DAE (DIAS)

22 DINÂMICA DO NUTRIENTE MOBILIDADE NO SOLO FLUXOS => ENTRADA E SAÍDA CARACTERÍSTICAS DO SOLO

23 CONTATO NUTRIENTE x RAIZ Interceptação radicular: a raiz, ao se desenvolver, encontra o elemento na solução do solo. Ca Fluxo de massa: consiste no movimento do elemento em uma fase aquosa móvel, de uma região mais úmida, distante da raiz, até outra mais seca, próxima da superfície radicular. N Difusão: movimento espontâneo do nutriente a favor do gradiente de concentração, isto é de uma região de maior concentração (solução do solo) para uma de menor concentração (superfície da raiz) P > K

24 Relação entre o processo de contato e a localização de adubos Comportamento dos elementos no solo Elem. Processo de contato Interceptação Fluxo de massa Difusão (% do total) Aplicação de adubos N Distante, em cobertura (parte) P Próximo das raízes K Próximo das raízes, em cobertura Ca A lanço Mg A lanço S Distante, em cobertura (parte) B Distante, em cobertura (parte) Cu A lanço, localizado Fe A lanço, localizado Mn Próximo das raízes Mo A lanço Zn Próximo das raízes Fonte: MALAVOLTA et al., 1997.

25 Quanto o solo fornece? AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL

26 E o manejo do Sistema?????????????????

27 E o manejo do Sistema? Monitoramento: - Rotação - Sucessão - Consorciação Uso de diferentes Métodos

28 Avaliação do estado nutricional da cultura Amostra comparação Padrão Planta ou conjunto de plantas de interesse Planta ou conjunto de plantas "normais" do ponto de vista de sua nutrição

29 Métodos MÉTODOS BIOLÓGICOS diagnose visual ensaios em vasos ensaios em campo ensaios com microrganismos MÉTODOS QUÍMICOS. Análise de terra Análise foliar Testes bioquímicos Testes de infiltração

30 M. Químicos - Análise de Solo Três etapas - Amostragem - Análise - Interpretação Análise -Preparo amostra - Extração - Análise

31 Como retirar amostra de Solo? Variabilidade do solo: Horizontal / Vertical Linha/Entrel

32 Análise de Solo Amostragem

33 Análise de Solo Amostragem

34 Análise de Solo Amostragem

35 Análise de Solo Amostragem

36 Análise de Solo Amostragem

37 Análise de Solo Extratores: Sistema EMBRAPA Sistema IAC Sistema RS e SC

38 M. Químicos - Análise de Solo Filosofia Q C I Não Lábil Lábil solução

39 Sousa& Lobato 2004 (cerrado) Classes ph agua ph CaCl2 Baixo <5,1 <4,4 Médio 5,2-5,5 4,4-4,8 Adequado 5,6-6,3 4,9-5,5 Alto 6,4-6,6 5,6-5,8 Muito alto >6,6 >5,8

40 Sousa& Lobato 2004 (P sequeiro) Classe Valores (mg/dm 3 ) Argila % < >60 M. baixo Baixo Médio Adequado Alto >25 >20 >12 >6

41 Sousa& Lobato 2004 (P irrigado) Classe Valores (mg/dm 3 ) Argila % < >60 M. baixo Baixo Médio Adequado Alto >40 >30 >18 >9

42 Sousa& Lobato 2004 (K cerrado) Classes Valores mg/dm 3 CTC solo < 4 cmolc/dm 3 >4 cmolc/dm 3 Baixo <15 <25 Médio Adequado Alto >40 >80

43 Sousa& Lobato 2004 (M%) Classes Valores (%) Baixo <20 Alta Muito Alto >60

44 Sousa& Lobato 2004 (V%) Classes Valores (%) Baixo <20 Médio Adequado Alto Muito alto >70

45 Sousa& Lobato 2004 (S e Micro - mg/dm3) Classe Interp. baixo médio Alto S (Fosf. Ca) <4 4-9 >10 Zn (Mehlich I) <1,0 1,1-1,6 >1,6 Cu (Mehlich I) <0,4 0,5-0,8 >0,8 Mn(Mehlich I) <1,9 2,0-5,0 >5,0 Fe (Mehlich I) <0,5 0,5-12,0 >12,0 B(H 2 O quente) <0,2 0,3-0,5 >0,50

46 Sousa& Lobato 2004 e MG %) (MO Classes Cerrados MG Argila% < >60 - Baixo <0,8 <1,6 <2,4 <2,8 <1,0 Médio 0,8-1,0 1,6-2,0 2,4-3,0 2,8-3,5 1,0-3,0 Adequa 1,1-1,5 2,1-3,0 3,1-4,5 3,6-5,2 >3,0 Alto >1,5 >3,0 >4,5 >5,2 -

47 M. Químicos - Análise Foliar Objetivos: Avaliação do estado nutricional; Diagnose de deficiência; Toxicidade ou desequilíbrio nutricional; Guia para correção de deficiência, na presente cultura ou na subsequente; Meio para manutenção da fertilidade do solo, através do conhecimento do que é removido pela colheita; Estabelecimento de recomendações de fertilizantes; Meio de previsão de safras.

48 Amostragem em P. Anuais Cultura Parte a ser amostrada Época do ano Quantidade/talhão homogêneo Soja 3 ª Folha a partir da haste Florescimento 30 folhas Milho principal com pecíolo 10 cm centrais da folha abaixo e oposto a inserção da 1 ª espiga Milho terço basal da folha +4, sem a nervura central Feijão 3 ª Folha a partir da haste principal com pecíolo Florescimento feminino 30 folhas 60 dias após o 30 folhas plantio Florescimento 30 folhas Arroz Toda a parte aérea 30 dias após 20 plantas germinação Arroz Folha recém maduras na maturação 50 folhas Algodão Limbo da 5 ª folha a partir No 30 limbos do ápice da haste florescimento

49 Interpretação NC - Folhas Cultura N P K Ca Mg S B Cu Fe Mn Zn g.kg -1 x 10-1 (%) mg.kg -1 Soja Milho Feijão Arroz 30 d Arroz mat Algodão

50

51 Onde? Aplicação via solo ÁREA TOTAL CALCÁRIO, GESSO, FOSFATAGEM POTASSAGEM LINHA Plantio e Cobertura

52

53 DINÂMICA DE NUTRIENTES Cobertura para PD no Cerrado Leguminosas: Mucuna, Guandu, Crotalaria, Feijão de porco, Feijão Bravo do Ceara etc. Gramíneas: Milho, Sorgo, Milheto, Braquiária, Pé-de-galinha etc. Outras Famílias: Nabo forrageiro, Niger, Quinoa, Amarantus, Kenaf etc. Consórcio entre famílias (milho x feijão; abacaxi x feijão etc.) Manejo da Fertilidade neste sistema?

54 Dinâmica da Matéria orgânica Exoenzimas Polímeros: - celulose, lignina - amido, proteina, lipidios Monômeros - glicose, aminoácidos Polímeros Energia - Acetil-s-Coa Metabolismo primário CO 2 -ácidos graxos Metabolismo secundário Minerais MOS Microrganismo (fungo, bacteria, actinomicetos

55 Fracionamento da M.O. a) ativo - compreende a biomassa microbiana e restos vegetais passíveis de serem decompostos livres no solo. Tr=0,5 a 25 anos b) lento ou físicamente protegido - inacessível ao ataque dos microrganismos no agregado. Tr=25 e 100 anos. c) passivo ou quimicamente protegido - (lignina e polifenóis) Tr=100 e 3500 anos

56 Identificação de Ac. Orgânicos Cromatogramas de ácidos orgânicos alifáticos, fenólicos e flavonoides na fração solúvel em água de resíduos vegetais de adubos verdes coletados em diferentes estádios de desenvolviment Aveia preta Nabo forrageiro Tremoço azul dap dap 90 dap 120 dap dap 75 dap 90 dap 120 dap Tempo, minutos Tempo, minutos Tempo, minutos

57 Efeito tampão da M.O. ph-suspensão branco feijão Ceará colza aveia preta colonião [HCl] X 10-2 N [NaOH] X 10-2 N

58 Ácidos orgânicos solúveis cítrico > tartárico > oxálico > húmico > malônico > maleico > salicílico > succínico. R-COOM + H + R-COOH + M n+ (1) R-CNH 2 -COOM + H + R-CNH 2 -COOH + M n+ (2) onde, M n+ = K +, Ca 2+ e Mg 2+. (Obs.- As cargas das equações estão omitidas).

59 Acidos orgânicos soluveis cítrico > tartárico > oxálico > húmico > malônico > maleico > salicílico > succínico. R-COOM + H 2 O R-COOH + OH - + M n+ (5) Al OH - Al(OH) 3 precipitado (6) R-COOM + Al 3+ R-COOAl + M n+ (7) onde, M = Ca, Mg, K. (Obs. As cargas das equações estão omitidas)

60 Efeito Priming Mudança no índice de decomposição do húmus nativo pela adição de material orgânico. Qualidade x Quantidade

61 Adubos orgânicos Cama de frango Dejetos liquidos de suinos Estercos animais Composto Vemicomposto Taxa de aproveitamento 50% N e P e 80% para o K

62 Dinâmica de Nitrogênio Imobilização Relação C/N alta Mineralização N orgânico N mineral C-NH 2 NH 4

63 Dinâmica de Nitrogênio Nitrificação Adubos Amoniacais (NH 4) ) Mat. Orgânica N amoniacal N Nitrica NH 4 + móvel no solo N0 3 - H +

64 Dinâmica de Nitrogênio Volatização Desnitrificação Amônia (NH 3 ) Nitrito NO 2 Uréia (Urease) N amoniacal N Nitrica NH 4 + N0 3 -

65 Dinâmica de Nitrogênio Erosão Lixiviação N Amoniacal N Nítrica + NH 4 - N0 3 (menor Intens) (Maior Intens)

66 Balanço N - Solos Cerrado Perdas Lixiviação Volatização Ganhos Mineralização Imobilização Desnitrificação ADUBAÇÃO

67 Médio/longo prazo Balanço N Perdas Ganhos Lixiviação Mineralização Volatização Imobilização Desnitrificação ADUBAÇÃO

68 Dinâmica do P Perdas (erosão) Imobilização Precipitação Ganhos Mineralização Adubação - Fixação óxidos Fe H 2 P0 4 óxidos Al Fosfatase, Micorrizas Baixa mobilidade no solo => P inorgânico Média mobilidade no solo => P orgânico

69 Dinâmica do K, Ca, Mg Perdas Imobilização Erosão Lixiviação Ganhos Mineralização Adsorção iônica K +, Ca+2 Mg +2 Troca iônica Alta mobilidade no solo => Ca e Mg Média mobilidade no solo => K

70 Dinâmica do S Perdas Imobilização Erosão Lixiviação Ganhos Mineralização - Adsorção iônica SO 4 Troca iônica Alta mobilidade => Lixiviação Ca, Mg e K

71 Dinâmica do Micron. catiônicos Perdas Imobilização Erosão Lixiviação Ganhos Mineralização Adsorção iônica Cu +2 Fe +2 Mn +2 Zn +2 Troca iônica Oxi-redução => Fe e Mn Complexação Interações iônicas

72 Dinâmica do Micron. aniônicos Perdas Imobilização Erosão Lixiviação Ganhos Mineralização Adsorção iônica HBO 3 - Cl - MO 4 - Troca iônica Interações iônicas

73 1. CALAGEM Alumínio Cálcio e Magnésio (Goiás) Q.C. (t/ha) = {2 x Al [ 2* - (Ca ++ + Mg ++ )]} x 100/PRNT Unidade de cmolc / dm3 Saturação por Bases Q.C. ( t/ha ) = T (V 2 - V 1 ) PRNT

74 1.1 NECESSIDADE DE CALAGEM Método da Saturação por bases Unidade mmolc dm3 NC = CTC (V2 - V1) 10 PRNT Onde: NC = Necessidade de Calagem (t.ha -1 ) CTC = Capacidade de Troca de Cátions (mmol c.dm -3 ) V1 = Saturação de bases atual do solo (%) V2 = Saturação de bases desejada, de acordo com a cultura

75 1.2. NECESSIDADE DE CALAGEM Método da neutralização do Al +3 e da elevação dos teores de Ca +2 e Mg +2 (RIBEIRO et al., 1999) NC (t.ha -1 ) = (l x Y x cmolc.al +3.dm -3 ) + (X - cmolc. Ca +2 + Mg +2. dm -3-3 ) Onde: l = 1,0 (milho) Y= 1,0 (solos arenosos); 2,0 (solos textura média); 3,0 (solos argilosos) e 4,0 (solos muito argilosos) X= 2,0 (milho)

76 1.2. NECESSIDADE DE CALAGEM Região do cerrado * Argila > 200g.kg -1 e Ca + Mg < 2,0 cmol c.dm -3 NC (t.ha -1 ) = 2 x cmol c Al. dm -3 + (2 - cmol c Ca + Mg. dm -3-3 ) * Argila > 200g.kg -1 e Ca + Mg > 2,0 cmol c.dm -3 NC (t.ha -1 ) = 2 x cmol c Al. dm -3 * Argila < 200g.kg -1 (Utilizar a expressão com maior recomendação) NC (t.ha -1 ) = 2 x cmol c Al. dm -3 ou -3 ou NC (t.ha -1 ) = 2 - (cmol c Ca + Mg. dm -3-3 )

77 Calagem Ca CO 3 + H 2 O Ca +2 + HCO 3 + OH - (1) H+ + OH - H 2 O (2) H+ + HCO3 - H 2 O + CO 2 Al OH Al(OH) 3 Granulometria do calcário Dose Tipo dolomitico(>12%), magnesiano (5-12), calcitico(<5%) Estrutura do Solo Teor de Matéria orgânica

78 Análise de Solo - Níveis críticos Magnésio (Goiás) Classe Valores (cmolc/dm 3 ) Argila % < >40 Calcario Baixo <0,1 <0,2 <0,4 Dolomitico Médio 0,1-0,3 0,2-0,6 0,4-1,0 Magn/dolom Alto >0,3 >0,6 >1,2 Calcit/Mag.

79 2. GESSAGEM * Amostras de 20 a 40cm * Ca < 4 mmol c.dm -3 * Al > 5 mmol c.dm -3 * Saturação por alumínio (m%) > 30

80 2.1. CRITÉRIOS DE RECOMENDAÇÃO * Pelo teor de argila da camada subsuperficial Culturas anuais NG (kg.ha -1 ) = 50 x argila (%) ou 5 x argila (g.kg -1 ) Culturas perenes NG (kg.ha -1 ) = 75 x argila (%) ou 7,5 x argila (g.kg -1 )

81 CRITÉRIOS DE RECOMENDAÇÃO GESSO * Pela classificação textural Recomendação de gessagem, de acordo com a classificação textural Dose de gesso agrícola Textura do Solo Culturas anuais Culturas perenes kg. ha -1 Arenosa (<15% argila) Média (16 a 35% argila) Argilosa (36 a 60% argila) Muito argilosa (> 60% argila) FONTE: SOUZA et al., 1996

82 Gessagem Ca SO 4 + H 2 O CaSO 4 + Ca +2 + SO 4 SO 4 + 2K K 2 SO 4 SO 4 + Mg MgSO 4 2Al SO 4 Al 2 (SO 4 ) 3 Dose Forma de aplicação (junto com calcário ou após) Estrutura do Solo Teor de Matéria orgânica Teor de argila

83 FOSFATAGEM DESTINO DO P NO SOLO FASE SÓLIDA DO SOLO P NO FERTILIZANTE P NÃO LÁBIL P LÁBIL P NA EROSÃO E NA ÁGUA DE DRENAGEM P NA SOLUÇÃO DO SOLO

84 3. FOSFATAGEM * Para culturas em geral Solos arenosos (argila < 25%) P < 10 mg.dm -3 Utilizar Superfosfato Simples ou Fosfato reativo 100 a 150 kg de P 2 O 5 / ha Fonte: VITTI & MAZZA, 2000.

85 3. FOSFATAGEM * Para Solos de Cerrado * Teor de P nos solo baixo ou muito baixo (Mehlich I) Correção: a lanço + sulco de plantio (manutenção) gradativa (aplicações anuais no sulco) MB B M MB B M (- Sequeiro Irrigado x teor argila ) Tabela 22. Recomendação de fosfatagem para a cultura anuais Teor de Adubação fosfatada (kg.ha -1 de P 2 O 5.) argila Corretiva sequeiro Corretiva Irrigado (%) P muito baixo P baixo P muito baixo P baixo ª ª Fonte: SOUZA e LOBATO 2004

86 4 Potassagem Adição de K para aumentar teor no solo mg/dm3 K kg/ha K2O >50 0

87 5 Adubação Verde Uso de leguminosas ou plantas extratoras Mucuna, crotalaria, guandu, feijão de porco, feijão bravo do Ceara, Puerária, trigo sarraceno, milheto. Leguminosas =>120 kg/ha/ano

88 6 Adubação Orgânica Aplicação de Estercos animais, Dejetos Líquido de suínos ou resíduos industriais após a estabilização SUBSTITUIR A ADUBAÇÃO QUÍMICA MONITORAR METAIS TOXICOS

89 7 Adubação Mineral VIA SOLO -PLANTIO -COBERTURA - Fertirrigação VIA FOLIAR VIA SEMENTE

90 Aplicação via solo FERTILIZANTE CULTURAS ANUAIS SULCO DE PLANTIO : ABAIXO E AO LADO DA SEMENTE 1/3 N 3/3 P 2 O 5 * 2/3-3/3 K 2 O *Dose máxima de K 2 O é igual 60kg/ha maioria culturas Feijão (inocular) kg/ha N kg/ha P 2 O kg/ha K 2 O S (20-30 kg/ha)+micro(b 0,6 a 1,0 kg/ha; Zn 2-3 kg/ha)

91 Recomendação de adubação para feijão das aguas e seca com base na análise de solo e na produtividade esperada Produtividade Dose de N Plantio Cobertura Disponibilidade de P Muito B. Baixa Média Adequada - Dose de P 2O5 - Disponibilidade de K Baixa Média Adequada - Dose de K 2 O- Doses de K Cobertura (t/ha) kg/ha ,0 1, ,5 2, ,5 a 3,

92 Recomendação de adubação para feijão das Inverno com base na análise de solo e na produtividade esperada Produtividade Dose de N Plantio Cobertura Disponibilidade de P Muito B. Baixa Média Adequada - Dose de P 2O5 - Disponibilidade de K Baixa Média Adequada - Dose de K 2 O- Doses de K Cobertura (t/ha) kg/ha ,0 1, ,5 2, ,5 a 3,

93 Poder tampão do solo Estimativa da capacidade tampão dos solos em P em função do teor de argila Argila Nível muito baixo de P Nível de suficiência de P Capacidade tampão (1) % ppm P (kg P 2 O 5 /ha)/ppm P > ,5 (1) Camada de 17 a 20 cm; método de Mehlich-I. Fonte: Mielniczuk et al., (1969); ROLAS (1981); Comissão... (1995); Kamprath & Watson (1980).

94 Poder tampão do solo Estimativa da capacidade tampão dos solos em P em função do teor de argila Argila Nível muito baixo de P Nível de suficiência de P Capacidade tampão (1) % ppm P (kg P 2 O 5 /ha)/ppm P > Irrigado multiplicar por 1,4 (1) Camada de 0 a 20 cm; método de Mehlich-I. Fonte: Souza et al (2006)

95 Poder Tampão para K Tabela 24. Estimativa da capacidade tampão dos solos em K em função do teor de argila Argila Nível muito baixo de K Nível de suficiência de K Capacidade tampão (1) % ppm K (kg K 2 O/ha)/ppm K , , , , ,2 Média - - 2,6 (1) Camada de 17 a 20 cm; método de Mehlich-I. O valor depende muito do teor de argila e de K, do tipo de argilo-mineral predominante no solo, e do método de análise, podendo variar, para uma faixa ampla de solos, de 3 a 12 (Haby et al., 1990). Fonte: Wiethölter et al. (1998); Mielniczuk et al., (1969); ROLAS (1981) Comissão... (1995); Kamprath & Watson (1980).

96 COMPARAÇÃO ENTRE OS NS Nível de Suficiência Variáveis - Folha N P K Ca Mg S Cu Fe Mn Zn B DRIS Gotejo 3,5-3,9 0,5-0,9 3,0-4,0 2,9-3,5 0,6-0,7 0,4-0, DRIS Pivô 3,2-3,6 0,6-0,8 2,7-3,5 3,8-4,2 0,8-1,0 0,4-0, Silva & Giordano 1 4,0-6,0 0,3-0,6 3,0-5,0 1,0-3,0 0,4-0,6 0,5-1,0 5,0-15, Variáveis - Solo MO CTC Ca Mg P K Cu Fe Mn Zn B DRIS Gotejo 1,2-2,3 6,6-9,0 3,2-4,8 0,8-1, ,6-2, ,8-1,2 DRIS Pivô 1,4-2,2 6,0-8,0 2,0-3,5 1,0-3, ,6-3, ,7-1,5 Souza & Lobato 2 2,8-5,2 9,6-18 1,5-7,0 0,5-2, ,5-0, ,0-5,0 1,1-1,6 0,3-0,5

97 O que mudar no manejo adubação Análise de solo P = 5 ppm ============ NS DRIS ============= 30 ppm 25 ppm 25 x 16 kg/ha P205 ==== 400 kg/ha P2O5 P= x 16 kg/ha P2O5 == 160 kg/ha P2O5 A mesma idéia para os outros elementos

98 Aplicação via solo FERTILIZANTE cobertura : a lanço sem ou com incorporação LADO DA SEMENTE 2/3 N 00 P 2 O 5 * 0 a 1/3 K 2 O *Para algumas fontes N incorporar. conf. Dose parcelar feijão (15 a 30 dae) solos arenosos 2X 40 a 70 kg/ha N 0 kg/ha P 2 O K 2 O

99 Fertirrigação aplicação simultanea de água e nutrientes COMPLEMENTAR ADUBAÇÃO - Economia de mão de obra; Maior eficiência no uso fertilizante Flexibilidade aplicação Controle quantidade e profundidade de aplicação Uniformidade de aplicação Até 3 aplicações de N ( 15, 30, 40 dae)

100 PRINCIPAIS FERTILIZANTES Fertilizantes Nitrogenados Fontes N P 2 O 5 S Ca Indice Indice Solubilidade N % Acidez Salino g/100ml(*) Uréia Sulf.Amônio Nitr.Amônio Nitrocálcio DAP MAP (*) Água a 25ºC

101 Mistura de Uréia com Sulfato de Amônio Objetivo: (1) Diminuir perdas de NH 3 da uréia (2) Aumentar a relação N/S a) CO(NH 2 ) 2 + 2H 2 O NH 3 + H 2 O NH OH - b) (NH 4 ) 2 SO 4 2NH SO 4 = c) 2NH O 2 2NO H + + 2H 2 O Consequências: (1) NH4 + (reação a) + SO 4 - (reação b) (NH 4 ) 2 SO 4 (2) H + (reação c) + OH - (reação a) H 2 O

102 PRINCIPAIS FERTILIZANTES Garantias dos fosfatos acidulados Adubos P 2 O 5 N Ca Mg S Índice Solubilidade CNA % Salino Total H +H 2 O 2 O (g/100ml) Super Simples 20/ Super Triplo 44/ MAP ,4 DAP ,6 Ácido fofórico tot. solúvel

103 Fosfatos Naturais Reativos Adubos P 2 O 2 N Ca Mg S B Zn Cu Mn SiO 2 Total HCi CiNH 4 H 2 O % Hiperfosfato Arad 33 10, ,12 1, ,56 Hiperfosfato Gafsa Hiperfosfato Daoui 32 10, ,2 Hiperfosfato Carolina Hiperfosfato Argélia Fosfato Decantado

104 TERMOFOSFATO ( Yoorin) Adubos P 2 O 2 N Ca Mg S B Zn Cu Mn SiO 2 Solubilidade Total HCi CiNH 4 H 2 O % (g/100ml) Yoorin Mg 18 16, Yoorin BZ 17,5 16, ,15 0, Yoorin Master 1 17,5 16, ,10 0,55 0,05 0, Yoorin Master 1S 17,0 13, ,1 0,55 0,05 0, Yoorin Master 2 17,5 12, ,20 0,50 0,20 0, Yoorin Master 2S 17,0 13, ,2 0,5 0,2 0, Yoorin B 17,0 15, , Índice de basicidade igual a 50

105 Multi Fosfato Magnesiano ( FOSMAG) P 2 O 5 N Ca Mg S B Zn Cu Mn Adubos CNA + Total H 2 O % Fosmag ,5 10 0,15 0,65 0,18 - Fosmag ,0 13 0,40 0,60 0,15 - Fosmag 509 M ,2 8,2 0,20 0,75 0,30 0,30 Fosmag 529 M ,0 6,9 0,20 0,50 0,15 0,15 Fosmag 531 M ,6 2,5 6,0 0,25 0,60 0,40 0,80

106 Adubos Potássicos Cloreto de Potássio Fonte mais barata de K 2 O (60%). Alto teor de Cloro (47%) e Alto índice salino (115). Características dos principais adubos potássicos. Propriedades / KCl K 2 SO 4 K MAG KNO 3 KNa(NO 3 ) 2 Adubos K 2 O S MgO N Cl Na Índice Salino

107 Fontes com Enxofre 1. Defensivos: Kumulus, Thiovit 2. Adubos foliares: Sulfatos de Zn, Mn, Cu 3. Adubos de solo: SPS (12%/S) Gesso Agrícola (15 a 16% S) Sulfato de Amônio (24% S) Importância do SO 4 = x Cl -

108 ADUBAÇÃO MINERAL MICRONUTRIENTES * Introdução * Micronutrientes no solo * Fontes de micronutrientes * Formas de uso

109 Formas absorvidas pelas plantas NUTRIENTE FORMAS BORO (B) - H 3 BO 3, H 2 BO 3 CLORO (Cl) Cl - COBRE (Cu) Cu ++ FERRO (Fe) Fe ++ Fe +++ MANGANÊS (Mn) Mn ++ MOLIBDÊNIO (Mo) = MoO 4 ZINCO (Zn) Zn ++ COBALTO (Co) Co ++ ÂNIONS: B, Cl -, MoO 4 = CÁTIONS: Cu ++, Fe ++, Mn ++, Zn ++, Co ++

110 2. Orgânicas - Quelados - Esteres (Triptanolamina - Boro) FONTES DE MICRONUTRIENTES 1. Inorgânicas (Minerais) - Ácidos - Sais - Óxidos - Oxi-Sulfatos - Silicatos (F.T.E.)

111 Inorgânicas (Minerais) BORO: a) Ácidos - Ácido Bórico: H 3 BO 3 17,5% B PS = 5,0 b) Sais - Solubor: Na 2 B 4 O 7.5H 2 O 20,0% B PS = 10 Bórax: Na 2 B 4 O 7.10H 2 O 10,5% B Ulexita: NaCaB 5 O 5.8H 2 O 10,0% B Colemanita: CaO 2 B 2 O 3.5H 2 O

112

113 FRITAS Produtos Zn B Cu Fe Mn Mo Co FTE BR-10 7,0 2,5 1,0 4,0 4,0 0,10 0,10 Produsolo MIB-3 9,0 1,8 0,8 3,0 2,0 0,10 -

114 Adubação orgânica Biofertilizantes => Fermentação Mineralização => 50% forma iônica Farinha sangue, peixe, ossos, cinza usina, mamona; Fuba, melaço, leite, etc

115 Considerações Finais Monitoramento da fertilidade do solo e do estado nutricional da planta é primordial

116 Muito Obrigado! AGRADEÇO A ATENÇÃO RECEBIDA!!! (0xx)

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido

Leia mais

Interpretação da análise de solo

Interpretação da análise de solo Interpretação da análise de solo Tabela de interpretação A orientação para interpretação da análise de solo são organizadas em manuais estaduais e regionais. Manual Tabelas de interpretação Recomendações

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas

ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas Prof.

Leia mais

Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil

Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil Rio Verde-GO, 04/09/13 http://brasil.ipni.net Material Educativo Material Educativo N em milho http://media.ipni.net/

Leia mais

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes Nutrientes Do que as plantas precisam? Introdução Para se desenvolver perfeitamente a planta necessita de luz, água, temperatura adequada e de elementos minerais. O solo não é essencial a vida dos vegetais,

Leia mais

USO DE COBERTURAS VEGETAIS E MANEJO ORGÂNICO DOS SOLOS EM MUSÁCEA

USO DE COBERTURAS VEGETAIS E MANEJO ORGÂNICO DOS SOLOS EM MUSÁCEA Mandioca e Fruticultura USO DE COBERTURAS VEGETAIS E MANEJO ORGÂNICO DOS SOLOS EM MUSÁCEA Ana Lúcia Borges Pesquisadora da Embrapa Erval Rafael Damatto Junior Pesquisador científico da APTA Manejo sustentável

Leia mais

BPUPs para MILHO. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC)

BPUPs para MILHO. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) BPUPs para MILHO Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Área Milho Segunda Safra - Brasil 2012 Parte da segunda safra não é milho safrinha Fonte: IBGE Fonte: Fonte: Conab Conab Fonte:

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Manejo de Solos Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Aula 3: Manejo de adubação fosfatada em pastagens 1. Características Macronutriente Móvel na planta Junto com o N e o K, são os 3 mais exigidos

Leia mais

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO Djalma Martinhão Gomes de Sousa, Thomaz A. Rein, João de Deus G. dos Santos Junior, Rafael de Souza Nunes 1 I INTRODUÇÃO No Cerrado, a

Leia mais

ADUBOS. Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química LEGISLAÇÃO ADUBOS

ADUBOS. Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química LEGISLAÇÃO ADUBOS Volnei Pauletti ADUBOS Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química ADUBOS Definição: Toda substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, fornecedora de um ou mais nutrientes

Leia mais

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com ENXOFRE Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Orientador: Volnei Pauletti ENXOFRE Enxofre Macronutriente

Leia mais

Fósforo e adubação fosfatada. Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com

Fósforo e adubação fosfatada. Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com Fósforo e adubação fosfatada Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com Aula 3: Fósforo e adubação fosfatada Fósforo na planta Fósforo no solo Avaliação da disponibilidade de fósforo

Leia mais

FALANDO DE CANA-DE-AÇÚCAR

FALANDO DE CANA-DE-AÇÚCAR Boletim n 30 ano III Fevereiro 2013 FALANDO DE CANA-DE-AÇÚCAR ACIDEZ DOS SOLOS E CORRETIVOS Dando continuidade na série de reportagens abordaremos sobre a acidez do solo e alumínio tóxico e a correção

Leia mais

Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas

Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas INTRODUÇÃO 1 Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas Discente: Samuel Luan Pereira Docente: Marcela Nery O desenvolvimento da agropecuária, em termos de manejo, material genético e tecnologias, força

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho Fertilidade do Solo, Adubação e 1 Nutrição da Cultura do Milho Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno 1 1.1. Amostragem do solo A amostragem de solo com objetivo de orientar a utilização de corretivos e

Leia mais

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO MILHO

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO MILHO Antonio Marcos Coelho e Gonçalo Evangelista de França, pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo INTRODUÇÃO Apesar de o alto potencial produtivo da cultura do milho, evidenciado por produtividades de 0 e

Leia mais

ANEXO 8.2: COMO FAZER OS CALCULOS DE ADUBAÇÃO NO SISTEMA ORGÂNICO

ANEXO 8.2: COMO FAZER OS CALCULOS DE ADUBAÇÃO NO SISTEMA ORGÂNICO ANEXO 8.2: COMO FAZER OS CALCULOS DE ADUBAÇÃO NO SISTEMA ORGÂNICO NESTA LIÇÃO SERÁ ESTUDADO Cálculo da adubação no sistema orgânico Fatores importantes a serem considerados na adubação. Formulas de adubação

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja 0 Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno.. Amostragem do solo A recomendação de adubação e de calagem baseia-se principalmente na análise de solo

Leia mais

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção Adilson de Oliveira Junior Temas Abordados Soja: Alguns Números/Fatos Preocupantes Adubação/Conceito de Manejo Integrado da FS Extração de Nutrientes Diagnose

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS Absorção plantas Prof. Dilmar Baretta (UDESC/CEO) & Profa. Carolina Baretta (UDESC/CEO/UNOCHAPECÓ) Roteiro da aula: 1) Noções de fertilizantes e escolha

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

Capítulo 7. Fertilizantes para fertirrigação. Ana Lúcia Borges Davi José Silva

Capítulo 7. Fertilizantes para fertirrigação. Ana Lúcia Borges Davi José Silva Capítulo 7 Fertilizantes para fertirrigação Ana Lúcia Borges Davi José Silva Introdução A escolha do fertilizante a ser aplicado na água de irrigação deve ser feita após avaliação das características

Leia mais

fertirrigação em citros

fertirrigação em citros Princípios básicos para fertirrigação em citros Engº Agrº M.Sc Rubens Stamato Campo Consultoria / GTACC Bebedouro, 03 de Outubro de 2007 Fertirrigação Técnica que combina a aplicação de água de irrigação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti PREPARAÇÃO DO FUNDO, ADUBAÇÃO, CALAGEM E MANEJO DO FLUXO DE ÁGUA DOS VIVEIROS

Leia mais

USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO

USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Cerrados Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO Djalma M. Gomes de Sousa Lourival

Leia mais

Adubação Fosfatada. Leonardo de Oliveira Machado. 1 Introdução. 2 Origem dos Adubos Fosfatados

Adubação Fosfatada. Leonardo de Oliveira Machado. 1 Introdução. 2 Origem dos Adubos Fosfatados Adubação Fosfatada Leonardo de Oliveira Machado 1 Introdução O nitrogênio, o fósforo e o potássio são os três elementos geralmente usados em maior escala na adubação. Analizando os tecidos vegetais verifica-se

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

ADUBOS & ADUBAÇÕES. Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar?

ADUBOS & ADUBAÇÕES. Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar? Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar? Os 16 elementos essenciais às plantas: PRIMÁRIOS (planta necessita em maiores quantidade)

Leia mais

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde 1 de 5 10/16/aaaa 10:13 Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde Nome Adubação Orgânica e Adubação Verde Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Adubação Orgânica Resenha

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Rafael Benetti 1 ; Adilson

Leia mais

Nutrição e adubação dos citros

Nutrição e adubação dos citros Nutrição e adubação dos citros Material Engº Agrº Derli Paulo Bonine Emater -Ascar Regional Estrela Apresentação Eng Agr Marcos José Schäfer Emater Ascar - Harmonia PROPRIEDADES DOS SOLOS BIOLÓGICAS FÍSICAS

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

http://www.ceinfo.cnpat.embrapa.br/arquivos/labsolos/amostragem.html

http://www.ceinfo.cnpat.embrapa.br/arquivos/labsolos/amostragem.html Coleta e Interpretação de Análise de Solo Cláudia Pombo Sudré Junho/2011 Coleta Glebas homogêneas Ziguezague Evitar Formigueiros Esterco Material de construção Vegetação diferente Relevo Coleta 0-20 cm

Leia mais

ADUBAÇÃO FOLIAR. Fornecimento de nutrientes para as plantas na forma de pulverização, aproveitando a capacidade de absorção pelas folhas.

ADUBAÇÃO FOLIAR. Fornecimento de nutrientes para as plantas na forma de pulverização, aproveitando a capacidade de absorção pelas folhas. ADUBAÇÃO FOLIAR Conceito Fornecimento de nutrientes para as plantas na forma de pulverização, aproveitando a capacidade de absorção pelas folhas. Bons resultados podem ser obtidos através da adubação foliar

Leia mais

Fertilização da Batateira. Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral

Fertilização da Batateira. Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral Fertilização da Batateira Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral Necessidade de Adubação na Cultura da Batata Adubação X Custo de produção 30% dos Insumos 20% do custo total Extração da batateira Para

Leia mais

Fontes de Zinco para a Agricultura e Oportunidades de Aplicação. Dr. Valter Casarin IPNI Brasil

Fontes de Zinco para a Agricultura e Oportunidades de Aplicação. Dr. Valter Casarin IPNI Brasil Fontes de Zinco para a Agricultura e Oportunidades de Aplicação Dr. Valter Casarin IPNI Brasil Utilização agrícola do cerrado Análise de 518 amostras da superfície de solos virgens do cerrado do Brasil

Leia mais

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade Valmor dos Santos INOVAÇÃO AGRÍCOLA E INSTITUTO PAS 77-9971-2234 (Vivo / WhatsApp) TEMAS QUE SERÃO ABORDADOS - Objetivos;

Leia mais

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia FATOS 80.000 70.000 60.000 ÁREA CULTIVADA (milhões/ha)

Leia mais

RACIONALIZAÇÃO DA ADUBAÇÃO DA CULTURA DE CANA-DE-AÇÚCAR Alternativas para redução de custo.

RACIONALIZAÇÃO DA ADUBAÇÃO DA CULTURA DE CANA-DE-AÇÚCAR Alternativas para redução de custo. RACIONALIZAÇÃO DA ADUBAÇÃO DA CULTURA DE CANA-DE-AÇÚCAR Alternativas para redução de custo. Claudimir Pedro Penatti Diretoria de Mercado&Oportunidades Gerente Regional Piracicaba José Anderson Forti Técnico

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

Princípios Básicos para Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes em Citricultura

Princípios Básicos para Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes em Citricultura 37 a SEMANA DA CITRICULTURA Princípios Básicos para Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes em Citricultura Dr. Luís Ignácio Prochnow Diretor do Programa do IPNI no Brasil INTERNATIONAL PLANT

Leia mais

FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÀO

FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÀO FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS Eng. Agr. Antônio Florenzano & Eng. Agr. Everaldo Eller Forth Jardim - Tecnutri do Brasil- R. Reinaldo Orlando Casagrande, 12 Tietê SP.

Leia mais

Absorção e adubação foliar

Absorção e adubação foliar Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola AL320 Absorção e adubação foliar Prof. Volnei Pauletti VIDA VEGETAL - começou no mar, durante o processo evolutivo as folhas não

Leia mais

Adubação Nitrogenada. Leonardo de Oliveira Machado. 1 - Introdução. 2 Ciclo do Nitrogênio. 3 Nitrogênio como Fertilizante

Adubação Nitrogenada. Leonardo de Oliveira Machado. 1 - Introdução. 2 Ciclo do Nitrogênio. 3 Nitrogênio como Fertilizante Adubação Nitrogenada Leonardo de Oliveira Machado 1 - Introdução O nitrogênio é, em geral, o elemento que as plantas necessitam em maior quantidade. Porem, devido à multiplicidade de reações química e

Leia mais

Adição de matéria orgânica ao solo

Adição de matéria orgânica ao solo MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO (MOS) A MOS faz parte do ciclo do carbono Qualidade ambiental Embora em pequenas proporções nos solos minerais, a MOS é importante devido à sua alta reatividade e interação com

Leia mais

Prof. Dr. Godofredo Cesar Vitti

Prof. Dr. Godofredo Cesar Vitti UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPTO. DE CIÊNCIA DO SOLO Nutrição e Adubação da Cana-de de-açúcar Prof. Dr. Godofredo Cesar Vitti Prof. Dr. Pedro Henrique de Cerqueira

Leia mais

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia ESALQ - USP Produção Vegetal agosto - 2013 Prof. José Laércio Favarin Composição química Importância do nitrogênio Composição cafeeiro Kg

Leia mais

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIDADE A planta absorve os nutrientes pelas raízes e pelas folhas. A absorção pelas raízes

Leia mais

OS MACRONUTRIENTES E OS MICRONUTRIENTES DAS PLANTAS

OS MACRONUTRIENTES E OS MICRONUTRIENTES DAS PLANTAS OS MACRONUTRIENTES E OS MICRONUTRIENTES DAS PLANTAS Sengik, Erico S. versão 2003 1. INTRODUÇÃO A água, a luz, os nutrientes, as pragas, as doenças, etc são fatores responsáveis pela produtividade animal

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO DE PLANTAS Nutrientes Macronutrientes: C, H, O, N, P, K, Ca, Mg, S. Micronutrientes: Fe, Mn, Zn, Cu, B, Mo, Cl.

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 Segue abaixo a interpretação da análise de solo, onde cada cor tem sua leitura em correspondência com a legenda. Segue abaixo também a

Leia mais

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO 1. NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Valdemar Faquin 2. DIAGNOSE DO ESTADO NUTRICIONAL DAS PLANTAS Prof. Valdemar Faquin 3. ABSORÇÃO FOLIAR E PRINCÍPIOS

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA Desvantagens: a) Produto não tem uniformidade quanto a composição (NPK), de umidade muito variável, cheira mal (operador não gosta de usar);

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO FERREIRA, C.F.; ANDREOLI, C.V.; PEGORINI, E.S., CARNEIRO, C.; SOUZA, M.L.P. Efeito de diferentes

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação

Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação Eng. Agr. Denilson Luís Pelloso Coord. Irrigação Agrofito LTDA Eng. Agr. Bruno Alves Dep. Agronômico Netafim - Brasil 03/09/08 Temas Conceitos básicos

Leia mais

Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido*

Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido* 1 Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido* Paulo Espíndola Trani Instituto Agronômico, Centro de Horticultura, Campinas (SP). petrani@iac.sp.gov.br * Campinas (SP), março de 2014 INTRODUÇÃO

Leia mais

Comunicado Técnico. Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu. Introdução

Comunicado Técnico. Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu. Introdução Comunicado Técnico Novembro, 76 ISSN 1981-206X São Carlos, SP 2007 Foto capa: Patricia Perondi A. de Oliveira Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu Patricia

Leia mais

Circular. Técnica. Autores. Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo

Circular. Técnica. Autores. Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo 1 ISSN 0100-6460 Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados

Leia mais

Absorção e Adubação foliar

Absorção e Adubação foliar Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Ciências do Solo Absorção e Adubação foliar Prof. Volnei Pauletti UFPR ADUBOS FLUÍDOS - Absorção

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade Roberto Lyra Villas Bôas, FCA/UNESP, Botucatu, SP Eng. Agron. João Roberto do Amaral Junior Abril 2013 Introdução: A adubação representa 18%

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

Nutrição do Cafeeiro, Macro e Micronutrientes, Recomendações e Racionalização

Nutrição do Cafeeiro, Macro e Micronutrientes, Recomendações e Racionalização Nutrição do Cafeeiro, Macro e Micronutrientes, Recomendações e Racionalização Engº. Agrº. Antônio Wander R. Garcia Engº. Agrº. Alysson Vilela Fagundes Aspectos relevantes e indispensáveis 1. Por que adubar?

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Danilo Pavan 1 ; Luciano Ansolin 1 ; Ivan José Rambo 1 ; Leandro Hahn 2 ; Neuri Antonio Feldmann 3 ; Fabiana Raquel Mühl 4 ; Anderson

Leia mais

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas Manejo de solos tropicais no mundo De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia Pesquisa e Extensão da Kansas Clima Solos Manejo Luz solar CO 2 Rendimento Propriedades Químicas

Leia mais

Adubação de Plantas Ornamentais. Professora Juliana Ferrari

Adubação de Plantas Ornamentais. Professora Juliana Ferrari Adubação de Plantas Ornamentais Professora Juliana Ferrari Indícios que a planta pode precisar de nutrientes O crescimento se torna lento; Adubação É o método de corrigir as deficiências de nutrientes

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha ecnologia e Produção: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 9 Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno.. Características edafoclimáticas

Leia mais

SUGESTÃO DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CULTURAS DE INTERESSE ECONÔMICO NO ESTADO DO PARANÁ

SUGESTÃO DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CULTURAS DE INTERESSE ECONÔMICO NO ESTADO DO PARANÁ CIRCULAR N. 128 ISSN 0100-3356 AGOSTO/2003 SUGESTÃO DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CULTURAS DE INTERESSE ECONÔMICO NO ESTADO DO PARANÁ Coordenação: Edson Lima de Oliveira INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ - LONDRINA

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO Resumo Jefferson B. Venâncio 1, Josiléia Acordi Zanatta 2, Júlio Cesar Salton 2 Os sistemas de manejo de solo podem influenciar

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação N, P e K...para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação Objetivo Elevar os teores dos nutrientes (N, P e K) no solo a níveis considerados adequados para as culturas expressarem

Leia mais

Fluxograma da lei, decretos, instrução normativa e portarias do MAPA.

Fluxograma da lei, decretos, instrução normativa e portarias do MAPA. Fluxograma da lei, decretos, instrução normativa e portarias do MAPA. I) Macronutrientes: Macronutrientes primários: nitrogênio (N); fósforo (P 2 O 5 ); potássio (K 2 O); Macronutrientes secundários: cálcio

Leia mais

Importância da fertilidade de solo no manejo integrado de Pratylenchus em soja

Importância da fertilidade de solo no manejo integrado de Pratylenchus em soja Importância da fertilidade de solo no manejo integrado de Pratylenchus em soja Henrique Debiasi - Embrapa Soja Julio Cezar Franchini - Embrapa Soja Waldir Pereira Dias - Embrapa Soja Alvadi Balbinot Embrapa

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais

EXTRATÉGIAS DE MANEJO DE FERTILIDADE E ADUBAÇÃO

EXTRATÉGIAS DE MANEJO DE FERTILIDADE E ADUBAÇÃO EXTRATÉGIAS DE MANEJO DE FERTILIDADE E ADUBAÇÃO UNIOESTE MARECHAL CANDIDO RONDON 12 e 13 de Junho de 2015 Eng agr Daniel J. de S. Mol Qual realidade atual do manejo do solo e fertilidade? Qual o objetivo

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

110 Circular. Técnica. Autores. Nutrição e Adubação do Algodoeiro com Micronutrientes

110 Circular. Técnica. Autores. Nutrição e Adubação do Algodoeiro com Micronutrientes 1 ISSN 0100-6460 Nutrição e Adubação do Algodoeiro com Micronutrientes 110 Circular Técnica Campina Grande, PB Outubro, 2007 Autores Maria da Conceição Santana Carvalho Eng. agrôn., D.Sc., da Embrapa Algodão

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

Acidez do solo e calagem. Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com

Acidez do solo e calagem. Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com Acidez do solo e calagem Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com Aula 2: Parte 1 - Acidez do Solo Acidez do solo. Significado da acidez do solo - Efeito direto e indireto. Tipos de

Leia mais

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Dados do Participante (Campeão) PRODUTOR: FREDERIK JAKOBUS WOLTERS CONSULTOR

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO TABELA DE PREÇOS

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO TABELA DE PREÇOS TABELA DE PREÇOS 1. SOLO 1.1.a Química para fins de avaliação da fertilidade do solo (Estado de São Paulo) SQ1.1 ph CaCl 2 0,01 mol L -1, P, K, Ca, Mg, H+Al e os cálculos SB, CTC, V %... 20,00/am. SQ2.1

Leia mais

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES:

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES: BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES: Aumenta a capacidade de retenção de água; Melhora a permeabilidade e o arejamento de solos pesados, minorando a sua tendência para a compactação;

Leia mais

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA Ribeirão Preto/SP, 08/10/2014 PROGRAMA DE ADUBAÇÃO PARA ALTA PRODUTIVIDADE 1. Promover uma melhor exploração do sistema radicular, especialmente

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

Fertilizantes com Micronutrientes para manejo da cana-de-açúcar

Fertilizantes com Micronutrientes para manejo da cana-de-açúcar Fertilizantes com Micronutrientes para manejo da cana-de-açúcar Fabio Vale Eng o Agr o, Dr. Adubai Consultoria Fertilizante Legislação Brasileira de Fertilizantes Decreto 4.954, de 14 de Janeiro de 2004,

Leia mais

ABSORÇÃO FOLIAR. Prof. Josinaldo Lopes Araujo. Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes

ABSORÇÃO FOLIAR. Prof. Josinaldo Lopes Araujo. Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes ABSORÇÃO FOLIAR Prof. Josinaldo Lopes Araujo 1 INTRODUÇÃO Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes Cada parte tem uma função definida As folhas absorvem água e nutrientes Porque essa capacidade?

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais