PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS SUMÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS SUMÁRIO"

Transcrição

1

2 SUMÁRIO 1. UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIMAR A UNIVERSIDADE DE MARÍLIA HOJE O ENSINO DE CONTABILIDADE NO BRASIL O PROFISSIONAL, SEGUNDO O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O CURSO DE CONTABILIDADE NA UNIMAR DADOS GERAIS DO CURSO DIMENSIONAMENTO DAS TURMAS PERFIL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UNIMAR FORMA DE ACESSO AO CURSO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROJETO DO CURSO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM ATO AUTORIZATIVO ANTERIOR OU ATO DE CRIAÇÃO RESULTADOS NO PROVÃO RESULTADOS NO ENADE RESULTADOS NO EXAME DE SUFICIÊNCIA GUIA DO ESTUDANTE DA EDITORA ABRIL DADOS ESTATISTICOS ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UNIMAR ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA ESTRUTURA PEDAGÓGICA CONTEÚDOS CURRICULARES REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE UM PERFIL DE FORMAÇÃO GRADE DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UNIMAR PROGRAMA ANALÍTICO DAS DISCIPLINAS ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS AVALIAÇÃO DO CURSO AVALIAÇÕES DOS PROFESSORES ATIVIDADES ARTICULADAS AO ENSINO DA GRADUAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES SEMANA DE ESTUDOS AUDITORIA PERÍCIA CONTÁBIL LABORATÓRIO CONTÁBIL

3 8.6 HISTÓRIA CULTURA AFRO-BRASILEIRA E INDÍGENA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

4 APRESENTAÇÃO Este documento apresenta o Projeto Pedagógico do curso noturno de CIÊNCIAS CONTÁBEIS da Universidade de Marília UNIMAR, além dos dados históricos da Universidade de Marília UNIMAR e os dados referentes ao Ensino de Contabilidade no Brasil. Demonstra-se o perfil do curso, o perfil do egresso, a forma de avaliação, os objetivos, as justificativas, as características e todos os dados gerais do curso noturno de Ciências Contábeis da Universidade de Marília - UNIMAR com detalhes da estrutura pedagógica com todas as disciplinas ministradas durante os oito termos, as ementas, a bibliografia básica e complementar utilizada em cada disciplina, o estágio curricular, o trabalho de conclusão de curso e as atividades articuladas ao ensino da graduação. A proposta da Universidade é oferecer um curso de Ciências Contábeis com a finalidade de formar profissionais com uma visão global do meio social, político, econômico e cultural com domínio total das habilidades técnicas da ciência contábil, bem como, profissionais éticos e cientes da responsabilidade que a detêm. O profissional da área de Ciências Contábeis tem a vantagem de contar com um mercado extremamente multifacetado onde pode desempenhar papéis relacionados a serviços rotineiros de escritório a gerenciando de pequenas, médias e grandes empresas, ou como profissional liberal em escritórios, assessorias, consultorias ou outras especialidades em empresas públicas ou privadas. O especialista em contabilidade tem sido procurado cada vez mais em razão das constantes modificações sócias econômicas mundiais, bem como, criar e manter controles eficazes da enorme carga tributária de nosso país. 4

5 1. UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIMAR A instituição surgiu em Marília, no ano de 1938, quando a cidade - com apenas 9 anos - já apresentava perspectivas de desenvolvimento comercial, industrial e agrícola, inclusive com aumento surpreendente dos índices populacionais. Nessa ocasião, o professor Glicério Póvoas conseguiu a criação da Escola de Comércio da Alta Paulista, denominada então Academia de Comércio de Marília, que instalou o curso de Ciências Econômicas. Posteriormente em 30 de dezembro de 1956, deu origem à Associação de Ensino de Marília, hoje mantenedora da Unimar. De lá para cá o crescimento foi natural, acompanhando a evolução do próprio País. Em 1956 com a constituição da Associação de Ensino de Marília foram oferecidos os cursos: Ginasial, Escola Normal, Colégio Comercial e a Faculdade de Ciências Econômicas. Tinha como objetivo a expansão de cursos superiores, para Marília e região. A partir da década de 1970 vários cursos superiores foram criados como Educação Física, Administração, Ciências Contábeis, Pedagogia, Letras, Estudos Sociais, Ciências, Educação Artística, Psicologia, Serviço Social e Odontologia. Na década de 1980 foram criados Medicina Veterinária, Ciência da Computação, Tecnologia em Processamento de Dados. Em 1985, à Associação de Ensino assumiu a mantença dos cursos Superiores na época pertencia à Fundação Tamoio de Ensino e Cultura da cidade de Tupã. Foram incorporados à Associação de Ensino de Marília outros seis cursos: Arquitetura e Urbanismo, Ciências (Matemática), Letras, História, Geografia e Pedagogia. No entanto, a partir do 2º semestre de 1994 as atividades desses cursos na cidade de Tupã foram suspensas; os alunos remanescentes foram transferidos para os mesmos cursos em funcionamento, na cidade de Marília. Ainda, em 1985, já com 20 cursos superiores e oferecendo 2800 vagas anuais, as Faculdades Integradas de Marília encaminharam ao Conselho Federal de Educação Carta-Consulta solicitando sua transformação em universidade, pela via de Reconhecimento. 5

6 Em 26/04/88, às Faculdades Integradas de Marília foram reconhecidas como Universidade de Marília UNIMAR. Desde a transformação em Universidade, a Associação de Ensino de Marília passou a realizar vultosos investimentos, a fim de promover condições adequadas para o ensino, pesquisa e extensão em todas as áreas do conhecimento. Foram criados novos cursos, adquiridas novas áreas de terreno para construções de várias instalações. Destacamos a construção do Hospital Universitário, novas salas de aula, laboratórios, salas-ambiente, clínicas, bem como a constante aquisição de todos os equipamentos e infraestrutura requeridos para a necessária qualidade dos cursos. 1.1 A UNIVERSIDADE DE MARÍLIA HOJE Atualmente o campus universitário da UNIMAR é considerado o maior do Brasil. A universidade está instalada numa área de 350 alqueires, parte destinada às edificações que abrigam mais de 30 cursos superiores e parte à Fazenda Experimental Marcelo Mesquita Serva, onde são desenvolvidas as práticas agrícolas, criação de animais, ordenha e demais atividades ligadas aos cursos da área de Ciências Agrárias: Engenharia Agronômica, Medicina Veterinária e Zootecnia. A Fazenda Santa Filomena, localizada a 45 quilômetros da Universidade, possui 980 alqueires e é utilizada para a criação de animais de grande porte e para culturas agrícolas. A 18 quilômetros do campus há também a Fazenda Água Limpa, destinada a bovinocultura de leite e de corte, além de centro de referência em alta tecnologia na produção e reprodução de raças de pura origem. Infra-estrutura modelo e alta tecnologia marcam as instalações do campus, que, atualmente, transformou-se numa verdadeira cidade, São avenidas pavimentadas e arborizadas, em mais de m² de área construída. Aqui se oferecem serviços básicos aos acadêmicos: restaurantes, livraria, posto bancário, caixas de correio, áreas de lazer, esporte e recreação, entre outros. CURSOS DE GRADUAÇÃO OFERECIDOS PELA UNIVERSIDADE 6

7 A Universidade de Marília oferece os seguintes cursos de graduação: Administração Alimentos Análise e desenvolvimento de Sistemas Arquitetura e Urbanismo Biomedicina Ciências Contábeis Design de Produto Direito Educação Física Enfermagem Engenharia Agronômica Engenharia Civil Engenharia de Alimentos Engenharia de Produção Mecânica Engenharia Elétrica Engenharia Química Farmácia (Bioquímica/Industrial) Fisioterapia Jornalismo Letras Manutenção industrial Medicina Medicina Veterinária Nutrição Odontologia Pedagogia Produção Sucroalcoleira Psicologia Publicidade e propaganda Serviço Social Zootecnia Curso Superior de Tecnologia em Alimentos Curso Superior de Tecnologia em Mecânica de Manutenção Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanas Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Segurança Privada 2. O ENSINO DE CONTABILIDADE NO BRASIL A profissão de contabilista foi regulamentada no Império, quando D. Pedro II, em 1850, ao sancionar o Código Comercial Brasileiro faz surgir a pessoa do guarda-livros que passou a ser considerado um agente auxiliar do comércio. Dispõe, ainda, neste primeiro Código, no item 3 do artigo 35 que este guarda-livros também seria considerado um preposto da Casa Comercial e antes de iniciar seus serviços deveria receber do empregador uma nomeação por escrito e esta nomeação deveria ser inscrita no Tribunal do Comércio. 7

8 Naquela época não existiam pessoas diplomadas, portanto, presumese que os contabilistas (guarda-livros) eram práticos que conheciam as rotinas de comércio, mas já utilizavam as partidas dobradas, conhecida na época como quarta fórmula. A primeira escola de Contabilidade no Brasil surgiu em 1902, quando o então presidente Rodrigues Alves, em janeiro de 1905, através do decreto federal nº 1339, reconheceu e declarou de utilidade pública e em caráter oficial, os diplomas conferidos pela Academia do Comércio do Rio de Janeiro, Escola Prática do Comércio de São Paulo, Instituto Comercial do Distrito Federal e Academia de Comércio de Juiz de Fora e providenciou a organização dos cursos, dividindo-o em dois: um geral e outro superior. Iniciou-se em 1908 o Curso Superior de Ciências Comerciais. Em 1915 fundou-se a primeira entidade de contabilista, o Instituto Brasileiro de Contadores Fiscais. Em 1916 foram fundados a Associação de Contadores de São Paulo e o Instituto Brasileiro de Contabilidade. Em 1924, liderado pelo senador João Lyra, foi realizado o primeiro Congresso Brasileiro de Contabilidade, onde deu início a campanha para regulamentar a profissão do Contador. Em 1927, o contabilista Francisco D Auria lançou a idéia do Registro Geral de Contabilista do Brasil, o que foi início para chegarmos ao complexo CFC e CRCs. Em 1930, sob a liderança do governo Brasileiro comandado por Getulio Vargas foram regulamentadas diversas profissões, entre elas, a de contabilista. Em 1931, pelo decreto nº 20158, foram criados os cursos de Contabilidade propriamente ditos, instituindo o Curso Técnico de Contabilidade com duração de dois anos para formar "guarda livros" e de três anos para formar "Peritos Contadores" e o registro obrigatório na Superintendência do Ensino Comercial. Em 1932, o governo provisório baixou o decreto nº 21033, estabelecendo novas condições para registros dos contadores e guardalivros, resolvendo o problema daqueles chamados práticos, dando-lhes condições e prazos para seus registros e a partir deste momento a profissão contábil passou a exigida através da preparação escolar. 8

9 Em 1943, pelo Decreto Lei 6141, os cursos técnicos foram transformados na categoria de cursos médios, garantido ao formando o título de Técnico de Contabilidade. Em 1945, foi instituído o Curso de Ciências Contábeis e Atuarias pela Lei nº7938. Em 1946, surgiu o Conselho Federal de Contabilidade, que contribuiu de maneira extraordinária para a boa qualidade do ensino superior da Contabilidade. Em 1951, através da Lei nº 1401 foram desmembrados os cursos de Ciências Contábeis e Atuarias, criando-se de forma independente, o curso de Ciências Contábeis, que veio oferecer aos formando o título de Bacharel em Contabilidade. Além do decreto de 1945, tivemos o Parecer nº 397/62 que dividiu os cursos de Ciências Contábeis em ciclo de formação básica e ciclo de formação profissional e a resolução 03/92 do extinto Conselho Federal de Educação, que fixava os conteúdos mínimos e a duração para os cursos de graduação. 2.1 DADOS HISTÓRICOS DA CONTABILIDADE NO BRASIL De acordo com o Conselho Federal de Contabilidade existem profissionais Ativos na área contábil até o mês de novembro/2012 e Organizações Contábeis Ativas, disposto por estado e categoria, conforme abaixo: 9

10 REGIÃO ESTADO CONTADOR TÉCNICO TOTAL CLASS DF ,05% 8º GO ,44% 11º CENTRO- MS ,41% 15º OESTE MT ,06% 13º TOTAL ,96% NORDESTE NORTE SUDESTE SUL AL ,77% 22º BA ,19% 6º CE ,46% 10º MA ,22% 18º PB ,23% 17º PE ,68% 9º PI ,07% 20º RN ,17% 19º SE ,72% 24º TOTAL ,51% AC ,25% 26º AM ,36% 16º AP ,27% 25º PA ,07% 12º RO ,95% 21º RR ,23% 27º TO ,75% 23º TOTAL ,87% ES ,97% 14º MG ,07% 2º RJ ,94% 3º SP ,69% 1º TOTAL ,67% PR ,33% 5º RS ,64% 4º SC ,03% 7º TOTAL ,00% TOTAL BRASIL % Fonte: Conselho Federal de Contabilidade 10

11 Dos profissionais Ativos, 60,13% são CONTADORES E 39,87% são TÉCNICOS ESCRITÓRIOS ATIVOS - NOV/2012 ESTADO SOCIEDADE EMPRESARI INDIVIDUAL BRASIL % CLASS A 31 O ,21 27º C A % 0,93 19º L A % 0,87 21º M A % 0,22 26º BP % 4,49 7º A C % 2,74 11º DE % 3,49 9º F E % 2,81 10º S G % 3,84 8º MO % 1,26 17º A M % 7,15 5º G M % 1,93 14º S M % 2,14 13º T P % 1,24 18º A P % 1,31 15º B P % 2,66 12º PE % 0,89 20º I P % 9,12 3º R % 7,23 4º J R % 1,30 16º N R % 0,69 22º O R % 0,28 25º R ,49 % 2º S % 5,83 6º C S % 0,55 24º SE ,67 % 1º P T % 0,65 23º TOTAL O % 100 Fonte: Conselho Federal 94 de Contabilidade % 11

12 2.2 O PROFISSIONAL, SEGUNDO O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE QUEM É? O bacharel em CIÊNCIAS CONTÁBEIS, antes de mais nada, é um profissional eclético. Todo e qualquer patrimônio necessita de critérios de formatação e de avaliação, fato do dia-a-dia do Profissional em Contabilidade. A identificação, análise e, finalmente, determinação do impacto das transações no patrimônio das entidades, exige do Profissional um amplo e variado leque de conhecimento. O mundo vem experimentando violentas transformações e requer versatilidade e abrangência nas interpretações. O Profissional Contábil está treinado e habilitado, na extensão do seu necessário envolvimento como requisito mínimo nos assuntos econômicos, tributários, organizacionais e comportamentais, a direcionar as conclusões da lógica contábil sempre respaldado por princípios e normas técnicas dando espaço à propalada interpretação da condição, qualidade e valor do patrimônio. Nenhuma decisão de negócio é tomada sem os dados contábeis e somente o Profissional Contábil dispõe de preparo técnico para com tais dados disponibilizar a verdade patrimonial e a direção dos negócios. A realidade de mercado hoje exige um profissional pronto para assumir novas responsabilidades. Mais do que apenas registrar os atos e fatos da empresa, deve ser uma verdadeira bússola dos negócios e ajudar a administração a manter o negócio na rota prevista. Para desempenhar essas funções com a máxima competência, sua formação hoje deve conter não só noções sólidas de finanças, economia e gestão, mas, também, de ciências humanas, ética e responsabilidade social. O bacharel em Ciências Contábeis está capacitado para pesquisar, analisar e discernir a par de muito bom senso, todo o sistema de informações econômicas, financeiras e patrimoniais das Entidades. 12

13 2.3 O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O bacharel em Ciências Contábeis tem sua profissão regulamentada pelo Decreto Lei nº 9.295/46 e suas atribuições definidas pela Resolução nº 560/83, do Conselho Federal de Contabilidade. Bastante amplo, o mercado de trabalho oferece muitas oportunidades para uma carreira bem sucedida. Atualmente, a profissão vive um momento áureo. Vale lembrar, onde houver uma empresa, pequena, média ou grande, sempre existirá a figura do contador. Profissional liberal, o Contador pode-se dizer um profissional de múltiplas funções, podendo ser: Autônomo; Empresário de Contabilidade; Auditor Independente, Auditor Interno; Consultor Tributário; Controller; Auditor Fiscal; Perito Contábil; Membro de Conselho Fiscal e de Administração; Árbitro em câmaras especializadas; Atuar na Área Acadêmica; Membro de Comitês de Auditoria; Membro em Entidade de Classe; Executivo. 3 O CURSO DE CONTABILIDADE NA UNIMAR O curso de Ciências Contábeis da Universidade de Marília - UNIMAR foi criado em 1973 e teve seu início em 1974 e vem atendendo aos alunos da região num raio de 100 km. Geralmente são alunos vindos da escola pública, sem a mesma preparação oferecida aos alunos de outras faculdades pelas escolas particulares e cursinhos. Normalmente são pessoas que trabalham na área contábil ou 13

14 financeira em empresa ou escritórios de contabilidade e estudam no período noturno pagando seus estudos e suas despesas pessoais com os ganhos do trabalho diurno. Atualmente conta com Bolsa para alunos que cursaram outra faculdade com a finalidade de contemplar com descontos na mensalidade que variam de 30 a 40% e, em 2004 a Universidade assinou o Termo de Adesão ao Programa Universidade para todos (PROUNI) para os alunos da escola pública com renda inferior 1,5 salário mensal, contando também com o Financiamento Estudantil (FIES). 14

15 3.1 DADOS GERAIS DO CURSO DENOMINAÇÃO DO CURSO: Ciências Contábeis LOCALIZAÇÃO/CIDADE/UF: Marília SP INSTITUIÇÃO DE ENSINO: Universidade de Marília UNIMAR REITOR: Márcio Mesquita Serva PRÓ-REITOR DE GRADUAÇÃO: José Roberto Marques de Castro COORDENADORA DO CURSO: Ana Cláudia Rossetto INÍCIO DE FUNCIONAMENTO: 1974 AUTORIZAÇÃO: RECONHECIMENTO: Parecer CFE 526/73 de 03/04/73 Decreto de 25/07/73 Parecer CFE 4830/75 de 03/12/75 Portaria MEC de 13/02/76 NÚMERO DE VAGAS ANUAIS: 50 por ano REGIME DE MATRÍCULA: Semestral PERÍODO: Noturno INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR: Mínimo de 4 anos e Máximo de 7 anos DURAÇÃO DO CURSO NA UNIMAR: 8 Semestres TOTAL DE CRÉDITOS: 144 DISCIPLINAS TEÓRICAS E PRÁTICAS: horas aula ESTÁGIO SUPERVISIONADO: 320 Horas TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO: 200 Horas HORAS COMPLEMENTARES: 100 Horas TOTAL DE HORAS: Horas DOUTORES: 07,7% MESTRES: 76,9 % 15

16 ESPECIALISTAS: 15,4% 3.2 DIMENSIONAMENTO DAS TURMAS Os colegiados superiores, CONSEPE e CONSUNI estabeleceram que os alunos devidamente matriculados dividam-se em turmas de até no máximo 100 (cem) alunos, para as aulas teóricas, e em turmas de até 50 (cinqüenta) alunos para as aulas práticas, sendo proibida a junção de turmas acima destes limites. 3.3 PERFIL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UNIMAR O curso de Ciências Contábeis da Universidade de Marília teve início em 1974, foi autorizado pelo Parecer CFE 526/73 de 03/04/73 e Decreto de 25/07/73 e reconhecido pelo Parecer CFE 4830/75 de 03/12/75 e pela Portaria Ministerial Portaria MEC de 13/02/76. A Universidade está localizada na cidade de Marília, região centro-oeste do Estado de São Paulo, com mais de habitantes. Nesta região a economia é baseada na agricultura e na agropecuária, porém, a cidade também conta com um parque industrial voltado à área metalúrgica e de alimentos, sendo conhecida como "Capital Nacional do Alimento", em razão do grande número de indústrias alimentícias aqui instaladas, o que a torna um pólo econômico regional. Como pólo econômico, a região necessita de mão de obra qualificada, em especial a do contabilista, que tem a capacidade de fornecer dados históricos, financeiros e econômicos aos investidores, clientes, fornecedores e em especial ao Fisco Federal, Estadual e Municipal. O curso pretende formar o aluno com base no conjunto de conhecimentos adquiridos nas várias disciplinas e que desenvolva a capacidade de assimilar a teoria da sala de aula com a prática nas empresas. Com a globalização da economia, administradores e gestores vêm se utilizando, cada vez mais, de relatórios contábeis como instrumento para tomada de decisões em suas empresas. 16

17 O curso de Ciências Contábeis da Universidade de Marília UNIMAR, observando atentamente toda essa evolução, tem procurado formar profissionais com capacidade de mensurar toda a gama de informações obtidas por meio das análises contábeis, colocando em prática um sistema capaz de auxiliá-los a tomar decisões, na promoção de um gerenciamento eficaz. Para a obtenção desse perfil profissional, nos dois primeiros semestres o curso oferece, além de uma sólida base de conceitos da contabilidade, conhecimentos em diversas outras áreas, numa formação multidisciplinar, envolvendo conteúdos de diferentes áreas do conhecimento como: Administração, Direito, Direito Comercial, Economia, Estatística, Humanística, Informática, Comunicação Empresarial, Matemática, Matemática Financeira, Legislação Societária e Tributária, Ética Profissional, Metodologia do Trabalho Científico e Sociologia, proporcionando uma visão geral ao profissional tornando-o capaz de exercer atividades nos mais diferentes setores de uma organização. Nos demais semestres o curso oferece as disciplinas específicas dos profissionais da contabilidade, como Contabilidade Intermediária, Contabilidade Avançada, Contabilidade Industrial, Contabilidade Agrícola, Contabilidade Pública, Contabilidade Gerencial, Contabilidade de Custos, Contabilidade Financeira e Orçamentária, Auditoria, Perícia Contábil e Análise de Demonstrações Contábeis. Complementando o aprendizado, nos dois últimos semestres são oferecidos um Estágio Supervisionado e um programa específico de contabilidade a ser utilizado no Laboratório Contábil, onde o aluno põe em prática todos os conhecimentos adquiridos durante o curso. Para a consecução dos objetivos propostos, recorre-se a aulas teóricas e práticas, estas com utilização de recursos da informática, hoje imprescindível à atuação do profissional contábil. Dessa forma, possibilita-se aos Bacharéis em Ciências Contábeis formados pela Universidade de Marília possuir uma visão global do meio social, político, econômico e cultural, com domínio total das habilidades técnicas da ciência da contabilidade, sendo, além de tudo, um profissional ético e ciente da responsabilidade que detém. 17

18 3.4 PERFIL DO EGRESSO Para atender às exigências da sociedade atual, a Universidade de Marília (UNIMAR) projetou para o seu graduando um processo de formação profissional que o caracterize como um bacharel crítico, ético, lúcido e solidamente capacitado para planejar, organizar, analisar, liderar e dirigir as atividades de controle do gerenciamento contábil nas empresas, com visão de globalização, sem perder de vista as particularidades regionais. A preocupação da Unimar corresponde às diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em Ciências Contábeis, apresentada pela Comissão de Especialistas do Ensino de Contabilidade, cujo objetivo é estimular uma visão crítica para a educação em contabilidade, buscando criar condições para formar contadores competentes e articulados às tendências mundiais. A contabilidade assim como a sociedade passa por rápidas transformações, onde as mudanças nas atitudes sociais cominadas com o progresso da tecnologia, da informação e da utilização dos métodos quantitativos e das ciências do comportamento, têm afetado o cenário de atuação da contabilidade. Como conseqüência dessa nova ótica, é necessária uma constante reavaliação dos objetivos dos procedimentos contábeis, tendo em vista que o seu papel é suprir a sociedade de informações econômicas e sociais relacionadas às entidades. Nessa perspectiva, o curso de Ciências Contábeis traçou para os futuros bacharéis o seguinte perfil profissional: - nas organizações micro, pequenas, médias e grandes, se optar por trabalhar como empregado; - na qualidade de empresário da Contabilidade, se optar pelo seu próprio escritório; - na condição de autônomo, se optar por ser consultor, perito contábil, auditor independente na forma de pessoa física, etc. Este conhecimento técnico-científico para desenvolver atividades práticas profissionais priorizará a demanda regional enfocando também a demanda nacional, sem desprezar a demanda do Mercosul e mundial. Para tanto, serão desenvolvidas as seguintes competências e habilidades: 18

19 - utilizar adequadamente a terminologia e a linguagem das Ciências Contábeis e Atuariais; - demonstrar visão sistêmica e interdisciplinar da atividade contábil; - elaborar pareceres e relatórios que contribuam para o desempenho eficiente e eficaz de seus usuários, quaisquer que sejam os modelos organizacionais; - aplicar adequadamente a legislação inerente às funções contábeis; - desenvolver, com motivação e através de permanente articulação, a liderança entre equipes multidisciplinares para a captação de insumos necessários aos controles técnicos, à geração e disseminação de informações contábeis, com reconhecido nível de precisão; - exercer suas responsabilidades com o expressivo domínio das funções contábeis, incluindo as atividades atuariais e de quantificações de informações financeiras, patrimoniais e governamentais, que viabilizem aos agentes econômicos e aos administradores de qualquer segmento produtivo ou institucional o pleno cumprimento de seus encargos quanto ao gerenciamento, aos controles e à prestação de contas de sua gestão perante à sociedade, gerando também informações para a tomada de decisão, organização de atitudes e construção de valores orientados para a cidadania; - desenvolver, analisar e implantar sistemas de informação contábil e de controle gerencial, revelando capacidade crítico-analítica para avaliar as implicações organizacionais com a tecnologia da informação; - exercer com ética e proficiência as atribuições e prerrogativas que lhe são prescritas através da legislação específica, revelando domínios adequados aos diferentes modelos organizacionais. Em linhas gerais, quer se formar profissionais dotados dessas competências e habilidades visando atender principalmente à demanda regional (sem desprezar a demanda nacional e internacional) pelos serviços contábeis, com capacidade de exercer com ética, justiça e responsabilidade as atribuições e prerrogativas compatíveis à profissão. Contudo, para o profissional da Contabilidade, seu campo de atuação é bastante diversificado, podendo atuar nas seguintes áreas: - Como contador: exercer a Contabilidade Financeira (ou Contabilidade Geral, ou Contabilidade Fiscal ou Contabilidade Societária), a 19

20 Contabilidade de Custos, a Contabilidade Gerencial e Contabilidade Estratégica. A Contabilidade Financeira ou Contabilidade Geral, quando aplicada a atividades específicas, recebe uma "nova roupagem", se considerarmos suas peculiaridades do ramo de atividades ao qual ela é aplicada. Estas atividades precisam ser abordadas no curso, considerando, principalmente, as demandas regionais. Assim surgem a Contabilidade Pública, Contabilidade Rural, a Contabilidade Hospitalar, a Contabilidade Industrial, a Contabilidade Comercial, a Contabilidade Imobiliária, a Contabilidade de Seguros, a Contabilidade de Serviços, a Contabilidade de Transportes, a Contabilidade de Entidades sem Fins Lucrativos, etc. - Como auditor: exercer Auditoria Interna, sendo empregado da empresa; ou Auditoria Externa, como autônomo ou em empresa de auditoria. A Auditoria Interna pode ser voltada exclusivamente para controles internos, como também pode estar voltada para Auditoria de Sistemas, ou Auditoria de Gestão, ou ainda, de acordo com as necessidades de cada empresa. Assim sendo, o recém-formado em Contabilidade Superior, com registro no Conselho Regional de Contabilidade, já está habilitado ao exercício da Auditoria Externa, na condição de profissional liberal ou autônomo. O Auditor Independente, da mesma forma que Auditor Interno, é uma das áreas que mais cresce na profissão contábil. - Como perito Contábil: Participar de perícias contábeis, judiciais e extrajudiciais, assim como auditorias e outras atribuições, são privativas dos profissionais contábeis (Resolução CFC nº 560/83 - Art. 3º). Também pode ser trabalho de perito contábil a apuração de haveres e avaliação de direitos e obrigações do acervo patrimonial de quaisquer entidades, em vista de liquidação, fusão, cisão, expropriação no interesse público, transformação ou incorporação dessas entidades, bem como em razão de entrada, retirada, exclusão ou falecimento de sócios, entre outras. A área de Perícia Contábil, diretamente ligada ao campo de direitos, das ações judiciais e extrajudiciais, requer atenção curricular e metodológica nos cursos de Contabilidade. - Como Analista Financeiro: O curso de Ciências Contábeis propõe-se a capacitar o profissional contábil para fazer análise econômico-financeira das entidades em três ângulos: - análise de crédito: analista externo de entidades para fins de concessão de crédito do ponto de vista da instituição financeira e vendas a prazo; 20

21 - análise de desempenho: analista interno que avalia indicadores de desempenho das entidades; - análise de investimento: analista externo que tem por objetivo avaliar entidades para fins de investimento em nível de mercado de capitais, novos negócios, fusões, etc. - Como Consultor: A consultoria contábil permite às entidades, buscarem esporadicamente especialistas em determinadas áreas a um custo menor que a manutenção de um funcionário permanente. À medida que o profissional se especializa numa determinada área, há um mercado considerável para prestação de serviços de consultor: tributos, comércio exterior, contabilidade aplicada, processamento de dados, custos, sistemas, análise financeira, etc. - Como Empresário da Contabilidade: Sem dúvida, a área onde há maior concentração é na atividade contábil. - Em outras áreas como: Investigador de Fraudes Contábeis, Pesquisador Contábil, Escritor Contábil, Professor de Curso Técnico, Conselheiro Controller, Controlador de Arrecadação, Escriturador Contábil e Fiscal, Fiscal de Tributos, Conferencista, Parecerista, são alguns exemplos de funções comuns aos contadores. 3.5 FORMA DE ACESSO AO CURSO As formas de acesso ao curso de Ciências Contábeis são através do Processo Seletivo e transferência externa e portadores de diploma de nível superior, obedecendo ao REGIMENTO GERAL aprovados pelo CONSEPE Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão em 06/03/08 e CONSUNI Conselho Universitário em 07/03/08, abaixo transcrito: CAPÍTULO II DO PROCESSO SELETIVO Art. 58. O processo seletivo de ingresso no 1º período ou termo de cada curso destina-se a avaliar a formação recebida pelos candidatos e a classificá-los, dentro do estrito limite das vagas oferecidas. 1º. A Pró-reitoria de Graduação designará, através de Portaria, Comissão Coordenadora dos Processos Seletivos de Admissão dos 21

22 Candidatos. 2º. As inscrições para o processo seletivo são abertas em Edital, no qual constarão os cursos oferecidos com as respectivas vagas, os prazos de inscrição, a documentação exigida, a relação das provas, o critério de classificação e de desempate e demais informações úteis. 3º. No ato de inscrição ao processo seletivo de ingresso, a UNIMAR colocará à disposição dos candidatos um catálogo informativo, contendo as condições de oferta dos cursos. Art. 59. O processo seletivo de admissão estabelecerá metodologia uniforme e tratamento idêntico para todos os candidatos, e em todos os cursos oferecidos, nos termos das normas e procedimentos aprovados pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Parágrafo único. A UNIMAR pode realizar prova de habilidade específica nos processos seletivos de admissão, para quaisquer dos cursos oferecidos, na forma proposta pela Comissão Coordenadora e aprovada pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Art. 60. A classificação far-se-á por ordem decrescente dos resultados obtidos, sem ultrapassar o limite de vagas fixado e excluídos os candidatos que não obtiverem os níveis mínimos estabelecidos. 1º. A classificação obtida é válida para a matrícula no período letivo para o qual se realiza o concurso, tornando-se nulos seus efeitos se o candidato classificado deixar de requerê-la ou não apresentar a documentação regimental completa, dentro dos prazos fixados. 2º. Na hipótese de restarem vagas não preenchidas, esgotadas as chamadas de excedentes, nelas poderão ser recebidos alunos transferidos de outra instituição, ou portadores de diplomas de graduação mediante processo seletivo próprio, ou excedentes do mesmo processo seletivo que requererem, regularmente, reopção de curso. Art. 61. Não ocorrendo o preenchimento das vagas iniciais, é facultada à UNIMAR a realização de novo processo seletivo de admissão, mediante publicação de novo Edital, nos termos da legislação em vigor. CAPÍTULO III DA MATRÍCULA Art. 62. A matrícula, ato formal de ingresso do aluno no curso e de 22

23 vinculação do mesmo à UNIMAR, realiza-se na Secretaria Geral, em prazos estabelecidos no calendário acadêmico, no 1º e 2º semestres letivos, distintamente, instruído o requerimento com a documentação competente, condicionada à regularidade administrativa do aluno e à celebração de um Contrato de Prestação de Serviços Educacionais. 1º. Quando da ocorrência de vagas, será permitida a matrícula de alunos não regulares, desde que comprovada sua capacidade de cursar as disciplinas oferecidas no currículo com proveito e mediante processo seletivo prévio, devidamente regulamentado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, sendo conferido, ao final, certidão dos estudos realizados. 2º. No caso de graduado em outro curso superior, é exigida a apresentação do diploma, devidamente registrado, para substituir o comprovante de Conclusão de Ensino Médio ou equivalente. Art. 63. A matrícula deverá ser renovada semestralmente, pois são independentes, no prazo estabelecido pelo calendário acadêmico. Parágrafo único. Ressalvado o disposto no artigo 65 deste Regimento Geral, a não renovação de matrícula a cada semestre implica em abandono do curso e desvinculação do aluno da UNIMAR. Art. 64. É permitida a exclusão ou inclusão de disciplinas, se requeridas dentro do prazo previsto pelo Calendário Acadêmico, e desde que seja atendido o disposto no art. 62 deste Regimento Geral. CAPÍTULO IV DO TRANCAMENTO DE MATRÍCULA Art. 65. É concedido trancamento de matrícula para o efeito de, interrompidos temporariamente os estudos, manter o aluno sua vinculação à UNIMAR. 1º. O trancamento é concedido por quatro (4) semestres consecutivos ou seis (6) alternados e só será deferido se o requerente estiver em dia com suas obrigações com a UNIMAR. 2º. O trancamento não assegura ao aluno o retorno no currículo que cursava. 3º. Não será computado no prazo de integralização do curso o período correspondente ao trancamento, feito na forma prevista, exceto ou somente se possuir o benefício do FIES ou PROUNI. 23

24 Art. 66. Pode o aluno solicitar cancelamento de sua matrícula que, após deferido, desvincula o aluno da UNIMAR. Parágrafo único. O pedido de cancelamento de matrícula só será deferido se o requerente estiver em dia com suas obrigações perante a UNIMAR. CAPÍTULO V DAS TRANSFERÊNCIAS E DO APROVEITAMENTO DE ESTUDOS Art. 67. A UNIMAR aceita transferências de alunos regulares, para cursos afins, na estrita conformidade das vagas existentes, mediante processo seletivo regulamentado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Art. 68 As transferências ex-ofício dar-se-ão na forma da legislação vigente. Art. 69 Em qualquer época, a requerimento do interessado e respeitadas as normas vigentes, a UNIMAR concede transferência de aluno nela matriculado. Parágrafo único. Não é concedida transferência a aluno que se encontre respondendo a inquérito administrativo ou cumprindo penalidade disciplinar. Art. 70 O interessado que apresentar certidão de estudos realizados fica sujeito a prestar Processo Seletivo de Ingresso na Unimar, e requerer convalidação de estudos. Art. 71 O aluno que já tenha concluído curso superior autorizado ou reconhecido, ou mesmo disciplinas de cursos afins, pode requerer, por ocasião da matrícula, aproveitamento de disciplinas estudadas, observada a legislação de ensino. Art. 72 A transferência interna será possível se houver vagas no curso pretendido e se forem plenamente atendidas normas fixadas pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão 3.6 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROJETO DO CURSO As avaliações do curso são realizadas através de reuniões com o Conselho de Curso e com os professores visando adaptar as orientações do Conselho Regional de Contabilidade (CRC) e do Conselho Federal de 24

25 Contabilidade (CFC) referente às exigências para formação profissional do seu alunado, tais como: Avaliação participativa constante da grade curricular, efetuada pelo corpo docente; Discussão da importância da relação teoria - prática na formação profissional; Adequar os conteúdos programáticos das disciplinas seguindo as constantes mudanças e transformações sociais de forma a atender o exercício profissional; Implementar atividades constantes conciliando a teoria e a prática; Acompanhar as exigências do mercado de trabalho gerando adequações necessárias na formação do contador atual. Há alguns anos (desde 2000) a Universidade de Marília UNIMAR vem avaliando seus professores através de perguntas respondidas pelos alunos do curso de Ciências Contábeis. Numa data pré-estabelecida, sem o conhecimento dos discentes, o coordenador do curso de Ciências Contábeis vai a cada uma das salas para explicar o motivo da Avaliação. Lê todas as perguntas e esclarece todas as dúvidas. Em seguida distribui os questionários e aguarda até que o último aluno tenha termine de preencher. Preenchido os questionários pelos alunos, os envelopes são lacrados e encaminhados para a confecção das planilhas para alimentar um banco de dados. Através de estudos foram desenvolvidas planilhas com fórmulas matemáticas e estatísticas para apuração do resultado. Os resultados são apurados, individualmente, com a quantidade de conceitos ótimos, bons, regulares, fracos e insuficientes. Para cada uma das perguntas (por disciplina) foi atribuído o peso correspondente ao conceito indicado pelo aluno. Calculou-se a da média individualizada por pergunta, por disciplina, por termo e geral pelo curso de Ciências Contábeis desta Universidade. Além das médias, apuradas de acordo com o parágrafo anterior, foram calculados os percentuais de conceitos (5-ótimo, 4-bons, 3-regulares, 2-fracos e 1- insuficientes) para cada uma das disciplinas de acordo com 25

26 cada uma das perguntas do questionário. Para essa avaliação são formuladas as seis (06) perguntas abaixo relacionadas: Metodologia e didática do professor; Conhecimento e domínio do assunto; Capacidade de relacionar teoria X prática; Pontualidade do docente: entrada e saída da sala de aula; Se as avaliações estão coerentes com o conteúdo ministrados; Com relação a expectativa quanto a disciplina. 3.7 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Quanto ao SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM, o Curso de Ciências Contábeis obedece ao REGIMENTO GERAL aprovados pelo CONSEPE Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão em 06/03/08 e CONSUNI Conselho Universitário em 07/03/08, abaixo transcrito: CAPÍTULO VI DO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM Art. 73 O plano de ensino da disciplina é elaborado a cada semestre e deve conter, no mínimo, a indicação dos objetivos gerais e específicos da mesma, o conteúdo programático, a metodologia a ser adotada, a carga horária, os critérios de avaliação e os recursos materiais e bibliográficos de apoio. 1º. O plano de ensino da disciplina é elaborado pelo professor ou grupo de professores e aprovado pelo respectivo Conselho de Curso, devendo ser submetido à aprovação do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. 2º. É obrigatório o cumprimento do conteúdo programático e da carga horária prevista em cada disciplina de cada semestre. Art. 74 São atividades curriculares as preleções, pesquisas, exercícios, arguições, trabalhos práticos, seminários, excursões, estágios e demais atividades complementares, inclusive as realizadas em campus avançado, previstas nos respectivos planos de ensino. Art. 75 A avaliação do desempenho escolar é feita por disciplina, incidindo sobre a frequência e o aproveitamento obtidos em cada semestre 26

27 letivo. Art. 76 A frequência às aulas e demais atividades acadêmicas é obrigatória, vedado o abono de faltas, exceto em casos previstos na legislação de ensino. 1º. Independentemente dos demais resultados obtidos, é considerado reprovado na disciplina o aluno que não obtenha frequência em, no mínimo, setenta e cinco por cento (75%) das aulas e demais atividades programadas. 2º. A verificação e o registro da frequência são de responsabilidade do professor, e seu controle pela Secretaria Geral. Art. 77 O aproveitamento escolar é avaliado através de acompanhamento contínuo do aluno e dos resultados por ele obtidos nos exercícios escolares e no exame final. 1º. As avaliações parciais realizadas nos 1º e 2º bimestres de cada semestre letivo, independentes, serão o resultado da média de no mínimo dois instrumentos: trabalhos escritos ou orais, individuais ou em grupos, seminários, pesquisas, arguições, sendo uma delas a prova escrita prevista no Calendário Acadêmico. 2º. O professor da disciplina deve encaminhar a coordenação do respectivo curso os resultados da avaliação de seus alunos, até três dias após a realização da prova referente ao 1º bimestre (P1) e, na forma estabelecida pela coordenação do Curso, os resultados referentes ao 2º bimestre (P2); em cada semestre. 3º. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão regulará os procedimentos para que os alunos que tenham extraordinário aproveitamento nos estudos, possam ter abreviada a duração dos seus cursos, de acordo com as normas vigentes. Art. 78. A cada verificação de aproveitamento é atribuída uma nota expressa em grau numérico de zero (0) a dez (10) pontos, permitindo-se o fracionamento de inteiro em cinco (5) décimos. 1º. Pode ser concedida revisão da nota atribuída à verificação do aproveitamento, quando requerida no prazo de dois (2) dias úteis após sua divulgação. 2º. O professor responsável pela atribuição da nota da prova revisada, pode mantê-la ou alterá-la, devendo, sempre, fundamentar sua 27

28 decisão. 3º. Não acatando a decisão do professor, o aluno, desde que tenha justificado, poderá requerer ao Coordenador do Curso banca, composta por dois (2) outros professores do curso, para reapreciar seu pedido de revisão. 4º. Se ambos concordarem em alterar a nota, prevalecerá esta decisão, mas não havendo unanimidade, prevalecerá a nota originalmente atribuída pelo professor da disciplina. 5º. É atribuída nota 0 (zero) ao aluno que utilizar-se de meio fraudulento na realização de qualquer prova. Art. 79 O aluno que deixar de comparecer à verificação na data fixada, poderá requerer uma prova substitutiva para cada disciplina perdida, de acordo com o Calendário Acadêmico. 1º. O aluno que comparecer a todas as avaliações poderá, também, requerer a prova de que trata o caput, de acordo com o Calendário Acadêmico, para substituir a menor nota das avaliações anteriores (P1 ou P2), pela nota obtida. 2º. Quando a nota obtida na prova substitutiva for menor do que a nota anterior, prevalecerá a nota maior. 3º. É atribuída nota zero (0) ao aluno que se utilizar de meios fraudulentos na realização de qualquer prova substitutiva, sendo lançada a nota zero (0) em substituição a menor nota regimental da disciplina. 4º. A ausência nas avaliações regimentais são computadas como faltas, portanto a participação do aluno na prova substitutiva somente substitui a nota e não a frequência Art. 80. Atendidas, em qualquer caso, a frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) às aulas e demais atividades escolares, para aprovação a cada semestre, aplicam-se as seguintes normas: I - é aprovado o aluno que, após as avaliações parciais realizadas nos 1º e 2º bimestres de cada semestre letivo, alcançar média igual ou superior a sete (7); II - deverá submeter-se a exame final o aluno que, após as avaliações parciais realizadas nos 1º e 2º bimestres de cada semestre letivo, alcançar média igual ou superior a quatro (4.0), mas inferior a sete (7.0); 28

29 III será considerado aprovado o aluno que alcançar, após o exame final, média final igual ou superior a cinco (5.0), resultante da média das avaliações parciais de cada semestre letivo mais a nota do exame final dividida por dois; IV - será considerado reprovado o aluno que, após as avaliações parciais realizadas nos 1º e 2º bimestres de cada semestre letivo, não alcançar a média quatro (4.0) em cada disciplina. V - quanto ao Estágio Supervisionado será considerado aprovado o aluno que obtiver, após cumprimento da carga horária mínima prevista no respectivo currículo pleno, nota final igual ou superior a sete (7.0), resultante das avaliações parciais aplicadas durante o período de estágio. Art. 81. É promovido ao período seguinte, o aluno aprovado em todas as disciplinas do período cursado, admitindo-se, ainda a promoção com dependências. 1º. No ato da renovação semestral da matrícula, o aluno deverá matricular-se, obrigatoriamente, nas disciplinas dependentes de termo menor e, logo a seguir, fechar o horário, com aquelas outras que se enquadrem na compatibilidade horária. 2º. Os estágios, internatos e trabalhos de conclusão de curso obedecerão normas e procedimentos fixados segundo as características de cada curso, aprovados pelos respectivos Conselhos de Curso e pelo CONSEPE. 3º. O aluno reprovado por insuficiência de nota ou de freqüência em disciplinas exclusivamente teóricas e que não pertençam às clínicas, internato de Medicina ou Estágio, ficam amparados pelo regime semipresencial até o limite de 20% (vinte por cento) da carga horária do curso. 29

30 3.8 ATO AUTORIZATIVO ANTERIOR OU ATO DE CRIAÇÃO 3.9 RESULTADOS NO PROVÃO O curso de Ciências Contábeis da Universidade de Marília UNIMAR participou em dois (02) Exames Nacional de Cursos, antigo PROVÃO, realizado pelo MEC, obtendo os seguintes resultados: Turma do ano de 2002: Turma do ano de 2003: Conceito C Conceito A 30

31 3.10 RESULTADOS NO ENADE O curso de Ciências Contábeis da Universidade de Marília UNIMAR, participou do ENADE Exame Nacional de Desempenho Estudantil, realizado pelo MEC em 2006 e 2009, obtendo os seguintes resultados: ENADE DO ANO DE 2006 ENADE Exame Nacional de Desenvolvimento Estudantil Conceito 4 IDD Índice de Diferença de Desempenho Conceito 5 ENADE DO ANO DE 2009 ENADE Exame Nacional de Desenvolvimento Estudantil Conceito 4 IDD Índice de Diferença de Desempenho Conceito 4 CPC - Conceito 3 CPC CONTÍNUO - (2,85) ENADE DO ANO DE 2012 ENADE Exame Nacional de Desenvolvimento Estudantil Conceito 4 ENADE CONTÍNUO - (3,71) CPC - Conceito 4 CPC CONTÍNUO - (3,6370) O nosso curso está entre as melhores avaliações dos cursos de Ciências Contábeis do Estado de São Paulo e do país. 31

32 3.11 RESULTADOS NO EXAME DE SUFICIÊNCIA Abaixo os dados referentes aos últimos exames de suficiência do CFC, cujo periodo compreendido entre março de 2011 a setembro de Ano Total Total Total (%) Total (%) Total Inscritos Presentes Aprov. Aprov. Reprov. Reprov. Ausentes MAR ,00% 05 29,00% 01 SET ,00% 13 72,00% 01 MAR ,00% 14 52,00% 02 SET ,00% 14 88,00% 02 MAR ,00% 15 45,00% 00 SET ,18% 07 31,82% GUIA DO ESTUDANTE DA EDITORA ABRIL O curso de Ciências Contábeis da Universidade de Marília UNIMAR, recebeu ESTRELAS em 6 vezes das 7 realizadas pela Editora Abril na pesquisa do Guia do Estudante das Melhores Universidades do Brasil, conforme abaixo: Ano de 2006 Ano de 2007 Ano de 2009 Ano de 2010 Ano de 2011 Ano de 2012 Ano de

33 3.13 DADOS ESTATISTICOS De 1995 a 1998 (14 anos) foram inscritos 1558 (um mil, quinhentos e cinquenta e oito) candidatos para o concurso Vestibular que ofereceu 1330 (um mil trezentos e trinta) vagas para o curso de Ciências Contábeis e destes inscritos 743 (setecentos e quarenta e três) foram matriculados normalmente e 351 (trezentos e cinquenta e um) concluíram o curso. Vale lembrar que no ano de 1992 o curso de Ciências Contábeis passou de 4 (quatro) para 5 (cinco) anos para sua conclusão, influenciando, assim, na quantidade de formandos no ano de EVOLUÇÃO DE ALUNOS NOS ÚLTIMOS CATORZE (14) ANOS VESTIBULAR VAGAS ANOS MATRICULAS FORMANDOS Inscrições Oferecidas (*) (*) Não publicado: Tabela confeccionada em 10/03/

34 4 ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UNIMAR 4.1 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA A organização Didática está fixada em propósitos e metas a serem alcançados durante a formação dos estudantes do Curso de Ciências Contábeis, em consonância com o planejamento global e com as diretrizes e princípios da UNIMAR, expressos no Projeto Pedagógico Institucional - PPI e no Projeto de Desenvolvimento Institucional - PDI. Desta forma, a Organização Didática favorecerá: a conceitualização uniforme entre professores e estudantes; a seleção da metodologia ensino/aprendizagem; o estabelecimento de padrões de desempenho para docentes e estudantes, visando ao replanejamento e atualização contínua do curso; a identificação de modelos para a avaliação dos estudantes, seja ela classificatória e/ou formativa. A matriz curricular do Curso de Graduação em 2013 está formulada para que o acadêmico, como agente do aprendizado, venha a desenvolver um programa de estudos coerente, integrado e flexível, com sólida formação básica, para que esteja apto a enfrentar os desafios das rápidas transformações da sociedade, do mercado de trabalho e das condições de exercício profissional. A distribuição das cargas horárias destinadas aos ambientes de aprendizado é organizada de forma equilibrada entre os ciclos básicos e os profissionalizantes, a fim de criar oportunidades ao acadêmico para que adquira os conhecimentos indispensáveis à sua formação. A metodologia de ensino-aprendizagem é baseada na concepção programática de formação e desenvolvimento humano. Está comprometida com a interdisciplinaridade, com o desenvolvimento do espírito científico e com a formação de sujeitos autônomos e cidadãos. A aprendizagem é entendida como processo de construção de conhecimentos, habilidades e valores em interação com a realidade e com os demais indivíduos, no qual são colocadas em uso capacidades pessoais. Todo o processo acadêmico está voltado para o fortalecimento da educação centrada na auto-aprendizagem, na vivência de uma proposta ousada que coloca o aluno frente a situações reais de construção do conhecimento, e aos desafios que exigem 34

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 alunos

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Missão A missão do curso é formar profissionais em Ciências Contábeis com elevada competência técnica, crítica, ética e social, capazes de conceber

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O currículo, ora alterado, será implantado no início do ano letivo de 2001, para os matriculados na 5ª série.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O currículo, ora alterado, será implantado no início do ano letivo de 2001, para os matriculados na 5ª série. RESOLUÇÃO CONSEPE 54/00 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, REGIME SERIADO ANUAL, TURNO NOTURNO, DO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, JURÍDICAS E ADMINISTRATIVAS, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria 3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria RESOLUÇÃO N.º 06/2006 - CONSUN APROVA O SISTEMA DE AVALIAÇÃO E PROMOÇÃO PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO E CURSOS SEQÜENCIAIS DA PUCPR INGRESSANTES A PARTIR DE 2000. O Presidente

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA

CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA CENTRO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA NATUREZA Instituto de Física Instituto de Geociências Instituto de Matemática Observatório do Valongo CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA REGULAMENTO I DOS OBJETIVOS

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Auditoria e Controle Gerencial

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.609, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.609, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.9, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer n. 117/06-CEG, que aprova o Projeto

Leia mais

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA O Presidente do CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO - FADISA, Professor Ms. ANTÔNIO

Leia mais

10/04/2015 regeral_133_146

10/04/2015 regeral_133_146 Seção VI Da Transferência Art. 96. A UNIR aceita transferência de discentes oriundos de outras instituições de educação superior, de cursos devidamente autorizados, para cursos afins, na hipótese de existência

Leia mais

PROPOSTA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2012.2. Noturno

PROPOSTA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2012.2. Noturno PROPOSTA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2012.2 DENOMINAÇÃO: PORTARIA DE AUTORIZAÇÃO: PORTARIA DE RECONHECIMENTO: REGIME ESCOLAR: NÚMERO DE VAGAS ANUAIS: TURNOS DE FUNCIONAMENTO: NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA:

Leia mais

2. Do Processo Seletivo 3. Das vagas

2. Do Processo Seletivo 3. Das vagas EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA DESTRANCAMENTO DE MATRÍCULA, DESTRANCAMENTO DE MATRÍCULA COM REOPÇÃO, ACEITAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS REGULARES PARA CURSOS AFINS, REOPÇÃO DE CURSO, OBTENÇÃO DE NOVO

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO REITORIA. EDITAL N.º 001/2015 de 07/01/2015 PROCESSO SELETIVO 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO REITORIA. EDITAL N.º 001/2015 de 07/01/2015 PROCESSO SELETIVO 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO REITORIA EDITAL N.º 001/2015 de 07/01/2015 PROCESSO SELETIVO 2015 O reitor em exercício da reitoria da Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº. 235/2013

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº. 235/2013 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº. 235/2013 PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA INTERNA E EXTERNA PARA OS S DE GRADUAÇÃO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2015 EDITAL

PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2015 EDITAL U N I V E R S I D A D E D E P A S S O F U N D O V i c e - R e i t o r i a d e G r a d u a ç ã o S e c r e t a r i a G e r a l d o s C u r s o s Campus I Rodovia BR 285 Km 292,7 - Bairro São José CEP 99052-900

Leia mais

1. Objetivo. 2. Elegíveis

1. Objetivo. 2. Elegíveis 1. Objetivo Estabelecer diretrizes, critérios e condições para a concessão de bolsa integral de estudo aos candidatos aprovados com os melhores desempenhos dos cursos presenciais de Graduação Bacharelado

Leia mais

EDITAL nº 03/2015 TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADORES DE DIPLOMA

EDITAL nº 03/2015 TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADORES DE DIPLOMA EDITAL Nº 03/2015 O Diretor da Faculdade Metropolitana de Anápolis FAMA, no uso de suas atribuições e demais disposições legais, aprova e torna público o processo seletivo para transferência de candidatos

Leia mais

CONCURSO DE BOLSAS UPIS MANUAL DO CANDIDATO

CONCURSO DE BOLSAS UPIS MANUAL DO CANDIDATO CONCURSO DE BOLSAS UPIS MANUAL DO CANDIDATO PROCESSOS SELETIVOS PARA O 2º SEMESTRE DE 2014 Presidente da UPIS Dr. VICENTE NOGUEIRA Diretor Administrativo Dr. Rodolpho Assenço Diretor Financeiro Dr. Ruy

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

EDITAL DE TRANSFERÊNCIA Nº 001/2013 DRCA/UFAL CAMPUS MACEIÓ

EDITAL DE TRANSFERÊNCIA Nº 001/2013 DRCA/UFAL CAMPUS MACEIÓ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO EDITAL DE TRANSFERÊNCIA Nº 001/2013 DRCA/UFAL CAMPUS MACEIÓ O Departamento

Leia mais

Considerando que a excepcionalidade do regime de oferta gera processos de gestão acadêmica e administrativa distintos da rotina institucional;

Considerando que a excepcionalidade do regime de oferta gera processos de gestão acadêmica e administrativa distintos da rotina institucional; RESOLUÇÃO CONSEPE 22/2014 APROVA O REGULAMENTO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS, MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF, PARA TURMAS COM INÍCIO EM

Leia mais

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 NÚMERO DE VAGAS: 45 (Quarenta e cinco) vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS Abril de 2014 APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 O MBA EM CONSULTORIA & GESTÃO DE NEGÓCIOS,

Leia mais

Processo de Outras Captações 2014/1

Processo de Outras Captações 2014/1 Processo de Outras Captações 2014/1 PROCESSO SELETIVO PARA TRANSFERÊNCIA, OBTENÇÃO DE NOVO TÍTULO, OBTENÇÃO DE NOVA HABILITAÇÃO, REINGRESSO E REOPÇÃO DE CURSO 2014/1º O Reitor do Centro Universitário de

Leia mais

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 1. Admissão aos Cursos 2. Matrícula Inicial 3. Matrícula em Disciplinas 4. Alteração de Matrícula em Disciplinas 5. Progressão nas Séries 6. Coeficiente de Rendimento

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

1 Cursos, Turnos, número de vagas e Locais de realização dos cursos (Notas de 1 a 6 encontram-se detalhadas ao final do quadro seguinte)

1 Cursos, Turnos, número de vagas e Locais de realização dos cursos (Notas de 1 a 6 encontram-se detalhadas ao final do quadro seguinte) PRÓ-REITORIA ACADÊMICA - PROACAD 1 o PROCESSO SELETIVO DE 2015 TRANSFERÊNCIA INTERNA EDITAL N o 29 / 2015 PROACAD A Pró-Reitoria Acadêmica PROACAD torna públicas, para conhecimento dos interessados, as

Leia mais

Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011

Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011 Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011 O Instituto de Ensino Superior João Alfredo de Andrade, por sua Comissão Organizadora do Processo Seletivo, instituída em caráter permanente pela Portaria

Leia mais

Processo de Outras Captações 2014/1

Processo de Outras Captações 2014/1 Processo de Outras Captações 2014/1 PROCESSO SELETIVO PARA TRANSFERÊNCIA, OBTENÇÃO DE NOVO TÍTULO, OBTENÇÃO DE NOVA HABILITAÇÃO, REINGRESSO E REOPÇÃO DE CURSO 2014/1º O Reitor do Centro Universitário de

Leia mais

UNIFACS. As melhores NOTAS NO VESTIBULAR Ganham BOLSA NA UNIFACS. unifacs.br

UNIFACS. As melhores NOTAS NO VESTIBULAR Ganham BOLSA NA UNIFACS. unifacs.br seletiva UNIFACS As melhores NOTAS NO VESTIBULAR Ganham BOLSA NA UNIFACS unifacs.br 1. Objetivo Estabelecer diretrizes, critérios e condições para a concessão de bolsa parcial de aos candidatos aprovados

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

INFORMAÇÕES REFERENTES AOS CURSOS:

INFORMAÇÕES REFERENTES AOS CURSOS: De acordo com a Lei nº 9.394 de 20/12/96 e o Regimento Geral, a Reitora da Universidade Salvador - UNIFACS, no uso de suas atribuições, torna pública a abertura das inscrições do Processo Seletivo UNIFACS

Leia mais

IMES - INSTITUTO MANTENEDOR DE ENSINO SUPERIOR DA BAHIA LTDA. CNPJ nº. 04.670.333/0001-89

IMES - INSTITUTO MANTENEDOR DE ENSINO SUPERIOR DA BAHIA LTDA. CNPJ nº. 04.670.333/0001-89 IMES - INSTITUTO MANTENEDOR DE ENSINO SUPERIOR DA BAHIA LTDA. CNPJ nº. 04.670.333/0001-89 PROCESSO SELETIVO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS - FTC Edital de 25 de março de 2014 Processo Seletivo O

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

EDITAL N.º 001/2014 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014

EDITAL N.º 001/2014 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014 EDITAL N.º 001/2014 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014 A Diretora Maria Aparecida Pinto, Diretora da Faculdade de São Lourenço, no uso de suas atribuições, torna público que, no período de 02 de setembro

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

INFORMAÇÕES REFERENTES AOS CURSOS:

INFORMAÇÕES REFERENTES AOS CURSOS: De acordo com a Lei nº 9.394 de 20/12/96 e o Regimento Geral, a Reitora da Universidade Salvador - UNIFACS, no uso de suas atribuições, torna pública a abertura das inscrições do Processo Seletivo Tradicional

Leia mais

1. Objetivo. 2. Elegíveis

1. Objetivo. 2. Elegíveis 1. Objetivo Estabelecer diretrizes, critérios e condições para a concessão de bolsa de estudo para os candidatos participantes da Campanha Mérito ENEM 2016.1 dos cursos de Graduação Presencial (Graduação

Leia mais

PESQUISA SOBRE VALIDAÇÃO DE DISCIPLINA/APROVEITAMENTO DE ESTUDOS NOS CURSOS SUPERIORES

PESQUISA SOBRE VALIDAÇÃO DE DISCIPLINA/APROVEITAMENTO DE ESTUDOS NOS CURSOS SUPERIORES PESQUISA SOBRE VALIDAÇÃO DE DISCIPLINA/APROVEITAMENTO DE ESTUDOS NOS CURSOS SUPERIORES Adriane Stroisch De acordo com pesquisa realizada elaboramos a síntese a seguir com as informações

Leia mais

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Institui e estabelece critérios para o Aproveitamento de Estudos e Verificação de Proficiência para fins de certificação

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário. RESOLUÇÃO CONSEPE 09/2009 APROVA O REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO. O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, no uso das

Leia mais

Curso Atos Legais Turno. Vagas para o 1º período somente serão disponibilizadas em caso de vagas remanescentes do Vestibular.

Curso Atos Legais Turno. Vagas para o 1º período somente serão disponibilizadas em caso de vagas remanescentes do Vestibular. Edital de Convocação para Ingresso nos cursos da Graduação em 2015/1 através de Transferência Interna de Curso e Transferência Externa entre Faculdades A Diretora Geral da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

Manual do Candidato da Graduação. Processos Seletivos

Manual do Candidato da Graduação. Processos Seletivos 1 ESCOLA SUPERIOR NACIONAL DE SEGUROS ESNS Manual do Candidato da Graduação Processos Seletivos Rua Senador Dantas, 74 2º andar Centro Rio de Janeiro RJ Tel. 33801044 33801046 33801532 2 A Escola Superior

Leia mais

EDITAL n. 252/2014. 9h30 às 11h30 13h30 às 20h 09/12/2014 UNESC - CENTAC (Central de Atendimento ao Acadêmico)

EDITAL n. 252/2014. 9h30 às 11h30 13h30 às 20h 09/12/2014 UNESC - CENTAC (Central de Atendimento ao Acadêmico) EDITAL n. 252/2014 Dispõe sobre matrícula para os candidatos aprovados no Concurso Vestibular ACAFE Verão/2015, 1º semestre, para os cursos da UNESC a seguir relacionados: Administração Bacharelado (matutino

Leia mais

CLEINALDO DE ALMEIDA COSTA Presidente

CLEINALDO DE ALMEIDA COSTA Presidente UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 68/2013 - CONSUNIV Unifica Ad Referendum procedimentos e aprova o processo seletivo para ocupação de vagas definidas no censo escolar

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE VERÃO 2015 EDITAL

PROCESSO SELETIVO DE VERÃO 2015 EDITAL U N I V E R S I D A D E D E P A S S O F U N D O V i c e - R e i t o r i a d e G r a d u a ç ã o S e c r e t a r i a G e r a l d o s C u r s o s Campus I Rodovia BR 285 Km 292,7 - Bairro São José CEP 99052-900

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO INTERNO PARA MONITORES N 002/2015

EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO INTERNO PARA MONITORES N 002/2015 EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO INTERNO PARA MONITORES N 002/2015 O Reitor do CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE PALMAS CEULP, no uso de suas atribuições e tendo em vista o disposto na Resolução de n 374/2010

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica 1. APRESENTAÇÃO O Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório no curso de Engenharia Elétrica é uma atividade curricular obrigatória

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO -2014.1-

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO -2014.1- A Universidade Castelo Branco torna público o presente Edital com normas, rotinas e procedimentos relativos ao Processo Seletivo para ingresso no 1º semestre de 2014 nos Cursos de Graduação, na modalidade

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996.

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996. RESOLUÇÃO N 008, DE 17 DE ABRIL DE 1996, DO DIRETOR DA FMTM. Fixa diretrizes e normas para os Cursos da Central de Idiomas Modernos - CIM. O DIRETOR DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS - FTC

PROCESSO SELETIVO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS - FTC IMES - INSTITUTO MANTENEDOR DE ENSINO SUPERIOR DA BAHIA LTDA CNPJ nº. 04.670.333/0001-89 PROCESSO SELETIVO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS - FTC O INSTITUTO MANTENEDOR DE ENSINO SUPERIOR DA BAHIA

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE MONITORES

PROCESSO SELETIVO DE MONITORES PROCESSO SELETIVO DE MONITORES A Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), por meio da Pró-Reitoria de Ensino (PRE), torna pública a abertura das inscrições para seleção de Monitores do Programa Institucional

Leia mais

Manual do Candidato da Graduação. Processos Seletivos

Manual do Candidato da Graduação. Processos Seletivos 1 ESCOLA SUPERIOR NACIONAL DE SEGUROS Manual do Candidato da Graduação Processos Seletivos Rua Senador Dantas, 74 Térreo; 2º e 3º andares Centro Rio de Janeiro RJ Tel. 33801044 33801046 33801535 2 A Escola

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DEZEMBRO 1967

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DEZEMBRO 1967 Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DEZEMBRO 1967 Art. 1 O CPG Curso de Pós-Graduação, da Escola de Administração de Empresas

Leia mais

Administração. Curso de Graduação Bacharelado em

Administração. Curso de Graduação Bacharelado em Curso de Graduação Bacharelado em Administração O curso de Administração está enquadrado como uma ciência social aplicada. Estuda-se em profundidade técnicas e instrumentos analíticos, além de simulações

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Bom trabalho a todos! Mantenedores

APRESENTAÇÃO. Bom trabalho a todos! Mantenedores APRESENTAÇÃO Os tempos modernos conduzem-nos a novos contextos e a sociedade brasileira, de maneira justa, cobra-nos ações que venham ao encontro de um cenário que requer um repensar sobre as possibilidades

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO

NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO TAQUARITINGA / 2015 1 Sumário NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE...3 1- Formas de acesso...3 2- Estímulos à permanência...4 3- Apoio Psicopedagógico, Orientação Pedagógica

Leia mais

Apresentação Edital, você Candidato SEJA BEM VINDO! Edital 2010/2

Apresentação  Edital, você Candidato SEJA BEM VINDO! Edital 2010/2 Apresentação Atendendo à demanda dos que buscam um ensino de qualidade, a Faculdade Novo Milênio abre inscrições para o Processo Seletivo 2010/2. A certeza do trabalho que vem desenvolvendo em favor de

Leia mais

PORTARIA Prac Nº 011/2014

PORTARIA Prac Nº 011/2014 PORTARIA Prac Nº 011/2014 Dispõe sobre a destinação de vagas remanescentes e as normas e procedimentos a serem aplicados no 1º período letivo de 2015, exclusivamente para os casos de Transferência de outra

Leia mais

EDITAL DE MATRÍCULA PARA DISCIPLINAS DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO NO PRIMEIROSEMESTRE DE 2010 - ENSINO SEMI PRESENCIAL CAMPUS SANT ANNA

EDITAL DE MATRÍCULA PARA DISCIPLINAS DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO NO PRIMEIROSEMESTRE DE 2010 - ENSINO SEMI PRESENCIAL CAMPUS SANT ANNA EDITAL DE MATRÍCULA PARA DISCIPLINAS DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO NO PRIMEIROSEMESTRE DE 2010 - ENSINO SEMI PRESENCIAL CAMPUS SANT ANNA O Prof. Raul Virginio da Silva Filho, Secretário Geral do Centro Universitário

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

FACULDADE DIREÇÃO GERAL NORMA 029 1/5

FACULDADE DIREÇÃO GERAL NORMA 029 1/5 1. Dos Requisitos e Documentos para o Ingresso Para ingressar nos cursos de ensino superior o candidato deve ter concluído o Ensino Médio, prestar processo seletivo da IES ou ingressar por uma das formas

Leia mais

3 DAS CONDIÇÕES DA MATRÍCULA ESPECIAL E TRANSFERÊNCIA EXTERNA

3 DAS CONDIÇÕES DA MATRÍCULA ESPECIAL E TRANSFERÊNCIA EXTERNA EDITAL DE MATRÍCULA ESPECIAL E TRANSFERÊNCIA EXTERNA PARA 2015.2 Edital de 01 de junho de 2015 O Instituto Mantenedor de Ensino Superior - IMES, de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2004-A (Alterada pela Resolução Nº 22/2007 e Resolução Nº 16/2009)

RESOLUÇÃO Nº 07/2004-A (Alterada pela Resolução Nº 22/2007 e Resolução Nº 16/2009) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 07/2004-A (Alterada pela Resolução Nº 22/2007 e Resolução Nº 16/2009) Regulamenta

Leia mais

Processo Seletivo 2º semestre/2015 Graduação Presencial Regulamento de Bolsas de Estudos e Campanhas

Processo Seletivo 2º semestre/2015 Graduação Presencial Regulamento de Bolsas de Estudos e Campanhas Processo Seletivo 2º semestre/2015 Graduação Presencial Regulamento de Bolsas de Estudos e Campanhas A Cruzeiro do Sul Educacional S.A, entidade mantenedora da Universidade Cruzeiro do Sul, e controladora

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA Regulamento Específico do Curso de Especialização em Homeopatia Veterinária CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

FACULDADE DE SÃO VICENTE CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

FACULDADE DE SÃO VICENTE CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS FACULDADE DE SÃO VICENTE CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS SANDRA REGINA ALMEIDA DE SOUZA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO São Vicente 2011 SANDRA REGINA ALMEIDA DE SOUZA RELATÓRIO

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO GOTARDO ltda. Avenida Francisco Resende Filho, 35 - São Gotardo/MG CEP 38800-000

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO GOTARDO ltda. Avenida Francisco Resende Filho, 35 - São Gotardo/MG CEP 38800-000 PORTARIA Nº 21, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2005 Dispõe sobre a regulamentação dos Programas de Pósgraduação Lato Sensu no âmbito do Centro de Ensino Superior de São Gotardo CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Atividade Complementares CEPAC

Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Atividade Complementares CEPAC FACULDADE DA IGREJA MINISTÉRIO FAMA Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Atividade Complementares CEPAC Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

EDITAL PRAC 04/2015 INSCRIÇÕES

EDITAL PRAC 04/2015 INSCRIÇÕES EDITAL PRAC 04/2015 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO EM CURSOS DE GRADUAÇÃO NAS MODALIDADES PRESENCIAL E EAD DA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO, PARA ESTUDANTES PROVENIENTES DE TRANSFERÊNCIAS EXTERNAS,

Leia mais

EDITAL n. 190/2011. 1. DO PERÍODO E LOCAL DA MATRÍCULA 1.1 A matrícula transcorrerá nas datas, horários e locais especificados no quadro abaixo:

EDITAL n. 190/2011. 1. DO PERÍODO E LOCAL DA MATRÍCULA 1.1 A matrícula transcorrerá nas datas, horários e locais especificados no quadro abaixo: EDITAL n. 190/2011 Dispõe sobre matrícula para os candidatos aprovados no Concurso Vestibular ACAFE/ENEM-2012, 1º semestre, para os cursos da UNESC a seguir relacionados: Administração - Bacharel (matutino

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.046, DE 22 DE MAIO DE 2003.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.046, DE 22 DE MAIO DE 2003. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.046, DE 22 DE MAIO DE 2003. Revoga a Resolução N.º 2.888/CONSEP, estabelece diretrizes e dispõe

Leia mais

FACULDADE DO SUL DA BAHIA ATO PROCESSO SELETIVO 2009/2 EDITAL Nº 2 I DOS CURSOS OFERECIDOS, DURAÇÃO, ATOS LEGAIS E DAS VAGAS:

FACULDADE DO SUL DA BAHIA ATO PROCESSO SELETIVO 2009/2 EDITAL Nº 2 I DOS CURSOS OFERECIDOS, DURAÇÃO, ATOS LEGAIS E DAS VAGAS: FACULDADE DO SUL DA BAHIA ATO PROCESSO SELETIVO 2009/2 EDITAL Nº 2 A FACULDADE DO SUL DA BAHIA, credenciada pela Portaria Ministerial nº 944, de 17/05/2001 publicada no DOU em 21/05/2001 e o INSTITUTO

Leia mais

Federação de Escolas Faculdades Integradas Simonsen Edital 2º semestre 2015

Federação de Escolas Faculdades Integradas Simonsen Edital 2º semestre 2015 Federação de Escolas Faculdades Integradas Simonsen Edital 2º semestre 2015 De conformidade com o disposto no Art. 7º do Regimento das Faculdades Integradas Simonsen, aprovado pela portaria MEC 634 de

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

EDITAL PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS EM CURSOS DE GRADUAÇÃO

EDITAL PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EDITAL PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS EM CURSOS DE GRADUAÇÃO 1. Abertura O Pró-Reitor Acadêmico da Universidade de Caxias do Sul, no uso de suas atribuições, torna públicas as condições que regem o encaminhamento

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO NÚCLEO DE CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS - NUCSA DEPARTAMENTO ACADEMICO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL Nº 001/2014

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO NÚCLEO DE CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS - NUCSA DEPARTAMENTO ACADEMICO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL Nº 001/2014 PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO NÚCLEO DE CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS - NUCSA DEPARTAMENTO ACADEMICO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL Nº 001/2014 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA 1 A Fundação Universidade

Leia mais

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) tem como objetivo proporcionar formação

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB EDITAL CURSOS TÉCNICOS Instituto Bondespachense Presidente Antônio Carlos - IBPAC FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB BOM DESPACHO 2013 SUMÁRIO 1 EDITAL... 03 2. HISTÓRICO... 04 3. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU)

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) RESOLUÇÃO N.º 700/2009 Publicada no D.O.E. de 07-07-2009, p.16 Altera a Resolução nº 507/07 CONSU, que aprova o Regulamento de Monitorias

Leia mais

Regulamento Geral. Programas Executivos IBMEC MG. REGULAMENTO GERAL PROGRAMAS EXECUTIVOS IBMEC BELO HORIZONTE Reprodução Proibida

Regulamento Geral. Programas Executivos IBMEC MG. REGULAMENTO GERAL PROGRAMAS EXECUTIVOS IBMEC BELO HORIZONTE Reprodução Proibida Regulamento Geral Programas Executivos IBMEC MG 0 TÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º - Os Programas CBA, MBA e LL.M. são atividades docentes do Ibmec MG, dirigidos à formação e aperfeiçoamento dos participantes,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 32/CUn, DE 27 DE AGOSTO DE 2013.

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 32/CUn, DE 27 DE AGOSTO DE 2013. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ÓRGÃOS DELIBERATIVOS CENTRAIS CAMPUS UNIVERSITÁRIO TRINDADE CEP: 88040-900 FLORIANÓPOLIS SC TELEFONES: (48) 3721-9522 - 3721-4916 FAX: (48)

Leia mais

REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO " LATO SENSU"

REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO  LATO SENSU UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ REITORIA ACADÊMICA ASSESSORIA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO " LATO SENSU" CAPÍTULO I DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Art. 1º A

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Anexo I da Organização Didática Resolução nº 031/2010 33

Anexo I da Organização Didática Resolução nº 031/2010 33 ANEXO I ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 NORMAS ACADÊMICAS DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

Edital do Vestibular 2016-1º Semestre

Edital do Vestibular 2016-1º Semestre Edital do Vestibular 2016-1º Semestre O Reitor do Centro Universitário da Fundação Educacional Inaciana Padre Saboia de Medeiros FEI torna pública a abertura do Processo Seletivo para o preenchimento das

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS O Conselho Acadêmico Superior (CAS), no uso de suas atribuições conferidas pelo Estatuto da Universidade Positivo (UP), dispõe sobre as normas acadêmicas dos cursos

Leia mais