COSTA, Francine da Rocha 1 FREITAS, Angelica Rocha de 2 RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COSTA, Francine da Rocha 1 FREITAS, Angelica Rocha de 2 RESUMO"

Transcrição

1 INFLUÊNCIA DA ESTÉTICA NA BUSCA PELA REDUÇÃO DO PESO CORPORAL, PREVALÊNCIA DE PRÁTICAS DE EMAGRECIMENTO E INSATISFAÇÃO CORPORAL EM MULHERES COM IDADE ENTRE 20 E 65 ANOS INFLUENCE OF AESTHETICS IN THE SEARCH FOR REDUCING THE BODY WEIGHT, PREVALENCE OF THE WEIGHT LOSS PRACTICES AND DISSATISFACTION WITH THE BODY IN WOMEN WITH AGE BETWEEN 20 AND 65 YEARS COSTA, Francine da Rocha 1 FREITAS, Angelica Rocha de 2 RESUMO O presente trabalho teve como objetivo verificar a influência da estética corporal na busca pela redução de peso, analisar práticas de emagrecimento prevalentes em mulheres com idade entre 20 a 65 anos e identificar a percepção de imagem corporal entre elas. A pesquisa foi desenvolvida através de um formulário que indagava sobre práticas de emagrecimento e satisfação corporal, e de uma avaliação nutricional, incluindo peso e estatura para que pudesse ser encontrado o peso ideal e se estabelecer o diagnóstico nutricional. Foram avaliadas 50 mulheres com diagnostico nutricional de sobrepeso e obesidade, sendo que houve maior prevalência das com sobrepeso. A idade média das mulheres entrevistadas foi de 40,86±12,78 anos e peso médio foi de 79,5±13,1 kg. Verificou-se baixa freqüência da prática de atividade física entre as avaliadas. O motivo de ganho de peso mais citado foi a gestação (50%), e a maioria delas (72%) relatou já ter recorrido a alguma prática para emagrecimento anteriormente ao tratamento dietético. Quanto à satisfação corporal, 86% da amostra afirmou estar insatisfeita com o corpo, relatando que o emagrecimento influencia em sua vida pessoal, social e profissional. Dentre as práticas mais utilizadas para o emagrecimento destaca-se o uso de medicamentos. Pode-se observar que uma parcela importante das mulheres avaliadas busca o tratamento para redução de peso com finalidade estética, e grande parte está insatisfeita com o corpo, fator este negativo, visto que as mesmas podem adotar práticas não saudáveis de emagrecimento em busca da satisfação corporal. Palavras-chave: redução de peso corporal, estética corporal, práticas de emagrecimento 1 Acadêmica do curso de Nutrição da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO) 2 Docente do curso de Nutrição da UNICENTRO ABSTRACT

2 2 This study aimed to determine the influence of body aesthetics in the quest for weight reduction, the weight loss practices prevalent in women aged 20 to 65 years old and identify the perception of body image between them. The research was conducted hrough a form that asked about weight loss practices and body satisfaction, and a nutritional assessment, including weight and height so that it could be found the ideal weight and to establish the nutritional diagnosis. We evaluated 50 women with nutritional diagnosis of overweight and obesity, with higher prevalence of overweight. The average age of the women was ± years and mean weight was 79.5 ± 13.1 kg. There was low frequency of physical activity among those evaluated. The most cited reason for weight gain was the pregnancy (50%), and most of them (72%) reported that they had resorted to some practice to weight loss prior to dietary treatment. About the body satisfaction, 86% of the sample said it was dissatisfied with the body, reporting that weight loss influences in his personal life, social and professional. Among the practices commonly used for weight loss highlights the use of drugs. It can be observed of the important proportion of women seeking treatment to reduce weight with aesthetic purpose, and most them are dissatisfied with your body, being this negative factor, because can lead of the practices unhealthy weight loss in search of body satisfaction. Key-words: reduction of body weight, aesthetics, weight loss practices INTRODUÇÃO E OBJETIVOS A obesidade é um dos maiores problemas de saúde pública, atingindo, indistintamente, países desenvolvidos e em desenvolvimento, com prevalências crescentes em adultos, adolescentes e crianças (1). O Brasil, assim como outros países em desenvolvimento, passa por um período de transição epidemiológica, caracterizada por uma mudança no perfil dos problemas relacionados à saúde pública, predominando as doenças crônicodegenerativas, embora as doenças transmissíveis ainda desempenhem papel importante (2). Esta transição é acompanhada de importantes modificações demográficas e nutricionais, como a desnutrição sendo reduzida a índices cada vez menores e a obesidade atingindo proporções epidêmicas (3,4). De uma forma geral, a obesidade pode ser definida como uma doença resultante do acúmulo anormal ou excessivo de gordura sob a forma de tecido adiposo, de forma que possa resultar em prejuízos à saúde do indivíduo, pelo aumento de índices de morbidade e mortalidade (5,6,7). Do ponto de vista epidemiológico, observa-se que a obesidade ocorre principalmente em indivíduos do sexo feminino, de classe social menos favorecida e sua incidência parece aumentar com a idade (8).

3 3 Apesar de a obesidade ser atualmente um problema de saúde pública, nos dias atuais é notória a importância dada à imagem e aparência. Durante muito tempo na história da humanidade, o ganho de peso, bem como o acúmulo de gordura, eram vistos como sinais de saúde e prosperidade (1). Porém, sabe-se que ao longo dos séculos, os padrões de beleza feminina mudaram e hoje a sociedade contemporânea busca incessantemente ao corpo perfeito (9). Com base nisso, sabese que a cultura é um componente importante na imagem corporal (10), visto que esse tema é de interesse geral, pois cada vez mais, as pessoas têm a sua identidade ligada a essa imagem, muitas vezes, confundindo-a com personalidade (11). A preocupação com a aparência é fato na atual sociedade e, sendo tão preponderante, leva as pessoas a se preocuparem excessivamente com ela (11). De acordo com Cash (12), a imagem corporal refere-se à experiência psicológica de alguém sobre a aparência e o funcionamento do seu corpo. Segundo o autor, o descontentamento relacionado ao peso, que muitas vezes levam a uma imagem corporal negativa, advém da ênfase cultural na magreza e estigma social da obesidade. O panorama sociocultural ocidental, de extrema valorização da magreza, com a pressão para o emagrecimento interagindo com outros fatores biológicos, psicológicos e familiares, gera uma preocupação com o corpo e um pavor patológico de engordar. Essa pressão ocorre, principalmente, com as mulheres para quem a aparência física está relacionada a um valor pessoal e se associa com sucesso profissional, autonomia financeira e independência e é para elas também que o culto à beleza representa uma neurose moderna e coletiva que se espalha, em ritmo acelerado, de mulher para mulher (13,14). A ênfase da sociedade contemporânea no ideal de magreza (culto ao corpo), as intensas propagandas na mídia de uma infinidade de regimes e de produtos dietéticos, bem como o crescimento de academias e do número de revistas sobre o assunto, fornecem o ambiente sociocultural que justifica a perda de peso, trazendo consigo uma simbologia de que a beleza física proporcionaria autocontrole, poder e modernidade (14,15). Associadas ao padrão de corpo magro, são veiculadas as mensagens de sucesso, controle, aceitação, conquistas de amor e estabilidade psicológica. Assim, a mulher acredita que, com a magreza, alcançará todas essas qualidades positivas,

4 4 sendo a prática de dietas vendidas como solução para todas as dificuldades. E na falha do sucesso na redução de peso, a mulher é vista como incapaz e sem autocontrole (16). Entretanto, o padrão imposto como ideal não respeita os diferentes biotipos e induz as mulheres na busca incessante pela magreza, seja através de dietas ou formas alternativas de emagrecimento (17). Desta forma, este trabalho teve como objetivo verificar a influência da estética corporal na redução do peso corporal, bem como analisar práticas de emagrecimento prevalentes em mulheres com idade entre 20 e 65 anos, e identificar a satisfação corporal entre elas. METODOLOGIA Este trabalho foi inicialmente aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual do Centro Oeste UNICENTRO, sob o protocolo de número 13521/2008 (Anexo 1). O mesmo foi desenvolvido com mulheres atendidas no Ambulatório de Nutrição da UNICENTRO, no município de Guarapuava-PR, com idade entre 20 e 65 anos, na forma de um estudo transversal prospectivo, às quais foi explanado o estudo e entregue o termo de consentimento livre e esclarecido (Apêndice 1). Às pacientes que concordaram voluntariamente em participar do estudo, foi aplicado um formulário (Apêndice 2), e realizada uma avaliação nutricional, incluindo peso e estatura, para que pudesse ser encontrado o peso ideal e estabelecer o diagnóstico nutricional. O peso foi aferido em uma balança antropométrica e a estatura verificada através do estadiômetro acoplado à balança. O diagnóstico nutricional foi estabelecido através do Índice de Massa Corporal (IMC) e classificado conforme critérios da Organização Mundial da Saúde (1998) para adultas e Classificação de Lipschitz (1994) para idosas. Foram incluídas no estudo, mulheres com mais de 20 anos, com diagnóstico de sobrepeso ou obesas, ou seja, mulheres adultas com IMC maior que 24,9 kg/m 2 e idosas com IMC maior que 27 kg/m 2, que buscassem acompanhamento para emagrecimento, que não apresentassem patologias como diabetes, câncer e hipertensão arterial e que concordassem com as normas do estudo. Sendo assim, homens em geral, mulheres com menos de 20 anos e mais de 65 anos ou que apresentassem as patologias acima citadas ou que fossem

5 5 desnutridas ou eutróficas ou, ainda, que apresentassem algum tipo de impossibilidade em responder o questionário foram excluídas do estudo. O formulário aplicado era composto por dezesseis questões abertas e fechadas, sendo que em duas questões (questões 15 e 16) a pesquisada poderia optar por mais de uma opção, e um cabeçalho que requisitava nome, idade, profissão, peso atual, estatura, IMC atual, peso ideal e peso desejado pela paciente (Apêndice 2). O formulário visava verificar as principais condutas já realizadas para obter o emagrecimento, a freqüência da prática de atividade física, satisfação corporal, o motivo que levou a participante a procurar o tratamento dietético e a influência da satisfação corporal em sua vida social, pessoal e/ou profissional. A análise dos dados foi realizada por meio de estatística descritiva utilizando médias, freqüências e desvio-padrão. A comparação das freqüências das variáveis categorizadas foram avaliadas através do teste do Qui-Quadrado. RESULTADOS E DISCUSSÃO Foram avaliadas cinquenta mulheres com idade média de 40,86±12,78 anos. Entre as mulheres pesquisadas, a maioria (24%) era dona de casa, como pode ser visto na tabela 1. Foi encontrada a frequência de 20% para outras profissões que incluíam assistente social, conselheira tutelar, coordenadora de projetos, corretora de imóveis, costureira, empresária, funcionária pública, manicure, motorista e auxiliar administrativa. Tabela 1. Atividades ocupacionais das mulheres avaliadas Atividades ocupacionais n (%) Dona de casa 12 (24%) Comerciante 7 (14%) Estudante 6 (12%) Pedagoga 3 (6%) Atendente de farmácia 2 (4%) Cabeleireira 2 (4%) Auxiliar doméstica 2 (4%) Pecuarista 2 (4%) Professora 2 (4%) Secretária 2 (4%) Outras 10 (20%)

6 6 Atualmente é notória a conquista das mulheres por direitos iguais aos dos homens, onde muitas já conseguiram seu espaço no mercado de trabalho, mudando a realidade antes vivida, na qual elas eram apenas donas de casa. Esse fato pode explicar a prevalência de 64% de mulheres com ocupação remunerada neste estudo. Em uma pesquisa, nos Estados Unidos da América, que envolveu mulheres com idade entre 25 e 64 anos, não foi possível demonstrar diferenças significativas entre as mulheres classificadas como donas de casa e as mulheres com uma ocupação remunerada no que tange à obesidade. O mesmo estudo revelou que as mulheres formalmente empregadas tendiam a apresentar uma dieta menos aterogênica (18). Entretanto, outros estudos demonstraram que as mulheres donas de casa tendem a apresentar melhor perfil lipídico e menor ganho ponderal em relação às mulheres com ocupação remunerada, fato que foi atribuído a maior dificuldade por parte dessas últimas em cuidar de sua alimentação, assim como maior escassez de tempo para praticar exercícios físicos regularmente (19,20). Com relação à avaliação antropométrica, o peso médio encontrado foi de 79,5±13,1 kg, peso este elevado se relacionado com a altura média verificada de 1,60±0,05m, visto que o peso ideal encontrado para tal altura média foi de 55,1±3,9 kg, como mostra a tabela 2. O desejo de emagrecimento encontrado no estudo revela que grande parte das mulheres avaliadas almejam reduzir número elevado de peso, visto que a média encontrada foi de 12,6±8,1 kg (tabela 2). Tabela 2. Variáveis antropométricas das mulheres avaliadas Variáveis antropométricas Valores médios Peso Atual (kg) 79,5±13,1 Altura (m) 1,60±0,05 Peso Ideal (kg) 55,1±3,9 Quilos que deseja perder (kg) 12,6±8,1 Dos resultados encontrados para o estado nutricional, a maioria (58%) das mulheres estavam com sobrepeso, sendo que 22% estavam com obesidade grau I, 12% obesidade grau II e 8% obesidade grau III, como pode ser verificado na Figura 1.

7 7 42% 58% SOBREPESO OBESIDADE Figura 1. Estado Nutricional das mulheres avaliadas No estudo houve uma prevalência de 58% de sobrepeso que pode ser explicado por possíveis diferenças no estilo de vida e possivelmente a alimentação entre essas mulheres estudadas, assim como por fatores psicossociais, entre estes a maior ou menor preocupação com a imagem corporal. Em um estudo realizado por Coitinho et al. (21), verificou-se que o sul do Brasil é a região do país que apresenta maior parcela significativa de adultos com sobrepeso e obesidade, visto que 34% dos homens e 43% das mulheres apresentaram algum grau de excesso de peso. A mudança das prevalências de sobrepeso e obesidade na população brasileira tem sido comprovada por vários estudos. Gigante et al. (22) encontraram 21% para obesidade, sendo 25% entre as mulheres e 15% entre os homens, e 40% para sobrepeso em ambos os sexos; Vedana et al. (23) encontraram 32,8% com sobrepeso e 17,8% com obesidade, sendo que entre os indivíduos obesos a maioria era do sexo feminino (20,2%) enquanto apenas 15,2% dos homens apresentavam obesidade. Quando divididas de acordo com a idade, as mulheres entre 40 e 65 anos apresentaram freqüência de 48,3% para obesidade e 51,7% para sobrepeso, enquanto as mulheres com idade entre 20 e 39 anos apresentaram 66,7% para sobrepeso e 33,3% para obesidade. Desta forma, verificou-se que com o aumento da idade passou a ser maior a prevalência de obesidade entre as avaliadas assim como outros estudos (23,24,25) identificaram. Esses dados ainda podem estar

8 confirmando o que Grundy (26) destaca em sua revisão, que o envelhecimento também está ligado ao ganho de peso, por estar associado a fatores como declínio na taxa metabólica basal (TMB) em conseqüência da perda de massa muscular, diminuição na prática de atividade física e aumento no consumo alimentar. Com relação à atividade física, verificou-se que 60% das avaliadas não a praticavam. Quando dividiu-se em mulheres com sobrepeso e mulheres obesas, notou-se que as mulheres com sobrepeso praticavam mais atividade física que as com obesidade (p<0,01), visto que 48,2% das com sobrepeso praticam atividade e apenas 28,5% das com obesidade realizavam tal prática, como pode ser observado na figura % 60% 50% 40% 30% 58% 48,20% p<0,01 42% 28,50% 20% 10% 0% SOBREPESO estado nutricional OBESIDADE prática de atividade física Figura 2. Relação entre estado nutricional e prática de atividade física O ideal, se falando de prática de atividade física, é que se faça três vezes por semana, entretanto no estudo isso não foi observado, talvez por que à medida que a sociedade se torna mais desenvolvida e mecanizada e as pessoas passam a ter maiores ocupações remuneradas, como é o caso da amostra, e a demanda por atividade física diminui, diminuindo também o gasto energético diário (27). Racette et al. (28) em seu estudo identificaram maior adesão à dieta entre aqueles que associam a atividade física. Após estudarem 30 mulheres obesas por 12 semanas, divididas em dois grupos, sendo um que fazia prática de exercício aeróbio junto com dieta e o outro que fazia exclusivamente dieta, verificaram que o grupo que se exercitava

9 9 seguiu a dieta de forma mais efetiva. Tal achado poderia ainda justificar o fato de muitas avaliadas neste estudo não terem obtido sucesso com tratamentos dietéticos, uma vez que permanecem no estado nutricional de sobrepeso/obesidade e continuam a não realizar atividade física. Visando os inúmeros benefícios que o exercício físico regular induz, este deve ser parte das estratégias de redução de gordura corporal (29). Com relação à idade de ganho de peso, a média encontrada foi de 27,7±10,8 anos. Já o menor peso que elas relataram ter, a média encontrada foi de 60,78±7,30kg. Dos motivos para tal ganho de peso o mais citado pelas entrevistadas foi a gestação (50%) seguido de sedentarismo (10%) e compulsividade (8%) como pode ser observado na tabela 3. Tabela 3. Motivos para ganho de peso entre as avaliadas Motivo para ganho de peso n (%) Cirurgias 2(4%) Compulsividade 4(8%) Depressão 2(4%) Desleixo nos Hábitos Alimentares 3(6%) Excesso de Vitaminas 1(2%) Gestação 25(50%) Hipotireoidismo 2(4%) Judô 1(2%) Menopausa 1(2%) Abstinência ao tabagismo 1(2%) Fatores psicológicos 2(4%) Sedentarismo 5(10%) Tempo sem Trabalhar 1(2%) Quando relacionada a idade média de ganho de peso com o com menor peso já obtido, nota-se que essas mulheres não eram obesas abaixo da idade média encontrada para o início do ganho de peso. Com a idade média de ganho de peso encontrada no estudo, as mulheres já estavam na fase adulta, sendo que com essa idade muitas já haviam sido gestantes. Se tratando dos motivos para o ganho de peso, a maioria (50%) das mulheres relatou a gestação como sendo o principal fator. Levando-se em consideração que a gestação é um período no qual muitas vezes por descuido e/ou tabus, muitas das avaliadas poderiam ter passado a ingerir um número excessivo de quilocalorias, o que fundamentaria tal achado. Uma revisão da

10 10 literatura afirma que os principais fatores determinantes da retenção de peso em mulheres no pós-parto incluem o ganho de peso durante a gestação e a intensidade da lactação (30). Shauberger et al. (31) em seu estudo revelaram um efeito importante do ganho de peso durante a gestação sobre a retenção de peso no pós-parto, sendo que mulheres com ganhos superiores a 16kg foram 5kg mais pesadas seis meses após o parto, quando comparadas a mulheres que ganharam menos de 11,3kg. De acordo com Fleitlich et al. (32), já quando adolescentes as meninas mesmo quando estão no peso adequado ou abaixo do peso ideal, costumam se sentir gordas ou desproporcionais, o que segundo Vilela et al. (33) com o aumento da idade, faz com que elas queiram cada vez mais perder mais peso. Quando indagadas sobre o motivo pelo qual procuravam o emagrecimento a maioria (72%) afirmou estar preocupada com a estética, seguido da preocupação com a saúde (54%), como pode ser observado na tabela 4. Tabela 4. Motivos para a busca do emagrecimento Motivo (n) % Estético 36 (72%) Indicação de um médico 6 (12%) Saúde 27 (54%) Familiar 2 (4%) Tal prevalência da busca pelo emagrecimento, por meio do tratamento dietético, com finalidade estética deve-se em grande parte ao incentivo social e da mídia pela idealização do corpo ideal como sendo o corpo magro. Desta forma, as mulheres tendem a procurar o emagrecimento para ficar dentro dos padrões de beleza impostos pela sociedade e pela mídia. Quando questionadas se já haviam recorrido a alguma prática de emagrecimento anterior ao tratamento dietético, a maioria (72%) delas afirmou já ter feito alguma prática, sendo o tratamento medicamentoso o mais procurado (69,2%), como pode ser visto na tabela 5.

11 Tabela 5. Práticas de emagrecimento anterior ao tratamento dietético 11 Práticas de emagrecimento n (%) Medicamento 27(69,2%) Chá 25(64,1%) Dietas da moda 14(35,8%) Drenagem 8(20,5%) Os meios de comunicação também influenciam as mulheres no incentivo a dietas e outras formas de tratamento, veiculando o paradigma de beleza imposto, que pressiona a ter um corpo magro, assim como o incentivo social. Neste estudo quando questionadas sobre quem havia indicado tais tratamentos, 85% das mulheres que relataram ter usado medicamento para emagrecer afirmaram que o mesmo foi indicado pelo médico, as amigas foram quem mais indicaram o uso de chá (48%) e dietas da moda (57%), já a drenagem em todos os casos foi feito por vontade própria. Souto e Ferro Bucher (34) em seu estudo observaram que a busca de orientação de um profissional da saúde para emagrecimento, não foi regra entre as entrevistadas, visto que algumas fizeram dietas por conta própria, inclusive baseadas em revistas que sugerem cardápios alimentares, além de que a partir das narrativas das entrevistas, perceberam os riscos decorrentes da prática indiscriminada de dietas e tratamentos para emagrecimento, estimulada por familiares, amigos, profissionais e pela mídia, o que também foi verificado no presente estudo. Tratando-se de satisfação corporal, a maioria (86%) delas relatou estar insatisfeita e nenhuma relatou indiferença com relação à imagem corporal como pode ser observado na figura % 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 86% 14% 0% SATISFEITA INSATISFEITA INDIFERENTE Figura 3. Satisfação Corporal das mulheres avaliadas

12 12 Os resultados mostraram que a insatisfação com a imagem corporal foi um fenômeno altamente freqüente entre as mulheres, o que pode ser considerado um problema de saúde pública, pois pode condicionar, em parte, atitudes e condutas comportamentais não-saudáveis, como anorexia, bulimia, dismorfia e aceitação das dietas mal orientadas (35). Estudo feito por Coqueiro et al. (36), com mulheres no climatério, mostrou prevalência de insatisfação com a imagem corporal inferior a do presente estudo, sendo descritas prevalências de 76% entres as pesquisadas. Outro estudo identificou prevalência de 78,8% de insatisfação corporal entre mulheres fisicamente ativas (37). No presente estudo verificou-se prevalência de insatisfação corporal mais elevada do que a encontrada na literatura. Quando questionadas se o emagrecimento poderia influenciar na vida das pessoas, 90% delas afirmaram que sim e dessas, 60% acham que essa influência ocorre tanto na vida social como pessoal e profissional. Ainda, 24,44% relataram essa influência apenas na vida pessoal e 15,55% na vida social e profissional. 60% 50% 40% 30% 54% 20% 10% 0% 12% 14% 1 10% PESSOAL SOCIAL, PESSOAL E PROFISSIONAL SOCIAL E PESSOAL SEM INFLUÊNCIA Figura 4. Influência do emagrecimento na vida pessoal, social e profissional Tal achado demonstra que a maior parte das avaliadas entende o emagrecimento como um fator preditor de influência na sua vida pessoal, social e profisional. Destaca-se que essa influência poderia ser tanto positiva quanto negativa e poderia desencadear ainda mais aumento na obesidade, pois se

13 13 insatisfeitas essas mulheres poderiam ter menor auto-estima para realizar tratamento dietético para redução de peso continuando com estado nutricional alterado. Tabela 5. Comparação entre mulheres com sobrepeso e obesas com relação às praticas de emagrecimento e insatisfação corporal Fatores Sobrepeso (%) Obesidade (%) Valor de p Realização de práticas de 68,9 76,1 0,09 emagrecimento Presença de redução de 80 81,25 0,75 peso prévia com práticas de redução de peso realizadas Reganho de peso após 65 81,25 <0,01 práticas de redução de peso realizadas anteriormente Insatisfação corporal 89,6 80,95 0,03 Influência do emagrecimento Pessoal 88,8 55,5 <0,01 Social * Profissional 62,9 55,5 0,14 * NOTA: Não houve diferença entre os valores Quando comparadas as mulheres com sobrepeso e obesidade, as mulheres com obesidade buscaram mais práticas de emagrecimento que as mulheres com sobrepeso, entretanto não houve significância estatística na diferença da busca entre um grupo e outro (p>0,05). Com relação à redução de peso, as obesas relataram haver reduzido peso com maior freqüência do que as com sobrepeso, mas essa diferença também foi sem significância (p>0,05). Tratando-se do reganho de peso após as práticas de emagrecimento, as obesas também afirmaram terem adquirido o peso antes perdido, com maior freqüência do que as com sobrepeso (p<0,05). Com relação à insatisfação corporal, as com sobrepeso demonstraram-se mais insatisfeitas que as com obesidade (p<0,05), e com relação à influência do emagrecimento na vida das pessoas, as com sobrepeso acham que o peso tem mais influência na vida pessoal e na profissional que as com obesidade (p<0,01).

14 CONCLUSÃO Pode-se perceber que uma parcela importante das mulheres avaliadas busca o tratamento dietético para redução de peso com finalidade estética. Dentre as práticas de emagrecimento mais utilizadas previamente à busca pelo tratamento dietético, destaca-se o uso de medicamentos, e a utilização de chás e dietas da moda indicadas por amigas. Além disso, quando questionadas sobre a satisfação corporal verificou-se que grande parte está insatisfeita, e relaciona o emagrecimento como fator de influência em sua vida pessoal, social e profissional. Destaca-se que a insatisfação corporal encontrada entre essas mulheres é um fator este negativo que pode influenciar na adoção de práticas não saudáveis de emagrecimento em busca da satisfação corporal. 14 REFERÊNCIAS 1. World Heath Organization - WHO. Obesity status: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation on obesity. Geneva, Scharamm JMA et al. Transição epidemiológica e o estudo de carga de doença no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva 2004; Popkin BM. The nutrition transition: an overview of world patterns of change. Nutrition Reviews 2004; 62: Rivera, JA et al. Nutrition transition in Mexico and in other Latin American countries. Nutrition Reviews 2004; 62: Halpern A et al. Obesidade. São Paulo: Lemos; World Health Organization WHO. Obesity: Preventing and managing the global epidemic. Report a WHO consultation. World Health Organ Tech Rep Series. 2000; p.

15 15 7. Fisberg M et al. Obesity in children and adolescents: Working Group Report of the second World Congress of Pediatric Gastroenterology, Hepatology, Nutrition. Journal of Pediatric Gastroenterology and Nutrition 2004; 39: Consenso Latino-Americano em Obesidade. 1ª Convenção Latino-Americana para consenso em obesidade. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde do Brasil, Morgan CM, Azevedo AMC. Aspectos sócio-culturais dos transtornos alimentares. Psychiatry on line Brazil 1998; 3(2): Basaguren E, Guimón J. Factores sociales en las perturbaciones de la propria imagem. Revista Electrónica Psiquiatría 1997: 1(3): Savoia MG. A imagem corporal. Rev. Bras. Psiquiatr 2003; 25(2): Cash TF. Body-image attitudes among obese enrollees in a commercial weight-loss program. Perceptual and Mot Skills 1993: 77(3); Wolf N. O mito da beleza: como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Rio de Janeiro: Rocco; Robell S. A mulher escondida: a anorexia nervosa em nossa cultura. São Paulo: Summus; Dalerra S, Sorrentino N. A psicodieta: por que comemos? Por que engordamos? Como parar. São Paulo: Paulus: Ogden, J. A vez do Gordo? Desfazendo o mito da dieta. Rio de Janeiro: Imago; Buckroyd, J. Anorexia e bulimia: esclarecendo suas dúvidas. São Paulo:

16 Agora; Hazuda HP, Haffner SM, Stern MP, Knapp JA, Eifler CW, Rosenthal M. Employment status and women s protection against coronary heart disease. Findings from the San Antonio Heart Study. Am J Epidemiol 1986: 123(4); Ickovicz JR, Morrill AC, Meisler AW, Rodin J, Bromberger JT, Matthews KA. Employment and coronary risk in women at midlife: a longitudinal analysis. Am J Epidemiol 1996: 143(2); Im EO, Meleis AL. Women s work and symptoms during midlife: Korean immigrant women. Women Health 2001: 33(1-2); Coitinho DC, Leão MM, Recine E, Sichieri R. Condições nutricionais da população Brasileira: adultos e idosos. Brasília: Ministério da Saúde; Gigante DP, Barros FC, Post CLA, Olinto MTA. Prevalência de obesidade em adultos e seus fatores de risco. Rev. Saúde Pública 1997: 31(3); Vedana EHB et al. Prevalência de obesidade e fatores potencialmente causais em adultos em região do sul do Brasil. Arq Bras Endocrinol Metab 2008: 52(7); Marinho SP et al. Obesidade em adultos de segmentos pauperizados da sociedade. Rev. Nutr 2003: 16(2); Anselmo MAC et al. Avaliação do estado nutricional de indivíduos adultos sadios de classe média: ingestão energética e protéica, antropometria, exames bioquímicos do sangue e testes de imunocompetência. Rev. Saúde Pública 1992: 26(1);

17 Grundy SM. Multifactorial causation of obesity: implications for prevention. American Journal of Clinical Nutrition 1998:.67(3);.563S-572S. 27. World Health Organization - WHO. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases. Geneva: Report a WHO consultation. World Health Organ Tech Rep Series 1990: 69: Racette SB, Schoeller DA, Kushner RF, Neil KM. Exercise enhances dietary compliance during moderate energy restriction in obese women. American Journal of Clinical Nutrition 1995: 62(2); Francischi RPP et al. Obesidade: atualização sobre sua etiologia, morbidade e tratamento. Rev. Nutr.2000: 13(1); Kac G. Fatores determinantes da retenção de peso no pós-parto: uma revisão da literatura. Cad. Saúde Pública 2001: 17(3); Schauberger CH, Rooney BL, Brimer LM. Factors that influence weight loss in the puerperium. Obstetrics and Gynecology 1992: 79; Fleitlich BW, Larino MA, Cobelo A, Cordás TA. Anorexia nervosa na adolescência. J Pediatria 2000: 76; S323-S Vilela JEM, Lamounier JA, Oliveira RG, Ribeiro RQC, Gomes ELC, Barros Neto JR. Avaliação do comportamento alimentar em crianças e adolescentes de Belo Horizonte. Psiquiatria Biológica 2001: 9; Souto S, Ferro-Bucher JSN. Práticas indiscriminadas de dietas de emagrecimento e o desenvolvimento de transtornos alimentares. Revista de Nutrição 2006: 19(6); McCabe MP, Ricciardelli LA. Body image dissatisfaction among males across the lifespan: a review of past literature. J Psychosom Res 2004: 56;

18 Coqueiro RS, Petroski EL, Pelegrini A, Barbosa AR. Insatisfação com a imagem corporal: avaliação comparativa da associação com estado nutricional em universitários. Revista de Psiquiatria 2008: 30(1); O Brien K, Venn BJ, Perry T, Green TJ, Aitken W, Bradshaw A, et al. Reasons for wanting to lose weight: different strokes for different folks. Eat Behav 2007: 8;

19 19

20 Anexo 1 20

21 Apêndice 1 21 TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO Prezado(a) participante: Sou estudante do curso de Nutrição da Universidade Estadual do Centro- Oeste UNICENTRO e estou realizando uma pesquisa sob supervisão da professora Angélica Rocha de Freitas (Departamento de Nutrição), cujo objetivo é identificar a relação entre redução de peso e estética corporal. Sua participação nesse estudo é voluntária, ou seja, você não receberá nenhum valor em dinheiro como gratificação. Se você decidir não participar ou quiser desistir de continuar em qualquer momento, tem absoluta liberdade de fazêlo, sem que seu atendimento no Ambulatório de Nutrição dessa Universidade seja prejudicado. Caso aceite participar, você deverá comparecer no Ambulatório de Nutrição da UNICENTRO, conforme data e horário combinado comigo. Sua participação envolve uma entrevista que consiste na resposta de um formulário e uma avaliação nutricional, onde serão aferidos seu peso e sua estatura, sendo assim este estudo não traz nenhum risco à sua saúde, entretanto caso você tenha alguma dúvida poderá ter acesso direto a todo tipo de informação a qualquer momento do estudo, entrando em contato comigo ou com a professora orientadora deste trabalho. Na publicação dos resultados desta pesquisa, seu nome e identificação serão mantidos no mais rigoroso sigilo. Serão omitidas todas as informações que permitam identificá-la. Mesmo não tendo benefícios diretos em participar, indiretamente você estará contribuindo para a compreensão do fenômeno estudado e para a produção de conhecimento científico. Quaisquer dúvidas relativas à pesquisa poderão ser esclarecidas pelo(s) pesquisador(es), no Ambulatório de Nutrição da UNICENTRO ou pelos telefones (42) (Francine) e (42) (Angelica) ou pela entidade responsável Comitê de Ética em Pesquisa da UNICENTRO. Atenciosamente, Francine da Rocha Costa Acadêmica de Nutrição Angelica Rocha de Freitas Professora Orientadora Eu,... li o texto acima e compreendi a natureza e o objetivo do estudo do qual fui convidada a participar. A explicação que recebi menciona que não haverá riscos para mim. Eu entendi que sou livre para interromper minha participação no estudo a qualquer momento sem justificar minha decisão. Eu concordo voluntariamente em participar deste estudo, sem recebimento de nenhuma gratificação. Guarapuava, / / 2009 Assinatura do Participante

22 Apêndice 2 22 Formulário para verificação da relação entre redução do peso e estética corporal Nome: Idade: Profissão: Peso atual: Altura: IMC atual: Peso Ideal: Peso desejado pela paciente: Quantos quilos pretende perder : 1) Pratica atividade física: ( ) Sim ( ) Não Qual: Se sim, com que freqüência: ( ) 1-2 Vezes por semana ( ) 3-4 Vezes por semana ( ) 5-6 Vezes por semana ( ) todos os dias 2) Com que idade começou a ganhar peso: 3) Qual foi o menor peso que você já teve: 4) Qual foi o motivo para o ganho de peso: 7) Já fez alguma prática de emagrecimento anteriormente à procura pela Nutrição: ( ) Sim ( )Não 8) Que tipo de prática: ( ) Remédios ( ) Chás ( ) Drenagem ( ) Dietas Modernas 8) Se já realizou alguma dieta, qual foi: 9) Se já tomou algum chá, qual foi: 10) Se já tomou algum remédio, qual foi: 11) Quem indicou: 12) Qual foi o resultado obtido quando feita as práticas: ( ) Redução de peso ( ) Ganho de peso ( ) Não houve alteração de peso 13) Se houve redução de peso quando feita tais práticas, depois de algum tempo houve reganho de peso: ( ) Sim ( ) Não 14) Está satisfeita com seu corpo: ( ) Satisfeita ( ) Insatisfeita ( ) Indiferente 15) Motivo da busca pelo tratamento dietético: ( ) Estético ( ) Médico ( ) Saúde ( ) Familiar 16) Você acha que o emagrecimento terá influencia na vida social, pessoal ou profissional: ( ) Sim ( ) Não Se sim, em qual: ( ) Social ( ) Pessoal ( ) Profissional

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN Orientações para a coleta

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL?

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? ISBN 78-8-6101-0-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 30 de outubro de 00 A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? Crislayne Teodoro Vasques 1 ; Rita de Cassia Felix

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG.

PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG. PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG. 1.0 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo analisar o conceito

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela 10 A Atividade Física e o Controle do Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar

Leia mais

PERFIL DA IMAGEM CORPORAL DO ADOLESCENTE EXPRESSO POR MEIO DE UMA REVISTA DE GRANDE CIRCULAÇÃO NACIONAL

PERFIL DA IMAGEM CORPORAL DO ADOLESCENTE EXPRESSO POR MEIO DE UMA REVISTA DE GRANDE CIRCULAÇÃO NACIONAL PERFIL DA IMAGEM CORPORAL DO ADOLESCENTE EXPRESSO POR MEIO DE UMA REVISTA DE GRANDE CIRCULAÇÃO NACIONAL INTRODUÇÃO CAROLINA MONTES DURÕES DE SOUZA 2 MARIA FERNADA LARCHER DE ALMEIDA 2 JANE DE CARLOS SANTANA

Leia mais

Avaliação antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade.

Avaliação antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade. 10mo Congreso Argentino de Educación Física y Ciencias. Universidad Nacional de La Plata. Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación. Departamento de Educación Física, La Plata, 2013. Avaliação

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso II OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Autora: Damielle J. Costa Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Brasília - DF 2011 OBESIDADE

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG.

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. AUTORES: Kiriaque Barra Ferreira Barbosa bolsista CNPq (kiribarra@hotmail.com.br),

Leia mais

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal. Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal. Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal Discente: Genaina Bibiano Vieira Disciplina: Desenvolvimento Humano Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

Satisfação com o Corpo e uso de recursos para a modificação da aparência em uma amostra adolescente de baixa renda

Satisfação com o Corpo e uso de recursos para a modificação da aparência em uma amostra adolescente de baixa renda Satisfação com o Corpo e uso de recursos para a modificação da aparência em uma amostra adolescente de baixa renda TAVARES, AF;CAMPANA, ANNB; MORAES, MS Faculdade de medicina de São José do Rio Preto Tanto

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR, AUTOCONCEITO E IMAGEM CORPORAL EM PRÉ-ADOLESCENTES COMO FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES

COMPORTAMENTO ALIMENTAR, AUTOCONCEITO E IMAGEM CORPORAL EM PRÉ-ADOLESCENTES COMO FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES COMPORTAMENTO ALIMENTAR, AUTOCONCEITO E IMAGEM CORPORAL EM PRÉ-ADOLESCENTES COMO FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES Renata Tavares Beschizza Pini;Alessandra Costa Pereira

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

É preciso mudar as formas de se referir a o corpo, nutrição e saúde?

É preciso mudar as formas de se referir a o corpo, nutrição e saúde? É preciso mudar as formas de se referir a o corpo, nutrição e saúde? Experiências com estudantes de nutrição José Alberto Rivera Márquez Universidad Autónoma Metropolitana, Unidad Xochimilco (México) Concepción

Leia mais

AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública

AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública Por Guilherme Wendt, Equipe SIS.Saúde INTRODUÇÃO Devido aos avanços técnico-científicos observados no mundo, consequentes transformações foram percebidas,

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL ARTIGO PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL Flávio Petrônio Cabral de Castro Docente da Escola Estadual Antonia Rangel

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Área Temática: Saúde ¹Jussara Gazzola (Coordenador da Ação

Leia mais

Imagem Corporal de adolescentes estudantes do IF Sudeste MG Câmpus Barbacena

Imagem Corporal de adolescentes estudantes do IF Sudeste MG Câmpus Barbacena Imagem Corporal de adolescentes estudantes do IF Sudeste MG Câmpus Barbacena Tassiana Aparecida Hudson 1, Ana Carolina Soares Amaral 2 ¹Acadêmica do Curso Superior de Licenciatura em Educação Física, Instituto

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ,

Leia mais

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL Nilza Matias Oliver Cruz Faculdade Maurício de Nassau/CG nilzamoc31@hotmail.com Débora de Araújo Targino Faculdade Maurício

Leia mais

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente 16 Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente Leidiane Silva Oliveira Chagas Gestora de Recursos Humanos - Anhanguera Educacional

Leia mais

Élsio Paiva Nº 11 Rui Gomes Nº 20 Tiago Santos Nº21. Disciplina : Área de Projecto Professora : Sandra Vitória Escola Básica e Secundária de Fajões

Élsio Paiva Nº 11 Rui Gomes Nº 20 Tiago Santos Nº21. Disciplina : Área de Projecto Professora : Sandra Vitória Escola Básica e Secundária de Fajões Élsio Paiva Nº 11 Rui Gomes Nº 20 Tiago Santos Nº21 Disciplina : Área de Projecto Professora : Sandra Vitória Escola Básica e Secundária de Fajões Introdução ; O que é a obesidade? ; Índice de massa corporal

Leia mais

NÍVEL DE SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL ENTRE ESTUDANTES E PROFESSORES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA FACULDADE ALFREDO NASSER- FAN

NÍVEL DE SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL ENTRE ESTUDANTES E PROFESSORES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA FACULDADE ALFREDO NASSER- FAN NÍVEL DE SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL ENTRE ESTUDANTES E PROFESSORES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA FACULDADE ALFREDO NASSER- FAN FERREIRA, Laura Raniere Borges dos Anjos (lauraraniere@hotmail.com)¹;

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO CAMPUS MAFRA/RIONEGRINHO/PAPANDUVA

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO CAMPUS MAFRA/RIONEGRINHO/PAPANDUVA UNIVERSIDADE DO CONTESTADO CAMPUS MAFRA/RIONEGRINHO/PAPANDUVA Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente Prof. Wellington Santos PROJETO: Saúde: Obesidade e Estética Pleiteante: Núcleo de Ciências da

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

Prescrição Dietética

Prescrição Dietética Prescrição Dietética Quantitativo Cálculo de Dietas Cálculo de dietas estimar as necessidades energéticas de um indivíduo (atividade física, estágio da vida e composição corporal) Necessidades energéticas

Leia mais

PREVALÊNCIA DA SÍNDROME DO COMER NOTURNO EM UNIVERSITÁRIAS

PREVALÊNCIA DA SÍNDROME DO COMER NOTURNO EM UNIVERSITÁRIAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PREVALÊNCIA DA SÍNDROME DO COMER NOTURNO EM UNIVERSITÁRIAS Debora Fernanda Ziroldo 1 ; Talma Reis Leal Fernandes 2 ; Gersislei Antonia Salado 3 ; Angela

Leia mais

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE 01 CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE A obesidade é uma doença crónica que se caracteriza pelo excesso de gordura corporal e que atinge homens, mulheres e crianças de todas as etnias e idades. A sua prevalência

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

Tamara Carla Erbert anorexia.indd 5 anorexia.indd 5 9/16/05 3:58:14 PM 9/16/05 3:58:14 PM

Tamara Carla Erbert anorexia.indd 5 anorexia.indd 5 9/16/05 3:58:14 PM 9/16/05 3:58:14 PM anorexia.indd 3 9/16/05 3:58:14 PM A Marco Zero tem como objetivo publicar obras com qualidade editorial e gráfica, consistência de informações, confiabilidade de tradução, clareza de texto, e impressão,

Leia mais

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO 1 PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO Iara de Souza Assunção 1 Josiane Kênia de Freitas 2 Viviane Modesto Arruda 3 Silvana Rodrigues Pires Moreira 4

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 02 - Edição 01 Julho - 2013 Entrevistada: Mayara Petri Martins Entrevistadora: Bruna Aguiar TEMA: OBESIDADE Mayara Petri Martins. Psicóloga analista do comportamento,

Leia mais

Programa Slim. Emagrecimento SLIM FORM. 2 a Etapa Diagnóstico. 3 a Etapa Tratamento. 1 a Etapa Avaliação

Programa Slim. Emagrecimento SLIM FORM. 2 a Etapa Diagnóstico. 3 a Etapa Tratamento. 1 a Etapa Avaliação for Kids Programa Slim for Kids Programa voltado para escolas, alunos e pais visando a melhora na alimentação, controle da obesidade, saúde e qualidade de vida. Formada por uma equipe multidisciplinar

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito 9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Imagem Corporal no Envelhecimento Maria João Sousa e Brito Envelhecimento Envelhecer não é difícil difícil é ser-se velho Goethe O prolongamento da vida coloca novos cenários,

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

6. Sobrepeso e obesidade Introdução

6. Sobrepeso e obesidade Introdução 6. Sobrepeso e obesidade Introdução A prevalência de sobrepeso e obesidade vem aumentando rapidamente no mundo, sendo considerada um importante problema de saúde pública tanto para países desenvolvidos

Leia mais

Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor

Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor Apresentação Diferente das operadoras que seguem o modelo assistencial predominante no mercado de planos de saúde e focam a assistência

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO Mari Uyeda* Pedro Henrique Martins de Lima** RESUMO: As mudanças nas práticas alimentares e no padrão de atividades físicas culminaram em

Leia mais

Transição nutricional no Brasil: análise dos principais fatores

Transição nutricional no Brasil: análise dos principais fatores 49 Transição nutricional no Brasil: análise dos principais fatores Nutritional transition in Brazil: Analysis of the main factors Elton Bicalho de Souza 1 Palavras-chave: Transição nutricional Obesidade

Leia mais

Doenças do Comportamento Alimentar. Filipe Pinheiro de Campos

Doenças do Comportamento Alimentar. Filipe Pinheiro de Campos NUTRIÇÃO e PATOLOGIAS ASSOCIADAS Doenças do Comportamento Alimentar Saúde e Bem Estar ATITUDES AMBIENTE FISIOLOGIA SAÚDE HEREDITARIEDADE ECONOMIA CULTURA ALIMENTAÇÃO 2 Implicações Clínicas Doenças por

Leia mais

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI COELHO, J.C; FONTOURA, R.S; PEREIRA, C.A; DOBICZ, A.F; TORRES, A.A.S. Resumo O presente estudo tende em verificar as principais causas

Leia mais

Para realizar a Avaliação Nutricional de Crianças de 5 a 10 anos, usa-se 3 parâmetros: estaturapara- idade, peso- para- idade e IMC para idade.

Para realizar a Avaliação Nutricional de Crianças de 5 a 10 anos, usa-se 3 parâmetros: estaturapara- idade, peso- para- idade e IMC para idade. Angela Teodósio da Silva Graduanda de Nutrição Universidade Federal de Santa Catarina Bolsista PET- Saúde Nutrição Orientação de Avaliação Nutricional para crianças e adolescentes: Orientação Nutricional

Leia mais

Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição

Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição RESUMO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Título do Trabalho: Aspectos nutricionais de mulheres submetidas à cirurgia bariátrica relacionados ao período gestacional

Leia mais

A IMAGEM CORPORAL E A AUTOESTIMA DE MULHERES QUE PROCURAM ATENDIMENTO ESTÉTICO E EXERCÍCIOS FÍSICOS EM SPA

A IMAGEM CORPORAL E A AUTOESTIMA DE MULHERES QUE PROCURAM ATENDIMENTO ESTÉTICO E EXERCÍCIOS FÍSICOS EM SPA A IMAGEM CORPORAL E A AUTOESTIMA DE MULHERES QUE PROCURAM ATENDIMENTO ESTÉTICO E EXERCÍCIOS FÍSICOS EM SPA (BODY IMAGE AND SELF-ESTEEM OF WOMEN LOOKING FOR AESTHETIC SERVICE AND PHYSICAL EXERCISE IN SPA)

Leia mais

Mariana Sandoval Lourenço Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida mariana.sl@puccampinas.edu.br

Mariana Sandoval Lourenço Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida mariana.sl@puccampinas.edu.br APLICAÇÃO DE QUESTIONÁRIOS COM VARIÁVEIS BIOLÓGICAS, SOCIOECONÔMICAS E DEMOGRÁFICAS PLANO DE TRABALHO PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA NUM ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO INFANTO-JUVENIL Mariana Sandoval Lourenço Faculdade

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: avaliação antropométrica; oficina de culinária; Síndrome de Down.

PALAVRAS-CHAVE: avaliação antropométrica; oficina de culinária; Síndrome de Down. AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DE 06 E 36 MESES, COM SÍNDROME DE DOWN, E OFERTA DE OFICINAS DE CULINÁRIA À SUAS FAMÍLIAS FUNDAÇÃO DOM BOSCO B.H. Luciana Ramos Costa SIMÕES Centro Universitário

Leia mais

PREVALÊNCIA DE DEPRESSÃO EM PACIENTES PRÉ E PÓS- CIRURGIA BARIÁTRICA

PREVALÊNCIA DE DEPRESSÃO EM PACIENTES PRÉ E PÓS- CIRURGIA BARIÁTRICA PREVALÊNCIA DE DEPRESSÃO EM PACIENTES PRÉ E PÓS- CIRURGIA BARIÁTRICA GEROTTO, G. Resumo:A obesidade é uma condição complexa descrita como uma epidemia crônica da pós-modernidade e sua prevalência tem aumentado

Leia mais

OCORRÊNCIA DE ANOREXIA E BULIMIA NERVOSA EM BAILARINAS NA CIDADE DE DOURADOS - MS

OCORRÊNCIA DE ANOREXIA E BULIMIA NERVOSA EM BAILARINAS NA CIDADE DE DOURADOS - MS OCORRÊNCIA DE ANOREXIA E BULIMIA NERVOSA EM BAILARINAS NA CIDADE DE DOURADOS - MS Ronilze Almeida Carneiro Graduada em Licenciatura em Educação Física pela Universidade Estadual de Ponta Grossa -UEPG-

Leia mais

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica.

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica. PERFIL DOS CONSUMIDORES DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS DE TERESINA. Conceição de Maria Aguiar Carvalho Francisco Evaldo Orsano RESUMO: O aumento da oferta de suplementos

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Atividade física. Sexo Capital Total n % IC 95%

Atividade física. Sexo Capital Total n % IC 95% Atividade física Resultados De acordo com o nível de atividade física verificada no total da amostra, o percentual de indivíduos classificados como insuficientemente ativos foi maior em João Pessoa (55,1%)

Leia mais

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Audiência Pública P 18 de novembro de 2009 Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Maria José Delgado Fagundes Gerente Geral - /ANVISA Perfil Epidemiológico Brasileiro Atual:

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 103 A IMPORTÂNCIA DA CONSULTA DE ENFERMAGEM NO PRÉ-NATAL, NA PERSPECTIVA DO ENFERMEIRO Enfa. Aryhadne Michelle Chimicoviacki Machado

Leia mais

PADRÕES DE BELEZA E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA EDUAÇAO FÍSICA 2015

PADRÕES DE BELEZA E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA EDUAÇAO FÍSICA 2015 PADRÕES DE BELEZA E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA EDUAÇAO FÍSICA 2015 A existência de um padrão de beleza não é algo novo e sofreu modificações ao longo do tempo, de acordo com fatores históricos e culturais.

Leia mais

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL 1 ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL Ana Carolina Borghesi Marques Branco Mariah Martins da Silva Josiane Correia Juliana Ferreira

Leia mais

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA.

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA. TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA. Daniela Dornsbach Koszeniewski¹ Flávia Souza de Freitas¹ Rosieli Ribarski Bortolotti¹ RESUMO Este artigo

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB MELO, Calionara Waleska Barbosa de 1 ; AUGOSTINHO, Ana Kelis de Sousa 2 ; BARBOSA, Francilayne

Leia mais

ATIVIDADE EDUCATIVA NA SALA DE ESPERA: UNINDO CONHECIMENTOS PARA PROMOVER A AMAMENTAÇÃO

ATIVIDADE EDUCATIVA NA SALA DE ESPERA: UNINDO CONHECIMENTOS PARA PROMOVER A AMAMENTAÇÃO ATIVIDADE EDUCATIVA NA SALA DE ESPERA: UNINDO CONHECIMENTOS PARA PROMOVER A AMAMENTAÇÃO SANTOS, Norrama Araújo I ; SANTOS, Simone Silva dos II ; BARCELOS, Ivanildes Solange da Costa III ; SOUZA, Marise

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Edson Luis Quintiliano 1 Orientador:

Leia mais

que a perda de gordura corporal, nos indivíduos obesos, eleva o colesterol HDL, tipo associado com a prevenção de doença cardiovascular (TORTORA,

que a perda de gordura corporal, nos indivíduos obesos, eleva o colesterol HDL, tipo associado com a prevenção de doença cardiovascular (TORTORA, TEMA: A IMPLANTAÇÃO DO PNAE E A FORMAÇÃO DE NOVOS HÁBITOS ALIMENTARES EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DO CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE (CAIC) NO MUNICÍPIO DE MOGI GUAÇU INTRODUÇÃO

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Atendimento nutricional, hipertensão arterial, sobrepeso.

PALAVRAS CHAVE: Atendimento nutricional, hipertensão arterial, sobrepeso. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 07 ESTADO NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA CLÍNICA ESCOLA DE

Leia mais

A influência da prática de atividade física no estado nutricional de adolescentes

A influência da prática de atividade física no estado nutricional de adolescentes A influência da prática de atividade física no estado nutricional de adolescentes Quelita Araújo Alves Freitas¹*(IC), Paulo Fabrício dos Santos Lima ²(IC), Emanuel Bruno da Silva Cruz³ (IC), Camila Pinheiro

Leia mais

Risco cardiovascular e os índices glicêmicos de idosos atendidos em uma clínica de saúde universitária na cidade de São Paulo

Risco cardiovascular e os índices glicêmicos de idosos atendidos em uma clínica de saúde universitária na cidade de São Paulo Risco cardiovascular e os índices glicêmicos de idosos atendidos em uma clínica de saúde universitária na cidade de São Paulo Cardiovascular risk and glycemic indexes of the elderly patients at a university

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO Abordagem e Tratamento do Tabagismo PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO Abordagem e Tratamento do Tabagismo I- Identificação do Paciente Nome: Nº do prontuário:

Leia mais

TÍTULO: CONHECIMENTO CIENTÍFICO E ESTÉTICA CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO A RESPEITO DA OPINIÃO DE ALUNOS FORMANDOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA

TÍTULO: CONHECIMENTO CIENTÍFICO E ESTÉTICA CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO A RESPEITO DA OPINIÃO DE ALUNOS FORMANDOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CONHECIMENTO CIENTÍFICO E ESTÉTICA CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO A RESPEITO DA OPINIÃO DE ALUNOS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL As prevalências de sobrepeso e obesidade cresceram de maneira importante nos últimos 30 anos. A importância que a obesidade vem assumindo no Brasil não pode ser ignorada

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

PERCEPÇÃO DA INSATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL E AUTOESTIMA DE IDOSAS DE UM PROGRAMA DE PROMOÇÃO À SAÚDE

PERCEPÇÃO DA INSATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL E AUTOESTIMA DE IDOSAS DE UM PROGRAMA DE PROMOÇÃO À SAÚDE PERCEPÇÃO DA INSATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL E AUTOESTIMA DE IDOSAS DE UM PROGRAMA DE PROMOÇÃO À SAÚDE Jarlson Carneiro Amorim da Silva¹, Luciano Meireles de Pontes² ¹Programa Associado de Pós-graduação

Leia mais

DISTÚRBIOS ALIMENTARES

DISTÚRBIOS ALIMENTARES CLÍNICA PEDIÁTRICA VER CRESCER DISTÚRBIOS ALIMENTARES Castelo Branco DISTÚRBIOS ALIMENTARES Conjunto de doenças provocadas por alterações significativas nos hábitos alimentares diários, tanto por ingestão

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA, USUÁRIAS E NÃO USUÁRIAS DE TERAPIA HORMONAL

ESTADO NUTRICIONAL EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA, USUÁRIAS E NÃO USUÁRIAS DE TERAPIA HORMONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA, USUÁRIAS E NÃO USUÁRIAS DE TERAPIA HORMONAL Naiara Caleffi Cabral 1, JamillyMonize Roda¹, Angela Andreia

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ Rita de Cássia Felix

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPB0178 QUEBRA DO SIGILO PROFISSIONAL EM CASOS DE PEDOFILIA GABRIELE

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 0 A 10 ANOS COM CÂNCER ASSISTIDAS EM UM HOSPITAL FILANTRÓPICO

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 0 A 10 ANOS COM CÂNCER ASSISTIDAS EM UM HOSPITAL FILANTRÓPICO 1 -Acadêmica do 8º semestre do Curso de Enfermagem da Universidade Federal do Piauí/CSHNB UFPI/Picos/PI. Bolsista ICV/UFPI. Membro do Grupo de Pesquisa em Saúde Coletiva/CSHNB/CNPq. ESTADO NUTRICIONAL

Leia mais