Mestrado Integrado em Medicina Veterinária. Características electrocardiográficas em equinos. da raça Puro-Sangue Lusitano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mestrado Integrado em Medicina Veterinária. Características electrocardiográficas em equinos. da raça Puro-Sangue Lusitano"

Transcrição

1 Mestrado Integrado em Medicina Veterinária Ciências Veterinárias Características electrocardiográficas em equinos da raça Puro-Sangue Lusitano Alexandre Manuel Martins Triguinho Orientador: Professor Doutor Mário Pedro Gonçalves Cotovio Co-Orientador: Professora Doutora Ana Patrícia Fontes de Sousa UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO VILA REAL, 2011

2 Mestrado Integrado em Medicina Veterinária Ciências Veterinárias Características electrocardiográficas em equinos da raça Puro-Sangue Lusitano Alexandre Manuel Martins Triguinho Orientador: Professor Doutor Mário Pedro Gonçalves Cotovio Co-Orientador: Professora Doutora Ana Patrícia Fontes de Sousa UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO VILA REAL,

3 RESUMO Os cavalos Puro-Sangue Lusitano (PSL) são dos mais versáteis do mundo e são muito utilizados em competições desportivas, sendo cada vez maior a importância dos estudos de salubridade desta raça. Este é um trabalho com importância para o PSL por ser o primeiro que utiliza a electrocardiografia. Com o objectivo de caracterizar o traçado electrocardiográfico do cavalo adulto clinicamente saudável da raça PSL foram realizados e analisados dois registos electrocardiográficos de 76 animais, através dos métodos de Einthoven e de base-ápice, já que são os métodos mais comummente utilizados em equinos. Foi ainda feita uma análise estatística dos resultados com vista a estudar a influência do género, idade e preparação física nos vários parâmetros electrocardiográficos avaliados. Alguns dos valores obtidos poderão ser encarados como bons indicadores desportivos e de uma grande capacidade mental dos cavalos desta raça, como a percentagem de ondas P bífidas e T negativas observadas, a duração da onda T e a duração do intervalo Q-T. Alguns dos resultados também divergem dos publicados noutras raças próximas, como o Andaluz ou o Mangalarga Marchador, o que comprova a necessidade de obter valores de referência específicos para a raça. Também se constatou que a realização deste exame é, de um modo geral, simples, relativamente rápida, pouco dispendiosa e os resultados são relativamente fáceis de analisar e fornecem valiosas informações sobre a sanidade e, até certo grau, capacidade desportiva do animal. Palavras-chave Puro-Sangue Lusitano; cavalo; ECG; género; idade; treino i

4 ABSTRACT The Puro-Sangue Lusitano breed is one of the most versatile breeds of the world and is utilized at a great scale in sport competitions, which makes the healthiness tests in this breed of the most importance. This is an important study for the Puro-Sangue Lusitano breed because it is the first to use the electrocardiography. With the purpose of characterize the electrocardiographic tracing of the clinically healthy adult horse from the Puro-Sangue Lusitano breed, we performed and analyzed 76 electrocardiographic registers, using the Einthoven and base-apex lead systems, since these are the most used methods in the equine species. A statistic analysis was also made in order to study the influence of the gender, age and training in the evaluated electrocardiographic parameters. Some of the values obtained could be seen as good sport performance indicators, and also demonstrate the great tolerance characteristic of this breed, such as the percentage of bifid P waves and negative T waves found, the duration on the T wave and the duration of Q-T interval. Some of the results also diverge from the results published for other breeds close related to the Lusitano horse, such as the Andalusian and the Mangalarga Marchador, which attests the importance of obtaining reference values for each breed. We also found that this diagnostic test is generally simple, quick, not expensive and the results are relatively easy to analyze and provide us with valuable information about the health and, to a certain degree, the sport capacity of the animal. Keywords Puro-Sangue Lusitano; horse; ECG; gender; age; training ii

5 ÍNDICE GERAL Revisão bibliográfica..1 o o o o o o o o o Bases electrofisiológicas do coração de equino 1 O ciclo cardíaco.2 Ritmo cardíaco em repouso...4 Electrofisiologia celular.6 Potencial de acção..6 Despolarização, repolarização e fase de repouso.7 Meios de registo das alterações eléctricas a nível celular...8 Inervação cardíaca...9 Forças electromotrizes cardíacas.10 Obtenção de um electrocardiograma..13 Bases de funcionamento...13 Métodos existentes...13 Previsão da capacidade desportiva através da electrocardiografia..17 O cavalo Puro-Sangue Lusitano..19 Objectivos...21 Material e Métodos 22 Resultados..25 Discussão dos resultados 35 o o o o o o o Onda P.35 Complexo QRS 38 Onda T.41 Intervalo P-R e Q-T.43 Influência do género..45 Influência do grupo etário Influência do treino físico.47 Conclusão 49 Referências bibliográficas 50 Anexos.53 o Ficha de questionário efectuado ao proprietário.53 iii

6 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 Esquema representativo do potencial de acção numa célula muscular do miocárdio e numa célula marcapasso. (pág. 7) Figura 2 Esquema dos locais de colocação dos eléctrodos e um exemplo de um ciclo cardíaco retirado de um ECG obtido segundo o método de Einthoven durante o presente estudo. (pág. 14) Figura 3 Esquema dos locais de colocação dos eléctrodos e um exemplo de um ciclo cardíaco retirado de um ECG obtido segundo o método base-ápice durante o presente estudo. (pág. 16) Figura 4 Exemplo da localização dos eléctrodos no método de Einthoven num dos cavalos utilizados no estudo. (pág. 23) Figuras 5 e 6 Exemplo da localização dos eléctrodos no método de base-ápice num dos cavalos utilizados no estudo. (pág. 23) Figura 7 Exemplos dos formatos de onda P observados no estudo: (A) bífida; (B) simples positiva; (C) bifásica. (pág. 35) Figura 8 Exemplos dos formatos do complexo QRS observados no estudo relativamente aos dois métodos utilizados: (A) RS (base-ápice); (B) S (base-ápice); (C) QRS (Einthoven); (D) QR (Einthoven); (E) R (Einthoven); (F) RS (Einthoven); (G) S (Einthoven); (H) QS (Einthoven). (pág. 39) Figura 9 - Exemplos dos formatos da onda T observados no estudo: (A) onda T simples negativa (B) onda T bifásica (-/+); (C) onda T simples positiva. (pág. 41) iv

7 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1 Distribuição das percentagens dos vários formatos de cada elemento observados no ECG para o método Base-ápice. (pág. 25) Tabela 2 Distribuição das percentagens dos vários formatos de cada elemento observados no ECG para o método de Einthoven. (pág. 26) Tabela 3 Média (e desvio padrão da média) dos valores de amplitude, em mv, para os vários elementos avaliados em ambos os métodos. (pág. 26) Tabela 4 Média (e desvio padrão da média) dos valores de duração, em segundos, para os vários elementos avaliados em ambos os métodos. (pág. 27) Tabela 5 Média (e desvio padrão da média) dos valores da amplitude, em mv, para os vários elementos avaliados no ECG, para ambos os géneros, em ambos os métodos. (pág. 27) Tabela 6 Média (e desvio padrão da média) dos valores da duração, em segundos, para os vários elementos avaliados no ECG, para ambos os géneros, em ambos os métodos. (pág. 28) Tabela 7 Média (e desvio padrão da média) dos valores da amplitude, em mv, para os vários elementos avaliados no ECG, em ambos os métodos, para os animais com idade entre os 3 e os 5 anos, grupo 1 (n = 22). (pág. 28) Tabela 8 Média (e desvio padrão da média) dos valores da amplitude, em mv, para os vários elementos do ECG avaliados, em ambos os métodos, para os animais com idade entre os 6 e os 14 anos de idade, grupo 2 (n = 41). (pág. 29) Tabela 9 Média (e desvio padrão da média) dos valores da amplitude, em mv, para os vários elementos avaliados no ECG, em ambos os métodos, para os animais com idade superior a 14 anos, grupo 3 (n = 12). (pág. 29) Tabela 10 Média (e desvio padrão da média) dos valores da duração, em segundos, para os vários elementos avaliados no ECG, em ambos os métodos, para os 3 grupos etários. (pág. 30) Tabela 11 Média (e desvio padrão da média) dos valores da amplitude, em mv, para os vários elementos avaliados no ECG, em ambos os métodos, para os animais sem qualquer sessão de treino semanal, grupo 1 (n = 13). (pág. 30) v

8 Tabela 12 Média (e desvio padrão da média) dos valores da amplitude, em mv, para os vários elementos avaliados no ECG, em ambos os métodos, para os animais com uma a duas sessões de treino semanal, grupo 2 (n = 14). (pág. 31) Tabela 13 Média (e desvio padrão da média) dos valores da amplitude, em mv, para os vários elementos avaliados no ECG, em ambos os métodos, para os animais com três a quatro sessões de treino semanal, grupo 3 (n = 7). (pág. 31) Tabela 14 Média (e desvio padrão da média) dos valores da amplitude, em mv, para os vários elementos avaliados no ECG, em ambos os métodos, para os animais com cinco a seis sessões de treino semanal, grupo 4 (n = 28). (pág. 32) Tabela 15 Média (e desvio padrão da média) dos valores da amplitude, em mv, para os vários elementos avaliados no ECG, em ambos os métodos, para os animais com sessões de treino diárias, grupo 5 (n = 12). (pág. 32) Tabela 16 Média (e desvio padrão da média) dos valores da duração, em segundos, dos vários elementos avaliados no ECG, em ambos os métodos, para os vários grupos de treino. (pág. 33) vi

9 LISTAGEM DE SIGLAS AV aurículo-ventricular bpm batimentos por minuto ECG electrocardiograma HV-UTAD Hospital Veterinário da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro mv milivolt PSL Puro-Sangue Lusitano s segundo SA sinusal vii

10 AGRADECIMENTOS Aos meus pais por todo o apoio que sempre me deram durante todo o curso e pelo acompanhamento sempre presente e todos os sacrifícios feitos em prole de mim ao longo da minha vida. Agradeço também a toda a minha restante família, em especial ao meu sobrinho, Luís, pela ajuda directa na elaboração desta dissertação; À minha namorada, Susana, por me fazer sempre acreditar que seria possível cumprir prazos que me pareciam impossíveis e pela grande disponibilidade e paciência para me ajudar directamente na elaboração desta dissertação; Ao Professor Doutor Mário Cotovio e à Professora Doutora Ana Patrícia Fontes de Sousa pela grande disponibilidade em me ajudarem durante todos os passos desta investigação e por todos os conselhos dados; Ao Professor Doutor Jorge Colaço pela ajuda dada na análise estatística dos resultados; Ao corpo clínico do HV-UTAD pelo auxílio na realização dos electrocardiogramas aos animais internados no hospital, nomeadamente a Dra. Ana Costa, Dr. Pedro Fonseca, Dra. Joana Elias, Dra. Ana Jacinta e Dra. Vanda Santos; Ao Dr. Núncio Fragoso pela grande disponibilidade demonstrada e por nos facilitar o acesso a um grande leque de coudelarias e centros hípicos; Aos meus colegas Ana Margarida Pereira e Mário Maia pela ajuda dada na realização dos electrocardiogramas; A todos os proprietários que se disponibilizaram a colaborar com esta investigação, cedendo os seus cavalos e o seu tempo. A todos os meus amigos pela amizade e carinho que sempre me concederam durante estes seis anos e que me permitiram chegar até este ponto final da minha vida académica, especialmente ao João, Romano, Marta, Fernanda, Ghost, Sara, Pedro e Lúzia. viii

11 PARTE DO TRABALHO DESENVOLVIDO AO LONGO DESTA TESE FOI APRESENTADO NAS SEGUINTES REUNIÕES CIENTÍFICAS: II Jornadas Internacionais do Grupo de Trabalho de Investigação Equina (Ponte-de-Lima, Portugal, 25 de Junho de 2011) Caracterização do Electrocardiograma em Cavalos da Raça Lusitana A. Triguinho, M. Cotovio, A.P. Fontes-Sousa (Apresentação sob a forma de comunicação oral) II Encontro de Formação da Ordem dos Médicos Veterinários (Lisboa, Portugal, 8 e 9 de Outubro de 2011) Caracterização do Electrocardiograma em Cavalos da Raça Lusitana A. Triguinho, M. Cotovio, A.P. Fontes-Sousa (Apresentação sob a forma de comunicação oral) ix

12 1. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1.1. Bases electrofisiológicas do coração de equino Para que ocorra contracção dos miócitos é necessário que um potencial de acção eléctrico atinja a membrana celular, provocando a despolarização da mesma através da abertura de canais iónicos (Bright e Marr, 2010). No coração há certas populações celulares capazes de criar estes potenciais de acção sem qualquer estímulo externo. Esta capacidade denomina-se automatismo, e é evidenciada pelas células do nódulo sinusal (SA), nódulo aurículo-ventricular (AV) e das fibras de condução do sistema His-Purkinje, sendo que as primeiras apresentam uma frequência de geração espontânea de potenciais de acção mais célere (Bonagura e Reef, 1998). Por este motivo, no coração normal, são as células do nódulo SA que marcam o ritmo cardíaco, originando a onda de despolarização que irá percorrer o coração. Ao grupo de células responsável pela formação duma dada onda de despolarização, dá-se o nome de marcapasso (Physick-Sheard, 1991). Em casos de depressão do nódulo SA, ou de actividade exacerbada de um dos outros tecidos com automatismo, verifica-se a ocorrência de um ritmo cardíaco ectópico ou, em casos pontuais, de um mecanismo de escape (Bonagura e Reef, 1998). A onda de despolarização começa por descrever um trajecto dorso-ventral, desde o nódulo SA, localizado na junção do átrio direito e da veia cava cranial até ao nódulo AV (Jones, 1989), e também na direcção da aurícula esquerda, provocando neste trajecto a activação da massa muscular auricular (Bright e Marr, 2010). A existência de células cardíacas especializadas compostas por ligações internodais e pelas bandas de Bachman facilitam esta dispersão do impulso cardíaco através das aurículas (Bonagura e Reef, 1998). Ao atingir a aurícula esquerda, a massa muscular desta estrutura despolariza-se a partir de vários pontos simultaneamente, surgindo várias ondas de despolarização que partem em várias direcções (Physick-Sheard, 1991). Por outro lado, aquando da passagem do impulso cardíaco das aurículas para os ventrículos, através do nódulo AV, o potencial de acção sofre um atraso devido à baixa velocidade de condução destas células (Jones, 1989). Este facto permite que as aurículas contraiam, e que o sangue contido no seu interior passe para os ventrículos, antes que estes últimos comecem a contrair (Bright e Marr, 2010). Após esta lenta passagem pelo nódulo AV, o potencial de acção é rapidamente conduzido pelo feixe de His até ao pólo apical do coração (Patteson, 1996). O ramo direito do feixe de His liga-se directamente ao sistema especializado de Purkinje da parede ventricular direita e do ápice 1

13 cardíaco, enquanto o ramo do lado esquerdo se divide em três sub-ramos que se conectam com o sistema de Purkinje da parede ventricular esquerda, septo e músculos papilares (Physick-Sheard, 1991). Aqui, ao contrário do que acontece, por exemplo, nos carnívoros domésticos, as fibras do sistema especializado de Purkinje propagam-se, profusamente, ao longo da massa muscular de ambos os ventrículos. Tal facto é de extrema importância para o mecanismo electrofisiológico ventricular, uma vez que estas fibras têm uma capacidade de condução cerca de 6 vezes superior aos miócitos (Bright e Marr, 2010). A ordem pela qual o potencial de acção percorre os ventrículos inicia-se com a despolarização duma pequena porção apical do septo. Nesta fase inicial da activação ventricular, o vector da onda de despolarização segue geralmente, ainda que possa divergir desta regra em alguns indivíduos, uma direcção cranio-ventral e da esquerda para a direita, sendo imediatamente seguido por outro vector que segue a direcção caudo-dorsal e da direita para a esquerda (Hamlin et al, 1964). De seguida, há uma rápida activação dos dois terços mais apicais do septo e da massa muscular de ambos os ventrículos. Nesta fase, a onda de despolarização não segue um vector definido como nos cães ou humanos, ocorrendo, ao invés, uma série de vectores de despolarização, que partem em diferentes direcções (Muylle e Oyaert, 1977). Na fase final da activação ventricular, a onda de despolarização percorre o terço basal do septo, numa direcção dorsal e apico-basal (Hamlin et al, 1964; Bright e Marr, 2010). Há ainda a acrescentar que a regulação fisiológica do ritmo cardíaco em equinos é largamente influenciada pelo sistema nervoso autónomo (Mark Patesson, 1996). O sistema parassimpático, especificamente através do nervo vago, exerce um efeito de bradicardia a dois níveis. Por um lado, diminui a frequência de geração de impulsos nervosos pelo nódulo SA e, por outro, diminui a capacidade de condução do impulso nervoso através do nódulo AV. Este efeito é conhecido por tónus vagal (Jones, 1989). Em situações em que o sistema simpático intervém, como no exercício físico ou qualquer situação de stresse, o tónus vagal diminui consideravelmente, aumentando então a frequência cardíaca (Bonagura e Reef, 1998) O ciclo cardíaco Para compreender o funcionamento do coração saudável é necessário conhecer o seu ciclo normal de funcionamento, bem como saber relacioná-lo com os acontecimentos eléctricos que detectamos no electrocardiograma (ECG). O ciclo cardíaco é composto pela sístole e diástole ventricular, sendo que cada uma destas pode ser decomposta numa série de fases. A sístole alberga as fases de contracção isovolumétrica 2

14 e de ejecção ventricular. Já a diástole é dividida nas fases de relaxamento isovolumétrico, enchimento ventricular rápido, diástase e contracção atrial (Hamlin, 1986). A decomposição do ciclo cardíaco nestas fases é feita com base nas alterações de pressão e volume que ocorrem no interior dos ventrículos. Geralmente considera-se que o ciclo cardíaco se inicia quando da despolarização dos ventrículos. Uma vez que os chamados acontecimentos mecânicos são uma resposta muscular aos acontecimentos eléctricos, os primeiros ocorrem ligeiramente depois dos segundos (Bright e Marr, 2010). Deste modo, por exemplo, a contracção ventricular e o encerramento das válvulas AV iniciam-se pouco depois da despolarização ventricular. A primeira fase de contracção dos miócitos ventriculares ocorre sem alteração do volume de sangue intra-ventricular com consequente aumento da pressão intra-ventricular (Patteson, 1996). Este aumento da pressão intra-ventricular continuará, rapidamente, até que esta exceda a pressão sanguínea na artéria aorta, momento em que a válvula aórtica se abre (Voronova et al, 2009). O mesmo se passa no lado direito do coração até à abertura da válvula pulmonar, com a diferença de que os valores de pressão atingidos no ventrículo direito e na artéria pulmonar são consideravelmente inferiores aos obtidos no lado esquerdo do coração. O intervalo de tempo entre o início da contracção miocárdica e encerramento das válvulas AV, e a abertura da válvula aórtica marca a fase de contracção isovolumétrica (Hamlin, 1986). Se, a este intervalo lhe adicionarmos a fase de despolarização ventricular e o tempo de atraso electromecânico, obtemos o tempo de pré-ejecção (Patteson, 1996). No momento em que a válvula aórtica se abre inicia-se a fase de ejecção ventricular, sendo o sangue do ventrículo esquerdo rapidamente ejectado para a artéria aorta. Durante praticamente toda esta fase a pressão intra-ventricular é sempre maior que a pressão aórtica (Bright e Marr, 2010). No entanto, à medida que o volume intra-ventricular diminui, a diferença de pressão entre a aorta e o ventrículo esquerdo também vai diminuindo, até que se inverta novamente a favor da aorta (Patteson, 1996). No final do período de ejecção o fluxo sanguíneo reverte-se, causando o encerramento abrupto da válvula aórtica, o que origina o segundo som cardíaco (S2). Neste ponto termina a sístole ventricular, e inicia-se a diástole (Hamlin, 1986). No início da diástole ventricular os miócitos começam a relaxar, não obstante, não há qualquer alteração do volume intra-ventricular, dando-se, por isso, a esta fase o nome de relaxamento isovolumétrico. É nesta altura que no ECG se identifica a repolarização dos ventrículos (Voronova et al, 2009). Nesta fase a pressão dos ventrículos cairá até que seja inferior à pressão auricular e ocorra a abertura das válvulas AV, altura em que se enceta a fase de enchimento ventricular rápido (Patteson, 1996). 3

15 A velocidade com que o sangue passa das aurículas para os ventrículos depende do gradiente de pressão, que se forma devido à diminuição de tensão dos miócitos ventriculares. Assim sendo, o enchimento ventricular durante esta fase é um enchimento exclusivamente passivo (Patteson, 1996). O sangue nesta fase movimenta-se a tal velocidade que provoca a oscilação e vibração de certas estruturas cardíacas, como as cordas tendinosas. Esta vibração é responsável pelo terceiro som cardíaco (S3) (Bright e Marr, 2010). Enquanto há um aumento do nível de sangue intra-ventricular há, logicamente, uma diminuição da diferença de pressão AV. Esta diferença decrescerá até níveis perto de zero, fazendo com que a curva de enchimento ventricular atinja, aqui, um planalto (Hamlin, 1986). Neste momento o coração está na fase de diástase e as diferenças de pressão e volume que ocorrem a nível ventricular são desprezáveis (Patteson, 1996). A duração desta fase é inversamente proporcional à frequência cardíaca, e no cavalo em descanso esta é a fase mais longa de todo o ciclo cardíaco. À medida que a frequência cardíaca vai aumentando, esta fase encurta no tempo, porém a sua acção no enchimento ventricular continua a ser negligenciável (Bright e Marr, 2010). Na fase final da diástole ventricular identifica-se no ECG a onda P, referente à despolarização das aurículas (Patteson, 1996). Pouco depois acontece a contracção atrial e o sangue passa activamente das aurículas para os ventrículos. Esta movimentação rápida do sangue causa a vibração de algumas estruturas cardíacas produzindo o quarto som cardíaco (S4) (Hamlin, 1986). Embora a contribuição desta sístole atrial para o funcionamento cardiovascular normal, dum cavalo em repouso, seja de pouca importância, o mesmo já não se verifica enquanto o cavalo está a realizar exercício físico. Neste último caso, a ausência de contracção atrial, ou a descoordenação desta em relação à contracção ventricular, leva a uma diminuição do enchimento ventricular, do débito cardíaco e, em última instância, da performance desportiva do cavalo (Bright e Marr, 2010). No final da fase de contracção atrial a pressão intra-ventricular é superior à pressão intra-auricular, fechando-se as válvulas AV, e começando um novo ciclo cardíaco. O encerramento destas válvulas origina o primeiro som cardíaco, que é normalmente o mais audível (Hamlin, 1986) Ritmo cardíaco em repouso O típico ritmo sinusal observado nos equinos em estado saudável está sob forte influência do sistema nervoso autónomo, como já referido anteriormente. Essa interferência visa, em última instância controlar a pressão arterial sistémica, de modo que a frequência cardíaca aumente em 4

16 situações de hipotensão. Em oposição, a frequência cardíaca diminuirá em situações de hipertensão (Evans e Young, 2010). Contudo, a interferência acrescida do sistema parassimpático, através do tónus vagal, provoca um progressivo bloqueio da condução nervosa ao nível dos nódulos SA e AV. Este bloqueio resulta no desenvolvimento de irregularidades do ritmo cardíaco em cavalos completamente saudáveis, quando estes estão em repouso (Holmes, 1966; Raekallio, 1992). As anomalias mais comummente encontradas são, bradicardia sinusal, bloqueio sinusal, arritmia sinusal e bloqueios AV de 1º e 2º grau (Jones, 1989). Define-se por bradicardia sinusal o estado em que a frequência cardíaca desce para níveis inferiores a 25 batimentos por minuto (Jones, 1989), e por bloqueio sinusal a ausência completa de formação dum impulso cardíaco. Num ECG esta última é traduzida pelo aparecimento dum intervalo R-R sensivelmente igual ao dobro do valor normal deste intervalo e sem qualquer formação duma onda P (Patteson, 1996). Uma arritmia sinusal é reconhecida pelo aparecimento de flutuações no ritmo cardíaco normal, que acompanham as flutuações da actividade do sistema autónomo, durante um certo período de tempo. Pensava-se que esta arritmia era característica de fases pós-exercício, mas estudos revelam que esta correlação pode estar errada (Raekallio, 1992). Ao passo que estas alterações do ritmo sinusal advêm do efeito produzido pelo sistema nervoso autónomo no nódulo SA, os bloqueios AV provêm do efeito deste sistema no nódulo AV e são consideravelmente mais comuns (Patteson, 1996). Um bloqueio AV de 1º grau é difícil de identificar, tal é a variação normal do intervalo P-R, mas assume-se existir quando este intervalo é superior a 0,5 segundos (Bonagura e Reef, 1998). O bloqueio AV de 2º grau é a alteração mais comum do ritmo sinusal normal e ocorre quando o impulso cardíaco é completamente travado ao nível do nódulo AV (Hilwig, 1977). É importante perceber que todas estas alterações, tal como a taquicardia sinusal provocada pela diminuição do tónus vagal (frequência cardíaca acima dos 50 batimentos por minuto) (Jones, 1989), são alterações fisiológicas do ritmo sinusal normal que podem estar presentes em qualquer animal saudável (van Loon e Patteson, 2010). A maior parte destas irregularidades desaparecem quando a frequência cardíaca aumenta e, por isso, não afectam a capacidade desportiva do animal (Holmes, 1966; Marr, 1997; Bonagura, 1985). No caso de estas alterações persistirem mesmo durante o exercício devem ser consideradas como sinais de doença cardíaca (Jones, 1989). Parece haver, ainda, uma relação entre o achado de outras alterações cardíacas em cavalos em repouso e a sua baixa performance desportiva, especificamente quando se trata de fibrilação auricular, bloqueio cardíaco completo e extra-sístoles ventriculares ou atriais (Thomas, 1980). 5

17 1.4. Electrofisiologia celular a. Potencial de acção Quando atingidos pelo impulso nervoso, os miócitos evidenciam o fenómeno de tudo-ounada, isto é, se um certo limiar de acção é alcançado toda a célula é completamente activada pelo potencial de acção, ocorrendo assim a contracção celular. Por este motivo diz-se que os miócitos são células excitáveis (Bonagura e Reef, 1998). Após a célula ter sido activada por um potencial de acção existe um período de tempo durante o qual esta retorna ao seu estado de repouso, abaixo do limiar de acção. Durante este período de repolarização nenhum estímulo pode provocar nova activação. A este intervalo é chamado de período refractário. Esta característica permite que haja um relaxamento celular após cada contracção, o que, por sua vez, garante que haja tempo para que o sangue circule para as câmaras cardíacas antes de uma nova contracção miocárdica (Patteson, 1996). Uma outra característica evidenciada pelos miócitos é a condutividade, ou seja, a capacidade de transmitir um impulso às células vizinhas, causando a sua despolarização. É esta capacidade que permite a formação de uma onda de despolarização, que garante a circulação correcta do sangue no interior das câmaras cardíacas. Por exemplo, o facto da activação ventricular se iniciar pela porção apical do septo interventricular e dos ventrículos e só depois ocorrer a contracção do terço médio e, por fim, basal dos mesmos permite que o sangue flua na direcção das válvulas aórtica ou pulmonar (van Loon e Patteson, 2010). Também é importante compreender que, embora a recepção de um impulso pelos miócitos leve a uma despolarização dos mesmos, existem células cardíacas nas quais tal não sucede. São estas as células do sistema especializado de condução. Nestas células o impulso é recebido e passado a células vizinhas sem que haja contracção celular, pois estas não possuem as proteínas de contracção, actina e miosina. Tal como foi dito anteriormente, esta condução pode ser lenta (nódulo AV) ou rápida (sistema His-Purkinje) (van Loon e Patteson, 2010). Outro conceito que é necessário ser compreendido é o de potencial transmembranar. Todas as células vivas apresentam uma grande concentração de iões negativamente carregados no seu interior, o que leva a que haja uma diferença de voltagem entre o interior e o exterior celular. A esta diferença dá-se o nome de potencial transmembranar, cujo valor varia entre -80 e -90 mv (Patteson, 1996). Para além dos iões negativos, também o potássio apresenta uma maior concentração intracelular do que extracelular, verificando-se exactamente o oposto com o sódio e o cálcio, sendo este último imprescindível para a contracção muscular (Bonagura e Reef, 1998). Normalmente esta situação mantém-se durante toda a vida da célula, mas nos casos das células 6

18 excitáveis existem microporos e canais pelos quais é possível fazer-se trocas de iões entre o interior e o exterior celular. É este fluxo de iões que provoca a despolarização e repolarização dos miócitos (Bonagura e Reef, 1998). Quando o miócito é activado por um impulso o seu potencial transmembranar passa de -90 mv para cerca de 20 mv (despolarização) e, seguidamente volta aos -90 mv (repolarização). É à representação gráfica da alteração do potencial transmembranar durante a despolarização e repolarização que se dá o nome de potencial de acção (van Loon e Patteson, 2010). O potencial de acção diverge nos vários tecidos atravessados pelo impulso de despolarização, definindo as propriedades de cada célula especializada, e pode ser dividido em cinco fases ou, dum modo mais prático, apenas em três fases: despolarização, repolarização e fase de repouso. b. Despolarização, repolarização e fase de repouso Após uma célula atingir o seu limiar de excitabilidade iniciam-se uma série de alterações na sua membrana visando aumentar a concentração da célula em iões positivos, causando assim a sua despolarização. No caso de células dos nódulos SA ou AV, bem como de células de tecidos com lesões isquémicas, tal acontece através dos canais lentos de cálcio (Bonagura e Reef, 1998), enquanto nas células do sistema de condução ou nos miócitos são os canais rápidos de sódio que desempenham este papel (Noble, 1979). Outra diferença entre as células de tecidos marcapasso e de tecidos condutores é o potencial transmembranar de repouso. Ao passo que nas primeiras este é de -60 mv, nas células do sistema de condução ronda os -90 mv. Estas diferenças são as responsáveis por haver uma menor velocidade de condução nas células marcapasso, pois a velocidade a que ocorre a despolarização também é menor (Noble, 1979), como se pode verificar na Figura 1. Ao mesmo tempo, pelo facto do potencial de repouso ser mais elevado nas células marcapasso, torna-se mais fácil para estas células atingir o limiar de excitabilidade espontaneamente (Patteson, 1996). Relativamente ao processo de repolarização, podemos dividi-lo em três fases. Uma fase inicial rápida, uma fase intermédia lenta e uma fase final novamente rápida. 7

19 Na primeira fase o potencial transmembranar desce até um valor próximo de zero, principalmente devido à inactivação dos canais de sódio e cálcio e ao efluxo de potássio (Bonagura e Reef, 1998). Numa segunda fase, chamada fase de planalto pela longa e lenta descida do potencial transmembranar, a permeabilidade membranar é baixa para qualquer ião. A membrana celular transfigura-se de modo a permitir uma complexa troca de iões de sódio, potássio, magnésio e cloro entre o interior e o exterior celular. Concomitantemente verifica-se também um importante fluxo de cálcio para o interior da célula (Patteson, 1996). Esta intricada actividade celular provoca um prolongamento acentuado do período de repolarização e, consequentemente, da duração do potencial de acção. É na realidade a fase mais preponderante para a duração do potencial e é durante esta fase que muitas arritmias se formam (Nattel, 2002). É também de supor que qualquer alteração da concentração no organismo dos referidos iões possa provocar importantes perturbações nesta fase. Na fase final há uma rápida descida do potencial até aos níveis de repouso devido a uma saída activa de potássio que, de modo a manter os gradientes de concentração, é depois compensada pela acção da bomba de sódio-potássio. Esta bomba encarrega-se de trocar o sódio intracelular em excesso por potássio. Estados de hipercalemia aceleram a repolarização, causando encurtamento desta fase, que pode ser visualizada num ECG pela diminuição da duração da onda T (Bonagura e Reef, 1998). Durante esta última fase a célula vai readquirindo excitabilidade, podendo, ainda antes de atingir o nível de repouso, ser novamente excitada por cargas eléctricas elevadas (Jalife et al, 2009). Se tal não acontecer a célula continuará o seu processo de repolarização até estabilizar nos -90 mv, ou -60 mv no caso das células marcapasso, atingindo então a fase de repouso e terminando o potencial de acção (Patteson, 1996). Numa representação esquemática podemos então dividir o potencial de acção em 5 fases, sendo a despolarização representada pela fase 0, os três estados da repolarização pelas fases 1, 2 e 3 e o estado de repouso pela fase 4 (Figura 1). c. Meios de registo das alterações eléctricas a nível celular As fases de despolarização e repolarização das células cardíacas podem ser registadas a nível intracelular, intracardíaco ou à superfície da pele (Fish, 1988, citado por van Loon e Patteson, 2010). O uso de eléctrodos intracelulares permite-nos conhecer as variações do potencial eléctrico transmembranar de uma célula durante a despolarização e repolarização (Noble, 1979). Deste modo podemos caracterizar e comparar as propriedades electrofisiológicas dos diferentes 8

20 tecidos, baseando-nos na reacção das células que os constituem. Outra vantagem deste modo é que nos permite estudar e, assim, prever o efeito de alterações iónicas, fármacos e, até certo ponto, doenças miocárdicas, no mecanismo de despolarização e repolarização celular (Noble, 1979). A obtenção de um registo da alteração dos potenciais transmembranares durante o ciclo cardíaco é conseguida pela utilização de eléctrodos intracardíacos. A aplicação destes eléctrodos é efectuada por via transvenosa, com a ajuda de um catéter especial, até estes atingirem a aurícula direita ou o ventrículo direito (McGurrin, et al, 2005). Colocando o eléctrodo em contacto com a parede das câmaras é possível a obtenção do registo. No entanto, como a orientação do eléctrodo em relação ao miocárdio interfere largamente na morfologia do traçado (Kadish, 2004), este método deve ser unicamente utilizado para medir a duração do potencial de acção (Kondo et al, 2004). A utilização dos eléctrodos intracardíacos também nos permite comparar a reacção dos diferentes tecidos que são atravessados pelo impulso cardíaco, ajudando assim a compreender melhor todo o processo de activação (van Loon e Patteson, 2010). O ECG clássico é um registo gráfico das diferenças do potencial eléctrico entre vários pontos à superfície da pele, ao longo do tempo. No eixo dos xx é representado o tempo e no eixo dos yy a voltagem (Jones, 1989). As diferenças detectadas são, quase exclusivamente, atribuídas às alterações eléctricas causadas pelos processos de despolarização e repolarização dos miócitos cardíacos (Patteson, 1996). Este exame é actualmente considerado indispensável quando se avalia um doente cardíaco, e pode fornecer importantes informações quando utilizado em conjunto com outros meios de diagnóstico (White e Rhode, 1974). Embora deva ser tido em conta que este registo está dependente do somatório de todas as forças eléctricas a actuar no coração e da sua condução por vários tecidos até à pele, o ECG continua a ser o método mais fidedigno para avaliar a formação e propagação do impulso cardíaco, bem como para auxiliar ao diagnóstico e prognóstico de certas doenças cardíacas e não-cardíacas (Fregin, 1985, citado por Escudero et al, 2009) Inervação cardíaca Tal como foi referido anteriormente, o sistema cardiovascular é controlado pelo sistema nervoso autónomo. O sistema parassimpático actua através do nervo vago, libertando acetilcolina nas suas terminações nervosas. Este neurotransmissor vai actuar no potencial de membrana das células marcapasso (Boyden e Wit, 1985), provocando a diminuição do automatismo destas 9

21 células, diminuição da velocidade de condução do impulso e aumento do período refractário, ou seja, dum modo geral diminuindo o ritmo e o débito cardíaco e, consequentemente, a pressão vascular (Bonagura e Reef, 1998). Por outro lado, o sistema simpático actua no sentido oposto. A libertação de adrenalina e noradrenalina actua principalmente nas proteínas contrácteis das células musculares (van Loon e Patteson, 2010), podendo também afectar o potencial transmembranar e o ritmo cardíaco (Nattel, 2002; Hamlin, 1986). O resultado final é um aumento do automatismo das células marcapasso, aumento da velocidade de condução no nódulo AV, diminuição do período refractário e aumento da contractilidade das células musculares e tensão da parede miocárdica. O exacerbamento da actividade simpática também predispõe ao aparecimento de certas arritmias (Bonagura e Reef, 1998) Forças electromotrizes cardíacas Durante o ciclo cardíaco a despolarização e repolarização de cada célula gera um fluxo eléctrico entre diferentes pontos da mesma. Este fluxo actua como um sistema bipolar e gera um campo eléctrico em redor da célula. O somatório de todas as forças electromotrizes a actuar em cada célula age como um único sistema bipolar, e gera um campo eléctrico em redor do coração (Boyden e Wit, 1985) passível de ser analisado num ECG de superfície (Jones, 1989). A despolarização do nódulo SA não é visualizável no ECG, no entanto a despolarização da massa muscular das aurículas gera um campo eléctrico suficientemente amplo para que tal aconteça. Este campo eléctrico origina a onda P no ECG, normalmente positiva nas derivações I, II e av F do método de Einthoven e nos métodos base-ápice e Y de Holmes (Bonagura e Reef, 1998). No cavalo em repouso a onda P apresenta-se, comummente, bífida denominando-se os seus dois picos de P1 e P2. O pico P1 tem a sua origem na despolarização dos terços médio e caudal da massa auricular direita, e o P2 na despolarização do septo interauricular e uma pequena parte da massa auricular esquerda (Bonagura e Reef, 1998). A despolarização da maior parte da massa muscular da aurícula esquerda não é detectável no ECG pois os vários vectores de despolarização que a causam anulam-se mutuamente antes de atingirem a superfície corporal (Physick-Sheard, 1991). Através da conformação da onda P podemos tirar conclusões acerca do local onde o impulso cardíaco se forma. Deste modo, por exemplo, a visualização de ondas P de diferentes formatos no mesmo ECG pode ser indicativo da condição conhecida como marcapasso oscilante (Hamlin et al, 1964). Uma onda P bifásica (-/+) indica normalmente que a 10

22 actividade marcapasso está a ser levada a cabo na zona caudal do átrio direito, perto do seio coronário (Bonagura e Reef, 1998). Quando o impulso cardíaco atinge o nódulo AV, a sua velocidade diminui drasticamente, devido às características destas células especializadas, como já foi referido anteriormente, e o número de células despolarizadas é muito reduzido, o que se traduz no aparecimento duma linha isoeléctrica no ECG. O período de tempo durante o qual se mantém esta linha denomina-se segmento P-R (van Loon e Patteson, 2010). O intervalo P-R é o somatório da onda P e do segmento P-R, ou seja, demonstra o intervalo de tempo entre o início da despolarização auricular e o início da despolarização ventricular (Martin, 2007). Um aumento deste intervalo é causado, normalmente, pela existência dum bloqueio AV (Jones, 1989). A condução do impulso pelo feixe de His e pelo sistema especializado de Purkinje, após atravessar o nódulo AV, também não é detectada à superfície da pele, englobando-se no intervalo P-R, mas a despolarização da massa ventricular que lhe sucede origina o complexo QRS no ECG (Jones, 1989). Devido ao facto da massa ventricular não se activar através duma frente de despolarização, mas sim de várias que partem em diferentes direcções, muitas das forças electromotrizes nela implicadas anulam-se entre si antes de alcançarem a superfície corporal, não sendo por isso registadas no ECG (Muylle e Oyaert, 1977). Actualmente é aceite que o complexo QRS nos cavalos, no método de base-ápice, traduz maioritariamente a despolarização do septo interventricular, sendo que as ondas Q e R resultam da despolarização do seu terço apical e a onda S do seu terço basal (Physick-Sheard, 1991). Uma consequência importante que daqui advém é o facto se de tornar impossível tirar ilações sobre o desenvolvimento da massa muscular ventricular nos cavalos, ao contrário do que acontece nos carnívoros domésticos. Em relação à configuração do complexo QRS, esta é muito variável (Jones, 1989). Nas derivações do plano frontal do método de Einthoven a amplitude das ondas do complexo QRS pode ser bastante reduzida e a sua configuração divergir muito de animal para animal. Nos métodos que acompanham o eixo cardíaco, como o método base-ápice, as amplitudes são normalmente maiores, principalmente da onda S (Bonagura e Reef, 1998) devido à direcção apico-basal do vector cardíaco no terço final da activação ventricular (Bright e Marr, 2010). Ao analisar este complexo deve ter-se em conta que complexos QRS que advenham de extra-sístoles ventriculares apresentam conformações diferentes dos que provêm de estímulos do nódulo SA, normalmente não se identificando qualquer das ondas normais deste complexo. A duração e amplitude das ondas deste tipo de complexos são normalmente maiores e não são antecedidas de qualquer onda P, como ocorre no ritmo sinusal normal (Hamlin et al, 1966). 11

23 Alguns autores realçam ainda que a análise do complexo QRS pode fornecer informações sobre o aparelho respiratório. Segundo Grauerholz, o aumento da amplitude da onda R pode estar associado a alterações respiratórias, sendo que esta aumenta na expiração e diminui durante a inspiração. Estas alterações são mais evidentes em cavalos com problemas respiratórios (Grauerholz, 1990). A repolarização das células da massa ventricular dá origem a forças electromotrizes que são identificadas no ECG pela onda T. A repolarização da massa atrial pode também, por vezes, ser visualizada no ECG, causando assim a formação duma onda Ta, principalmente face a frequências cardíaca elevadas (Bonagura e Reef, 1998). No cavalo em repouso, no entanto, esta onda é normalmente pequena e está mascarada pelo complexo QRS, não sendo visualizável (Jones, 1989). Actualmente alguns autores acreditam que alterações do segmento S-T, juntamente com hipovolemia ou choque, podem indicar isquémia do miocárdio, ao passo que o aumento da onda T pode indicar situações de hipóxia do miocárdio ou hipercalemia (Bonagura e Reef, 1998). Por fim, o intervalo QT engloba o complexo QRS, o segmento QT (período de tempo entre o final do complexo QRS e início da onda T) e a onda T. Ou seja, demonstra o período de tempo durante o qual se verifica a despolarização e a repolarização ventricular (Martin, 2007). Através do estudo da conformação, temporização e relação entre os vários elementos do ECG o clínico pode, então, reconhecer o momento em que cada fase do ciclo cardíaco ocorre, e como se origina e propaga o impulso cardíaco em cada caso. É recomendada a realização dum ECG em equinos que apresentem ritmo cardíaco anormal à auscultação, principalmente se concomitante com história de baixa performance ou síncopes, bradicardia ou taquicardia sem razões aparentes, sopros cardíacos expressivos, tosse crónica juntamente com dispneia e cianose, sinais clínicos de endocardite, pericardite ou miocardite, derrame pleural e pulso arterial fraco ou irregular (Jones, 1989). Um estudo recente em medicina humana deu, inclusivamente, um novo uso ao ECG. Com base na teoria da elevada fluidez dos líquidos, Voronova et al (2009) demonstrou a elevada utilidade do ECG associado ao uso de um medidor de pressão e fluidez (RHEO), para analisar cada fase do ciclo cardíaco. Através do cruzamento de dados entre os resultados dos dois aparelhos é possível criar uma relação causa-efeito para o problema cardíaco que enfrentamos, facilitando assim a nossa acção para o solucionar. 12

24 1.7. Obtenção de um electrocardiograma a. Bases de funcionamento O campo eléctrico existente em redor do coração pode ser detectado e analisado através da colocação de um galvanómetro à superfície da pele. Este galvanómetro medirá as diferenças de potencial entre dois eléctrodos, um positivo e um negativo, cuja ligação se denomina de derivação bipolar. Num ECG obtemos o registo da soma total das diferenças entre vários eléctrodos colocados em diversos pontos do corpo, a cada momento (van Loon e Patteson, 2010). As diferenças de potencial entre dois eléctrodos dever-se-ão maioritariamente a alterações no campo eléctrico cardíaco, no entanto a raça (Hilwig, 1977), a idade (Fernandes et al, 2004), a posição do coração no interior do tórax, a forma do tórax, a condutividade intrínseca dos tecidos entre o coração e o eléctrodo e a própria localização exacta dos eléctrodos na superfície corporal também afectam os resultados dos registos obtidos (Hamlin et al, 1964). A soma de todas as forças electromotrizes a actuar no coração, num dado momento, apresenta uma certa magnitude e direcção, que são traduzidas por um vector cardíaco (Patteson, 1996). O registo obtido apresentará uma deflexão positiva em momentos em que o vector cardíaco se direccione para o eléctrodo positivo, e uma deflexão negativa quando o vector cardíaco se direccione para o eléctrodo negativo. A inclinação da onda medida será inversamente proporcional ao ângulo formado entre o vector e o eixo que separa o eléctrodo positivo do negativo. Ou seja a deflexão será maior se o vector cardíaco estiver completamente alinhado com o eixo, do que se realizar um ângulo com o mesmo. Se a direcção do vector cardíaco for perpendicular ao eixo positivo-negativo não aparecerá nenhuma deflexão no ECG (Patteson, 1996). A amplitude atingida pela deflexão depende da magnitude do vector que, por sua vez, está relacionado com a massa muscular que foi despolarizada ou repolarizada nesse instante (van Loon e Patteson, 2010). O período de tempo durante o qual se mantém a deflexão depende do tempo que demora a onda de despolarização a atravessar o músculo (Physick-Sheard, 1991). b. Métodos existentes Os métodos de obtenção dum ECG existentes baseiam-se na utilização dos vários eléctrodos conectados ao animal em certas combinações, unipolares ou bipolares, de modo a conseguir-se analisar as alterações do campo eléctrico cardíaco, ao longo do tempo, através de vários ângulos (Jones, 1989). 13

25 Vários estudos foram realizados ao longo dos anos para descobrir os melhores locais para a colocação dos eléctrodos, de modo a melhor analisar os vectores cardíacos formados a cada instante (Holmes, 1970, citado por Van Loon e Patteson, 2010). Um método comummente usado é o método de Einthoven (Bonagura e Reef, 1998) que visa analisar a actividade eléctrica cardíaca que atinge a superfície corporal no plano frontal (Boyden e Wit, 1985). Neste método é teorizado que o coração se situa no centro dum triângulo em que os membros anteriores e o membro posterior esquerdo são os vértices. É então colocado um eléctrodo negativo em cada membro anterior e um eléctrodo positivo no membro posterior esquerdo (Fregin, 1985, citado por Escudero et al, 2009). É também aconselhada a colocação de um eléctrodo neutro no membro posterior direito (Physick-Sheard, 1991). A Figura 2 ilustra os locais de colocação dos eléctrodos e ainda um exemplo de um ciclo cardíaco retirado de um registo electrocardiográfico obtido segundo este método. Figura 2 - Esquema dos locais de colocação dos eléctrodos (adaptado de e um exemplo de um ciclo cardíaco retirado de um ECG obtido segundo o método de Einthoven durante o presente estudo. Como o coração no cavalo não se encontra no centro deste triângulo, ao contrário do cão e do homem, o método de Einthoven foi modificado, analisando o campo eléctrico através de 3 campos semiortogonais (Hamlin et al, 1964), obtendo-se 3 derivações bipolares e 3 unipolares aumentadas (Jones, 1989). Cada uma das 3 derivações bipolares obtidas por este método advém da combinação de dois eléctrodos. Assim sendo, a derivação I demonstra a combinação entre os eléctrodos do membro anterior esquerdo, que funciona como negativo (-), e do membro anterior direito que funciona como positivo (+); a derivação II entre os eléctrodos do membro anterior direito (-) e membro posterior esquerdo (+); a derivação III entre os eléctrodos do membro anterior esquerdo (-) e do membro posterior esquerdo (+). No caso das 3 derivações unipolares 14

26 aumentadas, av R, av L e av F um eléctrodo é utilizado como positivo e as suas medições comparadas com a dos outros dois eléctrodos, sendo que na derivação av R o eléctrodo positivo é o eléctrodo do membro anterior direito, na av L o do membro anterior esquerdo e na av F o do membro posterior esquerdo (van Loon e Patteson, 2010). Na prática clínica as derivações II e av F são as que oferecem resultados mais significativos (Jones, 1989). Um conceito que pode também ser estudado neste método é o de eixo eléctrico médio. Este representa a direcção geral da onda de despolarização ventricular e é apresentado em graus (Jones, 1989). Cada derivação encontra-se num ângulo distinto, de modo que a derivação av L está a -30º, a derivação I a 0º, a derivação II a +60º, a derivação av F a +90º, a derivação III a +120º e a derivação av R a -150º. A orientação do eixo eléctrico médio pode ser calculada analisando a amplitude da onda R nas várias derivações. As derivações I e av L estão orientadas na direcção do aspecto cranial do ventrículo esquerdo, as derivações II e av F na direcção do aspecto caudal do ventrículo esquerdo e, por fim, as derivações III e av R na direcção do ventrículo direito. Desta forma, avaliando as derivações em que a onda R aparece positiva conseguimos saber qual a orientação geral da onda de despolarização ventricular (eixo eléctrico médio) (Jones, 1989). Este valor deve, porém, ser abordado cuidadosamente e correlacionado com a história clínica do animal, uma vez que é altamente variável de animal para animal, variando inclusivamente com a idade (Hanak, 1981, citado por Ayala et al, 1999). Contudo, alguns autores indicam que a amplitude pode estar reduzida em casos de derrame pleural ou pericárdico, e aumentada em casos de excitação ou de extra-sístoles ventriculares (Patteson, 1996). Embora o método modificado de Einthoven seja útil para avaliar o ritmo cardíaco e a condução do impulso pelo coração, as ondas e complexos visualizados são por vezes muito pequenos e de difícil análise (Jones, 1989), e a movimentação dos membros afecta a leitura dos resultados (Physick-Sheard, 1991). Para contornar esses problemas outros métodos podem ser utilizados, como o método de base-ápice, em que o eléctrodo negativo é colocado na fossa jugular direita, no seu terço caudal, o eléctrodo positivo no 5º espaço intercostal esquerdo, ao nível do cotovelo e um terceiro eléctrodo (neutro) num local afastado do coração. A derivação I é, neste caso, a seleccionada para registar o ECG (Van Loon e Patteson, 2010). Este método é o mais utilizado para a obtenção de ECG s de esforço, pois dada a localização dos eléctrodos, obtém-se um menor número de artefactos causados pela movimentação dos membros (Physick- Sheard, 1991). Na Figura 3 temos uma ilustração do esquema de colocação dos eléctrodos e de um ciclo cardíaco retirado de um ECG obtido segundo este método. 15

27 Figura 3 - Esquema dos locais de colocação dos eléctrodos (adaptado de e um exemplo de um ciclo cardíaco retirado de um ECG obtido segundo o método base-ápice durante o presente estudo. Outro método que também pode ser utilizado para obter ondas e complexos mais amplos e um menor número de artefactos de movimento é o método Y de Holmes (Physick-Sheard, 1991). Neste método o eléctrodo positivo é colocado sobre o processo xifóide e o negativo sobre a ponta do manúbrio. Um terceiro eléctrodo (neutro) deve ser colocado num local afastado do coração. Tal como acontece no método base-ápice a derivação I também é a seleccionada para registar o ECG (van Loon e Patteson, 2010). Como o sistema nervoso autónomo desempenha um importante papel na regulação da actividade cardíaca e, por sua vez, no aparecimento de certas arritmias, um registo electrocardiográfico de 24 horas com monitorização Holter é o método mais indicado para avaliar o verdadeiro impacto destas anomalias, bem como a frequência cardíaca e o ritmo normal do animal (Raekallio, 1992). Com este método conseguimos eliminar o stresse causado pela presença do clínico ou investigador e pelo manuseamento do animal e aparelho (Scheffer et al, 1995). Neste tipo de ECG o local mais prático de colocação dos eléctrodos é no tronco do animal, uma vez que há menos interferências causadas pela movimentação do animal (Physick- Sheard, 1991). Uma das combinações usadas para a localização dos eléctrodos visa a colocação de dois eléctrodos de cada lado do tórax, a meio deste e um eléctrodo neutro no vértice da escápula (Raekallio, 1992). Noutro estudo, os eléctrodos foram colocados ao nível da linha média ventral, sobre a cartilagem xifóide (eléctrodo positivo), vértice cranial da escápula esquerda (eléctrodo negativo), parede torácica esquerda ao nível do cotovelo e caudalmente ao mesmo (eléctrodo positivo) e ainda outro na parede torácica esquerda ao nível da cernelha 16

28 (eléctrodo negativo). A partir destes eléctrodos foram obtidas duas derivações (Scheffer et al, 1995) Previsão da capacidade desportiva através da electrocardiografia É actualmente aceite que o tamanho e a função do coração são factores que desempenham um papel importante na performance desportiva do cavalo (Evans e Young, 2010). Com base nestas informações muitos estudos foram realizados com vista a descobrir se existe alguma relação entre os sinais electrocardiográficos de um dado animal e a sua capacidade desportiva. Uma das teorias mais conhecidas denomina-se de Heart Score Theory e utiliza a média dos valores da duração do complexo QRS nas derivações I, II e III do método modificado de Einthoven para prever a dimensão da massa muscular ventricular (Stewart, 1981). Esta teoria foi proposta pela primeira vez em 1957 por Steel e tem sido alvo de muitos estudos desde então. Num estudo em que se avaliou o valor monetário médio ganho por cada animal numa corrida e o valor monetário total ganho durante a vida desportiva de cada cavalo foi encontrado uma correlação positiva entre estes valores e a pontuação cardíaca calculada pela Heart Score Theory (Stewart e Steel, 1970, citado por Stewart, 1976). Resultados semelhantes foram obtidos também por outros investigadores que relacionaram a pontuação cardíaca com o tempo levado pelos cavalos para completarem um dado circuito e ainda com o seu número de vitórias em corridas (Nielsen e Vibe-Petersen, 1980). Porém quando novas descobertas foram feitas no campo da dispersão das fibras de Purkinje através do miocárdio ventricular, esta teoria foi posta em causa. Alguns investigadores concluem que, embora uma maior duração e amplitude do complexo QRS possa demonstrar um aumento do volume miocárdico patológico ou fisiológico (White e Rhode, 1974), um valor normal, ou até abaixo da média, não quer dizer que este volume seja menor (Patteson, 1996; Piccione et al, 2000, citado por Lightowler et al, 2004). Por fim, outros autores sugerem ainda que a maior duração do complexo QRS está relacionado com a capacidade desportiva do animal porque os animais que treinam mais conseguem aumentar a dimensão do seu miocárdio, à imagem do que está descrito em humanos (Cohen et al, 1980, citado por Zehender et al, 1990). Deste modo, a duração do QRS é que está dependente da capacidade desportiva do animal e não o contrário, ou seja, o complexo QRS apenas pode ser usado para confirmar a capacidade cardíaca dum indivíduo e não para prevê-la (Dojana et al, 2008, citado por Dumont et al, 2010). 17

29 Alguns autores indicam também o uso da amplitude da onda R nas derivações I e II do método de Einthoven para avaliar o tamanho do coração, no entanto ressalvando a baixa sensibilidade do ECG para este fim. Nos seus estudos em cavalos de corrida a amplitude normal da onda R na derivação II variou entre 0,8 e 1,1mV, e foi considerada anormal acima dos 2,2mV. Na derivação I valores acima dos 1,7mV foram também considerados acima da média (Jones, 1989). Num outro estudo realizado por Muylle e Oyaert foi utilizado o método Y de Holmes para avaliar a amplitude da onda R, e a sua relação com a massa muscular cardíaca. Neste estudo não houve qualquer relação, tendo sido concluído que alterações na amplitude da onda R devem-se apenas a diferenças no local exacto onde se inicia a activação ventricular (Muylle e Oyaert, 1977). Um outro tema de discussão durante muitos anos foi a utilização de achados anormais ao nível da onda T no método de Einthoven, para prever a capacidade desportiva do cavalo (Rose e Davies, 1978; Stewart et al, 1983). Vários autores defendiam haver uma relação entre o aparecimento de ondas T anormais em 3 ou mais derivações no ECG de cavalos em repouso e a sua fraca performance (Rose e Davies, 1978), principalmente se concomitantes com ondas T de baixa amplitude, positivas e arredondadas registadas durante o exercício (Steel et al, 1976). Contudo esta teoria foi, posteriormente, testada por outros autores, que relacionaram a ocorrência destas ondas, ditas, anormais com vários índices metabólicos e respiratórios (King et al, 1994) e com a performance desportiva prévia dos animais (Evans e Polglaze, 1994), e concluíram não existir qualquer correlação negativa entre estes factores. A implicação do treino físico na alteração do perfil da onda T foi também estudada, concluindo-se ser normal o aparecimento de alterações à forma da onda T com o evoluir do treino (Evans e Polglaze, 1994; Evans, 1991, citado por van Loon e Patteson, 2010). Actualmente a teoria sobre a relação entre o achado de ondas T anormais no ECG de cavalos em repouso, e a sua pobre capacidade desportiva está grandemente desacreditada (Evans e Young, 2010). Há, contudo, uma outra avaliação passível de ser feita através da onda T, que diz respeito à oxigenação do miocárdio. Durante uma sessão de exercício a onda T torna-se normalmente positiva, e durante a fase de repouso volta a ficar predominantemente negativa (Holmes e Rezakhani, 1975, citado por Hamid et al, 2010). Quanto mais rápida for a taxa de recuperação do animal, mais rápida será a inversão da onda T. É assumido, então, que animais com uma boa oxigenação do miocárdio tenham uma recuperação mais rápida e apresentem uma onda T predominantemente negativa quando em repouso (Hamid et al, 2010). 18

30 Por fim há ainda quem realce o intervalo Q-T (período de despolarização e repolarização ventricular) como um indicador da massa miocárdica. Estes autores afirmam que o intervalo Q-T é uma medição directa da duração da sístole eléctrica ventricular (Stewart e Steel, 1970, citado por Hamid et al, 2010). A duração da sístole eléctrica ventricular reflecte a massa ventricular e, assim sendo, a dimensão cardíaca afecta o intervalo Q-T (Glazier, 1966, citado por Hamid et al, 2010). Zehender et al (1990) também afirma que o intervalo Q-T é prolongado para 10% a 15% da sua duração em atletas, principalmente os que praticam actividades de resistência, e que assim sendo se prova que este parâmetro electrocardiográfico é dependente do treino. Contudo, este autor aponta alterações que ocorrem a nível do sistema nervoso autónomo, derivadas do treino, como a provável causa desta constatação O cavalo Puro-Sangue Lusitano O cavalo Puro-Sangue Lusitano (PSL) teve a sua origem em Portugal (Kelley, 2002) e é actualmente a raça autóctone de maior releve, tanto a nível nacional como internacional. É um cavalo de sangue quente como o Puro-Sangue Inglês ou o Árabe. Seleccionado desde há milhares de anos como cavalo de guerra e de sela, o cavalo Lusitano é considerado o cavalo de sela mais antigo do Mundo, com mais de 5000 anos. Tal permite-lhe uma maior empatia para com os humanos face a raças mais modernas. Apesar de ser reconhecido como o cavalo de excelência para o desempenho da arte tauromáquica, a sua versatilidade e boa capacidade mental permitiram-lhe expandir-se para grande parte das disciplinas do desporto equestre moderno, como o ensino, alta escola, dressage ou atrelagem de competição (Associação Portuguesa de Criadores do Cavalo Puro Sangue Lusitano IN: 2011). A raça PSL é considerada uma raça rara, estimando-se a existência de apenas exemplares em todo o Mundo (Boiselle et al, 2006), dos quais apenas cerca de 2000 são éguas reprodutoras (Associação de criadores do cavalo Puro Sangue Lusitano IN: 2011). O seu temperamento dócil (Boiselle et al, 2006) associado a uma grande antiguidade e pureza genética tornou o PSL alvo de grande interesse como reprodutor para melhoramento de raças, sendo actualmente um dos produtos nacionais com mercado em expansão no estrangeiro (Associação de criadores do cavalo Puro Sangue Lusitano IN: 2011). Também no mundo científico a importância do Lusitano tem aumentado, o que se pode verificar pelo crescente número de publicações sobre esta raça nos últimos anos. 19

31 Exposto isto e dado que existem já vários trabalhos publicados sobre a caracterização do traçado electrocardiográfico em várias raças, como o Andaluz (Ayala et al, 1999), o Mangalarga Marchador (Diniz et al, 2008), o Thoroughbred e o Standardbred (Fregin, 1982) entre outras, e que a electrocardiografia é um meio de diagnóstico indispensável a um exame cardíaco completo (Fregin, 1985, citado por Escudero et al, 2009), considerámos importante a realização de um estudo similar para esta raça. 20

32 2. OBJECTIVOS Os objectivos desta investigação foram: Estabelecer quais os padrões normais da onda P, complexo QRS e onda T no método de Einthoven e método base-ápice em equinos adultos da raça PSL; Estabelecer quais os valores normais de duração e amplitude dos vários elementos do ECG no método de Einthoven e método de base-ápice em equinos adultos da raça PSL; Comparar os valores obtidos com aqueles publicados noutras raças; Analisar a influência do género, idade e estado de preparação física nos resultados de duração e amplitude dos vários elementos do ECG; Utilizar uma abordagem prática que possa ser facilmente aplicada pelo clínico de equinos no seu dia-a-dia, de modo a facilitar a comparação de resultados; Utilizar uma abordagem que aporte o mínimo de stresse para o animal de modo a obter resultados mais fidedignos. 21

33 3. MATERIAL E MÉTODOS Neste estudo foram utilizados cavalos da raça PSL pertencentes a diferentes proprietários e que se encontravam em diversas localidades do território nacional. Só foram aceites no estudo animais com idade acima dos 3 anos e cujo exame de estado geral não tenha demonstrado a presença de qualquer tipo de doença. O período de realização dos ECG s compreendeu-se entre Dezembro de 2010 e Junho de A todos os animais foi realizado um exame de estado geral para comprovar o seu estado de saúde. Foi preenchido um questionário para cada cavalo com vista a obter informações sobre a sua idade, peso, alojamento, alimentação, aptidão, número de sessões de treino semanais (no caso de animais de desporto) e tipo de trabalho (no caso de animais de trabalho). Um exemplo do questionário efectuado encontra-se em anexo. De seguida, e após alguns minutos de adaptação por parte do animal aos examinadores e aparelho, foram realizados dois ECG s a cada animal, seguindo dois métodos comummente utilizados em equinos: o método bipolar de Einthoven e o método base-ápice. Estes exames foram levados a cabo num local familiar ao animal, fora da boxe do mesmo, utilizando o electrocardiógrafo cedido pelo Hospital Veterinário da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (HV-UTAD) (Auto Cardiner FCP-145u Fukuda Denshi). Durante os registos electrocardiográficos foi utilizada uma velocidade de gravação de 25 mm/s e uma sensibilidade de 1 (1 cm equivale a 1 mv). Em ambos os métodos os eléctrodos foram fixados à pele através de pinças de crocodilo metálicas. O pelo não foi sujeito a tricotomia devido ao incómodo que este acto traria a muitos dos proprietários, mas foi sempre aplicado álcool no local de colocação das pinças, antes e após o uso destas para melhorar o seu contacto com a pele. Na abordagem segundo o método de Einthoven foi fixo um eléctrodo em cada membro do animal. Nos membros anteriores estes eram colocados quinze centímetros abaixo do olecrâneo, na sua face caudal, e nos membros posteriores eram aplicados na sua face cranial, distalmente à articulação do joelho. A combinação dos eléctrodos foi feita de tal modo que os eléctrodos negativos ficassem nos membros anteriores, o eléctrodo positivo no membro posterior esquerdo e o eléctrodo neutro no membro posterior direito, como está descrito no estudo realizado por Escudero et al (2009) e como está representado na Figura 4. Durante a obtenção do traçado os membros anteriores foram mantidos paralelos tanto quanto possível. 22

34 Figura 4 - Exemplo da localização dos eléctrodos no método de Einthoven num dos cavalos utilizados no estudo. Na abordagem segundo o método base-ápice o eléctrodo positivo foi fixo no quinto espaço intercostal esquerdo ao nível do cotovelo, o eléctrodo negativo no terço caudal da fossa jugular direita e o eléctrodo neutro no tórax direito dorsalmente à escápula, como está descrito por Van Loon, G. e Patteson, M. (2010). Nas figuras seguintes (Figuras 5 e 6) pode ver-se um exemplo da colocação dos eléctrodos num dos animais utilizados no estudo. Figuras 5 e 6 - Exemplo da localização dos eléctrodos no método base-ápice num dos cavalos utilizados no estudo. 23

35 Para cada método, e por animal, foi obtido mais de um minuto de traçado electrocardiográfico. Sempre que possível os procedimentos foram elaborados no local onde o animal era mantido para reduzir o factor de stresse causado pela deslocação do animal e pela aclimatação a um novo local. Por uma questão de facilidade logística, a alguns dos animais o exame foi realizado no HV-UTAD. Estes foram animais que se apresentaram no referido hospital e que ficaram internados vários dias por motivos de reprodução ou acompanhando outros animais doentes, como fêmeas acompanhando poldros, encontrando-se por isso saudáveis e aptos para o estudo. O registo foi posteriormente digitalizado e escolheram-se três complexos P-QRS-T sem artefactos, por método, por animal, para serem analisados manualmente e encontrar-se a média para cada medida dentro do mesmo animal. A partir destes valores foi efectuada uma análise estatística descritiva, para a obtenção da média da amostra para cada medida, bem como o seu desvio padrão. Também se analisaram os resultados de modo a avaliar a existência, ou não, de diferenças significativas entre géneros, classes etárias e número de treinos por semana a que o cavalo era submetido, através dos métodos de análise estatística de T-student (para os géneros) e de One-way ANOVA e Bonferroni (idade e número de treinos por semana). De acordo com a classe etária, os animais foram divididos em três grupos: grupo 1 dos 3 aos 5 anos, grupo 2 dos 6 aos 14 anos e grupo 3 acima dos 14 anos. Para a análise do efeito do treino no ECG foram divididos os animais em cinco grupos da seguinte maneira: grupo 1 sem qualquer sessão de treino semanal, grupo 2 com 1 a 2 sessões de treino, grupo 3 com 3 a 4 sessões de treino, grupo 4 com 5 a 6 sessões de treino e grupo 5 com treino diário. As diferenças entre grupos foram consideradas significativas quando o resultado de P era inferior a 0,05 e altamente significativas quando P era inferior a 0,01. Para a realização de todas as análises estatísticas mencionadas foi utilizado o programa SPSS versão

36 4. RESULTADOS Neste estudo foram utilizados 76 cavalos da raça PSL, dos quais 13 eram fêmeas e 66 eram machos. Os animais tinham idades compreendidas entre os 3 e os 22 anos (9±4,72) e um peso corporal médio de 472 kg. Em 67 (88,2%) dos animais os procedimentos foram realizados no local onde o animal era mantido. Nos restantes 9, os ECG s foram realizados no HV-UTAD. A um dos animais só foi realizado o exame electrocardiográfico pelo método base-ápice pois este não tolerou a colocação dos eléctrodos nos membros, exigida no método de Einthoven. A média da frequência cardíaca registada na auscultação durante o exame físico do animal foi de 38±7,8 batimentos por minuto (bpm). Os valores da média e o seu desvio padrão para a amplitude e duração, bem como as percentagens de conformação observadas, dos vários elementos do ECG analisados estão expostos nas tabelas seguintes. Tabela 1 - Distribuição das percentagens dos vários formatos de cada elemento observados no ECG para o método base-ápice. Elemento Conformação Percentagem Onda P Complexo QRS Onda T Bífida 88,2% Monofásica positiva 9,2% Bifásica (-/+) 2,6% RS 61,9% S 36,8% QRS 1,3% Bifásica (-/+) 82,9% Monofásica negativa 10,5% Monofásica positiva 6,6% 25

37 Tabela 2 - Distribuição das percentagens dos vários formatos de cada elemento observados no ECG para o método de Einthoven. Elemento Conformação Percentagem Onda P Complexo QRS Onda T Bífida 67,6% Monofásica positiva 32,4% QR 25,3% R 24% QRS 22,7% RS 13,3% S 10,7% QS 4% Bifásica (-/+) 76% Monofásica negativa 12% Monofásica positiva 12% Tabela 3 - Média (e desvio padrão da média) dos valores de amplitude, em mv, para os vários elementos avaliados em ambos os métodos. Elemento Método base-ápice Amplitude (mv) Método Einthoven P1 0,14 (0,07) 0,11 (0,004) P2 0,33 (0,01) 0,23 (0,01) P simples positiva 0,30 (0,04) 0,23 (0,01) P(-) 0,08 (0,00) - P(+) 0,26 (0,06) - Q 0,13 ( - ) 0,16 (0,02) R 0,38 (0,03) 0,56 (0,04) S 1,70 (0,04) 0,27 (0,04) T(-) 0,70 (0,05) 0,32 (0,02) T(+) 0,27 (0,02) 0,20 (0,02) T simples negativa 0,96 (0,09) 0,35 (0,03) T simples positiva 0,70 (0,11) 0,32 (0,05) 26

38 Tabela 4 - Média (e desvio padrão da média) dos valores de duração, em segundos, para os vários elementos avaliados em ambos os métodos. Elemento Método base-ápice Duração (s) Método Einthoven P 0,13 (0,002) 0,11 (0,002) QRS 0,12 (0,003) 0,09 (0,004) T 0,18 (0,006) 0,17 (0,007) Intervalo P-R 0,30 (0,006) 0,28 (0,005) Intervalo Q-T 0,50 (0,008) 0,51 (0,008) Intervalo R-R 1,72 (0,04) 1,67 (0,04) Tabela 5 - Média (e desvio padrão da média) dos valores da amplitude, em mv, para os vários elementos avaliados no ECG, para ambos os géneros, em ambos os métodos. Elemento P1 P2 P simples positiva P(-) P(+) Q R S T(-) T(+) T simples negativa T simples positiva Amplitude (mv) Sexo Método base-ápice Método Einthoven M 0,14 (0,06) 0,11 (0,03) F 0,13 (0,03) 0,10 (0,03) M 0,33 (0,08) 0,23 (0,05) F 0,30 (0,07) 0,18 (0,05) M 0,30 (0,10) 0,22 (0,05) F - 0,26 (0,06) M 0,08 (0,00) - F - - M 0,26 (0,08) - F - - M 0,13 ( - ) 0,15 (0,09) F - 0,19 (0,14) M 0,40 (0,25) 0,61 (0,35) F 0,29 (0,12) 0,38 (0,26) M 1,76 (0,39) 0,28 (0,25) F 1,60 (0,40) 0,20 (0,08) M 0,71 (0,41) 0,31 (0,18) F 0,65 (0,57) 0,37 (0,16) M 0,27 (0,16) 0,20 (0,14) F 0,25 (0,13) 0,16 (0,05) M 1,02 (0,18) 0,32 (0,05) F 0,78 (0,41) 0,40 (0,10) M 0,67 (0,28) 0,36 (0,14) F 0,80 (-) 0,24 (0,14) 27

39 Tabela 6 - Média (e desvio padrão da média) dos valores da duração, em segundos, para os vários elementos avaliados no ECG, para ambos os géneros, em ambos os métodos. Elemento P QRS T Intervalo P-R Intervalo Q-T Intervalo R-R Duração (s) Sexo Método base-ápice Método Einthoven M 0,13 (0,02) 0,11 (0,02) F 0,14 (0,01) 0,11 (0,02) M 0,12 (0,02) 0,09 (0,03) F 0,13 (0,03) 0,08 (0,04) M 0,18 (0,06) 0,17 (0,06) F 0,18 (0,04) 0,15 (0,04) M 0,30 (0,05) 0,28 (0,04) F 0,30 (0,05) 0,29 (0,03) M 0,50 (0,06) 0,51 (0,06) F 0,51 (0,10) 0,50 (0,06) M 1,77 (0,32) 1,71 (0,31) F 1,50 (0,25) 1,44 (0,24) Tabela 7 - Média (e desvio padrão da média) dos valores da amplitude, em mv, para os vários elementos avaliados no ECG, em ambos os métodos, para os animais com idade entre os 3 e os 5 anos, grupo 1 (n = 22). Elemento Método base-ápice Amplitude (mv) Método Einthoven P1 0,13 (0,04) 0,11 (0,04) P2 0,33 (0,08) 0,21 (0,05) P simples positiva 0,34 (0,14) 0,20 (0,01) P(-) 0,08 (0,00) - P(+) 0,26 (0,08) - Q - 0,16 (0,07) R 0,32 (0,19) 0,49 (0,25) S 1,75 (0,24) 0,23 (0,17) T(-) 0,68 (0,25) 0,35 (0,19) T(+) 0,27 (0,11) 0,23 (0,12) T simples negativa 0,81 ( - ) 0,30 (0,03) T simples positiva 0,48 ( - ) 0,15 ( - ) 28

40 Tabela 8 -Média (e desvio padrão da média) dos valores da amplitude, em mv, para os vários elementos do ECG avaliados, em ambos os métodos, para os animais com idade entre os 6 e os 14 anos de idade, grupo 2 (n = 41). Elemento Método base-ápice Amplitude (mv) Método Einthoven P1 0,14 (0,06) 0,10 (0,03) P2 0,33 (0,08) 0,23 (0,05) P simples positiva 0,26 (0,05) 0,23 (0,07) P(-) - - P(+) - - Q - 0,14 (0,11) R 0,40 (0,25) 0,62 (0,38) S 1,77 (0,44) 0,30 (0,29) T(-) 0,66 (0,50) 0,29 (0,15) T(+) 0,28 (0,18) 0,20 (0,15) T simples negativa 1,00 (0,11) 0,39 (0,10) T simples positiva 0,86 (0,32) 0,34 (0,15) Tabela 9 - Média (e desvio padrão da média) dos valores da amplitude, em mv, para os vários elementos avaliados no ECG, em ambos os métodos, para os animais com idade superior a 14 anos, grupo 3 (n = 12). Elemento Método base-ápice Amplitude (mv) Método Einthoven P1 0,14 (0,05) 0,12 (0,05) P2 0,33 (0,08) 0,25 (0,10) P simples positiva 0,35 ( - ) 0,24 (0,03) P(-) - - P(+) - - Q 0,13 ( - ) 0,19 (0,12) R 0,39 (0,23) 0,51 (0,37) S 1,56 (0,39) 0,23 (0,15) T(-) 0,89 (0,46) 0,36 (0,23) T(+) 0,20 (0,05) 0,14 (0,04) T simples negativa 0,95 (0,42) 0,40 ( - ) T simples positiva 0,64 (0,22) 0,35 ( - ) 29

41 Tabela 10 - Média (e desvio padrão da média) dos valores da duração, em segundos, para os vários elementos avaliados no ECG, em ambos os métodos, para os 3 grupos etários. Elemento P QRS T Intervalo P-R Intervalo Q-T Intervalo R-R Duração (s) Grupo etário Método base-ápice Método Einthoven 1 0,12 (0,02) 0,11 (0,02) 2 0,13 (0,02) 0,11 (0,02) 3 0,13 (0,02) 0,12 (0,01) 1 0,11 (0,03) 0,07 (0,02) 2 0,12 (0,02) 0,09 (0,03) 3 0,14 (0,02) 0,10 (0,04) 1 0,17 (0,04) 0,15 (0,05) 2 0,17 (0,04) 0,16 (0,05) 3 0,22 (0,09) 0,20 (0,08) 1 0,30 (0,05) 0,28 (0,04) 2 0,29 (0,05) 0,28 (0,05) 3 0,31 (0,04) 0,29 (0,02) 1 0,50 (0,05) 0,49 (0,04) 2 0,50 (0,06) 0,51 (0,05) 3 0,53 (0,10) 0,55 (0,08) 1 1,81 (0,29) 1,77 (0,31) 2 1,71 (0,33) 1,68 (0,31) 3 1,67 (0,29) 1,47 (0,23) Tabela 11 - Média (e desvio padrão da média) dos valores da amplitude, em mv, para os vários elementos do ECG, em ambos os métodos, para os animais sem qualquer sessão de treino semanal, grupo 1 (n = 13). Elemento Método Base-ápice Amplitude (mv) Método Einthoven P1 0,14 (0,05) 0,09 (0,03) P2 0,29 (0,06) 0,19 (0,05) P simples positiva 0,35 ( - ) 0,22 (0,03) P(-) - - P(+) - - Q - 0,17 (0,11) R 0,40 (0,19) 0,44 (0,34) S 1,78 (0,45) 0,16 (0,09) T(-) 0,93 (0,57) 0,36 (0,13) T(+) 0,22 (0,09) 0,16 (0,05) T simples negativa 0,95 (0,42) 0,33 (0,11) T simples positiva - 0,30 ( - ) 30

42 Tabela 12 - Média (e desvio padrão da média) dos valores da amplitude, em mv, para os vários elementos avaliados no ECG, em ambos os métodos, para os animais com uma a duas sessões de treino semanal, grupo 2 (n = 14). Elemento Método Base-ápice Amplitude (mv) Método Einthoven P1 0,13 (0,03) 0,13 (0,04) P2 0,36 (0,10) 0,25 (0,09) P simples positiva 0,23 (0,04) 0,25 (0,09) P(-) - - P(+) - - Q 0,13 ( - ) 0,23 (0,14) R 0,38 (0,24) 0,64 (0,43) S 1,79 (0,38) 0,37 (0,19) T(-) 0,60 (0,50) 0,37 (0,25) T(+) 0,27 (0,11) 0,17 (0,10) T simples negativa 1,12 ( - ) 0,40 (0,08) T simples positiva 0,48 ( - ) 0,08 ( - ) Tabela 13 - Média (e desvio padrão da média) dos valores da amplitude, em mv, para os vários elementos avaliados no ECG, em ambos os métodos, para os animais com três a quatro sessões de treino semanal, grupo 3 (n = 7). Elemento Método Base-ápice Amplitude (mv) Método Einthoven P1 0,12 (0,04) 0,09 (0,03) P2 0,28 (0,08) 0,22 (0,05) P simples positiva 0,30 ( - ) 0,15 ( - ) P(-) - - P(+) - - Q - 0,13 (0,08) R 0,26 (0,15) 0,43 (0,18) S 1,74 (0,41) 0,21 (0,23) T(-) 0,71 (0,34) 0,32 (0,12) T(+) 0,23 (0,10) 0,18 (0,09) T simples negativa - - T simples positiva

43 Tabela 14 - Média (e desvio padrão da média) dos valores da amplitude, em mv, para os vários elementos avaliados no ECG, em ambos os métodos, para os animais com cinco a seis sessões de treino semanal, grupo 4 (n = 28). Elemento Método Base-ápice Amplitude (mv) Método Einthoven P1 0,14 (0,07) 0,11 (0,03) P2 0,33 (0,07) 0,22 (0,05) P simples positiva 0,38 (0,16) 0,21 (0,03) P(-) 0,08 (0,00) - P(+) 0,26 (0,08) - Q - 0,14 (0,08) R 0,36 (0,19) 0,64 (0,34) S 1,72 (0,26) 0,28 (0,34) T(-) 0,71 (0,34) 0,31 (0,20) T(+) 0,26 (0,16) 0,23 (0,20) T simples negativa 0,94 (0,18) 0,31 (0,04) T simples positiva 0,78 (0,42) 0,37 (0,15) Tabela 15 - Média (e desvio padrão da média) dos valores da amplitude, em mv, para os vários elementos avaliados no ECG, em ambos os métodos, para os animais com sessões de treino diárias, grupo 5 (n = 12). Elemento Método Base-ápice Amplitude (mv) Método Einthoven P1 0,14 (0,04) 0,12 (0,04) P2 0,35 (0,07) 0,24 (0,04) P simples positiva - 0,24 (0,04) P(-) - - P(+) - - Q - 0,11 (0,08) R 0,47 (0,35) 0,52 (0,34) S 1,74 (0,43) 0,26 (0,20) T(-) 0,61 (0,39) 0,25 (0,16) T(+) 0,32 (0,14) 0,21 (0,10) T simples negativa 0,90 (0,04) - T simples positiva 0,80 ( - ) 0,35 ( - ) 32

44 Tabela 16 - Média (e desvio padrão da média) dos valores da duração, em segundos, para os vários elementos avaliados no ECG, em ambos os métodos, para os vários grupos de treino. Elemento P QRS T Intervalo P-R Intervalo Q-T Intervalo R-R Duração (s) Grupo de treino Método Base-ápice Método Einthoven 1 0,13 (0,02) 0,11 (0,02) 2 0,13 (0,02) 0,11 (0,02) 3 0,13 (0,02) 0,11 (0,02) 4 0,12 (0,02) 0,11 (0,02) 5 0,14 (0,02) 0,12 (0,02) 1 0,13 (0,03) 0,08 (0,03) 2 0,12 (0,02) 0,09 (0,04) 3 0,12 (0,02 0,10 (0,02) 4 0,11 (0,02) 0,08 (0,03) 5 0,13 (0,02) 0,10 (0,02) 1 0,19 (0,04) 0,20 (0,06) 2 0,19 (0,08) 0,17 (0,06) 3 0,20 (0,06) 0,19 (0,06) 4 0,17 (0,05) 0,14 (0,04) 5 0,17 (0,03) 0,18 (0,07) 1 0,31 (0,05) 0,31 (0,04) 2 0,28 (0,04) 0,27 (0,03) 3 0,30 (0,02) 0,27 (0,02) 4 0,30 (0,05) 0,27 (0,04) 5 0,31 (0,04) 0,29 (0,02) 1 0,53 (0,09) 0,30 (0,04) 2 0,50 (0,08) 0,51 (0,06) 3 0,51 (0,03) 0,52 (0,05) 4 0,49 (0,07) 0,48 (0,04) 5 0,50 (0,03) 0,53 (0,05) 1 1,65 (0,28) 1,55 (0,26) 2 1,69 (0,28) 1,56 (0,17) 3 1,66 (0,27) 1,60 (0,39) 4 1,77 (0,34) 1,78 (0,31) 5 1,77 (0,36) 1,67 (0,30) 33

45 Todos os valores de duração e amplitude dos vários elementos avaliados no ECG foram comparados entre as diferentes classes definidas (género, idade, classes de treino). No que diz respeito ao género, os machos demonstraram uma frequência cardíaca significativamente mais baixa que as fêmeas (37 bpm versus 42 bpm respectivamente) (P <0,05). Esta diferença entre géneros também se reflectiu, em ambos os métodos, na presença de um intervalo R-R maior nos machos (P <0,01 no método base-ápice e P <0,05 no método de Einthoven). Foi ainda verificado no método base-ápice que o complexo QRS apresentava uma duração maior em fêmeas (P <0,05) e no método de Einthoven que as ondas P2 e R apresentavam uma amplitude maior em machos (P <0,05). Quando se compararam os grupos etários pré-definidos, no método base-ápice, o grupo de animais com idade superior a 14 anos (grupo 3) demonstrou uma duração do complexo QRS e da onda T significativamente maiores que o grupo 1 (P <0,01 para o complexo QRS e P <0,05 para a onda T) e o grupo 2 (P <0,05 para o complexo QRS, e P <0,01 para a onda T). No método de Einthoven foram encontradas diferenças significativas entre os grupos 1 e 3 na duração dos intervalos R-R (P <0,05) e Q-T (P <0,01), sendo o intervalo R-R superior nos animais com idade entre os 3 e os 5 anos (grupo 1) e o intervalo Q-T superior nos animais com mais de 14 anos (grupo 3). Por fim, em relação à comparação entre os vários grupos de treino, a duração do complexo QRS no método base-ápice foi significativamente maior no grupo de animais sem sessões de treino (grupo 1) do que no grupo de animais com 5 a 6 sessões de treino (grupo 4) (P <0,05). Ainda no método base-ápice, o grupo de animais com sessões de treino diárias (grupo 5) demonstrou uma duração da onda P significativamente maior que o grupo 4 (P <0,05). No método de Einthoven verificou-se que o grupo 1 apresentava uma duração da onda T superior à do grupo 4 (P <0,05). 34

46 5. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS De seguida discutimos os resultados acima descritos através da comparação dos mesmos com os valores existentes na literatura. Primariamente são consideradas as conformações e os valores da amplitude e duração para cada elemento avaliado no ECG provenientes da totalidade dos 76 animais. Na parte final da discussão são abordados os resultados da análise comparativa dos valores da amplitude e duração entre os vários grupos classificados anteriormente (género, idade e treino) Onda P No presente estudo a distribuição das percentagens de cada conformação da onda P no método base-ápice segue o padrão descrito na literatura, sendo a conformação bífida a mais frequente (88,2%), seguida da monofásica positiva (9,2%) e por fim a bifásica (-/+) (2,6%) (Alidadi et al, 2002; Diniz et al, 2008; Hamid et al, 2010). A percentagem de ondas bifásicas é inclusivamente a mais baixa de entre os estudos publicados em outras raças. Sendo a conformação bífásica originada quando o impulso cardíaco é formado na zona caudal do átrio direito, perto do seio coronário (Bonagura e Reef, 1998), ao invés de ser no nódulo SA como é considerado normal (Patteson, 1996), o facto de esta conformação aparecer apenas em dois animais pode ser considerado um bom indicador de sanidade. Na Figura 7 estão representados exemplos dos três formatos de onda P acima referidos, retirados de registos electrocardiográficos efectuados durante o presente estudo. Figura 7 - Exemplos dos formatos de onda P observados no estudo: (A) bífida; (B) simples positiva; (C) bifásica. A amplitude observada da onda P2 no método base-ápice (0,33±0,01 mv) é superior à descrita para as raças Trotador Italiano (Pampana et al, 2004) e Turco (Alidadi et al 2002) e inferior à descrita para o cavalo Kurdo (Hamid et al 2010). No entanto, resultados de amplitude e duração da onda P semelhantes aos nossos foram encontrados no cavalo Mangalarga Marchador (Diniz et al, 2008) e no Andaluz (Ayala et al, 1994, citado por Diniz et al, 2008). Sendo o 35

Eventos mecânicos do ciclo cardíaco

Eventos mecânicos do ciclo cardíaco O músculo cardíaco Introdução As variedades de músculos cardíacos O músculo cardíaco como um sincício O longo potencial de ação e o seu platô no músculo cardíaco Introdução O coração pode ser considerado

Leia mais

SOBRE ECG EM 10 MINUTOS

SOBRE ECG EM 10 MINUTOS TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER SOBRE ECG EM 10 MINUTOS Luis Lima Lobo (MV, PhD) Hospital Veterinário do Porto FMV-ULHT Congresso OMV 2013 O electrocardiográfo O sistema de condução O sistema de condução

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Conceitos e funções do sistema circulatório Sistema Circulatório O

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri Introdução ao Eletrocardiograma ACD: Damito Robson Xavier de Souza Enganoso é o

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Texto de apoio ao professor T3 Nesta aula irá estudar-de o ciclo cardíaco (diástole, sístole, pressão sanguínea e arterial) e os meios utilizados para o diagnóstico e prevenção de anomalias que possam

Leia mais

Sistema de formação e condução de estímulos no coração. Gerar impulsos ritmados Conduzir os impulsos rapidamente, através do coração

Sistema de formação e condução de estímulos no coração. Gerar impulsos ritmados Conduzir os impulsos rapidamente, através do coração Sistema de formação e condução de estímulos no coração Gerar impulsos ritmados Conduzir os impulsos rapidamente, através do coração O sistema condutor Nodo sinusal Potencial de repouso 55 a 60mV Os canais

Leia mais

2 O CORAÇÃO E A ATIVIDADE ELÉTRICA CARDÍACA

2 O CORAÇÃO E A ATIVIDADE ELÉTRICA CARDÍACA 26 2 O CORAÇÃO E A ATIVIDADE ELÉTRICA CARDÍACA O coração normal (Figura 2), é um órgão predominantemente muscular que funciona como uma bomba de ejeção pulsante. A sua função é ejetar o sangue para o sistema

Leia mais

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias Fisiologia Geral Biofísica da Circulação: O ciclo cardíaco; Interconversão de energias nas artérias SISTEMA CARDIOVASCULAR Sistema de ductos fechados com uma bomba hidráulica: O coração. Artérias: vasos

Leia mais

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html 1. A contração das células musculares cardíacas é acionada por um potencial de ação elétrico Conforme o músculo

Leia mais

Cardiologia NOÇÕES DE ELETROCARDIOGRAFIA

Cardiologia NOÇÕES DE ELETROCARDIOGRAFIA NOÇÕES DE ELETROCARDIOGRAFIA O ELETROCARDIOGRAMA É O REGISTRO DA ATIVIDADE ELÉTRICA DO CORAÇÃO Aplicações do Cardiologia Eletrocardiograma Isquemia miocárdica e infarto Sobrecargas (hipertrofia) atriais

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Serviço de Fisiologia

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Serviço de Fisiologia Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Serviço de Fisiologia Aula Teórico-Prática ELECTROCARDIOGRAFIA Texto de Apoio Paulo Castro Chaves Prof. Doutor Adelino Leite Moreira Porto, Ano Lectivo 2001

Leia mais

ELETROCARDIOGRAMA AS BASES FISIOLÓGICAS DA ELETROCARDIOGRAFIA. Grupo de Fisiologia Geral da Fundação Universidade de Caxias do Sul

ELETROCARDIOGRAMA AS BASES FISIOLÓGICAS DA ELETROCARDIOGRAFIA. Grupo de Fisiologia Geral da Fundação Universidade de Caxias do Sul ELETROCARDIOGRAMA AS BASES FISIOLÓGICAS DA ELETROCARDIOGRAFIA Grupo de Fisiologia Geral da Fundação Universidade de Caxias do Sul Grupo de Fisiologia Geral da Universidade de Caxias do Sul AS BASES FISIOLÓGICAS

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA da REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM PROFESSORA TÂNIA MARIA ASCARI PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma é o registro

Leia mais

Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA (ECG) Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo

Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA (ECG) Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA () Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo FLUXO DE CORRENTE NO TÓRAX Traçado típico de um normal 1 mv 0,20 s DERIVAÇÕES

Leia mais

ELETROCARDIOGRAMA. Profº Enf Eduwaldo Araújo Ferreira

ELETROCARDIOGRAMA. Profº Enf Eduwaldo Araújo Ferreira ELETROCARDIOGRAMA História do Eletrocardiograma A história do eletrocardiograma (ECG) remonta ao século XIX Acredita-se que o primeiro registro de de ECG tenha sido realizado em 1872, por Alexander Muirhead

Leia mais

EXAMES COMPLEMENTARES: ECG NORMAL. Diego A. H. Ortega dos Santos 07/11/12

EXAMES COMPLEMENTARES: ECG NORMAL. Diego A. H. Ortega dos Santos 07/11/12 EXAMES COMPLEMENTARES: ECG NORMAL Diego A. H. Ortega dos Santos 07/11/12 OBJETIVOS 1) Revisar Eletrofisiologia Cardíaca 2) Compreender o ECG - Quanto aos valores - Quanto à técnica - Quanto às derivações

Leia mais

Posicionamento do (s) eletrodo (s) MSE e MIE

Posicionamento do (s) eletrodo (s) MSE e MIE ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma (ECG) é o registro das forças INTERPRETAÇÃO BÁSICA DO ELETROCARDIOGRAMA elétricas produzidas pelo coração. O corpo age como um condutor gigante de corrente elétricas.

Leia mais

Biofísica Mecânica e Eléctrica

Biofísica Mecânica e Eléctrica Biofísica Mecânica e Eléctrica Aula 9 Licenciatura em Engenharia Biomédica - RAMO II: Electrónica Médica Paulo Mendes http://dei-s1.dei.uminho.pt/pessoas/pmendes 2005/2006 1ºS. Biofísica mecânica e eléctrica

Leia mais

ELETROCARDIOGRAMA 13/06/2015 ANATOMIA E FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR

ELETROCARDIOGRAMA 13/06/2015 ANATOMIA E FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR ELETROCARDIOGRAMA Professor : Elton Chaves Do ponto de vista funcional, o coração pode ser descrito como duas bombas funcionando separadamente cada uma trabalhando de forma particular e gerando pressões

Leia mais

Oficina de Interpretação de ECG. Dr. Leandro Dias de Godoy Maia

Oficina de Interpretação de ECG. Dr. Leandro Dias de Godoy Maia Oficina de Interpretação de ECG Dr. Leandro Dias de Godoy Maia Estratégias educacionais para o desenvolvimento de habilidades APRESENTAÇÃO da habilidade DEMONSTRAÇÃO da habilidade PRÁTICA da habilidade

Leia mais

Dissociação atrioventricular

Dissociação atrioventricular ELETROCARDIOGRAMA Antonio Américo Friedmann I Clínica Geral do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Professor Milton de Arruda Martins) não é um diagnóstico de arritmia

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA da REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM PROFESSORA: TÂNIA MARIA ASCARI PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma é o registro

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPATAMENTO DE ZOOOGIA ACUDADE DE CIÊNCIAS E TECNOOGIA UNIVESIDADE DE COIMBA ISIOOGIA ANIMA AUA 4 EECTOCADIOGAMA AMANDO CISTÓVÃO, PAUO SANTOS e EMÍA DUATE 2005 1 OBJECTIVOS Todos os músculos, incluindo

Leia mais

ASPECTOS MORFOLÓGICOS

ASPECTOS MORFOLÓGICOS INTRODUÇÃO GERAL À FISIOLOGIA CARDÍACA CONCEITO O coração é um órgão único, muscular, localizado na região mediastínica, levemente deslocado à esquerda do plano mediano, que possui como principal função

Leia mais

Anatomia do Coração. Anatomia do Coração

Anatomia do Coração. Anatomia do Coração Objetivos Descrever a estrutura do sistema circulatório. Descrever o ciclo cardíaco e o sistema de condução cardíaca. Citar os mecanismos de controle da atividade cardíaca. A FUNÇÃO DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema Circulatório

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema Circulatório ANATOMIA HUMANA II Sistema Circulatório Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Circulatório Conceito Função Divisão Sistemacardiovascular Sistemalinfático 1 CONCEITO O sistema cardiovascular é responsável

Leia mais

Bulhas e Sopros Cardíacos

Bulhas e Sopros Cardíacos O conceito de pressão máxima e pressão mínima Quando se registra uma pressão de 120 mmhg por 80 mmhg, indica-se que a pressão sistólica é de 120 mmhg e a pressão diastólica é de 80 mmhg, ou seja, que estas

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

4ª Aula de Electrocardiografia BLOQUEIOS CARDÍACOS & EIXO ELÉCTRICO

4ª Aula de Electrocardiografia BLOQUEIOS CARDÍACOS & EIXO ELÉCTRICO BLOQUEIOS CARDÍACOS & EIXO ELÉCTRICO Bloqueio Sino-Auricular (SA) Bloqueio Auriculo-Ventricular (AV) Bloqueio de ramo Pacemaker auricular pára durante um ciclo e depois retoma a sua actividade normal Estímulo

Leia mais

Prof. Me. Leandro Parussolo

Prof. Me. Leandro Parussolo HISTOFISIOLOGIA ANIMAL AULA - SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA CARDIOVASCULAR INTRODUÇÃO A função da circulação é realizada pelo sistema cardiovascular sistema vascular sanguíneo

Leia mais

Boletim Informativo 6-2006

Boletim Informativo 6-2006 PEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS NNOVVI IIDDAADDEESS NNO SS IITTEE I Estamos constantemente disponibilizando em nosso site novidades em serviços, dowloads e notícias, visite-o e

Leia mais

( ) A concentração intracelular de íons cálcio é o grande determinante da força de contração da musculatura cardíaca.

( ) A concentração intracelular de íons cálcio é o grande determinante da força de contração da musculatura cardíaca. Grupo de Fisiologia Geral da Universidade de Caxias do Sul Exercícios: Fisiologia do Sistema Cardiovascular (parte III) 1. Leia as afirmativas abaixo e julgue-as verdadeiras (V) ou falsas (F): ( ) A concentração

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Aula prática - ECG Aula prática Medida de PA Conceitos e funções do

Leia mais

PO TIFÍCIA U IVERSIDADE CATÓLICA DO PARA Á CE TRO DE CIÊ CIAS EXATAS E DE TEC OLOGIA

PO TIFÍCIA U IVERSIDADE CATÓLICA DO PARA Á CE TRO DE CIÊ CIAS EXATAS E DE TEC OLOGIA PO TIFÍCIA U IVERSIDADE CATÓLICA DO PARA Á CE TRO DE CIÊ CIAS EXATAS E DE TEC OLOGIA CURITIBA 2009 GEOVA E VI ICIUS FERREIRA JHO Y KAESEMODEL PO TES ATRIUS ECG Proposta de trabalho apresentado ao curso

Leia mais

[297] 136. MONITORIZAÇÃO CARDÍACA

[297] 136. MONITORIZAÇÃO CARDÍACA Parte VI P R O T O C O L O S D E P R O C E D I M E N T O S [297] Avançar o guia através da agulha. Monitorizar o ECG, devido a risco de produção de arritmias. Remover a agulha deixando o fio guia. Empregar

Leia mais

POTENCIAL ELÉTRICO. alvaro.unespbauru@hotmail.com

POTENCIAL ELÉTRICO. alvaro.unespbauru@hotmail.com POTENCIAL ELÉTRICO alvaro.unespbauru@hotmail.com Potenciais elétricos Potencial de membrana: é a diferença de potencial elétrico, em Volts (V), gerada a partir de um gradiente eletroquímico através de

Leia mais

Sistemas de monitorização em UTI

Sistemas de monitorização em UTI Sistemas de monitorização em UTI # Monitorização cardíaca não invasiva; # Noções básicas de eletrocardiograma; Monitorizar visualização freqüente e repetida das variáveis fisiológicas Logo: Prevenir, Avisar,

Leia mais

Semiologia Cardiovascular. B3, B4, Cliques, Estalidos e Atrito Pericárdico. Por Gustavo Amarante

Semiologia Cardiovascular. B3, B4, Cliques, Estalidos e Atrito Pericárdico. Por Gustavo Amarante Semiologia Cardiovascular B3, B4, Cliques, Estalidos e Atrito Pericárdico Por Gustavo Amarante 1 Bulhas Acessórias (B3 e B4) A) Revisão do Ciclo Cardíaco e Posição das Bulhas Para entender as bulhas acessórias,

Leia mais

Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária

Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária Sistema Circulatório I Coração e Circulação Prof. Adj. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Anatomia Descritiva Animal I Objetivos da Aula Definição

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE INTERPRETAÇÃO DE ALGUMAS ALTERAÇÕES ELECTROCARDIOGRÁFICAS POR CLÍNICOS DE PEQUENOS ANIMAIS EM MEDICINA VETERINÁRIA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE INTERPRETAÇÃO DE ALGUMAS ALTERAÇÕES ELECTROCARDIOGRÁFICAS POR CLÍNICOS DE PEQUENOS ANIMAIS EM MEDICINA VETERINÁRIA TIAGO JOSÉ NUNES MARQUES AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE INTERPRETAÇÃO DE ALGUMAS ALTERAÇÕES ELECTROCARDIOGRÁFICAS POR CLÍNICOS DE PEQUENOS ANIMAIS EM MEDICINA VETERINÁRIA Universidade Lusófona de Humanidades

Leia mais

Eletrocardiograma: princípios, conceitos e aplicações

Eletrocardiograma: princípios, conceitos e aplicações Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício Eletrocardiograma: princípios, conceitos e aplicações Ângela Patrícia Ramos Bolivar Saldanha Sousa I. INTRODUÇÃO O eletrocardiograma (ECG) é o registro dos

Leia mais

Roteiro. Contracao muscular e potencial de acao. Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco

Roteiro. Contracao muscular e potencial de acao. Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco Roteiro Contracao muscular e potencial de acao Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco Impulsos eletricos no coracao Sistema nervoso simpatico e parassimpatico e a atividade cardiaca

Leia mais

Estimulação Cardíaca Artificial Marcapasso. Sammylle Gomes de Castro

Estimulação Cardíaca Artificial Marcapasso. Sammylle Gomes de Castro Estimulação Cardíaca Artificial Marcapasso Sammylle Gomes de Castro Catharina Serafin e Hugo von Ziemssen 1950 primeiros marcapassos móveis com fonte de energia elétrica Auxilio dos experimentos com hipotermia

Leia mais

Sistema cardiovascular

Sistema cardiovascular Roteiro: Sistema cardiovascular Organizacao do sistema circulatorio coracao, arterias, veias fluxo sanguineo: coracao, tecidos, pulmao, coracao Bomba cardiaca musculo cardiaco e contracao funcionamento

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira. Arritmias cardíacas. Manual Merck Capítulo 16

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira. Arritmias cardíacas. Manual Merck Capítulo 16 Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Arritmias cardíacas Manual Merck Capítulo 16 O coração é um órgão muscular com quatro cavidades desenhadas

Leia mais

Principais Arritmias Cardíacas

Principais Arritmias Cardíacas Principais Arritmias Cardíacas Arritmia É qualquer mudança na freqüência ou configuração das ondas individuais do eletrocardiograma. Chamamos de arritmias cardíacas toda alteração na condução elétrica

Leia mais

Regulação do Débito Cardíaco, Fisiopatologia da Insuficiência Cardíaca e Eletrocardiograma

Regulação do Débito Cardíaco, Fisiopatologia da Insuficiência Cardíaca e Eletrocardiograma Regulação do Débito Cardíaco, Fisiopatologia da Insuficiência Cardíaca e Eletrocardiograma O débito cardíaco Introdução A influência do retorno venoso no débito cardíaco O papel dos barorreceptores Introdução

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

Arritmias Cardíacas para Enfermagem. Elaine Morais

Arritmias Cardíacas para Enfermagem. Elaine Morais Arritmias Cardíacas para Enfermagem Elaine Morais Elementos do ECG normal Onda P Onda T Espaço PR Complexo QRS Ponto J Segmento ST Intervalo QT Onda U Percurso Elétrico Plano Frontal Plano Horizontal ECG

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 8

7.012 Conjunto de Problemas 8 7.012 Conjunto de Problemas 8 Questão 1 a) A figura abaixo é um esquema generalizado de um neurônio. Identifique suas partes. 1 Dendritos, 2 corpo da célula e 3 axônio. b) Qual é a função de um axônio?

Leia mais

Batendo Papo sobre Holter. Bradiarritmias. Editor. Dr. José Luiz B. Cassiolato. Colaboradores

Batendo Papo sobre Holter. Bradiarritmias. Editor. Dr. José Luiz B. Cassiolato. Colaboradores Bradiarritmias Editor Dr. José Luiz B. Cassiolato Colaboradores Dr. Ivan G. Maia Dra. Fátima Dumas Cintra Dr. João Pimenta Norman Holter, pai da eletrocardiografia dinâmica, não poderia imaginar a fantástica

Leia mais

Serviço de Fisiologia

Serviço de Fisiologia Serviço de Fisiologia Aula Teórica-Prática: Electrocardiograma Características do ECG exame não invasivo, barato e versátil útil para avaliar orientação anatómica do coração dimensões relativas das diversas

Leia mais

Eletrocardiograma. Como interpretar o ECG e fornecer um laudo?

Eletrocardiograma. Como interpretar o ECG e fornecer um laudo? Eletrocardiograma Como interpretar o ECG e fornecer um laudo? (Monitoria 20/05) O laudo é dividido em três partes principais: - medidas eletrocardiográficas (ou seja, analisar a duração e amplitude de

Leia mais

Tecidos Nervoso e Muscular

Tecidos Nervoso e Muscular Material de apoio para Monitoria Questão 1 (Feio-Lemos, 2014) No esquema abaixo está representada a anatomia geral de um neurônio. Acerca da mesma, responda o que se pede. a b c d e f Meio intracelular

Leia mais

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS Prof. Humberto Villacorta Arritmias Cardíacas Ritmo Sinusal, taquicardia e bradicardia sinusais Bradiarritmias Extra-sístoles

Leia mais

ELETROCARDIOGRAFIA EM EQUINOS DO REGIMENTO DE POLÍCIA MONTADA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, BRASIL

ELETROCARDIOGRAFIA EM EQUINOS DO REGIMENTO DE POLÍCIA MONTADA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇAO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS MARCELO BORJAILLE LIMA ELETROCARDIOGRAFIA EM EQUINOS DO REGIMENTO DE POLÍCIA MONTADA

Leia mais

CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA

CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA A CIA consiste num tipo de cardiopatia congénita do tipo não cianótica, em que há um defeito do septo inter-auricular originando uma comunicação anómala que proporciona a passagem

Leia mais

Sistema Circulatório

Sistema Circulatório Sistema Circulatório O coração Localização: O coração está situado na cavidade torácica, entre a 2ª e 5ª costelas, entre os pulmões, com 2/3 para a esquerda, ápice para baixo e para esquerda e base para

Leia mais

Turmas 1 e 2 2T Aula introdutória. 13:30 às 15:10 29/02/2012 Prático: Turmas 1 e 2 2P Organização de grupos para seminários

Turmas 1 e 2 2T Aula introdutória. 13:30 às 15:10 29/02/2012 Prático: Turmas 1 e 2 2P Organização de grupos para seminários Estrutura e Função de Tecidos e Órgãos II (CBI 706) Cronograma do módulo Fisiologia do Sistema Cardiovascular Medicina 2012 Prof. Dr. Mauro César Isoldi Primeira semana 2T Aula introdutória 29/02/2012

Leia mais

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação C - CIRCULAÇÃO BÁSICA B E AVANÇADA ADA Monitoração, desfibrilação ão, acesso venoso, e drogas Hospital Municipal Miguel Couto Centro de Terapia Intensiva Dr David Szpilman CONCEITO DE PCR: Cessação súbita

Leia mais

Artigo. Diagnóstico diferencial de taquicardia de QRS estreito

Artigo. Diagnóstico diferencial de taquicardia de QRS estreito rtigo Revista da SOCIEDDE DE CRDIOLOGI DO ESTDO DO RIO GRNDE DO SUL Diagnóstico diferencial de taquicardia de QRS estreito *Eduardo Bartholomay **Rafael Moraes ***Guilherme Gazzoni ****Renata Etchepare

Leia mais

Tamponamento Cardíacodefinição. Pericárdio. Pericárdio. Pericárdio. Pericárdio 6/1/2014 TAMPONAMENTO CARDÍACO- COMO DIAGNOSTICAR E TRATAR

Tamponamento Cardíacodefinição. Pericárdio. Pericárdio. Pericárdio. Pericárdio 6/1/2014 TAMPONAMENTO CARDÍACO- COMO DIAGNOSTICAR E TRATAR TAMPONAMENTO CARDÍACO- COMO DIAGNOSTICAR E TRATAR Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Tamponamento

Leia mais

Nº.11. Dr. Carlos Morais [CARDIOLOGISTA] REVISÃO CIENTÍFICA: fundação portuguesa de cardiologia COLABORAÇÃO E APOIO: AMIGOS do Coração

Nº.11. Dr. Carlos Morais [CARDIOLOGISTA] REVISÃO CIENTÍFICA: fundação portuguesa de cardiologia COLABORAÇÃO E APOIO: AMIGOS do Coração TUDO O QUE DEVE SABER SOBRE MAIO 2009 fundação portuguesa de cardiologia ARRITMIAS Uma arritmia é um problema relacionado com o ritmo dos batimentos cardíacos. Se o ritmo cardíaco for demasiado lento (inferior

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular Helena Santa-Clara Conteúdos Adaptações agudas e crónicas ao exercício Frequência cardíaca Volume sistólico e fracção de ejecção Débito cardíaco Pressão

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

SISTEMA NERVOSO PARTE 1

SISTEMA NERVOSO PARTE 1 SISTEMA NERVOSO PARTE 1 1 TECIDO NERVOSO 1. O sistema nervoso é dividido em: SISTEMA NERVOSO CENTRAL e SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO 2. A unidade básica = célula nervosa NEURÔNIO 3. Operam pela geração de

Leia mais

Segurança no Mar! PARA MAIS INFORMAÇÕES CONTACTE A SEDE DA ANC EM LISBOA.

Segurança no Mar! PARA MAIS INFORMAÇÕES CONTACTE A SEDE DA ANC EM LISBOA. Segurança no Mar! O Decreto-Lei nº 188/2009 de 12 de Agosto, que estabelece a utilização do Desfibrilhador Automático Externo (D.A.E.) por pessoal não-médico, entrou em vigor a 01 de Setembro pp. Atendendo

Leia mais

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta.

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta. Escola Secundária Vitorino Nemésio Terceiro teste de avaliação de conhecimentos de Física e Química A Componente de Física 11º Ano de Escolaridade Turma C 13 de Fevereiro de 2008 Nome: Nº Classificação:

Leia mais

Transporte nos animais

Transporte nos animais Transporte nos animais Tal como nas plantas, nem todos os animais possuem sistema de transporte, apesar de todos necessitarem de estabelecer trocas com o meio externo. As hidras têm somente duas camadas

Leia mais

III. Princípios de Farmacologia Cardiovascular

III. Princípios de Farmacologia Cardiovascular III Princípios de Farmacologia Cardiovascular 18 Farmacologia do Ritmo Cardíaco April W. Armstrong e David E. Clapham Introdução Caso Fisiologia Elétrica do Coração Células Marcapasso e Não-Marcapasso

Leia mais

CURSO BÁSICO DE ELETROCARDIOGRAFIA EM 10 LIÇÕES 1 ª LIÇÃO

CURSO BÁSICO DE ELETROCARDIOGRAFIA EM 10 LIÇÕES 1 ª LIÇÃO CURSO BÁSICO DE ELETROCARDIOGRAFIA EM 10 LIÇÕES Dr. J. B. Legatti 1 ª LIÇÃO I - MECANISMO DA CONTRAÇÃO CARDÍACA Para se interpretar um eletrocardiograma, cumpre saber que um eletrocardiógrafo é um galvanômetro

Leia mais

Isquemia Lesão e Necrose Miocárdica

Isquemia Lesão e Necrose Miocárdica Isquemia Lesão e Necrose Miocárdica Curso de Eletrocardiografia Rogério Braga Andalaft Seção Médica de Eletrofisiologia Clínica e Arritmias Cardíacas Isquemia Lesão e Necrose Miocárdica Aula disponível

Leia mais

REVISÃO SIMPLIFICADA DA FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR.

REVISÃO SIMPLIFICADA DA FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR. REVISÃO SIMPLIFICADA DA FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR. INTRODUÇÃO Como somos complexos seres multicelulares e como todas as nossas células, enquanto vivas, desempenhando suas funções, necessitam constantemente

Leia mais

ANÁLISE DO ELETROCARDIOGRAMA (ECG) NORMAL ASPECTOS ELÉTRICOS E FISIOLÓGICOS EM UMA ABORDAGEM INTERDISCIPLINAR

ANÁLISE DO ELETROCARDIOGRAMA (ECG) NORMAL ASPECTOS ELÉTRICOS E FISIOLÓGICOS EM UMA ABORDAGEM INTERDISCIPLINAR ANÁLISE DO ELETROCARDIOGRAMA (ECG) NORMAL ASPECTOS ELÉTRICOS E FISIOLÓGICOS EM UMA ABORDAGEM INTERDISCIPLINAR Laíse Oliveira Resende¹, Márcia Artiaga Colantoni², Rodrigo Penha Almeida³, João Batista Destro

Leia mais

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral Funções: Transportar Nutrientes e oxigênio as células; Retirar resíduos do metabolismo; Defender o organismo contra substâncias estranhas e microorganismos. Características Sistema fechado; Constituído

Leia mais

Arritmias cardíacas: o que o anestesista precisa saber...

Arritmias cardíacas: o que o anestesista precisa saber... Arritmias cardíacas: o que o anestesista precisa saber... rof. Moacir Leomil Neto M.V. Msc. hd. UC Minas VES - Especialidades Veterinárias Campinas NOME DAS ARRITMIAS: Da maneira geral... Ritmo (ritmo

Leia mais

Sistema Muscular. Elementos de Anatomia e Fisiologia Humana

Sistema Muscular. Elementos de Anatomia e Fisiologia Humana Os ossos e as articulações fornecem a estrutura e o suporte do corpo humano mas, por si só, não conseguem mover o corpo. O movimento depende do sistema muscular e, é conseguido pela contracção e relaxamento

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

O processo contrátil do músculo liso: A base química da contrcao do músculo liso:

O processo contrátil do músculo liso: A base química da contrcao do músculo liso: O musculo liso e sua contracao: O músculo liso e composto por fibras muito menores, contrastando com as fibras musculares esqueléticas. Muitos dos princípios da contração se aplicam, da mesma forma que

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

Como funciona o coração?

Como funciona o coração? Como funciona o coração? O coração é constituído por: um músculo: miocárdio um septo duas aurículas dois ventrículos duas artérias: aorta pulmonar veias cavas: inferior superior veias pulmonares válvulas

Leia mais

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro.

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro. Microfone e altifalante Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. Conversão de um sinal elétrico num sinal sonoro. O funcionamento dos microfones e dos altifalantes baseia-se na: - acústica; - no

Leia mais

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL SISTEMA NERVOSO O Sistema Nervoso se divide em a) Sistema Nervoso Central e b) Sistema Nervoso Periférico. No sistema nervoso central existem dois tipos de células: a) os neurônios e b) as células da glia

Leia mais

Características eletrocardiográficas em eqüinos clinicamente normais da raça Puro Sangue Inglês

Características eletrocardiográficas em eqüinos clinicamente normais da raça Puro Sangue Inglês Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.56, n.2, p.143-149, 24 Características eletrocardiográficas em eqüinos clinicamente normais da raça Puro Sangue Inglês [Electrocardiographic parameters in clinically healthy

Leia mais

Coração. O Exame Físico do Coração. Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes CONSIDERAÇÕES GERAIS

Coração. O Exame Físico do Coração. Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes CONSIDERAÇÕES GERAIS CARDIOVASCULAR Coração Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes O Exame Físico do Coração Neste módulo estudaremos o exame físico do sistema cardiovascular, estabelecendo relações com a fisiologia, anatomia

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

Dissecação de um coração de mamífero

Dissecação de um coração de mamífero Índice Introdução... 3 / 4 Material... 5 Material Biológico... 5 Procedimento... 5 Desenho... 6 Discussão... 7 Conclusão... 7 Bibliografia... 8 Anexos... Ilustrações... 9 / 10 Doenças Cardiovasculares...

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

APLICADO AO EXERCÍCIO

APLICADO AO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA LABORATÓRIO DE METABOLISMO DE LIPÍDEOS SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO APLICADO AO EXERCÍCIO Prof. Dr: Luiz

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

ALARME DE ACIDENTE CARDIOVASCULAR

ALARME DE ACIDENTE CARDIOVASCULAR UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO ALARME DE ACIDENTE CARDIOVASCULAR Mariana Avelar, nº 50778, AE de SDC Sérgio Silva, nº 50861, AE de SDC LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA

Leia mais