MANUAL DO ACADÊMICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DO ACADÊMICO 2015 2"

Transcrição

1

2 MANUAL DO ACADÊMICO

3 SUMÁRIO 1. Palavra do Diretor Geral Missão e Objetivos da Instituição Missão Objetivos Corpo Administrativo Apuração do Rendimento Acadêmico Da Avaliação do Rendimento Acadêmico Regime Disciplinar do Corpo Discente Direitos e Deveres do Acadêmico Pró-diretorias Pró-diretoria de Supervisão Institucional PRODISI Pró-diretoria Administrativa PROAD Pró-diretoria de Ensino de Graduação PRODEG Pró-diretoria de Pesquisa e Pós-graduação Stricto sensu PROPESP Pró-diretoria de Atividades Complementares e Extensão PRODACE Pró-diretoria de Estágios PRODEST Pró-diretoria de Responsabilidade Social PRODERES Pró-diretoria de Desenvolvimento Pedagógico Institucional PRODI Pró-diretoria de Inovação Pedagógica PRODIPE Pró-diretoria de Pós-Graduação Lato Sensu PRODESP Pró-diretoria de Segurança Institucional PROSEGI Serviços aos Acadêmicos Biblioteca Biotério Clínica de Fisioterapia Clínica de Psicopedagogia Projeto Laços de Família Fazenda Experimental Hospitais Veterinários Hospital Veterinário de Pequenos Animais HVPA Hospital Veterinário de Grandes Animais HVGA Farmácia Escola Núcleo de Tecnologia da Informação NTI Laboratórios para Cursos na Área da Saúde Normas dos Laboratórios Capelania Ouvidoria Comissão Própria de Avaliação CPA Departamento de Registros e Controle Acadêmicos DRCA Cursos de Graduação Arquitetura e Urbanismo (bacharelado) Biomedicina (bacharelado) Educação Física (licenciatura)

4 8.4. Enfermagem (bacharelado) Engenharia de Produção (bacharelado) Farmácia (bacharelado) Fisioterapia (bacharelado) Gestão em Segurança Privada (bacharelado) História (licenciatura) Hemeroteca Fototeca Mapoteca Jornalismo (bacharelado) Medicina Veterinária (bacharelado) Nutrição (bacharelado) Pedagogia (licenciatura) Serviço Social (bacharelado) Teologia (bacharelado) Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes - PRODOC (licenciatura)

5 1. PALAVRA DO DIRETOR GERAL O ACADÊMICO E AS FACULDADES INTA As Faculdades INTA desejam aos novos acadêmicos e veteranos dos Cursos de Graduação, neste ano de 2015, um convívio harmonioso, aprendizado, formação profissional de qualidade e vivência com espírito inovador e comprometido do nosso corpo docente, coordenadores, funcionários e pró-diretores. Para um novo início das atividades rumo à profissionalização, apresentamos aos nossos acadêmicos informações fundamentais sobre a vida de nossa Instituição. As Faculdades INTA têm investido crescentemente na excelência da formação de seus professores e acadêmicos, em uma moderna infraestrutura, na aquisição de novos equipamentos para aulas práticas, em salas de aulas e em laboratórios de última geração, além da Biblioteca melhor avaliada pelo MEC na região (conceito 5). O objetivo maior é garantir a melhor formação para os nossos acadêmicos nos níveis de Licenciatura e Bacharelado (presencial ou EaD), e Pós-graduação Lato sensu e Stricto sensu. Nessa trajetória de sucesso, mantemos um corpo docente experiente com elevado valor moral e formação acadêmica. A maioria dos professores do INTA tem titulação de Mestres e Doutores, uma exigência em nossa Instituição e um exemplo para nossos novos acadêmicos que sonham com um futuro melhor, quando serão grandes profissionais e cidadãos. Para esse fim, o INTA consolida a cada dia a integração das atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão, promovidas em todos os Cursos de Graduação. Nosso objetivo é oferecer a cada ano formação integral aos acadêmicos, bem como estarmos atualizados às inovações tecnológicas, importantes para a qualidade dos Cursos que ofertamos. Essa evolução precisa estar compatível com os interesses dos acadêmicos no uso e manutenção de equipamentos e recursos que são essenciais para seu processo constante na aprendizagem. Que todos tenham novas conquistas e sucesso na vida acadêmica. Cordial abraço! Dr. Oscar Rodrigues Junior Diretor Geral das Faculdades INTA 5

6 2. MISSÃO E OBJETIVOS DA INSTITUIÇÃO 2.1. MISSÃO A Missão do INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA - INTA é procurar atender à sociedade, indo além do suprimento das suas principais demandas, com a formação de profissionais qualificados em ambiente acadêmico, com atenção às necessidades dinâmicas de mercado, priorizando uma formação que tenha na qualidade o seu diferencial. Todas as instâncias acadêmicas se mobilizam para o aperfeiçoamento contínuo das ações, em sintonia com o que se passa no mundo, atentas à modernidade educacional e, mais importante que tudo, pensando criativamente em soluções que possam ser implementadas com os recursos disponíveis. De forma determinada, o INTA sintetizou, objetivamente, a sua missão institucional: oferecer ensino de graduação de qualidade, para formar cidadãos e contribuir com o desenvolvimento regional sustentável OBJETIVOS O Instituto Superior de Teologia Aplicada - INTA assume como principal prerrogativa a oferta de serviços educacionais para atendimento às demandas sociais presentes e futuras, consciente de que se desenvolverá a partir da satisfação destas necessidades. Pretende crescer de maneira integrada e com qualidade, além de consolidar sua atuação cada vez mais. É uma Instituição que tem o empreendedorismo e a inovação como bandeiras: enfrenta os riscos necessários. Cada meta atingida desafia a própria superação. O interesse do INTA é inovar, criar e ousar, com ideias inteligentes, simples, viáveis em termos econômicos, garantindo o ensino de qualidade com cursos permanentemente atualizados. 6

7 3. CORPO ADMINISTRATIVO Prof. Dr. Oscar Rodrigues Junior Diretor Geral Prof.ª. Mestranda Francisca Neide Camelo Martins Rodrigues Pró-diretora de Supervisão Institucional Prof.ª. Mestranda Ingrid Soraya de Oliveira Sá Pró-diretora Administrativa Prof. Mestrando Daniel Rontgen Melo Rodrigues Pró-diretor Executivo Institucional Prof. Doutorando Rômulo Carlos de Aguiar Pró-diretor de Ensino de Graduação Prof.ª. Me. Rita de Cássia Marques Costa Assessora Pedagógica da Pró-diretoria de Ensino de Graduação Presidente da Comissão Própria de Avaliação - CPA Prof.ª. Pós-doutora Chrislene Carvalho dos Santos Pereira Cavalcante Pró-diretora de Pesquisa e Pós-graduação Stricto Sensu Prof.ª. Graduado Francisco Linhares Ponte Junior Pró-diretor de Atividades Complementares e Extensão Prof.ª. Doutoranda Michelle Alves Vasconcelos Ponte Pró-diretora de Estágios Prof.ª. Mestranda Regina Maria Aguiar Alves Pró-diretora Adjunta de Estágios Prof.ª. Mestranda Lourdes Claudênia Aguiar Vasconcelos Assistente da Pró-diretoria de Estágios Prof.ª. Drª. Filadélfia Carvalho de Sena Pró-diretora de Responsabilidade Social Prof. Esp. Lindomar Jemison Moura Rodrigues Pró-diretor de Educação à Distância Prof.ª. Doutoranda Marisa Pascarelli Agrello Pró-Diretora de Desenvolvimento Pedagógico Institucional Prof. Dr. João José Saraiva da Fonseca Pró-diretor de Inovação Pedagógica 7

8 Prof.ª. Mestranda Eliza Angélica Rodrigues Ponte Pró-diretora Pedagógica de Pós-graduação Lato Sensu Prof. Me. Arry Rocha de Oliveira Júnior Pró-diretor de Pós-graduação Lato Sensu Prof. Dr. Luís Derval Sales Júnior Pró-diretor de Especialidades Médicas Prof. Me. Raimundo Tadeu Araújo Pró-diretor de Segurança Institucional Prof. Doutorando Hamilton Vale Leitão Ouvidor das Faculdades INTA Prof.ª. Drª. Cláudia Roberta de Andrade Coordenadora do Curso de Mestrado em Biotecnologia Prof. Dr. Augusto Nilo Barbosa Capibaribe Coordenador de Arquitetura e Urbanismo Prof. Mestrando Laércio Coutinho Ferreira Gomes Coordenador do Curso de Educação Física Prof.ª. Drª. Antônia Eliana de Araújo Aragão Coordenadora do Curso de Enfermagem Prof.ª. Me. Auceliane André da Silva Lima Coordenador do Curso de Engenharia de Produção Prof.ª. Me. Patrícia Bezerra Gomes Coordenadora do Curso de Farmácia Prof. Doutorando Leandro Gomes Barbieri Coordenador do Curso de Fisioterapia Prof. Dr. Thiago Alves Nunes Rodrigues Tavares Coordenador do Curso de História Coordenador do Programa de Formação Docente PRODOC Assessor Pedagógico da PRODEG Prof. Me. Paulo Passos de Oliveira Coordenador do Curso de Jornalismo Prof. Dr. José Klauber Roger Carneiro Coordenador do Curso de Medicina Prof. Pós-doutor Juliano Cézar Minardi da Cruz Coordenador do Curso de Medicina Veterinária Prof. Me. Tárcio Aragão Matos Coordenador do Curso de Nutrição 8

9 Prof.ª. Drª. Filadélfia Carvalho de Sena Coordenadora do Curso de Pedagogia Prof.ª. Drª. Francisca Marprof.ªs Santos (prof.ª. Cícera) Coordenadora do Curso de Serviço Social Prof. Me. Antônio Gonçalves Sobreira Coordenador do Curso de Teologia Prof.ª. Drª. Theodora Thays Arruda Cavalcante Coordenadora do Núcleo de Bioprospecção e Experimentação Molecular Aplicada - NUBEM Prof. Me. Romilson Silva Lopes Júnior Coordenador do Biotério Prof. Mestranda Eveline Kelly Ursulino Pontes Coordenadora de Laboratórios Prof. Esp. Paulo Marcelo Sousa Teixeira Coordenador de Laboratórios Prof. Me. Gerson Pires de Araújo Capelão Prof. Me. Paulo Henrique Cavalcante Diretor do Hospital Veterinário de Grandes Animais Prof. Graduado Alisson Lima Fontenele Rodrigues Diretor do Hospital Veterinário de Pequenos Animais 9

10 4. APURAÇÃO DO RENDIMENTO 4.1. DA AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO ACADÊMICO A avaliação do rendimento acadêmico é feita por módulo ou por disciplina, abrangendo os aspectos de assiduidade e aproveitamento, eliminatórios por si mesmos. A assiduidade é verificada pela frequência às aulas e às atividades de cada módulo/disciplina. O aproveitamento é aferido, em cada módulo/disciplina, mediante a exigência da assimilação progressiva dos conhecimentos ministrados, avaliada em provas e em outras tarefas ministradas ao longo do período letivo. Os acadêmicos que tenham extraordinário aproveitamento nos estudos, demonstrado por meio de provas e outros instrumentos de avaliação específicos, aplicados por banca examinadora especial, poderão ter abreviada a duração dos seus cursos, de acordo com as normas dos sistemas de ensino e do Regimento Geral da IES. Para cada verificação, escrita ou oral, será assegurada uma segunda chamada ao acadêmico que não comparecer à primeira, por motivo devidamente justificado perante a Coordenação de seu Curso. A segunda chamada deverá ser requerida até 07 (sete) dias consecutivos após a realização da primeira chamada, através de requerimento específico, e a taxa paga antes da realização da avaliação. O requerimento deverá ser preenchido e assinado pelo acadêmico, apresentado à Coordenação de seu Curso, que terá até 48h para emitir parecer. É de responsabilidade do docente exigir do acadêmico a comprovação de seu requerimento/taxa paga antes da realização da avaliação de 2ª. chamada. As avaliações escritas, com exceção da avaliação final, que será arquivada na Coordenação do Curso, deverão ser devolvidas corrigidas aos acadêmicos, como instrumento de aprendizagem, no prazo máximo de 15 (quinze) dias após sua realização, devendo já estar lançadas no Sistema Acadêmico. Os resultados de avaliações orais, a exemplo de seminários, deverão ser lançados no Sistema Acadêmico em até 07 (sete) dias. Eventuais reclamações sobre os resultados poderão ser feitas pelos acadêmicos por meio de requerimento específico, após o recebimento da avaliação, em prazo não excedente a 72 (setenta e duas) horas, devendo os docentes quando as considerarem justas, retificarem a nota atribuída. A avaliação do aproveitamento definido no artigo, traduzir-se-á nas seguintes notas: NAP - Nota de Avaliação Progressiva NAF - Nota de Avaliação Final A nota (NAP) constituirá, em cada disciplina, a média do rendimento do acadêmico em relação ao conteúdo ministrado ao longo do período letivo e resultará de três notas provenientes de avaliações escritas e/ou orais. Considerar-se-á reprovado o acadêmico que não cumprir a frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) às aulas e demais atividades acadêmicas de cada disciplina, sendo-lhe, consequentemente, vedado prestar exames para obtenção da NAF. O acadêmico que apresentar frequência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) das atividades desenvolvidas e obtiver média aritmética (MAP) igual ou superior a 7,0 (sete), será aprovado por média. O acadêmico que obtiver média das notas resultantes das avaliações progressivas igual ou superior a 4,0 (quatro) e inferior a 7,0 (sete), será submetido à Avaliação Final (AF) cuja data de realização será fixada pelo professor da respectiva disciplina, respeitando-se um prazo de, no mínimo, 07 (sete) dias consecutivos a serem contados da 10

11 divulgação dos resultados. O acadêmico submetido à avaliação final (AF) será aprovado se obtiver, concomitantemente, média aritmética, entre a média de APs e a nota de avaliação final (NAF), igual ou superior a 5,0 (cinco) denominada Média Final (MF), lembrando que a nota da AF deverá ser igual ou superior a 4,0. No Curso de Graduação, a avaliação do rendimento far-se-á por meio de monografias ou trabalhos equivalentes, estágios e outras formas de avaliação, em situação real de trabalho. A avaliação de rendimento de que trata este artigo será regulada através da Resolução do Conselho de Ensino. As atividades previstas neste artigo serão avaliadas com atribuição de notas expressas na escala de ZERO a DEZ, com aproximação até uma casa decimal. Não poderá ser diplomado o acadêmico que, no conjunto das tarefas previstas para avaliação do rendimento na perspectiva do Curso, apresentar frequência inferior a 75% (setenta e cinco por cento) e nota inferior a 07 (sete). Não poderá ser diplomado, ainda, o acadêmico que, mesmo apresentando frequência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) e nota igual ou superior a 07 (sete), não realizar o ENADE de seu Curso caso seja convocado a fazê-lo. 11

12 5. REGIME DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE 5.1. DIREITOS E DEVERES DO ACADÊMICO A todos os acadêmicos, oficialmente matriculados, assistirão individual ou coletivamente, conforme o caso, os seguintes direitos e deveres fundamentais: I. Participar plenamente de todas as atividades discentes da Instituição II. Aplicar a devida diligência no aproveitamento do ensino ministrado. III. Atender aos dispositivos estatutários, regimentais e regulamentares, no que diz respeito à organização didática, especialmente à frequência das aulas e execução dos trabalhos escolares. IV. Observar o regime disciplinar instituído neste Regimento, bem como as ordenações dos órgãos competentes. V. Respeitar o patrimônio material da Instituição. VI. Contribuir, na esfera de sua ação, para o prestígio crescente do INTA e o respeito às suas finalidades. VII. Abster-se, dentro e fora da Instituição, de qualquer ato lesivo ao acervo moral da mesma ou que importe em perturbação da ordem, ofensa aos bons costumes, desrespeito às autoridades acadêmicas, professores, funcionários e colegas, bem como respeitar o ambiente da Instituição e seus princípios que inclui a restrição ao uso de produtos nocivos à saúde, tais como bebidas alcoólicas, fumo em todas as suas formas e uso de drogas e entorpecentes. VIII. Apelar das decisões dos órgãos administrativos e acadêmicos para os órgãos de hierarquia imediatamente superior. IX. Promover atividades ligadas aos interesses da vida comunitária. X. Exercer a representação estudantil, nos órgãos colegiados do INTA, na forma prevista na lei e neste Regimento. XI. Utilizar os serviços e equipamentos que a Instituição oferece, dentro dos locais e horários indicados, sendo vedada a utilização de salas de aula para eventos festivos. XII. Ser bem atendido, sendo tratado com atenção por todos os professores, administradores, funcionários e demais profissionais em atividades na IES. XIII. Receber orientações quanto às normas e o Regimento Geral. XIV. Ter seu grau de satisfação avaliado em pesquisa sistemática. XV. Conhecer as ementas das disciplinas em que está matriculado, disponibilizadas pela Coordenação de seu Curso. XVI. Conhecer o Calendário Acadêmico. XVII. Conhecer os cronogramas das disciplinas em que está matriculado. XVIII. Ser candidato, poder votar e ser votado em todas as ações que houver abertura, seguindo as normas dos editais divulgados. XIX. Participar das aulas, visto que lhe é direito o cumprimento da carga horária estabelecida para cada disciplina. XX. Usufruir de ambiente adequado e seguro para participar das aulas e atividades propostas pela Instituição. XXI. Receber suas avaliações escritas, com exceção da avaliação final, que será arquivada na Coordenação do Curso, corrigidas, como instrumento de aprendizagem, no prazo máximo de 15 (quinze) dias após sua realização, devendo já estarem lançadas no Sistema Acadêmico. Os resultados de avaliações orais, a exemplo de seminários, deverão ser lançados no Sistema Acadêmico em até 07 (sete) dias. XXII. Telefone celular, ipod, ipad, smartphone, tablet, notebook, pager e similares somente serão aceitos durante as aulas para uso acadêmico, e com autorização do professor, porém, em dias de avaliação não será permitido realizá-la portando estes tipos 12

13 de equipamentos. XXIII. Abster-se de comercialização de qualquer produto nas dependências da Instituição, bem como da prática de jogos de sorte ou azar, bingos e rifas, exceto quando autorizados. XXIV. Nos laboratórios, é obrigatório o uso das vestimentas orientadas pelo Gestor de Laboratório de cada curso, além do cumprimento das demais normas estabelecidas pela Coordenação de Laboratórios. Fica assegurado a todos os acadêmicos do INTA o Regime Especial que será concedido: I - À acadêmica gestante que, a partir do oitavo mês de gestação e durante três meses após o parto, ficará assistida pelo regime de exercícios domiciliares, sendo o início e o fim do período em que é permitido o afastamento determinados por requerimento, acompanhado de atestado médico, a ser apresentado à Coordenação de seu Curso, que encaminhará à PRODEG, podendo o mesmo ser aumentado, a critério médico, antes e depois do parto e, em qualquer caso, assegurado à acadêmica o direito à prestação de avaliações, tendo suas faltas abonadas para todos os efeitos, dentro do horário das aulas. II - Ao acadêmico convocado, matriculado em órgão de formação de reserva que seja obrigado a faltar às suas atividades civis, por força de exercício ou manobras, ou reservista que seja chamado para fins de exercício de apresentação das reservas ou cerimônia cívica do Dia do Reservista, que terá suas faltas abonadas para todos os efeitos, dentro do horário das aulas. III - Ao acadêmico merecedor de tratamento excepcional, portador de afecção congênita ou adquirida, infecção, traumatismo ou outras condições mórbidas, determinando distúrbios agudos ou agudizados, atestado por profissional médico, caracterizados por: a) Incapacidade física relativa, incompatível com a frequência aos trabalhos acadêmicos, desde que se verifique a conservação das condições intelectuais e emocionais necessárias ao prosseguimento da atividade acadêmica em novos moldes. b) Duração que não ultrapasse o máximo ainda admissível, em cada caso, para a continuidade do processo pedagógico de aprendizado, atendendo a que tais características se verificam, dentre outras, casos de síndromes hemorrágicas (tais como hemofilia), asma, cardiopatias, afecções osteoarticulares submetidas a correções ortopédicas, nefropatias agudas ou subagudas, afecções reumáticas. IV - Serão atribuídas a esses acadêmicos, como compensação da ausência às aulas, atividades acadêmicas domiciliares com acompanhamento docente, sempre que compatíveis com o seu estado de saúde e as possibilidades da IES, salvo os casos em que, nas disciplinas essencialmente práticas, o acadêmico terá suas atividades suspensas, resguardado seu direito de, logo que possa retornar às suas atividades acadêmicas, cumprir com a carga horária prática necessária à conclusão da referida disciplina, tão logo esteja apto e a disciplina seja ofertada. V - Dependerá, o Regime Especial deste artigo, de laudo médico elaborado por autoridade oficial do sistema de saúde, que deverá ser encaminhado e apresentado à Coordenação do Curso num prazo que não exceda 7 (sete) dias após o seu afastamento das atividades acadêmicas. VI - Será da competência da Coordenação do Curso e da PRODEG a autorização imediata do Regime Especial. VII- Caberá, tão somente, ao(à) acadêmico(a) em Regime Especial a responsabilidade de contato direto ou por um seu representante com o(s) professor(es) da(s) disciplina(s), a fim de providenciar o encaminhamento, impresso ou via , das suas atividades acadêmicas domiciliares, havendo, se necessário, a intermediação da Coordenação do Curso. Os casos omissos serão resolvidos pelo Presidente do Conselho Deliberativo - CODE, na forma prevista no Regimento Geral da IES. 13

14 Todo e qualquer desrespeito e violação aos itens de deveres e restrições ao discente terá sua penalidade conforme Regimento Geral. A Instituição poderá aplicar ao infrator, de acordo com a gravidade e grau de reincidência, as seguintes penalidades, não necessariamente nesta ordem: 1. Advertência verbal. 2. Repreensão escrita. 3. Suspensão de aulas. 4. Desligamento da IES. 14

15 6. PRÓ-DIRETORIAS 6.1. PRÓ-DIRETORIA DE SUPERVISÃO INSTITUCIONAL PRODISI A Pró-Diretoria de Supervisão Institucional - PRODISI é o órgão responsável por realizar a conferência de todos os processos de conclusão dos cursos de Graduação e de Pós-Graduação, assinar declarações, históricos, certidões, certificados e diplomas de Conclusão de Curso e outros documentos que são de sua competência. Esta Pró-Diretoria colabora constantemente com o setor de Gestão de Talentos no processo seletivo e admissional de novos colaboradores. Sempre que necessário, sugere, o remanejamento de colaboradores para outros setores da IES e solicita a avaliação de desempenho dos mesmos. Realiza, ainda, visitas às Pró-Diretorias, às coordenações e aos demais setores e departamentos da IES para verificar estrutura, andamento dos trabalhos e identificar pontos fortes e aspectos a serem melhorados. Supervisiona as ações institucionais e busca zelar pelas políticas de Gestão da Instituição para que alcance seus objetivos, com altos padrões de eficácia, confiabilidade e capacidade de resposta, bem como dispor e manter pessoal docente e técnicoadministrativo alinhados com a Filosofia da IES, além de subsidiar as decisões do Diretor Geral. 15

16 6.2. PRÓ-DIRETORIA ADMINISTRATIVA PROAD A Pró-diretoria Administrativa - PROAD é o órgão onde os principais denotativos do termo administrar estão inseridos de maneira objetiva e subjetiva nas atividades desse departamento, visto que por meio dessa Pró-diretoria é que se gerencia, norteia, coordena, contingencia, remete e ministra diversas ações de apoio executivo e pedagógico a instituição. Para melhor atender às demandas, o órgão é dividido e representado da seguinte forma: - Pró-diretoria Administrativa: Moses Haendel Melo Rodrigues; - Pró-diretoria Executiva Financeira: Daniel Rontgen Melo Rodrigues; - Pró-diretoria Executiva Institucional: Antônio Carlos Aguiar Dias; - Assessoria Jurídica: Nicoly Moita Vasconcelos; - Secretaria Executiva- Djânia Maria Batista de Sousa; - Supervisão de Controle de Processos Documentais Ana Clara Cavalcante de Souza; - Análise Administrativa: Amanda Bastos Araújo. Tem-se como principais missões: 1. Atendimento ao Corpo Docente, Discente e Administrativo: a) Ocorrências não previstas nos setores; b) Análise das solicitações de transportes e eventos relacionados à Instituição; c) Análise das solicitações do corpo discente da Instituição; d) Análise da viabilidade de recursos administrativos. 2. Departamento de Registro e Controle Acadêmico DRCA: a) Autorização/liberação de documentos referentes ao corpo docente e discente da Instituição (certificados, declarações, diplomas); b) Pesquisador Institucional. c) Coordenação de Implantação. d) Coordenação FIES/PROUNI. e) Assessoria Contábil, Controladoria, Auditoria, NTI, Compras, etc. 3. Acompanhamento das Atividades: a) Pós-graduação Lato Sensu. b) Pós-Graduação Stricto Sensu. c) Processo Seletivo. d) Eventos. Por fim, é meio dessa equipe, executando essas funções, que se busca fazer da PROAD um departamento aonde a administração seja a arte de criar os caminhos que levam o docente e o discente à excelência de suas realizações. 16

17 6.3. PRÓ-DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PRODEG A Pró-diretoria de Ensino de Graduação PRODEG surgiu, em 2011, do desmembramento da então Pró-diretoria Pedagógica, tendo sido nomeada inicialmente como Pró-diretoria Acadêmica PRODAC. Atualmente, com nova nomenclatura e com a assessoria do Serviço de Acompanhamento ao Discente (SEAD), a PRODEG se propõe a assessorar a Diretoria Geral e os Órgãos de Deliberação Superior das Faculdades INTA em assuntos relacionados às atividades de ensino; cumprir instruções, resoluções, portarias e demais atos necessários ao fiel desempenho das suas atribuições; acompanhar e garantir o cumprimento das decisões da Direção Geral, do Conselho Deliberativo (CODE) e do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CONEPE), no âmbito do ensino; promover, em articulação com as Pró-diretorias de Desenvolvimento Pedagógico Institucional (PRODI), de Estágios (PRODEST), de Atividades Complementares e Extensão (PRODACE), de Responsabilidade Social (PRODIRES), de Inovação Pedagógica (PRODIPE), de Pesquisa e Pós-graduação Stricto Sensu (PROPESP), de Pós-graduação Lato Sensu (PRODESP), de Supervisão Institucional (PRODISI), de Educação à Distância (PROEaD) e de Especialidades Médicas (PRODEM) a integração do ensino, da pesquisa e da extensão, no âmbito da graduação, da educação continuada, da inovação tecnológica e da educação à distância; orientar e supervisionar as ações dos Coordenadores e Gestores dos Cursos de Graduação; manter permanente articulação com os Coordenadores e Gestores dos Cursos de Graduação, objetivando assegurar homogeneidade e harmonia no planejamento e execução curriculares e nas decisões pedagógicas e administrativas; coordenar o funcionamento dos Cursos de Graduação, desenvolvendo esforços para, em permanente articulação com a PRODI e PRODIPE, a manutenção de padrões de qualidade compatíveis com os parâmetros determinados pelo MEC para instituições universitárias de excelência; acompanhar o andamento das atividades acadêmicas, em sua área de atuação, alertando os Coordenadores e Gestores de Curso, no que se refere a distorções ou irregularidades eventualmente identificadas; acompanhar e supervisionar a execução dos programas acadêmicos; levantar dados e informações que possam subsidiar a Administração Superior do INTA para a tomada de decisões sobre a redistribuição de vagas nos Cursos de Graduação; acompanhar as alterações nas integralizações curriculares dos Cursos de Graduação; executar revisões e alterações, para posterior encaminhamento ao CODE, no sistema adequado à verificação do aproveitamento acadêmico; atuar sobre questões referentes aos corpos docente e discente e exercer, no âmbito de sua atuação, outras atribuições não especificadas, mas que sejam decorrentes, explícita ou implicitamente, de disposições da legislação federal de ensino e da legislação interna da IES, bem como as que lhe sejam eventualmente delegadas pela Direção Geral. Serviço de Acompanhamento ao Discente SEAD O SEAD funciona na PRODEG direcionando o trabalho de acompanhamento aos acadêmicos de todos os cursos de graduação, no intuito de atender às demandas educacionais dos discentes nos níveis administrativo e pedagógico, incentivando a boa escuta e o diálogo para soluções de problemas junto às coordenações dos cursos e melhoria do grau de satisfação dos acadêmicos. As ações desenvolvidas pelo SEAD são acompanhamento aos discentes em relação à frequência e aprendizado, acompanhamento dos resultados das avaliações, desenvolvimento do curso, dificuldades na aprendizagem em parceria com a Clínica de Psicopedagogia, relação professor-acadêmico, acompanhamento de lançamentos de frequência e notas pelos docentes através do Núcleo de Gestores Pedagógicos- NUGESP que realiza reuniões quinzenais para socialização das ações e resolução de problemas acadêmicos com os discentes/docentes. 17

18 O acadêmico que estiver com alguma dificuldade ou duvida pedagógica poderá entrar em contato via por telefone celular ( ) ou pessoalmente no setor, na PRODEG, na sala do 1º. andar do Prédio Sede I. Assessoria Pedagógica da PRODEG A Assessoria Pedagógica da PRODEG desenvolve seus trabalhos no sentido de acompanhar a inscrição dos acadêmicos das Faculdades INTA junto ao INEP, quando os mesmos estão aptos à realização do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE), bem como, na regularização de acadêmicos irregulares junto ao INEP, para o que trabalha também com a Pró-Diretoria de Desenvolvimento Institucional (PRODI) e Coordenadores de Cursos de Graduação, sendo estes os responsáveis pela comunicação, publicação e preparação dos concluintes para o ENADE, sob o acompanhamento desta assessoria. Além deste trabalho desenvolvido junto aos acadêmicos, a Assessoria da PRODEG, trabalha no sentido de orientar docentes de todos os Cursos das Faculdades INTA no desenvolvimento de suas atividades de ensino, pesquisa e extensão, com vistas a garantir uma Instituição cada vez melhor. 18

19 6.4. PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PROPESP A Pró-diretoria de Pesquisa e Pós-graduação Stricto Sensu - PROPESP é o órgão de assessoria da Direção Geral referente às ações de pesquisa e de Programas de Pós- Graduação, Mestrado e Doutorado, bem como Pós-doutorado. As duas linhas de trabalho são desenvolvidas para a qualidade das atividades de ensino. As atividades de pesquisa são desenvolvidas em duas linhas: 1. Pesquisa curricular: Trabalhos de Conclusão de Curso, que todos os graduandos devem realizar conforme consta no Projeto Pedagógico do seu Curso. 2. Pesquisa extracurricular: Cadastro de Grupos de Pesquisas no CNPq; organização da participação da Instituição em editais de fomento à pesquisa; incentivo à publicação em periódicos recomendados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior-CAPES e aquisição de equipamentos para formação de laboratórios; Programas de Iniciação Científica do INTA, CNPq e Funcap, Bolsas de Iniciação Tecnológica do CNPq (inserindo alunos de graduação em Projetos de Pesquisas); Revista Formar Interdisciplinar; apoio as atividades da Comissão Éticas em Usos de Animais-CEUA, do Biotério, da Comissão de Biossegurança, ao Núcleo de Bioprospecção e Experimentação Molecular Aplicada-NUBEM. Vale ressaltar que a inserção do acadêmico em atividades de iniciação científica faz um diferencial na formação do futuro profissional, procure maiores informações com o Gestor de Pesquisa do seu Curso! Na Pós-graduação Stricto Sensu: 1. Mestrado em Ciências Biológicas Biotecnologia: é o 1º. Programa de Pósgraduação Stricto Sensu em Faculdade no Ceará. 2. Organização de novos Programas de Pós-graduação. Equipe: Pró-diretora de Pesquisa e Pós-graduação Stricto Sensu: Profa. PhD Chrislene Carvalho dos Santos Pereira Cavalcante Secretária: Yonara Rodrigues Oliveira Coordenadores de Cursos de Graduação e Pós-graduação Stricto Sensu. Gestores de Pesquisa da Graduação, presencial e à distância. 19

20 6.5. PRÓ-DIRETORIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES E EXTENSÃO PRODACE A Pró-Diretoria de Atividades Complementares e Extensão - PRODACE é fundamental na formação dos acadêmicos. É um órgão responsável pela a gestão de todas as atividades de extensão e atividades complementares das Faculdades INTA. Com o objetivo de levar à todos os alunos os cursos para preencherem suas cargas horárias obrigatórias em sua formação superior e assim atingindo seu principal papel que é qualificar e capacitar ainda mais a aluno para o mercado de trabalho com cursos direcionados para a parte pratica e científica. A PRODACE está localizada na Av. Dom José n xxx, centro Sobral/Ce. Mais informações /

21 6.6. PRÓ-DIRETORIA DE ESTÁGIOS PRODEST A Pró-Diretoria de Estágios - PRODEST, vinculada à Diretoria Geral, gerencia os estágios obrigatórios e não obrigatórios das Faculdades INTA, em parceria com os gestores de estágio de cada área. São atribuições da PRODEST: I. Diligenciar que a política interna para Estágio Curricular Supervisionado, estágio obrigatório, seja observada nos termos e prazos do Projeto do Curso e o estágio não obrigatório de acordo com a legislação vigente. II. Divulgar entre os docentes e os discentes o Regulamento do Estágio obrigatório, manual de estágio, a necessidade de seu cumprimento como condição para integralização da matriz curricular; III. Promover encontros, fóruns com alunos e profissionais sobre legislação, normas e atualizações relacionadas aos estágios, em parceria com a Gestão de Estágios e Atividades Práticas Supervisionadas de cada Curso. IV. Participar do planejamento, controle e avaliação dos campos de Estágios, supervisores e preceptores; V. Contratar o Seguro obrigatório para os acadêmicos em estágios e gerenciar os termos de Compromisso de Estágio e encaminhamentos para os campos de prática. VI. Propor a celebração de convênios entre o INTA e empresas, instituições e estabelecimentos, para encaminhamento de alunos estagiários. VII. Manter atualizado o cadastro das empresas, instituições e estabelecimentos conveniados para os campos de estágio; IX. Realizar processos seletivos para admissão de preceptores para os estágios, em parceria com a Gestão de Estágios de cada curso. Michelle Alves Vasconcelos Ponte Pro-diretora de Estágios das Faculdades INTA Doutoranda em Educação/UTAD - Portugal Mestre em Saúde Pública/ UFC Especialista em Educação Profissional da área da Saúde: Enfermagem/FIOCRUZ/ENSP Especialista em Enfermagem Clínico-Cirúrgica/UVA Regina Maria Aguiar Alves Assistente de Pró-diretoria de Estágios das Faculdades INTA Mestranda em Educação/ INTA/ Lusófona - Portugal Especialista em Educação Profissional da área da Saúde: Enfermagem/FIOCRUZ/ENSP Lourdes Claudênia Aguiar Vasconcelos Assistente de Pró-diretoria de Estágios das Faculdades INTA Mestranda em Gerontologia/INTA/Aveiro - Portugal Especialista em Educação Profissional da área da Saúde: Enfermagem/FIOCRUZ/ENSP Especialista em Enfermagem Clínico-Cirúrgica/UECE Jaqueline Portela de Sousa Secretária 21

22 6.7. PRÓ-DIRETORIA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRODERES A Pró-diretoria de Extensão e Responsabilidade Social PRODERES trabalha em parceria com os cursos de Graduação e o resultado tem se efetivado através do discernimento dos gestores de extensão juntamente com seus cursos (colegiado e acadêmicos). Quando iniciadas as atividades, tinha-se uma preocupação: trabalhar de forma planejada, dialógica, em sintonia com a Política de Extensão que se encontra regulamentada e referenciada pelo PDI institucional. Nela foram estabelecidas diretrizes e conceitos essenciais para a afirmação da Extensão como uma atividade fundamental à vida acadêmica, intrinsecamente ligada ao Ensino e à Pesquisa. Faz-se necessário que se compreenda a Extensão e Responsabilidades Social das Faculdades INTA como parte de um processo que incentiva o desenvolvimento através das interfases com o ensino e a pesquisa, mobilizando acadêmicos na efetivação de atividades como projetos, cursos e eventos, que sob a orientação e responsabilidade de cada gestor constroem e fundamentam o fazer discente junto às comunidades. Mobilidade acadêmica, especialmente no desempenho das atividades de prestação de serviços imersos no fazer e na cultura local. Dá-se destaque para o que caracteriza a nossa ação: Criar forma de interação entre a Instituição e a comunidade na qual está inserida; Ser uma atividade permanente entre a Instituição e os diversos segmentos da sociedade; Preparar seus profissionais, não somente com a estratégia do ensino-transmissão, mas como subsídio para a formação com estratégias do ensino-aplicação. Dessa forma, fomentar a atividade de Extensão e Responsabilidade Social possibilita no cotidiano a difusão e socialização do conhecimento obtido no ensino que de acordo com o nosso Regulamento em seu Art. 10 são as áreas Ciências da Saúde, Ciências Humanas e Sociais, Ciências Biológicas e Ciências Religiosas. Por tratar-se de ações acadêmicas a Extensão e Responsabilidade Social provocam significativas contribuições para a transformação social. Nesse contexto, é que definimos o nosso papel enquanto instituição privada, o que implica em compreender os interesses sociais que fundamentam nossa prática e articulação com os grupos sociais e conhecimento especializados a serviço da comunidade. Significa abertura para a dialogicidade, reflexividade, levando em consideração a valorização dos saberes ao mesmo tempo em que e incorporamos seus problemas, demandas e processos de conhecimento e de intervenção social. A PRODERES busca desenvolver as ações extensão enquanto processos educativos, culturais e científicos, articulando a ação extensionista como possibilidade de assegurar o cumprimento de sua missão e responsabilidade social ao mesmo tempo, que propicia à comunidade acadêmica oportunidades de elaboração da práxis social. 22

23 6.8. PRÓ-DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PRODI Quando se pensa em quanto as relações de comunicação presentes no mundo contemporâneo vêm se tornando complexas, é cada vez mais notória a necessidade do uso das tecnologias na comunicação humana e naturalmente se realça a utilização de ferramentas tecnológicas no processo de ensino e de aprendizagem. Nesse contexto nas Faculdades INTA a Pró-diretoria de Inovação Pedagógica tem como finalidade promover a qualidade do ensino superior utilizando as novas tecnologias, considerando a promoção de uma reflexão contínua sobre a prática docente. Esse trabalho considera as diferentes áreas do conhecimento, as especificidades dos contextos educativos e se subsidia numa postura investigativa que identifique as correções a serem incorporadas nos processos identificados. As ações da Pró-Diretoria de Inovação Pedagógica priorizam a articulação institucional com outros setores do INTA de modo a promover a conexão de saberes já existentes e a constituição de uma rede colaborativa de práticas de ensino superior, com a potencialização das experiências docentes e fortalecimento do uso das tecnologias disponíveis como mediadora no processo de ensino e aprendizagem. Esse processo abrange a descentralização do ensino a partir de recursos didáticos apoiados nas tecnologias digitais criando espaços de comunicação e estratégias de ensino e aprendizagem além do espaço físico da Instituição de Ensino Superior. A PRODIPE dedica também particular atenção à valorização docente e discente envolvendo a produção intelectual e a estruturação de mecanismos de apoio à produção de conteúdos e à adoção de práticas ensino e aprendizagem inovadora; contribuindo para uma conscientização coletiva da importância da parceria entre inovação pedagógica e tecnologia para a promoção da qualidade da educação. PRODIPE proporciona aos docentes e discentes em : - Desenvolvimento e execução pedagógica dos cursos do INTAEAD, envolvendo a concepção e elaboração do projeto pedagógico, materiais didáticos, planos de ensino, formação dos profissionais envolvidos e avaliação do processo de desenvolvimento dos cursos. - Disciplinas a distância com suporte presencial de tutores/professores; - Ambientes Virtuais de Aprendizagem de apoio à aprendizagem das disciplinas presenciais com material didático online produzido por professores da IES; - Ambientes Virtuais de Aprendizagem de nivelamento visando subsidiar o estudante a ultrapassar eventuais dificuldades em áreas de estudo especificas de maneira a que possam prosseguir seus estudos; - Cursos livres ofertados para subsidiar a realização de atividades complementares pelos estudantes; - Ambientes Virtuais de Aprendizagem de simulação das provas do ENADE. Em todas estas atividades os estudantes têm suporte permanente online e presencial técnico e pedagógico. 23

24 6.9. PRÓ-DIRETORIA DE INOVAÇÃO PEDAGÓGICA PRODIPE A Pró-diretoria de Inovação Pedagógica - PRODIPE é responsável pela elaboração e viabilização do Projeto Político e Pedagógico da Instituição, fomentando a inovação pedagógica nas diversas modalidades de ensino, no sentido de alcançar a qualidade da educação e a evolução do perfil sociocultural e profissional dos egressos. Atua também no desenvolvimento, implantação e avaliação de disciplinas à distância nos cursos presenciais e de cursos à distância e semipresenciais no âmbito da graduação e pós-graduação. 24

25 6.10. PRÓ-DIRETORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PRODESP As Faculdades INTA estão sintonizadas com o universo educacional e comprometidas com o conhecimento transformador da sociedade. Em sua missão de promover o Ensino, a Pesquisa e a Extensão, forma e especializa profissionais competentes em diversas áreas de atuação e, ao mesmo tempo, cidadãos comprometidos com a melhoria da qualidade profissional, renovando suas competências e habilidades. Em decorrência disso, as Faculdades INTA através da PRODESP atua há exatos 13 anos promovendo cursos de Especialização em Pós-Graduação (Lato Sensu). As Faculdades INTA atuam em todo o Ceará, Piauí, Maranhão e mais outros Estados do Brasil, contribuindo assim com o crescimento profissional e pessoal de mais de discentes. Para 2015, o INTA inicia uma nova etapa com a oferta de Cursos em Educação a Distância (EaD) e pretende atingir todo o território nacional. Confiram logo abaixo nossos cursos por área: DIREITO Cursos Direito do Consumidor Direito do Trabalho e Seguridade Social Direito e Processo Civil Direito e Processo do Trabalho Direito Imobiliário Direito Penal e Ciências Criminais EDUCAÇÃO Cursos Arte e Educação Agroecologia e Meio Ambiente Ciências (Física, Química e Biologia) Ciências da Religião Cultura Afro-Brasileira Didática da Matemática Educação a Distância Educação Especial Educação Física Escolar Educação Infantil Ensino da Biologia Ensino da Música Gestão e Docência do Ensino Superior Gestão, Coord., Planej. e Av. Escolar História do Brasil História Geral I (Cultura, Memória e Patrimônio) didática da Matemática Língua Inglesa Metodologia do Ensino de História e Geografia Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa e Literatura Metodologia do Ensino Fundamental e Médio 25

26 Psicomotricidade Psicopedagogia Hospitalar Psicopedagogia Institucional, Clinica e Hospitalar INFORMÁTICA Cursos Engenharia de Software Informática na Educação Redes e Segurança de Sistemas MBA Cursos Administração e Marketing Administração e Políticas Públicas Comunicação: Jornalismo Gerência Contábil Gestão de Pessoas Gestão em Finanças, Controladoria e Auditória Gestão Empresarial Gestão Industrial Gestão Logística Gestão Pública Gestão em Serviços de Saúde Secretariado Executivo MEIO AMBIENTE Cursos Gestão Ambiental Vigilância Sanitária e Meio Ambiente SAÚDE Cursos Auditoria de Sistemas e Serviço de Saúde Análises Clínicas e Toxicológicas Bioquímica Centro Cirúrgico Cuidado Nutricional Domiciliar e Personal Dietist Enfermagem do Trabalho Enfermagem Obstetrícia e Neonatal Enfermagem em Bloco Cirúrgico Enfermagem Cardiovascular Farmácia Hospitalar e Clínica Farmacologia Clínica Farmácia Clinica, farmacologia e Prescrição farmacêutica Fisiologia do Exercício e Biomecânica do Movimento Fisioterapia Dermato-Funcional 26

27 Fisioterapia Traumato Ortopedia Desportiva Fisioterapia Pneumofuncional com Ênfase em Terapia Intensiva Gestão, Prevenção e Controle de Infecção Hospitalar Nutrição Clinica e Esportiva Nutrição Clínica Nutrição e Controle de Qualidade de Alimentos Nutrição Estética Nutrição Funcional, Fitoterápica e Clínica Personal Trainner Saúde da Família Saúde do Trabalhador Saúde Mental Saúde Pública Seguridade e Serviço Social Terapia Familiar Terapia Intensiva (UTI) Treinamento Desportivo Saúde Pública e Saúde da Família Urgência e Emergência Vigilância Sanitária e Saúde Publica SEGURANÇA Cursos CIDADANIA, DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA ENGENHARIA E SEGURANÇA DO TRABALHO GESTÃO E SEGURANÇA DO TRABALHO Direito Penal e Ciências Criminais Contatos: Telefone: (tecle 4) Ramais : 3662 / 3644 Site: 27

28 6.11. PRÓ-DIRETORIA DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL PROSEGI A Pró-diretoria de Segurança Institucional - PROSEGI foi instituída na data de 20 de janeiro do fluente ano, mediante provimento normativo do Chanceler Dr. Oscar Rodrigues Júnior, Diretor Geral das Faculdades INTA, momento em que fora nomeado como primeiro Pró-diretor o professor Me. e Cel. PM RR Raimundo Tadeu Araújo, cuja função precípua é estabelecer, organizar e estruturar a política de segurança institucional, à luz do que preconiza a Lei N 7102 de 20 de junho de 1983 e portaria N 3233/2012, do Departamento de Polícia Federal, cuja finalidade, dentre outras é sempre preservar a dignidade da pessoa humana, segurança dos cidadãos (público alvo da rede acadêmica), prevenção de eventos danosos e diminuição de seus efeitos, aprimoramento técnico dos profissionais de segurança privada e estímulo ao crescimento da instituição. Ressalte-se, ainda, que a visão empreendedora das Faculdades INTA, no campo da segurança orgânica, é fator preponderante para alavancar o progresso institucional. 28

29 7. SERVIÇOS AOS ACADÊMICOS 7.1. BIBLIOTECA A Biblioteca do Instituto Superior de Teologia Aplicada, denominada Professor Dr. Manfredo Araújo de Oliveira, tem como finalidade servir, de acordo com suas disponibilidades ao corpo docente, discente e de funcionários, facultando-lhes empréstimo domiciliar e consulta local do seu acervo. Visa manter acervo especializado que atenda as necessidades das disciplinas constantes nos currículos dos cursos oferecidos pela faculdade, adquirindo obras dos mais conceituados teóricos das mais diversas áreas do conhecimento. Esses termos seguem a missão da instituição de criar condições de aprendizado, possibilitando o desenvolvimento intelectual de cada membro da comunidade acadêmica. Assim, procura atualizar o acervo existente com novas aquisições de livros, periódicos e material audiovisual. Coordenação da Biblioteca Bibliotecários Esp. Leolgh Lima da Silva CRB Coordenadora da Biblioteca. Bacharel em Biblioteconomia, Especialista em Biblioteconomia. Rafael Gomes de Sousa CRB Coordenador Adjunto da Biblioteca. Bacharel em Biblioteconomia, Especialista em Novas Tecnologias Educacionais, Tutor em EaD. Equipe Técnica da Biblioteca Auxiliares de Biblioteca Maria Danyhela Ximenes de Carvalho. Graduada em Matemática. Maria Germana Fonteles Maranhão. Graduada em História. Especializanda em História do Brasil. Atendentes de Biblioteca (Empréstimo, Devoluções e Renovações e Reservas de Salas e Obras) 13 atendentes Seguranças da Biblioteca (Manha, tarde e noite) 2 seguranças Gestores de Limpeza (Manha, tarde e noite) 2 gestores Espaço Físico Área total: m² distribuídos em: Setor de Administração/Bibliotecários. Setor de Processamento Técnico. Setor de Reserva de Sala de Estudo em Grupo e Referência. 29

30 Setor de Arquivo, encadernação e digitalização. Setor de Guarda-volumes com 324 lugares. Setor de Devoluções e renovações com 3 computadores para atender aos usuários. Setor de Empréstimos com 03 computadores para atender aos usuários. Setor de Referência. Setor de Acervo geral. Setor de Periódicos. Setor de Trabalhos Acadêmicos. Laboratório de Pesquisa com 32 computadores para consulta com acesso à internet. Acervo geral e espaço de estudo com capacidade para 150 usuários. 7 Salas para estudo em grupo com capacidade para 10 usuários cada. Horários de Funcionamento DIAS HORÁRIOS Segunda a quinta-feira Sexta-feira 07h15min as 22h00min* 07h15min as 18h00min* Domingo 8h00min as 13h00min ** *A Biblioteca reserva o direito de encerrar suas atividades ao público 15 minutos antes do expediente final, mas continua funcionamento internamente para manutenção, limpeza e organização. Durante o período de férias acadêmicas, será estabelecido horário especial a ser divulgado nos murais da Faculdade e no site. ** Sempre que houver aula de Pós-Graduação (Especialização e Mestrado). Produtos e Serviços Oferecidos Visitas Orientadas Reservas de livros Empréstimos Devoluções Orientação quando ao uso do acervo Treinamento de usuários Orientação de normalização de trabalhos acadêmicos segundo Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT Intercâmbio de Publicações Boletins Informativos Campanhas Educativas Levantamento Bibliográfico Acesso à Internet Reservas de sala de estudo em grupo Guarda-volumes com chave para guarda de materiais Treinamento para o uso da base de dados 30

31 Elaboração de fichas catalográficas Empréstimo, Devolução e Renovação O empréstimo domiciliar só poderá ser consentido aos usuários inscritos na Biblioteca. Exclusivo para alunos de graduação, pós-graduação, professores e funcionários da instituição. A comunidade externa pode utilizar os serviços apenas para consulta local. O usuário discente (graduação) pertencente à Faculdade poderá manter sob sua responsabilidade, por empréstimo, até 3 (três) obras, pelo prazo de 8 (oito) dias, renováveis por mais 8 (oito), desde que não haja excedente no primeiro prazo e reserva. O usuário discente (pós-graduação) pertencente à Faculdade poderá manter sob sua responsabilidade, por empréstimo, até 2 (duas) obras, pelo prazo de 5 (cinco) dias, renováveis por mais 5 (cinco), desde que não haja excedente no primeiro prazo e reserva. Usuários pertencentes ao corpo administrativo poderá manter sob sua responsabilidade, por empréstimo, até 2 (duas) obras, pelo prazo de 8 (oito) dias renováveis por mais 8 (oito), desde que não haja excedente no primeiro prazo e reserva. O usuário pertencente ao corpo docente poderá manter sob sua responsabilidade, por empréstimo, até 4 (quatro) obras, pelo prazo de 15 (quinze) dias, renováveis por mais 15 (quinze), desde que não haja excedente no primeiro prazo e reserva. Guarda-volumes Os armários são de uso exclusivo dos usuários da biblioteca. Portanto, só podem ser utilizados no período em que estiverem utilizando os serviços. Ao deixar o recinto, deve retirar seus pertences e devolver a chave para a pessoa responsável. A não devolução da chave acarretará na cobrança de multa, valor estipulado na norma de guarda-volumes. O usuário receberá uma chave mediante apresentação do documento original com foto atualizado, no caso de carteirinhas de estudantes, que ficará retido durante a sua permanência na Biblioteca. Salas de estudo em grupo Este espaço está disponível para docentes, discentes e funcionários. As salas de estudo em grupo da Biblioteca servem, exclusivamente, para a realização de estudos e trabalhos de alunos, professores e funcionários da Instituição, não podendo ser requisitadas para aulas curriculares, particulares ou reuniões de caráter não curricular. A reserva de sala de estudo pelo usuário deve ser efetuada no Balcão de Empréstimos com 24 horas de antecedência. Salas de Pesquisa Este espaço está disponível para docentes, discentes e funcionários. 31

ORIENTAÇÕES GERAIS. 1. Palavra do Diretor Geral. 2. Missão e Objetivos da Instituição: 2.1 Missão. 2.2. Objetivos. 3. Corpo Administrativo.

ORIENTAÇÕES GERAIS. 1. Palavra do Diretor Geral. 2. Missão e Objetivos da Instituição: 2.1 Missão. 2.2. Objetivos. 3. Corpo Administrativo. ORIENTAÇÕES GERAIS 1. Palavra do Diretor Geral. 2. Missão e Objetivos da Instituição: 2.1 Missão. 2.2. Objetivos. 3. Corpo Administrativo. 4. Apuração do Rendimento Acadêmico: 4.1. Da Avaliação do Rendimento

Leia mais

REGULAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DIRETRIZES GERAIS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PARCERIA TECNOLÓGICA COM O COMPLEXO DE ENSINO RENATO SARAIVA (CERS) Art. 1º - Os cursos de Pós - Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL SISTEMA DE AVALIAÇÃO DISCENTE

REGULAMENTO INSTITUCIONAL SISTEMA DE AVALIAÇÃO DISCENTE UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL SISTEMA DE AVALIAÇÃO DISCENTE São Paulo 2012 Art. 1º. A avaliação dos resultados de aprendizagem, parte integrante

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da, no uso de suas atribuições legais, resolve, ad referendum: Art. 1º Aprovar as Normas para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

ESTÁCIO DE SÁ PÓS - GRADUAÇÃO NACIONAL. REGULAMENTO nº 02/2014 TÍTULO I DAS DIRETRIZES GERAIS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESTÁCIO DE SÁ PÓS - GRADUAÇÃO NACIONAL. REGULAMENTO nº 02/2014 TÍTULO I DAS DIRETRIZES GERAIS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESTÁCIO DE SÁ PÓS - GRADUAÇÃO NACIONAL REGULAMENTO nº 02/2014 TÍTULO I DAS DIRETRIZES GERAIS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Art. 1º - Os cursos de Pós - Graduação lato sensu estão distribuídos

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º -O Programa de Pós-Graduação do Centro Universitário de Brasília UniCEUB tem por objetivo a formação profissional em nível de especialização e destina-se a formar especialistas

Leia mais

ESTÁCIO DE SÁ. PÓS - GRADUAÇÃO REGULAMENTO nº 02/2014 TÍTULO I DAS DIRETRIZES GERAIS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESTÁCIO DE SÁ. PÓS - GRADUAÇÃO REGULAMENTO nº 02/2014 TÍTULO I DAS DIRETRIZES GERAIS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESTÁCIO DE SÁ PÓS - GRADUAÇÃO REGULAMENTO nº 02/2014 TÍTULO I DAS DIRETRIZES GERAIS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Art. 1º - Os cursos de Pós - Graduação lato sensu estão distribuídos em 5

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário. RESOLUÇÃO CONSEPE 09/2009 APROVA O REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO. O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, no uso das

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Art. 72. Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu destinam-se a candidatos graduados, podendo ser

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TÍTULO I. Introdução TÍTULO II

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TÍTULO I. Introdução TÍTULO II REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS (Revisão Aprovada pelo Conselho Departamental do CCA/UFES em 27/02/2014) TÍTULO I Introdução Art. 1. O presente Regulamento

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art.1º. O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é componente curricular obrigatório dos cursos

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (Regimento aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fiocruz em 28/08/2008) 1. Dos Objetivos 1.1. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) oferece programas de pós-graduação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS COORDENADORIA DE LICENCIATURA EM TEATRO COLEGIADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM TEATRO NORMAS COMPLEMENTARES

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006 Regulamenta os Cursos de Pósgraduação lato sensu na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº PRPPG-036/2006, aprovou e eu

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

Escola Superior de Ciências da Saúde RESOLUÇÃO Nº 014/2006 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Escola Superior de Ciências da Saúde RESOLUÇÃO Nº 014/2006 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Escola Superior de Ciências da Saúde RESOLUÇÃO Nº 014/2006 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.06/2008 Dispõe sobre a Normatização do Programa. de Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

Lato Sensu - Especialização

Lato Sensu - Especialização Regulamento Geral do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu - Especialização da Fundação Educacional de Além

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV Dispõe da aprovação do Regimento Geral de Pós- Graduação Lato Sensu. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO ESTÁCIO - IESAM REGULAMENTO Nº 01/2015

PÓS GRADUAÇÃO ESTÁCIO - IESAM REGULAMENTO Nº 01/2015 PÓS GRADUAÇÃO ESTÁCIO - IESAM REGULAMENTO Nº 01/2015 1. DAS DIRETRIZES GERAIS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1.1. O Instituto de Estudos Superiores da Amazônia, conforme estabelecido na Seção

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º - O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista:

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: A metodista é credenciada pelo MEC para o oferecimento de cursos a distância? Sim. A Universidade Metodista de São Paulo recebeu o credenciamento do

Leia mais

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos CapítuloI Dos Objetivos Art.1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da Universidade Federal de São

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO Este documento regulamenta os estágios obrigatórios e não obrigatórios do Curso de Bacharelado em Biomedicina visando à formação integral do

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Art. 1º - O Núcleo Docente Estruturante do Curso de Graduação em Odontologia, instituído pela Portaria IMMES nº 010, de 15 de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre normas e procedimentos para os Cursos de Especialização

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da FACULDADE UNIDA são regidos pela Resolução n. º 01, de 8 de junho de 2007,

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da FERLAGOS orientam-se pelas normas

Leia mais

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I GENERALIDADES Art. 1 o A Fundação Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Mandaguari FAFIMAN - poderá oferecer cursos de pós-graduação lato

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS Art. 1º. A formação dos alunos do Curso de Medicina da UFCSPA incluirá como etapa integrante da graduação, estágio

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TÍTULO I Dos Princípios gerais Art. 1. Este regimento Interno disciplina

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA Av. Mamoré, nº 1520, Bairro Três Marias CEP: 78919-541 Tel: (69) 3733-5000 Porto Velho - RO 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI 1 APRESENTAÇÃO O Presente Regulamento visa esclarecer ao acadêmico, a estrutura e o funcionamento das Atividades

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Aprovado pelo Parecer CONSEPE

Leia mais

RESOLUÇÃO CAS Nº. 25, DE 6 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO CAS Nº. 25, DE 6 DE AGOSTO DE 2009. RESOLUÇÃO CAS Nº. 25, DE 6 DE AGOSTO DE 2009. Regulamenta o processo de dependência e atendimento especial e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO CAPITULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação da UNIABEU são regidos pela Lei Federal 9394/96 Lei de Diretrizes

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação LATO SENSU da UFG, revogando-se a Resolução CEPEC Nº 540. O CONSELHO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 453, de 28 de abril de 2005. Conselho Nacional de Educação de Minas Gerais.

RESOLUÇÃO Nº 453, de 28 de abril de 2005. Conselho Nacional de Educação de Minas Gerais. SIC 01 /05 - CEE/MG Belo Horizonte, 25 de maio de 2005. PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU - ESPECIALIZAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 453, de 28 de abril de 2005. Conselho Nacional de Educação de Minas Gerais. Estabelece normas

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Art. 1º Os Cursos ofertados pela Diretoria de Educação Continuada da Universidade Nove de Julho UNINOVE regem-se pela legislação vigente, pelo

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Norma para realização dos Cursos de Extensão Universitária (Especialização, Aperfeiçoamento, Atualização e Difusão) no âmbito da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo - EEUSP (Aprovada na 348ª

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

Pró Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

Pró Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Pró Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU VASSOURAS - RJ 2010 REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

Portaria nº 69, de 30/06/2005

Portaria nº 69, de 30/06/2005 Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação - Legislação Informatizada Portaria nº 69, de 30/06/2005 O PRIMEIRO-SECRETÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Caruaru-PE 2014 REGULAMENTO INTERNO DA FARMÁCIA ESCOLA DE MANIPULAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Braz Cubas oferecidos nas

Leia mais

Curso de Serviço Social Manual do estagiário

Curso de Serviço Social Manual do estagiário Curso de Serviço Social Manual do estagiário I - Apresentação Caro aluno, A disciplina denominada Supervisão Acadêmica em Serviço Social, objetiva contribuir na compreensão das atividades relativas ao

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES SUPERVISIONADOS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º.Os estágios que compõem a estrutura curricular do curso do curso de graduação em Farmácia da Faculdade de Ciências

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Administração

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE. Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011

Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE. Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011 SOBRE O ENADE O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes -

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA Capítulo I Caracterização Artigo 1 º O Serviço-Escola de Psicologia (SEP) da UNIFESP é uma instância do campus Baixada

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ESTÁGIO Art. 1º O Estágio Obrigatório previsto na Estrutura Curricular do Curso de Letras, Licenciatura Português/Inglês

Leia mais

Curso de Engenharia de Elétrica

Curso de Engenharia de Elétrica Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Engenharia de Elétrica Cascavel-PR 2011 - 2 - CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º O Programa de Pós-graduação Acadêmica

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC -

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC - Sociedade de Medicina Veterinária da Bahia União Metropolitana para o Desenvolvimento da Educação e Cultura CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC - Lauro de Freitas Bahia Brasil

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Bom trabalho a todos! Mantenedores

APRESENTAÇÃO. Bom trabalho a todos! Mantenedores APRESENTAÇÃO Os tempos modernos conduzem-nos a novos contextos e a sociedade brasileira, de maneira justa, cobra-nos ações que venham ao encontro de um cenário que requer um repensar sobre as possibilidades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR BOLSISTA DO NÚCLEO DE LÍNGUAS DO PROGRAMA IDIOMAS SEM FRONTEIRAS (IsF Inglês)

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR BOLSISTA DO NÚCLEO DE LÍNGUAS DO PROGRAMA IDIOMAS SEM FRONTEIRAS (IsF Inglês) Processo Seletivo n o 01, de 18 de fevereiro de 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR BOLSISTA DO NÚCLEO DE LÍNGUAS DO PROGRAMA IDIOMAS SEM FRONTEIRAS (IsF Inglês) O Coordenador Geral do Programa

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE CASSILÂNDIA - FIC PÓS GRADUAÇÃO Lato sensu

FACULDADES INTEGRADAS DE CASSILÂNDIA - FIC PÓS GRADUAÇÃO Lato sensu FACULDADES INTEGRADAS DE CASSILÂNDIA - FIC PÓS GRADUAÇÃO Lato sensu MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DA MONOGRAFIA DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO Lato sensu DA FIC Cassilândia - 2010 APRESENTAÇÃO Este

Leia mais