Arquitetos e engenheiros: duas visões de mundo?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arquitetos e engenheiros: duas visões de mundo?"

Transcrição

1 jul. ago. set. l 2009 l N Xv, Nº 58 l IN R ÇÃ 205 Arquitetos e engenheiros: duas visões de mundo? yopanan c. p. rebello*; flávio helena jr.**; josé de oliveira**; samuel dereste dos santos**; sidnei palatnik** Resumo l Esse artigo analisa as relações entre Arquitetura e Engenharia. Percorre a historiografia tanto de formação quanto de atuação incorporando as instituições de ensino como reconhecimento de uma certa prática. Apresenta para isso o surgimento das primeiras escolas como base de ensino sistematizado que distingue as duas formações: Académie D'Architecture, fundada em 1671, École des Ponts et Chaussées, fundada em 1747, e École dês Ingénieurs de Mézières em A partir da formação inicial reconhece aproximações tendo em vista os desafios contemporâneos que exigem um maior entendimento entre as áreas. Arquitetura. Engenharia. Ensino e atuação. Palavras-chave l Arquitetura. Engenharia. Ensino e atuação Title l Architects and engineers: two worldviews? Abstract l This article analyzes the relationship between architecture and engineering. Runs through the history of both formation and performance of incorporating educational institutions in recognition of a certain practice. Presents to the emergence of the first schools as a basis for systematic teaching that distinguishes the two formations: Académie d'architecture, founded in 1671, Ecole des Ponts et Chaussées, founded in 1747, and the Ecole des Ingénieurs of Mézières in From the training approaches in order to recognize the contemporary challenges that require a greater understanding between the areas. Architecture. Engineering. Education and performance. Keywords l Architecture. Engineering. Education and performance 1. antecedentes históricos No período pré-revolução Industrial, um único profissional o arquiteto projetava os espaços, definia a estrutura, as fundações, os materiais, processos construtivos e até a decoração dos edifícios. Sendo assim, ele era um profissional pleno dentro do contexto em que estava inserido, participando de todas as etapas da concepção do edifício (Rebello, s.d.). Segundo Benevolo (2006), na França, no antigo regime e antes da Revolução Francesa, o ensino sistematizado de Arquitetura compete à Académie D Architecture, fundada em 1671, que goza de grande prestígio e se mantém aberta às novas experiências tecnológicas, participando intensamente da vida cultural de seu tempo. Data de recebimento: 03/05/2009. Data de aceitação: 25/05/2000. * Professor doutor do curso de Pós-Graduação Stricto Sensu em Arquitetura e Urbanismo da USJT. ** Alunos do curso de Pós-Graduação Stricto Sensu em Arquitetura e Urbanismo da USJT. Por volta de 1748, porém, esse quadro começa a mudar. Com a demanda por novas estradas, canais e fortificações, a tradição humanista da Académie D Architecture não consegue formar técnicos especializados, fazendo-se assim necessária a fundação, em 1747, da École des Ponts et Chaussées, e em 1748 institui-se a École des Ingénieurs de Mézières, com um ensino baseado em rigorosas bases científicas. Estabelece-se assim, pela primeira vez, o dualismo entre engenheiros e arquitetos. Se num primeiro momento a Académie D Architecture ofusca as novas escolas, com o tempo o horizonte destas se expande, com a diversificação das engenharias, enquanto os arquitetos veem seu campo de ação reduzir-se. Arquitetura e engenharia, ao se distanciarem em seus objetivos, iniciaram uma cisão em que o mundo exato e o mundo sensível não coabitam. Com a Revolução Francesa, a escola de Arquitetura perde sua condição de relevância, sendo incorporada ao novo instituto, como seção de Arquitetura, ao mesmo tempo em que o título de arquiteto também perde prestígio, a ponto de qualquer um poder comprar um título de arquiteto.

2 206 IN R ÇÃ yopanan et al l Arquitetos e engenheiros o ferro, permitindo a criação de novas formas de construir. Concorre para isso também a invenção e o desenvolvimento do concreto armado 1, que, por ser resultado das novas tecnologias, encanta mais à engenharia que à arquitetura, a qual, de imediato, não vê nele suas potencialidades plásticas, tendo o concreto sido desprezado no início pelos arquitetos (Benevolo, 2006). Dessa forma, os arquitetos veem seu território e importância reduzidos e demoram a perceber os sinais dos novos tempos e das novas demandas. Por outro lado, os engenheiros têm seu prestígio e atuação ampliados. Foto 1. Palácio de Cristal. Fonte: Disponível em <www.ric.edu/rpotter/crys_ Pal_Large_1851.jpg>. Acessado em 03/11/2009. A fundação da École Polytechnique consolida a posição dos engenheiros, que ganham cada vez mais destaque. No século XVIII, com a Revolução Industrial, surgem novas tecnologias, que fazem frente às demandas de reprodução em massa. O ornamento, requinte do trabalho do artesão e tão apreciado pelos arquitetos da época, passa a ser reproduzido industrialmente, em moldes para a fundição de peças de ferro, e oferecido na forma de variados estilos, à escolha do cliente (Silva, 1986, p. 27). Assim, os elementos de ferro vão se incorporando às construções convencionais, como varandas, balcões e escadas, entre outros, com a intenção de incorporar modernidade à construção (Silva, 1986, p. 29). Em função do surgimento de edificações com grandes vãos, como os pavilhões, estações ferroviárias e pontes, o ferro fundido é utilizado como material estrutural capaz de atender estas demandas, definindo sua forma e materialidade, como no caso da Iron Bridge, em Coalbrookdale, do Palácio de Cristal e da Torre Eiffel, e outros. Além disso, os arquitetos, ainda durante e após a Revolução Industrial, mantêm-se aferrados aos materiais tradicionais, construindo basicamente com pedra, madeira, alvenaria e cerâmicas, ligados ainda à tradição clássica, enquanto os engenheiros percebem a importância do domínio tecnológico dos novos materiais, principalmente 2. os primórdios da arquitetura moderna Em 1896, o arquiteto e historiador alemão Hermann Muthesius é enviado à Inglaterra como adido técnico, com o objetivo de estudar os avanços tecnológicos e a razão do sucesso do movimento Arts and Crafts (Artes e Ofícios) inglês, que, inspirado pelas ideias de William Morris, defendia a alta qualidade da produção artesanal, que se dava devido a um profundo conhecimento do ofício. Em 1902, Muthesius publica na Alemanha Stilarchitektur und Baukunst, em que enaltece e difunde as ideias de Morris sobre artes e ofícios. Diferentemente de Morris, no entanto, ele aceita as qualidades artísticas de certos produtos feitos por Foto 2. Torre Eiffel. Fonte: Sidnei Palatnik (autor).

3 jul. ago. set. l 2009 l N Xv, Nº 58 l IN R ÇÃ 207 a indústria farão parte integrante de qualquer processo de construção. Mas só o conhecimento técnico não é suficiente, e a arte deve estar intrinsecamente ligada a esse processo. A arte e a técnica, juntas, apontam para o futuro, o que convida engenheiros e arquitetos a uma aproximação 2. Foto 3. Vista sudoeste do edifício da Bauhaus, ala dos ateliers. Fonte: Magdalena Droste, Bauhaus Berlim: Bauhaus-Archiv Museum für Gestaltung, 1994, p máquinas, prenunciando o desenho industrial (Sorensen, 2000; Heitlinger). Muthesius é um dos fundadores, em 1907, da Deutscher Werkbund (associação de artes e ofícios DWB). Em 1912, Walter Gropius, fundador da Bauhaus, associa-se à DWB. Em 1919, Gropius torna-se diretor de duas escolas de Weimar, a Escola de Belas Artes e a de Artes e Ofícios, que se fundem e se tornam a Bauhaus (casa estatal de construção), para onde leva o ideário proposto pela DWB (Reucher). E a consequência disso foi: a Bauhaus influenciou todo o movimento moderno e o mundo contemporâneo. Em 1919, a Bauhaus inicia com uma declaração utópica: O edifício do futuro deverá combinar todas as artes numa entidade ideal e a meta final de toda atividade criativa é a arquitetura (Bauhaus). Gropius declarava: Não há diferença entre o artesão e o artista, mas todo artista deve necessariamente possuir competência técnica (Bauhaus). Este fundamento técnico era a base também para o ensino de arquitetura, que no currículo da Bauhaus vinha depois do estudo de arte, artesanato, e processos industriais, fazendo desta forma com que os arquitetos se aproximassem novamente do mundo da tecnologia dos materiais e também das estruturas. As ideias da Bauhaus, levadas por seus integrantes emigrados para os Estados Unidos, tiveram muita influência nos rumos da arquitetura americana e internacional. A mensagem da Bauhaus é inequívoca: o mundo será industrial. A técnica e 3. os métodos de projeto na arquitetura e na engenharia moderna Ao longo do período modernista, as grandes obras incorporaram de maneira frequente os novos materiais oriundos do desenvolvimento industrial. O concreto armado, o aço e o vidro foram os materiais mais empregados nesse período. Em contrapartida, a cisão entre arquitetura e engenharia ganhou proporções mais evidentes: a formação dos arquitetos e engenheiros, em geral e de forma comum no Brasil, não acompanhou os conceitos oriundos da Bauhaus, criando naqueles o hábito de pensar que a parte estrutural de um projeto é de única e exclusiva responsabilidade do engenheiro, e nestes, o de acreditar que as estruturas resolvidas, somente com base na lógica e ciência, resultam nas melhores soluções estéticas. Na medida em que essas ideias equivocadas são adquiridas, cria-se uma distância entre a engenharia e a arquitetura, impossibilitando a diversidade de combinações que podem ser feitas entre elas. Fica evidente, nesse contexto, que também compete mao arquiteto conhecimentos especializados da engenharia das estruturas, noções básicas de análise numérica, ciência dos materiais e de escala. O que acontece muitas vezes é a omissão, por parte do arquiteto, da concepção da estrutura, o que concentra esta decisão na abordagem do engenheiro estrutural, que muitas vezes se sente limitado a adotar a solução mais adequada para as exigências arquitetônicas. Sendo assim, é evidente a importância da concepção estrutural como parte do processo da criação arquitetônica e a necessidade de desmistificar e sistematizar o entendimento dos sistemas estruturais pelos arquitetos e cursos de Arquitetura. Por outro lado, persiste nos cursos de Engenharia, uma tradição politécnica, que leva o

4 208 IN R ÇÃ yopanan et al l Arquitetos e engenheiros Foto 4. Casa do mestre Gropius. Fonte: Magdalena Droste, Bauhaus Berlim: Bauhaus-Archiv Museum für Gestaltung, 1994, p profissional apenas a questionar variáveis técnicas. Forma um bom otimizador de processos, porém, com uma formação parcial, no que se refere à abrangência de suas decisões em relação aos métodos de projeto estrutural e arquitetônico. 4. conclusões Atualmente, diversas correntes arquitetônicas estão em voga. A marca característica de nosso tempo, segundo Montaner (2001), não é mais o modernismo, mas a pulverização de abordagens arquitetônicas. Uma dessas abordagens envolve a tecnologia, a arquitetura e a estrutura de tal forma imbricadas, que não é possível distingui-las. Torna-se necessário um amplo diálogo entre arquitetos e engenheiros, para lidar com essa linguagem. Peter Rice, engenheiro inglês falecido em 1992, e que trabalhou com arquitetos como Renzo Piano e Richard Rogers, escreveu que Em contrapartida ao pensamento de Rice, fica evidente que, apesar de o arquiteto ser motivado por questões pessoais, precisa ter conhecimentos técnicos suficientes que permitam desenvolver um projeto de maneira responsável, assim como o engenheiro também precisa ter a dimensão humana em sua formação, para melhor entender o impacto de suas decisões, sejam elas tecnológicas, de processos ou mesmo estéticas. No processo de desenvolvimento de produtos na área do desenho industrial, é fundamental, tanto o conhecimento humanista, como o conhecimento técnico dos materiais e processos, para que se possa ter controle criativo do objeto a ser produzido. De forma similar, aos arquitetos, além dos conhecimentos humanistas, é necessário um conhecimento dos materiais e das estruturas para que também possam ter um controle criativo de seus projetos. Novos desafios apresentam-se à arquitetura contemporânea, exigindo um maior entendimento entre essas áreas, que no fundo têm as mesmas origens e pretendem o mesmo objetivo: uma boa solução para a edificação, tanto do ponto de vista criativo, como tecnológico. Nesses tempos, em que engenheiros, destituídos de preconceitos, fazem arquitetura e arquitetos fazem engenharia, o que importa é que a estética e a estática sejam preocupações de quem projeta, independentemente o arquiteto, da mesma forma que o artista, é motivado por considerações pessoais, enquanto o engenheiro está essencialmente buscando transformar o problema em algo em que as propriedades essenciais da estrutura, dos materiais ou algum outro elemento impessoal, possam ser expressas. Esta distinção entre criação e invenção 3 é uma chave para entender a diferença entre o engenheiro e o arquiteto, e como ambos podem trabalhar no mesmo projeto, mas contribuindo de formas diferentes (Rice, 1994). Foto 5. Renzo Piano e Peter Rice. Fonte: David Crosley (Jodidio, 2008, p. 101).

5 jul. ago. set. l 2009 l N Xv, Nº 58 l IN R ÇÃ 209 do profissional que propõe a edificação. O resultado tem sido estruturas de rara beleza, com formas que, além de belas, apresentam grandes desafios estruturais. Referências bibliográficas BAUHAUS-Archiv Museum für Gestaltung Berlin. Portal disponível em <http://www.bauhaus.de/english/ bauhaus1919/index.htm>. Acessado em 03/11/2009. BENEVOLO, L. História da arquitetura moderna. Trad. de A. M. Goldberger. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, HEITLINGER, P. Verbete Adam Gottlieb Hermann Muthesius (1861-). Disponível em <http://tipografos. net/designers/muthesius.html>. Acesso em 03/11/2009. JODIDIO, P. Piano Renzo Piano Building Workshop 1966 to Today. Colônia (Al.): Taschen, KAEFER, L. F. A evolução do concreto armado. Disponível em <http://www.cimento.org/concreto.htm>. Acessado em 03/11/2009. MONTANER, J. M. Depois do movimento moderno arquitetura da segunda metade do século XX. Barcelona: Gustavo Gili, 2001, 271 p. REBELLO, Y. C. P. Engenheiros, arquitetos e um único objeto: a edificação. Anotações de aula. Curso de Mestrado em Arquitetura e Urbanismo da USJT, s.d. REUCHER, G. 1919: Inauguração da escola Bauhaus. Disponível em <http://www.dw-world.de/dw/ article/0,,782396,00.html>. Acessado em 03/11/2009. RICE, P. An Engineer Imagines. Londres: Artemis, SILVA, G. G. Arquitetura do ferro no Brasil. São Paulo: Nobel, 1986, p. 27. SORENSEN, Lee (ed.). Verbete Muthesius, [Adam Gottlieb] Hermann. In: Dictionary of Art Historians A Biographical Dictionary of Historic Scholars, Museum Professionals and Academic Historians of Art (27/11/2000). Disponível em <www. dictionaryofarthistorians.org/muthesiush.htm>. Acessado em 03/11/2009. TORROJA, E. Razón y ser de los tipos estructurales. Madri: Instituto Eduardo Torroja de la Construcción y del Cemento, Segundo Eduardo Torroja, engenheiro de estruturas, [...] La solución natural de un problema arte sin artificio -, óptima frente al conjunto de impuestos previos que la originaron, impresiona con su mensaje, satisfaciendo, al mismo tiempo, las exigencias del técnico y del artista. El nacimiento de un conjunto estructural, resultado de un proceso creador, fusión de técnica con arte, de ingenio con estudio, de imaginación con sensibilidad, escapa del puro domínio de la lógica para entrar en las secretas fronteras de la inspiración. Antes y por encima de todo cálculo está la Idea, moldeadora del material en forma resistente, para cumplir suya misión (Torroja, 1960). 3 Distinção entre criação, invenção e resolução de problemas: Inventar: propor algo novo que não existia antes. Descobrir: revelar pela primeira vez algo que já existia. Resolver problemas: achar soluções para determinada solicitação. Criar: capacidade de desestruturar a realidade e reestruturála de outras maneiras (Rebello). Notas 1 A utilização das estruturas de concreto como recurso de construção, segundo Kaefer, vem se valendo do longo período de experimentação. A primeira publicação sobre cimento armado (denominação do concreto armado aproximadamente até 1920) foi do francês Joseph Louis Lambot. Presume-se que em 1850 Lambot tenha efetuado as primeiras experiências práticas visando a estudar o efeito da introdução de ferragens numa massa de concreto (Kaefer).

6 210 IN R ÇÃ yopanan et al l Arquitetos e engenheiros

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: TAU076 CLASSIFICAÇÃO: PRÉ-REQUISITO: não tem CARGA HORÁRIA: TÉORICA : 60 horas

Leia mais

DESENHO INDUSTRIAL. Carla Laureano

DESENHO INDUSTRIAL. Carla Laureano DESENHO INDUSTRIAL Carla Laureano CASTELNOU O QUE É DESIGN? O Desenho Industrial é uma atividade projetual responsável pela determinação das características funcionais, estruturais e estético-formais de

Leia mais

Engenharia e Arquitetura no século XIX

Engenharia e Arquitetura no século XIX AUH0154 História e Teorias da Arquitetura III Engenharia e Arquitetura no século XIX Camilla Bernal P. L. Mendes - 6817461 Fernanda Adams Domingos - 6816870 Fernanda Nogueira Ribeiro - 6816932 Guilherme

Leia mais

A Revolução Industrial

A Revolução Industrial textos de José Manuel Russo A Revolução Industrial A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Introdução Embora o século XIX seja conhecido como o da Revolução Industrial, as suas origens centram-se nas transformações assistidas

Leia mais

Arquitetura: do repertório à prática

Arquitetura: do repertório à prática Arquitetura: do repertório à prática Arquiteto: - tecton, em grego, designava um artífice ligado à construção de objetos por junção de peças; - arqui, prefixo que indica superioridade. Arquitetura: Aurélio:

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DE ENGENHARIA NO SÉCULO XIX: DA EDUCAÇÃO TÉCNICA AO REPERTÓRIO ARTÍSTICO NA FRANÇA E NA INGLATERRA VITORIANA

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DE ENGENHARIA NO SÉCULO XIX: DA EDUCAÇÃO TÉCNICA AO REPERTÓRIO ARTÍSTICO NA FRANÇA E NA INGLATERRA VITORIANA A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DE ENGENHARIA NO SÉCULO XIX: DA EDUCAÇÃO TÉCNICA AO REPERTÓRIO ARTÍSTICO NA FRANÇA E NA INGLATERRA VITORIANA Carolina Bortolotti de Oliveira Doutoranda PROURB/UFRJ linabortolotti@yahoo.com.br

Leia mais

Introdução à Engenharia

Introdução à Engenharia Introdução à Engenharia Aula 03 História da Engenharia Edgar Alberto de Brito A história da Engenharia Engenharia na Pré-História. Atividade na Antiguidade. Atividade na era Moderna e Contemporânea. Aspectos

Leia mais

ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS

ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS Henrique Innecco Longo hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Escola de Engenharia Rua Brigadeiro Trompowsky s/n, Centro de

Leia mais

SOCIEDADE PIAUIENSE DE ENSINO SUPERIOR LTDA. INSTITUTO CAMILLO FILHO

SOCIEDADE PIAUIENSE DE ENSINO SUPERIOR LTDA. INSTITUTO CAMILLO FILHO EDITAL Nº 16/2014 O Instituto Camillo Filho torna público que estará recebendo, no período de 15 a 22/12/2014, inscrição de candidatos para admissão no cargo de Professor, para as disciplinas e conforme

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br Porque construir? Necessidade de se

Leia mais

Arquitetura: escolhas para o futuro

Arquitetura: escolhas para o futuro Arquitetura: escolhas para o futuro Escola da Cidade Veduca 20h Sobre o curso O século XXI traz novos desafios para a Arquitetura. Além de temas tradicionais como forma, função e estrutura, a construção

Leia mais

Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves

Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves História da Arquitetura 2008 O Concurso O Grand Palais começou a ser construído em 1897 para abrigar a Exposição Universal de 1900, envolvendo um complexo processo

Leia mais

UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1

UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1 DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ARQUITETURA E URBANISMO PROFESSORA: ELOANE CANTUÁRIA TURMAS: 1ARQV-1 e 1ARQN-1 UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1 MACAPÁ-AP MARÇO/2006

Leia mais

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Art Nouveau Art Nouveau Profª Adalgiza

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Art Nouveau Art Nouveau Profª Adalgiza aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Art Nouveau Movimento das Artes e Ofícios Movimento nascido na Inglaterra, na segunda metade do século XIX; Conhecido como Movimento

Leia mais

Art Nouveau/ Secessão de Viena

Art Nouveau/ Secessão de Viena 1760 Revolução Francesa 1789 Revolução Industrial 1819 Rainha Vitória 1840 1901 1874 Arts and Crafts 1880 1890 Primeira Guerra Mundial 1914 1918 1924 Art Déco Impressionismo 1925 Art Nouveau/ Secessão

Leia mais

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES Profª. Msc. Carolina Albuquerque de Moraes Prof. Dr. Luiz Fernando Loureiro Ribeiro São Paulo, Brasil

Leia mais

1. Benjamin, B. S., Structures for Architects, Van Nostrand Reinhold, 2nd edition, New York, 1984.

1. Benjamin, B. S., Structures for Architects, Van Nostrand Reinhold, 2nd edition, New York, 1984. Bibliografia 1. Benjamin, B. S., Structures for Architects, Van Nostrand Reinhold, 2nd edition, New York, 1984. 2. Berger, H., Light Structures, Structures of Light: The Art and Engineering of Tensile

Leia mais

ECLETISMO, ARTS AND CRAFTS ART NOUVEAU

ECLETISMO, ARTS AND CRAFTS ART NOUVEAU TH3 Teoria, História e Crítica da Arquitetura e Urbanismo III ECLETISMO, ARTS AND CRAFTS ART NOUVEAU Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Curso de Arquitetura e

Leia mais

Estruturas de Aço - Dimensionamento Prático - 7ª Ed. Walter Pfeil Ed. LTC

Estruturas de Aço - Dimensionamento Prático - 7ª Ed. Walter Pfeil Ed. LTC Aula 1: Aula 01 Bibliografia Estruturas de Aço - Dimensionamento Prático - 7ª Ed. Walter Pfeil Ed. LTC Estruturas de aço, concreto e madeira : atendimento da expectativa dimensional Rebello, Yopanan Conrado

Leia mais

APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP

APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP Autores: Nayra Yumi Tsutsumoto (1); Cesar Fabiano Fioriti (2) (1) Aluna de Graduação

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA ARQUITETURA PARA A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL ENGENHEIRO CIVIL

A CONTRIBUIÇÃO DA ARQUITETURA PARA A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL ENGENHEIRO CIVIL A CONTRIBUIÇÃO DA ARQUITETURA PARA A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL ENGENHEIRO CIVIL Érika Mendonça Britto Passos erikapassos@maua.br Escola de Engenharia Mauá Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Estrada

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARQUITECTURA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARQUITECTURA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARQUITECTURA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Arquitectura 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular HISTÓRIA

Leia mais

HISTÓRIA DO MOBILIÁRIO: BAUHAUS¹. Mazzini JR., E. G.²; Bisognin, E. L.², Côrrea, L.³, Bortoluzzi. C. G.³; Beck, L. A 4. RESUMO

HISTÓRIA DO MOBILIÁRIO: BAUHAUS¹. Mazzini JR., E. G.²; Bisognin, E. L.², Côrrea, L.³, Bortoluzzi. C. G.³; Beck, L. A 4. RESUMO HISTÓRIA DO MOBILIÁRIO: BAUHAUS¹ Mazzini JR., E. G.²; Bisognin, E. L.², Côrrea, L.³, Bortoluzzi. C. G.³; Beck, L. A 4. 1 Trabalho da linha de pesquisa: Design e Gestão do Produto, História, Estética e

Leia mais

Você se lembra da sua primeira experiência com vidro laminado? Como foi e como o vidro o ajudou em seu design?

Você se lembra da sua primeira experiência com vidro laminado? Como foi e como o vidro o ajudou em seu design? Notícias sobre vidro laminado 2014 ENTREVISTA MURPHY & JAHN ARCHITECTS FRANCISCO GONZALEZ-PULIDO: "EU REALMENTE QUERIA SER PARTE DO DESIGN" LGN conversou com Francisco Gonzalez-Pulido, presidente e sócio

Leia mais

PORTFÓLIOS: INSTRUMENTO DE ENSINO

PORTFÓLIOS: INSTRUMENTO DE ENSINO Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 PORTFÓLIOS: INSTRUMENTO DE ENSINO BITTENCOURT, Evandro dcb2eb@joinville.udesc.br Universidade

Leia mais

A concepção estrutural e a engenharia

A concepção estrutural e a engenharia OUT. NOV. DEZ. 2007 ANO XIII, Nº 51 309-314 INTEGRAÇÃO 309 A concepção estrutural e a engenharia YOPANAN CONRADO PEREIRA REBELLO* Resumo Uma estrutura bem resolvida é o resultado de esforços intelectuais

Leia mais

HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL. Prof.ª Mayara Moraes Custódio

HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL. Prof.ª Mayara Moraes Custódio HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL Prof.ª Mayara Moraes Custódio HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL A história da engenharia confunde-se com a história da própria

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA Veruska Anacirema Santos da Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Orientador: Prof. Dr. Edson Farias (UnB)

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

Hora de trabalhar. Dicas para um home office bonito, prático e confortável

Hora de trabalhar. Dicas para um home office bonito, prático e confortável Foto Divulgação / Casa Cor Projeto das arquitetas Suelen Parizotto e Nathalia Loyola Hora de trabalhar Dicas para um home office bonito, prático e confortável Por Marcéli Faleiro Profissionais independentes,

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 59/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS

ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS RESUMO Celso Carlos NOVAES Professor na Universidade Federal de São Carlos, Departamento de Engenharia Civil Correio

Leia mais

UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II. Profª Me. Márcia Moreno

UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II. Profª Me. Márcia Moreno UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II Profª Me. Márcia Moreno 1 Conhecendo o Louvre... Foi no fim do século XII que Filipe Augusto mandou construir um castelo num local já chamado Louvre.

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 ETEC Prof. Massuyuki Kawano de Tupã - Sede Ensino Técnico Código: 136 Município: Estância Turística de Tupã - SP Eixo Tecnológico: INFRAESTRUTURA Habilitação Profissional;

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

Técnicas da Construção Civil. Aula 02

Técnicas da Construção Civil. Aula 02 Técnicas da Construção Civil Aula 02 Necessidades do cliente e tipos de Estruturas Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Necessidades do Cliente Função ou tipo de edificação? Como e quanto o cliente quer

Leia mais

Peter Behrens REVISTA DIGITAL UM HOMEM QUE MUDOU A HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN

Peter Behrens REVISTA DIGITAL UM HOMEM QUE MUDOU A HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN REVISTA DIGITAL Peter Behrens UM HOMEM QUE MUDOU A HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN Conheça a história de Peter Behrens e a sua importância na criação do conceito design 1 2 Trabalho feito pelos alunos de

Leia mais

2. CRONOGRAMAS DO PROCESSO SELETIVO

2. CRONOGRAMAS DO PROCESSO SELETIVO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - PEP ANEXO AO EDITAL UFRJ/COPPE/PEP/ 250/2014

Leia mais

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES História Prezado Prof. Benito Bisso Schmidt Presidente da Associação Nacional dos Professores Universitários de Tendo tomado conhecimento

Leia mais

ARQUITETURA PRÉ-MODERNISTA: ADOLF LOOS E A RACIONALIDADE DA FORMA

ARQUITETURA PRÉ-MODERNISTA: ADOLF LOOS E A RACIONALIDADE DA FORMA 257 ARQUITETURA PRÉ-MODERNISTA: ADOLF LOOS E A RACIONALIDADE DA FORMA Liza da Fonseca Jeronymo¹, Francinne Xavier dos Santos¹, Mariana Malheiro Negrão Bandeira¹, Mariele Silva Ferragini¹, Valquíria Patricia

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2010 - Arquitetura e Urbanismo. Ênfase. Disciplina 0003737A - Plástica

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2010 - Arquitetura e Urbanismo. Ênfase. Disciplina 0003737A - Plástica Curso 2010 - Arquitetura e Urbanismo Ênfase Identificação Disciplina 0003737A - Plástica Docente(s) Alexandre Suarez de Oliveira Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento Departamento

Leia mais

II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA

II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOHLER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA PROJETO: Arte Popular Professora Orientadora: Graciele Moreira Turma: 7ª

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Forma e função nas casas de Peter Eisenman

Forma e função nas casas de Peter Eisenman Forma e função nas casas de Peter Eisenman Form and function in Peter Eisenman houses Luis Paulo Hayashi Garcia, Valeria Cássia dos Santos Fialho Centro Universitário Senac Departamento de Arquitetura

Leia mais

BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO

BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO APOSTILA DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar volume 1 Fevereiro de 2008 1 BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO

Leia mais

TÍTULO: ARKHI ARQUITETO: ENSINO DA MATÉRIA DE TECNOLOGIAS CONSTRUTIVAS NAS FACULDADES DE ARQUITETURA E URBANISMO NO EXTERIOR

TÍTULO: ARKHI ARQUITETO: ENSINO DA MATÉRIA DE TECNOLOGIAS CONSTRUTIVAS NAS FACULDADES DE ARQUITETURA E URBANISMO NO EXTERIOR Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ARKHI ARQUITETO: ENSINO DA MATÉRIA DE TECNOLOGIAS CONSTRUTIVAS NAS FACULDADES DE ARQUITETURA

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

José Hipólito. Consultoria e implantação de projetos de Gestão Estratégica de Pessoas

José Hipólito. Consultoria e implantação de projetos de Gestão Estratégica de Pessoas José Hipólito Consultoria e implantação de projetos de Gestão Estratégica de Pessoas perfil José Hipólito é referência na consultoria e implantação de projetos de Gestão Estratégica de Pessoas. É apontado

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Ensino em Dessau. Walter Gropius, Bauhaus de Dessau

Ensino em Dessau. Walter Gropius, Bauhaus de Dessau 1. Preliminar 2. Instrução em artesanato e Instrução em problemas da Forma 3. Instrução em arquitetura 4. Pesquisa individual no departamento de pesquisa da Bauhuas Ensino em Weimar Ensino em Dessau Maior

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

Cristiana Saddy Martins Coordenadora da Pós-Graduação cristi@ipe.org.br - 11 4597-1327

Cristiana Saddy Martins Coordenadora da Pós-Graduação cristi@ipe.org.br - 11 4597-1327 PROPOSTA DE UMA TURMA DE MESTRADO PROFISSIONAL, PARA UMA FORMAÇÃO STRICTO SENSU DOS SERVIDORES DO INSTITUTO BRASÍLIA AMBIENTAL IBRAM (FORMATO MODULAR PRESENCIAL) Cristiana Saddy Martins Coordenadora da

Leia mais

NOÇÕES DE ESTRUTURAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. jul. 2014

NOÇÕES DE ESTRUTURAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. jul. 2014 NOÇÕES DE ESTRUTURAS jul. 2014 Carregamento Estruturas - Princípio laje viga pilar fundação Os esforço sobre as lajes são distribuídos nas vigas, que descarregam nos pilares e consequentemente na fundação.

Leia mais

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira*

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira* ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. A partir das coisas Alda Mirian Augusto de Oliveira* Pensar a arquitetura reúne seis conferências de Peter Zumthor, proferidas

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS Soluções estruturais e arquitetônicas em aço, traduzidas em estética, conforto, segurança e versatilidade. Catálogo destinado ao pré-lançamento do produto.

Leia mais

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Engenharia. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Engenharia de Produção. PERFIL PROFISSIONAL: Este

Leia mais

História da Arquitetura

História da Arquitetura História da Arquitetura Subdivisão da História da Arte - estudo da evolução histórica da arquitetura. Seus princípios Idéias Realizações História da arte Evolução das expressões artísticas, a constituição

Leia mais

O DIREITO À CIDADE APRISIONADO EM CONJUNTOS HABITACIONAIS POPULARES: A ANÁLISE DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA

O DIREITO À CIDADE APRISIONADO EM CONJUNTOS HABITACIONAIS POPULARES: A ANÁLISE DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA O DIREITO À CIDADE APRISIONADO EM CONJUNTOS HABITACIONAIS POPULARES: A ANÁLISE DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA RESUMO: O Direito apresenta-se para a sociedade, a partir de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO PAVILHÕES Os edifícios para grandes exposições têm marcado a história da Arquitetura desde 1851, com a construção do Palácio de Cristal, concebido por Joseph Paxton para a primeira Exposição Universal,

Leia mais

Análise de Construtibilidade

Análise de Construtibilidade IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO EM ENGENHARIA DE PLANEJAMENTO Turma 01 Análise de Construtibilidade Fernando Souza Cota Carvalho Melanie Deborah Cardoso de Souza Diniz Belo

Leia mais

O ENSINO DE ENGENHARIA NA EUROPA 1

O ENSINO DE ENGENHARIA NA EUROPA 1 O ENSINO DE ENGENHARIA NA EUROPA 1 Paulo César da Costa Pinheiro Departamento de Engenharia Mecânica da UFMG Av. Antônio Carlos 6627 31270-901 Belo Horizonte, MG DIPLOMAS OBTIDOS NAS ESCOLA DE ENGENHARIA

Leia mais

1º período. 2º período

1º período. 2º período 1º período Eixo Disciplina CH Pré-requisito Correquisito (C) 1 Cálculo I 90 9 Contexto Social e Profissional do Engenheiro Civil 30 7 Desenho Técnico 30 1 Geometria Analítica e Álgebra Vetorial 90 2 Laboratório

Leia mais

Grade Curricular - Arquitetura e Urbanismo

Grade Curricular - Arquitetura e Urbanismo Grade Curricular - Arquitetura e Urbanismo SEMESTRE 1 - Obrigatórias SAP0615 Projeto I 12 4 16 SAP0620 Desenho de Arquitetura 6 2 8 SAP0623 Plástica 6 2 8 SAP0645 Informática na Arquitetura 8 2 10 SAP0646

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Neoclássico França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Definição Neoclássico Movimento cultural dado no século

Leia mais

APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS EM EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES

APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS EM EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES Autor: Paulo André Brasil Barroso Eng. Civil. Pós-graduado em cálculo estrutural McGill University Montreal Canadá 1975/1977. Sócio de uma das maiores empresas fabricantes de estruturas metálicas do país

Leia mais

Aula 4 : Desenho de Estruturas

Aula 4 : Desenho de Estruturas Aula 4 : Desenho de Estruturas Índice: UNIDADE 4 DESENHO DE ESTRUTURAS 4.1 Introdução; Fundações: - São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA CIVIL MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Civil do CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTACIO RADIAL DE SÃO PAULO tem por missão graduar Engenheiros Civis

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

solução de qualidade na arquitetura dos edifícios

solução de qualidade na arquitetura dos edifícios cobre solução de qualidade na arquitetura dos edifícios Copyright 2003 - Todos os direitos reservados e protegidos Será permitido o download gratuito do(s) arquivo(s) eletrônico(s) desta publicação para

Leia mais

Arquitetura sem fronteiras

Arquitetura sem fronteiras Arquitetura sem fronteiras No centro da cidade de Melbourne, na Austrália, agora mora uma casa inspirada na arte abstrata, no cinema e noutras coisas mais. A Prahran White House é uma celebração da cultura

Leia mais

Brasília O concreto da arquitetura moderna inspira novos materiais. Brasília Concreto Grafite

Brasília O concreto da arquitetura moderna inspira novos materiais. Brasília Concreto Grafite 24 25 Brasília O concreto da arquitetura moderna inspira novos materiais. Brasília Concreto Grafite 26 O cimento, esse clássico contemporâneo, em versão 2013 é uma homenagem à arquitetura moderna da nossa

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 O que são?: São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

O SEU OBJETIVO É GARANTIR A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO E AMPLIAR O RECONHECIMENTO SOBRE A SUA INSTITUIÇÃO DE ENSINO?

O SEU OBJETIVO É GARANTIR A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO E AMPLIAR O RECONHECIMENTO SOBRE A SUA INSTITUIÇÃO DE ENSINO? O SEU OBJETIVO É GARANTIR A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO E AMPLIAR O RECONHECIMENTO SOBRE A SUA INSTITUIÇÃO DE ENSINO? ENTÃO, DÊ AGORA UM ZOOM NA SUA ESCOLA! Conheça o ZOOM Educação Tecnológica e ofereça uma

Leia mais

EMPREENDEDORISMO VOLTADO AO MERCADO IMOBILIARIO ANÁLISE E PRÁTICAS DA INTEGRAÇÃO DA ARQUITETURA E REAL ESTATE ABSTRACT

EMPREENDEDORISMO VOLTADO AO MERCADO IMOBILIARIO ANÁLISE E PRÁTICAS DA INTEGRAÇÃO DA ARQUITETURA E REAL ESTATE ABSTRACT EMPREENDEDORISMO VOLTADO AO MERCADO IMOBILIARIO ANÁLISE E PRÁTICAS DA INTEGRAÇÃO DA ARQUITETURA E REAL ESTATE ENTREPRENEURSHIP FACING THE REAL ESTATE MARKET ANALYSIS AND PRACTICE OF INTEGRATION OF ARCHITECTURE

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO GRUPO DE TRABALHO INTERNO SUAPE GLOBAL - UNICAP Alcivam Paulo de Oliveira (Coordenador de Extensão) Evânia Pincovsky (Coordenadora) Hélio Pereira

Leia mais

MBA EM DESIGN DE INTERIORES COMERCIAIS

MBA EM DESIGN DE INTERIORES COMERCIAIS MBA EM DESIGN DE INTERIORES COMERCIAIS O programa irá prepará-lo para ser um especialista em Design de Interiores Comerciais na elaboração de projetos comerciais ou de serviços. MBA EM DESIGN DE INTERIORES

Leia mais

Prof. Marcelo Ferreira:

Prof. Marcelo Ferreira: MINI CURRICULUM IRIA LÍCIA OLIVA DONIAK Engenheira Civil, graduada pela PUC-PR em 1988,atua no setor concreto desde 86,tendo iniciado suas atividades em Laboratório de Controle Tecnológico,posteriormente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.

A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. ALVES, Patrícia Cristina Discente do 7º Período do Curso de Pedagogia da Faculdade

Leia mais

Histórias, desdobramentos e desenvolvimentos da NR 17: O Papel e as contribuições da Engenharia de Produção

Histórias, desdobramentos e desenvolvimentos da NR 17: O Papel e as contribuições da Engenharia de Produção Seminário 20 anos da NR17 Histórias, desdobramentos e desenvolvimentos da NR 17: O Papel e as contribuições da Engenharia de Produção Fausto Mascia Novembro 2010 1 A Engenharia de Produção Trata do projeto,

Leia mais

METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA

METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA Educação Infantil METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA s s s Precisao e organizacao nos conceitos A agitação é a mesma. Com algumas adaptações ao espaço e ao tempo, a rotina e as histórias

Leia mais

Engenheiros, arquitetos e um único objeto: a edificação

Engenheiros, arquitetos e um único objeto: a edificação abr. mai. jun. 2008 O X V, º 53 119-125 TEG ÇÃO 119 Engenheiros, arquitetos e um único objeto: a edificação yopanan conrado pereira rebello* Resumo Pretende-se com este trabalho desmistificar a visão,

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

MÚSICA NA ESCOLA E FORMAÇÃO DOCENTE: OS PROFESSORES ESTÃO PREPARADOS?

MÚSICA NA ESCOLA E FORMAÇÃO DOCENTE: OS PROFESSORES ESTÃO PREPARADOS? MÚSICA NA ESCOLA E FORMAÇÃO DOCENTE: OS PROFESSORES ESTÃO PREPARADOS? 1259 Tatiane Mota Santos Jardim, Fábio Luiz da Silva Universidade Norte do Paraná UNOPAR. Londrina PR. E-mail: tati.jardim@hotmail.com

Leia mais

Gestão da Informação e do Conhecimento

Gestão da Informação e do Conhecimento Gestão da Informação e do Conhecimento Aula 05 Aquisição da Informação Dalton Lopes Martins dmartins@gmail.com 2sem/2014 Aquisição da Informação PROCESSO 2 - A aquisição da informação envolve as seguintes

Leia mais