O SÉCULO DE OURO DE ATENAS E SEUS PRIMÓRDIOS. Por Pedro Yannoulis I - DO REGIME TIRÂNICO E SUA TRANSFORMAÇÃO PARA O REGIME DEMOCRÁTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SÉCULO DE OURO DE ATENAS E SEUS PRIMÓRDIOS. Por Pedro Yannoulis I - DO REGIME TIRÂNICO E SUA TRANSFORMAÇÃO PARA O REGIME DEMOCRÁTICO"

Transcrição

1 O SÉCULO DE OURO DE ATENAS E SEUS PRIMÓRDIOS Por Pedro Yannoulis I - DO REGIME TIRÂNICO E SUA TRANSFORMAÇÃO PARA O REGIME DEMOCRÁTICO Ao final do séc. VI a.c., vive em Atenas aquele que é considerado um dos Sete Sábios da Grécia Antiga, Sólon, o qual lançou as sementes da legislação ateniense e a ideia de um regime político em que o povo tivesse participação expressa. Lançou a ideia da Assembleia dos Quatrocentos, representativas das classes sociais que compunham a sociedade ateniense de sua época. Todavia, apesar dos esforços desse sábio e legislador, na segunda metade do séc. VI a.c., o governo da cidade cai nas mãos do tirano Pisístrato. Entende-se como tirania um governo autoritário e opressivo. Não significa que fosse um governo aristocrático pois este, em última instância, também poderia ter representatividade. Na realidade, como veremos logo mais, o governo tirânico dos Pisistrátidas (o próprio Pisístrato e seus filhos), era sob certo aspecto um governo populista, o que nos faz lembrar muitas situações análogas vividas na atualidade. Com a morte de Pisístrato, 528 a.c., sucederam-no seus dois filhos varões, Hípias e Hiparco. Conquanto Pisístrato pudesse ser considerado um tirano de hábitos simples, vivendo como qualquer cidadão (daí seu aspecto populista), seus dois filhos fizeram-se rodear por pessoas e artistas de renome, o que ajudou a projetar Atenas, desde esta época, como centro irradiador da civilização grega. Muitas famílias aristocráticas, que haviam deixado a urbe exatamente pelo fato de Pisístrato se opor a eles, acabaram por retornar, ao entender que a situação era muito mais segura do que sob o comando de seu pai. Por motivos de ordem pessoal e fator de vingança, um grupo de atenienses assassinou Hiparco. Doravante, Hipias endureceu o regime e novamente os aristocratas abandonaram a cidade. A tirania de Pisístrato e de seus filhos tinha um caráter populista, como eu já disse anteriormente, daí o motivo das intrigas especificamente com a aristocracia, enquanto que o povo em geral não era de todo contrário a ela, já que seus interesses não eram atingidos. O regime tirânico continuou sob Hípias, mas a aristocracia tramou contra ele. Assim, com o apoio de Cleómenes, rei de Esparta, Hípias foi expulso no ano de 508 a.c. (exilando-se na corte do imperador dos persas) e o poder foi tomado por Clístenes que, apesar de pertencer à aristocracia, decidiu definitivamente dar uma nova perspectiva ao regime político de Atenas. Ele obtém o controle da cidade e as condições de reformar todo o sistema.

2 Pela primeira vez, sob Clístenes o povo começou a ter voz ativa. Para isso, ele estabeleceu duas instituições, pela qual a população seria ouvida e teria efetiva participação no governo, a saber: a) A Assembleia dos 500 (em grego, ΒΟΥΛΗ ΤΩΝ ΠΕΝΤΑΚΟΣΙΩΝ) que, considerada sob o prisma da atualidade, funcionaria como uma Câmara Baixa e b) A Assembleia do Povo (em grego, ΕΚΚΛΗΣΙΑ ΤΟΥ ΔΗΜΟΥ), que seria uma Câmara Alta. Há de se observar que a palavra ΒΟΥΛΗ (transliterada pelo método clássico, BOULÉ e, no grego moderno pronunciada como VULI), é o nome que se dá na atualidade ao Parlamento da Grécia, chamado de ΒΟΥΛΗ ΤΩΝ ΕΛΛΗΝΩΝ, isto é, Assembleia dos Gregos. Já a palavra ΕΚΚΛΗΣΙΑ, que transliterada pelo método clássico é ECCLESIA e que no grego moderno se pronuncia EKLISSIA, perdeu o significado de assembleia e passou, após a prevalência do Cristianismo entre os Helenos, a designar IGREJA. O sentido, logicamente, era de início metafórico, já que na igreja havia a reunião de fiéis. A palavra Eclésia, que entrou para o latim, deu origem às palavras chiesa, em italiano, église, em francês, iglesia em espanhol e, finalmente, igreja, em português. Conquanto todas as decisões mais importantes e definitivas tivessem de ser tomadas pela Assembleia do Povo, nada poderia ser apreciado por ela se antes não tivesse sido examinado pela Assembleia dos Quinhentos. Um sistema parecido com os das duas câmaras do Congresso Brasileiro, só que no nosso caso, não há um sequência obrigatória na elaboração do processo legislativo, que indistintamente pode iniciar-se na Câmara dos Deputados ou no Senado Federal. Na Atenas antiga, a ordem era a exposta acima. Clístenes tratou de formar em Atenas uma verdadeira classe média, em que a posição do cidadão não dependesse mais de sua renda e onde ele era livre para ocupar e exercer os mais diversos cargos e profissões. Na realidade, ele levou adiante as reformas preconizadas por Sólon e é por isso considerado um dos pais da democracia e abriu o caminho para a postura democrática de Péricles. Segundo disse Aristóteles, séculos mais tarde, Clístenes Deu o Estado ao povo. E foi essa mesma classe média, por ele formada e incentivada, constituída de cidadãos livres, a base para a formação do exército ateniense, que poucos anos depois viria a salvar a cidade da invasão persa na planície de Maratona. Eram soldados que lutavam para defender sua cidade, suas casas, suas mulheres e seus filhos, não mercenários, prontos a lutar por quem lhes oferecesse mais. II A REVOLTA JÔNICA

3 Entretanto, importantes acontecimentos sucediam na margem oposta do Mar Egeu e que viriam a influenciar a história de Atenas e de todo o Mundo Helênico pelos séculos vindouros. Tudo se iniciou com a expansão do Império Persa, desde a Ásia Central até as margens do Mar Mediterrâneo, incluindo todas as colônias gregas da Ásia Menor e, mais ainda, penetrando em território africano, com a invasão do Egito em 525 a.c. Em 499 a.c. iniciou-se a revolta de algumas colônias gregas, destacando-se Mileto, importante cidade da Jônia. A cidade pediu ajuda a diversas cidades da Grécia continental, mas que recusaram o pedido, por temor de enfrentar o grande império. Mas, por ser Atenas também uma cidade de origem jônica, resolveu mandar, juntamente com a cidade de Erétria, na Ilha de Eubéia, uma ajuda de 25 trirremes. Após terem sufocado a revolta e destruído Mileto, os persas empreenderam um plano de vingança contra as duas cidades da metrópole, que ousaram desafiar seu poderio. Em 492 a.c. o plano foi posto em execução, inicialmente com a conquista da Trácia e de parte da Macedônia. A cidade de Erétria, por sua vez, foi tomada, saqueada e destruída pelo fogo. E, dois anos depois, em 490 a.c., os persas finalmente desembarcam na planície de Maratona, a pouco mais de 40 km da cidade de Atenas, com o objetivo de dar-lhe destino idêntico ao que tivera Erétria. A batalha daí resultante foi um dos maiores feitos da História Universal, em que atenienses e plateenses, únicos aliados que Atenas encontrou na última hora, destruíram o exército persa, infinitamente maior. A vitória de Atenas na Batalha de Maratona foi um resultado feliz das reformas implantadas há menos de duas décadas por Clístenes e que transformaram todo cidadão ateniense, homem livre que era, num defensor de sua cidade e de seu próprio lar, e não num mercenário, que lutava apenas pela perspectiva do butim final, como cheguei a falar um pouco antes. Maratona é um marco importantíssimo no desenrolar da História pelas décadas vindouras, já que, se de um lado assinala o longo, sangrento e desgastante confronto entre gregos e persas, também estabelece o início temporal do período de maior apogeu não só da cidade de Atenas como de toda a Civilização Grega, sob todos os aspectos. Em face do justo temor de que os atenienses foram tomados, ao saber que tão poderoso exército estava a marchar contra sua urbe, ao se consolidar a vitória o general ateniense, Miltíades, encarregou um soldado de ir, o mais rápido possível, e narrar aos temerosos cidadãos o desfecho feliz da luta. Fidípides, este nome, era um soldado, não um atleta. Todavia, assim mesmo ele percorreu os 42 km que separavam o campo de batalha da Ágora de Atenas, e em lá chegando teve tempo apenas de dizer Vencemos os persas e os medos, e faleceu, de exaustão. O brilho da vitória em Maratona e o feito brilhante deste simples soldado da infantaria, mais sua importância para a Humanidade, que impediu a primeira tentativa de invasão da Europa

4 pela Ásia, foi perpetuado na instituição da célebre corrida, considerada a maior prova de resistência física do mundo, nos Jogos Olímpicos da atualidade. Disputada desde os Jogos Olímpicos de 1896, a Maratona goza de tanto prestígio e importância que se consagrou como o ato de encerramento das Olimpíadas e diversas versões são disputadas corriqueiramente nos mais diversos quadrantes do planeta. Costumo dizer sempre, em tom de brincadeira, que possivelmente só não deve existir a Maratona de Teerã... em todos os outros cantos do mundo, com certeza há! III - O APOGEU DE ATENAS Os persas, todavia, não desistiram de sua sanha vingativa contra Atenas. Diz-se que Dario tinha encarregado um escravo de lhe dizer, todas as manhãs: Senhor, não vos esqueçais dos atenienses. Dario morreu sem ter visto realizada sua vingança. Contudo, seu filho Xerxes, herdou dele o ódio contra Atenas e o firme propósito de levar a cabo o desejo de seu pai. Organizou um exército e uma frota como jamais vistos e em 480 a.c. pôs em marcha em direção à Grécia e em especial a Atenas. O exército adentrou na Europa por intermédio de uma ponte flutuante montada sobre o Helisponto (atual Estreito de Dardanelos), enquanto a frota seguia próxima ao litoral. Por ocasião da segunda invasão houve maior união entre os gregos. Esparta mandou seu célebre batalhão dos Trezentos, comandado pelo próprio rei, Leônidas, para enfrentar os persas. Este punhado de gente combateu até a morte, no desfiladeiro das Termópilas. Ultrapassado o desfiladeiro, a via para Atenas estava livre. Apavorada, a população ateniense refugiou-se na vizinha ilha de Salamina, sentindo-se protegida pela presença da imponente frota, composta por ágeis trirremes, que os defenderia das tropas persas. A batalha se constitui na segunda grande glória de Atenas: após terem os persas invadido a cidade abandonada e queimado a Acrópole, viram sua frota ser totalmente dizimada na estreita passagem que separa o continente da ilha. Os poucos barcos que restaram trataram de levar para a Ásia o rei e os dignitários mais importantes e uma parte das tropas, enquanto que o remanescente, sem ter como, ficou a vagar pela Grécia.

5 A destruição definitiva do imenso exército persa, na Grécia Continental, deu-se após a batalha de Plateia, em 479 a.c. Nunca mais os persas voltaram a invadir a Grécia. Os atenienses, prevalecendo-se de seu imenso poderio naval, sem comparação em todo o Mediterrâneo, passam a combater os persas já nas costas da Ásia Menor. As diversas cidades-estados, a fim de se proteger melhor de um eventual novo ataque do inimigo, fundaram a Confederação o Liga de Delos, sob a égide de Atenas, no ano de 476 a.c. Delos é uma pequena ilha do Mar Egeu, muito próxima a Míkonos, hoje desabitada. Após determinado tempo, algumas cidades, aí incluída Esparta, entendendo que o perigo persa não mais existia, retiraram-se da Confederação. O tesouro, composto de contribuições voluntárias e de impostos cobrados às cidades membros da Liga ficava depositado no santuário da ilha de Delos, tendo sido posteriormente transferido para Atenas, no ano de 450 a.c. Foi quando os atenienses começaram a desviar a destinação original do tesouro, para financiar as obras da reconstrução da cidade e notadamente da Acrópole, destruída por Xerxes em 480 a.c. Nessa ocasião é que se iniciou a construção do Partenon. Péricles foi a expressão mais perfeita desta fase de apogeu, que foi corretamente denominada pelos historiadores de SÉCULO DE OURO ou de SÉCULO DE PÉRICLES. O período, todavia, não abrange o séc. V a.c. integralmente, mas está delimitado entre derrota dos persas na segunda invasão (479 a.c.) e o início da Guerra do Peloponeso, em 431 a.c. Péricles subiu ao poder em Atenas no ano de 461 a.c. e após a transferência do tesouro, de Delos para Atenas, na realidade transformou a Confederação em Hegemonia de Atenas, ou como dizem alguns, num Império ateniense camuflado sob o título de confederação. Péricles, além de consolidar de maneira definitiva o sistema democrático ateniense, transformou a cidade num dos maiores polos de civilização e de cultura que já houve, até hoje, na Humanidade. A par da arquitetura, ali floresceram a política, a história, a filosofia, a escultura, a literatura, as artes representativas, como a tragédia e a comédia e as ciências, com seus maiores expoentes sediados na urbe ateniense. Na Atenas da época de Péricles é que se lançaram os fundamentos da que seria chamada, posteriormente, de Civilização Ocidental. Nunca, na história da Humanidade, houve uma cidade que conseguisse reunir um contingente de tal porte de pessoas eruditas e conhecedoras de todos os ramos da ciência humana. O esplendor de Atenas perpetuou-se mesmo quando a cidade decaiu política e militarmente, tendo sido conquistada primeiro pelos macedônios de Filipe e posteriormente pelos romanos. Estes, contudo, renderam-se de todas as formas à sua grandeza intelectual.

6 Conta-se que Nero, famoso por sua crueldade e por ter mandado incendiar Roma, tinha enorme apreço pela cidade. Os imperadores Adriano e Marco Aurélio passaram temporadas na cidade, a fim de realizar estudos e aprimorar o espírito. Na época romana continuaram as grandes obras, dentre as quais se podem apreciar, até hoje, o Templo de Zeus Olímpico, a Porta de Adriano, a Ágora Romana. A verdadeira decadência de Atenas iniciou-se com a prevalência do cristianismo sobre o paganismo, entre os séculos V e VI de nossa era, quando tudo que se referisse à antiga Civilização Grega era automaticamente estigmatizado como pagão e, consequentemente, contrário à nova religião. A derradeira pá de cal sobre este passado glorioso deu-se quando o Imperador Justiniano ordenou o fechamento da Escola de Filosofia de Atenas, herdeira direta da Academia de Platão, em 529 d.c. As trevas da Idade Média haviam chegado para valer. IV ASPÁSIA DE MILETO Preliminarmente, devo esclarecer que a denominação composta, Aspásia de Mileto é usada pelos povos ocidentais, nunca pelos gregos. Para eles, ASPÁSIA (ou ΑΣΠΑΣΙΑ) é ela, e somente ela, a que veio de Mileto e se tornou a companheira de Péricles. Toda e qualquer outra Aspásia pode precisar de adjetivo gentílico, de epíteto ou de sobrenome, mas nunca ela. Quando se fala em ASPÁSIA, na história grega e até os tempos atuais, todos sabem a quem se está referindo. Neste contexto, da cidade mais culta da época e que assim permaneceu por séculos, em torno do ano 440 a.c. chega a Atenas uma mulher jovem e bonita, segundo descrições da época, originária da mesma Mileto à qual já nos referimos, e que foi o estopim da primeira invasão persa, de nome Aspásia. Os historiadores referem-se a Aspásia como sendo uma HETERA, ou na grafia grega transliterada, hetaira. O Aurélio traz a grafia com e, tal como se pronuncia em grego e aqui cabe um esclarecimento. No grego, como em todo e qualquer idioma, há ditongos. Um dentre os muitos é o ditongo composto pelas letras A e I, cuja pronúncia não é ai, mas e. Este o motivo porque se diz hetera. Se alguém disser hetaira, a um grego soará tão bizarro quanto soa para nós ouvir estrangeiros referirem-se à nossa cidade como SAO PAULO, isto é, sem o til no ditongo ão. E o H, que é mudo, provém do fato de a palavra em grego receber o chamado espírito áspero, um dos dois que antecediam as vogais e na transposição do grego para o latim, ainda na época clássica, foi identificado com a letra H.

7 Etimologicamente, a palavra provém do substantivo etairia (pronúncia Etería ), que significa companhia. Hoje, no grego moderno, a expressão sociedade anônima se diz anónymos etería. O sócio é éteros. A partir desta origem etimológica, passou-se a denominar estas mulheres de heteras, ou seja, de companheiras, ou seja, não eram submissas Eram elas as únicas que naquela ocasião, na sociedade grega em geral e na ateniense em especial, a gozar de ampla independência, podiam possuir e gerir propriedades pessoais e ter seus próprios escravos. Frequentavam festas, banquetes, discutiam artes, filosofia, poesia, sabiam tocar instrumentos musicais e eram livres no amor. Todavia, não podiam ser confundidas com prostitutas, que eram pagas por noitada ou serviços prestados, mas eram exatamente consideradas companheiras de seus parceiros, dos quais recebiam presentes e doações, o que lhes proporcionava uma vida confortável, de padrão acima da média. Para poderem ser companheiras e desempenhar as funções que acima mencionei, precisavam ser mulheres cultas, o que não sucedia com as mulheres comuns, que eram simplesmente mães de família. É evidente que tiveram muitos opositores e detratores, para os quais etera nada mais era do que um eufemismo para prostituta, mas ao se refletir bem sobre as qualidades que estas mulheres apresentavam, não se há de confundi-las com simples mercadores mercadoras de amor. Fontes gregas consultadas mencionam a notável semelhança com as funções desempenhadas pelas gueixas, na cultura e na sociedade JAPONESAS japoneses, elas também, sob certo aspecto, mulheres instruídas acima do normal e que tinham a função de distrair seus homens, não somente com favores sexuais, mas sua arte e sua cultura. A partir deste ponto, quem deverá falar, com muito mais precisão e clareza a respeito do tema foco desta palavra, é a eminente Aspásia Papazanakis.

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA Profº Alexandre Goicochea História ORIGENS O mundo grego antigo ocupava além da Grécia, a parte sul da península Balcânica, as ilhas do mar Egeu, a costa da Ásia Menor, o

Leia mais

Lista de Exercícios:

Lista de Exercícios: PROFESSOR(A): Ero AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DATA DA REALIZAÇÃO ROTEIRO DA AVALIAÇÃO 2ª ETAPA AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º CONTÉUDOS ABORDADOS Cap. 4: o mundo grego todos os temas Cap

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

Escravismo Antigo. Baseado na liberdade que se tem. Dois grupos sociais: Desenvolvimento intelectual, artístico, militar e político

Escravismo Antigo. Baseado na liberdade que se tem. Dois grupos sociais: Desenvolvimento intelectual, artístico, militar e político Escravismo Antigo Estrutura econômica Escravos produzem maior parte da riqueza Estrutura social Baseado na liberdade que se tem. Dois grupos sociais: à Livres: Desenvolvimento intelectual, artístico, militar

Leia mais

Grécia Antiga II. Cronologia

Grécia Antiga II. Cronologia Grécia Antiga II Cronologia Grécia - Cronologia Período pré-homérico (séc. XX- XII a.c) Migrações dos povos formadores da Grécia Período Homérico (séc. XII- VIII a.c) Genos (comunidades políticas) se estruturam,

Leia mais

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 CURSINHO PRÓ-ENEM 2015 E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 Origens A história grega pode ser dividida em quatro grandes períodos: Homérico (séculos XII a VIII a.c.), Arcaico (séculos

Leia mais

CAPÍTULO: 5 AULAS: 9, 10, 11 e 12 GRÉCIA ANTIGA

CAPÍTULO: 5 AULAS: 9, 10, 11 e 12 GRÉCIA ANTIGA CAPÍTULO: 5 AULAS: 9, 10, 11 e 12 GRÉCIA ANTIGA INTRODUÇÃO Período: 2000 a.c. 146 a.c. Região: Península Balcânica: Solo pobre e montanhoso. Várias ilhas. Uso da navegação. ORIGENS Ilha de Creta. Vida

Leia mais

Grécia Antiga. Profº Paulo Henrique

Grécia Antiga. Profº Paulo Henrique Grécia Antiga Profº Paulo Henrique Periodização Período pré-homérico (2800 1100 a.c.): povoamento da Grécia. Período homérico (1100 800 a.c): poemas Ilíada e Odisséia. Período arcaico (800 500 a.c) : formação

Leia mais

Localização Geográfica. -Sul da Europa, na Península Balcânica, junto ao mar Mediterrâneo.

Localização Geográfica. -Sul da Europa, na Península Balcânica, junto ao mar Mediterrâneo. O Mundo Grego - I Localização Geográfica -Sul da Europa, na Península Balcânica, junto ao mar Mediterrâneo. Povoamento -Arianos ou indo-europeus (aqueus, jônios, eólios e dórios). -Invasão dos Dórios (armas

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

Antiguidade Clássica: Grécia

Antiguidade Clássica: Grécia Antiguidade Clássica: Grécia Localização Localização Localização Período Creto-Micênico (XX a. C. XII a. C) Pinturas no palácio de Cnossos em Micenas Período Creto-Micênico (XX a. C. XII a. C) Escrita

Leia mais

Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente;

Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente; GRÉCIA ANTIGA Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente; Diferentes classes sociais; Escravos (produção); Aristocratas (representação mostra de superioridade e desenvolvimento para outros povos artes,

Leia mais

ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA

ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA FACELI FACULDADE SUPERIOR DE LINHARES DISCIPLINA DE HISTÓRIA DO DIREITO CURSO DE DIREITO / 1º DIREITO B ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA BARBARA LICIA JAMARA FERREIRA P. ARAUJO JANE SCHULZ

Leia mais

A História da Grécia Antiga se estende do século XX a.c. até o século II a.c. quando a região foi conquistada pelos romanos.

A História da Grécia Antiga se estende do século XX a.c. até o século II a.c. quando a região foi conquistada pelos romanos. HISTÓRIA ANTIGA Grécia I - formação Situada no sul da Europa (Península balcânica), numa região de relevo acidentado e um arquipélago no Mar Egeu, a Grécia foi palco de uma civilização que se desenvolveu

Leia mais

PROFª TEREZA SODRÉ MOTA

PROFª TEREZA SODRÉ MOTA PROFª TEREZA SODRÉ MOTA LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA PERIODIZAÇÃO PERÍODO PRÉ- HOMÉRICO Imigração indo-européia Formação da cultura creto-micênica. Primeira Diáspora grega =invasão dórica PERÍODO HOMÉRICO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 5 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ROTEIRO DA UNIDADE 05 FINALIDADE: Com esta UE você terminará de estudar

Leia mais

PROFESSOR: JORGE AUGUSTO MATÉRIA: HISTÓRIA 6º ANO

PROFESSOR: JORGE AUGUSTO MATÉRIA: HISTÓRIA 6º ANO PROFESSOR: JORGE AUGUSTO MATÉRIA: HISTÓRIA 6º ANO ASSUNTO: GRÉCIA ANTIGA VIDEOAULA: 15 POLÍTICA Politicamente, Esparta era baseada na oligarquia. Diarquia: formada por dois reis, com autoridade religiosa

Leia mais

QUEM DESEJAR A PAZ, PREPARE-SE PARA A GUERRA. O Período republicano, foi marcado pelas conquistas territoriais que tornaram Roma a cidade-mundo

QUEM DESEJAR A PAZ, PREPARE-SE PARA A GUERRA. O Período republicano, foi marcado pelas conquistas territoriais que tornaram Roma a cidade-mundo QUEM DESEJAR A PAZ, PREPARE-SE PARA A GUERRA O Período republicano, foi marcado pelas conquistas territoriais que tornaram Roma a cidade-mundo EXPANSÃO ROMANA = teve duas fases INTERNA EXTERNA Conquista

Leia mais

Avaliação de História 6º ano FAF *Obrigatório

Avaliação de História 6º ano FAF *Obrigatório 08/06/2015 Avaliação de História 6º ano FAF Avaliação de História 6º ano FAF *Obrigatório 1. Nome Completo: * 2. Número: 3. Série: * Marcar apenas uma oval. 6ºA 6ºB Na Grécia Antiga se desenvolveu uma

Leia mais

PARNAMIRIM - RN. 6º ano Professores: Ricardo Gomes Verbena Ribeiro

PARNAMIRIM - RN. 6º ano Professores: Ricardo Gomes Verbena Ribeiro PARNAMIRIM - RN 6º ano Professores: Ricardo Gomes Verbena Ribeiro 1. CONTEXTO / INTRODUÇÃO Como vimos anteriormente, a Grécia, nada mais é do que o berço da cultura Ocidental, e como tal, nos deixou como

Leia mais

Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2

Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 3ª Etapa 2014 Disciplina: História Professor (a): Rodrigo Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Newton Bignotto. Maquiavel. Rio de Janeiro

Newton Bignotto. Maquiavel. Rio de Janeiro Newton Bignotto Maquiavel Rio de Janeiro Introdução No ano em que nasceu Maquiavel, 1469, Florença vivia um período agitado. Embora ainda fosse formalmente uma república, a cidade era de fato administrada

Leia mais

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo O Consulado: Economia, Educação

Leia mais

A história da Grécia é comumente dividida em 5 períodos:

A história da Grécia é comumente dividida em 5 períodos: A história da Grécia é comumente dividida em 5 períodos: Pré-homérico ocupação dos povos formadores. Homérico formação do genos (base familiar) - Ilíada e Odisseia. Arcaico formação da polis. Clássico

Leia mais

HISTÓRIA GERAL. Profª. Maria Auxiliadora

HISTÓRIA GERAL. Profª. Maria Auxiliadora HISTÓRIA GERAL Profª. Maria Auxiliadora GRÉCIA Península Balcânica Relevo acidentado e recortado Características Gerais Grécia Período Pré-Homérico -séc. XX a.c. XII a. C. Formação do povo grego pelasgos

Leia mais

Era considerado povo os cidadãos de Atenas, que eram homens com mais de 18 anos, filhos de pais e mães atenienses.

Era considerado povo os cidadãos de Atenas, que eram homens com mais de 18 anos, filhos de pais e mães atenienses. Trabalho de Filosofia Mito e Filosofia na Grécia Antiga Texto 1 1- (0,3) Democracia quer dizer poder do povo. De acordo com o texto, quem era considerado povo em Atenas Antiga? Explique com suas palavras.

Leia mais

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.:

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Como o relevo

Leia mais

Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito *

Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito * Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito * 1. (Fatec) "A cidade-estado era um objeto mais digno de devoção do que os deuses do Olimpo, feitos à imagem de bárbaros humanos. A personalidade humana,

Leia mais

A GRÉCIA ANTIGA passo a passo

A GRÉCIA ANTIGA passo a passo A GRÉCIA ANTIGA passo a passo ÉRIC DARS e ÉRIC TEYSSIER Ilustrações de Vincent Caut Tradução de Julia da Rosa Simões Copyright do texto 2011 by Éric Dars e Éric Teyssier Copyright das ilustrações 2011

Leia mais

1. (1,0) APONTE o nome da região em que foi desenvolvida a civilização grega.

1. (1,0) APONTE o nome da região em que foi desenvolvida a civilização grega. PARA A VALIDADE DO QiD, AS RESPOSTAS DEVEM SER APRESENTADAS EM FOLHA PRÓPRIA, FORNECIDA PELO COLÉGIO, COM DESENVOLVIMENTO E SEMPRE A TINTA. TODAS AS QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA DEVEM SER JUSTIFICADAS.

Leia mais

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Montanhas e costas marítimas; Mar Mediterrâneo, Mar Egeo e Mar Jônico. Costa bastante recortada com 80% de montanhas; Grande numero de Ilhas; Formação

Leia mais

HISTÓRIA REVISAO 1 REVISAO 2. Vídeo - Moisés Príncipe do Egito.

HISTÓRIA REVISAO 1 REVISAO 2. Vídeo - Moisés Príncipe do Egito. Vídeo - Moisés Príncipe do Egito. Os hebreus Foram os primeiros povos monoteístas da história. Seus reis mais famosos foram Davi e Salomão. A Bíblia é uma fonte importante para o conhecimento sobre a história

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG LOCALIZAÇÃO E POVOAMENTO A Grécia antiga localizava-se em sua maior parte do sudeste da Europa

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

O povo da Bíblia HEBREUS

O povo da Bíblia HEBREUS O povo da Bíblia HEBREUS A FORMAÇÃO HEBRAICA Os hebreus eram pastores nômades que se organizavam em tribos lideradas por chefes de família denominado patriarca. Principais patriarcas: Abraão, Jacó e Isaac.

Leia mais

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo.

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. JOÁS, O MENINO REI Lição 65 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. 2. Lição Bíblica: 2 Reis 11; 2 Crônicas 24.1-24 (Base bíblica para a história

Leia mais

O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a

O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a IDEIAS A RETER SOBRE A GRÉCIA O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a 507) e mais tarde aperfeiçoadas

Leia mais

MESOPOTÂMIA ORIENTE MÉDIO FENÍCIA ISRAEL EGITO PÉRSIA. ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações

MESOPOTÂMIA ORIENTE MÉDIO FENÍCIA ISRAEL EGITO PÉRSIA. ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações MESOPOTÂMIA FENÍCIA ISRAEL EGITO ORIENTE MÉDIO PÉRSIA ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE ORIENTAL Mesopotâmia - Iraque Egito Hebreus Israel Fenícios Líbano Pérsia

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND ECONOMIA, SOCIEDADE E RELIGIÃO NA GRÉCIA ANTIGA: O HOMEM GREGO Prof.

Leia mais

- Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha sobre o Descobrimento do Brasil. - Fotografias da posse do presidente do Brasil

- Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha sobre o Descobrimento do Brasil. - Fotografias da posse do presidente do Brasil MATERIAL DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL 6 ANO 1) Classifique as fontes listadas abaixo em primarias e secundárias: - Vídeo do atentado terrorista ao World Trade Center em 2001 - Trecho da Carta de Pero

Leia mais

JESUS, MOISÉS E ELIAS Lição 30. 1. Objetivos: Mostrar que Jesus está sobre todas as pessoas porque é o filho de Deus..

JESUS, MOISÉS E ELIAS Lição 30. 1. Objetivos: Mostrar que Jesus está sobre todas as pessoas porque é o filho de Deus.. JESUS, MOISÉS E ELIAS Lição 30 1 1. Objetivos: Mostrar que Jesus está sobre todas as pessoas porque é o filho de Deus.. 2. Lição Bíblica: Mateus 17.1-13; Marcos 2.1-13; Lucas 9.28-36 (Leitura bíblica para

Leia mais

Esparta: A Sociedade da Guerra

Esparta: A Sociedade da Guerra Esparta: A Sociedade da Guerra Esparta se constituiu como uma pólis guerreira. Seu exército foi um dos mais eficientes do mundo grego 1 Localização» Lendas do século V a.c. relatam que descendentes de

Leia mais

AULA DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA 14/09/2009 GRÉCIA. Localização Península Balcânica sudeste da Europa Território Relevo Acidentado 80% montanhoso

AULA DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA 14/09/2009 GRÉCIA. Localização Península Balcânica sudeste da Europa Território Relevo Acidentado 80% montanhoso AULA DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA GRÉCIA Localização Península Balcânica sudeste da Europa Território Relevo Acidentado 80% montanhoso ASPECTOS GEOGRÁFICOS Povos invasores formada por muitas ilhas a maior

Leia mais

ANTIGUIDADE CLÁSSICA GRÉCIA

ANTIGUIDADE CLÁSSICA GRÉCIA ANTIGUIDADE CLÁSSICA GRÉCIA 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Território acidentado; Desenvolvimento do comércio e navegação; Descentralização política (Cidade-Estado); Modo de produção escravista; Contribuições

Leia mais

Geografia e Povoamento A civilização romana se localizou na parte continental pela península Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, Sardenha e Sicília banhada pelos mares Mediterrâneo, Tirreno,

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Cidadania Democracia Filosofia Geometria Teatro Período Pré-Homérico (2800 1100 a. C.) povoamento da Grécia. Período Homérico (1100 800 a. C.) poemas

Leia mais

MUNDO GREGO MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA ANTIGUIDADE CLÁSSICA. http://historiaonline.com.br

MUNDO GREGO MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA ANTIGUIDADE CLÁSSICA. http://historiaonline.com.br MUNDO GREGO MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA ANTIGUIDADE CLÁSSICA CARACTERÍSTICAS GERAIS (Modo de Produção Escravista) a) Propriedade privada (fim do coletivismo primitivo e da servidão coletiva). b) Cidades

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

Profº Hamilton Milczvski Jr

Profº Hamilton Milczvski Jr Profº Hamilton Milczvski Jr A Formação Segundo a mitologia romana, a cidade de Roma foi fundada por dois irmãos gêmeos, Rômulo e Remo, os quais haviam sido abandonados no Rio Tibre. Atraída pelo choro

Leia mais

Spartacus,um homem que nasceu escravo, trabalhou para o Império Romano enquanto sonhava com o fim da escravidão seu trabalho - gladiador

Spartacus,um homem que nasceu escravo, trabalhou para o Império Romano enquanto sonhava com o fim da escravidão seu trabalho - gladiador A REPÚBLICA ROMANA EM CRISE Por volta de 70 à 80 a.c., Roma mergulhou em uma grande crise política, causada principalmente pela disputa pelo poder entre os generais romanos e pelas revoltas de escravos

Leia mais

No princípio era aquele que é a Palavra... João 1.1 UMA IGREJA COM PROPÓSITOS. Pr. Cristiano Nickel Junior

No princípio era aquele que é a Palavra... João 1.1 UMA IGREJA COM PROPÓSITOS. Pr. Cristiano Nickel Junior No princípio era aquele que é a Palavra... João 1.1 UMA IGREJA COM PROPÓSITOS Pr. Cristiano Nickel Junior O propósito é que a Igreja seja um exército com bandeiras Martyn Lloyd-Jones No princípio era aquele

Leia mais

Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém,

Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém, Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém, lá permanecendo até, pelo menos, pouco depois de Pentecostes.

Leia mais

GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO

GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO A CIVILIZAÇÃO GREGA Localização: Península Balcânica Condições geográficas: relevo acidentado, montanhoso e solo pouco fértil, isolava os vários grupos humanos

Leia mais

Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus.

Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus. Profeta Daniel Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus. O livro de Daniel liga-se ao livro do Apocalipse do Novo Testamento, ambos contêm

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA Teerã - capital EGITO FENÍCIOS ISRAEL IRAQUE Mesopotâmia REINO DA PÉRSIA IRÃ A PÉRSIA, ATUAL IRÃ, LOCALIZAVA-SE A LESTE DA MESOPOTÂMIA, Á MARGEM DO CRESCENTE FÉRTIL Reino da Média

Leia mais

www.linkchurch.net É o que vamos fazer rapidamente sem nos atermos muito a datas e nomes de pessoas.

www.linkchurch.net É o que vamos fazer rapidamente sem nos atermos muito a datas e nomes de pessoas. www.linkchurch.net Todo estudo deste Periodo tem e será fundamentado em fatos históricos. Não ha registro na Biblia deste periodo, muitas literaturas sacras surgiram neste periodo mas foram consideradas

Leia mais

Psicologia das multidões

Psicologia das multidões 1 Psicologia das multidões O estudo da Psicologia das multidões ou das Psicologia das massas foi feito pela primeira vez pelo sociólogo francês Gustave Le Bon em 1886. Os fatores que determinam as opiniões

Leia mais

Para onde vou Senhor?

Para onde vou Senhor? Para onde vou Senhor? Ex 40:33-38 "Levantou também o pátio ao redor do tabernáculo e do altar e pendurou a coberta da porta do pátio. Assim, Moisés acabou a obra. Então a nuvem cobriu a tenda da congregação,

Leia mais

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA INTRODUÇÃO A História da Educação Física relaciona-se com todas as ciências que estudam o passado e o presente das atividades humanas e a sua evolução. O homem, condicionado

Leia mais

Roma Antiga. O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império;

Roma Antiga. O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império; ROMA Roma Antiga O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império; Sua queda, em 476, marca o início da Idade Média. O mito

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

728DD62502. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

728DD62502. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Discurso pronunciado pelo Deputado João Mendes de Jesus S/PARTIDO em 09/08/2005 Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Antes de me reportar aos senhores quero lembrar que a Igreja Universal

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

ARTE PROTO-GREGA, GREGA E HELENÍSTICA

ARTE PROTO-GREGA, GREGA E HELENÍSTICA ARTE PROTO-GREGA, GREGA E HELENÍSTICA Arte Proto-Grega A arte Proto-Grega também é conhecida como Creto-Micênica. Na Ilha de Creta, no Mar Egeu, desenvolveu-se uma civilização que deixou como principal

Leia mais

GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 12/5/2010 PROVA GRUPO GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

Civilização Egéia antes de 1600 a.c. Grécia Micênicac. 1600-1200 a.c. Idade das Trevasc. 1200-800 a.c. Grécia Antiga776-323 a.c.

Civilização Egéia antes de 1600 a.c. Grécia Micênicac. 1600-1200 a.c. Idade das Trevasc. 1200-800 a.c. Grécia Antiga776-323 a.c. Civilização Egéia antes de 1600 a.c. Grécia Micênicac. 1600-1200 a.c. Idade das Trevasc. 1200-800 a.c. Grécia Antiga776-323 a.c. Período Helenístico323 a.c.-146 a.c. Período Greco-Romano146 a.c.-330 AD

Leia mais

O PLANO CONTRA LÁZARO

O PLANO CONTRA LÁZARO João 12 Nesta Lição Estudará... Jesus em Betânia O Plano Contra Lázaro Jesus Entra em Jerusalém Alguns Gregos Vão Ver Jesus Anuncia a Sua Morte Os Judeus Não Crêem As Palavras de Jesus Como Juiz JESUS

Leia mais

EXISTE O INFERNO? Introdução

EXISTE O INFERNO? Introdução EVANGELISMO PESSOAL EXISTE O INFERNO 1 EXISTE O INFERNO? Introdução A. Um dos temas religiosos mais carregados de emoção é o tema do Inferno. Que sucede depois da morte física? Há algo mais além do túmulo

Leia mais

Religião, Cristianismo e os significados

Religião, Cristianismo e os significados Religião, Cristianismo e os significados Religião: 1 - Crença na Carlos Alberto Iglesia Bernardo das existência palavras Manifestação dicionário Aurélio de - tal editora crença Nova pela Fronteira doutrina

Leia mais

A civilização romana se localizou na parte continental pela península nsula Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, C Sicília banhada

A civilização romana se localizou na parte continental pela península nsula Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, C Sicília banhada Geografia e Povoamento A civilização romana se localizou na parte continental pela península nsula Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, C Sardenha e Sicília banhada pelos mares Mediterrâneo,

Leia mais

GABARITO PRÉ-VESTIBULAR

GABARITO PRÉ-VESTIBULAR LINGUAGENS 01. C 02. D 03. C 04. B 05. C 06. C 07. * 08. B 09. A 10. D 11. B 12. A 13. D 14. B 15. D LÍNGUA ESTRANGEIRA 16. D 17. A 18. D 19. B 20. B 21. D MATEMÁTICA 22. D 23. C De acordo com as informações,

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Etapas da maturidade de Eliseu

Etapas da maturidade de Eliseu Etapas da maturidade de Eliseu TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 2.5-11 5 - Então os filhos dos profetas que estavam em Jericó se chegaram a Eliseu, e lhe disseram: Sabes que o SENHOR hoje tomará o teu senhor

Leia mais

ROMA ANTIGA EXPANSÃO E CRISE DA REPÚBLICA

ROMA ANTIGA EXPANSÃO E CRISE DA REPÚBLICA Prof.: Otto Terra ROMA ANTIGA EXPANSÃO E CRISE DA REPÚBLICA HISTÓRICO Poder nas mãos dos Patrícios; Sociedade censitária; Significativo aumento do número de escravos; Sociedade Patriarcal; Tensões sociais:

Leia mais

Profª. Flores. Grécia

Profª. Flores. Grécia Profª. Flores Grécia LOCALIZAÇÃO : localiza-se em sua maior parte no sudeste da Europa. Abrangia três importantes regiões: na Grécia Continental: situada ao sul da península Balcânica; na Grécia Insular:

Leia mais

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO.

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. TEXTO: 1 Entrando em Jericó, atravessava Jesus a cidade. 2 Eis que um homem, chamado Zaqueu, maioral dos publicanos e rico, 3 procurava ver

Leia mais

MESOPOTÂMIA. TERRA ENTRE RIOS Prof. Ive

MESOPOTÂMIA. TERRA ENTRE RIOS Prof. Ive MESOPOTÂMIA TERRA ENTRE RIOS Prof. Ive ASPECTOS FÍSICOS Os dois rios mais importantes são o Tigre e o Eufrates. Localiza-se, predominantemente, no Crescente Fértil, onde hoje está o Iraque. Possui precárias

Leia mais

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL Ederson da Paixão (Especialista em Educação Especial: Atendimento às Necessidades Especiais Integrante do Projeto de Pesquisa Os Primeiros Dramas

Leia mais

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria Samaria: Era a Capital do Reino de Israel O Reino do Norte, era formado pelas 10 tribos de Israel, 10 filhos de Jacó. Samaria ficava a 67 KM de Jerusalém,

Leia mais

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino 1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino Contrapondo-se a Egípcia vida pósmortem. Arte grega fundamenta-se na inteligência Os governantes não eram deuses, mas seres mortais Usavam a razão e o senso de

Leia mais

A UNIFICAÇÃO ITALIANA E ALEMÃ. Direitos Autorias: Prof. Ronaldo Queiroz de Morais

A UNIFICAÇÃO ITALIANA E ALEMÃ. Direitos Autorias: Prof. Ronaldo Queiroz de Morais A UNIFICAÇÃO ITALIANA E ALEMÃ Direitos Autorias: Prof. Ronaldo Queiroz de Morais SÍNTESE DO PROCESSO O nacionalismo foi a ideologia [ideia motivadora] que justificou a unificação; O Estado-nação se apropriou

Leia mais

A CIDADE-ESTADO ESTADO GREGA ORIGEM DAS PÓLIS GREGAS Causas geomorfológicas A Grécia apresenta as seguintes características: - Território muito montanhoso; na Antiguidade, as montanhas estavam cobertas

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

As Civilizações Antigas do Oriente II

As Civilizações Antigas do Oriente II As Civilizações Antigas do Oriente II PERSAS, HEBREUS E FENÍCIOS Prof. Alan Carlos Ghedini Os Persas ENTRE CIRO, DARIO E XERXES A Origem Persas e Medos, um povo de origem indo-europeia (árias), estabeleceram-se

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Do Latim civitas = condição ou direitos de cidadão ; de cives = homem que vive em cidade ; urbes = área urbanizada; Do Grego polis = cidade-estado;

Do Latim civitas = condição ou direitos de cidadão ; de cives = homem que vive em cidade ; urbes = área urbanizada; Do Grego polis = cidade-estado; Do Latim civitas = condição ou direitos de cidadão ; de cives = homem que vive em cidade ; urbes = área urbanizada; Do Grego polis = cidade-estado; Utiliza-se para designar uma dada entidade políticoadministrativa;

Leia mais

COLÉGIO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PARALELA. 3ª Etapa 2010

COLÉGIO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PARALELA. 3ª Etapa 2010 COLÉGIO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3ª Etapa 2010 Disciplina: História Ano: 6º. Educadora:Marta Maria Turmas: manhã e tarde. Caro educando, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

Antiguidade século IV. Arte Bizantina

Antiguidade século IV. Arte Bizantina Antiguidade século IV Arte Bizantina Na Antiguidade, além da arte Egípcia e Grega, também encontram-se a Romana, Paleocristã e Bizantina... Enquanto os romanos desenvolviam uma arte colossal e espalhavam

Leia mais

1ª Leitura - Gn 1,20-2,4a

1ª Leitura - Gn 1,20-2,4a 1ª Leitura - Gn 1,20-2,4a Façamos o homem à nossa imagem e segundo a nossa semelhança. Leitura do Livro do Gênesis 1,20-2,4a 20Deus disse: 'Fervilhem as águas de seres animados de vida e voem pássaros

Leia mais

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos)

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) 3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) Questão (1) - A filosofia se constitui, a partir das concepções de Sócrates, Platão e Aristóteles, como o pensamento que investiga: a) A questão da dívida externa.

Leia mais

TEXTO BASE: Roma Antiga Império (27 a.c. 476)

TEXTO BASE: Roma Antiga Império (27 a.c. 476) TEXTO BASE: Roma Antiga Império (27 a.c. 476) Divide-se em duas fases: Alto Império (séc. I a.c. ao séc. III) Baixo Império (séc. III ao séc. V) ALTO IMPÉRIO O período do Alto Império Romano é caracterizado

Leia mais

A CURA DE UM MENINO Lição 31

A CURA DE UM MENINO Lição 31 A CURA DE UM MENINO Lição 31 1 1. Objetivos: Mostrar o poder da fé. Mostrar que Deus tem todo o poder. 2. Lição Bíblica: Mateus 17.14-21; Marcos 9.14-29; Lucas 9.37-43 (Leitura bíblica para o professor)

Leia mais

A AUSTERIDADE DE ESPARTA PROFª TEREZA SODRÉ MOTA

A AUSTERIDADE DE ESPARTA PROFª TEREZA SODRÉ MOTA A AUSTERIDADE DE ESPARTA PROFª TEREZA SODRÉ MOTA A cidade-estado de Esparta, situada nas beiras do rio Eurotas, na região do Peloponeso, na Grécia, foi um dos fenômenos mais fascinantes da história em

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 94 Discurso na solenidade em homenagem

Leia mais

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO SERIEDADE NA PALAVRA CURSO BÁSICO DE TEOLOGIA MÓDULO I 1º SEMESTRE DE 2015 INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO PR. ROGÉRIO DE ANDRADE CHAGAS Introdução ao Novo Testamento. A nossa aula introduzirá a parte histórica

Leia mais

História da cidadania europeia

História da cidadania europeia História da cidadania europeia Introdução A cidadania da União conferida aos nacionais de todos os Estados Membros pelo Tratado da União Europeia (TUE), destina se a tornar o processo de integração europeia

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais