A ERA PRÉ-MODERNA. UNESC Faculdades - Empreendedorismo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ERA PRÉ-MODERNA. UNESC Faculdades - Empreendedorismo"

Transcrição

1 1 A ERA PRÉ-MODERNA Administração e atividades organizadas existem há milhares de anos. As pirâmides egípcias e a Grande Muralha da China são provas concretas de que projetos de enorme magnitude, empregando dezenas de milhares de pessoas, eram empreendidos bem antes dos tempos modernos. As pirâmides são um exemplo particularmente interessante. A construção de uma única pirâmide ocupava mais de 100 mil pessoas durante 20 anos. Quem dizia para cada trabalhador o que ele devia fazer? Quem garantia que haveria pedras suficientes no local para manter os trabalhadores ocupados? A resposta para perguntas como essas é a administração. Qualquer que fosse o nome dado aos gerentes na ocasião, alguém tinha de planejar o que seria feito, organizar as pessoas e os materiais, fornecendo direção aos trabalhadores. Quando você ouve o nome Michelangelo, o que lhe vem à mente? Artista do Renascimento? Gênio? E que tal gerente? Dados recentes indicam que a imagem tradicional de Michelangelo o gênio solitário aprisionado entre a agonia e o êxtase, isolado e deitado de costas em um andaime, pintando sozinho o teto da Capela Sistina não condiz com a realidade. Quase cinco séculos atrás, Michelangelo estava, na verdade, administrando uma empresa de porte médio. Treze pessoas o ajudaram a pintar o teto da capela; cerca de outras 20 o ajudaram a esculpir as tumbas de mármore em estilo florentino na Capela da família Médici, e ele supervisionou uma equipe de pelo menos 200 pessoas na construção da Biblioteca Laurenciana em Florença. Michelangelo selecionava pessoalmente seus trabalhadores, treinava-os e designava-os para uma ou mais equipes. E mantinha registros detalhados, atualizados semanalmente com, por exemplo, os nomes, dias trabalhados e salários de cada funcionário. Ao mesmo tempo, Michelangelo desempenhava o papel de gerente solucionador de problemas. Diariamente, percorria as diversas áreas de trabalhos sob a supervisão, inspecionava o andamento dos trabalhos e controlava qualquer problema que surgisse. As atividades organizadas e os gerentes têm estado conosco desde a antigüidade Esses exemplos do passado demonstram que as atividades organizadas e os gerentes têm estado conosco desde a antiguidade. Entretanto, foi apenas nos últimos cem anos que a administração passou a ser objeto de investigação sistemática, adquirindo um corpo comum de conhecimento que a tornou uma disciplina de estudo formal. O nome de Adam Smith é normalmente citado em cursos de economia por suas contribuições para a doutrina econômica clássica, mas sua discussão em A Riqueza das Nações, publicada em 1776, continha um argumento brilhante sobre as vantagens econômicas que as organizações e a sociedade colheriam da divisão do trabalho. Como exemplo, ele citava a fabricação de alfinetes. Smith observou que 10 indivíduos, cada um executando uma tarefa especializada, poderiam produzir em conjunto aproximadamente 48 mil alfinetes por dia. Porém, se cada um estivesse trabalhando separada e independentemente, esses 10 trabalhadores teriam sorte se conseguissem fabricar 200 ou mesmo 10 alfinetes em um dia. Se cada trabalhador tivesse de puxar o arame, alinhá-lo, cortá-lo, martelar cabeças para cada um deles, afiar a ponta e soldar a cabeça na haste do alfinete, seria uma verdadeira façanha produzir 10 alfinetes em um dia! Smith concluiu que a divisão do trabalho elevava a produtividade por aumentar a habilidade e a destreza de cada trabalhador, por economizar tempo comumente perdido na troca de tarefas e pela criação de invenções e equipamentos poupadores de mão-de-obra. A ampla aplicação atual da especialização dos trabalhos em cargos de serviços como ensino e medicina, bem como em linhas de montagem em unidades de fabricação certamente se deve às vantagens econômicas citadas por Adam Smith há 200 anos. Revolução Industrial A substituição da energia Humana pela energia da máquina Talvez a influência mais importante na administração anterior ao século XX tenha sido a Revolução Industrial. Começando no século XVIII na Grã- Bretanha, a Revolução fez com que a força da máquina substituísse a força humana. Essa mudança, por sua vez, tornava mais econômico fabricar bens na fábrica do que em casa. Antes da Revolução Industrial, um artigo como uma manta, por exemplo, era produzido por uma pessoa que tosquiava a lã de sua ovelha, torcia-na em fio, tingia o fio, tecia a manta manualmente em um tear doméstico e depois vendia o produto acabado a comerciantes que passavam pelas fazendas comprando mercadorias que depois seriam vendidas em feiras ou mercados regionais. A introdução da força da máquina, combinada com a divisão do trabalho, possibilitava que fábricas enormes e eficientes utilizassem equipamento movido a energia elétrica. Uma fábrica de mantas, com cem pessoas executando tarefas especializadas algumas transformando lã em fio, algumas

2 2 tingindo, outras trabalhando nos teares, poderia produzir grande número de mantas a uma fração de seu custo anterior. Mas essas fábricas exigiam habilidades gerenciais. Precisavam de gerentes para prever a demanda, garantir estoques de lã suficientes para fazer o fio, distribuir tarefa para as pessoas, dirigir as atividades diárias, coordenar as várias tarefas, assegurar que as máquinas fossem mantidas em boas condições de funcionamento e que os padrões de produção fossem obedecidos, encontrar mercados para as mantas prontas, e assim sucessivamente. Quando as mantas eram feitas individualmente em casa, havia pouca preocupação com a eficiência. Subitamente, porém, quando o dono da fábrica passou a ter cem pessoas trabalhando para ele, precisando saldar regularmente uma folha de pagamento, tornou-se importante manter os trabalhadores ocupados, ou seja, tornou-se necessário o desempenho de habilidades gerenciais. O advento da força da máquina, a produção em massa, os custos reduzidos dos transportes que acompanharam a rápida expansão das ferrovias e a quase ausência da regulamentação governamental também alimentaram o desenvolvimento de grandes empresas. Empreendedores como John D. Rockefeller e Andrew Carnegie criavam grandes negócios que iriam exigir práticas de administração formalizadas. Tornava-se necessária uma teoria formal para orientar os gerentes a administrar suas organizações. Entretanto, não foi senão nos primeiros anos do século XX que foi dado o primeiro grande passo para desenvolver uma teoria dessa ordem. (ROBBINS, Stephen P. Administração: mudanças e perspectives. São Paulo: Saraiva, p ). TÓPICOS DAS PRINCIPAIS TEORIAS ADMINISTRATIVAS ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA 1911 (Frederick W. Taylor) ênfase nas tarefas: racionalização do trabalho do operário; estudo dos tempos e movimentos; fragmentação das tarefas; superespecialização do trabalhador. Busca da eliminação do desperdício e redução dos custos da produção. Visão microscópica do homem tomado isoladamente como apêndice da máquina o homem econômico. A organização vista como um sistema fechado, levando-se em consideração apenas a organização formal. Abordagem eminentemente prescritiva e normativa. TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO 1916 (Henri Fayol) ênfase na estrutura organizacional. Preocupou-se em definir as funções básicas da empresa (prever, organizar, comandar, coordenar, e controlar), bem como os princípios gerais da Administração aplicáveis universalmente. Restringiu-se exclusivamente à organização formal. Aumentar a eficiência da empresa através da forma e disposição dos órgãos componentes da organização e das suas inter-relações estruturais. Abordagem mecanicista ( Teoria da Máquina ), prescritiva e normativa. TEORIA DAS RELAÇÕES HUMANAS Anos 30 (Elton Mayo) ênfase nas pessoas e no clima psicológico do trabalho. A Experiência de Hawthorne. Nova concepção da natureza humana: o homem social. A integração social e o comportamento social dos empregados: as necessidades psicológicas e sociais: o estudo dos grupos informais e da organização informal. As relações humanas dentro das organizações. A liderança. Principais críticas: o enfoque manipulativo e demagógico. Abordagem prescritiva. TEORIA DA BUROCRACIA Anos 40 (Max Weber) ênfase na estrutura organizacional. Estudo da organização sob o ponto de vista estruturalista, preocupando-se fundamentalmente com sua racionalidade: a relação entre meios e recursos utilizados e os objetivos a serem alcançados pelas organizações burocráticas. O comportamento humano é previsível e controlável. As disfunções da burocracia (ineficiência). Modelo de organização racional aplicável não somente à fábrica, mas a todas as formas de organização humana. Máxima eficiência da organização. Abordagem de sistema fechado, prescritivo e normativo. TEORIA ESTRUTURALISTA (Final dos anos 50) ênfase na estrutura organizacional, nas pessoas e no ambiente. Enfatiza a totalidade, a interdependência das partes, o todo é maior do que a simples soma das partes. Organização formal e informal. A organização é vista como um sistema social deliberadamente construído para atingir objetivos. Conflitos inevitáveis e até desejáveis, conduzem à mudança e à inovação. O homem organizacional : participa simultaneamente de vários sistemas sociais. Transição para a Teoria de Sistemas. Enfoques explicativos.

3 3 TEORIA COMPORTAMENTAL (A partir da década de 50) ênfase nas pessoas e no ambiente. Motivação humana. Teoria X e Teoria Y (McGregor). Hierarquia das necessidades segundo Maslow. A organização é vista como um sistema de decisões. A racionalidade limitada conduz ao conceito do homem administrativo, que se comporta buscando soluções satisfatórias, e não soluções ótimas. Conflitos entre os objetivos individuais e os objetivos organizacionais. Análise organizacional sob o ponto de vista dinâmico do seu comportamento. Abordagem mais descritiva e menos prescritiva. Profunda reformulação na sua filosofia administrativa. Crítica: relatividade das Teorias da Motivação. TEORIA DO DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL (D.O.) (nasceu na década de 60). Processo planejado de modificações culturais e estruturais. Considera basicamente quatro variáveis: o meio ambiente, a organização, o grupo social e o indivíduo. Interdependência entre mudanças estruturais e comportamentais dentro de uma visão sistêmica. Conceito de Desenvolvimento Organizacional intimamente ligado aos conceitos de mudanças e de capacidade adaptativa da organização à mudança, levando em consideração os conceitos dinâmicos de Cultura Organizacional enfatizando também o Clima Organizacional. Uma resposta da organização às mudanças. Origem na Teoria Comportamental. Crítica: as aplicações distorcidas do D.O. TEORIA DE SISTEMAS ênfase no ambiente. É uma decorrência da Teoria Geral dos Sistemas desenvolvida pelo biológo alemão Ludwig von Bertalanffy. A organização vista como um sistema aberto, com as seguintes características: importação de sinergia; processamento; exportação de energia; ciclo de eventos; entropia negativa; informação como insumo, controle por retroalimentação e processo de codificação; estado estável e homeostase dinâmica. Efeito sinérgico das organizações como sistemas abertos. O homem funcional enfatiza mais os papéis que as pessoas desempenham do que as próprias pessoas. Entendimento da organização em termos de três subsistemas: técnico social e cultural. Principais críticas: ilusão científica e exagerada importância ao ambiente externo. TEORIA DA CONTINGÊNCIA (Origem: pesquisas de Chandler, Burns e Stalker, Woodward e Laurence e Lorsch) ênfase no ambiente e na tecnologia. Enfatiza que não há nada de absoluto nas organizações ou na Teoria Administrativa. Tudo é relativo. São as características ambientais que condicionam as características organizacionais. Não existe uma única melhor maneira (the best way) de organizar as empresas. Tudo depende das características ambientais relevantes para a organização. Diferentes ambientes levam as empresas a adotar novas estratégias que exigem diferentes estruturas organizacionais. É o ambiente que determina a estrutura e o funcionamento das organizações. Organizações mecanísticas e orgânicas. O desenho organizacional é profundamente afetado pela tecnologia que ela utiliza. O homem complexo : concebido como um sistema de necessidades biológicas, de motivos psicológicos, de valores e de percepções: um sistema individual, com características únicas e complexas. TEORIAS MODERNAS DE GESTÃO ADMINISTRAÇÃO POR OBJETIVOS Surgiu em 1954, Peter F. Druker lançou o livro Prática de Administração de Empresas. Característica: mudanças ambientais, definição dos objetivos, criação de oportunidades, desenvolvimento pessoal, descentralização administrativa, multiplicidade de objetivos, auto-controle, autoridade e liderança. Enfatiza que a empresa deve se preocupar menos com os fins e mais com as atividades que são desenvolvidas para atingi-los. Os conflitos são inevitáveis. Caiu no descrédito devido a três exageros: excesso de burocracia (papéis e regulamentos); chefes autocratas que impõe objetivos exagerados; e os objetivos exagerados geravam motivação negativa. Críticas: encarada como um sistema parcial, insuficiente para explicar o quadro global das relações entre empresas e ambiente. A maior razão disso seria e não consideração de que a própria organização passa por transformações e não apenas o ambiente. ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA - Década de 60 (a estratégia passou a ocupar espaço no mundo empresarial), em 70 (surge o planejamento estratégico como um método estruturado para determinar o futuro), em 80 (administração estratégica tem como objetivo máximo o desenvolvimento dos valores da corporação, sua capacidade gerencial, suas responsabilidades como organização inserida na sociedade e seus sistemas administrativos que interligam o processo de tomada de decisão estratégica, tática e

4 4 empresarial, em todos os níveis hierárquicos. O PE é o processo de planejamento formalizado e de longo alcance, empregado para se definir os objetivos organizacionais. Etapas do PE: 1) Definição dos objetivos, 2) Identificação dos objetivos e das estratégias atuais, 3) Análise ambiental, 4) Análise de recursos humanos, 5) Identificação de oportunidades e ameaças, 6) Determinação do grau de mudança necessário, 9) Mensuração e controle. ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA a idéia de participação foi inventada pelos gregos, com o nome de democracia. Formas de participação indireta: comitês de empresa (função consultiva ou cooperativa); negociações coletivas (dirigentes e sindicatos); co-gestão (representação dos funcionários na direção efetiva da empresa); autogestão (exercício coletivo do poder, através da autonomia dos grupos de membros da empresa para decidir acerca dos destinos, processos e resultados do trabalho). Estratégias para implementação: informação, treinamento e comunicação. Para Ricardo Semler dez mandamentos para atrair e manter pessoas: 1) Salário e benefícios adequados; 2) Respeito pelos indivíduos; 3) Produto que seja capaz de gerar orgulho; 4) Sensação para opinar; 5) Espaço para opinar; 6) Redução da distância entre a cúpula e a base; 7) Preocupação com treinamento e aperfeiçoamento; 8) Seriedade incontestável da empresa; 9) Relativa segurança no emprego; 10) Profissionalismo, com ausência de favorecidos e protegidos. No Brasil Medida Provisória nº de 11/05/96 participação dos trabalhadores nos lucros da empresa. ADMINISTRAÇÃO JAPONESA Características: APO; Adm. Estratégica; Adm. Participativa; visão sistêmica; Supremacia do coletivo; Busca da Qualidade Total; Produtividade; Flexibilidade; Recursos Humanos; Tecnologia e Padronização; Manutenção; Limpeza e Arrumação; relação com os Fornecedores e Distribuidores; Cultura Organizacional. Housekeeping (arrumar a casa) Programa dos 5S: Seiri, Seiton, Seiso, Seiketsu e Shitsuke. A Adm. Japonesa se transformou já há algum tempo em um modelo para organizações de todo o mundo e causou significativas mudanças na forma de abordar tanto o processo administrativo quanto o processo produtivo do setor industrial, sendo absorvido rapidamente por todos os outros setores empresariais. Toyota Motor Company: Just-in-time (sincronização do fluxo de produção, dos fornecedores aos clientes); Kanban (sistema de informação visual, que aciona e controla a produção; Muda (busca da eliminação total de qualquer desperdício) Kaisen (melhoramento contínuo da produção da qualidade). Pontos fortes: cooperativismo; produção elevada; Qualidade nos produtos; Qualificação e treinamento constantes. Principal crítica: se dirige não ao modelo em si mas à sua adoção por empresas que se encontram em um outro contexto cultural. ESTRATÉGIAS EMERGENTES ESTRATÉGIAS EMERGENTES DE GESTÃO São novas propostas, modelos e técnicas mais ou menos fundamentados e com graus diversos de concisão e originalidade, que vêm provocando reações no mundo empresarial. A administração holística, a administração empreendedora, a organização virtual e a reengenharia, mais do que uma prescrição moderna para a gestão empresarial, representam uma inovação significativa na forma de enfrentar a integração dos objetivos organizacionais com o ambiente de negócios. Outras técnicas como downsizing e a learning organization que representam aspectos de mudança estrutural e no comportamento organizacional frente às necessidades de maior competitividade impostas pelo ambiente. ADMINISTRAÇÃO HOLÍSTICA A empresa não é mais vista como um conjunto de departamentos, que executam atividades isoladas mas como um corpo uno, um sistema aberto em contínua interação com o ambiente. Para implantar: 1. Diagnóstico da empresa; 2. Análise do meio ambiente; 3. Identificação do núcleo da empresa; 4. Estabelecimento da missão; 5. Reconhecimento dos valores da empresa; 6. Definição das políticas da empresa. Administração Empreendedora Empresas empreendedoras, com alta capacidade competitiva,centram suas atenções no cliente, nas percepções de valor e utilidade, bem como nas formas sistêmicas adequadas a cumprir bem o papel empresarial no sistema. É preciso perceber com clareza o sistema global e suas interações apontam para os seguintes rumos: - necessidade de mudar e flexibilizar-se é vital não há espaço para desperdícios e supérfluos; resultados estão relacionados ao contexto global; - a relação e interação de condições e fatores externos são muito diferentes; - concorrência mundial e regional

5 5 acirradas; preços competitivos são vitais; - valor e utilidade para o cliente são o ponto central; - excelência no mercado é um conceito muito mais amplo. Administração Virtual O virtual pode ser entendido com o que se pode ver ou perceber mas não é palpável, ou seja, o que quer que seja virtual não é constituído por matéria. A Adm. Virtual constitui um modelo de reengenharia, por se tratar de um processo revolucionário de gestão. Essencialmente, corporação virtual é um negócio baseado nas informações em tempo real, apesar de envolver vários aspectos intrinsecamente relacionados, principalmente a globalização, alianças estratégicas, terceirização, redes de informações e relações de cooperação. Assim, qualquer empresa, de qualquer setor, de qualquer suporte, potencialmente poderá transformar-se numa corporação virtual, entendida como um negócio baseado em informações confiáveis on line. Reengenharia É o repensar fundamental e a reestruturação radical dos processos empresariais, que visam alcançar drásticas melhorias em indicadores críticos e contemporâneos de desempenho, tais como custos, qualidade, atendimento e velocidade. Em suma, tem como objetivo último a transformação total da empresa. A Reengenharia operacionalizada a meta de transformar o negócio em uma empreendedora.

6 6 O QUE SIGNIFICA EMPREENDEDORISMO? É uma livre tradução que se faz da palavra entrepreneurship. Designa uma área de grande abrangência e trata de outros temas além da criação de empresas: geração do auto-emprego (trabalhador autônomo); empreendedorismo comunitário (como as comunidades empreendem); intra-empreendedorismo (o empregado empreendedor); políticas públicas (políticas governamentais para o setor). (DOLABELA, 1999) EMPREENDEDORISMO QUER DIZER PELO MENOS TRÊS COISAS: A capacidade individual de empreender - Isto é, a capacidade de tomar a iniciativa, buscar soluções inovadoras e agir no sentido de encontrar a solução para problemas econômicos ou sociais, pessoais ou de outros, por meio de empreendimentos. É nesse sentido que estaremos falando aqui com maior ênfase. O processo de iniciar e gerir empreendimentos - Isto é, o conjunto de conceitos, métodos, instrumentos e práticas relacionadas com a criação, implantação e gestão de novas empresas ou organizações. Nesse sentido também estaremos falando aqui, com menor ênfase. Nesse sentido é que o empreendedorismo é uma disciplina a ser ensinada. O movimento social de desenvolvimento do espírito empreendedor - Isto é, um movimento social para a criação de emprego e renda, que recebe o incentivo dos governos e instituições de diferentes tipos. (www.geranegocio.com.br) A IDEIA DE EMPREENDER É CONCRETIZADA DE CINCO FORMAS: 1. Montagem de um empreendimento; 2. Compra de uma empresa em funcionamento; 3. Sociedade num novo empreendimento; 4. Sociedade num empreendimento em funcionamento; 5. Franquia, muito utilizada quando não se conhece o ramo, o que economiza muitas etapas e estudos, além de diluição de riscos. (BERNARDI, 2003, p. 63-4) Para Bom Angelo (2003, p. 89) Emprendedorismo é a criação de valor por pessoas e organizações trabalhando juntas para implementar uma idéia por meio da aplicação de criatividade, capacidade de transformação e o desejo de tomar aquilo que comumente se chamaria de risco. Para que servem tais conceitos, definições? São eles o ponto de partida dos pesquisadores para o estudo das condições que levam o empreendedor ao sucesso. É através desse entendimento que é possível ensinar a alguém a ser empreendedor. Por isso, o estudo do perfil de empreendedores é tema central das pesquisas e tem sido de grande valia para a educação na área. Os empreendedores podem ser voluntários (que têm motivação para empreender) ou involuntários (que são forçados a empreender por motivos alheios à sua vontade: desempregados, imigrantes etc.). Timmons [1994] acha que "o empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20". O QUE É SER EMPREENDEDOR? Mas o que é um empreendedor? Como vamos definí-lo? Acredita-se hoje que o empreendedor seja o "motor da economia", um agente de mudanças. Muito se tem escrito a respeito, e os autores oferecem variadas definições para o termo.

7 7 Para o economista austríaco Schumpeter (1934) O empreendedor é o indivíduo que consegue levar a cabo novas combinações, e perde seu caráter assim que tiver montado seu próprio negócio, quando dedica-se a dirigi-lo, como outras pessoas dirigem seus negócios. Na visão de Aquino (1986) Todo empresário é necessariamente um empreendedor, mas todo empreendedor não é, necessariamente, um empresário. Conforme Wilkens (1989) A empresária empreendedora é uma alma independente, uma pessoa criativa que gosta de arriscar, e que, por sua própria força de vontade, faz de uma idéia um empreendimento lucrativo. Para Filion (1991) "Um empreendedor é uma pessoa que imagina, desenvolve e realiza visões". De acordo com Azevedo (1992) Empreendedor é aquele indivíduo que tem necessidade e é capaz de desenvolver novos projetos. (...) é aquele que assume a responsabilidade de conduzir um negócio próprio, de tal forma que esse empreendimento funcione e alcance o sucesso. Segundo o Sebrae & Fundação Roberto Marinho (2001) Ser um empreendedor é muito mais que ter a vontade de chegar ao topo de uma montanha; é conhecer a montanha e o tamanho do desafio; planejar cada detalhe da subida, saber o que você precisa levar e que ferramentas utilizar; encontrar a melhor trilha, estar comprometido com o resultado, ser persistente, calcular os riscos, preparar-se fisicamente; acreditar na sua própria capacidade e começar a escalada. Para Dornelas (2001), em qualquer definição sobre empreendedorismo encontram-se, no mínimo, os seguintes aspectos referentes ao empreendedor: 1. Iniciativa para criar um novo negócio e paixão pelo que faz. 2. Utiliza os recursos disponíveis de forma criativa transformando o ambiente social e econômico onde vive. 2. Aceita assumir riscos e a possibilidade de fracassar. Não se considera, contudo, empreendedor uma pessoa que, por exemplo, adquira uma empresa e não introduza qualquer inovação (seja na forma de vender, de produzir, de tratar os clientes), mas somente gerencie o negócio. (DOLABELA, 1999) Origens Empreendedor Há um mito de que não é possível desenvolver o empreendedorismo; deve-se nascer empreendedor. Isso não é verdadeiro, tomando-se por base uma análise mais criteriosa dos vários empreendimentos existentes, independentemente de sua etapa evolutiva. Segundo Bernardi (2003, p.65-6) existem várias circunstâncias que dão origem a um empreendimento e ao surgimento do empreendedor, que podem ou não se relacionar aos traços de personalidade, a saber: A. O empreendedor nato Esta figura é a personalização integral do empreendedor que, normalmente, desde cedo, por motivos próprios ou influências familiares, demonstra traços de personalidade comuns do empreendedor. O desenvolvimento de tal vocação tem forte relação com o tipo de autoridade familiar e o ambiente motivacional familiar, tais como escala de valores e percepção de negócios. B. O herdeiro Pode ou não possuir as características do empreendedor. Se empreendedor por afinidade e vocação, dá continuidade ao empreendimento em que se encontra desde cedo em treinamento, o que é muito comum. Não tendo características empreendedoras e "treinado", por imposição, desde cedo, pode vir a ser um problema para a continuidade da empresa. C. O funcionário de empresa Podendo possuir características de empreendedor, sente ao longo da carreira um desequilíbrio e falta de reconhecimento entre suas contribuições e recompensas, ou então falta de interesse em suas idéias ou interferência da burocracia da empresa. Frustrado em suas necessidades de realização pessoal, em algum momento de sua carreira decide partir para um negócio próprio. D. Excelentes técnicos Com características de empreendedor, dispõe do conhecimento, de know-how sobre algum produto ou serviço e, possuidor de experiência no ramo, decide iniciar um negócio próprio. E. Vendedores Usualmente, entusiasmados pela dinâmica de suas funções quotidianas, como conhecem o mercado e têm experiência do ramo, iniciam negócio próprio em indústria, comércio ou serviços. F. Opção ao desemprego Uma modalidade de empreendimento arriscada que, por questões circunstanciais, finda por ser adotada; pode ter dois desdobramentos: com características empreendedoras, há possibilidade de sucesso; e sem características empreendedoras, tem chance de sucesso, dependendo de como a oportunidade é encarada.

8 8 Se a opção for aguardar outra possibilidade de emprego, diminui ou elimina qualquer chance de sucesso do empreendimento. G. Desenvolvimento paralelo O funcionário, como alternativa futura, tendo características empreendedoras, estrutura-se entre amigos ou familiares e desenvolve um negocio derivado de sua experiência ou não, ou associa-se a outro ramo de atividades como sócio capitalista. H. Aposentadoria Com experiência adquirida, e devido à idade precoce com que o mercado marginaliza as pessoas, inicia um negócio próprio, usualmente em comercio ou serviços, se não é oriundo da área de vendas ou produção. Mas o que se sabe hoje, através das pesquisas em todo o mundo, sobre o perfil do empreendedor? Empreendedor é um ser social, produto do meio que habita (época e lugar). Se uma pessoa vive em um ambiente em que ser empreendedor é visto como algo positivo, então terá motivação para criar o seu próprio negócio. É fenômeno regional, ou seja, existem cidades, regiões, países mais - ou menos - empreendedores do que outros. O perfil do empreendedor (fatores do comportamento e atitudes que contribuem para o sucesso) pode variar de lugar para lugar. Como os conhecimentos obtidos através das pesquisas podem ajudar a quem quer abrir uma empresa? Presume-se que, se uma pessoa tem características e aptidões mais comumente encontradas em empreendedores de sucesso, terá ela melhores condições para empreender. Como se sabe, são as características comportamentais básicas pelas quais o candidato a empreendedor deve se pautar. Por outro lado, sem tais características, a pessoa terá dificuldades em obter sucesso. Tais características são examinadas posteriormente. No estágio atual de conhecimento sobre empreendedorismo, sabe-se como ajudar os empreendedores em potencial e os empreendedores de fato a identificar as características que devem ser aperfeiçoadas para obterem sucesso. A tese de que o empreendedor é fruto de herança genética não encontra mais seguidores nos meios científicos. Assim, é possível que as pessoas aprendam a ser empreendedores, mas dentro de um sistema de aprendizagem especial, bastante diferente do ensino tradicional. O que ainda não se pode fazer no estágio atual de conhecimento na área de empreendedorismo: Determinar com certeza se uma pessoa vai ou não ser bem sucedida como empreendedora; Garantir que as pessoas possuidoras das características essenciais ao empreendedor terão sucesso. PERFIL DO EMPREENDEDOR DE SUCESSO A grande pergunta que os pesquisadores fazem é: "quais são as características dos empreendedores de sucesso? Eles têm algo diferente dos outros?". Hoje há muita concordância entre os cientistas sobre as características dos empreendedores de sucesso: traços de personalidade, atitudes e comportamentos que ajudam a alcançar êxito nos negócios. E por que essa preocupação em identificar o perfil do empreendedor de sucesso? Para que possamos aprender a agir, adotando comportamentos e atitudes adequadas. Mas é importante termos consciência de que ainda não se pode estabelecer uma relação absoluta de causa e efeito. Ou seja, se uma pessoa tiver tais características, certamente vai ter sucesso. O que se pode dizer é que, se determinada pessoa tem as características e aptidões mais comumente encontradas nos empreendedores, mais chances terá de ser bem sucedida. A pesquisa acadêmica sobre empreendedorismo é relativamente recente e está ligada à grande importância que a pequena empresa exerce no quadro econômico do mundo atual. Esse ramo do

9 9 conhecimento está ainda em uma fase pré-paradigmática, já que não existem padrões definitivos, princípios gerais ou fundamentos que possam garantir de maneira cabal o conhecimento na área. Questões cruciais como: "é possível se ensinar alguém a ser empreendedor?", "quais são as características empreendedoras determinantes do sucesso?", não encontram ainda respostas definitivas, apesar da publicação acadêmica na área atingir mais de mil artigos por ano, em cerca de 50 congressos e 25 títulos especializados. Se ainda incapazes de estabelecer relações de causa e efeito, as pesquisas desenvolvidas por acadêmicos e praticantes das mais diversas correntes conseguem, no entanto, encontrar pontos em comum no que diz respeito às principais características encontradas nos empreendedores de sucesso. Sem conotações determinísticas, tais características têm contribuído para a identificação e compreensão de comportamentos que podem levar o empreendedor ao sucesso, servindo de base para o ensino na área. Ou seja, não se pode dizer que o sucesso será conseqüência de determinadas características comportamentais, mas certamente se pode afirmar que um conjunto de condições, presentes no indivíduo, contribuirão para o seu sucesso como empreendedor. Um dos campos centrais da pesquisa na área do empreendedorismo concentra-se fundamentalmente no estudo do ser humano e dos comportamentos que podem conduzir ao sucesso. Por outro lado, o conjunto que compõe o instrumental necessário ao empreendedor de sucesso, ou seja, o know-how tecnológico e o domínio de ferramentas gerenciais, é visto como uma conseqüência do processo de aprendizado de alguém capaz de atitudes definidoras de novos contextos: o empreendedor. Em outras palavras, o indivíduo portador das condições necessárias para empreender saberá aprender o que for necessário para a criação, desenvolvimento e realização de sua visão. No ensino do empreendedorismo o ser é mais importante do que o saber: este será conseqüência das características pessoais que determinam a sua própria metodologia de aprendizagem. A seguir apresenta-se um resumo das características dos empreendedores, segundo pesquisadores da área: McClelland (1962) estudou o comportamento das grandes realizadoras. Para ele, as empresárias têm necessidade de realização muito alta e a satisfação dessa necessidade as impele para o empreendimento. O autor traçou o perfil da pessoa que visa realizações, identificando assim certas necessidades que essa pessoa deve satisfazer. Ressalta que neste perfil estão contidos cinco padrões de comportamento, quais sejam: 1. Pessoas que visam realizações gostam de trabalhar sozinhas. 2. Pessoas que visam realizações não gostam de trabalhos triviais e rotineiros. 3. Pessoas que visam realizações procuram especialistas como sócios e não seus amigos. 4. Pessoas que visam realizações querem algum tipo de medida concreta de seu desempenho. 5. Pessoas que visam realizações estabelecem objetivos moderados e assumem riscos calculados. Assim, conforme o autor, se a pessoa tem alguns ou todos esses traços será bem sucedida no ambiente empresarial. Segundo Azevedo (1992, p.17) Capacidade de Assumir Riscos É ter coragem de enfrentar desafios, de tentar um novo empreendimento, de buscar, por si só, os melhores caminhos, é ter autodeterminação. Habilidade para Identificar Oportunidades É perceber, no momento certo, as condições propícias para a realização de um bom negócio. É saber aproveitar as oportunidades que o mercado oferece. Conhecimento do Ramo Empresarial É ter experiência prática no negócio que pretende explorar. É obter informações em publicações especializadas, em centros de tecnologias ou de referências de outras pessoas que têm empreendimentos semelhantes. Senso de Organização É ser capaz de utilizar os recursos disponíveis de forma lógica, racional e organizada. Disposição para Tomar Decisões É estar bem informado, analisar friamente a situação e avaliar as alternativas para poder escolher a solução mais adequada. Faculdade de Liderar É a capacidade de definir e orientar a realização de tarefas, de combinar métodos e procedimentos práticos, incentivar as pessoas para alcançar os objetivos almejados e produzir o relacionamento equilibrado da equipe de trabalho, em torno do empreendimento.

10 10 Talento para Empreender É a capacidade de transformar idéias em fatos concretos e dinâmicos. É ter um certo inconformismo diante das atividades rotineiras. Independência Pessoal É a qualidade daquelas pessoas que procuram ser seus próprios patrões. Otimismo É a capacidade natural, que certas pessoas possuem, de enxergar, principalmente, o sucesso, em vez de imaginar e temer os possíveis fracassos. Tino Empresarial É um sexto sentido que determinadas pessoas possuem. É ter prudência de se envolver com a organização em todos os sentidos, da forma mais completa possível, desde a fase da sua criação. Conforme Timmons (1994) e Hornaday (1982) O empreendedor tem um modelo, uma pessoa que o influencia. Tem iniciativa, autonomia, autoconfiança, otimismo, necessidade de realização.. Trabalha sozinho. Tem perseverança e tenacidade. O fracasso é considerado um resultado como outro qualquer. O empreendedor aprende com os resultados negativos, com os próprios erros. Tem grande energia. É um trabalhador incansável. Ele é capaz de se dedicar intensamente ao trabalho e sabe concentrar os seus esforços para alcançar resultados. Sabe fixar metas e alcança-las. Luta contra padrões impostos. Diferencia-se. Tem a capacidade de ocupar um intervalo não ocupado por outros no mercado, descobrir nichos. Tem forte intuição. Como no esporte, o que importa não é o que se sabe, mas o que se faz. Tem sempre alto comprometimento. Crê no que faz. Cria situações para obter feedback sobre o seu comportamento e sabe utilizar tais informações para o seu aprimoramento. Sabe buscar, utilizar e controlar recursos. Sonhador realista. É racional, mas usa também a parte direita do cérebro. Líder. Cria um sistema próprio de relações com empregados. É comparado a um "líder de banda", que dá liberdade a todos os músicos, deles extraindo o que têm de melhor, mas consegue transformar o conjunto em algo harmônico, seguindo uma partitura, um tema, um objetivo. É orientado para resultados, para o futuro, para o longo prazo. Aceita o dinheiro como uma das medidas do seu desempenho. Tece "redes de relações" (contatos, amizades) moderadas, mas utilizadas intensamente como suporte para alcançar os seus objetivos. A rede de relações internas (com sócios, colaboradores) é mais importante que a externa. O empreendedor de sucesso conhece muito bem o ramo em que atua. Cultiva a imaginação e aprende a definir visões. Traduz seus pensamentos em ações. Define o que deve aprender (a partir do não-definido) para realizar as suas visões. É pró-ativo diante daquilo que deve saber: primeiramente define o que quer, aonde quer chegar, depois busca o conhecimento que lhe permitirá atingir o objetivo. Preocupa-se em aprender a aprender, porque sabe que no seu dia-a-dia será submetido a situações que exigem constante aprendizado de conhecimentos que não estão nos livros. O empreendedor é um fixador de metas. Cria um método próprio de aprendizagem. Aprende a partir do que faz. Emoção e afeto são determinantes para explicar o seu interesse. Aprende indefinidamente. Tem alto grau de "internalidade", que significa a capacidade de influenciar as pessoas com as quais lida e a crença de que pode mudar algo no mundo. A empresa é um sistema social que gira em torno do empreendedor. Ele acha que pode provocar mudanças nos sistemas em que atua.

11 11 O empreendedor não é um aventureiro; assume riscos moderados. Gosta do risco, mas faz tudo para minimizá-lo. É inovador e criativo. (A inovação é relacionada ao produto. É diferente da invenção, que pode não dar conseqüência a um produto). Tem alta tolerância à ambigüidade e incerteza e é hábil em definir a partir do indefinido. Mantém um alto nível de consciência do ambiente em que vive, usando-a para detectar oportunidades de negócios. TENDÊNCIAS AO EMPREENDEDORISMO Louis Jacques Filion, Regente da Cadeira de Empreendedorismo da University of Montreal Business School, em novembro de 2000, apresentou no IEL/PE, uma teleconferência sobre Carreiras Empreendedoras do Futuro, listando no primeiro momento 10 (dez) tendências ao empreendedorismo, a saber: 1. Tecnologias Novas tecnologias têm aumentado a importância do fator tempo nas relações entre companhias interpessoais e nas relações de negócios gerais. Algumas organizações tiveram de aumentar seu ritmo de enquanto outras experimentaram picos e depressões nos seus ciclos de produção. Ambos os tipos estão, cada vez mais, se voltando para subcontração; no primeiro caso, para que elas não fiquem para trás e, no último, para lidar com aumentos periódicos de trabalho. 2. Mudança Organizacional Organizações, agora, precisam ser extremamente flexíveis, procurando sempre consultar pessoas altamente experientes. Aqui, de novo, subcontratar é uma ótima maneira de elas atingirem seus objetivos. A pressão competitiva, quer vem principalmente da Ásia, tenderá a aumentar, ao invés de diminuir, no futuro. 3. Segurança Nestes últimos anos, organizações têm forçado um grande número de pessoas a se aposentar mais cedo. O resultado tem sido uma perda geral de confiança em negócios, empregadores privados e públicos, governos e qualquer outra forma de organização em sociedade. Um número crescente de indivíduos percebeu que verdadeira segurança significa trabalhar para eles mesmos ou criar pequenos negócios para si próprios. 4. Envelhecimento e especialização O conjunto de pessoas educadas, com experiência e qualificadas está crescendo na sociedade e tem-se tornado a maior fonte de empreendedores autônomos. Por exemplo, a probabilidade de se tornar autônomo aumenta com a idade Muitas pessoas altamente experientes e qualificadas são forçadas a se aposentar numa idade na qual ainda podem contribuir e permanecer ativos se montarem um negócio para eles mesmos. 5. Espaço Próprio Mais pessoas são, agora, melhor educadas, têm continuado a estudar, têm trabalhado ou vivido em outros países e têm desenvolvido uma mente aberta como abordagem do mundo. Como resultado, eles acham seus papéis organizacionais restritivos e não satisfatórios. Eles precisam de mais espaço próprio e maior liberdade. Seus empregos não lhe proporcionam a oportunidade de crescer e alcançar suas ambições. 6. Pessoas Vivendo Sozinhas Nós vivemos numa sociedade na qual pessoas estão tendendo a viver sozinhas. O número de famílias com apenas um membro e casais sem filhos está crescendo continuamente. Auto-emprego é simplesmente outra expressão desta tendência para uma unidade social menor e mais organizada. 7. Sendo seu Próprio Patrão Muitos empreendedores e autônomos desistiram de seus trabalhos porque estavam cansados de serem controlados ou de ter de controlar outros. Quando questionadas, pessoas que montaram um negócio para elas mesmas, nos últimos dez anos, sempre dão a mesma explicação: Eu deixei o meu emprego porque estava cansada de todos os conflitos e brigas. Eu só queria que me deixassem sozinho para fazer meu trabalho em paz. 8. Encasulamento Hoje, é comum ter escritórios com computadores em casa. Algumas pessoas adotaram um estilo de vida voltado para trabalhar em rede. Eles acham que é melhor trabalhar em casa, com menos stress, ainda que eles ganhem menos dinheiro. Podem abrir uma janela, baixar o aquecimento, evitar sentar perto de um colega que não toma banho tanto quanto deveria e, o mais importante, não ter de gastar duas horas por dia na manhã e ao entardecer com o congestionamento do tráfego. 9. Ecologia Pessoal Na medida em que o mundo se torna menos estável e a sociedade mais violenta indivíduos estão tendendo a procurar mais estabilidade e equilíbrio nas suas vidas pessoais e profissionais. 10. Nostalgia dos Velhos e Bons Dias Cinqüenta anos atrás, o Canadá era essencialmente um país onde a maioria da população ganhava a vida com a agricultura. Hoje, muitos habitantes da cidade recordam as vidas de seus avós e bisavós com uma certa nostalgia. Na fazenda, eles tinham liberdade, eram menos reprimidos e tinham muitos parentes e amigos. As pessoas começam a lamentar esses valores perdidos. Todos esses fatores têm contribuído para a tendência de geração de negócios menores e mais fragmentados. E, paradoxalmente, enquanto as empresas são, agora, menores e mais regionais na natureza, elas estão, também, cada vez mais, envolvidas na globalização, formando alianças estratégicas e conectadas com os mercados internacionais.

12 12 CARREIRAS EMPREENDEDORAS No segundo momento da Teleconferência, o Prof. Filion apresentou as Carreiras Empreendedoras do Futuro, além de lançar a obra BOA IDÉIA! E AGORA? que em um dos seus capítulos trata do referido assunto. Posteriormente este tema foi transformado em artigo, publicado pela Revista SEBRAE (2001). Portanto é válido destacar os pontos mais importantes: Nos próximos anos, nossa compreensão do termo carreira irá mudar radicalmente e muitas carreiras irão se tornar muito mais empreendedoras. De fato, o conceito de empreendedorismo será embutido no currículo da escola do primário em diante. Sociedades que não fizerem isto se acharão incapazes de se manter com o grau de desenvolvimento e a razão é simples quanto mais indivíduos uma sociedade tem, mais criativa e inovadora se tornará, e isso lhe dará mais valor. Há muitos caminhos diferentes em carreiras empreendedoras. Nesses próximos anos, os indivíduos estarão melhor habilitados a selecionar o caminho certo para eles, ou mudar de um caminho para outro. Contudo, é importante lembrar que uma carreira empreendedora é algo que é enxertado dentro de um campo existente de especialidade ou carreira. Isto envolve montar um negócio num campo familiar ao indivíduo. A melhor previsão para o sucesso do negócio é o nível de especialização da pessoa no setor. É mais difícil ser vitorioso em um negócio se você escolher um campo que não conhece. A faceta empreendedora de uma carreira é, portanto, baseada numa combinação de know-how, conhecimento próprio e visão do futuro. No passado, uma carreira empreendedora significaria, normalmente, trabalhar num pequeno negócio. Agora, no entanto, há muitas novas formas de empreendedorismo, quais sejam: 1. Intrapreneurs (empregados empreendedores) Eles são pessoas críticas que projetam e inovam dentro do ambiente de trabalho. Para isto, eles necessitam de suporte e têm de construir um bom sistema de relacionamento. Há duas categorias de empregados empreendedores. A primeira categoria inclui pessoas que incorporam a visão de alguém e trabalham ativamente para realizá-la. São facilitadores. A segunda categoria inclui pessoas que projetam e implementam visões emergentes que modificam a visão central do proprietário do negócio. São visionários. 2. Extrapreneurs São pessoas que lançam negócios que são uma extensão do trabalho que eles costumam fazer para seus empregadores. As chances de alguém que tenha sido um empregado empreendedor, planejando e gerenciando projetos, envolvido em mudanças, eventualmente transforma-se em extrapreneur, montando um negócio próprio, são muito altas. Extrapreneurs, continuam a aplicar os comportamentos que eles aprenderam, ao longo dos anos, na sua organização empregatícias, mas, desta vez, para seu benefício. 3. Entrepreneurs (empresários) São pessoas que focam suas energias na inovação e no crescimento. Eles criam empresas ou desenvolvem coisas novas numa empresa existente (novos produtos, novos mercados, novos métodos). Empresários, geralmente, almejam crescimento pessoal e organizacional. Eles necessitam de aprender continuamente, porque seu trabalho é um trabalho complexo, com mais facetas, e está em constante evolução. 4. Spin-offs O termo spin-off se refere ao processo no qual uma pessoa que quer criar um novo negócio recebe ajuda de uma outra organização ou negócio. É uma maneira de se reduzir riscos e isto, também, é uma forma de criação associada que tenderá a se tornar mais popular nos próximos anos. Assim, segundo o autor spin-off é a criação de um novo empreendimento com o apoio de uma organização, cujo papel é supervisionar e, se possível, orientar este novo empreendimento. 5. Proprietários gerentes de pequenas empresas Têm de ser versáteis. Eles devem ser capazes de resolver problemas e tomar decisões rapidamente. Necessitam dominar todos os elementos básicos de gerenciamento e deveram ser capazes de incorporar práticas de gerenciamento efetivo dentro de suas atividades diárias. Eles precisam de sistemas gerenciais altamente consistentes. Por exemplo, podem estabelecer parâmetros para marketing e um critério de seleção para contratar as pessoas que eles necessitem para implementar suas visões. Acima de tudo, precisam ter personalidades estáveis porque, sendo capitães de seu barco, eles deverão navegar por águas turbulentas. 6. Operadores de Microempresas Deve conhecer bem o seu negócio. Eles deverão aprender a monitorar o seu índice de preço/custo cuidadosamente e direcionar tudo o que fazem baseados no que os clientes necessitam. Seu trabalho é parecido com aquele dos proprietários gerentes de pequenas empresas, só que numa escala menor. Eles têm poucos recursos para atingir suas metas e sua maior vantagem é o conhecimento do seu campo de trabalho e do seu tempo. A melhor maneira de se reduzir despesas é não ser tão vulnerável às oscilações do mercado; é, obviamente, crescer. No entanto, é possível reduzir riscos diversificando, para não depender somente de cliente, e usando a subcontratação para uma maior flexibilidade. Carreira são as sequências de posições ocupadas e de trabalhos realizados durante a vida de uma pessoa. A carreira envolve uma série de estágios e a ocorrência de transições que refletem necessidades, motivos e aspirações individuais e expectativas e imposições da organização e da sociedade. (DUTRA, 1996, p.17).

13 13 7. Os Autônomos O auto-emprego é parecido com o trabalho de um operador de microempresa, exceto pelo fato de que o autônomo trabalha essencialmente sozinho e só ocasionalmente com outras pessoas. Algumas pessoas se tornam autônomas por livre escolha, enquanto outras são forçadas a ser autônomas quando não são capazes de achar trabalho. Esta diferença, pode afetar o tipo de aprendizado necessário. Entretanto todos os autônomos devem aprender a administrar, eles mesmos seu tempo e achar meios de se reciclar. 8. Supportpreneurs Um novo setor está sendo desenvolvido para a provisão de suporte para novas associações e negócios existentes. Exemplos de carreiras possíveis incluem consultorias, serviços de suporte para novos empresários, assistência com a preparação de planos de negócios, tutorias, juntas de aconselhamento, juntas de famílias, juntas de diretores etc. 9. Interpreneurs Todos os tipos de carreiras especiais estão agora emergindo no campo de relações intercomerciais, incluindo alianças de pequenos negócios. Esses papéis intermediários, geralmente representados por contadores e advogados, os quais, agora especializados em negociações intercomerciais, estão criando um novo nicho de benefícios dos dois partidos. Tal aliança requer capital. Interpreneurs devem ser peritos em negociação, familiarizados com suas várias fontes de fundos ou recursos, e aptos a preparar e atualizar planos estratégicos de gerenciamento. 10. Networkpreneurs Diante da globalização e grandes mercados de livre comércio, um crescente número de pequenos negócios está aderindo às redes, seja para melhorar seu poder de negociação com os fornecedores, seja para incrementar sua capacidade de exportação. Essas redes são, geralmente, criadas em volta de um ou de um punhado de pequenos negócios e estão se tornando mais comuns. Entretanto, alguém tem de gerenciá-las e mantê-las. É comum, hoje em dia, ter indivíduos começando uma rede, trazendo os participantes e criando uma carreira para eles, enquanto continuam a gerenciar a rede de desenvolvê-la. 11. Negopreneurs (empreendedores de negócios) Essas são as pessoas que compram e vendem empresas. A maioria é especialista em recuperação de empreendimentos. Eles mantêm alguns empreendimentos mais tempo que outros, mas sempre os vendem no final. Eles agem comprando empresas quebradas ou quase quebradas; negociam acordos com fornecedores e iniciam uma recuperação, racionalizando operações, geralmente reduzindo o número de linhas e se concentrando em produtos mais rentáveis. Eles também são peritos na negociação da aquisição de bens por credores depois da falência. Em todos os casos eles têm poucas despesas iniciais e lucros substanciais quando vendem os negócios. 12. Familypreneurs (Empreendedores em negócios da família) Mais da metade de todos os negócios são negócios de família, onde o gerenciamento é controlado pelos membros da família, os quais são todos proprietários ou parentes do proprietário majoritário. A sucessão é sempre a maior preocupação neste tipo de negócios. Em termos de aprendizado, empreendedores familiares, assim como os proprietários gerentes de pequenos negócios, precisam aprender o comércio do proprietário e do gerenciador. Eles também precisam pensar na continuidade do negócio e promover a nova geração. Isto requer uma grande perícia no planejamento em longo prazo e em curto prazo. Um negócio de família proporciona às pessoas jovens uma excelente oportunidade de demonstrar suas qualificações empreendedoras e de aprender sobre gerenciamento. 13. Technopreneurs (empreendedores de tecnologia) Um número crescente de empreendedores tecnológicos e inventores estão, agora, escolhendo promover seus produtos eles mesmos. Este tipo de empreendedores sempre procura parceiros ou procura formar um time para gerenciar o empreendimento. Technopreneurs, geralmente, promovem seus produtos no mercado mundial, já que em muitos casos seus clientes estão em setores pequenos e altamente especializados. 14. Ecopreneurs (empreendedores em ecologia) A noção de proteção e equilíbrio ambiental estão continuamente em desenvolvimento e nós estamos testemunhando a emergência de um grande e novo setor industrial, voltado para causas ambientais e ecológicas. Este é um grande setor e empreendedores, considerando uma carreira nesta área, precisarão estar aptos a identificar nichos específicos e diferenciar a si mesmos e a seus produtos. 15. Gerontopreneurs Na medida em que a produção envelhece, serviços para os idosos estão se tornando cada vez mais importantes. Muitos autônomos e microempresas estão trabalhando neste setor. 16. Coopreneurs (empreendedores em negócios cooperativos) Um empreendimento cooperativo proporciona um caminho alternativo para a criação, gerenciamento e desenvolvimento de uma organização. Os benefícios dos métodos cooperativos podem encorajar grupos de indivíduos e empreendimentos a se juntar e torno de um projeto comum. Pequenos negócios sempre se juntam, por exemplo, para formar cooperativas de exportação para seus produtos ou serviços. Individualmente, essas empresas são muito pequenas para agüentar a competição de multinacionais em mercados estrangeiros, mas, juntas, elas se transformam e fortes competidoras. Uma cooperativa considera primordial a educação, treinamento e desenvolvimento pessoal e normalmente investe grandes percentagens de seus recursos nesses elementos. O processo de tomada de decisão é baseado na participação igualitária, já que cada membro tem um voto. 17. Groupreneurs (empreendedores de consórcio) São pessoas que juntam forças para formar um empreendimento grupal ou coletivo, que não é uma cooperativa. Eles induzem regras de operação grupal. Em

14 14 certos casos o empreendimento exige um estilo de vida grupal, enquanto que em outros o empreendimento envolve atividades adicionais além das atividades de trabalho regulares dos membros. Muitas destas organizações existem no setor de lazer, e grupos de autônomos e microempresas estão, também, se tornando mais comuns. 18. Sociopreneurs (empreendedores sociais) Um número crescente de pessoas estão envolvidas em atividades voluntárias, e muitas pessoas representam papéis empreendedores, quer criando uma atividade voluntária, ou inovando uma já existente. O número de pessoas criando organizações sem fins lucrativos está crescendo também. Esta categoria inclui um número significativo de pessoas em dificuldades que decidiram tomar conta de suas vidas e criar seu próprio negócio em vez de depender da assistência do governo. Pessoas inválidas são particularmente ativas neste respeito. Com resultado, existe a necessidade de consultoria e suporte para as novas atividades comerciais. Tudo isto tem gerado uma nova forma de trabalho voluntário, que pode ser descrito com o de empreendedores sociais. Quase todos nós seremos chamados a contribuir, de uma maneira ou de outra, algum dia. E, se iremos participar disto, porque não empresarialmente? Por que não iniciar algo novo para alcançar as novas demandas? Este é um excelente caminho, de baixo risco, para aprender sobre empreendedorismo e contribuir de uma forma útil ao mesmo tempo. 19. Netpreneurs (empreendedores em tecnologia) São empreendedores tecnológicos, mas numa categoria que está se tornando cada vez mais separada. A tecnologia da informação está se desenvolvendo num ritmo sem precedentes, e este desenvolvimento não está sendo dirigido por empreendimentos existentes. Esta é uma tendência que se tornará mais forte no futuro. 20. Webpreneurs (empreendedores em negócios na Internet) O número de transações na Internet está crescendo exponencialmente e tanto empresas existentes quanto novas companhias estão organizando atividades de marketing baseadas na Web. Para fazer isto, elas recorrem a pequenas empresas especializadas em design, monitoramento, desenvolvimento e no gerenciamento de sites da Web. Esses novos Webpreneurs oferecem uma gama de abordagens e métodos altamente diferenciados. Ao mesmo tempo, uma nova indústria baseada na Web está aparecendo, e Webpreneurs estão lançando produtos projetados especialmente para serem vendidos na Internet, ou se tornando corretores ou varejistas de todos os tipos de produtos e serviços. OS MITOS DO EMPREENDEDOR Os mitos criados sobre os empreendedores são muitos. Entretanto, convém destacar os mais comuns, segundo alguns estudiosos da área: MITO 1 Empreendedores nascem feitos. Realidade: Embora empreendedores nasçam com uma certa inteligência, vontade de criar e energia, sua formação depende da acumulação de habilidades relevantes, experiência, contatos. MITO 2 Qualquer um pode começar um negócio. Realidade: Pode. Sobreviver e florescer é que são elas. Empreendedores que entendem a diferença entre uma idéia e uma oportunidade e pensam grande têm mais chances de ser bem-sucedidos. MITO 3 Dinheiro é o fator mais importante para montar uma empresa. Realidade: Se as outras peças e o talento estão no lugar, o dinheiro virá. Dinheiro é como o pincel e a tinta para um pintor - materiais que, nas mãos certas, produzem maravilhas. MITO 4 Empreendedores não têm chefe e são completamente independentes. Realidade: Todo mundo é chefe do empreendedor: seus sócios, investidores, clientes, fornecedores, empregados, família, comunidade. Mas os empreendedores podem escolher as exigências que vão atender, e quando. MITO 5 Empreendedores devem ser jovens e cheios de energia. Realidade: Essas qualidades podem ajudar, mas idade não é barreira. O que é crítico é possuir o conhecimento relevante, experiência e contatos que facilitam reconhecer e agarrar uma oportunidade. MITO 6 Empreendedores trabalham mais do que executivos de grandes companhias. Realidade: Alguns trabalham mais, outros não.

15 15 MITO 7 Empreendedores são lobos solitários. Realidade: Os empreendedores mais bem-sucedidos são líderes que constroem grandes equipes e ótimos relacionamentos com pares, diretores, investidores, clientes, fornecedores e outros. MITO 8 Empreendedores são jogadores. Realidade: Empreendedores bem-sucedidos calculam muito bem os riscos. Eles tentam influenciar o jogo de probabilidades, freqüentemente atraindo outros para dividir os riscos com eles. MITO 9 Empreendedores querem o show todo só para eles. Realidade: Privilegiar o próprio ego coloca um teto nas possibilidades de crescimento. Os melhores empreendedores geralmente sabem construir um time, uma organização, uma companhia. MITO 10 Empreendedores sofrem um estresse tremendo. Realidade: Sem dúvida, mas não há evidências de que o empreendedor sofra mais estresse do que outros profissionais com muita responsabilidade. A maioria dos empreendedores, ao contrário, acha seu trabalho muito satisfatório. ELEMENTOS DA PROFISSÃO DO EMPREENDEDOR FILION (2000) diz que, questões como as seguintes, são comuns em palestras e cursos: O que há de específico na profissão de empreendedor? Pretendo me lançar nos negócios, em que projeto devo embarcar? O que eu preciso saber para abrir uma empresa? Como pensar e me organizar para exercer a profissão de empreendedor com mais eficiência? O autor afirma que, não existe receita e nem resposta certa para essas questões. Não existe um modelo único do que é ou do que faz um empreendedor. Mas algumas pistas podem ser de ajuda para quem quer pensar e se organizar para a prática empreendedora. Os caminhos (ou avenidas) do empreendedor já foram trabalhados anteriormente. Assim, vamos abordar aqui as principais atividades do empreendedor, com suas características, qualidades, competências e os aprendizados que exigem. Vejamos então o que têm em comum. ATIVIDADES CRÍTICAS CARACTERÍSTICAS COMPETÊNCIAS APRENDIZADO Identificar oportunidades Faro/intuição Pragmatismo Análise Setorial Conceber visões Imaginação/Independência/Paixão Concepção/Pensamento sistêmico Avaliação de recursos Tomar Decisões Julgamento/Prudência Visão Informação/Risco Realizar visões Flexibilidade/Constância/Tenacidade Ação Feedback Fazer o equipamento funcionar Destreza Polivalência Técnica Comprar Acuidade Negociação Diagnóstico Colocar no Mercado Diferenciação/originalidade Agenciamento Marketing/Gestão Vender Flexibilidade Adaptação Conhecimento do cliente Cercar-se Julgamento/ Discernimento Comunicação Gestão de RH/ Compartilhar Delegar Cautela Relações/Equipe Holismo/Gestão operacional Quadro 1. Elementos da profissão de empreendedor Fonte: Filion, 2000, p.227.

16 16 CICLO DE CRIAÇÃO DO NEGÓCIO A idéia de um empreendimento surge da observação, da percepção e análise de atividades, tendências e desenvolvimentos, na cultura, na sociedade, nos hábitos sociais e de consumo. As oportunidades detectadas ou visualizadas, racional ou intuitivamente, das necessidades e das demandas prováveis, atuais e futuras, e necessidades não atendidas definem a idéia do empreendimento. Pode surgir também mediante contatos especializados nos vários ramos de atividade, em círculos de conhecimento tecnológico e de conhecimento mercadológico como complementação ou associação. A concepção de um empreendimento, por vezes, nasce de habilidades, gosto e outras características pessoais, até mesmo por pessoas que não tiveram experiência com o ramo, inovando ou criando novas formas de negócio. IDENTIFICAÇÃO DAS OPORTUNIDADES * Necessidades dos Consumidores * Aperfeiçoamento de Negócios * Observação de Tendências * Derivação de Ocupação * Exploração de Hobbies * Utilização do Modismo * Uso da Imitação. ANÁLISE DOS RISCOS Sazonalidade Efeitos da Economia Controles Governamentais Existência de Monopólios Setores em Estagnação ou Retração Barreiras à Entrada das Empresas. DESENVOLVIMENTO DO CONCEITO DO NEGÓCIO * Ordenação das informações segundo um texto capaz de definir, de maneira clara e precisa: o tipo de negócio que pretende explorar; a clientela que a empresa pretende atingir; o produto ou serviço que será oferecido; as possíveis formas de como atender essa clientela; os riscos que estão ligados ao negócio; as estratégias que serão desenvolvidas para minimizar esses riscos; a identificação da oportunidade e dos objetivos da empresa; estudo dos mercados consumidor, fornecedor e concorrente. PLANO DE NEGÓCIOS Análise dos aspectos qualitativos: o processo de produção ou a linha de comercialização; a definição do layout; a localização do empreendimento; o espaço físico necessário para o estabelecimento do negócio. Análise quantitativa: o plano anual de produção; a quantidade de máquinas, equipamentos e mão-de-obra. Análise financeira do plano de negócios: o investimento físico; os custos variáveis e fixos; as previsões das receitas e resultados operacionais; a verificação da viabilidade financeira do empreendimento. O plano de negócios possibilita ao empreendedor: aprimorar a idéia de negócio, tornando-a clara, precisa e de fácil entendimento; obter informações completas e detalhadas sobre o negócio que pretende implementar; estabelecer os pontos fortes e fracos do futuro empreendimento; proceder a uma negociação mais eficiente com fornecedores, financiadores ou futuros sócios. (JOÃO HUMBERTO DE AZEVEDO)

17 17 PLANO DE NEGÓCIOS Plano de negócios de acordo com Salim (2001, p.16) é um documento que contém a caracterização do negócio, sua forma de operar, suas estratégias, seu plano para conquistar uma fatia do mercado e as projeções de despesas, receitas e resultados financeiros.. Continuando, o autor diz que PLANO DE NEGÓCIOS Nossa primeira dica é este esquema: ele contém todas as perguntas que você deverá responder ao longo da elaboração de seu plano de negócios. Essa lista é muito importante. Sugerimos que recorte a figura do esquema ao longo da linha pontilhada e plastifique esse quadro. Durante o tempo em estiver preparando seu plano e pensando seu negócio, o ideal é que ande com esse plástico no bolso, o tempo todo, acompanhando você. (Idem, p.15) Qual é o meu negócio? Onde quero chegar? O que vendo? Para quem vendo? Que estratégias utilizarei? Como conquistarei mercado? Quais são os fatores críticos de sucesso do meu negócio? Quanto vou gastar? Que retorno terei sobre meu investimento? O mundo empresarial e dos negócios pertence cada vez mais aos empreendedores, isto é, àqueles que identificam as melhores oportunidades e sabem como aproveita-las. Esses empreendedores cada vez mais são levados a pensar bem sobre os vários fatores que envolvem seu negócio, realizar um planejamento bem detalhado, antes de iniciar suas atividades. Para Dornelas (2001, p.96) A quem se destina o plano de negócios? O plano de negócios é um documento usado para descrever um empreendimento e o modelo de negócios que sustentam a empresa. (...) As seções que compõem um plano de negócios geralmente são padronizadas para facilitar o entendimento. Cada uma das seções do plano tem um propósito específico. Um plano de negócios para uma pequena empresa pode ser menor que o de uma grande organização, não ultrapassando talvez dez a quinze páginas. Muitas seções podem ser mais curtas que outras e até ser menor que uma única página de papel. Mas para chegar ao formato final geralmente são feitas muitas versões e revisões do plano até que esteja adequado ao público-alvo. (..) Os aspectos-chave que sempre devem ser focados em qualquer plano de negócio são os seguintes: 1. Em que negócio você está? 2. O que você (realmente) vende? 3. Qual é o seu mercado-alvo? Quais são os públicos-alvo de um plano de negócio? Muitos pensam que o plano de negócio destina-se unicamente a investidores e bancos, mas se enganam. Vários são os públicos-alvo de um plano de negócio, entre eles, pode-se citar: Mantenedores das incubadoras (Sebrae, universidades, prefeituras, governo, associações etc.): para outorgar financiamentos a estas. Parceiros: para definição de estratégias e discussão de formas de interação entre as partes. Bancos: para outorgar financiamentos para equipamentos, capital de giro, imóveis, expansão da empresa etc.

18 18 Investidores: empresas de capital de risco, pessoas jurídicas, bancos de investimento, angels, BNDES, governo etc. Fornecedores: para negociação na compra de mercadorias, matéria-prima e formas de pagamento. A empresa internamente: para comunicação da gerência com o conselho de administração e com os empregados (efetivos e em frase de contratação). Os clientes: para venda do produto e/ou serviço e publicidade da empresa. Sócios: para convencimento em participar do empreendimento e formalização da sociedade. (Idem, p. 98-9) ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS Ainda, segundo Dornelas (2001, p ) Não existe uma estrutura rígida e específica para se escrever um plano de negócios, pois cada negócio tem particularidades e semelhanças, sendo impossível definir um modelo padrão de plano de negócios que seja universal e aplicado a qualquer negócio. Uma empresa de serviços é diferente de uma empresa que fabrica produtos ou bens de consumo, por exemplo. Porém, qualquer plano de negócios deve possuir um mínimo de seções as quais proporcionarão um entendimento completo do negócio. Estas seções são organizadas de forma a manter uma seqüência lógica que permita a qualquer leitor do plano entender como a empresa é organizada, seus objetivos, seus produtos e serviços, seu mercado, sua estratégia de marketing e sua situação financeira. Algumas possíveis estruturas para a confecção de um plano de negócios são apresentadas a seguir. Cada uma das seções apresentadas deve ser abordada sempre visando à objetividade, sem perder a essência e os aspectos mais relevantes a ela relacionados. ESTRUTURA l (Sugerida para pequenas empresas manufatureiras em geral) 1. Capa. A capa, apesar de não parecer, é uma das partes mais importantes do plano de negócios, pois é a primeira parte que é visualizada por quem lê o plano de negócios, devendo, portanto, ser feita de maneira limpa e com as informações necessárias e pertinentes. 2. Sumário. O sumário deve conter o título de cada seção do plano de negócios e a página respectiva onde se encontra, bem como os principais assuntos relacionados em cada seção. Isto facilita ao leitor do plano de negócios encontrar rapidamente o que lhe interessa. Qualquer editor de textos permite a confecção automática de sumários e tabelas de conteúdo bastante apresentáveis. 3. Sumário Executivo. O Sumário Executivo é a principal seção do plano de negócios. O Sumário Executivo fará o leitor decidir se continuará ou não a ler o plano de negócios. Portanto, deve ser escrito com muita atenção e revisado várias vezes, além de conter uma síntese das principais informações que constam no plano de negócios. Deve ainda ser dirigido ao público-alvo do plano de negócios e explicitar qual o objetivo do plano de negócios em relação ao leitor (por exemplo, requisição de financiamento junto a bancos, capital de risco, apresentação da empresa para potenciais parceiros ou clientes etc.). O Sumário Executivo deve ser a última seção a ser escrita, pois depende de todas as outras seções do plano para ser elaborada. 4. Análise Estratégica. Nesta seção são definidos os rumos da empresa, sua visão e missão, sua situação atual, as potencialidades e ameaças externas, suas forças e fraquezas, suas metas e objetivos de negócio. Esta seção é na verdade a base para o desenvolvimento e a implantação das demais ações descritas no plano. 5. Descrição da Empresa. Nesta seção deve-se descrever a empresa, seu histórico, crescimento, faturamento dos últimos anos, sua razão social, impostos, estrutura organizacional e legal, localização, parcerias, certificações de qualidade, serviços terceirizados etc. 6. Produtos e Serviços. Esta seção do plano de negócios é destinada aos produtos e serviços da empresa: como são produzidos, quais os recursos utilizados, o ciclo de vida, os fatores tecnológicos envolvidos, o processo de pesquisa e desenvolvimento, os principais clientes atuais, se a empresa detém marca e/ou patente de algum produto etc. Nesta seção pode ser incluída, quando esta informação encontra-se disponível, uma visão do nível de satisfação dos clientes com os produtos e serviços da empresa. Este feedback é bastante importante, porque costuma oferecer

19 19 não apenas uma visão do nível de qualidade percebida nos produtos e serviços, mas também guiar futuros investimentos da empresa em novos desenvolvimentos e processos de produção. 7. Plano Operacional. Esta seção deve apresentar as ações que a empresa está planejando em seu sistema produtivo e o processo de produção, indicando o impacto que estas ações terão em seus parâmetros de avaliação de produção. Deve conter informações operacionais atuais e previstas de fatores como: lead time do produto ou serviço, percentual de entregas a tempo, rotatividade do inventário, índice de refugo, lead time de desenvolvimento de produto ou serviço etc. 8. Plano de Recursos Humanos. Aqui devem ser apresentados os planos de desenvolvimento e treinamento de pessoal da empresa. Estas informações estão diretamente relacionadas com a capacidade de crescimento da empresa, especialmente quando esta atua em um mercado onde a detenção de tecnologia é considerada um fator estratégico de competitividade. Devem ser indicadas as metas de treinamento associadas às ações do Plano Operacional, as metas de treinamento estratégico, de longo prazo e não associadas diretamente às ações. Aqui também devem ser apresentados o nível educacional e a experiência dos executivos, gerentes e funcionários operacionais, indicando-se os esforços da empresa na formação de seu pessoal. 9. Análise de Mercado. Na seção de análise de mercado, o autor do plano de negócios deve mostrar que os executivos da empresa conhecem muito bem o mercado consumidor do seu produto/serviço (por meio de pesquisas de mercado): como está segmentado, o crescimento desse mercado, as características do consumidor e sua localização, se há sazonalidade e como agir nesse caso, análise da concorrência, sua participação de mercado e a dos principais concorrentes etc. 10. Estratégia de Marketing. Deve-se mostrar como a empresa pretende vender seu produto/serviço e conquistar seus clientes, manter o interesse dos mesmos e aumentar a demanda. Deve abordar seus métodos de comercialização, diferenciais do produto/serviço para o cliente, política de preços, principais clientes, canais de distribuição e estratégias de promoção/comunicação e publicidade, bem como projeções de vendas. 11. Plano Financeiro. A seção de finanças deve apresentar em números todas as ações planejadas para a empresa e as comprovações, através de projeções futuras (quanto necessita de capital, quando e com que propósito) de sucesso do negócio. Deve conter demonstrativo de fluxo de caixa com horizonte de, pelo menos, três anos; balanço patrimonial; análise do ponto de equilíbrio; necessidades de investimento; demonstrativos de resultados; análise de indicadores financeiros do negócio, como faturamento previsto, margem prevista, prazo de retorno sobre o investimento inicial (payback), taxa interna de retorno (TIR) etc. 12. Anexos. Esta seção deve conter informações adicionais julgadas relevantes para o melhor entendimento do plano de negócios. Por isso, não tem um limite de páginas ou exigências a serem seguidas. A única informação que não se pode esquecer de incluir é a relação dos curriculum vitae dos sócios e dirigentes da empresa. Pode-se anexar ainda informações como fotos de produtos, plantas da localização, roteiros e resultados completos das pesquisas de mercado que foram realizadas, material de divulgação do negócio, folders, catálogos, estatutos, contrato social da empresa, planilhas financeiras detalhadas etc. Nas estruturas a seguir, como alguns aspectos e seções são similares à estrutura anterior, será apresentado apenas o roteiro das estruturas de plano de negócios, já que o conteúdo das mesmas deve seguir as regras e sugestões listadas em cada seção da Estrutura l. ESTRUTURA 2 (Sugerida para empresas pontocom) 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário Executivo 4. Conceito do Negócio 4.1 O Negócio 4.2 O Produto (site) 5. Equipe de Gestão 6. Mercado e Competidores 6.1 Análise Setorial

20 Mercado-alvo 6.3 Necessidades do Cliente 6.4 Benefícios do Produto 6.5 Competidores 6.6 Vantagem Competitiva 7. Marketing e Vendas 7.1 Produto 7.2 Preço 7.3 Praça 7.4 Promoção 7.5 Estratégia de Vendas 7.6 Projeção de Vendas 7.7 Parcerias Estratégicas 8. Estrutura e Operação 8.1 Organograma Funcional 8.2 Processos de Negócio 8.3 Política de Recursos Humanos 8.4 Fornecedores de Serviços 8.5 Infra-estrutura e Localização 8.6 Tecnologia 9. Análise Estratégica 9.1 Análise SWOT (forças e fraquezas, oportunidades e ameaças) 9.2 Cronograma de Implantação 10. Previsões dos Resultados Econômicos e Financeiros 10.1 Evolução dos Resultados Econômicos e Financeiros (projetados) 10.2 Composição dos Principais Gastos 10.3 Investimentos 10.4 Indicadores de Rentabilidade 10.5 Necessidade de Aporte e Contrapartida 10.6 Cenários Alternativos 11. Anexos ESTRUTURA 3 (Sugerida para pequenas empresas prestadoras de serviço) 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário Executivo 4. O Negócio 4.1 Descrição do Negócio 4.2 Descrição dos Serviços 4.3 Mercado 4.4 Localização 4.5 Competidores (concorrência) 4.6 Equipe Gerencial 4.7 Estrutura Funcional 5. Dados Financeiros 5.1 Fontes dos recursos financeiros 5.2 Investimentos necessários 5.3 Balanço Patrimonial (projetado para três anos) 5.4 Análise do Ponto de Equilíbrio 5.5 Demonstrativo de Resultados (projetado para três anos) 5.6 Projeção de Fluxo de Caixa (horizonte de três anos) 5.7 Análises de rentabilidade 6. Anexos Strengths, Weaknesses, Opportuniries, Threats.

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a)

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Empreendedorismo Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. A formação do empreendedor... 3 4. Empreendedorismo nato ou desenvolvido?... 4 4.1 Características

Leia mais

Empreendedores em Informática

Empreendedores em Informática Empreendedores em Informática Introdução Existem riscos e custos para um programa de ação. Mas eles são bem menores que os riscos e custos de longo alcance de uma acomodação confortável. John F. Kennedy

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: Características, tipos e habilidades. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes

EMPREENDEDORISMO: Características, tipos e habilidades. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes EMPREENDEDORISMO: Características, tipos e habilidades. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes 1 Em análise de qualquer empreendimento encontram-se dois tipos de empreendedor: o que empreende em relação à oportunidade

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Empreendedorismo. Colégio São José projetando Empreendedores COLÉGIO SÂO JOSÉ PROJETANDO EMPREENDEDORES. Copyright 2008 www.josedornelas.

Empreendedorismo. Colégio São José projetando Empreendedores COLÉGIO SÂO JOSÉ PROJETANDO EMPREENDEDORES. Copyright 2008 www.josedornelas. Empreendedorismo Colégio São José projetando Empreendedores Empreendedorismo é o envolvimento de pessoas e processos Empreendedorismo é uma livre tradução da palavra entrepreneurship. Designa uma área

Leia mais

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE INTRODUÇÃO AO EMPREENDEDORISMO Prof. Marcos Moreira Conceito O empreendedorismo se constitui em um conjunto de comportamentos e de hábitos que podem ser adquiridos, praticados e reforçados nos indivíduos,

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

8/8/2013. O empreendedor. Quem é o empreendedor? Empreendedores de sucesso. Página 4 de 32. Página 5 de 32. Página 6 de 32

8/8/2013. O empreendedor. Quem é o empreendedor? Empreendedores de sucesso. Página 4 de 32. Página 5 de 32. Página 6 de 32 Empreendedorismo por José Dornelas Página 1 de 32 Empreendedorismo é o envolvimento de pessoas e processos O empreendedor é aquele que percebe uma oportunidade e cria meios (nova empresa, área de negócio,

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

ASPECTOS PRINCIPAIS SOBRE

ASPECTOS PRINCIPAIS SOBRE ASPECTOS PRINCIPAIS SOBRE EMPREENDEDORISMO Empreendedorismo A Administração da revolução O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi

Leia mais

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng 2/44 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: * Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/44 Foto: Stock.Schng

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

Empreendedorismo na prática

Empreendedorismo na prática Empreendedorismo na prática Autor: José Carlos Assis Dornelas Aluno: Douglas Gonzaga; Diana Lorenzoni; Paul Vogt; Rubens Andreoli; Silvia Ribeiro. Turma: 1º Administração Venda Nova do Imigrante, Maio

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

EMPREENDEDOR DE SUCESSO. Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender

EMPREENDEDOR DE SUCESSO. Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender EMPREENDEDOR DE SUCESSO Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender EMPREENDEDOR DE SUCESSO Histórico Definições Básicas Características Perfil Histórico O termo empreendedorismo teve sua origem na França

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo 1/44. Foto: Stock.Schng

EMPREENDEDORISMO. Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo 1/44. Foto: Stock.Schng EMPREENDEDORISMO Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo Foto: Stock.Schng 1/44 CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

planodenegocioapostilaempreendedorismo_exerc.doc Empreendedorismo EXERCÍCIO DE NIVELAMENTO PERGUNTAS E RESPOSTAS

planodenegocioapostilaempreendedorismo_exerc.doc Empreendedorismo EXERCÍCIO DE NIVELAMENTO PERGUNTAS E RESPOSTAS EXERCÍCIO DE NIVELAMENTO PERGUNTAS E RESPOSTAS 1) Qual o conceito de empreendedor?...empreendedor é um indivíduo que imagina, desenvolve e realiza visões. Ele está sempre buscando novas idéias e criando

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Os negócios não serão mais os mesmos em poucos anos Velocidade Custo X Receita cenário mudou Novos Concorrentes competição

Leia mais

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc Ph.D in Business Administration Doutorado

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

Gestão Eficaz e Liderança Empreendedora

Gestão Eficaz e Liderança Empreendedora Gestão Eficaz e Liderança Empreendedora O Mundo mudou. E o que eu tenho a ver com isso? Como as organizações desenvolvem-se nesse ambiente? A capacidade de mudança de uma organização é um dos fatores

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR

II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR 1. 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EMPREENDEDORISMO PROFESSOR (A): NAZARÉ FERRÃO ACADÊMICO (A):------------------------------------------------ TURMAS: 5- ADN-1 DATA: / / II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos RESUMO Flávia Castro Este artigo tem como finalidade apresentar aos leitores uma breve reflexão sobre o fenômeno do empreendedorismo no Brasil

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA Profº MS. Carlos Henrique Carobino E-mail: carobino@bol.com.br 1 Pressões Externas MEGATENDÊNCIAS Competição

Leia mais

Empreendedorismo COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Empreendedorismo COMPETÊNCIAS HABILIDADES Empreendedorismo Curso de Moda e Estilismo Graduação em Administração de Empresas Especialização em Marketing Empreendedorismo COMPETÊNCIAS Conhecer o processo de empreender utilizando as estruturas, as

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO GUIA PARA EXECUTIVOS Professo MSc Lozano 2015 FERRAMENTAS DE GESTÃO Técnicas gerenciais utilizadas pelas organizações para aumentar competitividade. Ferramentas Básicas para Gestão

Leia mais

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização ESTRUTURA LINEAR Características: 1. Autoridade linear ou única. 2. Linhas formais de comunicação. 3. Centralização das decisões. 4.

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

(Re)Empreendedorismo

(Re)Empreendedorismo (Re)Empreendedorismo A escolha é nossa Empreendedorismo Processo de criar algo diferente e com valor, dedicando tempo e o esforço necessários, assumindo os riscos financeiros, psicológicos e sociais correspondentes

Leia mais

Empreendedorismo Prof. Werther Serralheiro. O Processo de Empreender

Empreendedorismo Prof. Werther Serralheiro. O Processo de Empreender O Processo de Empreender Empreendedorismo Prof. Werther Serralheiro Engenheiro de Automação Mestrado em Gestão Estratégica Qual a função do Professor? Qual a função do Aluno? Construir num cartaz as conclusões

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Inteligência. Emocional

Inteligência. Emocional Inteligência Emocional Inteligência Emocional O que querem os empregadores?? Atualmente, as habilitações técnicas específicas são menos importantes do que a capacidade implícita de aprender no trabalho

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. Lucas Pacheco lucapachecos@hotmail.com

Empreendedorismo. Prof. Lucas Pacheco lucapachecos@hotmail.com Empreendedorismo Prof. Lucas Pacheco lucapachecos@hotmail.com "Olhar é uma coisa, ver o que se olha é outra, entender o que se vê é uma outra, aprender o que você entende é uma coisa a mais, mas agir sobre

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Empreendedorismo. José Dornelas, Ph.D. Copyright 2003 Dornelas - Plano de Negócios Ltda. www.planodenegocios.com.br

Empreendedorismo. José Dornelas, Ph.D. Copyright 2003 Dornelas - Plano de Negócios Ltda. www.planodenegocios.com.br Empreendedorismo José Dornelas, Ph.D. A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20 (Timmons,

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011)

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) 1 ERA DOS TALENTOS SEGUNDO PETER DRUCKER, O PAI DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA, ESTAMOS NO INÍCIO DA ERA DOS TALENTOS. FORÇA FÍSICA,

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais