Pesquisa de percepção da satisfação dos usuários dos serviços de contabilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pesquisa de percepção da satisfação dos usuários dos serviços de contabilidade"

Transcrição

1 Diego Henrique Moreno Rodrigo Eduardo Caceffo Pesquisa de percepção da satisfação dos usuários dos serviços de contabilidade Campinas, 2010 S.P. Brasil

2 2 Diego Henrique Moreno Rodrigo Eduardo Caceffo Pesquisa de percepção da satisfação dos usuários dos serviços de contabilidade Monografia apresentada à Comissão de Graduação das Faculdades Integradas Metropolitanas de Campinas como um dos requisitos para a obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis, sob orientação do Prof(a). Pedro Cláudio Silva. Campinas, 2010 S.P. Brasil

3 3 Pesquisa de percepção da satisfação dos usuários dos serviços de contabilidade Diego Henrique Moreno R.A: Rodrigo Eduardo Caceffo R.A: A banca examinadora composta pelos membros abaixo aprovou esta monografia: Prof. Pedro Cláudio Silva Faculdades Integradas Metropolitanas de Campinas METROCAMP Prof. Claudemir Ferreira Faculdades Integradas Metropolitanas de Campinas - METROCAMP Prof. Aníbal Paron Faculdades Integradas Metropolitanas de Campinas - METROCAMP Campinas, 30 de Novembro de 2010.

4 4 Agradecimentos Este trabalho não poderia ser terminado sem a ajuda de diversas pessoas às quais prestamos nossas homenagens: Aos nossos pais pelo incentivo em todos os momentos de nossas vidas. Ao nosso orientador, que nos mostrou os caminhos a serem seguidos para a correta elaboração desta monografia. À empresa ADCON Consultoria em Negócios Ltda, que gentilmente permitiu o desenvolvimento da pesquisa em suas instalações. À empresa Accounting Plus, que nos ajudou na pesquisa de campo objeto deste projeto. À empresa AGP & EGP Assessoria Contábil Limitada, que nos ajudou na pesquisa de campo objeto deste projeto. A todos os professores e colegas das Faculdades Integradas Metropolitanas de Campinas, que ajudaram de forma direta e indireta na conclusão deste trabalho.

5 Sumário: Lista de Gráficos...10 Lista de Quadros...11 Capítulo Introdução Contexto e justificativa Problema de Pesquisa Hipóteses Objetivo Geral e Específico Apresentação da Estrutura do Trabalho...15 Capítulo Revisão Bibliográfica A importância da informação para tomada de decisão Controladoria A contabilidade e a gestão de custos Contabilidade gerencial Sistemas de Informações gerenciais (SIG) Qualidade de produtos e serviços Conceitos de Marketing Marketing de Serviços Satisfação dos clientes Surpresas do consumidor...35 Capítulo Metodologia Pré-Teste Método de Pesquisa População e Amostra Técnicas de coleta de dados...39 Capítulo Apresentação dos Resultados e conclusão...41

6 Análise dos resultados Conclusões...75 Referências Bibliográficas...76 Apêndice A...79 Métodos de Pesquisa...79

7 11 Lista de Gráficos: Gráfico 1 Distribuição dos respondentes por gênero...41 Gráfico 2 Distribuição dos respondentes por faixa etária...42 Gráfico 3 Distribuição dos respondentes, segundo escolaridade...43 Gráfico 4 Distribuição dos respondentes, segundo tempo de atuação do ramo de negócio...44 Gráfico 5 Distribuição dos respondentes, segundo tempo de atuação da empresa...45 Gráfico 6 Distribuição dos respondentes, segundo a forma de tributação da empresa...46 Gráfico 7 Distribuição dos respondentes, pelo número de empregados...47 Gráfico 8 Distribuição dos respondentes, pelo principal segmento...48 Gráfico 9 Distribuição dos respondentes, segundo faixa de faturamento (anual)...49 Gráfico 10 Análise, orientação e acompanhamento sobre planejamento tributário...50 Gráfico 11 Auxílio para cálculo de seus produtos e/ou serviços...51 Gráfico 12 Auxílio para calculo do lucro líquido do período...52 Gráfico 13 Auxílio sobre transações bancárias e cálculo de juros para decisão de investimentos...53 Gráfico 14 Auxílio na análise dos relatórios e documentos recebidos...56 Gráfico 15 Elaboração de contrato de serviços à serem executados...57 Gráfico 16 Cumprimento dos prazos pré-estabelecidos...58 Gráfico 17 Fornecimento de dados que possibilitam o acompanhamento dos serviços...59 Gráfico 18 Realização de reuniões para esclarecimento dos relatórios fornecidos...60 Gráfico 19 Recebo visitas do contador responsável na minha empresa...61 Gráfico 20 Procuro o escritório de contabilidade para esclarecimento de dúvidas...62 Gráfico 21 O escritório demonstra interesses em melhorar os serviços prestados...63 Gráfico 22 Utilização dos recursos de internet para comunicar-se com a empresa...64 Gráfico 23 Esclarecimento de dúvidas quando solicitado de maneira clara e objetiva...65 Gráfico 24 Controle de documentos entregues e recebidos por meio de protocolo...66 Gráfico 25 Disponibilidade de serviços jurídicos...67 Gráfico 26 Disponibilidade de serviços de recrutamento e seleção de pessoal...68 Gráfico 27 Disponibilidade de Treinamentos empresariais...69 Gráfico 28 O escritório faz guarda dos documentos fiscais e contábeis da empresa...70 Gráfico 29 Disponibilidade de relatórios de gestão extra-contábeis...71 Gráfico 30 Serviços citados como importantes para a gesta do negócio...72 Gráfico 31 Grau de satisfação com relação aos serviços prestados...73

8 12 Lista de Quadros Quadro 2.1 Comparativo entre contabilidade gerencial e financeira...21 Quadro 5.1 Geração de relatórios que ajudam na gestão do negócio...54 Quadro 5.2 Periodicidade dos relatórios que ajudam na gestão do negócio...54 Quadro 5.3 Percepção dos relatórios que ajudam na gestão do negócio...55 Quadro 5.4 Sobre o recebimento de cópia do trabalho e participação da apresentação...74

9 13 Resumo Com a atual competitividade a qual as organizações são expostas, o grande desafio dos prestadores de serviços contábeis é corresponder às necessidades e expectativas de seus clientes. Para tanto, faz-se necessário prestar um serviço de qualidade, em que a satisfação do contratante torna-se o principal objetivo da organização. Assim este projeto teve como objetivo pesquisar a opinião e expectativas dos usuários dos serviços contábeis sobre as empresas de contabilidade com o objetivo de proceder detalhada análise de satisfação destes clientes no que diz respeito aos processos, orientação e atendimento ao cliente e qualidade dos relatórios contábeis, na empresa ADCON CONSULTORIA EM NEGÓCIOS, na empresa ACCOUNTING PLUS e na empresa AGP & EGP Assessoria Contábil Ltda. O trabalho torna-se de extrema importância devido ao papel que a contabilidade ocupa no desenvolvimento das empresas. É ela quem dá suporte a tomada de decisão, dessa forma, o profissional responsável por tudo isso deve estar sempre atento sobre sua imagem em relação à seus clientes e também se eles estão satisfeitos com o serviço prestados, possibilitando melhorias no atendimento e expectativas dos clientes.

10 14 Capítulo 1 Introdução A competitividade do mercado exige que as organizações invistam na qualidade dos serviços prestados. Preocupado com este cenário o contabilista vem buscando alternativas e recursos inovadores para prestar um serviço de qualidade, ajudando seus clientes a conhecer melhor a situação das empresas, auxiliando-os em análises de relatórios contábeis. Assim, considera-se que a contabilidade não deve apenas restringir-se ao atendimento das exigências governamentais, cumprindo apenas as obrigações acessórias, mas dar ênfase à avaliação econômica e financeira da organização, realizando inferências sobre tendências futuras. No fornecimento de serviços é imprescindível que a empresa de contabilidade conheça todos os procedimentos e atenda adequadamente as necessidades de seus clientes. A melhoria na qualidade dos serviços contábeis pode contribuir na diminuição de custos e na fidelização de clientes. A contabilidade é considerada como uma das ciências mais antigas. O seu desenvolvimento vem acompanhando as transformações que ocorrem na sociedade, tornando-se cada vez mais importante. Sendo assim, ela desenvolve um papel de grande importância para as empresas, pois é a contabilidade que gera informações importantes para a tomada de decisão. Dessa forma, o contador torna-se um profissional muito relevante, pois é ele quem transforma todos os dados, a fim de gerar informações com qualidade para os gestores. A contabilidade é uma ciência social que estuda o patrimônio das entidades, analisando, interpretando e registrando fenômenos que ocorreram no patrimônio, mostrando aos usuários suas mutações. A contabilidade é a ciência que estuda os fenômenos patrimoniais, preocupando-se com realidades, evidências e comportamentos dos mesmos, em relação à eficácia funcional das células sociais. Sá, (1.998 p. 42) As modificações ocorridas no cenário econômico exigem das organizações constantes adaptações ao ambiente que está inserida, essas mudanças representam ameaças como necessidade de aperfeiçoamento e concorrência, e também oportunidades como possibilidade

11 15 de crescimento. Sendo assim, a contabilidade como ciência e profissão deve também se adaptar a essa evolução para continuar atingindo seus objetivos. A contabilidade vem apresentando constantes modificações evolutivas, com perspectivas de abrir espaços para a concentração de novas vertentes de estudos permitindo aos diferentes usuários uma informação mais apropriada. Para Iudícibus, (2000, p 23) o objetivo básico da contabilidade, portanto, pode ser resumido no fornecimento de informações econômicas para vários usuários, de forma que propiciem decisões racionais A contabilidade vem se transformando em um complexo sistema de informação e avaliação, com características científicas, institucionais e sociais de grande relevância, tendo por objetivo principal suprir a necessidade informacional de seus usuários internos e externos à entidade que se refere. Iudícibus, Martins e Carvalho (2005). Nasi (1994, p. 3), destaca a importância da contabilidade como instrumento interno de informação, para tomada de decisão e o controle da gestão. Ressalta também a necessidade de uma contabilidade fidedigna, incorporada a estrutura empresarial, atuando como fonte de informações recebidas de diversas áreas da empresa, processando-as, analisando-as e interpretando-as, revestindo-se de um grande banco de dados da informação para fins gerenciais. No Brasil, em 1.902, foram criados os primeiros cursos comerciais: Escolas de Comércio de São Paulo, Rio de Janeiro e Juiz de Fora. Em 1.946, foi inaugurada a Faculdade de Economia e Administração da USP em São Paulo: primeiro curso superior em contabilidade. Em 27/05/1.946, o Decreto nº regulamentou a profissão de contador: Criação do Conselho Federal de Contabilidade e dos Conselhos Regionais nos Estados. A maioria dos negócios no Brasil são constituídos através das microempresas e empresas de pequeno porte e por isso são de vital importância para a economia do País. Entretanto um fator que tem sido bastante estudado é o fato delas não contarem com um sistema de gestão eficaz, o que quase sempre os leva a mortalidade logo nos primeiros anos. Muitas vezes por desconhecimento ou por falta de assessoria por parte dos contadores, os

12 16 pequenos empresários deixam de se beneficiar das informações geradas pela contabilidade que poderiam ser de grande utilidade na gestão do negócio. Passam a tomar decisões baseadas apenas na experiência que acreditam ter e na maioria das vezes os resultados ficam aquém do esperado. A contabilidade é uma ciência cuja função principal é a de fornecer informações confiáveis e transparentes para que as decisões sejam tomadas com o máximo de segurança. As informações e dados fornecidos pela contabilidade representam ferramentas de gestão, que servirão de apoio e suporte à tomada de decisão e devem fazer parte da rotina empresarial. Devido ao importante papel que o contador ocupa na sociedade, um projeto sobre a imagem e a qualidade do serviço prestado por estas empresas de contabilidade merece muita atenção. Portanto, o objetivo geral desse projeto foi avaliar a satisfação e a percepção de qualidade das empresas em relação ao serviço prestado pelos escritórios de contabilidade. Para tanto, escolhemos uma amostra de empresas clientes de três escritórios contábeis. R4 ADCON Consultoria em negócios, localizada em Valinhos/SP que possui em média 100 clientes com empresas de diversos ramos de atividade, sendo que a maioria delas Microempresas e empresas de pequeno porte, a empresa ACCOUNTING PLUS localizada na cidade de Campinas/SP, e a empresa AGP & EGP Assessoria Contábil Ltda localizada na cidade de Valinhos, que possui em média 50 clientes em diversos ramos de atividade, sendo na maioria delas microempresas. Diante disso, buscou - se verificar quais as expectativas e necessidades que os administradores destas empresas têm sobre o atual contador identificando-se as falhas e os diferenciais em relação aos serviços prestados. 1.1 Contexto e Justificativa Nota-se que o profissional contábil tem sido cada vez mais solicitado e avaliado pelos empresários em geral, principalmente de microempresas e empresas de pequeno porte. A exigência pelos serviços prestados por este profissional de contabilidade tem aumentado tanto na esfera governamental, no que diz respeito à responsabilidade do contabilista, como na esfera corporativa, no que tange às novas expectativas de empresas clientes. Tal afirmação é válida, com base na experiência da empresa ADCON - Consultoria em negócios, empresa de contabilidade que serviu como meio de estudo para concretização deste projeto e pesquisa de campo realizada em empresas clientes da ADCON CONSULTORIA

13 17 EM NEGÓCIOS, da empresa ACCOUNTING PLUS e AGP & EGP Assessoria Contábil Ltda, em microempresas e empresas de pequeno, médio e grande porte de diversos ramos de atividade. Tal experiência mostra também que o mercado não está mais satisfeito com serviços contábeis no estilo tradicional, ou seja, aquele em que um funcionário vai 01 vez por mês na empresa retira as notas fiscais, cobra os honorários e traz o documento de arrecadação da Receita Federal (DARF) 02 dias antes do vencimento. O mercado está exigindo um profissional apto à orientá-lo com relação à Investimentos, Vendas, Finanças, e busca nele uma opinião que lhe sirva para tomadas de decisão. Este trabalho pretende criar com base nas informações obtidas com a aplicação do questionário de avaliação, um modelo de serviços contábeis para implantar na ADCON Consultoria em Negócios, pois acreditamos que o contador deve atender com profissionalismo e qualidade todas suas empresas-clientes. Este modelo deverá ser baseado na integração da empresa-cliente com o escritório contábil, no que tange à troca de dados e informações gerenciais entre eles. O conhecimento do profissional contábil não deverá ser restrito à sua área, mas sim, conhecer outras áreas como administração financeira, recursos humanos, direito tributário, entre outros que deverá fazer parte do portfólio de serviços oferecidos pela empresa de contabilidade. A empresa de contabilidade deverá ser capaz de atender todas as áreas da empresa, e, para tanto, precisará conquistar parceiros para que tal integração torna-se mais sólida. Casos vivenciados pela empresa ADCON Consultoria em Negócios: meu contador vem na empresa 01 vez por mês para retirar as Notas e receber os honorários, e 02 dias antes de vencer os impostos para trazer as guias, nunca me deu uma posição sobre minha empresa, não dá nenhuma orientação sobre o meu negócio, não me atualiza sobre as mudanças na legislação, não controla férias de meus funcionários..., meu contador não orienta sobre medidas que devemos tomar a fim de evitar problemas futuros em minha empresa. Quando o problema acontece, ele simplesmente joga a culpa na administração Com base nas informações trazidas por estas empresas clientes, conseguimos detectar as necessidades dos clientes e atendê-los de maneira eficaz e com qualidade.

14 Problema de Pesquisa Os caminhos à serem seguidos para que cheguemos à excelência na qualidade dos serviços contábeis, através da experiência de atuação no setor não seria um problema a ser enfrentado, porém quando pensamos na estruturação deste projeto, tropeçamos em alguns impecilhos, como veremos à seguir. Nestes quatro anos de atuação da empresa ADCON, com freqüência recebemos empresasclientes que reclamam dos serviços prestados por seus atuais contadores, Mas, ao realizarmos uma auto-análise, detectamos que a empresa ADCON também comete tais erros com suas empresas-clientes, não por um problema de incentivo de seus colaboradores ou má orientação prestadas aos mesmos, mas por sobre uma sobre-carga de obrigações acessórias impostas pela Legislação no âmbito Municipal, Estadual e Federal, ocupando cerca de 80% do tempo disponível. Diante disto, podemos levar em consideração a hipótese de contratar novos funcionários para atender esta demanda obrigatória governamental e ainda atender as necessidades do cliente, porém, criaríamos um novo problema quanto ao custo dos serviços prestados, que cresceria consideravelmente, obrigando-nos à repassar tal aumento para o cliente. 1.3 Hipótese Problema A implantação de um modelo ideal de serviços de contabilidade trará um aumento na carteira de clientes e fidelizará os atuais clientes da ADCON Consultoria em Negócios? Hipótese Este modelo poderá trazer um aumento na carteira de clientes da empresa, mas, tal afirmação somente será válida após a realização da pesquisa de campo em que será aplicado um questionário de satisfação e expectativas em trinta empresas de diversos ramos de atividade, dentre elas, microempresas e empresas de pequeno porte da região de Campinas/SP.

15 Objetivo Geral e Específico Criar um modelo de serviços contábeis de qualidade com base nos resultados obtidos através da aplicação de questionário sobre a percepção do cliente. Para a consecução do objetivo proposto, têm-se como objetivo específico: (I) Conhecer a percepção dos clientes quanto à atividades desempenhadas pelos escritórios de contabilidade; (II) Verificar se as empresas utilizam os demonstrativos contábeis; (III) identificar quais informações contábeis são consideradas relevantes pelos usuários; (VI) Analisar o interesse demonstrado pelos contadores em melhorar a qualidade dos serviços prestados e (V) Avaliar os contabilistas segundo a percepção dos clientes. 1.5 Apresentação da Estrutura do Trabalho No primeiro capítulo deste trabalho, foi apresentada uma contextualização acerca do tema proposto, através de uma visão geral sobre os serviços de contabilidade no atual mercado e as principais necessidades dos clientes no que tange aos serviços contábeis propostos. Em seguida no segundo capítulo, realizou-se uma pesquisa bibliográfica e documental acerca do estudo proposto, incluindo consultas em sites dos Conselhos; Federal e Regionais de Contabilidade, que permitiram descrever o universo pesquisado. No segundo capítulo contextualizou-se a metodologia utilizada para a coleta dos dados referente ao questionário aplicado em quarenta e sete empresas clientes dos escritórios de contabilidade ADCON Consultoria em negócios, Accounting Plus e AGP & EGP Assessoria contábil, todas atuantes na região de Campinas e também o pré - teste, realizado por quatro profissionais da área contábil, sendo três deles professores e um deles atuante na área de contabilidade. No quarto capítulo, foi apresentado os resultados e as análise destes através de demonstração gráfica referente à todas as questões aplicadas na pesquisa de campo. No quinto capítulo a conclusão foi apresentada com base nos resultados obtidos da pesquisa de campo realizada no período de 01 de setembro de 2010 à 01 de novembro de 2010.

16 20 Capítulo 2 Revisão Bibliográfica 2.1 A importância da informação para tomada de decisão O papel da informação, na atualidade, traz constantes questionamentos sobre sua rapidez, transparência, confiabilidade e tempestividade. É na informação que a contabilidade irá se embasar e demonstrar em relatórios e ferramentas contábeis específicas sobre a situação da empresa, econômica e financeiramente. As empresas vivem num quadro constante de forças e pressões que criam ameaças ou oportunidades. Para tanto a informação é o canal que dá acesso ao conhecimento e que contribui para a mudança e o aperfeiçoamento, propiciando o conhecimento necessário á tomada de decisão e a execução das ações. Atualmente, a informação se constitui em um dos principais patrimônios de uma empresa. Pode-se afirmar que o sucesso das organizações, qualquer que seja seu porte ou ramo de atividade, depende cada vez mais, de informações. Nada adiantará as informações se não tiver alguém que as processe e alguém que as deseje. Assim cabe ao contador processar as informações necessárias propiciando á seus usuários base segura para tomada de decisão. A informação contábil deve ser tratada como qualquer outro produto que esteja disponível para consumo. Ela deve ser desejada, para ser necessária. Para ser necessária, deve ser útil. Cabe à nós contadores, construir essa mercadoria com qualidade e custos competitivos, já que temos plena consciência de sua utilidade e portanto de sua extrema necessidade para o gerenciamento dos negócios Padoveze (2004, p. 52) Hoje em dia, mais do que nunca o contador tem que mostrar do que é capaz, pois, mais do que fazer as escriturações e demonstrações contábeis, ele é indispensável para o funcionamento, desenvolvimento e tomada de decisões na empresa.

17 21 As empresas estão constantemente diante de inúmeros desafios e que há necessidade de muita competência, habilidade, marketing pessoal e criatividade do profissional contábil para superar as expectativas do cliente (...) é preciso definir exatamente a área de ação, a especialidade, criar uma mensagem e uma estratégia para promover a marca pessoal. Destacar cuidadosamente o que o seu serviço se diferencia dos outros. A marca deve encantar o cliente. Deve ficar claro qual o benefício que se trará para o cliente Marion (2006, p. 51) A competitividade do mercado exige que as organizações invistam na qualidade dos produtos e serviços prestados. Segundo Piazza (1999, p.9) afirma que Ter um empreendimento hoje ou buscar um lugar no mercado exige conhecimento, domínio, sintonia com as inovações e capacidade de perceber erros. O período de amadorismo chegou ao fim Controladoria Nas últimas duas décadas, vêm ocorrendo mudanças no papel dos controllers e no enfoque da contabilidade nas organizações. A função contábil, que tinha a responsabilidade exclusiva por processar transações da empresa, a área de controladoria passou a incorporar novas funções, para as quais os profissionais devem ter conhecimento técnico apurado não apenas em uma área específica, mas também incorporar conhecimentos relacionados a outras áreas da empresa, o que é necessário para o desempenho de suas funções. Wilson, Roehl- Anderson e Bragg (1998) Essa mudança no papel dos controllers tem como princípio fundamental a geração de informações que supram as necessidades dos gestores, o que é necessário diante do atual contexto organizacional em que as empresas estão inseridas. A controladoria enquanto ramo do conhecimento, apoiada em informações contábeis e numa visão multidisciplinar, é responsável pela modelagem, construção e manutenção de sistemas de informações e modelos de gestão das organizações, que supram adequadamente as necessidades informativas dos gestores e os conduzam durante o processo de gestão, quando requerido, a tomarem decisões ótimas. Estas necessidades informativas são a cada dia maiores, exigindo que a controladoria deva agir de forma pró ativa em relação a estas

18 22 necessidades, o que exige dos profissionais desta área uma formação sólida em termos de conhecimentos relativos ao processo de gestão organizacional. É necessário entender que as organizações são entidades de transformação de recursos (materiais, humanos, financeiros, tecnológicos etc), que tem por objetivo a geração de benefícios de natureza material (bens, serviços, riquezas) e não material. (de ordem afetiva, intelectual, moral), sempre revertidos ao próprio homem. Isto as caracteriza como organizações sociais e econômicas A área de controladoria tem a função de dirigir e implementar os sistemas, motivar, coordenar, avaliar, planejar e acompanhar, de forma que o conjunto desses sistemas sirva como base para tomada de decisão por parte dos gestores. Kanitz (2002) A controladoria exerce, assim, um valioso serviço de informação e análise para todos os administradores da empresa. Kanitz (2002). O campo de atuação da controladoria compreende as organizações, caracterizadas como sistema abertos e dinâmicos, interagindo com outros num determinado ambiente. Sistema e um conjunto de elementos interdependentes que interagem, formando um todo unitário e complexo, desenvolvendo funções para atingir objetivos comuns e aberto, pois é capaz de interagir com seu ambiente, influenciando-o e ao mesmo tempo sendo influenciado. E dinâmico, pois está em constante transformação conforme a ocorrência de eventos internos e externos. A controladoria desempenha, no mundo todo, as funções de auxiliar e de controlar as principais atividades de gestão das organizações. Nakagawa (2003), Esta área coordena o processo de planejamento das diversas áreas e atividades, através de um sistema de informações que apóia todas as fases do processo decisório, facilitando, desta forma, a ação dos gestores.. Também exerce o controle dos desempenhos e verifica se o que foi planejado está sendo efetivamente realizado, objetivando o melhor desempenho econômico global. Parisi (2001). 2.3 A contabilidade e a gestão de custos A contabilidade surgiu com as necessidades humanas de qualificar riquezas, até o momento sem nenhum valor agregado. Limitada, inicialmente, a acumular valores, acompanhou a evolução do homem adaptando-se, primeiramente, à realidade da era mercantilista, em que o

19 23 elemento fundamental da época era os estoques demandavam controles apurados e demonstrações dos resultados obtidos. O surgimento de oficinas, trabalhos artesanais domésticos, pequenas indústrias, energia a vapor, primeiras estradas de ferro e a evolução das maquinas, consolidaram o inicio da Era Industrial, estimulando-se assim os constantes avanços tecnológicos experimentados pelo mundo (RIBEIRO, 1992). Os custos referem-se ao valor dos fatores de produção consumidos por uma indústria para produzir ou distribuir produtos ou serviços, ou ambos. A partir deste estagio, o processo produtivo passou a exigir a incorporação de novos valores à matéria-prima, ate então comercializada em seu estado natural. Ao custo do produto passou-se a agregar alem do custo da matéria-prima e dos materiais auxiliares, mão-de-obra, aluguel do espaço utilizado, a depreciação das maquinas, e a qualidade tornando o processo de obtenção da receita mais completo. LEONE (1997). Sendo assim, a contabilidade de custos aprimorou-se ao longo dos séculos, incorporando praticas, em seguida princípios, postulados e convenções, para fazer face à evolução da sociedade e suas novas tecnologias. Deste modo, a determinação dos custos de uma organização tornou-se um poderoso instrumento nas mãos de administradores e controles, para o eficiente desempenho de suas funções. MARTINS (1992) refere-se a custos como gasto relativo a bem ou serviço utilizado na produção de outros bens e serviços, ou seja, o valor dos insumos usados na fabricação dos produtos da empresa. Salienta que o custo é também um gasto, só que reconhecido como tal, isto é, como custo, no momento da utilização dos fatores de produção para fabricação de um produto ou execução de um serviço. A contabilidade evoluiu o bastante para identificar, mensurar, registrar e tornar publico todos os eventos de relevância envolvidos no desenvolvimento das atividades de uma empresa, com isso fornecendo fundamentos para a escolha e, em seguida, oferecendo elementos para avaliação dos recursos consumidos comparativamente aos rendimentos obtidos. RIBEIRO (1992, p, 44).

20 24 A contabilidade de custos engloba técnicas para o registro, organização, analise e interpretação dos dados relacionados à produção, ou à prestação de serviços. Desta forma, a contabilidade de custos, quando acumula os custos e os organiza em informações relevantes, pretende atingir três objetivos principais: a determinação do lucro, o controle das operações e a tomada de decisões. Leone (1997). Porém, apesar da evolução inegável da contabilidade de custos, esta não tem acompanhado, de maneira satisfatória, as modificações que estão ocorrendo no meio empresarial nos últimos anos. 2.4 Contabilidade gerencial A contabilidade pode ser definida como um processo de identificação, mensuração, acumulação, análise, preparação, interpretação e comunicação de informação tanto financeira quanto operacional utilizada pela administração para o planejamento, avaliação e controle, como também para assegurar o uso e a responsabilidade sobre seus recursos. A contabilidade gerencial pode ser caracterizada, superficialmente, como um enfoque especial conferido a várias técnicas e procedimentos contábeis já conhecidos e tratados na contabilidade financeira, na contabilidade de custos, na análise financeira e no Balanços, colocados numa perspectiva diferente, num grau de detalhe mais analítico ou numa forma de apresentação e classificação diferenciada, de maneira a auxiliar os gerentes das entidades em seu processo decisório. Iudícibus (1998, p. 18) Para Robert N. Anthony, (1999, p. 42) a contabilidade gerencial, que constitui o foco deste livro, preocupa-se com a informação contábil útil à administração. Uma entidade tem contabilidade gerencial se houver dentro delas, pessoas que consigam traduzir os conceitos contábeis em atuação prática (Padoveze, 2000 p.33). Dessa forma, fica claro que a contabilidade gerencial deve utilizar técnicas já desenvolvidas por outras disciplinas, porque nelas o estudo específico é mais aprofundado. A contabilidade gerencial é relacionada com o fornecimento de informações para os administradores, isto é, aqueles que estão dentro da organização e que são responsáveis pela direção e controle de suas operações. Padoveze (2000, p. 31)

21 25 A contabilidade gerencial pode ser contrastada com a contabilidade financeira, que é relacionada com o fornecimento de informações para os acionistas, credores e outros que estão fora da organização (Padoveze, 2000 p. 31) Quadro 2.1: Comparativo entre Contabilidade gerencial e financeira: Fator Contabilidade Financeira Contabilidade Gerencial Usuários dos relatórios Externos e Internos Internos Objetivos dos relatórios Facilitar a análise financeira para Objetivo especial de facilitar o as necessidades dos usuários planejamento, controle, avaliação externos de desempenho e tomada de decisão internamente. Forma de relatórios Balanço Patrimonial, Orçamentos, contabilidade por Demonstração dos Resultados, responsabilidade, relatórios de Demonstração das Origens e desempenho, relatórios de custo, Aplicações de recursos e relatórios especiais não rotineiros Demonstração das Mutações do para facilitar a tomada de decisão. P.L Freqüência dos relatórios Anual, Trimestral e ocasionalmente Quando necessário para mensal. administração Custos ou valores utilizados Primariamente históricos Históricos e esperados (previstos) (passados) Bases de mensuração usadas para quantificar os dados Moeda corrente Várias bases, (moeda corrente, moeda estrangeira) Restrições nas informações Princípios contábeis geralmente Nenhuma restrição, exceto as fornecidas aceitos determinadas pela administração. Arcabouço teórico e técnico Ciência Contábil Utilização pesada de outras disciplinas, como economia, finanças, estatística, pesquisa operacional e comportamento organizacional. Características da informação Deve ser objetiva (sem viés) Deve ser relevante e tempestiva, fornecida verificável. Relevante e tempestiva podendo ser subjetiva, possuindo menos vericabilidade e precisão. Perspectiva dos relatórios Orientação histórica Orientada para o futuro, para facilitar o planejamento, controle e avaliação de desempenho, antes do fato (para impor metas) acoplada com uma orientação histórica para avaliar os resultados reais.

22 26 Tendo em vista que uma organização é estruturada de forma hierárquica, a contabilidade gerencial deve suprir, através de um sistema de informações contábil, todas as áreas da companhia (Padoveze, 2000 p. 34) Iudícibus (1998 p. 21) afirma que todo procedimento, técnica, informação ou relatório contábil feito sob medida para que a administração os utilize na tomada de decisões entre alternativas conflitantes, ou na avaliação de desempenho, recai na contabilidade gerencial. Idêntico a Iudícibus, pelo menos no que a Contabilidade é a produção de informações feitas com objetivos definidos ou sob medida ; A contabilidade gerencial é o processo de produzir informação operacional e financeira para funcionários e administradores. O processo deve ser direcionado pelas necessidades informacionais dos indivíduos internos da empresa e deve orientar suas decisões operacionais e de investimentos. Atkinson Et. Al. (2000, p. 798) Um pouco mais abrangente é a definição dada pela Associação Nacional dos Contadores dos Estados Unidos da América, conforme descrito por Padoveze (2000, p. 27) limitando, no entanto, a identificação, acumulação análise e preparação de informações financeiras. O processo de identificação, mensuração, acumulação, análise, preparação, interpretação e comunicação de informações financeiras utilizadas pela Administração para planejamento, avaliação e controle dentro de uma organização e para assegurar o uso apropriado de seus recursos. Importante nesta visão é destacar a associação da contabilidade gerencial como sendo um processo, ou seja, procedimentos ordenados e contínuos para produção de informações. Portanto, nessa linha de raciocínio, ela existe enquanto processo nos momentos determinados em que está em andamento.

23 27 Crepaldi (1998, p. 18) entende, já numa outra linha de pensamento, que: Contabilidade gerencial é o ramo da contabilidade que tem por objetivo fornecer instrumentos aos administradores de empresas que os auxiliem em suas funções gerenciais. É voltada para melhor utilização dos recursos econômicos da empresa, através de um adequado controle dos insumos efetuado por um sistema de informação gerencial. Encontramos ainda a definição de Padoveze (1998, P. 47) que, ao contrário de Crepaldi, entende que: A Contabilidade Gerencial algo além do que simples técnicas de contabilidade, fugindo, portanto da condição de ramo da contabilidade. A Contabilidade Gerencial como sendo uma disciplina integradora, um instrumento de administração e uma ação administrativa, ou seja, a Contabilidade Gerencial integra as demais áreas como Contabilidade Financeira, Contabilidade de Custos e Administração Financeira Padoveze (1998, p. 47). Utilizando a contabilidade como instrumento da administração, defende Padoveze que ela existe ou existirá se houver uma ação prévia que a torne concreta, não sendo apenas técnicas de contabilidade. Somente a partir desta ação que a Contabilidade Gerencial toma corpo, não existindo por si só antes dela. Como se verifica são várias opiniões sobre a forma como a Contabilidade Gerencial se apresenta, não sendo unânime sua definição e caracterização. O fato é que, de alguma forma ela está presente, tanto nas empresas, a partir do gerenciamento das atividades e produção de informações à tomada de decisão, quanto no mundo acadêmico, haja visto as obras já publicadas e os estudos desenvolvidos. No entanto, ainda não é consenso a sua existência como ramo da contabilidade ou apenas como ferramenta esporádica ou temporária para produção de relatórios contábeis que auxiliarão a administração das entidades.

24 Sistemas de informação gerenciais (SIG) Na atualidade o mundo vive na era da informação, exigindo das organizações uma gestão estratégica eficiente, a qual pode ser facilitada pela utilização de recursos inteligentes oferecidos pela tecnologia de informação e sistemas de informação que inovou o mundo dos negócios. Um sistema de informação representa:... todo e qualquer sistema que tem informação como entrada visando gerar informação como saída e a expectativa de se obter tais informações, para satisfazer determinadas necessidades, corresponde ao objetivo geral dos sistemas de informações. Melo (1999 p. 30). Um sistema de informação passa por três estágios: a coleta de dados, a produção ou tratamento da informação e o uso gerencial da informação Melo (1999 p. 30). Os processos empresarias precisam ser dotados de confiabilidade, eficiência e eficácia e ser utilizada para melhorar o desempenho das atividades da empresa, e por conseqüência apoiar os processos empresariais. Um Sistema de Informações Gerenciais (SIG), representa... o processo de transformação de dados em informação que são utilizadas na estrutura decisória da empresa, proporcionando, ainda, a sustentabilidade administrativa, para otimizar os resultados esperados. Oliveira (2002B, p. 40) As empresas precisam estar preparadas para lidar com os problemas internos e externos do ambiente em que estão inseridas, para tanto buscam no desenvolvimento de sistemas de informações suporte para a resolução desses problemas. A razão mais forte pelas quais as empresas constroem os sistemas, então, é para resolver problemas organizacionais e para reagir a uma mudança no ambiente. Com a implantação de um SIG, alguns benefícios poderão ser alcançados: redução dos custos operacionais, melhoria no acesso ás informações, melhoria na produtividade, melhorias nos serviços oferecidos, melhoria na estrutura organizacional, redução do grau de centralização das informações e consequentemente a otimização na prestação de serviços aos clientes. Os sistemas de informação objetivam a resolução de problemas organizacionais internos, e a conseqüente preparação para enfrentar as tendências da crescente competitividade de mercado

25 29 e dá suporte às funções de planejamento, controle e organização de uma empresa, fornecendo informações seguras e em tempo hábil para tomada de decisão. O sistema de informação gerencial é representado pelo conjunto de subsistemas, visualizados de forma integrada e capaz de gerar informações necessárias ao processo decisório. Na informação gerencial é necessário que alguns aspectos sejam observados. Entre estes, podem ser citados: O envolvimento da alta e média gestão; A competência por parte das pessoas envolvidas com o SIG; O uso de um plano mestre ou planejamento global; A atenção específica ao fator humano da empresa; 2.6 Qualidade de produtos e serviços A qualidade definida por FALCONI (2004, p. 189) é um produto ou serviço que atende perfeitamente, de forma confiável, acessível, segura e no tempo certo as necessidades do cliente. Muitos pensam que a qualidade é só ausência de defeitos, mas o verdadeiro critério da boa qualidade é a preferência do consumidor, é isso que garantirá a sobrevivência de uma empresa: A preferência do consumidor pelo seu produto em relação ao seu concorrente, hoje e no futuro (FALCONE 2004). O conceito de qualidade para PALADINI (1995), não é novo, ele diz que essa noção foi evoluindo ao longo do tempo, dadas as especificações do desenvolvimento humano. O que se pode considerar de mais recente é a preocupação com o processo. Não somente o processo fabril, mas também com todos os processos que a empresa desenvolve para atender e satisfazer os consumidores. Essa preocupação com todos os processos industriais e administrativos é conhecida como Total Quality Control ou apenas TQC (ROBLES JR 1996).

26 30 A qualidade é a palavra-chave mais difundida no meio empresarial e, coincidentemente, existe pouco entendimento sobre o que é qualidade; e afirma também que os próprios teóricos da área reconhecem a dificuldade de se definir, precisamente, o que seja o atributo qualidade de um produto. Essa dificuldade existe principalmente porque a qualidade pode assumir distintos significados para diferentes pessoas e situações. Toledo (1987) O termo qualidade, segundo definição de HORNGREN et AL.(2000) refere-se a uma grande variedade de fatores, adequação de uso, grau em que o produto atende as necessidades de um cliente ou as especificações de projeto e as imposições da engenharia. Já para PALADINI (1997), menciona que dificilmente encontrar-se-á uma definição de qualidade com tanta propriedade em tão poucas palavras quanto fez JURAN E GRYNA (1991) ao conceitos mais difundidos na leitura sobre o tema. GARVIN (1992) prefere adotar em vez de um conceito, diversas dimensões da qualidade. Então classificou em oito categorias: desempenho, características, confiabilidade, conformidade, durabilidade, atendimento, estética e qualidade percebida. Ele afirma que cada categoria é estanque e distinta, pois um produto ou serviço pode ser bem cotado em uma dimensão, mas não em outra, estando em muitos casos interrelacionados. Frisa também que como conceito, a qualidade existe há muito tempo, porem apenas recentemente passou a ser utilizada como uma forma de gestão. A qualidade é uma determinação do cliente e não a determinação da engenharia, do marketing e nem da alta administração. A qualidade deve estar baseada na experiência do cliente como produto e serviço, medidos através das necessidades percebidas que representem uma meta no mercado competitivo. Feigenbaum (apud CORAL, 1996). Qualidade de produto e serviço pode ser definida, então, como a combinação de características de produtos e serviços referentes a marketing, engenharia, produção e manutenção, através das quais produtos e serviços em uso corresponderão à expectativa do cliente. TAGUCHI (apud NAKAGAWA 1993), desenvolveu uma metodologia que define o termo qualidade através da função perda, que permite mensurá-la em unidades e associá-las à tecnologia do produto. Essa metodologia permite mensurar o impacto das perdas do produto e minimizá-las não somente para o cliente, mas também para à sociedade, a longo prazo.

27 31 Então sobre a definição de Taguchi, PALADINI (1997) diz que, para ele, a qualidade é a perda monetária imposta à sociedade a partir do momento que o produto sai da fabrica, ou seja, do ponto de vista do valor agregado, pode-se compreender a qualidade de um produto como determinada, pelas perdas econômicas provocadas à sociedade como um todo, desde o instante em que é colocado à venda. A qualidade é a conformidade com os requisitos. Se um produto satisfaz todos os requisitos para este produto de acordo com seu modelo - padrão, ele é um produto de qualidade. Se o produto for fabricado corretamente na primeira vez, então os desperdícios seriam eliminados e a qualidade não seria dispendiosa. CROSBY (1994) A qualidade possui dois fatores: a qualidade técnica relacionada à obtenção de lucros, pois ela visa satisfazer as exigências e expectativas concretas como tempo, finanças, taxa de defeitos função, durabilidade, segurança e garantia. A qualidade humana que está além dos lucros, visa satisfazer expectativas e desejos emocionais como lealdade, comprometimento, consistência, comportamento, credibilidade, atitudes e atenção. Ressalta que os dois conceitos são complementares. MOLLER (1992) Já ISHIKAWA, apud GARAVANTES (1997), a gestão da qualidade consiste em desenvolver, criar e fabricar produtos mais econômicos, úteis e satisfatórios para o comprador. Administrar a qualidade seria também administrar o preço de custo, o preço de venda e lucro. A noção de qualidade depende fundamentalmente da percepção de cada um. O que tem qualidade para algumas pessoas pode não suprir as necessidades de outras, o conceito depende da percepção pessoal de cada individuo. OAKLAND (1994). Dentre todos os pontos de vistas dos autores citados a maioria compartilha um ponto em comum, a satisfação das necessidades do consumidor, e que essa satisfação pode estar representada de varias formas como, por exemplo, na adequação ao uso defendida por Juran e Gryna: Nas características de produtos ou serviços que correspondem as expectativas do cliente, ou no atendimento das necessidades do cliente dentro de suas possibilidades de compra a dependência da percepção pessoal de qualidade do individuo.

28 Conceitos de Marketing O conceito de marketing foi citado em 1960, pela Associação Americana de marketing, que definiu como o desempenho das atividades comerciais que dirigem o fluxo de bens e serviços dos produtos ao consumidor usuário. De acordo com Etzel e Walker (2001,p.11), o conceito de marketing enfatiza a orientação ao cliente e a coordenação das atividades de marketing para alcançar os objetivos de desempenho da organização. O conceito de marketing diferencia as empresas modernas, e as antigas de comercialização, possibilitando de integração do composto mercadológico a algum objetivo já pré estabelecido, tendo assim como recompensa o lucro. Las Casas (2006, p.20). Marketing deve ser encarado como uma filosofia, uma norma de conduta para a empresa, em que as necessidades latentes dos consumidores devem definir as características dos produtos ou serviços a serem elaborados e as respectivas quantidades a serem oferecidas (COBRA, 1997, p.20). A troca é o conceito central de marketing, pois envolve a obtenção total do produto desejado de alguém oferecendo algo em troca. Desse modo, para que esse potencial de marketing possa existir é necessário cinco condições essenciais (KOTLER E KELLER,2006, P.05). Que exista pelo menos duas pessoas; Que todas as partes possuam algo que possa ter valor para as outras partes; Que todas as partes tenham capacidade de comunicação e de entrega; Que todas as partes estejam livres para aceitar ou recusar a oferta de troca; Que todas as partes acreditem ser adequado participar da negociação. Marketing é desenvolver e manter relações com infra-estrutura e com os clientes. É integrar os clientes no projeto, desenvolvimento, produção e processo de vendas da empresa. A fim de obter uma posição de destaque em qualquer setor, a empresa inteira tem que pensar em termos de Marketing (MCKENNA,1997).

29 Marketing de Serviços O setor de serviços no Brasil está em constante crescimento e os motivos para esse crescimento é o aumento da demanda dos consumidores e compradores organizacionais e as novas tecnologias que tornaram os serviços mais acessíveis Churchill Jr. e Peter (2005, p.290). O componente serviço não é satisfeito consertando-se um produto, se este quebrar. Nem tão pouco pela discagem gratuita, uma garantia, ou um formulário de pesquisa junto ao consumidor. Na maioria das vezes, o que os consumidores mais desejam de um produto é qualitativo e intangível; é o serviço, um aspecto essencial do produto. O serviço não é um evento; é o processo de criação de um ambiente de informação, garantia e conforto ao consumidor. Mckenna (1997, p.17). De acordo com Rodrigues (1983 apud Cobra e Zwarg, 1986, p.3), marketing de serviços é um campo que está em fase de estruturação. Já Rathmell (1974 apud Cobra e Zwarg, 1986, p.3) entendem serviço como um produto intangível que não se cheira não se aperta, mas que se permite satisfações que compensam o dinheiro gasto na realização de desejos e necessidades dos clientes. Serviço é definido como um processo, consistindo em uma serie de atividades intangíveis que, normalmente ocorrem nas interações entre clientes e funcionários de serviço e/ ou recursos ou bens físicos e/ou sistemas do fornecedor de serviços e que são fornecidas como soluções para problemas do cliente. Harvey (1989 apud Gronroos, 2003, p.65). Serviço é uma ação ou desempenho oferecido por uma ou mais partes a outra. O mesmo autor complementa ainda que serviços são atividades econômicas que criam valor e fornecem benefícios para os clientes em tempos e lugares específicos, como conseqüência da realização de mudança desejada no destinatário do serviço. Lovelock (2001 apud Aguilar e Teixeira, 2003, p.6),

30 34 O marketing de serviços é composto pelos fatores de marketing que ajudam a empresa a atender a demanda de mercado do produto, através de seus serviços de pesquisa de mercado. Esses serviços identificam tanto a necessidades não satisfatórias pelos produtos ou serviços, quanto novas oportunidades para os produtos ou serviços existentes no mercado. A demanda é atendida, ainda, através dos serviços de pré-venda que ajudam o cliente a identificar corretamente suas necessidades; do serviço de instalação do bem adquirido pelo cliente; e dos serviços de garantia e assistência técnica que propiciam o adequado funcionamento (Cobra e Zearg, 1996, p.4). De acordo com Cobra e Zwarg (1986, p.6), há seis características básicas que diferencia serviços de produtos: Os serviços são mais intangíveis do que tangíveis, pois os serviços podem ser consumidos, mas não possuídos, ou seja, não pode ser palpado, alcançado mentalmente. Os serviços são simultaneamente produzidos e consumidos. Os serviços são menos padronizados e uniformes, já que os serviços são baseados em equipamentos e pessoas que sempre prevalece. Os serviços não podem ser estocados. Via de regra não pode ser protegidos por patentes. Difícil estabelecer preço. Há uma variabilidade de serviços que as empresas podem prestar. Segundo Kotler (2000, p.449) o Mix de Marketing esta dividido em cinco categorias: Bem tangível: a oferta consiste principalmente em um bem tangível, como sabão, creme dental ou sal. Não há nenhum tipo de serviço associado ao produto. Bem tangível associado a serviços: a oferta consiste em um bem tangível associado a um ou mais serviços. Hibrida: a oferta consiste tanto de bens quanto de serviços. Serviço principal associado a bens ou serviços secundários: a oferta consiste em um serviço principal com serviços adicionais ou bens de apoio. Serviço puro: a oferta consiste principalmente em um serviço.

31 35 Apesar dessa diversidade de mix de bens e serviços podem se generalizar alguns tipos de serviços como sendo os serviços baseados em pessoas podem ser divididos entre os que não requerem qualificação, e os que requerem qualificação e os que necessitam de uma especialização. Kotler (2000, p.449), Alguns tipos de serviços necessitam da presença do cliente outros não, mas se a presença do cliente for indispensável, o prestador dos serviços tem que levar em consideração suas necessidades. Os serviços se diferem no tipo de atendimento das necessidades, pois tem serviços que atendem as necessidades pessoais e outros as necessidades empresariais, ou seja, os prestadores de serviços desenvolvem programas de marketing diferentes para mercados pessoais e empresariais. E por fim os prestadores de serviços diferem em empresas com ou sem fins lucrativos e em empresas privadas ou publicas. De acordo com Kotler (2000, p.450), os serviços apresentam características dos serviços e suas implicações de marketing como a: Intangibilidade: onde os serviços não podem ser vistos, ouvidos, sentidos, cheirados ou provados antes de serem adquiridos. Inseparabilidade: onde os serviços são produzidos e consumidos ao mesmo tempo e tanto para o prestador do serviço como o cliente afetam no resultado. Variabilidade: onde os serviços são muito variáveis. Perecibilidade: não existe em serviços, pois os serviços não podem ser estocados. Pelo fato de os serviços geralmente apresentarem um alto nível de qualidade experimentável e credenciável, sua aquisição apresenta um maior índice de risco. Esse fato tem diversas conseqüências. Em primeiro lugar, os consumidores de serviços geralmente confiam mais nas informações do boca-a-boca do que em propaganda. Em segundo lugar, eles dão grande importância do preço, aos fatores visíveis ao julgarem a qualidade. Em terceiro lugar, eles são altamente fieis a prestadores de serviços que os satisfazem (Kotler 2000, p.457).

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 SILVA, Cleusa Pereira da 2 ; FELICE, Luciana Maria Vizzotto 4 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; VIERO, Claudinei 4 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria Aline Fernanda de Oliveira Castro Michelle de Lourdes Santos A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE CONTABILIDADE GERENCIAL E CONTABILIDADE FINANCEIRA

DIFERENÇAS ENTRE CONTABILIDADE GERENCIAL E CONTABILIDADE FINANCEIRA Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre as principais características da Contabilidade Gerencial e suas diferenças em relação à Contabilidade Financeira, que é o outro nome da Contabilidade Geral. Trata-se

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Principais dificuldades

Principais dificuldades Principais dificuldades A maior dificuldade apontada pelas organizações contábeis pesquisadas foi receber informações dos clientes com qualidade e prazo. Apenas 16% delas indicaram problemas com a aderência

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Juliana Grigol Fonsechi - 5147903 Chang Ming - 4915182 Vanessa Herculano de Oliveira - 5146840

Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Juliana Grigol Fonsechi - 5147903 Chang Ming - 4915182 Vanessa Herculano de Oliveira - 5146840 Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Juliana Grigol Fonsechi - 5147903 Chang Ming - 4915182 Vanessa Herculano de Oliveira - 5146840 1 Contexto Reclamações comuns dos executivos: Há muita informação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

AUDITORIA GOVERNAMENTAL. Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos

AUDITORIA GOVERNAMENTAL. Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos AUDITORIA GOVERNAMENTAL Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos KPMG no Mundo A KPMG é uma rede global de firmas independentes que prestam serviços profissionais de Audit, Tax e Advisory presente

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa.

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa. PRESIDÊNCIA (DIPRE) A missão da Presidência é assegurar a sobrevivência, o crescimento e a diversificação sinergética da Guimar, em consonância com as orientações estratégicas emanadas do Conselho de Administração,

Leia mais

Gestão das organizações contábeis

Gestão das organizações contábeis Gestão das organizações contábeis Análise dos resultados da pesquisa Dezembro/2014 por Roberto Dias Duarte Sobre a pesquisa O Sistema Público de Escrituração Digital e seus vários subprojetos têm sido

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

04/04/2014. Antes de 1940

04/04/2014. Antes de 1940 Prof. William Costa Rodrigues Eng. Agrônomo Um Sistema de Informação Gerenciais é um instrumento administrativo que contribui efetivamente para a otimização das comunicações e do processo decisório nas

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Tecnologia da Informação Aula 3 Revolução dos SI

Tecnologia da Informação Aula 3 Revolução dos SI Tecnologia da Informação Aula 3 Revolução dos SI Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife - PE Visão Geral Desafios Empresariais Administração * Monitora

Leia mais

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas Perfil... Atuando há 20 anos em vendas Jean Oliveira já viveu na pele cada experiência que essa profissão promove, é especialista com MBA em Estratégias de Negócios e graduado em Tecnologia de Processamento

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios CIÊNCIAS CONTÁBEIS A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios A Contabilidade é a linguagem internacional dos negócios. A Contabilidade é, também, a Ciência que registra a riqueza das

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria

Leia mais