Prestadores de serviços ambientais para resíduos industriais no Estado do Rio Grande do Sul - Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prestadores de serviços ambientais para resíduos industriais no Estado do Rio Grande do Sul - Brasil"

Transcrição

1 Prestadores de serviços ambientais para resíduos industriais no Estado do Rio Grande do Sul - Brasil 5º Encuentro Regional XXVI Congreso Interamericano de Ingeniería Química Ms. Eng. Química Marise Keller Santos 1, Dra. Eng. Civil Rejane Candiota Tubino 2 1 UFRGS/PPGEM/ 2 UFRGS/PPGEM/ Resumo Este trabalho apresenta um estudo sobre a componente da gestão ambiental do setor metal mecânico do Rio Grande do Sul, especificamente considerando as relações entre seus resíduos industriais e seus respectivos prestadores de serviços ambientais (PSAs). O trabalho identifica critérios que caracterizam a situação atual da destinação final ambientalmente adequada dos resíduos de uma amostra representativa de indústrias do setor, para prestadores de serviços ambientais. Os dados obtidos sobre a qualidade dos serviços são analisados com o objetivo de aprimorar e identificar novas oportunidades desses serviços ambientais. O resultado da análise é a base para o desenvolvimento de uma estratégia para promover a sustentabilidade do setor metal mecânico. A metodologia empregada no desenvolvimento do trabalho é baseada em 7 etapas. Inicialmente são identificadas as informações técnicas, econômicas e ambientais atuais sobre o setor metal mecânico no Rio Grande do Sul- Brasil. A segunda etapa define critérios para o estabelecimento dos limites da pesquisa no setor. Na etapa seguinte os critérios são aplicados através de uma ferramenta da qualidade, definindo a abrangência em que este estudo é desenvolvido no setor. A quarta etapa identifica uma amostra de empresas estatisticamente representativa do setor metal mecânico. A Identificação dos resíduos produzidos pela amostra de empresas ocorre na quinta etapa e a seleção dos mesmos ocorre na sexta etapa através da aplicação de uma ferramenta de avaliação das características desses resíduos. Na última etapa ocorre a avaliação dos resultados obtidos para a definição de uma estratégia de sustentabilidade em base a oportunidades de não geração, minimização, recuperação, reutilização, reciclagem, tratamento e disposição final dos resíduos produzidos pelas empresas selecionadas do setor metal mecânico do RS.

2 Palavras-chave: Prestadores serviços ambientais, resíduos, metal mecânico, empreendedores ambientais. Área Temática: Engenharia e desenvolvimento sustentável Abstract This paper presents a study on the environmental management component of the metal mechanic sector of Rio Grande do Sul, particularly considering the relationship between their industrial waste and their environmental service providers. The paper identifies the criteria that characterize the current situation of environmentally appropriate final disposal of waste from a representative sample of industries of the sector, for providers of environmental services. The data about the quality of the services are analyzed in order to identify new opportunities and enhance these environmental services. The result of the analysis is the basis for developing a strategy to promote the sustainability of the metal mechanic sector. The methodology used in the development of this research is based on seven steps, initially the technical, economic and environmental current information about the metal mechanic industry in Rio Grande do Sul, Brazil, is identified. The second step defines the criteria for establishing the boundaries of the research in the sector. In the following step, the criteria are applied through a quality tool, defining the scope of this study in the sector. The fourth step identifies a statistically representative sample of companies in the metal mechanic sector. The identification of the waste produced by the sample of companies occurs in the fifth step and the selection of the waste occurs in the sixth step by applying an evaluation tool of the characteristics of the waste. In the last step, the evaluation of the results obtained is presented in order to establish the definition of a sustainability strategy based on the opportunities for non-generation, minimization, recovery, reuse, recycling, treatment and final disposal of waste generated by selected companies in the metal mechanic sector in RS. Key words:. Providers environmental services, waste, metal mechanic, eco entrepreneurs. Theme Area: Engineering and Sustainable Development

3 No âmbito deste trabalho, o objeto de estudo é a componente da gestão ambiental do setor metal mecânico, especificamente considerando as relações entre as empresas geradoras de resíduos industriais (EGRs) e prestadores de serviços ambientais (PSAs). Este trabalho pretende caracterizar a situação atual da prestação de serviços ambientais para os resíduos gerados por uma amostra representativa de indústrias do setor metal mecânico, para a obtenção de dados que são analisados para a elaboração de uma proposta de uma estratégia de sustentabilidade para fortalecer o setor. Como resultados estarão disponíveis dados com os quais será possível se estabelecer indicadores destes prestadores de serviço, a fim de que todo o setor seja beneficiado. Objetivos gerais Desenvolver uma estratégia para promover a sustentabilidade do setor metal mecânico do RS através da identificação de oportunidades para o fortalecimento de seus PSAs para resíduos industriais. Objetivos específicos Avaliar o setor metal-mecânico com seus limites definidos com base em critérios econômicos, geográficos e ambientais; Avaliar e priorizar os resíduos industriais gerados no setor metal mecânico para sua analise com base em critérios de: caracterização; quantidade; valor econômico para o mercado de serviços ambientais; possibilidades de reciclagem,r euso ou recuperação segundo as tecnologias atuais, demanda pelo EGR. Identificar e avaliar a qualidade dos PSAs dos resíduos na cadeia com base a critérios definidos: qualificação dos profissionais técnicos e gerenciais; localização; serviços oferecidos; Estabelecer uma estratégia para promover a sustentabilidade da cadeia metal mecânica com base no fortalecimento de seus PSAs. Introdução O setor metal-mecânico do Estado do RS inclui um conjunto diversificado de integrantes, com grande variedade de atividades relacionadas à transformação dos metais e, por isso, muitas vezes esse setor é referido como complexo metalmecânico. Os empreendimentos metal-mecânicos incluem o processamento e a utilização de metais, especialmente o ferro, o alumínio, aço e outros tipos de ligas metálicas. Os segmentos industriais que desenvolvem suas atividades neste setor são as indústrias metalúrgicas, de máquinas e equipamentos, de bens finais e atividades de produção de ferramentas, ferragens e outros artigos metálicos, bem como a indústria de material elétrico. Essas indústrias são caracterizadas por possuírem porte distinto e distribuição geográfica concentrada em determinadas regiões no estado (FIERGS, 2010). O setor desenvolve-se principalmente nas regiões da serra gaúcha, na região metropolitana de Porto Alegre e na região norte do Estado, está logisticamente estruturada para matérias-primas e produtos, porém com falta de informações sobre a sua atual geração de resíduos e da oferta de serviços ambientais direcionados a esta cadeia.

4 O setor metal-mecânico não possui uma avaliação realizada com profundidade técnica, econômica e ambiental de seus PSAs, avaliação essa correspondente à importância desse setor na economia do RS. Não foi possível identificar dados ou informações atuais nas fontes tradicionais de referência que definam o relacionamento entre a empresa geradora de resíduos e seu PSA na cadeia metal-mecânica, como a qualidade e preços dos serviços prestados, inexistência de serviços para determinados resíduos, qualificação técnica e tecnológica do serviço prestado, influência econômica no setor e oportunidades de fortalecimento desse elo para o setor e de outros fatores que influenciariam na sustentabilidade do mesmo. Os dados existentes estão atualizados somente até o ano de 2003 e disponível no documento Relatório sobre a geração de resíduos industriais do estado do Rio Grande do Sul, elaborado pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (FEPAM, 2003). Cabe, porém, salientar que os dados presentes neste documento necessitam ser atualizados considerando as alterações que vêm ocorrendo no setor metal-mecânico nos últimos 8 anos, no estado. Segundo Cervelini & Souza (2009) alternativas para a minimização de resíduos, como a implementação de programas de Produção mais Limpa, os sistemas de gestão certificados e a obrigatoriedade da melhora contínua desses sistemas alteraram a geração de resíduos pelo setor industrial nos últimos anos. Uma proposta de ampliação da oferta desses serviços para o setor industrial deve ser estabelecida considerando a identificação qualitativa e quantitativa atual dos resíduos gerados, definindo, assim, as especificações técnicas, econômicas de seu suprimento como matérias-primas para abastecimento dos atuais e novos PSAs.. A existência de um número significativo de empresas do setor com uma gestão ambiental já implementada, certificada e com necessidade de cumprir metas de melhoria contínua de seu desempenho ambiental demanda um serviço ambiental de qualidade técnica e tecnológica para cumprir a adequação aos instrumentos legais. Segundo o Relatório Final - Pesquisa de Bens e Serviços Ambientais do Estado do Espírito Santo de 2010, a existência de PSAs qualificados para resíduos tem como objetivo apoiar o desenvolvimento sustentável do setor industrial e proporcionar um ambiente para a inovação tecnológica, empreendedorismo e ampliar a oferta de empregos, estabelecendo-se como um setor formalmente constituído da economia em um país. No último ano, surgem vários movimentos para promover a sustentabilidade no país, que justificam o objetivo desta pesquisa. O principal deles é a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) em dezembro de 2010 (Brasil, 2010). A aplicação da atual PNRS é o instrumento legal que embasa a atuação do poder público como fiscalizador das práticas relacionadas ao gerenciamento de resíduos dos diversos setores da economia. Propõe como um dos principais instrumentos para a gestão de resíduos, a logística reversa, que obrigará a cadeia do setor metalmecânico a buscar soluções mais integradas na própria cadeia, aperfeiçoar e desenvolver novos PSAs, buscar também alternativas tecnológicas e inovadoras. É possível observar que já existem estabelecidos vários prestadores de serviços, como por exemplo, as transportadoras de resíduos, licenciadas pela FEPAM (site: nos Estados Unidos através de sua agência ambiental, é possível encontrar um

5 prestadores de serviço ambiental pela categoria do resíduo, localização e nome do prestador de serviço em: Os empreendimentos implementados, licenciados ou não, apresentam muitas vezes falhas na sua gestão técnica e/ou administrativa. É importante conhecer o perfil atual do setor de prestação de serviços ambientais, quem são seus responsáveis técnicos, custos dos serviços ambientais, como estão sendo oferecidos os serviços, qual a satisfação da qualidade dos serviços prestados do ponto de vista da demanda, o gerador de resíduos (UNEP 2003). Devem ser também avaliadas as oportunidades de serviços ambientais que estão sendo demandados e que ainda não estejam sendo oferecidos no RS, considerando a regulamentação da PNRS e seus prazos. Existem várias definições para bens e serviços ambientais, a seguir são apresentadas algumas destas definições propostas por organizações internacionais. Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico: são bens (ou serviços) ambientais aqueles que tenham por finalidade medir, prevenir, limitar e minimizar ou corrigir danos ambientais à água, ao ar e ao solo, bem como, os problemas relacionados ao desperdício, poluição sonora e danos aos ecossistemas. Entende-se como danos aos ecossistemas a degradação ambiental (Kennett et al., 2005). Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL): Serviços ambientais como as atividades econômicas que produzem ou consomem serviços econômicos necessários para tratar ou resolver problemas ambientais, ou que permitem um uso e gestão adequada e a melhoria dos bens e funções ambientais (Shiki, 2005). Segundo a Environmental Business International Inc. (EBI Inc., 2010), havia a projeção de um mercado de bens e serviços ambientais no mundo de 772 bilhões de dólares em A América Latina representa nesta projeção de mercado um percentual de 4%, enquanto que países como EUA, Japão e países da Europa Ocidental representam 76% do total. A estratégia da União Europeia (UE) tem como prioridade criar uma economia competitiva sempre considerando o respeito ao meio ambiente, criando novas industrias mas também modernizando as industrias existentes. Esta estratégia esta baseada no uso mais eficiente dos recursos naturais, principalmente a energia e também o desenvolvimento de novas tecnologias mais limpas, com o objetivo de criar novos empregos e serviços ajudando a UE a alcançar seus objetivos ambientais e de mudanças climáticas. Como exemplo de estratégia, pode ser citada a Espanha, que no documento Informe Empleo Verde en una economía sostenible, elaborado pelo Observatório de La Sostenibilidad da Espana em 2010, descreve como a atividade de maior peso nos chamados empregos verdes tradicionais a atividade de gestão de resíduos, que concentra mais de uma quarta parte dos empregos verdes totais ( empregos, 26,4 % do total de empregos verdes. Metodologia A metodologia empregada nesta pesquisa é qualitativa de caráter exploratório, pois procura compreender e classificar processos dinâmicos (Richardson et al., 1999) e fornecer uma maior compreensão do tema e do contexto

6 escolhido (Benbasat et al., 1987). A realização da pesquisa divide-se em 7 etapas consecutivas onde são desenvolvidas atividades para atingir os objetivos específicos previstos. A análise realizada terá como produto uma proposta de estratégia para promover a sustentabilidade do da cadeia do setor com base no fortalecimento de seus prestadores de serviços ambientais. A seguir, são apresentados os principais resultados parciais alcançados em cada uma das sete etapas do desenvolvimento da metodologia. Etapa I: Revisão bibliográfica sobre o setor metal-mecânico Na analise dos setores do RS identificou-se, segundo a FEE, que o Rio Grande do Sul apresenta uma estrutura industrial densa, quando comparada com a dos demais estados da Federação.As estatísticas analisadas pela FEE, mostram uma concentração setorial e geográfica dentro do Estado, quanto a produção e o emprego industriais. Em termos setoriais, a produção concentra-se na fabricação de produtos alimentícios, produtos químicos, o setor de couro e calçados e o setor metal mecânico com seus grupos de atividades econômicas: veículos, reboques e carrocerias, estes representam mais de 50% do total do valor da produção do estado e pouco menos de 50% do total do emprego formal. Em termos regionais, apenas três Coredes Metropolitano Delta do Jacuí, Serra e Vale do Rio dos Sinos detêm cerca de 70% da produção total da indústria e 60% do emprego. O setor de veículos automotores, reboques e carrocerias representa 10,3% da produção e 6,1% do emprego formal, com uma relação emprego/produção de 0,59. No entanto, como o salário médio pago pelo setor é maior do que a média do Estado, a sua participação na massa salarial total aproxima-se da sua importância em termos de produção (9,98%). Trata-se, também, de um setor bastante concentrado geograficamente: os Coredes Metropolitano Delta do Jacuí e Serra detêm, respectivamente, 47,5% e 45,0% da produção. Em ambos, a atividade de autopeças é relevante, porém, enquanto, no Metropolitano, destaca-se a produção de automóveis, no Corede Serra, a produção do setor concentra-se em caminhões e ônibus e cabines, carrocerias e reboques, o que evidencia a especialização intrassetorial das regiões. Etapa II. Definição dos critérios para estabelecimento dos limites da pesquisa a ser desenvolvida. Quanto aos critérios para a identificação representativa da amostra de empresas do setor metal mecânico, o primeiro a ser considerado é a sua classificação como uma empresa dentro do grupo de atividades econômicas da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE), pertencente aos grupos do setor metal mecânico identificados pelas estatísticas da FEE, veículos automotores, reboques e carrocerias. Etapa III. Aplicação da ferramenta e critérios para definir os limites da cadeia a ser estudada. Nesta etapa foi identificada a ferramenta da qualidade Diagrama de Pareto, que tem como objetivo avaliar as principais atividades econômicas do setor metal mecânico identificadas pela FEE e sua distribuição geográfica no estado.

7 Etapa IV. Definição de uma amostra de empresas estatisticamente representativa do setor metal mecânico definido. Nesta etapa é identificada a totalidade de empresas formalmente registradas na Receita Federal ou Estadual pertencentes às atividades economicamente importantes do setor metal mecânicas, identificadas pela FEE. Os critérios aplicados a totalidade de empresas registradas são estabelecidos em relação ao porte da empresa, segundo faturamento; licenciamento ambiental vigente (segundo autoridade ambiental estadual FEPAM); tipo de capital; certificações em programas voluntários (Série ISO 9001, 14000; OHSAS, responsabilidade social, outras); participação em outros programas voluntários (PmL, programas setoriais, etc). Esses dados são obtidos junto as Instituições responsáveis pelos registros oficiais das empresas do setor, consultas pela internet, por consulta telefônica. A representatividade das empresas será estabelecida utilizando critérios: econômicos, influencia política no setor, certificação ambiental, porte, localização, participação em programas setoriais. Os critérios para a seleção da amostra representativa do setor serão aplicados utilizando uma ferramenta da qualidade II. Estas empresas são o objeto do estudo, nelas serão pesquisado os dados sobre os resíduos industriais gerados e seus PSAs. Etapa V. Identificação dos resíduos produzidos pela amostra representativa de EGRs do setor. Os tipos de resíduos gerados pelo setor são identificados a partir dos relatórios de resíduos, exigidos pela FEPAM, elaborados pelas grandes empresas selecionadas na etapa anterior. Esses relatórios são obtidos pelo pesquisador através de um contato prévio e direto com as empresas de grande porte selecionadas. A análise dos relatórios permite a identificação dos diferentes resíduos gerados pelo setor. As informações sobre os mesmos, como características, destinação e disposição final são identificadas. Essas são analisadas e comparadas, através de uma revisão bibliográfica, com as alternativas existentes para os mesmos resíduos do setor em países desenvolvidos. Esta análise permitirá identificar preliminarmente as oportunidades existentes no setor para a não geração, minimização, reutilização e reciclagem dos resíduos. Os resíduos gerados pelas empresas selecionadas são a base para o desenvolvimento da ferramenta de pesquisa sobre a qualidade dos serviços oferecidos pelos seus prestadores de serviços ambientais. A partir dos resultados obtidos com a aplicação da ferramenta I são selecionados os PSAs a ser avaliados. Etapa VI. Definir e aplicar ferramenta II para a avaliação dos resíduos produzidos segundo critérios definidos. A ferramenta II de pesquisa aplicada as EGRs tem o objetivo de identificar a qualidade dos serviços ambientais oferecidos às empresas pelos seus PSAs. Os critérios de qualidade a ser analisados consideram os aspectos tecnológicos, custos, logísticos, cumprimento da legislação ambiental, etc. Etapa VII. Avaliar resultados e definir uma estratégia em base a oportunidades (não geração, minimização, recuperação, reutilização, reciclagem, tratamento e disposição final) para a sustentabilidade do setor metal mecânico do RS.

8 Os resultados obtidos permitem identificar varias oportunidades entre elas a de implementação para novos eco-empreendimentos para suprir a demanda de tratamento, reciclagem ou recuperação de resíduos que não estão sendo atualmente oferecidos no mercado ambiental do estado. A identificação de necessidade de aperfeiçoar a qualidade dos atuais serviços ambientais ofertados através da identificação das demandas das EGRs. Outra oportunidade significativa é a identificação de novas alternativas para a destinação final ambientalmente adequada de resíduos que já possuem atualmente uma disposição final ambientalmente adequada segundo critérios ambientais jurídicos e tecnológicos, porém não cumprindo o proposto pela Política Nacional de Resíduos Sólidos. Resultados e discussões Em sua fase inicial este trabalho realizou um projeto piloto, envolvendo 15 empresas de diversos porte e pertencente aos setores de alimentos, gráficas, metal mecânicas e curtumes, com alto e medo potencial poluidor, da região de Pelotas. O projeto piloto foi desenvolvido como tema de trabalho de conclusão da aluna do curso tecnólogo em Gestão ambiental, Iliane Muller. Neste piloto foi desenvolvido a ferramenta de pesquisa (questionários de avaliação) aplicado as 15 EGRs, com o objetivo de aperfeiçoar o mesmo. O questionário foi aplicado presencialmente aos responsáveis técnicos das EGRs entrevistadas e os principais resultados indicam a falta de PSAs na região para a destinação final ambientalmente adequada para os resíduos perigosos e não perigosos. Os resíduos classe II-A, como exemplo, as sucatas metálicas e plásticos, são recolhidos por intermediários na cadeia de prestação de serviços ambientais e que após um determinado acúmulo de resíduos, enviam os mesmo para o reciclador propriamente dito, localizado há mais de 200 km da região. Não existe na região um aterro para resíduos industriais classe I, os resíduos perigosos são enviados para os aterros para resíduos industriais perigosos implementados há mais de 200km da região. Existem oportunidades para novospsas abrangendo a disposição intermediária e o transporte de resíduos ambientalmente adequados ate os empreendimento de reciclagem ou recuperação. Constatou-se um grande despreparo técnico em relação ao conhecimento e interpretação da legislação ambiental por parte dos responsáveis técnicos. Considerando os custos do gerenciamento de resíduos, observou-se uma falta de conhecimento dos corretos fatores envolvidos na elaboração dos custos dos resíduos pelas empresas. Os resultados obtidos já eram esperados considerandose a localização da região pesquisada, distancia dos grandes centros industriais, setor industrial em declínio nas últimas décadas e falta de cultura ambiental. É importante salientar que esta região apesar de um histórico declínio do setor industrial apresenta um futuro promissor, considerando a perspectiva de crescimento vinculadas a implementação de um grande polo naval localizado há 50km na cidade de Rio Grande. Considerações finais Este trabalho encontra-se em sua fase inicial, a fase piloto, muito contribuiu para as correções na ferramenta de pesquisa, questionário aplicado as EGRs e também para a elaboração do questionário a ser aplicado nos PSAs referenciados pela EGRs. As expectativas para os resultados que serão encontrados no setor metal mecânico indicam um mercado de serviços ambientais mais preparado tecnicamente

9 para atender as EGRs, considerando que este setor tradicionalmente vem sendo pressionado desde os anos 80 para sua adequação ambiental por parte das autoridades ambientais do estado, é um setor em crescente modernização, funcionando integradamente como cadeia de serviços metal mecânico, apresenta um crescimento econômico considerável nos últimos anos, estar concentrado em determinadas regiões no estado. Espera-se portanto que os resultados identificados na aplicação desta pesquisa, tanto por parte das EGRs como de seus PSAs, apresentem oportunidades de criação de novos PSAs e eco empreendimentos para resíduos, que possam ser identificadas algumas das varias lacunas para o estabelecimento do setor de PSAs no estado. Marise Keller Santos, é graduada em Engenharia Química pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1981) com mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2007). Implementou e coordenou os projetos internacionais de implementação dos centros de produção mais limpa do Brasil e do Uruguai. Atuou como consultora internacional do projeto Análise de opções e estudo de factibilidade para o armazenamento de longo prazo do mercúrio, coordenado pelo Laboratório de Tecnologia do Uruguai (LATU) e a UNEP, e como coordenadora do projeto internacional com a UNEP e o Centro Coordenador da Basileia, Minimização e gerenciamento ambiental de mercúrio para América Latina e Caribe. Atualmente é professora do IF Sul- rio-grandense, nos cursos de engenharia elétrica, tecnólogo em gestão ambiental e saneamento. Doutoranda da UFRGS/PPGEM na temática de gestão ambiental. Rejane Maria Candiota Tubino: graduada em Engenharia Civil pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1986), mestrado em Construção Civil CPGEC - Curso de Pós Graduação Em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1994) e doutorado em Engenharia Metalúrgica - PPPGEM Programa de Pós Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001). Atualmente é professora associado I da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Departamento de Metalurgia. Tem experiência na área de Engenharia Civil e Engenharia Metalúrgica, com ênfase em Materiais e Componentes de Construção, atuando principalmente nos seguintes temas: reciclagem e reaproveitamento de resíduos sólidos, resíduos metalúrgicos e gestão ambiental. REFERÊNCIAS Benbasat, I., Goldstein, D.K. and Mead, M. "The Case Research Strategy in Studies of Information Systems," MIS Quarterly (11:3) BRASIL. Lei Federal n de 02 de agosto de Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei n o 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Brasília, 02 de agosto de CERVELINI, Fernando Magnani. Souza, Maria Tereza Saraiva. A contribution of the Cleaner Production Program to the ISO Management System: a case study in the metal-mechanic sector. The Flagship research Journal of International Conference of the Production and Operations management Society. volume2. Number 1. January June EBI Inc. Global Environmental Market. San Diego: Environmental Business International Inc., 2010.

10 FEPAM. Fundação estadual de Proteção ambiental. Inventario Nacional de Resíduos Sólidos Industriais Disponível em <http://www.fepam.rs.gov.br/biblioteca/rsi.asp> Acesso em 10/08/2011. FIERGS. Panorama Econômico Unidade de Estudos Econômicos. Porto Alegre, Disponível em: <http://www.fiergs.org.br>. Acesso em: 10/08/2011. GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã. FUNDAÇÃO DE ECONOMIA E ESTATÍSTICA. Carta de 20 anos Conjuntura FEE. Siegfried Emanuel Heuser. ANO 20. Nº 12. Dezembro de INSTITUTO IDÉIAS. Relatório Final Pesquisa da oferta de bens e serviços ambientais no Espírito Santo Disponível em: <Http//www.institutoideias.com.br>. Acesso em 10/09/2011. OBSERVATORIO DE LA SOSTENIBILIDAD DE ESPAÑA (OSE); FUNDACIÓN BIODIVERSIDAD; SECRETARIA DE ESTADO DE CAMBIO CLIMÁTICO DE ESPAÑA. Informe Empleo Verde en una economia sostenible ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Opening Markets for Environmental Goods and Services. Policy Brief, September OCDE, Paris. RICHARDSON, R. J.. Pesquisa Social: Métodos e Técnicas. São Paulo: Atlas, RIO GRANDE DO SUL. Lei Estadual Nº , de 17 de outubro de Dispõe sobre a criação, estruturação e funcionamento dos Conselhos Regionais de Desenvolvimento e dá outras providências. Diário Oficial (do Estado do Rio Grande do Sul), Porto Alegre, V. nº LIII, nº. 215, 14 de novembro de Lei de 17 de outubro de SHIKI, Shigeo. Apresentação sobre Comércio e Meio Ambiente no Mercosul. [s.l.] Disponível em: <http://info.worldbank.org/etools/docs/library/117360/mmashigeocomerciomeioambi ente.pdf, 2005>. Acesso em 10/09/2011. TEIXEIRA, T. C. M. R.; SANTOS, C. V.; Relatório Final - Pesquisa de Bens e Serviços Ambientais do Estado do Espírito Santo. Vitória, 2010 TOGEIRO E FERREIRA, Bens e serviços ambientais e as negociações na OMC, Revista Iberoamericana de Economía Ecológica Vol. 5: 1-11 UNEP. Capacity Building Task Fource on Trade Environment and Development. New York and Geneva, 2003.

Pesquisa para a identificação de critérios na avaliação da qualidade da prestação de serviços ambientais para resíduos industriais

Pesquisa para a identificação de critérios na avaliação da qualidade da prestação de serviços ambientais para resíduos industriais Pesquisa para a identificação de critérios na avaliação da qualidade da prestação de serviços ambientais para resíduos industriais SANTOS, M. K. 1, TUBINO, R. M. C.², DANILEVICZ, A. M. F.³, OTTO, I. M.

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA REGULAMENTAÇÃO Simone Paschoal Nogueira Coordenadora de Legislação da ABLP WORKSHOP PNRS ABLP 1º de março de 2011 - Instituto de Engenharia Legislação Leie Federal

Leia mais

ECONOMIA E MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DAS EMPRESAS DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (CDI) DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA.

ECONOMIA E MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DAS EMPRESAS DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (CDI) DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA. ECONOMIA E MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DAS EMPRESAS DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (CDI) DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA. RESUMO: O Centro de Desenvolvimento Industrial de Guarapuava foi criado

Leia mais

Aceleração Industrial de Empresas e Educação Empreendedora: Metodologia de Trabalho Incubadora Senai Centro Internacional de Inovação

Aceleração Industrial de Empresas e Educação Empreendedora: Metodologia de Trabalho Incubadora Senai Centro Internacional de Inovação Aceleração Industrial de Empresas e Educação Empreendedora: Metodologia de Trabalho Incubadora Senai Centro Internacional de Inovação Mário Rafael Bendlin Calzavara RESUMO A Incubadora Senai Centro Internacional

Leia mais

Projeto: Gestão Ambiental do Campus Pelotas do Instituto Federal Sul-riograndense

Projeto: Gestão Ambiental do Campus Pelotas do Instituto Federal Sul-riograndense Projeto: Gestão Ambiental do Campus Pelotas do Instituto Federal Sul-riograndense 2010 Grupo de pesquisadores Ms. Químico Endrigo Pereira Lima Dr. Eng. Civil Jocelito Saccol de Sá Ms. Arq. Luciana Sandrini

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

A estrutura da Indústria do Rio Grande do Sul para o segmento de Petróleo, Gás, Naval e Offshore

A estrutura da Indústria do Rio Grande do Sul para o segmento de Petróleo, Gás, Naval e Offshore A estrutura da Indústria do Rio Grande do Sul para o segmento de Petróleo, Gás, Naval e Offshore Comitê de Competitividade em Petróleo, Gás, Naval e Offshore CCPGE 28 de maio de 2014 Atuação FIERGS CCPGE

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Perspectivas/oportunidades para o

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Perspectivas/oportunidades para o Política Nacional de Resíduos Sólidos Perspectivas/oportunidades para o CATA AÇÃO e as cooperativas. RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente A Lei e Políticas Públicas de de Resíduos Sólidos

Leia mais

Departamento de Meio Ambiente DMA/FIESP. Política Nacional de Resíduos Sólidos

Departamento de Meio Ambiente DMA/FIESP. Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos Setembro de 2010 Esquema de funcionamento DISPOSIÇÕES GERAIS DO OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO DEFINIÇÕES DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado.

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. Ribeirão Preto, 08 de junho de 2011 Semana do Meio Ambiente AEAARP Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Resíduos Domiciliares Resíduos da Construção Civil Resíduos de escritórios Pneus queimados Resíduos de madeira Resíduos de fibra de vidro Resíduos

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA 2º Forum Internacional de Resíduos Sólidos julho2009 EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA Autores: Letícia de Oliveira Silveira, Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Luterana

Leia mais

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO O mundo dá sinais de exaustão Mudanças Climáticas Alterações ambientais Paradoxo do consumo: Obesidade x Desnutrição Concentração

Leia mais

Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo

Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo RIBEIRO, F.M. a, *; KRUGLIANSKAS, I. b a- CETESB- Companhia Ambiental do Estado de São Paulo b- FEA-USP Faculdade

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR Armando Madalosso Vieira Filho (UEPG/UTFPR) armandovieiraf@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. Quanto à origem Sujeitos à lei

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. Quanto à origem Sujeitos à lei A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. A política Nacional de resíduos sólidos é muito importante na história do gerenciamento de

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de EM ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÂ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO Qualificação:

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

www.habitusconsulting.com.br

www.habitusconsulting.com.br A Empresa A Habitus Consulting (Habitus Consultoria em Gestão Ambiental e Organizacional Ltda.) é uma empresa sediada em Curitiba PR BRASIL, com atuação nacional concentrada nas questões ambientais e de

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Abordagem do Tema Reciclagem/Reutilização na Grade Curricular dos Cursos de Engenharia da Unifoa

Abordagem do Tema Reciclagem/Reutilização na Grade Curricular dos Cursos de Engenharia da Unifoa 11 Abordagem do Tema Reciclagem/Reutilização na Grade Curricular dos Cursos de Engenharia da Unifoa Recycling/Reuse Approaches in the Engineering Curriculum at UniFOA Anderson Luiz Carneiro Esteves 1 Marcella

Leia mais

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Geraldo Antônio Reichert Coordenador da Câmara Temática de Resíduos Sólidos ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa.

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias BENVENUTI, T. a*, MAFFESSONI, D. b, TONIN, B. P. b a. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto

Leia mais

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial 27/09/2011 Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial Estrutura da apresentação Perspectiva empresarial Doing Business 2011 Investimentos Estrangeiros e Comércio Exterior Complementaridade

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

DADOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. ANTUNES, Celso V. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, celso.antunes@gmail.

DADOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. ANTUNES, Celso V. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, celso.antunes@gmail. MÉTODO PARA COLETA E ANÁLISE DE DADOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL DA INDÚSTRIA METAL MECÂNICA ANTUNES, Celso V. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, celso.antunes@gmail.com

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

Pesquisa sobre Resíduos Sólidos. Agosto de 2014

Pesquisa sobre Resíduos Sólidos. Agosto de 2014 Pesquisa sobre Resíduos Sólidos Agosto de 2014 A Pesquisa OBJETIVO Conhecer o panorama atual e os desafios relativos à gestão dos resíduos sólidos na indústria do Brasil. Os resultados serão apresentados

Leia mais

Sustentabilidade: A Visão do Ministério Público

Sustentabilidade: A Visão do Ministério Público WORKSHOP NOVAS DEMANDAS AMBIENTAIS E SEUS IMPACTOS ECONÔMICOS NA INDÚSTRIA DO VIDRO Sustentabilidade: A Visão do Ministério Público SÃO PAULO - MARÇO/2015 LEI DE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (Lei

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

Apresentação Aliança Consultoria. José Carlos de Oliveira e Marcus Vinicius Abrahão Porto Silva

Apresentação Aliança Consultoria. José Carlos de Oliveira e Marcus Vinicius Abrahão Porto Silva Apresentação Aliança Consultoria José Carlos de Oliveira e Marcus Vinicius Abrahão Porto Silva SOBRE A ALIANÇA Empresa fundada em 1993, através de uma parceria com a Fundação Christiano Otoni da Universidade

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC de São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

Grupo da Qualidade. Grupos de Trabalho

Grupo da Qualidade. Grupos de Trabalho Grupos de Trabalho Grupo da Qualidade A finalidade do Grupo da Qualidade é promover ações para discussão e melhoria do sistema de gestão da qualidade das empresas associadas ao Sindipeças. Coordenador:

Leia mais

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS.

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Eng.ª Andressa Brandalise Unidade de Assessoria e Inovação Ambiental A legislação

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP 3 - Metodologias 1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da poluição e minimização de resíduos 2. Histórico de produção mais limpa no Brasil 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG.

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. (Projeto InterAção) Introdução Com a tendência de um crescimento mundial da população, gerando um desenvolvimento industrial

Leia mais

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Marcelo Kós Silveira Campos Diretor Técnico de Assuntos Industriais e Regulatórios Abiquim I CIMAS/ABAS São Paulo,18/09/2009 A Abiquim Fundada

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS EMPREGOS VERDES. Alcir Vilela Junior

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS EMPREGOS VERDES. Alcir Vilela Junior AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS EMPREGOS VERDES Alcir Vilela Junior ROTEIRO DA CONVERSA Nossa perspectiva ao abordar o tema Como se configura este mercado O perfil profissional e o design instrucional Os resultados

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de. fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo.

Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de. fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo. MISSÃO SEBRAE/ES Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de micro e pequenas empresas e fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo. UNIDADE DE PROJETOS INDUSTRIAIS Promover

Leia mais

A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os RSS no Estado de São Paulo. III SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÀVEIS SHS 2010. São Paulo, 12 novembro de 2010

A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os RSS no Estado de São Paulo. III SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÀVEIS SHS 2010. São Paulo, 12 novembro de 2010 A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os RSS no Estado de São Paulo. III SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÀVEIS SHS 2010 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 12 novembro de 2010 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A logística reversa é importante instrumento de desenvolvimento econômico e social previsto na Política Nacional de Resíduos

Leia mais

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE.

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE. PROJETO DE LEI N o, DE 2011 (Do Sr. Wellington Fagundes) Institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBASAE, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

Contextualização Constituição Federal de Constituição Federal 1988: de 1988:

Contextualização Constituição Federal de Constituição Federal 1988: de 1988: Plano Intermunicipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PIGIRS Arcabouço legal Constituição Federal de 1988: Artigo 225 Lei Federal Nº 11.445/2007 e Decreto Federal Nº 7.217/2010; Lei Federal Nº 12.305/2010

Leia mais

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Políticas de Inovação para o Crescimento Inclusivo: Tendências, Políticas e Avaliação PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Rafael Lucchesi Confederação Nacional da Indústria Rio

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

Seminário. Remuneração pelos Serviços Prestados Cooperativas de Catadores/as de Material Reciclável. Instituto Pólis 29 de Abril de 2014.

Seminário. Remuneração pelos Serviços Prestados Cooperativas de Catadores/as de Material Reciclável. Instituto Pólis 29 de Abril de 2014. Seminário Instituto Pólis 29 de Abril de 2014 O projeto denominado Fortalecimento dos Catadores e Catadoras e Ampliação da Coleta Seletiva no Grande ABC foi gerado no âmbito da CoopCent ABC (Cooperativa

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. China Sendo que, esse percentual é de 47% para o total das indústrias brasileiras.

com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. China Sendo que, esse percentual é de 47% para o total das indústrias brasileiras. 73% das indústrias gaúchas exportadoras que concorrem com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. 53% das indústrias gaúchas de grande porte importam da China Sendo que, esse percentual

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO CÂMARA DOS DEPUTADOS Daniela Arantes Alves Lima Eduardo Carvalho Departamento de Economia Solidária Brasília,

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS NOTA TÉCNICA PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS Esta Nota Técnica tem o objetivo de reforçar junto aos Municípios do Estado de Pernambuco sobre os Planos Municipais de Gestão

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Max Naytan Rinaldi dos Santos Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração max_naytan_n10@hotmail.com

Leia mais

Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais

Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais OS ACORDOS SETORIAIS E A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA: Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais X Seminário Nacional de Resíduos Sólidos Associação Brasileira de Engenharia

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 TRAMITAÇÃO DA PNRS 1989 Projeto de Lei Nº N 354/89 do Senado 1991 Projeto de Lei Nº N 203/91

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

PARÃO DE ESPECIALIZAÇÃO AMBIENTAL DAS EXPORTAÇÕES INDUSTRIAIS BRASILEIRAS: mundo e União Europeia

PARÃO DE ESPECIALIZAÇÃO AMBIENTAL DAS EXPORTAÇÕES INDUSTRIAIS BRASILEIRAS: mundo e União Europeia COMÉRCIO INTERNACIONAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O COMÉRCIO BILATERAL BRASIL UNIÃO EUROPEIA EM FOCO PARÃO DE ESPECIALIZAÇÃO AMBIENTAL DAS EXPORTAÇÕES INDUSTRIAIS BRASILEIRAS: mundo e União Europeia

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS RESUMO ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS Ana Paula Fleig Saidelles,

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL Palavras-chave: Efluentes industriais, tecnologia ambiental, controle de poluição. 1 Introdução O mercado de tecnologias ambientais no Brasil, principalmente

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

ANEXO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

ANEXO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 2.12. COM() 614 final ANNEX 1 ANEXO da COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Fechar o ciclo

Leia mais

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Introdução O Plano Nacional de Resíduos Sólidos é um

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Gestão de Resíduos Sólidos ( São Paulo ) Lei 997/76 e regulamento: Dec. 8468/76 Foco: Comando e Controle Resíduos Disposição Final Disposição inadequada

Leia mais

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO?

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? É a substituição da contribuição previdenciária patronal de 20% sobre o salário de contribuição dos empregados, trabalhadores avulsos e contribuintes individuais.

Leia mais

O presente documento é uma contribuição do Japão sobre o tema Avaliação de desempenho ambiental com vistas à ecoeficiência

O presente documento é uma contribuição do Japão sobre o tema Avaliação de desempenho ambiental com vistas à ecoeficiência Tradução coordenada por Elie Politi Senai SP 8/1 O presente documento é uma contribuição do Japão sobre o tema Avaliação de desempenho ambiental com vistas à ecoeficiência Este documento destina-se à divulgação

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina PROJETO DO SUBGRUPO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. BANCO DE DADOS

Leia mais

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015.

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. CONTEÚDO 1. Políticas e Planos de Saneamento Básico e de Resíduos

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS Mineração Urbana no Brasil Lúcia Helena Xavier São José dos Campos SP Junho de 2015 REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL LEI Nº 6.938 DE 1981 PNMA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

PROJETO EXPORTAR BRASIL

PROJETO EXPORTAR BRASIL CNPJ: 10692.348/0001-40 PROJETO EXPORTAR BRASIL Apresentação da GS Educacional A GS Educacional faz parte de um grupo que trabalha há vários anos com cursos e serviços na área de comércio exterior e vem

Leia mais