ESTIMATIVA DO VALOR ECONÔMICO DOS SERVIÇOS AMBIENTAIS PELO MÉTODO CUSTO DE VIAGEM: UM ESTUDO NA CACHOEIRA SALTO DAS NUVENS EM TANGARÁ DA SERRA MT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTIMATIVA DO VALOR ECONÔMICO DOS SERVIÇOS AMBIENTAIS PELO MÉTODO CUSTO DE VIAGEM: UM ESTUDO NA CACHOEIRA SALTO DAS NUVENS EM TANGARÁ DA SERRA MT"

Transcrição

1 ESTIMATIVA DO VALOR ECONÔMICO DOS SERVIÇOS AMBIENTAIS PELO MÉTODO CUSTO DE VIAGEM: UM ESTUDO NA CACHOEIRA SALTO DAS NUVENS EM TANGARÁ DA SERRA MT Carlos Silva Alves Cleci Grzebieluckas Área temática: A6 - Custos, gestão ambiental e responsabilidade social Palavras-chave: Valoração ambienta. Economia ambiental. Uso Recreativo. Metodologia: M8 Other RESUMO O estudo tem como objetivo estimar o valor econômico dos serviços ambientais da Cachoeira Salto das Nuvens em Tangará da Serra MT através do método custo de viagem. Os instrumentos de coleta dos dados foram questionários estruturados e entrevistas abertas. A amostra foi composta por 16 turistas que frequentaram a Cachoeira nos dias 2, 9 e 16 de setembro de 212. Identificou-se que os turistas que por lá circularam declararam gastar em média entre R$91,24 a R$316,5 por pessoa/dia. Verificou-se ainda que os principais motivos para as visitas foram, cachoeira e o rio, fauna e flora, descansar e a segurança. 1 INTRODUÇÃO A utilização intensiva dos recursos naturais renováveis e não-renováveis trouxe a necessidade de conciliar variáveis econômicas e ambientais, com o intuito de tornar possível um relacionamento harmônico entre as necessidades humanas e as disponibilidades ambientais. Nesse contexto, a valoração de ativos ambientais busca sinalizar o preço que um recurso ambiental possui, tornando possível a determinação de políticas que visem conciliar a manutenção e conservação do meio ambiente, conjuntamente, com as necessidades humanas e econômicas (SILVA; LIMA, 24). O processo de valoração econômica dos serviços ambientais tem-se constituído em um amplo campo de pesquisas teóricas e trabalhos empíricos. Contudo, por se tratar de um ramo

2 2 da ciência que envolve o comportamento humano, não é desprovido de controvérsias, advindas de preferências teóricas e metodológicas (MARQUES, 24). No entanto, existe a necessidade de conceituar o valor econômico ao meio ambiente, bem como desenvolver técnicas para estimar esse valor, em razão que a maioria dos bens e serviços ambientais e das funções providas ao homem pelo ambiente não é transacionada pelo mercado (MARQUES; COMUNE, 1997). E uma correta valoração dos recursos naturais pode incorporar opções significativas com menor custo ambiental e social, assim como corrigir os processos produtivos ineficientes ou as escalas inadequadas (SARMIENTO, 23). A valoração econômica de bens ou serviços ambientais pode ser feita por meio da abordagem da preferência revelada pelo indivíduo na compra de certos bens de mercado associados ao uso ou consumo do bem ambiental. Quando esse bem é utilizado para atividades recreativas, como parques por exemplo, gera um fluxo de serviços mensuráveis para os indivíduos. Cada visita ao lugar de recreação envolve uma transação implícita, na qual o custo total de viajar a esse lugar é o preço que se paga para utilização dos serviços recreativos do parque (ORTIZ; SEROA DA MOTTA; FERRAZ, 2). Tangará da Serra MT, se destaca por suas belezas naturais constituídas pelas diversas cachoeiras e rios, uma delas é a Cachoeira Salto das Nuvens - Reserva Legal Espontânea criada em 9 de fevereiro de 1995 situada a 25 km do Município que recebe semanalmente diversos turistas de todas as partes do país. Neste contexto esta pesquisa tem como objetivo valorar os serviços ambientais da Cachoeira Salto das Nuvens em Tangará da Serra MT através do método custo de viagem Justifica-se em razão de que existem diversos estudos dessa natureza em outras regiões do Brasil, contudo, no Estado de Mato Grosso em Especial em Tangará da Serra esses ainda são incipientes. E também porque Finco e Abdallah (22) destacam a necessidade de estudos sobre a demanda pelo turismo ecológico, o perfil do usuário de tais pontos turísticos, os níveis de exigência e bem estar gerados pelos bens e serviços providos por esses lugares, o que possibilita uma realocação de recursos, visando uma melhor oferta na da sua utilização. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Valoração Ambiental Os métodos de valoração econômica buscam estimar um valor para um recurso ambiental fora da forma monetária convencional. Mais especificamente, procuram mensurar as preferências individuais das pessoas por um recurso ou serviço ambiental que não recebe

3 3 um valor e sim as preferências das pessoas quando ocorre mudança na qualidade ou quantidade deste recurso. De certa maneira pode-se dizer que o valor econômico do ativo natural é aferido a partir da observação de seus atributos pelos indivíduos (ABREU; SILVA; SILVA JUNIOR, 27). Para valorar os serviços ambientais, a economia ambiental (OGASSAVARA, 28) desenvolveu o conceito analítico de valor econômico dos recursos ambientais (Vera) ou valor econômico total (VET), doravante Vera. Conceitualmente, o Vera (Quadro 1) consiste em um valor de uso somado ao valor de não uso, podendo ser decomposto em valor de uso direto (VU), valor de uso indireto (VUI), valor de opção (VO) e valor de existência (VE) Quadro 1 Valor econômico dos recursos ambientais (Vera) VERA Valor de uso Valor de não uso Valor Uso Direto VUD Valor Uso Indireto VUI Valor de Opção VO Valor de Existência - VE Madeira/lenha Alimentos vegetais Alimentos animais Artesanatos Água potável Água p/agricultura Água p/indústria Turismo/recreação Prod. farmacêuticos Construção Matéria-prima Pesquisas Educação Rep. de espécies Biomassa Plantas medicinais Plantas ornamentais Suprimento de água subterrânea Controle de inundações Retenção de sedimentos Retenção de nutrientes Manutenção da qualidade da água Suporte para a biodiversidade Sequestro de CO 2 Belezas cênicas Proteção de bacias d água Polinização Reprodução de espécies Espécies Conservação do hábitat Prot. da biodiversidade Potencial fármaco Potencial turístico Manutenção das espécies em extinção Estética Conservação Fonte: Adaptado de: MERICO (22); SEROA DA MOTTA (22, 24). O valor de uso direto (VUD) é dado quando o indivíduo se utiliza de um recurso ambiental na forma de extração, de visitas ou de outra atividade de produção ou consumo direto. O valor de uso indireto (VUI) é atribuído quando o benefício atual do recurso deriva-se das funções ecossistêmicas, tais como a proteção do solo e a estabilidade climática decorrente da preservação das florestas. O valor de opção (VO) é gerado quando o indivíduo atribui valor de uso direto e indireto, os quais poderão ser optados futuramente, cuja preservação encontra-

4 4 se ameaçada. Por exemplo, o benefício advindo de fármacos desenvolvidos com base em propriedades medicinais ainda não descobertas de plantas em florestas tropicais. Já o valor de existência (VE) se caracteriza como um valor de não uso porque representa um valor atribuído à existência de atributos do meio ambiente, independentemente do uso presente ou futuro. É um valor conferido pelas pessoas a certos recursos ambientais, como florestas e animais em extinção (SEROA DA MOTTA, 24). A atribuição do valor de existência é derivada de uma posição moral, cultural, ética ou altruística em relação aos direitos de existência de espécies não humanas ou da preservação de outras riquezas naturais, mesmo que estas não representem uso atual ou futuro para o indivíduo. Um exemplo desse valor é a atração da opinião pública pelo salvamento de baleias ou sua preservação em regiões remotas do planeta, onde a maioria das pessoas nunca visitará ou de onde a maioria também nunca terá qualquer benefício de uso (MARQUES, 24; SEROA DA MOTTA, 24). 2.2 Método Custo de Viagem (MCV) Conhecido na literatura internacional por Travel Cost Method, o Método Custo de Viagem é empregado para descobrir o valor de um serviço recreativo fornecido por um recurso natural. Este método capta valores de uso direto e indireto os quais estão associados a um determinado sítio natural. Não considera os valores de opção e existência daquelas pessoas que apesar de atribuírem estes valores ao sítio em questão, não o frequentam (DEBEUX, 1998). É um dos métodos de maior recorrência em trabalhos de avaliação monetária de parques e sítios de interesse cênico e ecológico. Trata-se de um método particularmente aplicável nos casos de avaliação monetária de locais abertos à visitação pública em geral (RIBEMBOIM, 24). Com a aplicação deste método se pretende encontrar a função e a demanda de um espaço com relação às viagens realizadas com fins recreativos (MAIA, 22; CARVALHO, 25). Sarmiento (23) reporta que as preferências reveladas têm sido amplamente usadas como uma aproximação de valoração dos bens e serviços ambientais sem mercado. De acordo com Seroa da Motta (1998), este método é o mais indicado para estimar a demanda por bem ou serviço ambiental, com base nas atividades recreativas, associadas complementarmente ao uso do bem ou serviço ambiental podendo ser, por exemplo, uma praia, uma cachoeira, ou sitio natural que ofereça bem ou serviço ambiental na área de atividade recreativa. A curva de demanda destas atividades pode ser construída com base nos

5 5 custos de viagem ao local escolhido, onde o bem ou serviço ambiental é oferecido. Basicamente, o custo de viagem representa o custo de visitação do sítio natural. O Método do Custo de Viagem pode ser aplicado na abordagem individual ou por zonas residenciais definidas pela distância ao parque natural. Na utilização dessas abordagens, torna-se necessária à realização de uma pesquisa de campo, ou seja, a aplicação de questionário no parque ambiental para conhecer o perfil das pessoas que frequentam o local, mais especificamente identificar as seguintes variáveis: renda, idade, escolaridade e gastos com a visita ao parque, frequência e custo de viagem das visitas dentre outras (ABREU; SILVA; SILVA JÚNIOR, 28; DEBEUX, 1998). Para Seroa da Motta (1998), os que vivem mais próximos ao sítio tenderão a usá-lo mais, na medida em que o preço implícito de utilizá-lo, o custo de viagem, será menor. As zonas residenciais são definidas por distâncias ao sítio natural e, neste sentido, deve ser conhecida à população e outras variáveis socioeconômicas, como: renda per capita, distribuição etária, perfil de escolaridade, entre outras. 3 METODOLOGIA Esta pesquisa é de natureza exploratória, descritiva com abordagem quali-quantitativa e utilizou o método custos de viagem. O objeto de estudo foi a Cachoeira Salto das Nuvens - Reserva Legal Espontânea criada em 9 de fevereiro de 1995 com uma área de 71,684/ha situada a 25 km do Município de Tangara da Serra MT. Os instrumentos de coleta de dados questionários estruturados e entrevistas abertas Foram entrevistados 16 turistas com idade maior ou igual a 18 anos que visitavam a Cachoeira Saldo das Nuvens nos finais de semana dos dias 2, 9 e 16 de setembro de 212. Optou-se por pesquisar especificamente nos domingos em razão do maior fluxo de visitantes. As principais informações coletadas foram local de origem, sexo, idade, estado civil, escolaridade, profissão, renda familiar, números de visita ano ao local, motivo da viagem, o tempo de permanência no local, tipo de transporte, e o custo médio por visitante/dia incluindo alimentação, bebidas, transporte, taxas de entradas etc. Também foi solicitado aos visitantes que dessem nota de a 5 para alguns motivos que os atraíram até aquele local tais como: tranquilidade, segurança, conforto, fauna e flora, infraestrutura, cachoeira e o rio, pescaria, descanso e outros. E por último que os turistas dessem sugestões de melhorias para aquele local.

6 6 4 RESULTADOS De acordo com a tabela 1, a principal origem dos turistas que visitam a Cachoeira Salto da Nuvens é Tangará da Serra MT, representando 61%, seguido por outros (Estados e Regiões) com 2,63%. Este resultado corrobora como a declaração de Seroa da Motta (1998) o qual descreve que os que vivem mais próximos ao sítio tenderão a usá-lo mais, na medida em que o preço implícito de utilização será menor. Destaca-se que municípios de Barra do Bugres e Arenápolis que, embora sejam cidades próximas, apresentam poucos visitantes (1,25%). Acredita que esse baixo índice seja influenciado pela existência do Rio Paraguai em Barra do Bugres, ponto turístico muito utilizado para a pesca. Tabela 1- Origem dos turistas que visitam a Cachoeira Salto das Nuvens Origem Distância (km) N. de turistas % Tangara da Serra MT , Campo Novo do Parecis MT ,5 Barra do Bugres MT ,25 Sapezal MT ,25 Arenápolis MT 1 2 1,25 Cuiabá MT , Nova Olímpia MT ,25 Outros 56 a ,63 Total 16 1 Estes índices também confirmam a afirmação de Malta, Costa e Costa (27) que apontam algumas tendências, tais como: (a) que o número de visitantes é tanto maior quanto mais perto e de fácil o acesso ao local; (b) entre os visitantes, na maioria deles é a sua primeira visita ao local em viagens curtas, permanecendo por apenas um dia, e por conta própria; (c) as visitas são realizadas predominantemente por moradores de áreas mais próximas ao local de estudos; (d) a maioria dos visitantes tem alto grau de instrução. Quanto ao perfil sociocultural dos entrevistados (Figura 1) os resultados aqui encontrados diferem do estudo de Malta, Costa e Costa (27), que identificaram um índice de 61,4% de turistas com nível superior que visitam a Floresta da Tijuca no Rio de Janeiro contra 36,88% deste estudo.

7 7 Figura 1. Nível de escolaridade dos entrevistados (%) 4 36,88 36, ,5 1 5, 8,74 Fonte: Dados da pesquisa Em relação a renda dos visitantes (Figura 2) os valores estão distantes dos resultados obtidos por Malta, Costa e Costa (27) que encontraram 35,97% com renda familiar até 4 salários mínimos, e o presente trabalho obteve um resultado de 45,6% dos visitantes que declaram ter renda familiar até 5 salários mínimos, seguido com 38,13% com renda de cinco a onze salários mínimos Figura 2. Renda familiar mensal dos entrevistados (%) 33,13 28, ,5 1 3,75 6,25 até 2 sálarios mínimos de 2 a 5 s.m. de 5 a 8 s.m. de 8 a 11 s.m. de 11 a 15 s.m. acima de 15 s.m. Fonte: Dados da pesquisa Em relação a faixa etária dos entrevistados o resultado encontrado neste estudo (Figura 3) (53,1%) para visitantes com idade entre 18 e 35 anos, é bastante próximo ao percentual de (51,31%), obtidos por Malta, Costa e Costa (27).

8 8 Figura 3. Faixa etária dos entrevistados (%) ,5 45,63 35,63 3,75 3,75 3,7 Fonte: Dados da pesquisa Destaca-se na figura 4 que existe um número representativo de entrevistados (43,75%) que estavam visitando a Cachoeira pela primeira vez, o que demonstra o seu grande potencial como área de lazer ainda inexplorado pela população. Outro ponto a destacar também é que existe um grande número de visitantes (3,63%) que já haviam estado no locar mais de quatro vezes. Figura 4. Freqüência de visitação do entrevistado (%). 5 43, , ,5 7,5 5,62 Fonte: dados da pesquisa Em relação ao tempo de permanência os resultados diferem bastantes em relação a pesquisa realizada por Malta, Costa e Costa (27), no qual encontraram 6,53% com tempo de permanência no local de visita entre 3 a 6 horas, já o presente estudo (Figura 5), para o mesmo intervalo de permanência apontou um percentual de 45,63%. Essa diferença parece estar ligada ao tipo de atividade praticada no passeio já que na Floresta da Tijuca a

9 9 caminhada, observação da paisagem e fotografia é a principal atividade, enquanto na Cachoeira Saldo das Nuvens os maiores motivos foram a visualização da própria cachoeira e rio, a fauna e flora e também para descansar. Figura 5. Tempo de permanência do entrevistado na Cachoeira Salto das Nuvens (%) 5 45, ,75 25, ,99 Fonte: Dados da pesquisa até 3 horas de 3 a 6 horas de 6 a 9 horas mais de 9 horas não responderam Com relação aos outros dados obtidos nesta pesquisa tais como: sexo, estado civil, atividades profissionais, ao contrario de Malta, Costa e Costa (27), que encontraram 54,39% visitantes do sexo masculino, neste estudo a maioria dos entrevistados foram do sexo feminino com 56,88 %. E entre os entrevistados 62,5% são casados, 29,38% são solteiros e 8,12% deles definiram seu estado civil como outros, por exemplo: desquitado, viúvo, convivente (...). As atividades profissionais exercidas pelos visitantes da Cachoeira Salto das Nuvens são bastante diversificadas, com predominância de algumas delas: profissionais autônomos, (35,45%); funcionários do serviço público tais como professores e outras áreas, (14,63%), e funcionários do comércio em geral (33,45%). Quanto ao meio de transporte utilizado para ir até o local 7% dos entrevistados afirmaram ir de carro próprio, e 13,75% de carona 7,5% outros meios e 8,75% não responderam. Também foram apresentados aos entrevistados alguns motivos para a visitação da Cachoeira e que os mesmos pontuassem de a 5, onde, zero é a característica que não o desperte nenhum interesse e cinco é a nota máxima para os motivos que a fizeram ir até aquele local. A tabela 2 apresenta um resumo dessas características e as devidas pontuações. Observa-se que em primeiro lugar ficou a observação da cachoeira e rio, seguido pela fauna e flora, terceiro descansar e em quarto lugar a segurança do local. Observa-se que a pescaria não atrai os turistas para a visitação.

10 1 Tabela 2. Avaliação dos motivos de visitação da Cachoeira Salto das Nuvens. Características do local NR Tranquilidade 6,25% 16,25% 28,13% 33,13% 16,25% Segurança 1,25% 7,5% 1,% 25,63% 13,75% 39,38% 2,5% Conforto 9,38% 18,75% 31,88% 28,13% 11,88% Fauna/flora 5,% 8,75% 24,38% 57,5% 4,38% Infraestrutura 2,5% 8,75% 13,75% 31,88% 36,88% 6,25% Cachoeira/rio 1,25% 1,25% 7,5% 83,13% 8,13% Pescaria 58,75% 7,5% 3,75% 8,75% 3,75% 8,75% 8,75% Descanso 2,5% 11,25% 13,75% 23,13% 48,75%,63% Outros 2,5% 2,5% 6,25% 1,% 78,75% NR= Não respondeu Fonte: Dados da Pesquisa Em relação a última pergunta do questionário, solicitando sugestão quanto ao que poderia ser feito para melhorar o turismo naquele local, entre as opiniões, as mais frequentes foram um melhor atendimento por partes dos garçons no local de praia, apesar de existir a limitação para os banhistas, os turistas sugeriram salva-vidas para aumentar ainda mais a segurança, e opções de lazer do tipo: trilha para caminhadas, tirolesa, e a mais sugerida foi que existissem passeios de barcos pelo rio para apreciar e sentir a natureza de uma forma mais aventureira. Quanto aos Custos Totais de Viagem (CV) incorridos pelos turistas (Tabela 3) identificou-se uma média de R$123,75 e um montante de R$ 19.8, (dezenove mil e oitocentos reais) nos três dias da pesquisa. Destaca-se que os turistas oriundos de outros estados (outros) declararam gastar menos que a média. Acredita-se que esses entrevistados não tenham considerado os gastos com transporte do seu ponto de origem até a cidade de Tangara da Serra MT, uma vez que nos motivos destas viagens estão visitas a parentes e viagens a negócios. Tabela 3. Valor do (CMV) de cada origem incorridos a cada turista por dia. Origem Dispêndio total Custo unitário Tangara da Serra MT R$ 8.85, R$ 91,24 Campo Novo MT R$ 615, R$ 153,75 Barra do Bugres MT R$ 389, R$ 194,5 Sapezal MT R$ 35, R$ 175, Arenápolis MT R$ 24, R$ 12, Cuiabá R$ 5.64, R$ 316,5 Nova Olímpia MT R$ 534, R$ 133,5 Outros diversos R$ 3.794, R$ 114,97 Total 19.8, Média R$123,75 De acordo com o proprietário do local, existe uma demanda de 14 a 16 pagantes por semana gerando, portanto, um fluxo de 8.48 turistas. Multiplicados pela média do custo de

11 11 viagem declarado, obtém-se um montante de R$ , reais por ano gerados pelos serviços ambientais da Cachoeira Salto das Nuvens. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS O objetivo do estudo foi atendido uma vez que possibilitou um raio x mais completo dos principais atrativos da cachoeira bem como os reais problemas e sugestões declarados pelos turistas. O valor total da Cachoeira para uso recreativo, atribuído por seus frequentadores, é significativo e merece atenção por parte da administração a fim de atender as principais demandas sugeridas. Os resultados mostraram um alto potencial de uso dos recursos naturais como meio de recreação, a simpatia pela qualidade de vida que oferece aos usuários, bem como os novos rumos de conscientização da sociedade para busca de ambientes naturais ou mais próximos possíveis do natural. Este trabalho limitou-se a um único ponto turístico do município de Tangara da Serra. Sugere-se um estudo mais abrangente utilizando o mesmo método a fim de verificar com maior precisão os reais valores gerados pelos pontos turísticos do município e com isso criar politicas publicas de incentivo ao ecoturismo no município, que contribuam com desenvolvendo local e regional sustentável gerando emprego e renda. REFERÊNCIAS Abreu, E. A. P. ; SILVA, A. G. ; SILVA JUNIOR, G. G. da. Valoração Econômica da Praia da Avenida em Maceió. In: 13 Congresso da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Regional - APDR, 27, Angra do Heroísmo. Recriar e Valorizar o Território Anais 13 Congresso da APDR, 27. ABREU, E. A. P. de; SILVA, A. G. da; SILVA JÚNIOR, G. G. da. Valoração econômica: aplicação do método do custo de viagem para a Praia da Avenida em Maceió In: XXXVI Encontro Nacional de Economia Anais do ANPEC - Associação Nacional dos Centros de Pós graduação em Economia. Niteroi RJ, 28. CARVALHO, C. E. Desenvolvimento de procedimentos e métodos para mensuração e incorporação das externalidades em projetos de energia elétrica: uma aplicação às linhas de transmissão aéreas f. Tese (Doutorado) Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, 25. Debeux, C. B S. A valoração econômica como instrumento de gestão ambiental o caso da despoluição da Baía de Guanabara (Tese) Programas de Pós-Graduação de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE, 1998.

12 12 Finco, Marcus Vinícius Alves e ABDALLAH, Patrízia Raggi, Valoração Econômica do Meio Ambiente: O método custo de viagem aplicado ao litoral do rio grande do sul. Teoria e Evidencia Economica, Passo Fundo, v.1, n.18, Maio de 22. Maia, A. G. Valoração de Recursos Ambientais. 22. Dissertação para (MESTRADO)- Instituto de Economia da Unicamp, Universidade Estadual de Campinas, Campinas São Paulo, 22. Malta, R. R. ;Costa, N. M. C. ; Costa, V. C.. Valoração econômica dos serviços recreativos e ecoturísticos em uma unidade de conservação - o caso do Parque Nacional da Tijuca (Rio de Janeiro - RJ) - Brasil. In: II Encontro Interdisciplinar de Ecoturismo em Unidades de Conservação - II ECOUC, 27, Itatiaia - RJ. II Encontro Interdisciplinar de Ecoturismo em Unidades de Conservação - II ECOUC. Anais São Carlos - SP: Physis Cultura e Ambiente, 27. MARQUES, J. F. Valoração ambiental. 24. Disponível em: <http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/recursos/marques_valoracaoid-8c4eumn3bm.pdf>. Acesso em: 29 nov MARQUES, J. F.; COMUNE, A. E. A teoria neoclássica e a valoração ambiental. In: ROMEIRO, Ademar R.; REYDON, Bastiaan P.; LEORNARDI, M. L. A. Economia do meio ambiente. Campinas: Unicamp, p MERICO, L. F. K. Introdução à economia ecológica. 2. ed. Blumenau-SC: Edifurb, 22. OGASSAVARA, R. C. Valoração econômica ambiental. Boletim Responsabilidade Social e Ambiental do Sistema Financeiro, v. 3, n. 3, p. 1-2, 28. ORTIZ, R. A.; SEROA DA MOTTA, R.; FERRAZ, C.. A estimação do valor ambiental do parque nacional do Iguaçu através do método custo de viagem. Pesq. Plan. Econ, v. 3, n, 3 dez. 2 RIBEMBOIM, J. População visitante e população local: efeitos na dinâmica econômicoambiental e valoração monetária do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. In: XIV ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS - ABEP, 24, Caxambú- MG, Anais...Caxambú- MG: ABEP SARMIENTO, M. Á. Desarrollo de un nuevo método de valoración medioambiental f. Tesis (Doctorado) Escuela Técnica Superior de Ingenieros de Montes, Universidad Politécnica de Madrid, España, 23. SEROA DA MOTTA, Ronaldo. Estimativa do custo econômico do desmatamento na Amazônia: texto para discussão 91. Instituto de Pesquisa Economica Aplicada Ipea, 22.. Manual para valoração econômica de recursos ambientais. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal, Valoração econômica como um critério de decisão. Revista do Tribunal de Contas da União, n. 1, p , abr./jun. 24. SILVA, R. G. da; LIMA, J. E. de. Valoração Contingente do Parque Chico Mendes : uma Aplicação Probabilística do Método Referendum com Bidding Games.RER, Rio de Janeiro, vol. 42, nº 4, p , out/dez 24

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Metodologias de Análise e Valoração de Impactos Ambientais

Metodologias de Análise e Valoração de Impactos Ambientais Metodologias de Análise e Valoração de Impactos Ambientais Ronaldo Seroa da Motta seroadamotta.ronaldo@gmail.com Curso de Aperfeiçoamento: Elaboração de diretrizes para atuação do Ministério Público na

Leia mais

1. Fundamentos da Economia do Meio Ambiente. 2. Política Ambiental e Instrumentos Econômicos. 3. Economia dos Recursos Naturais

1. Fundamentos da Economia do Meio Ambiente. 2. Política Ambiental e Instrumentos Econômicos. 3. Economia dos Recursos Naturais 1. Fundamentos da Economia do Meio Ambiente 2. Política Ambiental e Instrumentos Econômicos 3. Economia dos Recursos Naturais 4. Métodos de Valoração Econômica Ambiental 5. Indicadores e Contabilidade

Leia mais

A Mensuração dos Ativos Ambientais

A Mensuração dos Ativos Ambientais A Mensuração dos Ativos Ambientais Ronaldo Seroa da Motta ronaldo.seroa@ipea.gov.br I CONGRESSO INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO MF,MPO,FGV, ISI e ESAF Brasília, 31 de agosto

Leia mais

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS FEVEREIRO / 2009 COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS MANAUS AM RELATÓRIO MENSAL DA PESQUISA DO COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANTA DE MANAUS, ANO 2009 - N 02 Para 55,6%

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

O Papel dos Critérios Econômicos na Gestão das Reservas da Biosfera

O Papel dos Critérios Econômicos na Gestão das Reservas da Biosfera O Papel dos Critérios Econômicos na Gestão das Reservas da Biosfera Ronaldo Seroa da Motta ronaldo.seroa@ipea.gov.br Seminário Internacional sobre Reservas da Biosfera, Serviços Ambientais e Indicadores

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas Metodologia Técnicaeformadecoleta: Quantitativa: survey telefônico, com amostra 2.322 entrevistas, realizadas entre os dias 17 de junho e 07 de julho de 2009, pelo Instituto Vox

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ.

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. Apresentação Este relatório contém os resultados da 1ª pesquisa de Qualidade de Vida na cidade de Aracruz solicitada pela FACE. O objetivo

Leia mais

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS Andressa Stefany Teles Jasmine Cardoso Moreira Victor Emanuel Carbonar Santos RESUMO: Impactos negativos

Leia mais

O que é a Programação? Justificativa:

O que é a Programação? Justificativa: O que é a Programação? A Programação consiste de temas a serem abordados a cada mês com caráter de evento (pequeno, médio ou de grande porte) com duração média de até 2 semanas/mês. Mesmo com cada mês

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

MULHER NO MERCADO DE TRABALHO

MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MULHER NO MERCADO DE TRABALHO Tâmara Freitas Barros A mulher continua a ser discriminada no mercado de trabalho. Foi o que 53,2% dos moradores da Grande Vitória afirmaram em recente pesquisa da Futura,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 TURISMO DE AVENTURA: ANÁLISES E QUESTIONAMENTOS SOBRE O PROCESSO DE CRIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

Instrumentos Econômicos e Financeiros para GIRH. Métodos de valoração de água e instrumentos econômicos

Instrumentos Econômicos e Financeiros para GIRH. Métodos de valoração de água e instrumentos econômicos Instrumentos Econômicos e Financeiros para GIRH Métodos de valoração de água e instrumentos econômicos Meta e objetivo da sessão Identificar os principais métodos de valoração de água para dar suporte

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

Estimativa do Custo Econômico do Desmatamento na Amazônia. Ronaldo Seroa da Motta Rio, julho 2002

Estimativa do Custo Econômico do Desmatamento na Amazônia. Ronaldo Seroa da Motta Rio, julho 2002 Estimativa do Custo Econômico do Desmatamento na Amazônia Ronaldo Seroa da Motta Rio, julho 2002 QUADRO 1 Exemplos de Valores Econômicos dos Recursos Florestais Valor de uso Valor passivo ou de não-uso

Leia mais

Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012

Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012 A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA AS LICENCIATURAS NA AMAZÔNIA: NÃO HÁ ENSINO SEM PESQUISA E PESQUISA SEM ENSINO Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Ana Eliedna Nogueira, Universidade Potiguar, eliednanog@hotmail.com Rúbia Mara Maia Feitosa, Universidade

Leia mais

TRILHAS ECOLÓGICAS COMO INSTRUMENTO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE URUARÁ, PARÁ.

TRILHAS ECOLÓGICAS COMO INSTRUMENTO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE URUARÁ, PARÁ. TRILHAS ECOLÓGICAS COMO INSTRUMENTO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE URUARÁ, PARÁ. Reinaldo Lucas Cajaiba (*), Wully Barreto da Silva. * Laboratório de Ecologia Aplicada, Utad/ Portugal; Secretaria

Leia mais

Anderson Silva de Aguilar; Joel Dias da Silva

Anderson Silva de Aguilar; Joel Dias da Silva PAP017410 Valoração Econômica dos Serviços Ambientais em Unidade de Proteção Integral. Estudo de Caso do Monumento Natural da Mãe D água, Serra da Moeda, Brumadinho/ MG: Enfoque Recursos Hídricos. Anderson

Leia mais

PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO Turismo de Cruzeiros em Itajaí

PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO Turismo de Cruzeiros em Itajaí Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO Turismo de Cruzeiros em Itajaí Sumário Introdução... 3 Perfil dos turistas... 4 Hábitos e comportamentos sobre o turismo

Leia mais

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG)

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) SÉRGIO HENRIQUE DE CAMPOS ESPORTE 1 e ANA RUTE DO VALE 2 sergio_h13@hotmail.com, ana.vale@unifal-md.edu.br 1 Bolsista de iniciação científica

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT MISSÃO SEBRAE Missão: Ser uma organização de desenvolvimento, ética e séria, gerando alternativas de soluções para nossos clientes tornarem-se competitivos alinhados à sustentabilidade da vida. ÁREA DE

Leia mais

Gabriela Rocha 1 ; Magda Queiroz 2 ; Jamille Teraoka 3 INTRODUÇÃO

Gabriela Rocha 1 ; Magda Queiroz 2 ; Jamille Teraoka 3 INTRODUÇÃO O TRANSPORTE MARÍTIMO E SUA VIABILIDADE PARA QUE O TURISMO OCORRA SATISFATORIAMENTE EM UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL, NO LITORAL SUL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO BRASIL INTRODUÇÃO Gabriela Rocha

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS TURISTAS QUANTO A SUSTENTABILIDADE DO ARRAIAL DE CONCEIÇÃO DE IBITIPOCA, MG

A PERCEPÇÃO DOS TURISTAS QUANTO A SUSTENTABILIDADE DO ARRAIAL DE CONCEIÇÃO DE IBITIPOCA, MG A PERCEPÇÃO DOS TURISTAS QUANTO A SUSTENTABILIDADE DO ARRAIAL DE CONCEIÇÃO DE IBITIPOCA, MG Roberto Bartholo, Arminda Campos & Robson Pereira de Lima O presente estudo é parte integrante do projeto Iniciativas

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO A educação ambiental envolve atividades educativas que visam informar sobre o meio ambiente e suas relações.

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

Caatinga: exclusivamente brasileira

Caatinga: exclusivamente brasileira Caatinga: exclusivamente brasileira Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Biodiversidade e Florestas Departamento de Conservação da Biodiversidade Parque Nacional da Serra da Capivara - PI Caatinga:

Leia mais

Mobilidade Urbana Urbana

Mobilidade Urbana Urbana Mobilidade Urbana Urbana A Home Agent realizou uma pesquisa durante os meses de outubro e novembro, com moradores da Grande São Paulo sobre suas percepções e opiniões em relação à mobilidade na cidade

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Setembro 2013 Agradecimentos

Leia mais

Capítulo 28 Economia Ecológica. Se não está planejada a manutenção, não construa. Urbonas, 1993

Capítulo 28 Economia Ecológica. Se não está planejada a manutenção, não construa. Urbonas, 1993 Capítulo 28 Economia Ecológica Se não está planejada a manutenção, não construa. Urbonas, 1993 Pantanal matogrossense 28-1 Capítulo 28- Economia Ecológica 28.1 Introdução Existem dois tipos de economia:

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL MARIA DO CARMO ORECHIO

ESCOLA MUNICIPAL MARIA DO CARMO ORECHIO ESCOLA MUNICIPAL MARIA DO CARMO ORECHIO PROFESSORAS: DURVALINA M. B. FERNANDES HELENA N. DE SOUSA PEREIRA PÚBLICO ALVO: 2º, 3º ANOS DO 1º CICLO, 5º ANO DO 2º CICLO A ESCOLA PARTICIPA DO PROJETO DO PRÊMIO

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

Vista Aérea do Rio de Janeiro

Vista Aérea do Rio de Janeiro ECOTURISMO E ESTRATÉGIAS COLABORATIVAS PARA A SUSTENTABILIDADE DOS PARQUES NATURAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Marcos Cohen, D.Sc. Departamento de Administração - IAG Rio de Janeiro 30 de Outubro de 2012

Leia mais

Pesquisa Pantanal. Job: 13/0528

Pesquisa Pantanal. Job: 13/0528 Pesquisa Pantanal Job: 13/0528 Objetivo, metodologia e amostra Com objetivo de mensurar o conhecimento da população sobre o Pantanal, o WWF solicitou ao Ibope um estudo nacional para subsidiar as iniciativas

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DO AMAPÁ PERFIL SÓCIO-CULTURAL DOS ALUNOS DE ADMINISTRAÇÃO DA ESTÁCIO FAMAP MACAPÁ 2011.1

FACULDADE ESTÁCIO DO AMAPÁ PERFIL SÓCIO-CULTURAL DOS ALUNOS DE ADMINISTRAÇÃO DA ESTÁCIO FAMAP MACAPÁ 2011.1 FACULDADE ESTÁCIO DO AMAPÁ PERFIL SÓCIO-CULTURAL DOS ALUNOS DE ADMINISTRAÇÃO DA ESTÁCIO FAMAP MACAPÁ 2011.1 PERFIL SÓCIO-CULTURAL DOS ALUNOS DA ESTÁCIO-FAMAP 1. Apresentação Gráfica Gráfico 1: Sexo 35,90%

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território SEMINÁRIO VALOR ECONÔMICO AGRICULTURA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território Gestão da propriedade e governança do território

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014)

RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014) RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014) Os resultados a seguir são baseados em 2.257 entrevistas realizadas com turistas no período de 14 de junho a

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

PROGRAMA PARANÁ MICE PROJETO DE PESQUISAS DE DEMANDA

PROGRAMA PARANÁ MICE PROJETO DE PESQUISAS DE DEMANDA PROGRAMA PARANÁ MICE PROJETO DE PESQUISAS DE DEMANDA PROMOTORES DE EVENTOS ASSOCIATIVOS ESTADUAIS ASSOCIATIVOS LOCAIS CORPORATIVOS TURISTAS NEGÓCIOS ( 2016) EVENTOS FEIRAS CONGRESSOS 2 SEMINÁRIO PARANÁ

Leia mais

REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO

REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO 1.Introdução A divisão modal pode ser definida como a divisão proporcional de total de viagens realizadas pelas pessoas e cargas, entre diferentes modos de viagem. Se refere

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB Jackson Silva Nóbrega 1 ; Francisco de Assis da Silva 1 ; Marcio Santos da Silva 2 ; Maria Tatiane Leonardo Chaves

Leia mais

INTENÇÃO DE COMPRA NATAL 2014

INTENÇÃO DE COMPRA NATAL 2014 1 INTENÇÃO DE COMPRA NATAL 2014 2 Faculdade Estácio de Sá de Campo Grande Intenção de Compra para o Natal 2014 Rua Venâncio Borges do Nascimento, 377 Jardim Tv Morena Campo Grande - MS, 79050-700 Fone:

Leia mais

Relatório Plante Bonito Patrocinador: Colégio Palmares Ambiental Viagens e Turismo Área: Estância Mimosa Ecoturismo

Relatório Plante Bonito Patrocinador: Colégio Palmares Ambiental Viagens e Turismo Área: Estância Mimosa Ecoturismo Instituto das Águas da Serra da Bodoquena IASB Organização não governamental sem fins lucrativos, com caráter técnico, científico e ambiental, criado em Bonito/MS por proprietários rurais, empresários,

Leia mais

Dia das Crianças 2013 - ACIT

Dia das Crianças 2013 - ACIT NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICO-SOCIAIS NUPES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO. PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E RELAÇÕES COMUNITÁRIAS UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Dia das Crianças 2013 - ACIT

Leia mais

Pré-Projeto de Educação Ambiental

Pré-Projeto de Educação Ambiental Pré-Projeto de Educação Ambiental Vamos Descobrir e Valorizar o Alvão Ano 2014/15 Centro de Informação e Interpretação Lugar do Barrio 4880-164 Mondim de Basto Telefone: 255 381 2009 ou 255 389 250 1 Descobrir

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA O TURISMO SUSTENTÁVEL

ESTRATÉGIAS PARA O TURISMO SUSTENTÁVEL 212 ESTRATÉGIAS PARA O TURISMO SUSTENTÁVEL Cyro de Almeida Durigan Uni-FACEF INTRODUÇÃO O Brasil pode ser considerado, ainda, um país em desenvolvimento no que tange o turismo. Há apenas alguns anos o

Leia mais

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS SETEMBRO / 2010 COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS MANAUS AM RELATÓRIO MENSAL DA PESQUISA DO COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANTA DE MANAUS, ANO 2010 - N 05 Para 58,0%

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências Nome: Ano: 5º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências da Natureza Disciplina:

Leia mais

Meto t d o o d l o og o i g a II. Segm g e m nt n a t ção o do d o me m rcado III. C racte t rização o do d s o ent n r t evi v sta t do d s

Meto t d o o d l o og o i g a II. Segm g e m nt n a t ção o do d o me m rcado III. C racte t rização o do d s o ent n r t evi v sta t do d s Roteiro I. Metodologia II. III. IV. Segmentação do mercado Caracterização dos entrevistados Percepções sobre o turismo no Brasil V. Hábitos e comportamentos sobre turismo VI. VII. VIII. Prioridade de investimento

Leia mais

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO Estudo da proporção e o nível de conhecimento dos alunos de graduação do período vespertino do Campus II da UFG sobre o Programa Coleta Seletiva Solidária 1 Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO

Leia mais

INTENÇÃO DE COMPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014

INTENÇÃO DE COMPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 PE MPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 1 MPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 PE MPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 2 Faculdade Estácio de Sá de Campo Grande Intenção de Compra para o Dia das Crianças 2014 Rua Venâncio Borges do

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

5.10) Lazer, Turismo e Cultura

5.10) Lazer, Turismo e Cultura 5.10) Lazer, Turismo e Cultura 5.10.1) Metodologia No contexto da AII, com destaque para os Estados de Goiás e Mato Grosso, foram obtidas informações junto à EMBRATUR referentes aos principais pontos turísticos

Leia mais

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará Capítulo do Livro: Série Integração, Transformação e Desenvolvimento: Áreas Protegidas e Biodiversidade Fundo Vale para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro. 2012. Planejamento Turístico para

Leia mais

abastecimento de água e imagem da COPASA Montes Claros

abastecimento de água e imagem da COPASA Montes Claros Avaliação do Serviço o de abastecimento de água e imagem da COPASA Montes Claros Pesquisa realizada entre 24 e 28 de Abril de 2010 Informações Metodológicas Tipo de pesquisa: Survey, utiliza-se de questionário

Leia mais

DELIVERY. Revieni Chisté Zanotelli. Revieni Chisté Zanotelli é economista e analista de pesquisas da Futura

DELIVERY. Revieni Chisté Zanotelli. Revieni Chisté Zanotelli é economista e analista de pesquisas da Futura DELIVERY Revieni Chisté Zanotelli O serviço de entrega de produtos (delivery) foi criado para proporcionar comodidade às pessoas e, também, para aqueles que estão sem tempo de ir até ao estabelecimento

Leia mais

Pesquisa Perfil do Visitante da Orla de Ipanema - Porto Alegre

Pesquisa Perfil do Visitante da Orla de Ipanema - Porto Alegre Pesquisa Perfil do Visitante da Orla de Ipanema - Porto Alegre Movimento Ipanema Natureza Humana Secretaria Municipal de Turismo de Porto Alegre Novembro/2009 Objetivo: Perfil do Visitante da Orla de Ipanema

Leia mais

Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil

Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil 1º Seminário Paulista de PSA- Novembro de 2009 - Clayton F. Lino A natureza

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Fernanda Borges Monteiro, Vânia Barcellos Gouvêa Campos arqnandy@gmail.com; vania@ime.eb.br Instituto Militar de Engenharia

Leia mais

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2012) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA)

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2005-2011

Estudo da demanda turística internacional 2005-2011 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2005-2011 Brasília, outubro de 2012 Sumário 1 Perfil da demanda

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DEMANDA TURÍSTICA EM MINAS GERAIS MÉDIA TEMPORADA

AVALIAÇÃO DA DEMANDA TURÍSTICA EM MINAS GERAIS MÉDIA TEMPORADA AVALIAÇÃO DA DEMANDA TURÍSTICA EM MINAS GERAIS MÉDIA TEMPORADA JANEIRO DE 2010 INTRODUÇÃO Este relatório contém os resultados de um estudo realizado pela MDA PESQUISA junto aos turistas em 19 Circuitos

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal MÓDULO 1 ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal ECOSSISTEMAS HUMANOS As necessidades e desejos da população humana em expansão têm requerido um

Leia mais

Pesquisa IBOPE Ambiental. Setembro de 2011

Pesquisa IBOPE Ambiental. Setembro de 2011 Pesquisa IBOPE Ambiental Setembro de 2011 Com quem falamos? Metodologia & Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas telefônicas. Objetivo geral Identificar

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente

Ministério do Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais: uma proposta em discussão. Shigeo Shiki Mata Atlântica e Serviços

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade... ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...5 A Instituição Típica da Área de Cultura...5 A Instituição

Leia mais

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 QUALIDADE E EXCELÊNCIA DISNEY, UM EXEMPLO PARA HOTÉIS DE TODO O MUNDO Fábio Ricardo Barros da Silva Acadêmico do Curso de Turismo e Hotelaria

Leia mais

Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais

Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais 287 Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais EVOLUÇÃO DOS PROJETOS BRASILEIROS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE 2013 E 2014 Ana Cândida Ferreira Vieira

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMPACTOS CAUSADOS PELA POLUIÇÃO DAS ÁGUAS DA REPRESA DE FURNAS NO ENTORNO DO MUNICÍPIO DE ALFENAS-MG FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS?

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? Maranhão, R.A. 1 1 PECE/POLI/USP, MBA em Gestão e Tecnologias Ambientais, Biológo e Mestre em Geografia, romeroalbuquerque@bol.com.br

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE A ONG WWF MAIO 2003 OPP 065 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL - Levantar informações para subsidiar o planejamento e avaliação da comunicação da WWF e

Leia mais

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010 Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre Outono 2010 Pesquisa realizada pela SMTur, em parceria com a FARGS e com apoio da Infraero e da Veppo. 22 a 28 de abril Aeroporto área de embarque

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDANTES ORIUNDOS DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS

CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDANTES ORIUNDOS DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDANTES ORIUNDOS DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS EJE. Comunicacion y Extensión PETER, Cristina Mendes ¹; ZANI João Luiz ²; MONTEIRO, Alegani Vieira³; PICOLI,Tony

Leia mais

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Serra da Mantiqueira: Turismo e Fruticultura Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Objetivo Apresentar uma síntese sobre a Serra da Mantiqueira, desafios e potencialidades

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

O que é a Conservação Estratégica? Economia da conservação Economia da degradação Instrumentos de política ambiental Pagamento por Serviços Ambientais

O que é a Conservação Estratégica? Economia da conservação Economia da degradação Instrumentos de política ambiental Pagamento por Serviços Ambientais O que é a Conservação Estratégica? Economia da conservação Economia da degradação Instrumentos de política ambiental Pagamento por Serviços Ambientais Serviços ambientais Caso demonstrativo Conceito básico

Leia mais

Plano de Transporte Coletivo da Cidade de Bauru PTC Bauru. NT09 Pesquisa de imagem e opinião sobre o serviço de transporte coletivo municipal de Bauru

Plano de Transporte Coletivo da Cidade de Bauru PTC Bauru. NT09 Pesquisa de imagem e opinião sobre o serviço de transporte coletivo municipal de Bauru -EMDURB Plano de Transporte Coletivo da Cidade de Bauru PTC Bauru NT09 Pesquisa de imagem e opinião sobre o serviço de transporte coletivo municipal de Bauru Junho/2013 1- Apresentação O Plano de Transporte

Leia mais

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA AS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE Os rios são cursos naturais de água doce. Eles podem se originar a partir do derretimento de neve e de geleiras, de um lago ou das águas das

Leia mais

Projeto Barro Preto em Ação

Projeto Barro Preto em Ação Projeto Barro Preto em Ação Mirian de Sousa SILVA 1 ; André Luis RIBEIRO 2 ; 1ªTurma de Meio Ambiente 3 1 Professora orientadora do Instituto Federal Minas Gerais (IFMG) Bambuí/Extensão Oliveira-MG. 2

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS BRASIL - BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS Erika do Carmo Cerqueira

Leia mais