AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO (fase de carta-consulta) DE CURSO SUPERIOR DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS (Com ênfase Análise Sistemas)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO (fase de carta-consulta) DE CURSO SUPERIOR DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS (Com ênfase Análise Sistemas)"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO F E D E R A L DE EDUCAÇÃO INTERESSADO/MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO TABOÃO DA SERRA DE EDUCAÇÃO E CULTURA SÃO PAULO UF ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO (fase de carta-consulta) DE CURSO SUPERIOR DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS (Com ênfase Análise Sistemas) RELATOR. SR. CONS. ERNANI BAYER PARECER Nº 271/94 CÂMARA ou COMISSÃO APROVADO EM: 15/03/94 1-RELATÓRIO PROCESSO Nº: / presente parecer analisa a carta-consulta relativa ao pedido de autorização para funcionamento de curso de Ciências Contábeis, protocolizado, em 1990, na vigência da Resolução CFE nº 5/89 e objeto de análise preliminar, pelo Parecer CFE nº 3/91. A continuidade de tramitação desse processo foi decidida pela Resolução CFE nº 1/93, que fixou normas para autorização de funcionamento de instituições isoladas de ensino superior de cursos de graduação e de aumento de vagas em cursos existentes. Esta mesma resolução, em seu artigo 25,- parágrafo único, fixou o prazo de 60 dias para a atualização e a reformulação dos processos em tramitação. Esse prazo que terminaria em 5 de abril de 1993, foi prorrogado até 30 de abril de Situação atual dos cursos de Ciências Contábeis Os dados relativos aos anos letivos de 1992 e 1991, serviram de base para a demonstração da demanda/oferta de vagas, matrículas e concluintes dos cursos de Ciências Contábeis no Brasil. Até 1992, estavam em funcionamento 280 cursos, com um total de vagas anuais em nivel nacional, em 1992 foi de 2.73/1. Essa demanda, contudo, apresenta variações quando analisada por Estados ou DGE. A região Sudeste concentra o maior número de cursos (131), Região Norte, o menor (13).

2 Por DGE, o maior número de cursos está localizado no DGE-24 (34 cursos), no Estado de São Paulo. O maior número de cursos aparece nos DGEs números 21(RJ), 44{RR), 45(T0) e 46 (AP) ( 1 curso). O maior Índice da relação candidato/vaga é encontrado no DGE-12 (2.12) e o menor, no DGE 23 (SP) (0.98) O quadro apresentado no item 5 deste Parecer, dá uma visão geral da situação desses cursos, no ano Cenários O curso de Ciências Contábeis habilita seu bacharel - o contador - ao exercício de atividades privativas, como as de Auditoria e de Perícias Contábeis, além das funções relativas a contabilidade, de um modo geral, que podem ser exercidas, em parte, pelo Técnico em Contabilidade, formado em nível médio. O bacharel em Ciências Contábeis é o profissional que, por lei, deve ser o responsável pela contabilidade das pessoas físicas e jurídicas, públicas ou privadas, organizando, planejando, acompanhando e executando ou orientando a execução de funções contábeis. Está, portanto, presente nas atividades econômicas ou profissionais, em todos os setores da economia. Essas funções tornam o profissional dá contabilidade um elemento obrigatório, cuja formação em conteúdo, qualidade e quantidade deve acompanhar o crescimento e a diversificação da economia do país. Há indícios de que os profissionais graduados pelas escolas superiores são absorvidos pelo mercado de trabalho. Esse mercado de trabalho, contudo está cada vez mais sofisticado, exigindo profissionais qualitativamente melhor preparados dos que, na maioria, estão sendo formados. O cenário futuro para os cursos de graduação em Ciências Contábeis e para o mercado de trabalho aponta para uma ampliação, em função das expectativas de crescimento da economia brasileira, além do crescimento vegetativo. O cenário futuro aponta ainda para oportunidades mais expressivas para profissionais formados em cursos de Ciências Contábeis, onde os conhecimentos práticos sejam transmitidos aos educandos com mais ênfase, nos escritórios

3 modelo com uso e apoio da informática, nos estágios supervisionados na exigência de trabalho de final de curso (monografia), em jogos de empresas e em simulações, com base na realidade da economia brasileira. A utilização da computação eletrônica de dados é outro componente forte para uma boa formação do profissional em Ciências Contábeis, que altera substancialmente a rotina de suas atividades profissionais. Por outro lado, como está acontecendo em todo mundo, a tendência, no Brasil, é caminhar para a tercerização da economia, liberando a mão de obra dos setores primário e secundário. Na atualidade, os serviços já dominam a economia mundial, gerando 70% do P.N.B. e das oportunidades de emprego nas nações industrializadas. Os países em desenvolvimento já possuem 48% do P.N.B. e 18% dos empregos gerados nesse setor. Enquanto nos E.U.A., em 1985, 79% da PEA estava no setor terciário, no brasil, no mesmo ano, o percentual atingia 59%. Por outro lado, a evolução da população economicamente ativa no Brasil, com nivel superior, mostra os avanços alcançados nas últimas décadas. Enquanto, em 1970, apenas pessoas da PEA possuíam nível superior, em 1990, êste número subiu para , significando um crescimento de 246% no período. Finalmente, cabe mencionar que a diversificação do mercado de trabalho ocorre em função das transformações porque está passando o processo de trabalho, assim como a qualificação real exigida pelo setor produtivo. Este fenômeno ocorre também no caso do profissional de Ciências Contábeis, a partir da introdução dos controles eletrônicos computadorizados. O profissional, neste cenário, ao tempo em que encontra limitações nos empregos diretos, tem perspectivas de atuação em consultorias especializadas de auditagem contábeis, contratadas cada vez com mais frequência pelas empresas, tanto de grande como de pequeno e médio porte, além de estudos específicos em áreas correlatas. 0 surgimento de escritórios especializados em auditorias e consultorias técnica no Brasil, é um fato desta última parte do século XX. Não cabe neste parecer, todavia, a análise de conteúdo dos projetos de cada curso, que é da competência da Câmara de Ensino Superior. Cabe-nos somente, compatibilizar os pleitos apresentados a demanda/oferta de vagas, por região geoeducacional ou área de influência de cada curso. Não se pode, porém, perder de vista, que a nossa economia não é uma

4 economia de estado, centralizadora, que planeja tudo, próprias dos regimes autoritários. E deverá ser, cada vez mais, uma economia de mercado, onde as pessoas e as organizações podem fazer, livremente, suas opções de investimentos. No setor educacional, cabe ao poder público zelar pela qualidade do ensino ministrado, em nível superior, não tolhendo iniciativas privadas legítimas e que atendam às normas e exigências legais. 4 - Critérios para Análise do Pedido Os critérios que presidem a análise dos pleitos, objeto deste parecer, levam em conta: 1. a demanda/oferta de vagas; 2. as peculiaridades locais e regionais; emergentes; 3. o estímulo ao desenvolvimento de regiões 4. cidades de concentração demográfica e/ou densidade de serviços; 5. ocupação de espaço nas regiões de fronteira;e 6. complementação de projeto institucional e pedagógico de IES em regular funcionamento. Como critério complementar, importante é a prioridade a estabelecimentos já existentes em confronto com novas iniciativas. 5 - Localização dos Cursos Pretendidos por DGE e/ou Área de Influência Região Sudeste DGE Curso Pret. Vagas Pret. Vagas Ofer. C/V 92 RJ RJ RJ RJ * SP SP SP SP SP SP SP SP ,29 Sub-total - 35 Fonte MEC/SAG/CPS/SEEC

5 6- Análise do Parecer O pedido de autorização de novo curso superior de Ciências Contábeis, na fase de carta-consulta, foi apresentada por mantenedora, que pretende iniciar suas atividades na área. Foi elaborado uma ficha padrão, contendo informações sobre sua constituição, sede, natureza jurídica, capacidade patrimonial, condições econômico-financeira, situação de regularidade fiscal e parafiscal, idoneidade de seus dirigentes, experiência na área educacional e grau de autonomia assegurado à unidade a ser mantida e os cursos de graduação pleiteado, com número de vagas. Essas condições foram analisadas pela assessoria deste Conselho, juntamente com as informações a respeito do curso pretendido (concepção, objetivos, perfil profissiográfico, regime acadêmico, vagas anuais, turnos e turmas) e da IES responsável pela ministração do curso. A análise dos documentos, dados e informações, fornecidas pela entidade e os dados constantes do cadastro deste Conselho, subsidiaram o Relator na elaboração do Parecer. DGE - 24 O DGE 24 constitui a cidade de São Paulo, com 34 cursos e vagas totais. A relação candidato/vaga atingiu a média de 2/1 nos últimos vestibulares (92/91). A cidade de São Paulo - sede do curso pretendido - tem boa oferta de cursos de Ciências Contábeis. Contudo é a metrópole brasileira mais desenvolvida, o pleito foi analisado em razão de suas características e as peculiaridades de sua localização. A cidade apresentava, em 1991, uma população de habitantes e na microregião, habitantes. É o maior centro da América Latina de distribuição e serviços e de produção industrial. A dinâmica empresarial é exponencial. Na região sul da grande São Paulo, através de estatística, é o maior reduto eleitoral, com 106 zonas eleitorais, com sessões utilizando 205 escolas

6 públicas e particulares nos vários graus. Na nova divisão territorial do município de São Paulo Lei Estadual de 20/05/92, que restitui a nova divisão geográfica, consta que, habitantes, conforme dados do IBGE, a zona sul do Município de São Paulo, tem os 2 seguintes bairros, numa área de 70 Km, Santo Amaro, Campo Grande, Campo Limpo, Capão Redondo, Cidade Ademar, Cidade Dutra, Grajaú, Itaim Bibi, Marcilac, Jardim Angela, Jardim São Luiz, Parelheiros, Pedreira, Socorro, Vila Andrade, Vila Sônia e Capela, portanto, a maior concentração populacional da zona sul, onde não tem, ainda, um Curso Superior de Ciências Contábeis, vindo satisfazer plenamente a microregião da grande São Paulo, com a instalação do novo curso. A Associação Taboão da Serra de Educação e Cultura - ATSEC, cumpre integralmente, a Resolução nº 1/93, solicita 160 vagas, situada no bairro de Campo Limpo, zona sul da Capital, que concentra uma população acima de três milhões de habitantes e onde não há oferta de ensino superior. Os mais próximos são os cursos da Universidade Ibirapuera. A região de influência, os municípios de Itapecerica da Serra, Embú das Artes e Taboão da Serra, ao seu redor concentram-se centenas indústrias químicas -Squib, Laborterápica, Bayer, Ciba e indústrias de eletro mecânica e eletro-eletrônica - Semp-Toshiba, Gradiente, Alfa Lavai, Caloi, Monark, Prodesp, Concretex e outras de grande e médio porte, além das micros e pequenas empresas. Essa região industrial constituída por um enorme contingente populacional, caracteriza-se por um vazio de ensino superior. Pelo critério e peculiaridade locais de localização do pleito pode ser recomendado o curso com 80 (oitenta) vagas. 7 - Quadro Comparativo entre Cursos e Vagas Pretendidas e Recomendadas na DGE 24 Na região sudeste, especificamente no Distrito Geo-Educanional 24, consta que tem 8 (oito) cursos pretendidos e recomendados 6(seis) com 900(novecentas) vagas pretendidas e 440 (quatrocentos e quarenta) vagas recomendadas.

7 A região sudeste das DGEs 13 ao 31, que congrega os estados de MG, ES, RJ e SP, terá um crescimento em relação ao total da região de 10.2% e no total geral 11.0%. Propõe-se um acréscimo total do Brasil de 11.0% nas vagas, o que representa nas grandes regiões os seguintes percentuais de aumento: Fonte: MEC/SAG/CPS/SEEC Região Norte... 15,8% Região Nordeste... 8,4% Região Sudeste... 10,2% Região Centro Oeste... 50,2% Região Sul... 3,1% 8 Conclusão e Voto do Relator Tendo presente, a análise efetuada a partir dos critérios assinalados para decisão sobre a Carta-Consulta, e tendo em conta a recomendação expressa em cada caso. O Relator entende que pode ter prosseguimento o processo de interesse da entidade, que deverá, no prazo de 60 (sessenta) dias, apresentar a apreciação da Câmara de Ensino Superior o competente projeto com oitentas vagas totais anuais. Este Relator vota, favoravelmente, pelo prosseguimento. 9 - Conclusão da Câmara Relator. A Câmara de Planejamento acompanha o voto do Sala das sessões 22 de fevereiro de 1994.

Autorização para funcionamento (Carta-Consulta) cursos de Turismo.

Autorização para funcionamento (Carta-Consulta) cursos de Turismo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO SOCIEDADE EDUCACIONAL DE MANAUS e outros UF Autorização para funcionamento (CartaConsulta) cursos de Turismo. RELATOR: SR.CONS. SYDNEI LIMA SANTOS PARECER

Leia mais

ser ministrado pela Faculdade de Ciências Administrativas de Valinhos.

ser ministrado pela Faculdade de Ciências Administrativas de Valinhos. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO/MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO VALINHENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA - AVEC UF SP ASSUNTO: Autorização (Carta-Consulta) para criação do Curso

Leia mais

INTERESSADO/MANTENEDORA FUNDAÇÃO CULTURA DE BELO HORIZONTE

INTERESSADO/MANTENEDORA FUNDAÇÃO CULTURA DE BELO HORIZONTE INTERESSADO/MANTENEDORA FUNDAÇÃO CULTURA DE BELO HORIZONTE UF BH ASSUNTO AUTORIZAÇÃO (CARTA-CONSULTA) PARA AUMENTO DE VAGAS NOS CURSOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E HISTORIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BARRAGARCENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA E OUTROS. Autorização (Carta-Consulta) de novos Cursos de Administração,

ASSOCIAÇÃO BARRAGARCENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA E OUTROS. Autorização (Carta-Consulta) de novos Cursos de Administração, ASSOCIAÇÃO BARRAGARCENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA E OUTROS Autorização (Carta-Consulta) de novos Cursos de Administração, Pe. ANTÔNIO GERALDO AMARAL ROSA Este Parecer corresponde a analise dos pedidos de

Leia mais

UF SP. ACADEMIA PAULISTA ANCHIETA ASSUNTO Remanejamento de Vagas

UF SP. ACADEMIA PAULISTA ANCHIETA ASSUNTO Remanejamento de Vagas INTERESSADO/MANTENEDORA ACADEMIA PAULISTA ANCHIETA ASSUNTO Remanejamento de Vagas UF SP RELATOR: SR.CONS. Ernani Bayer I - RELATÓRIO O Presidente da Academia Paulista Anchieta, mantene dora do Centro de

Leia mais

SOCIEDADE CIVIL DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO ROQUE

SOCIEDADE CIVIL DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO ROQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO/MANTENEDORA SOCIEDADE CIVIL DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO ROQUE UF SP ASSUNTO: Autorização Projeto) para funcionamento do curso de Administração

Leia mais

Reconsideração do Parecer n 686/93, referente à autorização (Carta-Consulta) para funcionamento de cursos de Administração.

Reconsideração do Parecer n 686/93, referente à autorização (Carta-Consulta) para funcionamento de cursos de Administração. INTERESSADO MANTENEDORA ASSUNTO Congregação dos Oblatos de São José UF PR Reconsideração do Parecer n 686/93, referente à autorização (Carta-Consulta) para funcionamento de cursos de Administração. RELATOR:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/03/2006. Portaria MEC nº 772, publicada no Diário Oficial da União de 24/03/2006. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Autorização (Execução de Projeto) para funcionamento do curso de Ciências Contábeis, a ser ministrado pela Faculdade de São

Autorização (Execução de Projeto) para funcionamento do curso de Ciências Contábeis, a ser ministrado pela Faculdade de São INTERESSADO/MANTENEDORA PIA SOCIEDADE DOS MISSIONÁRIOS DE SÃO CARLOS ASSUNTO. SP Autorização (Execução de Projeto) para funcionamento do curso de Ciências Contábeis, a ser ministrado pela Faculdade de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/04/2005 (*) Portaria/MEC nº 1.112, publicada no Diário Oficial da União de 06/04/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

Este parecer abrange 3 pedidos de inclusão de novas habilitações no Curso de Pedagogia, sem aumento de vagas, nos DGEs 14, 29 e 35.

Este parecer abrange 3 pedidos de inclusão de novas habilitações no Curso de Pedagogia, sem aumento de vagas, nos DGEs 14, 29 e 35. ASSOCIAÇÃO SANTA MARCELINA E OUTROS AUTORIZAÇÃO ( CARTA-CONSULTA ) PARA INCLUSÃO DE SOVA HABILITAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA NORBERTINO B. FILHO substituido no Plenário pelo Consº Walter R. da Costa Porto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 28/02/2007 (*) Portaria/MEC nº 206, publicada no Diário Oficial da União de 28/02/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Coordenação de Pós-Graduação e Extensão Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Os cursos de especialização em nível de pós-graduação lato sensu presenciais (nos quais

Leia mais

Autorização dos cursos de Ciências Contábeis e de Administração (fase de Projeto).

Autorização dos cursos de Ciências Contábeis e de Administração (fase de Projeto). MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO CONSELHO FEDERAL DE EDUCACÃO INTERESSADO/MANTENEDORA Associação de Ensino de Urubupunga UF SP ASSUNTO Autorização dos cursos de Ciências Contábeis e de Administração

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO / MANTENEDORA FEBASP SOCIEDADE CIVIL ASSUNTO SP UF Autorização (Projeto) para funcionamento do curso de Tecnologia da Embalagem,

Leia mais

PROPOSTA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2012.2. Noturno

PROPOSTA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2012.2. Noturno PROPOSTA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2012.2 DENOMINAÇÃO: PORTARIA DE AUTORIZAÇÃO: PORTARIA DE RECONHECIMENTO: REGIME ESCOLAR: NÚMERO DE VAGAS ANUAIS: TURNOS DE FUNCIONAMENTO: NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP Alunos apontam melhorias na graduação Aumenta grau de formação dos professores e estudantes mostram que cursos possibilitam

Leia mais

ASSUNTO Solicita autorização para que os cursos noturnos de Ciências Econômicas e de Ciências Contábeis possam ser integralizados em quatro anos.

ASSUNTO Solicita autorização para que os cursos noturnos de Ciências Econômicas e de Ciências Contábeis possam ser integralizados em quatro anos. INTERESSADO/MANTENEDORA Faculdades Metropolitanas Unidas - FMU UF SP ASSUNTO Solicita autorização para que os cursos noturnos de Ciências Econômicas e de Ciências Contábeis possam ser integralizados em

Leia mais

Reconhecimento do curso de Matemática Aplicada à Informática, ministrado pela Faculdade de Informática de São Paulo

Reconhecimento do curso de Matemática Aplicada à Informática, ministrado pela Faculdade de Informática de São Paulo SOCIEDADE CIVIL ATENEU BRASIL Reconhecimento do curso de Matemática Aplicada à Informática, ministrado pela Faculdade de Informática de São Paulo ARNALDO NISTEIER I - RELATÓRIO O Diretor-Presidente da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 890, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Panorama da oferta e novo marco regulatório dos cursos de Direito

Panorama da oferta e novo marco regulatório dos cursos de Direito Panorama da oferta e novo marco regulatório dos cursos de Direito Marta Abramo Secretária de Regulação e Supervisão da Educação Superior - SERES/MEC 10 de Março 2015 Antes de decidir, pense no estudante.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 67, publicada no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 18. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

SILVA E SOUZA SOCIEDADE EDUCACIONAL

SILVA E SOUZA SOCIEDADE EDUCACIONAL SILVA E SOUZA SOCIEDADE EDUCACIONAL Dom Serafim Fernandes de Araújo I - RELATÓRIO 1. Preliminares 1.1. Pelo Oficio nº 2405/83-B, datado de 20 de maio de 1983, o Presidente da Silva e Souza Sociedade Educacional

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Curso Direito - J. Andrade

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Curso Direito - J. Andrade MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Curso Direito - J. Andrade Juatuba/2009 1 1) O Que é atividade complementar? A Resolução CNE/CES nº 9 de 29 de Setembro de 2004 define as atividades complementares:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 28/11/2005 (*) Portaria/MEC nº 4.043, publicada no Diário Oficial da União de 28/11/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE OLINDA. Reconhecimento dos cursos de Pedagogia, Ciências, Le trás, Geografia e História. Zilma Gomes Parente de Barros

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE OLINDA. Reconhecimento dos cursos de Pedagogia, Ciências, Le trás, Geografia e História. Zilma Gomes Parente de Barros FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE OLINDA Reconhecimento dos cursos de Pedagogia, Ciências, Le trás, Geografia e História Zilma Gomes Parente de Barros O Presidente da Fundação de Ensino Superior de Olinda

Leia mais

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143.

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143. Sumário TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 1 CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO INSTITUCIONAL... 1 TÍTULO II DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE)... 2 CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO... 2 CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 28/7/2009, Seção 1, Pág. 53. Portaria n 760, publicada no D.O.U. de 28/7/2009, Seção 1, Pág. 53. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Ciências Biológicas. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH

Ciências Biológicas. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Ciências Biológicas Os cursos de Ciências Biológicas remontam aos cursos de Ciências Naturais, História Natural, licenciatura

Leia mais

I RELATÓRIO. Histórico

I RELATÓRIO. Histórico INTERESSADO: CEFORP Centro de Formação Profissional de Ribeirão Preto - UF: SP ASSUNTO: Credenciamento do Instituto de Ensino Superior de Formação Profissional, com sede na cidade de Ribeirão Preto, Estado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO. UF Centro de Ensino Superior de Maringá

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO. UF Centro de Ensino Superior de Maringá MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO UF Centro de Ensino Superior de Maringá ASSUNTO PR Reconsideração da decisão contida no Parecer nº 616/93 referente ao Curso de Direito. RELATOR: SR.CONS.

Leia mais

RELATOR: SR. CONS. JOSÉ LUITGARD DE MOURA FIGUEIREDO... CÂMARA OU COMISSÃO CESu 1ºGrupo

RELATOR: SR. CONS. JOSÉ LUITGARD DE MOURA FIGUEIREDO... CÂMARA OU COMISSÃO CESu 1ºGrupo INTERESSADO/MANTENEDORA Sociedade Assistencial de Educação e Cultura. UF SP ASSUNTO Autorização execução de projeto para funcionamento do curso de Administração - habilitações Geral e Comércio Exterior,

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/05/2008 (*) Portaria/MEC nº 561, publicada no Diário Oficial da União de 12/05/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Reconhecimento da habilitação Supervisão Escolar do Curso de Pedagogia. ANNA BERNARDES DA SILVEIRA ROCHA

Reconhecimento da habilitação Supervisão Escolar do Curso de Pedagogia. ANNA BERNARDES DA SILVEIRA ROCHA FACULDADES CAPITAL Reconhecimento da habilitação Supervisão Escolar do Curso de Pedagogia. ANNA BERNARDES DA SILVEIRA ROCHA Trata-se de pedido de reconhecimento da habilitação Supervisão Escolar do Curso

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: CEDEP Centro de Ensino e Desenvolvimento Profissional Ltda. UF: MG ASSUNTO: Credenciamento do Instituto de Pós-Graduação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 20/7/2011, Seção 1, Pág.34. Portaria n 994, publicada no D.O.U. de 20/7/2011, Seção 1, Pág.35. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE

Leia mais

ASSUNTO Implantação das Habilitações Bacharelado em Matemática e Biologia

ASSUNTO Implantação das Habilitações Bacharelado em Matemática e Biologia INTERESSADO/MANTENEDORA FACULDADES DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO ABC UF S ASSUNTO Implantação das Habilitações Bacharelado em Matemática e Biologia RELATOR: SR.CONS. RAULINO TRAMONTIN I - RELATÓRIO O Diretor

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 0/5/2012, Seção 1, Pág.. Portaria n 712, publicada no D.O.U. de 0/5/2012, Seção 1, Pág. 2. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Medicina. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH

Medicina. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Medicina O início do ensino médico no país foi estabelecido na Bahia e no Rio de Janeiro, em 1808, devido à transferência da

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA A concepção que fundamenta os processos educacionais das Instituições da Rede Federal de Educação

Leia mais

Centro Técnico Educacional Superior Curitibano e outros. Autorização(carta-consulta) para funcionamento de novos cursos de Odontologia.

Centro Técnico Educacional Superior Curitibano e outros. Autorização(carta-consulta) para funcionamento de novos cursos de Odontologia. INTERESSADO/MANTENEDORA Centro Técnico Educacional Superior Curitibano e outros UF PR ASSUNTO Autorização(carta-consulta) para funcionamento de novos cursos de Odontologia. RELATOR: SR. CONS. Virgínio

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO Resultados do ENADE 2012 e do Censo da Educação Superior 2013 dos Cursos de Bacharelado em Administração e dos Cursos Superiores de Tecnologia em determinadas áreas da Administração Bahia Janeiro de 2015

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/6/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/6/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/6/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: UF Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 16/05/2005 (*) Portaria/MEC nº 1.625, publicada no Diário Oficial da União de 16/05/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 453, de 28 de abril de 2005. Conselho Nacional de Educação de Minas Gerais.

RESOLUÇÃO Nº 453, de 28 de abril de 2005. Conselho Nacional de Educação de Minas Gerais. SIC 01 /05 - CEE/MG Belo Horizonte, 25 de maio de 2005. PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU - ESPECIALIZAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 453, de 28 de abril de 2005. Conselho Nacional de Educação de Minas Gerais. Estabelece normas

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

Regulamento das. Atividades Complementares

Regulamento das. Atividades Complementares BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Regulamento das Atividades Complementares Osasco 2013 Apresentação Este documento apresenta um conjunto geral de normas e orientações sobre a realização das Atividades

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ESTRADAS DE RODAGEM EDITAL N 001/2009

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ESTRADAS DE RODAGEM EDITAL N 001/2009 Anexo IV Da classificação e da tabela de pontuação A) Para os cargos de Técnico em Assuntos Rodoviários e Técnico em Assuntos Administrativos: TEMPO DE FORMAÇÃO NA PROFISSÃO: Comprovação através de Diploma

Leia mais

Luiz Roberto Liza Curi Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com

Luiz Roberto Liza Curi Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com Luiz Roberto Liza Curi Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com 1 Instâncias de Avaliação MEC CNE CONAES SERES INEP CTAA 2 Desafios da educação superior brasileira 1. Como

Leia mais

UNIESP - CASCAVEL FACULDADE DE TECNOLOGIA E GESTÃO FATEG REGULAMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE DO CURSO BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIESP - CASCAVEL FACULDADE DE TECNOLOGIA E GESTÃO FATEG REGULAMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE DO CURSO BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIESP - CASCAVEL FACULDADE DE TECNOLOGIA E GESTÃO FATEG REGULAMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA DO CURSO Profa. Arlete Korovisk dos Santos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

CAMPUS POÇOS DE CALDAS E VARGINHA

CAMPUS POÇOS DE CALDAS E VARGINHA CAMPUS POÇOS DE CALDAS E VARGINHA O Bacharelado Interdisciplinar (BI) constitui uma nova modalidade de curso de graduação. A formação básica será no Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia

Leia mais

Autorização (Execução do Projeto) do c urso de Administraç ã o

Autorização (Execução do Projeto) do c urso de Administraç ã o Sociedade Educacional Santa Marta S/C Autorização (Execução do Projeto) do c urso de Administraç ã o Lêda M aria Chaves I - RELATÓRIO A Sociedade Educacional Santa Marta S/C, pelos P a r e c e res 882/88

Leia mais

Colegiado do Curso de Graduação em Administração

Colegiado do Curso de Graduação em Administração Colegiado do Curso de Graduação em Administração Resolução nº 03/2012 de 08 de novembro de 2012 Fundamentada na LEI Nº 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Regulamenta os procedimentos de Estágio Supervisionado

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Instituto Doctum de Educação e Tecnologia Ltda. UF: MG ASSUNTO: Credenciamento da Faculdade de Ciências Gerenciais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, Publicado no Diário Oficial da União de 21/12/2006 (*) Portaria/MEC nº 2012, publicada no Diário Oficial da União de 21/12/2006 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 04/12/2007. (*) Portaria / MEC n 1.151, publicada no Diário Oficial da União de 04/12/2007. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS 1. Princípios Teórico-Filosóficos A Faculdade da Região dos Lagos vem se destacando como uma das principais instituições na formação de administradores, empresários e gerentes em nossa região. Além disso,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DA MATRIZ CURRICULAR DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR E ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM MARKETING E O REGULAMENTO

Leia mais

FUNDAÇÃO ALTO URUGUAI PARA A PESQUISA E O ENSINO SUPERIOR. Autorização para o curso em Regime Intensivo de Férias, por um novo período de 5 anos.

FUNDAÇÃO ALTO URUGUAI PARA A PESQUISA E O ENSINO SUPERIOR. Autorização para o curso em Regime Intensivo de Férias, por um novo período de 5 anos. FUNDAÇÃO ALTO URUGUAI PARA A PESQUISA E O ENSINO SUPERIOR Autorização para o curso em Regime Intensivo de Férias, por um novo período de 5 anos. ANNA BERNARDES DA SILVEIRA ROCHA O Presidente da Fundação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 17/08/2005 (*) Portaria/MEC nº 2.765, publicada no Diário Oficial da União de 17/08/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Censo da Educação Superior 2013 Quadro Resumo- Estatísticas gerais da Educação Superior, por Categoria Administrativa-

Leia mais

Redistribuição de vagas entre os cursos da Faculdade Anhembi Morumbi.

Redistribuição de vagas entre os cursos da Faculdade Anhembi Morumbi. INSTITUTO SUPERIOR DE COMUNICAÇÃO PUBLICITÁRIA Redistribuição de vagas entre os cursos da Faculdade Anhembi Morumbi. ARNALDO NISKIER Nos termos do Parecer nº 174/87, da CAPLAN, o Instituto Superior de

Leia mais

Normas Estágio Supervisionado (I e II) Curso de Graduação Bacharelado em Ciências Ambientais

Normas Estágio Supervisionado (I e II) Curso de Graduação Bacharelado em Ciências Ambientais Normas Estágio Supervisionado (I e II) Curso de Graduação Bacharelado em Ciências Ambientais Os estágios supervisionados constam de atividade de prát pr -profissional, exercidas em situações reais de trabalho,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 026 / 94 Aprova o Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis em Nível de Mestrado, com área de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade Gerencial

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 18/07/2006. Portaria MEC nº 1.319, publicada no Diário Oficial da União de 18/07/2006. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação LATO SENSU da UFG, revogando-se a Resolução CEPEC Nº 540. O CONSELHO

Leia mais

REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO " LATO SENSU"

REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO  LATO SENSU UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ REITORIA ACADÊMICA ASSESSORIA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO " LATO SENSU" CAPÍTULO I DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Art. 1º A

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE ENSINO MÉDIO E EDUCAÇÃO SUPERIOR Parecer nº 137/2006 Processo UERGS nº 1.388/19.50/05.1 RELATÓRIO Reconhece o Curso de Administração

Leia mais

Pedido de reconsideração do Parecer n. 152/88

Pedido de reconsideração do Parecer n. 152/88 INTERESSADO/MANTENEDORA ACADEMIA PAULISTA ANCHIETA UF SP ASSUNTO: Pedido de reconsideração do Parecer n. 152/88 RELATOR: SR. CONS. CAIO TÁCITO 1 - RELATÓRIO A Academia Paulista Anchieta, mantenedora da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 74/2010

RESOLUÇÃO Nº 74/2010 RESOLUÇÃO Nº 74/2010 Institui e regulamenta o estágio supervisionado curricular nos cursos de graduação da UFES. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO EMPRESARIAL FATEC JUNDIAÍ 2009

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO EMPRESARIAL FATEC JUNDIAÍ 2009 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO EMPRESARIAL FATEC JUNDIAÍ 2009 Apresentação: O curso de Especialização em Sistemas de Informação para Gestão Empresarial será oferecido em nível

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LINHARES SECRETARIA DE EDUCAÇÃO EDITAL Nº 011/2014

PREFEITURA MUNICIPAL DE LINHARES SECRETARIA DE EDUCAÇÃO EDITAL Nº 011/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE LINHARES SECRETARIA DE EDUCAÇÃO EDITAL Nº 011/2014 Processo de seleção e admissão de professores e pedagogos em regime de designação temporária, para o exercício da função de regência

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) definiu a classificação do porte, com base no número de empregados de cada estabelecimento.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) definiu a classificação do porte, com base no número de empregados de cada estabelecimento. QUEM SÃO AS EMPRESAS DE MICRO, PEQUENO E MÉDIO PORTES? Critérios de Classificação: São dois os principais critérios para classificação da empresa por porte. Um é baseado na receita operacional bruta anual,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: ESAD Treinamento, Aperfeiçoamento e Especialização UF: DF

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: ESAD Treinamento, Aperfeiçoamento e Especialização UF: DF PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 15/10/2008 (*) Portaria/MEC nº 1.250, publicada no Diário Oficial da União de 15/10/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 30/05/2005 (*) Portaria/MEC nº 1.815, publicada no Diário Oficial da União de 30/05/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO ALTO VALE DO RIO PEIXE - CAÇADOR. Reconhecimento da Habilitação Supervisão Escolar do Curso de Pedagogia.

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO ALTO VALE DO RIO PEIXE - CAÇADOR. Reconhecimento da Habilitação Supervisão Escolar do Curso de Pedagogia. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO ALTO VALE DO RIO PEIXE - CAÇADOR Reconhecimento da Habilitação Supervisão Escolar do Curso de Pedagogia. EURIDES BRITO DA SILVA O Diretor de Ensino da Fundação Educacional do Al

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNAMBUCANO DIREÇÃO DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR 1. Perfil do Curso CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA orientam-se pelas normas especificadas neste Regulamento e estão sujeitos ao

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

Aprovação (Carta-Consulta) do Plano de Curso em Marketing na Faculdade da Cidade (RJ)

Aprovação (Carta-Consulta) do Plano de Curso em Marketing na Faculdade da Cidade (RJ) INTERESSADO/MANTENEDORA SOCIEDADE EDUCACIONAL DA CIDADE ASSUNTO: UF RJ Aprovação (Carta-Consulta) do Plano de Curso em Marketing na Faculdade da Cidade (RJ) RELATOR: SR. CONS. ARNALDO NISKIER 1 - RELATÓRIO

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 Divulgação dos principais resultados Censo da Educação Superior 2010 Outubro de 2011 Estatísticas Básicas de Graduação (presencial e a distância) e Pós-Graduação por Categoria

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Como consequência de políticas governamentais implementadas com o objetivo

Leia mais

Histórico dos cursos de Administração no Brasil

Histórico dos cursos de Administração no Brasil Histórico dos cursos de Administração no Brasil 1941 O ensino de Administração ganha identidade com a criação do primeiro curso, na Escola Superior de Administração de Negócios ESAN/SP, inspirado no modelo

Leia mais

BOLETIM DE SERVIÇO - FIPAR ON LINE

BOLETIM DE SERVIÇO - FIPAR ON LINE BOLETIM DE SERVIÇO - FIPAR ON LINE ANO II Nº 003 Editado pela Secretaria Geral das FIPAR Faculdades Integradas de Paranaíba FIPAR Paranaíba, 08 de agosto de 2008. AVISO DE PUBLICAÇÃO E ADEQUAÇÃO DE MATRIZ

Leia mais

TÍTULO I DAS ENTIDADES

TÍTULO I DAS ENTIDADES RESOLUÇÃO Nº 444 DE 27 DE ABRIL DE 2006. 1205 Ementa: Dispõe sobre a regulação de cursos de pós-graduação lato sensu de caráter profissional. O Conselho Federal de Farmácia, no uso das atribuições que

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: UNIME - União Metropolitana para o Desenvolvimento da UF: BA Educação e Cultura ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil RELEASE 17 de JULHO de 2008. População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil Aumentos de riquezas e de habitantes nas cidades com 100 mil a 500 mil, neste século, superam a média

Leia mais

Autorização (Exame do Projeto) para funcionamento do curso de Letras, habilitação em Português/Inglês. CESu, 2 Grupo

Autorização (Exame do Projeto) para funcionamento do curso de Letras, habilitação em Português/Inglês. CESu, 2 Grupo ASSOCIAÇÃO DE ENSINO DE VERSALHES Autorização (Exame do Projeto) para funcionamento do curso de Letras, habilitação em Português/Inglês. Arnaldo Niskier CESu, 2 Grupo 1 - RELATÓRIO A Associação de Ensino

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Coordenadoria do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Coordenadoria do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica REGIMENTO - VÁLIDO PARA ALUNOS QUE INGRESSARAM NO PPGEEL ATÉ MARÇO DE 2010 I - DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Curso de Pós-Graduação em Engenharia da UFSC visa proporcionar a pesquisadores, docentes e profissionais

Leia mais