Instituto Brasileiro do Concreto 43 º Congresso Brasileiro do Concreto Tema 3- Qualidade da construção em concreto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Brasileiro do Concreto 43 º Congresso Brasileiro do Concreto Tema 3- Qualidade da construção em concreto"

Transcrição

1 Instituto Brasileiro do Concreto 43 º Congresso Brasileiro do Concreto Tema 3- Qualidade da construção em concreto Incrementos no Método de Dosagem IPT para concretos com amplo espectro de desempenho Resumo: Carlos Eduardo de Siqueira Tango - Dr. Eng., Pesquisador do IPT Victor Maluf Kyriakos Saad - Engenheiro Civil, Ex-bolsista FAPESP, Ex-estagiário do IPT Este trabalho apresenta experimentos realizados especialmente para a verificação da adaptação do Método de Dosagem IPT a concretos contendo, ou não, sílica ativa e aditivo superfluidificante. A metodologia estende-se ao uso de outras adições e aditivos, bem como aos concretos que não se enquadram nas delimitações (ainda algo imprecisas) do chamado concreto de alto desempenho. Os incrementos ao método visaram uma melhor abordagem dos aspectos econômicos do material concreto, bem como a antecipação do prazo necessário para uma resposta confiável baseada nos resultados experimentais, bem como sua adaptação ao uso de planilhas eletrônicas. Com o método IPT incrementado, mostrou-se a possibilidade de obter uma resposta mais clara, e com maior rapidez, permitindo intervenções mais precisas ou com menor demora, esperando-se contribuir para melhoria na qualidade e na economia do processo de produção do concreto. 1. Introdução O método de dosagem de concreto IPT é bastante simples e versátil, tendo ampla aceitação no Brasil. Suas principal características são: A ênfase na experimentação expedita, com os materiais disponíveis na obra; A possibilidade de adaptação a outros métodos de dosagem, podendo-se optar ou não por adotar distribuições granulométricas impostas para os agregados; O emprego do Diagrama IPT de Dosagem ou de suas equações. Para muitos produtores de concreto, o Diagrama IPT de Dosagem é uma ferramenta útil não só na etapa preliminar de dosagem, mas também no controle, onde facilita as intervenções no processo de produção do concreto. Neste trabalho, descreve-se brevemente o método, já com as devidas adaptações para uso de adições e aditivos, apresentando-se exemplos de dosagens feitas com diferentes famílias de concretos. A análise dos resultados, também apresentada com novas ferramentas matemáticas, permite uma comparação técnico-econômica útil à escolha dos materiais para a obra. Adicionalmente, frente ao problema que é o prazo de espera dos ensaios aos 28 dias ou mais de idade, podem-se tomar decisões antecipadas para o traço do concreto a empregar, com razoável confiabilidade nas previsões, que o método permite conferir quando da disponibilidade dos resultados.

2 2. Descrição atualizada do método Publicações desde 1974 apresentam o Método de Dosagem IPT com suas características fundamentais atuais (PRISZKULNIK & KIRILOS, 1974; TANGO, 1977; HELENE & TERZIAN, 1992). Apresenta-se, a seguir, sucintamente o método, adaptado ao uso de um aplicativo para microcomputador, do tipo planilha eletrônica (Tango, 2000). Primeiro Passo: Requisitos, dados, estimativa grosseira do traço: Nesta etapa, deve-se fornecer a resistência característica, o desvio-padrão esperado para a produção, o abatimento (slump) do tronco de cone, o diâmetro máximo do agregado, o tipo de cimento a empregar, os preços dos constituintes do concreto (caso disponíveis), e as indicações da família de concretos 1 que se pretende estudar. Considera-se como aglomerante o conjunto cimento + adição. As relações adição/aglomerante e aditivo/aglomerante devem ser constantes em cada família de concreto ou estudo de dosagem, que se repete ao mudar essas proporções. Em princípio elas devem oscilar em torno das recomendadas pelos respectivos fabricantes. A estimativa grosseira do traço é dada pelas equações (TANGO et al., 1994): x est = (loga - j -0,5. loge - logf cj ) / (logb + j -0,5. logd) (equação 1) onde (ver obs. da Tabela 1): m est = x est / [F + G. log(d max ) + H. a tc ] - 1 (equação 2) x est = relação água/aglomerante do traço médio, estimativa grosseira; j = idade de controle do concreto (usualmente 28 dias); f cj = resistência desejada na idade de controle j; m est = teor agregado/aglomerante do traço médio; d max = dimensão máxima do agregado; a tc = abatimento do tronco de cone (slump) desejado. As figuras 1 e 2 mostram partes de uma planilha para anotação dos dados, onde figuram x est e m est calculados segundo as equações 1 e 2, sendo os parâmetros A, B, D, E, F, G e H estimados em função de experiências anteriores com materiais semelhantes. Está em preparação uma tabela desses parâmetros para as combinações de materiais mais comuns no mercado. INTERESSADO Aula Prática do Curso de Mestrado IPT - Eng. Tango, Técn. Bilesky PREÇOS DOS INSUMOS cimento CP V ARI do Lab. Concr. agregados A B1 do Lab. POR kg (em R$) agregados A AML do Lab. graúdos B $ cimento $ adição $ aditivo miúdos B C 0,19 1,9 0,9 adição: Sílica Reat. Consistência requerida (mm) dimensão máxima do agregado $ água $ agr. m. "A" $ agr. m. "B" aditivo: Superplast. 100 (+/-10 mm) graúdo (mm) 19 0,005 0,016 0,016 fck 40,0 (Mpa) fcj 49,1 (MPa) $ agr. gr. "A" $ agr. gr. "B" $ agr. gr. "C" sd 5,5 (MPa) idade controle 28 (dias) 0,02 0,02 0,02 Figura 1: Exemplo de anotação de dados importantes no primeiro passo da Dosagem 1. Entende-se aqui, por família, um conjunto de concretos com materiais constituintes de mesmas características, mesma faixa de abatimento e mesma proporção argamassa seca/concreto seco, podendo diferir quanto à resistência mecânica em decorrência de diferentes consumos de aglomerante e relações água/aglomerante.

3 PRIMEIRAS ESTIMATIVAS de x e de m loga logb logd loge 2, , , , água/aglomerante agregado/aglomerante constantes F G H xest 0,362 mest 4,75 empregadas 0, , ,4468E-05 Figura 2: Exemplo de estimativas grosseiras da relação água/aglomerante e teor agregado/aglomerante com as constantes empregadas nas equações 1 e 2. No caso de não haver essas estimativas, pode-se começar o experimento com os parâmetros da tabela 1, sabendo-se que isso poderá acarretar ajustes de traço posteriores mais acentuados. Tabela 1 - Parâmetros para as equações 1 e 2 quando não houver experiências anteriores Parâmetro loga logb logd loge F G H Valor 2,089 0,8540 0,4029 0,3536 0,1147-0, , Obs.: unidades a empregar: MPa para f cj ; kg/kg para x est e m est ; dias para j; mm para a tc e d max. Segundo Passo: Traço-piloto para proporção de argamassa e quantificações em geral Neste passo da dosagem, efetuam-se várias misturas experimentais, todas com o teor agregado/aglomerante m est, porém variando a relação argamassa seca / concreto seco. Utiliza-se o artifício de manter na betoneira uma quantidade constante de agregado graúdo, aumentando-se progressivamente as quantidades de cimento, adição, areia, aditivo e água, esta última visando a obtenção da trabalhabilidade desejada, conforme mostra a planilha da figura 3. QUANTIDADES EM RELAÇÃO AO AGLOMERANTE % argamassa areia (a) pedra (p) PORCENTAGEM DE 44 1,531 3,221 ARGAMASSA 46 1,646 3,106 ELEITA: 48 1,761 2, % 50 1,876 2, ,991 2, ,106 2, ,221 2,531 QUANTIDADES NA BETONEIRA ÁGUA/AGLOMERANTE OBTIDA (kg/kg): 0,527 ÁGUA/MAT.SECOS PREVISTA (kg/kg): 0,063 ÁGUA/MAT.SECOS OBTIDA (kg/kg): 0,092 % argamassa aglom. (kg) aditivo (kg) cimento (kg) adição (kg) MIÚDO (kg) miúdo A (kg) miúdo B (kg) 44 9,313 0,093 8,382 0,931 14,258 14,258 0, ,658 0,097 8,692 0,966 15,897 15,897 0, ,030 0,100 9,027 1,003 17,663 17,663 0, ,431 0,104 9,388 1,043 19,569 19,569 0, ,866 0,109 9,779 1,087 21,634 21,634 0, ,338 0,113 10,204 1,134 23,879 23,879 0, ,853 0,119 10,668 1,185 26,328 26,328 0,000 ACRÉSCIMOS NA BETONEIRA água inicial sugerida (kg): 3,367 OBSERVAÇÕES % argamassa DELTA CIM DELTA ADIT. DELTA ADIÇ. DELTA M.A DELTA M.B DELTA ÁGUA ÁGUA TOT. ABATIMENTO 44 8,382 0,093 0,931 14,258 0,000 5,00 5, ,310 0,003 0,034 1,639 0,000 5, ,334 0,004 0,037 1,765 0,000 0,20 5, ,361 0,004 0,040 1,907 0,000 0,30 5,50 95 mm 52 0,391 0,004 0,043 2,065 0,000 5, ,425 0,005 0,047 2,245 0,000 5, ,464 0,005 0,052 2,449 0,000 5,50 Figura 3. Exemplo de parte de planilha do estabelecimento do traço-piloto, onde se variam as doses de areia e pedra (a e p) do traço, mantendo o teor de agregados constante m est 2 2. Observe-se que a relação água/aglomerante obtida (por tentativas) é maior que x est, ou que a relação água/materiais secos obtida é maior que a prevista, o que acontece em vista da necessidade do ajuste de trabalhabilidade. Neste

4 Terceiro Passo: Traços rico, médio e pobre - ajuste final de trabalhabilidade e moldagem de corpos-de-prova Nesta parte do estudo de dosagem pretende-se confeccionar três concretos de mesma consistência variando o consumo de aglomerante e a relação água/aglomerante, para se moldarem corpos-deprova com os quais determinam-se propriedades de interesse nos estados fresco e endurecido. Costuma-se fazer o traço médio com o teor agregado/aglomerante m est, porém isso não é obrigatório, podendo-se adotar outro valor, desde que tenha indicações de apresentar-se próximo daquele que vai fornecer a resistência requerida. Há quem adote o traço médio com este teor constante igual a 5 para concretos correntes (HELENE & TERZIAN, 1992). Em geral, o traço pobre pode ter o teor agregado/aglomerante uma unidade maior que o do traço médio, e o traço rico, este teor com uma unidade a menos. Isso também não é obrigatório, podendo-se usar, para mais e para menos, 1,5 unidades (HELENE & TERZIAN, 1992) ou mesmo 2 unidades (para concretos de traços muito pobres em aglomerante, de baixa resistência visada). As quantidades de materiais são calculadas a partir do consumo estimado pela medida da massa unitária do concreto no passo anterior e do volume necessário aos corpos-de-prova previstos. No laboratório, confeccionam-se concretos com os traços rico, médio e pobre, ajustando-se a água para obter a consistência na faixa desejada, medindo-se as respectivas massas unitárias, opcionalmente os teores de ar, e moldando-se corpos-de-prova para ensaios às idades de interesse, sendo estas, pelo menos, a idade de controle do concreto e outras duas menores 3. A figura 4 apresenta um trecho de planilha com cálculos de quantidades de materiais e anotações feitas no laboratório. Quarto Passo: Ensaios em concreto endurecido Decorrida a cura até as idades de interesse, ensaiam-se os corpos-de-prova à compressão, devendose tornear os topos sempre que as resistências esperadas forem superiores à do capeamento ( 50 MPa para o Laboratório do IPT). A figura 5 apresenta planilha de anotações de ensaio e cálculo dos resultados, contendo as datas para ensaio e os números dos corpos-de-prova. Quinto Passo:, Traços Antecipados, Traço Definitivo, Diagramas de Dosagem e de Custos. Com os resultados obtidos em concreto fresco e endurecido podem-se inferir as equações do diagrama de dosagem IPT, pelo método dos mínimos quadrados, podendo-se usar um aplicativo tipo planilha eletrônica. Tais equações são as seguintes, já linearizadas (equações 3 a 6): x = k 1j. log f cj + k 2j (equação 3) m = k 3. x + k 4 (equação 4) C ag =1 / (k 5. m + k 6 ) (equação 5) Onde x é a relação água/aglomerante em massa, f cj a resistência a cada idade j, m o teor agregado/aglomerante em massa, C ag o consumo de aglomerante em massa por volume de concreto, exemplo, a quantidade de agregado graúdo na betoneira foi sempre de 30 kg, e as proporções adição e aditivo/aglomerante foram respectivamente 10% e 2%. 3. Para ser possível a dosagem antecipada pelo método AMEBA (TANGO, 2001), é necessário moldar corpos-deprova pelo menos para duas idades de ruptura, devidamente espaçadas, anteriores à idade de controle.

5 e as constantes k 1 a k 6 são dependentes dos materiais e condições de estudo, obtidas pelo método dos mínimos quadrados. Observe-se que a equação 3 é a equação de Abrams linearizada. Procurou-se incrementar o método oferecendo a opção adicional do emprego de um modelo matemático (aqui denominado "Modelo Incrementado") generalizando no tempo as curvas de Abrams tradicionais, cada uma inferida para a respectiva idade de ruptura dos corpos-de-prova. Essa opção permite calcular o traço do concreto a idades para as quais os resultados de ensaio necessitem aguardar as datas previstas para ruptura. O Modelo Incrementado é dado pela equação 7 4 (TANGO, 1990): f cj = A / B x. D x/t. E 1/T (equação 7) (sendo T = j n ) onde A, B, D e E são constantes, também obtidas pelos mínimos quadrados, T é a variável intermediária transformada do tempo e n é um expoente usualmente igual a 0,5, podendo variar para concretos contendo adição apreciável de escória de alto-forno (tipo CP III). O detalhamento do traço é dado pelas equações 4a e 4b: a = á. (1+ m) - 1 (equação 4a) p = m - a (equação 4b) Onde a é o teor em massa agregado miúdo / cimento, p é o teor agregado graúdo / cimento e á é a proporção argamassa seca / concreto seco (obtida no segundo passo). Na planilha da figura 6, é apresentado um exemplo, onde figura o traço calculado para o concreto desejado de um conjunto de equações inferidas por regressões lineares entre as características do concreto e os resultados experimentais. No exemplo, a resistência média requerida era 49,1 MPa a 28 dias, e ainda não se dispunha dos resultados a essa idade, apenas a 3 e 7 dias, daí o emprego do Modelo Incrementado, que fornece portanto um traço antecipado. Havendo resultados experimentais para a idade de controle, costuma-se dar preferência ao uso das curvas de Abrams tradicionais, embora nestas condições, geralmente, sejam pequenas as diferenças de cálculo empregando ambos os modelos. Tem-se então o traço definitivo. O diagrama de dosagem é a expressão gráfica das equações 3 a 7 e compõe-se de quatro sistemas cartesianos cujos eixos coincidentes são colocados lado a lado, do modo exemplificado na figura 7. Procurou-se ainda fazer outro incremento ao método, sistematizando a forma de obtenção de gráficos de custo versus desempenho. Sendo o desempenho representado pela resistência à compressão, o custo total por m 3 é calculado, para cada resistência, como a soma dos produtos entre os consumos dos materiais constituintes pelos respectivos custos por kg (dados fornecidos no primeiro passo). A figura 8 mostra, para o exemplo em questão, o gráfico custo versus desempenho, discriminado por material constituinte e no total. 4 A equação 3 tem a forma original de expressão da equação 1.

6 adição: Sílica Reat. CONSISTÊNCIA REQUERIDA (mm) aditivo: Superplast. 100 (+/- 5mm) Volume mínimo (dm3) da volume de concreto necessário 20,7 (dm3/traço) água/mat.secos prevista (kg/kg): 0,092 betoneira: 30 m do traço piloto 4,752 (kg/kg) % de argamassa do traço piloto: 50% <-valor extraído do piloto teor aditivo/aglomerante (kg/kg) 0,01 teor adição/aglomerante (kg/kg) 0,1 agregados A 100% agregados miúdos (porcentagens) A 100% graúdos: B 0% massa específica do concreto B 0% (porcentagens) C 0% para efeito de quantificação: kg/m3 nome do traço rico médio pobre massa específica (recipiente) traço m 3,752 4,752 5,752 tara (kg) 8,854 em massa a 1,376 1,876 2,376 volume (dm3) 14,28 p 2,376 2,876 3,376 água/aglomerante prevista (kg/kg) 0,436 0,527 0,619 água/aglomerante obtida (kg/kg) 0,454 0,515 0,614 cons. aglomerante previsto (kg/m3) totais (kg) agregado graúdo total (kg) 32,98 32,98 32,98 98,93 agregado graúdo A (kg) 32,98 32,98 32,98 98,93 agregado graúdo B (kg) 0,00 0,00 0,00 0,00 agregado graúdo C (kg) 0,00 0,00 0,00 0,00 agregado miúdo total (kg) 19,10 21,51 23,21 63,82 agregado miúdo A (kg) 19,10 21,51 23,21 63,82 agregado miúdo B (kg) 0,00 0,00 0,00 0,00 aglomerante (kg) 13,88 11,47 9,77 35,11 cimento (kg) 12,49 10,32 8,79 31,60 adição (kg) 1,39 1,15 0,98 3,51 água prevista(kg) 6,05 6,05 6,05 18,14 água efetiva (kg) 6,30 5,90 6,00 18,20 aditivo (kg) 0,139 0,115 0,098 0,351 totais incluindo traço piloto (kg) concreto + tara (kg) 43, agregado graúdo total (kg) 128,931 massa específica (kg/dm3) 2,398 2,391 2,391 agregado graúdo A (kg) 128,931 cons. de aglomerante (kg/m3) agregado graúdo B (kg) 0,000 cons. de cimento (kg/m3) agregado graúdo C (kg) 0,000 cons. de adição (kg/m3) 46,1 38,2 32,5 agregado miúdo total (kg) 90,147 cons. de aditivo (kg/m3) 4,61 3,82 3,25 agregado miúdo A (kg) 90,147 cons. de água (kg/m3) agregado miúdo B (kg) 0,000 cons. de agregado miúdo aglomerante (kg) 46,966 cons. de agregado miúdo "A" cimento (kg) 42,270 cons. de agregado miúdo "B" adição (kg) 4,697 cons. de agregado graúdo água prevista(kg) - cons. de agregado graúdo "A" água efetiva (kg) - cons. de agregado graúdo "B" aditivo (kg) 0,470 cons. de agregado graúdo "C" a. idade 3 abatimento/slump (mm) a. idade 7 ar incorporado (%) número de idades 3a. idade 14 número do 1o. corpo-de-prova a. idade 28 quant. de c.p. p/ compressão por idade diâmetro do c.p. (mm) 5a. idade 63 data da moldagem (dd/mm/aa) 14/04/ /04/ /04/ a. idade 91 Figura 4. Trecho de planilha com cálculos e anotações de laboratório no terceiro passo da Dosagem IPT

7 IDENTIFICAÇÃO Mestrado Resultados Obtidos da Ruptura de Corpos-de-Prova Unidade de Leitura na Prensa (kgf ou N): Diâmetro nominal dos c.p. (mm) kgf 100 traço rico traço médio traço pobre idade (dias) c.p. carga indiv. fc média c.p. carga indiv. fc média c.p. carga indiv. fc média , , , /04/ /04/ /04/ , , , /04/ /04/ /04/ #DIV/0! 17 #DIV/0! 29 #DIV/0! 6 28/04/ /04/ /04/ #DIV/0! 19 #DIV/0! 31 #DIV/0! 8 12/05/ /05/ /05/ #DIV/0! 21 #DIV/0! 33 #DIV/0! 10 16/06/ /06/ /06/ #DIV/0! 23 #DIV/0! 35 #DIV/0! 12 14/07/ /07/ /07/2000 Figura 5. Planilha de anotação e cálculo de resultados de ensaios em concreto endurecido. No exemplo, mostram-se, propositadamente, apenas os resultados disponíveis até idade de 7 dias. DOSAGEM IPT - EQUAÇÕES E TRAÇOS CALCULADOS - planilha TRÇ. EQUAÇÕES INFERIDAS EQUAÇÃO idade j(dias) k1 k2 R2 MODELO INCREMENTADO x=k1.logfc+k2 3-1, , , logfc=x.logb+(x/t).logd+(1/t).loge+loga 7-1, , , T = j^n, n= 0,5 (*) (TRADICIONAIS) 14 #VALOR! #VALOR! #VALOR! loge logd logb loga R2 28 #VALOR! #VALOR! #VALOR! -0, , , , , #VALOR! #VALOR! #VALOR! Obs: Utilizados os resultados disponíveis até o momento 91 #VALOR! #VALOR! #VALOR! (*) n pode ser ajustado por tentativas; x=k1.m+k2 todas 0, , , sugere-se o valor inicial 0,5 1/C=k1.m+k2 todas 0, , , % ARGAMASSA = 50% MODELO TRADICIONAL.: Traço em massa (agregados secos) para obtenção de fcj requerido AGLOMERANTE: 1,000 CIMENTO: 0,900 ADIÇÃO: 0,100 ADITIVO: 0,0100 m= * idade fcj (Mpa) agregados miúdos agregados graúdos água/agl. p/ j(dias) requerido "A" "B" miúdo total "A" "B" "C" graúdo total fcj requerido 28 49,075 #VALOR! #VALOR! #VALOR! #VALOR! #VALOR! #VALOR! #VALOR! #VALOR! * AVISOS fornecer resultados à idade especificada ou usar Modelo Incrementado > você especificou idade coincidente com uma empregada nos experimentos MODELO INCREMENTADO: Traço em massa (agregados secos) para obtenção de fcj requerido m= 5,229 AGLOMERANTE: 1,000 CIMENTO: 0,900 ADIÇÃO: 0,100 ADITIVO: 0,0100 idade fcj (Mpa) agregados miúdos agregados graúdos água/agl. p/ j(dias) requerido "A" "B" miúdo total "A" "B" "C" graúdo total fcj requerido 28 49,075 2,114 0,000 2,114 3,114 0,000 0,000 3,114 0,566 AVISO usar o Modelo Incrementado com cuidado quanto às extrapolações excessivas Figura 6. Planilha com resultados de cálculos dos parâmetros das equações do diagrama de dosagem, bem como do traço para obtenção da resistência desejada.

8 1a. idade 3 2a. idade 7 3a. idade 14 DIAGRAMA DE DOSAGEM IPT 4a. idade 28 5a. idade 63 6a. idade 91 70,0 havendo curvas sem pontos experimentais, são as 70,0 previstas pelo Modelo Incrementado 65,0 60,0 55,0 50,0 45,0 40,0 35,0 30,0 Resistência à compressão fcj (MPa) 65,0 60,0 55,0 50,0 45,0 40,0 35,0 30,0 25,0 25, ,400 0,450 0,500 0,550 0,600 0, Consumo de Aglomerante (kg/m3 de Concreto) ,5 4 4,5 5 5,5 6 Relação agregado/ aglomerante m (kg/kg) Figura 7. Exemplo de diagrama de dosagem IPT com antecipação das curvas relativas às idades acima de 7 dias. 3,5 4 4,5 5 5,5 0,400 0,450 0,500 0,550 0,600 0,650 6 Relação água/aglomerante x (kg/kg) Custo (R$/m3 de concreto) Gráfico de Custos para resistências médias de dosagem fcj obtido do Modelo Incrementado $ cimento $ adição $ aditivo $ agr. m. "A" $ agr. m. "B" $ agr. gr. "A" $ agr. gr. "B" $ agr. gr. "C" 0 40,0 45,0 50,0 55,0 60,0 65,0 Resistência à Compressão fcj (MPa) à idade de controle $ água $ total/m3 Figura 8. Exemplo de gráfico de custo versus desempenho para uma família de concretos. O gráfico refere-se a 28 dias, tendo sido obtido com antecipação de 21 dias, com base nos resultados de 3 e 7 dias

9 3. Exemplo de comparação custo versus desempenho Empregando o método IPT de dosagem incrementado, obtiveram-se os resultados apresentados na tabela 2. Tabela 2 Resultados em estudos de dosagem com e sem aditivo e adição. Família Teor de Teor de Abatimento C de m (kg/kg) x (kg/kg) ag aditivo adição (mm) (kg/m concretos ) f c28 (MPa) 3,5 0, ,4 1 0% 0% ,0 0, ,7 6,5 0, ,3 3,75 0, ,3 2 1% 10% ,75 0, ,2 5,75 0, ,0 Obs. 1: Utilizados cimento tipo V ARI, brita 1 granítica e areia de rio variando-se as procedências entre as famílias de concretos. Obs. 2: m = teor agregado/aglomerante; x = relação água/aglomerante; C ag = consumo de aglomerante por volume de concreto; f c28 = resistência à compressão aos 28 dias de idade. Observe-se que a família 2 é a mesma do exemplo apresentado no item 2 anterior, com aditivo superfluidificante e sílica ativa, enquanto a família 1 é um conjunto de concretos "comuns". O gráfico da figura 9 apresenta, a superposição das curvas custo versus desempenho para ambas as famílias de concretos, empregando a metodologia apresentada neste trabalho. 220,00 Cimento ARI apenas Custo do m3 de Concreto (R$) 170,00 120,00 Cimento ARI, Sílica ativa e Superfluidificante 70,00 15,0 25,0 35,0 45,0 55,0 65,0 Resistência média de dosagem requerida (MPa) Figura 9. Curvas custo versus desempenho superpostas para concretos com e sem adições e aditivos. Idade de controle 28 dias.

10 4. Conclusões Os incrementos ora propostos no Método de Dosagem IPT ampliam sua utilização das seguintes formas: - Permitindo o uso intensivo de microcomputador através da adoção de modelos matemáticos correlacionando resistência e consistência do concreto a características do mesmo; - Permitindo um tratamento sistematizado dos concretos contendo adições e aditivos, facilitando o alargamento do espectro de expectativas de desempenho; - Permitindo, antecipadamente, a previsão das equações de dosagem e confecção do diagrama de dosagem, antes do prazo de cura até a idade de controle da resistência do concreto; - Permitindo análises comparativas de custo versus desempenho com maior precisão e clareza. As curvas custo versus desempenho de concretos contendo sílica ativa e aditivo superfluidificante apresentam-se sensivelmente com maior custo quando é possível aos concretos "comuns" equiparálas em desempenho. O degrau entre os custos dos concretos com e sem aditivos e adições necessita ser minimizado através da oferta de alternativas de adições e aditivos com custos mais competitivos, sob pena de restringir o uso destes produtos apenas a concretos de desempenho muito alto. 5. Referências HELENE, P.R.L. & TERZIAN, P.R. Manual de dosagem e controle do concreto. Ed. Pini, São Paulo, PRISZKULNIK, S. & KIRILOS, J.P. Considerações sobre a resistência à compressão de concretos preparados com cimentos portland comum tipos CP-250, CP-320 e CP-400, e a sua durabilidade. II Encontro Nacional da Construção - ENCO Clube de Engenharia e Câmara Brasileira da Indústria da Construção - Rio de Janeiro - 8 a 13 de Dezembro de TANGO, C.E.S. Dosagem de concreto. Texto de Palestra em 08/11/1977 no Departamento de Engenharia de Construção Civil e Urbana, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, TANGO, C.E.S. Um estudo do desenvolvimento da resistência à compressão do concreto de cimento portland até 50 anos de idade. Tese de doutoramento, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. São Paulo, TANGO, C.E.S.. Dosagem de concreto pelo método IPT - planilhas eletrônicas em aplicativo Microsoft Excel. Curso de Mestrado Profissional em Habitação, disciplina Alternativas e inovações tecnológicas do concreto nas construções [Coordenador: Cláudio Sbrighi Neto]. Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT. São Paulo, TANGO, C.E.S.; MACHADO, J.R.A.; DIONISI, A. & HIGA, C.K. Dosagem de Concreto com Auxílio de Microcomputador - 36a Reunião Anual do IBRACON - Porto Alegre, 19-23, Setembro, p.

MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT

MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT Bibliografia de Referência Manual de Dosagem

Leia mais

CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS

CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS Vicente Coney Campiteli (1); Sérgio Luiz Schulz (2) (1) Universidade Estadual de Ponta Grossa, vicente@uepg.br

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II Dosagem de concreto Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Histórico - Egípcios e os etruscos empregava argamassa na construção

Leia mais

Fundamentos básicos do método

Fundamentos básicos do método MÉTODO DO IPT Fundamentos básicos do método I LEI DE ABRAMS: Para um certo conjunto particular de materiais, a resistência do concreto é função da relação a/c. f cj = K 1 / k 2 (A/C) II LEI DE LYSE: Para

Leia mais

PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO E CÁLCULO APLICADO

PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO E CÁLCULO APLICADO PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO E CÁLCULO APLICADO Yuri Ivan Maggi ymaggi@unicenp.edu.br Patrícia Lizi de Oliveira Maggi plomaggi@unicenp.edu.br Centro Universitário

Leia mais

Dosagem dos Concretos de Cimento Portland

Dosagem dos Concretos de Cimento Portland (UFPR) (DCC) Disciplina: Materiais de Construção IV - Laboratório Dosagem dos Concretos de Cimento Portland Eng. Marcelo H. F. de Medeiros Professor Dr. do Professor Dr. do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa.

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa. Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons Dosar um concreto é compor os materiais constituintes em proporções convenientemente

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO Engº Rubens Curti DOSAGEM DEFINIÇÃO DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados, adições e aditivos 2 DOSAGEM

Leia mais

UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS

UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS -ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS PREPARO, CONTROLE E RECEBIMENTO DO CONCRETO NBR 12655 Unidade III Continuação Pro. Adailton

Leia mais

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP Paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo

Leia mais

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES Prof Dr.Jorge Creso Cutrim Demetrio OBJETIVOS 1. Analisar a viabilidade

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Definição de concreto hidráulico e de argamassa. Componentes; indicação das proporções

Leia mais

MÉTODOS EXPERIMENTAIS DE DOSAGEM PARA CONCRETO CONVENCIONAL UTILIZANDO AREIA INDUSTRIAL E DEMAIS AGREGADOS DA REGIÃO DE PASSO FUNDO

MÉTODOS EXPERIMENTAIS DE DOSAGEM PARA CONCRETO CONVENCIONAL UTILIZANDO AREIA INDUSTRIAL E DEMAIS AGREGADOS DA REGIÃO DE PASSO FUNDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. MÉTODOS EXPERIMENTAIS DE DOSAGEM PARA

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN Daniele Kochem (PIBIC/Fundação Araucária-UNIOESTE), Jeferson Marinho Camboin, Lennon Biancato Runke, Maxer Antonio da Rosa, Giovanna

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

Materiais de Construção II ( TC-031) DOSAGEM DE CONCRETOS

Materiais de Construção II ( TC-031) DOSAGEM DE CONCRETOS Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Construção Civil Materiais de Construção II ( TC-031) DOSAGEM DE CONCRETOS Prof. José de Almendra Freitas Jr. freitasjose@terra.com.br

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Adailton de O. Gomes; (2) Cleber M. R. Dias; (3) Alexandre T. Machado; (4) Roberto J. C. Cardoso;

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS Lucas Palma Tasca 1 ; Francislaine Facina 2, Janaina de Melo Franco³, Judson Ribeiro RESUMO: O concreto é um dos materiais mais utilizados

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo Esta pesquisa tem como proposta

Leia mais

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Influência do índice de forma do agregado graúdo na resistência a compressão do concreto Resumo Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Josué A. Arndt(1); Joelcio de

Leia mais

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS Tatiana Pereira Jucá (1), Fernando Alves Teixeira (1),Cláudio Henrique de Almeida Feitosa Pereira (1), Keila Regina Bento de Oliveira

Leia mais

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Dario de Araújo Dafico Resumo: Um modelo para explicar a resistência à compressão do concreto de alto desempenho foi

Leia mais

SESSION 3: Mix Design

SESSION 3: Mix Design SESSION 3: Mix Design Prof. Bernardo F Tutikian btutikian@terra.com.br bftutikian@unisinos.br Métodos de Dosagem Brasileiros para o CAA Gomes (2002) Tutikian (2004) Melo-Repette (2005) Tutikian & Dal Molin

Leia mais

3 Programa Experimental

3 Programa Experimental 3 Programa Experimental 3.1.Planejamento dos experimentos Com o objetivo de quantificar a diferença entre as resistências à compressão de corpos-de-prova moldados e de testemunhos extraídos, e de verificar

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.Eng.º Instrutor Abril / 2006 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

DOSAGEM E CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

DOSAGEM E CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO DOSAGEM E CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO A dosagem do concreto tem por finalidade determinar as proporções dos materiais a empregar de modo a atender duas condições básicas: 1 Resistência desejada; 2

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático FEVEREIRO 0 TEO 05 09 11 TEO 1 Definir as regras do curso. Histórico do. P&D e avanços da tecnologia do. tipos e aplicações do cimento. Contexto da indústria do cimento Materiais de Construção Civil II

Leia mais

CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO

CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO CONCRETO É UM PRODUTO VERSÁTIL PR SC PR RS SC SC China SC CONCRETO É UTILIZADO EM TODAS AS CLASSES SOCIAIS Tecnologia Formal Tecnologia

Leia mais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO Atualmente, no Brasil, são produzidos cerca de 20 milhões de m3 de concreto/ano em Centrais de Concreto, denominadas Empresas de Serviços de Concretagem. Uma economia de

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM 1 Importância A dosagem do concreto: É o processo de obtenção da combinação correta de cimento, agregados, águas, adições e aditivos Os efeitos da dosagem

Leia mais

ANÁLISE DO DIAGRAMA DE DOSAGEM DE CONCRETO OBTIDO ATRAVÉS DOS CORPOS-DE-PROVA MOLDADOS EM OBRA

ANÁLISE DO DIAGRAMA DE DOSAGEM DE CONCRETO OBTIDO ATRAVÉS DOS CORPOS-DE-PROVA MOLDADOS EM OBRA ANÁLISE DO DIAGRAMA DE DOSAGEM DE CONCRETO OBTIDO ATRAVÉS DOS CORPOS-DE-PROVA MOLDADOS EM OBRA Luana Borges Freitas 1,4 ; Sueli Martins de Freitas Alves, Paulo Francinete Silva Júnior, 1 Bolsista PBIC/UEG

Leia mais

Concreto de cimento portland: um método de dosagem. Vicente Coney Campiteli 1

Concreto de cimento portland: um método de dosagem. Vicente Coney Campiteli 1 Concreto de cimento portland: um método de dosagem Vicente Coney Campiteli 1 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, Brasil RESUMO Eistem diversos métodos de dosagem de concretos de cimento portland,

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

Dosagem de concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Dosagem de concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Dosagem de concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Método IPT-EPUSP: Fundamentos Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: ELETROBRAS FURNS Lei de Abrams 3/22 Para um certo conjunto particular de materiais, a

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA KREUZ, Anderson Luiz (1); CHERIAF, Malik (2); ROCHA, Janaíde Cavalcante (3) (1) Engº. Civil, Mestrando do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS DE AÇO E CONCRETOS ESPECIAIS. Mariana Passos de Pádua 1 ; Cassia Silveira Assis 2

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS DE AÇO E CONCRETOS ESPECIAIS. Mariana Passos de Pádua 1 ; Cassia Silveira Assis 2 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS DE AÇO E CONCRETOS ESPECIAIS Mariana Passos de Pádua 1 ; Cassia Silveira Assis 2 1 Aluna de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT); 2 Professora

Leia mais

Concreto de Cimento Portland

Concreto de Cimento Portland Definição: é o material resultante da mistura, em determinadas proporções, de um aglomerante - cimento Portland - com um agregado miúdo - geralmente areia lavada -, um agregado graúdo - geralmente brita

Leia mais

CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO

CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO CONCRETO É UM PRODUTO VERSÁTIL PR SC PR China CHINA RS SC SC CONCRETO É UTILIZADO EM TODAS AS CLASSES SOCIAIS Tecnologia Formal

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO O Concreto de 125 MPa do e-tower SÃO PAULO O QUE É CAD?! Concreto com propriedades de resistência e durabilidade superiores às dos concretos comuns;! Qualquer concreto com características

Leia mais

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA AUTORES : Engº Roberto J. Falcão Bauer (Diretor técnico) Engº Rubens Curti (Gerente técnico) Engº Álvaro Martins

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

Leia mais

Construções Rurais I IT 462 T 01 T 02 Materiais e Técnicas de Construções IT 461 T 01. Edmundo Rodrigues DOSAGEM DO CONCRETO

Construções Rurais I IT 462 T 01 T 02 Materiais e Técnicas de Construções IT 461 T 01. Edmundo Rodrigues DOSAGEM DO CONCRETO UNIERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO Construções Rurais I IT 462 T 01 T 02 Materiais e Técnicas de Construções IT 461 T 01 Edmundo

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Propriedades do Concreto Referência desta aula Agosto - 2008 1 Propriedades

Leia mais

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Sidiclei Formagini 1, Matheus Piazzalunga Neivock 1, Paulo Eduardo Teodoro 2, Mario Henrique Quim Ferreira 2, Willian de Araujo Rosa 1, Cristian

Leia mais

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Texto base para o Mini-curso da Comunidade da Construção da Cidade do Recife TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Apresentação Os textos apresentados como base para o este mini-curso são artigos publicados

Leia mais

Dosagem Experimental do Concreto - Método IPT / EPUSP

Dosagem Experimental do Concreto - Método IPT / EPUSP Alunos: UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA ICET - Instituto de Ciências de Exatas e de Tecnologias Profª. Moema Castro, MSc. LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Dosagem Experimental do Concreto - Método

Leia mais

citar a trabalhabilidade, a coesão, a segregação, a exsudação e o ar incorporado como sendo as mais importantes.

citar a trabalhabilidade, a coesão, a segregação, a exsudação e o ar incorporado como sendo as mais importantes. Importância do Controle de Qualidade do Concreto no Estado Fresco Prof. Dr. André Luiz Bottolacci Geyer Professor Doutor, Escola de Engenharia Civil da Universidade Federal de Goiás -UFG. Eng. Rodrigo

Leia mais

Dosagem do CAA. Prof. Bernardo F Tutikian. btutikian@terra.com.br bftutikian@unisinos.br

Dosagem do CAA. Prof. Bernardo F Tutikian. btutikian@terra.com.br bftutikian@unisinos.br Dosagem do CAA Prof. Bernardo F Tutikian btutikian@terra.com.br bftutikian@unisinos.br Métodos de Dosagem Brasileiros para o CAA Gomes (2002) Tutikian (2004) Melo-Repette (2005) Tutikian & Dal Molin (2007)

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Consistência Textura Trabalhabilidade Integridade da massa Segregação Poder de retenção de água Exsudação Massa específica TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco

Leia mais

Influência do capeamento de corpos-de-prova cilíndricos na resistência à compressão do concreto

Influência do capeamento de corpos-de-prova cilíndricos na resistência à compressão do concreto pesquisa e desenvolvimento controle tecnológico do concreto Influência do capeamento de corpos-de-prova cilíndricos na resistência à compressão do concreto Fred R.Barbosa Pr o f e s s o r João M. F. Mota

Leia mais

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial.

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial. INFLUÊNCIA DO MATERIAL DE CAPEAMENTO NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DOS CORPOS-DE-PROVA DE CONCRETO E ARGAMASSAS: COMPARAÇÃO ENTRE ENXOFRE, PASTA DE CIMENTO E PASTA DE GESSO Rodrigo Boesing (1); Rogério A.

Leia mais

ABNT NBR 12.655:2015 Concreto de cimento Portland Preparo, controle, recebimento e aceitação Procedimento

ABNT NBR 12.655:2015 Concreto de cimento Portland Preparo, controle, recebimento e aceitação Procedimento ABNT NBR 12.655:2015 Concreto de cimento Portland Preparo, controle, recebimento e aceitação Procedimento Eng.º Evaldo Penedo Brascontec Engenharia e Tecnologia Ltda Sinduscon-ES, 19 de março de 2015 ABNT

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A CONCRETO Profa. Lia Lorena Pimentel CONCRETO 1. DEFINIÇÃO Aglomerado resultante da mistura de cimento, água, agregados

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS.

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. Alexsandro Luiz Julio (1) Biólogo pela Universidade Comunitária

Leia mais

A nova ABNT NBR 12655 e o Controle Tecnológico do Concreto

A nova ABNT NBR 12655 e o Controle Tecnológico do Concreto A nova ABNT NBR 12655 e o Controle Tecnológico do Concreto Dr. Carlos Britez Prof. Paulo Helene PhD Engenharia 11/08/2015 Criciúma - SC Atividade profissional regida por normas técnicas: de PROJETO de

Leia mais

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho.

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. 3. METODOLOGIA O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. DEFINIÇÃO E OBTENÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS CARACTERIZAÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS

Leia mais

Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade.

Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade. Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade. Proporção da quantidade de agregados e água para uma certa

Leia mais

Engenheiro Civil UFBA Administrador de Empresas UCSAL MBA Gestão de Negócios UNIFACS

Engenheiro Civil UFBA Administrador de Empresas UCSAL MBA Gestão de Negócios UNIFACS Engenheiro Civil UFBA Administrador de Empresas UCSAL MBA Gestão de Negócios UNIFACS 1. indicações precisas da localização da obra; 2. resistência característica do concreto (fck) definida em projeto;

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Anais do XX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Caio Henrique Tinós Provasi

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA DO CONCRETO EM RELAÇÃO À VARIAÇÃO NA DOSAGEM DE ÁGUA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA DO CONCRETO EM RELAÇÃO À VARIAÇÃO NA DOSAGEM DE ÁGUA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA DO CONCRETO EM RELAÇÃO À VARIAÇÃO NA DOSAGEM DE ÁGUA Angélica Vinci do Nascimento Gimenes * Carlos Roberto Mendonça Junior ** Gisele Hiromi Matsumoto de Freitas *** Priscila Josiane

Leia mais

O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO

O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO Giovana Davanço Sabeh 1 ; Judson Ricardo Ribeiro da Silva 2 RESUMO: A importância da sustentabilidade está cada dia mais presente na sociedade, métodos são pesquisados

Leia mais

Realização: Especificação, aplicação e controle do concreto para assegurar o desempenho de estruturas e fundações.

Realização: Especificação, aplicação e controle do concreto para assegurar o desempenho de estruturas e fundações. Realização: Especificação, aplicação e controle do concreto para assegurar o desempenho de estruturas e fundações. Prof. Dr. Luiz Roberto Prudêncio Jr. Prof. Dr. Alexandre Lima de Oliveira Universidade

Leia mais

Estudo da Aplicação do Resíduo Grits na Fabricação de Elementos de Concreto

Estudo da Aplicação do Resíduo Grits na Fabricação de Elementos de Concreto Estudo da Aplicação do Resíduo Grits na Fabricação de Elementos de Concreto Adair José Magalhães 1 Élcio Cassimiro Alves 2 Resumo O presente estudo tem como objetivo principal avaliar a viabilidade técnica

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

Estudo da viabilidade de adição de fibras de aço no concreto exposto ao ambiente marítimo: Análise da melhoria das propriedades de resistência

Estudo da viabilidade de adição de fibras de aço no concreto exposto ao ambiente marítimo: Análise da melhoria das propriedades de resistência Estudo da viabilidade de adição de fibras de aço no concreto exposto ao ambiente marítimo: Análise da melhoria das propriedades de resistência Maisson Tasca ¹; Alessandra Migliorini² ; Bianca P. M. Ozório³

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

RESOLUÇÃO DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS

RESOLUÇÃO DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE CIENCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAS - DCTM RESOLUÇÃO DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS APOIO TÉCNICO - MONITOR Exercícios resolvidos e discutidos do

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Apoio às aulas práticas Joana de Sousa Coutinho FEUP 2002 MC2 0 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Calda de cimento Argamassa Betão Cimento+água (+adjuvantes) Areia+ Cimento+água (+adjuvantes)

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM João A. Rossignolo Professor outor, epartamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos USP, e-mail:

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO Jéssica Spricigo da Rocha Bonifácio (1), Daiane dos Santos da Silva Godinho (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO Costenaro, F. L. (1); Isa M. M. (2) (1) Graduanda de Eng. Civil. Faculdade de Engenharia de Bauru

Leia mais

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO.

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar. Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18

Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar. Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Módulo de Elasticidade Conceituação Matemático inglês Robert Hooke (1635-1703):

Leia mais

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica da USP PCC 2515 Alvenaria Estrutural BLOCOS, ARGAMASSAS E GRAUTES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS! DETERMINA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA PRODUÇÃO! peso e dimensões

Leia mais

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM SUBSTITUIÇÃO À AREIA (PARTE 1) SELF-COMPACTING CONCRETE: EVALUATION OF INDUSTRIAL WASTES REPLACING THE SAND (PART 1) Silva, Cláudia

Leia mais

Aquário do Pantanal Campo Grande -MS. Concreto autoadensável x concreto convencional. Sandra Regina Bertocini

Aquário do Pantanal Campo Grande -MS. Concreto autoadensável x concreto convencional. Sandra Regina Bertocini Aquário do Pantanal Campo Grande -MS Concreto autoadensável x concreto convencional Sandra Regina Bertocini PROBLEMA!!! Teste SIMULAR AS QUATRO VIGAS Teste Mudanças Para as vigas foi utilizado Concreto

Leia mais

ESTUDO E ANÁLISE DA FABRICAÇÃO DE CONCRETO A PARTIR DO USO DE RESÍDUOS DE BORRACHA DE PNEUS

ESTUDO E ANÁLISE DA FABRICAÇÃO DE CONCRETO A PARTIR DO USO DE RESÍDUOS DE BORRACHA DE PNEUS 99 ESTUDO E ANÁLISE DA FABRICAÇÃO DE CONCRETO A PARTIR DO USO DE RESÍDUOS DE BORRACHA DE PNEUS Camila Dias Pinaffi¹; Nayara Coelho Silva¹; Marina Ramos Furlan Solina¹; Filipe Bittencourt Figueiredo²; Leila

Leia mais

Estudo do Mecanismo de Transporte de Fluidos de Concretos Auto-Adensáveis. -Mendes,M.V.A.S.; Castro, A.; Cascudo, O.

Estudo do Mecanismo de Transporte de Fluidos de Concretos Auto-Adensáveis. -Mendes,M.V.A.S.; Castro, A.; Cascudo, O. Estudo do Mecanismo de Transporte de Fluidos de Concretos Auto-Adensáveis -Mendes,M.V.A.S.; Castro, A.; Cascudo, O. Maceió-Alagoas outubro/2012 Objetivos do Trabalho - Avaliar se a trabalhabilidade do

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Wendersen Cássio de Campos Faculdade de Engenharia Civil CEATEC wendersen_campos@puccamp.edu.br Ana Elisabete P. G.

Leia mais

III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL Keilla Boehler Ferreira (1) Engenheira Agrícola pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Especialista

Leia mais

Avaliação de propriedades de concretos produzidos com três tipos de cimentos na região Agreste de Pernambuco.

Avaliação de propriedades de concretos produzidos com três tipos de cimentos na região Agreste de Pernambuco. Avaliação de propriedades de concretos produzidos com três tipos de cimentos na região Agreste de Pernambuco. Evaluation of concrete properties produced with three types of cement in the Agreste region

Leia mais

ÁREA DE ENSAIOS ALVENARIA ESTRUTURAL RELATÓRIO DE ENSAIO N O 36555

ÁREA DE ENSAIOS ALVENARIA ESTRUTURAL RELATÓRIO DE ENSAIO N O 36555 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria (RS) CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 3220 8608 (Fax) Direção 3220 8313 Secretaria E-MAIL: lmcc@ct.ufsm.br 1/5

Leia mais