Mercado de Bens e Serviços Ambientais no Brasil Desafios e Oportunidades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mercado de Bens e Serviços Ambientais no Brasil Desafios e Oportunidades"

Transcrição

1 Mercado de Bens e Serviços Ambientais no Brasil Desafios e Oportunidades Encontro Técnico AESABESP São Paulo Agosto/2015

2 Sistema de Gestão - PBM

3 Dois Enfoques sobre a Produção Sustentável Enfoque Sistêmico Ações e Medidas Setoriais de apoio à produção mais limpa + Enfoque Setorial Desenvolvimento do Segmento de Bens e Serviços Ambientais BSA

4 PerspecHva das Cadeias ProduHvas Unidades de Matérias Primas Insumos Unidades de Produção Produtos Unidades de Consumo Enfoque Sistêmico Perdas, emissões e resíduos (1) Unidades de Co- Produtos Co-Produtos Unidades de Reciclagem Insumos Unidades de Coleta e Triagem Segmento BSA Perdas, emissões e resíduos (2) Fontes Primárias de Recursos Naturais

5 Dois Enfoques sobre a Produção Sustentável Enfoque Sistêmico Ações e Medidas Setoriais de apoio à produção mais limpa + Enfoque Setorial Desenvolvimento do Segmento de Bens e Serviços Ambientais BSA

6 O que são Bens e Serviços Ambientais (BSA)? Grupo A Gestão da Poluição Grupo C Gerenciamento de Recursos Grupo B Tecnologias Mais Limpas e Grupos de Produtos Fonte do Conceito de BSA: OCDE Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico / EGS Environmental Goods and Services

7 O que são Bens e Serviços Ambientais (BSA)? Grupo A - Gestão da Poluição Equipamentos (Bens) Serviços Construção e Instalação de Unidades Controle da Poluição do Ar Gestão das Águas Residuais Gestão de Resíduos Sólidos Recuperação e Limpeza do Solo e da Água Ruído e Vibrações Monitoramento, Análise e Avaliação Ambiental Pesquisa e Desenvolvimento Ambiental Contratação e Engenharia Ambiental Recolhimento de Dados, Análise e Avaliação Educação, Formação e Informação Monitoramento Ambiental, Análise e Avaliação Fonte: OCDE Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico EGS Environmental Goods and Services

8 O que são Bens e Serviços Ambientais (BSA)? B- Tecnologias Mais Limpas e Grupos de Produtos Tecnologias e Processos Limpos e/ou Eficientes no Uso de Recursos Produtos Limpos e/ou Eficientes no Uso de Recursos Controle da Poluição do Ar Interior Abastecimento de Água Materiais Reciclados Plantas de Energia Renovável Gestão da Poupança de Energia/Calor Agricultura e Pesca Sustentável Manejo Florestal Sustentável Gestão de Riscos Naturais Eco- Turismo C- Gerenciamento de Recursos Fonte: OCDE Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico EGS Environmental Goods and Services

9 O que são Bens e Serviços Ambientais (BSA)? Classificação CNAE Saneamento: 36 Captação, Tratamento e Distribuição de Água 37 Esgoto e AHvidades Relacionadas Resíduos Sólidos 38 Coleta, Tratamento e Disposição de Resíduos 39 Descontaminação e outros Serviços da Gestão de Resíduos Fonte CNAE 2.0: Classificação Nacional de AHvidades Econômicas

10 MoHvações do Projeto de Esgmulo a BSA Oportunidades: : Importações de equipamentos, tecnologias, produtos e outros BSA ano) e Reciclagem de Resíduos (> R$19 bilhões/ano) 300 mil empregos, com potencial ainda maior Cresce acima da média das ahvidades econômicas Dependente de ahvidades público- privadas Oportunidades pela Lei de Saneamento/PolíHca Nacional de Resíduos Sólidos Ameaças: Importações de equipamentos, tecnologias, produtos e outros BSA Crescimento do mercado brasileiro tem atraído holding ambientais globais Fontes: Estudo ABDI- UNICAMP, RAIS Minist. Trabalho e IBGE - Pesquisa Industrial Anual (PIA) e Pesquisa Anual de Serviços (PAS)

11 Primeiro Estudo ABDI/UNICAMP 2012 Análise das caracteríshcas gerais do setor IdenHficação dos principais agentes atuantes no setor Disponível em: h[p://www.abdi.com.br/estudo/000%20- %20bens_servicos_ambientais%20defini`vo.pdf

12 Mercado Global de BSA Por Região 1% 2% 2% 3% 3% 2% Estados Unidos Europa Ocidental Japão 9% 12% 38% Restante da Ásia México Restante da América LaHna Canadá 28% Austrália/Nova Zelândia Europa Central e Leste Oriente Médio Mercado global > US$ 776 bilhões/ano - 4% na América Latina (46% no Brasil - US$ 14,2 bilhões/ano) Fonte/Source: Enviromental Business Internacional Inc. in: Ferrier (2011)

13 Mercado Global de BSA Por Categoria OCDE 6% 6% 5% 1% 1% 1% UHlidades para Distribuição de Água 5% 15% 13% Plantas de Tratamento de Água Equipamentos e Prod. Químicos para Trat. de Água Gestão de Resíduos Sólidos Equipamentos para Gestão de Resíduos Gestão de Resíduos Perigosos 14% 8% Sistemas e Geração de Energia Limpa Consultoria e Engenharia Serviços Industriais 3% 4% 18% Controle de Poluição do Ar Recuperação de Recursos Saneamento (36%) + Tratamento de Resíduos (25%) = 61% Fonte/Source: Environmental Business Internacional Inc. in: Ferrier (2011) Instrumentos e Sistemas de Informação Tecnologias de Processos Serviços AnalíHcos

14 Mercado de BSA no Brasil Tamanho da Indústria (R$ Bilhões) 5% 6% 56% 10 Bilhões 33% 6 Bilhões Remediação de Solo Poluição do Ar e Gestão Água e Esgoto Resíduos Sólidos Saneamento (33%) + Tratamento de Resíduos (56%) = 89% Fonte: UK Trade & investment Sector briefing: Brazil opportunihes in Environment & Water (2011)

15 Segundo Estudo ABDI/UNICAMP 2014 Mercado de Bens e Serviços Ambientais CaracterísHcas Estruturais, Desafios e Oportunidades hyp://www.abdi.com.br/estudo/abdi- UNICAMP%20Mercado%20de%20Bens%20e %20Servi%C3%A7os%20Ambientais.pdf

16 Estrutura da Apresentação do Estudo ABDI/UNICAMP 1. Caracterís`cas estruturais dos setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 2. Situação Internacional do Mercado de Saneamento e Resíduos Sólidos 3. Evolução Recente do Mercado Brasileiro de Serviços de Saneamento e Tratamento de resíduos 4. Estrutura e Desempenho Setorial: evidências de dados secundários 5. Estratégias Empresariais de Agentes atuantes nos setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 6. Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação 7. Arcabouço Ins`tucional e Polí`cas Públicas para os setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 8. Diagnós`co e Avaliação de Polí`cas

17 Cadeia de valor - Saneamento Fonte: Peças (2013) adaptada por ABDI

18 Mudanças InsHtucionais - Saneamento Lei de Concessão* nº 8.987/1995 Lei de PPP nº /2004 Lei de Consórcios Públicos nº /2005 Lei do Saneamento nº /2007 Decreto Regulamentador nº (2010) 2014 PMSB 1ª onda pioneirismo ª onda PrivaHzação Paralisação Novo Marco Regulatório ª onda hoje Primeiras concessões: Limeira, Niterói, etc. Primeiros BOTs* Jundiaí, Itu, Ribeirão Preto *BOT= Build, Operate, Transfer Chegada dos operadores internacionais Manaus e Campo Grande Fracasso PL 4146 Projetos que não evoluíram: Embasa e CEDAE Crise internacional, saída dos operadores internacionais Definição da nova políhca de saneamento básico Novas regras e organização Lei das PPP s Nº12.766/dez2012

19 Atuação do Governo Federal em Saneamento Básico PolíHcas e Ações MINISTÉRIO POLÍTICAS E AÇÕES MCIDADES Coordenação da PolíHca Federal de Saneamento Básico MS/FUNASA Coordenação da PolíHca de Saúde Pública MI/CODEVASF Coordenação de Ações de Desenvolvimento Regional MMA ANA MDS Coordenação da PolíHca Nacional de Resíduos Sólidos Coordenação da PolíHca Nacional de Recursos Hídricos Coordenação do Plano de Erradicação da Extrema Pobreza Fonte: Fraya (2013)

20 Modelos InsHtucionais de Concessão de Serviços de Saneamento Concessão Plena Concessão Parcial PPP Locação de A`vos O&M Operação e Manutenção DBOT Design, Construção, Operação e Transferência DBOO Design, Construção Operação Própria Prestação de Serviços Empresas Públicas Limeira Blumenal Rio Claro Campinas Grande VSB AquaPolo VSB SaneaHns Cachoeira de Mauá Rio das Vitória TKCSA REUSO TKCSA Itapemirim Rio de Janeiro Ostras KLABIN KLABIN Mairinque Santa Gertrudes Uruguaiana Porto Ferreira Recife Jaguaribe Maior projeto de água de reuso do hemisfério sul Vazão 1.000L/s. SPE: Sabesp (49%), Foz (51%) => Cliente Braskem Fonte: Azevedo (2013) Adaptado por ABDI

21 Resíduos Sólidos Classificação Segundo a Fonte Geradora e Tipos Resíduos Classe I Perigosos Resíduos Classe II Não perigosos Classe II A Não inertes Classe II B Inertes Fonte: Menezes (2013)

22 Cadeias de valor Resíduos Sólidos RESÍDUOS URBANOS RESÍDUOS COMERCIAL E INDUSTRIAL Municípios Indústrias, Comércio e Serviços Coleta Tradicional Coleta SeleHva Entrega Voluntária Coleta Compulsória Triagem Mercado de Recicláveis CDR Aterro Planta de Digestão Anaeróbia Planta de Compostagem MATERIAIS PARA RECICLAGEM (PAPEL,MADEIRA, PLÁSTICO, METAL) COMBUSTÍVEL DERIVADO RESÍDUO ENERGIA OU GÁS NATURAL FERTILIZANTES RESÍDUOS PERIGOSOS Geradores de Resíduos Perigosos Gerenciamento e Remediação Coleta de Resíduos Perigosos Tratamento e DesHnação Aterro Co- processamento BLEND (COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO PARA CIMENTEIRAS) Cadeia de Suprimentos de Bens de Capital e Serviços

23 Estrutura da Apresentação do Estudo ABDI/UNICAMP 1. Caracterís`cas estruturais dos setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 2. Situação Internacional do Mercado de Saneamento e Resíduos Sólidos 3. Evolução Recente do Mercado Brasileiro de Serviços de Saneamento e Tratamento de resíduos 4. Estrutura e Desempenho Setorial: evidências de dados secundários 5. Estratégias Empresariais de Agentes atuantes nos setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 6. Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação 7. Arcabouço Ins`tucional e Polí`cas Públicas para os setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 8. Diagnós`co e Avaliação de Polí`cas

24 Crescimento Global do Mercado de Saneamento Mercado de Equipamentos para Efluentes - Taxa de crescimento de receita anual (CAGR*) - Média de 2010 a % 11,7% 10,3% 8,6% 7,5% 3,3% 2,8% América LaHna Leste Europeu Ásia - Pacífico Oriente Médio Média Mundial *CAGR= Compound Annual Growth Rate América do Norte Europa Ocidental Fonte: Frost e Sullivan Adaptado por ABDI

25 Relação Entre PIB per capita, Intensidade (volume de resíduos per capita) e Tipologia de Padrões na Geração de Resíduos PIB per capita (USD) Fonte: United NaHons Environment Programme (2011) Geração de resíduos per capita (Kg)

26 Gastos per capita X QuanHdade de Resíduo ComparaHvo entre grandes cidades do mundo Gastos per capita QuanHdade de resíduo per capita R$/Habitante/Ano Kg/Habitante/Ano Tóquio Paris Nova York Londres Buenos Aires Brasília - DF Rio de Janeiro São Paulo Fonte: PricewaterhouseCoopers (2010) Adaptado por ABDI 0

27 Estrutura da Apresentação do Estudo ABDI/UNICAMP 1. Caracterís`cas estruturais dos setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 2. Situação Internacional do Mercado de Saneamento e Resíduos Sólidos 3. Evolução Recente do Mercado Brasileiro de Serviços de Saneamento e Tratamento de resíduos 4. Estrutura e Desempenho Setorial: evidências de dados secundários 5. Estratégias Empresariais de Agentes atuantes nos setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 6. Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação 7. Arcabouço Ins`tucional e Polí`cas Públicas para os setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 8. Diagnós`co e Avaliação de Polí`cas

28 InvesHmentos em Infraestrutura: , R$ Bilhões ,6 252,7 213, ,7 0 Transporte Energia Elétrica Petróleo e Gás Telecomunicações Saneamento Obs.: Preços 2012 Fonte: Tavares (2013) Adaptado por ABDI

29 InvesHmentos em Infraestrutura: Público Privado 89,5% 100% 93,9% 58,8% 65,4% 59,5% 41,2% 34,6% 40,5% 10,5% 0% 6,1% Transportes Energia Elétrica Petróleo e Gás Telecomunicações Saneamento Básico Total Fonte: Tavares (2013) Adaptado por ABDI

30 ParHcipação de InvesHmento do Setor Privado em Saneamento R$ Milhões 9 8,1% Antes da Lei de Saneamento CAGR 04-06: 4,5% 4,0% 3,11 3,08 3,8% 4,0% 3,39 Depois da Lei de Saneamento CAGR 07-14E: 11,6% 4,1% 3,59 4,3% 3,91 4,7% 4,39 5,5% 5,17 6,0% 5,79 6,7% 6,54 7,3% 7,28 7,28 8 8,17 8, E 2014E 0 Market Share Fonte: SNIS, PLANSAB in: AEGEA (2013) Adaptado por ABDI

31 Tratamento de Resíduos Sólidos Crescimento da Receita (R$ milhões) Industriais Urbanos Fonte: ABETRE (2013) Adaptado por ABDI

32 Estrutura da Apresentação do Estudo ABDI/UNICAMP 1. Caracterís`cas estruturais dos setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 2. Situação Internacional do Mercado de Saneamento e Resíduos Sólidos 3. Evolução Recente do Mercado Brasileiro de Serviços de Saneamento e Tratamento de resíduos 4. Estrutura e Desempenho Setorial: evidências de dados secundários 5. Estratégias Empresariais de Agentes atuantes nos setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 6. Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação 7. Arcabouço Ins`tucional e Polí`cas Públicas para os setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 8. Diagnós`co e Avaliação de Polí`cas

33 Oferta de BSA Números de estabelecimentos RAIS (2012) TOTAL DE EMPRESAS DE BSA = Área de atuação SANEAMENTO = empresas 66 % Área de atuação TRATAMENTO DE RESÍDUOS = empresas 52,7 % 41,4 % 25,8 % 8,2 % 4,6 % 1,3 % Água Esgoto Máquinas Recuperação/ Coleta Tratamento/ Reciclagem Disposição Descontaminação/ Gestão Fonte: RAIS- MTE (2012) Adaptado por ABDI

34 Segmentos de Saneamento (2012) Número de Estabelecimentos Número de Empregos Água Esgoto Água Esgoto Fonte: RAIS- MTE (2012) Adaptado por ABDI

35 Equipamentos para Saneamento Dados Gerais 329 Nº de Estabelecimentos no Brasil Fonte: RAIS- MTE (2012) Adaptado por ABDI

36 Tratamento de Resíduos e Reciclagem de Materiais Dados Gerais Número de Estabelecimentos Número de Empregos Fonte: RAIS- MTE (2012) Adaptado por ABDI

37 Estrutura da Apresentação do Estudo ABDI/UNICAMP 1. Caracterís`cas estruturais dos setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 2. Situação Internacional do Mercado de Saneamento e Resíduos Sólidos 3. Evolução Recente do Mercado Brasileiro de Serviços de Saneamento e Tratamento de resíduos 4. Estrutura e Desempenho Setorial: evidências de dados secundários 5. Estratégias Empresariais de Agentes atuantes nos setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 6. Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação 7. Arcabouço Ins`tucional e Polí`cas Públicas para os setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 8. Diagnós`co e Avaliação de Polí`cas

38 Exemplo de Atuação de uma CESB: SABESP 7,8 Histórico operacional de receita líquida R$ Bilhões 9,2 8,6 Histórico de InvesHmentos 9,9 10,8 1,7 2,1 2,2 2,4 2, Fonte: SABESP Relatórios de AHvidade Adaptado por ABDI

39 Exemplo de Atuação de uma Holding do Setor Privado GRUPO FOZ Distribuição do faturamento do Grupo Odebrecht por unidade Unidade % Engenharia & Construção 34,6% Odebrecht Realizações Imobiliárias 2,6% Odebrecht Ambiental 1,7% Odebrecht Óleo e Gás 1,7% Odebrecht TransPort 1,8% Braskem 49,9% Odebrecht Agroindústria 2,5% Odebrecht ParHcipações e InvesHmentos 3,0% Odebrecht Energia 0.3% Odebrecht S.A. e Outros 2,0% Indicadores Econômicos - Odebrecht Ambiental Receita Bruta (em milhões) EBITDA (em milhões) R$ US$ R$ US$ Fonte: Grupo Odebrecht Relatórios de AHvidade

40 Estrutura da Apresentação do Estudo ABDI/UNICAMP 1. Caracterís`cas estruturais dos setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 2. Situação Internacional do Mercado de Saneamento e Resíduos Sólidos 3. Evolução Recente do Mercado Brasileiro de Serviços de Saneamento e Tratamento de resíduos 4. Estrutura e Desempenho Setorial: evidências de dados secundários 5. Estratégias Empresariais de Agentes atuantes nos setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 6. Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação 7. Arcabouço Ins`tucional e Polí`cas Públicas para os setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 8. Diagnós`co e Avaliação de Polí`cas

41 Pesquisa e Desenvolvimento Tratamento de Efluentes Convencional Efluentes industriais e municipais Tratamento: equipamentos e produtos químicos Efluente Descarga no rio Contaminantes Reuso (Futuro) Efluentes industriais e municipais Separação avançada do efluente: tratamento, equipamentos e produtos químicos Reuso para descarga: aquífero, agricultura, potabilização, uso industrial e torre de resfriamento Valores: Energia/Sais/Minerais/Nutrientes Fonte: SINDESAM ABIMAQ (junho, 2013) Adaptado por ABDI

42 Pesquisa e Desenvolvimento Tratamento de Resíduos Sólidos AlternaHvas de Tratamento Digestão Anaeróbica Landfarming Compostagem Disposição em Aterros Sanitários Incineração Co- Geração Fonte: SINDESAM ABIMAQ (junho, 2013) Adaptado por ABDI

43 Estrutura da Apresentação do Estudo ABDI/UNICAMP 1. Caracterís`cas estruturais dos setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 2. Situação Internacional do Mercado de Saneamento e Resíduos Sólidos 3. Evolução Recente do Mercado Brasileiro de Serviços de Saneamento e Tratamento de resíduos 4. Estrutura e Desempenho Setorial: evidências de dados secundários 5. Estratégias Empresariais de Agentes atuantes nos setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 6. Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação 7. Arcabouço Ins`tucional e Polí`cas Públicas para os setores de Saneamento e Resíduos Sólidos 8. Diagnós`co e Avaliação de Polí`cas

44 Recomendações de PolíHcas Públicas Dimensão Planejamento Setorial Regulação Gestão de Situação Incapacidade de Planejamento por parte de Htulares de serviços (municípios, principalmente) Indefinições quanto à Htularidade de água e esgoto InvesHmentos necessários em obras Instrumentos Exemplos Aplicáveis Adequar prazos de exigências para evitar hiato na liberação de recursos, prevenindo impactos na paralisação das ações em desenvolvimento Adequar legislação e incenhvos para formação de PPP, incluindo modelos de locação de ahvos e joint ventures Agilizar aplicação reembolsável de recursos

Mercado de Bens e Serviços Ambientais no Brasil Desafios e Oportunidades

Mercado de Bens e Serviços Ambientais no Brasil Desafios e Oportunidades Mercado de Bens e Serviços Ambientais no Brasil Desafios e Oportunidades FIEMG / 13/11/2014 Sistema de Gestão - PBM Dois Enfoques sobre a Produção Sustentável Enfoque Sistêmico Ações e Medidas Setoriais

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA EM SANEAMENTO BÁSICO

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA EM SANEAMENTO BÁSICO PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA EM SANEAMENTO BÁSICO A ABCON E O SINDCON HISTÓRIA DA PSP NO BRASIL Fundação 1996 ABCON e 2001 SINDCON Objetivo - Promover a participação das empresas privadas no setor de água

Leia mais

Investimentos em Serviços Ambientais

Investimentos em Serviços Ambientais Engenharia & Construção Investimentos em Serviços Ambientais Investimentos em Energia e Infraestrutura ServiçosemÓleo& Gás Químicae Petroquímica Açúcar, Etanole Bioenergia Investimentos em Transportes

Leia mais

Cesar Seara Conselheiro ABCON Brasil

Cesar Seara Conselheiro ABCON Brasil Cesar Seara Conselheiro ABCON Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL A SAÚDE COMEÇA PELA BOCA E, PELA ÁGUA QUE SE BEBE! UMA TRISTE REALIDADE! FONTE: ITB ABCON

Leia mais

PERFIL DO SETOR DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS

PERFIL DO SETOR DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS PERFIL DO SETOR DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS Odilon G. Amado Jr. Diretor Regional Sul Julho / 2011 Perfil do Setor de Tratamento de Resíduos 1 ABETRE Associação Brasileira de Empresas de Tratamento de Resíduos

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Sumário da apresentação Desenvolvimento do ISA Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Indicadores Sustentabilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS AGENDA GESTÃO INTEGRAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) CARACTERÍSTICAS DA SOLUÇÃO EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL COM SOLUÇÃO INTEGRADA BENEFÍCIOS

Leia mais

Reed Exhibitions Alcantara Machado & Reed Expositions France

Reed Exhibitions Alcantara Machado & Reed Expositions France Reed Exhibitions Alcantara Machado & Reed Expositions France Estrutura do grupo Reed Elsevier REED EXHIBITIONS Alcance Global 500 eventos por ano 43 países 43 setores da economia 7 milhões de visitantes

Leia mais

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO CÂMARA DOS DEPUTADOS Daniela Arantes Alves Lima Eduardo Carvalho Departamento de Economia Solidária Brasília,

Leia mais

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado.

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. Ribeirão Preto, 08 de junho de 2011 Semana do Meio Ambiente AEAARP Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto

Leia mais

Carlos Alberto Rosito Conselheiro da Saint-Gobain Canalização. 18 de Março de 2013 FUNASA - IV Seminário Internacional

Carlos Alberto Rosito Conselheiro da Saint-Gobain Canalização. 18 de Março de 2013 FUNASA - IV Seminário Internacional Carlos Alberto Rosito Conselheiro da Saint-Gobain Canalização 18 de Março de 2013 FUNASA - IV Seminário Internacional 1 Roteiro Rumo à Economia Verde ÁGUA & ESGOTO Mundo e Brasil Déficits ÁGUA & ESGOTO

Leia mais

Saneamento Básico e Saúde

Saneamento Básico e Saúde Conferência Nacional de Segurança Hídrica Uberlândia - MG Saneamento Básico e Saúde Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS Mineração Urbana no Brasil Lúcia Helena Xavier São José dos Campos SP Junho de 2015 REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL LEI Nº 6.938 DE 1981 PNMA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Fabíola Ortiz - 28/02/13 Potencial de produção de energia vinda dos aterros pode dobrar em 20 anos, se a lei de resíduos sólidos for cumprida.

Leia mais

PANORAMA DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) NO BRASIL

PANORAMA DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) NO BRASIL PANORAMA DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) NO BRASIL O saneamento ambiental é um conjunto de ações que tornam um ambiente sadio, limpo e habitável. Os serviços de saneamento ambiental compõem-se

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

MÓDULO I: Universalização da coleta seletiva

MÓDULO I: Universalização da coleta seletiva PROJETO LIXO LIMPO: MÓDULO I MÓDULO I: Universalização da coleta seletiva VANTAGENS PARA TODA A COMUNIDADE O primeiro módulo visa a Universalização da Coleta Seletiva, promove a consciência ambiental e

Leia mais

Situação do saneamento básico no País 3 anos após a aprovação da Lei 11.445

Situação do saneamento básico no País 3 anos após a aprovação da Lei 11.445 Situação do saneamento básico no País 3 anos após a aprovação da Lei 11.445 Yves Besse Agosto 2010 ABCON Fundação 1996 Associação brasileira das concessionárias privadas de serviço público de água e esgoto

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. Quanto à origem Sujeitos à lei

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. Quanto à origem Sujeitos à lei A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. A política Nacional de resíduos sólidos é muito importante na história do gerenciamento de

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Práticas e Processos Inovadores em Tratamento de Água e Efluentes, Reuso e Aproveitamento Energético de Lodo e Resíduos Urbanos.

Práticas e Processos Inovadores em Tratamento de Água e Efluentes, Reuso e Aproveitamento Energético de Lodo e Resíduos Urbanos. Práticas e Processos Inovadores em Tratamento de Água e Efluentes, Reuso e Aproveitamento Energético de Lodo e Resíduos Urbanos Junho /2013 Índice ABIMAQ / SINDESAM Desafios Futuros e Tecnologia Futuro

Leia mais

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Geraldo Antônio Reichert Coordenador da Câmara Temática de Resíduos Sólidos ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão 4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão Painel 2 - Gestão, operação e capacitação para enfrentar os desafios do saneamento e enfrentar a crise hídrica 01 de Outubro de 2015 Agenda Desafios no Setor de

Leia mais

Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de Base

Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de Base Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de Base VII ENAENCO ÁGUA E SANEAMENTO O PAPEL DAS EMPRESAS DE CONSULTORIA Newton de Lima Azevedo Recife, 29-09-05 A ABDIB E A INFRA-ESTRUTURA FUNDADA

Leia mais

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015.

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. CONTEÚDO 1. Políticas e Planos de Saneamento Básico e de Resíduos

Leia mais

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 200/200 Neste documento você terá o extrato em números dos dados contidos no Relatório de Sustentabilidade 200/200 da Vonpar. Conforme a versão digital animada (disponível

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Normatização e legislação aplicada: diretrizes e parâmetros de licenciamento e controle no estado de São Paulo

Normatização e legislação aplicada: diretrizes e parâmetros de licenciamento e controle no estado de São Paulo Normatização e legislação aplicada: diretrizes e parâmetros de licenciamento e controle no estado de São Paulo João Wagner Silva Alves Assessor da Presidência da CETESB SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Normatização

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE OS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO BRASIL

AVALIAÇÃO SOBRE OS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO BRASIL AVALIAÇÃO SOBRE OS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO BRASIL Teresina, Junho de 2015 2 Três pontos... 1. O Brasil está atrasado em saneamento... 2. Investimento atual em saneamento

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

2 Encontro de Lideranças para Sustentabilidade Territorial de Influência de ITAIPU Binacional e Yacyretá. Política Nacional de Resíduos Sólidos

2 Encontro de Lideranças para Sustentabilidade Territorial de Influência de ITAIPU Binacional e Yacyretá. Política Nacional de Resíduos Sólidos 2 Encontro de Lideranças para Sustentabilidade Territorial de Influência de ITAIPU Binacional e Yacyretá. Política Nacional de Resíduos Sólidos Foz do Iguaçu, 17 de novembro de 2010 Desafios: A produção

Leia mais

REDUÇÃO DO PIS E COFINS PARA O SETOR DE RESÍDUOS

REDUÇÃO DO PIS E COFINS PARA O SETOR DE RESÍDUOS REDUÇÃO DO PIS E COFINS PARA O SETOR DE RESÍDUOS Reunião do GT 3 da PNRS 21/11/2013 Redução do PIS e Cofins para o Setor de Resíduos 1 REDUÇÃO DO PIS E COFINS PARA O SETOR DE RESÍDUOS Sumário Qual é a

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS PARA A RESTITUIÇÃO/RECUPERAÇÃO DE MATERIAIS

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS PARA A RESTITUIÇÃO/RECUPERAÇÃO DE MATERIAIS GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS PARA A RESTITUIÇÃO/RECUPERAÇÃO DE MATERIAIS Novembro de 2014 Salvador-BA ENTENDENDO AS DIFERENÇAS UNIÃO EUROPEIA (Parlamentarismo) BRASIL

Leia mais

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Pirólise Convencional (400 C x 60 minutos x pressão atmosférica) Quantidade ano 2011 (1.000 t) Motivação (exemplo)

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

A Experiência da Carbonífera Criciúma S.A. com editais de subvenção econômica para a realização de P&D

A Experiência da Carbonífera Criciúma S.A. com editais de subvenção econômica para a realização de P&D A Experiência da Carbonífera Criciúma S.A. com editais de subvenção econômica para a realização de P&D Desenvolvimento de produtos e processos para o tratamento de águas e efluentes industriais visando

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs:

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs: Institucional A Unidade de Recuperação Energética (URE) Barueri é um empreendimento da Foxx Haztec, empresa líder em serviços ambientais no Brasil com atuação nas áreas de resíduos sólidos, consultoria

Leia mais

Referência na gestão otimizada de recursos na América Latina

Referência na gestão otimizada de recursos na América Latina Referência na gestão otimizada de recursos na Renovando o mundo O mundo desenvolve-se e necessita de novos recursos: recursos naturais, econômicos e humanos. A nossa contribuição consiste em conceber e

Leia mais

OPORTUNIDADES DE PPPs E CONCESSÕES EM SANEAMENTO

OPORTUNIDADES DE PPPs E CONCESSÕES EM SANEAMENTO SEMINÁRIO INTERNACIONAL PARCERIAS PARA O DESENVOLVIMENTO - PPPs e CONCESSÕES OPORTUNIDADES DE PPPs E CONCESSÕES EM SANEAMENTO Rio de Janeiro, 16 de Abril de 2012 Johnny Ferreira dos Santos Diretor de Água

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra desafios e oportunidades

Leia mais

A WATER SOLUTION UMA SOLUÇÃO EM ÁGUAS

A WATER SOLUTION UMA SOLUÇÃO EM ÁGUAS A WATER SOLUTION UMA SOLUÇÃO EM ÁGUAS Escritório Rua Vicente Leporace, 1352 Campo Belo São Paulo-SP Tel.: (55 11) 2925-4297 Cel.: (55 11) 98787-5300 edison@1ws.com.br www.1ws.com.br NOSSO COMPROMISSO A

Leia mais

Linhas de Financiamento para Projetos Resíduos Sólidos Urbanos

Linhas de Financiamento para Projetos Resíduos Sólidos Urbanos Linhas de Financiamento para Projetos Resíduos Sólidos Urbanos Maio de 2014 Raphael Stein Raphael.stein@bndes.gov.br Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SETEMBRO, 2014 INSTRUMENTOS LEGAIS RELACIONADOS À CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA E DO PLANO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei n. 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas Seminário FIESP Política Estadual de Mudanças Climáticas Coordenadoria de Planejamento Ambiental SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Casemiro Tércio Carvalho São Paulo, 4 de maio de 2010 Novo Paradigma Princípios,

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Crise ambiental e saúde no planeta

Crise ambiental e saúde no planeta Crise ambiental e saúde no planeta Pensando o papel dos serviços de saúde a partir das questões da Rio+20 CESTEH-ENSP-FIOCRUZ 7 QUESTÕES CRÍTICAS NA RIO+20 1) Empregos 2) Energia 3) Cidades 4) Alimentos

Leia mais

GESTÃO INTEGRAL DE RESÍDUOS MUNICIPAIS INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS

GESTÃO INTEGRAL DE RESÍDUOS MUNICIPAIS INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS GESTÃO INTEGRAL DE RESÍDUOS MUNICIPAIS INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS O Instituto Brasil Ambiente apresenta uma proposta de Gestão Integral de Resíduos Municipais desenvolvida pelo Prof. Dr.

Leia mais

PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE GUARULHOS PDRS CONGRESSO MUNDIAL ICLEI 2012

PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE GUARULHOS PDRS CONGRESSO MUNDIAL ICLEI 2012 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE GUARULHOS PDRS CONGRESSO MUNDIAL ICLEI 2012 Junho / 2012 Guarulhos Região Metropolitana de São Paulo 2ª economia do estado de São Paulo 9ª economia do Brasil 320 km²

Leia mais

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda Secretaria Nacional de Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda PLANEJAMENTO E CONTROLE SOCIAL COMO ESTRATÉGIAS PARA UNIVERSALIZAR O SANEAMENTO Marcelo

Leia mais

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Marcelo Kós Silveira Campos Diretor Técnico de Assuntos Industriais e Regulatórios Abiquim I CIMAS/ABAS São Paulo,18/09/2009 A Abiquim Fundada

Leia mais

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Reciclagem Energética Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Claudio Marcondes Engenheiro de Materiais com especialização em Polímeros pela Universidade Federal de São Carlos. Pós graduado

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Incentivo à compostagem como estratégia de aumento da reciclagem de resíduos orgânicos: aspectos regulatórios

Incentivo à compostagem como estratégia de aumento da reciclagem de resíduos orgânicos: aspectos regulatórios Incentivo à compostagem como estratégia de aumento da reciclagem de resíduos orgânicos: aspectos regulatórios Lúcio Costa Proença Analista Ambiental Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Ministério

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais

Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais Legislação Classificação dos Resíduos NORMA ABNT 10.004 CLASSE I - PERIGOSOS CLASSE II - NÃO PERIGOSOS classe II A não inertes

Leia mais

Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de. fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo.

Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de. fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo. MISSÃO SEBRAE/ES Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de micro e pequenas empresas e fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo. UNIDADE DE PROJETOS INDUSTRIAIS Promover

Leia mais

Tecnologias em tratamentos de água, esgoto e lodos como forças motivadoras para acelerar a universalização do Saneamento no Brasil

Tecnologias em tratamentos de água, esgoto e lodos como forças motivadoras para acelerar a universalização do Saneamento no Brasil Tecnologias em tratamentos de água, esgoto e lodos como forças motivadoras para acelerar a universalização do Saneamento no Brasil Palestrante: Valdir Folgosi Dez/2010 Índice Abimaq / Sindesam Tecnologias

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

1º Simpósio Infra-estrutura e Logística no Brasil: Desafios para um país emergente

1º Simpósio Infra-estrutura e Logística no Brasil: Desafios para um país emergente 1º Simpósio Infra-estrutura e Logística no Brasil: Desafios para um país emergente Painel: Gestão Pública, Orçamento e Investimento Públicos - Privados O HISTÓRICO DOS INVESTIMENTOS EM INFRA-ESTRUTURA

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável na Braskem Importância da Visão Ampliada

Desenvolvimento Sustentável na Braskem Importância da Visão Ampliada Desenvolvimento Sustentável na Braskem Importância da Visão Ampliada Jorge Soto 08/06/2015 Objetivo Discutir a importância da contribuição empresarial para o Desenvolvimento Sustentável com uma visão que

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Teresina, 12 de junho de 2015

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Teresina, 12 de junho de 2015 GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Teresina, 12 de junho de 2015 GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Bertrand Sampaio de Alencar Teresina, 12 de junho de 2015 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1.Marco

Leia mais

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011 Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP Florianópolis, 03 setembro de 2011 Missão Prestar serviços públicos p de saneamento ambiental com eficiência, qualidade e responsabilidade social. COMCAP

Leia mais

17 a 20 de agostode 2010, Rio de Janeiro. Programasde responsabilidadesocial Juliana Calsa e Milena Noenta

17 a 20 de agostode 2010, Rio de Janeiro. Programasde responsabilidadesocial Juliana Calsa e Milena Noenta 17 a 20 de agostode 2010, Rio de Janeiro Programasde responsabilidadesocial Juliana Calsa e Milena Noenta DADOS DA FOZ DO BRASIL Saneamento Atende a 3 milhões de habitantes no Brasil. Resíduos Urbanos

Leia mais

consultor saneamento ambiental

consultor saneamento ambiental saneamento ambiental A ENGECORPS é uma empresa de engenharia consultiva pronta a responder a todos os desafios da retomada e manutenção de crescimento do país e globalização da economia. Interessada em

Leia mais

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA SUSTENTÁVEL PILARES BRASKEM FUTURO VISÃO E ESTRATÉGIA AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2013

PROJETO DE LEI Nº DE 2013 PROJETO DE LEI Nº DE 2013 Dispõe sobre as atividades relativas a geração, transporte, filtragem, estocagem e geração de energia elétrica térmica e automotiva com biogás, e dá outras providências. Art.

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Brasília, 12 de maio de 2011 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Eduardo Delgado Assad Secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Emissões de GEE Média Anual das Emissões

Leia mais

I ENCONTRO 2014 DE GESTORES PÚBLICOS MUNICIPAIS CONSÓRCIO RIO DOS BOIS

I ENCONTRO 2014 DE GESTORES PÚBLICOS MUNICIPAIS CONSÓRCIO RIO DOS BOIS I ENCONTRO 2014 DE GESTORES PÚBLICOS MUNICIPAIS CONSÓRCIO RIO DOS BOIS Experiência exitosa na captação de recursos para instalação de Aterro Sanitário consorciado Consórcio Intermunicipal de Administração

Leia mais

O lixo como fonte de energia

O lixo como fonte de energia Transformando um Passivo Ambiental em um Recurso Energético: O lixo como fonte de energia Workshop Internacional Aproveitamento Energético do Biogás de Aterros Sanitários e do Tratamento de Efluentes Belo

Leia mais

Deivid Oliveira Analista Ambiental

Deivid Oliveira Analista Ambiental Deivid Oliveira Analista Ambiental Gestão da água e efluentes e alternativas de reuso Escassez Hídrica - Impacto na indústria O impacto sobre o setor possui uma abrangência ampla considerando o porte,

Leia mais

A importância do Investimento Privado na Concessão dos

A importância do Investimento Privado na Concessão dos A importância do Investimento Privado na Concessão dos Serviços Públicos Regulados Geraldo Villin Prado ABAR Mai/09 Demanda Anual de Investimentos no Brasil ENERGIA ELÉTRICA PETRÓLEO & GÁS (*) TRANSPORTES/

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS

GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS PROPOSTAS PARA REELABORAÇÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGIRS do MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Texto de referência TEMA GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS 1 O processo de preparação

Leia mais

Evento - Escola Superior do Ministério Público 25.02.11

Evento - Escola Superior do Ministério Público 25.02.11 Evento - Escola Superior do Ministério Público 25.02.11 Nossa Realidade 57% da população brasileira não possui coleta de esgoto (SNIS 2008) O Brasil é o 9º colocado no ranking mundial da vergonha com 13

Leia mais

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas;

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas; Decreto Nº 43216 DE 30/09/2011 (Estadual - Rio de Janeiro) Data D.O.: 03/10/2011 Regulamenta a Lei nº 5.690, de 14 de abril de 2010, que dispõe sobre a Política Estadual sobre Mudança Global do Clima e

Leia mais

AS CORPORAÇÕES E A CRISE DA ÁGUA

AS CORPORAÇÕES E A CRISE DA ÁGUA AS CORPORAÇÕES E A CRISE DA ÁGUA CENÁRIO GLOBAL A empresa do novo milênio está comprometida com a preservação dos recursos naturais respeitando sua capacidade de renovação. Tem como meta utilizar recursos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Meio Ambiente GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Meio Ambiente Anexo I a que se refere o Art. 2º, da Resolução do COEMA nº 107, de 08 de março de 2013. TIPOLOGIA SUB-TIPOLOGIA CONDIÇÃO ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Plataforma de Metanização de Resíduos Orgânicos - pmethar

Plataforma de Metanização de Resíduos Orgânicos - pmethar Plataforma de Metanização de Resíduos Orgânicos - pmethar Aplicação Digestão Anaeróbia descentralizada e em pequena escala Luis Felipe Colturato Diretor Executivo Global Methane Initiative Agriculture,

Leia mais

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR CONFERÊNCIA WASTE TO ENERGY 2014 MARILIA TISSOT DIRETORA EXECUTIVA VIABILIDADE

Leia mais

POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ

POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ JBRJ POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ Victor Zveibil Superintendente de Políticas de Saneamento SUPS/SEA outubro de 2013 O PACTO PELO SANEAMENTO - decreto estadual 42.930/11 SUBPROGRAMA

Leia mais

EFICIÊNCIA DE RECURSOS: EMBASANDO AS POLÍTICAS EUROPEIAS ALAVANCANDO UM SETOR DE CIMENTO DE BAIXO CARBONO

EFICIÊNCIA DE RECURSOS: EMBASANDO AS POLÍTICAS EUROPEIAS ALAVANCANDO UM SETOR DE CIMENTO DE BAIXO CARBONO EFICIÊNCIA DE RECURSOS: EMBASANDO AS POLÍTICAS EUROPEIAS ALAVANCANDO UM SETOR DE CIMENTO DE BAIXO CARBONO Vagner Maringolo CEMBUREAU Environment & Resources Manager 19 a 21 maio 2014 São Paulo/SP Brasil

Leia mais