Sistema para Coleta de Sangue a Vácuo Utilizado para diagnóstico In Vitro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema para Coleta de Sangue a Vácuo Utilizado para diagnóstico In Vitro"

Transcrição

1 Sistema para Coleta de Sangue a Vácuo Utilizado para diagnóstico In Vitro PT-BRA Uso pretendido: Os Tubos, Adaptadores e Agulhas VACUETTE são utilizados em conjunto como um sistema para coleta de sangue venoso. Os tubos VACUETTE são utilizados para coletar, transportar, armazenar e processar sangue para testes em soro, plasma ou sangue total no laboratório clínico para uso profissional. Descrição do Produto: Os tubos VACUETTE são tubos de plástico com vácuo pré-definido para aspiração exata de volumes. Eles são providos de tampas de segurança VACUETTE codificadas por cores (ver tabela abaixo). Os tubos, concentrações dos aditivos, volumes dos aditivos líquidos, e suas tolerâncias permitidas, bem como a proporção de sangue-aditivo, estão de acordo com os requisitos e as recomendações do padrão internacional ISO 6710 (EN 14820) Single-use containers for venous blood specimen collection ( Recipientes Descartáveis para Coleta de Sangue Venoso ) e do Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI). A escolha do aditivo depende da metodologia do teste analítico. Este é especificado pelo fabricante dos reagentes de testes e/ou dos instrumentos nos quais os testes são realizados. O interior dos tubos é estéril. Código de Cores para Tampas de Segurança VACUETTE Descrição Cor da Tampa de Segurança Cor do Anel de Identificação Tubos sem Aditivo Z Sem aditivo Branca Tubos para Coagulação 9NC Citrato Sódico 3,2% 9NC Citrato Sódico 3,8% CTAD Tubos para Sorologia Z Ativador de coágulo Z Ativador de coágulo com gel Z Ativador de coágulo com esferas Tubos de Heparina LH Heparina Lítica LH Heparina Lítica com gel AH Heparina Amônica NH Heparina Sódica Tubos EDTA (hematologia) K2E K2EDTA (também imunohematologia) K3E K3EDTA (também imunohematologia) Tubos EDTA (biologia molecular e detecção e quantificação de carga viral) K2E K2EDTA K2E K2EDTA com gel Tubos para Glicemia FE Fluoreto de Sódio / EDTA (K2E / K3E) FX Fluoreto de Sódio / Oxalato de Potássio LH Heparina Lítica e Iodoacetato FH Fluoreto de Sódio / Heparina Sódica GLUCOMEDICS Tubos para Prova de Compatibilidade Cruzada Z Ativador de Coágulo K3E K3EDTA Tubos para Tipagem Sanguínea ACD-B ACD-A CPDA Tubos para Traços de Elementos NH Heparina Sódica Z Ativador de Coágulo Azul clara Azul clara Azul clara Rosa Rosa Azul escura Azul escura Tubos para VSG (IFU ) Tubo para Detecção de Homocisteína Solução Tamponada de Citrato de Sódio e Ácido Cítrico Branca (Tubos com tampas de anel branco referem-se a pequenos volumes de aspiração de 1ml ou 2ml).

2 Tubos para Coagulação VACUETTE e Tubos CTAD VACUETTE Os tubos para Coagulação VACUETTE são preenchidos com uma solução de citrato tri-sódico tamponado. Ambas concentrações de citrato 0,109mol/l (3,2%) ou 0,129mol/l (3,8%) estão disponíveis. A escolha da concentração depende da política do laboratório. A proporção de mistura é 1 parte de citrato pra 9 parte de sangue. Os tubos CTAD VACUETTE contêm além da solução de citrato tamponado, teofilina, adenosina e dipiridamol. Os tubos para Coagulação e CTAD são utilizados para testes de coagulação. Tubos para Sorologia VACUETTE Os tubos para Sorologia VACUETTE são revestidos com partículas de sílica micronizadas que ativam a coagulação quando os tubos são suavemente invertidos. Tubos para Sorologia com Gel VACUETTE contêm uma barreira de gel que está presente no fundo do tubo. A densidade específica deste material encontra-se entre a do sangue coagulado e a do soro. Durante a centrifugação a barreira de gel move-se para cima posicionando-se na interface entre o soro e o coágulo, onde forma uma barreira estável que separa o soro da fibrina e das células. O soro pode ser aspirado diretamente do tubo de coleta, eliminando a necessidade de transferência para outro recipiente. Tubos para Sorologia com Esferas VACUETTE contêm esferas de poliestireno que estão presentes no fundo do tubo. A densidade específica das esferas encontra-se entre a do sangue coagulado e a do soro. Durante a centrifugação as esferas movem-se para cima para formar uma camada entre o soro e o sangue coagulado. Os Tubos para Sorologia VACUETTE são utilizados para determinações em soro para testes bioquímicos de rotina, dosagens hormonais, sorologia, imunohematologia e TDM (monitoramento de drogas terapêuticas). TDMs foram parcialmente testadas em tubos de gel (para mais detalhes consultar estudos em Tubos de Heparina VACUETTE O interior da parede do tubo é revestido com heparina lítica, heparina amônica ou heparina sódica. O anticoagulante heparina ativa antitrombinas, bloqueando assim a cascata de coagulação e produzindo amostra de sangue total/ plasma tornando-o ideal para análises rápidas e análises de sangue de pacientes sob tratamento com anticoagulante. Tubos de Heparina Lítica com Gel VACUETTE contêm uma barreira de gel no tubo. A densidade deste material encontra-se entre a das células sanguíneas e a do plasma. Durante a centrifugação a barreira de gel move-se para cima proporcionando uma barreira estável separando o plasma das células. O plasma pode ser aspirado diretamente do tubo de coleta, eliminando a necessidade de transferência manual para outro recipiente. Os tubos de Heparina VACUETTE são usados para determinações de testes bioquímicos de rotina no plasma. Determinações de lítio não devem ser realizadas em Tubos de Heparina Lítica VACUETTE. Determinações de amônia não devem ser realizadas em Tubos de Heparina Amônica VACUETTE. Determinações de sódio não devem ser realizadas em Tubos de Heparina Sódica VACUETTE. Tubos de EDTA VACUETTE Tubos de EDTA K2 VACUETTE são utilizados para teste de hematologia em sangue total. Os tubos de EDTA podem também ser utilizados na rotina de testes de imunohematologia como por exemplo grupamento sanguíneo, tipagem de Rh e triagem de anticorpos, e teste de marcador viral em laboratórios de triagem e diagnósticos molecular. O interior da parede do tubo é revestido com EDTA K2 ou EDTA K3. O tubo também está disponível com solução líquida de EDTA 8%. O EDTA liga-se aos íons cálcio bloqueando assim a cascata de coagulação. As lâminas de esfregaço devem ser preparadas até 3 horas após a coleta do sangue. Os tubos de EDTA VACUETTE são usados para testes em sangue total em laboratórios clínicos de hematologia dentro de 24 horas a temperatura ambiente. Os tubos de EDTA K2 com Gel são usados para testes de diagnósticos moleculares e para detecção e quantificação de carga viral. Tubos para Glicemia VACUETTE Os Tubos para Glicemia VACUETTE estão disponíveis com diferentes aditivos. Os tubos contêm um anticoagulante e um estabilizador. EDTA e Fluoreto de Sódio / Oxalato de Potássio e Fluoreto de Sódio / Heparina Sódica e Fluoreto de Sódio / Heparina Lítica e Iodoacetato. Os tubos para Glicemia VACUETTE são adequados para as análises de glicose dentro de 48 horas. Consultar instruções do kit de teste para a escolha do tubo, especialmente para análises de lactato. Tubos GLUCOMEDICS VACUETTE Tubos GLUCOMEDICS VACUETTE são usados para estabilizar a concentração de glicose in vivo no sangue total/ ou plasma por até 24 horas imediatamente após a coleta de sangue. Tubos GLUCOMEDICS VACUETTE são estéreis, de uso único, tubos de plástico a vácuo com tampa de segurança VACUETTE contendo uma mistura de aditivo Na 2 EDTA, fluoreto de sódio, ácido cítrico e citrato de sódio. Os resultados devem ser multiplicados pelo fator

3 de 1,16 para compensar a diluição com o aditivo. Em alguns casos o fator pode estar sujeito a flutuações naturais e fisiológicas. Tubos para Provas de Compatibilidade Cruzada VACUETTE Os tubos para Provas de Compatibilidade Cruzada VACUETTE estão disponíveis em duas versões diferentes. Um tipo de tubo contém ativador de coágulo utilizado para fazer testes de prova de compatibilidade cruzada com soro, enquanto o outro tipo contém EDTA K3 e é utilizado para fazer testes de prova de compatibilidade cruzada com sangue total. O campo de aplicação é para provas de compatibilidade cruzada. Tubos para Tipagem Sanguínea VACUETTE Os tubos para Tipagem Sanguínea VACUETTE estão disponíveis em solução de ACD (Ácido Citrato Dextrose) em duas formulações (ACD-A ou ACD-B) ou com solução de CPDA (Citrato de Adenina Fosfato Dextrose). Os tubos para Tipagem Sanguínea VACUETTE são usados para testes de grupamento sanguíneo ou preservação de células. As células no interior dos tubos são estáveis durante o período da bolsa de sangue correspondente. (com ACD usualmente por 21 dias a 4ºC e CPDA por 35 dias a 4ºC). Tubos para Traços de Elementos VACUETTE Os tubos para Traços de Elementos VACUETTE contem heparina sódica ou ativador de coágulo e são usados para testes de traços de elementos. Limites máximo de contaminaçao dos Tubos para Traços de Elementos VACUETTE (ppb) Ag Prata < 1,0 *1 Mn Manganês < 1,0 *1 Al Alumínio < 2,6 Mo Molibdênio < 1,0 *1 As Arsênio < 1,0 *1 Ni Níquel < 1,0 *1 Ba Bário < 1,0 *1 Pb Chumbo < 0,2 *1 Be Berílio < 1,0 *1 Se Selênio < 1,0 *1 Bi Bismuto < 1,3 Sb Antimônio < 1,0 *1 Cd Cádmio < 0,2 *1 Sn Estanho < 1,0 *1 Cr Cromo < 1,0 *1 Te Tecnécio < 1,0 *1 Co Cobalto < 1,0 *1 Th Tório < 1,0 *1 Cu Cobre < 1,0 *1 Tl Tálio < 0,2 *1 Hg Mercúrio < 0,2 *1 U Urânio < 1,0 *1 I Iodo < 1,0 *1 Zn Zinco < 2,9 Li Lítio < 1,0 *1 *limite de detecção - ICP-MS Tubo para Detecção de Homocisteína VACUETTE Tubo para Detecção de Homocisteína VACUETTE contêm uma solução tamponada de citrato de sódio/ácido cítrico (ph=4,2) para estabilizar a homocisteína no sangue total. Durante a coleta de sangue garantir o completo preenchimento do tubo (até a marca de preenchimento). Inverter vagarpsamente os tubos de 5-10 vezes imediatamente após a coleta de sangue para obter uma mistura apropriada de aditivo e sangue. O resultado da análise de concentração de homocisteína deve ser multiplicado pelo fator 1,11 para compensar a diluição pelo citrato. Em alguns casos o fator pode estar sujeito a flutuações naturais e fisiológicas. Não adequado para métodos de teste enzimático. Avaliações de teste mostraram que não há sempre compatibilidade. Portanto, a compatibilidade do teste deve ser verificada antes do uso. Uma incompatibilidade poderia levar a resultados de teste errados ou inválidos. Para maiores detalhes visitar - seção tubos de homocisteína. Cuidados/Precauções VACUETTE 1. Não utilizar os tubos se algum material estranho estiver presente! 2. Manipular toda amostra biológica e os materiais perfurocortantes para coleta de sangue (lancetas, agulhas, adaptadores tipo luer, e escalpes) de acordo com as normas e procedimentos de sua instituição. 3. Obter atenção médica apropriada no caso de qualquer exposição a amostras biológicas (por exemplo, através de um ferimento por punção), uma vez que pode transmitir HIV (AIDS), Hepatite Viral, ou outros patógenos veiculados pelo sangue. 4. Descartar todos os materiais perfurocortantes de coleta de sangue em recipientes aprovados para este fim. 5. Não é recomendável transferir a amostra da seringa para o tubo. A manipulação adicional de materiais perfurocortantes aumenta o risco de ferimentos causados por agulhas. Além disso, empurrar o êmbolo da seringa durante a transferência pode criar uma pressão positiva, forçando o deslocamento da tampa e da amostra, ocasionando potencial exposição ao sangue. Usar a seringa para transferir o sangue também pode causar o preenchimento insuficiente ou excessivo dos tubos, resultando na proporção incorreta de sangue/aditivo e consequentemente resultado da análise incorreto.

4 6. Se o sangue for coletado através de um equipo intravenoso (IV), garantir que o equipo foi limpo de solução IV antes de começar o preenchimento do tubo de coleta. Isto é essencial para evitar dados laboratoriais errados, provenientes de contaminação do líquido IV. 7. Não utilizar tubos contendo iodoacetato de lítio se eles se tornarem revestidos com uma película amarela ao longo das paredes do tubo. 8. Todos os conservantes líquidos e anticoagulantes são claros e incolores (exceto tubos CPDA que contêm líquido amarelo claro). Não utilizar se estiverem descoloridos ou contendo precipitados. 9. Não utilizar os tubos após o prazo de validade. Armazenamento Armazenar os tubos entre 4-25ºC (40-77ºF). NOTA: Evitar exposição direta à luz solar. Excedendo a temperatura máxima de armazenamento pode levar à diminuição da qualidade do tubo (por exemplo: perda do vácuo, evaporação dos aditivos líquidos, coloração, etc). Limitação 1. Consultar as instruções de uso do equipamento de teste para informação do correto material de amostra, armazenamento e estabilidade. 2. O plasma em heparina deve ser separado das células dentro de 2 horas, seja por centrifugação dos tubos de gel ou por transferência do plasma para um recipiente secundário se o tubo de gel não for utilizado. 3. A compatibilidade do teste para Tubo para Detecção de Homocisteína VACUETTE não é garantida em todos os casos (por exemplo no caso de métodos enzimáticos). Favor verificar a compatibilidade antes do uso. Se não há compatibilidade do teste, poderia levar a resultado de análise falso ou inválido. Para mais detalhes visitar - seção tubos de homocisteína. 4. Algumas TDMs já tem sido testadas. Consultar estudos em 5. Determinação de Vitamina D3 por HPLC não pode ser realizada com todos tubos de gel sem algumas restrições. 6. Tubos para Sorologia comuns não são adequados para determinação de traços de elementos tais como Ag, Al, As, Ba, Be, Cd, Cr, Co, Cu, Hg, I, Li, Mn, Mo, Ni, Pb, Se, Sb, Sn, Te, Th, Tl, U, Zn. Coleta e Manipulação da Amostra LER TODO ESTE DOCUMENTO ANTES DE REALIZAR A VENIPUNÇÃO. Materiais Necessários para Coleta da Amostra Certificar-se que os seguintes materiais estão prontamente acessíveis antes de realizar a venipunção: 1. Todos os tubos necessários, identificados por tamanho, volume e aditivo. 2. Luvas descartáveis e equipamentos de proteção individual. 3. Etiquetas para identificação de amostras dos pacientes. 4. Agulhas para coleta de sangue e adaptadores. NOTA: As agulhas para coleta de sangue VACUETTE são projetadas para serem utilizadas com os adaptadores da Greiner Bio-One. O uso de adaptadores provenientes de outros fabricantes é de responsabilidade do usuário. 5. Algodão com álcool para antissepsia do local. 6. Torniquete. 7. Adesivo plástico ou bandagem. 8. Recipiente para descarte de materiais perfuro-cortantes para descarte seguro de materiais usados. Ordem de Coleta Recomendada (de acordo com padrão CLSI H3 - A6): 1. Cultura de sangue/ Tubo Sem Aditivo 2. Coagulação* 3. Soro com ou sem gel 4. Heparina com ou sem gel 5. EDTA 6. Glicose 7. Outros *Quando aspirado primeiro, deve ser usado apenas para exames de rotina; ex: TP e TTPA. NOTA: Em casos onde os tubos para cultura de sangue não são necessários, a GBO recomenda tubos sem aditivo. NOTA: Sempre siga o protocolo de sua instituição para ordem de coleta. Prevenção de Refluxo A maioria dos tubos para coleta de sangue contém aditivos químicos. Portanto, é importante evitar possíveis refluxos provenientes do tubo devido à possibilidade de reações adversas do paciente. Para prevenir o refluxo do tubo no braço do paciente, observe as seguintes precauções: 1. Posicionar o braço do paciente inclinado para baixo. 2. Segurar o tubo com a tampa voltada para cima.

5 3. Liberar o torniquete assim que o sangue começar a fluir para o interior do tubo. 4. Certificar-se que o conteúdo do tubo não tenha contato com a tampa ou com o final da agulha durante a venipunção. Congelamento / Descongelamento Todos os tubos com gel podem ser congelados até -70ºC por um curto prazo (por exemplo para transporte). É recomendado manter as amostras do refrigerador por 2 horas antes do congelamento. Congelar tubos de gel centrifugados na posição vertical em estantes de metal abertas a -20ºC por 2 horas. Os tubos podem permanecer a -20ºC ou ser transferidos para -70ºC. O descongelamento é recomendado a temperatura ambiente ou em refrigerador. Misturar a amostra completamente antes das análises. Para obter um plasma de heparina perfeitamente limpo, amostras descongeladas devem ser aliquotadas e centrifugadas. Para um armazenamento a longo prazo é recomendado utilizar frascos criogênicos. É recomendado que os usuários estabeleçam seus próprios protocolos de congelamento. Alta Altitude Para coleta em Alta Altitude (1500m/5000ft) recomendamos tubos de alta altitude. O vácuo nestes tubos compensa a menor pressão externa. Técnicas de Venipunção UTILIZAR LUVAS DURANTE A VENIPUNÇÃO E QUANDO MANIPULAR TUBOS PARA COLETA DE SANGUE PARA MINIMIZAR O RISCO DE EXPOSIÇÃO. 1. Selecionar tubo ou tubos apropriados para a amostra requerida. 2. Remover a tampa que recobre a porção da válvula da agulha. 3. Rosquear a agulha ao adaptador. Certificar-se que a agulha está firmemente encaixada para assegurar-se de que a agulha não desrosqueie durante o uso. 4. Aplicar o torniquete (máx. 1 minuto). 5. Preparar o local da venipunção com anti-séptico apropriado. NÃO APALPAR A ÁREA DE VENIPUNÇÃO APÓS A ANTISSEPSIA. 6. Posicionar o braço do paciente inclinado para baixo. 7. Remover a capa protetora da agulha. Realizar a venipunção COM O BRAÇO INCLINADO PARA BAIXO E A TAMPA DO TUBO O MAIS ALTO POSSÍVEL. 8. Empurrar o tubo no adaptador para que a agulha perfure o diafragma de borracha. Centralizar o tubo no adaptador quando penetrar a tampa para prevenir a penetração na parede lateral e subsequente perda prematura de vácuo. 9. REMOVER O TORNIQUETE ASSIM QUE O SANGUE APARECER NO TUBO. NÃO PERMITIR QUE O CONTEÚDO DO TUBO ENTRE EM CONTATO COM A TAMPA OU COM O FINAL DA AGULHA DURANTE O PROCEDIMENTO. Sempre segurar no lugar pressionando com o polegar para garantir o preenchimento completo do tubo. NOTA: O sangue pode ocasionalmente extravasar da capa de borracha da agulha. Praticar as precauções de segurança universais para minimizar exposição ao perigo. Se o sangue não fluir no interior do tubo ou se o fluxo de sangue cessar antes da amostra adequada ser coletada, os seguintes passos são sugeridos para completar satisfatoriamente a coleta: a) Empurrar o tubo para frente até que a tampa seja perfurada. Sempre segurar no local pressionando o tubo com o polegar para garantir o preenchimento completo do tubo. b) Confirmar o correto posicionamento da agulha na veia. c) Se o sangue ainda não fluir, remover o tubo e colocar um novo tubo no adaptador. d) Se um segundo tubo não preencher, remova agulha e descartar. Repetir o procedimento a partir do item Quando o primeiro tubo estiver preenchido e o fluxo do sangue cessar, removê-lo suavemente do adaptador. 11. Colocar os tubos sucessivamente no adaptador, perfurando o diafragma para começar a fluir. Preencher os tubos sem aditivos antes dos tubos com aditivos. Ver Ordem de Coleta recomendada. 12. Inverter suavemente os tubos imediatamente após a coleta do sangue para obter a homogeneização apropriada do aditivo e do sangue. Virar o tubo preenchido de cabeça para baixo e retorne-o à posição vertical. Esta é uma inversão completa. NOTA: Não agitar os tubos. A agitação vigorosa pode causar espuma ou hemólise. A homogeneização insuficiente ou demorada dos tubos de sorologia pode resultar na demora da coagulação. Nos tubos com anticoagulante, a homogeneização inadequada pode resultar em agregação plaquetária, coágulos e/ou resultados de testes incorretos. 13. Assim que o sangue parar de fluir para o interior no último tubo, remover a agulha da veia pressionando o local da punção com um algodão seco até o sangramento parar. Uma vez ocorrida a coagulação, aplicar a bandagem se desejado. NOTA: Após a venipunção, a parte superior da tampa pode conter sangue residual. Adotar precauções apropriadas quando manipular tubos para evitar contato com este sangue. Todo adaptador de agulha que se torna contaminado com sangue é considerado perigoso e deve ser descartado imediatamente.

6 14. Descartar a agulha utilizada como adaptador em dispositivo apropriado de descarte. NÃO REENCAPAR. A reencapagem de agulhas aumenta o risco de ferimento e exposição ao sangue. É responsabilidade final do laboratório, verificar que uma mudança de um tubo para outro, não afeta significativamente os resultados analíticos obtidos nas amostras dos pacientes. NOTA: Mantenha os tubos, especialmente para sorologia, na posição vertical. Centrifugação Certificar-se que os tubos estão corretamente colocados no suporte da centrífuga; a colocação incorreta pode resultar na separação da Tampa de Segurança VACUETTE do tubo. NOTA: Os tubos para Sorologia VACUETTE não devem ser centrifugados nos primeiros 30 minutos após a coleta de sangue para minimizar a formação de fibrina no soro. Isto poderia levar a contaminação do analisador e a resultados errôneos. Sangue de pacientes sob tratamento com anticoagulantes ou pacientes com distúrbios de coagulação podem precisar mais de 30 minutos para coagular. Os tubos de soros devem estar totalmente coagulados antes da centrifugação. Tipo de Tubo Inversões (mistura) Força g Recomendada força centrífuga relativa (rcf) Tempo [min] Tubo para Sorologia VACUETTE / com Gel / com Esferas Tubo EDTA VACUETTE / com Gel g x Tubo de Heparina VACUETTE / com Gel Tubos para Glicemia VACUETTE Tubo para Detecção de Homocisteína VACUETTE 2000g 2200 g 10 Tubo para Coagulação VACUETTE - Testes plaquetários (plasma rico em plaquetas) 150g 5 - Testes de rotina (plasma pobre em plaquetas) g x - Preparo para congelamento de plasma g 20 (plasma livre de plaquetas) Outras configurações de centrifugação podem também proporcionar separação aceitável. Tubos de plasma devem idealmente ser centrifugados a força-g alta (por exemplo 2200g). Isto deve ser avaliado e validado pelo laboratório (por exemplo Força-g aumentada e/ ou tempo reduzido). As barreiras são mais estáveis quando os tubos são centrifugados em centrífugas com rotores horizontais móveis ao invés de centrífugas com rotores de ângulo fixo. Se a movimentação do gel é ocasionalmente inadequada (especialmente devido à hematócrito >50%), é recomendado utilizar um força-g maior e tempo de centrifugação mais longo. A centrifugação deve ser feita em centrífuga refrigerada. Altas temperaturas podem ter efeitos negativos nas propriedades físicas do gel. A obtenção de soro ou plasma é ideal entre 20ºC - 22ºC. NOTA: Tubos com gel separador devem ser centrifugados até 2 horas após a coleta. O contato prolongado das células do sangue com o soro ou o plasma, pode levar a resultados de análises errôneos, consequentemente a centrifugação mais cedo pode ser necessária dependendo do analito. Não é recomendada a recentrifugação dos tubos quando a barreira de gel já estiver formada.os detritos por baixo do gel podem contaminar o sobrenadante. Tampas VACUETTE O sistema para coleta de sangue VACUETTE possui um design exclusivo de tampa de segurança para minimizar a formação de aerossol. Há dois tipos diferentes de sistemas de fechamento disponíveis dependendo do tamanho do tubo: 13mm: Tubos Premium e sem aresta Tubos Premium são providos de Tampa de Segurança com Rosca VACUETTE. Remover a tampa do tubo girandoa em sentido anti-horário. A tampa não pode ser removida com um simples movimento de puxar. Tubos sem aresta são providos de Tampa de Segurança com Rosca VACUETTE. Entretanto, por causa da ausência das arestas do tubo, a tampa pode ser removida com um simples movimento de puxar. 16mm: Tampa de segurança com pressão VACUETTE - Remover a tampa do tubo com um simples movimento de puxar. Tampa de Fechamento Especial feita apenas de PE estão disponíveis para reencapar os tubos para armazenamento.

7 Descarte 1. As normas gerais de higiene e as regulamentações legais para o descarte apropriado de material infectante devem ser consideradas e seguidas. 2. Luvas descartáveis previnem o risco de contaminação. 3. Tubos de coleta de sangue preenchidos ou contaminados devem ser descartados em recipiente apropriado para material de risco biológico, os quais possam ser autoclavados e incinerados posteriormente. 4. A eliminação deve ocorrer em uma unidade de incineração apropriada ou por meio de esterilização em autoclave (esterilização a vapor). Informações da Etiqueta: Número do Item Número do LOTE Data de Validade: Utilizar até o final do mês indicado Esterilização por irradiação Não reutilizar Representante Autorizado na União Européia Produto para Diagnóstico in vitro Consultar Instruções de Uso Fabricante Limite de Temperatura Referências: Padrões ISO/EN/ANSI/AAMI ISO 6710 Recipientes Descartáveis para Coleta de Amostras de Sangue Venoso. EN 14820:2004 Recipientes Descartáveis para Coleta de Amostras de Sangue Venoso Humano ANSI/AAMI/ISO Esterilização de Produtos de Saúde - Requerimentos para Validação de Controle de Rotina - Esterilização por radiação. Literatura: H1- A6 Tubos a Vácuo e Aditivos para Coleta de Sangue - 6ª Edição ; Padrão Aprovado. H3 A6 Procedimentos de Coleta Diagnóstico de Amostra de Sangue por Venipunção ; Padrão Aprovado -6ª Edição. H21 A5 Coleta, Transporte e Processamento de Amostra de Sangue para Testes de Coagulação e Performance de ensaios de Coagulação ; Padrões Aprovados - 5ª Edição. H20-A2 Reference Leukocyte Differential Count (Proportional) and Evaluation of Instrumental Methods; Approved Standard 2ª Edição. H26-A2 Performance Goals for the Internal Quality Control of Multichannel Hematology Analyzers; Approved Standard 2ª Edição. Fabricante de Lote específico; Consultar o rótulo da embalagem Greiner Bio-One GmbH Bad Hallerstr Kremsmünster Austria Importador e Distribuidor: Greiner Bio-One Brasil Produtos Médicos Hospitalares Ltda. Av. Affonso Pansan, Vila Bertini - CEP Americana - SP FONE (0xx19) FAX (0xx19) CNPJ / Responsável Técnico: Dra. Maria Gabriela Bazanelli - CRF-SP n Cadastro na ANVISA: Vacuette tubo para coleta de sangue a vácuo em vidro para VSG Vacuette tubo para coleta de sangue a vácuo com Anticoagulante Vacuette tubo para coleta de sangue a vácuo para Sorologia Vacuette tubo para coleta de sangue a vácuo (Sem Aditivo) Produto de uso único, descartar após o uso Lote: vide embalagem - Data de Validade: vide embalagem

Sistema de colheita de sangue por vácuo Utilizado para diagnóstico in vitro

Sistema de colheita de sangue por vácuo Utilizado para diagnóstico in vitro Sistema de colheita de sangue por vácuo Utilizado para diagnóstico in vitro PT Utilização prevista: Os tubos, adaptadores e agulhas VACUETTE para colheita de sangue são utilizados como um sistema de colheita

Leia mais

Catálogo de Produtos Linha Pré-Analítica. www.gbo.com/preanalytics

Catálogo de Produtos Linha Pré-Analítica. www.gbo.com/preanalytics Catálogo de Produtos Linha Pré-Analítica Índice Bem vindo a Greiner Bio-One Pré-Analítica 4 VACUETTE um passo à frente 6 O Sistema VACUETTE 8 Linha de Produtos VACUETTE 10 Tubos para Coleta de Sangue VACUETTE

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

ANTI IgG (Soro de Coombs)

ANTI IgG (Soro de Coombs) ANTI IgG (Soro de Coombs) Soro Anti Gamaglobulinas Humanas PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar

Leia mais

Coleta de material biológico

Coleta de material biológico Coleta de material biológico Coleta de Material Biológico Este manual provê informações para todos os profissionais envolvidos com a coleta de sangue, dando orientações que possam minimizar as dificuldades,

Leia mais

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS Diretrizes para coleta da amostra As análises laboratoriais e seus resultados dependem da coleta adequada da amostra, como também, do armazenamento e transporte apropriados até o laboratório. A equipe

Leia mais

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB ANTI-A ANTI-B ANTI-AB Monoclonal Murino IgM PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagentes para classificação do sistema sangüíneo ABO PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO

Leia mais

Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes

Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes Keicia Moreira Pinto Instituto Nacional do Câncer Hospital do Câncer I Serviço de Hemoterapia Setor de Fracionamento e Expedição de Hemocomponentes

Leia mais

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea ENVIO DE AMOSTRAS Os requerimentos específicos para cada exame são fornecidos na lista alfabética da Tabela de Diretório de Exames Online. Para cada exame, são descritos o tipo de amostra, volumes mínimos,

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF POP n.º: B93 Página 1 de 7 1. Sinonímia: GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação do

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO PROCESSAMENTO Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Recursos Humanos Nível Sim Não NA 1.1. RH qualificado/capacitado

Leia mais

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml ScanGel ScanBrom 86445 12 ml BROMELINA PARA TESTE DE COMPATIBILIDADE IVD Todos os produtos fabricados e comercializados pela empresa Bio-Rad são submetidos a um sistema de garantia de qualidade, desde

Leia mais

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano)

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagente para classificação do fator Rh PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO Conservar entre: 2-8

Leia mais

Determinação quantitativa in vitro da atividade catalítica da CKMB em soro e plasma humano.

Determinação quantitativa in vitro da atividade catalítica da CKMB em soro e plasma humano. POP n.º: B07 Página 1 de 5 1. Sinonímia: CKMB, MB. Mnemônico: MB 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro da atividade

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

Daniel Gala Susana Ribeiro. Curso Fase Pré-Analítica

Daniel Gala Susana Ribeiro. Curso Fase Pré-Analítica Daniel Gala Susana Ribeiro Curso Fase Pré-Analítica Recolha, Preservação e Transporte de Amostras Biológicas Fases nas análises Clínicas: Fase pré-analítica Boas Práticas na extracção Factores de variação

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

Plásticos para Cultivo Celular

Plásticos para Cultivo Celular Linha Cultivo de Células e Tecidos Fabricada em poliestireno cristal virgem (GPPS), oferece produtos com alta transparência para ótima visualização e sem presença de contaminantes, assegurando integridade

Leia mais

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Pontos em que a expedição da UnB participou do processo de coleta de água e sedimento entre os dias

Leia mais

Determinação quantitativa in vitro do hormônio luteinizante em soro ou plasma humano.

Determinação quantitativa in vitro do hormônio luteinizante em soro ou plasma humano. POP n.º: B44 Página 1 de 6 1. Sinonímia:, HORMÔNIO LUTEINIZANTE. Mnemônico: 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro do

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

Informação para encomenda Sistemas de Coleta de Sangue

Informação para encomenda Sistemas de Coleta de Sangue Informação para encomenda Sistemas de Coleta de Sangue S-Monovette Preparação Encomenda n.º Volume Comprimento / Ø Unidade de venda / Empacotamento secundário S-Monovette Preparação Encomenda n.º Volume

Leia mais

Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO

Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO Para Utilizar no Diagnóstico In Vitro PI-TT.610-PT-V5 Informação sobre o produto

Leia mais

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo Anti HBc Ref. 414 Sistema para a determinação qualitativa de anticorpos totais contra o antígeno core do vírus da hepatite B (anti-hbc) em soro ou plasma. ELISA - Competição PREPARO DA SOLUÇÃO DE LAVAGEM

Leia mais

Excipientes: albumina humana, cloreto de sódio, cloridrato de arginina, citrato de sódio.

Excipientes: albumina humana, cloreto de sódio, cloridrato de arginina, citrato de sódio. Haemocomplettan P fibrinogênio APRESENTAÇÃO Haemocomplettan P 1g: embalagem contendo 1 frasco-ampola com 1 g de pó liofilizado para solução injetável e infusão. VIA INTRAVENOSA USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras Dispositivo Médico para Diagnóstico In vitro Nome Mandatário Fabricante Distribuidor Tipo de Teste Teste rápido. OraQuick ADVANCE /2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos /2 Aplicação Diagnóstica

Leia mais

reconstituição (UI / ml)

reconstituição (UI / ml) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Beriplex P/N concentrado de complexo protrombínico APRESENTAÇÃO Beriplex P/N 500 UI: embalagem contendo 1 frasco-ampola com pó liofilizado para solução injetável, 1 frasco-ampola

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS 1. Sinonímia VIDAS DUO 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica POP n.º: I 56 Página 1 de 7 O vírus da imunodeficiência humana () é um retrovírus RNA, transmitido

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PÁGINA: 1/5 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: BIOCLEANER CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO: 0120/5521 NOME DO FABRICANTE: BIOCHEMICAL PRODUTOS QUIMICOS LTDA ENDEREÇO: RUA: PAPA SÃO

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015 Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central de Saúde Pública- IPB-LACEN/RS SEÇÃO DE VIROLOGIA - LABORATÓRIO DE VÍRUS RESPIRATÓRIOS INVESTIGAÇÃO DA INFLUENZA

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: FOSFATO DE CÁLCIO MONOBÁSICO H 2O - Código interno de identificação do produto: F1027 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios

Leia mais

Sistema Accu-Chek Inform II Glicemia Profissional para Hospitais

Sistema Accu-Chek Inform II Glicemia Profissional para Hospitais Sistema Accu-Chek Inform II Glicemia Profissional para Hospitais Sistema Accu-Chek Inform II Controle em tempo real Leitor de código de barras integrado Leitura avançado do código de barras com confirmação

Leia mais

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS CARDS CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS Os cartões para extração Biopur proporcionam uma coleta simples, confiável e eficiente, garantindo a preservação de ácidos nucleicos a longo prazo. São ideais para o

Leia mais

PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit

PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit Instruções para o médico Para uso em diagnóstico in vitro. Exclusivamente para exportação dos EUA. Instruções 1. Pode ser útil pedir ao paciente que beba uma

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B35 Página 1 de 6 1. Sinonímia: FOLATO Mnemônico: FOL 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro do Ácido Fólico

Leia mais

Descritivo de Produtos

Descritivo de Produtos Descritivo de Produtos Tubos sem Anticoagulante Pg 02 Tubos com Gel Separador Pg 03 Tubos EDTA...Pg 04 Tubos Heparina Pg 05 Tubos Citrato de Sódio Pg 06 Tubos Fluoreto de Sódio Pg 06 Tubos Especiais Pg

Leia mais

CONCEITO Consiste na coleta de sangue venoso através de uma veia periférica, utilizando agulha ou cateter tipo escalpe e seringa descartável.

CONCEITO Consiste na coleta de sangue venoso através de uma veia periférica, utilizando agulha ou cateter tipo escalpe e seringa descartável. Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na coleta de sangue venoso através de uma veia periférica, utilizando agulha ou cateter tipo escalpe e seringa descartável. FINALIDADE Determinar compatibilidade de

Leia mais

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) LIMPA VIDROS MARANSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA:

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) LIMPA VIDROS MARANSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1 Nome Comercial: Limpa Vidros Maranso 1.2 Código de Venda: 016 1.3 Nome do Fabricante: QOB MATERIAIS DOMISSANEANTES LTDA EPP Rua Ministro Joaquim Antunes, S/N

Leia mais

SOP.BIO.001 PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL

SOP.BIO.001 PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE PROCESSAMENTO DE SANGUE Responsável(is): -Joana Batuca ELABORADO: -Joana Batuca APROVADO: Sérgio Dias 16-05-2014 Pag. 1/5 PROCESSAMENTO DE SANGUE ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. INFORMAÇÃO

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ 1.IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Page 1-6 Nome do Produto: Código Interno: GS-60, GS-500, E-700GS, T-800GSA, GS-1000, GS-1900, T-5000GSA Fornecedor: Trilha Indústria e Comércio Ltda. Av. Jornalista

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B111 Página 1 de 8 1. Sinonímina: Eletroforese de Hemoglobina em ph ácido. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de Bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação Clínica: A eletroforese de hemoglobina

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS Versão atual: 05 Código: PHEsp-03 Paginação: 1 de 11 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 05/06/04

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da Demanda Química de Oxigênio pelo método colorimétrico com refluxo fechado

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da Demanda Química de Oxigênio pelo método colorimétrico com refluxo fechado ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 9 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BASF S.A. Laboratorio Central de Controle de Qualidade

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana APRESENTAÇÃO Alburex 20: embalagem contendo 1 frasco-ampola com 50 ml de solução hiperoncótica de albumina humana para infusão (20%). VIA INTRAVENOSA

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ FISQP n o 24 15/11/10 Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Contato/emergência: Centro de Atendimento Toxicológico do Espírito Santo (Toxcen-ES) Telefone: 0800-283-9904

Leia mais

Apresentação. O Laboratório Imunolab elaborou o presente manual com a finalidade de oferecer

Apresentação. O Laboratório Imunolab elaborou o presente manual com a finalidade de oferecer Apresentação O Laboratório Imunolab elaborou o presente manual com a finalidade de oferecer informações e orien tações sobre os serviços prestados, para que nossos Clientes possam utilizá-los de maneira

Leia mais

AGULHA GENGIVAL PROCARE

AGULHA GENGIVAL PROCARE INSTRUÇÕES DE USO AGULHA GENGIVAL PROCARE Fabricante: Xuyi Webest Medical Produtcts Co.Ltd Endereço: Yingchun Rd, Industrial Park, Xuyi, Jiangsu País: Republica Popular da China Importador: Lamedid Comercial

Leia mais

Aspectos gerais sobre preparo de amostras. Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br

Aspectos gerais sobre preparo de amostras. Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br Aspectos gerais sobre preparo de amostras Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br Técnicas Espectroanalíticas - FAAS - GFAAS - ICP OES - ICP-MS - Aspecto comum: amostras são usualmente introduzidas como soluções

Leia mais

Procedimentos de montagem e instalação

Procedimentos de montagem e instalação Procedimentos de montagem e instalação das cápsulas filtrantes Pall Supracap 100 1. Introdução Os procedimentos abaixo devem ser seguidos para a instalação das cápsulas Pall Supracap 100. As instruções

Leia mais

Elaborado por: Antônio do Amaral Batista Revisado por: Lilia Maria Razzolini Aprovado por: Andréa Cauduro de Castro

Elaborado por: Antônio do Amaral Batista Revisado por: Lilia Maria Razzolini Aprovado por: Andréa Cauduro de Castro POPE: B04 Página 1 de 7 1. Identificação do equipamento: 1.1 Nome: Analisador para eletroforese capilar automatizada. 1.2 Modelo: Capillarys Flex Piercing / SEBIA. 1.3 Número de série: Equipamento 5: SN

Leia mais

Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes

Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes III Oficina HEMOBRÁS Controle de Qualidade no Serviço de Hemoterapia Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes Martha Cristina Dicencia Centro de Hematologia e Hemoterapia da UNICAMP

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DO PRODUTO Data: 01.12.98

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DO PRODUTO Data: 01.12.98 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DO PRODUTO Data: 01.12.98 1. Identificação do Produto / Reagente e da empresa Nome Comercial do Produto: Microalbumin Standard Series Número do Catálogo: MAL/STS-5X1 Fabricante:

Leia mais

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh.

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 1/7 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 2. NOME DO TESTE E SINONÍMIAS Grupo Sanguíneo,

Leia mais

SABONETE LÍQUIDO NEUTRO

SABONETE LÍQUIDO NEUTRO SABONETE LÍQUIDO NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Fornecedor: SABONETE LÍQUIDO NEUTRO Bluecare do Brasil Indústria e Comércio Ltda. CNPJ.: 94.003.753/0001-02 Endereço: Rua

Leia mais

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando:

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando: título: Portaria nº 27, de 18 de março de 1996 ementa não oficial: Aprova o regulamento técnico sobre embalagens e equipamentos de vidro e cerâmica em contato com alimentos, conforme Anexo da presente

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora TESTE DE ANTIGLOBULINA E SUA APLICAÇÃO EM LABORATÓRIOS Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço de Hemoterapia

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

L IE CATÁLOGO DE PRODUTOS

L IE CATÁLOGO DE PRODUTOS L IE CATÁLOGO DE PRODUTOS L IE Linha de produtos fabricados em material de alta transparência, em sala limpa escala 100,000, de acordo com as normas ISO 9001 e ISO 13485:2003/AC:2007, certificados como

Leia mais

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA.

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. Hepatites B e C são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. heto hepatite manucure.indd 1 Faça sua parte. Não deixe as hepatites virais frequentarem seu salão.

Leia mais

Preparo para Exames Laboratoriais

Preparo para Exames Laboratoriais Preparo para Exames Laboratoriais Seção: Bioquímica 1) Dosagem de Colesterol 1.1) Dosagem de colesterol (sangue) :Dosagem de Colesterol Total 2.1) Permanecer em jejum, à exceção de água, durante 12 a 14

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMFOS 700 A Código do produto: CF700A Página 1 de 5

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMFOS 700 A Código do produto: CF700A Página 1 de 5 Código do produto: CF700A Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código do produto: Aplicação: Fornecedor: CF700A Telefone de emergência: (19) 3864-6000 FOSFATO ÁCIDO DE

Leia mais

MÓDULO II- Referenciado

MÓDULO II- Referenciado MÓDULO - Referenciado CAPTAÇÃO, RECEPÇÃO/REGSTRO, TRAGEM CLÍNCA E COLETA 1. Captação de Doadores 1.1. Recursos Humanos Nível Sim Não 1.1.1. Pessoal qualificado/capacitado. (RDC 34/, Art. 19) 1.1.2. Supervisão

Leia mais

1) Escreva seu número de inscrição no espaço a seguir:

1) Escreva seu número de inscrição no espaço a seguir: 1) Escreva seu número de inscrição no espaço a seguir: 2) Este caderno contém 30 questões de múltipla escolha, assim distribuídas: Conhecimentos Específicos 01 a 20 e Conhecimento Geral de Língua Portuguesa

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos 01 Identificação do produto e da Empresa Nome do Natureza Química: Produto Germicida e Bactericida Autorização de Funcionamento / MS Nº: 3.04500.8 Produto Notificado ANVISA/MS Nº: 0687370137 Data da Publicação

Leia mais

Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC, bem como equipe médica do Serviço de Hematologia do HNSC.

Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC, bem como equipe médica do Serviço de Hematologia do HNSC. POP: H-20 Página 1 de 6 1. Sinonímia: Reação de Perls. Mnemônico: PFE 2. Aplicabilidade: Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC, bem como equipe médica do Serviço de

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO CARTUCHO-BULA. CLEARLENS SOLUÇÃO CONSERVADORA Solução Conservadora para Lentes de Contato

INSTRUÇÕES DE USO CARTUCHO-BULA. CLEARLENS SOLUÇÃO CONSERVADORA Solução Conservadora para Lentes de Contato INSTRUÇÕES DE USO CARTUCHO-BULA CLEARLENS SOLUÇÃO CONSERVADORA DESCRIÇÃO: CLEARLENS Solução Conservadora tem ação de desinfetar e conservar as lentes de contato sem irritar os olhos. Elimina microorganismos

Leia mais

ALTERAÇÕES NO HEMOGRAMA DE CÃES CAUSADAS PELA REFRIGERAÇÃO DA AMOSTRA

ALTERAÇÕES NO HEMOGRAMA DE CÃES CAUSADAS PELA REFRIGERAÇÃO DA AMOSTRA REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores. Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança.

Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores. Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança. Humira Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança. Mantenha o medicamento no frigorífico (a uma temperatura entre

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto;

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto; PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE MACEIÓ DIRETORIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÄNCIA SANITÁRIA INSPETORIA DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL ORIENTAÇÕES GERAIS

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

ASPY. Micropipetas Mecânicas. Manual de Operação

ASPY. Micropipetas Mecânicas. Manual de Operação ASPY Micropipetas Mecânicas Manual de Operação ÍNDICE 1. As Pipetas Aspy 3 2. Seleção de Volume (Controladores Variáveis) 3 3. Controlador de Volume Fixo 4 4. Operação 4 5. Ejeção da Ponteira 4 6. Antes

Leia mais

NOME COMERCIAL: APLIC SERINGA DESCARTÁVEL RETRÁTIL COM AGULHA

NOME COMERCIAL: APLIC SERINGA DESCARTÁVEL RETRÁTIL COM AGULHA NOME COMERCIAL: APLIC SERINGA DESCARTÁVEL RETRÁTIL COM AGULHA 1.1. Descrição detalhada do produto médico, incluindo os fundamentos de seu funcionamento e sua ação: A Aplic Seringa Descartável Retrátil

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

Fluimare HT cloreto de sódio 3%

Fluimare HT cloreto de sódio 3% Fluimare HT cloreto de sódio 3% Forma farmacêutica e apresentações Solução nasal estéril, hipertônica de cloreto de sódio. Frascos de 50 ml com válvula pump (micronebulizador). USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Informe Técnico - Vigilância de Primatas não humanos

Informe Técnico - Vigilância de Primatas não humanos SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS SUPRINTENDÊNCIA DE EPIDEMIOLOGIA GERÊNCIA DE VIGILÃNCIA AMBIENTAL COORDENADORIA DE CONTROLE DE ZOONOSES Informe Técnico - Vigilância de Primatas não humanos

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome do Fabricante: CEVAC S Gallinarum CNN Laboratório Veterinário Ltda Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Nome do Distribuidor

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO 1. Sinonímia: POP n.º: B21 Página 1 de 12 GRUPO SANGÜÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: AB 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HF. 3. Aplicação clínica: Determinação do grupo

Leia mais

SARSTEDT AMOSTRAGEM, CENTRIFUGAÇÃO TRANSPORTE FECHADO. O aumento de enfermidades infecciosas se faz indispensável proteção pessoal VERSÁTIL SEGURO

SARSTEDT AMOSTRAGEM, CENTRIFUGAÇÃO TRANSPORTE FECHADO. O aumento de enfermidades infecciosas se faz indispensável proteção pessoal VERSÁTIL SEGURO AMOSTRAGEM, CENTRIFUGAÇÃO E TRANSPORTE SARSTEDT OBTENÇÃO DA AMOSTRA O aumento de enfermidades infecciosas se faz indispensável a proteção pessoal FECHADO VERSÁTIL SEGURO RISCOS: RISCOS: EFEITO AEROSSOL

Leia mais

Solução Glicofisiológica

Solução Glicofisiológica Solução Glicofisiológica Solução injetável cloreto de sódio + glicose 9 mg/ml + 50 mg/ml 1 Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável MODELO DE BULA Solução Glicofisiológica cloreto de sódio

Leia mais

Resolução Estadual nº 05, de 1988

Resolução Estadual nº 05, de 1988 Resolução Estadual nº 05, de 1988 ASSUNTO: Aprovação da Norma Técnica Especial (NTE) relativa ao Controle de Transfusão de Sangue em Estabelecimentos Hospitalares e Afins. DATA DE ENTRADA EM VIGOR: REVOGAÇÃO:

Leia mais

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO.

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. Márcia Cristina O Pereira Enfermeira encarregada da central de material esterilizado HMSL. Especialista em CC, CME, RA USP Mestrado em saúde do adulto - USP FINALIDADE DA

Leia mais

Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS

Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS Os estojos autoclaváveis são usados para acondicionamento, guarda e garantir a esterilização segura na autoclavagem. Foram desenvolvidos em materiais que suportam

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página: 1 de 5 FISPQ Nº: 037 Data da última revisão: 26/10/2010 Nome do Produto: Betugrout 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Betugrout Código do Produto: 026050025. Nome da Empresa:

Leia mais

Guia prático para coleta de sangue.

Guia prático para coleta de sangue. Revisão 01 Uso exclusivo Vacuette do Brasil Rua Clodomiro Franco de Andrade Jr., 125 13035-481 - Jd. do Trevo - Campinas - SP Tel.: (19) 3272.8700 Fax: (19) 3272.5666 www.vacuette.com.br Anotações 26

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

DATA DE APROVAÇÃO: 23/10/2015

DATA DE APROVAÇÃO: 23/10/2015 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O Trichomonas vaginalis é um parasita flagelado e é o agente causador da tricomoníase. Existe em apenas em uma única forma (trofozoíto), que é simultaneamente infecciosa

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES Período da Inspeção: / / a / / Tipo de serviço REMETENTE: ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel

Leia mais

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco-

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco- Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco Maio 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. AVALIAÇÃO HIDROQUÍMICA... 3 3. CONCLUSÕES... 6 FIGURAS 2.1 PONTO DE COLETA RIO JOANES:

Leia mais

* Verificar item 9 Preparo dos Reagentes e item 8 - Reagentes e Equipamentos necessários, mas não fornecidos.

* Verificar item 9 Preparo dos Reagentes e item 8 - Reagentes e Equipamentos necessários, mas não fornecidos. KIT DE EXTRAÇÃO MINI VAC AUTOMAÇÃO DE 96 AMOSTRAS Instruções de Uso 1. USO PRETENDIDO O BIOPUR Kit de Extração Mini VAC Automação 96 Amostras é a ferramenta ideal para extração automática rápida e confiável

Leia mais