Avaliação de uma intervenção nutricional convencional em atletas de luta

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação de uma intervenção nutricional convencional em atletas de luta"

Transcrição

1 Brazilian Journal of Sports Nutrition Vol. 1, No. 1, Março, 2012, 1 9 Avaliação de uma intervenção nutricional convencional em atletas de luta Carlos Eduardo Andrade Chagas 1, Sandra Maria Lima Ribeiro 2 1 Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil 2 Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil RESUMO OBJETIVOS: avaliar o estado nutricional de atletas de modalidades de luta e, a partir dessas informações, elaborar correções no planejamento alimentar e avaliar os reflexos das correções na composição corporal. MÉTODOS: para a avaliação inicial foram determinados: peso corporal, altura, dobras cutâneas (para determinação da composição corporal), diário alimentar (autopreenchido, por quatro dias não consecutivos), dados bioquímicos (uréia e creatinina plasmáticos e urinários, glicemia de jejum, colesterol total, LDL e HDL). Foi proposto um planejamento alimentar constituído basicamente pela melhor distribuição entre macronutrientes, distribuição de número de refeições a aumento da densidade de nutrientes essenciais das dietas. O planejamento alimentar proposto foi acompanhado por três meses. Após esse período, os atletas foram submetidos a uma nova avaliação antropométrica. RESULTADOS: na avaliação inicial, todas as variáveis bioquímicas encontraram-se dentro dos limites de normalidade. Por outro lado, a análise dietética dos atletas mostrou grande irregularidade, principalmente no que diz respeito a estratégias rápidas para perda de peso. A distribuição percentual entre os macronutrientes apresentou-se inadequada, com baixo consumo de carboidratos e alto consumo de gorduras. Houve inadequação na ingestão de micronutrientes como o cálcio em ambos os sexos (783,3 mg para os homens e 882,4 mg para as mulheres) e o ferro para as mulheres (13,8 mg). O percentual de gordura corporal foi de 14,7% para os homens e 28,2% para as mulheres. Após a intervenção, observou-se modificações significativas na composição corporal, com destaque para o percentual de gordura, que foi reduzido em -2,5% (p<0,05) para os homens e -1,5%(p<0,05) para as mulheres. Conclusão: pôde-se comprovar a eficiência da orientação alimentar aos atletas, o que pode ser considerado como uma estratégia saudável. Mais estudos são necessários no sentido de avaliar se, com esse tipo de intervenção, é possível evitar a prática de estratégias rápidas para perda de peso por esses atletas. Palavras-chave: hábitos alimentares, lutadores, perda de peso, composição corporal Recebido em 13 de Dezembro de 2010; aceito em 24 de Fevereiro de Associação Brasileira de Nutrição Esportiva 1

2 ABSTRACT AIM: to evaluate the nutritional status of wrestlers; - to correct the inadequate behaviors from the prescription of an eating plan; - evaluate the results of interventions on body composition. METHODS: from initial evaluation weight, height, body composition, food registers (self-related from 4 non-consecutive days, biochemical parameters (urea and creatinin, fast glucose, total cholesterol, LDL-cholesterol and HDL-cholesterol) were evaluated. After the evaluation, a nutrition prescription was directed to each athlete, based on adequate distribution among macronutrients and improved density of essential nutrients. These orientations were followed during three months. After this period, the athletes were submitted to a new anthropometric evaluation. RESULTS: according to initial results, biochemical variables were between normality ranges for all athletes. However, the diet showed to be inadequate, and the athletes reported a recurrent adoption of strategies aiming to fast weight loss. The macronutrients distribution was inappropriate, with low intake of carbohydrates and high intake of lipids. The micronutrients was below the recommendation for calcium (783.3mg for the men and 882.4mg for the women), and iron (13.8mg for women). The percentage of body fat was 14.7% for men and 28.2% for the women. After the dietetic intervention, it was possible to identify significant modifications in the body composition, mainly regarding body fat percentage, which was -2,5% (p<0,05) reduced in men and -1,5%(p<0,05) reduced in women. CONCLUSION: it was possible to confirm the importance of nutritional counseling, aiming to improve the healthy food choices. Also, more studies are needed in order to identify if this kind of counseling is capable of avoiding the adoption of unhealthy strategies to lose weight. Key-words: eating behavior, wrestlers, weight loss, body composition. Introdução Uma dieta balanceada é fundamental para a adequação da composição corporal e para o melhor rendimento em todas as modalidades esportivas. Em lutas, sabe-se que o peso corpóreo é fator determinante para a classificação dos atletas em competições 1 Apesar das advertências de órgãos como o American College of Sports Medicine 1 um número considerável de atletas adota condutas questionáveis para perda ponderal rápida. As estratégias geralmente consistem em restrição energética severa ou ainda em tentativas de redução da água corporal, com ingestão de diuréticos, longa exposição a ambientes quentes utilizando roupas plásticas, indução de vômitos, ou mesmo uso de supressores de apetite. Estudos demonstram que a prática dessas estratégias podem prejudicar o rendimento durante as lutas 1 1. KRAMER et al 1, investigaram lutadores universitários que perderam 6% do peso corporal em uma semana. Durante um campeonato, a potência dos membros inferiores e a força dos membros superiores foram gradativamente reduzidas, além de terem sido observadas elevações significativas nas concentrações de testosterona, cortisol, e lactato após cada luta. Esses efeitos combinados com o estresse provocado pela competição foram refletidos no rendimento. Em estudo conduzido por CHOMA ; SFORZO e KELLER 1, foi associado o impacto das estratégias para perda ponderal rápida na função cognitiva de lutadores. O grupo controle manteve a dieta habitual, enquanto o grupo experimental lançou mão dessas estratégias. Neste último grupo, os resultados de dois testes de memória foram prejudicados. Estes atletas também apresentaram volemia e glicemia diminuídas. Muitas vezes, restrições dietéticas severas são praticadas por períodos de tempo relativamente grandes. STEEN & MCKINNEY 1, estudando os hábitos alimentares de lutadores, mostraram que 37% desses atletas não alcançavam a recomendação energética e 15% apresentavam um baixo consumo de proteínas. Descreve-se que dietas mal planejadas podem ser responsáveis por alterações da composição corporal e dos lipídeos plasmáticos, pela diminuição da resistência imunológica, e até por comprometimento renal. Nesse sentido, GUNDERSON e MCINTOSH 1, detectaram maior prevalência de sobrepeso, obesidade e cardiopatias nos período de destreinamento em ex-lutadores que tinham o hábito de adotar estratégias severas para perda de peso. 2

3 Desta forma, o processo de perda de peso deve acontecer de uma forma lenta e ajustada às características individuais. SCHWARZKOPF & JENSEN 1, estudaram um grupo de lutadores que recebeu um plano alimentar com 60% de carboidratos e 1g de proteína por Kg de peso corporal, juntamente com uma restrição energética igual ou maior que 1200 Kcal/dia, com o intuito de alcançar o peso alvo no período de seis semanas. O grupo que recebeu orientação perdeu 2,7kg (0,4kg de massa magra) enquanto o grupo controle reduziu apenas 0,6kg (0,6kg de massa magra), o que demonstra a importância de uma orientação alimentar adequada. Com base nesses dados, pode-se inferir que, principalmente em longo prazo, estratégias inadequadas de perda de peso corporal podem diminuir o rendimento e trazer prejuízos à saúde. Desta forma, o presente estudo teve como objetivos: -avaliar alguns aspectos do estado nutricional de atletas de diferentes modalidades de luta; -propor correções alimentares a partir dessa avaliação e; - investigar os resultados dessas correções sobre a variação na composição corporal. Métodos Indivíduos do estudo Foram acompanhados sete atletas de judô e seis atletas de jiu-jitsu, de ambos os sexos (sete homens e seis mulheres), com idade entre 18 e 24 anos, na cidade de Santos- SP. Na época do estudo (2003), todos os avaliados participavam de competições e praticavam esse tipo de atividade por pelo menos duas horas diárias. O tempo médio de treinamento diário foi de 3,5h. Os avaliados foram informados sobre os objetivos e a metodologia do trabalho, e todos assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido para a participação no estudo, seguindo a Declaração de Helsinki. Anamnese geral Todos os participantes responderam a um questionário contendo dados gerais sobre estado de saúde, condições sócioeconômicas e conhecimentos básicos sobre alimentação e nutrição. Além disso, foi permitido ao atleta dissertar a respeito de estratégias para redução de peso corporal. Composição corporal A gordura corporal foi avaliada a partir da medida da espessura do tecido adiposo subcutâneo em regiões específicas do corpo, com auxílio de um adipômetro tipo compasso de Lange. Foram medidas as dobras cutâneas das regiões: coxa, suprailíaca, subescapular, abdominal e tricipital, com o posterior uso das equações propostas por JACKSON & POLLOCK 1 1 para o cálculo da densidade corporal. Para a conversão da densidade corporal em porcentagem de gordura, foi adotada a proposta de SIRI 1. A partir desses dados, foram calculados o peso da gordura e o peso da massa magra. Dados Bioquímicos O sangue foi coletado após um período de 8 horas de jejum e repouso, no início da manhã. No dia anterior à coleta do mesmo, os atletas procederam à da urina de 24 horas. A partir desses materiais biológicos, foram dosados: uréia e creatinina plasmáticos e urinários (colorimetria); glicemia, colesterol sérico total e suas frações (LDL-colesterol, HDL-colesterol, VLDL-colesterol) e triacilgliceróis. (método enzimático Doles e Labtes e a partir da equação de Friedwald). Dados alimentares Os indivíduos preencheram, após as devidas orientações, quatro diários alimentares em dias não consecutivos, incluindo um dia do final de semana. Os dados dietéticos foram calculados utilizandose o software Diet-pró versão 3.0. Para comparação com a ingestão energética, o gasto diário deste foi estimado a partir da fórmula proposta por CUNNINGHAN 1 e o fator atividade proposto foi de sete para o tempo de treinamento do indivíduo 1. Os valores dos macronutrientes e micronutrientes foram comparados com os padrões estabelecidos pela DRIs 1. INTERVENÇÃO ALIMENTAR 3

4 Resultados A Tabela 1 apresenta os cálculos nutricionais de acordo com a média dos quatro dias dos diários alimentares. Para melhor visualização das adequações, são também apresentados na Tabela os valores das estimativas de gasto energético e os valores de referência de consumo, de acordo com as DRIs 14. Como principais constatações, para ambos os sexos a ingestão energética foi inferior às estimativas, o consumo de carboidratos foi próximo ao limite inferior aceitável, e o consumo de lipídeos foi próximo ao superior aceitável. O consumo de cálcio também foi baixo para ambos os sexos, e o de ferro foi baixo nas mulheres. O consumo de vitaminas do complexo B apresentou-se baixo para ambos os sexos. Ainda, foi constatado um consumo elevado de alimentos considerados de baixa densidade em micronutrientes (açúcar simples, farinhas brancas - dados não mostrados na Tabela). Tabela 1. Ingestão de macro e micronutrientes de acordo com os diários alimentares preenchidos pelos atletas (média desvio padrão). Nutriente Masculino Feminino Ingestão Referência 1,2 Ingestão Referência 1,2 Calorias (Kcal) Carboidratos (% VET) 3 47,4 5, ,2 3, Proteínas (%VET) 3 17,4 3, ,9 3, Gorduras (%VET) 3 35,1 5, ,8 1, Cálcio (mg) 783,3 303, ,4 460, Ferro (mg) 16,5 3,9 8 13,8 6,2 18 Vitamina C (mg) 149,7 103, ,2 161,9 75 Folato ( g) 18,2 10, ,7 12,3 400 Tiamina (mg) 0,5 0,3 1,2 0,3 0,1 1,1 Riboflavina (mg) 0,8 0,4 1,3 0,5 0,3 1,1 Piridoxina (mg) 0,5 0,3 1,3 0,2 0,1 1,3 FONTE: Atletas de Judô e Jiu-Jitsu, Santos, Estimativa da necessidade energética, de acordo com Cunningan (ref. 12) e fator atividade de acordo com OMS (ref. 13); 2- de acordo com as referências de consumo DRIs (ref. 14); 3- VET = Valor energético total. As Tabelas 2 e 3 apresentam os valores das análises bioquímicas do plasma e da urina dos atletas. Não foram encontrados, em nenhum dos avaliados, valores considerados fora dos limites de normalidade. Tabela 2. Uréia e creatinina plasmáticas e urinárias dos atletas, anteriormente à intervenção (média desvio padrão). Variável Masculino Feminino Uréia plasmática (mg/dl) a 35,9 8,1 32,0 4,4 Uréia urinária (mg/dl) b 30,2 9,9 19,0 7,2 Creatinina plasmática (mg/dl) c 1,2 0,2 1,0 0,2 Creatinina urinária (mg/dl d 1,4 0,2 1,2 0,2 a-normalidade= 10 a 50 mg/dl; b- normalidade= 15 a 30 mg/dl; c-normalidade= 0,6 a 1,4 mg/dl; d- normalidade= 0,9 a 1,5 mg/dl. FONTE: Atletas de Judô e Jiu-Jitsu, Santos,

5 Tabela 3. Concentrações de colesterol total, HDL-colesterol, LDL-colesterol, VLDL-colesterol, triacilglicerois e glicemia de jejum, anteriormente à intervenção (média desvio padrão). Masculino Feminino Colesterol total (mg/dl) a 165,6 24,3 181,0 21,9 HDL-colesterol (mg/dl) b 39,2 7,6 43,6 10,3 LDL-colesterol (mg/dl) c 109,3 25,7 122,2 16,6 VLDL-colesterol (mg/dl) d 17,3 3,7 15,1 3,1 Triacilglicerois (mg/dl) e 86,4 18,3 75,4 15,4 Glicemia (mg/dl) 87,0 6,1 84,0 3,2 a-normalidade = 2 a 19 anos: Desejável - <170mg/dL; Limítrofe a 199mg/dL; Elevado - >200mg/dL; Acima de 20 anos: Desejável - <200mg/dL; Limítrofe a 239mg/dL; Elevado - >240mg/dL; b- normalidade =Homens risco padrão - 35 a 55mg/dL; Mulheres risco padrão - 45 a 65mg/dL; Homens nível favorável - >55mg/dL; Mulheres nível favorável - >65mg/dL; Homens nível de risco - <35mg/dL; Mulheres nível de risco - <45mg/dL; c- normalidade =Desejável - <130mg/dL; Intermediário a 159mg/dL; Alto risco - >160mg/dL; d- normalidade =Desejável - <30mg/dL; Moderado - 30 a 40mg/dL; Alto risco - >40mg/dL; e- normalidade = <10 anos: Desejavel - <100mg/dL; Elevado - >100mg/dL; 10 a 19 anos: Desejavel - <130mg/dL; Elevado - >130mg/dL; >20 anos: Desejavel - <200mg/dL; Elevado - >200mg/dL. FONTE: Atletas de Judô e Jiu-Jitsu, Santos, A composição corporal dos atletas, anteriormente e posteriormente ao programa, está descrita na Tabela 4. Cabe destacar que, nas anamneses aplicadas, os valores relativos ao percentual de gordura foram a principal queixa dos atletas de ambos os sexos, que em sua totalidade referiram a necessidade de baixar esse percentual para poderem lutar em suas categorias específicas. Ao final do programa, foi possível observar uma redução significativa na gordura corporal em ambos os sexos, e a manutenção da massa corporal magra. Tabela 4. Avaliação antropométrica final dos indivíduos estudados (média respectivas variações ( ) em relação aos valores iniciais desvio padrão) e suas Variáveis avaliadas Masculino Feminino Peso corporal inicial, Kg 68,9 6,3 62,0 8,9 Peso corporal final, Kg 69,0 4,5 62,9 8,2 * Variação do peso corporal ( ), Kg +0,1 +0,9 Peso inicial da gordura corporal, Kg 10,3 4,4 17,7 4,2 Peso final da gordura corporal, kg 8,4 4,0* 17,0 3,4 * Variação do peso da gordura ( ), Kg -1,9-0,7 Peso inicial da massa magra, Kg 58,6 4,6 44,3 5,0 Peso final da massa magra, Kg 60,6 2,1 46,0 5,1 Variação do peso da massa magra ( ), Kg +2,6 +1,7 % de gordura inicial 14,7 5,1 28,2 3,1 % de gordura corporal final 12,0 4,8 * 26,7 2,7 * Variação ( ) na % de gordura corporal -2,7-1,5 * p < 0,05. Diferença em relação aos valores iniciais, de acordo com o teste-t pareado Fonte: atletas de Judô e Jiu-Jitsu, Santos,

6 Discussão O presente estudo avaliou alguns aspectos do estado nutricional de lutadores de judô e jiujitsu, sugerindo e avaliando as correções alimentares necessárias. O intuito maior foi demonstrar que, na maioria das vezes, intervenções convencionais apresentam resultados positivos, sem o uso de suplementos, medicamentos ou estratégias muitas vezes questionáveis. Embora as variáveis bioquímicas tenham se apresentado nos limites da normalidade, é importante lembrar que as conseqüências de um padrão alimentar inadequado podem se manifestar no longo prazo, até mesmo nos períodos de destreinamento. Como se pode observar, na distribuição entre macronutrientes, o grupo inicialmente apresentou valores próximos ao limite superior no percentual na ingestão de gorduras e, conseqüentemente, baixo percentual na ingestão de proteínas e carboidratos. Esses resultados vão de acordo com outros estudos que apontam a má escolha de alimentos por esta população 6. As diferentes modalidades de luta utilizam como fonte de energia predominantemente os sistemas anaeróbios: ATP-CP e glicogênio muscular 1 1, o que justifica a necessidade de se manter elevada a ingestão de carboidratos. Cabe destacar também, que os campeonatos dessas modalidades geralmente consistem em lutas sucessivas, o que torna evidente a utilização do glicogênio muscular, além da contribuição significativa do metabolismo aeróbio. O baixo consumo de carboidratos também pode aumentar o risco de acidose metabólica pelo desvio dos ácidos graxos para a formação de corpos cetônicos 16 e pela perda de massa muscular 3. Embora os dados analisados de uréia e creatinina no plasma e na urina não apontem algum indício de alteração no metabolismo de proteínas no presente estudo, deve-se estar atento para a constante mobilização das proteínas para fins energéticos que geralmente ocorre em conseqüência de dietas com baixa quantidade de carboidratos. No grupo estudado, a ingestão energética mostrou-se diminuída comparativamente às estimativas. O informe técnico da OMS 13 sobre necessidades de energia e proteínas discute exaustivamente essa questão, destacando a grande capacidade de adaptação a diferentes ingestões energéticas. Assim, procurou-se, na intervenção alimentar, manter a ingestão energética dos avaliados, salvo casos em que a composição corporal estivesse fora da normalidade, ou ainda quando os atletas referiram algum sintoma de deficiência energética. Os atletas estudados apresentaram alta ingestão de lipídios em suas dietas habituais. Uma grande participação dos lipídios no fornecimento energético está associada ao aparecimento de uma série de doenças como diabetes, obesidade e alguns tipos de câncer. A alta ingestão de gordura pode também dificultar o processo de perda de peso. É classicamente descrito que o corpo humano transforma facilmente esse excesso de energia em tecido adiposo, comparado ao mesmo conteúdo calórico oriundo de carboidratos ou proteínas 3. Não foram encontradas concentrações elevadas de colesterol total e de suas frações LDL e VLDL, nem alterações significativas na glicemia de jejum. Entretanto, observou-se nas mulheres uma concentração diminuída de HDL-colesterol. Este dado é relevante, uma vez que é conhecido o papel do HDL na prevenção dos efeitos deletérios de outras lipoproteínas oxidadas. Um dos pontos preocupantes com relação ao acompanhamento de atletas, é que os efeitos prejudiciais de condutas inadequadas possivelmente só venham a se manifestar mais drasticamente depois de encerrada a vida esportiva do mesmo, ou seja, no período de destreinamento 1. Neste sentido, GUNDERSON e MCINTOSH 7, relacionaram o desenvolvimento em ex-lutadores de sobrepeso e obesidade, associados à morbi-mortalidade. Valores de HDL- colesterol menores do que 35mg/dL para homens e 45mg/dL para mulheres aumentam significativamente o risco de doenças coronarianas 1. 6

7 Outro importante argumento que justificou a necessidade de intervenção alimentar nos indivíduos analisados foi a baixa ingestão de micronutrientes. Os desvios de consumo de micronutrientes foram todos diretamente relacionados a um baixo consumo de frutas, verduras, legumes e cereais integrais (dados não apresentados em tabela, mas que encontram-se em posse dos autores). Importantes para vários processos do metabolismo energético, as vitaminas do complexo B apresentaram-se diminuídas em relação às recomendações estabelecidas 14. A deficiência dessas vitaminas, além do risco aumentado de doenças, pode levar a maiores dificuldades na adequação na composição corporal uma vez que as mesmas participam como cofatores fundamentais para os processos de oxidação de carboidratos, lipídios, e proteínas. A deficiência de tiamina pode levar o indivíduo ao desenvolvimento de anorexia. A baixa ingestão de folato, além de também estar relacionada ao desenvolvimento de anorexia, aumenta o risco de anemia, perda de peso, diarreias, glossites, e alterações dermatológicas 1. O único mineral encontrado cuja ingestão encontrou-se abaixo das DRIs 14 em ambos os sexos foi o cálcio. A adequação na ingestão de cálcio é fundamental para garantir a eficiência dos processos de contração muscular e, dado o risco aumentado de osteoporose entre mulheres, nestas a deficiência é fator de especial atenção. O consumo de ferro por parte das mulheres foi menor do que o recomendado, porém encontrase bem acima da Necessidade Média Estimada (EAR), que é de 8,1mg. O Institute of Medicine 14 utilizou um modelo fatorial para determinar a EAR. Em mulheres no período pré-menopausa, além das perdas basais, esse modelo incluiu as perdas menstruais 1. Os atletas estudados receberam cardápios individualizados, respeitando os hábitos alimentares conhecidos por meio de inquérito alimentar. Esse cardápio continha um mínimo de seis refeições diárias e a seguinte distribuição percentual em relação ao total energético da dieta: 60% de carboidratos, 20% de proteínas, e 20% de gorduras. Cabe destacar que, após a intervenção alimentar, um relato comum dos indivíduos estudados foi a falsa impressão de que estavam ingerindo uma quantidade excessiva de calorias devido ao maior fracionamento da dieta proposta no estudo. Eles temiam que a inclusão de pequenos lanches poderia aumentar o peso corporal, uma vez que estavam acostumados a se alimentarem no máximo três vezes ao dia. Entretanto, após a introdução desse novo hábito, todos relataram melhor rendimento nos treinos (melhora referida pelos atletas), o que foi um fator positivo para a continuidade da adesão ao tratamento. Os resultados da avaliação antropométrica final mostraram que um planejamento alimentar adequado pode trazer resultados benéficos, desmistificando a ideia de que os atletas lutadores necessitam, toda vez que precisam adequar o seu peso corporal, tomar atitudes drásticas e arriscadas. Além da diminuição da porcentagem de gordura corporal, outro resultado relevante foi o aumento, embora não significativo estatisticamente, da massa magra e do peso corporal. O percentual de proteínas nas dietas do presente estudo ficou em 20% do conteúdo energético total. Mourrier et al1, desenvolveram um estudo com lutadores, que foram distribuídos em cinco grupos (normocalórica controle, hipocalórica controle, hipocalórica hiperproteica, hipocalórica hipoproteica, e hipocalórica com alto teor de aminoácidos de cadeia ramificada). Comparando o trabalho de MOURRIER et al 21 com o presente estudo, podemos destacar com ponto comum a distribuição percentual dos macronutrientes. Embora os autores citados tenham realizado uma restrição energética, os parâmetros de avaliação indicaram manutenção das proteínas corporais no grupo com dieta hipocalórica com alto teor de aminoácidos de cadeia ramificada. Esse fato fortalece o argumento de que com um teor de 20% do total energético da dieta colabora para a manutenção da massa muscular. 7

8 Os resultados encontrados apoiam estratégias de perda de peso em longo prazo, como o projeto Wisconsin de peso mínimo 1. Essa iniciativa propunha um grande esquema de educação alimentar que focou principalmente nutrição básica, a relação entre a nutrição e a performance, e métodos apropriados para perda de peso. Isso foi conseguido por meio de panfletos explicativos distribuídos aos atletas e técnicos, e treinamento com nutricionistas. Os autores destacaram a importância desse processo de educação tanto dos atletas quanto de treinadores em adotarem essas práticas de perda de peso saudáveis, melhorando não só o desempenho, mas também a saúde como um todo. O processo de educação nutricional, a qualquer seguimento populacional, deve ocorrer de forma lenta, e a partir do consumo alimentar do próprio indivíduo. Assim, o presente estudo procurou corrigir a distribuição de macronutrientes e a densidade de micronutrientes. Com isso, após a reavaliação, foi discutida com cada indivíduo a continuidade do plano alimentar. Como conclusão, a orientação alimentar mostrou-se eficaz para a adequação da composição corporal em atletas lutadores. Pressupõe-se que um período maior de aplicação do plano alimentar pudesse trazer resultados ainda melhores. Essa estratégia seria importante não somente na perda de peso corporal, mas também na otimização da distribuição entre tecido adiposo e tecido magro. Mais estudos são necessários no sentido de avaliar se, com esse tipo de intervenção, é possível evitar a prática de estratégias rápidas para perda de peso por esses atletas. Agradecimentos Os autores agradecem a todos os atletas que colaboraram com o estudo e especial à judoca Fabiana Norberg e ao mestre de jiu-jitsu Elcio de Figueiredo. Ao acadêmico Elton Damin e ao Prof. Cezar Azevedo, da UNISANTOS, pelo auxílio durante as avaliações. Ao Professor Rubens Siqueira, da Faculdade de Farmácia e Bioquímica da UNISANTOS, pela realização dos exames bioquímicos e ao Instituto de Pesquisas Científicas (IPECI) pelo auxílio financeiro e pela bolsa de estudo concedida. Referências bibliográficas 1. OPPLIGER, R. et al. ACSM Position Stand: Weight Loss in Wrestlers. Medicine & Science in Sports & Exercise, 1996; 28(10): APPLEGATE, L. A mania das dietas e a utilização de suplementos na prática esportiva. Sports Science Exchange (4): MCARDLE, W. D. K.; KATCH, F. I.; VICTOR, L. Fisiologia do exercício: Energia, nutrição e desempenho humano. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, KRAEMER, W. J. et al. Physiological and performance responses to tournament wrestling. Med. Sci. Sports. Exerc, 2001; 33(8): CHOMA, C. W.; SFORZO, G. A,; KELLER, B. A. Impact of rapid weight loss on cognitive function in collegiate wrestlers. Med. Sci. Sports Exerc. 1998; 30 (4): STEEZN, S. N.; MCKINNEY, S. Nutrition assessment of college wrestlers. Phys. Sportsmed, 14: , GUNDERSON, H. K.; MCINTOSH, M. K. An increased incidence of overweight, obesity, and indicators of chronic disease among ex-collegiate wrestlers. J. Am. Diet. Assoc. 1990; 90: SCHWARZKOPF, R.; JENSEN, D. The effects of dietary control on making weight in collegiate wrestlers. Med. Sci. Sports Exerc. 1987; 19(2): S JACKSON, A. S.; POLLOCK, M. L. Generalized equations for predicting body density of men. Br.J.Nutr. 1978; 40: JACKSON, A. S.; POLLOCK, M. L.; WARD, A. Generalized equations for predicting body density of women. Med. Sci. Sports Exerc. 1980; 12: SIRI, W. E. Body composition from fluid space and density. IN: Brozek J; Hanschel A (eds.): Techniques for measuring body composition. Washington DC. National Academy of Science,

9 12. CUNNINGHAN, J. J. Body composition as a determinant of energy expenditure: a synthetic review and a proposed general prediction equation. Am. J. Clin. Nutr. 1991; 54: ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Necessidades de energia e proteína. Serie de relatos técnicos 724. São Paulo: Roca, p. 14. TRUMBO, P. et al. Dietary reference intakes for energy, carbohydrate, fiber, fat, fatty acids, cholesterol, protein and aminoacids. J. Am. Diet. Assoc. 2002; 102(11): FOSS, M. L.; KETEYIAN, S. J. Fox: Bases fisiológicas do exercício e do esporte. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, RANKIN, J. W. Efeito da ingestão de carboidratos no desempenho de atletas em exercícios de alta intensidade. Sports Science Exchange. 2001; 30: WOLINSKY, I.; HICKSON JR, J. F. Nutrição no exercício e no esporte. São Paulo: Roca, NATIONAL CHOLESTEROL EDUCATION PROGRAM (NCEP) Second report of the expert panel on detection, evaluation, and treatment of high blood cholesterol in adults. Bethesda, Md: US Department of Health and Human Services, Public Health Service; National Institutes of Health; National Heart, Lung and Blood Institute. 19. OLIVEIRA, G. P. C. Hipovitaminose hospitalar: sinais clínicos e diagnóstico. Rev Bras Nutr Clin. 2001; 16(2): FRANCESCHINI, S. C. C.; PRIORE, S. E.; EUCLYDES, M. L. Necessidades e recomendações de nutrientes. In: Cuppari L (org.). Guias de medicina ambulatorial e hospitalar: Nutrição clínica no adulto. Barueri SP: Manole, MOURIER, A. et al. Combined effects of caloric restriction and branched-chain amino acid supplementation on body composition and exercise performance in elite wrestlers. Int J Sports Med. 1997; 18(1):

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UMA INTERVENÇÃO NUTRICIONAL EM LUTADORES EVALUATION OF A NUTRITIONAL INTERVENTION ON WRESTLERS

AVALIAÇÃO DE UMA INTERVENÇÃO NUTRICIONAL EM LUTADORES EVALUATION OF A NUTRITIONAL INTERVENTION ON WRESTLERS AVALIAÇÃO DE UMA INTERVENÇÃO NUTRICIONAL EM LUTADORES EVALUATION OF A NUTRITIONAL INTERVENTION ON WRESTLERS Carlos Eduardo Andrade Chagas 1 ; Sandra Maria Lima Ribeiro 2 1 Universidade de São Paulo- Faculdade

Leia mais

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A alimentação adequada e nutricionalmente equilibrada é um dos fatores importantes e essenciais para a otimização do desempenho, sendo

Leia mais

Rafaella Cristhine Pordeus de Lima Concluinte do mestrado em Ciências da Nutrição UFPB Especialista em Nutrição Clínica UGF-RJ

Rafaella Cristhine Pordeus de Lima Concluinte do mestrado em Ciências da Nutrição UFPB Especialista em Nutrição Clínica UGF-RJ Rafaella Cristhine Pordeus de Lima Concluinte do mestrado em Ciências da Nutrição UFPB Especialista em Nutrição Clínica UGF-RJ REDUÇÃO DA INGESTÃO ENERGÉTICA SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL APROPRIADA INGESTÃO

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

RESPOSTAS RENAIS A UMA DIETA HIPERPROTEICA

RESPOSTAS RENAIS A UMA DIETA HIPERPROTEICA RESPOSTAS RENAIS A UMA DIETA HIPERPROTEICA Marcos José Andrade Lima Universidade Federal da Paraíba Faculdade Integrada de Patos marcosandrade.saude@hotmail.com Introdução O aparelho excretor tem a função

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO RESUMO Mari Uyeda Larissa Fabiane da Silva Toledo Este trabalho apresenta como objetivo demonstrar o comportamento

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo RESUMO: O presente estudo compara a composição corporal

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Prescrição Dietética

Prescrição Dietética Prescrição Dietética Quantitativo Cálculo de Dietas Cálculo de dietas estimar as necessidades energéticas de um indivíduo (atividade física, estágio da vida e composição corporal) Necessidades energéticas

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG.

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. AUTORES: Kiriaque Barra Ferreira Barbosa bolsista CNPq (kiribarra@hotmail.com.br),

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Infância A infância representa um período que compreende modificações importantes: Crescimento do

Leia mais

PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA

PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA Bruno Guilherme Morais Pagan 1 ; Luzia Jaeger Hintze 2 ; Alexandre dos

Leia mais

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente 16 Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente Leidiane Silva Oliveira Chagas Gestora de Recursos Humanos - Anhanguera Educacional

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTICO DE CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR XIII INIC / IX EPG - UNIVAP 2009

PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTICO DE CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR XIII INIC / IX EPG - UNIVAP 2009 PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTICO DE CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR XIII INIC / IX EPG - UNIVAP 2009 Érica Cristina Moreira Guimarães 1, Marlene Maria Amaral Scheid 2 1 Faculdade de Ciências da Saúde,Universidade

Leia mais

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O consumo de dietas vegetarianas tem sido associado a muitos benefícios à saúde, incluindo menores taxas de mortes por doenças cardiovasculares, diabetes

Leia mais

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY FIBER Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó INTRODUÇÃO A soja é uma leguminosa cultivada na China há mais de 5 mil anos. Ao longo do tempo passou a ser consumida por

Leia mais

XXII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA

XXII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA CONSUMO ALIMENTAR DE JOGADORES DE RUGBY SEVENS DA UFLA RONALDO DA SILVA JÚNIOR 1, WILSON CÉSAR DE ABREU 2, JANINA DE SALES GUILARDUCCI 3, RAFAEL DA CUNHA MÂNGIA 4, PEDRO HENRIQUE BIGARDI 5 RESUMO: O rugby

Leia mais

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009 AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE NUTRIÇÃO E SUPLEMENTAÇÃO DE INSTRUTORES QUE ATUAM EM ACADEMIAS WILSON CÉSAR DE ABREU 1, ALESSANDRA BOUERI LAZARINI 2, CARLA MICHELLE FERREIRA DE ABREU 3 RESUMO: O presente

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

ALTERAÇÕES MORFÓLOGICAS E FUNCIONAIS EM MULHERES OBESAS, DECORRENTES DE TREINAMENTO AERÓBICO, DIETA HIPOCALÓRICA E ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO.

ALTERAÇÕES MORFÓLOGICAS E FUNCIONAIS EM MULHERES OBESAS, DECORRENTES DE TREINAMENTO AERÓBICO, DIETA HIPOCALÓRICA E ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO. ALTERAÇÕES MORFÓLOGICAS E FUNCIONAIS EM MULHERES OBESAS, DECORRENTES DE TREINAMENTO AERÓBICO, DIETA HIPOCALÓRICA E ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO. Roberto Fernandes da Costa (Prof. Curso de Ed. Física da USP)

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS Sobre a Avaliação: O profissional conecta os sensores nos dedos do cliente para que possam captar os sinais do sistema nervoso e enviá-los ao computador, gerando resultados

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DE HANDEBOL ADAPTADO NO MUNICIPIO DE TOLEDO PR.

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DE HANDEBOL ADAPTADO NO MUNICIPIO DE TOLEDO PR. Os textos são de responsabilidade de seus autores. AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DE HANDEBOL ADAPTADO NO MUNICIPIO DE TOLEDO PR. Diana Rissato Ribeiro 1 2 3 RESUMO O objetivo deste estudo foi avaliar

Leia mais

NUTRIÇÃO NA ADOLESCÊNCIA

NUTRIÇÃO NA ADOLESCÊNCIA NUTRIÇÃO NA ADOLESCÊNCIA Adolescência Período da vida que começa com o aparecimento de características sexuais secundárias e finaliza com o término do crescimento somático Estirão de Crescimento é o período

Leia mais

Necessidades Nutricionais Antes, Durante e Depois do Exercício

Necessidades Nutricionais Antes, Durante e Depois do Exercício Nut. Cláudia Dornelles Schneider Prof. Adj. Depto. de Nutrição Necessidades Nutricionais Antes, Durante e Depois do Exercício Porto Alegre, RS, Brasil Janeiro de 2013 Nutrição Esportiva últimas 2 décadas

Leia mais

19/08/2014 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL: PRINCÍPIOS, MÉTODOS E APLICAÇÕES

19/08/2014 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL: PRINCÍPIOS, MÉTODOS E APLICAÇÕES AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL: PRINCÍPIOS, MÉTODOS E APLICAÇÕES 1 FRACIONAMENTO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL (04 COMPONENTES) GORDURA CORPORAL MASSA ÓSSEA MASSA MUSCULAR RESÍDUOS FRACIONAMENTO DA COMPOSIÇÃO

Leia mais

www.receitasganharmassamuscular.com

www.receitasganharmassamuscular.com Esse e-book é oferecido como bônus na compra do e- book Receitas Anabólicas no site: www.receitasganharmassamuscular.com INTRODUÇÃO Nesse e-book você vai aprender a montar uma dieta para musculação personalizada,

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL 1 ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL Ana Carolina Borghesi Marques Branco Mariah Martins da Silva Josiane Correia Juliana Ferreira

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MESTRADO EM NUTRIÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MESTRADO EM NUTRIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MESTRADO EM NUTRIÇÃO GORDURA DIETÉTICA E LIPIDÍOS SÉRICOS ALYNE CRISTINE SOUZA DA SILVA Dissertação apresentada ao colegiado do Programa de

Leia mais

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE 01 CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE A obesidade é uma doença crónica que se caracteriza pelo excesso de gordura corporal e que atinge homens, mulheres e crianças de todas as etnias e idades. A sua prevalência

Leia mais

Artigo Original ISSN: 1983-7194

Artigo Original ISSN: 1983-7194 ISSN: 1983-7194 de diferentes cidades do interior de Minas Gerais Food consumption of athletes of futsal of different cities of inside of Minas Gerais Quintão DF 1 ; Oliveira GC 2 ; Silva SA 3 ; Marins

Leia mais

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ALVES,K.L.; MARIN,T. Resumo: Alimentação saudável é

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Treinamento e nutrição.

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Treinamento e nutrição. Conteúdo: Treinamento e nutrição. Habilidades: Relacionar a alimentação saudável com a prática de exercícios físicos. X Nutrientes macronutrientes micronutrientes Micronutrientes Macronutrientes A importância

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE MACRONUTRIENTES ANTES, DURANTE E APÓS A ATIVIDADE FÍSICA DE FREQUENTADORES DE UMA ACADEMIA EM SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE MACRONUTRIENTES ANTES, DURANTE E APÓS A ATIVIDADE FÍSICA DE FREQUENTADORES DE UMA ACADEMIA EM SÃO PAULO AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE MACRONUTRIENTES ANTES, DURANTE E APÓS A ATIVIDADE FÍSICA DE FREQUENTADORES DE UMA ACADEMIA EM SÃO PAULO Gabriela Tammy Dias de Oliveira * ; Camila Araújo da Silva Monte * ; Mariana

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo a análise da distribuição de gordura em homens

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

Alimentação na Gestação

Alimentação na Gestação ESPAÇO VIDA Nut. Fabiane Galhardo Unimed Pelotas 2012 Alimentação na Gestação 1 GESTAÇÃO PERÍODO MÁGICO DE INTENSA TRANSIÇÃO, ONDE A NATUREZA MODIFICA O CORPO E A MENTE PARA TRANSFORMAR MULHER EM MÃE A

Leia mais

UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Projeto de Pesquisa Institucional

UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Projeto de Pesquisa Institucional UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Projeto de Pesquisa Institucional ESTUDO DO CONSUMO ALIMENTAR DE MULHERES PÓS- MENOPAUSA COM SÍNDROME METABÓLICA PARTICIPANTES DE

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Diferentemente dos adultos, os atletas jovens necessitam de um aporte energético e de nutrientes para dois objetivos: Crescimento e desenvolvimento.

Diferentemente dos adultos, os atletas jovens necessitam de um aporte energético e de nutrientes para dois objetivos: Crescimento e desenvolvimento. Necessidade nutricional da criança e do adolescente atleta Francisco Leal Kobielski Giuseppe Potrick Stefani Introdução Diferentemente dos adultos, os atletas jovens necessitam de um aporte energético

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Thiago Onofre Freire

NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Thiago Onofre Freire NUTRIÇÃO ESPORTIVA Thiago Onofre Freire Nutrição Esportiva Prevenção de doenças Desempenho Atlético Estética Nutrição Esportiva Desempenho / Performance / Estética 1941 História História 1943 / Recomended

Leia mais

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini As maiores médias de consumo diário per capita ocorreram para Feijão (182,9 g/ dia), arroz (160,3 g/ dia), carne bovina

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

Nós precisamos de beber água para sobreviver!... A. água representa cerca de 60 a 70% do peso corporal e é. do organismo ocorram adequadamente.

Nós precisamos de beber água para sobreviver!... A. água representa cerca de 60 a 70% do peso corporal e é. do organismo ocorram adequadamente. A Água A água é o centro da vida! Nós precisamos de beber água para sobreviver!... A água representa cerca de 60 a 70% do peso corporal e é indispensável a todas as funções do organismo, designadamente,

Leia mais

Perfil nutricional de adolescentes esportistas frequentadores de um ambulatório de nutrição esportiva

Perfil nutricional de adolescentes esportistas frequentadores de um ambulatório de nutrição esportiva Vol. 1, No. 1, Março, 2012, 21 29 Perfil nutricional de adolescentes esportistas frequentadores de um ambulatório de nutrição esportiva Ioná Zalcman Zimberg 1, Renata B. Cavalieri 2, Luiza R.Camargo 3,

Leia mais

ESTADO D O AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MAN AUS GABINETE VEREADOR JUNIOR RIBEIRO

ESTADO D O AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MAN AUS GABINETE VEREADOR JUNIOR RIBEIRO PROJETO DE LEI Nº. 253 / 2014 Dispõe sobre a obrigatoriedade do uso de equipamentos de Ionização de água potável em Unidades de Tratamento de doenças degenerativas da Rede Pública Municipal e de Organizações

Leia mais

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho 6 Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho José Cicero Mangabeira Da Silva Gestor Em Recursos Humanos - Anhanguera Educacional - Campinas-SP Especialista Em Gestão Da Qualidade

Leia mais

A importância da anamn m ese s......

A importância da anamn m ese s...... Importância da Anamnese Dobras Cutâneas BIOTIPOS COMPOSIÇÃO CORPORAL PERIMETRIA A importância da anamnese... Conceito A anamnese (do grego anamnesis significa recordação) consiste na história clínica do

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica.

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica. PERFIL DOS CONSUMIDORES DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS DE TERESINA. Conceição de Maria Aguiar Carvalho Francisco Evaldo Orsano RESUMO: O aumento da oferta de suplementos

Leia mais

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Elizabeth Vargas Nutricionista Unilever America Latina Seminário Tecnológico de Nutrição, Saudabilidade e Meio Ambiente Junho 2014

Leia mais

ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN

ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN Resumo: A obesidade é reconhecida como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo, sabe-se que na população com SD

Leia mais

Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares

Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares Ms. Jacqueline Queiroz Silveira Nutricionista e Doutoranda Faculdade de Ciências Farmacêuticas - UNESP Araraquara

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR Daniele Aparecida Capelato 1 ; Bruno Guilherme Morais Pagan 2 ;

Leia mais

ACEITABILIDADE E QUALIDADE DA MERENDA ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO

ACEITABILIDADE E QUALIDADE DA MERENDA ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO ACEITABILIDADE E QUALIDADE DA MERENDA ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO Patrícia Santiago Vieira UFG/GO Ivna Custódio de Moraes UFG/GO Jeannie Carolina Pizarro UFG/GO Marcela Araújo Parreira UFG/GO RESUMO Neste

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

Suplementos na Atividade Esportiva Maria Helena Weber CRN 2075

Suplementos na Atividade Esportiva Maria Helena Weber CRN 2075 Suplementos na Atividade Esportiva Maria Helena Weber CRN 2075 Exercício Físico x Atividade Física Atividade Física: é qualquer movimento do corpo, produzido pelo músculo esquelético que resulta em um

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ Débora de Moura¹; Débora Augusto Sampaio²; Geziane Deldoto 2 ; Sonia Maria Marques

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

O PAPEL DO FERRO SOBRE A NUTRIÇÃO E A SAÚDE

O PAPEL DO FERRO SOBRE A NUTRIÇÃO E A SAÚDE O PAPEL DO FERRO SOBRE A NUTRIÇÃO E A SAÚDE Introdução O ferro é um nutriente mineral encontrado em alimentos de origem vegetal e animal, e de grande importância para a saúde por seu papel como constituinte

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Carla Andréa Metzner 1 Ana Paula Falcão 2 RESUMO No presente trabalho coletou-se dados referente ao Indicador

Leia mais

Exigências motoras. 2 Coordenativas. 1 Condicionantes. Mobilidade Agilidade Velocidade. Resistência Força

Exigências motoras. 2 Coordenativas. 1 Condicionantes. Mobilidade Agilidade Velocidade. Resistência Força Exigências motoras 1 Condicionantes Resistência Força 2 Coordenativas Mobilidade Agilidade Velocidade 1 Resistência!" #!" #!" #!" # Endurance Força! % " #$% " & ' () " '(*' ) $!" # $#% # $#% 2 #%&' ( '

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO Departamento de Fisiologia Curso: Educação Física NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO Aluno: Anderson de Oliveira Lemos Matrícula: 9612220 Abril/2002 Estrutura de Apresentação Líquidos Eletrólitos Energia

Leia mais

treinofutebol.net treinofutebol.net

treinofutebol.net treinofutebol.net Alimentação do Desportista A alimentação pode influenciar positiva ou negativamente o rendimento dum atleta, devendo consequentemente ser orientada no sentido de não só melhorar a sua capacidade desportiva,

Leia mais

Perder Gordura e Preservar o Músculo. Michelle Castro

Perder Gordura e Preservar o Músculo. Michelle Castro Perder Gordura e Preservar o Músculo Michelle Castro 25 de Novembro de 2012 Principais Tópicos 1. Processos catabólicos associados a dietas hipocalóricas. 2. Contextualização/compreensão do porquê da existências

Leia mais

CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ.

CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ. ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ. Amanda

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final Laís Cruz Nutricionista CRN 3 18128 2013 Período de transição entre infância e vida adulta (dos 10 aos 19 anos de idade) Muitas transformações físicas, psicológicas e sociais Acelerado crescimento e desenvolvimento:

Leia mais

Informe Técnico n. 63, de 3 de outubro de 2014. Assunto: Esclarecimentos sobre adição de ingredientes fontes de EPA e DHA em alimentos e bebidas.

Informe Técnico n. 63, de 3 de outubro de 2014. Assunto: Esclarecimentos sobre adição de ingredientes fontes de EPA e DHA em alimentos e bebidas. Informe Técnico n. 63, de 3 de outubro de 2014. Assunto: Esclarecimentos sobre adição de ingredientes fontes de EPA e DHA em alimentos e bebidas. I. Introdução. Com base no disposto na Resolução n. 16/99

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ Rita de Cássia Felix

Leia mais

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT Nutricionista Débora Razera Peluffo Perfil nutricional brasileiro Nas últimas décadas observou-se uma mudança no perfil epidemiológico da população brasileira:

Leia mais

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Randomizado Apresentado por Tatiana Goveia Araujo na reunião

Leia mais

Atividade Física. A atividade física aumenta a sensibilidade à insulina e a capacidade de absorver os nutrientes.

Atividade Física. A atividade física aumenta a sensibilidade à insulina e a capacidade de absorver os nutrientes. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Atividade Física A atividade física aumenta a sensibilidade à insulina e a capacidade de absorver

Leia mais

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 5.2 Conteúdo: Atividade Física e Saúde

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 5.2 Conteúdo: Atividade Física e Saúde A AULA: 5.2 Conteúdo: Atividade Física e Saúde A AULA: 5.2 Habilidades: Compreender os benefícios dos exercícios físicos na promoção da saúde e qualidade de vida A BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE A Benefícios

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE Profª Sandra Carvalho A carne magra: 75% de água 21 a 22% de proteína 1 a 2% de gordura 1% de minerais menos de 1% de carboidratos A carne magra dos diferentes animais de abate

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais