Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor"

Transcrição

1 Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor e conservação de água mediante adequação ambiental em propriedades rurais na Região Metropolitana de Campinas (RMC). Relatório econômico das estimativas de Disposição a Pagar (DAP) pela adequação ambiental de propriedades rurais no Corredor das Onças na Região Metropolitana de Campinas Alexandre Gori Maia 1 Ademar Ribeiro Romeiro 2 Novembro de Instituto de Economia da Unicamp; 2 Instituto de Economia da Unicamp; 1

2 COMO CITAR ESTE RELATÓRIO: Gori, A.G. & Romeiro, A.R Relatório Econômico das Estimativas de Disposição a Pagar pela Adequação Ambiental em propriedades rurais da Região Metropolitana de Campinas. Relatório técnico, Campinas, Novembro de SOBRE O PROJETO: O projeto PSA Corredor das Onças tem coordenação geral do Prof. Dr. Ademar Romeiro (IE/UNICAMP) e coordenação executiva da Profa. Dra. Márcia Gonçalves Rodrigues (ICMBio/MMA). 2

3 1. Introdução O objetivo deste relatório é apresentar as estimativas econômicas do Projeto de Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor e conservação de água mediante adequação ambiental em propriedades rurais na Região Metropolitana de Campinas (RMC). A análise baseou-se no método de avaliação contingente (MAC) para estimar os valores que as populações dos municípios de Campinas e Artur Nogueira estão dispostas a pagar pela existência das áreas que são foco do projeto de recuperação. Os resultados referem-se a projeções de um modelo de regressão logística ajustado a uma amostra de 575 questionários aplicados aleatoriamente a domicílios dos municípios de Campinas e Artur Nogueira. A partir das informações presentes no questionário, identificaram-se os fatores mais significativos na determinação da disposição a pagar (DAP). Consideraram-se características socioeconômicas dos moradores, atitudes e comportamentos em relação ao ambiente e sociedade. Após análise dos determinantes da DAP, projetou-se os resultados na amostra ao total das populações dos municípios de Campinas e Artur Nogueira a partir de estimativas populacionais do Censo Demográfico 2010, do IBGE e de expectativas de crescimento da população do SEADE. Todos os resultados das análises estatísticas encontram-se no Apêndice B deste relatório. O texto limitar-se-á a analisar os resultados mais relevantes. 2. Material e Métodos 2.1. Método de Avaliação Contingente O MAC faz uso de consultas estatísticas à população para captar diretamente os valores individuais de uso e não-uso atribuídos a um recurso ou serviço ambiental. Simula um mercado hipotético, informando devidamente o entrevistado sobre os atributos do recurso a ser avaliado e interrogando-o sobre sua (DAP) para prevenir uma alteração em sua provisão. A DAP é uma maneira de revelar as preferências das pessoas em valores monetários e a estimativa dos benefícios totais gerados pelo 3

4 recurso ambiental será dada pela agregação das preferências individuais da população (Maia et al., 2004). Este método é o único capaz de captar valores de não uso de bens e serviços ambientais. Embora seja flexível e adaptável a quase todos os casos de valoração ambiental, exige cuidados especiais no planejamento e execução da pesquisa para que as estimativas sejam consistentes. A literatura sobre o MAC vem apresentando uma série de recomendações para dar maior credibilidade à pesquisa (Mitchell & Carson, 1989; Arrow et al., 1993), as quais buscou-se acompanhar integralmente nesta pesquisa Delineamento amostral Entre outubro e novembro de 2012, realizou-se uma pesquisa amostral em que foram entrevistados 363 domicílios do município de Campinas e 212 de Artur Nogueira. O objetivo principal da pesquisa era captar a máxima DAP da população pelos benefícios ambientais do Projeto de Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor e conservação de água mediante adequação ambiental em propriedades rurais na Região Metropolitana de Campinas (RMC). As entrevistas foram igualmente distribuídas para captar a DAP de dois cenários: i) Sem corredor ecológico: recuperação ambiental para realizar o replantio de árvores nas margens dos rios, nas áreas de nascentes (matas ciliares) da RMC. ii) Com corredor ecológico: recuperação ambiental para realizar o replantio de árvores nas margens dos rios, nas áreas de nascentes e a criação de um corredor ecológico para preservar as espécies vegetais e animais presentes na região; O primeiro cenário contempla, principalmente, valores de uso associados a: retenção e aproveitamento de água da chuva, regulação da oferta de água no ambiente, prevenção do assoreamento dos rios, redução do desmoronamento e as 4

5 enchentes nas áreas urbanas, regulação da qualidade da água, absorvendo parte da poluição dos rios. No segundo cenário, em complemento aos valores de uso da recomposição natural das margens dos rios e nascentes, consideram-se ainda os valores de não uso associados à manutenção de um corredor biológico para espécies vegetais e animais que habitam a bacia, como a onça-parda e a capivara. Para controlar a resposta de DAP do entrevistado, o questionário captava, primeiro, as características socioeconômicas dos moradores dos domicílios (Bloco A) e suas atitudes e comportamentos em relação à ação pública e meio ambiente (Bloco B). O questionário completo, para cada um dos cenários, pode ser observado no Apêndice A Modelo Estatístico Para verificar como o valor de DAP e outros fatores de controle influenciam a probabilidade de aceitação da contribuição, estabeleceu-se relação logística entre a probabilidade de a pessoa aceitar contribuir e fatores de controle, conforme sugestões estabelecidas por Ardila (1993). Essa relação pode ser analisada por meio de um modelo de regressão lógite, baseado na função de probabilidade logística acumulada, especificado por (PINDYCK; RUBINFELD, 2004): Pi = 1+ e 1 ( α + θdap + i k j= 1 β X j ji + u ) Em que P i é a probabilidade de a i-ésima pessoa aceitar contribuir; DAP i,, o valor oferecido; X ji, com j=1,..., k, são as k variáveis de controle consideradas e u i são os erros aleatórios. Após as devidas transformações, o modelo (1) pode também ser expresso pela seguinte relação log-linear: Pi k ln( ) = α + θdapi + j j X ji + ui 1 P =1 β (2) i A variável dependente do modelo (2) é o logaritmo natural da chance de aceitar contribuir, ou seja, da razão entre a probabilidade de a pessoa aceitar contribuir e a de não aceitar contribuir. Essa razão, também chamada de odds, expressa quantas vezes a chance de a pessoa contribuir é maior que a chance de não i (1) 5

6 contribuir, dados os fatores de controle considerados. Os coeficientes angulares (θ e β j ) representam a variação no logaritmo da razão de chances em virtude de uma variação unitária na variável de controle, ou seja, a variação no odds ratio. Para obter a relação direta entre a variação da variável de controle e a variação no odds ratio devese calcular o antilogaritmo do coeficiente angular. 3. Resumo dos resultados 3.1. Características da amostra Entre os 212 questionários aplicados no município de Artur Nogueira, 102 referiam-se ao cenário A (recuperação das margens dos rios e nascentes sem o corredor ecológico) e 110 ao cenário B (recuperação das margens dos rios e nascentes com o corredor ecológico). No município de Campinas, dos 363 questionários aplicados, 181 referiam-se ao cenário A e outros 181 ao cenário B. De maneira geral, independente do tipo de cenário, 55% dos entrevistados estariam dispostas a contribuir com o projeto e outros 45% não aceitaram. As informações foram respondidas apenas pela pessoa responsável pelo domicílio (75% das entrevistas) ou pelo cônjuge (25%). Houve uma distribuição quase que equânime das entrevistas entre pessoas do sexo feminino (54%) e masculino (46%). Prevaleciam adultos entre 40 e 59 anos (45%), sendo que idosos com 60 anos ou mais (26%) e jovens entre 18 e 39 anos (29%) estavam quase que igualmente representados. Aqueles com apenas o ensino fundamental (completo ou incompleto) eram 37% da amostra, com o ensino médio eram 32% e com ensino superior eram 27% (outros 2% não declararam a escolaridade). Mais da metade dos entrevistados tinha trabalho (57%), 3,5% estavam procurando trabalho (desempregados), 23% eram aposentados/pensionistas e 16% não trabalhavam por outro motivo (cuidar dos afazeres doméstico ou estudar, por exemplo). Parcela expressiva dos entrevistados não declarou o rendimento domiciliar (27%). Domicílios com rendimentos muito baixos, inferiores a 800 reais mensais, representavam 10% da amostra e, no outro extremo, 15% dos domicílios apresentavam rendimento superior a 4000 reais mensais. 6

7 Os entrevistados foram solicitados para ordenar as prioridades de 7 ações de políticas públicas (educação, habitação, meio ambiente, emprego, saúde, segurança e transporte). As respostas foram codificadas em uma escala de 1 (maior importância) a 7 (menor importância). A hierarquização média obtida foi a seguinte: i) saúde (média de 1,8); ii) educação (2,8); iii) segurança (3,8); iv) emprego (4,1); v) habitação (4,4); vi) ambiente (5,2); e vii) transporte (5,8). Em outras palavras, em relação aos demais problemas sociais, o meio ambiente apresentou prioridade apenas superior ao transporte, fato que reflete a precária condição socioeconômica da população e justifica os baixos valores de DAP apresentados em boa parte das pesquisas de valoração ambiental no país. Os entrevistados foram ainda questionados sobre seus graus de concordância em relação a uma série de problemas ambientais. As questões apresentadas foram: 1) Você acha que há mais pessoas no planeta que o meio ambiente pode sustentar? 2) Você acha que o homem está destruindo o meio ambiente? 3) Você acha que em breve não haverá mais água nos rios para abastecer toda a população? 4) Você acha que plantas e animais têm os mesmos direitos de existir que nós seres humanos? 5) Você acha que o planeta está aquecendo? 6) Você acha que catástrofes naturais (enchentes, secas prolongadas, tempestades... ) estão ficando cada vez mais frequentes? As respostas foram classificadas em uma escala de 1 a 7 com as seguintes denominações: 1) concorda plenamente; 2) concorda parcialmente; 3) neutro; 4) discorda parcialmente; 5) discorda totalmente. Em todas as questões, o percentual de concordância (plena ou parcial) com os problemas ambientais apresentados foi igual ou superior a 67%. A quarta questão 7

8 apresentou o maior percentual de concordância (95%) e a primeira questão o menor percentual de concordância (67%) Condicionantes da DAP As informações socioeconômicas dos domicílios e as atitudes dos entrevistados em relação ao meio ambiente e às prioridades de políticas públicas foram testadas como fatores de controle da DAP das pessoas em um modelo de regressão logística (equação 1). Conciliando pressupostos teóricos sobre a associação das variáveis e a significância estatística das associações, foram, ao final, considerados os seguintes fatores de controle: c2_dap: valor ofertado de DAP; a6: categorias de renda domiciliar (não declarou; até 800 reais; mais de 800 até 1600 reais; mais de 1600 até 2400 reais; mais de 2400 até 4000 reais; mais de 4000 até 8000 reais; mais de 8000 reais utilizado como referência de análise); b1_ambiente: prioridade atribuída ao meio ambiente em relação a outros problemas sociais (de 1=maior importância até 7=menor importância); cidade: nome do município (Artur Nogueira e Campinas referência de análise); Questionário: tipo de cenário do questionário (sem corredor e com corredor referência de análise); Os coeficientes estimados pela técnica de Máxima Verossimilhança utilizando o comando PROC LOGISTIC do SAS foram: 8

9 Tabela 1 Coeficientes do ajuste de regressão logística para probabilidade de aceitação da DAP em função do valor oferecido e características socioeconômicas Parameter Standard Wald Pr > Estimate Error Chi-Square ChiSq Intercepto <.0001 c2_dap <.0001 a6 Não declarou a6 até 800 reais a6 mais de 800 até 1600 reais a6 mais de 1600 a 2400 reais a6 mais de 2400 a 4000 reais a6 mais de 4000 a 8000 reais b1_ambiente Cidade Artur Nogueira Questionario A (sem o corredor da onça parda) Fonte: Dados de pesquisa As estimativas sugerem, por exemplo, relação negativa entre aceitação a pagar e o valor ofertado da DAP, com redução de 0,097% (e 0,1025 1) na razão de chances de aceitação (odds ratio) para cada incremento unitário (R$) no valor ofertado de DAP. Em relação às categorias do rendimento domiciliar, a menor propensão a contribuir com o projeto ocorreu entre as pessoas que não declararam a renda, provavelmente refletindo uma insatisfação com o instrumento de pesquisa. A segunda menor propensão ocorreu entre aqueles com rendimentos até 800 reais, refletindo a restrição orçamentária desses domicílios. As demais categorias de rendimento domiciliar apresentaram diferenças insignificantes em comparação à categoria de referência (mais de 8000 reais mensais). O grau de preocupação ambiental também contribui para a DAP. Pessoas que atribuíram maiores prioridades ao meio ambiente em relação aos demais problemas sociais apresentaram DAP significativamente superior. Outro resultado relevante da análise é o fato de os moradores de Artur Nogueira terem, independente dos demais fatores de controle, DAP pelo projeto significativamente superior aos de Campinas. De maneira geral, a propensão a contribuir com o projeto é 28% superior em Artur Nogueira em comparação a Campinas. A oferta de água é um problema relevante nesse município, que depende 9

10 de suas próprias fontes para o abastecimento público, o que pode influenciar uma maior conscientização da população em relação à utilidade de um projeto de adequação ambiental das margens de rios e nascentes. Por outro lado, não houve diferença significativa entre as DAPs para os dois tipos de cenários: com e sem corredor. Ou seja, a criação de corredor ecológico na região não aumentou a DAP dos entrevistados em relação à recuperação das margens de rios e nascentes. Três justificativas podem ser apresentadas para esse resultado: i) dificuldade de descrição e, consequentemente, distinção dos entrevistados, dos dois tipos de cenários; ii) as DAPs refletiriam, sobretudo, valores de uso da regulação da oferta e qualidade da água, ou seja, os valores de existência associados à preservação da onça parda seriam inexpressivos quando comparados aos valores de uso do recurso água; iii) dificuldade do método para captar a DAP que reflita a real utilidade dos atributos avaliados. Controlando os valores dos fatores de controle por seus respectivos valores médios observados na amostra, foi possível simular a função logística, relacionando a probabilidade de aceitação (p) a cada valor de DAP. Foram simuladas duas curvas logísticas, uma para cada município. A partir da representação observada na Figura 1, foi possível estimar uma DAP mediana mensal por domicílio de R$ 9,39 no município de Campinas e de R$ 11,80 no município de Artur Nogueira. Ou seja, esses valores representariam o máximo que pelo menos 50% dos domicílios estariam dispostos a pagar pelos benefícios ambientais do projeto. 10

11 Figura 1- Função logística acumulada relacionando probabilidade de aceitação (p) e valor de DAP para valores médios dos demais fatores de controle A DAP mediana estimada poderia ser substancialmente maior caso não fosse a baixa credibilidade da população com o destino do dinheiro público e a insatisfação com a elevada carga tributária no Brasil. Os principais motivos apontados por aqueles que se recusaram a contribuir com o projeto eram a desconfiança em relação ao destino das contribuições e a já excessiva carga de tributos pagos sem que haja uma igual contrapartida do governo na prestação de benefícios sociais. Entre os 254 entrevistados que se recusaram a contribuir com o projeto (44% do total), aproximadamente 28% justificaram que já pagam muitos impostos e taxas, 19% disseram não confiar no destino dos recursos e 15% disseram que o problema era do Governo. Outros 21% não contribuiriam devido ao elevado valor sugerido ou em razão das restrições financeiras Estimativas de DAP A partir das curvas logísticas projetadas para os municípios de Campinas e Artur Nogueira, estimaram-se os respectivos valores medianos de DAP (R$ 9,39 para Campinas e R$ 11,80 para Artur Nogueira). Esses valores correspondem a contribuições mensais a serem pagas, por domicílio, para viabilizar a execução do projeto de recuperação ambiental. Considerando o total de domicílios dos municípios 11

12 de Campinas e Artur Nogueira, pode-se estimar a DAP mensal total das populações dos respectivos municípios, como mostram os dados da Tabela 2. Tabela 2 Disposição a pagar mensal pelo projeto de recuperação ambiental Localidade DAP mediana Total Domicílios DAP Total Campinas 9, ,05 Artur Nogueira 11, ,92 Total ,97 Fonte: Dados de pesquisa e Censo 2010 (IBGE) O número total de domicílios em cada ano foi obtido a partir de informações do número de domicílios em 2010 (Censo Demográfico 2010, IBGE) e da taxa de crescimento populacional entre 2010 e 2012 de cada município projetada pelo SEADE. Assim, foram estimados 354 mil domicílios em Campinas em 2012, com uma DAP mensal total de R$ 3,3 milhões. Em Artur Nogueira, foram estimados 14 mil domicílios em 2012, com uma DAP total de R$ 165 mil. Em seguida, considerou-se o período de contribuição para estimar a DAP total do projeto, em valores correntes e presentes. Para estimar o valor presente, os valores correntes foram corrigidos por uma taxa de desconto reflitindo o custo de oportunidade do capital no tempo, que, neste trabalho, assumiu-se ser igual a 5%. O período de contabilização dos benefícios foi de 10 anos, prazo de duração do projeto, considerado razoável para que o projeto de replantio e recuperação das matas ciliares seja finalizado. O número de domicílios foram projetados a partir dos valores previstos para 2012 (ano 0) e a taxa de crescimento populacional prevista pelo SEADE (0,8% a.a. para Campinas e 1,8% para Artur Nogueira). A Tabela 3 apresenta as estimativas totais anuais de DAP. No total, seriam R$ 39,9 milhões de contribuição anual para Campinas, que totalizaria, em valores presentes, R$ 334,9 milhões em 10 anos. Para Artur Nogueira, seriam R$ 2 milhões anualmente de DAP, que totalizariam, em valores presentes, R$ 17,2 milhões. Para os 2 domicílios, a DAP total do projeto seria de aproximadamente R$ 352 milhões. 12

13 Ano Tabela 3 - Estimativa de domicílios e da DAP anual em valores correntes e em valores presentes de 2012 (taxa de desconto de 5%) Domicílios Campinas Domicílios Artur Nogueira DAP Anual Total Campinas (R$ Correntes) DAP Anual Total Artur Nogueira (R$ Correntes) DAP Anual Total Campinas (R$ Presente) DAP Anual Total Artur Nogueira (R$ Presente) Total Fonte: Dados de pesquisa, IBGE e SEADE 4. Considerações finais Os principais resultados obtidos neste relatório foram: - Há diferenças significativas de DAP entre os municípios de Campinas e Artur Nogueira (R$ 9,39 / domicílio/mês em Campinas e R$ 11,80 / domicílio/ano em Artur Nogueira); Não há diferenças significativas entre as DAP para os dois tipos de cenários testados na pesquisa (sem o corredor ecológico e com o corredor ecológico); DAP mensal total de R$ 3,3 milhões em Campinas e R$ 164,6 mil em Artur Nogueira; Em valores presentes de 2012, DAP anual total de R$ 334,9 milhões em Campinas e R$ 17, 2 milhões em Artur Nogueira 13

14 5. Referências bibliográficas ARROW, K.; SOLOW, R.; PORTNEY, P. R.; LEAMER, E.E.; RADNER, R.; E SCHUMAN, H. Report of the NOAA panel on contingent valuation. Federal Register, v.58, n. 10, p January 15, ARDILA, S. Guía para la utilización de modelos econométricos en aplicaciones del método de valoración contingente. Washinghton: IADB, MAIA, A. G.; ROMEIRO, A. R.; REYDON, B. F Valoração de recursos ambientais: metodologias e recomendações. Texto para Discussão. IE/UNICAMP, n MITCHELL, R. C.; CARSON, R. T. Using surveys to value public goods: the contingent valuation method. Resource for the future, Washington, DC, p. MOTTA, R. S. Manual para valoração econômica de recursos ambientais. Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônica Legal, p. PINDYCK, R. S.; RUBINFELD, D. L. Econometria: modelos & previsões. Rio de Janeiro: Elsevier,

15 Anexo A Questionário de AC Cenário A (sem corredor) 15

16 16

17 17

18 18

19 Anexo A Questionário de AC Cenário B (com corredor) 19

20 20

21 21

22 22

23 Anexo A Questionário de AC Imagem 1 23

24 Anexo A Questionário de AC Imagem 2 24

25 Anexo A Questionário de AC Imagem 3 25

26 Anexo A Questionário de AC Imagem 4 26

27 Anexo A Questionário de AC Imagem 5 27

28 17 The SAS System 11:33 Tuesday, December 4, 2012 The FREQ Procedure Table of Questionario by Cidade Questionario(Tipo de Cenário do Questionário) Cidade(Município) Frequency Percent Row Pct Col Pct Artur No Campinas Total ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒˆƒƒƒƒƒƒƒƒˆƒƒƒƒƒƒƒƒˆ A (sem o corredo r da onça parda) ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒˆƒƒƒƒƒƒƒƒˆƒƒƒƒƒƒƒƒˆ B (com o corredo r da onça parda) ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒˆƒƒƒƒƒƒƒƒˆƒƒƒƒƒƒƒƒˆ Total Frequency Missing = 2 c2_resp Cumulative Cumulative c2_resp Frequency Percent Frequency Percent ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒ Não Sim Frequency Missing = 4 Posição no Domicílio Cumulative Cumulative a1 Frequency Percent Frequency Percent ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒ Chefe Cônjuge Frequency Missing = 1 18 The SAS System 11:33 Tuesday, December 4, 2012 The FREQ Procedure Sexo Cumulative Cumulative a2 Frequency Percent Frequency Percent ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒ Feminino Masculino Frequency Missing = 1 Idade Cumulative Cumulative 28

29 a3 Frequency Percent Frequency Percent ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒ 18 a a a ou mais Frequency Missing = 58 Escolaridade Cumulative Cumulative a4 Frequency Percent Frequency Percent ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒ Alfabetização de adultos Ensino Fundamental completo Ensino Fundamental incompleto Ensino Medio completo Ensino Médio completo Ensino Médio incompleto Ensino Superior completo Ensino Superior incompleto Sem informação Sem instrução Frequency Missing = 2 19 The SAS System 11:33 Tuesday, December 4, 2012 The FREQ Procedure Situação de Trabalho Cumulative Cumulative a5 Frequency Percent Frequency Percent ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒ Não trabalha, mas procura trabalho Não trabalha, mas é aposentado/pensionista Não trabalha, por outro motivos Não trabalha, porque cuida dos afazeres domésticos Sem informação Trabalha / tem trabalho Trabalha/ tem trabalho Frequency Missing = 1 Renda Domiciliar Cumulative Cumulative a6 Frequency Percent Frequency Percent ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒ Não declarou até 800 reais mais de 800 até 1600 rea mais de 1600 a 2400 reais mais de 2400 a 4000 reais mais de 4000 a 8000 reais mais de 8000 reais Frequency Missing = 1 20 The SAS System 11:33 Tuesday, December 4, 2012 The MEANS Procedure Variable Label N Mean Std Dev Minimum Maximum ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒ 29

30 b1_educacao Educação b1_habitacao Habitação b1_ambiente Meio Ambiente b1_emprego Emprego b1_saude Saúde b1_seguranca Segurança b1_transporte Transporte ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒ 21 The SAS System 11:33 Tuesday, December 4, 2012 The FREQ Procedure Você acha que há mais pessoas no planeta que o meio ambiente pode sustentar? Cumulative Cumulative b3_1 Frequency Percent Frequency Percent ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒ Concorda Totalmente Concorda Parcialmente Neutro Discorda Parcialmente Discorda Totalmente Frequency Missing = 2 Você acha que o homem está destruindo o meio ambiente? Cumulative Cumulative b3_2 Frequency Percent Frequency Percent ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒ Concorda Totalmente Concorda Parcialmente Neutro Discorda Parcialmente Discorda Totalmente Frequency Missing = 2 Você acha que em breve não haverá mais água nos rios para abastecer toda a população? Cumulative Cumulative b3_3 Frequency Percent Frequency Percent ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒ Concorda Totalmente Concorda Parcialmente Neutro Discorda Parcialmente Discorda Totalmente Frequency Missing = 3 22 The SAS System 11:33 Tuesday, December 4, 2012 The FREQ Procedure Você acha que plantas e animais têm os mesmos direitos de existir que nós seres humanos? Cumulative Cumulative b3_4 Frequency Percent Frequency Percent ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒ Concorda Totalmente Concorda Parcialmente Neutro Discorda Parcialmente

31 Discorda Totalmente Frequency Missing = 5 Você acha que o planeta está aquecendo? Cumulative Cumulative b3_5 Frequency Percent Frequency Percent ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒ Concorda Totalmente Concorda Parcialmente Neutro Discorda Parcialmente Discorda Totalmente Frequency Missing = 3 Você acha que catástrofes naturais (enchentes, secas prolongadas, tempestades... ) estão ficando cada vez mais frequentes? Cumulative Cumulative b3_6 Frequency Percent Frequency Percent ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒ Concorda Totalmente Concorda Parcialmente Neutro Discorda Parcialmente Discorda Totalmente Frequency Missing = 3 23 The SAS System 11:33 Tuesday, December 4, 2012 The LOGISTIC Procedure Model Information Data Set WORK.AC Response Variable c2_resp2 Number of Response Levels 2 Model binary logit Optimization Technique Fisher's scoring Number of Observations Read 576 Number of Observations Used 510 Response Profile Ordered Total Value c2_resp2 Frequency Probability modeled is c2_resp2=1. NOTE: 66 observations were deleted due to missing values for the response or explanatory variables. Class Level Information Class Value Design Variables a6 Não declarou até 800 reais

32 mais de 800 até 1600 rea mais de 1600 a 2400 reais mais de 2400 a 4000 reais mais de 4000 a 8000 reais mais de 8000 reais Cidade Artur No 1 Campinas -1 Questionario A (sem o corredor da onça parda) 1 B (com o corredor da onça parda) -1 Model Convergence Status Convergence criterion (GCONV=1E-8) satisfied. 24 The SAS System 11:33 Tuesday, December 4, 2012 The LOGISTIC Procedure Model Fit Statistics Intercept Intercept and Criterion Only Covariates AIC SC Log L Testing Global Null Hypothesis: BETA=0 Test Chi-Square DF Pr > ChiSq Likelihood Ratio <.0001 Score <.0001 Wald <.0001 Type 3 Analysis of Effects Wald Effect DF Chi-Square Pr > ChiSq c2_dap <.0001 a b1_ambiente Cidade Questionario Analysis of Maximum Likelihood Estimates Standard Wald Parameter DF Estimate Error Chi-Square Pr > ChiSq Intercept <.0001 c2_dap <.0001 a6 Não declarou a6 até 800 reais a6 mais de 800 até 1600 rea a6 mais de 1600 a 2400 reais

33 a6 mais de 2400 a 4000 reais a6 mais de 4000 a 8000 reais b1_ambiente Cidade Artur No Questionario A (sem o corredor da onça parda) The SAS System 11:33 Tuesday, December 4, 2012 The LOGISTIC Procedure Odds Ratio Estimates Effect Point Estimate c2_dap a6 Não declarou vs mais de 8000 reais a6 até 800 reais vs mais de 8000 reais a6 mais de 800 até 1600 rea vs mais de 8000 reais a6 mais de 1600 a 2400 reais vs mais de 8000 reais a6 mais de 2400 a 4000 reais vs mais de 8000 reais a6 mais de 4000 a 8000 reais vs mais de 8000 reais b1_ambiente Cidade Artur No vs Campinas Questionario A (sem o corredor da onça parda) vs B (com o corredor da onça parda) Odds Ratio Estimates 95% Wald Confidence Limits Association of Predicted Probabilities and Observed Responses Percent Concordant 71.6 Somers' D Percent Discordant 28.0 Gamma Percent Tied 0.4 Tau-a Pairs c The SAS System 11:33 Tuesday, December 4, 2012 The FREQ Procedure Por que você não contribuiria para recuperar essas áreas? Cumulative Cumulative c3 Frequency Percent Frequency Percent ƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒƒ ƒƒ Acho que cada proprietário deveria replantar na sua

34 área. A mata se recuperaria por conta própria sem grandes problemas. ELES TEM SUBSIDIO PARA ISSO JÁ FAÇO MINHA PARTE POIS GASTO POUCA AGUA Já pago muitos impostos e taxas Não acho o projeto importante Não concorda com a forma de pagto.; já paga muitos impostos. Não concordo com a forma de pagamento Não confio no destino dos recursos Não confio no destino dos recursos, Já pago muitos impostos e taxas Não conhece o projeto, não confia no que acontecerá Não tem certeza se os outros ajudariam, não confia O PROPRIETÁRIO DA TERRA É QUEM DEVE PAGAR DE ACORDO COM O CODIGO FLORESTAL. ELE É RESPONSAVEL POR PRESERVAR A AREA. O dever de ajudar é dos usineiros O problema é do governo O problema é do governo, Já pago muitos impostos e taxas O problema é do governo, Muita gente desperdiça água O problema é do governo, Não confio no destino dos recursos O problema é do governo, Não confio no destino dos recursos, Já pago muitos impostos e taxas O valor é muito alto/não posso pagar O valor é muito alto/não posso pagar, SE FOSSE UM VALOR MENOR EU PAGARIA PODE MUDAR DE CIDADE Pagamento de acordo com o gasto Preciso de mais tempo para pensar QUEM DEVERIA PAGAR SÃO OS PROPRIETÁRIOS DAS TERRAS ONDE PASSAM OS RIOS. NÓS DA CIDADE JÁ PAGAMOS MUITOS IMPOSTOS Quem deveria pagar são as grandes empresas, por exemplo, empresas da construção civil. Renda e cobranças, a água já está muito cara Usa poço artesiano, e para o esgoto tem fossa. Não paga conta de água. Frequency Missing = 1 34

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE

Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE Agentes de Crédito e Grupos Solidários Segurado Segurador Agente de Seguro Segurado Segurado Definição de Microseguros Critério Renda Per Capita % Pop E 13.48 DE 34.96 83.83 1 SM 51.05 2 SM 74.82 3 SM

Leia mais

4 Análise dos Resultados

4 Análise dos Resultados 4 Análise dos Resultados 4.1 Construção do o de Regressão Logística No SPSS 13.0, foi aplicado o modelo de regressão logística binário, método stepwise foward, para definir o modelo final que minimiza

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor

Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor e conservação de água mediante adequação ambiental em propriedades rurais na Região Metropolitana

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda.

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda. DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1 Rodolfo Hoffmann 2 RESUMO Este trabalho analisa a distribuição da renda no Brasil e em seis regiões do país, utilizando os dados da PNAD de 1999. É examinada a

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - NATAL Natal, setembro de 2015 1 Sumário 1. Aspectos Metodológicos... 3 2. Descrição dos Resultados... 4 Itens de comemoração... 4 Gastos com presente... 4 Local e quando compra...

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 José Cechin Superintendente Executivo Carina Martins Francine Leite Nos últimos meses, vários relatórios publicados por diferentes instituições

Leia mais

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo Projeções da Fundação Seade para a trajetória até 2050 indicam que o grupo populacional com mais de 60 anos será triplicado e o com mais

Leia mais

A participação do Idoso na econômia das famílias da Região do Grande ABC

A participação do Idoso na econômia das famílias da Região do Grande ABC A participação do Idoso na econômia das famílias da Região do Grande ABC Não podemos acrescentar dias em nossas vidas, mas podemos acrescentar vida em nossos dias Cora Coralina 1 - Introdução Este trabalho

Leia mais

CENTRO DE POLÍTICAS SOCIAIS. Retratos do. Cárcere

CENTRO DE POLÍTICAS SOCIAIS. Retratos do. Cárcere CENTRO DE POLÍTICAS SOCIAIS Retratos do Cárcere 2 PRESIDIÁRIO CARIOCA O Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas (CPS/IBRE/FGV) realizou um breve levantamento dos presídios cariocas, que

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Censo Demográfico 2010 Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2012 As presentes publicações dão continuidade à divulgação dos resultados do Censo Demográfico 2010

Leia mais

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* O idoso brasileiro no Mercado de Trabalho 30 1- Introdução A análise da participação do idoso nas atividades econômicas tem um caráter diferente das análises tradicionais

Leia mais

CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento do consumidor

CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento do consumidor CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento do consumidor 2º Seminário Internacional de Marketing Relacionado a Causas 27 de setembro de 2005 1 O que pensa consumidor

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Jus>fica>va. Obje>vos

Jus>fica>va. Obje>vos Jus>fica>va O Brasil está entre os dez maiores emissores de gases de efeito estufa do mundo e a cada ano os brasileiros de Norte a Sul do país são mais afetados pelas consequências das mudanças climá>cas

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Desafios do Programa Habitacional Minha Casa Minha Vida Profa. Dra. Sílvia Maria Schor O déficit habitacional brasileiro é

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Previdência 20 Maioria dos brasileiros apoia mudanças na previdência Sete em cada dez brasileiros reconhecem que o sistema previdenciário brasileiro apresenta

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

PESQUISA SOBRE HÁBITOS RELACIONADOS AO MEIO-AMBIENTE ABES-RS. INSTITUTO METHODUS www.methodus.srv.br methodus@methodus.srv.

PESQUISA SOBRE HÁBITOS RELACIONADOS AO MEIO-AMBIENTE ABES-RS. INSTITUTO METHODUS www.methodus.srv.br methodus@methodus.srv. PESQUISA SOBRE HÁBITOS RELACIOADOS AO MEIO-AMBIETE ABES-RS ISTITUTO METHODUS www.methodus.srv.br methodus@methodus.srv.br (51) 32212582 Porto Alegre/ julho de 2006 1 1- APRESETAÇÃO Realizada pelo Instituto

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Censo Demográfico 2010 Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2012 Identificação da população indígena nos Censos Demográficos do Brasil 1991 e 2000

Leia mais

O Papel dos Critérios Econômicos na Gestão das Reservas da Biosfera

O Papel dos Critérios Econômicos na Gestão das Reservas da Biosfera O Papel dos Critérios Econômicos na Gestão das Reservas da Biosfera Ronaldo Seroa da Motta ronaldo.seroa@ipea.gov.br Seminário Internacional sobre Reservas da Biosfera, Serviços Ambientais e Indicadores

Leia mais

CARTILHA Previdência. Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS

CARTILHA Previdência. Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS CARTILHA Previdência Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS Índice 1. Os planos de Previdência Complementar e os Regimes Tributários... Pág. 3 2. Tratamento tributário básico... Pág. 4 3. Características próprias

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 18

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 18 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota Metodológica nº 18 Aluguel de Imóveis (versão para informação e comentários)

Leia mais

abastecimento de água e imagem da COPASA Montes Claros

abastecimento de água e imagem da COPASA Montes Claros Avaliação do Serviço o de abastecimento de água e imagem da COPASA Montes Claros Pesquisa realizada entre 24 e 28 de Abril de 2010 Informações Metodológicas Tipo de pesquisa: Survey, utiliza-se de questionário

Leia mais

A Mensuração dos Ativos Ambientais

A Mensuração dos Ativos Ambientais A Mensuração dos Ativos Ambientais Ronaldo Seroa da Motta ronaldo.seroa@ipea.gov.br I CONGRESSO INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO MF,MPO,FGV, ISI e ESAF Brasília, 31 de agosto

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO IBOPE PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO - 2006 Proibida reprodução total ou parcial sem autorização expressa

Leia mais

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação Nome: n o : Ensino: Fundamental Ano: 7 o Turma: Data: Professor(a): Maria Silvia Geografia Exercícios de recuperação 1) Para a geografia, qual é o conceito de região? 2) Entre os aspectos utilizados para

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

DATA POPULAR SAÚDE NA NOVA CLASSE MÉDIA BRASILEIRA. RENATO MEIRELLES renato@datapopular.com.br

DATA POPULAR SAÚDE NA NOVA CLASSE MÉDIA BRASILEIRA. RENATO MEIRELLES renato@datapopular.com.br DATA POPULAR SAÚDE NA NOVA CLASSE MÉDIA BRASILEIRA RENATO MEIRELLES renato@datapopular.com.br NOS ÚLTIMOS ANOS O BRASIL PASSOU POR UMA DAS MAIS PROFUNDAS MUDANÇAS DE SUA HISTÓRIA AB DE % Essa é a classe

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 E TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS m setembro, a Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada na Região Metropolitana de Salvador (RMS), apresentou

Leia mais

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ 1.0 Introdução Prof. Dr. Joilson Dias Assistente Científica: Cássia Kely Favoretto Costa Departamento de Economia Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Ano 23 - Número 12 Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

CONSUMO DOMICILIAR E USO RACIONAL DA ÁGUA EM ÁREAS DE BAIXA RENDA: PESQUISA DE OPINIÃO

CONSUMO DOMICILIAR E USO RACIONAL DA ÁGUA EM ÁREAS DE BAIXA RENDA: PESQUISA DE OPINIÃO CONSUMO DOMICILIAR E USO RACIONAL DA ÁGUA EM ÁREAS DE BAIXA RENDA: PESQUISA DE OPINIÃO Ana Garcia Mirian Santos Dijara Conceição Adriana Machado Asher Kiperstok REDE DE TECNOLOGIAS LIMPAS DA BAHIA PPG

Leia mais

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada Saneamento no Brasil Definição: Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saneamento é o controle de todos os fatores do meio físico do homem que exercem ou podem exercer efeitos nocivos sobre o bem

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento Inquérito à Situação Financeira das Famílias 2010 25 de maio de 2012 Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento O Inquérito à Situação Financeira

Leia mais

O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em 2013

O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em 2013 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Ano 19 Nº 13 - O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em A partir da aprovação da Emenda Constitucional n 72,

Leia mais

PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL

PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 01 Resultados de janeiro de 2015 PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL 1. De acordo com a Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, a taxa

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Capítulo 5 Análise dos Resultados - Seguro de Vida 5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Este capítulo tem como objetivo a análise dos resultados obtidos através da modelagem dos dados de uma seguradora.

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

Atitudes pela Educação Novembro de 2014

Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Realização: Instituto Paulo Montenegro IBOPE Inteligência Parceiros da pesquisa: Todos Pela Educação Fundação Itaú Social Fundação Maria Cecília Souto Vidigal Fundação

Leia mais

Opinião do. brasileiro sobre Voluntariado. Fundação Itaú Social Resultados em outubro de 2014

Opinião do. brasileiro sobre Voluntariado. Fundação Itaú Social Resultados em outubro de 2014 Opinião do brasileiro sobre Voluntariado Fundação Itaú Social Resultados em outubro de 2014 Índice 2 Objetivo e Metodologia Perfil demográfico da população brasileira Exercício da Atividade Voluntária

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Programa de Pós-Graduação em Administração

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Programa de Pós-Graduação em Administração UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Programa de Pós-Graduação em Administração GERENCIAMENTO FINANCEIRO DOS BENEFÍCIOS ADVINDOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: UMA ANÁLISE

Leia mais

Barómetro das Crises

Barómetro das Crises Barómetro das Crises 27-01-2015 Nº 12 O salário mínimo: a decência não é um custo A tendência dos últimos anos é de diminuição do peso dos ordenados e salários no Produto Interno Bruto (PIB). Por isso,

Leia mais

Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende.

Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende. Imagem do Museu da Língua Portuguesa (Estação da Luz - São Paulo, SP). Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende. João Guimarães Rosa Política Estadual de Mudanças Climáticas e o Pagamento

Leia mais

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 10 nº 2 Março 2010 Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Hoje, os acidentes de transporte

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

MULHER NO MERCADO DE TRABALHO

MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MULHER NO MERCADO DE TRABALHO Tâmara Freitas Barros A mulher continua a ser discriminada no mercado de trabalho. Foi o que 53,2% dos moradores da Grande Vitória afirmaram em recente pesquisa da Futura,

Leia mais

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Contexto Em abril de 2012, o governo através da diretoria da agência reguladora de energia elétrica (ANEEL) aprovou regras destinadas a reduzir

Leia mais

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego mostram que a taxa de desemprego cresceu nas regiões metropolitanas pesquisadas. O DIEESE

Leia mais

ABNT NBR 14653-3:2004. Propostas de mudança aprovadas pela comissão de estudos

ABNT NBR 14653-3:2004. Propostas de mudança aprovadas pela comissão de estudos ABNT NBR 14653-3:2004 Propostas de mudança aprovadas pela comissão de estudos Definições 3.2 benfeitorias: Resultado de obra ou serviço realizado no imóvel rural, que não pode ser retirado sem destruição,

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA PED PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS Setembro - 2014 OBJETIVO Os principais objetivos desta pesquisa são conhecer e divulgar a situação do emprego e desemprego na cidade de Santos,

Leia mais

4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito

4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito 4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito 4.1 Preparação de Dados Foi utilizada uma base de dados de 156 clientes que tiveram o vencimento de seus títulos compreendidos no período de abril

Leia mais

5 Conclusões e Recomendações

5 Conclusões e Recomendações 5 Conclusões e Recomendações 5.1 Conclusões O objetivo deste estudo foi utilizar a base de dados de clientes de uma empresa para desenvolver um modelo de regressão logística que determine o risco de cancelamento

Leia mais

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 1- Erradicar a extrema pobreza e a fome Meta 1: Reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção da população com renda

Leia mais

1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE

1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE 1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE INDICADORES DE DESNUTRIÇÃO Peso e altura são duas das principais características antropométricas sensíveis às condições de vida e nutrição de crianças e adolescentes

Leia mais

VOLUME 3. Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar.

VOLUME 3. Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar. VOLUME 3 Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar. 69 PARTE I PROJEÇÃO DEMOGRÁFICA 70 1 Introdução A atualização de projeções

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

V Pedreiros e Vendedores. 1 Introdução

V Pedreiros e Vendedores. 1 Introdução V Pedreiros e Vendedores 1 Introdução No contexto da análise dos trabalhadores por conta própria, tendo em vista a destacada participação nos grupamentos de atividades da construção (17,4%) e do comércio

Leia mais

AUTOR(ES): ANDRÉ DOS SANTOS JANUÁRIO GARCIA, PAULO HENRIQUE DOS SANTOS

AUTOR(ES): ANDRÉ DOS SANTOS JANUÁRIO GARCIA, PAULO HENRIQUE DOS SANTOS TÍTULO: APP UM ESTUDO EXPLORATÓRIO NA MICRO REGIÃO DE AURIFLAMA-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): ANDRÉ DOS

Leia mais

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Natal 29/02/2012 1 Considerações Gerais; Principais conceitos demográficos; Gráficos de indicadores sociais; Estrutura das populações mundiais:

Leia mais

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS*

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* * Release elaborado pela BM&FBOVESPA baseado nos dados informados pelo Banco Mundial para o 2º Workshop de Divulgação

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais