MANUAL DE PROCEDIMENTOS NO TRÂMITE DO PROCESSO ADMINISTRATIVO RELACIONADO A AGROTÓXICOS E AFINS, E AO COMÉRCIO DE SEMENTES E MUDAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE PROCEDIMENTOS NO TRÂMITE DO PROCESSO ADMINISTRATIVO RELACIONADO A AGROTÓXICOS E AFINS, E AO COMÉRCIO DE SEMENTES E MUDAS"

Transcrição

1 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E AGRONEGÓCIO DEPARTAMENTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DIVISÃO DE INSUMOS E SERVIÇOS AGROPECUÁRIOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS NO TRÂMITE DO PROCESSO ADMINISTRATIVO RELACIONADO A AGROTÓXICOS E AFINS, E AO COMÉRCIO DE SEMENTES E MUDAS PORTO ALEGRE

2 ÍNDICE Página 1. PROCESSO ADMINISTRATIVO 1.1 Lavratura do Auto de Infração 1.2 Lavratura do Termo Aditivo ao Auto de Infração 1.3 Instauração do Processo Administrativo 1.4 Apresentação da defesa 1.5 Designação do relator 1.6 Apreciação da defesa Relatório de Instrução Aplicação das sanções administrativas 1.7 Julgamento em primeira instância 1.8 Encaminhamento de Notificação de Julgamento em Primeira Instância 1.9 Apresentação do recurso 1.10 Julgamento em segunda instância 1.11 Encaminhamento de Notificação de Julgamento em Segunda Instância 1.12 Arquivamento do Processo Administrativo 1.13 Encaminhamento às demais autoridades DOCUMENTOS A SEREM UTILIZADOS PARA O ANDAMENTO DO PROCESSO 14 2

3 1. PROCESSO ADMINISTRATIVO Processo administrativo designa o conjunto de documentos organizados numa pasta e referentes a um dado assunto de interesse da administração; na concepção da fiscalização, designa o conjunto de atos coordenados para a solução de uma controvérsia no âmbito administrativo. O processo administrativo será orientado pelos princípios da legalidade, finalidade, motivação, razoabilidade, proporcionalidade, moralidade, ampla defesa, contraditório, segurança jurídica, interesse público e eficiência. A autoridade competente que tomar conhecimento, por qualquer meio, da ocorrência de infração às disposições na legislação específica e normas complementares fica obrigada a promover a sua imediata apuração, sob pena de responsabilidade. As infrações à legislação serão apuradas em processo administrativo, iniciado com a lavratura do Auto de Infração. 1.1 Lavratura do Auto de Infração O Auto de Infração, lavrado pelo fiscal autuante, responsável pela ação da fiscalização, constituirá a peça inicial do processo administrativo e deverá ser preenchido com clareza, precisão, sem entrelinhas, rasuras, borrões, ressalvas ou emendas e deve ser datado, assinado e identificado. O Auto de Infração é o documento a ser lavrado no ato da fiscalização, para apuração de infração, quando ocorrer ação ou omissão que importe em inobservância ou desobediência ao disposto nas normas legais. Ao Auto de Infração, deverá ser dada ciência ao autuado; caso o autuado, seu mandatário ou preposto se recuse a dar ciência do Auto de Infração, o fiscal autuante certificará o ocorrido na presença de duas testemunhas e o entregará ao autuado. Nas disposições legais infringidas, deve-se observar a correta combinação dos artigos, parágrafos, incisos, alíneas e itens: - No caso de AGROTÓXICOS: da Lei Federal n 7.802/1989 e do Decreto Federal n 4.074/2002 e demais resoluções específicas. As penalidades aplicáveis, de acordo com o art. 17 da Lei Federal n 7.802/1989 e do Art. 86 do Decreto Federal 4.074/2002, serão indicadas no Auto de Infração 1. Isto não quer dizer que deverá ser informado o valor de multa, e sim que existe a penalidade de multa. - No caso de SEMENTES E MUDAS: da Lei Federal n /2003 e do Decreto Federal n 5.153/2004 e demais resoluções específicas. As penalidades aplicáveis, de 1 Penalidades aplicáveis: advertência; multa (aplicada em dobro em caso de reincidência); condenação do produto; inutilização do produto; suspensão de autorização, registro ou licença; cancelamento de autorização, registro ou licença; interdição temporária ou definitiva de estabelecimento; destruição de vegetais, partes de vegetais e alimentos, com resíduos acima do permitido ou que tenha havido aplicação de agrotóxicos de uso não autorizado. 3

4 acordo com o art. 195 do Decreto Federal 5.153/2004, serão indicadas no Auto de Infração (Penalidades aplicáveis: advertência; multa (aplicada em dobro em caso de reincidência); apreensão das sementes ou das mudas; condenação das sementes ou das mudas; suspensão da inscrição no RENASEM; e cassação da inscrição no RENASEM.) Sempre que possível, devem ser mencionadas e anexadas provas materiais ou documentos. Havendo a lavratura das medidas cautelares de apreensão do produto ou suspensão da comercialização, fazer menção destes Autos no Auto de Infração. Quando a irregularidade se referir à qualidade do produto vegetal, o Auto de Infração será lavrado após a finalização das análises laboratoriais, decorridas as análises pericial de contraprova ou de desempate, quando requeridas pelo interessado, e confirmação do resultado insatisfatório. As omissões ou incorreções do Auto de Infração, que não se constituam em vícios insanáveis, não acarretarão a sua nulidade, quando do processo constarem os elementos necessários à correta determinação da infração e do infrator. Na hipótese da lavratura do Auto de Infração na repartição, em decorrência da constatação de infração à legislação, este será entregue pessoalmente ou enviado pelo correio, com Aviso de Recebimento (AR). Quando o autuado não puder ser notificado pessoalmente ou por via postal, será feita a notificação por edital, publicado no órgão oficial do Estado ou em jornal de grande circulação. No próprio Auto de Infração deverá constar o prazo para apresentação da defesa: O autuado poderá apresentar defesa, por escrito, no endereço indicado no rodapé deste Auto de Infração, no prazo máximo de * dias, a contar da data do recebimento deste. * Agrotóxicos: 10 (dez) dias / Sementes e Mudas: 15 (quinze) dias 1.2 Lavratura do Termo Aditivo ao Auto de Infração Havendo qualquer impropriedade ou erro material no preenchimento do Auto de Infração relativo aos fatos ou a capitulação da matéria, não característico de vício ou defeito do ato praticado, o fiscal autuante lavrará o Termo Aditivo para corrigir o Auto de Infração, assim como para acrescentar informações que sirvam para elucidar, alterar ou complementar os dizeres do Auto de Infração original. Será anexado ao Auto de Infração. 1.3 Instauração do Processo Administrativo De posse do Auto de Infração e dos demais documentos da ação de fiscalização, o fiscal autuante encaminhará todos os documentos para a Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários, em Porto Alegre, imediatamente após a fiscalização. 4

5 A Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários providenciará a anotação no protocolo da SEAPA e os documentos serão organizados na seguinte ordem: 1 a via do Auto de Infração, 1 a via do Termo Aditivo ao Auto de Infração, 1 a via do Auto de Apreensão e Depósito e/ou do Auto de Suspensão da Comercialização e/ou Uso e demais documentos em ordem cronológica. Todas as páginas serão numeradas e rubricadas. Deverão ser riscadas ou deverá ser escrito ou carimbado em branco o verso das folhas que não possuam escritos. O Aviso de Recebimento (AR) dos correios deverá estar preso ou colado em uma folha nova e numerada. Ao processo administrativo deverá ser anexado um histórico do autuado, a fim de apuração de primariedade ou reincidência perante a Lei Federal n 7.802/1989 (AGROTÓXICO) e Lei Federal n /2003 (SEMENTES E MUDAS), no período de 05 (cinco) anos. No caso de agrotóxicos, para fins de apuração de reincidência, será considerada a reincidência específica, ou seja, aquela cometida para a mesma infração à disposição da legislação de agrotóxicos. Este prazo começa a contar a partir da data de recebimento da Decisão Administrativa ou da Decisão de Recurso. Será considerada reincidência, o cometimento de outra infração depois de uma decisão final proferida sobre infração anterior que tenha condenado o infrator em caráter definitivo na esfera administrativa. 1.4 Apresentação da defesa O autuado será informado no Auto de Infração sobre o prazo de 10 (dez) dias (AGROTÓXICOS) ou 15 (quinze) dias (SEMENTES E MUDAS) para apresentação da defesa (apresentada por escrito), contados do recebimento do Auto de Infração. A defesa deverá ser enviada para a Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários, em Porto Alegre. A defesa poderá ser feita pelo próprio autuado ou este poderá ser representado por advogado ou procurador legalmente constituído, devendo, para tanto, anexar à defesa o respectivo instrumento de procuração. No caso de defesa encaminhada por via postal, esta deverá ser postada dentro do prazo de 10 (dez) dias (AGROTÓXICOS) ou 15 (quinze) dias (SEMENTES E MUDAS), contados do recebimento do Auto de Infração; neste caso, a Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários anexará o envelope ao processo administrativo ou consignará a data de postagem na defesa, com assinatura e carimbo do responsável pelo ato, bem como no caso de defesa entregue pessoalmente. A apresentação da defesa supre a eventual falta do aviso de recebimento postal referente ao encaminhamento do Auto de Infração. Após receber a defesa, a Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários fará a inserção da mesma nos autos do processo administrativo. Havendo a apresentação da defesa fora do prazo legal, a documentação deverá ser anexada aos autos do processo, 5

6 assinalando-se o fato mediante despacho escrito com a expressão defesa intempestiva, em local evidente ou próximo à data de recebimento da defesa. Caso não haja apresentação de defesa depois de decorrido o prazo de 10 (dez) dias (AGROTÓXICOS) ou 15 (quinze) dias (SEMENTES E MUDAS), deverá ser emitido e juntado ao processo o Termo de Revelia, assinado pelo chefe da Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários. 1.5 Designação do relator A autoridade competente (Chefe da Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários) designará um fiscal relator, para elaborar o Relatório de Instrução em primeira instância, com base nos fatos contidos nos autos. 1.6 Apreciação da defesa O relator examinará o processo, objetivando a expedição do Relatório de Instrução em Primeira Instância, fase que exigirá, em caráter obrigatório, além do exame apurado das razões alegadas pelo autuado, a análise pontual e conjuntural sobre a documentação fiscal pertinente, no intento de assegurar o fiel cumprimento da legislação e emitir parecer à autoridade julgadora a ordenação da decisão administrativa cabível. Caso o relator necessite de esclarecimentos adicionais sobre a ação fiscal poderá requisitar a produção de provas necessárias à sua convicção, bem como parecer técnico do fiscal autuante, especificando o objeto a ser esclarecido. O parecer técnico deve conter as informações e esclarecimentos necessários à elucidação dos fatos que originaram o Auto de Infração, em um prazo de até dez (10) dias. Para a recomendação das sanções a serem aplicadas, o relator observará a gravidade da infração cometida, segundo a sua tipificação, assim como as circunstâncias atenuantes e agravantes verificadas nos autos, inclusive os antecedentes do infrator com base no histórico do autuado. Para esclarecer a especificação da multa, o relator anexará ao Relatório de Instrução a memória de cálculo ou os critérios utilizados que determinam o valor líquido da sanção a ser recomendada Relatório de Instrução Deverão estar evidenciados no Relatório de Instrução, entre outras informações: I - os fatos: 1. identificação do autuado; 2. data da autuação; 3. número do Auto de Infração e demais autos emitidos; 4. dispositivos legais infringidos; 6

7 5. irregularidades constatadas pela autoridade fiscal; 6. provas apresentadas pela autoridade fiscal; 7. medidas cautelares adotadas, quando for o caso. II - a defesa/recurso: 1. argumentos; 2. provas apresentadas; 3. tempestividade e revelia, se for o caso. III - a fundamentação: 1. recebimento do Auto de Infração pelo autuado; 2. presença de todas as peças que deve integrar o processo administrativo; 3. ocorrência dos fatos descritos; 4. tipificação do fato descrito como infração à legislação de agrotóxicos ou de sementes e mudas; 5. legalidade do procedimento da fiscalização; 6. devido enquadramento legal; 7. procedência ou improcedência da defesa; 8. circunstâncias agravantes e atenuantes; 9. verificação de reincidência, considerando os antecedentes do infrator; 10. gravidade da infração; 11. cumprimento dos prazos legais; 12. verificação de causas que possam prejudicar sua continuidade; 13. memória de cálculo, quando tratar-se de multa; IV - a proposição: 1. parecer conclusivo quanto ao cumprimento do devido processo legal, a procedência do Auto de Infração e a tipificação da infração verificada; 2. proposição da sanção administrativa, com o valor da multa, quando for o caso. AGROTÓXICOS: O valor da multa será expressa em UPF, indicando-se o valor correspondente da multa em moeda nacional (real), conforme a UPF utilizada no momento do cálculo. SEMENTES E MUDAS: O valor da multa será expressa em reais (R$), confirmado pela expressão por extenso Aplicação das sanções administrativas Serão considerados, para efeito de fixação da penalidade, a tipificação da infração, os antecedentes do infrator e as circunstâncias atenuantes e agravantes, de acordo com a legislação de agrotóxicos e com a legislação de sementes e mudas, conforme a seguir: 7

8 AGROTÓXICOS: os artigos 14 e 15 da Lei Federal n 9.605/1998, no que couber. Uma vez que esta lei refere-se a crimes ambientais, há necessidade de adequação às ocorrências verificadas com base na legislação de agrotóxicos. São circunstâncias atenuantes: I baixo grau de instrução ou escolaridade do agente; II arrependimento do infrator, manifestado pela espontânea reparação do dano ou limitação significativa da degradação ambiental causada; III - Primariedade IV - Situação sócio-econômica V - Princípios da Razoabilidade, Motivação e Proporcionalidade. São circunstâncias agravantes: I ter o agente cometido infração: 1. para obter vantagem pecuniária; 2. coagido outrem para a execução material da infração; 3. ter afetado, de maneira grave, a saúde pública ou o meio ambiente; 4. ter concorrido para danos à propriedade alheia ( Exemplo: deriva); 5. ter atingido áreas de unidades de conservação ou áreas sujeitas, por ato do Poder Público, a regime especial de uso; 6. ter atingido áreas urbanas ou quaisquer assentamentos humanos; 7. mediante fraude ou abuso de confiança; 8. mediante abuso do direito de licença, permissão ou autorização ambiental; 9. ter atingido espécies ameaçadas, listadas em relatórios oficiais das autoridades competentes; Para a constituição do valor de multa serão consideradas as circunstâncias atenuantes e agravantes. Quando a mesma infração for objeto de enquadramento em mais de um dispositivo da legislação específica ou normas complementares, prevalecerá, para efeito de punição, o enquadramento mais específico em relação ao mais genérico. A advertência poderá ser aplicada nos casos onde as outras sanções previstas não são cabíveis e observando-se: I ocorrência de circunstâncias atenuantes; II ausência de circunstâncias agravantes; III a infração for de natureza leve ou grave, desde que sanada a irregularidade constatada. A multa será aplicada quando houver o enquadramento em pelo menos uma das situações abaixo: I sempre que o agente, notificado, deixar de sanar, no prazo assinalado pelo órgão competente, as irregularidades praticadas; 8

9 II sempre que o agente opuser embaraço à fiscalização dos órgãos competentes; III nas demais infrações que não as previstas na pena de advertência. No caso de reincidência específica, o valor da multa será cobrado em dobro. A reincidência específica é caracterizada pela repetição de idêntica infração (mesmo enquadramento legal) à legislação de agrotóxicos. Tendo sido apurada, no mesmo processo, a prática de duas ou mais infrações, serão aplicadas multas cumulativas. SEMENTES E MUDAS: de acordo com o artigo 201 do Decreto n 5.153/2004, no que couber. São circunstâncias atenuantes: I - a ação do infrator não tiver sido fundamental para a consecução da infração; II - o infrator, por inequívoca vontade, procurar minorar ou reparar as conseqüências do ato lesivo praticado; ou III - o infrator for primário ou tiver praticado a infração acidentalmente. São circunstâncias agravantes, quando o infrator tiver: I - reincidido na prática de infração; II - cometido a infração visando à obtenção de qualquer tipo de vantagem; III - conhecimento do ato lesivo e deixar de adotar providências com o fim de evitá-lo; IV - coagido a outrem para a execução material da infração; V - impedido ou dificultado a ação de fiscalização; VI - agido com dolo; ou VII - fraudado ou adulterado documentos, processos ou produtos. No concurso de circunstâncias atenuantes e agravantes, a aplicação da penalidade será considerada em razão da que seja preponderante. Será considerado como fraudado o produto que apresentar resultado analítico igual ou inferior a cinqüenta por cento do padrão mínimo nacional, ou do índice garantido pelo produtor para o atributo de semente pura. Será considerado como fraudado o lote de mudas que contenha acima de cinqüenta por cento de plantas fora do padrão mínimo nacional. Quando a mesma infração for objeto de enquadramento em mais de um dispositivo da legislação específica ou normas complementares, prevalecerá, para efeito de punição, o enquadramento mais específico em relação ao mais genérico. A pena de advertência será aplicada ao infrator primário que não tenha agido com dolo, e quando as infrações constatadas forem de natureza leve e não se referirem a resultados fora dos padrões de qualidade das sementes e das mudas (Art. 197 do Decreto 5.153/2004). 9

10 A pena de multa será aplicada nas demais infrações que não estão previstas no art. 197 (Art. 198 do Decreto 5.153/2004). Em caso de reincidência genérica, o valor da multa será cobrado em dobro (Art. 198 do Decreto 5.153/2004, Parágrafo único). Considerar-se-á reincidente o infrator que cometer outra infração, depois de decisão administrativa final que o tenha condenado, podendo a reincidência ser específica, caracterizada pela repetição de idêntica infração, ou genérica, pela prática de infrações distintas (Art. 202 do Decreto 5.153/2004). Quando se tratar de infração relativa aos atributos de origem genética, estado físico, fisiológico e fitossanitário das sementes e das mudas, a reincidência somente será caracterizada se os atos forem praticados dentro do mesmo ano civil (Art. 202 do Decreto 5.153/2004, Parágrafo único). Conforme Art. 203 do Decreto 5.153/2004, a reincidência específica acarretará o agravamento de sua classificação e a aplicação da multa no grau máximo desta nova classe, na qual: I - a infração de natureza leve passa a ser classificada como grave; II - a infração de natureza grave passa a ser classificada como gravíssima; e III - na infração de natureza gravíssima, o valor da multa será aplicado em dobro. 1.7 Julgamento em primeira instância A autoridade competente de primeira instância, ou seja, a Junta de Julgamento de Processos Administrativos procederá ao julgamento no prazo máximo de 30 (trinta) dias após o recebimento do Relatório de Primeira Instância. O prazo pode ser prorrogado por igual período quando expressamente motivado. A autoridade poderá manter, modificar, anular ou revogar total ou parcialmente a proposição constante no parecer. A Decisão Administrativa deverá conter a identificação da autoridade julgadora, a descrição da infração cometida, os dispositivos legais infringidos, a decisão da autoridade e a sanção aplicada com seu correspondente embasamento legal. No caso de AGROTÓXICOS, o valor da multa será expressa em UPF, indicando-se o valor correspondente da multa em moeda nacional (real), conforme a UPF utilizada no momento do cálculo, em valor numérico, confirmado pela expressão escrita por extenso. No caso de SEMENTES E MUDAS, o valor da multa será expressa em reais (R$), confirmado pela expressão escrita por extenso. 10

11 1.8 Encaminhamento de Notificação de Julgamento em Primeira Instância A comunicação da decisão ao autuado será feita por meio da Notificação de Julgamento em Primeira Instância, concedendo ao autuado o prazo de 10 (dez) dias para AGROTÓXICOS ou 15 (quinze) dias para SEMENTES E MUDAS para a interposição de recurso, contados do recebimento ou divulgação oficial da decisão administrativa. A Notificação de Julgamento em Primeira Instância, emitida para cientificar o infrator do julgamento proferido deverá objetivamente esclarecer as obrigações decorrentes da decisão administrativa, devendo conter a identificação da autoridade que a declarou, a descrição da infração cometida, a decisão julgada, o amparo legal, a penalidade aplicada e o endereço para a destinação do recurso, bem como a forma e o prazo para sua apresentação. Também serão informados os prazos para o pagamento da multa imposta, caso haja concordância com a penalidade. O prazo para pagamento da multa será de 30 (trinta) dias, a contar do recebimento dos documentos. Será informada a maneira para obtenção da Guia de Recolhimento do Fundo Estadual de Apoio ao Setor Primário (FEASP), que deverá ser impressa pelo autuado diretamente no site da SEAPA. A Notificação de Julgamento em Primeira Instância será entregue ao infrator pessoalmente ou encaminhados por via postal, com AR, ou através de Edital de Convocação e de Notificação, publicado em órgão oficial de imprensa ou em jornal de grande circulação. Decorrido o prazo estabelecido sem que haja a apresentação de recurso, a Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários adotará as providências referentes ao cumprimento integral da decisão declarada no julgamento de primeiro grau, sem necessidade da alçada do processo à segunda instância. Caso não haja comprovação do pagamento da multa, o processo administrativo será encaminhado FEASP para verificação do pagamento e, se o caso, inscrição em dívida ativa do Estado. 1.9 Apresentação do recurso O recurso, quando apresentado, será dirigido à autoridade que proferiu a decisão administrativa, ou seja, a Junta de Julgamento de Processos Administrativos, a qual, se não o reconsiderar no prazo de cinco (05) dias, o encaminhará à autoridade superior (Secretário da Agricultura, Pecuária e Agronegócio), através de Informação a ser enviada para a Assessoria Jurídica (AJUR). Quando o recurso for encaminhado por via postal, será considerada a data da postagem, para efeito de contagem de prazo decorrido do recebimento do julgamento em primeira instância. O recurso interposto fora do prazo será recebido, juntado ao processo, e remetido à Junta de Julgamento de Processos que terá o prazo de 05 dias para 11

12 manifestação ou a remessa do mesmo à Instância Superior paras as devidas considerações Julgamento em segunda instância No caso de agrotóxicos, a autoridade competente de segunda instância procederá ao julgamento no prazo máximo de 30 (trinta) dias após o recebimento do processo administrativo. O prazo pode ser prorrogado por igual período quando expressamente motivado. Já no caso de sementes e mudas o prazo deverá ser de 15 (quinze) dias. A autoridade poderá manter, modificar, anular ou revogar, total ou parcialmente, a decisão recorrida. A Decisão de Recurso deverá conter a identificação da autoridade julgadora, a descrição da infração cometida, os dispositivos legais infringidos, a decisão da autoridade e a sanção aplicada com seu correspondente embasamento legal. No caso de AGROTÓXICOS, o valor da multa será expressa em UPF, indicando-se o valor correspondente da multa em moeda nacional (real), conforme a UPF utilizada no momento do cálculo, em valor numérico, confirmado pela expressão escrita por extenso. No caso de SEMENTES E MUDAS, o valor da multa será expressa em reais (R$), em valor numérico, confirmado pela expressão escrita por extenso Encaminhamento de Notificação de Julgamento em Segunda Instância A comunicação da decisão ao autuado será feita por meio da Notificação de Julgamento em Segunda Instância. Esta notificação deverá esclarecer as obrigações e exigências necessárias ao cumprimento da decisão, instruindo a conduta e as atitudes a serem seguidas pelo autuado, de forma que este não possa alegar insuficiência de orientação capaz de lhe justificar a impossibilidade, integral ou parcial, de cumprimento da decisão. Juntamente com a Notificação de Julgamento em Segunda Instância irá uma cópia da Decisão de Recurso. No caso de aplicação da penalidade de multa, o valor será expresso em UPF, indicando-se o valor correspondente da multa em moeda nacional (real), conforme a UPF utilizada no momento do cálculo, em valor numérico, confirmado pela expressão escrita por extenso (AGROTÓXICOS) ou será expressa em reais (R$), em valor numérico, confirmado pela expressão escrita por extenso (SEMENTES E MUDAS). Na Notificação de Julgamento em Segunda Instância será informado o prazo para pagamento da multa, que será de 30 (trinta) dias, a contar do seu recebimento. O prazo começa a correr a partir da data de cientificação oficial, excluindo-se da contagem o dia do começo e incluindo-se 12

13 o do vencimento. Considera-se prorrogado o prazo até o primeiro dia útil seguinte, se o vencimento cair em dia em que não houver expediente bancário. Será informada a maneira para obtenção da Guia de Recolhimento do FEASP, que deverá ser impressa pelo autuado diretamente no site da SEAPA. Decorrido o prazo estabelecido sem que haja a comprovação de pagamento da multa, o processo administrativo será encaminhado ao FEASP para verificação do pagamento da multa e, se o caso, inscrição em dívida ativa do Estado. A Notificação de Julgamento em Segunda Instância e a cópia da Decisão de Recurso serão entregues ao infrator pessoalmente ou encaminhadas por via postal, com AR, ou através de Edital de Convocação e de Notificação, publicado em órgão oficial de imprensa ou em jornal de grande circulação. Da decisão de julgamento em segunda instância não caberá mais recurso, pelo que a comunicação do julgamento informará de maneira clara o esgotamento da faculdade de interpor novo recurso na esfera administrativa. Deverá conter obrigatoriamente a penalidade aplicada e sua previsão legal, a descrição da infração e os dispositivos legais infringidos. Prescrevem em 05 (cinco) anos as infrações previstas na legislação de agrotóxicos e sementes e mudas, conforme Lei Federal n 9.784, de 29 de janeiro de 1999 que Regula o processo administrativo no âmbito da Administração Pública Federal Arquivamento do Processo Administrativo Cumprida a penalidade aplicada, nos termos do julgamento proferido, a Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários declarará a conclusão do processo administrativo e o encaminhará para arquivamento Encaminhamento às demais autoridades A autoridade julgadora representará ao órgão competente, para apuração das responsabilidades penal e civil cabíveis, quando a infração constituir crime, contravenção, lesão ao consumidor ou ao meio ambiente, de acordo com os artigos 15 e 16 da Lei Federal n 7.802/1989 (AGROTÓXICOS), e artigo 223 do Decreto Federal n 5.153/2004 (SEMENTES E MUDAS). Em circunstâncias que, em função de condições especiais, requeiram maior celeridade na comunicação aos demais órgãos para apuração de infrações em outras esferas, poderá ser encaminhado os documentos disponíveis, como cópias do Auto de Infração, fotografias, etc., ao respectivo órgão ou ao Ministério Público, ainda com o processo administrativo em curso. 13

14 2. Documentos a serem utilizados para o andamento do processo: Termo de Liberação Atestado de Vistas aos Autos Termo de Revelia Designação de Relator Relatório de Análise em Primeira Instância Decisão Administrativa Notificação de Julgamento em Primeira Instância Informação de Recurso para a Assessoria Jurídica Decisão de Recurso Notificação de Julgamento em Segunda Instância Demonstrativo de Débito Informação ao Fundo Estadual de Apoio ao Setor Primário (FEASP) Informação para arquivamento 14

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO N 25, DE 25 DE ABRIL DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO N 25, DE 25 DE ABRIL DE 2008. -0> AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO N 25, DE 25 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre o processo administrativo para a apuração de infrações e aplicação de penalidades, no âmbito da competência da

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/2015 - DIVIS/DESEG APLICAÇÃO DE PENALIDADES

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012 Altera a Resolução Normativa - RN nº 48, de 19 de setembro de 2003, que dispõe sobre o

Leia mais

LEI Nº 4.876 DISPÕE SOBRE A LIMPEZA DE FAIXA DE DOMÍNIO E DE TERRENOS URBANOS BALDIOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI Nº 4.876 DISPÕE SOBRE A LIMPEZA DE FAIXA DE DOMÍNIO E DE TERRENOS URBANOS BALDIOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. 1 LEI Nº 4.876 DISPÕE SOBRE A LIMPEZA DE FAIXA DE DOMÍNIO E DE TERRENOS URBANOS BALDIOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Povo do Município de Varginha, Estado de Minas Gerais, por seus representantes na Câmara

Leia mais

Decreta nº 26.978, (DOE de 05/07/06)

Decreta nº 26.978, (DOE de 05/07/06) Decreta nº 26.978, (DOE de 05/07/06) Introduz alterações no Decreto nº 16106, de 30 de novembro de 1994, que regulamenta a Lei nº 657, de 25 de janeiro de 1994 e consolida a legislação referente ao processo

Leia mais

Conselho Federal de Farmácia

Conselho Federal de Farmácia RESOLUÇÃO Nº 566 DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012 Ementa: Aprova o Regulamento do Processo Administrativo Fiscal dos Conselhos Federal e Regionais de Farmácia. O CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA, no uso das atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003, de 13 de Abril de 2012. (Publicado no DODF, Nº 78 de 19 de abril de 2012).

RESOLUÇÃO Nº 003, de 13 de Abril de 2012. (Publicado no DODF, Nº 78 de 19 de abril de 2012). RESOLUÇÃO Nº 003, de 13 de Abril de 2012. Disciplina os procedimentos a serem observados nos processos administrativos instaurados pelo prestador de serviços públicos de abastecimento de água e de esgotamento

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA PROCON Nº 33, DE 1-12-2009 ALTERA A PORTARIA Nº 26, DE 15 DE AGOSTO DE

PORTARIA NORMATIVA PROCON Nº 33, DE 1-12-2009 ALTERA A PORTARIA Nº 26, DE 15 DE AGOSTO DE PORTARIA NORMATIVA PROCON Nº 33, DE 1-12-2009 ALTERA A PORTARIA Nº 26, DE 15 DE AGOSTO DE 2006, QUE DISPÕE SOBRE A ADOÇÃO DE PROCESSO SANCIONATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Informamos para conhecimento,

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997.

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. CAPÍTULOXV DAS INFRAÇÕES Art. 161. Constitui infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito deste Código, da legislação complementar ou das resoluções

Leia mais

ADENDO LIVRO ICMS COMENTADO SP 3ª Edição

ADENDO LIVRO ICMS COMENTADO SP 3ª Edição ADENDO LIVRO ICMS COMENTADO SP 3ª Edição PG. 122 - substituir alinea c do inciso VII c) a entrega ou remessa de mercadoria ou bem originários do exterior sem as correspondentes autorizações: 1 - do órgão

Leia mais

DECRETO Nº 42.992, DE 20 DE MARÇO DE 2003. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

DECRETO Nº 42.992, DE 20 DE MARÇO DE 2003. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO Nº 42.992, DE 20 DE MARÇO DE 2003 Regulamenta disposições da Lei n 13.478, de 30 de dezembro de 2002, alterada pela Lei nº 13.522, de 19 de fevereiro de 2003, que instituiu a Taxa de Resíduos Sólidos

Leia mais

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS:

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: Diário Oficial do Município de Sebastião Laranjeiras - Bahia Poder Executivo Ano Nº IX Nº 637 26 de Agosto de 2015 RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: LEIS LEI Nº 347 DE 12

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 672, DE 16 DE SETEMBRO DE 2000

RESOLUÇÃO Nº 672, DE 16 DE SETEMBRO DE 2000 RESOLUÇÃO Nº 672, DE 16 DE SETEMBRO DE 2000 Fixa normas de fiscalização de procedimentos administrativos, e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA-CFMV, no uso das atribuições

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E TERMINAIS

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E TERMINAIS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E TERMINAIS RESOLUÇÃO N o 03/06 Aprova Manual de Instrução para Inscrição de Créditos do DETER, em Dívida Ativa.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.664, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2000. Regulamenta a Lei n o 9.972, de 25 de maio de 2000, que institui a classificação de produtos vegetais, seus subprodutos e resíduos de valor econômico e dá outras

Leia mais

MINISTERIO DO DESENVOLVIMENTO, INDUSTRIA E COMÉRCIO-MDIC

MINISTERIO DO DESENVOLVIMENTO, INDUSTRIA E COMÉRCIO-MDIC MINISTERIO DO DESENVOLVIMENTO, INDUSTRIA E COMÉRCIO-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL -INMETRO Portaria n 002, de 08 de janeiro de 1999. O Presidente do Instituto

Leia mais

DECRETO N.º 187, DE 09 DE AGOSTO DE l991

DECRETO N.º 187, DE 09 DE AGOSTO DE l991 DECRETO N.º 187, DE 09 DE AGOSTO DE l991 Regulamenta a Lei n.º 6.446, de 5 de outubro de 1977, que dispõe sobre a inspeção e fiscalização obrigatórias do sêmen destinado à inseminação artificial em animais

Leia mais

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Aprova a Instrução Normativa nº 06, de 31 de agosto de 2015, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito do Conselho de Arquitetura

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM O Conselho de Supervisão da BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS (BSM), no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto Social da entidade e após a autorização da Comissão

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE MANGARATIBA, no uso de suas atribuições legais, e visando disciplinar o processo administrativo tributário.

O PREFEITO MUNICIPAL DE MANGARATIBA, no uso de suas atribuições legais, e visando disciplinar o processo administrativo tributário. Alterado pelo Decreto 3036/13, 3122/13. DECRETO Nº 2618 DE 24 DE AGOSTO DE 2011. DISPÕE SOBRE AS NORMAS DISCIPLINADORAS DO PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO O PREFEITO MUNICIPAL DE MANGARATIBA, no uso

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei.

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 947/2010 Institui a Política Municipal de Meio Ambiente, cria o Conselho e Fundo Municipal de Meio Ambiente e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado

Leia mais

DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 2001/2006 DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. IRANI CHIES, Prefeito Municipal de Carlos Barbosa, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

DECRETO Nº 30033 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2008

DECRETO Nº 30033 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2008 DECRETO Nº 30033 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2008 Regulamenta as Leis nº 2.475, de 1996, e nº 4.774, de 2008, e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

DECRETO Nº 32244 DE 10 DE MAIO DE 2010

DECRETO Nº 32244 DE 10 DE MAIO DE 2010 DECRETO Nº 32244 DE 10 DE MAIO DE 2010 Revoga o Decreto nº 7.764 de 21 de junho de 1988 e dá nova redação ao Regulamento nº 19, aprovado pelo Decreto nº 29.881 de 18 de setembro de 2008. O PREFEITO DA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE MONITORES, INSTRUTORES E GUIAS DE ESCALADA DA AGUIPERJ

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE MONITORES, INSTRUTORES E GUIAS DE ESCALADA DA AGUIPERJ REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE MONITORES, INSTRUTORES E GUIAS DE ESCALADA DA AGUIPERJ CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1. Este Regulamento de Comportamento Ético tem por objetivo estabelecer normas

Leia mais

DECRETO Nº. 2.469 DE 23 DE NOVEMBRO DE 2009

DECRETO Nº. 2.469 DE 23 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o procedimento de fiscalização para fins de SUSPENSÃO e CANCELAMENTO de Alvará de Funcionamento e INTERDIÇÃO em estabelecimentos empresariais e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

CRIA OS FISCAIS VOLUNTÁRIOS DO MEIO AMBIENTE NO MUNICÍPIO DE VIAMÃO.

CRIA OS FISCAIS VOLUNTÁRIOS DO MEIO AMBIENTE NO MUNICÍPIO DE VIAMÃO. LEI MUNICIPAL Nº 2305/93 CRIA OS FISCAIS VOLUNTÁRIOS DO MEIO AMBIENTE NO MUNICÍPIO DE VIAMÃO. PEDRO ANTÔNIO PEREIRA DE GODOY, Prefeito Municipal de Viamão, no uso de suas atribuições legais, Faço saber

Leia mais

CÂMARA DE FISCALIZAÇÃO E REGISTRO. REGULAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA CFA/CRAs

CÂMARA DE FISCALIZAÇÃO E REGISTRO. REGULAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA CFA/CRAs CÂMARA DE FISCALIZAÇÃO E REGISTRO REGULAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA CFA/CRAs JANEIRO DE 2015 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) C755r Conselho Federal de Administração. Regulamento

Leia mais

Considerando o constante no Processo nº 80001.002866/2003-35;

Considerando o constante no Processo nº 80001.002866/2003-35; RESOLUÇÃO 363 DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. Dispõe sobre padronização dos procedimentos administrativos na lavratura de auto de infração, na expedição de notificação de autuação e de notificação de penalidade

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos os autos deste Processo, etc...

Vistos, relatados e discutidos os autos deste Processo, etc... Processo nº 0126452009-3 Acórdão nº 059/2012 Recurso HIE/VOL/CRF-427/2010 1ª RECORRENTE: GERÊNCIA EXECUTIVA DE JULGAMENTO DE PROCESSOS FISCAIS GEJUP 1ª RECORRIDA: LOJAS PRIMAVERA COMÉRCIO DE MÓVEIS LTDA.

Leia mais

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014.

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre a implantação e o funcionamento do processo eletrônico no âmbito do Ministério das Comunicações. O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso das

Leia mais

PORTARIA Nº 530, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014

PORTARIA Nº 530, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014 PORTARIA Nº 530, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014 (Publicada no D.O.U. de 25/11/2014) Disciplina o Processo Administrativo Previdenciário - PAP para análise e julgamento das irregularidades em Regime Próprio

Leia mais

Considerando a necessidade de uniformização de procedimentos na formalização e instrução de processos de fiscalização no Crea-ES.

Considerando a necessidade de uniformização de procedimentos na formalização e instrução de processos de fiscalização no Crea-ES. Ato 015/2004 Dispõe sobre a formalização, trâmite, procedimentos, infringências e valores de multas das Notificações e Autos de Infração NAIs e da outras providências. O Presidente do Conselho Regional

Leia mais

MODELO CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR

MODELO CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR MODELO CONTRATO N.º /20 CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR A (Órgão/Entidade Federal, Estadual ou Municipal), pessoa jurídica de direito público ou privado, com sede à Rua, n.º,

Leia mais

DECRETO. nº 41.258, de 31 de outubro de 1996. (*) Alterado pelo Decreto nº 50.667, de 30de março de 2006

DECRETO. nº 41.258, de 31 de outubro de 1996. (*) Alterado pelo Decreto nº 50.667, de 30de março de 2006 1 de 6 DECRETO nº 41.258, de 31 de outubro de 1996 (*) Alterado pelo Decreto nº 50.667, de 30de março de 2006 Aprova o Regulamento dos artigos 9 o a 13 da Lei n o 7.663, de 30 de dezembro de 1991 Mário

Leia mais

PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO CARTILHA DO ADVOGADO

PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO CARTILHA DO ADVOGADO PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO CARTILHA DO ADVOGADO ELABORAÇÃO: COMISSÃO DO CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO Presidente Antonio Augusto Silva Pereira de Carvalho Coordenador

Leia mais

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO.

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO. ANEXO NORMAS SOBRE REQUISITOS, CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS PARA O REGISTRO DE ESTABELECIMENTO, BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO E EXPEDIÇÃO DOS RESPECTIVOS CERTIFICADOS. 1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO,

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 005/2008 M I N U T A

CARTA CONVITE Nº 005/2008 M I N U T A IMPORTANTE : PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ RETIRAR O EDITAL SOB PROTOCOLO COM ATÉ 24 HORAS DE ANTECEDÊNCIA DO CERTAME NA SEDE DO CONSELHO SITUADO À RUA PAMPLONA, 1200 JD PAULISTA CEP:

Leia mais

Resolução nº 9, de 16 de julho de 1997 (publicada no Diário Oficial da União de 13.8.97)

Resolução nº 9, de 16 de julho de 1997 (publicada no Diário Oficial da União de 13.8.97) Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE SCN Quadra 2 Projeção C, Brasília, DF CEP 70712-902 Tel.: (61) 426-8599 Fax: (61) 328-5523 cade@cade.gov.br Resolução nº 9, de 16

Leia mais

RESOLUÇÃO COFECI Nº 146/82 (publicada em 10.08.82, D.O.U. nº 151, fls. 14855/857, seção I)

RESOLUÇÃO COFECI Nº 146/82 (publicada em 10.08.82, D.O.U. nº 151, fls. 14855/857, seção I) RESOLUÇÃO COFECI Nº 146/82 (publicada em 10.08.82, D.O.U. nº 151, fls. 14855/857, seção I) Aprova o Código de Processo Disciplinar. O CONSELHO FEDERAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS, no uso das atribuições que

Leia mais

A Identificação e o Registro Profissional do Trabalhador

A Identificação e o Registro Profissional do Trabalhador 1 A Identificação e o Registro Profissional do Trabalhador 1 - A identificação e o Registro Profissional do Trabalhador 1.1 Introdução 1.2 - Como adquirir 1.3 - O modelo 1.4 - A emissão 1.5 - A obrigatoriedade

Leia mais

FENAJ - Federação Nacional dos Jornalistas REGIMENTO INTERNO DAS COMISSÕES DE ÉTICA DOS SINDICATOS DOS JORNALISTAS

FENAJ - Federação Nacional dos Jornalistas REGIMENTO INTERNO DAS COMISSÕES DE ÉTICA DOS SINDICATOS DOS JORNALISTAS FENAJ - Federação Nacional dos Jornalistas REGIMENTO INTERNO DAS COMISSÕES DE ÉTICA DOS SINDICATOS DOS JORNALISTAS RESOLUÇÃO CNE Nº 01/2009 DE 05/05/2009 Título I - Do Regimento Art. 1º Este Regimento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 108, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 108, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2004 Ministério da Fazenda Superintendência de Seguros Privados RESOLUÇÃO Nº 108, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2004 Regula o Processo Administrativo Sancionador - PAS no âmbito da Superintendência de Seguros Privados

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS

ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS CURSO SOBRE PROTEÇÃO E REGISTRO DE CULTIVARES 27 A 28 DE MAIO 2010 LONDRINA-PR SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA COLODEL FISCAL

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DA BOA VISTA TERRA DE LUTA E FÉ - DOE ORGÃOS, DOE SANGUE:SALVE VIDAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DA BOA VISTA TERRA DE LUTA E FÉ - DOE ORGÃOS, DOE SANGUE:SALVE VIDAS EDITAL DE CARTA CONVITE 027/2015 A PREFEITA MUNICIPAL DE SANTANA DA BOA VISTA, torna público, para conhecimento dos interessados, que no dia 20 DE NOVEMBRO DE 2015, às 10 horas, reunirse-á a Comissão Permanente

Leia mais

Lei nº 14.592, de 19 de outubro de 2011. Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei:

Lei nº 14.592, de 19 de outubro de 2011. Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei: Lei nº 14.592, de 19 de outubro de 2011 Proíbe vender, ofertar, fornecer, entregar e permitir o consumo de bebida alcoólica, ainda que gratuitamente, aos menores de 18 (dezoito) anos de idade, e dá providências

Leia mais

Processo n 177.130.2014-4 Acórdão 115/2015 Recurso AGR/CRF-060/2015 AGRAVANTE: FSEG CURSOS EM FORMAÇAO DE VIGILANTES LIMITADA - ME

Processo n 177.130.2014-4 Acórdão 115/2015 Recurso AGR/CRF-060/2015 AGRAVANTE: FSEG CURSOS EM FORMAÇAO DE VIGILANTES LIMITADA - ME GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Receita Conselho de Recursos Fiscais Processo n 177.130.2014-4 Acórdão 115/2015 Recurso AGR/CRF-060/2015 AGRAVANTE: FSEG CURSOS EM FORMAÇAO DE VIGILANTES LIMITADA

Leia mais

SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Os produtos vegetais, seus subprodutos

Leia mais

Ministério da Indústria e do Comércio EMPRESA BRASILEIRA DE TURISMO DECRETO Nº 84.910, DE 15 DE JULHO DE 1980

Ministério da Indústria e do Comércio EMPRESA BRASILEIRA DE TURISMO DECRETO Nº 84.910, DE 15 DE JULHO DE 1980 EMBRATUR - LEGISLAÇÃO BRASILEIRA DE TURISMO DEC 84.910/80 1 Ministério da Indústria e do Comércio EMPRESA BRASILEIRA DE TURISMO DECRETO Nº 84.910, DE 15 DE JULHO DE 1980 Regulamenta dispositivos da Lei

Leia mais

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. Disciplina a liberação, o cancelamento e a baixa de Alvará de Localização e Funcionamento no município de Erechim. O Prefeito Municipal de Erechim, Estado do

Leia mais

Efeitos a partir de 1º de janeiro de 2010)

Efeitos a partir de 1º de janeiro de 2010) Artigo 586-4º - 3 - o contribuinte detentor do crédito acumulado, por qualquer de seus estabelecimentos, não poderá ter débito pendente de liquidação, inclusive decorrente de auto de infração e imposição

Leia mais

DECRETO N. 41.258, DE 31 DE OUTUBRO DE 1996

DECRETO N. 41.258, DE 31 DE OUTUBRO DE 1996 DECRETO N. 41.258, DE 31 DE OUTUBRO DE 1996 Aprova o Regulamento dos artigos 9º a 13 da Lei n. 7.663, de 30 de dezembro de 1991 Alterações: Decreto n. 50667, de 30.03.06 Decreto n. 61117, de 06.02.15 MÁRIO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 89, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 89, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 89, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2011 Estabelece procedimentos para apreensão e guarda de documentos, livros, materiais, equipamentos e assemelhados por Auditor- Fiscal do Trabalho e aprova

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE NITERÓI, no uso de suas atribuições legais, e visando a disciplinar o processo administrativo tributário.

O PREFEITO MUNICIPAL DE NITERÓI, no uso de suas atribuições legais, e visando a disciplinar o processo administrativo tributário. Decreto nº 2.431/75 Legislação Tributária de Niterói Publicada no DO de 23/12/1975 Dispõem Sobre As Normas Disciplinadoras Do Processo Administrativo Tributário. O PREFEITO MUNICIPAL DE NITERÓI, no uso

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

PORTARIA n 072 /2014/GAB/SEDAM Porto Velho-RO, de de 2014.

PORTARIA n 072 /2014/GAB/SEDAM Porto Velho-RO, de de 2014. PORTARIA n 072 /2014/GAB/SEDAM Porto Velho-RO, de de 2014. Estabelece procedimento para conversão de multas simples em serviços de preservação, melhoria e recuperação da qualidade do meio ambiente, e dá

Leia mais

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA RESOLUÇÃO CNE Nº 01/2008, REPUBLICADA (*), DE 07/07/2008 Artigo 1º Este Regimento Interno contém as normas que regulam o funcionamento

Leia mais

JOÃO DOMINGOS RODRIGUES DA SILVA, Prefeito Municipal de Almirante Tamandaré do Sul, Estado do Rio Grande do Sul.

JOÃO DOMINGOS RODRIGUES DA SILVA, Prefeito Municipal de Almirante Tamandaré do Sul, Estado do Rio Grande do Sul. JOÃO DOMINGOS RODRIGUES DA SILVA, Prefeito Municipal de Almirante Tamandaré do Sul, Estado do Rio Grande do Sul. Faço saber que o Legislativo aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte lei: LEI MUNICIPAL

Leia mais

FL. 1 de 6 VOTO PROCESSO: 48500.000092/2014-27. INTERESSADO: Copel Distribuição S.A. - Copel Dis. RELATOR: Diretor André Pepitone da Nóbrega

FL. 1 de 6 VOTO PROCESSO: 48500.000092/2014-27. INTERESSADO: Copel Distribuição S.A. - Copel Dis. RELATOR: Diretor André Pepitone da Nóbrega FL. 1 de 6 VOTO PROCESSO: 48500.000092/2014-27 INTERESSADO: Copel Distribuição S.A. - Copel Dis RELATOR: Diretor André Pepitone da Nóbrega RESPONSÁVEL: DIRETORIA DIR ASSUNTO: Recurso Administrativo interposto

Leia mais

RESOLUÇÃO 001/2015/CE/SINJOR-PA

RESOLUÇÃO 001/2015/CE/SINJOR-PA RESOLUÇÃO 001/2015/CE/SINJOR-PA O Presidente da Comissão de Ética do Sindicato dos Jornalistas no Estado do Pará, no uso das atribuições que lhes são conferidas, etc CONSIDERANDO a decisão da Assembleia

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO. 1. Introdução

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO. 1. Introdução 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO 1. Introdução A Lei n 10.711, sancionada em 05/08/2003 e regulamentada pelo Decreto n 5.153 de 23 de julho de 2004, instituiu o Sistema Nacional de

Leia mais

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos.

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos. ANEXO CRITÉRIOS PARA CREDENCIAMENTO, RECONHECIMENTO, EXTENSÃO DE ESCOPO E MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS NO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA Art. 1º Os critérios constantes deste

Leia mais

LEI Nº 3.793 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998

LEI Nº 3.793 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998 LEI Nº 3.793 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998 DISPÕE SOBRE APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO DAS JUNTAS ADMINISTRATIVAS DE RECURSOS DE INFRAÇÕES JARI DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ MT. O prefeito Municipal de Cuiabá-MT,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.867 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2002. (publicada no DOE nº 243, de 18 de dezembro de 2002) Cria os procedimentos

Leia mais

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº 013 24 DE MARÇO DE 2015. GABINETE DO PREFEITO

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº 013 24 DE MARÇO DE 2015. GABINETE DO PREFEITO 1 PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº 013 24 DE MARÇO DE 2015. GABINETE DO PREFEITO Altera a Lei nº 1456/2013, que dispõe sobre as taxas de serviços ambientais, institui seus valores, dispõem sobre sanções pelas

Leia mais

RESOLUÇÃO N 22, DE 4 DE MAIO DE 2012

RESOLUÇÃO N 22, DE 4 DE MAIO DE 2012 RESOLUÇÃO N 22, DE 4 DE MAIO DE 2012 Dispõe sobre a fiscalização do exercício profissional da Arquitetura e Urbanismo, os procedimentos para formalização, instrução e julgamento de processos por infração

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 12, DE 2015 (Do Sr. Lucas Vergilio)

PROJETO DE LEI N.º 12, DE 2015 (Do Sr. Lucas Vergilio) *C0050960A* C0050960A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 12, DE 2015 (Do Sr. Lucas Vergilio) Dispõe sobre a utilização de sistemas de verificação biométrica e dá outras providências. DESPACHO: ÀS

Leia mais

DA IDENTIFICAÇÃO PROFISSIONAL

DA IDENTIFICAÇÃO PROFISSIONAL DA IDENTIFICAÇÃO PROFISSIONAL * Da Carteira de Trabalho e Previdência Social Art. 13 - A Carteira de Trabalho e Previdência Social é obrigatória para o exercício de qualquer emprego, inclusive de natureza

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 47, de 13 de março de 1992 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização

Leia mais

Assembléia Legislativa do Estado do Paraná Centro Legislativo Presidente Aníbal Khury Comissão de Constituição e Justiça

Assembléia Legislativa do Estado do Paraná Centro Legislativo Presidente Aníbal Khury Comissão de Constituição e Justiça SUBSTITUTIVO GERAL AO PROJETO DE LEI 307/2003. SÚMULA: Veda o cultivo, a manipulação, a importação, a industrialização e a comercialização de Organismos Geneticamente Modificados (OGMs) no Estado do Paraná,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 96, DE 16 JANEIRO DE 2012

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 96, DE 16 JANEIRO DE 2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 96, DE 16 JANEIRO DE 2012 Dispõe sobre procedimentos para a divulgação e fiscalização do cumprimento da legislação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP INSTRUÇÃO Nº 2560 Dispõe sobre procedimentos para a interrupção de registro profissional. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 34,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N.º 178/96

RESOLUÇÃO CFN N.º 178/96 RESOLUÇÃO CFN N.º 178/96 INSTITUI O CÓDIGO DE PROCESSAMENTO DISCIPLINAR PARA O NUTRICIONISTA HABILITADO (INSCRITO NO CONSELHO) O Conselho Federal de Nutricionistas (CFN) no uso das atribuições que lhe

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes (11) 3256-1321 abraidi@abraidi.com.br www.abraidi.com.br 1ª. Edição 2014 REGIMENTO

Leia mais

LEI Nº 1766/10 De 16 de novembro de 2010. LEO MIGUEL WESCHENFELDER, Prefeito Municipal de Porto Lucena, Estado do Rio Grande do Sul,

LEI Nº 1766/10 De 16 de novembro de 2010. LEO MIGUEL WESCHENFELDER, Prefeito Municipal de Porto Lucena, Estado do Rio Grande do Sul, LEI Nº 1766/10 De 16 de novembro de 2010. DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO AMBIENTAL, AS INFRAÇÕES E PENALIDADES AMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DE PORTO LUCENA E INSTITUI TAXAS DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. LEO MIGUEL

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS DECRETO N o 525, DE 11 DE JULHO DE 2013. Regulamenta a utilização de veículos oficiais pela administração direta e indireta do Município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso de suas atribuições que

Leia mais

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG 1 Sumário CAPITULO I... 3 Do Regimento Interno... 3 CAPITULO II... 3 Do Registro e Inscrição dos Golfistas... 3 CAPITULO III... 3 Da

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE CORNÉLIO PROCÓPIO

CÂMARA MUNICIPAL DE CORNÉLIO PROCÓPIO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 002/2015 02/02/2015 EMENTA: Estabelece medidas com o intuito de se evitar a venda, oferta, fornecimento, entrega e o consumo de bebida alcoólica, ainda que gratuitamente,

Leia mais

PRESIDÊNCIA 31/10/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 273 / 2011

PRESIDÊNCIA 31/10/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 273 / 2011 PRESIDÊNCIA 31/10/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 273 / 2011 EMENTA: Estabelece os procedimentos relativos ao depósito e processamento de pedidos de registro de topografia de circuito integrado no INPI. O

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

DECRETO Nº 19.034, DE 14 DE MAIO DE 2015.

DECRETO Nº 19.034, DE 14 DE MAIO DE 2015. DECRETO Nº 19.034, DE 14 DE MAIO DE 2015. Regulamenta a Lei Complementar nº 757, de 14 de janeiro de 2015, que estabelece regras para a supressão, o transplante ou a poda de espécimes vegetais no Município

Leia mais

Assinatura: RELATÓRIO

Assinatura: RELATÓRIO Gerência/Diretoria: NUCLEO-RJ/SEGER Protocolo nº: 33902.566210/2012-01 Data: 23/11/2012 Hora: 14:33:25 Diretoria de Fiscalização Assinatura: Processo n.º: 33902.113433/2010-08 Demanda/Protocolo: 963822/959019

Leia mais

Minuta de Decreto nº (XXX), de (dia) de (mês) de (ano).

Minuta de Decreto nº (XXX), de (dia) de (mês) de (ano). Minuta de Decreto nº (XXX), de (dia) de (mês) de (ano). Aprova o Regimento Interno das Juntas Administrativas de Recursos de Infrações- JARI (nome do prefeito municipal), Prefeito Municipal de (nome do

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.977, DE 20 MAIO DE 2014. Vigência Regula e disciplina a atividade de desmontagem de veículos automotores terrestres; altera

Leia mais

GoVERNO DO EsTADO DO CEARÁ Secretaria da Fazenda

GoVERNO DO EsTADO DO CEARÁ Secretaria da Fazenda ) Processo de Recurso n 112877/2004 Auto de Infração n~ 1/200406008 Página 1 de 7 GoVERNO DO EsTADO DO CEARÁ Secretaria da Fazenda CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS RESOLUÇÃO N 3 ~5/2009 2!! CÂMARA 86!!

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 400, de 21 de março de 2013. DISPÕE SOBRE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL E VEGETAL NO MUNICIÍPIO DE IPIRANGA DO NORTE-MT E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA CONSULTORIA TRIBUTÁRIA CONSULTA TRIBUTÁRIA ELETRÔNICA

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA CONSULTORIA TRIBUTÁRIA CONSULTA TRIBUTÁRIA ELETRÔNICA GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA CONSULTORIA TRIBUTÁRIA CONSULTA TRIBUTÁRIA ELETRÔNICA Orientações Versão 1.3 Dez/2014 1. O que é a consulta

Leia mais

CAPÍTULO I DAS INFRAÇÕES ADMINISTRATIVAS AO PATRIMÔNIO CULTURAL EDIFICADO

CAPÍTULO I DAS INFRAÇÕES ADMINISTRATIVAS AO PATRIMÔNIO CULTURAL EDIFICADO PORTARIA Nº 187, DE 11 DE JUNHO DE 2010. Dispõe sobre os procedimentos para apuração de infrações administrativas por condutas e atividades lesivas ao patrimônio cultural edificado, a imposição de sanções,

Leia mais

Autorização Especial de Trânsito AET

Autorização Especial de Trânsito AET Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte Urbano Autorização Especial de Trânsito AET Amparo legal: Lei Complementar Municipal nº 205/2009: que acrescenta, altera e regulamenta a Seção XI, do Capítulo

Leia mais

Tropa de Elite Escrivão Para Polícia Federal Arquivologia Microfilmagem Alexandre Américo

Tropa de Elite Escrivão Para Polícia Federal Arquivologia Microfilmagem Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tropa de Elite Escrivão Para Polícia Federal Arquivologia Microfilmagem Alexandre Américo LEI Nº 5.433, DE 8 DE MAIO DE 1968.

Leia mais

NR 28 - Fiscalização e Penalidades

NR 28 - Fiscalização e Penalidades NR 8 Fiscalização e Penalidades 8. FISCALIZAÇÃO. 8.. A fiscalização do cumprimento das disposições legais e/ou regulamentares sobre segurança e saúde do trabalhador será efetuada obedecendo ao disposto

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA DENÚNCIAS

INSTRUÇÕES PARA DENÚNCIAS CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS DA 2 REGIÃO INSTRUÇÕES PARA DENÚNCIAS IMPRIMIR E PREENCHER COM LETRA LEGÍVEL (OU COMPLETAR NO PRÓPRIO SITE) O FORMULÁRIO ANEXO EM TRÊS VIAS DEVIDAMENTE ASSINADAS,

Leia mais

I - Apresentar Carteira Nacional de Habilitação, categoria A, em validade, expedida há pelo menos dois anos;

I - Apresentar Carteira Nacional de Habilitação, categoria A, em validade, expedida há pelo menos dois anos; CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 10 - O presente regulamento dispõe sobre o serviço de transporte de carga, na modalidade denominada motoentrega, consiste no serviço de entrega e coleta de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a instauração, a organização e o encaminhamento ao Tribunal de Contas da União dos processos de tomada de contas especial. O TRIBUNAL

Leia mais

Página 1 de 5 Portaria Cat 00115, de 07-11-2014 (DOE 08-11-2014) Disciplina o controle de qualidade antecedente à lavratura de Auto de Infração e Imposição de Multa O Coordenador da Administração Tributária,

Leia mais

decorrentes de descumprimento total ou parcial de contrato fica regulamentado por

decorrentes de descumprimento total ou parcial de contrato fica regulamentado por c Poder Judiciário ctóáça INSTRUÇÃO NORMATIVA N5 24, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre o procedimento de apuração e aplicação de penalidades às empresas contratadas pelo Conselho Nacional de Justiça.

Leia mais