O CORPO DO CIDADÃO ATENIENSE SOB A ÓTICA DA SOFIA DO PERÍODO CLÁSSICO SÉC. V E IV A.C

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CORPO DO CIDADÃO ATENIENSE SOB A ÓTICA DA SOFIA DO PERÍODO CLÁSSICO SÉC. V E IV A.C"

Transcrição

1 O CORPO DO CIDADÃO ATENIENSE SOB A ÓTICA DA SOFIA DO PERÍODO CLÁSSICO SÉC. V E IV A.C Graduando Fernando Guimarães Pimentel Orientadora: Prof. Dra. Maria Regina Candido Nossos corpos e mentes sofrem, atualmente, algumas desmedidas e poucas vezes refletimos sobre as origens e conseqüências de nosso descuido e menos ainda nos julgamos capazes de alterá-las. Richard Sennett, em Carne e Pedra, crítica a relação moderna dos homens com seus corpos: A plenitude dos sentidos e a atividade do corpo foram de tal forma erodidas que a sociedade atual aparece como um fenômeno histórico sem precedentes. (SENNETT, 2006: 19) A vida moderna tem, em sua dinâmica, necessidades particulares que requerem uma constante adaptação de nossos corpos e mentes. A aceleração do tempo, o exagero de informações e de atividades com as quais nos deparamos diariamente têm seus reflexos, igualmente, em nosso modo de viver. Infelizmente, boa parte desses reflexos ocorre por meio de doenças, curáveis ou não: o estresse e a depressão, hoje, são quase tão comuns, que os encaramos com naturalidade falaciosa; a falta de tempo e cuidado com alimentação potencializa doenças cardíacas, circulatórias e a obesidade; a ditadura da beleza leva a anorexia, para uns e a vigorexia (espécie de transtorno causado pelo excesso na prática de exercícios) a outros. Na antiguidade, entre os atenienses do período clássico, essas desmedidas do corpo e da mente seriam qualificadas como hýbris/ὕβρις. No dicionário Liddell e Scott, a primeira definição de hýbris é violência temerária que resulta do orgulho pela força ou pelo poder que se possui (LIDDELL SCOTT, 1883: 1594). Em outros contextos pode ser traduzido por luxúria, lascívia. De qualquer forma, hýbris, assume significados que trazem a idéia de 'exagero', 'desmedida', e que pode levar a atitudes prejudiciais tanto ao corpo social/sociedade quanto ao próprio indivíduo e seu corpo e, portanto, a hýbris deveria ser evitada. Ações moderadas, prudência, temperança, que em grego, podem ser reunidas no conceito de sophrosýne/σωφροσύνη, parecem constituir o ideal a ser alcançado 114

2 nas relações sociais e pessoais. Nos questionamos se esse ideal fazia parte da filosofia/reflexão e da paidéia/educação dos atenienses do período clássico. A busca por essas respostas será, portanto, o tema que nos propomos a pesquisar através dos textos dos autores da época. Inicialmente voltaremos nosso foco para as obras de Xenofonte, Platão e Aristóteles. Antes, porém, de nos voltarmos para o estudo do corpo (soma) na ótica da sofia ateniense, devemos discutir dois aspectos relevantes sobre a historiografia contemporânea. O primeiro aspecto se refere à possibilidade de ser o corpo, objeto de estudo. As novas formas de sociabilidade do século XX se refletiram, na historiografia, na forma de novos questionamentos, novas concepções de documento e novas interpretações. Libertando-se do paradigma rankeano, no qual a história era essencialmente política, baseada em documentos textuais, objetiva e interessada nos grandes feitos dos grandes homens, a nova história aponta para uma realidade como social ou culturalmente construída. Peter Burke, em sua obra, A Escrita da História, faz uma análise dessas novas possibilidades e afirma que nos últimos trinta anos nos deparamos com várias histórias notáveis de tópicos que anteriormente não se havia pensado possuírem uma história, como, por exemplo, a morte, a loucura, o clima, os odores, a sujeira, a limpeza, os gestos, o corpo, a feminilidade, a leitura, a fala, e até mesmo o silêncio. (BURKE, 1992: 11). O estudo sobre o corpo, na história, emerge tanto desse contexto quanto de sua emancipação ainda que incipiente do paradigma cristão, que o reduzia a um simples subordinado da alma. Roy Porter descreve essa perspectiva que, atualmente, vem sendo superada e nos convida a uma analise mais cuidadosa no estudo de tal objeto. Nas palavras do autor, esta subordinação hierárquica do corpo à mente sistematicamente degrada o corpo; seus apetites e desejos são encarados como cegos, obstinados, anárquicos ou (no Cristianismo) radicalmente pecaminosos; pode ser encarado como a prisão da alma (PORTER, 1992: 305). 115

3 Por outro lado, a historiografia pós-moderna tem oferecido o risco, cada vez maior da fragmentação do conhecimento, da especialização excessiva e da conseqüente perda da capacidade de se entender a unidade, o todo. François Dossè faz uma importante crítica aos descaminhos da nova história: É nessa fase de refúgio individualista, de confinamento no iglu narcíseo que o político reflui para as margens e que sua importância diminui. O discurso do historiador, fora do campo político, desabrocha bem melhor em uma sociedade baseada no alargamento da privacidade e na erosão das identidades sociais. Não há mais projeto histórico mobilizador e inicia-se então a era do vazio [...] (DOSSÈ, 1992: 230). Dessa forma, é preciso ter o cuidado de articular uma historiografia que possa lidar com as novas concepções de documento e os novos questionamentos, respondendo a eles de maneira que a relevância de tal empresa não se restrinja ao ponto da sua peculiaridade ser desarticulada do entendimento das dimensões macro da sociedade que se pretende analisar. No estudo sobre o corpo, por exemplo, temos que levar em consideração que este é construído sob valores e necessidades de uma determinada sociedade: o que homens e mulheres produzem culturalmente, produzem também para seus corpos. Nesse sentido, afirmam os autores Theml, Lessa e Bustamante: [...] o corpo humano é culturalmente construído através de escolhas ou imposições sociais, de conjuntos de valores que configuram o que o homem deve ser, tanto em relação ao seu status, ao seu grupo, às virtudes morais e intelectuais, quanto às maneiras da representação, da exposição, e do uso de seu corpo físico (THEML. et alli: 2003:7). Este é, portanto, o segundo aspecto ao qual nos referíamos acima. Para estudarmos o corpo/soma dos cidadãos atenienses do período clássico, precisamos ter em mente que os corpos estão presentes para nós, apenas por meio das percepções que temos deles, então a história dos corpos deve incorporar a história de suas percepções (PORTER: 1992, p. 295). Postas essas considerações, cabe agora avaliar mesmo que parcialmente 116

4 o contexto histórico de produção da documentação que nos propomos a pesquisar, trazendo alguns questionamentos, tais como: a) qual a relação do cidadão ateniense com o seu corpo?; b) até que ponto a atuação social do cidadão na polis se refletia na concepção que fazia de seu corpo?; c) qual a identidade desses cidadãos para quem se destinavam as recomendações de cuidados com o corpo que encontramos na documentação? Inicialmente, observemos quais eram as características do local onde se ergueu a polis/πόλις a qual pertenciam o conjunto de cidadãos de que estamos tratando. De acordo com o historiador inglês Peter Jones, a polis de Atenas se organizou em uma região situada no extremo sudeste da atual Grécia, conhecida como Ática, cuja extensão é de aproximadamente 2500 km². A estrutura física predominante inclui paisagens montanhosas (Egálon, Pentélico, Himeto, Laurion) mescladas com raras planícies (Triásia, de Atenas, e Mesogéia) e uma região litorânea, a leste, limitada pelo mar Egeu. Assim como a Ática, a paisagem de grande parte do território helênico é caracterizada pela intercalação de montanhas e planícies, o que diminui a extensão do espaço habitável e cultivável. (JONES, 1997: 62-63) Tanto Jones, quanto o helenista francês François Chamoux, concordam com a idéia de que essa característica geomorfológica do território helênico contribuiu para a formação de poleis independentes, o que por sua vez dificultou ou pelo menos adiou a unificação política. Sendo assim, a extrema compartimentação do solo, devido à sua natureza montanhosa, favorece o nascimento de unidades políticas à medida humana, mas opõe-se à constituição de um grande Estado. (CHAMOUX, 1983: 12). 117

5 Mapa da região da Ática. Disponível em: Acesso em 09/12/ às 01:15. Ser cidadão de uma polis como Atenas era, nesse contexto, participar ativamente de um corpo social na qual a coletividade possuía preponderância sobre os indivíduos ou famílias isoladas. Dessa maneira, afirma Fustel de Coulanges, nada havia no homem que fosse independente. O seu corpo pertencia ao Estado 1 e era dedicado à defesa dele (COULANGES, 2009: 236). Fosse para defender a polis de um ataque inimigo, fosse para atacar outra polis, o cidadão deveria estar preparado fisicamente para a guerra. As competições atléticas, por exemplo, exigia treinamentos constantes, e de certa forma, mantinha os cidadãos saudáveis e fisicamente estruturados para as batalhas, que, à época, 1 Fustel de Coulanges, em A Cidade Antiga refere-se às cidades que analisa, Atenas, Roma e Esparta, utilizando o conceito de Estado, que na época em que o autor escreve, século XIX, começava a ganhar sentidos próximos ao que se tem hoje. Na realidade, falar em Estado implica atribuir às cidades antigas, características que elas não possuíam e, portanto, atualmente a historiografia dá preferência ao conceito de polis para as cidades gregas e urbs, para as latinas. 118

6 fazia parte do cotidiano dos atenienses. Era nos ginasios que os jovens atenieneses treinavam e se preparavam para as competições sob a orientação de um paidotribes, que lhes ensinava as técnicas da corrida a pé, do lançamento de discos e do pugilato, por exemplo. Segundo Chamoux (1983: 219), o efebo, a partir dos quinze anos, passava a frequentar tais ginásios públicos, estes dotados de pistas de corrida, além de jardins e salas de reunião A sociabilidade nos ginásios era de extrema relevância para a manutenção dos ideais de cidadania ateniense, que deveriam ser ensinados as gerações vindouras. Nesse sentido, Sennett retoma hipótese de Coulanges, exposta acima, e conclui que o ginásio ateniense ensinava que o corpo era parte de uma coletividade maior, a polis, e que pertencia à cidade (SENNETT, 2006: 42). Reconstituição da polis ateniense no século V a. C. Disponível em: Acesso 09/12/ às 01:08. Uma das definições de ginásio/γσμνάσιον, em Lidell Scott s (1992: 319) é lugar público onde eram praticados exercícios atléticos e o termo deriva do substantivo gumnós/ γσμνός, que significa estar nu. De fato, o treinamento nos ginásios se davam com os 119

7 atletas/cidadãos sem idumentárias para cobrir o corpo. A nudez assumia, entre os helenos antigos, uma importância crucial. O corpo desnudo distinguia civilizado de bárbaro; forte de vulnerável. Richard Sennett afirma que, para o cidadão, exibir-se era preponderante para confirmar sua dignidade como tal Dessa forma, o desnudamento coletivo a que se impunham algo que hoje poderíamos chamar de compromisso másculo reforçava os laços de cidadania (SENNETT, 2006: 30). Entretanto, a cidadania ateniense era, de certa maneira, um privilégio concedido aos atenienses filhos de pai e mãe ateniense. Ficavam de fora, os estrangeiros, residentes ou não, os escravos e as mulheres. Dentro desse grupo devemos restringir ainda mais o nosso foco para entendermos quem, de fato, treinava nos ginásios, competia nos jogos, e para quem, enfim, os filósofos e demais autores antigos escreviam. Dessa forma o que lemos em Xenofonte, por exemplo, em suas referências à boa maneira de cuidar do corpo, eram instruções destinadas aos aristoi (os melhores), aos que tinham a skholé (tempo livre, ócio) necessária para participar ativamente da vida pública na polis ateniense. Ao pesquisarmos a documentação, não encontraremos um tratado propriamente dito que descorra sobre nossas questões. Nem mesmo Aristóteles, que possui algumas obras de zoologia e botânica para usar termos modernos escreveu um tratado que falasse apenas dos cuidados do corpo. 2 No entanto essas preocupações sobre aquisição e a manutenção do corpo ideal, que evitasse a desmedida e servisse aos interesses da pólis pode ser observada nos mais diversos textos sobre os variados temas que versavam os autores do período clássico. Xenofonte, na sua obra Memorabilia, defendia Sócrates das acusações que o levaram a condenação a morte enquanto deixava tranparecer suas propostas e também as de Sócrates sobre a relação dos cidadãos com seus corpos. A prática de exercícios, era uma da suas recomendações. Era através do esforço disciplinado, em contraponto à 2 Maria da Graça Schalcher chama a atenção para a necessidade de estabelecer um diálogo entre as obras do corpus aristotélico a fim de extrair da multiplicidade desses momentos, uma teoria, um discurso unitário e totalizador sobre o corpo. (SCHALCHER, 2003: ) 120

8 preguiça e aos excessos, que um cidadão poderia melhor ser útil a sua polis e praticar ações justas: os hábitos de indolência e os prazeres fáceis não podem, no dizer dos ginastas, dar boa compleição ao corpo nem fazer penetrar no espírito nenhum conhecimento apreciável. Ao invés, os exercícios que requerem constância nos conduzem à prática de belas e boas ações, como dizem os grandes homens. (XENOFONTE, II, 1) Em outro momento, Xenofonte recomenda a temperança como caminho que conduz a virtude. Deixar levar-se pelos impulsos não traria bons frutos, pelo contrário, apenas prejudicaria a si e aos outros. O autor atribui a Sócrates tal explanação: Não é um dever, para todo aquele que saiba ser a temperança o cimento da virtude, o encastoá-la antes de tudo na própria alma? Sem ela como discernir o bem e praticá-lo dignamente? O escravo das próprias paixões não degrada vergonhosamente o corpo e o espírito? (XENOFONTE, I, 5) Parece-nos que o caminho indicado estabelece as recomendações sobre a prática de exercícios dialogando com o ideal de sophrosýne aparecem constantemente na documentação analisada até então Memorabilia, de Xenofonte. Mesmo em outros textos, como a Constituição de Atenas (Athenaion Politeia), de Aristóteles, a justa medida, o caminho do meio, será valorizado. Ao falar do legislador Sólon, o autor enaltece sua postura, que ao tentar amenizar uma crise social na polis ateniense, não se colocou nem do lado dos mais ricos, nem dos mais pobres, mas antes preferiu posicionar-se como um forte escudo entre ambos (ARISTÓTELES, A Constituição de Atenas, XII, 2) Podemos então supor que a antítese hýbris/sophrosýne era especialmente observada nas relações sociais e, no que se configura como objeto de pesquisa, ou seja, as relações dos cidadãos atenienses com seus corpos. A análise desses temas será, portanto, a intenção de nossos próximos artigos. 121

9 DOCUMENTAÇÃO TEXTUAL ARISTÓTELES. A Constituição de Atenas (Atenaion Politeia). Tradução e comentários de Francisco Murari Pires. São Paulo: Editora Hucitec, 1995; XENOFONTE. Ditos e Feitos Memoráveis de Sócrates. Coleção 'Os Pensadores'. Traduções de Jaime Bruna, Libero Rangel de Andrade, Gilda Maria Reale Strazynski. São Paulo: Nova Cultural, REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BURKE, Peter. A Escrita da História. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Unesp, 1992; CHAMOUX, François. A Civilização Grega. Tradução de Pedro Elói Duarte. Lisboa: Edições 70, 1983; COULANGES, Fustel de. A Cidade Antiga. Tradução de Roberto Leal Ferreira. Rio de Janeiro: Martin Claret, 2009; DOSSÈ, François. A História em Migalhas: dos Annales à Nova História. Campinas: Unicamp, 1992; JONES, Peter. O mundo de Atenas. Tradução de Ana Lia de Almeida Prado. São Paulo: Martins Fontes, 1997; LIDDELL SCOTT S. An Intermediate Greek-English Lexicon. Oxford: At the Clarendon Press, 1992;. Greek-English Lexicon. New York: Harper Brothers, 1883; SCHALCHER, M. da Graça Ferreira. Pensando o corpo com Aristóteles: Um diálogo entre Metafísica, Ética e Física. In.: Olhares do corpo. Rio de Janeiro: Mauad, 2003; 122

10 PORTER, Roy. História do corpo. In.: A Escrita da História. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Unesp, 1992; SENNETT, Richard. Carne e Pedra. Tradução de Marcos Aarão Reis. Rio de Janeiro: Editora Record, 2006; THEML, Neyde; BUSTAMANTE, Regina M. da Cunha; LESSA, Fábio de Souza (orgs). Olhares do corpo. Rio de Janeiro: Mauad, 2003; 123

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA Profº Alexandre Goicochea História ORIGENS O mundo grego antigo ocupava além da Grécia, a parte sul da península Balcânica, as ilhas do mar Egeu, a costa da Ásia Menor, o

Leia mais

Lista de Exercícios:

Lista de Exercícios: PROFESSOR(A): Ero AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DATA DA REALIZAÇÃO ROTEIRO DA AVALIAÇÃO 2ª ETAPA AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º CONTÉUDOS ABORDADOS Cap. 4: o mundo grego todos os temas Cap

Leia mais

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.:

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Como o relevo

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

Religião, Cristianismo e os significados

Religião, Cristianismo e os significados Religião, Cristianismo e os significados Religião: 1 - Crença na Carlos Alberto Iglesia Bernardo das existência palavras Manifestação dicionário Aurélio de - tal editora crença Nova pela Fronteira doutrina

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente;

Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente; GRÉCIA ANTIGA Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente; Diferentes classes sociais; Escravos (produção); Aristocratas (representação mostra de superioridade e desenvolvimento para outros povos artes,

Leia mais

PARNAMIRIM - RN. 6º ano Professores: Ricardo Gomes Verbena Ribeiro

PARNAMIRIM - RN. 6º ano Professores: Ricardo Gomes Verbena Ribeiro PARNAMIRIM - RN 6º ano Professores: Ricardo Gomes Verbena Ribeiro 1. CONTEXTO / INTRODUÇÃO Como vimos anteriormente, a Grécia, nada mais é do que o berço da cultura Ocidental, e como tal, nos deixou como

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Tradução e mercado de trabalho

Tradução e mercado de trabalho Tradução e mercado de trabalho Entrevista com Maria Franca Zucarello, presidente do Sindicato Nacional de Tradutores Angélica Karim Garcia Simão 1 Para o número sobre tradução da revista abehache, julgamos

Leia mais

O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a

O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a IDEIAS A RETER SOBRE A GRÉCIA O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a 507) e mais tarde aperfeiçoadas

Leia mais

ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA

ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA FACELI FACULDADE SUPERIOR DE LINHARES DISCIPLINA DE HISTÓRIA DO DIREITO CURSO DE DIREITO / 1º DIREITO B ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA BARBARA LICIA JAMARA FERREIRA P. ARAUJO JANE SCHULZ

Leia mais

- Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha sobre o Descobrimento do Brasil. - Fotografias da posse do presidente do Brasil

- Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha sobre o Descobrimento do Brasil. - Fotografias da posse do presidente do Brasil MATERIAL DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL 6 ANO 1) Classifique as fontes listadas abaixo em primarias e secundárias: - Vídeo do atentado terrorista ao World Trade Center em 2001 - Trecho da Carta de Pero

Leia mais

Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito *

Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito * Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito * 1. (Fatec) "A cidade-estado era um objeto mais digno de devoção do que os deuses do Olimpo, feitos à imagem de bárbaros humanos. A personalidade humana,

Leia mais

CAPÍTULO: 5 AULAS: 9, 10, 11 e 12 GRÉCIA ANTIGA

CAPÍTULO: 5 AULAS: 9, 10, 11 e 12 GRÉCIA ANTIGA CAPÍTULO: 5 AULAS: 9, 10, 11 e 12 GRÉCIA ANTIGA INTRODUÇÃO Período: 2000 a.c. 146 a.c. Região: Península Balcânica: Solo pobre e montanhoso. Várias ilhas. Uso da navegação. ORIGENS Ilha de Creta. Vida

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A ÉTICA NA POLÍTICA Palestrante: Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A origem da palavra ÉTICA Ética vem do grego ethos, que quer dizer o modo de ser, o caráter. Os romanos traduziram

Leia mais

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Sem limite para crescer! Resumo das aulas de Filosofia 1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Esses três filósofos foram os inauguradores da filosofia ocidental como a que

Leia mais

O Trabalho Coletivo na Escola

O Trabalho Coletivo na Escola O Trabalho Coletivo na Escola Profa. Dra. Myrtes Alonso 1. A gestão da escola: uma relação pedagógico-administrativa Antes de ingressarmos propriamente no tema enunciado, devemos ter bem claro os modernos

Leia mais

GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO

GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO A CIVILIZAÇÃO GREGA Localização: Península Balcânica Condições geográficas: relevo acidentado, montanhoso e solo pouco fértil, isolava os vários grupos humanos

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS

PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS Alan Rafael Valente (G-CCHE-UENP/CJ) Douglas Felipe Bianconi (G-CCHE-UENP/CJ) Gabriel Arcanjo Brianese (G-CCHE-UENP/CJ) Samantha Cristina Macedo Périco (G-CCHE-UENP/CJ)

Leia mais

Cap 1 A teoria e a prática da Educação. Ramiro Marques

Cap 1 A teoria e a prática da Educação. Ramiro Marques Cap 1 A teoria e a prática da Educação Ramiro Marques Aristóteles dedica um espaço importante de A Política ao tema da educação, preocupando-se com a discussão de vários assuntos: fim pacífico da Educação,

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

História da Educação. Profa. Dra. Andreia R. Simoni Saldanha

História da Educação. Profa. Dra. Andreia R. Simoni Saldanha História da Educação Profa. Dra. Andreia R. Simoni Saldanha Na educação clássica grega podemos reconhecer esboços de modelos teóricos, cognitivos, éticos e estéticos que dão origem a toda cultura oriental.

Leia mais

A CIDADE-ESTADO ESTADO GREGA ORIGEM DAS PÓLIS GREGAS Causas geomorfológicas A Grécia apresenta as seguintes características: - Território muito montanhoso; na Antiguidade, as montanhas estavam cobertas

Leia mais

Seminário Valores da Convivência na vida pública e privada

Seminário Valores da Convivência na vida pública e privada Seminário Valores da Convivência na vida pública e privada Diversidade e Identidade Reinaldo Bulgarelli 23 e 24 de junho reinaldo@txaiconsultoria.com.br Reinaldo Bulgarelli Reinaldo Bulgarelli é sócio-diretor

Leia mais

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO SUMÁRIO Apresentação Prefácio Introdução 1. Da história da pedagogia à história da educação 2. Três revoluções em historiografia 3. As muitas histórias educativas 4. Descontinuidade na pesquisa e conflito

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

EDUCAÇÃO FISÍCA PARA O CORPO E FILOSOFIA PARA A ALMA. RESUMO

EDUCAÇÃO FISÍCA PARA O CORPO E FILOSOFIA PARA A ALMA. RESUMO EDUCAÇÃO FISÍCA PARA O CORPO E FILOSOFIA PARA A ALMA. Albertino José da Silva 1 Anderson Alves da Silva 2 Faculdade Mauricio de Nassau 1 Universidade Estadual da Paraíba 2 RESUMO Analisaremos o ensino

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação. Teoria da Educação

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação. Teoria da Educação Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação Teoria da Educação Prof. Dra. Pura Lucia Oliver Martins SEMINÁRIO ANÍSIO TEIXEIRA

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

História da Educação. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365

História da Educação. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 História da Educação Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 Aula 1 14 fev. 2011 Apresentação dos conteúdos, estratégias, ementa, avaliação

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

EIXO 1 ESTADO, SOCIEDADE E DEMOCRACIA. D1.2 Democracia e Cidadania no Brasil (16h) Professor : Roberto Rocha Coelho Pires. Aula 2

EIXO 1 ESTADO, SOCIEDADE E DEMOCRACIA. D1.2 Democracia e Cidadania no Brasil (16h) Professor : Roberto Rocha Coelho Pires. Aula 2 EIXO 1 ESTADO, SOCIEDADE E DEMOCRACIA D1.2 Democracia e Cidadania no Brasil (16h) Professor : Roberto Rocha Coelho Pires Aula 2 5 e 6, 12 e 13 de setembro de 2011 Cidadania Introdução (conexão com aula

Leia mais

UNICAMP ANTIGUIDADE CLÁSSICA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP ANTIGUIDADE CLÁSSICA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) "Os deuses, quaisquer que tenham sido as suas origens longínquas, nada mais são do que seres humanos, maiores, mais fortes, mais belos, eternamente jovens; adquiriram não só a forma humana,

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 A ÉTICA DAS VIRTUDES A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 ETHOS Significado original do termo ETHOS na língua grega usual: morada ou abrigo

Leia mais

AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA

AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA Fábio de Araújo Aluno do Curso de Filosofia Universidade Mackenzie Introdução No decorrer da história da filosofia, muitos pensadores falaram e escreveram há cerca do tempo,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2

Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 3ª Etapa 2014 Disciplina: História Professor (a): Rodrigo Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI Nº 2.446, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / Cria Escola Municipal Professor Humberto Jacinto Pereira. EMERSON MARTINS

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND ECONOMIA, SOCIEDADE E RELIGIÃO NA GRÉCIA ANTIGA: O HOMEM GREGO Prof.

Leia mais

Dia_Logos. café teatral

Dia_Logos. café teatral café Café Teatral Para esta seção do Caderno de Registro Macu, a coordenadora do Café Teatral, Marcia Azevedo fala sobre as motivações filosóficas que marcam esses encontros. Partindo da etimologia da

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

Antiguidade Clássica: Grécia

Antiguidade Clássica: Grécia Antiguidade Clássica: Grécia Localização Localização Localização Período Creto-Micênico (XX a. C. XII a. C) Pinturas no palácio de Cnossos em Micenas Período Creto-Micênico (XX a. C. XII a. C) Escrita

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

HISTÓRIA DAS MULHERES NO BRASIL: TRAJETÓRIAS DE RECOMPOSIÇÃO DIDÁTICA. Resumo

HISTÓRIA DAS MULHERES NO BRASIL: TRAJETÓRIAS DE RECOMPOSIÇÃO DIDÁTICA. Resumo HISTÓRIA DAS MULHERES NO BRASIL: TRAJETÓRIAS DE RECOMPOSIÇÃO DIDÁTICA Angela Ribeiro Ferreira UEPG Luis Fernando Cerri UEPG Resumo O problema central de discussão da pesquisa diz respeito a dois pontos:

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Relatório de atividades desenvolvidas - FSM 2005 Marcelo Daniliauskas Atividades desenvolvidas antes

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFº DANILO BORGES

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFº DANILO BORGES RESOLUÇÕES DE QUESTÕES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFº DANILO BORGES (UFU ) Segundo Jean Paul Sartre, filósofo existencialista contemporâneo, liberdade é I- escolha incondicional que o próprio homem

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO

Autorizado pela Portaria nº 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO C U R S O D E D I R E I T O Autorizado pela Portaria nº 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: HISTÓRIA DO DIREITO Código: DIR 162 CH Total: 30 h Pré-Requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 5 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ROTEIRO DA UNIDADE 05 FINALIDADE: Com esta UE você terminará de estudar

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

MUNDO GREGO MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA ANTIGUIDADE CLÁSSICA. http://historiaonline.com.br

MUNDO GREGO MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA ANTIGUIDADE CLÁSSICA. http://historiaonline.com.br MUNDO GREGO MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA ANTIGUIDADE CLÁSSICA CARACTERÍSTICAS GERAIS (Modo de Produção Escravista) a) Propriedade privada (fim do coletivismo primitivo e da servidão coletiva). b) Cidades

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO Área de Conhecimento: Linguagens Componente Curricular: Educação Física Ementa A Educação Física no Ensino Médio tratará da cultura corporal, sistematicamente

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA Mais uma vez a prova de História da UFPR distribuiu muito bem os assuntos, abordando temas importantes e esperados, como a educação em Esparta, o nascimento das universidades,

Leia mais

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos)

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) 3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) Questão (1) - A filosofia se constitui, a partir das concepções de Sócrates, Platão e Aristóteles, como o pensamento que investiga: a) A questão da dívida externa.

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 PERÍODO: II

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 PERÍODO: II 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 PERÍODO: II CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃOMENTA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 2. EMENTA A dimensão

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

PROFESSOR: JORGE AUGUSTO MATÉRIA: HISTÓRIA 6º ANO

PROFESSOR: JORGE AUGUSTO MATÉRIA: HISTÓRIA 6º ANO PROFESSOR: JORGE AUGUSTO MATÉRIA: HISTÓRIA 6º ANO ASSUNTO: GRÉCIA ANTIGA VIDEOAULA: 15 POLÍTICA Politicamente, Esparta era baseada na oligarquia. Diarquia: formada por dois reis, com autoridade religiosa

Leia mais

Distinção entre Norma Moral e Jurídica

Distinção entre Norma Moral e Jurídica Distinção entre Norma Moral e Jurídica Filosofia do direito = nascimento na Grécia Não havia distinção entre Direito e Moral Direito absorvia questões que se referiam ao plano da consciência, da Moral,

Leia mais

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Helena C. Buescu, Luís C. Maia, Maria Graciete Silva, Maria Regina Rocha 10.º Ano: Oralidade Compreensão do Oral Objetivo Compreender

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE I Educação Matemática e Ensino HISTÓRIA DA ESCOLA Quando e como surgiram as escolas? ESCOLA, do grego SKHOLE que significa LAZER EDUCAR, do latim

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES SÓCRATES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES SÓCRATES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES RESOLUÇÕES DE QUESTÕES SÓCRATES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES 1. (Unicamp 2013) A sabedoria de Sócrates, filósofo ateniense que viveu no século V a.c., encontra o seu ponto de partida

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

DESAFIOS PARA FORMAÇÃO DE UM DOCENTE DE DESENHO INDUSTRIAL Sandra Lúcia de Oliveira Martins

DESAFIOS PARA FORMAÇÃO DE UM DOCENTE DE DESENHO INDUSTRIAL Sandra Lúcia de Oliveira Martins DESAFIOS PARA FORMAÇÃO DE UM DOCENTE DE DESENHO INDUSTRIAL Sandra Lúcia de Oliveira Martins INTRODUÇÃO A permanente a preocupação com a formação docente e a falta de prática em sala de aula, que não conduz

Leia mais

2 Evolução do conceito de marketing

2 Evolução do conceito de marketing 2 Evolução do conceito de marketing Marketing é uma disciplina nova de prática bem antiga. (MOTTA, 1983, p. 37). Marketing é uma terminologia recente de uma prática cujas origens remontam aos primórdios

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

3. Um olhar interessante na reação de Pe. Pedro Rubens é que a experiência apresentada nos traz olhar que os problemas são encarados como desafios.

3. Um olhar interessante na reação de Pe. Pedro Rubens é que a experiência apresentada nos traz olhar que os problemas são encarados como desafios. SISTEMATIZAÇÃO NICARAGUA Aprendizagens com a experiência. 1. Se deve levar em conta os momentos históricos. O nascimento do colégio na Venezuela também passou por vários momentos. Este colégio, contudo,

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

Organizações de defesa do cidadão

Organizações de defesa do cidadão Organizações de defesa do cidadão Denise Catarina Silva Mangue Ser cidadão na sociedade da informação Em 1976, o inglês T. H. Marshall um dos principais pensadores contemporâneos envolvidos na discussão

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG LOCALIZAÇÃO E POVOAMENTO A Grécia antiga localizava-se em sua maior parte do sudeste da Europa

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS Driely Xavier de Holanda Kátia Fabiana Lopes de Goes Valmira Cavalcante Marques Regina Celi Mendes Pereira Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO A FORMAÇÃO DO CURRÍCULO DA REDE O solicitou-nos uma base para colocar em discussão com os professores de história da rede de São Roque. O ponto de partida foi a grade curricular formulada em 2008 pelos

Leia mais