PARÂMETROS DETERMINADOS PELO SETOR DE QUÍMICA ORGÂNICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARÂMETROS DETERMINADOS PELO SETOR DE QUÍMICA ORGÂNICA"

Transcrição

1 PARÂMETROS DETERMINADOS PELO SETOR DE QUÍMICA ORGÂNICA ANÁLISE QUALITATIVA PARA PESQUISA DE COMPOSTOS ORGÂNICOS Extração líquido-líquido ou soxhlet e Deteção/Quantificação por Cromatografia Gasosa acoplada a detetor de Espetrometria de Massa (GC/MS). ÁGUAS (1000 ml) COMPOSTOS DE ORIGEM FARMACÊUTICA ANTIBIÓTICOS Sulfatiazol; Sulfametoxazol; Sulfametazina; Enrofloxacina; Ciprofloxacina; Ofloxacina; Oxitetraciclina; Tetraciclina; Doxiciclina; Clorotetraciclina; Penicilina G; Penicilina V. HORMONAS SEXUAIS Dietilestilbestrol; Estriol; Estrona; Etilnilestradiol; Levonorgestrel; Noretindrona; Progesterona; Beta-Estradiol. ANTIBIÓTICOS Extração sólido-líquido por intermédio de discos/cartuchos e Deteção/Quantificação por Cromatografia Líquida acoplada a detetor de Espetrometria de Massa (LC/MS). HORMONAS SEXUAIS Extração por Banho de Ultra-sons e Deteção/Quantificação por Cromatografia Líquida acoplada a detetor de Espetrometria de Massa (LC/MS). APENAS PARA A DETERMINAÇÃO DE HORMONAS Página 1/10

2 CARBONO ORGÂNICO TOTAL Método da combustão com deteção por radiação de infra-vermelho. ÁGUAS (50 ml) Acidificação a ph <2 com ácido clorídrico concentrado (em alternativa pode também ser utilizado o ácido fosfórico concentrado). Recipiente selado com rolha de teflon. Refrigerar ao abrigo da CLOROFENÓIS Pentaclorofenol; 4-Cloro-3-metilfenol; 2,4,5-Triclorofenol; 2,4,6-Triclorofenol; 2,4-Diclorofenol; 2-Clorofenol; 3- Clorofenol. Extração sólido-líquido por intermédio de discos/cartuchos e Deteção/Quantificação por Cromatografia Líquida acoplada a detetor de Espetrometria de Massa (LC/MS) ou Cromatografia Gasosa acoplada a Espetrometria de Massa (GC/MS). Página 2/10

3 COMPOSTOS BIFENILOS POLICLORADOS (PCBs) MAIS COMUNS PCB IUPAC #28; PCB IUPAC #31; PCB IUPAC #52; PCB IUPAC #101; PCB IUPAC #105; PCB IUPAC #118; PCB IUPAC #128; PCB IUPAC #153; PCB IUPAC #156; PCB IUPAC #170; PCB IUPAC #180. PLANARES (NON-ORTO E MONO-ORTO) PCB IUPAC #81; PCB IUPAC #77; PCB IUPAC #123; PCB IUPAC #118; PCB IUPAC #114; PCB IUPAC #105; PCB IUPAC #126; PCB IUPAC #167; PCB IUPAC #156; PCB IUPAC #157; PCB IUPAC #169; PCB IUPAC #189. MAIS COMUNS Extração sólido-líquido por intermédio de discos/cartuchos/colunas, líquido-líquido ou soxhlet e Deteção/Quantificação por Cromatografia Gasosa acoplada a detetor de Captura de Eletrões (GC/ECD). A confirmação da identidade dos PCBs é efetuada por Cromatografia Gasosa acoplada a detetor de Espetrometria de Massa (GC/MS). PLANARES (NON-ORTO E MONO-ORTO) Extração sólido-líquido por intermédio de discos/cartuchos/colunas ou soxhlet e Deteção/Quantificação por Cromatografia Gasosa acoplada a detetor de Espetrometria de Massa de Alta Resolução (GC/HRMS). ÓLEOS (10 ml) da AR ATMOSFÉRICO E EFLUENTES GASOSOS Refrigerar ao abrigo da Página 3/10

4 COMPOSTOS ORGÂNICOS DE ESTANHO Dibutilestanho; Difenilestanho; Monobutilestanho; Monofenilestanho; Tributilestanho; Trifenilestanho. Extração líquido-líquido ou ultra-sons e Deteção/Quantificação por Cromatografia Gasosa acoplada a detetor de Fotometria de Chama Pulsada (GC/PFPD). uma vez. Acidificação a ph <2 com ácido clorídrico concentrado. Recipiente selado com rolha de teflon, vidro, ou revestido com folha de alumínio. Refrigerar ao abrigo da COMPOSTOS ORGÂNICOS SEMI-VOLÁTEIS DE ORIGEM INDUSTRIAL 1,2,4,5-Tetraclorobenzeno; 2,4-Dicloronitrobenzeno; 2,5-Dicloroanilina; 2,5-Dicloronitrobenzeno; 2-Cloro-3- nitrotolueno; 2-Cloro-4-toluidina; 2-Cloro-4-toluidina; 2-Cloro-6-nitrotolueno; 2-Cloroanilina; 2-Cloronitrobenzeno+4- Cloronitrobenzeno; 2-Clorotolueno; 3,4-Dicloroanilina; 3,5-Dicloronitrobenzeno; 3-Cloro-2-toluidina; 3-Cloroanilina; 3-Cloronitrobenzeno; 3-Clorotolueno; 4-Cloro-2-nitrotolueno; 4-Cloro-2-toluidina+5-Cloro-2-toluidina; 4-Cloro-3- nitrotolueno; 4-Clorotolueno; Anilina; Bifenilo; Hexaclorobutadieno; Pentaclorobenzeno; Tributilfosfato. Extração sólido-líquido por intermédio de discos/cartuchos ou soxhlet e Deteção/Quantificação por Cromatografia Gasosa acoplada a detetor de Espetrometria de Massa (GC/MS). Página 4/10

5 COMPOSTOS ORGÂNICOS VOLÁTEIS (COVs) Clorofórmio (triclorometano); Bromodiclorometano; Dibromoclorometano; Bromofórmio (Tribromometano); Benzeno; Tolueno; Etilbenzeno; Xilenos (isómeros orto, meta e para); Diclorometano; 1,2-Dicloroetano; 1,1- Dicloroeteno; (Z)-1,2-Dicloroeteno (isómero cis); (E)-1,2-Dicloroeteno (isómero trans); 2,2-Dicloropropano; 1,1,1- Tricloroetano; 1,2-Dicloropropeno; Tetraclorometano (Tetracloreto de carbono); Tricloroeteno (Tricloroetileno); 1,2- Dicloropropano; (Z)-1,3-Dicloropropeno (isómero cis); (E)-1,3-Dicloropropeno (isómero trans); 1,1,2-Tricloroetano; 1,3-Dicloropropano; Tetracloroetileno (Tetracloroeteno); 1,2-Dibromoetano; Clorobenzeno; 1,1,1,2-Tetracloroetano; Isopropilbenzeno; Bromobenzeno; 2-Clorotolueno; 4-Clorotolueno; 1,3,5-Trimetilbenzeno; 1,2,4-Trimetilbenzeno; 1,3-Diclorobenzeno; 1,4-Diclorobenzeno; 1,2-Diclorobenzeno; 1,2,4-Triclorobenzeno; 1,2,3-Triclorobenzeno; 1,3,5- Triclorobenzeno. Extração por micro-extração sólido-líquido e Deteção/Quantificação por Cromatografia Gasosa acoplada a detetor de Espetrometria de Massa (GC/MS). ÁGUAS (2 X 40 ml) Encher completamente o vial sem deixar bolhas de ar. Recipiente selado com septo de teflon e silicone. Refrigerar ao abrigo da TUBOS DIFUSORES Apenas para a determinação dos parâmetros BTEX (Benzeno, Tolueno, Etilbenzeno e Xilenos). Refrigerar ao abrigo da DETERGENTES NÃO-IÓNICOS E BISFENOL A 4-Nonilfenol; 4-Nonilfenol dietoxilado; 4-Nonilfenol monoetoxilado; 4-Octilfenol; 4-Octilfenol dietoxilado; 4-Octilfenol monoetoxilado; Bisfenol A. Extração por ultra-sons e Deteção/Quantificação por Cromatografia Líquida acoplada a detetor de Espetrometria de Massa (LC/MS). Página 5/10

6 ÉTERES DIFENÍLICOS POLIBROMADOS (PBDEs) BDE IUPAC #3; BDE IUPAC #7; BDE IUPAC #15; BDE IUPAC #17; BDE IUPAC #28; BDE IUPAC #47; BDE IUPAC #49; BDE IUPAC #66; BDE IUPAC #71; BDE IUPAC #77; BDE IUPAC #85; BDE IUPAC #99; BDE IUPAC #100; BDE IUPAC #119; BDE IUPAC #126; BDE IUPAC #138; BDE IUPAC #153; BDE IUPAC #154; BDE IUPAC #156; BDE IUPAC #183; BDE IUPAC #184; BDE IUPAC #191. Extração por líquido-líquido ou soxhlet e Deteção/Quantificação por Cromatografia Gasosa acoplada a detetor de Espetrometria de Massa de Alta Resolução (GC/HRMS). EXPLOSIVOS 2-Nitrotolueno; 4-Nitrotolueno; 2,6-Dinitrotolueno; 2,4-Dinitrotolueno; 2,4,6-Trinitrotolueno. Extração por sólido-líquido por intermédio de discos/cartuchos ou soxhlet e Deteção/Quantificação por Cromatografia Gasosa acoplada a detetor de Espetrometria de Massa (GC/MS). Página 6/10

7 FTALATOS Dimetilftalato; Dietilftalato; Butiletil(benzil)ftalato; Dietil(hexil)ftalato (DEHP). Extração por micro-extração sólido-líquido e Deteção/Quantificação por Cromatografia Gasosa acoplada a detetor de Espetrometria de Massa (GC/MS). ÁGUAS (40 ml) Encher completamente o vial sem deixar bolhas de ar. Recipiente selado com septo de teflon e silicone. Refrigerar ao abrigo da HERBICIDAS ÁCIDOS E FENIL-UREIAS Bentazona; 2,4-D; 2,4,5-T; MCPA; MCPP (Mecoprope); Dicloroprope; Diurão; Linurão; Clortolurão; Isoproturão; Propanil; Imidaclopride; Triclorpir. Extração por sólido-líquido por intermédio de discos/cartuchos ou soxhlet e Deteção/Quantificação por Cromatografia Líquida acoplada a detetor de Espetrometria de Massa (LC/MS). uma vez. Acidificação a ph <2 com ácido clorídrico ou nítrico concentrado. Recipiente selado com rolha de teflon, vidro, ou revestido com folha de alumínio. Refrigerar ao abrigo da Página 7/10

8 HIDROCARBONETOS AROMÁTICOS POLICÍCLICOS (PAHs) Acenafteno; Acenaftileno; Antraceno; Benzo(a)pireno; Benzo(b)fluoranteno; Benzo(k)fluoranteno; Benzo(a)antraceno; Benzo(g,h,i)perileno; Dibenzo(a,h)antraceno; Indeno(1,2,3-c,d)pireno; Criseno; Fenantreno; Fluoranteno; Fluoreno; Naftaleno; Pireno; Benzo(j)fluoranteno. Extração por sólido-líquido por intermédio de discos/cartuchos, líquido-líquido ou soxhlet e Deteção/Quantificação por Cromatografia Líquida de Alta Resolução acoplada a detetor de Espetrofotometria de visível/ultravioleta e fluorescência de ultravioleta (HPLC/UV-VIS). AR ATMOSFÉRICO E EFLUENTES GASOSOS Refrigerar ao abrigo da HIDROCARBONETOS DERIVADOS DO PETRÓLEO (C10 A C40) Extração por líquido-líquido e Deteção/Quantificação por Cromatografia Gasosa acoplada a detetor de Espetrometria de Massa (GC/MS). Página 8/10

9 PESTICIDAS NEUTROS 3,4-Dicloroanilia; Alacloro; Atrazina; Desetilatrazina; Simazina; Desetilsimazina; Desetilterbutilzina; Terbutilazina; Cianazina; Tebuconazole; Metribuzina; Trifluralina; Metolacloro; Clorfenvinfos; Clorpirifos; Dimetoato; Molinato; Paratião-etilo; Metalaxil. ORGANOCLORADOS DDD (isomero p,p -DDD ou 4,4 -DDD); DDE (isómero p,p -DDE ou 4,4 -DDE); Aldrina; Dialdrina; Endrina; Endossulfão I (Endosulfão α); Endossulfão II (Endosulfão β); Hexaclorociclohexano α (HCH-α); β-hexclorociclohexano (β-hch); Hexaclorociclohexano δ (HCH-δ); Hexaclorociclohexano γ (HCH-γ ou Lindano); Heptacloro; Heptacloro Epóxido; Hexaclorobenzeno (HCB); Oxy-Clordano; DDT (isomero p,p -DDT ou 4,4 -DDT), Toxafeno (isómero Parlar #26); Toxafeno (isómero Parlar #50); Toxafeno (isómero Parlar #62); Clordano (isómero oxy); (Z)-Clordano (isómero cis); (E)-Clordano (isómero trans); (E)-Nonacloro (isómero trans); Mirex. NEUTROS Extração sólido-líquido por intermédio de discos/cartuchos ou soxhlet e Deteção/Quantificação por Cromatografia Gasosa acoplada a detetor de Espetrometria de Massa (GC/MS). ORGANOCLORADOS Extração líquido-líquido ou soxhlet e Deteção/Quantificação por Cromatografia Gasosa acoplada a detetor de Captura de Eletrões (GC/ECD). A confirmação da identidade dos pesticidas organoclorados é efetuada por Cromatografia Gasosa acoplada a detetor de Espetrometria de Massa (GC/MS). Página 9/10

10 POLICLORODIBENZO-P-DIOXINAS E POLICLORODIBENZOFURANOS 2,3,7,8-Tetraclorodibenzo-p-dioxina; 1,2,3,7,8-Pentaclorodibenzo-p-dioxina; 1,2,3,4,7,8-Hexaclorodibenzo-p-dioxina; 1,2,3,6,7,8-Hexaclorodibenzo-p-dioxina; 1,2,3,7,8,9-Hexaclrodibenzo-p-dioxina; 1,2,3,4,6,7,8-Heptaclorodibenzo-pdioxina; 1,2,3,4,6,7,8,9-Octaclorodibenzo-p-dioxina; 2,3,7,8-Tetraclorodibenzofurano; 1,2,3,7,8- Pentaclorodibenzofurano; 2,3,4,7,8-Pentaclorodibenzofurano; 1,2,3,4,7,8-Hexaclorodibenzofurano; 1,2,3,6,7,8- Hexaclorodibenzofurano; 2,3,4,6,7,8-Hexaclorodibenzofurano; 1,2,3,7,8,9-Hexaclorodibenzofurano; 1,2,3,4,7,8- Heptaclorodibenzofurano; 1,2,3,4,7,8,9-Heptaclorodibenzofurano; 1,2,3,4,6,7,8,9-Octaclorodibenzofurano. Extração líquido-líquido, sólido-líquido por intermédio de discos/cartuchos ou soxhlet e Deteção/Quantificação por Cromatografia Gasosa acoplada a detetor de Espetrometria de Massa de Alta Resolução (GC/HRMS). ÓLEOS (10 ml) da AR ATMOSFÉRICO E EFLUENTES GASOSOS Refrigerar ao abrigo da OUTROS COMPOSTOS Metolacloro ESA; Metolacloro AO; Diquato; Paraquato; Hidroxiatrazina; Cimoxanil; Amitrol. Extração sólido-líquido por intermédio de discos/cartuchos, extração por ultra-sons ou soxhlet e Deteção/Quantificação por Cromatografia Líquida acoplada a detetor de Espetrometria de Massa (LC/MS). DETERMINAÇÕES DE METOLACLORO ESA, METOLACLORO AO, DIQUATO, PARAQUATO, CIMOXANIL E AMITROL DETERMINAÇÕES DE METOLACLORO ESA, METOLACLORO AO E HIDROXIATRAZINA Página 10/10

NÚCLEO OPERACIONAL DA QUÍMICA ORGÂNICA

NÚCLEO OPERACIONAL DA QUÍMICA ORGÂNICA NÚCLEO OPERACIONAL DA QUÍMICA ORGÂNICA ANÁLISE QUALITATIVA PARA PESQUISA DE COMPOSTOS ORGÂNICOS Método: LLE (GC/MS-LC/MS) Extração líquido-líquido Cromatografia Gasosa com deteção por Espectrometria de

Leia mais

PARÂMETROS DETERMINADOS PELO SETOR DE QUÍMICA GERAL

PARÂMETROS DETERMINADOS PELO SETOR DE QUÍMICA GERAL PARÂMETROS DETERMINADOS PELO SETOR DE QUÍMICA GERAL ALCALINIDADE Potenciometria. Recipiente de vidro ou plástico. Encher o frasco completamente sem deixar bolhas de ar. Refrigerar ao abrigo da AMONÍACO

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1/22 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BIOAGRI AMBIENTAL LTDA ACREDITAÇÃO N Determinação de metais totais por espectrometria de emissão atômica com fonte de plasma

Leia mais

PARÂMETROS DETERMINADOS PELO SETOR DE QUÍMICA GERAL

PARÂMETROS DETERMINADOS PELO SETOR DE QUÍMICA GERAL PARÂMETROS DETERMINADOS PELO SETOR DE QUÍMICA GERAL Potenciometria. ALCALINIDADE Recipiente de vidro ou plástico. Encher o frasco completamente sem deixar bolhas de ar. Refrigerar ao abrigo da luz. AMONÍACO

Leia mais

Revisão de Relatório de Ensaios LIMNOS Nº 1949/14A Este relatório cancela e substitui as suas revisões emitidas anteriormente

Revisão de Relatório de Ensaios LIMNOS Nº 1949/14A Este relatório cancela e substitui as suas revisões emitidas anteriormente Laboratório de ensaios acreditado pela norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 O escopo da acreditação pode ser visto em: http://www.inmetro.gov.br/laboratorios/rble/docs/crl0462.pdf Antimônio Total (ac)

Leia mais

Lista de Ensaios Acreditados - Âmbito Flexivel. Anexo Técnico de Acreditação, L0297-1

Lista de Ensaios Acreditados - Âmbito Flexivel. Anexo Técnico de Acreditação, L0297-1 1.1.1 Determinação de Ferro 1.1.2 Determinação de Cobre 1.1.3 Determinação de Cádmio 1.1.4 Determinação de Chumbo 1.1.5 Determinação de Crómio 1.1.6 Determinação de Manganês 1.1.7 Determinação de Níquel

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alcalinidade - Método Titulométrico LQ: 0,2 mg/l

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alcalinidade - Método Titulométrico LQ: 0,2 mg/l ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 53 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO SGS ENVIRON LTDA ENSAIOS QUÍMICOS ÁGUA BRUTA, TRATADA,

Leia mais

Requerimento Ligação ao Sistema de Águas Residuais Industriais

Requerimento Ligação ao Sistema de Águas Residuais Industriais de Processo /. Data de Entrada / /. 1. Identificação do Requerente/Cliente Nome Morada CAE C.Postal NIF Tlf Tlm Fax Email Local da Intervenção (juntar planta de localização da ligação) Morada 2. Origem

Leia mais

Válido desde: 15-12-2011 a 01-03-2015 Substitui o anexo com data: 06-10-2011

Válido desde: 15-12-2011 a 01-03-2015 Substitui o anexo com data: 06-10-2011 Válido s: 15-12-2011 a 01-03-2015 Substitui o anexo com data: 06-10-2011 Nº. Matriz Activida/Método análise Número referência Análises inorgânicas (análises metais) 1 Água Água superficial Determinação

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 88 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO Bioagri Ambiental Ltda. - Matriz ÁGUA BRUTA, ÁGUA

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 93 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ANALYTICAL TECHNOLOGY SERVIÇOS ANALÍTICOS E AMBIENTAIS

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Metais por Espectrometria de Absorção Atômica AA

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Metais por Espectrometria de Absorção Atômica AA ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 51 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ECO SYSTEM PRESERVAÇÃO DO LTDA. SOLOS ESEDIMENTOS

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Cor pelo método espectrofotométrico LQ: 1 mg PtCo/L

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Cor pelo método espectrofotométrico LQ: 1 mg PtCo/L ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 41 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LABCRIS ANÁLISES, E SERVIÇOS LTDA. ÁGUA BRUTA, ÁGUA

Leia mais

RESUMO DOS RESULTADOS DA AMOSTRA N 80672/ Processo Comercial N 3249/2015-2

RESUMO DOS RESULTADOS DA AMOSTRA N 80672/ Processo Comercial N 3249/2015-2 RESUMO DOS RESULTADOS DA AMOSTRA N 80672/2015-0 Processo Comercial N 3249/2015-2 Empresa solicitante: Klabin S/A DADOS REFERENTES AO CLIENTE Endereço: Fazenda Monte Alegre, s/n - - Harmonia - Telêmaco

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr. A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo a norma NP EN ISO/IEC 17025:2005 Endereço Address Contacto Contact Telefone Fax E-mail Internet Rua Dr. Eduardo Torres,

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha:1 /21 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CONTROLE ANALÍTICO ANÁLISES TÉCNICAS LTDA S QUÍMICOS Determinação de Cor Aparente por Espectrofotometria UV/Vis LQ: 5mg

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr. A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo a norma NP EN ISO/IEC 17025:2005 Endereço Address Contacto Contact Telefone Fax E-mail Internet Rua Dr. Eduardo Torres,

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS - TE

SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS - TE COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO SABESP BANCO DE PREÇOS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA CONSULTIVA MA O/201 SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS - TE DEPARTAMENTO DE VALORAÇÃO PARA

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Cor por Espectrofotometria UV LQ: 1 mg PtCo/L

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Cor por Espectrofotometria UV LQ: 1 mg PtCo/L ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 34 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LABCRIS ANÁLISES, E SERVIÇOS LTDA. ÁGUA BRUTA, ÁGUA

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 18 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO Acqualab Laboratório e Consultoria Ambiental S/S Ltda

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 141 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS / CENTRO DE METROLOGIA EM QUÍMICA PETRÓLEO, DERIVADOS, GÁS NATURAL, ÁLCOOL, COMBUSTÍVEIS

Leia mais

Lista de parâmetros analisados no LAIST

Lista de parâmetros analisados no LAIST Lista de parâmetros analisados no LAIST (Para conhecimento do estatuto de acreditação dos parâmetros listados, nas diversas matrizes, consultar o Anexo Técnico de Acreditação L0108 no separador Acreditação

Leia mais

Condições e Padrões de Qualidade de Águas

Condições e Padrões de Qualidade de Águas Condições e Padrões de Qualidade de Águas baseado na resolução CONAMA 357/2005 com alteração da resolução CONAMA 430/2011 ÁGUAS DOCES CLASSE ESPECIAL Não são permitidos lançamentos de qualquer espécie

Leia mais

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ 1 de 1 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº MATU 44033/13-14-A Versão 02 Alumínio dissolvido 0,03 mg Al/L Espectrofotométrico / 03/07/13 Inorg SMEWW - 3500-Al B Clorofórmio 7,59 µg/l GC-MS/Headspace / EPA - 09/08/13

Leia mais

Poluentes Orgânicos Persistentes em águas Brasileiras. Profa. Dra. Carin von Mühlen Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas carin@feevale.

Poluentes Orgânicos Persistentes em águas Brasileiras. Profa. Dra. Carin von Mühlen Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas carin@feevale. Poluentes Orgânicos Persistentes em águas Brasileiras Profa. Dra. Carin von Mühlen Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas carin@feevale.br Quem são? POLUENTES ORGÂNICOS PERSISTENTES 2 Características?

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 19 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO DIGIMED - DIGICROM ANALÍTICA LTDA. EPP Determinação

Leia mais

Norma e/ou Procedimento

Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 35 ÁGUAS ENSAIOS QUÍMICOS Determinação de BTEX por cromatografia gasosa- detector de ionização por chama/head space Benzeno Tolueno Etilbenzeno m,p Xileno LQ: 2,0 µg/l o Xileno Xileno total

Leia mais

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ 1 de 1 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº MATT01 202073/13-14-A Versão 03 Alumínio dissolvido 0,02 mg Al/L Espectrofotométrico / 20/08/13 Inorg SMEWW - 3500-Al B Condutividade 95,3 µs/cm Condutimétrico / SMEWW - 20/08/13

Leia mais

PLANILHA - CPEA MS. Parâmetros. Resultado da Amostra 60422/2012. Resultado da duplicata 60424/2012 DPR (%)

PLANILHA - CPEA MS. Parâmetros. Resultado da Amostra 60422/2012. Resultado da duplicata 60424/2012 DPR (%) PLANILHA - CPEA MS Parâmetros Amostra 60422/2012 duplicata 60424/2012 DPR (%) 1,1-Dicloroeteno < 0,001 < 0,001 0 Spike adicionado (VOC) 1,2,3-Triclorobenzeno < 1 < 1 0 Spike adicionado (SVOC) 1,2,4-Triclorobenzeno

Leia mais

PADÃO MICROBIOLÓGICO DE POTABILIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Tabela I (MS 518) - Anexo I (MS 2914)

PADÃO MICROBIOLÓGICO DE POTABILIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Tabela I (MS 518) - Anexo I (MS 2914) PADÃO MICROBIOLÓGICO DE POTABILIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Tabela I (MS 518) - Anexo I (MS 2914) MS 518 MS 2914 TIPO DE ÁGUA PARÂMETRO VMP (1) TIPO DE ÁGUA PARÂMETRO VMP (1) ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO

Leia mais

L 348/84 Jornal Oficial da União Europeia 24.12.2008 DIRECTIVAS

L 348/84 Jornal Oficial da União Europeia 24.12.2008 DIRECTIVAS L 348/84 Jornal Oficial da União Europeia 24.12.2008 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2008/105/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 16 de Dezembro de 2008 relativa a normas de qualidade ambiental no domínio da

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO SOLO E DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO SOLO E DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS USIMINAS USINAS SIDERÚRGICAS DE MINAS GERAIS S/A ITAGUAÍ / RJ MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO SOLO E DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PROCESSO E-07 / 50759 / 2009 CEAMNOT/0000896 Novembro/ 0 HAZTEC TECNOLOGIA E PLANEJAMENTO

Leia mais

ANEXO I. Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano

ANEXO I. Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano ANEXO I Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano Água tratada Tipo de água Parâmetro VMP (1) Água para consumo humano Escherichia coli (2) Ausência em 100 ml Na saída do tratamento Coliformes

Leia mais

Monitoramento e Controle Ambiental

Monitoramento e Controle Ambiental Monitoramento e Controle Ambiental Monitoramento da Qualidade da Água Aluno: Daniel M. C. Santos Por que monitorar? MONITORAMENTO AMBIENTAL DE CORPOS HÍDRICOS Alterações ambientais ocorrem ao longo de

Leia mais

VALORES ORIENTADORES PARA SOLOS E ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Revisão 2014

VALORES ORIENTADORES PARA SOLOS E ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Revisão 2014 VALORES ORIENTADORES PARA SOLOS E ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Revisão 2014 MARA MAGALHÃES GAETA LEMOS CETESB Setor das Águas Subterrâneas e do Solo (EQAA) TÓPICOS Base legal dos Valores Orientadores (VOs) Histórico

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

Lista de Ensaios sob o Âmbito da Acreditação Flexível Intermédia

Lista de Ensaios sob o Âmbito da Acreditação Flexível Intermédia Lista de Ensaios sob o Âmbito da Acreditação Flexível Intermédia Certificado de Acreditação Nº L18 Afecta à Edição 18 do Anexo Técnico Nº Produto Ensaio Método de Ensaio Categoria ÁGUAS E EFLUENTES LÍQUIDOS

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Diário da República, 1.ª série N.º 187 24 de Setembro de 2010 4289 MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Decreto-Lei n.º 103/2010 de 24 de Setembro O Programa do XVIII Governo Constitucional

Leia mais

SISTEMA ESTUARINO DE SANTOS E SÃO VICENTE AGOSTO DE 2001

SISTEMA ESTUARINO DE SANTOS E SÃO VICENTE AGOSTO DE 2001 SISTEMA ESTUARINO DE SANTOS E SÃO VICENTE AGOSTO DE 2001 1 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE CETESB COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DIRETORIA DE CONTROLE

Leia mais

Tipo de água Parâmetro VMP(1) Água para consumo humano Escherichia coli(2) Ausência em 100 ml

Tipo de água Parâmetro VMP(1) Água para consumo humano Escherichia coli(2) Ausência em 100 ml ANEXO I Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano Tipo de água Parâmetro VMP(1) Água para consumo humano Escherichia coli(2) Ausência em 100 ml Água tratada Na saída do Coliformes totais

Leia mais

ANEXO I. Coliformes totais (4) ANEXO II. Tratamento da água VMP (1) Desinfecção (para água subterrânea) 1,0 ut (2) em 95% das amostras

ANEXO I. Coliformes totais (4) ANEXO II. Tratamento da água VMP (1) Desinfecção (para água subterrânea) 1,0 ut (2) em 95% das amostras ANEXO I Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano Água tratada Tipo de água Parâmetro VMP (1) Água para consumo humano Escherichia coli (2) Ausência em 100ml Na saída do tratamento Coliformes

Leia mais

Biól. MSc Mara Magalhães Gaeta Lemos CETESB Setor das Águas Subterrâneas e do Solo

Biól. MSc Mara Magalhães Gaeta Lemos CETESB Setor das Águas Subterrâneas e do Solo Biól. MSc Mara Magalhães Gaeta Lemos CETESB Setor das Águas Subterrâneas e do Solo O que é a qualidade de um solo? É a capacidade de um solo em funcionar de forma contínua como um sistema vital, dentro

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 0735/14 PORTARIA MS 2914

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 0735/14 PORTARIA MS 2914 DADOS REFERENTE AO LABORATÓRIO NOME: YOFEL SERV. E COM. TRATAMENTO DE ÁGUA LTDA. CNPJ: 05.053.575/0001-96 ENDEREÇO: RUA GASTÃO VIDIGAL, 16 - SANTO ÁNDRE SÁO PAULO. TEL: 4513-7348 TEL: 4513-7348 E-MAIL:

Leia mais

Anexo 1 - Valores máximos permitidos VMP- por uso individualizados considerados como preponderantes para a água subterrânea

Anexo 1 - Valores máximos permitidos VMP- por uso individualizados considerados como preponderantes para a água subterrânea Anexo 1 Valores máximos permitidos VMP por uso individualizados considerados como preponderantes para a água subterrânea Parâmetros inorgânicos CAS Nº Consumo Dessedentaç ão de animais Praticável LQP (µg/l)

Leia mais

Como Escolher a Sua Água

Como Escolher a Sua Água Como Escolher a Sua Água Por que Escolher? Apesar da grande variedade de produtos com alta concentração de sais minerais e sódio, nenhum composto hidrata mais uma pessoa do que a água. Bebê-la não tem

Leia mais

Aplicação de resíduos em solo agrícola. Lodo do STAR (Indústria Alimentícia)

Aplicação de resíduos em solo agrícola. Lodo do STAR (Indústria Alimentícia) Aplicação de resíduos em solo agrícola Lodo do STAR (Indústria Alimentícia) 2 Aplicação de resíduos em solo agrícola Benefício agronômico 3 Aplicação de resíduos em solo agrícola Elaboração de projeto

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ACQUA BOOM SANEAMENTO AMBIENTAL LTDA - EPP Determinação

Leia mais

REGULAMENTO DE DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS

REGULAMENTO DE DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS REGULAMENTO DE DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS (Aprovado na 5ª Reunião Extraordinária de Câmara Municipal, realizada em 14 de Dezembro de 2004, e na 1ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

L I C I T A Ç Ã O: Convite:Compras e outros serviços, Nº12/2013 Menor preço - Global

L I C I T A Ç Ã O: Convite:Compras e outros serviços, Nº12/2013 Menor preço - Global Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto - SAMAE Travessa Theodoro Junctum, 124 - Bairro Centro Rio Negrinho - SC - Santa Catarina 85.908.309/0001-37 89.295-000 L I C I T A Ç Ã O: Convite:Compras e

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº: 24741

Relatório de Ensaio Nº: 24741 Cliente: GOLD PRESS MAQUINAS E RECILAGEM LTDA Endereço: Rua José Ferreira Sobrinho (Compadre Canário), 356-14781-157 - Distrito Industrial II - Barretos/São Paulo - SP Telefone: Identificação da Amostra

Leia mais

AUTARQUIA MUNICIPAL - LEI DE CRIAÇÃO N. 10 DE 20/04/1966 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO

AUTARQUIA MUNICIPAL - LEI DE CRIAÇÃO N. 10 DE 20/04/1966 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO AUTARQUIA MUNICIPAL - LEI DE CRIAÇÃO N. 10 DE 20/04/1966 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO RELAÇÃO DE COMPRAS E SERVIÇOS EFETUADOS NO MÊS DE SETEMBRO DE 2008, CONFOR O ARTIGO 16 DA LEI 8666 DE 21/06/1993

Leia mais

Relatório de Ensaios Nº 10869/2015-1.0. Resultados Analíticos

Relatório de Ensaios Nº 10869/2015-1.0. Resultados Analíticos Relatório de Ensaios Nº 10869/2015-1.0 Processo Comercial Nº 283/2015.1 Dados referentes ao cliente Empresa solicitante SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE CRUZEIRO-SAAE CNPJ 48.971.139/0001-09 Endereço

Leia mais

Compostos que afetam as qualidades organolépticas da água Composto Padrão Efeitos maléficos

Compostos que afetam as qualidades organolépticas da água Composto Padrão Efeitos maléficos ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO E OS CONTROLES EXIGIDOS O trabalho técnico apresentado a seguir foi escrito pelo diretor do sindicato Walter Huber e seu colega Maurício Tápia. Walter é Engenheiro de Operações

Leia mais

Considerando que a existência de áreas contaminadas pode configurar sério risco à saúde pública e ao meio ambiente;

Considerando que a existência de áreas contaminadas pode configurar sério risco à saúde pública e ao meio ambiente; RESOLUÇÃO No 420, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre critérios e valores orientadores de qualidade do solo quanto à presença de substâncias químicas e estabelece diretrizes para o gerenciamento ambiental

Leia mais

Interpretação e implicações técnicas e jurídicas da Resolução CONAMA Nº 357

Interpretação e implicações técnicas e jurídicas da Resolução CONAMA Nº 357 Interpretação e implicações técnicas e jurídicas da Resolução CONAMA Nº 357 Classes de água doces, salinas e salobras Legislação Estadual Legislação Federal Águas doces Águas salinas Águas salobras CONAMA

Leia mais

Determinação de Fumos de Asfalto por Gravimetria NIOSH 5042:1998

Determinação de Fumos de Asfalto por Gravimetria NIOSH 5042:1998 ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 18 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO SOLUTECH COMÉRCIO E SERVIÇOS DE ANÁLISES QUÍMICAS

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA n o 396, de 3 de abril de 2008 Publicada no DOU nº 66, de 7 de abril de 2008, Seção 1, páginas 64-68

RESOLUÇÃO CONAMA n o 396, de 3 de abril de 2008 Publicada no DOU nº 66, de 7 de abril de 2008, Seção 1, páginas 64-68 RESOLUÇÃO CONAMA nº 396 de 2008 RESOLUÇÃO CONAMA n o 396, de 3 de abril de 2008 Publicada no DOU nº 66, de 7 de abril de 2008, Seção 1, páginas 64-68 Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONAMA

Ministério do Meio Ambiente CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONAMA Ministério do Meio Ambiente CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONAMA Procedência: 33ª Reunião da Câmara Técnica de Controle e Qualidade Ambiental Data: 11 e 12 de fevereiro de 2009 Processo nº 02000.000917/2006-33

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE INSTRUMENTOS LEGAIS PARA CLASSIFICAÇÃO E ENQUADRAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO BRASIL

ESTUDO COMPARATIVO DE INSTRUMENTOS LEGAIS PARA CLASSIFICAÇÃO E ENQUADRAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO BRASIL The image cannot be displayed. Your computer may not have enough memory to open the image, or the image may have been corrupted. Restart your computer, and then open the file again. If the red x still

Leia mais

VALORES ORIENTADORES DE PREVENÇÃO PARA A PROTEÇÃO DA QUALIDADE DO SOLO E ÁGUAS SUBTERRÂNEAS.

VALORES ORIENTADORES DE PREVENÇÃO PARA A PROTEÇÃO DA QUALIDADE DO SOLO E ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. VALORES ORIENTADORES DE PREVENÇÃO PARA A PROTEÇÃO DA QUALIDADE DO SOLO E ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. Lemos, M. M. G. 1 ; Fialho, R.C 1.; Casarini, D.C.P 2.; Ruby, E.C. 1 ; Bergmann, J. 1 ; Castro, M. 1 & Sousa,

Leia mais

O Estado da Aplicação em Portugal das Directivas Comunitárias Relativas à Água

O Estado da Aplicação em Portugal das Directivas Comunitárias Relativas à Água Ministério das Cidades Ordenamento do Território e Ambiente DSRH O Estado da Aplicação em Portugal das Directivas Comunitárias Relativas à Água Documento elaborado para apresentação no Conselho Nacional

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0297-1 Accreditation Annex nº

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0297-1 Accreditation Annex nº PORTUGUESE ACCREDITATION INSTITUTE Rua António Gião, 2-5º 2829-513 CAPARICA Portugal Tel +351.212 948 201 Fax +351.212 948 202 acredita@ipac.pt www.ipac.pt Anexo Técnico de Acreditação Nº L0297-1 Accreditation

Leia mais

Aplicação de resíduos em solo agrícola. Lodo do STAR (Indústria Alimentícia)

Aplicação de resíduos em solo agrícola. Lodo do STAR (Indústria Alimentícia) Aplicação de resíduos em solo agrícola Lodo do STAR (Indústria Alimentícia) 2 Aplicação de resíduos em solo agrícola Benefício agronômico 3 Aplicação de resíduos em solo agrícola Elaboração de projeto

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação de Ânions por Cromatografia Iônica (CI): USEPA, 300.1, 1997

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação de Ânions por Cromatografia Iônica (CI): USEPA, 300.1, 1997 ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 43 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ECOLABOR COMERCIAL CONSULTORIA E ANALISES LTDA ACREDITAÇÃO

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO INSTITUTO NACIONAL DE ANÁLISES E PESQUISAS LTDA/ INSTITUTO NACIONAL DE ANÁLISES E PESQUISAS LTDA

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO INSTITUTO NACIONAL DE ANÁLISES E PESQUISAS LTDA/ INSTITUTO NACIONAL DE ANÁLISES E PESQUISAS LTDA ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO NACIONAL DE ANÁLISES E PESQUISAS LTDA/ INSTITUTO

Leia mais

Implementação da Directiva Quadro da Água (DQA)

Implementação da Directiva Quadro da Água (DQA) WORKSHOP Análise e Monitorização Química do Estado da Água Perspectivas para os Laboratórios Implementação da Directiva Quadro da Água (DQA) Directiva das Águas Subterrâneas Decreto Lei nº 208/2008 Implementação

Leia mais

VALORES ORIENTADORES PARA SOLOS E ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

VALORES ORIENTADORES PARA SOLOS E ÁGUAS SUBTERRÂNEAS VALORES ORIENTADORES PARA SOLOS E ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Mcs. MARA MAGALHÃES GAETA LEMOS Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (CETESB) Setor de Qualidade do Solo e Vegetação- ESSE Av. Prof. Frederico

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA N 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005.. Alterada pela Resolução CONAMA n 370/06. Alterada pela Resolução CONAMA n 397/08.

RESOLUÇÃO CONAMA N 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005.. Alterada pela Resolução CONAMA n 370/06. Alterada pela Resolução CONAMA n 397/08. RESOLUÇÃO CONAMA N 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005.. Alterada pela Resolução CONAMA n 370/06. Alterada pela Resolução CONAMA n 397/08. Alterada pela Resolução CONAMA nº 410/09 Dispõe sobre a classificação

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) L 331/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DECISÃO N. o 2455/2001/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Novembro de 2001 que estabelece a lista das substâncias prioritárias

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação da acidez pelo método titulométrico LQ: 5 mg/l

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação da acidez pelo método titulométrico LQ: 5 mg/l ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 413 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CENTRO DE QUALIDADE ANALÍTICA LTDA / CQA LABORATÓRIOS

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005 Publicada no DOU nº 053, de 18/03/2005, págs. 58-63. Alterada pela Resolução 410/2009 e pela 430/2011

RESOLUÇÃO N o 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005 Publicada no DOU nº 053, de 18/03/2005, págs. 58-63. Alterada pela Resolução 410/2009 e pela 430/2011 RESOLUÇÃO N o 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005 Publicada no DOU nº 053, de 18/03/2005, págs. 58-63 Alterada pela Resolução 410/2009 e pela 430/2011 Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes

Leia mais

OCEANOGRAFIA QUÍMICA SEDIMENTO - METADADOS NOME ARQUIVO MDB NOME DESCRIÇÃO FORMATO / UNIDADE DE MEDIDA

OCEANOGRAFIA QUÍMICA SEDIMENTO - METADADOS NOME ARQUIVO MDB NOME DESCRIÇÃO FORMATO / UNIDADE DE MEDIDA VL_LATITUDE OCEANOGRAFIA QUÍMICA SEDIMENTO - METADADOS NOME ARQUIVO MDB NOME DESCRIÇÃO FORMATO / UNIDADE DE MEDIDA Latitude Medida angular entre o ponto e o Equador tomada sobre o meridiano local. Varia

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA ÁGUAS ENVASADAS E GELO 1. ALCANCE Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade a que devem obedecer a

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA ÁGUAS ENVASADAS E GELO 1. ALCANCE Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade a que devem obedecer a AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA Resolução nº. 274, de 22 de setembro de 2005. Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA ÁGUAS ENVASADAS E GELO" A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 41 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO TOMMASI ANALÍTICA LTDA ALIMENTOS E BEBIDAS ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL ENSAIOS BIOLÓGICOS Bactérias Mesófilas

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 54 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO PLANTEC P.T.A. LTDA/ PLANTEC Laboratórios ÁGUA BRUTA,

Leia mais

RESOLUÇÃO ANVISA RDC nº. 274, de 22 de setembro de 2005. (Publicada no D.O.U. - Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005)

RESOLUÇÃO ANVISA RDC nº. 274, de 22 de setembro de 2005. (Publicada no D.O.U. - Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005) RESOLUÇÃO ANVISA RDC nº. 274, de 22 de setembro de 2005. (Publicada no D.O.U. - Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005) ** Revoga a Resolução CNNPA (Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos)

Leia mais

RECURSOS OFERECIDOS POR FONTE 50% Ribeirão Pureza Ribeirão Pai João Córrego das Três Fontes Outros

RECURSOS OFERECIDOS POR FONTE 50% Ribeirão Pureza Ribeirão Pai João Córrego das Três Fontes Outros A água distribuída pelo SAAE de Itabira vem: Mananciais de superfície: Ribeirão da Pureza (ETA - Pureza) 55 % da cidade; Ribeirão Pai João (ETA Gatos) 25 % da cidade; Córrego das Três fontes (ETA Pará)

Leia mais

WORKSHOP Sobre Processos de Tratamento de Lixiviados de Aterros Sanitários e a Legislação Posição e Experiência do Órgão Ambiental CETESB

WORKSHOP Sobre Processos de Tratamento de Lixiviados de Aterros Sanitários e a Legislação Posição e Experiência do Órgão Ambiental CETESB WORKSHOP Sobre Processos de Tratamento de Lixiviados de Aterros Sanitários e a Legislação Posição e Experiência do Órgão Ambiental CETESB SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CETESB Companhia Ambiental do Estado

Leia mais

Total 1.448.000 100,0

Total 1.448.000 100,0 TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS E QUALIDADE DO CORPO RECEPTOR CAPACITAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉRICA RICA DE RECURSOS HÍDRICOS VOLTADA AOS USUÁRIOS INDUSTRIAIS MÓDULO IV Região Vazão Média Participação

Leia mais

Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossári

Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossári Legislação em Vigilância Sanitária Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossári título: Resolução RDC nº 274, de 22 de setembro de 2005 ementa

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS COM POPULAÇÕES EXPOSTAS OU POTENCIALMENTE EXPOSTAS A CONTAMINANTES QUÍMICOS FICHA DE CAMPO

IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS COM POPULAÇÕES EXPOSTAS OU POTENCIALMENTE EXPOSTAS A CONTAMINANTES QUÍMICOS FICHA DE CAMPO IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS COM POPULAÇÕES EXPOSTAS OU POTENCIALMENTE EXPOSTAS A CONTAMINANTES QUÍMICOS FICHA DE CAMPO LOCALIZAÇÃO 1. Data Da Visita de Campo: / / 2. UF: 3. Município: 4. Cód. Município: 5.

Leia mais

Cadastro do Sistema /Solução Alternativa de Abastecimento de Água para Consumo Humano

Cadastro do Sistema /Solução Alternativa de Abastecimento de Água para Consumo Humano ANEXO I da Resolução SS 65 de 12 de maio de 2005 Cadastro do Sistema /Solução Alternativa de Abastecimento de Água para Consumo Humano Nome do Sistema/Solução Alternativa: Regional de Saúde: Município/UF:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Resolução SS 65, de 12 de Abril de 2005. ( Publicado no D.O.E de 13/04/2005, seção 1. pág. 18 ) Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao Controle e Vigilância da Qualidade da Água para

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

RELATÓRIO TÉCNICO DE CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS RELATÓRIO TÉCNICO DE CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1 / 15 I - INTRODUÇÃO: Empresa Responsável : PROJECONTROL Consultoria Empresarial e Serviços Ltda. Rua Princesa Isabel, nº 94-11 o Andar conjunto

Leia mais

Proyecto para la Protección Ambiental y Desarrollo Sostenible del Sistema Acuífero Guaraní

Proyecto para la Protección Ambiental y Desarrollo Sostenible del Sistema Acuífero Guaraní Proyecto para la Protección Ambiental y Desarrollo Sostenible del Sistema Acuífero Guaraní Projeto de Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável do Sistema Aquífero Guarani Environmental Protection

Leia mais

Departamento de Água e Esgoto

Departamento de Água e Esgoto RELATÓRIO DE QUALIDADE DA ÁGUA ANO DE REFERÊNCIA: 2.006 DECRETO FEDERAL Nº 5.440 DE 04 DE MAIO DE 2.005 Em cumprimento ao disposto no Decreto Federal nº 5.440/05 que estabelece os procedimentos para a

Leia mais

Relatório de Ensaios Nr: 8357 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Boletim Definitivo

Relatório de Ensaios Nr: 8357 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Boletim Definitivo Relatório de s Nr: 8357 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Escherichia coli 0 Número/0mL 0 Método Interno (PTM 4) (14-01-2011) Bactérias coliformes (coliformes totais) 0 Número/0mL 0 Método Interno (PTM 4) (14-01-2011)

Leia mais

MARCADORES ORGÂNICOS GEOQUÍMICOS : TENDÊNCIAS ATUAIS E PERSPECTIVAS EM ESTUDOS OCEANOGRÁFICOS E AMBIENTAIS

MARCADORES ORGÂNICOS GEOQUÍMICOS : TENDÊNCIAS ATUAIS E PERSPECTIVAS EM ESTUDOS OCEANOGRÁFICOS E AMBIENTAIS Simpósio sobre Oceanografia e Defesa Sanitária MARCADORES ORGÂNICOS GEOQUÍMICOS : TENDÊNCIAS ATUAIS E PERSPECTIVAS EM ESTUDOS OCEANOGRÁFICOS E AMBIENTAIS César de Castro Martins 1,2 1 Centro de Estudos

Leia mais

RESOLUÇÃO No- 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005

RESOLUÇÃO No- 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005 RESOLUÇÃO No- 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 357, de 17 de março de 2005 Publicada no DOU n o 53, de 18 de março de 2005, Seção 1, páginas 58-63

RESOLUÇÃO CONAMA nº 357, de 17 de março de 2005 Publicada no DOU n o 53, de 18 de março de 2005, Seção 1, páginas 58-63 Qualidade da água RESOLUÇÃO CONAMA nº 357 de 2005 RESOLUÇÃO CONAMA nº 357, de 17 de março de 2005 Publicada no DOU n o 53, de 18 de março de 2005, Seção 1, páginas 58-63 Correlações: Revoga a Resolução

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005

RESOLUÇÃO Nº 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005 RESOLUÇÃO Nº 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 45 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO TOMMASI ANALÍTICA LTDA ALIMENTOS E BEBIDAS ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL ENSAIOS BIOLÓGICOS Bactérias Mesófilas

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005*

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005* RESOLUÇÃO CONAMA Nº 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005* DOU 18-03-2005 *Retificação publicada no DOU 09/05/2005 Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento,

Leia mais

Art. 2º As empresas têm o prazo de 01 (um) ano a contar da data da publicação deste Regulamento para adequarem seus produtos.

Art. 2º As empresas têm o prazo de 01 (um) ano a contar da data da publicação deste Regulamento para adequarem seus produtos. RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 274, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 71 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ECOLABOR COMERCIAL CONSULTORIA E ANALISES LTDA ACREDITAÇÃO

Leia mais

PROJETO: Caracterização de Lodo de Estações de Tratamento de Esgotos Municipais RELATÓRIO TÉCNICO

PROJETO: Caracterização de Lodo de Estações de Tratamento de Esgotos Municipais RELATÓRIO TÉCNICO PROJETO: Caracterização de Lodo de Estações de Tratamento de Esgotos Municipais Contrato FEHIDRO nº 287/2005 CORHI 57 RELATÓRIO TÉCNICO CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA, MICROBIOLÓGICA, PARASITOLÓGICA E ECOTOXICOLÓGICA

Leia mais

c Lei nº , de , dispõe sobre as diretrizes nacionais para o saneamento básico, regulamentada pelo Dec. nº 7.217, de

c Lei nº , de , dispõe sobre as diretrizes nacionais para o saneamento básico, regulamentada pelo Dec. nº 7.217, de RESOLUÇÃO do CONAMA N o 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005 Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento

Leia mais