ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE CONTABILIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE CONTABILIDADE"

Transcrição

1 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE CONTABILIDADE Thiago de Oliveira Souza José Orlando Gomes Mário César Rodriguez Vidal Departamento de Engenharia Industrial DEI/EP/UFRJ GENTE /COPPE/UFRJ The purpose of this study is to identify the problems related to work at thefiscal Department of MAC Assessoria Contábil and propose solutions.this is done by means of the methodology of Ergonomic Work Analysis (EWA), which seeks to improve work conditions, promote employees's health and prevent accidents, in order to increase productivity, but considering work fewer expenses with dismissals of employees and worker absenteeism Ergonomics, Production Management, Work Analysis 1. INSTRUÇÕES E ANÁLISE DA DEMANDA Este trabalho foi realizado em uma empresa de contabilidade denominada MAC Assessoria Contábil situada na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Trata-se de uma microempresa que presta serviços nas diversas áreas de contabilidade: Departamento de Pessoal (trabalhista); Departamento Fiscal (impostos em geral) e Departamento Contábil, (escriturações de movimentação e fechamento). Diversos problemas emergiram quando da instrução e análise da demanda. De uma maneira geral estão relacionados ao ambiente de trabalho: circulação de ar deficiente, mobiliários inadequados e uma queixa muito expressiva relacionada a uma permanência excessiva no computador, mais especificamente no Departamento Fiscal. 2. ESTUDOS PRELIMINARES 2.1. Contingências e contexto da empresa A empresa atua no setor de prestação de serviços contábeis e é caracterizada como uma empresa de tamanho médio se comparada às demais. Devido ao seu tempo de funcionamento no setor, a empresa goza de prestígio junto ao empresariado local e tem uma certa estabilidade de clientela. Esta é formada basicamente por micro e pequenas empresas (aproximadamente 55 no total, contra 300 da líder). A competição na cidade é muito acirrada, visto o grande número de concorrentes, bem como a existência de escolas de formação de técnicos de contabilidade que anualmente coloca uma quantidade nada desprezível deles no mercado. Em 1995 foi implantada a informatização na empresa. Anteriormente, os relatórios, formulários, balancetes, tudo era feitos manualmente. Quando da implantação da informática no escritório houve resistência por parte dos empregados e alguns se desligaram da empresa. Os programas são feitos sob encomenda por uma firma de programação que também fornece suporte e atualizações. Atualmente quase tudo é feito nos computadores dos três setores. Os gerentes classificam o sistema de informatização da empresa como razoável e pretende-se adquirir novos computadores num futuro próximo.

2 2.2. Estudo da população de trabalho O horário de trabalho é de 8h às 18h com duas horas de almoço de segunda-feira a sextafeira. A princípio foram detectados alguns problemas de saúde tais como: rinite e sinusite além de reclamações de dores nos pulsos nas semanas de maior intensidade de trabalho, além de ardência nos olhos devido à exposição frente à tela do computador. Sexo Idade Formação Trajeto casa-trabalho Homens: 66% 20 a 30: 33,3% 2º Grau: 16,7% Até 15 min: 50% Mulheres: 34% 30 a 40: 33,3% Técnico: 33,3% Até 30 min: 50% 40 a 50: 33,3% 3º Grau: 50% Tabela 1: Dados da população de trabalho 3. ESCOLHA DE SITUAÇÕES CARACTERÍSTICAS De acordo com a demanda e o estudo sobre os trabalhadores e a empresa, e seguindo os critérios para escolha das situações características (VIDAL, 1998) centrado em queixas, conseqüências, centralidade e modernidade, a escolha de situações características recai sobre o posto de trabalho do auxiliar do Departamento Fiscal. Isto devido à suas queixas relacionadas ao ambiente: faltas de janelas, fumaça de cigarros, dor nos pulsos, cansaço visual e dores lombares. No que diz respeito às conseqüências da atividade, verificamos a existência de uma pressão temporal razoável: um erro ou falta nesse posto é considerado grave pelo fato deste departamento alimentar o fluxo de informações para o Departamento Contábil. Portanto, um problema aqui terá repercussões com efeito cascata ou dominó. Quanto à centralidade verifica-se que este posto se apresenta como gargalo no processo, pois um atraso ou falta nesse posto teria reflexos a posteriori. Já quanto à modernidade apreende-se que já existe equipamento disponível no mercado com uma performance melhor Queixas Conseqüências Centralidade Modernidade Fiscal Contábil Tributário Figura 1: Os critérios de conseqüências, centralidade e modernidade recebem notas de 1 a 5 a título de comparação.

3 4. ANÁLISES GLOBAIS DAS ATIVIDADES NAS SITUAÇÕES CARACTERÍSTICAS 4.1. Atividade em si mesma Os principais características do trabalho são: leitura de guias, notas fiscais e recibos, além de alguns contratos, procurações e movimentos das empresas. Organizam-se os mesmos dentro de pastas, sendo uma para cada cliente, num total aproximado de 55. Observou-se que, em média, eram lançadas cerca de 500 notas fiscais por dia (o restante do tempo sendo gasto com cálculos, telefonemas, organização dos documentos, redação de textos tais como relatórios e contratos). Via de regra, as notas fiscais lançadas não são todas do mesmo cliente. Algumas empresas têm poucas ou nenhuma nota fiscal, outras, empresas com movimento, tem muitas. Em média, são consultadas/arquivadas notas fiscais de 12 clientes diferentes a cada dia, sendo portanto 12 pastas. Há também a digitação dessas informações no computador (numa média de toques no teclado por dia, entre digitação dos textos e lançamento de notas). As posturas típicas são variações na posição sentada e deslocamentos. As consultas e outras tomadas de informação são, em geral, feitas ao material escrito (contratos, procurações, notas fiscais, movimentos, movimentos acumulados, guias, recibos). Os fluxos de maior atividade nesse departamento são as entradas de impostos no final do mês, em geral a partir do dia 25 (sendo muito intenso a partir do dia 30, seguindo até o 5º dia útil (vencimento do ISS) e, em grande intensidade também até o dia 10 (vencimento dos impostos federais) do mês seguinte, quando a trabalhadora fica por até 8 horas em frente ao computador. 5. PRÉ-DIAGNÓSTICO A mobília inadequada e o excesso de horas em frente ao computador parecem ser os responsáveis pelas dores nos pulsos e lombares. A falta de janelas, o grande número de fumantes e o calor que obriga o uso de ventiladores podem ser os responsáveis pelo agravamento da renite e sinusite. A pouca e inadequada iluminação, a falta de proteção anti-reflexiva na tela, e o excesso de horas em frente ao computador devem estar causando o cansaço, principalmente visual. As fotos ilustram alguns dos problemas encontrados relativos à mobília. 6. DO PRÉ-DIAGNÓSTICO AO DIAGNÓSTICO ERGONÔMICO: AS OBSERVAÇÕES SISTEMÁTICAS De acordo com os problemas relacionados pela diretoria, bem como, principalmente, pelos funcionários, e seguindo o pré-diagnóstico, decidiu-se aprofundar o estudo no Dep. Fiscal. Nesse setor algumas posturas, olhares e gestos de trabalhos foram considerados como relevantes e relacionadas num estudo detalhado que se segue Escopo da Observação sistemática A observação constou de 10 visitas com duração entre 20 e 60 minutos. Observou-se com mais atenção a postura da trabalhadora sentada em frente ao computador devido a suas reclamações. A direção do olhar também teve atenção especial ainda de acordo com a demanda Observáveis mais freqüentes Os principais gestos de trabalho foram separados para facilitar as anotações. Os olhares, devido à demanda de cansaço visual, foram divididos em duas categorias: Olhares curtos, que são olhares para verificação, cópia, comparação, olhares que, em geral, não implicam maior entendimento do que se está copiando ou verificando. Olhares Longos, são aqueles onde o funcionário tem de entender o que está lendo, implica entendimento, apreensão de alguma

4 informação, os olhos ficam mais fixos (quantitativa e qualitativamente) no objeto, como por exemplo, a leitura de um documento. Foram observadas atenta e detalhadamente as posturas adotadas e pausas na atividade. Observaram-se ainda as comunicações e deslocamentos Verbalizações Dado à natureza da atividade e necessidade de concentração da funcionária, além, naturalmente, do respeito por seu trabalho, decidiu-se utilizar verbalizações provocadas consecutivas. Assim, poder-se-ia esperar que a funcionária terminasse sua ação e depois esclarecesse o que, exatamente, foi feito. As verbalizações tiveram importância fundamental na construção da análise ergonômica pois inclusive algumas nuances do trabalho foram elucidadas a partir de esclarecimentos verbais da funcionária. Alguns aspectos das atividades de trabalho não puderam ser diretamente observados. As observações são limitadas no tempo e muitas conseqüências das atividades não são aparentes. Os conteúdos das verbalizações não foram apenas úteis, mas indispensáveis à análise do trabalho. 7. DIAGNÓSTICO ERGONÔMICO 7.1. Construção de hipóteses de trabalho Nesta parte da análise, buscar-se-á explicar, de forma substantiva, o porquê das atividades que são realizadas. Além disso, restringir-se-á a formulação de hipóteses aos dias/postos onde ocorre o maior volume de trabalho obedecendo às situações características. Uma hipótese que explica porque as dores em geral, o cansaço visual, e as outras reclamações se intensificam (as vezes só aparecem) no início do mês no Dep. Fiscal é a concentração de trabalho nesta época. Isso acontece porque as empresas precisam do fechamento dos impostos do mês anterior no início do seguinte e só dispõe dos documentos necessários (notas fiscais) no final do mês anterior. Portanto, os funcionários desse setor dispõe desse prazo (muito curto) onde o trabalho, e as reclamações por conseqüência, intensificam-se. Além disso, o posto de trabalho tem defeitos de projeto. Esses defeitos podem passar despercebidos quando a atividade não é tão grande mas ficam evidentes quando ela aumenta. Algumas hipóteses para os problemas posturais da funcionária são a mobília inadequada, os dispositivos utilizados, arranjo dos periféricos e os hábitos/técnicas de trabalho Argumentação e demonstração Através das observações sistemáticas procuramos demonstrar as nossas hipóteses: A cadeira é baixa, não tem suporte lombar ou para os braços, não é ajustável e o apoio para as costas é pequeno. A parte lombar da coluna não é apoiada na cadeira o que vai forçar a musculatura das costas. A funcionária precisa manter os pulsos flexionados para cima a fim de alcançar o teclado e o mouse. Observam-se ombros e braços em contração estática. A mesa do computador não tem parte alguma ajustável. Além disso, o lugar onde o teclado se encontra é muito estreito, não cabendo junto o mouse, que fica em cima da mesa, distante da funcionária. Observam-se, novamente, pulso, braço e ombro direitos (lado onde fica o mouse) em constante contração estática. O monitor está abaixo da linha dos olhos, levando a funcionária a abaixar o pescoço em 45º quando o ângulo máximo deveria ser de 30º (IIDA, 1995). Além disso, fica a menos de 50 cm dos seus olhos.

5 A luminosidade não é suficiente, especialmente quando a funcionária está na mesa onde faz os trabalhos gerais (cálculos, preenchimento de tabelas, carimbos e outros serviços fora do computador). Seu corpo faz sombra sobre os documentos à sua frente. Ela não usa um suporte para documentos dentro de seu campo de visão enquanto digita os dados, precisando virar continuamente seu pescoço a fim de ler os dados de que precisa. Isso causa desconforto e dores musculares na região do pescoço. Pausas na atividade com o computador para alongamentos não foram observadas, bem como pausas regulares a intervalos de 30 a 45 minutos. A funcionária faz algumas pausas tentando relaxar os olhos, esfregando-os, mas há falta de objetos distantes em que possa focalizar a fim de diminuir a tensão ocular. Não há janelas e o departamento é muito pequeno. Durante o dia, observa-se que tarefas semelhantes são executadas em conjunto. Agrupando as tarefas semelhantes aumentam-se as repetições e, consequentemente, as reclamações. Problemas respiratórios da funcionária são agravados pelo uso contínuo do ventilador. O motivo seria a fumaça de cigarro vinda do Departamento Contábil (contíguo ao Fiscal). O software utilizado é inadequado pois não permite a impressão (sequer a visualização) do movimento acumulado dos clientes. Tal fato contribui sobremaneira para aumentar a atividade no setor. Isso tende a piorar pois um desses relatórios, justamente o de menor periodicidade (mensal) passou a ser obrigatório 1 para todas as empresas, aumentando a necessidade de confecção dos mesmos. Por fim, não há treinamento ergonômico dos funcionários Da observação ao diagnóstico Observou-se a orientação a determinados focos ou objetos. Os fatos que emergiam da observação de uma situação eram confrontados com os de outra. Confrontando, pôde-se perceber o contexto em que se desenvolviam as atividades. A partir das hipóteses de trabalho, procurou-se observar o comportamento da funcionária, especialmente em situações de maior fluxo de atividades. Quanto à organização do espaço, observou-se principalmente a disposição e tipos dos periféricos O Fluxo de atividades O fluxo de atividades pode ser resumido nos passos: As notas fiscais chegam (em geral no final do mês anterior àquele dos lançamentos) a funcionária as organiza e faz os lançamentos (digitação) dos seus valores, datas de vencimento e números (das notas). Após essa primeira etapa, procede-se o carimbo sob o título LANÇADO com espaços a serem preenchidos manualmente à tina destinados à data em que foi feito o lançamento, e à assinatura da funcionária. Após carimbados, datados e assinados, as notas são ordenadas e guardadas na pasta do cliente. 1 A partir do mês de agosto/00, todas as empresas serão obrigadas a apresentar o DAPI, relatório de periodicidade mensal onde são discriminados o valor acumulado de todas as notas emitidas pelo estabelecimento. Até esta data, apenas empresas com movimento eram obrigadas a apresentar esses relatórios. Empresas com movimento são empresas que têm notas de entrada (compra) e de saída (venda).

6 As mesmas notas são usadas na confecção do movimento que consiste em uma tabela preenchida manualmente 2 (sem uso do computador) onde constam os totais acumulados de cada mês e os cálculos (usando a máquina de calcular) de todos os impostos. Tal instrumento, herança da pré-informatização do escritório, é usado para conferência dos valores dos impostos e, principalmente, auxilia na construção dos relatórios que são entregues às Receitas Estadual e Federal periodicamente (variando de acordo com o tipo de relatório). 8. REGISTRO E TRATAMENTO DE DADOS 8.1. Registro de dados Fez-se o registro de dados através de observações instantâneas de observáveis elementares, pois estas fornecem indicações para a análise e podem elencar fatos não reconhecidos levando a que uma impactação possa ocorrer. Foram realizadas um total de 10, inclusive em dois dias de pico das atividades críticas, no início do mês (de julho especificamente). No início de cada mês, o trabalho aumenta sensivelmente no departamento devido ao lançamento das notas para os impostos, sendo, nessa época, as observações mais interessantes e conclusivas. Escolheuse esse tipo de registro pois muitos observáveis distintos foram julgados importantes Formas de descrição das situações de trabalho Os três principais tipos de descrição são as estatísticas, sendo mais freqüentes as ocorrências, duração e seqüenciamento; as cronológicas, gráfico de fluência, fichas de emprego de tempo e os mapas de interrupções; e as narrativas (VIDAL,1998). As formas de registro de dados escolhidas nessa terceira fase da análise foram basicamente estatísticos principalmente durações e ocorrências associados, algumas vezes, a cronológicos na forma de Fichas de Emprego do Trabalho (FET). 9. A CONSTRUÇÃO DO DIAGNÓSTICO A PARTIR DA EVIDENCIAÇÃO DOS FATOS De imediato e de mais fácil notação percebe-se que a mobília é inadequada, as posturas da funcionária, devido à mobília e ao desconhecimento de ergonomia também o são. Essas são as causas diretas das dores nos pulsos e lombares (e mais tarde, a se intensificar o uso do computador, certamente de outros problemas musculares) e, muito provavelmente, possivelmente aliada a pouca iluminação e falta de janelas, do cansaço visual. A iluminação sobre o computador é uniforme mas fraca. Quando ela está na outra mesa, onde faz cálculos e movimentos, há formação de sombra sobre os documentos da mesa. Esses, no entanto, não parecem ser o centro da questão. Por trás disso, encontra-se um sério problema de prazo e intensificação do trabalho nas épocas que antecedem a entrega de impostos e relatórios. Parte desse problema advém da confecção dos movimentos em tabelas sem uso do computador. A funcionária perde tempo considerável (re)fazendo cálculos via de regra são feitos duas vezes para conferência que além disso já estão feitos no computador. Segundo a análise, esse retrabalho precisa ser eliminado a fim de melhorar as condições gerais no posto em questão. Esse problema deve ser resolvido através da inclusão de uma tela que possibilite a visualização e impressão 3 do movimento acumulado ao software original. Dessa forma, outra parte do diagnóstico trata do software (os movimentos deveriam ser feitos no computador). Poupado esse tempo, permite-se que a funcionária organize as atividades de forma mais variada. Atualmente, ela opta por agrupar as atividades semelhantes para ganhar 2 Aqui fica patente o problema de ergonomia na escolha do software do departamento pois necessita-se de informações não disponíveis da maneira de que se precisa, dessa forma a funcionária tem de recorrer ao (re)trabalho fora do computador para conseguir realizar suas tarefas da melhor maneira, sendo que as informações usadas por ela já haviam sido inseridas no computador. De outra forma, ela teria que buscar mês por mês o total de cada cliente. 3 A possibilidade de impressão do movimento é importante no sentido de facilitar sua visualização. Caso contrário, o problema ergonômico não seria solucionado e muito provavelmente continuar-se-ia fazendo o movimento manualmente.

7 tempo, indo contra sua própria saúde, aumentando a repetição. Além disso, com mais tempo, naturalmente a funcionária trabalharia sob menos pressão, reduzindo o stress. 10. RECOMENDAÇÕES A intervenção ergonômica certamente passa pelo rearranjo e troca da mobília, treinamento e informação da funcionária. Essas contudo, são medidas necessárias mas não suficientes. Algo central mas que escapa a observações menos apuradas é o problema ergonômico da informatização no escritório que não supre todas as necessidades (de visualização do movimento acumulado de cada cliente). Este problema tem reflexos em todo o fluxo de atividades à proporção que diminui o tempo disponível ao resto das tarefas. Desse modo recomendam-se os dispositivos e medidas abaixo: Mesa do computador totalmente ajustável (teclado, mouse, monitor). O mouse deve ficar à mesma altura do teclado. Deve-se ainda ter uma mesa profunda o suficiente (50cm pelo menos) para o monitor. O apoio do teclado/mouse deve ser móvel, permitindo a troca de posições durante a jornada de trabalho, em pé, sentada ereta, sentada reclinada. A nova cadeira deve ter encosto para a coluna lombar, e grande o suficiente para apoiar a maior parte possível das costas. Deve também ser móvel, assim como o apoio do teclado, para permitir alternância de posições durante o dia. Deve ter apoio macio para os braços de modo que o seu braço faça um angulo de 100º a 110º aproximadamente. De importância fundamental é o upgrade ou troca do software usado para lançamento das notas. O novo programa deve conter opção de visualização do movimento acumulado com todos os impostos calculados numa disposição semelhante à atualmente usada. Capital também é a possibilidade de impressão do mesmo, uma vez que os movimentos são usados para preenchimento de campos de outros programas (que fazem os relatórios) e a troca constante de tela não é funcional. Ademais, o principal motivo para a confecção do movimento acumulado é a facilidade de visualização que ele oferece, caso tenham, por exemplo, que rolar uma página para ver o documento por inteiro, o risco de que se continue ignorando o computador é grande. Por fim, sugere-se a mudança de imóvel. Podem até ser feitos alguns novos arranjos no escritório, mas a falta de janelas continuará sendo um ponto crítico. Terminar com o hábito de fumar da diretoria, é uma questão muito delicada e, enquanto não estiver resolvida, o ventilador não pode ser desligado contribuindo com os problemas respiratórios e alérgicos de que reclama a funcionária. A janela contribuiria também para que a funcionária pudesse olhar um lugar longe o suficiente a fim de relaxar seus olhos. Deve-se escolher, dessa forma um escritório arejado e não muito quente, com boas janelas para todos os departamentos. Um suporte de documentos deve ser adquirido e colocado dentro do campo de visão da funcionária. Deve haver, sobre a mesa do teclado, apoio para os pulsos para quando seus braços estiverem em repouso. Deve-se proceder o treinamento ergonômico da funcionária a fim de melhorar seu estado de saúde, englobando, entre outros tópicos, a prioridade à variação (mesmo que a um gasto de tempo maior). Uso, por exemplo, de teclas de atalho em substituição ao mouse, pequenas pausas de 1 a 2 minutos a cada 30 ou 45 minutos que podem ser aproveitadas para alongamentos e para relaxamento visual. Tempo em que ela deve se afastar do computador e levantar da cadeira, além de explicações sobre como prevenir doenças ocupacionais.

8 Sugere-se ainda a compra de duas luminárias: Para a mesa de escritório (onde o corpo da funcionária faz sombra sobre os documentos quando ela está sentada na cadeira) e outra para a mesa do computador onde não há sombra mas a luz ainda é insuficiente à leitura de documentos. 11. BIBLIOGRAFIA: BARNES, R. M(1968). Estudo de Movimentos e de Tempos. São Paulo Edgard Bluecher. GOMES, J. O. (1999). Concepções de organizações em rede: contribuição da Ergonomia na passagem da co-atividade à cooperação. Rio de Janeiro Tese de D.Sc., COPPE/UFRJ. IIDA, I.(1995). Ergonomia; Projeto e Produção. São Paulo, Ed. Edgard Blucher. LARSON, H. J(, 1982). Introduction to Probability Theory and Statistical Inference, Wiley RIO, J.P.(1999). Fundamentos da Prática Ergonômica. São Paulo, Health. VIDAL, M. C.( 1998). Roteiro de Análise Ergonômica do Trabalho. Rio de Janeiro,GENTE/COPPE/UFRJ, outubro, 40p. VIDAL,M.C.( 2000). Introdução à Ergonomia. Rio de Janeiro, GENTE/COPPE/UFRJ, Apostila do Curso de Especialização em Ergonomia Contemporânea, 37p. VIDAL,M.C.( 2000). Demanda Gerencial, Rio de Janeiro, GENTE/COPPE/UFRJ, Apostila do Curso de Especialização em Ergonomia Contemporânea, 19p. VIDAL,M.C.( 2000). Análise Focal e Pré-diagnóstico. Rio de Janeiro, GENTE/COPPE/UFRJ, Apostila do Curso de Especialização em Ergonomia Contemporânea 16p. VIDAL,M.C.( 2000). Análise Focada. Rio de Janeiro, GENTE/COPPE/UFRJ, Apostila do Curso de Especialização em Ergonomia Contemporânea, 16p. A proposta deste estudo é identificar os problemas relacionados aotrabalho no Departamento Fiscal da MAC Assessoria Contábil e propor soluções.este foi feito por meio da metodologia da Análise Ergonômica dotrabalho (AET), que procura melhorar as condições de trabalho, promover a saúde do trabalhador e prevenir acidentes, de modo a incrementar a produtividade, mas sem prejuízo à qualidade de vida no trabalho. Ergonomia, Gerência da Produção, Análise do Trabalho

Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos

Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos Ergonomia: Estuda a interacção física entre as pessoas e o seu trabalho adaptando este último, o equipamento e o ambiente de trabalho ao trabalhador.

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS

CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS 1 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS Versão fevereiro 2007 (UA: 30/06/10) Autor: Hudson Couto Colaborador: Dr. Edivaldo Sanábio e Remi Lópes Antonio

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento do Imposto sobre

Leia mais

OMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3

OMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3 Índice ÍNDICE...2 COMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3 O QUE É A ERGONOMIA?...3 ERGONOMIA NO TRABALHO....3 POSIÇÕES CORRECTAS A TER NO TRABALHO....4 O EQUIPAMENTO ERGONÓMICO...6 MONITOR...7 TECLADOS E

Leia mais

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Caixa Econômica Federal Endereço: Setor SBS Quadra 4 Bloco A Lote 3 e 4 Asa Sul Brasília/ DF CEP 70.092-900 CNPJ:

Leia mais

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE?

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? Dicas Gerais para uma Boa Postura 1) Manter o topo da tela ao nível dos olhos e distante cerca de um comprimento de braço (45cm ~ 70cm); 2) Manter a cabeça e pescoço

Leia mais

Qualidade de vida laboral

Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral INTRODUÇÃO: Prevenir doenças ocupacionais (DORT Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho / LER Lesões por Esforços Repetitivos) decorrentes

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013 GESTÃO DE PESSOAS CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 3o bimestre / 2013 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho Higiene do Trabalho Conjunto de normas e procedimentos que visa

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS Alunos: Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR 7 PCMSO - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Esta Norma Regulamentadora - NR

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

Adaptação do trabalho às pessoas.

Adaptação do trabalho às pessoas. NR- 17 Estabelece parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho

Leia mais

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE SEGURANÇA A SERVIÇOS DE INFORMÁTICA

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE SEGURANÇA A SERVIÇOS DE INFORMÁTICA APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE SEGURANÇA A SERVIÇOS DE INFORMÁTICA Ana Carla da Silveira Lomba Osvaldo Luis Gonçalves Quelhas Gilson Brito Alves Lima ABSTRACT: The present work wants to stress, trough an application

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 PROERGO julho/2010 Pág. 1/7. I N D I C E 1. - APRESENTAÇÃO 2. - OBJETIVO 3. - INTRODUÇÃO 4. - EMPRESA BENEFICIADA 5. - CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

Manual de Orientações do Subsistema de Supervisão de Resultados - SUP

Manual de Orientações do Subsistema de Supervisão de Resultados - SUP Manual de Orientações do Subsistema de Supervisão de Resultados - SUP Sistema de Monitoramento de Convênios de Assistência Social - SIMCOAS Subsistema de Supervisão de Resultados - SUP apresentação Este

Leia mais

SOFOLHA SOLUÇÕES CORPORATIVAS CONSULTORIA TRIBUTÁRIA. SFAutomatus X Controle de Estoque X SFContábil. Obrigação de Avaliar os Estoques

SOFOLHA SOLUÇÕES CORPORATIVAS CONSULTORIA TRIBUTÁRIA. SFAutomatus X Controle de Estoque X SFContábil. Obrigação de Avaliar os Estoques SFAutomatus X Controle de Estoque X SFContábil Legislação Aplicada Obrigação de Avaliar os Estoques Empresas Tributadas com Base no Lucro Real As pessoas jurídicas submetidas à tributação com base no lucro

Leia mais

Análise da Postura de Trabalho com Computador

Análise da Postura de Trabalho com Computador Artigo Revista Científica da UFPA, V. 7, Nº 01, 2009 Análise da Postura de Trabalho com Computador Shahine Paccola Gonçalves 1 Cinthia Dias Rocha 1 Paulo Torres Fenner 2 Resumo Este artigo trata sobre

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

GESCON PHOENIX MANUAL DE LUCRATIVIDADE

GESCON PHOENIX MANUAL DE LUCRATIVIDADE GESCON PHOENIX MANUAL DE LUCRATIVIDADE ÍNDICE Conceito... 3 Quais os itens Considerados para a Apuração... 3 Formas de Cálculo de Lucratividade... 3 Parâmetro do Sistema... 4 Time Sheet... 4 Que Percentual

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DO M3

MANUAL DO USUÁRIO DO M3 MANUAL DO USUÁRIO DO M3 1 CADASTROS 1.1 Clientes Abre uma tela de busca na qual o usuário poderá localizar o cadastro dos clientes da empresa. Preencha o campo de busca com o nome, ou parte do nome, e

Leia mais

MANUAL DO FRANQUEADO EXPRESSO GUANABARA

MANUAL DO FRANQUEADO EXPRESSO GUANABARA MANUAL DO FRANQUEADO EXPRESSO GUANABARA 1 MANUAL DO FRANQUEADO 2 Sumário 1. Solicitação do bilhete de passagem...4 2. Recebimento do bilhete de passagem...5 3. Sistema SRVP...5 3.1. Login...5 3.2. Modalidade

Leia mais

CURSO SPED PIS COFINS CONTRIBUIÇOES MATÉRIA

CURSO SPED PIS COFINS CONTRIBUIÇOES MATÉRIA CURSO SPED PIS COFINS CONTRIBUIÇOES MATÉRIA POR NEOMAR ANTONIO CÓRDOVA Como é do conhecimento dos alunos que participaram do roteiro de cursos do CRC/SC, sobre SPED CONTRIBUIÇÕES, alguma modificações foram

Leia mais

Frente a Frente com o Computador O Teclado e o Rato

Frente a Frente com o Computador O Teclado e o Rato NO COMPUTADOR POSTURA TECLADO RATO (UM GUIA BÁSICO DA SÉRIE HOW TO ) Almada, OUT2009 Frente a Frente com o Computador O Teclado e o Rato Ao longo dos anos, estar à frente de um computador e controlá-lo,

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

APOSTILA PROVISÃO E CONTABILIZAÇÃO

APOSTILA PROVISÃO E CONTABILIZAÇÃO APOSTILA PROVISÃO E CONTABILIZAÇÃO ANO 2004 1 ÍNDICE 1 - Provisão de 13º Salário e Férias Preparando a Provisão 1.1 Cadastro de Provisão de férias 1.2 Cadastro de provisão de 13º Salário 1.3 Relatório

Leia mais

APRENDA AS MUDANÇAS DE FORMA FÁCIL

APRENDA AS MUDANÇAS DE FORMA FÁCIL 2014 APRENDA AS MUDANÇAS DE FORMA FÁCIL I S O esocial está causando arrepios, mas pouca gente já sabe exatamente o que é. Em poucas palavras, o esocial é um programa do governo federal que tenta consolidar

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Norma Regulamentadora NR 17

Norma Regulamentadora NR 17 Norma Regulamentadora NR 17 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Guia de Uso. O Pro-Treino tem uma divisão clara de funções, apresentada a seguir: E três tipos de usuários que executam as funções descritas acima:

Guia de Uso. O Pro-Treino tem uma divisão clara de funções, apresentada a seguir: E três tipos de usuários que executam as funções descritas acima: Sumário 1. Introdução... 2 2. Conceitos básicos... 2 2.1. Fluxo do sistema... 3 2.2. Acesso ao sistema... 4 2.2.1. Login... 4 2.2.2. Logoff... 4 2.2.3. Esqueci minha senha... 5 2.3. Conhecendo o Sistema...

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS).

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). Daniel Donida Schlottfeldt Graduando de Engenharia de Produção e Tecnologia de Segurança no Trabalho UNISA

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 002 USUÁRIOS DE COMPUTADOR CUIDADO COM OS OLHOS

www.cpsol.com.br TEMA 002 USUÁRIOS DE COMPUTADOR CUIDADO COM OS OLHOS TEMA 002 USUÁRIOS DE COMPUTADOR CUIDADO COM OS OLHOS 1/8 É cada vez maior o número de pessoas com a patologia diagnosticada como Fadiga Visual ou Síndrome do Usuário de Computador, conhecida também como

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA ROSEMARA SANTOS DENIZ AMARILLA (1), BRUNO BORSATTO (2), RODRIGO EDUARDO CATAI (3) (1) Mestrado em Engenharia Civil / UTFPR

Leia mais

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Paula Carneiro, Mónica Barroso, Ana Cristina Braga Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho Workshop Atenção! Mais

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Sumário: Tópico: Página: 2 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13 1-13 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Menu Relatórios. Folha Pagto ( Prov / Desctos.) Emissão da Folha de Pagamento. Folha Pagto (Meio Magnético)

Menu Relatórios. Folha Pagto ( Prov / Desctos.) Emissão da Folha de Pagamento. Folha Pagto (Meio Magnético) Folha Pagto ( Prov / Desctos.) Emissão da Folha de Pagamento Esta opção é responsável pela emissão da Folha de Pagamento dos funcionários com movimentação. A impressão poderá ser configurada com separações

Leia mais

Copyright 2004/2014 - VLC

Copyright 2004/2014 - VLC Escrituração Fiscal Manual do Usuário Versão 7.2 Copyright 2004/2014 - VLC As informações contidas neste manual são de propriedade da VLC Soluções Empresariais Ltda., e não poderão ser usadas, reproduzidas

Leia mais

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE INTRODUÇÃO Na intenção de realizar um novo sistema financeiro para a gestão de recursos de convênios celebrados pela Academia Brasileira de Ciências, o setor de informática juntamente com o setor financeiro

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com. Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.br 1-15 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior,

Leia mais

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos.

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos. por Christian Haensell A flexibilidade do corpo e das juntas é controlada por vários fatores: estrutura óssea, massa muscular, tendões, ligamentos, e patologias (deformações, artroses, artrites, acidentes,

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

Ergo (trabalho) Nomos (regras)

Ergo (trabalho) Nomos (regras) ERGONOMIA Ergo (trabalho) Nomos (regras) Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamentos, ferramentas e ambiente, visando à solução dos problemas surgidos desse relacionamento

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

MANUAL FUNCIONAL SOBRE NFS-e MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO/RS

MANUAL FUNCIONAL SOBRE NFS-e MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO/RS MANUAL FUNCIONAL SOBRE NFS-e MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO/RS SUMÁRIO SUMÁRIO...2 1. APRESENTAÇÃO...4 1 2. ACESSO AO APLICATIVO...5 3. GERAÇÃO DE NFS-e...6 3.1. Preenchimento dos dados para emissão da NFS-e...6

Leia mais

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014 A 4 Work - Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, Lda., vai realizar a partir do início do mês de Outubro, uma campanha de vacinação antigripal, desenvolvida e dirigida às empresas, independentemente

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 1/18 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Registro de Ponto Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 2/18 1 Conteúdo

Leia mais

Arranjo Físico (Layout)

Arranjo Físico (Layout) Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 2 - www.jlcarneiro.com - Introdução O espaço físico

Leia mais

Formadora: Sónia Rodrigues 1

Formadora: Sónia Rodrigues 1 Unidade A Operar, em segurança, equipamento tecnológico, designadamente o computador Unidade A Operar, em segurança, equipamento tecnológico, designadamente o computador Formadora: Sónia Rodrigues Critérios

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS ASSUNTO: ESPELHOS DE PONTO, COMPROVANTES E ARQUIVOS 11. O REP poderá emitir um comprovante de marcação de ponto por dia? Não. É obrigatória a emissão de um comprovante a cada batida.

Leia mais

MANUAL PAPELETA MOTORISTA Criado em: 15/02/2013 Atualizado em: 12/11/2014

MANUAL PAPELETA MOTORISTA Criado em: 15/02/2013 Atualizado em: 12/11/2014 O objetivo deste manual é explicar passo a passo o controle da papeleta do motorista realizado no SAT. De acordo com a LEI Nº 12.619, DE 30 DE ABRIL DE 2012, que pode ser acessada em: http://www.planalto.gov.br

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

Escritório Virtual Administrativo

Escritório Virtual Administrativo 1 Treinamento Módulos Escritório Virtual Administrativo Sistema Office Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual e módulo Administrativo do sistema Office 2 3 1. Escritório

Leia mais

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes INVENTÁRIO ANUAL Exercício 2011 Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes Elaboração: Fernando de Souza Guimarães : 3409-4674 / 3409-4675 : dimat@dsg.ufmg.br Belo Horizonte, 2011 SUMÁRIO

Leia mais

PRINCIPAIS NOVIDADES VERSÃO 8.85/1.1.66

PRINCIPAIS NOVIDADES VERSÃO 8.85/1.1.66 PRINCIPAIS NOVIDADES VERSÃO 8.85/1.1.66 Sumário 1. Nota Fiscal Eletrônica São Paulo... 3 2. Motivo da baixa... 9 3. Contrato Endereço para cobrança... 12 4. Vistoria... 13 5. Contas a pagar Controle de

Leia mais

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr.

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr. DESIGN INDUSTRIAL Disciplina: ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico Sistema técnico de leitura ergonômica DESIGN DO PRODUTO Prof. Dr. João Gomes Filho DESIGN DO PRODUTO Leitura Ergonômica EXEMPLOS 1 Leitura

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

Fatores psicossociais e organização do trabalho. Romildo G. Brusiquese

Fatores psicossociais e organização do trabalho. Romildo G. Brusiquese Fatores psicossociais e organização do trabalho Romildo G. Brusiquese São Paulo, 23 de outubro de 2012 Há relação entre fatores psicossociais e organização do trabalho?????????? Teoria Organização do Trabalho:

Leia mais

A ERGONOMIA E A QUALIDADE DE VIDA EM EMPRESAS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES: UM ESTUDO DE CASO

A ERGONOMIA E A QUALIDADE DE VIDA EM EMPRESAS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES: UM ESTUDO DE CASO A ERGONOMIA E A QUALIDADE DE VIDA EM EMPRESAS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES: UM ESTUDO DE CASO Daiane Miranda de Freitas Estudante do curso de Administração da UFV Matheus M.Vieira Estudante do curso

Leia mais

1. Controle de exercício

1. Controle de exercício 1 1. Controle de exercício Para realizar lançamentos e emitir relatório o módulo Contabil obriga a criação de exercícios, que na verdade representam os anos de atividade da empresa. Confira algumas dicas

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia PROCEDIMENTOS E ROTINAS AO DARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Título: Instrução Normativa nº. 001/2012. Ementa: Recomenda procedimentos para o Departamento de Recursos Humanos dos Órgãos da Administração Direta

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ANEXO IV REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO Nº 022/2013 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE Nº 001/2013 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a Contratação de empresa

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ MANUAL DO USUÁRIO ACESSO AO SISTEMA

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ MANUAL DO USUÁRIO ACESSO AO SISTEMA O ISS-e é um sistema completo de gestão do ISS do Município de Maringá, composto pelos módulos de: - NFS-e (Nota Fiscal de Serviços Eletrônica) - DMS-e (Declaração Mensal de Serviços Eletrônica) - AIDF-e

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização TRANSMISSOR ECF Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista Manual de Utilização 1. Histórico de alterações Data Versão Alteração 04/12/2012 1 Criação do documento 28/02/2013 2 Revisão 2. Proposta

Leia mais

QualiQuantiSoft Versão 1.3c

QualiQuantiSoft Versão 1.3c QualiQuantiSoft Versão 1.3c Qualiquantisoft v1.3c Pág.: 1/15 Índice Apresentação do programa... 3 Funções operacionais do programa... 3 Itens de menu... 6 Teclas de atalho... 6 Instrumento de Análise de

Leia mais

GUIA PRÁTICO NOVO FOLHA DE PAGAMENTO

GUIA PRÁTICO NOVO FOLHA DE PAGAMENTO GUIA PRÁTICO NOVO FOLHA DE PAGAMENTO Este manual visa facilitar a integração entre o sistema Folha de Pagamento antigo e a nova versão do sistema Folha de Pagamento. O sistema foi reformulado e agora compartilha

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

Apostila de Digitação. Dmitry Rocha

Apostila de Digitação. Dmitry Rocha Apostila de Digitação Dmitry Rocha Projeto Iniciado em setembro de 2007 Impresso em 17 de abril de 2013 Sumário 1 Digitação 3 1.1 Teclado.............................. 3 1.2 Posicionamento dos Dedos....................

Leia mais

Mobility Gestão Mobility Gestão Guia de Vendas 07/01/2009

Mobility Gestão Mobility Gestão Guia de Vendas 07/01/2009 Mobility Gestão Guia de Vendas 07/01/2009 O Mobility Gestão é um software de retaguarda para o segmento de Varejo, visando o controle total do estoque e movimentações de venda. Desenvolvido para trabalhar

Leia mais

Apresentação Análise Essencial Projeto Implantação do Sistema Treinamento Suporte Técnico

Apresentação Análise Essencial Projeto Implantação do Sistema Treinamento Suporte Técnico Apresentação Um projeto de informatização tem como principal função analisar as características da empresa e apontar os pontos onde são necessários controles informatizados, fazendo uma análise junto à

Leia mais

Manual Módulo Livro Caixa Livro Caixa Atualizada com a versão 1.3.0

Manual Módulo Livro Caixa Livro Caixa Atualizada com a versão 1.3.0 Manual Módulo Livro Caixa Livro Caixa Atualizada com a versão 1.3.0 Noções Gerais: Pg. 02 Instruções para instalação Pg. 02 Ferramentas úteis Pg. 04 Menu Arquivos Empresas Usuárias Pg. 05 Ativar Empresa

Leia mais

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR Sônia Cristina Bittencourt de Paiva Consultora em Saúde Ocupacional e Ergonomia A RELAÇÃO

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto OFICINA PRÁTICA Aprenda a ministrar aulas de ginástica laboral GINÁSTICA LABORAL - Objetivos e benefícios do programa - Formas de aplicação atualmente - Periodização

Leia mais

Manual do Usuário SUMÁRIO

Manual do Usuário SUMÁRIO SUMÁRIO VISUAL LIVRO CAIXA 1. Noções Gerais 1.1. Objetivo... 03 1.2. Sistema com Fundamento Legal Atualizado...03 1.3. Assistência Técnica... 03 1.3.1. Suporte Técnico... 03 1.3.2. Office Service... 03

Leia mais

Tópico: Procedimentos em áreas específicas das Demonstrações Contábeis

Tópico: Procedimentos em áreas específicas das Demonstrações Contábeis Tópico: Procedimentos em áreas específicas das Demonstrações Contábeis Professor Marcelo Aragao ÁREAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS A SEREM AUDITADAS Contas de Ativo Contas de Passivo Patrimônio Líquido

Leia mais

O Instituto Véritas, tem como presidente, Marcelo Bastos, Secretário Parlamentar, ex-vereador, Consultor especial para projetos governamentais,

O Instituto Véritas, tem como presidente, Marcelo Bastos, Secretário Parlamentar, ex-vereador, Consultor especial para projetos governamentais, O Instituto Véritas, tem como presidente, Marcelo Bastos, Secretário Parlamentar, ex-vereador, Consultor especial para projetos governamentais, analista de Políticas Públicas e Sociais, organizador de

Leia mais

Condições de Trabalho

Condições de Trabalho NR-17 Ergonomia OBJETIVO Visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto,

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

Aquisição. Manual APC

Aquisição. Manual APC Sumário 1. ORÇAMENTO... 1 1.1 CADASTRO DAS VERBAS...3 1.2 UNIDADE ORGANIZACIONAL...4 1.1.1 Orçamento...6 2. SUGESTÕES DE COMPRA... 1 1.3 ITENS...3 2.1.1 VISUALIZAÇÃO...7 1.4 CONSULTA GERAL E GERAÇÃO DE

Leia mais

Sistema de ISSQN Digital Sistema Tributário On-line

Sistema de ISSQN Digital Sistema Tributário On-line Sistema de ISSQN Digital Sistema Tributário On-line Fev/2011 2 Funcionalidades... 3 1. Acesso ao Sistema... 5 2. Cadastro Municipal... 6 a. Alteração da Declaração:... 6 b. Comparação da Declaração:...

Leia mais

ERP PROTHEUS Introdução a Controladoria. DRG / SP - Educação Corporativa

ERP PROTHEUS Introdução a Controladoria. DRG / SP - Educação Corporativa ERP PROTHEUS Introdução a Controladoria DRG / SP - Educação Corporativa 1 Método do Treinamento: - Expositivo baseado na apresentação; - Organizado pelo conteúdo programático; - Desenvolvido no padrão

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA GERAR FOLHA DE PAGAMENTO

ROTEIRO BÁSICO PARA GERAR FOLHA DE PAGAMENTO ROTEIRO BÁSICO PARA GERAR FOLHA DE PAGAMENTO Nas páginas seguintes, você terá uma visão geral dos recursos disponíveis e das funções que o Persona pode automatizar. Sem entrar em detalhes, você saberá

Leia mais

ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR

ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR Danielle Satie Kassada 1 ; Fernando Luis Panin Lopes 2 ; Daiane Ayumi Kassada 3 RESUMO: O

Leia mais