Sementes de Trigo: algumas considerações sobre o setor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sementes de Trigo: algumas considerações sobre o setor"

Transcrição

1 Sementes de Trigo: algumas considerações sobre o setor Maria Helena Fagundes Fevereiro/ Introdução A produção mundial de trigo grão caiu 3,76% entre as safras 1998/99 e 2002/03, percentual mais do que proporcional à queda da produção de cereais (-1,1%). A produção mundial de oleaginosas cresceu 5,8% no mesmo período, sendo que a produção mundial de grãos (cereais e oleaginosas) permaneceu aproximadamente no mesmo nível (diminuiu 0,02%). O trigo é o segundo grão mais produzido (26,9% do total, na média das últimas cinco safras), depois do milho (27,6% do total) e seguido pelo arroz (18,3% do total). É, no entanto, o grão mais comercializado mundialmente (35,63% do total, na média das últimas cinco safras), seguido pelo milho (24,54% do total comercializado) e pela soja (17,14% do total comercializado). O Brasil, que representou 0,5% da produção mundial de trigo nas últimas cinco safras, aumentou sua produção (números estimados para 2002/03) em 87,3% nesse mesmo período. Em um período mais longo, entre as safras 1990/91 e 2002/03, o crescimento da produção foi realizado com decréscimo de área plantada e aumento de produtividade. A participação da produção nacional no abastecimento interno tem sido de 28% na média das três últimas safras (excluindo-se as safras 1999/00 quebra de safra e 2002/03 números ainda estimados). O país, em 2002, passou a recorrer a outros mercados, além do Mercosul, para abastecer o mercado interno (Estados Unidos, Ucrânia e Polônia). Argentina, Canadá e a Austrália são países que exportam em torno de 70% de suas produções internas, demonstrando grande competitividade na produção desse cereal. As produtividades médias nas últimas três safras desses países foi: Argentina (2.305,7 kg/há); Canadá (2.042,9 kg/há); e Austrália (1.554,7 kg/há). No mesmo período, a produtividade da produção nacional foi de 1.731,3 kg/há, sendo, portanto, superior à da Austrália (terceiro maior exportador mundial na média das cinco últimas safras). Os Estados Unidos (maior exportador mundial) exportam 47% de sua produção interna, auxiliado por programas governamentais de apoio à comercialização. A produção de sementes de trigo é importante para a consecução do plano estratégico nacional de produção de trigo. No entanto, a safra de trigo grão 2003/04 deverá encontrar dificuldades na disponibilidade de sementes para o

2 plantio, sendo que a oferta estimada deverá atender a 84,4% da demanda efetiva e 77,1% da demanda potencial. 2. Cenário internacional da produção de trigo grão A produção mundial de trigo (Triticum aestivum L. = Triticum sativum Lam.) diminuiu de 589,6 milhões de t na safra 1998/99 para 567,5 milhões de t em 2002/03(estimativa), ou uma queda de 3,76% entre os dois períodos. China e União Européia alternam-se como maiores produtores mundiais, sendo que, nos últimos 5 anos, caso se confirmem as estimativas de produção para 2002/03, a China será, na média das últimas 5 safras, o maior produtor mundial, com 17,52% da produção mundial total (mas a taxa de crescimento de sua produção declinou 16,2% no período); seguido pela União Européia com 17,19% do total (com uma taxa de 0,6% de crescimento da produção); Índia com 12,19% do total (taxa de crescimento de 8,5%); Estados Unidos, 9,97% do total (queda na produção de 36,5% no período); Rússia, com 6,5% do total (taxa de crescimento de 83,3%); Leste Europeu com 5,38% (queda de 9,3% na produção no período); Canadá, com 3,91% (queda de 34,8% na produção no período, devido, parcialmente, à quebra de safra em 2002/03); Austrália com 3,58% da produção mundial (produção que cai 53,4%, devido à quebra de safra em 2002/03); Paquistão com 3,31%; Turquia com 2,98%; e Argentina com 2,56% do total da produção mundial. O Brasil é um produtor marginal de trigo, participando ao longo do período 1998/99 a 2002/03, com 0,5%, em média, da produção mundial (quadro e gráfico a seguir). A se confirmarem as informações para a safra 2002/03, esta será a menor dos últimos 5 anos, com uma queda adicional de 1,8% em relação à safra anterior de 2001/02, devido à queda de produção na Austrália, Canadá, Estados Unidos e países do leste europeu. Trigo: Produção mundial, do Brasil e dos principais países 1998/99 a 2002/03 Em mil t Participação na produção Tx de cresc País 1998/ / / / /03 ¹ total (média 5 anos)-em % 02/03 s/ 98/99 % % União Européia , , , , ,00 17,19% 0,6% China , , , , ,00 17,52% -16,2% India , , , , ,00 12,19% 8,5% Russia , , , , ,00 6,50% 83,3% USA , , , , ,00 9,97% -36,5% Leste Europeu ¹ , , , , ,00 5,38% -9,3% Ucrânia , , , , ,00 2,79% 40,6% Paquistão , , , , ,00 3,31% 4,3% Turquia , , , , ,00 2,98% 2,8% Canadá , , , , ,00 3,91% -34,8% Argentina , , , , ,00 2,56% -2,3% Austrália , , , , ,00 3,58% -53,4% Brasil 2.402, , , , ,10 0,50% 87,3% Países acima , , , , ,10 88,38% -5,4% Outros países , , , , ,90 11,62% 8,8% Total , , , , ,00 100,00% -3,8% Fonte: USDA (jan/2003), Conab(dez/2002). * Estimativa. ¹ Leste Europeu: Albania,Bosnia-Herzegovina, Bulgária, Croácia, República Checa, Hungria, Macedonia, Polônia, Romania, Sérvia, Eslováquia e Eslovênia. 2

3 Trigo: Produção do Brasil e dos principais países produtores 198/99 a 2002/03 E m m il t , , ,00 Em 1000 t , ,00 União Européia Índia Estados Unidos Ucrânia Turquia Argentina China Rússia Leste Europeu Paquistão Canadá Austrália ,00 0, / / / / /03 ¹ Fonte: USD A. O trigo é o segundo grão mais cultivado depois do milho: a participação média da produção de trigo na produção mundial de grãos nas últimas cinco safras foi de 26,9% do total (ou 31,3% do total produzido de cereais), com queda de 3,8% entre 1998/99 e 2002/03; logo após a de milho que participou com 27,6% do total (e queda de 2,5% no mesmo período). O arroz é o terceiro grão mais cultivado (18,3% na média), seguido pela soja (8,0% do total de grãos produzidos). Produção mundial de grãos 1998/99 a 2002/03 Em milhões de t Grão 1998/ / / / /03 ¹ Média das 5 safras Tx.de Valor Partic. % cresc (%) Trigo 589, ,7 579,5 567,5 581,3 26,90% -3,8% Arroz 394,1 409,3 397,8 397,3 380,3 395,8 18,30% -3,5% Milho 605,6 606,4 587,3 597,2 590,5 597,4 27,60% -2,5% Cevada 135,6 127,7 133,7 140,6 132,2 133,9 6,20% -2,5% Sorgo 59,9 58, ,5 51,5 55,9 2,60% -14,0% Aveia 25, ,2 26, ,8 1,20% 1,2% Centeio 20,1 19,3 19,1 22,9 20,6 20,4 0,90% 2,5% Total de forrageiras 889,7 876,4 859,6 887,7 859,9 874,7 40,40% -3,3% TOTAL CEREAIS 1.873, , , , , ,70 85,60% -3,5% Soja 159,8 159,9 175,1 184, ,00% 19,5% Colza 35,9 42,5 37,6 35,9 32,1 36,8 1,70% -10,6% Girassol 26,6 27,2 23,3 21,2 23,5 24,4 1,10% -11,7% TOTAL OLEAGINOSAS ² 294,7 303,4 313,4 323,5 323,9 311,8 14,40% 9,9% TOTAL GRÃOS 2.168, , , , , ,50 100,00% -1,7% Fonte: USDA (jan/2003). ¹ Estimativa. ² Soja, algodão, amendoim, girassol, colza, copra e óleo de palma. O quadro a seguir mostra a evolução do comércio internacional de grãos (cereais e oleaginosas) entre as safras 1998/99 e 2002/03: 3

4 Comércio internacional de grãos 1998/99 a 2002/03 ¹ Em milhões t Grão 1998/ / / / /03 Participação últimas 5 safras Tx.de Média % cresc. (%) Trigo 102,02 112,78 103,48 109,99 105,65 106,78 35,63% 3,6% Arroz 24,94 22,85 24,44 27,1 26,75 25,22 8,41% 7,3% Milho 68,66 73,25 76,41 74,14 75,3 73,55 24,54% 9,7% Cevada 17,79 18,79 16,57 17,18 15,63 17,19 5,74% -12,1% Sorgo 6,46 8,04 7,45 7,05 5,65 6,93 2,31% -12,5% Aveia 1,98 2,1 2,35 1,94 2,24 2,12 0,71% 13,1% Centeio 1,68 2,33 1,1 1,22 1,3 1,53 0,51% -22,6% Total de forrageiras 96,57 104,51 103,87 101,53 100,1 101,32 33,81% 3,7% TOTAL CEREAIS 223,53 240,13 231,79 238,62 232,5 233,31 77,85% 4,0% Soja 38,72 46,68 55, ,4 51,38 17,14% 58,6% Colza 9,34 11,26 9,86 7,53 6,02 8,80 2,94% -35,5% Girassol 4,45 3,39 3,48 2,22 2,44 3,20 1,07% -45,2% TOTAL OLEAGINOSAS 55,12 64,64 71,45 68,03 72,67 66,38 22,15% 31,8% TOTAL GRÃOS 278,65 304,77 303,24 306,65 305,16 299,69 100,00% 9,5% Fonte: USDA (jan/2003). ¹ Estimativa. O trigo grão participou com 35,63%, na média das últimas 5 safras, do comércio total de grãos (essa participação sobe para 45,76% do comércio total se for considerado apenas o comércio de cereais), com um crescimento de 3,6% no comércio no período. Constitui-se, portanto, no grão mais comercializado no mercado mundial, seguido pelo milho (24,54% e 9,7% de crescimento do comércio) e pela soja (17,14%do total e 58,6% de crescimento do comércio no período). O quadro a seguir apresenta o percentual comercializado no mercado mundial da produção de cada grão (cereais e oleaginosas). Percentual com ercializado da produção m undial de grãos 1998/99 a 2002/03 M édia das 5 safras G rão Produção Com ercializado % Trigo 581,28 106,78 18,37% Arroz 395,75 25,22 6,37% M ilho 597,41 73,55 12,31% Cevada 133,95 17,19 12,83% Sorgo 55,92 6,93 12,39% Aveia 25,77 2,12 8,23% Centeio 20,41 1,53 7,50% T o ta l d e fo rra g e ira s 874,67 101,32 11,58% TOTAL CEREAIS 1851,7 233,32 12,60% Soja 174,02 51,38 29,53% Colza 36,79 8,8 23,92% G irassol 24,38 3,2 13,13% TOTAL OLEAGINOSAS 311,79 66,38 21,29% TOTAL GRÃOS 2.163,50 299,7 13,85% Fonte: U SDA (jan/2003). O trigo é o terceiro grão mais comercializado em relação à produção no mercado mundial, com 18,37% da sua produção comercializada (45,7% da produção total de cereais). O grão cuja produção é mais comercializada é a soja (29,52%); seguido pela colza (23,92% do total produzido). Os seis principais países exportadores são: Estados Unidos, representando 25,84% das exportações médias mundiais no período 1998 a 2002 (país que exportou 47,59% da sua produção interna na média das safras 1998/99 a 2002/03), havendo decrescido suas exportações em 12,2% no período; Canadá, com 14,31% do total no mesmo período (país que exportou em média 67,14% da sua produção); União Européia com 13,81% (país que exportou, na média das últimas 5 safras, 14,75% da sua produção interna), e que cresceu suas exportações em 2,7% no período; Austrália com 14,12% do total médio 4

5 comercializado mundialmente (país que exportou 72,51%, em média, da sua produção interna), com quebra da safra 2002/03; Argentina com 9,58% do total das exportações mundiais (país que exportou, em média, 68,73% da sua produção interna), cuja produção entrou em crise em 2002/03; Kasakstan com 3,98% das exportações mundiais (aumento de 117,9% nas exportações; e Ucrânia com 3,97% do total médio mundial (país que exportou em média 26,18% da sua produção interna no período analisado) e que aumentou suas exportações em 91,7% no período. Os principais países/regiões importadores são: Norte da África (Algéria, Egito, Líbia, Marrocos e Tunísia) com 16,14% do total médio das importações mundiais entre 1998/99 e 2002/03, e que crescem suas importações em 2,3% no período; o Brasil, com 6,73% do total das importações mundiais no mesmo período, as quais decresceram 9,3%; a União Européia, com importações médias que representaram 5,7% do total das importações mundiais, importações que cresceram 152,6% no período; Japão com 5,51% do total das importações mundiais, cujas importações caem 2,7% no período; a ex-união Soviética, com 5,14%, cujas importações caem 39,4%; Iran com 4,64% do total; Coréia do Sul com 3,63% das importações médias mundiais; Indonésia com 3,49% do total médio das importações; seguido por México com 2,75% do total; Filipinas com 2,73% do total; Iraque com 2,62%; e China, com 0,77% das importações médias totais. Nos últimos 10 anos, o Brasil esteve entre os três principais importadores mundiais desse cereal, sendo que nos últimos 5 anos, foi o maior importador (se excetuar-se a região Norte da África - ver quadro a seguir). Trigo: Principais países exportadores e importadores ¹ 1998/99 a 2002/03 (estimativa) Em milhões de toneladas País/Região 1998/ / / / /03 ³ Média (5 anos) Tx. de V alor Partic.no total (%) cresc. % EXPORTADORES Estados Unidos 29,03 29,45 27,85 26,14 25,50 27,59 25,84% -12,2% União Européia 14,60 17,40 15,23 11,49 15,00 14,74 13,81% 2,7% Ucrânia 4,70 1,95 0,08 5,49 9,00 4,24 3,97% 91,7% Argentina 9,20 11,08 11,40 11,48 8,00 10,23 9,58% -13,0% Canadá 14,39 19,37 17,35 16,76 8,50 15,28 14,31% -40,9% Rússia 1,65 0,52 0,70 4,37 9,50 3,35 3,13% 475,1% Austrália 16,10 17,12 16,68 16,49 9,00 15,08 14,12% -44,1% Kasakstan 2,30 6,51 3,67 3,78 5,00 4,25 3,98% 117,9% Países acima 91,97 103,41 92,94 96,00 89,50 94,76 88,75% -2,7% Outros países 10,06 9,36 10,54 13,99 16,15 12,02 11,25% 60,6% Mundo 102,02 112,78 103,48 109,99 105,65 106,78 100,00% 3,6% IMPO RT ADO RES Norte da África ² 16,82 16,48 18,28 17,41 17,20 17,24 16,14% 2,3% União Européia 3,76 4,18 3,16 9,82 9,50 6,08 5,70% 152,6% Brasil 7,39 7,30 7,45 7,11 6,70 7,19 6,73% -9,3% Japão 5,96 5,96 5,89 5,84 5,80 5,89 5,51% -2,7% Antiga União Soviética ³ 5,46 9,80 5,12 3,79 3,31 5,49 5,14% -39,4% Iran 2,59 7,36 6,25 5,60 3,00 4,96 4,64% 16,1% Indonésia 3,12 3,74 4,07 3,68 4,00 3,72 3,49% 28,3% Coréia do Sul 4,69 3,81 3,13 3,98 3,80 3,88 3,63% -19,0% México 2,49 2,63 3,07 3,20 3,30 2,94 2,75% 32,8% Filipinas 2,33 2,98 3,05 2,92 3,30 2,92 2,73% 41,8% Iraque 2,03 2,65 3,30 3,00 3,00 2,80 2,62% 47,9% China 0,83 1,01 0,20 1,09 1,00 0,83 0,77% 20,6% Países acima 57,44 67,91 62,94 67,44 63,91 63,93 59,87% 11,2% Outros países 44,58 44,86 40,54 42,55 41,75 42,85 40,13% -6,4% Mundo 102,02 112,78 103,48 109,99 105,65 106,78 100,00% 3,6% Fonte: USDA (jan/2003). ¹ Os dados de comércio incluem farinha de trigo. ² Norte da África (Algéria, Egito, Líbia, Marrocos e Tunísia). ³ Armênia, Azerbaijan, Belarus, Georgia, Kazakstan, Jyrgyzstan, Moldova, Russia, Tajikistan, Turkmenistan, Ukraine, Uzbekistan, Estonia, Latvia e Lituânia. 5

6 3. Cenário nacional da produção de trigo grão 3.1 Produção De acordo com os dados da Conab, a produção de trigo no Brasil cresceu de 2,62 milhões de toneladas na média das safras 1990/91 a 1992/93 para 2,83 milhões de toneladas na média das safras 98/99, 00/01 e 01/02, ou seja, um acréscimo de 7,90% na produção nacional de trigo 1 (se a comparação for com a média das safras 2000/01, 2001/02 e 2002/03, a produção terá crescido 24,7%). No mesmo período, a área decresceu 12,65%, passando de uma área média de 1,92 milhões de hectares no início da década para 1,68 milhões de hectares na média das safras 98/99, 00/01 e 01/02(se a comparação for com a média das safras 2000/01, 2001/02 e 2002/03, a área terá aumentado 21,03%). Constata-se, na comparação da média dos dois períodos, um aumento de 27,48% na produtividade desse cereal (de 28,09% se for considerada a safra 2000/01, 2001/02 e 2002/03), que passou de uma média de 1.351,65 kg/ha na média dos primeiros três anos da década para 1.723,12 kg/ha na média das safras 1998/99, 2000/01 e 2001/02 (ou para 1.731,39 kg/ha se for considerada a média das safras 2000/01, 2001/02 e 2002/03), conforme quadro e gráfico a seguir. Trigo: Produção, área e produtividade 1990/91 a 2001/02 90/91 91/92 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 ² Produção (Em 1000 t) 3.077, , , , , , , , , , , , ,10 Área (Em 1000 ha) 2.145, , , , , , , , , , , , ,50 Produtividade ( Em kg/ha) 1.434, , , , , , , , , , , , ,31 Fonte: Conab. ¹ Excluiu-se do limite superior a safra 99/00 dada a frustração de colheita devido à geada e seca. ² Estimativa Conab (dez/2002). Média safras Taxas de crescimento 90/91, 91/92 e 92/93 (A) 98/99, 00/01 e 01/02 (B) 00/01,01/02 e 02/03 (C) B/A (%) C/A (%) Produção 2.622, , ,37 7,90% 24,70% Área 1.928, , ,80-12,65% 21,03% Produtividade 1.351, , ,39 27,48% 0,48% 1 Optou-se por excluir a safra 1999/00 devido à quebra de produção causada pela geada e seca ocorrida naquele ano e a safra 2003/03 devido aos números ainda estimados de sua produção. 6

7 5.000,00 Trigo: Produção, área e produtividade 1990/91 a 2002/03 Em 1000 t, 1000 ha e kg/ha 4.500,00 Em 1000 t, 1000 ha e kg/ha 4.000, , , , , ,00 Produção (Em 1000 t) Área (Em 1000 ha) Produtividade (Em kg/a) 1.000,00 500,00 0,00 90/91 91/92 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 Fonte: Conab O quadro a seguir mostra a distribuição da produção nacional por estado, entre as safras 1993/94 e 2002/03: Produção de trigo por Estado 1993/94 a 2002/03 Em t Safra Minas Gerais Sao Paulo Parana Rio Grande do Sul Santa Catarina Mato Grosso do Sul Goiás Distrito Federal TOTAL Partic. Média na prod, Paraná RS 1993/ ,88% 38,62% 1994/ ,74% 21,65% 1995/ ,17% 31,02% 1996/ ,60% 25,36% 1997/ ,29% 25,38% 1998/ ,36% 28,95% 1999/ ,68% 53,74% 2000/ ,87% 32,02% 2001/ ,04% 33,78% 2002/03 ¹ ,92% 35,56% Média ,6% 32,6% Fonte: Conab. ¹ Estimativa (dez/2002). Na média das últimas dez safras, o estado do Paraná participou com 58,6% e o Rio Grande do Sul com 32,6% da produção total do país. Merece menção a evolução da produção de trigo em Goiás que passou de 10,1 mil t na safra 2000/01 para 45,1 mil t na safra 2001/02, um crescimento de 346,5%, (ou de 323,76% se for considerada a estimativa de safra para 2002/03). No caso de se confirmarem as estimativas para a safra 2002/03, a Região Centro-Oeste (Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal) deverá aumentar sua produção em 87,5% entre as safras 2001/02 e 2002/03, passando de uma produção de 126,2 mil t (4,3% da produção nacional) para 236,6 mil t (5,2% da produção nacional). A região Sudeste (Minas Gerais e São Paulo) deverá aumentar a sua produção em 40,4% em 2002/03 em relação à safra anterior, reduzindo sua participação na produção total do país, passando de 86,2 mil t (2,9% da produção nacional) para 121,0 mil t (2,6% da produção nacional). 7

8 A região Sul deverá aumentar a sua produção em 54,5% entre 2001/02 e 2002/03, mantendo aproximadamente a sua participação na produção total do pais, passando de 2.681,4 mil t (92,6% da produção nacional) para 4.142,5 mil t (92,0% da produção nacional. A produtividade alcançada, por estado, está detalhada no quadro e gráfico a seguir. Produtividade do trigo nos principais estados produtores e média nacional Em kg/ha (1990/91 a 2002/03) Estado 90/91 91/92 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 Média 5 últimas safras¹ PR ,00 SC ,80 RS ,00 MG ,60 SP ,20 MS ,20 GO ,60 DF ,80 BRASIL ,20 Fonte: Conab. ¹ Média das 5 últimas safras (excluída a safra 1999/00) Produtividade da lavoura de trigo, por estado 1990/91 a 2002/03 Em kg/ha PR SC RS MG Em kg/ha SP MS GO DF /91 91/92 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 Fonte: Conab. A produtividade da produção de trigo irrigado em Minas Gerais e Distrito Federal situou-se em kg/ha, nas últimas 5 safras, representando aproximadamente 1% da produção nacional. A produção de trigo irrigado concentra-se principalmente no triângulo mineiro (municípios de Presidente Olegário, Patos de Minas, São Gotardo, Patrocínio, Perdizes, Unaí e Paracatú); no sudoeste goiano (Rio Verde, Montevidiu e Mineiros); e Distrito Federal e entorno (Cristalina, Planaltina, Lusiânia e Formosa). As cultivares mais utilizadas nesse tipo de cultivo são a Embrapa 42, a Embrapa 22 e a BRS 207. A média da produtividade nos demais estados produtores, nas últimas 5 safras (excluída a safra 1999/00), situa-se em: kg/ha no Paraná; 1601,80 kg/ha em Santa Catarina; kg/ha no Rio Grande do Sul; 1.927,20 8

9 kg/ha em São Paulo; 1.550,20 kg/ha em Mato Grosso do Sul; e 1.631,60 kg/há em Goiás. O quadro a seguir apresenta as produtividades mundiais da lavoura de trigo. Trigo: Produtividades mundiais Em kg/há 1995/96 a 2002/03 País/Região 1995/ / / / / / / /03 Média nos períodos Tx.cresc 95, 96 e 97 00,01 e 02 % União Européia 5.278, , , , , , , , , ,6 0,3% China 3.541, , , , , , , , , ,8-0,4% Índia 2.559, , , , , , , , , ,8 4,5% Rússia 1.394, , , , , , , , , ,8 17,6% Estados Unidos 2.406, , , , , , , , , ,8-0,5% Leste Europeu 3.546, , , , , , , , , ,3-1,0% Ucrânia 2.969, , , , , , , , , ,7 2,3% Paquistão 2.081, , , , , , , , , ,8 7,5% Turquia 1.916, , , , , , , , , ,8 3,7% Canadá 2.250, , , , , , , , , ,9-8,1% Argentina 1.934, , , , , , , , , ,7-0,3% Austrália 1.796, , , , , , ,9 983, , ,7-12,9% Brasil 1.745, , , , , , , , , ,3 5,0% Países acima 2.570, , , , , , , , , ,8 1,0% Total Mundo 2.508, , , , , , , , , ,9 1,0% Fonte: FAO e Conab. A região de maior produtividade é a União Européia (quarto maior exportador mundial), com uma média de 5.702,6 kg/há no período recente, e cuja produtividade cresceu 0,3% entre a média das safras 1995, 1996 e 1997 e as safras 2000/01, 2001/02 e 2002/03. Segue-se a China com produtividade de 3.774,8 kg/há e o Leste Europeu com 3.304,3 kg/há. Os Estados Unidos, maior exportador mundial, teve uma produtividade de 2.634,8 kg/há, sendo esta a sexta mais alta produtividade na média das três últimas safras. O Canadá, segundo maior exportador mundial, teve uma produtividade média de 2.042,9 kg/ha no período recente, a qual decresceu 8,1% entre os períodos citados. A Austrália, terceiro maior exportador, teve uma produtividade de 1.554,7 kg/ha no período recente (taxa de queda de produtividade de 12,9% entre os dois períodos citados), sendo inferior à média do Brasil no mesmo período que foi de 1.731,3 kg/ha (caso se confirmem as estimativas para a safra 2002/03). Merece menção o crescimento da produtividade média na Rússia (oitavo maior exportador mundial na média das cinco últimas safras), que passou de 1.725,6 kg/ha para 2.029,8 kg/ha entre os períodos citados, um crescimento de 17,6%. A produtividade da produção nacional é equivalente a 63,5% da produção mundial média do último período. O quadro a seguir apresenta o calendário agrícola da produção de trigo nas regiões Sul, Centro-Oeste e Sudeste. 9

10 Calendário agrícola do Trigo Região/Estado Plantio Colheita Região Sul Paraná abril, maio e junho setembro e outubro Rio Grande do Sul maio, junho e julho outubro, novembro e dezembro Santa Catarina junho e julho novembro e dezembro Região Centro-Oeste Mato Grosso do Sul abril e maio agosto e setembro Goiás e DF sequeiro janeiro e fevereiro maio e junho Goiás e DF irrigado maio setembro Região Sudeste São Paulo março e abril agosto, setembro e outubro Minas Gerais sequeiro janeiro, fevereiro e março maio, junho e julho Minas Gerais irrigado abril, maio e junho agosto, setembro e outubro Fonte: Conab. O plantio, se for considerado o ano calendário, inicia-se em Minas Gerais, Goiás e DF (sequeiro) nos meses de janeiro, fevereiro e março. O plantio do trigo irrigado é realizado em abril, maio e junho em Goiás, DF e Minas Gerais; continua com o estado do Paraná, com plantio a partir de abril até junho; e finalmente Rio Grande do Sul e Santa Catarina com plantio entre maio e julho. 3.2 Estratégia de produção O quadro e o gráfico a seguir mostram o comportamento da produção, das importações (dados até dezembro/2002) e do consumo de trigo no país nas últimas treze safras. Trigo: produção, importações e consumo 1990/91 a 2001/02 Safra Produção Importações Consumo Prod/consumo (mil ton.) (mil ton.) (mil ton.) (%) 1990/ , , ,00 40,54% 1991/ , , ,00 35,07% 1992/ , , ,00 26,51% 1993/ , , ,00 25,95% 1994/ , , ,00 18,47% 1995/ , , ,00 39,72% 1996/ , , ,00 27,84% 1997/ , , ,00 23,83% 1998/ , , ,00 23,91% 1999/ , , ,00 16,47% 2000/ , , ,00 31,63% 2001/ , , ,00 28,37% 2002/03 ¹ ² 4.500, , ,00 44,12% Média 2.611, , ,92 29,42% Fonte: CONAB;MDIC/Alice, Embrapa. ¹ Importações grão até 22/12/02. ² Produção (estimativa dez/2002). 10

11 12.000,00 Trigo: Produção, importações e consumo Em 1000 t 1990/91 a 2002/ , ,00 Em 1000 t 6.000, ,00 Produção Importações Consumo 2.000,00 0, / / / / / / / / / / / / /03 ¹ ² Fonte: MDIC, Conab. A produção nacional tem sido capaz de atender a 29,42% do consumo interno na média das últimas treze (ou 27,1% se forem consideradas as últimas 5 safras -excluídas as safras 1999/00 e 2002/03), sendo as importações necessárias para atender a aproximadamente 70% do consumo. A partir de 1994, com o aumento do poder de compra derivado do Plano Real, cresce o consumo interno e consequentemente as importações de trigo, dada a insuficiência da produção interna. 2 No que se refere à origem das importações, constata-se que, a partir da assinatura dos primeiros acordos entre Argentina e Brasil em 1986, anteriores à formação do Mercosul, a Argentina passa a deslocar os EUA (que contavam com programas subsidiados de exportação) como principal fornecedor de trigo ao Brasil. O Canadá permanece com sua parte de comércio no abastecimento do mercado brasileiro até A partir de 1997 e até 2001, a Argentina passa a ser a origem de aproximadamente 95% das importações de trigo do país. Em 2001, os EUA e Canadá participaram com 1,47% e 0,48%, respectivamente, no total das importações brasileiras. No entanto, em 2002, devido à crise econômica da Argentina, com queda na produção de trigo naquele país (de 15,5 milhões de t na safra 2001/02 para 13,0 milhões de t em 2002/03), a participação daquele país nas importações brasileiras se reduziu para 83,03% do total (valores até 29/12/2002). Os Estados Unidos representaram 10,24%, a Ucrânia 1,90%, a Polônia 1,47% e o Paraguai 1,2% no total das importações brasileiras de trigo em É consenso entre os pesquisadores do setor 3 que o país tem condições de clima, solo, materiais genéticos, tradição agrícola e tecnologia disponível para atingir uma produção que atenda a 60% da demanda nacional, recuperando a triticultura nacional e reduzindo a dependência nacional por 2 Entre 1986 e 1989 o Brasil produziu 5.614,4 mil t (1986); 6200,9 mil t (1987); 5.745,6 mil t (1988); e 5.505,8 mil t em Esses níveis de produção representam em torno de 60% do consumo atual e demonstram a viabilidade da produção nacional. A partir de 1990/91 e até 2002/03, a produção brasileira cai para uma média de 2.611,28 mil de t ao longo do período. 3 Comissão Sul-Brasileira de Pesquisa de Trigo, Indicações Técnicas da Comissão Sul-Brasileira de Pesquisa de Trigo 2002, FEPAGRO, Porto Alegre, Segundo esta Comissão, o Brasil cultivou nos últimos anos apenas 14% da área apta disponível para esse cereal. 11

12 importações para aproximadamente 40% do consumo interno em 2005 (quadro a seguir). Com exceção da produção da safra 2001/02, onde a meta alcançada significou 96,33% da meta projetada, o país tem conseguido alcançar as produções previstas. Trigo: Estratégia brasileira de produção 2000/01 a 2004/05 Período Meta projetada % da Demanda Demanda estimada Meta alcançada Meta alcançada/ Ano Safra (em milhões de t) (em milhões de t) (em milhões de t) meta projetada (%) 1º ano 2000/01 2,50 25% 3,19 127,60% 2º ano 2001/02 3,00 30% 10,20 2,89 96,33% 3º ano 2002/03 ¹ 4,20 40% 10,50 4,50 107,14% 4º ano 2003/04 5,40 50% 11,00 5º ano 2004/05 6,70 60% 11,40 Fonte: Embrapa Trigo e Conab. ¹Aumento de 10,8% da área; 55,5% da produção; e 40,3% da produtividade (estimativa Conab, dez/2002). A produção de sementes apropriadas para os diferentes climas e solos dos diversos estados produtores (os que produzem tradicionalmente e as áreas novas de cultivo) torna-se imprescindível para a consecução da estratégia de produção proposta para o setor. 4. Sementes de trigo 4.1 Cultivares O quadro a seguir mostra a quantidade de cultivares de trigo registradas e para as quais foi concedida proteção (15 anos) a partir de 1998, ano seguinte ao de aprovação da Lei de Proteção de Cultivares 4. Em 1998 foram registradas 64 cultivares; 22 em 1999; 10 em 2000; 9 em 2001; e 8 em No que se refere à concessão de proteção, foram protegidas 7 cultivares por ano entre 1998 e 2000; 10 em 2001; e 8 em Ao todo são 113 cultivares que estão aptas a serem produzidas e/ou comercializadas no país e 39 cultivares com certificado de proteção. 5 Sementes de trigo: cultivares registradas e protegidas 1998 a Total Registradas Protegidas Fonte: MAPA/SNPC. O quadro a seguir apresenta as cultivares protegidas e as registradas, por titular da proteção e responsável pela manutenção 6 : 4 A espécie Triticum durum Desf. possui 4 cultivares registradas no MAPA/SNPC (IAC 1002/Graal, IAC 1003/Gallareta, IEPD 9408 e IPR 90) e o trigo mourisco/trigo sarraceno (Fagopyrum esculentum Moench.) possui 2 cultivares registradas (IPR 91-BAILI e IPR 92-ALTAR). Não existem cultivares protegidas dessas duas espécies de trigo. 5 Os Estados Unidos comercializam em torno de 300 cultivares de trigo. 6 Não necessariamente o titular da proteção é o responsável pela manutenção da cultivar. 12

13 Sementes de trigo: Cultivares protegidas e cultivares registradas Cultivares protegidas Titulares da proteção Cultivares Embrapa/Brasília (12) BRS 119, 120, 176,177, 179, 192, 193, 194, 207, 208, 201 e 49 OR Melhoramento de Sementes Ltda/Passo Fundo (7) Alcover, Avante, Granito, JASPE, Ônix, Rubi e Taurum Coop.Central Agropec. De Des. Tecnológico e Eco. Ltda -COODETEC/Cascavel (7) CD 101, 102, 103, 104, 105, 106 e 107 FEPAGRO/Porto Alegre (1) Fepagro 15 FECOTRIGO/FUNDACEP (7) Fundacep 15, 30, 31, 32, 36, 37 e 40 ICA Melhoramento Genético Ltda (2) ICA 1 e IAC 2 Instituo Agronômico do Paraná/Londrina (2) IPR 85 e IPR 87 Milenia Biotecnologia e Genética Ltda/Londrina (1) Manitoba 97 Cultivares registradas Responsáveis pela manutenção Cultivares Embrapa/Brasília (46) BR 15, 17(Caiuá), 18 (Terena), 23, 26(São Gotardo), 31 (Miriti), 33 (Guará), 35, 40 (Tuiúca), BRS 119, 120,176, 177, 179,192, 193, 194, 207,208, 209, 210, 220, 49, Angico, Figueira, Timbaúva, CPAC 9183, CPAC 9186, Embrapa 10 (Guajá), Embrapa 16, 21, 22, 24, 27, 40, 41, 42, 52, Peladinho, PF 88437, PF 92231, PF93167, PF 93188, , PF , WT OR Melhoramento de Sementes/Passo Fundo (9) Alcover, Avante, Granito, Jaspe, Ônix, OR 1, OR Juanito, Rubi, Taurum Mauro Emílio Biesek/Paraná (1) Biesek Coodetec/Paraná (11) CD 101,102, 103, 104, 105, 106, 107, OCEPAR 14, 16, 21,22 FECOTRIGO/FUNDACEP (11) CEP 11, 14 (Tapes), 24 (Industrial), 27 (Missões), Fundacep 29, 30, 31, 32, 36, 37, 40 Fundação Estadual de Pesq.Agropec/Porto Alegre (3) Fepagro 15, RS 1 (Fênix), RS 8 (Westphalen) Instituto Agronômico-IAC/Campinas (11) IAC 120 (Curumi), IAC 231 (Kalypso), 24 (Tucuruí), 287 (Yaco), 289 (Marruá), 350 (Goiapá), 362 (Tucuruí II), 364 (Tucuruí III), 370 (Armageddon), 5 (Maringá), 60 (Centenário) Instituto Agronômico - Paraná (10) IAPAR 17 (Caeté), 28 ( Igapó), 29(Cacatu), 53, 6 (Tapejara), 60, 78, IPR 84, 85, 87 ICA Melhoramento Genético Ltda (2) ICA 1 e 2 Rudiger Boye /Paraná (1) Manitoba 97 INDUSEM- Indústria e Comércio de Sementes Ltda/Paraná (1) Panda Centro Federal de Educação Tecnológica/Paraná (1) UTF 1010 Não disponível (6) Anahuac, Anahuac 75, BH 1146, EP 9122, MS 911, MS 9129 Fonte: MAPA/SNPC. A Embrapa possui 12 cultivares protegidas e 46 registradas; a OR Melhoramentos possui 7 cultivares protegidas e 9 registradas; a Coodetec possui 7 cultivares protegidas e 11 registradas; a FEPAGRO 1 protegida e 3 registradas; a FECOTRIGO/FUNDACEP 7 protegidas e 11 registradas; a ICA Melhoramentos 2 protegidas e 2 registradas; o Inst. Agronômico do Paraná 2 protegidas e 10 registradas; a Milênia Biotecnologia 1 protegida; Mauro Emilio Biesek 1 registrada; a Fundação Estadual de Pesquisa/Porto Alegre 3 registradas; Rudiger Boye 1 registrada; Indústria e Comércio de Sementes/Paraná 1 registrada; o Centro Federal de Educação Tecnológica/Paraná 1 registrada; e são 6 as cultivares onde o responsável pela manutenção não é conhecido. Em 2002, o Serviço Nacional de Proteção de Cultivares/MAPA concedeu proteção com base na lei 9.456/97 (Lei de Proteção de Cultivares) às seguintes cultivares/obtentores: BRS 207 (registrada em 2001, da Embrapa 7 ); BRS 209 (registrada em 2001, da Embrapa); CD 107 (Coodetec/Coop.Central Agropecuária de Desenvolvimento Tecnológico e Econômico Ltda); Fundacep 40 (Fundacep/Fecotrigo); ICA 1 (registrada em 2000, da ICA Melhoramento Genético 7 A Embrapa Trigo foi a primeira unidade da Embrapa, instalada em 1974, e tem como missão gerar conhecimento e viabilizar tecnologias para a sustentabilidade do agronegócio do trigo e outros cereais de inverno. Em outubro /2002 a Embrapa trigo lançou as cultivares BRS Figueira, BRS Angico e BRS Timbaúva para atender a indústria de fabricação de pães, biscoitos, massas e pizzas. Os genótipos de trigo brasileiros são conhecidos por apresentarem os melhores genes para tolerância à acidez do solo, resistência de planta adulta à ferrugem da folha e outras doenças. Sendo originário de regiões ecologicamente muito distintas, o trigo de panificação exige da pesquisa agronômica um esforço superior ao dos países do hemisfério norte ou da Argentina, cujas condições de clima e solo são semelhantes às dos centros de origem desse cereal (Embrapa Trigo, Documento Online nº 4, dez/2000). 13

14 Ltda); ICA 2 (registrada em 2000, idem); IPR 87 (Instituto Agronômico do Paraná); e JASPE (OR Melhoramento de Sementes Ltda), em um total de oito novas cultivares. Foram registradas em 2002 as seguintes cultivares: BRS 220 (Embrapa); BRS Angico (Embrapa); BRS Figueira (Embrapa); BRS Timbaúva (Embrapa); CD 107 (Coodetec); Fundacep 40 (Fundacep/Fecotrigo); IPR 87 (Instituto Agronômico do Paraná); e Jaspe (OR Melhoramento de Sementes Ltda). O Paraná deverá ofertar as sementes das seguintes novas cultivares para a safra 2003/04 (com participações inferiores ainda à 1% do total ofertado): IPR-87 (0,6%) e CD-107 (0,2%). Estima-se que 63,52% da produção de trigo no Paraná na safra 2003/04 deverá ser produzido com a utilização de 5 cultivares: CD-104 (22,06%); IAPAR-78 (14,31%); IPR-85 (9,71%); Avante (7,93%) e BRS-208 (7,22%) (quadro a seguir). Para o estado do Rio Grande do Sul, 65,08% da produção de trigo na safra 2003/04 deverá ser produzido com as seguintes cultivares: BRS ,21%; CEP 30 13,95%; CEP 27(Missões) 9,06%; Rubi 7,77%; e BR 23 5,57%. O quadro a seguir mostra, para os Estados do Paraná e Rio Grande do Sul (responsáveis por 91,2% da produção nacional de trigo grão nas últimas 10 safras), um comparativo da produção das 5 principais cultivares (proxy para as 5 cultivares mais utilizadas no plantio da safra seguinte) nas safras 1993/94 e 2002/03: Número de cultivares de trigo utilizadas Safras 1993/94 e 2002/03 Em % Paraná Rio Grande do Sul Cultivar 1993/ /03 Cultivar 1993/ /03 BR 23 29,15 0,09 BR 23 42,90 5,57 BR 35 11,26 0 BR 35 14,41 0 BR 18 (Terena) 9,15 2,09 BR 43 12,96 0 IAPAR 17 Caeté 8,83 0,11 CEP-24 Industrial 7,15 3,52 IAPAR 29 CACATU 8,14 0 BR 37 5,10 0 IAPAR ,31 RUBI 0 7,77 CD ,06 CEP-27 Missões 0,08 9,06 BRS ,22 BRS ,21 Avante 0 7,93 CEP ,95 IPR ,71 5 mais utilizadas 66,53 63,52 5 mais utilizadas 82,60 65,08 Fonte: SAA/RS, SEAB/PR. Com exceção da cultivar BR 23 no Rio Grande do Sul, nenhuma das cultivares que estavam entre as 5 cultivares mais produzidas/utilizadas na safra 1993/94, nos dois Estados, estão entre as cultivares mais produzidas/utilizadas na safra 2002/03. Com exceção da BR 35, BR 43, BR 37 e a IAPAR 29 que não foram produzidas na safra 2002/03 nos dois estados, as demais continuaram em produção mesmo sendo menor a sua participação no cultivo do trigo grão. Outro aspecto apresentado no quadro, é o aumento de cultivares utilizadas no plantio do trigo grão entre os dois períodos: na safra 1993/94 as 5 cultivares mais utilizadas respondiam por 66,53% e 82,6% do total, nos estados do Paraná e Rio Grande do Sul, respectivamente. Na safra 2002/03, as 5 cultivares 14

15 mais produzidas respondem por 63,52% e 65,08% do total produzido no Paraná e Rio Grande do Sul, respectivamente. Constata-se que o Rio Grande do Sul experimentou um movimento maior de desconcentração das cultivares utilizadas (de 82,6% para 65,08%) do que o Paraná onde a desconcentração (percentual representado pelas 5 cultivares mais utilizadas) passou de 66,53% para 63,52%. 8 As cultivares atualmente disponíveis são, de maneira crescente, indicadas para estados/ municípios específicos, de acordo com características de clima e solo, destinação da produção, etc havendo períodos determinados para a sua semeadura. A inclusão no PROAGRO irá depender da obediência às indicações de cultivo conforme estabelecidas no Zoneamento Agrícola, que incluem as cultivares recomendadas/adaptadas para determinada região, as quais são divulgadas anualmente antes do plantio pela Secretaria Executiva do MAPA/PROAGRO Produção O quadro e o gráfico a seguir apresentam a evolução da produção nacional de sementes de trigo e de outros grãos, entre 1996/97 e 2001/02. Se for considerado o total de produção de sementes dos seis principais grãos (algodão, arroz, feijão, milho, soja e trigo) as sementes de trigo são a segunda semente mais produzida, na média das últimas seis safras no país, com 15,1% do total, após as sementes de soja que participaram com 63,1% do total médio produzido no período. A produção de sementes de trigo aumentou 35,77% entre 1996/97 e 2001/02 (arroz diminuiu 20,94%, feijão diminuiu 56,16%, enquanto algodão aumentou 49,84%, milho aumentou 82,6% e soja aumentou 42,76%) O quadro a seguir mostra a evolução do número de cultivares produzidas, por safra, no período 1990/91 a 2001/02. Este número após uma queda entre 1993/94 e 1999/00, tem aumentado nas duas últimas safras, atingindo valores similares aos do início da década. Número de cultivares produzidas 1990/ / / / / / / / / / / /02 Nº de cultivares produzidas na safra Fonte: BIS/Embrapa/Mapa/Abrasem e MAPA/Proagro (safra 2001/02). 9 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (MAPA/PROAGRO)/Secretaria Executiva, diversas portarias. 10 Dada a crescente entrada de novas cultivares no mercado, com diferentes características e produtividades, esses valores das taxas de crescimento tomadas sem considerar-se a especificidade das cultivares produzidas, devem ser melhor analisados para se avaliar se houve perda de potencial produtivo com a queda das quantidades produzidas. 15

16 Brasil: Produção de sementes das principais lavouras 1996/97 a 2001/02 Espécie Produção (t) Partic. no Tx de cres. (%) 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 ¹ Média total (%) 01/02 s 96/97 Algodão 6.616, , , , , , ,1 0,8% 49,84% Arroz , , , , , , ,0 7,5% -20,94% Feijão , , , , , , ,7 1,1% -56,16% Milho , , , , , , ,9 12,3% 82,60% Soja , , , , , , ,0 63,1% 42,76% Trigo , , , , , , ,1 15,1% 35,77% TOTAL , , , , , , ,7 100,0% 38,79% Fonte: Abrasem, Conab e MAPA/Proagro. ¹ Os dados para a produção de sementes na safra 2001/02 são do MAPA/Proagro. Produção brasileira de sementes de trigo e outros grãos 1996/97 a 2001/02 Em t , , , ,0 Em t ,0 Algodão Feijão Soja Arroz Milho Trigo , ,0 0,0 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 ¹ Fonte:ABRASEM e ¹ MAPA/PROAGRO/Portaria nº 8, de 13/02/2002. O quadro a seguir mostra que a disponibilidade de sementes por hectare cultivado nos dois períodos (1996/97 e 2001/02) aumentou para o trigo; para o algodão (mesmo que ainda insuficiente), para o milho e para a soja. A disponibilidade de sementes de arroz e feijão diminuiu entre os dois períodos. Disponibilidade interna de sementes de trigo: área cultivada e produção de sementes 1996/97 e 2001/02 Espécie Área (mil há) Produção (t) Disponibilidade kg/há Quant utilizada Disp.1996/97 s/ Disp.2001/02 s/ 1996/ / / / / /02 kg/há (média) Quant.utiliz.média Quant.utiliz.média Algodão 657,5 750, , ,4 10, , ,9% 82,6% Arroz 3.494, , , ,0 34, , ,4% 23,1% Feijão 4.919, , , ,0 3, , ,0% 3,6% Milho , , , ,5 9, , ,6% 101,6% Soja , , , ,9 75, , ,6% 130,4% Trigo 1.500, , , ,3 157, , ,8% 143,9% TOTAL , , , ,1 38, , ,2% 75,9% Fonte: Conab e Abrasem O quadro a seguir mostra a evolução da produção de sementes de trigo entre 1996/97 e 2002/03 (estimativa). Depois de um aumento de 35,7% na produção de sementes entre 1996/97 e 2001/02, prevê-se, para a safra 2002/03 (para plantio da safra de trigo 2003/04), uma queda de 20,4% na produção de sementes em relação à safra anterior. 16

17 Brasil: Produção de sementes de trigo Safras 1996/97 a 2002/03 Espécie Produção (t) 1996/ / / / / /02 ¹ 2002/03² Trigo , , , , , , ,0 Fonte: Abrasem. ¹ Os dados para a produção de sementes na safra 2001/02 são do MAPA/Proagro. ² Estimativa da Abrasem. Tal fato deve-se à queda na produção dos campos de sementes devido à geada no Paraná e Rio Grande do Sul em setembro/outubro e excesso de chuva por ocasião da colheita no Rio Grande do Sul. Adicionalmente, devido ao aumento da farinha para panificação 11 em torno de 61% entre janeiro e dezembro/2002, o produtor de semente integrado passou a direcionar a sua produção para os moinhos de farinha, colocando em risco a disponibilidade de sementes para plantio da safra 2003/04. O Voto CMN nº 137/2002 procura impedir esse comportamento do produtor de semente de trigo, por meio da concessão de uma bonificação a ser agregada ao preço mínimo vigente da semente, nas operações de EGF/SOV que forem contratadas até 30/04/2003. Dessa forma o preço mínimo da semente de trigo fiscalizada/certificada passa a ser de R$ 650,00/t. 12 Com a bonificação, espera-se que as empresas de sementes disponham de capital de giro para remunerar o produtor integrado a preços de mercado. 4.3 Comércio exterior O quadro a seguir apresenta o comércio exterior de sementes de trigo e de trigo duro entre 1997 e 2002 (até novembro): 11 O preço futuro do trigo duro em Kansas (paridade de importação) aumentou 45,5% entre janeiro e dezembro/2002 (tipo de trigo importado pelo país); o Soft Red Winter (Chicago) aumentou de US$ 108,90/t em janeiro/2002 para US$ 144,69/t em dezembro/2002 (ou + 32,8%), enquanto o câmbio desvalorizou-se em 52,47% (impacto potencial de 102,48% no preço interno). O preço do trigo grão disponível Argentina passou de R$ 366,25/t (janeiro/2002) para R$ 817,83/t (dezembro/2002), ou + 123,29%. Em 20/janeiro/2003, o preço do trigo grão no atacado Paraná estava em torno de R$ 484,16/t e no Rio Grande do Sul em torno de R$ 566,66/t (trigo nacional). 12 O preço mínimo fixado pelo Voto CMN nº 16/2002 era de R$ 459,10/t (semente fiscalizada) e R$ 496,50/t (semente certificada). 17

18 Comércio exterior de semente de trigo, exceto trigo duro (NCM ) Quantidade (Q) em kg, valor (V) em US$ Fob Países V/Q 1997 % 1998 % 1999 % 2000 % 2001 % 2002 (nov) % Total % total total total total total total no período total Exportações totais V ,00% ,00% ,00% ,00% ,00% ,00% ,00% Q ,00% ,00% ,00% ,00% ,00% ,00% ,00% Bolívia V ,10% 173 0,10% 75 0,04% 31 0,03% 740 Q ,00% 350 0,00% 160 0,02% 60 0,01% Paraguai V ,00% ,80% ,70% ,96% ,28% ,10% ,60% Q ,00% ,90% ,20% ,98% ,31% ,20% ,60% Uruguai V ,10% ,10% ,69% ,85% Q ,10% ,70% ,68% ,95% Estados Unidos V ,03% Q ,01% Argentina V ,90% ,50% Q ,80% ,40% Importações totais V ,00% ,00% Q ,00% ,00% Argentina V ,61% ,61% Q ,13% ,13% Paraguai V ,39% ,39% Q ,87% ,87% Fonte: MDIC/Alice. Comércio exterior de semente de trigo duro (NCM ) Q em kg, valor em US$ Fob Países V/Q 1997 % 1998 % 1999 % 2000 % 2001 % 2002(nov) % Total tot exp tot exp tot exp tot exp tot exp tot exp 1997a 02(nov) Exportações totais V ,00% ,00% Q ,00% ,00% Bolívia V ,00% Q ,00% Paraguai V ,00% Q ,00% Importações totais V Q Fonte: MDIC. Entre 1997 e 2002 (até novembro), o país exportou um total de US$ 1.340,2 mil (5.528,9 mil toneladas) em sementes de trigo (exceto trigo duro), NCM , sendo que 96% do total foram destinadas ao Paraguai, com quantidades residuais destinadas à Bolívia e Uruguai ao longo do período. Em 1999 houve uma pequena exportação para os Estados Unidos e em 2002 uma pequena exportação para a Argentina. Adicionalmente, em 2002, houve exportações de semente de trigo duro, NCM , no valor de US$ (10.000t) para o Paraguai. No que se refere às importações, elas somente ocorrem em abril/2002, no valor de US$ 1.087,7 mil (9.704,0 t) originadas da Argentina (98,6 % do total) e quantidades residuais provenientes do Paraguai. 13 Essas importações foram equivalentes a 3,03% da produção interna na safra 2002/03 de sementes de trigo de ,3 t (segundo informações do PROAGRO/MAPA). 4.4 Quadro de oferta e demanda de semente de trigo O quadro a seguir apresenta o quadro de oferta e demanda de sementes de trigo para a safra de trigo grão 2003/04: 13 Desde 1997 não existe comércio exterior de semente de trigo mourisco (NCM ) sendo que as últimas importações desse tipo de semente ocorreram em

19 Sementes de trigo: Quadro de oferta e demanda para a safra 2003/04 de trigo grão Estado Safra 2002/03 Tx.Utilização Quant.média Área 2003/04 Demanda Demanda Produção/ Produção/ Em t (%) de sementes (1000 ha) ¹ potencial (t) efetiva (t) demanda potencial demanda efetiva kg/há Em % Em % Paraná ,8 0, , , ,5 77,6% 86,2% São Paulo 4.050,0 0, , , ,0 74,2% 78,1% Rio Grande do Sul ,0 0, , , ,3 75,3% 79,3% Santa Catarina ,0 0, , , ,5 112,6% 118,5% Goiás 4.322,0 0, , , ,5 147,8% 164,2% Minas Gerais 757,1 0, , , ,0 49,5% 55,0% Mato Grosso do Sul ,0 0, , , ,0 71,6% 89,5% Distrito Federal 17,1 0, ,5 62,5 56,3 27,4% 30,4% Brasil ,0 0,89 138, , , ,0 78,0% 85,4% Fonte: DFAs/MAPA, ABRASEM e Conab (área plantada). ¹ Considerou-se que a safra de trigo grão 2003/04 deverá repetir a área plantada conforme ocorreu na safra 2002/03. Com base nas informações disponíveis em janeiro/2003, e conforme já comentado na seção 4.2 acima, com exceção dos estados de Santa Catarina e Goiás, onde a produção local de sementes atende mais do que suficientemente à demanda do próprio estado, as dos demais estados apresentam, para a safra de trigo grão de 2003/04, um quadro de escassez importante de sementes. No Paraná a produção estadual atende a 77,6% da demanda potencial e 86,2% da demanda efetiva; em São Paulo, atende a 74,2% da demanda potencial e a 78,1% da demanda efetiva; no Rio Grande do Sul, atende a 75,3% da demanda potencial e a 79,3% da demanda efetiva; em Minas Gerais atende a 49,5% da demanda potencial e a 55,0% da demanda efetiva; no Distrito Federal deverá atender a 27,4% da demanda potencial e a 30,4% da demanda efetiva; e no Mato Grosso do Sul, atende a 71,6% da demanda potencial e a 89,5% da demanda efetiva estimada. A oferta mais do que suficiente em Santa Catarina e Goiás, não o é, no entanto, em quantidade necessária para atender à demanda efetiva de sementes de trigo nos demais estados, o que se reflete na escassez de sementes de trigo em nível Brasil como um todo. 14 A se confirmarem os pressupostos que orientaram a elaboração do quadro de oferta e demanda acima, prevê-se uma oferta insuficiente de sementes de trigo em nível nacional para o plantio do trigo grão 2003/04, a qual deverá atender a 77,1% da demanda potencial e a 84,4% da demanda efetiva. 5 Preços 5.1 Preços praticados nos estados produtores O quadro e os gráficos a seguir mostram o comportamento dos preços nominais e reais das sementes de trigo, para os diferentes estados produtores, entre novembro/1997 e novembro/2002: 14 Devido à crescente diferenciação das sementes, que são destinadas a específicos climas e solos, a produção de sementes em uma região para plantio em outra torna-se mais difícil (ver MAPA/PROAGRO, Zoneamento Agrícola). 19

20 Sementes de trigo: taxa de crescimento dos preços nominais e reais (IGP-DI de novembro/02), da taxa de câmbio, do IGP-DI e do IPP - Novembro/1997 a novembro/2002 Em R$/kg e % Semente de trigo Item GO MG MS PR RS SC SP Média Tx de câmbio IGP-DI IPP Preços nominais (média em R$/kg) 0,64 0,53 0,52 0,44 0,30 0,51 0,40 0,48 Nov/97 a nov/02 Tx de crescimento (%) 79,2% 61,8% 91,5% 146,2% 110,0% 194,2% 287,1% 138,6% 223,0% 83,3% 89,0% Preços reais (média em R$/kg) 0,88 0,72 0,72 0,60 0,41 0,69 0,53 0,65 Tx de crescimento (%) -2,2% -11,8% 4,4% 34,3% 14,5% 60,4% 111,1% 30,1% Preços nominais (média em R$/kg) 0,78 0,63 0,62 0,58 0,37 0,72 0,56 0,61 Nov/01 a nov/02 Tx de crescimento (%) 35,1% 30,0% 76,5% 74,4% 70,6% 76,5% 207,7% 81,5% 40,6% 23,5% 28,1% Preços reais (média em R$/kg) 0,85 0,69 0,67 0,63 0,41 0,78 0,61 0,66 Tx de crescimento (%) 9,5% 5,4% 43,1% 41,4% 38,4% 43,1% 149,5% 47,2% Novembro/2002 Preços nominais observados 0,93 0,73 0,90 0,84 0,55 1,06 1,20 0,89 Fonte: FGV e Conab. Nota: Os percentuais foram calculados sobre os números originais com seis decimais. Semente de trigo: Preços nominais e reais (IGP-DI novembro/02) em novembro/97, novembro/01 e novembro/02 Mês GO MG MS PR RS SC SP nov/97 0,52 0,45 0,47 0,34 0,26 0,36 0,31 NOMINAIS nov/01 0,69 0,56 0,51 0,48 0,32 0,60 0,39 PREÇOS nov/02 0,93 0,73 0,90 0,84 0,55 1,06 1,20 (Em R$/kg) nov/97 0,90 0,78 0,81 0,59 0,45 0,62 0,54 REAIS nov/01 0,80 0,65 0,59 0,56 0,37 0,70 0,45 nov/02 0,88 0,69 0,85 0,79 0,52 1,00 1,13 Fonte: FGV e Conab. 1,4 Sementes de trigo: Preços nominais nos estados produtores Novembro/1997 a novembro/2002 Em R$/kg 1,2 1 Goiás Mato Grosso do Sul Rio Grande do Sul São Paulo Minas Gerais Paraná Santa Catarina Em R$/kg 0,8 0,6 0,4 0,2 0 01/11/97 01/01/98 01/03/98 01/05/98 01/07/98 01/09/98 01/11/98 Fonte: FGV/Conab. 01/01/99 01/03/99 01/05/99 01/07/99 01/09/99 01/11/99 01/01/00 01/03/00 01/05/00 01/07/00 01/09/00 01/11/00 01/01/01 01/03/01 01/05/01 01/07/01 01/09/01 01/11/01 01/01/02 01/03/02 01/05/02 01/07/02 01/09/02 01/11/02 20

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

Sementes de Girassol: alguns comentários

Sementes de Girassol: alguns comentários Sementes de Girassol: alguns comentários Maria Helena Fagundes Outubro/2002 1. Introdução O Brasil é um produtor pouco expressivo de girassol grão, tendo participado com aproximadamente 0,5% da produção

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015)

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Gráfico 1 Evolução da produção de grãos (Em milhões de toneladas) A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas cresceu, em

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 212, em relação à produção obtida em 211 A quinta avaliação da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas

Leia mais

1 Lavouras 160.000.000 +11,6 % Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2010 Produção (t) 60.000.

1 Lavouras 160.000.000 +11,6 % Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2010 Produção (t) 60.000. 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas A décima segunda estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas, indica uma produção da ordem de 149,5 milhões de toneladas,

Leia mais

SUMÁRIO. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 1

SUMÁRIO. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 2 3. ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA 3 4. ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO 4 5. AVALIAÇÃO DAS CULTURAS 6 6. ESTIMATIVAS DE ÁREA, PRODUÇÃO E PRODUTIVIDADE 13 7. BALANÇO DE OFERTA

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Tabela 1 Evolução da produção mundial de óleos (Mil toneladas)

Tabela 1 Evolução da produção mundial de óleos (Mil toneladas) Preços da mamona se recuperam 1. A produção e o consumo mundial de óleos vegetais se elevam A produção mundial de óleos vegetais aumentou aproximadamente 400 entre 1974/75 e 2006/07, passando de 25,7 hões

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 21/06/2013 a 27/06/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

O MERCADO DE TRIGO. O balanço mundial de trigo, ao longo das safras analisadas, é visualizado na

O MERCADO DE TRIGO. O balanço mundial de trigo, ao longo das safras analisadas, é visualizado na O MERCADO DE TRIGO 1. INTRODUÇÃO O Brasil é o maior importador mundial de trigo e a sua dependência se torna acentuada à medida que os estoques públicos e privados se reduzem. A safra 2007/08 apresenta-se

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Localização. O Centro Nacional de Pesquisa de Trigo está localizado em Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil.

Localização. O Centro Nacional de Pesquisa de Trigo está localizado em Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Localização Peru Chile Bolívia Paraguai Uruguai Argentina Passo Fundo, RS O Centro Nacional de Pesquisa de Trigo está localizado em Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Embrapa Trigo Rodovia

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens.

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens. 1 de 5 31/5/2011 15:17 Página Rural Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens Ads by Google Leilão Gado Soja Festa Safra Boa tarde!

Leia mais

CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO

CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO Leonardo Sologuren Céleres Junho de 2008 Cresce o consumo de proteína animal no BRIC BRASIL RÚSSIA 108 4,000 60 3.000 kg/habitante/ano 90 72 54 36 18 3,800

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13 NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Comercialização Safra-2011/12 60,00 55,00 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 S oja Grã o P re ços

Leia mais

21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo. O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo. Alexandre Mendonça da Barros

21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo. O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo. Alexandre Mendonça da Barros 21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo Alexandre Mendonça da Barros 20 de Outubro de 2014 Índice As transformações da economia agrícola

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 03/05/2013 a 09/05/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta. Monsanto

Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta. Monsanto Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta Monsanto 11 de junho de 2013 1 Objetivo do trabalho 2 Objetivo do presente trabalho é demonstrar a importância econômica da utilização da tecnologia no aumento

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6 3. ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA 6 4. ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO 7 5. INFLUÊNCIAS CLIMÁTICAS 8 6. AVALIAÇÃO DAS CULTURAS 9 6.1 Algodão 9 6.2 Arroz 10 6.3 - Canola 11

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 05/07/2013 a 11/07/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Abril de 2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

Análise de Mercado do Sistema OCB

Análise de Mercado do Sistema OCB Análise de Mercado do Sistema OCB SUMÁRIO EXECUTIVO Mercado de Trigo nº 019 - Abril/2008 Equipe da Gerência de Mercados - GEMERC: Autor: Marcos Antonio Matos - Técnico de Mercado Coordenação: Evandro Scheid

Leia mais

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015 TRIGO Período de 2 a 6/0/205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,5 34,0 35,42 35,94 Semana Atual

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA OS MERCADOS DE SOJA, MILHO E TRIGO EM 2015 FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas OCEPAR Curitiba (PR), 02/out/14 www.agrural.com.br A INFORMAÇÃO

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Governo do Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Integração Contratual para Acesso a Mercado Rodolfo Osorio de Oliveira Coordenador

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS SAFRA 2008/2009 67% Exportação 89% Café verde 18% Alemanha 18% EUA 10% Japão 9% Itália CAFÉ 49,2 milhões de sacas de

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016. Carlos Cogo Outubro/2015

AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016. Carlos Cogo Outubro/2015 AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016 Carlos Cogo Outubro/2015 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 115 110 105 100 95 90 85 80 75 70 65 60 55 CARNES: EVOLUÇÃO

Leia mais

Jurandir Zullo Junior * Hilton Silveira Pinto Ana Maria H. de Ávila. Eduardo Delgado Assad Giampaolo Queiroz Pellegrino Fábio Ricardo Marin

Jurandir Zullo Junior * Hilton Silveira Pinto Ana Maria H. de Ávila. Eduardo Delgado Assad Giampaolo Queiroz Pellegrino Fábio Ricardo Marin Mudanças as Climáticas e Agricultura Jurandir Zullo Junior * Hilton Silveira Pinto Ana Maria H. de Ávila Eduardo Delgado Assad Giampaolo Queiroz Pellegrino Fábio Ricardo Marin Alerta Global 87% dos brasileiros

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SOJA. Setembro 2014 Belo Horizonte MG

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SOJA. Setembro 2014 Belo Horizonte MG SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SOJA Setembro 2014 Belo Horizonte MG ÍNDICE 03. Apresentação 04. Dados de Minas Gerais 05. Área, Produção e Produtividade

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

TECNOLOGIA E PRODUTIVIDADE. Eng. Agr. Irineo da Costa Codrigues Diretor Presidente Cooperativa LAR / COODETEC / COTRIGUAÇU

TECNOLOGIA E PRODUTIVIDADE. Eng. Agr. Irineo da Costa Codrigues Diretor Presidente Cooperativa LAR / COODETEC / COTRIGUAÇU TECNOLOGIA E PRODUTIVIDADE Eng. Agr. Irineo da Costa Codrigues Diretor Presidente Cooperativa LAR / COODETEC / COTRIGUAÇU Área dos principais produtos agrícolas no Mundo (Mi ha) 2010 Cevada 55.1 6% Algodão

Leia mais

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone)

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) O Mercado Mundial de Commodities Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) Um mercado em desequilíbrio: choque de demanda Relação Estoque/Uso (soja, milho, trigo e arroz)

Leia mais

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta MERCADO -Comportamento das principais cultivares plantadas no Brasil; -Situação da Safra 2009/2010;

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

MAIO 2012 VISÃO GERAL DA COMPANHIA

MAIO 2012 VISÃO GERAL DA COMPANHIA MAIO 2012 VISÃO GERAL DA COMPANHIA CONSUMO MUNDIAL DE FERTILIZANTES POR NUTRIENTES 157,0 159,6 170,4 176,8 181,0 2011 TOTAL N P2O5 99 101 103 107 109 60% 29% 24% K2O 34 36 40 41 42 24 23 27 29 30 2008

Leia mais

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL:

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: UMA ATUALIZAÇÃO Aníbal Rodrigues - anibal@iapar.br Pesquisador - Área de Sócioeconomia Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, Curitiba - PR 1 Introdução 2 Metodologia

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 MANDIOCULTURA Economista Methodio Groxko Outubro de 2011 ASPECTOS

Leia mais

Agosto/2015 Belo Horizonte - MG

Agosto/2015 Belo Horizonte - MG SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Agosto/2015 Belo Horizonte - MG ÍNDICE 03. Apresentação 04. Dados de Minas Gerais 05. Área, Produção

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. julho de 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. julho de 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola julho de 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 20/07/2012 a 02/08/2012 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Emerson Juliano

Leia mais

Janeiro de 2013 Volume 01

Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 2 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento - Conab Dipai - Diretoria de Política Agrícola e Informações

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 A Evolução do Mercado de Soja no Brasil Avanços da genética, mais e melhores opções de insumos (sementes, máquinas, fertilizantes e defensivos)

Leia mais

Apresentação AGRIANUAL 2015

Apresentação AGRIANUAL 2015 Apresentação Em anos de eleições, os empresários costumam ficar apreensivos quanto às posições dos candidatos em relação ao segmento em que operam. Mas quem está no agronegócio não precisa ter grandes

Leia mais

TRIGO PARANÁ - BRASIL 2009. Brasília, 21 de outubro 2009 Ivo Carlos Arnt Filho

TRIGO PARANÁ - BRASIL 2009. Brasília, 21 de outubro 2009 Ivo Carlos Arnt Filho TRIGO PARANÁ - BRASIL 2009 Brasília, 21 de outubro 2009 Ivo Carlos Arnt Filho Área Produção Rendimento Médio 08-09 07-08 08-09 07-08 08-09 07-08 UF % % % a/b a b a/b (a) (b) a/b (a) (b) PR 34 1.100 820

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Dionísio Brunetta Manoel Carlos Bassoi Pedro Luiz Scheeren Luís César V. Tavares Claudinei Andreoli Sérgio Roberto Dotto

Dionísio Brunetta Manoel Carlos Bassoi Pedro Luiz Scheeren Luís César V. Tavares Claudinei Andreoli Sérgio Roberto Dotto Desenvolvimento de linhagens e de cultivares de trigo de ciclo precoce e médio, das classes Pão e Melhorador, adaptadas à Região Centro-Sul Subtropical (Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul) Dionísio

Leia mais

Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo

Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo 103 Trigo no Brasil começa nos Cerrados Márcio Só e Silva Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo dos anos, tem procurado opções de culturas para melhorar, tanto agronomicamente quanto economicamente,

Leia mais

08/09/2015. Mundo Evolução da área (índice 100= safra 2000/01) Bolsa de Chicago Relação soja/milho no 1º contrato PROPHETX/AGRURAL

08/09/2015. Mundo Evolução da área (índice 100= safra 2000/01) Bolsa de Chicago Relação soja/milho no 1º contrato PROPHETX/AGRURAL PERSPECTIVAS PARA A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA NOS PRÓXIMOS 5 ANOS FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas ANDA 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE FERTILIZANTES

Leia mais

Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos

Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos Levin.Flake@fas.usda.gov Global Policy Analysis Division

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. Milho BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E ÁREA PLANTADA

AGROINDÚSTRIA. Milho BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E ÁREA PLANTADA AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO Milho O milho é, hoje, a segunda maior cultura no mundo, perdendo apenas para o trigo. A produção do milho

Leia mais

Milho Período: 13 a 17/07/2015

Milho Período: 13 a 17/07/2015 Milho Período: 13 a 17/07/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,1507 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.03 16 de dezembro de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Setembro de 2013 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

SITUAÇÃO DO MERCADO DE AGROTÓXICOS NO MUNDO E NO BRASIL

SITUAÇÃO DO MERCADO DE AGROTÓXICOS NO MUNDO E NO BRASIL SITUAÇÃO DO MERCADO DE AGROTÓXICOS NO MUNDO E NO BRASIL - Fontes oficiais de diversos estudos realizados por: BNDES, FIESP, SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS, DIEESE E ANVISA CAMPANHA NACIONAL

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

REGIÕES PARA TRIGO NO BRASIL: ENSAIOS VCU, ZONEAMENTO AGRÍCOLA E ÉPOCA DE SEMEADURA DISCRIMINAÇÃO INTRARREGIONAL

REGIÕES PARA TRIGO NO BRASIL: ENSAIOS VCU, ZONEAMENTO AGRÍCOLA E ÉPOCA DE SEMEADURA DISCRIMINAÇÃO INTRARREGIONAL REGIÕES PARA TRIGO NO BRASIL: ENSAIOS VCU, ZONEAMENTO AGRÍCOLA E ÉPOCA DE SEMEADURA DISCRIMINAÇÃO INTRARREGIONAL Gilberto Rocca da Cunha 1, Aldemir Pasinato 2, João Leonardo Fernandes Pires 1, Genei Antonio

Leia mais

A SOJA NO BRASIL. Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR

A SOJA NO BRASIL. Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR A SOJA NO BRASIL Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR O que vamos abordar nesta apresentação 1. Desenvolvimento da soja no Brasil. 2. Razões do deu rápido desenvolvimento. 3. Importância

Leia mais

Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes

Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes Apresentação O consumo de óleos vegetais tem aumentado no mundo todo, substituindo parte do consumo de gorduras animais. Embora tenham

Leia mais

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Abril de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg.

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Abril de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg. ANÁLISE SOJA MERCADO INTERNO: Nos primeiros dez dias do mês de maio houve valorização nos preços praticados da saca de soja de 6 kg quando comparados aos preços observados em 1 de maio,,38% de aumento

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Milho e Sorgo Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Sete Lagoas Março 2012 Economia do Uso de Novas Tecnologias A escolha racional do agricultor: Aumento da produtividade dos

Leia mais