SABER COM SABEDORIA: DO EQUILÍIBRIO DO CORPO EM EPICURO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SABER COM SABEDORIA: DO EQUILÍIBRIO DO CORPO EM EPICURO"

Transcrição

1 SABER COM SABEDORIA: DO EQUILÍIBRIO DO CORPO EM EPICURO Flaviano Oliveira Fonsêca Doutor em Filosofia - UFPE Resumo: Este artigo trata essencialmente de filosofia prática. Epicuro argumenta que nossas escolhas passam pelos sentimentos de prazer e dor, e que a alma exerce plenamente a sua função natural, no homem, quando favorece o domínio de si. Isso é possível por duas vias: a da justiça e a da amizade. E a filosofia é a sabedoria do agir a partir de si mesmo, como um exercício para a vida feliz. Palavras-chave: filosofia prática, Epicuro, saber, sabedoria, vida feliz. Abstract: This article deals essentially with practical philosophy. Epicurus argues that our choices pass through feelings of pleasure and pain, and the soul exerts its natural function fully, in the man, when it favors the domain of itself. This is possible by two ways: justice and the friendship. And the philosophy is the wisdom of acting from itself exactly, as an exercise for the happy life. Keywords: practical philosophy, Epicuro, know, wisdom, happy life. 17

2 PREÂMBULO: O gozo mais alto e mais sólido resulta da condição de equilíbrio (boa disposição) da carne, e a esperança fundada de conservá-la, para quem saiba considerá-la, proporciona a mais alta e segura alegria. Epicuro 1. A filosofia pré-moderna tem muito a nos ensinar não apenas em momentos de crise de paradigmas ou mesmo de civilização como estamos vivendo, mas principalmente porque faz reacender as potencialidades do nosso ser e do nosso conhecer. Para nos ajudar a refletir sobre um modelo de filosofia prática, penso que seja extremamente válido e até salutar acompanhar as preciosidades do modo de pensar do mestre do jardim. Creio que esta reflexão sobre o equilíbrio do corpo como caminho capaz de induzir uma boa disposição para a alma e consequentemente para a vida como um todo é algo insubstituível e irrenunciável na urgência das contradições contemporâneas. ALGUNS DADOS SOBRE A VIDA DE EPICURO: Epicuro 2 ( a.c.) nasceu na Ilha de Samos, península itálica, e tornou-se cidadão ateniense por força da emigração do seu pai, Neócles, em 352 a.c. Diógenes Laércio foi o mais importante biógrafo de Epicuro. Conforme informação no livro X da obra de Láercio Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres, há três cartas e cerca de quarenta máximas do Mestre do Jardim. Laércio conta ainda que Epicuro teria escrito uma obra com cerca de 300 volumes, entre os quais se encontraria o Perì Phýseos (Sobre a natureza) com 37 tomos 3. Epicuro, praticante de uma vida inteiramente frugal, evitou participar da vida política, e jamais incentivou seus seguidores a outra prática senão a amizade sincera. Manteve uma postura ética exemplar. Rodeado de amigos fez emergir da afinidade e da amizade o princípio ético fundamental para a sua vida, bem como para o seu tear filosófico. IMPORTÂNCIA DO CORPO PARA O FILOSOFAR EM EPICURO: Como entender o corpo como questão central para a filosofia de Epicuro? Sem dúvida, o corpo humano (sarx 4 ) ocupa um lugar importante na filosofia 18 1 Cf. Us., 68, p.186 apud Silva, 2003, p Estas datas estão conforme a biografia de Epicuro que se encontra em Diógenes Laércio, no livro X. apud Vara, J.(Tradutor). Epicuro: Obras completas. Madrid, Catedra Letras Universales,S. A., Cf. SILVA, Markus. Epicuro: sabedoria e jardim. Rio de Janeiro: Relume Dumará, A palavra grega Sarx significa carne humana e animal de modo geral. Cf. Dictionnaire Grec-François,Paris, Hachette, 1950,p.1734, e Pereira, I. Dicionário Greco-Português, Porto, Apostolado da Imprensa, 1957, p.513.

3 epicurista. Ainda que os textos do autor não ofereçam as condições ideais para uma análise pontuada com riqueza de detalhes, mesmo assim é possível encontrar argumentos nos quais o corpo é pensado como um receptáculo das influências sensíveis que o meio exerce sobre o indivíduo, sendo, por isso, o ponto de partida da percepção humana, já que a partir dele tem lugar a aisthesis, que é o conjunto das sensações e de onde são possíveis a prolépsis, isto é, a impressão sensível, que é operada pelo pensamento (dianóia). Para Epicuro os critérios de escolha passam pelas afecções de prazer e dor, e estes são, na verdade, a forma do corpo se comunicar com o mundo. Neste contexto, o corpo é uma forma de conhecimento. A existência da alma é notada pelo autor em questão como parte desse corpo, todavia ela diferenciase do corpo por sua função racional e pela capacidade imaginativa. No entanto, carne e alma formam uma unidade, uma vez que as afecções só se expressam a partir do composto e da interação carne/alma. E assim, a alma possui a propriedade de graduar o poder que as impressões sensíveis têm de influenciála, isto quando a alma exerce plenamente a sua função natural no homem, que é o de favorecer o domínio de si (autarquéia) 5. Assim sendo, é sobre isso que se dá o equilíbrio do corpo, porque as necessidades da carne são registradas e operadas pela alma, bem como os desejo e a vontade, posto que a alma, no exercício da reflexão, constrói um saber sobre o corpo que enseja a sua boa disposição (eustatheía). Esse saber é conhecimento de si, da medida de realização da vida, que aqui pode ser entendida como repleção, ou seja, nutrição e saúde (hygieia) 6. De fato, a conexão carne/alma é algo fortemente estruturante da filosofia epicurista: esse binômio é o ponto de partida e o ponto de chegada para compreender o homem em suas circunstâncias. Todavia, na physiología o corpo é pensado sob a forma de agregado (athroísma), isto é, como uma entidade física, ainda que num segundo momento o corpo seja compreendido como uma estrutura orgânica viva e que vem a ser também phýsis, pois a natureza própria de cada corpo encontra na relação que estabelece com as coisas do mundo-natureza uma medida de se que o mantém, acrescentandolhe o que é vital ou subtraindo-lhe substâncias que podem enfraquecê-lo 7, pelo que se torna importante prover a viabilização das condições básicas para torná-lo equilibrado. A partir disso podemos questionar: o corpo teria um métron (uma medida) a obedecer? Como Epicuro trabalha essa relação na sua filosofia tendo em vista a busca por equilíbrio? A resposta a essa questão implica entender a questão dos desejos da carne. A classificação de Epicuro apresenta três categorias que dispõem a respeito da aquisição do bem-estar e da manuten- 5 Cf. SILVA, 2003, p Idem, ibidem. 7 Idem, ibidem. 19

4 ção de uma boa disposição para o corpo, ebem como o que causa o seu desequilíbrio. A classificação dos desejos apresenta o seguinte quadro: existem os desejos naturais e necessários, os naturais e desnecessários e os não naturais e não necessários. Simplificadamente tem-se o seguinte: os desejos naturais e necessários são aqueles que impelem o corpo na direção das coisas que bastam à sua satisfação, por exemplo, o corpo necessita basicamente de alimentos, de água e de proteger-se do frio e intempéries similares; os desejos naturais e desnecessários são aqueles vinculados aos excessos ou carência de algo; e os desejos não naturais e desnecessários dizem respeito à externalidade, tais como a ereção de estátuas ou imagens em honra de si próprio 8. Para Epicuro, viver de acordo com a natureza significa dar vazão aos desejos naturais e necessários, entendendo que a medida de satisfação desses desejos está na relação estabelecida entre o corpo e os fenômenos de repleção, satisfação e proteção oferecidos pelo mundo natural. A natureza nos oferece mais do que o necessário, daí surge a importância de trabalhar o domínio de si, ou seja, de buscar um métron capaz de auxiliar a aquisição do equilíbrio. Para a realização dos desejos naturais e necessários, importa circunscrever o agir humano no âmbito da phrónesis (sabedoria) e da autárkeia (o senhorio de si mesmo). Assim, a atitude de uma pessoa marcada pela phrónesis implica numa vontade esclarecida 9. Toda essa posição pode ser retomada pela seguinte assertiva de Diógenes Laércio: Tudo o que é natural pode ser facilmente satisfeito, ao passo que tudo o que é vão é difícil de satisfazer (Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres, livro X). Tendo presente de que tudo o que precisamos está na natureza, Epicuro parece indicar que o melhor phármakon (remédio) para o restabelecimento ou manutenção da saúde do corpo é a alimentação equilibrada e a administração de cuidados necessários à prevenção contra todo excesso e toda carência. Nesse sentido, podemos afirmar que o equilíbrio do corpo funde-se com a beleza energética da Natureza natural, e poderíamos até dizer que, a exemplo da ética, a busca do equilíbrio é uma ótica. E com razão devemos acrescentar que o equilíbrio é o melhor amigo da vida, e também o melhor amigo da morte, pois vida e morte são dimensões de um todo no qual estamos embarcados. Como estamos argumentando, o modo de ser do homem na natureza deve ser pensado e materializado através da busca do equilíbrio, isso o conduzirá à plenitude do seu ser. Para tanto, uma métrica no agir torna-se imprescindível, e que pode ser traduzida como sabedoria no agir.tal atitude é efetivada por força da phrónesis vinculada ao logismós, termo que deve ser traduzido por pensamento, posto que a phrónesis se expressa por meio da ataraxía 20 8 Ibidem, p.52 9 Aqui pode significar também prudência, sensatez.

5 (impassibilidade). Isso implica dizer que ataraxía passou a ser o fim e o sentido para a realização de uma vida sábia, pois significa tranqüilidade e equilíbrio para a alma. Assim, a ataraxía é condição básica para a realização de uma filosofia prática que se exprime no acontecer da própria vida. Com outras palavras, a filosofia é vista como um lógos capaz de depurar a alma, na medida em que esclarece a respeito do limite (métron) próprio à sua natureza 10. Visto deste modo, o lógos enquanto um phármakon visa, sobretudo, esclarecer as noções de natureza, alma, valor e finalidade, tal com aparece definida por sexto Empírico 11. Para Epicuro, portanto, a filosofia é uma atividade que, por força dos argumentos e raciocínios conduz à felicidade ou à vida feliz. A terapeía filosófica do mestre do Jardim apresenta a ideia do Tetraphármakon 12, e diz tratar dos elementos indispensáveis para alcançar a imperturbabilidade da alma, ou seja, a ataraxía. E, para conquistar este estado, importa saber que não há nada a temer em relação aos deuses, não a nada a temer em relação à morte, o prazer é de fácil aquisição e a dor é passível de ser suportada 13. O filosofar de Epicuro implica diretamente um entrelaçamento entre corpo/carne e uma comunhão (comum-união) para com a natureza. A vida feliz ou a imperturbabilidade da alma de que fala o mestre do Jardim significa uma ação ativa diante da vida. O estado de verdadeira felicidade é uma conquista de todos os que se despojam na inatividade e partem em busca de uma sinergia plena e profunda para com a natureza. Analisando as Obras completas 14, nota-se que a ataraxía, a imperturbabilidade da alma, é passível de ser atingida por dois caminhos, um mediante a justiça e outro por meio da amizade. A primeira é regida por força dos átomos corpóreos, e que significa um pacto humano em vista da não agressão 15 (de forma que evite toda e qualquer agressão e se trata de um princípio negativo e passivo); a segunda via de acesso ao equilíbrio é consubstanciada pela paz e pela seguridade, que pode ser traduzida pela 10 Embora Epicuro seja pré-moderno, todavia no nosso entender a reflexão sobre a ideia de métron, como aparece aqui no pensamento de Epicuro, se aproxima do pensamento de Hans Jonas (1979 e 1966). Esse autor defende que a base para o agir humano, ao contrário do que julga o niilismo contemporâneo, deverá ser pautada pelo princípio responsabilidade entendido como precaução. Cremos que há uma proximidade muito significativa entre a busca da vida feliz e o que Jonas desenvolve sobre a responsabilidade enquanto reflexão ética que aponta para a precaução com uma ética engajada. 11 Cf. SILVA, ibidem, p O Tetraphármakon se expressa nos seguintes termos: I. O ser bem-aventurado e incorruptível não sofre perturbações nem perturba outro ser; por isso é imune a movimentos de ira ou de gratidão, pois todo movimento desse tipo implica fraqueza. Cf. SILVA, 2003, p.80. II. A morte não é nada em relação a nós, pois o que é insensível nada é para nós. III. A magnitude do prazer atinge seu limite na remoção de todo sofrimento. Quando o prazer está presente, durante todo o tempo em que ele permanece não há dor nem no corpo, nem na alma, nem nos dois. IV- Uma dor contínua não dura muito na carne; ao contrário, quanto mais aguda é a dor menor é a sua duração, e também se por sua intensidade ela vence o prazer, não duram muitos dias na carne. As doenças prolongadas permitem até uma preponderância do prazer sobre o sofrimento carnal (DL, X apud SILVA, 2003, ). 13 Cf. DL, apud SILVA, p Cf. EPICURO. Obras completas. Tradução de J. Vara. Madrid: Catedra Letras Universales,S. A., Cf. Epístola a Meneceo apud VARA, 1995, p

6 amizade. A amizade não se limita a evitar o mal entre os amigos, mas deve superar em muito essa condição mínima, o que a torna um princípio sumamente positivo. Como assinala a Carta a Meneceu, a amizade goza de uma relevante função em todo o sistema filosófico de Epicuro. Ainda na mesma perspectiva, VARA (1995) afirma que os sentimentos compartilhados por Epicuro no contato com seus discípulos e amigos não se reduziam simplesmente às horas de trabalhos profissionais, mas que tanto ele quantos seus seguidores haviam assimilado muito bem a amizade como um princípio dístico e estruturante de seu pensar filosófico 16. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Neste sentido, é possível falar de uma filosofia prática em Epicuro, uma vez que todos os seus pressupostos fundamentais apontam para essa direção. O modo de pensar epicurista encontra-se eivado de elementos que frequentemente recorrem tanto ao modus operandi quanto ao modus vivendi do sábio, e a amizade enquanto fonte de prazer é um caminho marcado pela autárkéia, pois, sendo o sábio autárquico, ele vive bem satisfazendo apenas os desejos considerados naturais e necessários [...] e o prazer identificado ao bem não é um prazer raro e luxuoso, mas aquele indicado e medido pela phrónesis 17. Assim, a phýsis, enquanto expressão de equilíbrio, proporciona ao sábio o prazer suficiente à vida feliz. Disto infere-se que o caminho para a ataraxía atravessa toda a vida do homem e o conduz ao equilíbrio da alma. Posto que, quando se vive junto à natureza o prazer é completo e, consequentemente, podemos afirmar que sua filosofia é fundamentalmente, no seu próprio dizer, uma sabedoria de agir a partir de si mesmo, como um exercício para a vida feliz. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: Dicionário Greco-Português. Porto: Apostolado da Imprensa, Dictionnaire Grec-François. Paris: Hachette, EPICURO. Obras completas. Tradução de J. Vara. Madrid: Catedra Letras Universales,S.A., LAÉRTCIO, Diógenes. Vida e doutrinas dos filósofos ilustres. Brasília: UnB, SILVA, Markus. Epicuro: sabedoria e jardim. Rio de Janeiro: Relume Dumará, CF. VARA, 1995, p Cf. SILVA, 2003.p.107.

A FILOSOFIA HELENÍSTICA A FILOSOFIA APÓS A CONQUISTA DA GRÉCIA PELA MACEDÔNIA

A FILOSOFIA HELENÍSTICA A FILOSOFIA APÓS A CONQUISTA DA GRÉCIA PELA MACEDÔNIA A FILOSOFIA HELENÍSTICA A FILOSOFIA APÓS A CONQUISTA DA GRÉCIA PELA MACEDÔNIA O IMPÉRIO ALEXANDRINO A FILOSOFIA ESTOICA PARTE DA SEGUINTE PERGUNTA: COMO DEVO AGIR PARA VIVER BEM? COMO POSSO VIVER BEM E,

Leia mais

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO Freud explica em seus textos

Leia mais

COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira. Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade

COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira. Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade O Bem Pessoal e o Comunitário O que é o Bem? Bem é a qualidade de excelência ética que

Leia mais

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 A ÉTICA DAS VIRTUDES A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 ETHOS Significado original do termo ETHOS na língua grega usual: morada ou abrigo

Leia mais

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Monica Aiub filósofa clínica e-mail: monica_aiub@uol.com.br Vendo o que não se vê, tema do Congresso, suscita, imediatamente, a pergunta: o que se vê e

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

O PRAZER SOMÁTICO COMO FIM (TÉLOS) DA AÇÃO E COMO FONTE DE PERTURBAÇÃO SEGUNDO EPICURO Rogério Lopes dos Santos 1

O PRAZER SOMÁTICO COMO FIM (TÉLOS) DA AÇÃO E COMO FONTE DE PERTURBAÇÃO SEGUNDO EPICURO Rogério Lopes dos Santos 1 O PRAZER SOMÁTICO COMO FIM (TÉLOS) DA AÇÃO E COMO FONTE DE PERTURBAÇÃO SEGUNDO EPICURO Rogério Lopes dos Santos 1 Epicuro afirma, em sua Carta a Meneceu, que o início [arché ἀρχή] e o fim (télos τέλος)

Leia mais

AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA

AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA Fábio de Araújo Aluno do Curso de Filosofia Universidade Mackenzie Introdução No decorrer da história da filosofia, muitos pensadores falaram e escreveram há cerca do tempo,

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

NOS JARDINS DE EPICURO, A FILOSOFIA É O REMÉDIO DA ALMA

NOS JARDINS DE EPICURO, A FILOSOFIA É O REMÉDIO DA ALMA NOS JARDINS DE EPICURO, A FILOSOFIA É O REMÉDIO DA ALMA BORDIN, Reginaldo Aliçandro CESUMAR VALIM, Diogo Assunção CESUMAR Introdução O Epicurismo foi uma das doutrinas filosóficas mais originais da Grécia

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

O QUE É A ATITUDE FILOSÓFICA?

O QUE É A ATITUDE FILOSÓFICA? O QUE É A ATITUDE FILOSÓFICA? Rodrigo Janoni Carvalho 1 A atitude filosófica se remete ao ato de pensar, questionar o óbvio, criticar, enfim, filosofar. Toda filosofia deve ser radical, não se contentando

Leia mais

CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO

CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO Muito antigo e pouco alterado no longo transcurso que teve dentro da história da filosofia, o sentido do termo latino facultas

Leia mais

Título: Yoga: um caminho para Deus. Maria Cristina Alves de Pontes 1 (UFPB_ Especialista) Guaracris2000@yahoo.com.br Mística e iluminação

Título: Yoga: um caminho para Deus. Maria Cristina Alves de Pontes 1 (UFPB_ Especialista) Guaracris2000@yahoo.com.br Mística e iluminação Título: Yoga: um caminho para Deus. Maria Cristina Alves de Pontes 1 (UFPB_ Especialista) Guaracris2000@yahoo.com.br Mística e iluminação Yoga é consciência; transformação da consciência humana em consciência

Leia mais

PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS

PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS Alan Rafael Valente (G-CCHE-UENP/CJ) Douglas Felipe Bianconi (G-CCHE-UENP/CJ) Gabriel Arcanjo Brianese (G-CCHE-UENP/CJ) Samantha Cristina Macedo Périco (G-CCHE-UENP/CJ)

Leia mais

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos)

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) 3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) Questão (1) - A filosofia se constitui, a partir das concepções de Sócrates, Platão e Aristóteles, como o pensamento que investiga: a) A questão da dívida externa.

Leia mais

Platão e a Filosofia da Educação Renato José de Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro

Platão e a Filosofia da Educação Renato José de Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Educação I Educador: João Nascimento Borges Filho Platão

Leia mais

A Vida Simples. A vida simples. Onde ela está? Em qual esquina, em que país, qual será a direção que nos. Claudio Miklos

A Vida Simples. A vida simples. Onde ela está? Em qual esquina, em que país, qual será a direção que nos. Claudio Miklos A Vida Simples Claudio Miklos Nos últimos tempos tenho pensado muito em como seria maravilhoso adquirir o mérito de viver simplesmente, em algum lugar aberto, pleno em verde e azul, abrigado das loucuras

Leia mais

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia Filosofia 1) Gabarito Final sem distribuição de pontos - Questão 1 A) De acordo com o pensamento de Jean-Jacques Rousseau, o poder soberano é essencialmente do povo e o governo não é senão depositário

Leia mais

José Octávio Serra Van-Dúnem PhD Professor/ Consultor Setembro 2014

José Octávio Serra Van-Dúnem PhD Professor/ Consultor Setembro 2014 José Octávio Serra Van-Dúnem PhD Professor/ Consultor Setembro 2014 Organizações Positivas LOGOS ou razão, princípio e explicação. HOLI, a comemoração da harmonia. Conjugamos conhecimento e sabedoria,

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? A grande maioria das pessoas só recorrem à oração quando estão com problemas de ordem material ou por motivo de doença. E sempre aguardando passivamente

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? 01/12/2003 POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? 2 Índice Geral I POR QUE NÃO ORAMOS COM FREQUÊNCIA?... 4 II QUANDO NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS... 5 III

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A RELAÇÃO ENTRE FILOSOFIA

CONSIDERAÇÕES SOBRE A RELAÇÃO ENTRE FILOSOFIA 198 I Introdução CONSIDERAÇÕES SOBRE A RELAÇÃO ENTRE FILOSOFIA E FELICIDADE EM EPICURO Francisco José da Silva * filosofranz@yahoo.com.br Resumo: Epicuro (342-270 a.c) se tornou conhecido por sua escola

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

A Criança e os Mimos. "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..."

A Criança e os Mimos. Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível... A Criança e os Mimos "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..." Autora: Anne M. Lucille[1] "Respeito é quando ensinamos, não quando corrigimos..."

Leia mais

FILOSOFIA. Platão. OpenRose

FILOSOFIA. Platão. OpenRose FILOSOFIA Platão OpenRose 1 PLATÃO Filósofo grego (427 a.c.?-347 a.c.?). Um dos mais importantes filósofos de todos os tempos. Suas teorias, chamadas de platonismo, concentram-se na distinção de dois mundos:

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E RELIGIÃO RESUMO

SUSTENTABILIDADE E RELIGIÃO RESUMO SUSTENTABILIDADE E RELIGIÃO GIOVANI MARINOT VEDOATO 1 RESUMO O presente artigo visa efetivar uma devida articulação entre o tema da sustentabilidade e a função pública da religião. Se por um lado a temática

Leia mais

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas.

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas. INTRODUÇÃO Você, provavelmente, já sabe que colaboradores felizes produzem mais. Mas o que sua empresa tem feito com esse conhecimento? Existem estratégias que de fato busquem o bem-estar dos funcionários

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A ÉTICA NA POLÍTICA Palestrante: Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A origem da palavra ÉTICA Ética vem do grego ethos, que quer dizer o modo de ser, o caráter. Os romanos traduziram

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

ÉTICA APLICADA Ética e Moral

ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA é o ramo da filosofia dedicado aos assuntos morais, é ciência que se ocupa do estudo do comportamento humano e investiga o sentido que o homem confere às suas ações.

Leia mais

A Filosofia A origem da Filosofia 1

A Filosofia A origem da Filosofia 1 A Filosofia A origem da Filosofia 1 A PALAVRA FILOSOFIA A palavra filosofia é grega. É composta por duas outras: philo e sophia. Philo deriva-se de philia, que significa amizade, amor fraterno, respeito

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Aline Trindade A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Introdução Existem várias maneiras e formas de se dizer sobre a felicidade. De quando você nasce até cerca dos dois anos de idade, essa

Leia mais

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN 1 A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN Heraldo Simões Ferreira 1 José Jackson Coelho Sampaio 2 Laryssa Sampaio Praciano 3 RESUMO Este artigo possui como objetivo trazer

Leia mais

Criando Sucesso O Livro Francisco Ferreira

Criando Sucesso O Livro Francisco Ferreira Criando Sucesso O Livro Francisco Ferreira Terceira Edição Cianorte 2013-3 - O que este livro poderá fazer por você Todo ser humano possui uma energia potencial que se manifesta de acordo com seus pensamentos,

Leia mais

PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170

PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170 PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170 166 Como a alma, que não alcançou a perfeição durante a vida corporal,

Leia mais

CURSO I FUNDAMENTOS CONCEITOS E PRÁTICAS DA EP

CURSO I FUNDAMENTOS CONCEITOS E PRÁTICAS DA EP ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS CRISTÃS DE EDUCAÇÃO POR PRINCÍPIOS JULIANA POMPEO HELPA CURSO I FUNDAMENTOS CONCEITOS E PRÁTICAS DA EP 02 de Maio de 2015 Curitiba, Paraná ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS CRISTÃS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

TRANQUILIDADE FAMILIAR. www.viveresaber.com.br

TRANQUILIDADE FAMILIAR. www.viveresaber.com.br TRANQUILIDADE FAMILIAR www.viveresaber.com.br OFERECIDO POR: www.viveresaber.com.br Desenvolvido por: ADELINO CRUZ Consultor, Palestrante e Diretor da Viver e Saber; Bacharel em Comunicação Social; Foi

Leia mais

EPICURO: A ÉTICA E O PRAZER, OS CAMINHOS DA FELICIDADE

EPICURO: A ÉTICA E O PRAZER, OS CAMINHOS DA FELICIDADE EPICURO: A ÉTICA E O PRAZER, OS CAMINHOS DA FELICIDADE VALIM, Diogo Assunção (CESUMAR) BORDIN, Reginaldo Aliçandro (UEM/CESUMAR) O tema deste texto é a ética em Epicuro, filósofo grego que nasceu em 341

Leia mais

14a edição CAMPINAS SP 2012

14a edição CAMPINAS SP 2012 14 a edição CAMPINAS SP 2012 SUMÁRIO Esclarecimentos preliminares... IX PRIMEIRA UNIDADE 1. Radiações ou vibrações...15 2. Deus...21 3. A criação...27 4. Os Espíritos...35 5. Classificação dos Espíritos

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES

9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES DAVID HUME - COMPAIXÃO Nascimento: 7 de maio de 1711 Edimburgo, Reino Unido. Morte: 25 de agosto de 1776 (65 anos) Edimburgo, Reino Unido. Hume nega

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009.

CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009. CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009. 13 Marco Antonio Gonçalves * Num ensaio sobre nossa temporalidade qualificada como

Leia mais

A Liderança do Espírito

A Liderança do Espírito A Liderança do Espírito Autor : Andrew Murray Para muitos Cristãos a liderança do Espírito é considerada como uma sugestão de pensamentos para nossa orientação. Eles almejam e pedem por ela em vão. Quando

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

Explicar o significado de bem e de mal, segundo as orientações espíritas.

Explicar o significado de bem e de mal, segundo as orientações espíritas. Roteiro 1 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro IV Espiritismo, o Consolador Prometido por Jesus Módulo III Os vícios e as virtudes Conceituar bem e mal Explicar o

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

A Lei de Trabalho Elaboração: www.searadomestre.com.br João 5:17 Meu Pai trabalha até agora e eu também. LE 677. Por que provê a Natureza, por si mesma, a todas as necessidades dos animais? Tudo em a Natureza

Leia mais

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA ÉTICA E CONTEMPORANEIDADE PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR ACADÊMICA RITA MÁRCIA AMPARO MACEDO Texto sobre o Discurso

Leia mais

O DESAFIO DE PROMOVER A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

O DESAFIO DE PROMOVER A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA O DESAFIO DE PROMOVER A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA Júlio César Furtado dos Santos Pedagogo, Psicólogo, Diplomado em Psicopedagogia pela Universidade de Havana, Cuba Mestre em Educação pela UFRJ Doutor

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES ESTA ESCOLA É O BICHO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES ESTA ESCOLA É O BICHO FORMAÇÃO DE PROFESSORES ESTA ESCOLA É O BICHO JUSTIFICATIVA Nós humanos temos a habilidade de criar, transformar e modificar de forma criativa a nós e a tudo que nos rodeia. Possuímos em nós todas as ferramentas

Leia mais

TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO

TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

28/3/2012. Rui de Souza Josgrilberg. Mostrar como a humanidade desenvolve a(s)

28/3/2012. Rui de Souza Josgrilberg. Mostrar como a humanidade desenvolve a(s) Ética: a humanidade em busca da sustentabilidade da vida Rui de Souza Josgrilberg Objetivos Mostrar como a humanidade desenvolve a(s) sua(s) ética(s) a partir de expressões culturais concretas e de seus

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus 5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus Através do estudo dos evangelhos é possível captar elementos importantes da psicologia de Jesus. É possível conjeturar como Jesus se autocompreendia. Especialmente

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO Ao longo da história da humanidade, crer na existência de Deus sempre esteve na preocupação do ser pensante, e foi no campo da metafísica

Leia mais

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno* * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós- Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

Felicidade: prêmio das virtudes. Paulo Faitanin. 1. Cada ser atua conforme a sua natureza.

Felicidade: prêmio das virtudes. Paulo Faitanin. 1. Cada ser atua conforme a sua natureza. Felicidade: prêmio das virtudes. Paulo Faitanin 1. Cada ser atua conforme a sua natureza. Para qualquer direção que movamos nossa atenção, percebemos que há no mundo uma evidência: cada ser atua conforme

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Leucipo de Mileto e Demócrito de Abdera. Pércio Augusto Mardini Farias

Leucipo de Mileto e Demócrito de Abdera. Pércio Augusto Mardini Farias Pércio Augusto Mardini Farias Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by/2.5/br/

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial sentimento de ocupar a tribuna para tecermos comentários

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

QUESTÕES ANULADAS* ( ) é um processo ao mesmo tempo ecológico, social e pessoal.

QUESTÕES ANULADAS* ( ) é um processo ao mesmo tempo ecológico, social e pessoal. QUESTÕES ANULADAS* *caso você tenha sido contemplado com uma das questões abaixo e tiver marcado uma opção diferente do gabarito oficial, a sua nota terá o acréscimo de 0,5 (meio ponto), por cada questão

Leia mais

www.dalecarnegie.com.br Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper

www.dalecarnegie.com.br Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper www.dalecarnegie.com.br Copyright 2014 Dale Carnegie & Associates, Inc. All rights reserved.

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

Seis dicas para você ser mais feliz

Seis dicas para você ser mais feliz Seis dicas para você ser mais feliz Desenvolva a sua Espiritualidade A parte espiritual é de fundamental importância para o equilíbrio espiritual, emocional e físico do ser humano. Estar em contato com

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

REALIZAÇÃO bookbrasil.com.br Copyright 2002,

REALIZAÇÃO bookbrasil.com.br Copyright 2002, REALIZAÇÃO bookbrasil.com.br Copyright 2002, Todos os direitos reservados ao Autor (a). Proibida a reprodução do conteúdo na sua integra ou em partes deste livro em qualquer meio de comunicação, eletrônico

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO Texto: Apocalipse 22:1-2 Então o anjo me mostrou o rio da água da vida que, claro como cristal, fluía do trono de Deus e do Cordeiro, no meio da RUA principal da cidade. De

Leia mais

PROCESSO DECISÓRIO EM EQUIPE: ARMADILHAS E PREVENÇÕES

PROCESSO DECISÓRIO EM EQUIPE: ARMADILHAS E PREVENÇÕES PROCESSO DECISÓRIO EM EQUIPE: ARMADILHAS E PREVENÇÕES Américo Marques Ferreira A palavra DECIDIR, em sua origem etimológica, significa MATAR ALTERNATIVAS, Portanto, se quisermos tomar uma decisão, precisamos

Leia mais

Lição 01 O propósito eterno de Deus

Lição 01 O propósito eterno de Deus Lição 01 O propósito eterno de Deus LEITURA BÍBLICA Romanos 8:28,29 Gênesis 1:27,28 Efésios 1:4,5 e 11 VERDADE CENTRAL Deus tem um propósito original e eterno para minha vida! OBJETIVO DA LIÇÃO Que eu

Leia mais

Legislação tributária brasileira privilegia ricos e gera desigualdade social

Legislação tributária brasileira privilegia ricos e gera desigualdade social Legislação tributária brasileira privilegia ricos e gera desigualdade social Por: Conjur Data: 03.02.2016 Carga tributária e corrupção Preambularmente, no que diz respeito à carga tributária, necessário

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

EDUCAR COM MINDFULNESS

EDUCAR COM MINDFULNESS MIKAELA ÖVÉN EDUCAR COM MINDFULNESS Guia de Parentalidade Consciente para pais e educadores Oo ÍNDICE INTRODUÇÃO: O maravilhoso mundo da parentalidade... 13 Seja um Detetive Mindful... 15 1. O caminho

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

Espírito, Perispírito e Corpo 1 / 9

Espírito, Perispírito e Corpo 1 / 9 CURSO: NOÇÕES BÁSICAS DOUTRINA ESPÍRITA e Corpo EDITORA 1 / 9 Elementos Gerais do Universo Perg. 27 - Há então dois elementos gerais do Universo: a matéria e o Espírito? Sim e acima de tudo Deus, o criador,

Leia mais

REDES SOCIAIS A crença de que dividimos tudo com todos o tempo todo se transformou em um grande prazer coletivo, diz

REDES SOCIAIS A crença de que dividimos tudo com todos o tempo todo se transformou em um grande prazer coletivo, diz Françoise Héritier A tecnologia gera alienação Herdeira intelectual de Lévi-Strauss, a antropóloga francesa diz que os pequenos prazeres da vida foram perdidos e que os recursos modernos impedem a reflexão

Leia mais

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS: Index. S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS Índice Geral 1. Se existem virtudes teologais.

Leia mais

Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas.

Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas. Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas. O ideário ético é um conjunto essencial de valores que deve ser conscientizado por todos na Organização para que se consiga implantar

Leia mais

A ética e o desenvolvimento sustentável sob a ótica das organizações

A ética e o desenvolvimento sustentável sob a ótica das organizações A ética e o desenvolvimento sustentável sob a ótica das organizações Ítalo Camilo da Silva Nogueira Faculdade Nossa Senhora Aparecida /GO - italocamilo@hotmail.com Karlla Junara Cintra Azambuja Soares

Leia mais

Não estrague o seu dia

Não estrague o seu dia você é o humor que você tem Não estrague o seu dia Poucas são as mensagens que encontrei e que tratam sobre a problemática do humor, desta forma, não podem ser desperdiçadas neste trabalho. Iniciamos nosso

Leia mais