O recuo do Estado Social pode trazer boas oportunidades ao setor segurador?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O recuo do Estado Social pode trazer boas oportunidades ao setor segurador?"

Transcrição

1 Pág: 9 Cores: Preto e Branco ID: maisseguro Área: 26,00 x 15,73 cm² Corte: 1 de 7 É um cidadão tranquilo, essa criatura dia 5 de M 50 aio de SUPLEMENTO 1989 sentada COMERCIAL à sua secretária EDITADO POR ANA SANTOS GOMES DEPOIS SEPAROU-SE O recuo do Estado Social pode trazer boas oportunidades ao setor segurador? Esta é a questão colocada pelo OJE MAIS SEGURO a vários CEO s de seguradoras a operar a Portugal e que aceitaram, nesta edição que assinala o 7.º aniversário do OJE MAIS SEGU- RO, o desafio de analisar o presente de olhos postos no futuro. Porque o fazem, eles próprios, todos os dias na sua atividade. E porque assumem também, na sua atividade, a responsabilidade de antecipar aquilo que pode acontecer, com maior ou menos probabilidade, a médio e longo prazo. O ponto de partida é o inequívoco recuo do Estado Social a que os portugueses assistem hoje, muitos deles de coração nas mãos. Os apoios que outrora sustentaram famílias em momentos de sobressalto, de rutura ou de infortúnio começaram há muito a escassear. Os recursos falham no momento do desemprego, falham na doença e até na morte. O Estado começou a demitir-se de parte das funções que havia chamado a si, acusando algum desgaste dos modelos que implementou e que se revelam hoje inviáveis. Outras haviam já passado em definitivo para o setor privado, como aconteceu com os acidentes de trabalho, atualmente a cargo do setor segurador. Já no desemprego, na reforma, na doença e na morte, abrem-se cada vez mais as portas para a complementaridade do setor privado. Que não está ao alcance de todos. E que o setor segurador terá de analisar para definir claramente até onde pode ir a sua intervenção. O mais difícil será certamente a criação de uma oferta suficiente flexível para chegar ao maior número possível de cidadãos. A reflexão impõe-se. Algumas conclusões começam a tomar forma.

2 Pág: 10 ID: Área: 26,00 x 30,85 cm² Corte: 2 de 7 Flexibilizar os planos de benefícios oferecidos pelas empresas aos colaboradores são fatores críticos de sucesso SANTI CIANCI Generali O setor segurador é influenciado pela evolução do contexto económico do nosso país, pelo que à medida que o Estado Social recua na sua função social passam a ser reconhecidos os benefícios proporcionados pela contratação de seguro. O papel que as empresas desempenham no reconhecimento aos seus colaboradores, através de benefícios salariais como seguros de saúde, seguros de vida, seguros de acidentes pessoais e planos de pensões, assume uma verdadeira oportunidade para o setor e uma proteção social acrescida para os colaboradores, que é fortemente valorizada por estes. A capacidade do setor segurador adaptar e flexibilizar os planos de benefícios oferecidos pelas empresas aos seus colaboradores são fatores críticos de sucesso para esta oportunidade de negócio. O desinvestimento público em áreas sensíveis como a Saúde e a Reforma tem aberto nos últimos anos uma janela para o mercado segurador. Nos últimos anos temse registado um crescimento de produção dos seguros de Doença (3,1% em 2013), estando em contraciclo com o desempenho observado dos restantes segmentos do Ramo Não Vida. Além disso, com as várias reformas implementadas no sistema de pensões públicas, cabe ao mercado segurador um papel ativo, na procura de soluções que se integrem com o regime de pensões da Segurança Social, através de planos de poupança e capitalização. Os portugueses irão progressivamente evoluir e constituir a sua própria proteção social JOÃO QUINTANILHA Groupama De facto, o que se chama recuo do Estado Social é um movimento de tendência certa, pois seja qual for a cor política dos governos, há uma evolução inevitável nesse sentido por força da realidade demográfica, social e económica dos nossos tempos e que, no caso português, é fácil de constatar. Assim sendo, o Estado Social, para se manter, tem que evoluir, reduzindo progressivamente o seu espaço de atuação em função das condicionantes objetivas a que está sujeito. Mas as pessoas continuam a ter as suas necessidades e a normal ambição de proteção social abrangente e por isso irão progressivamente evoluir para a decisão de constituir a sua própria proteção social sobretudo para assegurar o futuro. Esta tendência será cada vez mais forte e sobretudo nas camadas mais jovens que sabem bem o que os espera nessa matéria, no longo prazo. Por outro lado, as empresas têm cada vez mais uma filosofia de responsabilidade social, o que as obriga a ter políticas de recursos humanos na área dos benefícios sociais que as coloquem em patamares relevantes face à posição que querem assumir num mercado concorrencial a todos os níveis (reputação, atratividade recursos humanos, etc...). Assim sendo, os famosos e tão falados segundo e terceiro pilares de Proteção Social terão mesmo que crescer para responder a essas necessidades e essas tendências inevitáveis. Aí o setor segurador já tem as respostas todas para dar: de facto, nas últimas décadas, as seguradoras apetrecharam-se muito bem com todos os produtos e serviços que cobrem todas as necessidades ao nível das empresas e ao nível das pessoas individualmente, nas áreas sociais. Efetivamente, existem soluções flexíveis e adaptáveis às mais variadas situações das empresas e dos particulares. Na área dos seguros de risco (morte invalidez e acidentes), deve destacar-se o facto do custo dos seguros ser baixo e portanto acessível a quase todos. Cabe às seguradoras promover fortemente estes produtos que nem sempre são os mais conhecidos ou procurados. No setor da saúde pode dizer-se que tem havido um crescente interesse da população por estes seguros (aumento permanente do volume de prémios), o que demonstra a sua plena adequação ao mercado; aliás, é o único ramo de seguros que parece não ter sido afetado pela crise atual. Finalmente no campo da poupança e reforma destacam-se, na área dos particulares, os Planos Poupança Reforma (PPR), que têm feito um percurso notável no mercado nas últimas décadas e que já são conhecidos de todos os portugueses, em grande medida pelo sucesso dos PPR seguros, dadas as garantias de estabilidade e segurança que vêm oferecendo. Na área das empresas há também soluções várias para construir planos de pensões, através de seguros coletivos ou de fundos de pensões, à semelhança do que acontece nos países mais desenvolvidos nesta matéria. Em todos estes campos existe uma enorme diversidade de respostas, uma concorrência e transparência total e um controlo significativo das autoridades reguladoras (pelo Instituto de Seguros de Portugal). Portanto, temos um mercado segurador evoluído, maduro, controlado, transparente e com forte concorrência e, logo, uma muito boa proteção do cliente final. Penso que estão reunidas todas as condições para que o setor segurador contribua efetivamente para ajudar a construir a tão necessária proteção social do primeiro e segundo pilares, para assim compensar o recuo inevitável dos sistemas estatais e mais uma vez confirmar a função eminentemente social da atividade seguradora e o seu papel relevante na proteção das pessoas.

3 Pág: 12 Área: 26,00 x 31,84 cm² Corte: 3 de 7 Os âmbitos particulares e empresariais são potenciadores de novos negócios no setor segurador PAULO ALEXANINO ANTÓNIO CASTANHO CA Vida A conjuntura económica verificada nos últimos anos tem forjado novos comportamentos nos consumidores. De facto, tanto o aumento do desemprego como a perspetiva de queda das pensões tem conduzido à diminuição do consumo, levando a população portuguesa a ter uma perceção mais realista do seu orçamento familiar. Efetivamente, a quebra de rendimentos associada à fragilidade do sistema de segurança social e aos cortes nos apoios sociais do Estado forçaram os portugueses a recuperar os hábitos de poupança esquecidos durante os anos de expansão do crédito. Mas o recuo do Estado na sua função social reflete-se não só ao nível particular. De facto, a diminuição das compartições do Estado na saúde, com impacto direto dos medicamentos e exames e no aumento das taxas moderadoras, acrescida ainda do corte nas pensões de reforma, tem levado a que as empresas tenham vindo a substituir o Estado em algumas destas vertentes. Face à redução do poder de compra dos seus trabalhadores, muitas empresas têm utilizado os seguros de saúde, os seguros de vida e os fundos de pensões, como meios de reconhecimento das suas equipas, com elevada perceção por parte de quem recebe estes mesmos benefícios. Os âmbitos acima referidos, o particular e o empresarial, são potenciadores de novos negócios dentro do setor segurador. Nos últimos anos, a população portuguesa tomou consciência, da pior forma, de que o Estado, por si só, não pode ser o único meio de suporte em situações inesperadas, como sejam a doença, o desemprego, a reforma e até mesmo a morte. Resultantes desta consciência, os seguros, nas suas diversas abrangências, surgem como uma alternativa cada vez mais presente, sendo a solvabilidade e a solidez do setor segurador, também fatores tidos em consideração. Os jovens de hoje, ao iniciarem a sua carreira profissional, precisam de ter a noção de que grande parte da sua reforma vai depender deles próprios. As famílias portuguesas precisam de ter noção de que as pensões de invalidez ou de sobrevivência são insuficientes para as despesas do dia-a-dia. É também nestas novas perceções que se abrem as portas para novas oportunidades no setor segurador. A mentalidade dos portugueses tem de mudar para patamares idênticos aos restantes países europeus, em que os seguros não são encarados como um custo ou despesa extra, mas sim como uma proteção para o futuro. Propor a solução certa para cada cliente será o desafio JAN DE POOTER Ocidental Seguros O Estado social faz parte da matriz identitária europeia e portuguesa e os seus avanços e recuos não têm necessariamente que impactar de forma negativa ou positiva no setor segurador. Historicamente, o setor segurador apresentou níveis de crescimento superiores, quando não se equacionava qualquer ajuste face à realidade demográfica e económica. As oportunidades existem onde há necessidades e o que faz a diferença é a capacidade de as antecipar e de proporcionar respostas adequadas, o que as seguradoras têm demostrado. Operamos num mercado com expectativas cada vez mais exigentes sobre oferta, qualidade, proximidade e serviço e é no propor a solução certa, de forma eficaz e no timing adequado, para cada cliente, que está o desafio. As seguradoras têm sido capazes de descolar da abordagem tradicional que caracterizava o setor segurador, desenvolvendo soluções inovadoras e diferenciadas, cada vez mais próximas dos clientes, apostando na personalização e conveniência, nomeadamente através do recurso a novos canais de distribuição, digitalização e novas tecnologias, que serão geradores de oportunidades de negócio e eficácia operacional, com impacto positivo nos resultados e benefício para a atividade. Dar respostas personalizadas que permitam capitalizar a apetência para soluções de proteção para a reforma e para aforro contínuo e acessível, bem como o enraizar do valor acrescentado dos seguros não obrigatórios para as famílias, por exemplo de saúde, de vida e de acidentes pessoais, permitirão maximizar estes indicadores de vitalidade do mercado. Seguradoras atuam como salvaguarda de estabilidade financeira SANA MOÁS Direct O recuo do Estado Social cria naturalmente oportunidades de negócios, seja para o setor segurador, seja no contexto de outros setores da economia portuguesa. Contudo, é importante sublinhar aqui que, mais do que portas abertas para a expansão de negócio, este panorama permite reforçar o papel das seguradoras enquanto parceiras na proteção de particulares, famílias e empresas. As seguradoras atuam de facto como salvaguarda de prevenção de risco e estabilidade financeira e são, OJE/VICTOR MACHADO assim, essenciais num contexto em que o leque de garantias do Estado Social se reduz.

4 São cada vez mais as empresas a ocupar o lugar do Estado Social Pág: 13 Área: 26,00 x 13,01 cm² Corte: 4 de 7 OSCAR HERENCIA MetLife Há maior consciencialização individual e coletiva do papel que um seguro representa enquanto investimento e segurança para o futuro A evolução dos últimos anos diznos que a tendência passará por serem os particulares, as empresas e os empresários a assumirem responsabilidades sociais que até há pouco tempo atrás eram largamente suportadas pelo Estado Social. E, em particular no setor segurador e face ao contexto económico atual, há uma maior consciencialização individual e coletiva do papel que um seguro representa enquanto investimento e segurança para o futuro. Nessa perspetiva, o recuo do Estado Social abre, naturalmente, não só novas oportunidades de negócio às seguradoras, mas também a obrigação destas de fornecerem aos cidadãos as soluções certas para as suas necessidades. Seja através da atividade de proteção de famílias e empresas, seja na promoção e incentivo à poupança, a verdade é que o setor segurador desempenha um papel fundamental na sustentabilidade económica. Acredito, aliás, que são cada vez mais as empresas a ocupar, hoje, o lugar do Estado Social e, sem a atividade seguradora, em particular, muitos negócios e empregos deixariam de existir e muitas famílias não teriam a proteção adequada nos momentos mais adversos. Por isso, face ao papel que desempenha como elemento estabilizador e, em certos casos, reparador das consequências indesejadas nas nossas vidas, as oportunidades de negócio neste setor devem ser consideradas numa ótica de salvaguarda do bem-estar futuro dos cidadãos.

5 Pág: 14 Área: 26,00 x 31,75 cm² Corte: 5 de 7 Se o SNS continuar a ser cilindrado aumenta a proteção privada JOSÉ ANTÓNIO DE SOUSA Liberty Seguros É uma pergunta que se faz de maneira assim simples, mas que é de resposta muito complexa. Em primeiro lugar o Estado Social é muito amplo. Nessa categoria ou designação entra tudo, desde o Rendimento Social de Inserção, o Rendimento Mínimo Garantido, até pensões de reforma estatais, que não estão atuarialmente sustentadas por aquilo que as pessoas realmente descontaram, mas num acordo geracional que já não é valido, passando por sistemas educativos gratuitos, subsídios de toda a ordem, sistemas e subsistemas de saúde tendencialmente gratuitos, apoio à velhice, e um infindável etc., em termos das formas multifacetadas e variadas que o Estado Social assume na nossa sociedade. O recuo no Estado Social devese a vários fatores, mas principalmente a dois: - O abuso obsceno na atribuição de benefícios (pensões atribuídas a quem quase não descontou, subsídios atribuídos a quem não o merece ou justifica, apoios financeiros ou de outra ordem a quem não precisa, mas se aproveita da falta de controlo para os obter de forma fraudulenta, dispensa de propinas a quem tem dinheiro de sobra para as pagar, saúde tendencialmente gratuita para todos, sem distinção por categorias de rendimento, fraudes, etc.) - O custo de tudo aquilo que se faz e atribui sob a ampla designação de Estado Social é impagável em Portugal. Não geramos com o nosso trabalho os recursos, não geramos a riqueza que permita ser tão generosos como somos na atribuição de benefícios. O Estado gasta todos os anos na totalidade uns 10 a 15 mil milhões mais do que o que arrecada e o que arrecada tem vindo a subir dramaticamente, asfixiando as famílias e as empresas. Pelo que, queiramos ou não, o Estado tem mesmo de cortar despesa. Porque cada vez é mais difícil obter financiamento para a parte dos gastos que excede o que o Estado arrecada. No contexto como o descrito, esse tal recuo do Estado Social (no fundo cortar as gorduras e os abusos que não podem ser pagos), poderá ter marginalmente um impacto positivo em algumas partes do setor segurador. Por exemplo, se o Serviço Nacional de Saúde continuar a ser cilindrado, é provável que aquelas pessoas que têm rendimento disponível aumentem a sua proteção privada através de seguros ou planos de saúde complementares. Mas em tudo aquilo que o tal recuo do Estado Social signifique menor rendimento disponível para as famílias, o impacto no setor segurador é negativo. No orçamento familiar a educação, a alimentação e a saúde dos filhos terão sempre primazia sobre os seguros. Aumento da fiscalidade tem estimulado empresas a procurar novos benefícios para colaboradores O setor segurador deverá assumir maior protagonismo JOÃO PEO BORGES CA Seguros De uma forma geral, o recuo do papel do Estado na economia e na sociedade cria oportunidades para os agentes económicos privados, e isso também é verdade para as companhias de seguros. Uma das áreas mais relevantes é a dos cuidados de saúde, onde é notório que as restrições orçamentais, que afetam o Serviço Nacional de Saúde e o aumento das taxas moderadoras, têm provocado uma maior procura dos seguros de saúde, por parte das famílias. Nos ramos Não Vida, o ramo doença é praticamente o único que tem crescido consistentemente nos últimos anos. Adicionalmente, o forte aumento da fiscalidade tem estimulado as empresas a procurar novas formas de atribuir benefícios aos seus colaboradores, incluindo a oferta de seguros de saúde que também cobrem os seus familiares, para além de seguros de acidentes pessoais e de seguros de vida. Em paralelo, a perspetiva de redução contínua das reformas da segurança social tem também estimulado as famílias a subscreverem soluções de poupança privada, para o que estão particularmente adaptados os planos de poupança reforma e outros seguros de capitalização. ANTÓNIO BELO MAPFRE Na procura da sustentabilidade, os países mais desenvolvidos estão confrontados com a necessidade de introduzir ajustamentos significativos ao modelo de Estado Social que têm vindo a desenvolver no período pós guerra. Se, por um lado, os Estados não estão a ser capazes de encontrar fórmulas adequadas para gerar criação de emprego, por outro, a evolução da pirâmide demográfica coloca enorme pressão na manutenção dos atuais benefícios dos sistemas de saúde e reforma. Com esta perspetiva, e relevando a consistência e solidez que tem manifestado, o Setor Segurador deverá assumir progressivamente um maior protagonismo na complementaridade aos sistemas públicos de segurança social.

6 Há que despertar os portugueses para soluções que complementem a proteção da vida Pág: 15 Área: 10,53 x 31,07 cm² Corte: 6 de 7 VIOLETA CIUREL AXA Portugal Um cenário de possíveis reduções do rendimento disponível pelas pessoas e famílias, ou de apoios sociais, pode inviabilizar a procura de soluções alternativas para a satisfação das suas necessidades, entre as quais a contratação de um seguro não é exceção. Por outro lado, é natural que as classes sociais com maiores rendimentos disponíveis procurem alternativas que ajudem a dar resposta às suas necessidades, tais como assistência médica ou reforço das pensões de reforma. Neste contexto, os seguradores podem e devem desempenhar um papel preponderante, oferecendo alternativas de proteção e de segurança em alguns eixos mais significativos, como por exemplo a proteção social dos colaboradores das empresas, potenciando no meio empresarial um real espaço de crescimento para a intervenção do setor segurador e, consequentemente, a retenção dos colaboradores das empresas (por exemplo, através de seguros de saúde), com o incentivo dos benefícios fiscais para a empresa. É papel dos seguradores apresentar aos empresários propostas inovadoras e atrativas de benefícios. Outro eixo significativo é o da proteção da vida e das famílias, cabendo aos seguradores despertar os portugueses para soluções que complementem a proteção da vida e a poupança. Finalmente, penso que existe ainda um espaço de Educação e Incentivo à poupança, uma responsabilidade que os seguradores O nosso desafio diário é desenvolver soluções e serviços que vão ao encontro do que os clientes valorizam e necessitam devem assumir perante a sociedade e clientes. Este é um campo onde a AXA tem apostado fortemente, nomeadamente através do Programa Junior Achievement, onde Voluntários do Conhecimento AXA levam a temática da proteção e prevenção aos mais jovens, em escolas e instituições; de serviços inovadores que permitem aos nossos clientes poupar em compras de produtos e serviços diversos de forma simples e direta, através de soluções inovadoras; atuando ainda através da prevenção, ajudando os nossos clientes a reduzir riscos e custos. Na AXA trabalhamos já nesse sentido, disponibilizando ferramentas de diagnóstico online ou presencial, de análise do risco a que as empresas estão expostas, seguido de aconselhamento especializado, bem como sites informativos e educativos de prevenção e poupança. E é este o nosso desafio diário, desenvolver soluções e serviços que vão ao encontro do que os nossos clientes mais valorizam e necessitam. Fazendo-o com uma atitude responsável, com a preocupação de proteger o presente e o futuro dos nossos clientes, contribuindo para que tenham uma vida mais serena, a nossa missão enquanto segurador ganha outra dimensão e é muito mais gratificante.

7 Pág: 16 ID: Há maior consciencialização dos portugueses para a importância de poupar Área: 26,00 x 31,07 cm² Corte: 7 de 7 O crescimento dos PPR traduz a desconfiança no Estado ANTÓNIO BICO Zurich Os portugueses estão hoje mais sensibilizados para a poupança, em virtude da situação económica com fortes repercussões no poder de compra das famílias nos últimos anos. A incerteza no mercado de trabalho tem também implicado uma maior cautela dos portugueses que, de acordo com os dados mais recentes disponibilizados pelo INE, indicam que a taxa de poupança das famílias estabilizou em torno dos 10% do rendimento disponível, recuperando dos valores registados em O aumento da esperança média de vida e a diminuição da taxa da natalidade associados à situação económica do país contribuem para uma maior consciencialização dos portugueses para a importância de poupar. O setor segurador tem mostrado estar atento às oportunidades que advém do recuo do Estado Social, já que começa a ser interiorizada na sociedade a ideia de que a reforma completa e para todos não está garantida. É importante que cada família continue a poupar na medida dos seus rendimentos. A poupança começa por algum lado e mesmo por pequenas quantias. No último ano e, de acordo com a Associação Portuguesa de Seguradores, os PPR e os seguros de vida, captaram 2,4 mil milhões de euros e representaram cerca de 10% dos montantes investidos. GONÇALO COUTINHO Real Vida Com o produto interno bruto (quando medido a preços constantes) ao nível de 2003 e cerca de 7,5% abaixo dos seus máximos anteriores de 2008, a comunicação social e a opinião pública em geral têm vindo a reconhecer gradualmente a crescente dificuldade que o Estado continuará a ter no cumprimento das suas funções sociais, nomeadamente no que se refere ao pagamento de pensões de reforma, nas suas componentes de Pensão de Velhice, Pensão Social de Velhice e Complemento Solidário de Velhice. O principal desafio do país, aliás bem visível na primeira avaliação do Fundo Monetário Internacional após a conclusão do programa de assistência financeira, continua a ser aumentar o seu potencial de crescimento no médio prazo. Só dessa forma poderá provavelmente o Estado evitar um maior recuo do Estado Social. Tal como é referido pelo mesmo relatório, a margem em termos orçamentais continua a ser reduzida, tendo em conta a necessidade de assegurar a sustentabilidade da dívida pública portuguesa, que segundo a mesma instituição deverá atingir 127,8% do PIB no final deste ano. Poder-se-á, portanto, concluir que provavelmente este enquadramento de dificuldade por parte do Estado para assegurar o cumprimento das suas funções sociais com o mesmo nível de qualidade poderá prolongar-se nos mais próximos anos. Apesar da saída com sucesso do programa de assistência financeira, a implementação das reformas necessárias não está concluída, num processo que se espera prolongado no tempo. De referir que este tema não é específico a Portugal, mas abrange outros países na Europa. Aliás, a Europa apresenta gastos em Segurança Social, quando medido em percentagem do PIB, bem acima dos valores apresentados pelo EUA ou pela média dos países da OCDE. Utilizando dados de 2013 divulgados por esta organização internacional, os gastos com a Segurança Social em Portugal atingiram 26,4% do PIB no ano passado, abaixo de Espanha (27,4%), Itália (28,4%) e França (33%), A Europa apresenta gastos em Segurança Social, quando medido em percentagem do PIB, bem acima dos valores apresentados pelo EUA ou pela média dos países da OCDE não muito diferente de Alemanha (26,2%), mas bem acima da média para os países da OCDE (21,9%). Ou seja, um tema comum a outros países europeus, num enquadramento de fraco crescimento económico que é também é observado em países como Itália ou França. Para o setor segurador português, este enquadramento tem criado naturalmente várias oportunidades, uma tendência que esperamos que se prolongue nos próximos anos, não só através de produtos na área dos Seguros de Poupança e Investimento ou Seguros de Vida, como no que se refere a produtos no segmento de reformas, ou seja Planos Poupança Reforma (sob a forma de seguros ou de fundos de investimento). Tratase de produtos financeiros que se destinam a assegurar um complemento de reforma e que esperamos que continuem a ser utilizados de forma crescente para reforçar o peso dos produtos de complemento de reforma privados nas opções de poupança dos portugueses. O crescimento na procura destes produtos deverá continuar a traduzir a desconfiança sobre a capacidade de o Estado assumir as suas obrigações no que se refere ao regime da Segurança Social, não esquecendo que a definição do regime fiscal aplicado a estes produtos também continuará a ser importante.

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura Seminário Orçamento do Estado 2016 3 de Dezembro de 2015 Auditório da AESE Discurso de abertura 1. Gostaria de dar as boas vindas a todos os presentes e de agradecer à AESE, na pessoa do seu Presidente,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras

Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras José Figueiredo Almaça Instituto de Seguros de Portugal 21 de fevereiro de 2014 ÍNDICE 1. Principais indicadores do mercado segurador

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa 18 de Novembro Maria Margarida Corrêa de Aguiar margaridacorreadeaguiar@gmail.com TÓPICOS DEFINIÇÕES

Leia mais

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social O Ministro das Finanças apresentou recentemente o "Documento de Estratégia Orçamental 2011-2015", que contém diversas medidas a

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Posicionamento Estratégico e Fundo de Apoio ao Empreendedorismo

Posicionamento Estratégico e Fundo de Apoio ao Empreendedorismo Posicionamento Estratégico e Fundo de Apoio ao Empreendedorismo FUNDAÇÃO AEP Fomentar uma verdadeira cultura de empreendedorismo, da valorização e dignificação do papel social do empresário e da modernização

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

A sustentabilidade energética e a estratégia Europa 2020: Que oportunidade para um novo papel do poder local em Portugal?

A sustentabilidade energética e a estratégia Europa 2020: Que oportunidade para um novo papel do poder local em Portugal? A sustentabilidade energética e a estratégia Europa 2020: Que oportunidade para um novo papel do poder local em Portugal? Como é do conhecimento geral, a Estratégia de Lisboa definida pela Comissão Europeia

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente.

SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente. Programa do Governo SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente. Como qualquer reforma sustentada, tem de se basear no justo equilíbrio entre criação

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado 17-03-2006 13:11:00. Fonte LUSA. Notícia SIR-7829164 Temas: economia portugal finanças sociedade LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado DATA:. ASSUNTO: Conferência

Leia mais

Segurar a Segurança Social - Soluções para uma sociedade em envelhecimento

Segurar a Segurança Social - Soluções para uma sociedade em envelhecimento Segurar a Segurança Social - Soluções para uma sociedade em envelhecimento I - INTRODUÇÃO Um dos principais desafios que se colocam para o futuro da sociedade europeia, assim como da portuguesa, é encontrar

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

I - Exposição de motivos

I - Exposição de motivos Projeto de Resolução n.º 14/XIII/1ª Recomenda ao Governo a criação de um programa de desenvolvimento social I - Exposição de motivos «Nos últimos quatro anos, Portugal viveu uma situação excecional e venceu-a;

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Junho de 2013 ARTIGO. Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Junho de 2013 ARTIGO. Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde ARTIGO CAP Luís Pereira Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde Cada país da Europa desenvolveu, ao longo de décadas ou de séculos, um modelo de sistemas de saúde que assenta em características

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS FORMADORA: MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: MARIA ANTÓNIA PAULO ELIAS SEGURANÇA SOCIAL A Segurança Social Portuguesa está sob a tutela do Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco Espírito Santo, S.A.

Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco Espírito Santo, S.A. 1 de 5 04-08-2014 8:34 www.bportugal.pt O Banco e o Eurosistema > Intervenções públicas Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco

Leia mais

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética I Introdução Considerando que se aproxima um novo ciclo eleitoral e que o mesmo deve ser aproveitado para um sério e profundo debate político que confronte as propostas dos diferentes partidos relativamente

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

Rua Comendador Raínho, 1192, 3700-231 S. João da Madeira Tlf.: +351 256 826 832/ 234 Fax: +351 256 826 252 geral@amrconsult.com www.amrconsult.

Rua Comendador Raínho, 1192, 3700-231 S. João da Madeira Tlf.: +351 256 826 832/ 234 Fax: +351 256 826 252 geral@amrconsult.com www.amrconsult. 1 s & amrconsult 2010 2 1- Enquadramento: No último estudo realizado pelo INE sobre em Portugal, conclui-se que Portugal é o terceiro país da EU com taxa de criação de empresas mais elevada (14,2%). No

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA As alterações no sistema de Segurança Social, bem como a importância da manutenção do nível de vida após a idade de aposentação, têm reforçado

Leia mais

mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, muda-se o ser, muda-se a confiança. Todo o mundo é composto de mudança tomando sempre novas qualidades.

mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, muda-se o ser, muda-se a confiança. Todo o mundo é composto de mudança tomando sempre novas qualidades. Seminário Envelhecimento da População Consequências Económicas, Sociais e Organizacionais 26 de junho de 2013 O soneto que estudámos de Luís de Camões, depois cantado numa interpretação livre nos anos

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

* DOCUMENTOS DE APOIO *

* DOCUMENTOS DE APOIO * E m A N Á L I S E * DOCUMENTOS DE APOIO * Nº 10 Dezembro 2006 Gabinete de Investigação e Projectos Reforma da Segurança Social Síntese Portugal dispõe de um Sistema Público de Segurança Social que se desenvolveu

Leia mais

Projeto Healthy n Portugal. O Turismo de Saúde e Bem-Estar associa-se, assim, a novos tipos de valências, com crescente demanda nos nossos dias.

Projeto Healthy n Portugal. O Turismo de Saúde e Bem-Estar associa-se, assim, a novos tipos de valências, com crescente demanda nos nossos dias. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO FERREIRA DE BARROS, NA SESSÃO DE LANÇAMENTO DO PROJETO HEALTHY N PORTUGAL, SOB O TEMA «EXPANSÃO DO MERCADO DOS CUIDADOS

Leia mais

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento Índice Pág *09 Como participar Pág *10 Calendário Pág *11 Os resultados Pág *12 Júri Pág *13 Regulamento Pág *01 Introdução Pág *02 Um programa alargado de intervenção Pág *05 Viver de Consciência Leve

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses

O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses A conferência de imprensa realizada por Paulo Portas e pela

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

Associação Portuguesa

Associação Portuguesa Associação Portuguesa de Estudos sobre Aforro, Investimento e Pensões de Reforma Sistemas de Segurança Social em Portugal: Arquitectura de um Novo Modelo Social e Contributos para o Debate sobre a Reforma

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO BUSINESS BRIEFING Análise IPD 2011 MAIO 2012 INTRODUÇÃO O Investment Property Databank (IPD) é um índice que analisa o retorno do investimento institucional direto em ativos imobiliários, assumindo-se

Leia mais

POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL

POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL 1 POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL Senhora Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores Membros

Leia mais

Raul Marques. Poupança: Onde colocar o meu dinheiro

Raul Marques. Poupança: Onde colocar o meu dinheiro Raul Marques 27 de Novembro de 2010 Sociedade de consumo Evolução do consumo privado (%PIB) Portugal vs Alemanha Fonte: Banco de Portugal, Eurostat 27 de Novembro de 2010 2. Aumento do endividamento das

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Nota Técnica Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Tal como sucedeu com a maior parte dos regimes de proteção social da Europa, também o sistema português evoluiu de um regime de seguros

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

O Partido Socialista votou na generalidade, e votará, na votação final global, contra a proposta de Orçamento de Estado para 2015

O Partido Socialista votou na generalidade, e votará, na votação final global, contra a proposta de Orçamento de Estado para 2015 O Partido Socialista votou na generalidade, e votará, na votação final global, contra a proposta de Orçamento de Estado para 2015 Esta é uma proposta de Orçamento de fim de ciclo político e sem rumo, à

Leia mais

C O N V I T E 1. A PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 1 BENCHMARKING DO DESEMPENHO DE EMPRESAS CONSTRUTORAS SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 2

C O N V I T E 1. A PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 1 BENCHMARKING DO DESEMPENHO DE EMPRESAS CONSTRUTORAS SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 2 1 BENCHMARKING DO DESEMPENHO DE EMPRESAS CONSTRUTORAS SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 2 C O N V I T E 1. A PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 1 Com o apoio do InCI, a FEUP desenvolveu um projeto

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE

NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE A APFN assinala como muito positivo o reconhecimento de que só um conjunto de políticas de família

Leia mais

Senhor Secretário de Estado, Senhores Embaixadores, Senhores Governadores, Minhas Senhoras e meus Senhores,

Senhor Secretário de Estado, Senhores Embaixadores, Senhores Governadores, Minhas Senhoras e meus Senhores, Intervenção do Governador do Banco de Portugal, Carlos da Silva Costa, no XXV Encontro de Lisboa sobre Governação das instituições de crédito e estabilidade financeira 1 Senhor Secretário de Estado, Senhores

Leia mais

Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013

Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013 Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013 Contributos conjuntos do Conselho Geral e do Reitor em resposta à solicitação de 22 de outubro de

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Fiscalidade de Seguros

Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros (aplicável a partir de 01 de Janeiro de 2015) O presente documento tem natureza meramente informativa, de carácter necessariamente geral, e não constitui nem

Leia mais

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15 Agências de Viagens ÍNDICE Sumário Executivo 3 da procura - inverno 2014/15 Portugal - NUTS II Portugal - Principais NUTS II Principais 4 5 6 da procura - verão

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014 V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável Montijo 14 de Novembro de 2014 1. Saudação Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal do Montijo Exmo. Sr.

Leia mais

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal 1. Fundamento A reforma na Suíça apoia se em três pilares, a saber a AHV ("Eidgenössische Invaliden und Hinterlassenenverswicherung"

Leia mais

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CANEÇAS ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO SEGURANÇA SOCIAL A DESPESA DA POBREZA Bruno Simões, nº 6 12º D David Figueira, nº 9-12º D Fábio Vilela, nº 13 12º D Professores: Ana Rita Castro

Leia mais

A visão Social da Previdência Complementar. Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva

A visão Social da Previdência Complementar. Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva A visão Social da Previdência Complementar Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva Protecção Social Obrigatória vs Protecção Social Complementar As alterações efectuadas nos últimos anos ao Regime da Segurança

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM DISCURSO PROGRAMA DE GOVERNO 9.11.2015 MSESS PEDRO MOTA SOARES - SÓ FAZ FÉ VERSÃO EFECTIVAMENTE LIDA - SENHOR PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA SENHORAS E SENHORES DEPUTADOS NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS

Leia mais

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação A Engenharia Portuguesa no Mundo Internacionalização e Exportação CARLOS MATIAS RAMOS, Bastonário da Ordem dos Engenheiros Começo por citar um texto da autoria do Eng. Ezequiel de Campos, que consta do

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 19 de novembro de 2014 Índice Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 1 Atividade regulatória

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo REFORMAS E PENSÕES EM PORTUGAL PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo 20 de Fevereiro de 2014 Quem Somos > Os Nossos Valores > Ativos Sob Gestão

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais

O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias

O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias Natália Nunes Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado CONFERÊNCIA HABITAÇÃO, ARRENDAMENTO

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões

Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões Jorge Miguel Bravo Universidade Évora Economia & Universidade Nova Lisboa - ISEGI jbravo@uevora.pt / jbravo@isegi.unl.pt Fundação Calouste Gulbenkian, 7 de Outubro

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Projeto de Lei n.º 818/XII/4ª

Projeto de Lei n.º 818/XII/4ª Projeto de Lei n.º 818/XII/4ª Determina a obrigatoriedade de as instituições de crédito disponibilizarem uma conta de depósito à ordem padronizada, designada de conta base, e proíbe a cobrança de comissões,

Leia mais

V Congresso da Indústria Portuguesa Agro-Alimentar COMPETITIVIDADE E CRESCIMENTO. Intervenção do Presidente da FIPA

V Congresso da Indústria Portuguesa Agro-Alimentar COMPETITIVIDADE E CRESCIMENTO. Intervenção do Presidente da FIPA V Congresso da Indústria Portuguesa Agro-Alimentar COMPETITIVIDADE E CRESCIMENTO Intervenção do Presidente da FIPA Exmo. Secretário de Estado Agricultura, Exmo. Senhor Presidente da CIP, Estimados associados

Leia mais

Ponto da situação sobre a aposentação

Ponto da situação sobre a aposentação Ponto da situação sobre a aposentação Com a publicação da Lei nº 11/2008, de 20 de Fevereiro, são introduzidas mudanças pontuais ao regime de aposentação que já tinha sido alterado nos anos mais recentes.

Leia mais

Eurobarómetro Standard 80. OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA Outono 2013 RELATÓRIO NACIONAL PORTUGAL

Eurobarómetro Standard 80. OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA Outono 2013 RELATÓRIO NACIONAL PORTUGAL Eurobarómetro Standard 80 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA Outono 2013 RELATÓRIO NACIONAL PORTUGAL Esta sondagem foi encomendada e coordenada pela Comissão Europeia, Direcção-Geral da Comunicação Este

Leia mais

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo?

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo? SEGURO VIDA Que tipo de seguros são explorados no ramo vida? A actividade do ramo Vida consiste na exploração dos seguintes seguros e operações: Seguro de Vida, Seguro de Nupcialidade /Natalidade, Seguro

Leia mais

Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo

Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo nº3a Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo Dados e factos 1. O financiamento actual da segurança social não é sustentável: há cerca de 5 milhões de trabalhadores

Leia mais

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO sumário executivo Organização Internacional do Trabalho PERSPETIVAS SOCIAIS E DE EMPREGO NO MUNDO Mudança nas modalidades do emprego 2 015 perspetivas sociais e de emprego no mundo Mudança nas modalidades

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

A Saúde dos Portugueses que caminhos?

A Saúde dos Portugueses que caminhos? A Saúde dos Portugueses que caminhos? APRESENTAÇÃO Universidade A da [CLIENTE] Beira Interior Covilhã, 19.Maio.2007 PAGE 1 AGENDA Serviço Nacional de Saúde Financiamento privado: o caso MultiCare MultiCare

Leia mais

EFEITO IVA A 23% NO MERCADO DE FITNESS

EFEITO IVA A 23% NO MERCADO DE FITNESS EFEITO IVA A 23% NO MERCADO DE FITNESS ESTUDO AGAP AGAP AGAP Associação de Ginásios de Portugal 1 APRESENTAÇÃO AGAP AGAP é a única associação portuguesa que representa ginásios e health clubes Tem 750

Leia mais

C&A aumenta quota de mercado na Europa em 2011

C&A aumenta quota de mercado na Europa em 2011 Comunicado de Imprensa Abril 2012 Empresa cresce e continua a investir C&A aumenta quota de mercado na Europa em 2011 Investimentos em atuais e novas lojas Aposta nas lojas on-line Aumento nas vendas de

Leia mais

orçamento no seu Faça obras pelos bancos que podem ajudar na tarefa. Saiba o que existe, para que serve e como pode utilizar.

orçamento no seu Faça obras pelos bancos que podem ajudar na tarefa. Saiba o que existe, para que serve e como pode utilizar. Faça obras no seu orçamento Se quer planear as suas poupanças, há ferramentas disponibilizadas pelos bancos que podem ajudar na tarefa. Saiba o que existe, para que serve e como pode utilizar. Faça obras

Leia mais

Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções. Documento de trabalho

Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções. Documento de trabalho Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções Documento de trabalho Para pedir às pessoas que colaborem activamente na sustentabilidade

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

traçam 'plano de ataque'

traçam 'plano de ataque' Seguradoras contra a crise traçam 'plano de ataque' Com os rendimentos das famílias cada vez mais reduzidos, as seguradoras têm-se empenhado em oferecer pacotes mais atractivos aos clientes, que vão desde

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Relações Públicas e Comunicação Empresarial Disciplina: Comunicação Corporativa 6ºSemestre Responsabilidade Social Empresarial Docente: Tiago Ramos Discente: Vanessa Gomes Rolim nº5682 Lisboa, 26 de Abril

Leia mais