3 EDUCAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA NO ANTIGO EGITO: A FORMAÇÃO DO ESCRIBA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3 EDUCAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA NO ANTIGO EGITO: A FORMAÇÃO DO ESCRIBA"

Transcrição

1 Unidade II 3 EDUCAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA NO ANTIGO EGITO: A FORMAÇÃO DO ESCRIBA 3.1 Egito: berço de todas as civilizações Refletir sobre a educação no Antigo Egito é necessário, uma vez que parece ser consenso entre os estudiosos o fato de o Egito ser o berço de todas as civilizações. Embora a civilização ocidental, da qual fazemos parte, seja herdeira do mundo Greco-Romano, tanto a Grécia quanto o Império Romano beberam das fecundas fontes do Egito. Vários livros de história nos trazem a informação de que Platão era um admirador da antiga sabedoria egípcia, reconhecendo no deus egípcio Thoth o inventor dos números, do cálculo, da geometria, da astronomia e das letras. O que sabemos é que realmente o Egito foi fecundo na produção de conhecimentos. Quem já não ouviu falar dos processos de mumificação dos mortos e das monumentais pirâmides? Com certeza muito conhecimento teve que ser desenvolvido para que elas fossem erguidas e, mais, para que durassem tanto tempo, chegando até os dias de hoje. Mas como é que os caçadores e coletores do Período Paleolítico e os agricultores do Período Neolítico se transformaram nos poderosos faraós do Egito? Os primeiros registros que temos acerca do Egito datam do ano A.C., quando caçadores nômades fixaram-se no Vale do Nilo, nordeste da África. Aos poucos a tecnologia foi se desenvolvendo, o trabalho se especializando, a agricultura tornando-se mais eficaz e a sociedade mais complexa. O Egito, provavelmente a civilização mais antiga da humanidade, desenvolveu a agricultura de forma extraordinária, graças, principalmente, ao regime de cheias do rio Nilo. Este povo, especializando-se na agricultura, teve que desenvolver vastos conhecimentos para torná-la cada vez mais eficaz. Com isto, o Egito desenvolveu notadamente a geometria, a astronomia, a matemática e as ciências úteis e necessárias para a realização das atividades práticas diárias referentes ao desenvolvimento da agricultura, como atesta, por exemplo, a elaboração de um eficiente calendário solar para prever as cheias do rio Nilo. Os trabalhos de irrigação, os conhecimentos de geometria, particularmente úteis para a medição de terras destinadas ao plantio e à construção das pirâmides, mostram-nos o grau de desenvolvimento da engenharia praticada. Os egípcios desenvolveram conhecimentos na área médica, identificando algumas doenças, e existe a evidencia de que já praticavam alguns tipos de cirurgias. Possuíam, também, conhecimentos nas áreas de zoologia, botânica, mineralogia e geografia. Desenvolveram a escrita, mais conhecida como os hieróglifos, por volta de A.C. Os antigos caçadores que se fixaram no vale do rio Nilo foram se transformando em exímios agricultores e desenvolveram extensos conhecimentos em torno das necessidades agrícolas. Passaram, 17

2 Unidade II então, a dominar as técnicas de plantio e colheita de trigo, cevada, linho, algodão, legumes, frutas e papiro, bem como desenvolveram as práticas para a criação de bois, asnos, gansos, patos, cabras e carneiros e, na mineração, se destacaram na extração de ouro, cobre e pedras preciosas. O desenvolvimento dos conhecimentos permitiu aos egípcios alcançarem uma alta produtividade agrícola e exercerem um eficiente controle populacional, disponibilizando recursos e mão de obra, o que viabilizou a construção das pirâmides e dos palácios, o desenvolvimento do artesanato, da ourivesaria e as guerras de expansão. Como podemos perceber, esta sociedade se tornou extremamente poderosa e rica, portanto, a estrutura social e cultural deste povo, marcada pelo desenvolvimento das atividades econômicas ligadas especialmente á agricultura, foi se tornando cada vez mais complexa. Desenvolveu-se, portanto, uma sociedade de classes, dividida em diferentes camadas sociais: as que tinham privilégios, tais como: sacerdotes, nobres, funcionários; e as que compunham o restante da população: artesãos, camponeses e escravos. O governo se concretizou como um governo centralizador e teocrático. O faraó exercia uma monarquia teocrática, ou seja, uma monarquia considerada de origem divina. Politeístas, os egípcios acreditavam na vida após a morte e a prática religiosa, composta por muitas cerimônias e rituais, tinha grande destaque, valor e influência na sociedade. Como o poder político era fundamentado no poder religioso podemos perceber que a religião era indissociável da vida política e cotidiana dos egípcios. O dia a dia era uma expressão da vontade divina e os faraós eram considerados e adorados como deuses encarnados. Ao faraó pertenciam todas as terras do país, portanto, todos deveriam lhe pagar tributos e lhe prestar serviços. Sendo ele um deus encarnado ninguém contestava. O faraó era ao mesmo tempo um deus encarnado e um chefe político de um Estado poderoso, portanto, tinha imenso poder sobre tudo e sobre todos. Governo teocrático ou teocracia é um sistema de governo em que o poder político está fundamentado no poder religioso. Para os egípcios, a ordem social representava um aspecto da ordem cósmica. Assim, a realeza existiria desde o começo do mundo, pois o Criador foi o primeiro Rei, transmitindo esta função ao filho e sucessor, o primeiro Faraó. Essa delegação consagrou a realeza como instituição divina. 18 Podemos pensar a sociedade egípcia como uma pirâmide cuja base é composta pelos camponeses livres, que eram a maioria da população, viviam nas aldeias e pagavam diversos tributos ao Estado e aos templos. Nesta base da sociedade ainda estavam os escravos, que se encontravam nesta condição por dívidas ou por dominação de outros povos por meio das conquistas militares. Quase todos eram de origem estrangeira e faziam os serviços domésticos ou trabalhavam nas pedreiras e nas minas. Acima destes havia uma camada intermediária formada pelos artesãos, trabalhadores que exerciam diferentes ofícios, tais como pedreiros, carpinteiros, desenhistas, escultores, pintores, tecelões, ourives etc. Havia, ainda, os soldados que não atingiam os postos de comando, pois estes eram reservados à nobreza. A classe dominante era formada pelo faraó e sua família, pelos sacerdotes, militares e altos funcionários do Estado, dentre eles os escribas. O faraó, soberano teocrático e centralizador, concentrava em suas mãos o poder político e espiritual; era cultuado como um deus vivo, filho de deuses e intermediário entre estes e os homens; era a pessoa sagrada cuja autoridade absoluta não era e nem podia ser questionada.

3 Portanto, podemos perceber que na cultura egípcia o fator religioso era decisivo. A educação, por sua vez, estava intimamente relacionada com a religião e a cultura. Nesta sociedade de classes, a transmissão do conhecimento, tanto religioso como técnico, não era disponibilizada para todos, ao contrário, era restrita a poucos. Com a diversificação da economia podemos perceber que começa a existir certa hierarquização no mundo do trabalho, ou seja, esta economia pede um trabalhador mais especializado e qualificado e uma educação condizente com esse propósito. Manacorda nos mostra que provavelmente houve o desenvolvimento de três tipos de escolas: as escolas intelectuais, em que eram cultivados os estudos de matemática, de geometria e de astronomia; as escolas práticas, destinadas à qualificação de artesãos e treinamento de guerreiros, e as escolas de ciências esotéricas e sagradas, voltadas para a formação de sacerdotes. O autor enfatiza a existência da educação destinada às classes dominantes, especialmente no que se refere à educação para a vida política, ou seja, para o exercício do poder. Esta educação era baseada em literatura sapiencial e tinha como objetivo o ensinamento dos comportamentos e da moral referentes ao exercício do poder. O que é literatura sapiencial? É um tipo de literatura proverbial de sabedoria que tem uma finalidade basicamente didática. A Bíblia, por exemplo, é um livro de literatura sapiencial. Segundo os historiadores este tipo de literatura foi introduzida em Israel pelo rei Salomão, mas antes disso, se tem registros dessa literatura em todo o Oriente e, especialemte, no Antigo Egito. Portanto, estes conselhos de sabedoria prática contêm condutas e preceitos morais intimamente relacionados ao modo de vida da classe dominante: Eles contêm preceitos morais e comportamentais rigorosamente harmonizados com as estruturas e conveniências sociais ou, mais diretamente, com o modo de viver próprio das castas dominantes. Estes sempre foram em forma de conselhos dirigidos do pai para o filho e do mestre escriba para o discípulo (neste caso o termo filho será usado de qualquer forma, para indicar o discípulo seja este filho carnal ou não), e insistem na ininterrupta continuidade da transmissão educativa de geração em geração. (Manacorda, 2004) O exame da literatura sapiencial, em sua relação com a estrutura social e o momento em que a mesma foi produzida, pode nos fornecer um entendimento adequado acerca dos conteúdos e objetivos da educação, bem como da relação pedagógica entre mestre e discípulo. Manacorda conclui que a educação era mnemônica, repetitiva, baseada na escrita e transmitida autoritariamente do pai para o filho. O que é mnemônica? Segundo o dicionário Houaiss, é uma técnica para desenvolver a memória por meio de processos de combinação e associação de ideias. Relativo à memória; que ajuda a reter na memória. Memorizar. O conteúdo específico gira em torno dos preceitos comportamentais e conselhos de sabedoria prática. A característica principal destes ensinamentos é que estes estão voltados para a formação do homem político. Sendo assim, a arte de falar ou o falar bem é um dos objetivos máximos deste ensino. Portanto, os temas pedagógicos fundamentais no Antigo Egito são: educação para falar e obediência. Devemos entender que educação para falar refere-se ao exercício da oratória, fundamental na arte 19

4 Unidade II política do comando. Também devemos estar atentos para o fato de que comandar pressupõe a arte da obediência e, para que isso funcione, é necessário haver disciplina, castigo e rigor. Saiba mais Podemos afirmar que o processo educativo no Antigo Egito tinha as seguintes características: Mnemônica. Baseada na escrita (hieróglifos). Transmitida autoritariamente. Calcada na obediência e na disciplina: percepção do castigo como eficaz para o processo de aprendizagem. Uso de livros e textos de literatura sapiencial (preceitos comportamentais e conselhos de sabedoria prática). Processo sistemático (com começo, meio, fim e objetivos). Institucionalizada, inicialmente sem locais rigidamente especificados para a sua transmissão, mas a ideia de escola já bem consolidada. Existência de um encarregado pela educação (escriba ou sacerdote). Educação de classes, portanto com conteúdos adequados aos diferentes objetivos ( intelectuais ou práticos ), ou seja, conteúdos adequados à classe dominante (formação do homem político, de escribas e altos funcionários) e conteúdos adequados ao povo (formação de artesãos e formação de guerreiros). Resumidamente, podemos afirmar que a educação no Antigo Egito primava pelo desenvolvimento da fala, no sentido da arte da oratória, da obediência e da moral. Isso acontecia dentro de um rígido regime disciplinar em que a punição e o castigo eram frequentemente utilizados para quem não aprendia corretamente. 3.2 Ascensão social por meio do ofício de escriba O escriba do Antigo Egito era um perito na escrita em um tempo e lugar em que bem poucos detinham esse conhecimento. Além de funcionário da administração, ele era mestre dos filhos das castas dominantes, e também dos filhos dos reis e faraós. A profissão de escriba se apresentava aos jovens, e à sociedade em geral, como extremamente promissora e vantajosa, portanto, era claramente uma forma de ascensão social. Assim, lemos em Manacorda: Quanto ao escriba, ele nunca sairá do bem-estar, e em qualquer lugar onde ele morar não haverá mais necessidade. (Manacorda, 2004) 20

5 A literatura disponível nos informa que a ideia de trabalho manual como sendo um trabalho menor, inferior e desgastante em contraposição com o trabalho intelectual, especialmente do escriba, parece ser bastante comum, como nos informa a passagem abaixo, recolhida do trabalho de Manacorda: Nunca vi um cortador de pedras enviado como mensageiro, nem um ourives. Mas vi o ferreiro em seu trabalho, à boca da fornalha, fedendo mais do que ovas de peixe. Nessa passagem há, claramente, um repúdio às profissões artesanais, ao trabalho manual, enquanto que na passagem seguinte observamos um enaltecimento à profissão de escriba: Mostrar-te-ei sua verdadeira beleza: ela (a profissão de escriba) é a maior de todas as profissões e não existe outra semelhante a ela neste país. (...) Eis que não existe nenhuma profissão sem que alguém te dê ordens, exceto a de escriba, porque é ele que dá as ordens. Se souberes escrever, estarás melhor do que nos ofícios que te mostrei. (...) Sê escriba: este ofício salva da fadiga e te protege contra qualquer tipo de trabalho. Por ele evitas carregar a enxada e a marra e dirigir um carro. Ele te preserva do manejo do remo e da dor das torturas, pois te livra de números, patrões e superiores. (...) O homem sai do seio de sua mãe e corre para o seu patrão. Mas o escriba chefia todos os tipos de trabalho neste mundo. (...) Sê escriba para que teu corpo se conserve liso e tuas mãos logo não se cansem e, assim, tu não queimes como uma lâmpada. (apud Manacorda, 2004) Em uma sociedade como a egípcia, fortemente marcada pelas desigualdades sociais e com pouca mobilidade social, estes relatos podem nos indicar que dominar a escrita e o conhecimento eram formas de ascender socialmente. Já encontramos, portanto, na antiguidade egípcia elementos que nos mostram que o sábio, o intelectual ou aquele que detém o conhecimento é sempre diferenciado em relação aos demais. Percebemos, também, que deter conhecimentos é uma forma de exercer o poder sobre os outros. 4 EDUCAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA NA ANTIGUIDADE GREGA Inicialmente, devemos esclarecer que o termo Antiguidade Clássica refere-se a um período da história humana, que aconteceu especificamente na Europa, portanto, quando falamos em Antiguidade Clássica, estamos nos referindo aos acontecimentos que se desenrolaram na Europa, na Grécia e em Roma. Este período compreende o século VIII a.c. e se estende até, aproximadamente, o século V d.c. Esta periodização, que é feita muito mais no sentido didático, coloca como marco do início deste período o surgimento, na Grécia, da poesia de Homero e, como marco do final do período, a queda do Império Romano no ano 476 da era cristã. Como já indicamos anteriormente, o Egito foi o berço cultural de nossa civilização, que por sua vez é herdeira dos ideais greco-romanos no que se refere ao conhecimento, à ciência e à cultura. Dos povos da Antiguidade, foram os gregos e os romanos que tiveram maior influência na formação da civilização ocidental. Portanto, é fundamental entendermos estas civilizações. 21

6 Unidade II 4.1 A Grécia Nosso mundo atual tem muito em comum com o universo dos gregos antigos. Vários conceitos que usamos diariamente são herdados dos gregos, como, por exemplo, os conceitos de cidadania e democracia. Foram os gregos que inventaram os jogos olímpicos, criaram a filosofia e estabeleceram os fundamentos da ciência e do teatro. A Grécia ainda é considerada o berço da Pedagogia. Produziu filósofos conhecidos e populares até os dias de hoje, como Sócrates, Platão e Aristóteles, além dos sofistas que tiveram influência decisiva na profissionalização da educação. Para entendermos o pensamento educacional na Grécia clássica, é fundamental que possamos vislumbrar os traços característicos de sua cultura e sociedade. Luzuriaga, buscando compreender estes traços, nos informa que a cultura grega pode, resumidamente, ser pensada a partir dos seguintes princípios: Descobrimento do valor humano independentemente de autoridade religiosa ou política. Reconhecimento da razão e da inteligencia crítica ausente de dogmas. Criação da ordem, da lei, do cosmos, tanto na natureza como na humanidade. Criação da vida cidadã, do Estado e da organização política. Criação da liberdade individual e política dentro da lei e do Estado. Invenção da poesia épica, da história, da literatura dramática, da filosofia e das ciências físicas. Reconhecimento do valor decisivo da educação na vida social e individual. Consideração da educação humana em sua integridade: física, intelectual, ética e estética. O princípio da competição e seleção dos melhores, na vida e na educação. Do ponto de vista social, sabemos que em todo tempo e lugar a expansão das atividades comerciais e de conquista gera profundas desigualdades sociais. Na Grécia isto não foi diferente e as desigualdades se tornaram mais acentuadas com a consolidação da propriedade privada e com a introdução da escravidão. Desta forma, os processos educativos vão se estabelecendo em conformidade com as classes sociais, mas devido aos valores culturais desenvolvidos entre os gregos, já há uma tendência para a existência de uma educação mais democrática. Os valores culturais desenvolvidos pelos gregos permite formar uma visão de mundo muito diferente dos outros povos da antiguidade. Enquanto estes povos baseavam suas vidas debaixo da obdiência cega à religião, aos deuses ou às autoridades teocráticas, os gregos, ao contrário, colocavam a razão humana como um instrumento que pudesse servir ao próprio homem. Os gregos não se submetiam aos sacerdotes nem se humilhavam diante dos deuses, pois tinham o homem como o ser mais importante do universo. A religião era politeísta e Zeus ocupava o primeiro lugar na hierarquia, 22

7 conhecido como deus do trovão. Apolo era o deus do sol, Athenas era a deusa da guerra e das atividades domésticas e Hades era o deus do mundo do além. Mas nada neste modelo religioso apontava para um possível rebaixamento do homem. Os deuses eram expressões das forças e formas do próprio homem ou da natureza. Para fins didáticos, podemos dividir a história da educação grega da seguinte maneira: Período Homérico ( a.c.) Corresponde à Educação Heroica, Cavalheiresca, fase retratada pelos poemas de Homero: Ilíada e Odisseia. Período Arcaico ( a.c.): Fase da formação das cidades-estado (polis). Introdução da escrita, da moeda e da lei. Corresponde à Educação Cívica (Atenas e Esparta). Período Clássico ( a.c) Apogeu da civilização grega. Corresponde à Educação Clássica, humanista e é representada especialmente por Sócrates, Platão e Aristóteles. Período Helenístico ( a.c.) Fase da decadência da Grécia. Corresponde à Educação Helenística, enciclopédica. Como podemos perceber, o período intitulado de Antiguidade Clássica grega é muito longo, portanto a educação, bem como a sociedade, assumiu formas diferentes no decorrer do tempo. Em Esparta, por exemplo, a educação assume um papel de preparação para a guerra, enquanto que em Atenas assume um papel mais intelectual. Vejamos mais detalhadamente como se processou a educação nestes diferentes períodos: O Período Homérico e a Educação Heroica ou Cavalheiresca A Educação Heroica ou Cavalheiresca do Período Homérico tem sua origem e base em dois poemas épicos atribuídos a Homero: Ilíada e Odisseia. Os gregos deste período não tinham o domínio da escrita, portanto o processo educativo se realizava a partir da tradição oral, especialmente por meio das rapsódias Ilíada (narrativa sobre a guerra de Troia) e Odisseia (narrativa sobre a volta de Ulisses à Grécia). Estes dois grandes poemas épicos serão redigidos sob a forma escrita entre os séculos IX e VIII a.c. Estes poemas influenciaram, de forma marcante, toda a educação e cultura clássica, grega e romana. A Leitura e o estudo eram obrigatórios na educação básica da Grécia e, mais tarde, no Império Romano. Estes poemas influenciaram os autores clássicos do mundo todo e podem ser considerados como fundadores da literatura ocidental. 23

8 Unidade II Estes poemas dominaram o processo educativo na Grécia, divulgando ideais que perpassaram a cultura grega, atingindo o patrimônio romano. Mas o que estes poemas tinham de tão especial? Quais ideais foram espalhadas pela cultura grega e romana? Na verdade, estes poemas tratam das venturas e desventuras de heróis que servem de modelos permanentes para a juventude. Seus heróis mais importantes, como Aquiles e Ulisses, atravessaram os séculos. Estes heróis são modelos de virtude, honra, superioridade, conquista dos objetivos, apesar dos mais temidos obstáculos, coragem, perseverança e cumprimento do dever. Os feitos heroicos destes personagens são aprendidos de memória pelas crianças e detalhadamente anlisados pelos jovens. Como esta é uma sociedade dos tempos heroicos e guerreiros, o ideal da educação desta época se estabelece em estreita relação com os ideais e as aspirações da sociedade. Portanto, neste período, a educação, chamada de Heroica ou Cavalheiresca, é fortemente alicerçada nos conceitos de honra e valor, no espírito de luta e sacrifício, bem como nas capacidades e nos feitos individuais. Percebe-se, porém, mais claramente, o ideal educativo grego Arete. Arete: o conceito que originalmente exprime o ideal educativo grego é o de arete. Originalmente formulado e explicitado nos poemas homéricos, a arete é entendida como um atributo próprio da nobreza, um conjunto de qualidades físicas, espirituais e morais, tais como a bravura, a coragem, a força, a destreza, a eloquência, a capacidade de persuasão, ou, em uma palavra, a heroicidade. Homero enaltece qualidades capazes de dotar o homem de superioridade. A Ilíada é recheada de episódios cujo conteúdo prima pela capacidade que tem o herói de se sobressair, de estar entre os primeiros. Portanto, uma característica fundamental da educação é o espírito de superioridade. Ser o melhor, superar os outros, é um ideal que norteia todo o precesso educativo grego deste período. Na Ilíada é possivel perceber a importância atribuída às duas outras capacidades: a capacidade de pronunciar discursos, ou seja, de possuir uma boa retórica, e a capacidade de ser valente, suficientemente, para realizar intervenções e ações militares. Isto é, a capacidade para falar e para agir, ou seja, a capacidade de intervir na política e de fazer a guerra. Podemos perceber que durante este período a educação visava ao preparo para a Guerra e para a capacidade de falar com facilidade. Este treinamento obviamente não era destinado a todos. A educação formal e institucionalizada ainda não existia. Não sendo pública nem gratuita a educação tinha um caráter elitista. Era ministrada nos palácios ou castelos dos nobres, onde se recebia uma formação integral que incluía atividades físicas, manejo de armas, arco e flecha, exercícios militares, a arte da caça, da música, da dança e do canto, história e poesia. Em Luzuriaga encontramos a seguinte referência de Dilthey em relação à educação do jovem no período homérico: 24 Largos espaços para exercícios físicos, o que devia cultivar não só a força, mas a beleza; os jogos festivos nos quais elas se demonstravam; o ensino de poesia e canto, acompanhado de instrumentos musicais; os relatos e as memórias de Homero; as leis, a sabedoria vital depositada em poesias morais; bem como os elementos com os quais se cultivava o jovem grego para estar preparado para a guerra e para a eloquência das assembleias. (Luzuriaga, 2001)

9 A educação tinha, sobretudo, a função e o objetivo de fazer com que o jovem assimilasse os valores da sociedade, ou seja, o espírito de superioridade, a habilidade de falar e de se expressar e a valentia para agir. O Período Arcaico e a Educação Cívica No final do período homérico, por volta de 800 a.c., ocorreram grandes mudanças na vida política, social, cultural e econômica dos gregos. Dentre estas mudanças podemos citar: o desenvolvimento das chamadas cidades-estado, as polis; o desenvolvimento da racionalidade e da reflexão em detrimento do mito; a utilização da escrita; o uso da moeda; a elaboração de leis escritas por legisladores; e o aparecimento dos primeiros filósofos. Neste período ocorre o que muitos autores denominam de Educação Cívica, ou seja, uma educação para a cidadania, capaz de formar bons cidadãos comprometidos com os interesses de suas sociedades. As cidades-estado mais conhecidas foram Esparta e Atenas e normalmente são muito citadas para exemplificar modelos educacionais que são antagônicos entre si, mas que estão de acordo com o ideal de homem e de sociedade pensados por elas. Neste momento, ocorre um alargamento do ideal educativo arete, que passa a ser denominado kaloskagathia. O ideal educativo, denominado kaloskagathia, buscou atingir mais do que a honra e a glória contidos no arete, pois pretendia-se, além disto, alcançar a excelência física e moral. Os atributos que o homem devia procurar realizar eram: a beleza (kalos) e a bondade (kagatos). Para alcançar este ideal, foi proposto um programa educativo que implicou dois elementos fundamentais: a ginástica para o desenvolvimento do corpo, e a música (aliada à leitura e ao canto) para o desenvolvimento da alma. Ao final da época arcaica, este programa educativo completava-se com a gramática e, posteriormente, trensformou-se na paideia. O modelo de educação em Esparta A sociedade espartana é muito comumente identificada como sendo composta por um povo guerreiro, de modos rudes e de pouca cultura. A verdade é que, em virtude das conquistas políticas, os espartanos tinham que manter os povos conquistados com punhos de aço e, para tal, todos os cidadãos foram convertidos em soldados. Desta forma, Esparta vive um clima de constante estado de guerra, o que impõe a necessidade de um Estado forte que controle e discipline totalmente os indivíduos. A forma de governo que se estabelece é próxima ao que conhecemos como sendo um governo totalitário. Neste tipo de sociedade era necessário que a educação fosse calcada na severidade e na disciplina. Neste sentido, a educação espartana era essencialmente militar, embora os esportes e a música também fossem incentivados. Nos esportes, por exemplo, Esparta alcançou grandes feitos e vitórias, especialmente aqueles relacionados às necessidades militares, enquanto que as atividades artísticas ficaram visivelmente comprometidas. 25

10 Unidade II O modelo de heroísmo homérico, que visava aos feitos individuais, foi aos poucos sendo substituído pelo heroísmo do amor à pátria. A figura do guerreiro individual dos tempos homéricos foi cedendo espaço para a formação do soldado pronto para o combate e pronto para seguir o ideal coletivo do Estado que a todos subordina. Portanto, a educação espartana estava sob o controle absoluto do Estado. A intervenção do Estado era tanta que foi decretado o sacrifício do recémnascido que não fosse suficientemente sadio e robusto, ou seja, que pudesse se transformar no guerreiro pretendido por Esparta. Curiosidade: Ao contrário dos atenienses, os espartanos não eram dados a refinamentos intelectuais nem apreciavam os debates e os discursos longos. A palavra lacônico, que significa maneira breve e concisa de falar ou escrever, deriva da Lacônia, região em que viviam os espartanos. A educação da criança, especialmente do menino após os sete e até os vinte anos de idade, é realizada diretamente pelo Estado. 26 Saiba mais Giles (2006) nos faz o seguinte relato: Poucos dias após o nascimento, o filho é inspecionado por um conselho de anciões. Estes decidem se o menino deve viver ou morrer. A decisão depende de o menino ser sadio e forte ou doente e frágil. No segundo caso, será exposto até morrer. No caso de a decisão se pela vida será entregue à mãe até os sete anos de idade. A ela compete enrijá-lo por meio de práticas, tais como o jejum compulsório, criando-o de maneira que seja totalmente destemido. Aos sete anos de idade, em nome dos conselhos de governadores, o menino será entregue aos cuidados da escola oficial do Estado, pois a frequência à escola é compulsória e, até mesmo, condição imprescindível para o reconhecimento da cidadania e a outorga de qualquer assistência por parte do Estado. Entretanto, todo ensino destina-se a formar o soldado indômito. Ao ingressar na escola, o menino recebe uma cama de palha, sem cobertor, e uma camisola curta. Deve andar descalço. Para acostumar-se a passar fome em tempo de guerra só recebe o mínimo de comida. O resto ele deve conseguir como pode. Deve, pois, aprender a roubar. É o meio de desenvolver a astúcia. Só que, se for apanhado em flagrante, será severamente castigado por falta de habilidade. O castigo para qualquer falta contra a disciplina será a flagelação com o chicote. Ademais, haverá periodicamente a chamada prova do chicote. Esta se realiza diante do altar, em que o menino apanha até verter sangue. A prova se realiza na presença dos pais e dos parentes dos alunos. Estes o animam para que se mantenha corajoso e demonstre a devida resolução. O medo de decepcionar os pais e parentes leva muitos alunos a suportar a prova até a morte. Uma vez por ano dava-se a licença de empreender o combate mortal. Podia-se matar qualquer escravo ou servo com a finalidade de aprender a matar antes de enfrentar o campo de batalha. Na escola, os exercícios comuns são a corrida, o salto, a natação, o arremesso de disco, a caça e a luta livre. O objetivo de tal formação é embrutecer ao máximo o jovem aspirante. Segundo Luzuriaga (2001), a educação da mulher também era preocupação do Estado. A formação destinada a elas era parecida com a dos homens, mas se fazia com a intenção de prepará-las o mais adequadamente possível para gerarem os filhos de Esparta:

11 Exercita-se os corpos das donzelas no correr, lutar, arremessar o disco e atirar com o arco para que a concepção dos filhos, em corpos robustos, brotasse com mais força... proscrevendo, por outro lado, a comodidade, o resguardo e toda delicadeza feminina, acostumou as moças a apresentar-se nas reuniões desnudas como os mancebos. (Luzuriaga, 2001) O modelo de educação em Atenas Muito diferente do que se estabeleceu em Esparta foi o modelo de educação estabelecido em Atenas. Enquanto Esparta se preocupou com a formação do patriota guerreiro, Atenas se preocupou com a formação do homem livre. Estes modelos de educação tão antagônicos estão profundamente relacionados com o tipo de sociedade vigente em cada um deles. Como vimos, Esparta precisava de uma educação militarista, rígida e disciplinada, para manter os povos conquistados. Entretanto, a sociedade ateniense se tornou uma sociedade democrática. De fato, Atenas é considerada o berço da democracia. Este tipo de governo e sociedade, por não prescindir de uma formação militarista, têm outros anseios e outras necessidades, muito diferentes dos anseios e necessidades de uma sociedade fortemente militarista. A democracia se estabeleceu em Atenas, com a queda da tirania, quando ocorreu uma verdadeira guerra entre os que defendiam a oligarquia, liderados por Isagoras, e os que defendiam a democracia, liderados por Clistenes. Venceu Clistenes e a democracia. Esta vitória provocou mudanças que provavelmente são muito responsáveis pelo desenvolvimento experimentado por Atenas. Entre estas mudanças, houve um vasto programa de reformas políticas, no qual foi possível estender os direitos de participação política a todos os homens livres nascidos em Atenas: os cidadãos. Desse modo, consolidava-se a democracia ateniense. Apenas 10% dos habitantes da cidade eram considerados cidadãos, portanto, só estes possuíam os direitos políticos conquistados. Desta forma, Atenas, que possuía 400 mil habitantes, pemitiu a participação de apenas 40 mil cidadãos, excluindo a maior parte da população de participar da vida política e pública. Eram excluídos os estrangeiros residentes em Atenas, os escravos e as mulheres. Por volta do século V a.c. a democracia foi consolidada em Atenas e a cidade viveu um clima de efervescência artística e literária. Pisístrato e seus filhos foram patronos ardorosos das artes e atraíram artistas e poetas estrangeiros para obras de embelezamento e concursos musicais e poéticos. As preocupações da sociedade ateniense eram muito voltadas para o desenvolvimento artístico e cultural de seu povo, o que levou à formação de uma civilização de forte tendência intelectual, artística e cultural. Atenas foi uma sociedade que desenvolveu o teatro, a filosofia e a arquitetura. Sendo, até os dias de hoje, referência na arquitetura, na qual podemos destacar obras como os templos erguidos em homenagem aos deuses, principalmente à deusa Atena, protetora da cidade. Em Atenas floresceu uma vida urbana muito mais plena, que contrastava com Esparta, onde os homens viviam muito mais em aldeias e acampamentos se preparando para as guerras. 27

12 Unidade II A educação em Atenas, em conformidade com este modo de vida, possuía um enfoque muito mais social do que estatal. Obviamente esta educação segue alguns parâmetros que são comuns por toda a Grécia como o ensino de educação física e música. Os ideais educacionais do arete e kaloskagathia foram ultrapassados e se transformaram em paideia. Saiba mais Paideia: enquanto os ideais educacionais do arete e kaloskagathia tianham como foco a formação do homem individual, a partir do século V a. C., a educação precisou dar conta de uma outra realidade, que era a formação do cidadão. A educação baseada apenas na ginástica, na música e na gramática não é suficiente. Neste momento, o ideal educativo grego aparece como Paideia, cujo foco essencial era a formação geral capaz de construir o cidadão pretendido. Platão definiu paideia da seguinte forma (...) a essência de toda a verdadeira educação ou paideia é a que dá ao homem o desejo e a ânsia de se tornar um cidadão perfeito e o ensina a mandar e a obedecer, tendo a justiça como fundamento. Jaeger nos informa, ainda, que os gregos deram o nome de paideia a todas as formas e criações espirituais e ao tesouro completo da sua tradição, tal como nós o designamos por Bildung ou pela palavra latina, cultura. Daí que, para traduzir o termo paideia, não se pode evitar o emprego de expressões modernas como: civilização, tradição, literatura, ou educação; nenhuma delas coincidindo, porém, com o que os Gregos entendiam por Paideia. Cada um daqueles termos se limita a exprimir um aspecto daquele conceito global. Para abranger o campo total dos conceitos gregos, teríamos de empregá-los todos de uma só vez. (Jaeger, 1995) Podemos perceber que o conceito de paideia é muito amplo e abrangente, reunindo em si os termos arete e kaloskagathia, e indo além deles. Não é exclusivamente uma técnica para ensinar a criança a ser adulto. Na verdade é muito maios do que isto. Este conceito serve também para especificar o resultado do processo educativo, ou seja, aquilo que o processo educativo consegue fazer pelo homem. Se pudéssemos imaginar um ser humano que nunca tivesse tido contato com nenhum processo educativo, provavelmente nos depararíamos com um ser no nível do animal, pois, o homem não nasce homem, ele precisa aprender o que é ser um ser humano. O resultado do processo educativo, portanto, se prolonga por toda vida, muito para além dos anos escolares. Também em Atenas existia o costume de sacrificar os filhos que não eram fortes e sadios, entretanto esta era uma decisão exclusiva do pai e não do Estado. Saiba mais Giles (2006) nos faz o seguinte relato da educação ateniense. Aos sete anos de idade, sob os cuidados do pedagogo, todo cidadão ateniense livre enviava o filho a três tipos de escola elementar: Palestra ou Escola de Ginástica, Escola de Música e Escola de Escrita. O local de funcionamento variava, algumas vezes funcionando ao ar livre, em algum canto de rua ou de templo, outras em alguma loja alugada, ou mesmo à sombra de algum monumento público. A instrução começava logo cedo e durava até o pôr-do-sol. (...) Além de visar ao 28

13 desenvolvimento do senso estético do menino, a música ensinava o sentido de participação, seja por meio de concursos, de festivais religiosos, como também por meio de declamações públicas de poesia. Por meio do ritmo e da harmonia, a música ensina o menino a ser mais gentil, a ser gracioso e harmonioso e, portanto, a ser útil para a coletividade e para si. A música lhe ensina a evitar tudo o que é indecente na fala e no agir, a praticar a temperança e a moderação. Na escola de Escrita o menino aprendia a escrever tanto a letra formal como a letra cursiva. A evolução do alfabeto que se processou no século V a.c, em Atenas, é de importância incalculável para o processo educativo. (...) O aluno iniciava por copiar as letras individuais para depois combiná-las em sílabas e, enfim, decorava palavras inteiras. (...) A leitura era baseada nas obras de Homero, Hesíodo, Esopo, Tucídides, Focilíades, Sólon e em outras poesias em que se encontravam admoestações e ilustrações relativas à conduta, como também elogios e louvor aos homens distintos que o menino devia admirar e imitar. (...) Quanto à disciplina esta é severa. Dizia-se que o jovem que não tinha sido açoitado não tinha sido educado. O Período Clássico e a Educação Clássica Ou Humanista Durante o período clássico, Atenas se fortalece como centro da vida social econômica política e cultural da Grécia, em virtude do crescimento do comércio, da economia, do artesanato e das artes militares. Atenas viveu, ainda, durante este período, um processo de fortalecimento da ideia e do conceito de democracia. Esta democracia, que se fortalece na Grécia, é uma democracia direta, ou seja, não é estabelecida por eleição de representantes no governo, mas, sim, por meio da participação de todos no governo. Todos, desde que fossem cidadãos, tinham o direito de expor e defender em público suas ideias e opiniões sobre as resoluções políticas mais adequadas para a cidade. No entanto, para se exercer este direito, era necessário ter competência. Era necessário ter ideias e opiniões, além de ser versado na arte de falar em público de modo a convencer aos que escutavam. Com esta necessidade estabelecida, a educação foi buscar supri-la. A formação do cidadão pleno, capaz de unir virtude, beleza, força, intelectualidade, capacidade de persuasão e comprometimento social, se faz muito necessário em virtude do modelo de sociedade democrática. Para suprir esta necessidade surgem os sofistas. Mas quem são os sofistas? Os sofistas foram os primeiros educadores pagos da Grécia e cobravam altas taxas pelos ensinamentos que ministravam. Mas o que ensinavam os sofistas? Como neste período a maior necessidade pedagógica da Grécia era a habilidade na política, os sofistas se esmeravam no ensino da retórica, da arte de falar em público, da arte da persuasão, das técnicas que ajudavam os homens a defenderem suas opiniões. Mas não só. Os sofistas não eram filósofos, mas ensinavam tudo aquilo que fosse necessário: retórica, política, gramática, história, física e matemática. 29

14 Unidade II 30 No entanto, se esmeravam mesmo no ensino da Retórica, da arte da persuasão pela palavra. De fato, os sofistas perceberam que este era um grande filão para ser explorado, pois, o objetivo dos jovens políticos que eles treinavam era o de convencer o povo de que suas ideias e opiniões eram as melhores e mais eficazes, mesmo que não fossem. Como é possível perceber, os sofistas não estavam muito interessados na verdade. O que realmente interessava era convencer. Portanto, era necessário ter argumentos potentes e suficientes sobre qualquer assunto. Estes argumentos serviam, via de regra, para fazer parecer, por exemplo, que o pior fosse melhor, ou para provar que água era pedra. Os sofistas foram bastante criticados por Sócrates e seus seguidores, basicamente por dois motivos: por cobrarem por seus ensinamentos e por se considerarem sábios, pois, para Sócrates, os ensinamentos não deveriam ser cobrados e o verdadeiro sábio é aquele que reconhece sua própria ignorância. Existe uma célebre frase atribuída a ele: Só sei que nada sei. Esta frase exemplifica sua posição em relação à sabedoria. Podemos destacar os seguintes sofistas: Protágoras, Górgias, Hípias, Isócrates, Pródico, Crítias, Antifonte e Trasímaco e destes, os mais importantes são: Protágoras, Górgias e Isócrates. Eles tinham grande apreço pelo desenvolvimento do espírito crítico e pela capacidade de expressão. Duas frases famosas de dois destes sofistas devem ser registradas - a de Protágoras: o homem é a medida de todas as coisas; daquelas que são enquanto são; daquelas que não são, enquanto não são, e a de Górgias: o bom orador é capaz de convencer qualquer pessoa sobre qualquer coisa. Apesar de os sofistas serem alvos de preconceitos é preciso que se afirme a grande importância deles. Se existiram sofistas enganadores, fúteis e gananciosos, existiram, também, os sérios, responsáveis, comprometidos com o ensino, como os citados acima. Eles foram os primeiros professores da história que se tem notícia; foram os primeiros a fazer do magistério uma profissão. Não foram cientistas nem filósofos, mas tiveram muita influência na cultura e na educação de seu tempo. Por meio de suas atuações, contribuíram para a sistematização da educação e para a difusão da filosofia de um grande número de pessoas das polis. Os sofistas não consideravam que a virtude, a arete, fosse patrimônio exclusivo da aristocracia, mas que deveria ser de todos, uma vez que era passível de ser transmitida e ensinada. Pedagogia e pedagogo: termos de origem grega A palavra pedagogo tem origem na Grécia. Etimologicamente o termo pedagogo é originário da palavra paidagogo sendo que paidós significa criança e agodé significa condução. Tomada ao pé da letra a palavra significa aquele que conduz crianças. Na Grécia Antiga, os paidagogos eram escravos encarregados de acompanhar as crianças em diversos locais, especialmente até o local de estudos. O paidagogo sempre carregava uma lamparina, para qualquer eventualidade e, especialmente, para iluminar o caminho. Além de conduzirem as crianças, os paidagogos também tinham a função de transmitir ensinamentos e cultura. Com o tempo, o termo passou a ser utilizado para significar as reflexões feitas em torno da educação. Portanto, a Grécia Clássica pode ser considerada o berço da pedagogia, pois é justamente aí que vão ocorrer as primeiras reflexões em torno dos processos educativos.

15 O dia de uma criança grega Mal o dia surgia, o rapaz acordava e o pedagogo, com a sua lanterna, o ajudava a lavar-se e a vestir-se. Após a refeição da manhã, o pedagogo acompanhava o rapaz à palestra na qual ia aprender música e ginástica. Depois de um banho, o rapaz regressava à casa para almoçar. À tarde regressava novamente à palestra para ter lições de leitura e escrita. De regresso à casa, e sempre acompanhado pelo pedagogo, o rapaz estudava as suas lições, fazia os trabalhos de casa, jantava e ia deitar-se. Não existiam fins de semana nem férias, exceto os frequentes dias de festivais religiosos ou cívicos, que constituíam bons dias de descanso para os jovens gregos (Castle, 1962). Foi durante o Período Clássico que surgiram os filósofos, tanto que este período também é identificado com Período Socrático (séculos V a IV a.c.), marcado pela influência de três grandes filósofos: Sócrates, Platão e Aristóteles. Período Socrático O Período Socrático tem início com os sofistas e os filósofos Sócrates, Platão e Aristóteles, bem como com as disputas políticas e conflitos de ideias provocadas pelas ações destes homens. Sócrates rivalizava visivelmente com os sofistas. Neste período há o desabrochar da filosofia, bem como das ideias pedagógicas, sendo que Platão e Aristóteles são considerados dois grandes clássicos da pedagogia grega, tendo exprimido suas ideias educacionais em suas monumentais obras filosóficas. Sócrates Dissemos já que os primeiros educadores profissionais da Grécia foram os sofistas, mas Sócrates é considerado o grande educador espiritual. Seja como filósofo ou como pensador, Sócrates foi, antes de tudo, um educador. Nascido em Atenas no ano de 469 a.c. Sócrates não era de família nobre, seu pai era escultor e sua mãe era parteira. Nasceu pobre e pobre morreu, apesar de frequentar a melhor sociedade da época. Embora tenha tido uma vida exemplar, participando de atividades políticas e militares da Grécia, seus grandes feitos e realizações se encontram na área intelectual. Foi um dos maiores pensadores e filósofos 31

16 Unidade II de toda a Grécia, influenciando gerações e gerações de pensadores no mundo todo até os dias atuais. Apesar de sua enorme influência sobre todos os homens da época e de sua enorme cultura, não ficou rico nem ocupou cargos importantes. Xenofonte, grande historiador grego, citado por Luzuriaga (2001) faz a seguinte afirmação: Todos os discípulos sentimos-lhe a falta, porque era o melhor no cuidado da virtude, piedoso, pois em todo obrava segundo o pensamento dos deuses; justo, pois foi o mais proveitoso para quantos com ele trataram; continente, pois nunca preferiu o excelente; prudente, pois não se enganou ao julgar o bom e o mal; capaz de juízo, de conselho e de repreensão para os que se equivocavam. Por tudo o que era considerado o melhor e mais feliz dos homens. Assim como os sofistas, Sócrates utilizava as palavras faladas, o discurso e o diálogo em suas atividades educacionais e, assim como eles, acreditava que a virtude deveria se ensinada a todos. Mas, se Sócrates concordava com algumas ideias pedagógicas dos sofistas, discordava de outras. Discordâncias entre Sócrates e os sofistas: Ao contrário dos sofistas, Sócrates não concordava que a educação fosse uma profissão remunerada, utilitária. A educação não deveria ser de caráter prático nem de proveito pessoal, mas deveria, antes, ser de tipo espiritual e moral. Os sofistas usavam o diálogo em seus ensinamentos para impor ideias ou para fins egoístas. Sócrates, ao contrário, usava o diálogo para conduzir à descoberta da verdade. Os sofistas não se preocupavam com as ideias morais, enquanto que, para Sócrates, a moral, a virtude e a ética deveriam ser o cerne da educação e da vida. As ideias socráticas foram extremamente inovadoras na educação. Com Sócrates o domínio da razão e a racionalidade adquire nova importância. Sócrates percebe que, para o ensino ser eficiente, é necessário ensinar a pensar. O método de Sócrates é basicamente o diálogo em dois momentos: a ironia e a maiêutica. A respeito de Sócrates, lemos em Luzuriaga (2001) a seguinte afirmação extraída de Dilthey: Sócrates foi um gênio pedagógico sem igual na antiguidade. (...) com ele se introduz um elemento inteiramente novo na história da educação: a penetração no mais profundo da juventude. Nele estavam indissoluvelmente unidos o Eros platônico, o amor pedagógico, a intenção de liberar pela conversação os conceitos que se achavam no espírito e a tendência de fazer do saber e das verdades a diretriz da ação. Que grande foi a sedução que exerceu! 32

17 Platão Platão foi um dos mais importantes discípulos de Sócrates. Também nasceu em Atenas, mas, diferentemente do mestre, era de uma família ilustre. Enquanto Sócrates foi o primeiro educador da Grécia, alguns autores admitem que Platão tenha sido o fundador da teoria da educação, ou seja, da pedagogia, pois Platão se destacou muito mais pela reflexão pedagógica do que pela atividade educativa. A educação para Platão Platão considerava que a educação deveria ser obrigação do Estado, bem como admitia que a mesma deveria ser universal e igual para homens e mulheres. Para Platão, o processo educacional deveria ser algo longamente elaborado para que o indivíduo fosse suficientemente preparado e a educação teria que ser capaz de revelar os talentos do indivíduo. Os conteúdos ministrados na educação básica, por exemplo, deveriam ter o objetivo de desenvolver o equilíbrio do corpo e do espírito e, para tal, as crianças deveriam ser privadas do convívio com os pais e enviadas ao campo, em função da influência negativa que a família podia exercer. A ginástica, que deveria se iniciar na infância e se estender por toda a vida adulta, fazia parte do programa de educação pensado por Platão e deveria ser composta de exercícios de caráter militar, além de jogos, lutas, corridas, esgrima, arremesso e arco e flecha. Mas deveria ser uma maneira de complementar a formação do caráter e da personalidade. Portanto, Platão não entendia a ginástica como forma de incentivar a competição nem de alcançar a melhoria da forma física, pois esta podia até ser uma consequência, porém nunca deveria ser seu objetivo. A música também deveria ser ensinada na medida em que favorecesse o desenvolvimento do espírito, o desejo pelo belo e a repulsa pelo feio. Luzuriaga (2001) nos informa que: Como em toda educação helênica, Platão considera a ginástica e a música instrumentos essenciais; assina-lhes, contudo, papel mais amplo que na educação tradicional. Na ginástica inclui não só os exercícios físicos e a higiene, mas ainda a formação do caráter, o cultivo do valor; enquanto a música compreende ainda a dança e o canto, as letras e, pela primeira vez, a matemática. Umas e outras, todavia, a serviço do espírito. Os deuses, diz Platão, fizeram aos homens o presente da música e da ginástica, não com o fito de cultivar a alma e o corpo (pois, se este colhe alguma vantagem, é apenas indiretamente), mas, para cultivar só a alma e nela aperfeiçoar a sabedoria e o valor. Assim como para Sócrates, a finalidade da educação, para Platão, era a formação do homem moral, e o meio era a educação do Estado. Para tanto, o Estado deveria encarnar a ideia de justiça. 33

18 Unidade II Aristóteles Aluno e discípulo de Platão, Aristóteles considerava, tal como o mestre, que a educação deveria ser pública e ter como objetivo a virtude. Foi um grande filósofo, educador e pedagogo. Esteve aos seus encargos a educação de Alexandre Magno, filho de Filipe, Rei da Macedônia, iniciando aquilo que ficou conhecido como educação do príncipe. Para Aristóteles, era necessário ensinar o que é virtude, mas somente pela prática da mesma era possível realmente aprender o que esta é de fato. Apenas praticando a virtude nos tornamos virtuosos. Ninguém se torna virtuoso apenas por saber o que é virtude, ou seja, ninguém se torna bom apenas por saber a definição de bondade. Seremos mais bondosos quanto mais bondade praticarmos. Aristóteles, juntamente com seus discípulos do Liceu, procedeu a organização e sistematização de vários saberes (Botânica, Zoologia, Química, Psicologia etc.) Liceu foi uma escola de Ciência Política fundada por Aristóteles em 335 a.c. A escola localizava-se no bosque consagrado à Apolo Lício e, provavelmente, esta é a origim do nome Liceu. Atualmente várias escolas secundárias e estabelecimentos educacionais e culturais recebem esta designação. 34 Saiba mais Podemos destacar os seguintes aspectos na educação aristotélica: A educação deveria ser responsabilidade do Estado. A educação deveria ser a mesma para todos em todo solo grego. A lei deveria regular a educação e esta deve ser pública. A família deveria se responsabilizar pela educação na primeira infância (até os sete anos). A partir dos sete anos a educação deveria ser dividida em dois períodos: dos sete anos à puberdade e da puberdade aos vinte e um anos. A educação deveria ser composta de ginástica, música, letras e desenho. As duas partes essenciais eram a ginástica e a música: a ginástica para desenvolver a coragem e a música para desenvolver a moral. Período Helenístico: Educação Helenística / Enciclopédica No período helenístico ocorre a decadência das cidades-estado. Foi neste período que Alexandre Magno, Rei da Macedônia, conquistou a Grécia, colocando-a sob o seu domínio. Contudo, este também é um momento em que a cultura grega se amplia de tal maneira que se universaliza e se espalha para todo o mundo. Isto ocorre porque Alexandre admirava muito a cultura grega, inclusive havia sido

19 educado por Aristóteles e, em sua empreitada de conquistar o mundo, acabou difundindo-a de forma magistral. Na verdade o contato da cultura grega com as diferentes culturas do mundo, especialmente com o mundo oriental (Pérsia e Egito) gerou uma fusão cultural que passou a caracterizar o helenismo. Portanto, podemos pensar o helenismo como um período em que se processou uma mistura de diferentes culturas, principalmente a grega, a persa e a egípcia, mistura esta que foi difundida por todo o mundo. A educação particular, mantida com os pagamentos dos alunos, continua a existir, porém a educação pública se expande, passa a ser uma obrigação dos municípios e das cidades. Apenas a educação militar é que continua a cargo do Estado. Os conteúdos da educação continuam parecidos com os das épocas anteriores, contudo há uma diminuição da importância da educação física e dos aspectos estéticos, em geral, e uma valorização dos aspectos intelectuais. Nesta época, a paideia se transformou em enkyklios paideia (enciclopédia). A partir do método da memorização, a leitura, a escrita e o cálculo ganharam maior destaque em relação às outras épocas e a disciplina era muito rígida, inclusive adotando o uso de castigos corporais. No período helenístico, a divisão entre matérias humanistas e realistas foi estabelecida por meio do trivium (gramática, retórica e filosofia) e quadrivium (aritmética, música, geometria e astronomia). Resumindo Diferentemente do que acontecia na Pré-História, no Antigo Egito, a educação assumiu contornos mais condizentes com as necessidades sociais apresentadas pela sociedade, que era bem mais complexa. A educação foi se tornando cada vez mais formal, concentrou-se na arte da oratória, no treino da obediência e da moral (uso de literatura sapiencial), a partir de um rígido regime disciplinar em que a punição e o castigo eram frequentemente utilizados. Neste período surgiu a figura de um encarregado pela educação (escriba ou sacerdote), e o domínio do conhecimento passou a ser uma forma de ascensão social. Na Antiguidade Clássica Grega destacaram-se quatro diferentes períodos em que se impuseram quatro diferentes ideais de educação, a saber: o Período Homérico, correspondente à Educação Heroica ou Cavalheiresca; o Período Arcaico, correspondente à Educação Cívica, ou seja, uma educação para a cidadania; o Período Clássico, correspondente à Educação Humanista; e o Período Helenístico, que corresponde à Educação Helenística e/ou Enciclopédica. Na Grécia houve o desabrochar das ideias pedagógicas e educacionais mais fundamentais e que influenciaram a educação em todo o mundo ocidental. Estas ideias se iniciaram especialmente durante o Período Clássico, também conhecido como Período Socrático, com o surgimento dos sofistas e dos filósofos: Sócrates, Platão e Aristóteles. Guardada as devidas diferenças entre eles, estes filósofos consideravam que a educação deveria ter como objetivo a virtude e ser composta essencialmente pela ginástica e pela música. Além de ser pública e de responsabilidade do Estado. 35

20 Unidade II 36 EXERCÍCIOS: 1) Descreva as características do processo educativo do Antigo Egito. 2) Identifique, pelo menos, cinco valores presentes na cultura grega que influenciaram, diretamente, os rumos da educação da Grécia. 3) Explique o significado de Educação Heroica ou Cavalheiresca presente no Período Homérico. 4) Aponte as discordâncias entre as ideias pedagógicas de Sócrates e dos sofistas. 5) Explique o sentido de educação para Platão e para Aristóteles. Resolução dos exercícios: 1) Podemos fazer algumas generalizações em relação à educação no Antigo Egito: era uma educação mnemônica, repetitiva, baseada na escrita e transmitida autoritariamente do pai para o filho. O conteúdo específico girava em torno dos preceitos comportamentais e conselhos de sabedoria prática. A característica principal destes ensinamentos estava voltada para a formação do homem político. Portanto, os temas pedagógicos fundamentais são: educação para falar e obediência. Devemos entender que educação para falar refere-se ao exercício da oratória, fundamental na arte política do comando. Vale ressaltar que o processo educativo acontecia dentro de um rígido regime disciplinar em que a punição e o castigo para quem não aprendesse corretamente eram frequentemente utilizados. 2) De uma forma geral todos os valores culturais gregos influenciaram nos rumos e estabelecimento da educação na Grécia, no entanto podemos destacar como especialmente importantes: O reconhecimento da razão e da inteligência crítica ausente de dogmas religiosos. A criação da liberdade individual e política dentro da lei e do Estado. O reconhecimento do valor decisivo da educação na vida social e individual. A consideração da educação humana em sua integridade física, intelectual, ética e estética. O princípio da competição e seleção dos melhores, na vida e na educação. 3) A sociedade grega do Período Homérico é uma sociedade de tempos heroicos e guerreiros, portanto o ideal da educação desta época se estabelece em estreita relação com os ideais e as aspirações da sociedade. Assim, neste período, a educação, chamada de Heroica ou Cavalheiresca, é fortemente alicerçada nos conceitos de honra e valor, no espírito de luta e sacrifício, bem como nas capacidades e feitos individuais.

Unidade II HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO. Profa. Maria Teresa Papa Nabão

Unidade II HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO. Profa. Maria Teresa Papa Nabão Unidade II HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Profa. Maria Teresa Papa Nabão Educação, sociedade e cultura no antigo Egito Egito: berço de todas as civilizações; Os primeiros registros que temos acerca do Egito datam

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE I Educação Matemática e Ensino HISTÓRIA DA ESCOLA Quando e como surgiram as escolas? ESCOLA, do grego SKHOLE que significa LAZER EDUCAR, do latim

Leia mais

História da Educação. Profa. Dra. Andreia R. Simoni Saldanha

História da Educação. Profa. Dra. Andreia R. Simoni Saldanha História da Educação Profa. Dra. Andreia R. Simoni Saldanha Na educação clássica grega podemos reconhecer esboços de modelos teóricos, cognitivos, éticos e estéticos que dão origem a toda cultura oriental.

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE I Educação Matemática e Ensino HISTÓRIA DA ESCOLA Quando e como surgiram as escolas? ESCOLA, do grego SKHOLE que significa LAZER EDUCAR, do latim

Leia mais

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA Profº Alexandre Goicochea História ORIGENS O mundo grego antigo ocupava além da Grécia, a parte sul da península Balcânica, as ilhas do mar Egeu, a costa da Ásia Menor, o

Leia mais

A AUSTERIDADE DE ESPARTA PROFª TEREZA SODRÉ MOTA

A AUSTERIDADE DE ESPARTA PROFª TEREZA SODRÉ MOTA A AUSTERIDADE DE ESPARTA PROFª TEREZA SODRÉ MOTA A cidade-estado de Esparta, situada nas beiras do rio Eurotas, na região do Peloponeso, na Grécia, foi um dos fenômenos mais fascinantes da história em

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

Lista de Exercícios:

Lista de Exercícios: PROFESSOR(A): Ero AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DATA DA REALIZAÇÃO ROTEIRO DA AVALIAÇÃO 2ª ETAPA AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º CONTÉUDOS ABORDADOS Cap. 4: o mundo grego todos os temas Cap

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO Razão e educação no mundo antigo: a paideia Prof. Dr. Wilson Alves de Paiva Introdução Povos anteriores: concepção

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG LOCALIZAÇÃO E POVOAMENTO A Grécia antiga localizava-se em sua maior parte do sudeste da Europa

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 CURSINHO PRÓ-ENEM 2015 E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 Origens A história grega pode ser dividida em quatro grandes períodos: Homérico (séculos XII a VIII a.c.), Arcaico (séculos

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 1º Turma: Data: 26/03/2011 Nota: Professora: Élida Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Cidadania Democracia Filosofia Geometria Teatro Período Pré-Homérico (2800 1100 a. C.) povoamento da Grécia. Período Homérico (1100 800 a. C.) poemas

Leia mais

PROFESSOR: JORGE AUGUSTO MATÉRIA: HISTÓRIA 6º ANO

PROFESSOR: JORGE AUGUSTO MATÉRIA: HISTÓRIA 6º ANO PROFESSOR: JORGE AUGUSTO MATÉRIA: HISTÓRIA 6º ANO ASSUNTO: GRÉCIA ANTIGA VIDEOAULA: 15 POLÍTICA Politicamente, Esparta era baseada na oligarquia. Diarquia: formada por dois reis, com autoridade religiosa

Leia mais

GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO

GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO A CIVILIZAÇÃO GREGA Localização: Península Balcânica Condições geográficas: relevo acidentado, montanhoso e solo pouco fértil, isolava os vários grupos humanos

Leia mais

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.:

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Como o relevo

Leia mais

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Montanhas e costas marítimas; Mar Mediterrâneo, Mar Egeo e Mar Jônico. Costa bastante recortada com 80% de montanhas; Grande numero de Ilhas; Formação

Leia mais

Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2

Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 3ª Etapa 2014 Disciplina: História Professor (a): Rodrigo Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

EDUCAÇÃO FISÍCA PARA O CORPO E FILOSOFIA PARA A ALMA. RESUMO

EDUCAÇÃO FISÍCA PARA O CORPO E FILOSOFIA PARA A ALMA. RESUMO EDUCAÇÃO FISÍCA PARA O CORPO E FILOSOFIA PARA A ALMA. Albertino José da Silva 1 Anderson Alves da Silva 2 Faculdade Mauricio de Nassau 1 Universidade Estadual da Paraíba 2 RESUMO Analisaremos o ensino

Leia mais

Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente;

Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente; GRÉCIA ANTIGA Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente; Diferentes classes sociais; Escravos (produção); Aristocratas (representação mostra de superioridade e desenvolvimento para outros povos artes,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND ECONOMIA, SOCIEDADE E RELIGIÃO NA GRÉCIA ANTIGA: O HOMEM GREGO Prof.

Leia mais

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Cumprimentos Sobre a importância do tempo Desejos HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Introdução História reconstituição do passado, por meio de fatos relevantes, ordenados cronologicamente. A história

Leia mais

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA INTRODUÇÃO A História da Educação Física relaciona-se com todas as ciências que estudam o passado e o presente das atividades humanas e a sua evolução. O homem, condicionado

Leia mais

História da Educação. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365

História da Educação. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 História da Educação Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 Aula 1 14 fev. 2011 Apresentação dos conteúdos, estratégias, ementa, avaliação

Leia mais

Grécia Antiga. Profº Paulo Henrique

Grécia Antiga. Profº Paulo Henrique Grécia Antiga Profº Paulo Henrique Periodização Período pré-homérico (2800 1100 a.c.): povoamento da Grécia. Período homérico (1100 800 a.c): poemas Ilíada e Odisséia. Período arcaico (800 500 a.c) : formação

Leia mais

ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA

ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA FACELI FACULDADE SUPERIOR DE LINHARES DISCIPLINA DE HISTÓRIA DO DIREITO CURSO DE DIREITO / 1º DIREITO B ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA BARBARA LICIA JAMARA FERREIRA P. ARAUJO JANE SCHULZ

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

Era considerado povo os cidadãos de Atenas, que eram homens com mais de 18 anos, filhos de pais e mães atenienses.

Era considerado povo os cidadãos de Atenas, que eram homens com mais de 18 anos, filhos de pais e mães atenienses. Trabalho de Filosofia Mito e Filosofia na Grécia Antiga Texto 1 1- (0,3) Democracia quer dizer poder do povo. De acordo com o texto, quem era considerado povo em Atenas Antiga? Explique com suas palavras.

Leia mais

A partir da leitura do texto abaixo responda as questões 2 e 3: A SOCIEDADE EGIPCIA

A partir da leitura do texto abaixo responda as questões 2 e 3: A SOCIEDADE EGIPCIA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO DOS REIS SÉRIE/ANO:

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: ( x ) Fundamental ( ) Médio SÉRIE: _5ª_ TURMA: TURNO: DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSOR(A): Equipe de História Roteiro e Lista de recuperação

Leia mais

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias?

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias? O Mistério dos Maias O que aconteceu com os Maias? O que aconteceu com os Maias? A cultura dos Maias do Período Clássico era muito avançada. A sociedade Maia era muito estável. Eles desenvolveram arte,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 5 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ROTEIRO DA UNIDADE 05 FINALIDADE: Com esta UE você terminará de estudar

Leia mais

O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a

O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a IDEIAS A RETER SOBRE A GRÉCIA O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a 507) e mais tarde aperfeiçoadas

Leia mais

O que é História? A história é uma ciência que investiga o passado para poder compreender melhor o presente.

O que é História? A história é uma ciência que investiga o passado para poder compreender melhor o presente. EXERCÍCIOS DE REVISÃO COM RESPOSTAS PARA O EXAME FINAL HISTÓRIA 5ª SÉRIE O que é História? A história é uma ciência que investiga o passado para poder compreender melhor o presente. Existem muitas fontes

Leia mais

1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou

1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou 1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou dano de várias relíquias, obras e sítios arqueológicos

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Na orientação dessa semana faremos questões objetivas sobre filosofia política. II. Questões sobre Filosofia Política 1. Foi na Grécia de Homero que

Leia mais

HISTÓRIA REVISAO 1 REVISAO 2. Vídeo - Moisés Príncipe do Egito.

HISTÓRIA REVISAO 1 REVISAO 2. Vídeo - Moisés Príncipe do Egito. Vídeo - Moisés Príncipe do Egito. Os hebreus Foram os primeiros povos monoteístas da história. Seus reis mais famosos foram Davi e Salomão. A Bíblia é uma fonte importante para o conhecimento sobre a história

Leia mais

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos)

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) 3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) Questão (1) - A filosofia se constitui, a partir das concepções de Sócrates, Platão e Aristóteles, como o pensamento que investiga: a) A questão da dívida externa.

Leia mais

Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito *

Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito * Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito * 1. (Fatec) "A cidade-estado era um objeto mais digno de devoção do que os deuses do Olimpo, feitos à imagem de bárbaros humanos. A personalidade humana,

Leia mais

- Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha sobre o Descobrimento do Brasil. - Fotografias da posse do presidente do Brasil

- Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha sobre o Descobrimento do Brasil. - Fotografias da posse do presidente do Brasil MATERIAL DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL 6 ANO 1) Classifique as fontes listadas abaixo em primarias e secundárias: - Vídeo do atentado terrorista ao World Trade Center em 2001 - Trecho da Carta de Pero

Leia mais

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Sem limite para crescer! Resumo das aulas de Filosofia 1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Esses três filósofos foram os inauguradores da filosofia ocidental como a que

Leia mais

A arte na Grécia. Capítulo 3

A arte na Grécia. Capítulo 3 A arte na Grécia Capítulo 3 Por volta do século X a. C, os habitantes da Grécia continental e das ilhas do mar Egeu formavam pequenas comunidades, distantes umas das outras, e falavam diversos dialetos.

Leia mais

ANTIGUIDADE CLÁSSICA GRÉCIA

ANTIGUIDADE CLÁSSICA GRÉCIA ANTIGUIDADE CLÁSSICA GRÉCIA 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Território acidentado; Desenvolvimento do comércio e navegação; Descentralização política (Cidade-Estado); Modo de produção escravista; Contribuições

Leia mais

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino 1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino Contrapondo-se a Egípcia vida pósmortem. Arte grega fundamenta-se na inteligência Os governantes não eram deuses, mas seres mortais Usavam a razão e o senso de

Leia mais

CAPÍTULO: 5 AULAS: 9, 10, 11 e 12 GRÉCIA ANTIGA

CAPÍTULO: 5 AULAS: 9, 10, 11 e 12 GRÉCIA ANTIGA CAPÍTULO: 5 AULAS: 9, 10, 11 e 12 GRÉCIA ANTIGA INTRODUÇÃO Período: 2000 a.c. 146 a.c. Região: Península Balcânica: Solo pobre e montanhoso. Várias ilhas. Uso da navegação. ORIGENS Ilha de Creta. Vida

Leia mais

As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia

As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia A Arte: (faculdade da imaginação) De modo mítico e fantástico mediante a intuição e a imaginação, tende a alcançar objetivos que também

Leia mais

AULA DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA 14/09/2009 GRÉCIA. Localização Península Balcânica sudeste da Europa Território Relevo Acidentado 80% montanhoso

AULA DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA 14/09/2009 GRÉCIA. Localização Península Balcânica sudeste da Europa Território Relevo Acidentado 80% montanhoso AULA DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA GRÉCIA Localização Península Balcânica sudeste da Europa Território Relevo Acidentado 80% montanhoso ASPECTOS GEOGRÁFICOS Povos invasores formada por muitas ilhas a maior

Leia mais

PARNAMIRIM - RN. 6º ano Professores: Ricardo Gomes Verbena Ribeiro

PARNAMIRIM - RN. 6º ano Professores: Ricardo Gomes Verbena Ribeiro PARNAMIRIM - RN 6º ano Professores: Ricardo Gomes Verbena Ribeiro 1. CONTEXTO / INTRODUÇÃO Como vimos anteriormente, a Grécia, nada mais é do que o berço da cultura Ocidental, e como tal, nos deixou como

Leia mais

Avaliação de História 6º ano FAF *Obrigatório

Avaliação de História 6º ano FAF *Obrigatório 08/06/2015 Avaliação de História 6º ano FAF Avaliação de História 6º ano FAF *Obrigatório 1. Nome Completo: * 2. Número: 3. Série: * Marcar apenas uma oval. 6ºA 6ºB Na Grécia Antiga se desenvolveu uma

Leia mais

Escravismo Antigo. Baseado na liberdade que se tem. Dois grupos sociais: Desenvolvimento intelectual, artístico, militar e político

Escravismo Antigo. Baseado na liberdade que se tem. Dois grupos sociais: Desenvolvimento intelectual, artístico, militar e político Escravismo Antigo Estrutura econômica Escravos produzem maior parte da riqueza Estrutura social Baseado na liberdade que se tem. Dois grupos sociais: à Livres: Desenvolvimento intelectual, artístico, militar

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 1º Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

PROFª TEREZA SODRÉ MOTA

PROFª TEREZA SODRÉ MOTA PROFª TEREZA SODRÉ MOTA LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA PERIODIZAÇÃO PERÍODO PRÉ- HOMÉRICO Imigração indo-européia Formação da cultura creto-micênica. Primeira Diáspora grega =invasão dórica PERÍODO HOMÉRICO

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 6 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Observe a imagem. SHUTTERSTOCK Margem do rio Nilo no Egito Nas civilizações da Antiguidade, a presença dos rios é importante

Leia mais

PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS

PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS Alan Rafael Valente (G-CCHE-UENP/CJ) Douglas Felipe Bianconi (G-CCHE-UENP/CJ) Gabriel Arcanjo Brianese (G-CCHE-UENP/CJ) Samantha Cristina Macedo Périco (G-CCHE-UENP/CJ)

Leia mais

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano.

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano. Trabalho realizado por: Luís Bernardo nº 100 8ºC Gonçalo Baptista nº 275 8ºC Luís Guilherme nº 358 8ºC Miguel Joaquim nº 436 8ºC Índice; Introdução; As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império

Leia mais

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA PARA O HISTORIADOR GREGO HERÓDOTO: O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO DÁDIVA = PRESENTE SIGNIFICADO = Sem as cheias do Nilo, o Egito seria um grande deserto PARA O HISTORIADOR FRANCÊS JEAN

Leia mais

EGITO PA P SSADO E PR P ESENT N E T

EGITO PA P SSADO E PR P ESENT N E T EGITO PASSADO E PRESENTE VOCÊ SABE ONDE ESTÁ O EGITO? ÁFRICA O EGITO É UM PAÍS DO CONTINENTE AFRICANO NO PASSADO O EGITO ERA ASSIM... ATUALMENTE, O EGITO CHAMA-SE REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO. SUA CAPITAL

Leia mais

No século VII a. C., a cidade-estado de Esparta apresentava a seguinte organização política:

No século VII a. C., a cidade-estado de Esparta apresentava a seguinte organização política: No século VII a. C., a cidade-estado de Esparta apresentava a seguinte organização política: Devido Para saberes às condições como era geográficas, constituída aas pólis, populações presta atenção isolaram-se

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

Grécia Antiga II. Cronologia

Grécia Antiga II. Cronologia Grécia Antiga II Cronologia Grécia - Cronologia Período pré-homérico (séc. XX- XII a.c) Migrações dos povos formadores da Grécia Período Homérico (séc. XII- VIII a.c) Genos (comunidades políticas) se estruturam,

Leia mais

Pérsia, fenícia e palestina

Pérsia, fenícia e palestina Pérsia, fenícia e palestina Região desértica Atuais estados de Israel e Palestina Vários povos (semitas) estabelecidos no curso do Rio Jordão Palestina Hebreus (Palestina) Um dos povos semitas (cananeus,

Leia mais

MUNDO GREGO MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA ANTIGUIDADE CLÁSSICA. http://historiaonline.com.br

MUNDO GREGO MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA ANTIGUIDADE CLÁSSICA. http://historiaonline.com.br MUNDO GREGO MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA ANTIGUIDADE CLÁSSICA CARACTERÍSTICAS GERAIS (Modo de Produção Escravista) a) Propriedade privada (fim do coletivismo primitivo e da servidão coletiva). b) Cidades

Leia mais

Aulas 6 e 7. A Antiguidade Oriental

Aulas 6 e 7. A Antiguidade Oriental Aulas 6 e 7 A Antiguidade Oriental Hebreus (Monoteísmo e judaísmo) III- I- Local: Economia: região da agricultura, Palestina pastoreio ( Canaã (rio ou Jordão) terra prometida ). e comércio Atualmente:

Leia mais

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA ÉTICA E CONTEMPORANEIDADE PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR ACADÊMICA RITA MÁRCIA AMPARO MACEDO Texto sobre o Discurso

Leia mais

Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA

Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2013 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Série: 1ª Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Cap 1 A teoria e a prática da Educação. Ramiro Marques

Cap 1 A teoria e a prática da Educação. Ramiro Marques Cap 1 A teoria e a prática da Educação Ramiro Marques Aristóteles dedica um espaço importante de A Política ao tema da educação, preocupando-se com a discussão de vários assuntos: fim pacífico da Educação,

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

A História da Grécia Antiga se estende do século XX a.c. até o século II a.c. quando a região foi conquistada pelos romanos.

A História da Grécia Antiga se estende do século XX a.c. até o século II a.c. quando a região foi conquistada pelos romanos. HISTÓRIA ANTIGA Grécia I - formação Situada no sul da Europa (Península balcânica), numa região de relevo acidentado e um arquipélago no Mar Egeu, a Grécia foi palco de uma civilização que se desenvolveu

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

HISTÓRIA 7 O ANO FUNDAMENTAL. PROF. ARTÊMISON MONTANHO PROF. a ISABEL SARAIVA

HISTÓRIA 7 O ANO FUNDAMENTAL. PROF. ARTÊMISON MONTANHO PROF. a ISABEL SARAIVA 7 O ANO FUNDAMENTAL PROF. ARTÊMISON MONTANHO PROF. a ISABEL SARAIVA Unidade III Cidadania e Movimentos Sociais Aula 14.2 Conteúdos Os maias Os incas 2 Habilidades Conhecer as principais características

Leia mais

OS CAMPONESES: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham

OS CAMPONESES: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham OS CAMPONESES: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham o direito de conservar para si apenas uma pequena parte

Leia mais

1. (1,0) APONTE o nome da região em que foi desenvolvida a civilização grega.

1. (1,0) APONTE o nome da região em que foi desenvolvida a civilização grega. PARA A VALIDADE DO QiD, AS RESPOSTAS DEVEM SER APRESENTADAS EM FOLHA PRÓPRIA, FORNECIDA PELO COLÉGIO, COM DESENVOLVIMENTO E SEMPRE A TINTA. TODAS AS QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA DEVEM SER JUSTIFICADAS.

Leia mais

Distinção entre Norma Moral e Jurídica

Distinção entre Norma Moral e Jurídica Distinção entre Norma Moral e Jurídica Filosofia do direito = nascimento na Grécia Não havia distinção entre Direito e Moral Direito absorvia questões que se referiam ao plano da consciência, da Moral,

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 33 A FORMAÇÃO DAS SOCIEDADES ORIENTAIS

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 33 A FORMAÇÃO DAS SOCIEDADES ORIENTAIS HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 33 A FORMAÇÃO DAS SOCIEDADES ORIENTAIS Fixação F 1) Leia os itens abaixo, que contém possíveis condições para o surgimento do Estado nas 2 sociedades da Antigui-dade. I)

Leia mais

Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG

Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MESOPOTÂMIA As primeiras cidades se formaram justamente na região onde a agricultura começou a se desenvolver: no Oriente

Leia mais

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico).

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Arte 1º. Ano do Ensino Médio 1º. Trimestre - Conteúdo Avaliativo: Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Períodos Artísticos: Pré-História/Idade Antiga

Leia mais

DO MITO A RAZÃO: O NASCIMENTO DA FILOSOFIA

DO MITO A RAZÃO: O NASCIMENTO DA FILOSOFIA DO MITO A RAZÃO: O NASCIMENTO DA FILOSOFIA A palavra Filosofia é grega. É composta por duas outras: PHILO e SOPHIA. PHILO significa amizade, amor fraterno, respeito entre os iguais; SOPHIA, sabedoria,

Leia mais

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 A ÉTICA DAS VIRTUDES A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 ETHOS Significado original do termo ETHOS na língua grega usual: morada ou abrigo

Leia mais

CAPÍTULO 06 - MESOPOTÂMIA. A palavra Mesopotâmia vem do grego e significa entre rios.

CAPÍTULO 06 - MESOPOTÂMIA. A palavra Mesopotâmia vem do grego e significa entre rios. CAPÍTULO 06 - MESOPOTÂMIA A palavra Mesopotâmia vem do grego e significa entre rios. INTRODUÇÃO É uma faixa de terra cortada por dois grandes rios: o Tigre e o Eufrates; Fica situada entre a Europa, a

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

A educação na antiguidade grega: Paideia

A educação na antiguidade grega: Paideia A educação na antiguidade grega: Paideia Edilian Arrais * Civilização Micênica (7) CONTEXTO HISTÓRICO A Grécia Antiga era composta de diversas unidades políticas autônomas, constituídas cidades-estados.

Leia mais

A GRÉCIA ANTIGA passo a passo

A GRÉCIA ANTIGA passo a passo A GRÉCIA ANTIGA passo a passo ÉRIC DARS e ÉRIC TEYSSIER Ilustrações de Vincent Caut Tradução de Julia da Rosa Simões Copyright do texto 2011 by Éric Dars e Éric Teyssier Copyright das ilustrações 2011

Leia mais

Profº Alexandre Goicochea goicochea94@gmail.com

Profº Alexandre Goicochea goicochea94@gmail.com Profº Alexandre Goicochea goicochea94@gmail.com O aluno terá 3(três)minutos para resolver cada questão referente a Grécia Antiga, retirada de vestibulares; O aluno deverá anotar suas respostas para fazer

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

GUERREIRA Aulas: 35 PÁGS. 19. PROFª CLEIDIVAINE Disc. História / 6º ano

GUERREIRA Aulas: 35 PÁGS. 19. PROFª CLEIDIVAINE Disc. História / 6º ano ESPARTA: UMA PÓLIS GUERREIRA Aulas: 35 PÁGS. 19 PROFª CLEIDIVAINE Disc. História / 6º ano Principal cidade na Grécia continental: Esparta organização militar único exército no mar Egeu. Lendas relatam

Leia mais

Educação Matemática. Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2

Educação Matemática. Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2 Educação Matemática Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2 UNIDADE I: EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO Escolas da Antiguidade Geometria Aritmética Música Elementos de Euclides (300 a.c.) Geometria

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Evolução histórica da Moral/Ética

Evolução histórica da Moral/Ética (3) Evolução histórica da Moral/Ética Zeila Susan Keli Silva 1º Semestre 2013 1 O homem vive em sociedade, convive com outros homens e, portanto, cabe-lhe pensar e responder à seguinte pergunta: Importância

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

Antiguidade Clássica: Grécia

Antiguidade Clássica: Grécia Antiguidade Clássica: Grécia Localização Localização Localização Período Creto-Micênico (XX a. C. XII a. C) Pinturas no palácio de Cnossos em Micenas Período Creto-Micênico (XX a. C. XII a. C) Escrita

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1º PROVA SUBSTITUTIVA DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 1º Turma: Data: Nota: Professor(a): Élida Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1) Número de

Leia mais