MODELAÇÃO MATEMÁTICA DO TRANSPORTE DE MISTURAS GRANULOMÉTRICAS. Equações de conservação para modelos unidimensionais.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELAÇÃO MATEMÁTICA DO TRANSPORTE DE MISTURAS GRANULOMÉTRICAS. Equações de conservação para modelos unidimensionais."

Transcrição

1 MODELAÇÃO MATEMÁTICA DO TRANSPORTE DE MISTURAS GRANULOMÉTRICAS. Equações de conservação para modelos unidimensionais. Rui M. L. FERREIRA Assistente, Dpto. de Engenharia Civil e Arquitectura, Instituto Superior Técnico, Av. Rovisco Pais, Lisboa, Portugal; tel: , João G. A. B. LEAL Assistente, Dpto. de Engenharia Civil e Arquitectura, Universidade da Beira Interior, Edifício II das Engenharias, Calçada Fonte do Lameiro, Covilhã, Portugal; tel: , António H. CARDOSO Professor Associado, Dpto. de Engenharia Civil e Arquitectura, Instituto Superior Técnico, Av. Rovisco Pais, Lisboa, Portugal; tel: , RESUMO A vasta aplicabilidade dos modelos unidimensionais e seu baio custo computacional, justificam que se proceda ainda a esforços que conduzam ao seu aperfeiçoamento. Em particular importa abordar conjuntamente o transporte selectivo de misturas granulométricas e a evolução morfológica de cursos de água uma vez que, constata-se, são fenómenos indissociáveis. No presente trabalho desenvolve-se um modelo matemático unidimensional consistindo num conjunto de equações de conservação consideradas suficientes para a descrição dos principais processos observáveis. Obtémse um sistema de equações diferencias parciais aberto, i.e., com um número de incógnitas superior ao número de equações. Serão necessárias, portanto, equações de fecho de cariz semi- -empírico. Considerando válidas as hipóteses de Saint-Venant, são apresentados argumentos para a divisão do sistema a modelar em camadas de transporte e acumulação de sedimentos, caracterizados por uma razoável homogeneidade interna no que diz respeito às grandezas velocidade e concentração de sedimentos. Em particular, faz-se uso do conceito de camada de mistura. As fronteiras entre camadas podem ser atravessadas e permitem fluos de matéria. Mostra-se como o modelo permite quantificar a pertinência de termos pouco utilizados nos modelos clássicos, nomeadamente os relacionados com a inércia dos sedimentos e a acumulação de sedimentos na coluna de água. PALAVRAS CHAVE: modelação matemática, misturas granulométricas.

2 INTRODUÇÃO Apesar das compleas interacções entre os fenómenos relativos às fases líquida e sólida que se constatam em escoamentos com superfície livre e leito móvel, eiste uma gama de problemas morfodinâmicos para os quais a modelação unidimensional apresenta uma relação favorável entre esforço computacional e a qualidade das previsões. São eemplos os problemas de ruptura súbita de barragens em vales regulares, i.e., sem alargamentos ou estreitamentos bruscos, ou a evolução, a longo prazo, da granulometria da camada superficial de trechos de rio sem apreciável curvatura. A vasta aplicabilidade dos modelos unidimensionais e seu baio custo computacional, justificariam, por si, que 9 anos após o trabalho pioneiro de de Vries (965) se procedam ainda a esforços que conduzam ao aperfeiçoamento desses modelos (ver trabalhos recentes como o de Cao et al. 200). No entanto, será uma terceira razão aquela que melhor justificará o ainda elevado investimento científico. Os avanços fenomenológicos decorrem de ensaios laboratoriais ou trabalhos de campo em condições controladas e as fórmulas resultantes são parametrizadas em relação às macrovariáveis do escoamento unidimensional como a velocidade, a altura do escoamento ou a tensão arrastamento. Assim, é em modelos unidimensionais que se ensaiam numericamente as fórmulas que serão aplicadas em modelos bidmensionais em planta ou mesmo tridimensionais. Daqui decorre que as propriedades da estrutura global dos modelos deve ser conhecida para que se possam isolar os efeitos e, portanto, a qualidade das equações de cariz semi-empírico. No presente trabalho pretende-se apresentar um sistema de equações de conservação aplicável a escoamentos variáveis com superfície livre e leito móvel, composto de sedimentos não coesivos e de granulometria etensa. O delicado compromisso entre a qualidade dos resultados, a compleidade formal do modelo e a dificuldade computacional conduz a que nem todos os fenómenos sejam passíveis de serem descritos por equações de conservação. O sistema será, assim, aberto, i.e., com um número de incógnitas superior ao número de equações, sendo alguns fenómenos abordados por intermédio de equações de fecho. Estas são apresentadas em Ferreira (2004). Considerando que o conhecimento dos aspectos hidrodinâmicos dos problemas de propagação de cheias é suficientemente detalhado, o ênfase do presente modelo estará na descrição dos processos transitórios morfodinâmicos e relativos à dinâmica do transporte de sedimentos. Sendo a evolução morfológica de um curso de água e o transporte selectivo de misturas granulométricas processos indissociáveis, o modelo será desenhado para que ambos os fenómenos sejam abordados em simultâneo. Outro aspecto eplicitamente abordado é o transporte de sedimentos em situações de não equilíbrio (doravante desequilíbrio) devido, por eemplo, ao ecesso de alimentação ou à privação de alimentação de sedimentos a montante. Em particular, observa-se o efeito do eventual esgotamento de algumas fracções granulométricas, fenómeno conhecido como encouraçamento estático. Os capítulos seguintes serão dedicados à apresentação das principais hipóteses subjacentes ao modelo e à dedução das equações de conservação. Posteriormente, será discutida a pertinência de termos pouco utilizados nos modelos clássicos, nomeadamente os relacionados com a inércia dos sedimentos e a acumulação de sedimentos na coluna de água. Finalmente, serão apresentados alguns eemplos de aplicação. 2 DESCRIÇÃO DO SISTEMA FÍSICO E DAS HIPÓTESES ASSUMIDAS As primeiras tentativas de modelação de escoamentos com superfície livre e leito móvel evitavam a descrição eplícita dos fluos verticais de sedimentos entre o escoamento e o leito, preferindo a inclusão dos seus efeitos por intermédio de uma fórmula de caudal sólido, parametrizada a partir de variáveis do escoamento como a velocidade, a altura do escoamento ou a tensão de arrastamento. O resultado é suficientemente bom se as escalas temporais forem suficientemente 2

3 elevadas. O modelo aplicável a escoamentos variáveis analisado por de Vries (965) parte desse mesmo princípio. As equações de conservação compreendem as equações de Saint-Venant para água limpa e uma equação de conservação da massa de sedimentos no leito, denominada por Yalin (992, p. 25) por equação de Ener-Polya. Este sistema pode escrever-se h uh + = 0 () u u h η τb + u + g + g = (2) hρw η q ( p) + s = 0 () em que h é a altura do escoamento, u é a velocidade média, η é a cota do leito, τ b é a tensão de arrastamento, q s é o caudal sólido em volume, p é a porosidade do leito, ρ w é a massa volúmica da água e g a aceleração da gravidade. O sistema é fechado por equações que dizem respeito à resistência ao escoamento e ao transporte de sedimentos em equilíbrio. Com alguma perda de generalidade, estas relacionam o caudal sólido e a tensão de arrastamento com h e u e com um conjunto de parâmetros do fluido (viscosidade, massa volúmica,...) e dos sedimentos (diâmetro mediano, massa volúmica, coeficiente de graduação,...), i.e., qs = qs ( h, u; ) e τ b = τ b ( hu, ; ). Veja-se Yalin (992), Capítulo, quanto à forma completa das parametrizações de τ b e de q s. Implícitas no sistema () a () estão as hipóteses de Saint-Venant, nomeadamente a distribuição hidrostática de pressões implicada pela pequena curvatura das linhas de corrente e o pequeno declive do canal. Outras hipóteses compreendem: i) a baia concentração de sedimentos; ii) quantidade de movimento associada aos sedimentos negligenciável; iii) transporte sólido em equilíbrio iv) sedimentos caracterizáveis por um diâmetro médio; e v) escalas temporais dos fenómenos da fase líquida e da fase sólida distintas, assumindo que os fenómenos da fase sólida são consideravelmente mais lentos que os da fase sólida. Esta última hipótese está implícita na escolha das equações. Decorre da ausência de termos que procedam ao acoplamento eplícito das equações. Repare-se que o acoplamento entre os processos morfodinâmicos e hidrodinâmicos está consignado somente na dependência simultânea da tensão de arrastamento e do caudal sólido das variáveis h e u. Repare-se ainda que a conhecida interdependência entre a resistência ao escoamento e o transporte sólido só é eplicitamente considerada num conjunto limitado de formulações. Com base nas hipóteses i) a v), acima listadas, notoriamente a hipótese da separação de escalas, o modelo () pode ser ulteriormente simplificado. Em particular, se o escoamento for permanente, vários são os modelos que consagram a separação de escalas em separação procedimental quanto ao cálculo dos processos relativos às fases líquida e sólida (cf. Thomas & Prashun 977). Assim, a curva de regolfo num dado curso de água é calculada, num primeiro momento, com base nas equações da hidráulica de escoamentos com superfície livre e, num segundo b momento, a evolução morfológica é calculada a partir da Eq. (). Se, por eemplo, qs = au, esta equação pode ser escrita como t u bqs η (, t) =η0( t0, ) dτ (4) u( p) t0 em que o tempo t 0 é um tempo de referência, no qual se conhecem as variáveis do sistema, nomeadamente, h 0, u 0, η 0, as suas derivadas e q s0. Uma lista não eaustiva de casos em que o modelo acima é inaplicável abarca: a) o transporte de sedimentos em desequilíbrio, b) o transporte selectivo de misturas granulométricas c) os escoamentos em que as concentrações são elevadas como o debris e sheet-flow. Como se eplicou

4 anteriormente o modelo que aqui se apresenta procura, fundamentalmente, simular conjuntamente a evolução morfológica de cursos de água e o transporte selectivo de misturas granulométricas, não esquecendo os fenómenos associados do encouraçamento estático e dinâmico (cf. Jain 2000). De facto, uma das características geomorfológicas mais vincadas em rios e em canais longos com leito móvel é a variação da composição granulométrica do leito, que se observa nas direcções longitudinal e lateral e, também, em profundidade. Por eemplo, verificam-se alterações na estrutura vertical da composição granulométrica do leito relacionadas com a procura de estados locais de equilíbrio morfológico, no sentido espacial e temporal. A composição superficial de leitos em equilíbrio é frequentemente mais grosseira que a do substrato, indiciando que o declive de equilíbrio não foi atingido por um simples basculamento do leito mas sim pela remoção selectiva das fracções granulométricas mais finas. No limite, se o aporte de sedimentos numa fronteira de montante for muito reduzido, todas as fracções granulométricas finas terão sido removidas ou estarão protegidas pelas fracções grosseiras e o leito atingirá um estado de equilíbrio dinâmico instável: a capacidade de transporte é maior que a quantidade de sedimentos transportados apenas porque a camada superficial do leito protege as fracções potencialmente móveis. O trabalho de Hirano (97) condicionou durante mais de 2 décadas a investigação sobre a modelação dos fenómenos relativos ao transporte de misturas granulométricas e é, ainda hoje, uma das abordagens conceptualmente mais bem fundamentadas. O conceito de camada de mistura, situada entre a camada de transporte de sedimentos e o leito, permitiu organizar a informação empírica quanto aos fluos verticais entre o leito e a camada de transporte de sedimentos. Trabalhos como os de Armanini e Di Silvio (988) ajudaram a estabelecer o paradigma no qual se inserem os chamados modelos de camada múltiplas. Nestes modelos procura-se manter a simplicidade computacional dos modelos unidimensionais enquanto se abordam eplicitamente os fluos verticais de sedimentos. Em particular, as trocas entre o leito e a camada de transporte é condicionada pela dinâmica da camada de mistura. Esta age fundamentalmente como um filtro, condicionando a entrada das fracções no leito e escolhendo as fracções que, em função das condições hidrodinâmicas, podem entrar em movimento. Obviamente, este comportamento será regulado por epressões apropriadas de cariz semi-empírico. Em geral, o conceito de camada é entendido, em sentido lato, como uma porção dos escoamento em que a dimensão longitudinal é muito superior à dimensão normal ao sentido do escoamento e no qual as variáveis fundamentais são aproimadamente constantes na direcção normal ao escoamento (uniformes na parcela da secção que diz respeito a essa camada). As fronteiras são linhas virtuais, por eemplo, linhas de corrente médias no tempo. As variáveis são, assim, velocidades, concentrações ou quantidades de movimento médias, quer no tempo quer em profundidade. Por eemplo, a velocidade média numa dada camada é u m y + h 0 = u( ξ)dξ h y em que h é a espessura da camada e y0 a cota da sua base. No presente modelo considerem-se as camadas constantes na figura.. A primeira camada, camada [], identifica-se com a coluna de água, na qual são transportados sedimentos finos em suspensão. Na camada [2] processa-se o transporte por arrastamento. Um traço fundamental do modelo fica consagrado nesta distinção: a sua aplicabilidade restringe-se aos casos em que a distinção conceptual transporte em suspensão/transporte por arrastamento é aplicável. Esta distinção implica que: i) a espessura da camada de transporte por arrastamento seja muito menor que a profundidade do escoamento e é da ordem de grandeza das fracções mais grosseiras transportadas por arrastamento; ii) não eista segregação entre os sedimentos em suspensão e o escoamento médio, i.e., a velocidade média dos sedimentos suspensos seja igual à velocidade média da mistura; iii) eista segregação entre 0 4

5 os sedimentos transportados por arrastamento e o escoamento líquido na respectiva camada de transporte, i.e., a velocidade média de transporte de uma dada fracção granulométrica seja menor que a velocidade média da mistura e iv) a distinção entre sedimentos finos e grosseiros seja feita com base na velocidade relativa do fluido circundante e não na natureza dos fluos verticais de sedimentos. Repare-se, no entanto, que a definição de [2] radica na eistência de sedimentos grosseiros. Assim, em [] encontram-se apenas sedimentos finos mas em [2] coeistem finos e grosseiros []; [ ] [ 2 ] [ ] [ 4 ] Figura Idealização do sistema físico para os modelos de camadas múltiplas. A camada [] é a camada de mistura, na qual se processam as trocas entre os sedimentos, finos ou grosseiros, entre a camada [2] e o leito. Este último corresponde à camada [4] e define-se por uma camada passiva onde os sedimentos são acumulados. Nas últimas duas camadas a velocidade longitudinal dos sedimentos é nula. Refira-se, por último que se admite que os sedimentos em qualquer das camadas possuem a mesma densidade s = ρg ρ w em que ρ g é a massa volúmica dos sedimentos. De seguida, deduzir-se-ão as equações de conservação do modelo com base na aplicação dos princípios fundamentais da Mecânica dos Fluidos às correspondentes grandezas de cada uma das camadas apresentadas na figura. APRESENTAÇÃO DAS EQUAÇÕES DE CONSERVAÇÃO. Aplicação dos princípios de conservação da massa e da quantidade de movimento Nesta secção mostra-se como se aplicaram os princípios de conservação da massa e da quantidade de movimento a fim de obter as equações fundamentais do modelo. Antes de proceder à dedução das equações de conservação da massa devem precisar-se alguns termos relativos à concentração e à massa volúmica de uma dada fracção granulométrica. Assim, refira-se que a concentração mássica e a concentração volumétrica são equivalentes dado que todas as fracções granulométricas têm a mesma massa volúmica. A concentração volumétrica na camada [] é C ˆ () () () sw Cf f = em que em que () () f é o volume de sedimentos finos contidos no volume de controlo da camada [] e é o volume total. Esta concepção estática de concentração é válida porque se admite que não eiste segregação entre os sedimentos suspensos e o escoamento líquido circundante. De igual modo, a concentração de sedimentos finos na camada [2] é definida por C ˆ (2) (2) (2) sb Cf f = em que os volumes envolvidos são definidos como os da camada [2]. A 5

6 concentração de sedimentos grosseiros na camada [2] terá que ser definida a partir do fluo de partículas numa dada secção, ou seja, ˆ (2) (2) (2) Ccb Cc = c. Assim, o caudal sólido unitário total na camada [2] define-se por δ (2) qb ( ) = ur nds B δt B (5) em que δδé t o operador da derivada convectiva num referencial Euleriano e B é a largura do canal. Da mesma forma, o caudal sólido unitário de sedimentos grosseiros em [], é (2) δ c q cb (6) B δt Note-se que o caudal sólido em (6) é aquele medido eperimentalmente pelo método volumétrico. É diferente, todavia, do caudal estimado a partir de uma imagem lateral do escoamento em que a concentração estática é multiplicada pelo caudal total médio. A concentração de sedimentos grosseiros na camada [2] define-se, assim, por Ccb = qcb qb. Quanto às velocidades nota-se que (2) q = δ b ( ) B δt = qcb + qwb = ucbccbhb + uwb ( Ccb ) hb (7) em que hb δ é a espessura da camada [2], qwb é o caudal de líquido e sedimentos suspensos na camada [2], u cb é a velocidade dos sedimentos grosseiros em [2] e u wb é a velocidade do fluido na mesma camada, a qual é, relembre-se, por causa da segregação dos sedimentos grosseiros, maior que u cb. A partir de (5) e de (7) verifica-se que a velocidade média, u b, na camada [2] é uh b b = ucbccbhb + uwb ( Ccb ) hb ub = ucbccb + uwb ( Ccb) (8) ou seja, é uma média ponderada das velocidades de cada fracção granulométrica e da velocidade média do fluido circundante. Quanto aos caudais sólidos das fracções transportadas em suspensão verifica-se que, porque não se admite segregação, q ws = u s h s C ws e qsb = uwbhbcwbem que q ws, u s, h s ec ws são, respectivamente, o caudal sólido de sedimentos suspensos, a velocidade média, a espessura e a concentração de sedimentos suspensos em [] e q sb, u wb e C wb são as quantidades homologas na camada [2]. Desta discussão releva que a modelação do transporte das misturas grosseiras necessita da definição das concentrações mas também das velocidades médias dos sedimentos transportados por arrastamento. Tendo as definições acima presentes, o teorema do transporte de Reynolds pode ser aplicado para obter as equações de conservação da massa e da quantidade de movimento. Por eemplo quanto aos sedimentos grosseiros na camada [2] tem-se dm dt (2) c ( sist) c d 0 d = ρ = dt sist d dt (2) (2) ρ d + ρ nds = 0 (2) (2) (2) c c ur Integrando no tempo e atendendo a que a velocidade e massa volúmica são constantes na secção transversal da camada, obtém-se t2 2 t2 d ˆ(2) ˆ(2) ˆ(2) bρ cbdd + b cb cb b cb cb dt ρ + ρ t t ( ) ( ) l h t l h u l h u dt 2 t 2 2 t () (,2 g c,2 ) ( 2, s cb 2, ) + l ρ C ˆ φ + l ρ C φ dd t = 0 6

7 () ˆc em que C é a concentração de sedimentos grosseiros na camada de mistura, φij, são fluos de fluido de i para j e as grandezas l são larguras do canal. Aplicando a regra de Leibnitz, obtém-se t t ( ˆ(2) (2) ) dd ( ˆ bρ cb + bρcb cb ) l h t l h u dd t t t t 2 2 t () (,2 g c,2 ) ( 2, s cb 2, ) + l ρ Cˆ φ + l ρ C φ dd t = 0 Definindo os fluos de sedimentos como φ ci, j = Cc φ i, j, agrupando os mesmos, e (2) considerando que canal é prismático, i.e., ˆl = l,2 = l2, = B, obtém-se, finalmente, a equação de conservação da massa de sedimentos grosseiros na camada [] na forma integral t t (2) ( bρ c ) + ( bρcb b) t t t 2 2 s c,2 dd t 0 (9) t h ˆ dd t h u dd t + ρφ = Sendo o elemento de integração de dimensão arbitrária, é o integrando de (9) que se anula. Considerando que ρ cb =ρ g Ccb, obtém-se ( hc b cb) + ( C cb u cb h b) φc,2 = 0 (0) A Eq. (0) é a equação de conservação da massa de sedimentos grosseiros na camada [2]. Se se aplicar a técnica acima descrita às restantes fracções granulométricas e ao fluido nas restantes camadas obtêm-se as equações de conservação da massa. Quanto às equações de quantidade de movimento, obtêm-se da 2ª lei de Newton dp ( ) v dt = d = ( sist) et c ud F dt ρ () sist A equação de quantidade de movimento do fluido nas camadas [] e [2] pode encontrar-se na bibliografia, por eemplo, em Jain (200), Capítulo. Neste teto importa decidir se a quantidade de movimento associada aos grãos transportados por arrastamento é ou não negligenciável. Para tanto observe-se a figura 2 em que se mostra uma vista em planta de um dos ensaios laboratorial descritos em Ferreira et al. (2002). Trata-se de um ensaio de transporte selectivo de misturas granulométricas no qual as fracções mais grosseiras permanecem imóveis. As setas brancas correspondem ao movimento instantâneo de algumas partículas. Na direcção paralela ao escoamento, a quantidade de movimento do conjunto de partículas cujos centros de massa se encontram numa tira de comprimento d, arbitrariamente pequena, é N dps = ρg piupi (2) i= em que u pi e pi são, respectivamente, a velocidade e o volume de cada uma das partículas em movimento e N é o número destas partículas. Note-se que, para garantir a compatibilidade com a Eq. (), a Eq. (2) garante a conceptualização Eulereana da quantidade de movimento associada às partículas em movimento. O volume das partículas deve ser epresso em função do diâmetro médio, D, e de um coeficiente de forma, α D, estimado para cada classe. O problema seguinte é a tradução da Eq. (2) numa função contínua por intervalos. É fácil compreender a necessidade da descrição 7

8 contínua da quantidade de movimento: considerando que o número de partículas em movimento é finito, o sub-conjunto de d para o qual a quantidade de movimento não é zero é de medida nula. O correspondente integral seria, portanto, nulo. P si (MLT - ) d - (L) Figura 2 vista em planta de um escoamento no qual se processa o transporte selectivo de misturas granulométricas. As setas brancas são proporcionais à quantidade de movimento das partículas, o qual é quantificado no sistema de eios à esquerda. O ensaio caracteriza-se por τ* 50 = Pelo contrário, se a quantidade de movimento correspondente a cada evento de movimento for distribuída por um comprimento finito, δ s, pode obter-se uma função integrável. Este argumento está ilustrado na figura. P si (MLT - ) p s (MT - ) - (L) δ s (L) - (L) lim δ 0 s Figura Quantidade de movimento num segmento d. Esquerda: distribuição discreta; direita: distribuição contínua equivalente. A transformação subjacente é tal que p si s si P si = p δ e si s lim δ = 0 se i e p si s δ 0 δ = P se = i. Note-se que a função δs tende para a função de Kronecer à medida que d tende para zero. A quantidade de movimento em d = 2 é, assim, s 2 () δ s Ps π Ps =ρg αdidi upi d B 6 B É desejável que a taa de variação quantidade de movimento das partículas, representada pola Eq. (), seja epressa na forma diferencial para que se possa comparar com a conservação da quantidade de movimento da mistura de água e de sedimentos suspensos. Para tanto é necessário, para além de derivar a Eq. (), encontrar uma epressão funcional para δ s e converter a função contínua por intervalos p si numa função contínua diferenciável. Esta última tarefa é de fácil realização 8

9 se considerar que em cada instante p si é uma soma de Darbou de uma função contínua e diferenciável. Tomando uma série temporal suficientemente longa, podem-se calcular a média e os momentos considerados necessários para a correcta descrição contínua de p si. Em particular, pode separar-se em valor médio e flutuação, tal como a decomposição das grandezas turbulentas. Este processo está ilustrado na figura 4. p s (MT - ) t = t (T) p s (MT - ) t = t 2 (T) p s (MT - ) t = t n (T) α DD u p δs (L T - ) ( α D ) D ' u p ' δs (L T - ) Figure 4 Conversão de p si numa parcela média, contínua e diferenciável e numa parcela flutuante, igualmente contínua e diferenciável Quanto à função δ s, pode demonstrar-se que esta pode ser escrita que χ é a concentração média medida em área, definida por s N ( τ) s 4 DD B s δ = πα χ em 4 π αdi Di dτ t t i= 4π αd D χ s = N db db A manipulação do integral na Eq. () eige, como se pode demonstrar (ver Ferreira 2004), o conhecimento de cada um dos termos de D = α D + ( α D )' α D D D e u p = u p + u p ', o produto das sua médias e covariância da distribuição de conjunta do volume e da velocidade das partículas. Quanto ao produto α Du, verifica-se que a sua variação temporal é da ordem de grandeza da D p variação do caudal sólido total. Deste resultado decorre que esta quantidade é função das variáveis macroscópicas do escoamento, nomeadamente da tensão de arrastamento. Quanto à covariância ( DD ) ' α u ', dados recentes obtidos da análise de imagens como as da figura 2 (ver Ferreira 2004) p parecem indicar que as partículas maiores tendem a apresentar maiores desvios em relação à média, e, reciprocamente, as menores partículas tendem a mostrar desvios padrão menores. Mostra-se na figura 5 um eemplo dos resultados eperimentais obtidos que permitem estimar ( α DD ) ' u p '. Aquela particular organização dos dados permite verificar que a maior parte dos eventos movimento ocorre nos primeiro e terceiro quadrantes, a que correspondem velocidades e 9

10 volumes respectivamente, superiores e inferiores, às respectivas médias. Portanto, é de esperar que as partículas maiores que a média atinjam velocidades maiores que a média e que partículas menores que a média possuam velocidades menores que a média. u p '/u * V p '/D m Figure 5 Distribuição conjunta das flutuações da velocidade e do diâmetro das partículas. Os mesmos dados permitem ainda verificar que a distribuição da velocidade para um dado volume, f p ( u p p ), é insensível ao valor da tensão de arrastamento, pelo que também o será em ordem ao tempo, já que u p só varia no tempo se τ b variar. Nas condições acime descritas mostra-se que a soma das variações locais e convectiva da quantidade de movimento é σg Ccb ρg gc f ( αvσ gd uccb) + ( αdd )' u p ' 6 2 α D D ( ) ( ) σg Ccb Fp + gc fu αvσ gdu Ccb + gc f u α DD ' u p ' = (4) 2 α h DD em que Fp representa as forças eteriores que resultam da interacção entre as partículas e o fluido, C f é o coeficiente de resistência da fórmula de Chézy, σ g é o desvio padrão geométrico de uma dada classe granulométrica, e α V é um coeficiente relacionado com o º momento da distribuição do volume das partículas. Valores típicos das grandezas intervenientes na Eq. (4) foram estimados por Ferreira (2004). Assim, para D = 0.00 m, α D = 0.8, σ g = 2.6 tem-se α V = 7.5 e ( D ) ' ' D u p α = 0 8. Considerando C f = 0.00, a conservação da quantidade de movimento das partículas fica u Ccb h Ccb h Ccb u Ccb 80 Ccb u u.00 t + u h h u F 4 u Ccb Ccb h 4 Ccb u Ccb h p + 50 u Ccb u u 2.00 u + u = h u h (5) hρw Como se pode observar na Eq. (5), os termos relativos à derivada material da quantidade de movimento são multiplicados por coeficientes da ordem de 0 (derivada local) ou 0 4 (derivada convectiva). Na maior parte das aplicações práticas, estes valores são suficientemente baios para que a contribuição dos sedimentos transportados por arrastamento seja desprezada. Quanto à sensibilidade destes valores, verifica-se que são afectados primordialmente pela distribuição de volumes e pela distribuição conjunta dos volumes e velocidades das partículas. Em todo o caso a variação não ecederá uma ordem de grandeza, pelo que se pode, em geral, prescindir destes termos na equação de conservação da quantidade de movimento. 0

11 Retomando a apresentação do modelo, apresentam-se de seguida as equações de conservação que resultam da aplicação do teorema do transporte de Reynolds às camadas da figura..2 Equações de conservação do modelo Na camada [] as equações de conservação são hs ushs + φ cs = 0 (6) 2 ( ) ( ) 2 ρ suh s s + ρ sus hs + g 2 ( ρ shs ) = uiφbs ρsh η s τbs (7) ( Cs h ) ( ) s + Cs u shs φ Sbs = 0 (8) em que u φ é um fluo vertical de quantidade de movimento associado ao fluo vertical de massa φbs I cs entre as camadas [] e [2]. A velocidade característica u I é a velocidade no interface entre ambas as camadas e pode ser considerada igual à velocidade média. A massa volúmica da mistura envolve uma média entre os constituintes sólido e líquido e define-se como ρ s =ρ w( + ( s ) Cs). Na camada [2] as equações de conservação são hb ubhb + +φbs φ mb = 0 (9) 2 2 ( ) ( ) η ρ suwbhb + ρ suwb hb + g 2 ( 2ρ shs hb + ρ shb ) = ui φbs ρ shb +τbs τb (20) ( Cc h ) ( ) b + Cc u cb h b +φsbs φ Smb = 0 (2) Repare-se que na equação de quantidade de movimento, Eq. (20), está incluída a hipótese de que a quantidade de movimento relativa ao movimentos dos sedimentos grosseiros seja negligenciável. No leito têm-se as seguintes equações de conservação da massa ( Y ) +φ = 0 e p ( Y ) t b mb ( ) t b +φ Smb = 0 (2)(a)(b) Na camada de mistura, a aplicação do princípio de conservação da massa permite obter Yb LaF ( p) fi + ( p) +φ 0 Smb = (24) em que La A é a espessura da camada de mistura, tipicamente da ordem de grandeza de D 90 se o leito for plano, ou da amplitude das formas de fundo, se estas eistirem. A fracção granulométrica fi é a que ocorre no interface entre o leito imóvel e a camada de mistura e a fracção granulométrica F é a que ocorre na camada de mistura. Verifica-se ser computacionalmente mais cómodo escrever a Eq. (24) como Ha + ( Cc u ) cb h b + Cs u s h s = fi φ Smb (25) em que H = ( p) L F + C h + C h. Note-se que uma das fracções granulométricas é a a c b s s obtida com base na conservação das restantes e na conservação da massa total no leito. Sem perda de detalhe fenomenológico, as equações acima podem ser agrupadas da seguinte forma

12 ( h+ Yb ) + ( uh) = 0 (26) 2 2 ( ) ( ) η ρ suh + ρ su h + g 2 ( ρ sh ) = ρsh τb (27) ( Cs h ) ( ) s + Cs u shs =φscs (28) ( Cc h ) ( ) c + Cc u c h c = φsbc φ Scs (29) ( Ha ) + ( C ) c u c h c = fi φ Sbc (0) Yb ( p) +φ Sbc = 0 () O sistema composto pelas equações (27) a () está escrito na forma conservativa e a solução numérica correspondente a um esquema de discretização adequado pode conter descontinuidades, na forma de gradientes muito pronunciados. Trata-se de um sistema de +(n-) equações em que n é o número de fracções granulométricas. As incógnitas são h, u, η, C s, C c e F, =...n. Necessita de um maior número de equações de fecho mas pode ser utilizado em situações de transporte em desequilíbrio. Obviamente, a qualidade da resposta dependerá da qualidade das formulações semiempíricas de fecho. Se o transporte de sedimentos for pouco intenso, se não se verificarem gradientes muito pronunciados e se os sedimentos forem passíveis de serem descritos por um único diâmetro representativo, as equações (26) a (), podem escrever-se na forma não conservativa, sem os termos de fonte que dão conta dos fluos verticais de sedimentos e sem a equação de conservação da camada de mistura. O sistema resultante, de equações para as incógnitas h, u e η, escreve-se h +α η h u + u + h = 0 (2) u u η α2 ( α + M (( p) C) + M ( C Cs )) h 2 Cs 2 u C h + M ( u + gh 2 ) M h+ ( C Cs ) + g h h h Cs 2 C u η τb + M ( u + gh 2 ) um u + ( C Cs ) + u g u u + = () ρsh η Cs h Cs u C h C u ( p) + Cs h h C h u C u h 0 t + h = (4) u h u em que M = ( s ) ( + ( s ) Cs ) e α, e α 2 devem tomar o valor para que se obtenha o máimo efeito de acoplamento entre os fenómenos da fase líquida e o da fase sólida. Repare-se que o modelo de de Vries preconiza, α = 0, α 2 = 0, M = 0 e C s = 0. O parâmetro M permite considerar, na equação de conservação da quantidade de movimento, a inércia dos sedimentos transportados em suspensão. Se se calcularem as características, λ i, do sistema hiperbólico representado pelas Eqs. (2) a (4), podem avaliar-se os efeitos de se considerar, como é comum em modelos unidimensionais, α = 0, α 2 = 0 e C s = C. Os resultados podem ser vistos na figura 6. Observando a figura 6 verifica-se que, para números de Froude elevados, as diferenças nos resultados dos modelos completo e simplificados podem ser tão altas quanto 5%. Um modelo simples como o representado pelas Eqs. () a () dever se utilizado só para Fr < 0., de acordo com a figura 6. 2

13 R / R (-) λ λ 2 λ C Fr ( ) C, Cs (-) R / R (-) λ λ 2 λ C Fr ( ) C, Cs (-) Figura 6 Características, λ i, do sistema composto pelas Eqs. (2) a (4). Esquerda: variação relativa devido a se considerar C s = C ( ) e α = 0 ( ). Direita: idem se considerar α = 0. 4 APLICAÇÕES Os resultados do modelo constituído pelas Eqs. (2) a (4), complementado pela Eq. (0), podem ser vistos nas figuras 7 e 8. Na figura 7 mostram-se uma comparação entre observação e resultados do modelo matemático composto por (2), (), (4) e (0). η (m) t (min) h (m) Bed elevation, Multi-Layer Bed elevation, Diffusive η (m) t (min) Water depth, Multi-Layer Water depth, Diffusive Figura 7 Evolução temporal da cota do fundo e da superfície livre. Dados laboratoriais e resultados do modelo em equilíbrio. Esquerda: erosão generalizada culminando em encouraçamento estático; direita: deposição generalizada. Figura retirada de Ferreira et al. (2000). Verifica-se que o modelo reproduz sem dificuldade o estado de equilíbrio correspondente ao encouraçamento estático. Da mesma forma, os níveis correspondentes à deposição generalizada são adequadamente modelados. Na figura 8 mostra-se a variação em profundidade da granulometria do fundo após as situações de deposição generalizada e erosão generalizada culminando em encouraçamento. Note-se que em ambos os casos a camada superficial é mais grosseira que os substratos. Se no caso do encouraçamento, o modelo não tem dificuldade em captar a tendência, no caso da deposição os resultados não reproduzem adequadamente as observações. Na figura 9 mostram-se os resultados do modelo composto pelas equações (26) a (). A utilização do modelo completo e na forma conservativa impôs-se porque o teste, conceptual, contempla h (m)

14 a entrada súbita pela fronteira de montante de uma cheia que conduz ao desenvolvimento de gradientes muito pronunciados. D 80 D 90 D 80 D 90 D 50 D 70 D 50 D 70 D 0 D 20 D 0 D 0 D 20 D η (mm) η (mm) Figura 8 Distribuições granulométricas no leito correspondentes aos testes da figura 7. h (m) (m) u (m) (m) t = 0 s z (m) , Y, Ys (m) (m) (m) Figure 9 Resultados do modelo completo em desequilíbrio, Eqs. (26) a (). Repare-se que o número de Froude é, no início, da ordem de Verifica-se que, para as equações de fecho empregues, a resposta do modelo é satisfatória, apresentando o perfil do fundo a configuração esperada durante uma cheia. 4

15 5 CONCLUSÕES Com o presente trabalho pretendeu-se eplicar o procedimentos necessários à construção de um modelo conceptual para a simulação de escoamentos com superfície livre e leito móvel composto de sedimentos não coesivos e de granulometria etensa. O modelo é formado por equações de conservação, na forma de um sistema hiperbólico de equações diferenciais parciais, e de equações de fecho. Procurou-se persuadir o leitor de que, apesar de os traços fundamentais da modelação unidimensional de escoamentos fluviais terem sido estabelecidos por de Vries em 965, estes modelos são ainda úteis e passíveis de serem melhorados. Mostrou-se que a compleidade dos fenómenos fluviais, nomeadamente a profunda interacção entre as fases líquida e sólida e a interacção entre os processos do transporte em desequilíbrio e do transporte selectivo de misturas granulométricas, obriga a que, em várias situações práticas, se utilizem modelos tão compleos como aquele epresso nas Eqs. (26) a (). Em particular, nos casos em que podem ocorrer fortes gradientes, por eemplo uma cheia decorrente da ruptura de uma barragem, não é possível obter bons resultados com modelos mais simples que este. Procurou-se ainda mostrar que termos são verdadeiramente importantes na equação de conservação da quantidade de movimento e qual o efeito de desprezar termos computacionalmente incómodos ou, simplesmente, tradicionalmente ignorados. Por eemplo, a inércia dos sedimentos e a acumulação de sedimentos na coluna de água. Apresentaram-se alguns eemplos de aplicação nos quais ficou patente que a estrutura do modelo é adequada à simulação dos processos fluviais. Quantitativamente, é um truísmo relembrar que os resultados serão tanto melhores quanto mais aplicáveis forem as equações de fecho. AGRADECIMENTOS Agradece-se o apoio financeiro dado pela Comissão Europeia através do projecto IMPACT no âmbito do quinto programa ( ), Environment and Sustainable Development programme. BIBLIOGRAFIA ARMANINI, A. & DI SILVIO, G. A one-dimensional model for the transport of a sediment miture in non-equilibrium conditions. J. Hydraul. Res., 26 (),988, pp CAO, Z., DAY, R. & EGASHIRA, S. Coupled and decoupled numerical modeling of flow and morphological evolution in alluvial rivers. J. Hydraul. Eng., 28, 200 pp DE VRIES, M. Considerations about non-steady bed-load transport tin open-channels. Proc. XI IAHR Congress, Leningrad, URSS, 965. FERREIRA, R. M. L Sediment movement in rivers and associated morphodynamics. One-dimensional conceptual model and numerical solutions. PhD Thesis, Instituto Superior Técnico, FERREIRA, R.M.L. & CARDOSO, A.H. Modelling the morphologic evolution of graded sediment beds using multiple bed layers and diffusive flu concepts, Proc. 4th International Conference on Hydroscience and Engineering, Sept , Seoul, Korea, 2000 (CD ROM). FERREIRA, R.M.L.; LEAL, J.G.A.B. & CARDOSO, A.H. On the interaction between turbulent flow structures and sediment transport in open-channels. Proc. River Flow 2002, Louvain, Bélgica, Sept HIRANO, M. River bed degradation with armouring. Trans. of the JSCE,, Part 2, 97. JAIN, S. C. Open-channel flow, John Wiley & Sons, THOMAS, W. A. & PRASUHN, A. L. "Mathematical Modeling of Scour and Deposition," J. Hydraul. Div., ASCE, 0 HY8, 977, pp YALIN, M. S. River Mechanics. Pergamon Press,

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 3 CONDUÇÃO DE ÁGUA 3.1 CONDUTOS LIVRES OU CANAIS Denominam-se condutos

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

1.5 O oscilador harmónico unidimensional

1.5 O oscilador harmónico unidimensional 1.5 O oscilador harmónico unidimensional A energia potencial do oscilador harmónico é da forma U = 2 2, (1.29) onde é a constante de elasticidade e a deformação da mola. Substituindo (1.29) em (1.24) obtemos

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

LCAD. Introdução ao Curso de Métodos Numéricos I. LCAD - Laboratório de Computação de Alto Desempenho

LCAD. Introdução ao Curso de Métodos Numéricos I. LCAD - Laboratório de Computação de Alto Desempenho LCAD - Laboratório de Computação de Alto Desempenho LCAD Introdução ao Curso de Métodos Numéricos I Lucia Catabriga Departamento de Informática CT/UFES Processo de Solução Fenômeno Natural Modelo Matemático

Leia mais

Fenômenos de Transporte

Fenômenos de Transporte Fenômenos de Transporte Prof. Leandro Alexandre da Silva Processos metalúrgicos 2012/2 Fenômenos de Transporte Prof. Leandro Alexandre da Silva Motivação O que é transporte? De maneira geral, transporte

Leia mais

Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias

Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias Departamento de Matemática balsa@ipb.pt Mestrados em Engenharia da Construção Métodos de Aproximação em Engenharia 1 o

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

4 ESCOAMENTOS COM SUPERFÍCIE LIVRE

4 ESCOAMENTOS COM SUPERFÍCIE LIVRE 4 ESCOAMENTOS COM SUPERFÍCIE LIVRE PROBLEMA 4.1 Trace as curvas representativas das funções geométricas S(h), B(h), P(h). R(h) e da capacidade de transporte de um canal de secção trapezoidal, revestido

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTUDO DO COMPORTAMENTO DA LINHA D ÁGUA EM UMA SEÇÃO DE TRANSIÇÃO DE UM CANAL COM MOVIMENTO GRADUALMENTE VARIADO, EM FUNÇÃO DA DECLIVIDADE DOS TALUDES. Rejane

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Curso: Engenharia Mecânica Disciplina : Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Prof. Evandro Rodrigo Dário, Dr. Eng. Vazão mássica e vazão volumétrica A quantidade de massa que

Leia mais

Figura 7.20 - Vista frontal dos vórtices da Figura 7.18. Vedovoto et al. (2006).

Figura 7.20 - Vista frontal dos vórtices da Figura 7.18. Vedovoto et al. (2006). 87 Figura 7.20 - Vista frontal dos vórtices da Figura 7.18. Vedovoto et al. (2006). Figura 7.21 - Resultado qualitativo de vórtices de ponta de asa obtidos por Craft et al. (2006). 88 A visualização do

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO 1. CONCEITOS ENVOLVIDOS Convecção de calor em escoamento externo; Transferência de calor em escoamento cruzado; Camada limite térmica; Escoamento

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br Funções Reais CÁLCULO VOLUME ZERO - Neste capítulo, estudaremos as protagonistas do longa metragem

Leia mais

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Nesta secção, estuda-se o comportamento ideal de alguns dos dipolos que mais frequentemente se podem encontrar nos circuitos

Leia mais

COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS. 1.0 Representação

COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS. 1.0 Representação COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS.0 Representação O sistema de numeração decimal é o mais usado pelo homem nos dias de hoje. O número 0 tem papel fundamental, é chamado de base do sistema. Os símbolos 0,,, 3, 4, 5,

Leia mais

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento.

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1 DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS Nuno ALTE DA VEIGA 1 RESUMO Em regiões de soco cristalino pequenas manchas de depósitos de aluvião existentes localmente

Leia mais

Figura 1-1. Entrada de ar tipo NACA. 1

Figura 1-1. Entrada de ar tipo NACA. 1 1 Introdução Diversos sistemas de uma aeronave, tais como motor, ar-condicionado, ventilação e turbinas auxiliares, necessitam captar ar externo para operar. Esta captura é feita através da instalação

Leia mais

2. Duração da Prova: - Escrita: 90 min (+30 minutos de tolerância) - Prática: 90 min (+30 minutos de tolerância)

2. Duração da Prova: - Escrita: 90 min (+30 minutos de tolerância) - Prática: 90 min (+30 minutos de tolerância) ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES Física 12º ano CÓDIGO 315 (1ª e 2ª Fases ) INFORMAÇÃO PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Alunos do Decreto-Lei nº 74/2004 Formação Específica Ano Letivo:

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS ME6 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 5) Recife - PE Capítulo

Leia mais

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade É a propriedade que o solo apresenta de permitir o escoamento de água através dele. (todos os solos são mais ou menos permeáveis)

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

Aula 1: Medidas Físicas

Aula 1: Medidas Físicas Aula 1: Medidas Físicas 1 Introdução A Física é uma ciência cujo objeto de estudo é a Natureza. Assim, ocupa-se das ações fundamentais entre os constituíntes elementares da matéria, ou seja, entre os átomos

Leia mais

Decantação primária e precipitação

Decantação primária e precipitação Decantação primária e precipitação Prof. Dr. Peterson B. Moraes Departamento de Tecnologia em Saneamento Ambiental Centro Superior de Educação Tecnológica UNICAMP - Limeira 1 Decantadores primários (sedimentação)

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Física 12.º ano homologado em 21/10/2004 ENSINO SECUNDÁRIO FÍSICA 12.º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 Evolu ão modema dajécnica.de.. tratamento 'Aplicação das técnicas de tratamento, 1 Noções fundamentais sobre movimentos de fluidos, 4 Cisalhamento e gradientes de velocidade no

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

5 Transformadas de Laplace

5 Transformadas de Laplace 5 Transformadas de Laplace 5.1 Introdução às Transformadas de Laplace 4 5.2 Transformadas de Laplace definição 5 5.2 Transformadas de Laplace de sinais conhecidos 6 Sinal exponencial 6 Exemplo 5.1 7 Sinal

Leia mais

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Energia cinética das precipitações Na Figura 9 estão apresentadas as curvas de caracterização da energia cinética aplicada pelo simulador de chuvas e calculada para a chuva

Leia mais

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 3

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 3 164 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Unidade 3 Raimundo Ferreira Ignácio 165 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Unidade 3 - Conceitos Básicos para o Estudo dos

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Deformação de Vigas em flexão

Deformação de Vigas em flexão Mecânica dos Materiais Deformação de Vigas em fleão Tradução e adaptação: Victor Franco Ref.: Mechanics of Materials, eer, Johnston & DeWolf McGra-Hill. Mechanics of Materials, R. Hibbeler, Pearsons Education.

Leia mais

Capítulo 4 - Equações Diferenciais às Derivadas Parciais

Capítulo 4 - Equações Diferenciais às Derivadas Parciais Capítulo 4 - Equações Diferenciais às Derivadas Parciais Carlos Balsa balsa@ipb.pt Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Bragança Matemática Aplicada - Mestrados Eng. Química

Leia mais

A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA

A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA Escrever a equação do movimento corresponde a escrever a 2ª Lei de Newton (F = ma) numa forma que possa ser aplicada à oceanografia. Esta Lei diz-nos que como resultado

Leia mais

ENERGIA POTENCIAL E CONSERVAÇÃO DE ENERGIA Física Geral I (1108030) - Capítulo 04

ENERGIA POTENCIAL E CONSERVAÇÃO DE ENERGIA Física Geral I (1108030) - Capítulo 04 ENERGIA POTENCIAL E CONSERVAÇÃO DE ENERGIA Física Geral I (1108030) - Capítulo 04 I. Paulino* *UAF/CCT/UFCG - Brasil 2012.2 1 / 15 Sumário Trabalho e EP Energia potencial Forças conservativas Calculando

Leia mais

Seção transversal (S): engloba toda a área de escavação para construção do canal.

Seção transversal (S): engloba toda a área de escavação para construção do canal. CONDUTOS LIVRES Definições Escoamento de condutos livres é caracterizado por apresentar uma superfície livre na qual reina a pressão atmosférica. Rios são os melhores exemplos deste tipo de conduto. Sua

Leia mais

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO ENQUALAB-28 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 9 a 2 de junho de 28, São Paulo, Brasil CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM

Leia mais

Escoamentos exteriores 21

Escoamentos exteriores 21 Escoamentos exteriores 2 Figura 0.2- Variação do coeficiente de arrasto com o número de Reynolds para corpos tri-dimensionais [de White, 999]. 0.7. Força de Sustentação Os perfis alares, ou asas, têm como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica Elementos de Máquinas II Elementos de Apoio F T O = 0 Óleo e.sen O F h máx e Eixo Mancal L Óleo F d n h min d Q máx F pmáx p O

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

6. Erosão. Início do transporte sólido por arrastamento

6. Erosão. Início do transporte sólido por arrastamento 6. Erosão. Início do transporte sólido por arrastamento 6.1. Introdução A erosão consiste na remoção do material do leito pelas forças de arrastamento que o escoamento provoca. O oposto designa-se por

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas. E=0, 1 B=0, 2 E= B t, 3 E

Ondas Eletromagnéticas. E=0, 1 B=0, 2 E= B t, 3 E Ondas Eletromagnéticas. (a) Ondas Planas: - Tendo introduzido dinâmica no sistema, podemos nos perguntar se isto converte o campo eletromagnético de Maxwell em uma entidade com existência própria. Em outras

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO MARIA DO CÉU SIMÕES TERENO 2011 EUROPEU E AMERICANO SISTEMAS DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS Ângulos Diedros A representação de objectos tridimensionais por meio de desenhos bidimensionais, utilizando projecções

Leia mais

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução 3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de 3.1.Introdução Neste capítulo serão apresentadas diversas configurações que possibil itam a realização do transformador de impedância

Leia mais

Análise Matemática III - Turma Especial

Análise Matemática III - Turma Especial Análise Matemática III - Turma Especial Ficha Extra 6 - Equações de Maxwell Não precisam de entregar esta ficha omo com todas as equações básicas da Física, não é possível deduzir as equações de Maxwell;

Leia mais

FATOR C - RUGOSIDADE

FATOR C - RUGOSIDADE FATOR C - RUGOSIDADE Rugosidade é definida no caso particular das tubulações, aquela que tem uma anomalia interna, representada por protuberâncias, rugas ou ainda crateras em sua estrutura interna natural

Leia mais

Agregados para misturas betuminosas e tratamentos superficiais para estradas, aeroportos e outras áreas de circulação

Agregados para misturas betuminosas e tratamentos superficiais para estradas, aeroportos e outras áreas de circulação EN 303 para misturas betuminosas e tratamentos superficiais para estradas, aeroportos e outras áreas de circulação Características dos agregados grossos e finos Granulometria (análise granulométrica) Resistência

Leia mais

FILTRAGEM ESPACIAL. Filtros Digitais no domínio do espaço

FILTRAGEM ESPACIAL. Filtros Digitais no domínio do espaço FILTRAGEM ESPACIAL Filtros Digitais no domínio do espaço Definição Também conhecidos como operadores locais ou filtros locais Combinam a intensidade de um certo número de piels, para gerar a intensidade

Leia mais

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de dmissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Questão Concurso 009 Uma partícula O descreve um movimento retilíneo uniforme e está

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos

Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos 49 Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos fig. V.. Atmosfera terrestre é uma camada essencialmente gasosa um fluido. Na segunda parte da figura podemos ver a um fluido em movimento escoando em um

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS Capítulo II INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS A Análise Factorial de Correspondências é uma técnica simples do ponto de vista matemático e computacional. Porém, devido ao elevado suporte geométrico desta

Leia mais

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo.

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Medição de Vazão 1 Introdução Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Transporte de fluidos: gasodutos e oleodutos. Serviços

Leia mais

a) Em função da energia cinética:

a) Em função da energia cinética: AULA 04 PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS 4.1. Perdas locais, Localizadas ou Acidentais Ocorrem sempre que houver uma mudança da velocidade de escoamento, em grandeza ou direção. Este fenômeno sempre ocorre

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Força atrito. Forças. dissipativas

Força atrito. Forças. dissipativas Veículo motorizado 1 Trabalho Ocorrem variações predominantes de Por ex: Forças constantes Sistema Termodinâmico Onde atuam Força atrito É simultaneamente Onde atuam Sistema Mecânico Resistente Ocorrem

Leia mais

Kcr = número crítico de Reynolds Vcr = Velocidade crítica, m/s D = Diâmetro do tubo, m ʋ = Viscosidade cinemática, m²/s

Kcr = número crítico de Reynolds Vcr = Velocidade crítica, m/s D = Diâmetro do tubo, m ʋ = Viscosidade cinemática, m²/s 1/5 NÚMERO DE REYNOLDS O número de Reynolds, embora introduzido conceitualmente em l851 por um cientista da época, tornou-se popularizado na mecânica dos fluidos pelo engenheiro hidráulico e físico Irlandes,

Leia mais

Delft3D 3D/2D modeling suite for integral water solutions

Delft3D 3D/2D modeling suite for integral water solutions Delft3D 3D/2D modeling suite for integral water solutions Bruna Arcie Polli Doutoranda em Engenharia de Recursos Hídricos e Ambiental Estágio à docência brunapolli@gmail.com Plano de aula Sistemas computacionais

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

Escoamento em dutos em L

Escoamento em dutos em L 4ª Parte do Trabalho EM974 Métodos Computacionais em Engenharia Térmica e Ambiental Escoamento em dutos em L Rafael Schmitz Venturini de Barros RA:045951 Marcelo Delmanto Prado RA: 048069 1. Introdução

Leia mais

Linguagem da Termodinâmica

Linguagem da Termodinâmica Linguagem da Termodinâmica Termodinâmica N A = 6,022 10 23 Ramo da Física que estuda sistemas que contêm um grande nº de partículas constituintes (átomos, moléculas, iões,...), a partir da observação das

Leia mais

Operação Unitária de Centrifugação

Operação Unitária de Centrifugação UFPR Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Física Industrial Operação Unitária de Centrifugação Prof. Dr. Marco André Cardoso Centrifugação Operação unitária com a principal finalidade

Leia mais

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento UFC Universidade Federal de anta Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento FLUIDIZAÇÃO A fluidização baseia-se fundamentalmente na circulação

Leia mais

a) O tempo total que o paraquedista permaneceu no ar, desde o salto até atingir o solo.

a) O tempo total que o paraquedista permaneceu no ar, desde o salto até atingir o solo. (MECÂNICA, ÓPTICA, ONDULATÓRIA E MECÂNICA DOS FLUIDOS) 01) Um paraquedista salta de um avião e cai livremente por uma distância vertical de 80 m, antes de abrir o paraquedas. Quando este se abre, ele passa

Leia mais

gradiente, divergência e rotacional (revisitados)

gradiente, divergência e rotacional (revisitados) gradiente, divergência e rotacional (revisitados) Prof Carlos R Paiva Prof Carlos R Paiva NOTA PRÉVIA Os apontamentos que se seguem não são um teto matemático: não se procura, aqui, o rigor de uma formulação

Leia mais

SANEAMENTO AMBIENTAL I CAPTAÇÕES DE ÁGUA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA

SANEAMENTO AMBIENTAL I CAPTAÇÕES DE ÁGUA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA SANEAMENTO AMBIENTAL I CAPTAÇÕES DE ÁGUA EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA LISBOA, SETEMBRO DE 2001 ÍNDICE DO TEXTO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. CAPTAÇÕES DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS... 1 3. CAPTAÇÕES DE ÁGUAS SUPERFICIAIS...

Leia mais

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Marina Roberto Martins 1*, Fernando Palú 1 (1) Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Curso de Engenharia Química. e-mail:

Leia mais

TESTE DE ESTANQUEIDADE

TESTE DE ESTANQUEIDADE TESTE DE ESTANQUEIDADE Mais do que encontrar vazamentos... por: Mauricio Oliveira Costa Consumidores (e clientes) não querem produtos que vazem. De fato, eles estão cada vez mais, exigindo melhorias no

Leia mais

A VARIAÇÃO DA RESISTÊNCIA TOTAL EM CANAIS ALUVIAIS E SUA PREVISÃO

A VARIAÇÃO DA RESISTÊNCIA TOTAL EM CANAIS ALUVIAIS E SUA PREVISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL A VARIAÇÃO DA RESISTÊNCIA TOTAL EM CANAIS

Leia mais

DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE

DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE REFERÊNCIA ASSUNTO: DIRETRIZES DE PROJETO DE HIDRÁULICA E DRENAGEM DATA DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE -309- ÍNDICE PÁG. 1. OBJETIVO... 311 2. RUGOSIDADE EM OBRAS HIDRÁULICAS...

Leia mais

O tornado de projeto é admitido, para fins quantitativos, com as seguintes características [15]:

O tornado de projeto é admitido, para fins quantitativos, com as seguintes características [15]: 4 Tornado de Projeto O tornado de projeto é admitido, para fins quantitativos, com as seguintes características [15]: Tornado do tipo F3-médio; Velocidade máxima de 233km/h = 64,72m/s; Velocidade translacional

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas 11

Problemas de Mecânica e Ondas 11 Problemas de Mecânica e Ondas 11 P. 11.1 ( Exercícios de Física, A. Noronha, P. Brogueira) Dois carros com igual massa movem-se sem atrito sobre uma mesa horizontal (ver figura). Estão ligados por uma

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III 1ª SÉRIE MATEMÁTICA I PROF MARCOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO 1 wwwprofessorwaltertadeumatbr 1) Seja f uma função de N em N definida por f(n) 10 n Escreva

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica Tópicos Abordados Método dos Elementos Finitos. Softwares para Análise Numérica. Método do Elementos Finitos No

Leia mais

Como aparecem os erros? Quais os seus efeitos? Como controlar esses efeitos?

Como aparecem os erros? Quais os seus efeitos? Como controlar esses efeitos? &DStWXOR±5HSUHVHQWDomRGH1~PHURVH(UURV,QWURGXomR Como aparecem os erros? Quais os seus efeitos? Como controlar esses efeitos? 7LSRVGH(UURV Erros inerentes à matematização do fenómeno físico: os sistemas

Leia mais

Amplificador Operacional

Amplificador Operacional Amplificador Operacional Os modelos a seguir, referem-se a modelos elétricos simplificados para os amplificadores de tensão e de corrente sem realimentação. Os modelos consideram três elementos apenas:

Leia mais

AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA

AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA CAPÍTULO 1 AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA Talvez o conceito físico mais intuitivo que carregamos conosco, seja a noção do que é uma força. Muito embora, formalmente, seja algo bastante complicado

Leia mais

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 315 Física 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino secundário da disciplina de Física, a realizar em 2012 pelos alunos

Leia mais

O que é filtragem? Técnicas de filtragem para irrigação. Porque utilizar a filtragem? Distribuição das partículas sólidas

O que é filtragem? Técnicas de filtragem para irrigação. Porque utilizar a filtragem? Distribuição das partículas sólidas Técnicas de filtragem para irrigação Prof. Roberto Testezlaf Faculdade de Engenharia Agrícola UNICAMP IV SIMPÓSIO DE CITRICULTURA IRRIGADA Bebedouro, 06 de julho de 2006 O que é filtragem? Processo de

Leia mais

Engenharia de Máquinas Marítimas

Engenharia de Máquinas Marítimas ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS Engenharia de Máquinas Marítimas ORGÃOS DE MÁQUINAS Ligações aparafusadas Victor Franco Correia (Professor Adjunto) 2005 1 Ligações

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade Análise de Circuitos alimentados por fontes constantes Prof. Ilha Solteira,

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA Vladimir Caramori Josiane Holz Irene Maria Chaves Pimentel Guilherme Barbosa Lopes Júnior Maceió - Alagoas Março de 008 Laboratório

Leia mais

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água UFF Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Química e de Petróleo Integração I Prof.: Rogério Fernandes Lacerda Curso: Engenharia de Petróleo Alunos: Bárbara Vieira

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná Universidade Federal do Paraná Programa de pós-graduação em engenharia de recursos hídricos e ambiental TH705 Mecânica dos fluidos ambiental II Prof. Fernando Oliveira de Andrade Problema do fechamento

Leia mais

ANÁLISE LINEAR DE SISTEMAS

ANÁLISE LINEAR DE SISTEMAS ANÁLISE LINEAR DE SISTEMAS JOSÉ C. GEROMEL DSCE / Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação UNICAMP, CP 6101, 13083-970, Campinas, SP, Brasil, geromel@dsce.fee.unicamp.br Campinas, Janeiro de 2007

Leia mais

E AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TURVO SUJO, VIÇOSA, MG

E AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TURVO SUJO, VIÇOSA, MG SEMINÁRIO - ENG 797 CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA, HIDROLÓGICA E AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TURVO SUJO, VIÇOSA, MG EQUIPE Prof. Gilberto C. Sediyama - Orientador Prof. Vicente Paulo Soares - Conselheiro Prof.

Leia mais

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação . Isolar os zeros da função f ( )= 9 +. Resolução: Pode-se construir uma tabela de valores para f ( ) e analisar os sinais: 0 f ( ) + + + + + Como f ( ) f ( ) < 0, f ( 0 ) f ( ) < 0 e f ( ) f ( ) < 0,

Leia mais