LEI COMPLEMENTAR N. 132, DE 27 DE MARÇO DE 2014 Poder Executivo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEI COMPLEMENTAR N. 132, DE 27 DE MARÇO DE 2014 Poder Executivo"

Transcrição

1 LEI COMPLEMENTAR N. 132, DE 27 DE MARÇO DE 2014 Poder Executivo Dispõe sobre o Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde e dá outras providências. O Prefeito do Município de Lucas do Rio Verde, Estado de Mato Grosso. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei Complementar: Art. 1º O Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde, área destinada às empresas que receberão os incentivos da presente lei, é composto pelos imóveis constantes nos loteamentos Setor Industrial V e VI, conforme os mapas Anexo I. Art. 2º Os incentivos para implantação das empresas no Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde, consistirão na alienação parcelada dos imóveis e isenções fiscais constantes nesta lei. Parágrafo único. Não serão contempladas com os incentivos da presente lei, as empresas que já gozaram, na mesma atividade pleiteada, de benefício de isenções fiscais e de pagamento parcelado de imóveis industriais do Município de Lucas do Rio Verde. Art. 3º Para solicitação dos incentivos da presente lei os interessados deverão protocolar junto a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, carta consulta e projeto de viabilidade econômico-financeiro, devendo conter a descrição da atividade do projeto, a geração de emprego, o valor do investimento, a indicação e a justificativa de área necessária, nos termos constantes no Anexo II. Art. 4º A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, ad referendum do Conselho de Desenvolvimento Econômico de Lucas do Rio Verde - CODEL, emitirá parecer sobre a carta consulta e projeto de viabilidade econômico-financeiro em até 30 (trinta) dias e, sendo favorável, será firmado o Termo de Reserva de Imóvel no Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde, conforme Anexo III. Art. 5º Após ser firmado o Termo de Reserva de Imóvel no Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde o interessado deverá, num prazo de no máximo 60 (sessenta) dias, apresentar os seguintes documentos para aprovação do órgão competente: I - de constituição da empresa no endereço indicado no Termo de Reserva de Imóvel no Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde, com as respectivas certidões negativas de tributos federais, estaduais e municipais; II - projetos arquitetônico, estrutural, de instalações hidrossanitárias e elétricas, de prevenção contra incêndio, de plantas de pavimentos, situação e localização, com as ART - Anotação de Responsabilidade Técnica, memoriais descritivos e cronograma de execução de obra, para análise e aprovação do setor municipal competente, que

2 observarão, além das normas técnicas da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, o Código Municipal de Obras e Edificações e outras legislações pertinentes. Art. 6º A não apresentação dos documentos descritos no artigo 5º, no prazo estabelecido, ensejará cancelamento automático do Termo de Reserva de Imóvel no Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde. Art. 7º Após aprovação dos projetos técnicos pelo setor municipal competente a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico notificará o interessado a firmar, no prazo preclusivo de 10 (dez) dias, o Termo de Cessão de Uso de Imóvel do Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde, conforme Anexo IV e conceder-lhe-á o alvará de construção. Art. 8º No caso de existirem duas ou mais empresas da mesma atividade, interessadas na mesma área, os critérios, por exclusão, a serem adotados para o desempate serão: I - maior número de empregados; II - maior valor de investimento; IV - ordem de reserva. Art. 9º A obra deverá ser iniciada e concluída de acordo com o cronograma de execução devidamente aprovado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico. Art. 10. Os valores dos imóveis do Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde de Lucas do Rio Verde, mencionados no Anexo I serão os constantes no Anexo V. 1º As empresas aprovadas poderão efetuar o pagamento dos imóveis da seguinte forma: I - à vista, com pagamento na data da assinatura do Termo de Recebimento do Imóvel, Anexo VI: a) 10% (dez por cento) de desconto sobre o valor total do imóvel para os lotes localizados nas quadras 05, 14 e 26, que façam frente com a Rodovia MT 449; b) 20% (vinte por cento) de desconto sobre o valor total do imóvel para os lotes localizados nas quadras 03, 09, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 19, 20, 21, 22, 27, 30, 34, 38, 43 e 48, que fazem frente com a Avenida João Paulo I; c) 30% (trinta por cento) de desconto sobre o valor total do imóvel para os demais lotes; II - a prazo sendo: a) a primeira parcela de no mínimo 20% (vinte por cento) do valor total do imóvel, pagos na data da assinatura do Termo de Cessão de Uso de Imóvel e o restante do valor em até 48 (quarenta e oito) parcelas mensais iguais e consecutivas.

3 2º Os valores dos imóveis serão atualizados de acordo com a Unidade Fiscal de Lucas do Rio Verde - UFL. Art. 11. No caso de parcelamento do pagamento do imóvel, o descumprimento do disposto nos artigos 9º, 10 e 13 implicará à empresa: I - o não pagamento de 03 (três) parcelas é causa de rescisão do Termo de Cessão de Uso de Imóvel do Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde, independentemente de qualquer aviso ou interpelação, retornando o imóvel imediatamente à posse do Município de Lucas do Rio Verde e: a) quanto as benfeitorias porventura existentes no imóvel, após a desocupação do imóvel, será realizada avaliação pelo Departamento de Engenharia do Município, e o pagamento desta ficará condicionada expressamente a existência de interessado, na aquisição do imóvel e nas condições que este assumirá as benfeitorias; b) quanto aos valores pagos referente ao Termo de Cessão de Uso de Imóvel não serão restituídos às empresas que gozaram ou estiverem gozando do benefício de isenção fiscal do Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde, como compensação pelos benefícios fiscais recebidos e pelo uso do imóvel, às demais empresas, após a retomada do imóvel e sua desocupação pela empresa, serão restituídos os valores pagos no prazo de até 30 (trinta) dias da desocupação do imóvel. II - o não cumprimento do cronograma de execução aprovado será notificado pelo Município para adequação no prazo de até 30 (trinta) dias e a não adequação no prazo estabelecido é causa de rescisão do Termo de Cessão de Uso de Imóvel do Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde, retornando o imóvel imediatamente à posse do Município de Lucas do Rio Verde e: a) quanto as benfeitorias porventura existentes no imóvel, após a desocupação do imóvel, será realizada avaliação pelo Departamento de Engenharia do Município, e o pagamento desta ficará condicionada expressamente a existência de interessado, na aquisição do imóvel e nas condições que este assumirá as benfeitorias; b) quanto aos valores pagos referente ao Termo de Cessão de Uso de Imóvel não serão restituídos às empresas que gozaram ou estiverem gozando do benefício de isenção fiscal do Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde, como compensação pelos benefícios fiscais recebidos e pelo uso do imóvel, às demais empresas, após a retomada do imóvel e sua desocupação pela empresa, serão restituídos os valores pagos no prazo de até 30 (trinta) dias da desocupação do imóvel. III - as obrigações assumidas pela empresa beneficiária se transferem aos seus herdeiros e sucessores, em qualquer caso deverá haver a expressa anuência do Município de Lucas do Rio Verde. IV - enquanto houver o parcelamento, não será permitida a locação do imóvel, e caso haja, a empresa beneficiária terá dado causa a rescisão do Termo de Cessão de Uso de Imóvel e será procedido de acordo com o inciso II deste artigo.

4 Art. 12. Quitado o imóvel o Município de Lucas do Rio Verde outorgará a escritura definitiva, mediante a comprovação das exigências legais para transferência de imóveis. Art. 13. Será concedido tratamento diferenciado as Microempresas, as Empresas de Pequeno Porte e aos Microempreendedores Individuais - MEI, que comprovarem ter seus proprietários residência em Lucas do Rio Verde anterior a 31 de julho de 2012, e que adquiram apenas um lote de até 420,00m² (quatrocentos e vinte metros quadrados), nos seguintes termos: 1º O pagamento parcelado do valor imóvel será da seguinte forma: I - para as Empresas de Pequeno Porte, a primeira parcela de 10% (dez por cento) do valor total do imóvel, e o restante do valor em até 36 (trinta e seis) parcelas mensais iguais e consecutivas, com pagamento da primeira parcela na data do Termo de Cessão de Uso do Imóvel; II - para as Microempresas e aos Microempreendedores Individuais MEI, em até 48 (quarenta e oito) parcelas mensais iguais e consecutivas, com pagamento da primeira parcela na data da assinatura do termo de Cessão de Uso do Imóvel. 2º Os valores dos imóveis serão atualizados de acordo com a Unidade Fiscal de Lucas do Rio Verde - UFL. Art. 14. Fica o Poder Público Municipal autorizado a destinar uma área no Espaço do Empreendedor, para incubação de empresas, visando o fomento de pequenos empreendimentos, especialmente os Microempreendedores Individuais (MEI). Art. 15. As empresas aprovadas para se instalarem no Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde tratado nesta Lei gozarão até 31 de dezembro de 2017, das seguintes isenções fiscais: I - de 100% (cem por cento) do Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza - ISSQN, da construção civil da sede da sua planta industrial e das atividades de prestação de serviços realizados pela empresa a terceiros; II - de 100% (cem por cento) do IPTU e Taxa de Alvará de Localização e Funcionamento; 1º A concessão dos incentivos fiscais mencionados nesta lei não eximem as empresas de cumprir com suas obrigações fiscais acessórias, especialmente a emissão de notas e escrituração de livros fiscais. 2º Os incentivos fiscais desta lei serão concedidos apenas a primeira empresa adquirente do imóvel e somente até o teto do valor do investimento realizado, quando então cessa o benefício. Art. 16. Os incentivos fiscais previstos nesta lei ficam condicionados à renovação anual, mediante requerimento do interessado com apresentação de relatório contendo as informações contidas no Anexo VII.

5 Parágrafo único. A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico poderá, a qualquer tempo, requerer informações e a comprovação por parte da empresa beneficiária da manutenção das condições e metas que a habilitaram na concessão dos incentivos. Art. 17. Caberá às empresas beneficiadas o cumprimento das demais legislações pertinentes, especialmente as de proteção ao meio ambiente, ficando a empresa obrigada ao tratamento dos resíduos por ela produzidos. Art. 18. A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico é responsável pela fiscalização integral da presente Lei, respondendo solidariamente em caso de omissão, na pessoa do seu secretário. Art. 19. As questões suscitadas serão objeto de análise pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, ad referendum do CODEL - Conselho de Desenvolvimento Econômico de Lucas do Rio Verde. Art. 20. Fazem parte integrante desta lei os seguintes anexos: I - Anexo I - Mapa A do Espaço do Empreendedor que compreende o Setor Industrial V e Mapa B do Espaço do Empreendedor que compreende o Setor Industrial VI, que dispõe esta lei; II - Anexo II - Modelo do projeto de viabilidade econômico-financeiro; III - Anexo III - Termo de Reserva de Imóvel do Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde; IV - Anexo IV - Termo de Cessão de Uso de Imóvel do Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde; V - Anexo V - Tabela de valores dos Imóveis: Tabela A do Espaço do Empreendedor que compreende o Setor Industrial V e a Tabela B do Espaço do Empreendedor que compreende o Setor Industrial VI. VI - Anexo VI - Termo de Recebimento de Imóvel. VII - Anexo VII - Relatório anual de atividades da empresa. Art. 21. Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. Art. 22. Revogam-se as disposições em contrário. Lucas do Rio Verde/MT, 27 de março de OTAVIANO OLAVO PIVETTA Prefeito Municipal

6 ANEXO I LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL N. /2014 MAPA A ESPAÇO DO EMPREENDEDOR IMÓVEIS QUE COMPREENDEM A ÁREA DO LOTEAMENTO INDUSTRIAL V

7 MAPA B ESPAÇO DO EMPREENDEDOR IMÓVEIS QUE COMPREENDEM A ÁREA DO LOTEAMENTO INDUSTRIAL VI

8 ANEXO II LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL N. /2014 ESPAÇO DO EMPREENDEDOR PROJETO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO 1. Dados do Proponente NOME Identificação do Proponente CPF / CNPJ NOME DA EMPRESA ENDEREÇO UF CEP TELEFONE RESPONSÁVEL PELO PROJETO TELEFONE OUTROS CONTADOS NOME CARGO TELEFONE Quadro Exposição de Motivos Nesse item será exposto o motivo pela qual o empresário quer investir no seu empreendimento, no seu ramo de atividade e em Lucas do Rio Verde MT Enquadramento Técnico do Negócio Tipo de Negócio Que tipo de atividade operacional vai ser a Empresa Setor da Economia Qual o tipo de setor da economia, se é primário (agricultura), secundário (indústria), terciário (prestação de serviços) Ramo de atividade Nesse campo deve ser informado o ramo de atividade da Empresa Produtos a Serem ofertados Quais são os produtos que a Empresa produzirá, comercializar ou prestar serviço Investimento Previsto Nesse campo deverão ser informados de modo global os seguintes itens: Investimento Total em R$; Investimento em Ativo Fixo em R$; Capital de Giro em R$; Reserva técnica do empreendimento em R$; Geração de Empregos diretos e indiretos Qual é a estimativa mensal e anual de funcionários, o plano deve conter essa estimativa para no mínimo os próximos 5 anos.

9 Exemplo: QUADRO DE FUNCIONÁRIOS 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano 5º ano Total Setor Administrativo Total Setor Produtivo Total Setor Vendas TOTAL FUNCIONÁRIOS Quadro Faturamento Mensal e Anual Esperado pela Empresa Constar de forma global o faturamento bruto mensal e anual. 2. Detalhamento do Empreendimento 2.1. Investimentos Relacione e quantifique os investimentos abaixo e outros que serão necessários para a implantação do empreendimento. Os principais investimentos são: Terreno: descreva a metragem necessária e o valor do imóvel; Obras civis: discriminar por itens, tais como, terraplanagem, fundações, alvenaria, instalações elétricas, hidro-sanitárias, esquadrias, colocando a metragem necessária definida de acordo o apresentado nesse projeto; Máquinas, equipamentos: discriminar as máquinas e equipamentos necessários ao empreendimento, identificando, tipo, modelo, fabricante; Instalações, Montagem e Fretes: discriminar as instalações complementares, como exemplo, sistema de alarme, geradores, transformadores, portão eletrônico, dentre outros. Indique também o desembolso necessário para montagem das máquinas e equipamentos, inclusive as despesas com fretes para o transporte das máquinas, equipamentos e outros bens; Móveis e utensílios: discriminar o mobiliário e utensílios necessários; Equipamentos e Informática; discriminar os equipamentos e programas necessários para o funcionamento da Empresa; Veículos: discriminar a frota necessária, identificando modelo, fabricante, ano; Projetos: Discriminar os gastos com projetos de engenharia, estudos de mercado, estudo de viabilidade econômica. Outros gastos: discriminar todos os outros gastos, inclusive coma abertura da Empresa e outros. Demonstrativo de Investimentos (modelo) Item Discriminação Und. Quant Valor Unit. R$ Valor Total R$ 1 Terreno 2 Obras Civis Área construída(especificar também a área do alojamento de trabalhadores caso exista e incluir o passeio público)

10 3 Máquinas e Equipamentos 4 Instalações, Montagem e Fretes 5 Móveis e Utensílios 6 Equipamentos de Informática 7 Veículos 8 Projetos 9 Outros TOTAL Quadro 3 O quadro acima, quantifica, qualifica e apresenta o orçamento preliminar do conjunto de obras, máquinas, equipamentos, móveis e utensílios, veículos, gastos pré-operacionais e outros necessários para a implementação da Unidade Industrial. Deve-se atentar para o fato de que na hipótese do investidor já possuir alguns destes itens, eles devem estar relacionados, mas não computados na somatória, para não influir nas análises de desembolso de recursos Cronograma de implantação (modelo): 30 dias 60 dias 90 dias 120 dias 180 dias Quadro Incentivos fiscais potenciais e solicitados Identificar os possíveis incentivos fiscais que o empreendimento possa ter no Município, no Estado ou da União. 3. Declaração A empresa solicitante declara que não haverá nenhuma edificação residencial no imóvel. Caso seja indispensável para o funcionamento do empreendimento, apenas haverá alojamento de trabalhadores enquanto a empresa estiver em atividade, sob pena de descumprimento das condições para aquisição do imóvel e aplicável os termos do inciso II, do artigo 11, da Lei Complementar n. /2014. Local e data. Assinatura do Responsável

11 ANEXO III LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL N. /2014 TERMO DE RESERVA DE IMÓVEL DO SETOR ESPAÇO DO EMPREENDEDOR DE LUCAS DO RIO VERDE Pelo presente Termo de Reserva de Imóvel do Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde, o Município de Lucas do Rio Verde - MT, através de sua Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Lucas do Rio Verde, neste ato representada pelo Secretário Municipal, nos termos da Lei Complementar Municipal n.º de de 2014, RESERVA o(s) imóvel(is) denominado(s) lote(s), da quadra, com área de m² ( metros quadrados), do Setor Industrial, de Lucas do Rio Verde, à empresa/ pessoa física, CNPJ, endereço, representada neste ato por seu representante legal,(nacionalidade, estado civil, RG/CPF, endereço) objetivando instalar o seguinte empreendimento: (descrição detalhada da carta consulta aprovada e do projeto de viabilidade econômicofinanceiro). O presente termo de reserva terá validade por 60 (sessenta) dias, a contar da data de sua emissão, período em que o interessado deverá atender as exigências da Lei Complementar Municipal n. /2014, sob pena de cancelamento automático da presente reserva, sem qualquer notificação. Microempresas, as Empresas de Pequeno Porte e aos Microempreendedores Individuais - MEI ( ) SIM ( ) NÃO. Observação 1: Sendo Microempresas, Empresas de Pequeno Porte e Microempreendedores Individuais MEI, que requeiram os benefícios específicos do artigo 13 da Lei Complementar /2014, o interessado deverá apresentar os documentos comprobatórios de residência dos proprietários da empresa anteriormente a 31 de julho de Observação 2: A empresa solicitante declara que não haverá nenhuma edificação residencial no imóvel. Caso seja indispensável para o funcionamento do empreendimento, apenas haverá alojamento de trabalhadores enquanto a empresa estiver em atividade, sob pena de descumprimento das condições para aquisição do imóvel e aplicável os termos do inciso II, do artigo 11, da Lei Complementar /2014. Lucas do Rio Verde - MT / / Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico Empresa

12 ANEXO IV LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL N. /2014 TERMO DE CESSÃO DE USO DE IMÓVEL DO ESPAÇO DO EMPREENDEDOR DE LUCAS DO RIO VERDE QUE ENTRE SI FAZEM O MUNICÍPIO DE LUCAS DO RIO VERDE E Pelo presente Termo de Cessão de Uso de Imóvel do Espaço de Empreendedor de Lucas do Rio Verde, destinado as empresas que receberão os benefícios da Lei Complementar Municipal n. /, o MUNICÍPIO DE LUCAS DO RIO VERDE, através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, neste ato representada por seu secretário o Sr., doravante denominada simplesmente de MUNICÍPIO, nos termos da Lei Complementar Municipal n. /2014, resolve conceder o direito de uso como de fato concedido tem, à Empresa CNPJ,, com sede na doravante denominada EMPRESA, neste ato representada por seu representante legal Sr.,(qualificar), de imóvel do Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde, mediante as seguintes cláusulas e condições: Cláusula primeira: objeto O MUNICÍPIO neste ato cede a EMPRESA o direito de uso do(s) seguinte(s) imóvel(is) do Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde: I- Lote, quadra, área, localizado no Setor Industrial, Lucas do Rio Verde, mapa e memorial descritivo parte integrante deste instrumento. Cláusula segunda: obrigações da empresa I- A EMPRESA, no caso de parcelamento do valor do imóvel, deve efetuar o pagamento das parcelas nas datas aprazadas, sob pena de rescisão independentemente de notificação ou interpelação, conforme previsto no artigo 11, da Lei Complementar n. /2014; II- A EMPRESA deverá executar no imóvel acima especificado integralmente o projeto aprovado no Processo n. _/, iniciando e concluindo a obra no prazo aprovado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, conforme cronograma parte integrante deste independente de sua transcrição, observando todas as normas técnicas exigidas; III- A EMPRESA deverá prestar todas as informações solicitadas pelo Poder Público Municipal, permitindo o livre acesso as suas instalações; IV- A EMPRESA deverá cumprir as legislações Federais, Estaduais e Municipais pertinentes, quanto as Municipais especialmente: A Política de Proteção Ambiental (Lei Comp. n. 44/2006), Código Municipal de Edificação e Obras (Lei Comp. n. 103/11), Lei Municipal de Parcelamento de Solo Urbano (Lei Comp. 56/2007), Lei Municipal de Zoneamento do Solo Urbano Urbano (Lei Comp. n. 57/2007);

13 V- A EMPRESA deverá requerer perante a Secretaria Municipal de Meio Ambiente para o seu regular funcionamento o Licenciamento Ambiental nos temos do artigo 121 da Lei Complementar n. 44/2006 a qual dispõe sobre a Política de Proteção Ambiental do Município de Lucas do Rio Verde, ficando obrigada ainda ao tratamento dos resíduos porventura existentes. VI-A EMPRESA deverá atender, para seu regular funcionamento, todas as normas de Prevenção Contra Incêndio. VII- A EMPRESA não poderá construir nenhuma edificação residencial no imóvel. Caso seja indispensável para o funcionamento do empreendimento, haverá apenas alojamento de trabalhadores enquanto a empresa estiver em atividade, sob pena de descumprimento das condições para aquisição do imóvel e aplicável o disposto no inciso II, do artigo 11, da Lei Complementar n. /2014. VIII- A EMPRESA deverá executar a pavimentação do passeio público de fronte ao seu imóvel, conforme especificações da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras; IX- A EMPRESA deverá manter a arborização e a jardinagem existente de fronte ao seu imóvel; X- A EMPRESA que parcelar o pagamento do imóvel não poderá locar o imóvel, sob pena de aplicação do disposto no inciso II, do artigo 11, da Lei Complementar n. /2014. XI- A EMPRESA deverá anualmente solicitar a renovação dos benefícios fiscais, mediante requerimento com a apresentação de relatório contendo as informações dispostas no Anexo VII da Lei Complementar n. /2014. Cláusula terceira: valor I- À VISTA: A EMPRESA pagará pela presente cessão de uso do(s) lote(s) especificado(s) na cláusula primeira, o valor de ( UFL s), equivalente a R$, na presente data. Ou II- A PRAZO: A EMPRESA pagará pela presente cessão de uso do(s) lote(s) especificado(s) na cláusula primeira, o valor de ( UFL s), equivalente a R$, na presente data, da seguinte forma: a.i) a primeira parcela no valor de ( UFL s) (no mínimo 20%- vinte por cento - do valor total do imóvel), pagos na data da assinatura do Termo de Cessão de Direito de Uso de Imóvel, e o restante do valor em 36 (trinta e seis) parcelas mensais iguais e consecutivas, no valor de ( ) UFL s cada parcela. (Regra Geral artigo 10 da Lei Complementar n. /2014). a.ii) a primeira parcela no valor de ( UFL s) (10%- dez por cento- do valor total do imóvel), pagos na data da assinatura do Termo de Cessão de Direito de Uso de Imóvel, e o restante do valor em 36 (trinta e seis) parcelas mensais iguais e consecutivas, no valor de ( ) UFL s cada parcela.(regra Especial artigo 13, 1º, I da Lei Complementar n. /2014). a.iii) em 36 (trinta e seis) parcelas mensais iguais e consecutivas, no valor de ( ) UFL s cada parcela, pago a primeira parcela na data de assinatura do

14 Termo de Cessão de Uso de Imóvel.(Regra Especial artigo 13, 1º, II da Lei Complementar n. /2014). Sub cláusula Terceira. Os valores dos imóveis serão atualizados de acordo com a Unidade Fiscal de Lucas do Rio Verde - UFL. Cláusula quarta: da rescisão: No caso de parcelamento do pagamento do imóvel, o descumprimento do disposto nos artigos 9º, 10 e 13 da lei Complementar n. /2014, implicará à empresa: I - o não pagamento de 03 (três) parcelas é causa de rescisão do Termo de Cessão de Uso de Imóvel do Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde, independentemente de qualquer aviso ou interpelação, retornando o imóvel imediatamente à posse do Município de Lucas do Rio Verde e: a) quanto às benfeitorias porventura existentes no imóvel, após a desocupação do imóvel, será realizada avaliação pelo Departamento de Engenharia do Município, e o pagamento desta ficará condicionada expressamente a existência de interessado, na aquisição do imóvel e nas condições que este assumirá as benfeitorias; b) quanto aos valores pagos referente ao Termo de Cessão de Uso de Imóvel, não serão restituídos às empresas que gozaram ou estiverem gozando do benefício de isenção fiscal do Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde, como compensação pelos benefícios fiscais recebidos e pelo uso do imóvel, às demais empresas, após a retomada do imóvel e sua desocupação pela empresa, serão restituídos os valores pagos no prazo de até 30 (trinta) dias da desocupação do imóvel. II - o não cumprimento do cronograma de execução aprovado será notificado pelo Município para adequação no prazo de até 30 (trinta) dias e a não adequação no prazo estabelecido é causa de rescisão do Termo de Cessão de Uso de Imóvel do Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde, retornando o imóvel imediatamente à posse do Município de Lucas do Rio Verde e: a) quanto as benfeitorias porventura existentes no imóvel, após a desocupação do imóvel, será realizada avaliação pelo Departamento de Engenharia do Município, e o pagamento desta ficará condicionado expressamente a existência de interessado, na aquisição do imóvel e nas condições que este assumirá as benfeitorias; b) quanto aos valores pagos referente ao Termo de Cessão de Uso de Imóvel, não serão restituídos às empresas que gozaram ou estiverem gozando do benefício de isenção fiscal do Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde, como compensação pelos benefícios fiscais recebidos e pelo uso do imóvel, às demais empresas, após a retomada do imóvel e sua desocupação pela empresa, serão restituídos os valores pagos no prazo de até 30 (trinta) dias da desocupação do imóvel. III- as obrigações assumidas pela empresa beneficiária se transferem aos seus herdeiros e sucessores, em qualquer caso deverá haver a expressa anuência do Município de Lucas do Rio Verde.

15 IV- enquanto houver o parcelamento, não será permitida a locação do imóvel, e caso haja, a empresa beneficiária terá dado causa a rescisão do Termo de Cessão de Uso de Imóvel e será procedido de acordo com o inciso II desta cláusula. Cláusula quinta: As obrigações assumidas pela empresa beneficiária se transferem aos seus herdeiros e sucessores, em qualquer caso deverá haver a expressa anuência do Município de Lucas do Rio Verde. Cláusula sexta: Quitado o imóvel o MUNICÍPIO outorgará a escritura definitiva, mediante a comprovação das exigências legais para transferência de imóveis. Cláusula sétima: O presente termo se regerá pela Lei Complementar Municipal n. /2014, os casos omissos serão analisados pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Econômico ad referendum do CODEL - Conselho de Desenvolvimento Econômico de Lucas do Rio Verde. Cláusula oitava: As partes elegem o foro da Comarca de Lucas do Rio Verde, para dirimirem as questões porventura suscitadas decorrentes de termo. Firmam o presente as na presença de duas testemunhas, em duas vias de igual teor, para que produza os devidos efeitos legais. Lucas do Rio Verde, / /. MUNICÍPIO Testemunhas: 1- EMPRESA 2-

16 ANEXO V LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL N. /2014 VALORES DOS IMÓVEIS DO ESPAÇO DO EMPREENDEDOR COMPREENDIDOS PELOS LOTEAMENTOS INDUSTRIAL V E INDUSTRIAL VI DE LUCAS DO RIO VERDE (EXPRESSOS EM UFL UNIDADE FISCAL DE LUCAS DO RIO VERDE) TABELA A INDUSTRIAL V QUADRA LOTE ÁREA EM M² Valor em UFL/M² Valor total do lote em UFL ,98 10, ,08 02 A ,00 9, , ,86 10, , ,88 10, ,71 25 A ,00 9, , ,98 10, , ,02 13, ,31 02 A ,00 9, , ,62 10, , ,62 10, ,10 26 A ,00 9, , ,78 13, , ,00 11, ,39 02, 03, ,00 9, , ,00 13, ,58 06 A ,00 11, , ,00 13, ,87 16, 17, ,00 10, , ,00 10, ,42 20 A ,00 9, ,52 6 1, ,00 11, ,39 03 a ,00 9, , ,00 11, ,15 14, 15, ,00 10, ,11

17 ,00 11, ,15 18 a ,00 9, ,10 7 1,2 992,00 11, ,84 03 a ,00 9, , ,00 11, ,15 18, 19, ,00 10, , ,00 11, ,15 22 a ,00 9, ,33 8 1,2 992,00 11, ,84 03 a ,00 9, , ,00 11, ,15 18, 19, ,00 10, , ,00 11, ,15 22 a ,00 9, , ,08 13, , ,36 13, ,41 03 A ,00 9, , ,00 11, ,15 16, 17, ,00 10, , ,00 12, ,42 20 A ,00 9, , ,51 13, ,40 02 A ,00 9, , ,28 11, , ,25 11, ,61 40 A ,00 9, , ,62 13, , ,14 13, , ,84 13, ,51 03 A ,00 9, , ,30 11, , ,64 9, , ,41 9, ,69

18 13 985,17 9, , ,80 11, ,57 15 A ,00 9, , ,20 13, , ,52 13, ,13 03 A ,00 9, , ,21 11, , ,57 11, ,66 12 A ,00 9, , ,62 13, ,70 02, 03, ,00 9, , ,27 11, , ,25 9, , ,85 9, , ,58 12, , ,71 13, , ,19 12, , ,04 12, , ,93 13, , ,28 12, , ,48 12, , ,47 13, ,41 5 A ,00 11, , ,00 13, ,58 23, 24, ,00 9, , ,00 11, ,39 27 A ,00 9, , ,30 13, , ,47 12, , ,41 12, , ,77 13, ,51 5 A ,00 9, , ,00 11, ,15 18, 19, ,00 9, ,46

19 ,00 11, ,15 22 A ,00 9, , ,57 13, , ,65 12, , ,68 12, , ,95 13, ,82 05 A ,00 9, , ,00 11, ,15 15, 16, ,00 9, , ,00 11, ,15 19 A ,00 9, , ,59 13, , ,99 12, , ,95 12, , ,93 12, , ,82 12, , ,76 13, ,77 7 A ,00 9, , ,00 11, , ,00 9, ,83 14, ,91 9, , ,90 9, , ,84 13, , ,10 3, , ,22 3, , ,75 3, , ,84 6, , ,95 6, , ,05 6, , ,44 6, , ,06 AREA INSTITUCIONAL ,00 5, , ,00 AREA INSTITUCIONAL ,00 5, ,10

20 TABELA B INDUSTRIAL VI QUADRA LOTE ÁREA EM M² Valor em Valor total do lote UFL/M² em UFL ,58 16, , ,54 16, ,64 3 a ,00 16, , ,00 17, ,00 12, 13, ,00 15, , ,00 16, ,00 16 a ,00 15, , ,98 15, , ,58 15, , ,83 6, , ,00 6, , ,62 ÁREA INSTITUCIONAL ,00 5, , ,30 6, , ,00 6, , ,00 5, , ,39 5, , ,42 6, , ,00 6, , ,00 5, , ,26 5, , ,00 7, , ,00 6, , ,00 5, , ,00 5, , ,04 5, , ,60 7, , ,00 6, , ,00 5, , ,00 5, , ,85 5, , ,73 6, ,64

21 ,00 6, , ,00 5, , ,00 5, , ,00 5, , ,66 5, , ,00 6, , ,00 5, , ,00 5, , ,00 5, , ,00 5, , ,46 5, , ,00 6, , ,00 5, , ,00 5, , ,00 5, , ,00 5, , ,27 5, , ,00 5, , ,00 5, , ,00 5, , ,00 5, , ,00 5, , ,08 5, , ,00 5, , ,00 5, , ,00 5, , ,00 5, , ,00 5, , ,88 5, , ,40 ÁREA VERDE/APP

22 ANEXO VI LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL N. /2014 TERMO DE RECEBIMENTO DE IMÓVEL Pelo presente Termo de Recebimento de Imóvel do Espaço do Empreendedor de Lucas do Rio Verde, o Município de Lucas do Rio Verde - MT, através de sua Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Lucas do Rio Verde, neste ato representada pelo Secretário Municipal, nos termos da Lei Municipal Complementar n. de de 2014, tendo em vista o pagamento total do imóvel(is) denominado(s) lote(s), da quadra, com área de m² ( metros quadrados), do Setor Industrial de Lucas do Rio Verde, no valor de ( ) UFL S, correspondente a R$ ( ), conforme DAM n., em anexo, firma o presente, entregando nesta data os documentos necessários para que a empresa, CNPJ, endereço, representada neste ato por seu representante legal,(nacionalidade, estado civil, RG/CPF, endereço), solicite ao Cartório competente que seja lavrada a escritura pública de alienação do(s) referido(s) imóvel(is), objetivando instalar o seguinte empreendimento: (descrição do empreendimento). Observação 1. A empresa solicitante declara que não haverá nenhuma edificação residencial no imóvel. Caso seja indispensável para o funcionamento do empreendimento, apenas haverá alojamento de trabalhadores enquanto a empresa estiver em atividade, sob pena de descumprimento das condições para aquisição do imóvel e aplicável os termos do inciso II, do artigo 11, da Lei Complementar n. /2014. Lucas do Rio Verde - MT / / Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico Empresa

23 ANEXO VII LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL N. /2014 ESPAÇO DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DA EMPRESA 1. Dados da Empresa Identificação NOME CPF / CNPJ NOME DA EMPRESA ENDEREÇO UF CEP TELEFONE RESPONSÁVEL PELO PROJETO TELEFONE Quadro Tipo de Negócio Atividade operacional desenvolvida pela Empresa. 2. Produtos a Serem ofertados Quais são os produtos que a Empresa produz, comercializa ou os serviços prestados. 3. Geração de Empregos diretos e indiretos Qual número mensal e anual de funcionários a estimativa para os próximos 5 anos. Exemplo: QUADRO DE FUNCIONÁRIOS Atual 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano 5º ano Total Setor Administrativo Total Setor Produtivo Total Setor Vendas TOTAL FUNCIONÁRIOS Quadro 2 4. Faturamento Mensal e Anual da Empresa Constar de forma global o faturamento bruto mensal e anual. 5. Investimentos Nesse campo deverão ser informados de modo global os seguintes itens: Investimento Total em R$; Investimento em Ativo Fixo em R$; Capital de Giro em R$;

24 Reserva técnica do empreendimento em R$; Demonstrativo de Investimentos (modelo) Item Discriminação Und. Quant Valor Unit. R$ Valor Total R$ 1 Terreno 2 Obras Civis Área construída 3 Máquinas e Equipamentos 4 Instalações, Montagem e Fretes 5 Móveis e Utensílios 6 Equipamentos de Informática 7 Veículos 8 Projetos 9 Outros TOTAL Quadro 3 O quadro acima, quantifica, qualifica e apresenta os investimentos já realizados e os previstos de serem realizados com obras, máquinas, equipamentos, móveis e utensílios, veículos, gastos pré-operacionais e outros necessários para a implementação da Unidade Industrial. 6. Cronograma de implantação(modelo): 30 dias 60 dias 90 dias 120 dias 180 dias Quadro Incentivos fiscais recebidos Especificar os incentivos fiscais recebidos do Município, do Estado ou da União. Local e data Assinatura do Responsável Identificação da Empresa

II os lotes poderão se escolhidos pelos interessados segundo a Planta Geral e de Zoneamento do LIC-SUL;

II os lotes poderão se escolhidos pelos interessados segundo a Planta Geral e de Zoneamento do LIC-SUL; LEI Nº1508/2011 DATA: 14 de julho de 2011. SÚMULA: Cria o Loteamento Industrial, Comercial e de Prestadores de Serviços Sul de Sinop LIC/SUL regulamenta e autoriza a doação com encargos de lotes para fins

Leia mais

A lei de incentivos fiscais de Campinas

A lei de incentivos fiscais de Campinas A lei de incentivos fiscais de Campinas Lei 12.802/06 com as alterações formuladas na Lei 12.653/06: A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Campinas, sanciono e promulgo a seguinte lei:

Leia mais

TERMO DE DOAÇÃO Nº 0003/2015 CONCORRÊNCIA Nº 0001/2015

TERMO DE DOAÇÃO Nº 0003/2015 CONCORRÊNCIA Nº 0001/2015 1 TERMO DE DOAÇÃO Nº 0003/2015 CONCORRÊNCIA Nº 0001/2015 Termo Doacao 0003 IDM Pelo presente termo de doação de imóvel com encargos, de um lado o Município de Xanxerê, com sede na cidade de Xanxerê, Estado

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO CARTA-CONSULTA ANEXO II AO DECRETO 4744 PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS I A EMPRESA 1.1. Caracterização e Outras Informações Razão social:

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO CONTRATO DE COMPRA E VENDA

MINUTA DE CONTRATO CONTRATO DE COMPRA E VENDA MINUTA DE CONTRATO CONTRATO DE COMPRA E VENDA TERMO DE COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL QUE ENTRE SI FAZEM A FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ALTO VALE DO RIO DO PEIXE - FUNIARP E. Na forma abaixo: FUNDAÇÃO

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA SANTA RITA Gabinete da Prefeita

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA SANTA RITA Gabinete da Prefeita LEI Nº 1204/14 De 22 de agosto de 2014. DISPÕE SOBRE INCENTIVOS À INSTALAÇÃO DA EMPRESA NUTRIRE INDÚSTRIA DE ALIMENTOS LTDA, NO MUNICÍPIO DE NOVA SANTA RITA. Sul. A PREFEITA MUNICIPAL DE NOVA SANTA RITA.

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA GABINETE DA PREFEITA. Lei nº. 116/2003. Súmula :

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA GABINETE DA PREFEITA. Lei nº. 116/2003. Súmula : ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA GABINETE DA PREFEITA Lei nº. 116/2003 Súmula : Dispõe sobre a autorização ao Poder Executivo Municipal de Colniza MT, em aprovar o Projeto de Desmembramento

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA DO CLIENTE,

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA DO CLIENTE, CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, COM PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA DO CLIENTE, QUE ENTRE SI CELEBRAM, LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A, DE UM LADO, E XXXXXXXXX, DE OUTRO LADO. LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE JARDIM

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE JARDIM LEI COMPLEMENTAR N. º 120/2014 JARDIM, 14 DE FEVEREIRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A INCLUSÃO DE ARTIGOS NA LEI 1310/2007 - PRODECO - PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO ECÔNOMICO DE JARDIM - MS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Luiz Affonso Trevisan Prefeito Municipal

Luiz Affonso Trevisan Prefeito Municipal Projeto de Lei nº 124, de 24 de novembro de 2015. Autoriza o Executivo Municipal a realizar a concessão gratuita de direito real de uso, de 01 (um) lote no Distrito Industrial a Empresa ALDAIR GALLON,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM - CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. DELIBERAÇÃO NORMATIVA N o 19/98

SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM - CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. DELIBERAÇÃO NORMATIVA N o 19/98 DELIBERAÇÃO NORMATIVA N o 19/98 O Conselho Municipal de Meio Ambiente, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas pela Lei n. o 4.253 de 04.12.85, regulamenta os procedimentos administrativos para

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José dos Campos - Estado de São Paulo - de.:il/q±j0=1 O\ LEI COMPLEMENTAR N 256/03 de 1Ode Julho de 2003

Prefeitura Municipal de São José dos Campos - Estado de São Paulo - de.:il/q±j0=1 O\ LEI COMPLEMENTAR N 256/03 de 1Ode Julho de 2003 Prefeitura Municipal de São José dos Campos Ver LC n 314/06 ~BLIC~DO (~) NO JOR~ AL BOLETIM DO MUNIClPKJ MID o o w.... Nlt) li),(-s

Leia mais

LEI Nº. 1826 DE 4 DE MAIO DE 2011

LEI Nº. 1826 DE 4 DE MAIO DE 2011 LEI Nº. 1826 DE 4 DE MAIO DE 2011 "AUTORIZA ASSINATURA DE CONVÊNIO E CONCEDE CONTRIBUIÇÃO CORRENTE ESPECIAL À ASSOCIAÇÃO DESENVOLVIMENTO DAS BANDEIRINHAS & DETERMINA OUTRAS PROVIDÊNCIAS" A Câmara Municipal

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José dos Campos - Estado de São Paulo - LEI COMPLEMENTAR N 490/13 DE 11 DE ABRIL DE 2013

Prefeitura Municipal de São José dos Campos - Estado de São Paulo - LEI COMPLEMENTAR N 490/13 DE 11 DE ABRIL DE 2013 PUBLICADO (A) NO JORNAL ~~1~J.. ~~e 14~:fâ LEI COMPLEMENTAR N 490/13 DE 11 DE ABRIL DE 2013 Institui Programa de Incentivo Tributário para empreendimentos habitacionais do Programa Minha Casa, Minha Vida

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DA PREFEITA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DA PREFEITA LEI MUNICIPAL Nº. 2.238/2009 Revoga a Lei nº. 2002/2007, e dispõe sobre a concessão de incentivos fiscais para o desenvolvimento de atividades econômicas no Município de Viana e dá outras providências.

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Municipal de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Municipal de Venâncio Aires LEI Nº 5.372, DE 12 DE SETEMBRO DE 2013 Autoriza o Poder Executivo a conceder repasse de recursos financeiros, constituído de Contribuição, à Associação Nego Foot Ball Club, e celebrar convênio. AIRTON

Leia mais

NORTE: Com o Loteamento Veneza (Antiga Chácara 55) LESTE: Com a quadra 148 (Aeroporto); SUL: Com a Chácara 53; OESTE: Com a Rua Renascença.

NORTE: Com o Loteamento Veneza (Antiga Chácara 55) LESTE: Com a quadra 148 (Aeroporto); SUL: Com a Chácara 53; OESTE: Com a Rua Renascença. DECRETO N o 1487/2006 DATA: 27 de janeiro de 2006. SÚMULA: Aprova, com ressalvas, o Loteamento denominado LOTEAMENTO ALPHAVILLE. MARINO JOSE FRANZ, Prefeito Municipal de Lucas do Rio Verde, Estado de Mato

Leia mais

LEI N. 2.174, DE 08 DE OUTUBRO DE 2013

LEI N. 2.174, DE 08 DE OUTUBRO DE 2013 LEI N. 2.174, DE 08 DE OUTUBRO DE 2013 Poder Legislativo Regulamenta área para estacionamento exclusivo de veículos pesados no Município de Lucas do Rio Verde - MT. O Prefeito do Município de Lucas do

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram:

INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram: INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram: I - de um lado, na qualidade de Promitente VENDEDORA, a FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL DO BANCO ECONÔMICO S/A-ECOS,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

CONTRATO Nº 027/11 - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VARRIÇÃO DAS RUAS, AVENIDAS E CALÇADAS DA CIDADE.

CONTRATO Nº 027/11 - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VARRIÇÃO DAS RUAS, AVENIDAS E CALÇADAS DA CIDADE. CONTRATO Nº 027/11 - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VARRIÇÃO DAS RUAS, AVENIDAS E CALÇADAS DA CIDADE. Contrato de Prestação de Serviços, que celebram entre si, o MUNICÍPIO DE CANDELÁRIA e a empresa AIDA COIMBRA

Leia mais

Câmara Municipal de Cruzeiro Estado de São Paulo

Câmara Municipal de Cruzeiro Estado de São Paulo LIVRO 2/16 LEI N 3056 de 30 de Abril de 1997 Assunto: "Estabelece incentivos para a instalação de novos empreendimentos industriais, comerciais e de serviços no Município". O Exmo. Sr. Prefeito Municipal

Leia mais

DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004 Regulamenta a Lei nº 13.833, de 27 de maio de 2004, que dispõe sobre a criação do Programa de Incentivos Seletivos para a área leste do Município de São Paulo.

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº864/2005, DE 18 DE ABRIL DE 2005.

LEI MUNICIPAL Nº864/2005, DE 18 DE ABRIL DE 2005. LEI MUNICIPAL Nº864/2005, DE 18 DE ABRIL DE 2005. "Institui o Programa Municipal de Desenvolvimento Industrial, cria o Fundo Municipal de Desenvolvimento Industrial FMDI e dá outras providências." O PREFEITO

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAUCAIA

MUNICÍPIO DE CAUCAIA LEI Nº 1799, 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Concede incentivos fiscais com redução da Alíquota de IPTU e ISSQN às empresas que venham a se instalar no Município de Caucaia e dá outras providências A PREFEITA

Leia mais

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014.

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. DECRETO Nº 39680 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2014 Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

MUNICÍPIO DE BOM PRINCÍPIO Estado do Rio Grande do Sul

MUNICÍPIO DE BOM PRINCÍPIO Estado do Rio Grande do Sul LEI Nº 1.738/2010, de 21 de dezembro de 2010. CONCEDE INCENTIVOS A EMPRESA FIBRAFORM INDUSTRIA DE COMPOSTOS PLASTICOS LTDA E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. JACOB NESTOR SEIBEL, Prefeito Municipal de Bom Princípio,

Leia mais

LEI Nº 2.176, DE 17 DE JULHO DE 2005. (ATUALIZADA ATÉ A LEI Nº 2.666, DE 20 DE AGOSTO DE 2010)

LEI Nº 2.176, DE 17 DE JULHO DE 2005. (ATUALIZADA ATÉ A LEI Nº 2.666, DE 20 DE AGOSTO DE 2010) LEI Nº 2.176, DE 17 DE JULHO DE 2005. (ATUALIZADA ATÉ A LEI Nº 2.666, DE 20 DE AGOSTO DE 2010) Institui o Programa de Incentivo e Desenvolvimento Industrial de Morrinhos e estabelece normas gerais de incentivos

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS LEI COMPLEMENTAR Nº 291, DE 03 DE MAIO DE 2013 Projeto de Lei Complementar nº 02/2013 Autor: Prefeito Municipal Henrique Lourivaldo Rinco de Oliveira Dispõe sobre a criação do Programa de Incentivo ao

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENTANIA Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENTANIA Estado do Paraná LEI Nº 591, DE 02 DE OUTUBRO DE 2012 AUTORIZA A DESAFETAÇÃO E A ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS PARA FINS DE IMPLANTAÇÃO DE PARQUE INDUSTRIAL A EMPRESAS DEVIDAMENTE CONSTITUÍDAS NO MUNICÍPIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

INSTRUMENTO CONTRATUAL N. 0103/2013.

INSTRUMENTO CONTRATUAL N. 0103/2013. INSTRUMENTO CONTRATUAL N. 0103/2013. CONTRATO DE ADMINISTRATIVO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS N. 0103/2013. O, Estado de Santa Catarina, com sede a Rua Rui Barbosa, 347, inscrito no CNPJ/MF Sob o N. 82.854.670/0001-30,

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014 PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014 Regulamenta a Lei Complementar n 975/2013 que dispõe sobre a criação do Programa ISS Tecnológico, que institui benefícios

Leia mais

L E I n º 5 3 6 / 2 0 1 2 de 11 de junho de 2012. AUTORIZA O PODER EXCUTIVO MUNICIPAL A DOAR LOTES DE TERRAS QUE ESPECÍFICA E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

L E I n º 5 3 6 / 2 0 1 2 de 11 de junho de 2012. AUTORIZA O PODER EXCUTIVO MUNICIPAL A DOAR LOTES DE TERRAS QUE ESPECÍFICA E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. L E I n º 5 3 6 / 2 0 1 2 de 11 de junho de 2012. AUTORIZA O PODER EXCUTIVO MUNICIPAL A DOAR LOTES DE TERRAS QUE ESPECÍFICA E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL DE ITAQUIRAÍ ESTADO DE MATO GROSSO

Leia mais

LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009

LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 ALTERA dispositivos da Lei Municipal nº 3.194, de 03 de janeiro de 2006, que dispõe sobre a política habitacional de interesse social do Município, voltada para a população

Leia mais

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF 032/2014 - PGM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, pessoa jurídica

Leia mais

CONTRATO PARTICULAR DE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS EM IMÓVEL COMERCIAL Nº:

CONTRATO PARTICULAR DE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS EM IMÓVEL COMERCIAL Nº: CONTRATO PARTICULAR DE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS EM IMÓVEL COMERCIAL Nº: LOCADOR: Salão de Beleza ou (Estética), situado na Rua, Bairro, CEP, Cidade, Estado, inscrito no CNPJ sob o número, Alvará Municipal

Leia mais

DECRETO Nº 32159 DE 19 DE ABRIL DE 2010. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 32159 DE 19 DE ABRIL DE 2010. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 32159 DE 19 DE ABRIL DE 2010 Altera o Decreto nº 28.002, de 30 de maio de 2007 e dá outras providencias. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: Art.

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº 9431/2015

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº 9431/2015 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº 9431/2015 TERMO DE CONTRADO QUE ENTRE SÍ CELEBRAM A [EMPRESA CLIENTE] E A PBSYS AUTOMAÇÃO COMERCIAL LTDA ME PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE IMPLANTAÇÃO

Leia mais

INSTRUMENTO CONTRATUAL N. 0017/2013.

INSTRUMENTO CONTRATUAL N. 0017/2013. INSTRUMENTO CONTRATUAL N. 0017/2013. CONTRATO DE ADMINISTRATIVO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS N. 0017/2013. O, Estado de Santa Catarina, com sede a Rua Rui Barbosa, 347, inscrito no CNPJ/MF Sob o N. 82.854.670/0001-30,

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI CONTRATO Nº 051/2016 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO/FORNECIMENTO QUE FAZEM ENTRE SI, DE UM LADO O MUNICIPIO DE ALTO TAQUARI MT E DE OUTRO LADO A EMPRESA ADARI BARBOSA DE QUEIROZ - ME. O Município de

Leia mais

FINVEST - FUNDO NACIONAL PARA INVESTIMENTOS REGULAMENTO. 2. Para efeito deste regulamento consideram-se investimentos:

FINVEST - FUNDO NACIONAL PARA INVESTIMENTOS REGULAMENTO. 2. Para efeito deste regulamento consideram-se investimentos: 1 FINVEST - FUNDO NACIONAL PARA INVESTIMENTOS REGULAMENTO OBJETIVO 1. O Fundo FINVEST, objetiva o suprimento parcial de recursos a FUNDO PERDIDO, conforme definido no presente regulamento, nos casos de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. Súmula: Estabelece normas e procedimentos para a realização de inscrição dos mutuários, relaciona os documentos necessários a instruir

Leia mais

LEI Nº 5.196. Disciplina a cobrança do IPTU, estimula a criação de loteamentos, e dá outras providências.

LEI Nº 5.196. Disciplina a cobrança do IPTU, estimula a criação de loteamentos, e dá outras providências. LEI Nº 5.196 Disciplina a cobrança do IPTU, estimula a criação de loteamentos, e dá outras providências. O POVO DE PELOTAS, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, POR SEU PREFEITO, FAZ SABER QUE SUA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: II 15.01, no caso da prestação dos serviços de administração de cartão de crédito ou débito e congêneres;

LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: II 15.01, no caso da prestação dos serviços de administração de cartão de crédito ou débito e congêneres; LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: Estabelece normas de incidência do ISS, relativas às operações efetuadas com cartões de crédito e de débito, e dá outras providências. AUTORIA: Poder Executivo A Câmara Municipal

Leia mais

=CONTRATO 01/2013 LOCAÇÃO DE SOFTWARE=

=CONTRATO 01/2013 LOCAÇÃO DE SOFTWARE= =CONTRATO 01/2013 LOCAÇÃO DE SOFTWARE= CONTRATO PARA LOCAÇÃO DE SOFTWARE - PROGRAMA PARA GERENCIAMENTO DOS DADOS PREVIDENCIÁRIOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS CIVIS DO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE DO SUL E CESSÃO

Leia mais

Art. 4º. 264,00 m² 264,00 m²

Art. 4º. 264,00 m² 264,00 m² LEI Nº 2.179/2010 Autoriza a Concessão de Direito Real de Uso Gratuito de Imóvel Municipal, a Afetação e Desafetação de imóveis urbanos e dá outras providências. O Prefeito do Município de Chapada, Estado

Leia mais

I seja aprovado o projeto arquitetônico;

I seja aprovado o projeto arquitetônico; PROJETO DE LEI Nº 106/2015. INSTITUI A LICENÇA PRÉVIA PARA FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS QUE ESPECIFICA, EM IMÓVEIS E EDIFICAÇÕES QUE NÃO CUMPRAM OS REQUISITOS EXIGIDOS PELA LEGISLAÇÃO EM VIGOR PARA

Leia mais

inscrito no CPF sob o nº, com endereço comercial:,

inscrito no CPF sob o nº, com endereço comercial:, CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM, O MUNICÍPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES E O PROFISSIONAL AUTÔNOMO DE CONTABILIDADE, OBJETIVANDO A REGULAMENTAÇÃO DO 5º DO ART. 86 DO CÓDIGO TRIBUTÁRIO MUNICIPAL - LEI

Leia mais

A proposta técnico-comercial nº 23.CP.XXX/2013 passa a fazer parte integrante deste Contrato, doravante designada apenas como Proposta.

A proposta técnico-comercial nº 23.CP.XXX/2013 passa a fazer parte integrante deste Contrato, doravante designada apenas como Proposta. A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, entidade privada sem fins lucrativos, reconhecida de utilidade com sede nesta Cidade de São Paulo, à Rua Minas Gerais nº 190 - Higienópolis, inscrita no CNPJ

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica do Município, e

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica do Município, e DECRETO Nº 063/2013-GP. Regulamenta e implementa a Lei Complementar Federal n 123 de 14 de Dezembro de 2006 e a Lei Geral Municipal da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte n 216, de 18 de dezembro

Leia mais

São convenentes neste instrumento:

São convenentes neste instrumento: CONVÊNIO PARA A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA SANTANDER UNIVERSIDADES DE MOBILIDADE NACIONAL FIRMADO ENTRE A UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA E O BANCO SANTANDER S/A São convenentes neste instrumento: A UNIVERSIDADE

Leia mais

DECRETO 1954, DE 07 DE JULHO DE

DECRETO 1954, DE 07 DE JULHO DE DECRETO N o 1954, DE 07 DE JULHO DE 2009 Aprova o loteamento urbano denominado Loteamento Urbano Jardim Europa., de Lucas do Rio Verde, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, em especial

Leia mais

LEI Nº 3.888 DE 29 DE MARÇO DE 2011

LEI Nº 3.888 DE 29 DE MARÇO DE 2011 LEI Nº 3.888 DE 29 DE MARÇO DE 2011 INSTITUI o Programa Municipal de Incentivo e Apoio aos Produtores Rurais do Município de Não-Me-Toque... ANTÔNIO VICENTE PIVA, PREFEITO DO MUNICÍPIO DE NÃO-ME-TOQUE

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010 Estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no Município de Santa Maria e dá outras providências. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER,

Leia mais

Art. 2 o Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação. Reitoria da Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Art. 2 o Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação. Reitoria da Universidade Estadual de Ponta Grossa. RESOLUÇÃO CA N o 220 DE 9 DE JUNHO DE 2014. Aprova a assinatura do Convênio a ser celebrado entre a Universidade Estadual de Ponta Grossa e a Barigui S/A- Crédito, Financiamento e Investimentos. O CONSELHO

Leia mais

SEGUNDA ATUALIZAÇÃO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº.006/2015 PREGÃO PRESENCIAL Nº.008/2015. VALIDADE: 01/04/2016

SEGUNDA ATUALIZAÇÃO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº.006/2015 PREGÃO PRESENCIAL Nº.008/2015. VALIDADE: 01/04/2016 SEGUNDA ATUALIZAÇÃO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº.006/2015 PREGÃO PRESENCIAL Nº.008/2015. VALIDADE: 01/04/2016 Aos três dias do mês de junho de 2015, o Município de Santo Antônio da Patrulha/RS, neste

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO EM PLACAR Em / / PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS LEI COMPLEMENTAR Nº 173, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008. Faço saber que: Dispõe sobre permissão de uso, de espaço público, aéreo e subsolo, para instalação

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO - BRASIL INCENTIVO FISCAL. Lei Complementar 405/07

ESTADO DE SÃO PAULO - BRASIL INCENTIVO FISCAL. Lei Complementar 405/07 INCENTIVO FISCAL Lei Complementar 405/07 REQUISITOS EXIGIDOS PARA OBTENÇÃO E CONCESSÃO DO BENEFÍCIO Do beneficiário: Regularidade fiscal no âmbito municipal da empresa e dos sócios; Quitação integral de

Leia mais

CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETIVO

CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETIVO CONTRATO DE INDIVIDUALIZAÇÃO DE LIGAÇÕES DE ÁGUA EM ATENDIMENTO AO ---------------------- -------------------------- DECORRENTE DO PROTOCOLO SANASA Nº. -------- --------/-------. Pelo presente instrumento

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA 1 REGULAMENTA O FUNDO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE ALTO BELA VISTA GERAINVEST, REVOGA DECRETO 1883 E DA OUTRAS PROVIDENCIAS O Prefeito Municipal de Alto Bela Vista, Estado de Santa Catarina, no uso

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 251, De 26 de dezembro de 2005

LEI COMPLEMENTAR Nº 251, De 26 de dezembro de 2005 LEI COMPLEMENTAR Nº 251, De 26 de dezembro de 2005 ESTABELECE CRITÉRIOS PARA CÁLCULO DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - ISQN - NA CONSTRUÇÃO CIVIL. Faço saber a todos os habitantes do Município

Leia mais

Lei Municipal N.º 2.956

Lei Municipal N.º 2.956 1 Prefeitura Municipal de Volta Redonda Gabinete do Prefeito EMENTA: Institui o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Econômico do Município, cria Incentivos Fiscais e dá outras providências. A aprova e

Leia mais

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo DECRETO Nº 12.693 DE 25 DE ABRIL DE 2007 Estabelece procedimentos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP N. 127, DE 30.07.99 REVOGADA PELA RESOLUÇÃO ANP N. 20, DE 18.06.09 O DIRETOR da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO ANP, no uso de suas atribuições legais, conferidas

Leia mais

Autor : Chefe do Executivo.

Autor : Chefe do Executivo. 1 LEI COMPLEMENTAR Nº 1551/2002 + Lei Complementar nº 1.602/2002 + Lei Complementar N 1.797/2006. Dispõe sobre incentivos para o desenvolvimento das atividades econômicas no Município de Louveira e dá

Leia mais

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99)

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA QUE ENTRE SI CELEBRAM A (UNIÃO/ESTADO/MUNICÍPIO), ATRAVÉS DO (ÓRGÃO/ENTIDADE ESTATAL),

Leia mais

CONTRATO Nº 2015/001

CONTRATO Nº 2015/001 CONTRATO Nº 2015/001 CONTRATO QUE ENTRE SI CELEBRAM O CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO MÉDIO VALE DO ITAJAÍ - CIMVI E JF SITES OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPEDAGEM DE WEBSITE. O CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. A Fundação Universidade do Tocantins UNITINS torna público

Leia mais

OBJETO: Contrato de instalação e manutenção sistema de monitoramento de imagens á distância, em prédios do município.

OBJETO: Contrato de instalação e manutenção sistema de monitoramento de imagens á distância, em prédios do município. CONTRATO Nº 117/2013 DATA: 30.09.2013 OBJETO: Contrato de instalação e manutenção sistema de monitoramento de imagens á distância, em prédios do município. Empresa: Elia Streck. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE

Leia mais

MODELO DE CONTRATO (HPP) CONVÊNIO

MODELO DE CONTRATO (HPP) CONVÊNIO Versão Preliminar Página 1 23/12/2004 MODELO DE CONTRATO (HPP) CONVÊNIO Convénio que entre si celebram, de um lado o Município* de XXXX, através da Secretaria xxxxxxxx de Saúde, gestora do SUS Municipal

Leia mais

LEI N 2.298/2002, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2002.

LEI N 2.298/2002, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2002. LEI N 2.298/2002, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2002. Dispõe sobre a política de incentivo ao desenvolvimento econômico e social do Município de Encantado, cria o Programa de Desenvolvimento Econômico e Social e

Leia mais

PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013.

PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013. PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013. Publicado no DOM n 1.528, de 14.06.2013 Dispõe sobre procedimentos para solicitações referentes ao Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU,

Leia mais

RESOLUÇÃO CGSIM Nº 29, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012.

RESOLUÇÃO CGSIM Nº 29, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012. RESOLUÇÃO CGSIM Nº 29, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012. Dispõe sobre recomendação da adoção de diretrizes para integração do processo de licenciamento pelos Corpos de Bombeiros Militares pertinente à prevenção

Leia mais

CONTRATO DE COMODATO DE IMÓVEL

CONTRATO DE COMODATO DE IMÓVEL 1/5 CONTRATO DE COMODATO DE IMÓVEL Pelo presente instrumento particular de contrato, que tem de um lado FUNDAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA, pessoa jurídica de direito privado, de fins não lucrativos, reconhecida

Leia mais

TORRES E MOCCHETTI SOCIEDADE MEDICAS SS

TORRES E MOCCHETTI SOCIEDADE MEDICAS SS CONTRATO 235/2013 CREDOR VALOR 81.000,00 DATA 04/11/2013 VENCIMENTO 04/05/2014 TORRES E MOCCHETTI SOCIEDADE MEDICAS SS A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MEDICO-HOSPITALAR NA ESPECIALIZAÇÃO DE ORTOPEDIA ENTRE

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA LEI Nº 2.328 DE 18 DE AGOSTO DE 1994 Dispõe sobre o regime de incentivos tributários para a Microempresa e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Teresina, Estado do Piauí Faço saber que a Câmara

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARMO DA CACHOEIRA ESTADO DE MINAS GERAIS GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARMO DA CACHOEIRA ESTADO DE MINAS GERAIS GABINETE DO PREFEITO 1 Lei n.º 2.220, de 7 de julho de 2011. Autoriza o Poder Executivo a conceder Incentivo Industrial empresas dos setores Industrial, Agroindustrial, Agropecuário e de Prestação de Serviços, Associações

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

Art. 3º Para concretização do disposto nesta Lei fica o Poder Executivo autorizado a suplementar a seguinte dotação orçamentária:

Art. 3º Para concretização do disposto nesta Lei fica o Poder Executivo autorizado a suplementar a seguinte dotação orçamentária: LEI Nº 3570/2014, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014. AUTORIZA O MUNICÍPIO CONCEDER CONTRIBUIÇÃO À ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO BAIRRO SÃO CRISTÓVÃO, SUPLEMENTAR DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA, FIRMAR CONVÊNIO E DÁ OUTRAS

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRATUBA ESTÂNCIA HIDROMINERAL E CLIMÁTICA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRATUBA ESTÂNCIA HIDROMINERAL E CLIMÁTICA PROJETO DE LEI N 055/2014, de 24 de Novembro de 2014 Autoriza firmar convênio com a entidade Associação dos Estabelecimentos de Hotéis Restaurantes e Similares. O Prefeito Municipal de Piratuba, Estado

Leia mais

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra Assessoria Jurídica

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra Assessoria Jurídica MENSAGEM PROJETO DE LEI xxx/gp/2012 Tangará da Serra/MT, xx de xxxxxxxxxx de 2012. Excelentíssimo Senhor Presidente, Excelentíssimos (a) Senhores (a) Vereadores (a), Cumprimentando-o cordialmente, vimos

Leia mais

PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1088 DE 17 DE SETEMBRO DE 2012.

PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1088 DE 17 DE SETEMBRO DE 2012. PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1088 DE 17 DE SETEMBRO DE 2012. Dispõe sobre os procedimentos a serem observados e aplicados no parcelamento/reparcelamento de débitos referente a multas e taxa de vistoria e fiscalização

Leia mais

CONSTUIR E GANHAR É SÓ COMEÇAR

CONSTUIR E GANHAR É SÓ COMEÇAR CONSTUIR E GANHAR É SÓ COMEÇAR O CLIENTE que começar a construir sua casa no empreendimento Jardins Veneza até OUTUBRO de 2014, será premiado com até 01 (um) ano de taxa de condomínio pagas pela FGR, conforme

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO 2.1 MODALIDADE DADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO 2.1 MODALIDADE DADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO.1 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.30/0001-94 APLUBCAP ECO.1 MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: 15414.0055/011-47

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA LEI Nº 2.528 DE 23 DE MAIO DE 1997 Dispõe sobre a política de benefícios e incentivos fiscais do município de Teresina e dá outras providencias. O Prefeito Municipal de Teresina, Estado do Piauí Lei: Faço

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 850 DE 06 DE NOVEMBRO DE 2014.

LEI MUNICIPAL Nº. 850 DE 06 DE NOVEMBRO DE 2014. LEI MUNICIPAL Nº. 850 DE 06 DE NOVEMBRO DE 2014. Dispõe sobre a implementação do Distrito Industrial na localidade denominada de Ouro Branco do Sul, no Município de Itiquira/MT e estabelece normas para

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARAÇU ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARAÇU ESTADO DE MINAS GERAIS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS/CONTRATO Nº004-B/2016 PROCESSO LICITATÓRIO Nº018/2016 MODALIDADE: PREGÃO PRESENCIAL N 006/2016 VALIDADE: 12 (doze) meses O Município de Jaguaraçu, neste ato representado por seu

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

MINUTA CONTRATO DE LOCAÇÃO Nº XXX/2013

MINUTA CONTRATO DE LOCAÇÃO Nº XXX/2013 MINUTA CONTRATO DE LOCAÇÃO Nº XXX/2013 EDITAL CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 004/2013 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº: 23062.008112/2013-11 DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº XXX/2013 Contrato de Locação nº XXX/2013 que entre

Leia mais

TERMO DE ADESÃO A ANTECIPAÇÃO DE PREMIAÇÃO PARA INVESTIMENTO EM MÍDIA

TERMO DE ADESÃO A ANTECIPAÇÃO DE PREMIAÇÃO PARA INVESTIMENTO EM MÍDIA TERMO DE ADESÃO A ANTECIPAÇÃO DE PREMIAÇÃO PARA INVESTIMENTO EM MÍDIA A FAEL E O POLO (NOME FANTASIA) CELEBRAM O PRESENTE TERMO VISANDO A ANTECIPAÇÃO DE VALORES, PARA UTILIZAÇÃO EXCLUSIVA EM MÍDIA, COMO

Leia mais

Considerando a reunião do CDP de 07 de abril de 2015;

Considerando a reunião do CDP de 07 de abril de 2015; RESOLUÇÃO N o 06/2015/CDP Florianópolis, 28 de maio de 2015. O PRESIDENTE DO DO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA EM EXERCÍCIO, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Regimento Geral do

Leia mais

CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIATUBA

CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIATUBA CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIATUBA Que entre si celebram a FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIATUBA e a empresa: BRASILL INFORMÁTICA E PRODUTOS LTDA EPP. CLÁUSULA

Leia mais

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências.

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. EMENTA: Concede parcelamento de débitos fiscais com anistia

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/9 1 - DOS OBJETIVOS 1.1 Regulamentar os procedimentos para a concessão de incentivos à empresas industriais, comerciais e de serviços no Município com base na Legislação Municipal e no artigo 174 da

Leia mais

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC)

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) O texto deste Contrato foi submetido à aprovação da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, estando sujeito a

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais