FAZENDO DO MERCADO O PRINCÍPIO E O FIM DOS ESFORÇOS: ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE AS POSTURAS DOS EMPREENDEDORES DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FAZENDO DO MERCADO O PRINCÍPIO E O FIM DOS ESFORÇOS: ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE AS POSTURAS DOS EMPREENDEDORES DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS"

Transcrição

1 FAZENDO DO MERCADO O PRINCÍPIO E O FIM DOS ESFORÇOS: ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE AS POSTURAS DOS EMPREENDEDORES DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Márcio Rosa Portes Prof. da Faculdade de Estudos Administrativos de Minas Gerais/FEAD-MG Consultor do SEBRAE-MG Rua Castelo do Piauí, 187 Cep São Gabriel -Belo Horizonte - MG RESUMO: As micro e pequenas empresas no Brasil enfrentam vários desafios gerenciais, podendo ser destacado, em particular, a necessidade dos pequenos empreendedores se preparem para dotar suas empresas de instrumentos de planejamento, de uma forma geral. Dentre esses instrumentos, vale destacar o marketing e, em especial, as vendas. Na busca da consolidação de suas empresas, os pequenos empreendedores tentarão desenvolver suas capacidades para estabelecer níveis de qualidade que lhes permitam competir no mercado. Partindo dessa observação, a análise do marketing, bem como sua utilização, pelas micro e pequenas empresas, faz-se necessário. Fazer do mercado o princípio e o fim dos esforços é, principalmente, entender que a empresa atua numa economia cada vez mais competitiva e sofisticada, na qual a crescente satisfação do consumidor é fato essencial para o alcance dos resultados empresariais. Finalmente, fazer do mercado o princípio e o fim dos esforços é ter visão empresarial; é focar e orientar a empresa para o mercado, identificando e atendendo as expectativas e necessidades do clientes melhor que os concorrentes. PALAVRAS-CHAVE: Micro e pequenas empresas, marketing, qualidade total em vendas, competitividade e postura empresarial. ABSTRACT : Micro and small enterprises in Brazil deal with several managerial challenges, standing out, in matter, the need of small entrepreneurs to prepare themselves to endow their enterprises with planning instruments, in a general way. Among those instruments, it is worth to detach marketing and, especially, the sales. In the search of consolidation of their enterprises, small entrepreneurs will try to develop their capacities to establish quality levels that allow them to compete in market. Having this observation in mind, market s analysis and its utilization, for micro and small enterprises, is made necessary. Making the market the beginning and the end of efforts is, mainly, understanding that the enterprise

2 acts in a competitive and sophisticated economy in which the consumer s growing satisfaction is the essential fact for the reach of the managerial results. Finally, making the market the beginning and the end of efforts is having managerial vision; is focus and guide the enterprise to the market, identifying and assisting the customer s expectations better than competitors. KEY WORDS: Micro and small enterprises, marketing, total quality in sales, competitiveness and managerial posture. INTRODUÇÃO As realizações humanas são construídas pela ação empreendedora de pessoas com capacidade de agir para tornar reais seus sonhos, visões e projetos. Estes empreendedores utilizam a própria capacidade de combinar recursos produtivos Capital, Matéria-prima e Trabalho para realizar obras, fabricar produtos e prestar serviços destinados a satisfazer as necessidades das pessoas. A sociedade moderna, cada vez mais urbanizada, necessita de pessoas empreendedoras, capazes de criar empresas privadas ou qualquer outro tipo de organização, para gerar bens e serviços destinados a uma população mundial crescente. Ao decidir criar uma empresa o empreendedor enfrenta grandes desafios e assume importância vital para a sociedade. É ele quem escolhe - entre tantas outras prioridades - sobre o aumento da produção de alimentos, a construção de habitações, a fabricação de medicamentos, a implantação de infra-estrutura de saneamento e transportes. Superar esses desafios requer a ação decisiva de empreendedores dispostos a capitanear empresas industriais, comerciais e de serviços. Agindo, assim, o empreendedor estará atuando dentro de um contexto internacional muito diferente daquele vivido pelos empresários pioneiros das primeiras décadas deste século. As mudanças no ambiente internacional estimulam cada vez mais a integração econômica entre países. Segundo Santos (1995), no cenário de economia globalizada, o desafio dos empreendedores já atuantes ou daqueles que estão pensando em iniciar seu negócio neste momento, será o de desenvolver a capacidade de criar uma empresa verdadeiramente competitiva. Os produtos ou serviços que a empresa vier a oferecer à clientela, terão de ser produzidos dentro de padrões de qualidade requeridos pelo mercado mundial. Os preços dos produtos a serem cobrados a clientes e os serviços prestados, deverão de ser iguais ou melhores que aqueles oferecidos por empresas similares, atuantes em outros países. As mudanças no cenário econômico mundial em direção à globalização e à competitividade internacional estão exigindo maior agilidade das empresas. De acordo Naisbitt (apud Santos, 1995:16), "para serem ágeis e competitivas as empresas estão se fragmentando em pequenas unidades de negócio, ou, estabelecendo parcerias com pequenas empresas". Muitas atividades que eram 2

3 realizadas por empregados de grandes empresas, passam a ser contratadas junto às micro e pequenas empresas independentes, havendo, então, a terceirização. Uma escolha cada vez mais atual, tem sido a escolha pelas empresas de realizar parcerias com micro e pequenas empresas, com o objetivo de expansão do negócio. Isto tem propiciado a elas a possibilidade do enfrentamento do desafio de serem competitivas em uma economia global. Empreendedores atuantes no presente - no mundo dos negócios - diferentemente dos empreendedores do passado, têm concebido novas formas de organização e gestão, agilizando as operações das empresas. É fácil encontrar alguém que já criou uma empresa, consolidou a marca de um produto ou serviço e está disposto a transferir, todo o conceito e o modo operativo do negócio, para outro. Esta nova realidade de compartilhamento de um negócio é feita por meio de um contrato de franquia. As práticas de subcontratação de serviços externos por grandes empresas são antigas. Entretanto, a partir dos anos oitenta, estas empresas passaram a adotar uma política de desverticalização associada a uma concentração em atividades essenciais do seu negócio. Para implementar esta política empresarial, inicialmente, procederam a um enxugamento das atividades de gerência (downsinzing) e de fabricação, até então realizadas por elas próprias, passando a subcontratar outras empresas para realizá-las. Este processo gerou um novo tipo de parceria, que no contexto brasileiro, contribuiu para o surgimento da terceirização, que acabou gerando oportunidades para pessoas interessadas na criação de empresas, especialmente as micro e pequenas, pela possibilidade de participar desses programas. Existem muitos exemplos de empreendedores que encontram a oportunidade de realizar o seu sonho, na própria organização onde trabalhavam como empregados. Desligaram-se da empresa e candidataram-se a prestar-lhe serviços como empresários independentes. Algumas empresas preferem terceirizar atividades para seus próprios empregados, porque estes já conhecem a cultura e as sua necessidades. Também, em vários casos, as empresas estão fazendo um enxugamento da estrutura e necessitam dispensar empregados. Assim, passam a oferecer treinamento específico, estimulando-os a criarem uma empresa para assumirem as atividades que eles mesmos faziam antes, como empregados. Programas de recolocação profissional (outplacement) patrocinados pelas empresas em processo de terceirização já estão ofertando estas oportunidades, antes de realizarem dispensa de pessoal (Santos, 1995). Uma das novas dimensões empresarias é a preocupação sempre de oferecer produtos e serviços com alto índice de qualidade. Ser competitivo, significa ter qualidade nos produtos e serviços e bons preços. O parâmetro para avaliar se uma empresa tem qualidade, instaura-se por meio de um confronto com outras empresas similares existentes em diferentes países. Com mercados cada vez mais abertos, a qualquer momento, empresas com produtos iguais, mas com diferenciais competitivos substanciais qualidade e preço podem vir a competir em uma determinada região. Por isso, ter qualidade em nível nacional não basta; é preciso, cada vez mais, ter qualidade total em nível global. "O potencial empresário, ao avaliar estas informações, pode achar estranho ter de se preocupar com a qualidade dos produtos ou serviços de uma empresa que ainda não foi criada, mas torna-se mais fácil tê-la quando é considerada como 3

4 ponto de partida de qualquer empreendimento nascente e não como um objetivo distante a ser perseguido"(santos, 1995:20). A avaliação da qualidade do produto ou serviço oferecido também parte do cliente e, por essa razão, a empresa deve direcionar o foco para este cliente. A visão que ele tem de suas necessidades e de seus direitos é sempre um desafio para empresas instaladas ou em fase de criação. Sabe-se que uma empresa só sobrevive se tiver um mercado, ou seja, uma clientela que busca e adquire seus produtos ou serviços. A competição acirrada e a abertura das importações propiciam aos clientes muitas opções de escolha pela livre e variada oferta de produtos e serviços disponíveis. A tendência das empresas é personalizar seus produtos e serviços, dirigindo-os para segmentos ou nichos específicos de mercado. Isto implica numa comunicação com o cliente que utilize conceitos e palavras que ele conhece e vivencia; assim, ela tem de ser direta e ajustada à clientela-alvo pré-selecionada. Santos (1995:21) afirma que, "com o nível de informação de natureza global disponível nos meios de comunicação, o cliente está se tornando cada vez mais exigente e consciente da sua importância como centro das decisões empresariais". O avanço veloz da pesquisa científica e tecnológica tem reduzido o ciclo de vida de vários produtos e serviços. Isto requer do empreendedor uma preocupação constante em acompanhar e incorporar inovações em nível de gerência, projeto e processo de fabricação de produtos e geração de serviços. Mudanças constantes e contínuas são necessárias para que uma empresa possa evoluir e ter sucesso neste cenário competitivo. Finalmente, o empreendedor pode, também, perceber a emergência de outro movimento ascendente no cenário dos negócios, o qual pode ser definido como fortalecimento da dimensão ética na relação entre os empreendedores e os vários públicos relevantes que gravitam em torno da empresa. Cada vez mais clientes, empregados, fornecedores, associações sindicais e comunitárias são impactadas por esta postura ética, cujas práticas pareciam estar enfraquecidas no contexto contemporâneo no mundo dos negócios. A responsabilidade ética e social pela qualidade dos produtos, pela melhoria de vida dos empregados, pela preservação do meio ambiente em que a empresa se insere, são componentes e preocupações presentes na opinião pública e que mostram a valorização desta postura empresarial. Neste sentido, o presente artigo pretende: (1) demonstrar algumas particularidades das micro e pequenas empresas no contexto brasileiro; (2) analisar como o marketing pode ser utilizado pelas micro e pequenas empresas; (3) refletir sobre as posturas dos empreendedores ao fazer do mercado o princípio e o fim dos esforços; e (4) apresentar algumas considerações finais. AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL Para demonstrar algumas particularidades das micro e pequenas empresas no contexto brasileiro serão apresentadas - ainda que de forma 4

5 objetiva, pois não é nossa intenção o aprofundamento - as características básicas desses tipos de empresa, o conceito de empresa institucionalizada, a questão da economia informal, o conceito da empresa familiar, a importância dessas empresas para a sociedade, as suas características estruturais e os desafios gerenciais. AS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS Para Lakatos (1997), as micro e pequenas empresas no Brasil apresentam algumas características distintivas. Em primeiro lugar, são empresas "legalizadas", ou seja, têm personalidade jurídica e são reconhecidas como tal. Em segundo lugar, torna-se difícil a classificação das mesmas, em decorrência da multiplicidade de critérios adotados pelos vários órgãos que possuem alguma relação com essas empresas. Como terceira característica aparece a relevância, já que, apesar das oscilações, seu número gira em torno de 90% da totalidade das empresas no Brasil. A quarta característica está associada ao seu aspecto de organização. Este tipo empresa absorve significativa parcela da mão-de-obra economicamente ativa e desempenha expressivo papel na geração global do produto nacional. A quinta característica refere-se à dificuldade de acesso ao crédito, em conseqüência de dois fatores: (1) sua estrutura e organização, considerada, geralmente, pouco "profissional", leva este tipo de empresa a apresentar-se como "risco" para os bancos, quando da decisão de empréstimos; e (2) as exigências que são feitas pelos bancos para realizar os empréstimos. Destacando a microempresa podemos perceber que esta apresenta-se como o primeiro estágio no desenvolvimento das empresas, possuindo uma estrutura hierárquica simples, sem delegação de autoridade. O proprietário exerce as atividades de planejamento, direção, organização e controle, bem como os contatos com os clientes, enquanto os operários executam as tarefas. São características próprias das microempresas (Souza e Araújo apud Lakatos, 1997): são constituídas por diferentes segmentos, de acordo com o modo como cada microunidade se articula com o "setor pessoal"; por se constituírem, em sua grande maioria, de atividades que precariamente possibilitam a sobrevivência de uma parcela considerável da população urbana, e dada a sua natureza predominantemente familiar e autônoma, não se pode afirmar que elas se constituem atividade plenamente capitalista nem tampouco que se engendram fora do processo de acumulação de capital; 5

6 como segmentos produtivos, em parte devido a dificuldade de acesso ao crédito e a sua débil vinculação com o setor formal, notadamente com o setor público, são praticamente "fechadas" às inovações tecnológicas, em decorrência disso, operam a baixos níveis de produtividade; localizam-se quase que totalmente nas áreas suburbanas das grandes cidades, onde habita um grande contingente populacional de baixa renda. Segundo Lakatos, (1997:203), quanto ao padrão de atuação, geralmente, apresentam: pouca ou nenhuma divisão social e técnica do trabalho; impossibilidade de crescer e expandir-se, sem uma divisão do trabalho mais aprofundada; ausência de um sistema de máquinas e equipamento; cooperação simples; baixa utilização de recursos tecnológicos. O fato relevante é o de que a microempresa pode ser pequena, mas madura, ou seja, ocupar satisfatoriamente um nicho de mercado, permanecendo em equilíbrio com o seu meio ambiente; apesar de ser pequena, pode apresentar todos os requisitos estruturais necessários a sua vida, enfrentando com eficiência e eficácia condições externas desfavoráveis. O CONCEITO DE EMPRESA INSTITUCIONALIZADA Segundo Lakatos (1997), numa economia capitalista a empresa significa uma unidade produtora de bens e serviços, fundamentada na livre iniciativa individual, assim como na obtenção e livre disposição da renda. Sendo assim, a empresa constitui-se em um grupo de indivíduos voltados, a partir de seu interesse, para o objetivo da produção rentável de bens e serviços. Para Druker (1975:70), organização pode ser comparada com "órgãos específicos de crescimento, expansão, mudança e inovação", já Ortuega (apud Lakatos, 1997:199), aponta a necessidade de "meios materiais para seu desenvolvimento, sem os quais não se apresenta viável", enquanto Katz e Kahn (1987:49) comparam as organizações a estruturas sociais e apontam que "as estruturas sociais são sistemas essencialmente inventados". São sistemas imperfeitos e construídos pela ação do homem. O fator que os transforma em conjunto é essencialmente psicológico. Os sistemas sociais são construídos e sustentados pelas atitudes, percepções, crenças, motivações, hábitos e expectativas dos seres humanos Independente das particularidades apontadas, a empresa tem seu início institucional quando adquire personalidade jurídica e por isso é reconhecida, inserindo-se numa larga escala de relações regidas por diplomas legais (controladores e fiscalizadores), que, se lhe permitem uma atuação inovadora e competitiva, garantem direitos e fixam responsabilidades. 6

7 A QUESTÃO DA ECONOMIA INFORMAL A intitulada "economia informal" caracteriza-se por sua "ilegalidade", pois não tem personalidade jurídica, mas atua como uma empresa de produção, comercialização ou serviços. De um lado não paga impostos ou quaisquer encargos sociais, de outro não tem acesso ao crédito, a capitais ou "ajuda" financeira, seja para se manter ou para se expandir. Absorve mão-de-obra economicamente ativa, mais por seu número do que pela quantidade de funcionários que emprega - é normalmente de pequeno porte e suas atividades são executadas em instalações "caseiras", ou seja, seu endereço "comercial" é o residencial, quando não atua como "banca" provisória em ruas movimentadas, sendo seu cliente, o transeunte. A "mortalidade", se bem que um pouco inferior, acompanha as micro e pequenas empresas, pois são da mesma forma "frágeis" perante as mudanças da economia e não têm acesso ao crédito que as poderia "firmar"; o que torna-se vantagem é a mobilidade locacional e a capacidade de alterarem a natureza de suas atividades (Lakatos, 1997). O CONCEITO DA EMPRESA FAMILIAR Um problema administrativo relevante das micro e pequenas empresas, em geral, é quando as mesmas representam "um negócio de família", sendo os cargos ocupados não pelo critério da competência, mas de relação de parentesco. Outro problema, é o fantasma da sucessão, quando se insiste na transmissão "pai-filho", independente da preparação e de adequação para o cargo. De acordo com Donnelley (apud Lodi, 1978:5-6), a empresa familiar pode ser definida como "aquela que se identifica com uma família há pelo menos duas gerações e quando essa ligação resulta numa influência recíproca". Sendo assim, aquela empresa onde a família somente investe capital ou o fundador não tem herdeiros, não se constitui uma empresa familiar. Para Lodi (1978:4), a empresa familiar pode apresentar algumas vantagens: lealdade dos empregados; nome da família; continuidade da administração; união entre acionistas e dirigentes; sistema de decisão mais rápido; sensibilidade social e política do grupo familiar dirigente; geração familiais em sucessão. Essas vantagens não são características comuns a todas as empresas familiares, quanto menores e mais apegadas à família, deixam escapar 7

8 oportunidades em nome de uma "ligação de sangue" ou de "parentesco de afinidade" mal interpretados (Lakatos, 1997). A IMPORTÂNCIA PARA A SOCIEDADE A característica de maiores absorvedoras de força de trabalho faz com que as micro e pequenas empresas promovam a expansão do volume de emprego e, mais importante, o faz a baixo custo, pois requerem, em decorrência da menor sofisticação tecnológica de suas atividades, menor investimento de capital por emprego gerado. Por menor sofisticação tecnológica, entendemos que o setor adota, muitas vezes, processos de produção do tipo "labor intensivo", permitindo o emprego de recursos humanos de menor especialização ou qualificação elevada (Lakatos, 1997). Pode-se apontar outro fator favorável, inerente a atuação das micro e pequenas empresas: a possibilidade de instalarem-se em regiões de capital escasso, como decorrência de sua própria estrutura e organização, facilitando o processo de descentralização industrial e, ao mesmo tempo, oferecendo bens e serviços em regiões interioranas. Dessa forma, exercem um papel dinamizador da política de descongestionamento urbano, pois encontram-se aptas a capacitar localmente, em seu processo de interiorização, mão-de-obra liberada pelo campo. AS CARACTERÍSTICAS DA ESTRUTURA A estrutura diz respeito mais particularmente às pessoas em suas relações de interdependência, na empresa. Para Lakatos (1997:210), seria, portanto, "a disposição de grupos de indivíduos por uma rede de ligações de dependência ou cooperação, partindo de um conjunto elementar que integra sucessão de conjuntos mais complexos. Essas ligações são determinadas de acordo com as responsabilidades e prerrogativas atribuídas a diferentes indivíduos, por meio das decisões da autoridade maior." A maioria das organizações é administrada por um grupo de pessoas que pode variar de tamanho. Esses grupos obedecem uma hierarquia, resultante de planejamento e procedimentos formais e informais. A hierarquia administrativa classifica pessoas e cargos, bem como os interliga. A disposição dos executivos, numa hierarquia, permite a ação administrativa coordenada. A centralização das decisões numa organização vai ocorrer na medida em que as responsabilidades recaírem em apenas uma pessoa. Por outro lado, a descentralização ocorre quando as decisões são tomadas próximo aos órgãos de execução. Um dos grandes problemas das microempresas é sua estrutura extremamente centralizada na figura do "dono" ou "patrão", sendo que a qualificação, na maioria das vezes, deixa a desejar do ponto de vista profissional. Outro fato relevante é que a divisão de setores não é clara, havendo acúmulo de funções decorrente da divisão rudimentar das atribuições. Por fim, há uma tendência de indicar, para cargos de responsabilidade, aquelas pessoas ligadas 8

9 ao "dono" ou por parentesco e laços de lealdade, ou por relações primárias, sendo considerada menos importante a capacitação pessoal para a função. OS DESAFIOS GERENCIAIS Levantamentos do SEBRAE nacional apontam que, um grande contingente de micro e pequenas empresas abertas tem "morte prematura", ou seja, fecham antes de completar o primeiro ano. A razão disso é o fato do mercado apresentar-se altamente competitivo e a consolidação está diretamente associada à sua capacidade de estabelecer níveis de qualidade que lhes permitam participar da competição. Para Megido (1995), os principais problemas vão desde a falta de acesso à informação - a principal causa do fechamento dos pequenos negócios - até aos fatores incontroláveis ou políticas desfavoráveis. Segundo Gracioso (1995:10-11), são causas principais do fechamento prematuro das micro e pequenas empresas: a desinformação e a falta de atualização dos pequenos empresários no que se refere à conjuntura econômica e a outros fatores que refletem diretamente no seu setor. Esta falta de informação leva o empresário a ser pouco prudente; a falta de dedicação total ao negócio. Quem inicia uma pequena empresa só terá êxito se puder e quiser dedicar-se a ela 24 horas por dia. Segundo O SEBRAE Nacional, a taxa de fracassos é ainda mais alta no caso de empresários que entram com o capital e deixam a gerência com parceiros de sua confiança; a falta de competência gerencial e de conhecimento prático do ramo que o empresário escolheu para operar. A estes fatores de ordem geral, podem-se acrescentar a falta de orientação para o mercado e o desconhecimento das normas básicas de marketing, que devem ser seguidas para que se possa ter êxito ao competir com os concorrentes. Pesquisas do mesmo SEBRAE, segundo Megido (1995), apontam, dentre as deficiências gerenciais mais comuns nas pequenas empresas, a ausência de planejamento de uma forma geral e, particularmente, em marketing e vendas. Indo além, as pesquisas revelam, também, que essas empresas desperdiçam muitos recursos por ineficácia gerencial. Para Megido (1995:72), são deficiências gerenciais das micro e pequenas empresas: 90% não utilizam recursos de informática; 85% não utilizam técnicas de marketing; 80% não utilizam treinamento de recursos humanos; 75% não utilizam layout planejado; 65% não utilizam sistemas de avaliação de produtividade; 60% não utilizam mecanismos de avaliação de qualidade; 9

10 50% não utilizam planejamento de vendas; 47% não utilizam sistema de controle de estoques; 45% não utilizam sistemas de apuração de vendas; 40% não utilizam planejamento de produção Finalmente, de acordo com Drucker (1975:94), a pequena empresa necessita de: estratégia - a fim de encontrar seu nicho ecológico, no qual tenha pelo menos uma vantagem sobre as demais empresas, para poder enfrentar competições. Esse nicho pode ser liderança em um mercado distinto, definido pela geografia, necessidades ou valores dos consumidores; tarefas - bem organizadas e estruturadas pela administração. Neste ponto, torna-se necessário a presença de um executivo, com dedicação integral às tarefas, certa responsabilidade funcional e que saiba identificar as atividades básicas para a obtenção dos objetivos propostos. Como os recursos são limitados, principalmente em relação a pessoas capazes, a concentração lhe é fundamental, para que não haja dispersão de recursos; sistemas de controle e informação - para prever, com antecedência, quando e onde suas necessidades financeiras aumentarão, uma vez que os recursos são limitados. A empresa precisa conhecer as mudanças em seu meio ambiente, a posição do seu pessoal-chave, a produtividade e seus recursos escassos, a distribuição de seus clientes, e o mercado final de seus bens ou serviços. Após a contextualização das micro e pequenas empresas no cenário brasileiro, percebe-se, em particular, o quão necessário é o preparo dos pequenos empreendedores para que possam dotar as suas empresas de instrumentos de planejamento, de uma forma geral. Dentre esses instrumentos, vale destacar o marketing e, em especial, as vendas. O MARKETING E AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Na busca da consolidação de suas empresas, os pequenos empreendedores tentarão desenvolver suas capacidades para estabelecer níveis de qualidade que lhes permitam competir no mercado. Partindo dessa observação, a análise do marketing, bem como sua utilização pelas micro e pequenas empresas, faz-se necessário. Para tal, será apresentado: o cenário mundial e o conceito de marketing, o ambiente externo e suas influências sobre as empresas, as vantagens competitivas e o marketing, o aproveitamento das oportunidades de mercado através do marketing, o marketing de serviços e o desafio da comunicação com o mercado. O CENÁRIO MUNDIAL E O CONCEITO DE MARKETING 10

11 Vivemos hoje um momento especialmente singular na história da humanidade, um novo patamar que coincide com a chegada do próximo milênio. Acumulou-se um significativo acervo científico e tecnológico e aconteceram grandes mudanças político-econômicas, culturais e sociais (Ferreira, 1995). Observando as novas fronteiras comerciais dos países, depara-se com os Blocos Econômicos, que se formaram com o objetivo de fortalecer a expansão mundial dos seus negócios. Esse cenário tem provocado um aumento significativo nos fluxos das transações internacionais, com conseqüências sobre os ambientes internos dos países, induzindo mudanças de alto impacto nos padrões de competitividade. Segundo Ferreira (1995:121), "além da concorrência, os consumidores "já não são os mesmos": estão muito mais conscientes de seus direitos, melhor protegidos pelas leis e com mais facilidades para usá-las em defesa própria. Agem menos impulsivamente e mais racionalmente: procuram, compram, avaliam, buscam vantagens e reclamam". Neste ponto, as empresas devem ter uma maior atenção: embora mais exigentes, os consumidores procuram, com obstinação, mais facilidades e mais prazer, orientando-se por uma "filosofia" de desfrutar a vida intensamente. Neste aspecto, o consumo é favorecido e abre espaço para o marketing. Mas o que é marketing? Para Ferreira (1995:121), "marketing significa, acima de qualquer coisa, um compromisso em assumir e desencadear processos administrativos que assegurem a imagem e o posicionamento da empresa e de seus produtos e/ou serviços, em meio à concorrência, pela efetiva e crescente satisfação do consumidor, para se atingir os resultados almejados". Segundo Kotler (1998:27), "marketing é o processo social e gerencial pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e desejam através da criação, oferta e troca de produtos e valores com outros." Já Las Casas (1997:30), " Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca, orientadas para a satisfação dos desejos e necessidades dos consumidores, visando alcançar determinados objetivos de empresas e indivíduos e considerando sempre o meio ambiente de atuação e o impacto que essas relações causam no bem-estar da sociedade" Deve-se destacar que a satisfação das necessidades do consumidor é vital - para qualquer organização - a fim de atingir suas metas. O marketing evidencia, com clareza, a visão, os interesses e os valores do empreendedor. Segundo Ferreira (1995: ), para obter resultados favoráveis a partir do marketing, os empreendedores devem reconhecer que: 11

12 a empresa atua em uma economia cada vez mais competitiva e sofisticada, na qual a crescente satisfação do consumidor é fato essencial para o alcance dos seus resultados pretendidos; ter visão empresarial é orientar toda a empresa para o mercado e para o consumidor e prover os meios - funções, estrutura e tecnologia - para garantir a efetividade do marketing; marketing é uma função estratégica e sua mais importante "matériaprima" é a informação, que age como um autêntico fluxo vital que alimenta a estrutura, transformando-se em estratégias, planos, objetivos, metas e ações; o exercício das funções de marketing é próprio de uma área particular da empresa mas, literalmente, toda organização deve estar voltada para a crescente satisfação do consumidor e devidamente preparada para assegurá-la. O AMBIENTE EXTERNO E SUAS INFLUÊNCIAS SOBRE AS EMPRESAS Os empreendedores e estudiosos passaram a reconhecer e a entender o fato de que as empresas são parte de um todo, de um sistema maior e mais complexo em que elas estão inseridas. Tal fato deve-se pelo próprio desenvolvimento e acontecimento de grandes mudanças na sociedade. Este sistema maior é o próprio ambiente externo que envolve as empresas, caracterizando-se por uma poderosa dinâmica de forças, interesses e conflitos que acabam por exercer influências diretas e imediatas sobre as empresas ou que terão impacto no futuro próximo, mediato (Ferreira, 1995). Conhecer e avaliar o comportamento das forças ambientais, é uma função do marketing por ser esta a área que se relaciona diretamente com o mercado ao qual a empresa encontra-se exposta. Para Ferreira (1995:123), o empreendedor deve distinguir dois grupos distintos de influências: as influências gerais - mediatas: dizem respeito a influências gerais do meio denominada fatores ou variáveis, que afetam todas as organizações indistintamente. Quase sempre produzem efeitos a médio e longo prazo, até se transformarem em oportunidades ou ameaças presentes. Pode-se destacar como as mais importantes: economia e políticas econômicas; legislação; política interna tecnologia ambiente sócio-cultural as influências diretas - imediatas: referem-se também ao ambiente externo que envolve alguns componentes decisivos para a empresa: consumidores e organizações. O foco direciona-se para os 12

13 componentes que interagem com a empresa movidos por interesses mútuos de negócios. A importância dessas relações interativas de trocas e ganhos é intensa; é a própria essência de ser do marketing. Pode-se destacar como as mais importantes: os consumidores; os concorrentes; os fornecedores; os órgãos regulamentadores. AS VANTAGENS COMPETITIVAS E O MARKETING Muitos pequenos empreendedores têm uma visão errônea do marketing e de suas possibilidades. No entanto, da obtenção de vantagens competitivas duradouras, que constitui a essência do marketing moderno, depende o sucesso dos pequenos empreendimentos, principalmente nas atuais condições do mercado. Segundo Pires (2000:18) a capacidade de uma organização competir "é determinada num primeiro plano por seu sistema de gestão. Num plano mais profundo pela competência de seus colaboradores, expressa em suas decisões e em seus comportamentos de como utilizar seus recursos, elaborar seu sistema de gestão e atuar em seu mercado-alvo". As qualidades mais positivas dos empreendedores, neste setor, são a intuição e a propensão para fazer as coisas de maneira simples. E as suas maiores limitações são o desconhecimento ou o desinteresse pelas técnicas financeiras e a crença nos "milagres" que o marketing - supostamente - pode realizar (Gracioso, 1995). Em primeiro lugar, os pequenos empreendedores associam o marketing primordialmente à comunicação. Para eles, marketing se resume em ruidosas campanhas de propaganda, com algumas ações complementares no ponto de venda. Em segundo lugar, os pequenos empreendedores de êxito, são dotados de intuição para o marketing mas, freqüentemente, manejam bem apenas dois dos quatros elementos do marketing mix: o produto e o preço. Sente-se pouco à vontade quando se trata dos outros dois - a distribuição e a promoção. Finalmente, segundo as pesquisas de Gracioso (1995), os empreendedores de pequenos negócios, apesar de dominarem parcialmente os elementos do marketing mix, conseguem buscar meios para servir o consumidor antes e/ou melhor do que os concorrentes e assim praticar a essência do marketing, gerando vantagens competitivas. O APROVEITAMENTO DAS OPORTUNIDADES DE MERCADO ATRAVÉS DO MARKETING 13

14 De acordo com Gracioso (1995:12) "a intuição é o bem mais precioso do pequeno empreendedor e o produtos e/ou preço são as armas de marketing que ele deve utilizar preferencialmente". O pequeno empreendedor tem sobre seus concorrentes de grande porte a vantagem de estar mais próximo do consumidor e de conhecer melhor as suas necessidades, anseios e aspirações. Sendo assim, o pequeno empreendedor não pode perder contato com a realidade que o cerca. "A melhor fonte para sua inspiração é a sociedade que ele vive. Diante desta, sociedade deve ser, antes de tudo, um inovador"(gracioso, 1995:12). Quanto mais complexa for uma sociedade, maiores são as oportunidades que surgem para o pequeno empreendedor, principalmente para o posicionamento em nichos e para a introdução de novos processos e tecnologias que reduzam o custo de produtos já estabelecidos. No contexto de uma estratégia de marketing, os dois elementos que os pequenos empreendedores melhor sabem manejar - o produto e o preço - têm como função ajustar a empresa à demanda existente ou a ser criada. Os elementos que estimulam a demanda - a distribuição e a promoção - não são seus pontos fortes, pois exigem recursos técnicos e financeiros que a pequena empresa, geralmente, não possui. Assim, o pequeno empreendedor, na medida do possível, deve evitar qualquer empreendimento cujo sucesso depende do estímulo da demanda. Será sempre mais seguro iniciar e basear o seu negócio numa vantagem competitiva (de preço ou de diferenciação qualitativa) numa área ou setor em que já existe uma demanda bem-estruturada. O MARKETING DE SERVIÇOS Segundo Gianesi e Corrêa (1996), os serviços possuem três caraterísticas: a) intagibilidade: os serviços são experiências que o cliente vivencia enquanto que os produtos são coisas que podem ser possuídas; b) a presença e participação do cliente no processo: o cliente é o elemento que dispara a operação - muitas vezes em termos de quando e como deve realizar-se - constituindo uma entrada do sistema de operações da empresa que não é diretamente controlada pela empresa; c) a produção e o consumo são simultâneos: geralmente, não há uma etapa intermediária entre a produção de um serviço e seu consumo por parte do cliente. Como conseqüência, os serviços não podem ser estocados, eliminado-se a possibilidade de isolamento do sistema de operações das variações do ambiente externo, através de estoques. Gracioso (1995), aponta que o serviço é algo intransferível, pois tem seu valor associado à pessoa ou empresa à qual se destina. Por outro lado, a qualidade do serviço é inerente a esta noção de valor. A qualidade o distingue de 14

15 um produto, em relação aos demais e gera a confiança, que é a chave do sucesso do prestador de serviços, porque os serviços não são tangíveis. Quando se adquire algo intangível, o fator preponderante na decisão é a confiança que merece o fornecedor. De acordo com Csillag (1995:62), "o valor real de um produto, processo ou sistema é o grau de aceitabilidade de um produto pelo cliente e, portanto, é o índice final do valor econômico. Quanto maior é o valor real de um item sobre outro que sirva para a mesma finalidade, maior será a probabilidade de vencer a concorrência. O valor real de um produto, serviço ou processo é sempre uma entidade relativa e corresponde à combinação de tipos específicos de valores. Em geral, aumenta com maiores valores de uso e de estima e diminui com o crescimento do valor de custo". Portanto, valor pode ser melhorado relacionando a função ao custo. Na perspectiva do cliente, esta relação qualitativa pode ser expressa como: Valor Percebido = Benefícios Percebidos/Preço (Csillag, 1995:62). Neste ponto, o marketing pode ter dois enfoques distintos - o de ocasião e o de relacionamento - sendo que nos serviços figurará o marketing de relacionamento. A administração do relacionamento com o cliente é tão importante quanto o próprio serviço que é oferecido. A longo prazo, o alcance do êxito está vinculado à capacidade do empreendedor de compreender e até antecipar as necessidades e expectativas do cliente. Além desta postura, o empreendedor de serviços deve ser também hábil negociador, capaz de prestar informações corretas, de enfrentar objeções, de administrar conflitos e chegar a um desfecho favorável. Segundo Megido (1995:19), existem cinco níveis de relacionamento em marketing: impessoalidade: quando o vendedor/fornecedor trata friamente e superficialmente seu cliente; reação: ocorre quando o vendedor/fornecedor simplesmente reage, colocando-se à disposição do cliente somente depois de solicitado; responsabilidade: ocorre quando o vendedor/fornecedor se preocupa em saber se os compromissos com o cliente foram cumpridos, quando se antecipa a eventuais problemas; proatividade: ocorre quando o vendedor/fornecedor se antecipa às necessidades do cliente preocupando-se com a utilização do produto e sua performance após a venda; parceria: ocorre quando o vendedor/fornecedor se relaciona de modo integral com o cliente, ultrapassando a preocupação com o uso do produto ou assistência ao usuário após a venda. 15

16 O relacionamento do empreendedor de serviços com o seu cliente inclui três fases distintas e igualmente importantes: (1) a pré-venda; (2) a venda propriamente dita; e (3) a pós-venda. "A pós-venda reveste-se de um significado especial, pois a experiência mostra que na venda de serviços os nossos velhos clientes são a maior e mais segura fonte de novos negócios"(gracioso, 1995:16). O DESAFIO DA COMUNICAÇÃO COM O MERCADO A comunicação com o mercado transformou-se em um tema de grande interesse para os pequenos empreendedores. A comunicação, neste caso, é usada no sentido de informar e persuadir os consumidores, promovendo os produtos ou serviços e estimulando a sua demanda. "A comunicação dirigida tornou-se economicamente interessante a partir da utilização de bancos de dados em computador, que permitem a execução de promoções por via postal ou telefônica, enfocando segmentos bem determinados de um mercado" (Gracioso, 1995:16). Usando a imaginação, o pequeno empreendedor pode encontrar formas alternativas de comunicação - sempre que possível - buscando a conjugação da comunicação com a venda. Com esta estratégia, a empresa estará permitindo que o cliente faça a sua compra imediatamente, caso se sinta persuadido pela mensagem. Outra forma, seria a de explorar a embalagem. Esta pode ser uma peça promocional em si mesma, informando, persuadindo o consumidor e valorizando o produto. Vale ressaltar que as estratégias de comunicação utilizadas pelas grandes empresas - a propaganda e as promoções no ponto-de-venda - raramente estão ao alcance dos pequenos, sendo uma alternativa, para esses pequenos, as mensagens dirigidas aqui comentadas. Neste momento, fica evidente que o conhecimento das regras básicas de marketing pode levar os pequenos empreendedores (e consequentemente as suas empresas) a adotarem uma postura para o mercado, bem como obterem êxito ao competir com os concorrentes. FAZENDO DO MERCADO O PRINCÍPIO E O FIM DOS ESFORÇOS Fazer do mercado o princípio e o fim dos esforços é, principalmente, entender que a empresa atua numa economia cada vez mais competitiva e sofisticada, na qual a crescente satisfação do consumidor é fato essencial para o alcance dos resultados empresariais. Procurando responder a esta colocação serão apresentados: algumas considerações sobre posturas adotadas por pequenos empreendedores; estratégias para a definição do mercado-alvo; aspectos da definição do mix de marketing; reflexões sobre a postura do empreendedor como o grande vendedor do seu negócio e a questão da qualidade total em vendas. COMEÇANDO PELAS EXPERIÊNCIAS DE OUTROS 16

17 Tendo com base o estudo de 14 casos de pequenas empresas, Gracioso (1995: ) apresenta algumas considerações importantes sobre a postura dos empreendedores: foram prudentes. Evitaram fazer empréstimos bancários e mantiveram baixos os níveis dos estoques. Evitaram, também, investir em equipamentos e instalações superdimensionadas; orientaram-se para o mercado. O mercado foi encarado como sendo o começo e o fim de todos os esforços na organização. Utilizaram o marketing para ajudar a identificar e atender às necessidades do mercado de forma melhor do que os concorrentes; procuraram estabelecer vantagens competitivas duradouras em relação aos concorrentes. Estas vantagens foram de dois tipos: (1) diferenças qualitativas ou (2) vantagens de custo; transformaram-se no "vendedor número 1" de suas empresas. Estabeleceram um relacionamento duradouro, que inspirou confiança aos clientes; habituaram-se a planejar para o futuro. Foram definidas com clareza a missão da empresa. Os objetivos de longo prazo foram definidos, bem como as metas. E por último, as estratégias de ação foram selecionadas e implementadas; foram persistentes. Aprenderam a trabalhar com as frustrações e a não desistir quando as coisas não deram certo; foram ágeis e rápidos nas suas ações. Uma vez tomada uma decisão, não perderam tempo para colocá-la em prática; usaram a imaginação e a criatividade para resolver os seus problemas ou para aproveitar as oportunidades. Procuraram sempre uma solução nova, original, obtendo vantagens competitivas em relação aos seus concorrentes. DEFININDO O MERCADO-ALVO Podemos definir estratégia como sendo "um caminho, ou maneira, ou ação estabelecida e adequada para alcançar os desafios e objetivos da empresa" (Oliveira, 1995:75). Segundo Gracioso (1995:140) "definir uma estratégia de ação é como definir o caminho para a solução de um problema". Para reduzir os riscos envolvidos, quando da escolha do caminho a seguir, a formulação da estratégia exige duas etapas: (1) análise do problema e (2) a tomada de decisão. Definir a estratégia de marketing significa, primeiro, definir o mercado-alvo. O foco no mercado-alvo de uma empresa é dado pelo processo de segmentação de mercado. Ao escolher o segmento o empreendedor quer concentrar todo o 17

18 esforço de conquista de mercado e posicionar o produto ou serviço. Posicionar o produto significa torná-lo capaz de atender às expectativas e necessidades do segmento antes dos concorrentes. Antes de tudo é preciso definir: (1) a quem vamos servir - qual é o públicoalvo? e (2) como vamos servir - que características deverá ter o produto ou serviço? Que preço fixar? Como distribuir? e como comunicar com os nossos clientes? Para Gracioso (1995:141), "a segmentação é um trabalho criativo e exige sensibilidade para perceber oportunidades que os concorrentes ainda não enxergaram". O pequeno empreendedor deve ter em mente que a estratégia de marketing é essencialmente uma estratégia de segmentação e concentração. Em outras palavras, identificar o nicho de mercado em que quer operar e nele concentrar todos os esforços, de forma a atender as necessidades daquele nicho melhor do que qualquer concorrente. São tipos de segmentação mais comuns: Produtos destinados diretamente ao mercado consumidor: geográfica: bairro, cidade ou região; demográfica: sexo, renda, idade, educação, tamanho da família; posturas: inovação, conservadorismo, alienação, dogmatismo; comportamento: forma de uso, hábitos de compras, quantidade usada; benefícios: economia, simplicidade, status, estilo/moda. Produtos e serviços intermediários destinados ao mercado industrial: tecnologia do produto; geografia; aplicações do produto; comportamento ou motivação do comprador. Definido a estratégia de segmentação, é preciso que as empresas se posicione. Este posicionamento pode ocorrer de duas formas distintas e únicas (Gracioso, 1995:142): ter uma posição dominante num pequeno nicho. O produto será feito "sob medida" para as necessidades deste pequeno grupo. Neste caso, a principal vantagem da empresa está na diferenciação ou inovação; ter uma participação média ou grande num mercado já estabelecido. Neste caso, a principal vantagem está no baixo custo. Para tanto a empresa terá que ser mais eficiente que os concorrentes. O posicionamento estará condicionado a conjugação de dois fatores: as características do mercado no qual a empresa deseja atuar. As vantagens competitivas dependerão mais da inovação ou do custo? 18

19 recursos e características da empresa. Se a opção for a inovação, a empresa terá que ter capacidade para desenvolver diferenças relevantes para o consumidor e isto poderá implica em novas tecnologias, novos conceitos de serviços, novas formas de distribuição ou novas maneiras de apresentar o produto. Se a opção for o baixo custo, a empresa terá que ser capaz de produzir com mais eficiência do que os concorrentes e isto poderá implicar na padronização e simplificação dos produtos, bem como na otimização de processo de produção e do relacionamento com fornecedores e revendedores. DEFININDO O MIX DE MARKETING Definir o mix de marketing trata-se de definir como a empresa irá servir o mercado-alvo por meio das características específicas do produto, da fixação da política de preços mais apropriada, da forma de distribuição e promoção do produto e do meio de comunicação com o mercado - propaganda, promoção e comunicação dirigida (Gracioso, 1995). Antes da definição do mix de marketing, o empreendedor deve proceder a análise de marketing, destacando: mercado. Conhecer o tamanho, índices de crescimento, características da concorrência, margens de lucro mais comuns, características da distribuição. Conhecer também a tendência do mercado - ascensão, maduro ou em declínio?; cliente/consumidor. Trata-se de descobrir tudo a respeito do consumidor - sua características, opiniões, preferências, e expectativas. Os pequenos empreendedores, por limitação de recursos, não podem custear pesquisas de mercado, mas podem aprender muito simplesmente falando com as pessoas; concorrência. O essencial é conhecer o "poder de resposta" dos concorrentes. O que o concorrente poderá fazer, quando se sentir ameaçado por outra empresa? pontos fortes e pontos fracos. Trata-se de fazer a avaliação realista das forças e fraquezas da empresa em relação aos concorrentes e em função dos objetivos que se pretende atingir. O EMPREENDEDOR COMO O GRANDE VENDEDOR DO SEU NEGÓCIO De acordo com Megido (1995:139), a teoria e a experiência concreta das empresas demonstram que: empreendedor precisa assumir o compromisso de vendas e de relacionamento com o mercado; para colocar o cliente em primeiro lugar, o empreendedor precisa por o seu empregado também em primeiro lugar; 19

20 ou o empreendedor vira o vendedor número 1 da sua empresa, ou perde o negócio. O segredo do sucesso do negócio moderno está na habilidade que o empreendedor demonstra ao relacionar-se com o mercado. O empreendedor precisa exercer a liderança no seu negócio, por meio do exemplo do relacionamento, da venda moderna, da venda construtiva e não mais da venda manipulativa. "Fundamentalmente na pequena empresa, a parceria e a modernidade das relações são sagradas"(megido (1995:139). A venda nãomanipulativa, criteriosa, baseada em relacionamento e parceria, leva a mais e novas vendas, cujo objetivo final é manter clientes, agregar novos negócios e diminuir sensivelmente o índice de clientes perdidos. Para Megido, (1995:139), "quanto maior é o conhecimento do consumidor sobre a tecnologia ou sobre os produtos ou serviços, maior é a importância do relacionamento". O papel do "empreendedor-vendedor" é organizar as informações e oferecer ao cliente um projeto estruturado, uma solução inteligente para o seu problema ou expectativa. Esta é a definição do valor do empreendedor, aquilo que ele é representa a razão do seu sucesso. A definição do valor do empreendedor está relacionada com o fato dele ter a consciência de sua importância específica e transmiti-la a toda a sua equipe, que, assim estará apta e identificar em que a empresa é realmente importante para o cliente. A QUESTÃO DA QUALIDADE TOTAL EM VENDAS Segundo Pires (2000:16), "a qualidade é uma conseqüência (um produto) de um sistema de gestão. O sistema de gestão é determinado por pessoas, que são os colaboradores internos da empresa. Estes, por sua vez, são influenciados por outras pessoas (cliente, concorrentes, etc.) e pelo próprio mercado". Continuando, Pires (2000:17) afirma que "o grande objetivo da qualidade, e do próprio sistema de gestão da empresa é garantir a efetividade junto ao mercado-alvo". Dessa forma, pode-se perceber que a área de vendas tem uma importância decisiva na melhoria da qualidade percebida pelo cliente, sendo em grande medida responsável pelo retorno dos investimentos. Megido (1995:128), enumera dez pontos básicos para a empresa atingir a qualidade total em vendas: comprometimento administrativo. Se o empreendedor enxergar a importância dos recursos humanos dentro da empresa, ele terá, como retorno, equipes engajadas no processo de qualidade total; medir a qualidade de trabalho dia-a-dia, para conseguir bons resultados no futuro; 20

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os valores éticos como base da ação. Aidentidade de nosso Grupo assenta-se historicamente num conjunto de valores que foram ao longo dos anos visados e tutelados

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS OFICINA 2 Professora: Izabel Portela izabel@institutoiris.org.br Novembro - 2007 1 M A R K E T I N G

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

A l e x a n d r a P a u l o

A l e x a n d r a P a u l o A l e x a n d r a P a u l o ESCOLA SECUNDÁRIA SERAFIM LEITE TRABALHO FINAL TÉCNICAS DE VENDA Alexandra Paulo 11ºI Nº 21160 Disciplina: Comercializar e vender Prof: João Mesquita 20-12-2012 2012-2013 1

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades UNIDADE 3 Identificação de oportunidades Provavelmente seja um dos maiores mitos sobre as novas idéias para negócios: a idéia deve ser única. Na realidade pouco importa se a idéia é única ou não, o que

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON Antonio Henrique Neto, Discente da Faculdade Integrada de Pernambuco - FACIPE Suzane Bezerra de França, - FACIPE, SEDUC/PE docente. suzyfranca@yahoo.com.br

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas Perfil... Atuando há 20 anos em vendas Jean Oliveira já viveu na pele cada experiência que essa profissão promove, é especialista com MBA em Estratégias de Negócios e graduado em Tecnologia de Processamento

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

Estudo de Caso 2 O CASO HIME. Introdução

Estudo de Caso 2 O CASO HIME. Introdução Estudo de Caso 2 O CASO HIME Introdução Empresa de Tecnologia Localizada no Rio de Janeiro, A Hime Informática se destaca pelo enorme sucesso obtido pelo o Hime System, o primeiro software do mercado a

Leia mais

10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA

10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA 10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA JOINVILLE/SC - BRASIL - 4 a 7 de outubro de 2005 Local: Centreventos Cau Hansen PADRÕES INTERNACIONAIS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS APLICADOS À CONSERVAÇÃO

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

MEGAINVEST. Código de Ética

MEGAINVEST. Código de Ética Código de Ética Sumário - Do Código de Ética - Filosofia Corporativa - Valores - Do Relacionamento Interno, Externo e Políticas Relacionadas - Exceções ao Código, Sanções e Punições Acreditamos que, no

Leia mais