O avesso do Teatro Castro Alves nas arquiteturas cênicas de Lina Bo Bardi

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O avesso do Teatro Castro Alves nas arquiteturas cênicas de Lina Bo Bardi"

Transcrição

1 O avesso do Teatro Castro Alves nas arquiteturas cênicas de Lina Bo Bardi Carolina Leonelli Arquiteta e Urbanista graduada pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (2007), Mestranda em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Universidade de São Paulo ( ) sob orientação do Prof. Dr. Luciano Migliaccio. I

2 O avesso do Teatro Castro Alves nas arquiteturas cênicas de Lina Bo Bardi Resumo Durante os anos passados em Salvador dirigindo o Museu de Arte Moderna, Lina Bo Bardi manteve uma estreita relação com a Universidade da Bahia, especialmente através da Escola de Teatro, então dirigida por Martim Gonçalves. Dessa parceria resultaram a Exposição Bahia no Ibirapuera (1959), assim como as montagens de A Ópera de Três Tostões (1960) e Calígula (1961), peças teatrais dirigidas por Martim com arquitetura cênica de Lina. Para essas montagens, a arquiteta apropriou-se do espaço semi destruído do grandioso teatro de ópera que nunca chegara a ser inaugurado devido à ocorrência de um incêndio. Paredes sujas de fumaça, nada de cortinados ou poltronas confortáveis. Em arquibancadas de tábuas brutas montadas no espaço do antigo palco o público assistiu a Brecht e Camus. Nas palavras de Lina, meios secos e despidos de qualquer manifestação supérflua, ligados à expressão mais moderna e válida. Tendo em vista a noção de desvio, a partir da qual um objeto é deslocado em relação à sua forma de uso ou significados habituais, discorreremos sobre a maneira como Lina Bo Bardi se apropriou do incendiado espaço do Teatro Castro Alves, re-significando-o no contexto da paisagem e do cotidiano da cidade de Salvador. Apoiando-nos em pesquisa realizada diretamente sobre material do arquivo pessoal de Lina, assim como em documentos da imprensa da época, consideramos possível vislumbrar os sentidos adquiridos por tal procedimento no conjunto da obra da arquiteta, especialmente no que se refere à relação entre história, arquitetura e teatro. palavras chave: Lina Bo Bardi, Teatro Castro Alves, arquitetura cênica The reversal of Castro Alves Theater on the scenographical architectures of Lina Bo Bardi Abstract During the years spent in Salvador directing the Museum of Modern Art, Lina Bo Bardi kept a narrow connection with the University of Bahia, especially through the Theather School, then directed by Martim Gonçalves. The results of this partnership were the Exposição Bahia no Ibirapuera (1959), as well as A Ópera de Três Tostões (1960) and Calígula (1961), plays directed by Martim with Lina s scenographical architecture. The architect took part of the grand opera theater, never inaugurated because of the ocurrence of a fire. There were begrimed walls by the smoke and no comfortable armchair or curtains were found in the place. The public watched Brecht and Camus at the space occupied by the old stage, sitting on the setted bleachers made by raw wooden boards. In the words of Lina: dry and naked of any superfluous manifestation, connected to the most modern and valid expression. Looking for the diversion notion, which an object is dislocated in relation to its use and its regular meaning, we will assert on how Lina Bo Bardi explored the burnt Castro Alves Theater, reconsidering it on the landscape scene of the city of Salvador. Supported by the research done directly on Lina s personal archive, along with the press documents of that time, we think its possible to glimpse the directions acquired for such procedure in the set of the artwork of the architect, especially for the history, architectural and theatrical concerns. key words: Lina Bo Bardi, Castro Alves Theater, scenographical architecture 2

3 O avesso do Teatro Castro Alves nas arquiteturas cênicas de Lina Bo Bardi Salvador, novembro de 1960: com o espaço semi destruído por um incêndio e ocupado por uma ópera de mendigos foi inaugurado o Teatro Castro Alves, personagem na vida da cidade desde, pelo menos, Projetado pelo arquiteto José Bina Fonyat e pelo engenheiro Humberto Lemos Lopes, o Teatro Castro Alves teve sua construção concluída em julho de 1958, apresentando-se para a cidade de Salvador, se não como sua maior casa de espetáculos, pelo menos como aquela dotada do melhor aparato cenotécnico, equiparando-se às melhores salas de ópera do mundo e sendo capaz de alinhar Salvador a outras importantes capitais da época. Artigo da Revista Habitat, publicado em maio de 1958, pouco antes da conclusão das obras comenta: (...) Não se trata de um teatro de pequenas proporções pois conjuga, com elasticidade bastante, uma platéia de poltronas divididas em três lances, a qual possui a possibilidade de redução para espetáculos de comédia, quando pode contrair-se a cerca de 600 localidades. Para essa platéia está em função um palco excepcional. Tem 16 metros de largura por 20 de profundidade e 9 de altura. O ciclorama foi, então, devidamente estudado em relação às características e às necessidades do palco, abrangendo 20 metros de altura, 17 de profundidade e 125 de abertura. Como não poderia deixar de ser para uma obra de tal envergadura, os urdimentos para a movimentação dos cenários são mecanizados.(...) Há vários pormenores técnicos de inegável interesse para os conjuntos de atores, quais sejam os reguladores do palco, de estrutura metálica, que permitem variar a boca até um mínimo de 10 metros de largura por 6 metros de altura. A estrutura é dotada de passarela móvel de iluminação. (...) Toda a experiência da moderna arquitetura do teatro se refletirá na grande casa de espetáculos do Salvador, colocando-se à altura do adiantamento que os cursos de teatro, incorporados à Universidade pela primeira vez no Brasil, inspiram e impulsionam. 1 Apropriado para a apresentação de grandes espetáculos ilusionistas, o teatro também é elogiado em artigo publicado pela revista Brasil Arquitetura Contemporânea, ainda durante as obras de construção, em 1957: Fato digno de mencionar é a iluminação do horizonte do palco com projetores especiais munidos com lâmpadas fluorescentes de luz regulada, uma renovação ultramoderna que, com uma vantagem enorme devida ao fato de que a luz fluorescente contém no seu espectro porcentagem muito grande de luz azul, indispensável para criar o efeito verdadeiro do céu no horizonte. Com estes meios os iluminadores (...) poderão criar uma verdadeira sinfonia de luzes e cores dando vida riquíssima ao espetáculo de ópera ou ballet. 2 No entanto, logo após o término da construção, alguns dias antes de sua inauguração, essa grandiosa estrutura foi vítima de um incêndio atribuído a um curto circuito nas instalações elétricas e, dessa maneira, a inauguração deu-se, de fato, apenas em novembro de 1960 com a montagem de A Ópera de Três Tostões, uma ópera de mendigos escrita por Bertolt Brecht e dirigida por Martim Gonçalves, com arquitetura cênica de Lina Bo Bardi. 3 Dupla face Na época da montagem de A Ópera de Três Tostões, o foyer do Teatro Castro Alves abrigava 1 Teatro Castro Alves, Salvador, Bahia. In Habitat n.48, 1958, p Teatro Castro Alves. In Brasil Arquitetura Contemporânea apud SILVA, Mateus Bertone da. Lina Bo Bardi Arquitetura cênica. São Carlos, 2005, p O final da década de 50 é o período das primeiras montagens profissionais de Brecht no Brasil, segundo Iná Camargo surgidas por aqui a partir de 1958, com a montagem de A alma boa de Setsuã, por Maria Della Costa. 3

4 provisoriamente o Museu de Arte Moderna, então dirigido por Lina Bardi em estreita relação com a Universidade da Bahia, especialmente através da Escola de Teatro dirigida por Martim Gonçalves. Da parceria entre Lina e Martim resultaram a Exposição Bahia no Ibirapuera (1959) assim como as montagens de A Ópera de Três Tostões (1960) e Calígula (1961), peças que inauguraram a produção da arquiteta no campo teatral. Negando a idéia de cenografia no sentido tradicional, Lina defendeu o projeto para o espaço teatral como um todo, principio que norteou o desenvolvimento de suas arquiteturas cênicas projetadas entre 1960 e 1985, entre as cidades de Salvador, São Paulo e Rio de Janeiro. 4 Em importante estudo sobre o tema, Mateus Bertone da Silva comenta que é de Bertolt Brecht a autoria do termo Bühnenbauer, que significa construtor de cena ou arquiteto de cena, reclamando por uma construção em profundidade, ou seja, que a construção do espaço cênico contribua para a destruição do achatamento da imagem cênica, para o fim da bidimensionalidade que o cenário e a cena ilusionista tradicional continham. 5 Nesse sentido é interessante observar a forma como Lina tratou o espaço interno do Teatro Castro Alves que, consumido pelo fogo, não possuía mais nenhum daqueles elementos que um dia o equipararam às melhores salas de espetáculo do mundo. No teatro semi destruído, as arquiteturas cênicas de A Ópera de Três Tostões e Calígula estruturaram-se pela incorporação das ruínas, tirando partido estético do espaço seco pela ausência de qualquer aparato cenotécnico. Partindo do que se apresentava como uma caixa bruta, a arquiteta reconfigurou o espaço do teatro como um todo, propondo uma nova relação entre palco e platéia através da instalação de uma rústica arquibancada de tábuas de madeira sobre o antigo palco italiano. Espaço de cena e platéia foram dispostos sobre um único e amplo plano o plano do palco, a princípio concebido para uso exclusivo dos atores. Tendo as arquibancadas localizadas como continuidade do palco, ou melhor, sobre o próprio palco, eliminou-se o fosso da orquestra que anteriormente separava atores e público. Configurouse, assim, um novo espaço, envolto pela atmosfera cinza do antigo teatro incendiado; um espaço carregado de significados que foram sendo acumulados ao longo da história da cidade de Salvador. Paredes sujas de fumaça. Nada mais restava das confortáveis poltronas destinadas ao público assim como dos antigos revestimentos, cortinados e veludos. Ao contrário, revelava-se o que existia por trás deles: a rude alvenaria de blocos de concreto, sobras de argamassa, bastidores, varas de iluminação e cenário, enfim, todo o mecanismo oferecido aos olhos do público que, por sua vez, encontrava-se sobre o palco, ao lado dos atores. Criou-se o espetáculo dentro do espetáculo, valendo-se do choque representado pela trágica (e verdadeira) inauguração do (um dia) luxuoso teatro com uma ópera de mendigos e desconfortáveis arquibancadas de madeira. Além de repensar a relação entre os espaços reservados a atores e público, o conjunto de croquis relacionados à arquitetura cênica de A Ópera de Três Tostões expressa a intenção de criar cenas laterais por onde a ação pudesse extrapolar o espaço restrito do palco, superando a frontalidade da cena. Para tanto, Lina sugere a instalação de algumas passarelas articuladas por escadas ao longo das paredes laterais do teatro. 6 Anotações da arquiteta indicam que tais 4 São cinco as arquiteturas cênicas para teatro projetadas por Lina Bo Bardi e efetivamente executadas: A Ópera de Três Tostões (1960 Salvador/BA direção Martim Gonçalves); Calígula (1961 Salvador/BA direção Martim Gonçalves); Na Selva das Cidades (1969 São Paulo/SP direção José Celso Martinez Corrêa); Gracias Señor (1971 São Paulo/SP / Rio de Janeiro/RJ direção José Celso Martinez Corrêa); Ubu folias physicas, pataphysicas e musicaes (1985 São Paulo/SP direção Cacá Rosset). Atualmente procuramos precisar informações em torno da possível montagem de Pena ela ser o que é, peça de John Ford traduzida por Manuel Bandeira e dirigida por Martim Gonçalves com Arquitetura Cênica, Trajes e Máscaras de Lina Bo Bardi, noticiada pelo jornal O Correio com data de 25 de outubro de 1969, conforme documento encontrado nos arquivos do Instituto Lina Bo e P. M. Bardi. 5 SILVA, Mateus Bertone da. Lina Bo Bardi Arquitetura cênica. São Carlos, 2005, p Em planta para estudo da distribuição e circulação do público pelas arquibancadas de madeira Lina chega a esboçar acomodações para expectadores ao longo das paredes laterais do teatro, na forma de plataformas suspensas. No entanto, na mesma folha, uma anotação da arquiteta registra sua inquietação quanto à restrição da representação ao espaço do palco, indicando o caminho concretizado pelo desenho das cenas laterais. Nesse sentido lê-se: "Perchè la 'finzione*' deve essere cisc scritta al palco cenico? 4

5 estruturas poderiam ser construídas com armação tipo obra, ou seja, elementos semelhantes a andaimes ou escoras, conferindo ao espaço o caráter provisório de um edifício em obras - referência que seria retomada futuramente no projeto para o espaço do Teatro Oficina. Estudos para a instalação de cenas laterais também compõe o projeto desenvolvido por Lina Bardi para a recuperação do Teatro Castro Alves, que, segundo ela não deveria ser reconstruído nos moldes do teatro de Corte italiano do século XVIII ou do burguês do século XIX mas como teatro popular moderno, sem a anacrônica mecanização do palco e com cenas laterais sem a decoração pretenciosa, 7 idéias que colocaram Lina e José Bina Fonyat em conflito aberto, em Em texto publicado no jornal A Tarde, em torno da recuperação do Teatro Castro Alves argumenta Lina: O Teatro Castro Alves não poderá continuar sendo um teatro de corte do século XVIII, burguês, constuído para a ópera antiga, apresentando um palco igual a um simples quadrado e longe do espectador. Isto é a idéia de um teatro anti-democrático, longe da concepção moderna de teatro. 9 O desenho das cenas laterais não se concretizou nas arquiteturas cênicas de A Ópera de Três Tostões e Calígula, tampouco na recuperação do teatro que, como sabemos, foi restaurado de forma a recuperar a configuração original que privilegiava a relação frontal entre palco e platéia. Concretizando a idéia brechtiana de construção em profundidade, o espaço de cena de A Ópera de Três Tostões foi composto a partir de uma estrutura tridimensional com três níveis ligados por escadas onde todos os ambientes que as cenas percorriam apresentavam-se simultaneamente aos expectadores. Dentro do próprio sentido da montagem de uma ópera de mendigos no grandioso teatro incendiado, Lina somou ao desenho simples e geométrico da estrutura que abrigava os diversos ambientes, o acúmulo de objetos de cena em estilo Luis XV, compondo a crítica ao provincianismo local notavelmente desenvolvida no conjunto de textos publicados no Diário de Noticias de Salvador. 10 Em um quadro mais amplo, vale ressaltar o fato de que tanto A Ópera de Três Tostões quanto Calígula foram concebidas como parte da estrutura didática dos cursos da Escola de Teatro, respectivamente dos semestres letivos de 1960 e Durante esse período, sob direção de Martim Gonçalves, a escola desenvolveu uma série de eventos ligados ao Museu de Arte Moderna da Bahia e, nesta rede de contatos e atividades, a forma de apropriação do Teatro Castro Alves ganha uma relevância que escapa ao seu interior, revirando-se para o espaço da cidade de Salvador como significativa agitação cultural. Nesse sentido escreve Glauber Rocha, na época estudante do curso de Direito da Universidade da Bahia e ativo colunista da imprensa local: A guerra que as novas gerações devem abrir contra a província deve ser imediata: a ação cultural da Universidade e do Museu de Arte Moderna são dois tanques de choque (...), os clarins da batalha foram tocados pelas grandes exposições do Museu de Arte Moderna e pela montagem da Ópera dos Três Tostões de Brecht, que provocaram grande excitação no pensamento pequeno - burguês. A dinamização da imprensa, que deve perder os mais tolos preconceitos de linguagem, seria o terceiro tempo a vencer (...). Contra o doutorismo, a oratória, a mitologia de praça pública, contra a gravata e o bigode. (...) está sendo derrotada na província a própria província: derrotada na sua linguagem convencional, no seu tabu contra a liberdade de amar, na sua conveniência do traje, nas suas leis contra a revolução (...). Gostaria que todos vocês que lideram Qual' è la ragione? - La 'finzione' può continuare lungo le pareti e in tutto lo spazio disponibile". 7 FERRAZ, Marcelo Carvalho (Org.) Lina Bo Bardi. São Paulo, 2008, p Cf. SANTANA, Jussilene. Impressões modernas: teatro e jornalismo na Bahia. Salvador, 2009, p Depoimento de Lina Bo Bardi publicado na coluna 7 dias do Jornal A Tarde, Salvador, 20 de março de 1961 apud SANTANA, Jussilene. Impressões modernas: teatro e jornalismo na Bahia. Salvador, 2009, p Esse importante conjunto de textos, voltado a um público amplo e não especializado pode ser consultado na recente publicação Lina por escrito Textos escolhidos de Lina Bo Bardi, organizada por Silvana Rubino e Marina Grinover. 11 Tal diferencial reside, precisamente, no claro programa de formação, não só dos jovens atores, como também de um público freqüentador. Como diretor da Escola de Teatro da Universidade da Bahia, Martim Gonçalves preocupou-se em ressaltar o caráter profissional da atividade teatral e, ao mesmo tempo, sua profunda vinculação com as atividades cotidianas da cidade. Assim, conforme nos informa Santana, passam a ser importantes detalhes como pontualidade e preço dos ingressos, além da realização de uma série de eventos gratuitos abertos ao público, objetivando incorporar as discussões sobre teatro ao cotidiano da população. 5

6 nosso verdadeiro pensamento se empenhassem para levar a Bahia um passo à frente. 12 Estreitamente ligado a Lina e Martim, Glauber Rocha chama a atenção para a grande repercussão da peça através da cobertura do rádio, jornais e tv, anunciando que, por esses meios, o público da peça atingiu a casa estrondosa de cem mil pessoas. 13 O teatro revira-se para a cidade Se no Brasil, ao longo dos primeiros anos da década de cinqüenta, Lina e Pietro Bardi já tinham consciência da ação do MASP, do Instituto de Arte Contemporânea e mesmo da Revista Habitat como meios capazes de colaborar no processo de construção de uma cultura moderna, os anos compreendidos entre 1958 e 1964 com suas atividades ligadas à Universidade da Bahia, a direção do Museu de Arte Moderna e do Museu de Arte Popular do Unhão envolveram Lina em uma efetiva experiência com a cultura popular nordestina, permitindo-lhe identificar elementos que, a seu ver, poderiam constituir-se como bases fundamentais para a construção de uma verdadeira cultura moderna nacional (em sentido diverso de nacionalista, conforme a arquiteta fez questão de frisar). 14 Na análise da produção cultural nordestina, na urgência que leva ao desenho justo e apurado dos objetos cotidianos Lina identificou uma força incrível em suas palavras suculentas e verdadeiras raízes culturais, contribuição indigesta, seca, dura de digerir de onde também Glauber Rocha arrancou seus personagens famintos. Tanto Lina quanto Glauber identificaram uma violência potencial naquelas situações limite, naquele não poder esperar mais, conforme escreveu ela em seu Tempos de Grossura. Em Cinco anos entre os brancos, fazendo um balanço do que foi o período passado na Bahia anos antes do golpe de 1964, Lina escreve: (...) O Museu de Arte Moderna da Bahia não foi museu no sentido tradicional: dada a miséria do Estado pouco podia conservar ; suas atividades foram dirigidas à criação de um movimento cultural que assumindo os valores de uma cultura historicamente (em sentido áulico) pobre, pudesse lucidamente, superando as fases culturalística e historicística do Ocidente, apoiando-se numa experiência popular, (rigorosamente distinta do folclore) 15, entrar no mundo da verdadeira cultura moderna, com os instrumentos da técnica, como método, e a força de um novo humanismo (nem humanitarismo nem Umanesimo ). Não foi um programa ambicioso, era apenas um caminho. (...) Ao assumir desde a fundação do MAMB, as possibilidades do Norte do país deramme a certeza que a inércia conservadora do Sul podia ser superada, em campo cultural, pela tensão e pelo caráter fortemente popular do Nordeste. Comecei o trabalho eliminando a cultura estabelecida da cidade, procurando o apoio da Universidade e dos estudantes, abrindo o Museu gratuitamente ao povo, procurando desenvolver ao máximo uma atividade didática. 16 Durante o período passado no nordeste, Lina realizou uma série de trabalhos com Martim Gonçalves, a exemplo da montagem de exposições e da concepção de diversos cursos ministrados tanto na Escola de Teatro quanto no Museu de Arte Moderna da Bahia GERBER, Raquel. Glauber Rocha. Rio de Janeiro, 1977, p ROCHA, Glauber. Revolução do Cinema Novo. São Paulo, 2004, p Em conferência proferida na FAUUSP em 1990 Lina comenta: Existe uma grande diferença entre nacional e nacionalista. O nacional popular é a identidade de um povo, de um país. O nacionalista é, por exemplo, a Itália fascista, a Espanha de Franco e outros exemplos. O nacionalismo é um erro gravíssimo que confunde as idéias das pessoas, tirando o sentido do nacional. Você pode ser branco, preto ou amarelo, do norte ou do sul, e ser nacional, entrando no grande convívio internacional com as características originais e sagradas de seu país, o que é digno de orgulho. São Paulo, Revista Projeto nº 133 setembro de Sobre a diferença fundamental entre folclore e arte popular escreve Lina em texto de apresentação da Exposição Nordeste, que inaugura o Museu de Arte Popular do Unhão em 1963: (...) Chamamos este museu de Arte Popular e não de Folclore por ser o folclore uma herança estática e regressiva, cujo aspecto é amparado paternalisticamente pelos responsáveis da cultura, ao passo que a arte popular (usamos a palavra arte não somente no sentido artístico mas também no de fazer tecnicamente), define a atitude progressiva da cultura popular ligada a problemas reais. FERRAZ, Marcelo Carvalho (Org.) Lina Bo Bardi. São Paulo, 2008, p FERRAZ, Marcelo Carvalho (Org.) Lina Bo Bardi. São Paulo, 2008, p Sobre o assunto ver PEREIRA, Juliano Aparecido. Lina Bo Bardi: Bahia, Uberlândia,

7 A Exposição Bahia no Ibirapuera (1959), resultante da parceria entre Lina e Martim, aparece como uma importante baliza para o entendimento e discussão sobre as perspectivas visualizadas em torno da linguagem teatral. Dotada de forte caráter cenográfico, tal exposição reuniu uma série de objetos pertencentes ao cotidiano popular, além de elementos sonoros e aromáticos capazes de compor o universo da cultura baiana. Em texto que acompanhou o evento, Lina e Martim negam a idéia de Arte como uma atividade abstrata, colocando-se contrários às subdivisões da arte em categorias como arte primitiva, arte popular, arte espontânea que, mesmo que tacitamente, distanciam a idéia de arte da vida cotidiana dos homens e da satisfação de suas necessidades estéticas. Deslocando simples objetos de uso cotidiano para o espaço organizado de uma exposição de arte (significativamente montada em paralelo à V Bienal Internacional de Artes Plásticas e da II Bienal de Teatro), a dupla lançou luz sobre utensílios desgastados pelo tempo e pelo uso diário, aproximando-os do sentido expresso pela arte moderna com suas colagens e o polimaterialismo que, não se importando com a eternidade, visam, sobretudo, ser reabsorvidos no momento histórico. Nessa perspectiva escrevem: Ao organizar esta exposição procuramos ter em mira todo fato, ainda que mínimo, que, na vida cotidiana, exprima poesia. Nesse sentido apresentamos toda uma série de objetos comuns carinhosamente cuidados, exemplos importantes para o moderno desenho industrial que, criado no Ocidente por uma elite especializada, representa no Oriente, onde o homem estético teve, durante séculos, a preponderância sobre o homem científico, um fato normal. Este carinhoso amor pelos objetos de todos os dias não se deve confundir com o esteticismo decadente, é uma necessidade vital que se acha nos primórdios da vida humana. É neste sentido, todo ligado a uma vivência, que apresentamos esta exposição. É um jeito de ser que se estende à maneira de olhar as coisas, de se mover, de apoiar o pé no chão, um modo não estetizante, mas próximo da natureza, do verdadeiro humano. Não por mero acaso esta exposição é apresentada por uma Escola de Teatro, pois o teatro reúne todas as necessidades do homem estético. 18 Lina e Martim evidenciam, dessa maneira, o sentido estético do conjunto de elementos que compõe a vida com suas cenas corriqueiras e o teatro aparece, assim, como forma de re apresentar o cotidiano que, dia a dia tomado como natural ou inevitável, despe-se de seu sentido histórico, estético e político, totalmente aberto às transformações possíveis ao longo da história. Calcando-se em procedimentos didáticos legitimamente brechtianos, lança-se mão do teatro como forma de re-apresentação da própria vida, buscando desencadear um processo de reflexão crítica capaz de recolocar para o homem comum a realidade de seu papel como sujeito histórico e de sua produção como arte. Nesse sentido vale atentar para o texto do folheto impresso pela Escola de Teatro da Universidade da Bahia por ocasião da montagem de A Ópera de Três Tostões. Nele, após alguns comentários sobre a peça de Brecht, chama-se a atenção para o mecanismo brechtiano do distanciamento acrescentando que: (...) o teatro passa a adquirir uma nova função: não puramente estética, mas ética e exige do expectador não mais e unicamente a compaixão, a integração no papel, a identificação emocional com o herói, mas sim a reflexão sobre a condição social do homem a fim de que, como insiste Brecht, mais tarde se possa alterar, na realidade, essa situação anômala. 19 Em estudo sobre as arquiteturas cênicas de Lina, Mateus Bertone da Silva destaca a importância da forma como Brecht se apropria da ópera enquanto gênero teatral, isolando cada um de seus elementos constitutivos (pantomima, música, dança, pintura, arquitetura), de forma a apresentá- 18 FERRAZ, Marcelo Carvalho (Org.) Lina Bo Bardi. São Paulo, 2008, p Grupo da Escola de Teatro da Universidade da Bahia/Museu de Arte Moderna da Bahia. A ópera de três tostões. Salvador, 1960, p.8. 7

8 los criticamente. Apoiado em Bornheim, Bertone sustenta que o grande sentido da apropriação da ópera por Brecht reside em explorar a separação dos diversos elementos que a compõe, negando a síntese perfeita entre todos eles noção que atinge seu ápice com a idéia de obra de arte total desenvolvida por Richard Wagner. Brecht, ao contrário, de Wagner e dos ilusionistas em geral, explorou a força do isolamento de cada um dos elementos componentes da cena, conferindo-lhes o sentido de comentadores críticos uns dos outros e revelando, dessa forma, a própria estrutura do espetáculo teatral. 20 Como ópera de mendigos, 21 a peça de Brecht questionava profundamente a forma da ópera, assim como a montagem feita por Lina e Martim Gonçalves questionava os padrões culturais baseados nas importações artísticas européias, a começar pela forma como foi projetado o Teatro Castro Alves: uma sala de grandes dimensões, dotada de todo o aparato cenotécnico necessário à cena ilusionista. Não por acaso, a intervenção de Lina Bardi transformou as ruínas do imponente teatro de ópera em mera (e ao mesmo tempo significativa) atmosfera envoltória de um pequeno anfiteatro improvisado, questionando a monumentalidade do edifício, assim como a idéia de teatro a ele associada. Por suas características específicas enquanto linguagem teatral, assim como pelo contexto em que se inseriu, a montagem de A Ópera de Três Tostões constituiu-se em considerável estímulo à reflexão crítica na cidade de Salvador, conforme atesta a seqüência de notícias publicadas pelos jornais da época. Tal processo foi detonado não somente pelo conteúdo apresentado pela peça no âmbito mais restrito da sala de espetáculos, mas também pela dimensão de evento solene que a montagem adquiriu ao inaugurar, inusitadamente, um monumento incendiado, com uma ópera de Brecht. Em texto publicado pelo jornal A Tarde em 25 de novembro de 1960, Napoleão Lopes Filho lamenta: O TCA foi inaugurado nos bastidores, de modo sorrateiro e bastante fora da proporção com a grandiosidade da sua arquitetura e com o nome do grande poeta (...). Porém, os responsáveis pela montagem seguiram a consigna do autor Bertolt Brecht, um alemão da linhagem de Marx e Engels, de fazer as coisas com astúcia (...) Podemos dizer que os responsáveis pela Ópera dos Três Tostões alcançaram plenamente seus objetivos: atingir em cheio a burguesia anestesiada com uma bofetada. Será esta a meta dos que querem ancorar o Encouraçado Potemkin no Campo Grande? 22 Aqui vale lembrar que, embora as obras de construção do Teatro Castro Alves tenham se concentrado entre 1957 e 1958, seu início (com o lançamento das fundações), deu-se às vésperas das comemorações do IV Centenário da cidade, ou seja, praticamente dez anos antes da conclusão, em Ao longo desses anos marcados pela interrupção das obras e pelo abandono do projeto inicial (que previa uma sala bem maior, com assentos), o Teatro Castro Alves constituiu-se em um objeto amplamente discutido através da imprensa local. Conflitos em torno de questões ligadas às suas dimensões, ao número de salas disponíveis na cidade e à importância do teatro na cena cultural de Salvador atravessaram significativamente o cotidiano da cidade, fato que se acentuou após a ocorrência do incêndio, conforme nos revela em detalhes Impressões modernas: teatro e jornalismo na Bahia. 23 Nessas condições, o ato de inaugurar o Teatro Castro Alves semi destruído e ocupado por uma ópera de mendigos, com todas as implicações estéticas e políticas reunidas em torno da figura de 20 Cf. SILVA, Mateus Bertone da. Lina Bo Bardi Arquitetura cênica. São Carlos, 2005, p No folheto que acompanhou a peça, Lina e Martim indicam que óperas de mendigos eram montadas desde o século XVIII na Europa e que a peça de Brecht inspira-se, em grande parte, na Ópera dos mendigos de John Gay, escrita durante os anos de 1700 em Londres. Grupo da Escola de Teatro da Universidade da Bahia / Museu de Arte Moderna da Bahia. A ópera de três tostões. Salvador, LOPES FILHO, Napoleão. A Ópera de Três Tostões. Jornal A Tarde, Salvador, 25 de novembro de 1960 apud SANTANA, Jussilene. Impressões modernas: teatro e jornalismo na Bahia. Salvador, 2009, p SANTANA, Jussilene. Impressões modernas: teatro e jornalismo na Bahia. Salvador, 2009, p

9 Bertolt Brecht, se inseriu, imediatamente, em um campo de discussão que permeava a vida da cidade desde, pelo menos, 1948, quando a criação do Teatro Castro Alves foi solicitada à Assembléia Legislativa da Bahia. A forma como Lina se apropriou do espaço incendiado, incorporando os significados ali impregnados e construídos ao longo da história da cidade (sendo, dessa maneira, socialmente reconhecidos), apresenta-se como uma questão central para as montagens nordestinas, desdobrando-se e desenvolvendo-se em projetos futuros. Assim como o Teatro Castro Alves, com suas paredes sujas de fumaça e seus equipamentos destruídos pelo fogo foi tomado como um conjunto significativo e estruturador das arquiteturas cênicas de A Ópera de Três Tostões e Calígula, em Na Selva das Cidades, por exemplo, reconhecendo a condição de destruição por que passava a cidade de São Paulo em 1969, Lina incorporou o entorno imediato do Teatro Oficina (no caso, o bairro do Bexiga). Neste último caso, a arquiteta se apropriou dos destroços e do lixo resultante das obras do Elevado Costa e Silva (o Minhocão), captando os significados encarnados nos diversos elementos que compunham aquela cena diária da cidade, levando-a para dentro do teatro. A incorporação dos significados presentes em determinados espaços (arquitetônicos ou urbanísticos) como dados estruturadores das intervenções revela-se como elemento central na concretização daquele que Lina chamou de seu teatro pobre, no sentido da simplicidade dos meios de comunicação. A leitura e posicionamento diante de determinada conjuntura histórica aparecem, assim, como dados fundamentais no estabelecimento de suas diretrizes projetuais, conforme deixam claro os textos já citados sobre o Museu de Arte Moderna da Bahia e o Museu de Arte Popular do Unhão, por exemplo. Poderíamos dizer que, no âmbito dos procedimentos brechtianos, as arquiteturas cênicas do início dos anos 60 aparecem (para a arquiteta e para o público) como exercícios de leitura e análise crítica sobre a situação histórica, instigando o público a refletir sobre os possíveis significados dos objetos em dados contextos. No conjunto das arquiteturas cênicas projetadas por Lina, a intervenção no espaço do Teatro Castro Alves e, assim, em todo o seu entorno urbano, apresenta-se como momento inaugural carregado de elementos que se desdobrariam ao longo da obra da arquiteta. A busca por evidenciar o sentido histórico e estético presente nos objetos que compõe as cenas da vida cotidiana constitui-se em importante traço da obra de Lina. Tal característica, bastante desenvolvida nos projetos para exposições e arquiteturas cênicas, poderá ser identificado também na forma como são concebidos seus edifícios, notadamente através da relação com a paisagem urbana e com seu público pensemos no Sesc Fábrica da Pompéia e no Teatro Oficina. No reconhecimento do significado histórico e estético presente na própria materialidade de um edifício, incluindo, neste caso, as possíveis relações estabelecidas com o entorno urbano e seus usuários, encontra-se uma questão fundamental. Trata-se, precisamente, da identificação da arquitetura com o próprio espaço da ação cênica, conforme escreve a arquiteta a respeito da cenografia para Ubu. Assumindo que o teatro é a vida, em 1985 Lina nega abertamente a cenografia tradicional, tratando-a como sendo o contrário da arquitetura. A ausência de cenografia, conforme se deu no projeto para Ubu, folias physicas, pataphysicas e musicaes seria, assim, pura arquitetura e a arquitetura o lugar da ação coletiva na história. Em texto decorrente da premiação da arquitetura cênica da peça de Alfred Jarry, dirigida por Cacá Rosset escreve Lina: Agradeço ao júri pelo prêmio a mim atribuído. Na realidade, o público pode perguntar: que cenografia é esta onde não tem nada? A este ponto eu cito Lautreamont: a arte deve ser feita por todos e não por um só. O Teatro é a vida e na ausência de dados pré-estabelecidos, uma cenografia aberta e despojada pode oferecer ao expectador a possibilidade de inventar e participar do ato existencial que representa um espetáculo de teatro. Assim nascem a nave, o jantar sem nada, o Palácio que não existe, os pequenos paraventos laterais. Tenho certeza que Jarry teria gostado. Num certo sentido, a cenografia tradicional é o contrário da arquitetura e a ausência de cenografia é, como dizia Walter Gropius, pura arquitetura. 9

10 Agradeço ao júri por ter compreendido tudo isso 24 Bibliografia ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. São Paulo, ARTAUD, Antonin. Linguagem e vida. São Paulo, O Teatro e seu Duplo. São Paulo, BARDI, Lina Bo. Tempos de Grossura o design no impasse. São Paulo, Contribuição propedêutica à teoria do ensino da arquitetura. São Paulo, BRECHT, Bertolt. Teatro completo em 12 volumes. São Paulo, Estudos sobre teatro. Rio de Janeiro, Teatro Dialético; ensaios. Rio de Janeiro, CORRÊA, José Celso Martinez. STAAL, Ana Helena Camargo de (Org). Primeiro ato. Cadernos, depoimentos, entrevistas ( ). São Paulo, COSTA, Iná Camargo. O método Brecht. Petrópolis, DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Lisboa, ECO, Umberto. Obra aberta: forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas. São Paulo, EICHBAUER, Hélio e VELOSO, Dedé. Arte na Bahia. Salvador, FERNANDES, Sílvia. Grupos teatrais Anos 70. Campinas, FERRAZ, Marcelo Carvalho (Org.) Lina Bo Bardi. São Paulo, FRAMPTON, Kenneth. História crítica da arquitetura moderna. São Paulo, GERBER, Raquel. Glauber Rocha. Rio de Janeiro, PEREIRA, Juliano Aparecido. Lina Bo Bardi: Bahia, Uberlândia, PISCATOR, Erwin. Teatro Político. Rio de Janeiro, PRADO, Décio Pacheco de Almeida. O Teatro Brasileiro Moderno. São Paulo, RATTO, Gianni. A mochila do mascate. São Paulo, RESTANY, Pierre. Novos Realistas. São Paulo, RISÉRIO, Antonio. Avant-garde na Bahia. São Paulo, ROCHA, Glauber. Revolução do Cinema Novo. São Paulo, ROUBINE, Jean Jacques. A linguagem da encenação teatral. Rio de Janeiro, RUBINO, Silvana, GRINOVER, Marina (Org.). Lina por escrito. Textos escolhidos de Lina Bo Bardi. São Paulo, SANTANA, Jussilene. Impressões modernas: teatro e jornalismo na Bahia. Salvador, SILVA, Mateus Bertone da. Lina Bo Bardi: arquitetura cênica. (Dissertação de mestrado). São Carlos, TAFURI, Manfredo. Projecto e utopia: arquitectura e desenvolvimento do capitalismo. Lisboa, Teorias e historia da arquitectura. Lisboa, Presença, Á bibliografia acima citada somam-se folhetos, anotações, desenhos e fotografias pertencentes ao arquivo pessoal de Lina Bo Bardi / Instituto Lina Bo e P. M. Bardi, onde atualmente a pesquisadora colabora com a catalogação do material relacionado às arquiteturas cênicas projetadas por Lina. 24 FERRAZ, Marcelo Carvalho (Org.) Lina Bo Bardi. São Paulo, 2008, p

O JOGO TEATRAL NA CONTRUÇÃO DO QUEM ROBSON TADEU CATALINHA UNIVERSIDADE DE SOROCABA Palavras-chave: JOGO TEATRAL PROCESSO DE CRIAÇÃO

O JOGO TEATRAL NA CONTRUÇÃO DO QUEM ROBSON TADEU CATALINHA UNIVERSIDADE DE SOROCABA Palavras-chave: JOGO TEATRAL PROCESSO DE CRIAÇÃO O JOGO TEATRAL NA CONTRUÇÃO DO QUEM ROBSON TADEU CATALINHA UNIVERSIDADE DE SOROCABA Palavras-chave: JOGO TEATRAL PROCESSO DE CRIAÇÃO As três montagens dirigidas por Ingrid Koudela na Universidade de Sorocaba,

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí A produção literária referente à arquitetura e urbanismo sempre foi caracterizada pela publicação de poucos títulos, baixa diversidade

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT06.P METODOLOGIAS DE INVENTÁRIO PARA RESTAURO DE EDIFICAÇÕES DE VALOR PATRIMONIAL Carolina Marques Chaves (2) ; Maria Berthilde Moura Filha (3) Centro de Tecnologia/Departamento de Arquitetura e

Leia mais

Lina Bo Bardi e os estudos para arquitetura cênica e exposições

Lina Bo Bardi e os estudos para arquitetura cênica e exposições O corpo na arquitetura Lina Bo Bardi e os estudos para arquitetura cênica e exposições Eduardo Oliveira França Arquiteto e urbanista formado pela Escola de Arquitetura da UFMG Mestrando NPGAU (Núcleo de

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha.

Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha. Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha. Por Talles Lucena, educador do MuBE. O prédio do Museu Brasileiro da Escultura é um projeto do

Leia mais

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões As oportunidades de trabalho e as novas profissões ligadas à arte contemporânea têm crescido muito nos últimos anos, impulsionadas

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

Cidade das Artes inicia em maio sua programação

Cidade das Artes inicia em maio sua programação Cidade das Artes inicia em maio sua programação Em janeiro, Rock in Rio, o Musical abriu o novo espaço cultural em sistema de soft opening Fotos em alta resolução: www.factoriacomunicacao.com Depois de

Leia mais

CONEXÃO CULTURAL. Projeto Itinerante de Teatro

CONEXÃO CULTURAL. Projeto Itinerante de Teatro CONEXÃO CULTURAL Projeto Itinerante de Teatro O teatro reflete a cultura da população. Ele permite que a sociedade tenha a possibilidade de apreciar a realidade em mudança por meio da exploração de idiomas

Leia mais

Filme: O Lobisomem e o Coronel

Filme: O Lobisomem e o Coronel Filme: O Lobisomem e o Coronel Gênero: Animação Diretor: Elvis K. Figueiredo, Ítalo Cajueiro Ano: 2002 Duração: 10 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=1518

Leia mais

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES Profª. Msc. Carolina Albuquerque de Moraes Prof. Dr. Luiz Fernando Loureiro Ribeiro São Paulo, Brasil

Leia mais

CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro

CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro Cláudia Mendes de Abreu Furtado e Rodrigo Cunha Santos, Serviço Social do Comércio SESC PE, Professora

Leia mais

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social Semana da Liberdade de Escolha da Escola / School Choice Week & I Conferência da Liberdade de Escolha da Escola / 1st School Choice Conference Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Leia mais

História. Foto: Ibraim Leão

História. Foto: Ibraim Leão Theatro Pedro II Rua Álvares Cabral 370, Centro, Ribeirão Preto-SP CEP 400-080 www.ribeiraopreto.sp.gov.br/fundacao/teatro/i36principal.php Tel. 55 (6) 3977.8 T heatro Pedro II Na década de 920, Ribeirão

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

1ª MARATONA DE PROJETOS ATELIÊ VERTICAL PROF. LUCIANO ARRUSSUL

1ª MARATONA DE PROJETOS ATELIÊ VERTICAL PROF. LUCIANO ARRUSSUL Programa de necessidades e pré-dimensionamento SETORES: -Administrativo - Artístico - Técnico - Público e de Convivência Programa de necessidades e pré-dimensionamento Setor Administrativo Ambiente Descrição

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes Aluno (a): 5º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Prezado(a)

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Aproximação entre design e artesanato no Brasil.

Aproximação entre design e artesanato no Brasil. Aproximação entre design e artesanato no Brasil. Conceitos e ações de Lina Bo Bardi e Aloísio Magalhães. Relation between design and handicrafts in Brazil. Concepts and actions developed by Lina Bo Bardi

Leia mais

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL 1 Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro I - Introdução O teatro, como todas as artes, está em permanente

Leia mais

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o 1 INTRODUÇÃO O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o jardim público e até mesmo com as praças ajardinadas, o parque público abrange usos e funções das mais complexas,

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa CULTURAS E CONHECIMENTOS DISCIPLINARES ANO 3 EDIÇÃO 16 UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa O sabiá Teco vai fugir da gaiola em busca de um lugar melhor para

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO Patricia Neves de Almeida Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Sorocaba (UNISO) patricia.almeida@prof.uniso.br Resumo: O presente texto refere-se

Leia mais

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA 1 DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA Mariana Muniz 1 Sanchis Sinisterra é um ícone da dramaturgia espanhola contemporânea. Sua peça de maior repercusão foi Ay

Leia mais

PROJETO CENA-ESPETÁCULO

PROJETO CENA-ESPETÁCULO PROJETO CENA-ESPETÁCULO :: OBSERVATÓRIO DE CRIAÇÃO DO GALPÃO CINE HORTO :: Após acompanhar o sucesso de diversos espetáculos, experimentados inicialmente no formato de cena curta no Festival de Cenas Curtas,

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I União Educacional do Norte Faculdade Uninorte Professora: Edinete Oliveira Arquiteta e Urbanista Tema: A ignorância da Arquitetura & As várias idades do

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

instrumentos passaram a ser tocados muitas vezes de maneira diferente da regular

instrumentos passaram a ser tocados muitas vezes de maneira diferente da regular INTRODUÇÃO A música do século XX foi marcada por grandes inovações em estruturações e outros procedimentos. As estruturações passaram a ter formas cada vez mais livres como na poesia sem metro ou rima;

Leia mais

RAPHAEL SANTA CRUZ O mágico-

RAPHAEL SANTA CRUZ O mágico- RAPHASANTACRUZ RAPHAEL SANTA CRUZ O mágico- Natural de Caruaru, Pernambuco, Raphael Santa Cruz, atua profissionalmente há dez anos. Em 2008, organizou no SESC Caruaru, o MAGIFEST, evento com palestras,

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

PROJETO ARTE NOS HOSPITAIS CANTO CIDADÃO EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE GRUPOS TEATRAIS

PROJETO ARTE NOS HOSPITAIS CANTO CIDADÃO EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE GRUPOS TEATRAIS 1. APRESENTAÇÃO PROJETO ARTE NOS HOSPITAIS CANTO CIDADÃO EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE GRUPOS TEATRAIS O Canto Cidadão, por meio deste Edital de Contratação de Grupos Teatrais, oferece à sociedade brasileira

Leia mais

ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados.

ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados. ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados. Três principais civilizações: Maias; Astecas; Incas. Civilização Maia:

Leia mais

Palavras-chave: Oficinas de Teatro; Grupos Teatrais Brasileiros, Teatro e Comunidade.

Palavras-chave: Oficinas de Teatro; Grupos Teatrais Brasileiros, Teatro e Comunidade. NETTO, Maria Amélia Gimmler. Artistas-oficineiros: da criação teatral como processo de aprendizagem. Porto Alegre: UFRGS. UFPel, Professora Assistente Nivel I. UFRGS, Mestrado, Clóvis Dias Massa. Resumo:

Leia mais

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA O(S) USO(S) DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EM SALA DE AULA BRUNA EVELIN LOPES SANTOS CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

ESPAÇOS HABITADOS O CORPO COMO FERRAMENTA VIVA

ESPAÇOS HABITADOS O CORPO COMO FERRAMENTA VIVA ESPAÇOS HABITADOS O CORPO COMO FERRAMENTA VIVA 19 e 20 Março 2011 10h00 > 13h00 14h30 > 17h30 Sinopse Muitos são os artistas para quem as fronteiras entre o corpo e a obra se esbatem, usando a Performance

Leia mais

Decoração de inverno. Hora de mudar o visual da casa, preparando-a para receber o frio

Decoração de inverno. Hora de mudar o visual da casa, preparando-a para receber o frio Foto Sérgio Israel Com a chegada da estação fria, vem também a oportunidade de tirar do armário os tapetes felpudos, as mantas de tricô e as almofadas de veludo. É o período do ano em que a casa se torna

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

19º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODRAMA. A Humanidade no século 21

19º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODRAMA. A Humanidade no século 21 19º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODRAMA A Humanidade no século 21 DIRETORA NATÁLIA GIRO EGOS AUXILIARES MAHER HASSAN MUSLEH E WENDY PRADO Introdução: Relacionar-se com o outro é uma condição essencial para

Leia mais

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio Currículo Referência em Teatro Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas Investigar, analisar e contextualizar a história do Teatro compreendendo criticamente valores, significados

Leia mais

Monumento à Cidade Universitária

Monumento à Cidade Universitária Monumento à Cidade Universitária Gestalt Há algo que transcende a um exclusivo gosto pessoal ou a um gosto na dependência de um momento histórico. Só em função de alguma constante pode-se explicar que

Leia mais

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares.

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares. O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da exposição Entre Silêncio e Paisagem, de Daniel Neto e Elenir tavares. Abertura 23 de outubro, às 19 horas.

Leia mais

Engenharia e Arquitetura no século XIX

Engenharia e Arquitetura no século XIX AUH0154 História e Teorias da Arquitetura III Engenharia e Arquitetura no século XIX Camilla Bernal P. L. Mendes - 6817461 Fernanda Adams Domingos - 6816870 Fernanda Nogueira Ribeiro - 6816932 Guilherme

Leia mais

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS FEIRA DE CORES E SABORES A mostra, contemplada pelo Fundo de Cultura da Bahia através do IPAC, tem a intenção de valorizar os patrimônios materiais e imateriais da Feira de São Joaquim

Leia mais

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA Getúlio Góis de Araújo getulio_araujo @nacionalnet.com.br Colégio Nacional Ensino Fundamental II Relato de Experiência

Leia mais

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS CENTRO CULTURAL VILA FLOR A programação do Centro Cultural Vila Flor deverá assentar em critérios de qualidade, diversidade, contemporaneidade

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura

A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura HARRIS, Ana Lúcia Nogueira de Camargo (1) Av. Prof. Almeida Prado trav.2 n o 271 Cidade Universitária 05508-900 São Paulo SP Tel.: (011)

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

A soma será feita da seguinte forma:

A soma será feita da seguinte forma: TESTE VOCACIONAL Teste sua vocação Testes vocacionais não fazem milagres, não têm poder de apontar uma única profissão a ser seguida, mas são um bom norte acerca de aptidões e interesses. O questionário

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES

ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e educação,

Leia mais

Termo de Referência. Anexo A DESCRIÇÃO FÍSICA CARACTERÍSTICAS DO EQUIPAMENTO

Termo de Referência. Anexo A DESCRIÇÃO FÍSICA CARACTERÍSTICAS DO EQUIPAMENTO Termo de Referência Anexo A DESCRIÇÃO FÍSICA CARACTERÍSTICAS DO EQUIPAMENTO A. Arena Carioca da Penha e seu entorno O edifício principal, em forma de hexágono com 15m em cada lado possui 1.083 m 2 de área

Leia mais

F) 13.392.0168.2650.0001 - Funcionamento de Bibliotecas da União

F) 13.392.0168.2650.0001 - Funcionamento de Bibliotecas da União Brasileira I Vol. de vários autores; Brasileira II Vol. de vários autores; Brasileira III Vol. de vários autores; Brasileira IV Vol. de vários autores; Brasileira V Vol. de vários autores; Editions du

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA APRESENTAÇÃO Toda proposta educacional cujo eixo do trabalho pedagógico seja a qualidade da formação a ser oferecida aos estudantes

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC)

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) 009 ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) André Carreira (Orientador) (UDESC - CNPq) RESUMO: Esta pesquisa busca compreender como a

Leia mais

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

GALERIA METRÓPOLE E CENTRO METROPOLITANO DE COMPRAS

GALERIA METRÓPOLE E CENTRO METROPOLITANO DE COMPRAS 1960 01 GALERIA METRÓPOLE E CENTRO METROPOLITANO DE COMPRAS HISTÓRIA 02 O edifício Metrópole e Centro Metropolitano de Compras, projetado pelos arquitetos Salvador Candia e Gian Carlo Gasperini, é um importante

Leia mais

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI Autoria: Manoel Brito de Farias Segundo (orientador) Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA) Caio Méssala da Silva Faustino - Faculdade de

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 59/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TODA DIFUSORES PARA LUMINÁRIAS O conjunto de difusão de ar completamente embutido, contribui para um visual leve e sem distorções. Sua flexibilidade própria,

Leia mais

A Copa do Mundo e a importância dos CT s no Brasil DESTAQUES. Curitiba, 26 de setembro de 2012 l 6ª Edição - Setembro/Outubro

A Copa do Mundo e a importância dos CT s no Brasil DESTAQUES. Curitiba, 26 de setembro de 2012 l 6ª Edição - Setembro/Outubro Curitiba, 26 de setembro de 2012 l 6ª Edição - Setembro/Outubro DESTAQUES A Copa do Mundo e a importância dos CT s no Brasil Fifa indica estádios de futebol, mas seleções da Copa poderão escolher seus

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

Anexo 1: Integração da comunidade na República da Irlanda: um estudo de caso

Anexo 1: Integração da comunidade na República da Irlanda: um estudo de caso Integração da Comunidade 263 Anexo 1: Integração da comunidade na República da Irlanda: um estudo de caso Por haver uma grande diversidade, em termos do que pode ser feito em diferentes países e lugares,

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos. Título de artigo de SCHEINER, Tereza.

COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos. Título de artigo de SCHEINER, Tereza. COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos Título de artigo de SCHEINER, Tereza. Nova Teoria do Museu onde este é pensado já não mais apenas como instituição (no sentido organizacional),

Leia mais

Contexto do Dadaísmo

Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá O movimento Dadá ou Dadaísmo foi uma vanguarda moderna iniciada em Zurique, em 1916, no chamado Cabaret Voltaire, por um grupo de escritores e artistas

Leia mais

2.2 FRANK LLOYD WRIGHT: ORIGENS DO DESIGN NA HOTELARIA? No ano de 1915, o arquiteto norte-americano Frank Lloyd Wright foi

2.2 FRANK LLOYD WRIGHT: ORIGENS DO DESIGN NA HOTELARIA? No ano de 1915, o arquiteto norte-americano Frank Lloyd Wright foi 30 2.2 FRANK LLOYD WRIGHT: ORIGENS DO DESIGN NA HOTELARIA? No ano de 1915, o arquiteto norte-americano Frank Lloyd Wright foi convidado para projetar o Hotel Imperial em Tóquio, no Japão. A obra deveria

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

NADJA VLADI - Editora da revista Muito.

NADJA VLADI - Editora da revista Muito. NADJA VLADI - Editora da revista Muito. Jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Faculdade de Comunicação da UFBA. Atualmente atua como editora-coordenadora da revista Muito do

Leia mais

UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1

UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1 DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ARQUITETURA E URBANISMO PROFESSORA: ELOANE CANTUÁRIA TURMAS: 1ARQV-1 e 1ARQN-1 UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1 MACAPÁ-AP MARÇO/2006

Leia mais

A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES

A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES Introdução Vilma Fernandes Neves Maria Auxiliadora Cavazotti Patrícia Andréia Fonseca de Carvalho Pitta Programa de Pós-Graduação

Leia mais

vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo

vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo 1. INTRODUÇÃO O curso de Arquitetura e Urbanismo da UNICAMP tem o propósito de preparar o arquiteto para ser um profissional capaz de compreender

Leia mais

Residência. Cenários para o dia-a-dia e ocasiões especiais. c a s e. Por Claudia Sá

Residência. Cenários para o dia-a-dia e ocasiões especiais. c a s e. Por Claudia Sá c a s e Fotos: Rafael Leão Residência Por Claudia Sá Cenários para o dia-a-dia e ocasiões especiais ATMOSFERA ACOLHEDORA PARA O DIA-A-DIA E FLEXIBILIDADE para criação de cenários para eventos distintos.

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR TURMA 801 Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR Nós habitamos um mundo tridimensional. Ou seja, vemos o mundo em três dimensões: a altura, a largura e a profundidade. É por conta da profundidade que dizemos a árvore

Leia mais

Terceira Ponte Lago Sul - Brasília/DF

Terceira Ponte Lago Sul - Brasília/DF Terceira Ponte Lago Sul - Brasília/DF Alexandre Chan - arquiteto e urbanista A Cidade e a Circulação Trinta e oito anos depois de sua inauguração, Brasília ultrapassou todas as expectativas para seu desenvolvimento.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

o ex-piloto André Ribeiro visita o novo João Amaro, e o convida para conhecer sua coleção de carros de corrida

o ex-piloto André Ribeiro visita o novo João Amaro, e o convida para conhecer sua coleção de carros de corrida www.tamaviacaoexecutiva.com.br ano 0 - nº o ex-piloto André Ribeiro visita o novo Museu TAM na companhia do fundador, João Amaro, e o convida para conhecer sua coleção de carros de corrida Homenagem: Brasília

Leia mais

SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR

SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaella Oliveira SILVA; Ananda Luiza Bezerra DESTRO; Cecilia Yade Nogueira ALVES; Marlini Dorneles de LIMA. FEF litlle_rafaella@hotmail.com Palavras-chaves:

Leia mais

Processo de Tombamento do Teatro São Vicente de Assis e a sociedade. local 1

Processo de Tombamento do Teatro São Vicente de Assis e a sociedade. local 1 Processo de Tombamento do Teatro São Vicente de Assis e a sociedade local 1 Rodrigo Modesto Nascimento Mestre Unesp de Assis O tombamento do Teatro São Vicente 2 de Assis foi solicitado pela Prefeitura

Leia mais

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999.

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. Ana Paula Pupo Correia* O livro de Anne-Marie Châtelet, 1 O nascimento

Leia mais