MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA"

Transcrição

1 PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO Exercício de 2011 SUPERINTENDÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO DO MF/ES 03/2012 1

2 PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO Exercício de 2011 Relatório de Gestão do exercício de 2011 apresentado aos órgãos de controle interno e externo como prestação de contas anual a que esta Unidade está obrigada nos termos do art. 70 da Constituição Federal, elaborado de acordo com as disposições da IN TCU nº 63/2010, da DN TCU nº 108/2010, da Portaria TCU nº 123/2011 e das orientações do órgão de controle interno: Portaria CGU nº 2.546/2010. Vitória/ES, 03/2012 2

3 SUMÁRIO Introdução 05 Identificação da Unidade Jurisdicionada 10 Responsabilidades institucionais 11 Competência institucional 11 Objetivos estratégicos 16 Organograma 16 Áreas de atuação 16 Pontos fortes resultados alcançados 18 Pontos fracos impactos negativos 19 Estratégia de atuação frente às responsabilidades institucionais 21 Desempenho orçamentário e financeiro 21 Movimentação orçamentária por grupo de despesa 22 Despesa por modalidade de contratação dos créditos recebidos por movimentação 24 Despesas correntes por grupo e elemento de despesa dos créditos recebidos por movimentação 25 Despesas de capital por grupo e elemento de despesa dos créditos recebidos por movimentação 26 Indicadores institucionais 27 Objetivos estratégicos 28 Fatores críticos de sucesso 28 Mapa do planejamento estratégico 30 Painel estratégico 31 Painel estratégico global 32 Painel estratégico setorial 34 Matriz de responsabilidades - Global 36 Matriz de responsabilidades - Setorial 37 Relação de indicadores Metas Setoriais 38 Instrumento de monitoramento de desempenho IMD 40 Satisfação da Unidade Usuária 42 Programa GESPÚBLICA 45 Situação dos restos a pagar de exercícios anteriores 47 Força de Trabalho da Unidade Jurisdicionada 48 Situações que reduzem a força de trabalho da UJ 49 Detalhamento da estrutura de cargos em comissão e funções gratificadas da UJ 50 Quantidade de servidores da UJ por faixa etária 51 Quantidade de servidores da UJ por nível de escolaridade 52 Composição do quadro de servidores inativos 53 Composição do quadro de instituidores de pensão 54 3

4 Composição do quadro de estagiários 55 Quadro de custos de pessoal no exercício de referência e nos dois anteriores 56 Contrato de prestação de serviços de limpeza e higiene e vigilância ostensiva 58 Contrato de prestação de serviço com locação de mão-de-obra 59 Indicadores gerenciais sobre recursos humanos 61 Demonstrativo de pessoal 61 Evolução do quantitativo de pessoal 64 Evolução dos gastos com a folha de pessoal e benefícios ao servidor 65 Recadastramento de pessoal 66 Treinamento e capacitação de pessoal 67 Clima organizacional 76 Declaração de inserção e atualização de dados no SIASG e SICONV 77 Declaração de Bens e Rendas DBR da Unidade de Recursos Humanos 78 Estrutura de controles internos 79 Gestão ambiental e licitações sustentáveis 81 Distribuição espacial dos bens imóveis de uso especial de propriedade da União 83 Discriminação dos bens imóveis de propriedade da União sob a responsabilidade da UJ 84 Gestão de tecnologia da informação 85 Despesa com cartão de crédito corporativo por UG e por portador 86 Despesa com cartão de crédito corporativo (série histórica) 87 Cumprimento das deliberações do TCU atendidas no exercício 88 Deliberações do TCU que permanecem pendentes de atendimento no exercício 101 Relatório de cumprimento das recomendações do OCI (Órgão de Controle Interno) 102 Recomendações do OCI que permanecem pendentes de atendimento no exercício 116 Outras informações consideradas relevantes pela UJ para demonstrar a conformidade e o desempenho da gestão no exercício 120 Documentos financeiros 120 Concessão de diárias e passagens PCDs 121 Despesas de custeio 122 Aquisição de bens e serviços 125 Contratos de bens e serviços 129 Administração de imóveis 130 Despesas de condomínio do edifício-sede do MF/ES 131 Expedição de documentos 136 Coleta seletiva de materiais recicláveis 137 Instauração de processo administrativo disciplinar e/ou sindicância 138 Informações complementares da UJ 138 Declaração das demonstrações contábeis da UJ 139 Conclusão 140 4

5 INTRODUÇÃO O Relatório de Gestão - RG, além de servir como um instrumento governamental que possibilita a exposição das realizações das atividades desenvolvidas no exercício de todos os Órgãos integrantes da Administração Pública Direta, Indireta, Autárquica e Fundacional, é também uma forma eficiente de prestar contas à sociedade das ações promovidas pela Administração Pública Federal APF, por meio de uma poderosa fonte de publicidade, a internet, que possibilita acesso amplo e irrestrito à população. Entre os diversos atos reguladores da matéria há um de importância fundamental para a prestação de contas das Unidades Jurisdicionadas. Este ato é a Instrução Normativa TCU nº 63/2010, que estabelece normas gerais de organização e apresentação dos RGs e a prestação de contas dos Órgãos do Poder Executivo, Legislativo e Judiciário integrantes da Administração Pública Federal. Outras, tão importantes quanto, foram editadas com o fito de subsidiar as UJs na elaboração dos seus RGs. Pode-se citar, dentre elas, a Decisão Normativa nº 108 que define as UJs que estão obrigadas a apresentar o RG, por meio de seus responsáveis, especificando a forma, os conteúdos e os prazos de apresentação do relatório, bem como, a Decisão Normativa nº 117/2011 que define as UJs que serão julgadas pelo Tribunal, por meio de seus responsáveis, abordando a forma, os prazos e os conteúdos dos demonstrativos, ambas com base e foco nos termos da IN TCU nº 63/2010. Também, pode-se destacar a Portaria TCU nº 123/2011 que dispõe sobre as orientações quanto ao preenchimento dos conteúdos do Relatório de Gestão do exercício de 2011 que tem por norte a IN TCU nº 63/2010. Demais orientações inerentes do Controle Interno também são observadas a fim de se elaborar o RG dentro do padrão exigido pelo CGU conforme se pode notar pela Portaria 2.546/2010. O presente RG visa apresentar aos cidadãos usuários os atos e fatos relacionados às atividades públicas desenvolvidas pela Superintendência de Administração do Ministério da Fazenda no Espírito Santo SAMF/ES, possibilitando a demonstração da transparência da gestão e a boa aplicação dos recursos públicos, no tocante às atividades de licitações e contratos, logística, administração de recursos humanos, execução orçamentária e financeira, planejamento, tecnologia da informação e outras de competência da SAMF-ES. Contudo, devido às atipicidades de atividades existentes dentre os diversos Órgãos integrantes da Administração Pública Federal, ora no tocante à atividade fim, ora na atividade meio, alguns itens da alguns itens da Portaria-TCU nº 123/2011 c/c a DN nº 108/2010, Anexo II, não se aplicam à prestação de contas da UJ ou não ocorreram no período. São eles: Quadro A.1.2 Identificação da UJ Relatório de Gestão Consolidado; Quadro A.1.3 Identificação da UJ Relatório de Gestão Agregado; Quadro A.1.4 Identificação da UJ Relatório de Gestão Consolidado e Agregado; Quadro A.2.1 Demonstrativo da Execução por Programa de Governo; Quadro A.2.2 Execução Física das ações realizadas pela UJ; Quadro A.2.4 Programação de Despesas Correntes; 5

6 Quadro A.2.5 Programação de Despesas Capital; Quadro A.2.6 Quadro Resumo da programação de Despesas e da reserva de contingência; Quadro A.2.8 Despesas por Modalidade de Contratação dos créditos originários da UJ; Quadro A.2.9 Despesas Correntes por Grupo e Elemento de Despesas dos créditos originários da UJ; Quadro A.2.10 Despesas de Capital por Grupo e Elemento de Despesas dos créditos originários da UJ; Quadro A.3.1 Reconhecimento de passivos por insuficiência de créditos ou recursos; Quadro A.5.9 Cargos e atividades inerentes a categorias funcionais do plano de cargos da UJ; Quadro A.5.10 Relação dos empregados terceirizados substituídos em decorrência da realização de concurso público ou de provimento adicional autorizados; Quadro A.5.11 Autorizações para realização de concursos públicos ou provimento adicional para substituição de terceirizados; Quadro A.6.1 Caracterização dos instrumentos de transferências vigentes no exercício de referência; Quadro A.6.2 Resumo dos instrumentos celebrados pela UJ nos três últimos exercícios; Quadro A.6.3 Resumo dos instrumentos de transferência que vigerão em 2012 e exercícios seguintes; Quadro A.6.4 Resumo da prestação de contas sobre transferências concedidas pela UJ na modalidade de convênio e de contratos de repasse; Quadro A.6.5 Visão Geral da análise das prestações de contas de Convênios e Contratos de repasse; Quadro A.11.2 Distribuição Espacial dos Bens Imóveis de Uso Especial Locados de Terceiros; Quadro A.14.1 Renúncias Tributárias sob Gestão da UJ; Quadro A.14.2 Valores Renunciados e Respectiva Contrapartida; Quadro A.14.3 Contribuintes Beneficiados pela Renúncia Pessoas Físicas; Quadro A.14.4 Contribuintes Beneficiados pela Renúncia Pessoas Jurídicas; Quadro A.14.5 Beneficiários da Contrapartida da Renúncia Pessoas Físicas; Quadro A.14.6 Beneficiários da Contrapartida da Renúncia Pessoas Jurídicas; Quadro A.14.7 Aplicação de Recursos da Renúncia de Receita pela própria UJ; Quadro A.14.8 Prestações de Contas de Renúncias de Receitas; Quadro A.14.9 Comunicações à RFB; Quadro A Indicadores de Gestão da Renúncia de Receitas; Quadro A Ações da RFB; Quadro A.16.1 Informações sobre recomendação da unidade de controle interno ou de auditoria interna atendida no exercício; Quadro A.16.2 Informações sobre recomendação da unidade de controle interna pendente de atendimento no final do exercício de referência; Quadro B.1.2 Declaração de que as demonstrações contábeis no exercício não refletem corretamente a situação orçamentária, financeira e patrimonial da UJ; Item 18.1 Análise crítica das demonstrações contábeis da Administração Pública Federal Direta; Item 19.1 Análise crítica das demonstrações contábeis das Empresas Estatais; Quadro B.4.1 Composição Acionária do Capital Social; Quadro B.4.2 Investimentos Permanentes em outras sociedades; Quadro C.1.1 Relação dos Partidos; Quadro C.1.2 Composição do montante arrecadado pelo fundo partidário; Quadro C.1.3 Distribuição dos valores do fundo partidário aos partidos no exercício de 2011; 6

7 Quadro C.1.4 Partidos que prestação contas relativas ao exercício anterior ao de referência; Quadro C.1.5 Partidos que não prestaram contas relativas ao exercício anterior ao de referência; Quadro C.1.6 Situação da prestação de contas das direções nacionais dos partidos; Quadro C.1.7 Julgamento das contas das direções nacionais dos partidos; Quadro C.1.8 Relação dos diretórios de partidos no Estado; Quadro C.1.9 Discriminação das cotas do Fundo Partidário recebidas pelos diretórios estaduais das direções nacionais dos partidos; Quadro C.1.10 Diretórios estaduais que prestaram contas relativas ao exercício anterior ao de referência; Quadro C.1.11 Diretórios estaduais que não prestaram contas relativas ao exercício de 2010; Quadro C.1.12 Julgamento das contas dos diretórios estaduais dos partidos; Quadro C.5.1 Operações contratadas com riscos compartilhado e integral do fundo e do banco operador; Quadro C.5.2 Créditos de liquidação duvidosa de operações contratadas; Quadro C.5.3 Prejuízos contabilizados no exercício de 2011; Quadro C.5.4 Ressarcimentos efetuados pelo Banco Operador ao fundo no exercício de 2011, decorrentes de perdas em operações com risco compartilhado; Quadro C.5.5 Ações de Cobranças Judiciais ajuizadas no exercício de referência do Relatório de Gestão; Quadro C.7.1 Resultados dos Indicadores Primários Decisão TCU nº 408/2002; Quadro C.7.2 Resultado dos Indicadores da Decisão TCU nº 408/2002; Quadro C.10.1 Indicadores Análise da situação econômico-financeira; Quadro C.10.2 Análise da distribuição da riqueza gerada pela UJ; Quadro C.12.1 Remuneração dos Conselhos de Administração Fiscal; Quadro C.12.2 Síntese da Remuneração dos Administradores; Quadro C.12.3 Detalhamento de itens da remuneração variável dos administradores; Quadro C.16.1 Consultores contratados na modalidade produto no âmbito dos projetos de cooperação técnica com organismos internacionais; Quadro A.19.1 (Item 27.1) Informação sobre contrato de gestão supervisionado pela UJ; Quadro C.30.1 Evolução do Plano Nacional de Desmobilização no exercício de Quadro C.37.1 Caracterização dos contratos de gestão vigentes no exercício. Quadro C.37.2 Relação de membros do conselho de administração; Quadro C.37.3 Informações sobre o custo de participação do membro nas reuniões; Quadro C.37.4 Demonstrações dos valores mensais repassados no exercício; Quadro C.37.5 Relação dos dirigentes da entidade contratada por meio de contrato de gestão; Quadro C.37.6 Demonstrativo da remuneração do pessoal da entidade signatária do contrato de gestão; Quadro C.37.7 Relação dos membros da comissão de avaliação; Quadro C.37.8 Demonstrativo das prestações de contas prestadas no exercício; Quadro C.37.9 Valores repassados e avaliação das metas do contrato de gestão; Quadro C Indicadores de desempenho pactuados e seus resultados; Quadro C Avaliação geral dos resultados do contrato de gestão; Quadro C Identificação da estrutura de pessoal da unidade responsável pelo acompanhamento; Quadro C Discriminação dos recursos da UJ colocados à disposição da entidade; Quadro C.38.1 Identificação dos termos de parceria vigentes no exercício; 7

8 Quadro C.38.2 Demonstração dos valores mensais repassados no exercício em razão de termo de parceria; Quadro C Dados agregados dos termos de parceria de exercícios antecedentes ao de referência; Quadro C.38.4 Composição da comissão de avaliação do resultado da parceria; Quadro C.38.5 Demonstrativo das prestações de contas dos contratos de parceria apresentadas no exercício; Quadro C.38.6 Demonstrativos dos indicadores pactuados com a entidade parceira. A Superintendência de Administração do Ministério da Fazenda no Espírito Santo possui em sua essência e, como característica principal, a realização de atividades meio, ou seja, sua missão é prover soluções administrativas para os Órgãos do Ministério da Fazenda e demais Usuários da Administração Pública e cidadão-usuário. Em suma, executa atividades tipicamente administrativas tendo por objetivo proporcionar a realização das atividades fim dos demais órgãos do MF/ES e contribuir, continuamente, para a melhoria do Serviço Público, pautada nos valores da legalidade, impessoalidade, ética, transparência, eficiência, eficácia, economicidade, espírito de equipe, empreendedorismo, superação de desafios e valorização dos servidores públicos. Sempre teve como visão ser referencial como Unidade de excelência em gestão no âmbito da Administração Pública Federal - APF. Dentre as suas realizações no exercício de 2011 destaca-se, em especial, os trabalhos de inclusão no Guia D do Programa Gespública 500 pontos, A manutenção da colocação na Pesquisa de Clima Organizacional e o resultado da Pesquisa de Satisfação das Unidades Usuárias, o recadastramento dos servidores aposentados e pensionistas do MF/ES, o equilíbrio do consumo de bens naturais renováveis e não renováveis (água e esgoto e da energia elétrica) do edifício-sede do MF, a eficácia nas licitações de bens e serviços, execução do orçamento programado da UJ, atendimento às recomendações do TCU e CGU, as inclusões e aprovações dos processos de aposentadorias e pensões e as ações realizadas com foco na sustentabilidade ambiental. Ressalta-se que no exercício de 2011 os serviços prestados na área de atendimento médico e odontológico foram transferidos para a Unidade SIASS Sistema Integrado de Assistência à Saúde do Servidor, implantado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão MPOG, no Estado em funcionamento nas instalações da Universidade Federal do Espírito Santo UFES. Para o exercício de 2012 a SAMF/ES pretende, em caráter prioritário, manutenir a metas de redução e equilíbrio das despesas operacionais e administrativas que são os principais objetivos da Organização, gerir as ações compartilhadas que envolvem a UJ e as demais Unidades instaladas no Ed. Sede do MF/ES, concretizar outras ações com foco na sustentabilidade ambiental e preservação dos recursos naturais renováveis e não renováveis. Atingir as metas estabelecidas no Mapa Estratégico SPOA. Justifica-se, pela escassez de recursos orçamentários no exercício de 2011, novamente, o objetivo de realizar a contratação dos serviços de construção do mezanino no hall térreo do Edifício-Sede do MF/ES correspondente a 116,56 m2 de acréscimo de área. Hoje, o edifício-sede do MF conta com 5.368,08 m2 de área de terreno, ,88 m2 de área construída que passará para ,44 m2 após a construção do mezanino. Tal pretensão objetiva a ampliação do espaço físico das instalações da UJ-SAMF/ES que possibilitará alocar futuras mãos de obra compostas por servidores concursados que comporão o quadro funcional da SAMF. 8

9 Por fim, o presente Relatório de Gestão garante a prestação de contas nos termos legais, e, de forma transparente, do trabalho realizado pela Superintendência de Administração dentro de suas competências, consolidando, anualmente, o cumprimento de seu papel no âmbito da Administração Pública e sua importância para a sociedade. 9

10 PARTE A ITEM 1 Quadro A Identificação da UJ no Relatório de Gestão Individual Poder e Órgão de Vinculação Poder: Executivo Órgão de Vinculação: Ministério da Fazenda : Identificação da Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do Ministério da Fazenda no Espírito Santo Denominação abreviada: SAMF/ES : Código LOA: não possui Código SIAFI: Situação: ativa Natureza Jurídica: Órgão Público Principal Atividade: Administração Pública em Geral Código CNAE: /00 Telefones/Fax de contato: (27) (27) (27) / Página na Internet: Endereço Postal: Rua Pietrângelo de Biase, nº 56, 9º andar - sala 914, Centro Vitória/ES CEP: Normas relacionadas à Unidade Jurisdicionada Normas de criação e alteração da Unidade Jurisdicionada Decreto nº 7.301, de 14/09/2010 Art. 7º, inciso VIII publicado no DOU em 15/09/2010, seção 1, p Outras normas infralegais relacionadas à gestão e estrutura da Unidade Jurisdicionada Portaria Ministerial nº 207, de 04 de março de 2010, publicada no Diário Oficial da União no dia 05 de março de Manuais e publicações relacionadas às atividades da Unidade Jurisdicionada UJ subordinada a Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração do MF/DF - SPOA Unidades Gestoras e Gestões relacionadas à Unidade Jurisdicionada Unidades Gestoras relacionadas à Unidade Jurisdicionada Código SIAFI Nome Escola de Administração Fazendária/DF Superintendência Estadual do Patrimônio da União/ES Controladoria-Geral da União/ES Procuradoria da Fazenda Nacional/ES Agência Brasileira de Inteligência/ES Gestões relacionadas à Unidade Jurisdicionada Código SIAFI Nome Tesouro Relacionamento entre Unidades Gestoras e Gestões Código SIAFI da Unidade Gestora Código SIAFI da Gestão

11 PARTE A ITEM 2 Responsabilidades institucionais da Unidade A Superintendência de Administração do Ministério da Fazenda no Espírito Santo (SAMF/ES), integrante da estrutura do Ministério da Fazenda, possui qualidade de órgão de assistência direta para realização de atividades meio que tem por objetivo prestar serviços administrativos de suporte técnico operacional aos demais órgãos Fazendários que por sua vez possuem por competência institucional realização de atividades fins. Dentre eles, destacam-se: a) Receita Federal do Brasil/ES e, b) a Procuradoria da Fazenda Nacional/ES. A SAMF/ES tem por competência realizar atividades meio regulamentadas por meio da Portaria MF nº 207, de 04 de março de Está hierarquicamente subordinada à Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração do Ministério da Fazenda SPOA/MF/DF, com previsão legal nos termos do inciso VIII, do art. 7º do Decreto nº 7.301, de 14/09/2010, publicado no DOU do dia 15/09/2010, que aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções Gratificadas do Ministério da Fazenda, e institui a descrição da UJ como Superintendência de Administração no Espírito Santo, dentre outras providências. I. Competência institucional No universo das políticas públicas do Governo Federal, a Superintendência de Administração no Estado do Espírito Santo atua no desenvolvimento das atividades meio com foco nas áreas de Gestão de Pessoas, Gestão de Recursos Logísticos, Gestão de Recursos Orçamentários e Financeiros e Gestão de Planejamento. Está ligada à estrutura organizacional da Subsecretaria de Planejamento Orçamento e Administração sediada em Brasília/DF que por sua vez, em escala hierárquica, subordina-se à Secretaria-Executiva, e esta, diretamente ao Gabinete do Ministro de Estado da Fazenda. Possui a missão de prover soluções administrativas para os Órgãos do Ministério da Fazenda, parceiros, unidades da Administração Pública e cidadão-usuário, contribuindo para a melhoria contínua do Serviço Público. Dentre os Órgãos do Ministério da Fazenda no Espírito Santo, a Superintendência de Administração possui relevante papel de prover as soluções administrativas na prestação dos servidos da área meio para o apoio técnico e operacional da Secretaria da Receita Federal do Brasil e a Procuradoria da Fazenda Nacional que possuem por missão realização de atividades fins. Atua também junto a outros importantes Órgãos da Administração Pública Federal que se encontram instalados nas dependências do Edifício-Sede do Ministério da Fazenda/ES que se beneficiam com a prestação dos serviços públicos de atividade meio realizados pela UJ-SAMF/ES, dentre eles: a) a Controladoria- Geral da União no Espírito Santo CGU/ES, b) a Superintendência Estadual do Patrimônio da União no Espírito Santo SPU/ES, e c) a Agência Brasileira de Inteligência da Presidência da República no ES ABIN/ES. 11

12 Destaque-se as ainda, a participação das empresas SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados e o Banco do Brasil, também em funcionamento do prédio do MF/ES que recebem os serviços da SAMF. Sua principal meta é ser referencial como unidade de excelência em gestão no âmbito da Administração Pública Federal até 2011, com base nos valores primordiais previstos em leis, como a legalidade, a impessoalidade, a moralidade, a publicidade, a ética, a transparência, a eficiência, a eficácia, a economicidade, assim como valores intrínsecos como espírito de equipe, empreendedorismo, superação de desafios e valorização dos servidores. A UJ está inserida efetivamente no contexto de Apoio Administrativo. Sua estrutura Organizacional, Competências, e Atribuições estão dispostas na Portaria nº 207, de 04 de março de 2010, publicada no dia 04 seguinte, a saber: CAPÍTULO II ORGANIZAÇÃO [...] Gerências Regionais de Administração do Ministério da Fazenda nos Estados de Alagoas, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Piauí, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e Sergipe GRA-AL, ES, GO, MA, MS, PB, PI, RN, SC e SE. (negrito nosso) [...] CAPÍTULO III COMPETÊNCIA DAS UNIDADES [...] Art. 71. Às Gerências Regionais de Administração do Ministério da Fazenda nos Estados do Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe compete: I prestar apoio logístico aos órgãos do Ministério da Fazenda, sediados na área de suas jurisdições, exceto às unidades da Secretaria da Receita Federal que não compartilhem imóveis com outros órgãos do Ministério, planejando, coordenando, acompanhando e executando, de acordo com as normas e os procedimentos padrões estabelecidos, as atividades inerentes aos Sistemas de Pessoal Civil da Administração Federal SIPEC, de Administração dos Recursos de Informação e Informática SISP, de Serviços Gerais SISG, Nacional de Arquivos SINAR, de Planejamento e de Orçamento Federal, de Administração Financeira Federal e de Contabilidade Federal; II realizar as atividades de comunicação social, no âmbito da Gerência Regional de Administração; III executar as atividades de ouvidoria, no âmbito da Gerência Regional de Administração; IV disseminar as informações aos órgãos do Ministério da Fazenda em sua jurisdição, quanto ao cumprimento das normas emanadas pelo órgão setorial dos sistemas citados no inciso I, deste artigo; V assessorar, junto às unidades jurisdicionadas, a fiscalização de contratos, abrangendo os de âmbito Nacional, cuja contratação tenha sido determinada pela Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração; VI acompanhar a execução de todos os serviços abrangidos em contratos determinados pela Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração; VII coordenar e supervisionar a elaboração e a consolidação dos planos e programas das atividades finalísticas no âmbito da Gerência Regional de Administração; 12

13 VIII assessorar as unidades centrais na promoção da articulação, da cooperação técnica e do intercâmbio de experiências e informações; IX coordenar e supervisionar o registro dos atos e fatos da gestão orçamentária, financeira e patrimonial da Gerência Regional de Administração; X realizar a tomada de contas anual do ordenador de despesa e demais responsáveis; XI promover a análise das contas, balancetes, balanços e demonstrativos contábeis da Unidade; XII coordenar o processo de formalização da tomada de contas anual do ordenador de despesa e demais responsáveis da Gerência Regional de Administração; XIII prestar apoio técnico e orientação contábil às áreas de execução orçamentária, financeira e patrimonial da Gerência Regional de Administração; XIV instaurar, quando couber, tomada de contas especial de todo aquele que der causa a perda, extravio ou irregularidade que resulte em dano ao erário, no âmbito da Gerência Regional de Administração; XV promover as conformidades diária, de suporte documental e contábil no âmbito da Unidade; XVI dar posse em cargos em comissão; XVII conceder salário família, auxílio, vantagens e licença; XVIII conceder aposentadoria, pensão e expedir título de inatividade; XIX promover, anualmente, recadastramento dos dados dos servidores aposentados e beneficiários de pensões; XX avaliar, consolidar e propor ao Coordenador-Geral de Recursos Humanos a programação anual de treinamento da Gerência Regional de Administração, observadas as diretrizes do Plano Plurianual de Aprendizagem Permanente PPAP; XXI supervisionar a execução das atividades relacionadas ao programa de assistência à saúde dos servidores e de seus dependentes no âmbito de sua jurisdição; XXII reconhecer dívida relativa a pagamentos de exercícios anteriores; XXIII acompanhar o cadastramento das ações judiciais em sistema específico; XXIV prestar informações ao Poder Judiciário, à Procuradoria da Fazenda Nacional e à Procuradoria da União, necessárias à defesa da União; XXV implementar as políticas de tecnologia da informação emanadas da Unidade Central; XXVI coordenar, no âmbito de sua jurisdição, as atividades relacionadas aos sistemas corporativos, consoante orientações da Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração; XXVII planejar, coordenar, orientar e promover as atividades desenvolvidas na função de informática, na jurisdição da Gerência; XXVIII aplicar programa de conscientização dos usuários quanto à segurança de dados e informações; XXIX administrar os recursos tecnológicos disponíveis no âmbito da Unidade; XXX acompanhar a instalação e a manutenção de aplicativos e componentes de informática, bem como, a distribuição, remanejamento e desativação; XXXI manter o controle de acesso aos sistemas corporativos sob a gestão da Unidade, cadastrando e desabilitando os usuários; XXXII prestar suporte aos usuários de equipamentos e de sistemas informatizados no âmbito da Unidade; XXXIII coordenar e supervisionar o Serviço de Auto atendimento ao Cidadão; XXXIV promover as contratações de bens e serviços no âmbito de sua jurisdição; e XXXV exercer as atividades de administração de bens móveis inclusive os adjudicados pela Dívida Ativa da União. (negrito nosso) [...] CAPÍTULO IV ATRIBUIÇÕES DOS DIRIGENTES E ADJUNTOS [...] Art. 90. Aos Gerentes Regionais de Administração incumbe: 13

14 I dirigir, supervisionar, coordenar e orientar a execução das atividades em suas unidades; II baixar atos administrativos nos assuntos de competência da Gerência Regional de Administração; III propor ao Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração planos e programas anuais e plurianuais de trabalho da Gerência Regional de Administração; IV subsidiar o Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração no estabelecimento de diretrizes e na implementação de ações na área de sua competência; V dar posse em cargos efetivos e em comissão e fazer publicar no boletim de serviço, dentro de sua área de competência; VI localizar pessoal subordinado, conceder férias e estabelecer horários especiais, respeitada a legislação pertinente; VII conceder salário família, gratificação adicional por tempo de serviço, auxílio funeral, auxílio doença e licenças, exceto para desempenho de mandato classista; VIII adotar providências referentes à redistribuição e ao aproveitamento de servidores; IX conceder, pensão de qualquer natureza, reversão de servidor aposentado por invalidez, e expedir os títulos de inatividade, lavrando as apostilas devidas; X praticar atos de aposentaria, no âmbito da sua jurisdição; XI propor ao Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração os planos de trabalho em execução e as metas a serem atingidas; XII autorizar viagens a serviço do pessoal subordinado; XIII designar servidores para execução de serviços, diligências ou encargos especiais; XIV determinar a instauração de sindicância e de processo administrativo; XV aplicar, na forma das disposições legais e regulamentares pertinentes, a legislação de pessoal aos servidores subordinados, inclusive elogios e penas disciplinares; XVI aprovar planos de trabalho relativos a contratos de prestação de serviços, de acordo com a legislação vigente, para atendimento dos órgãos do Ministério na sua jurisdição; XVII autorizar a locação de imóveis destinados a instalação das repartições do Ministério na sua jurisdição, exceto quando se tratar de contratações de interesse exclusivo de unidades da Secretaria da Receita Federal; XVIII aprovar contratos, acordos, ajustes e convênios firmados no âmbito da Gerência Regional de Administração; XIX ratificar os atos de dispensa e de reconhecimento de situações de inexigibilidade de licitação, praticados no âmbito da Gerência Regional de Administração; XX - aprovar especificações, plano de trabalho e projetos básicos para contratação de materiais e serviços. XXI ordenar despesas, conceder suprimento de fundos, assinar notas de empenho, ordens bancárias e relatórios de conformidade diária; XXII reconhecer dívidas referentes a despesas de exercícios anteriores, efetuar devolução de depósitos e cauções; XXIII decidir, em grau de recurso, sobre atos e despachos das chefias e comissões subordinadas; XXIV avocar, a qualquer momento, a decisão de assuntos no âmbito da Gerência Regional de Administração; XXV autorizar os servidores públicos federais do Ministério, no âmbito da jurisdição, a dirigirem veículos oficiais de transporte individual de passageiros, exceto os da Secretaria da Receita Federal; XXVI praticar atos de remoção no âmbito de sua jurisdição, exceto no que se refere as carreiras específicas deste Ministério; XXVII submeter ao Subsecretário a proposta orçamentária e a programação financeira, de acordo com os planos e programas aprovados; XXVIII propor ao Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração a nomeação e exoneração de cargos em comissão; XXIX propor ao Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração a designação e dispensa de servidor de função gratificada no âmbito da Gerência Regional de Administração; 14

15 XXX autorizar a destinação ou a alienação de bens móveis, inclusive os adjudicados em processo de execução da Dívida Ativa da União, providenciando sua respectiva baixa de responsabilidade; XXXI assinar portarias de organização e funcionamento interno e de encargos adicionais definidos, face as características regionais; XXXII promover os atestes necessários aos contratos de prestação de serviços de informática sob administração direta da Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração; XXXIII operacionalizar as ações relativas ao Governo Eletrônico, emanadas da Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração; XXXIV subdelegar competências; XXXV praticar os demais atos necessários à gestão da Gerência Regional de Administração; XXXVI determinar a instauração de tomada de contas especial de todo aquele que der causa a perda, extravio ou irregularidade que resulte em dano ao erário, no âmbito da Gerência Regional de Administração; e XXXVII exercer outras atribuições que lhe forem cometidas pelo Subsecretário. (negrito nosso) [...] Ressalta-se que até 14/09/2010, data do Decreto nº Decreto nº 7.301, a UJ tinha como nomenclatura o nome Gerência Regional de Administração no Espírito Santo conforme se pode observar na Portaria nº 207, de 04/03/2010, anterior ao citado decreto. Para a consecução destas competências, a SAMF-ES contou, internamente, com a efetiva atuação da área de Recursos Humanos, de Recursos Logísticos, de Planejamento e Orçamento, Tecnologia da Informação e demais áreas que compõe o organograma da Unidade Jurisdicionada. Nesse contexto, e como área-meio de interface entre os Órgãos Fazendários, atuou e contribuiu de forma bastante significativa e pontual na execução de rotinas relacionadas às áreas de Gestão de Pessoas, Gestão de Logística, Orçamento e Finanças, Contabilidade, Planejamento e Tecnologia da Informação. 15

16 II. Objetivos Estratégicos A Superintendência de Administração está inserida na estrutura Organizacional da SPOA Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração e possui em sua competência institucional prestar Serviços Públicos Administrativos aos Órgão do Ministério da Fazenda, contribuindo de forma constante para a boa aplicação dos recursos públicos e preservando os interesses da sociedade. ORGANOGRAMA SAMF/ES Para executar suas atividades, a SAMF conta em seu quadro de pessoal com 42 servidores, distribuídos em suas áreas de atuação a seguir identificadas: ÁREAS DE ATUAÇÃO. Planejamento e gestão de projetos e processos organizacionais Compete coordenar, avaliar, orientar, controlar e executar as atividades de planejamento e gestão, articulando-se permanentemente com a SPOA - Subsecretaria de Planejamento Orçamento e Administração, buscando orientação e diretrizes para a implementação das ações na jurisdição da SAMF/ES. Planejamento institucional; Monitoramento e avaliação de resultados; 16

17 Modernização e inovação; Análise e modelagem organizacional; Elaboração de projetos; Mapeamento, modelagem e melhoria de processos de trabalho.. Orçamento e finanças Compete coordenar, avaliar, orientar, controlar e executar as atividades de programação e execução orçamentária e financeira, articulando-se permanentemente com a SPOA - Subsecretaria de Planejamento Orçamento e Administração, buscando orientação e diretrizes para a implementação das ações na jurisdição da SAMF/ES. Elaboração da proposta orçamentária; Elaboração da programação orçamentária; Execução orçamentária e financeira (destaque orçamentário).. Contabilidade Compete registrar os atos e fatos relacionados com a administração orçamentária, financeira e patrimonial da União. Conformidade documental; Assistência, orientação e apoio técnico ao ordenador de despesas.. Gestão de tecnologia da informação Tem por finalidade coordenar, controlar e atualizar o parque de informática do Ministério da Fazenda, hardwares e softwares. Recursos tecnológicos; Sistemas corporativos; Suporte ao usuário.. Gestão dos serviços logísticos Tem por finalidade coordenar, avaliar, orientar, controlar e executar todas as atividades relacionadas com a manutenção condominial e engenharia do edifício, conservação de bens móveis e imóveis, telecomunicações e recepção. Coordenar, avaliar, orientar, controlar e executar as atividades relacionadas à administração dos contratos e convênios, compras e licitações, veículos, expedição e recebimentos de correspondências, arquivamento de processos, protocolo, reprografia. Gestão de bens materiais, patrimoniais e imóveis; Gestão de documentação e informação (GDI), transporte, protocolo e arquivo; Serviço de autoatendimento aos demais cidadãos-usuários dos serviços prestados pelo Ministério da Fazenda.. Gestão de pessoas Tem por finalidade administrar os assuntos relacionados aos servidores do MF/ES, tais como: folha de pagamento de ativos, inativos e pensionistas, benefícios, aposentadorias, pensões, treinamentos, capacitações, etc... Gestão da folha de pagamento; Atendimento a aposentados e pensionistas; Levantamento da necessidade de treinamentos; Avaliação do perfil profissiográfico; Preparo do plano anual de capacitação e treinamento; 17

18 Aplicação do plano anual de capacitação e treinamento; Avaliação dos resultados do plano de capacitação e treinamento; Promoção da Melhoria da Qualidade de Vida;. Ouvidoria Serviço de pós-atendimento, mediante participação de rede de ouvidores do serviço de ouvidoria do Ministério da Fazenda; Recepção, triagem e encaminhamento manifestações formuladas pelos cidadãos-usuários: críticas, reclamações, sugestões, elogios, informações, denúncias.. Comunicação social Edição de boletins e jornais internos (endomarketing); Elaboração de comunicação institucional externa (marketing); Assessoria e customização da comunicação institucional. PONTOS FORTES - RESULTADOS ALCANÇADOS Eficácia e agilidade no acompanhamento da execução das metas pelos servidores responsáveis. Internalização da cultura de planejamento nos servidores. Uso do planejamento como ferramenta de gestão prática e simplificada. Servidores usuários do SIAPE, SIASG, SIADS, COMPROT e outros treinados para alimentação de informações nos sistemas. Servidores treinados nas áreas de planejamento, técnico complementar, conhecimento em gestão e conhecimentos gerais, ligados às áreas de Recursos Humanos, Recursos Logísticos e Planejamento. Valorização e satisfação dos servidores e aumento da qualidade das atividades desempenhadas. Os treinamentos proporcionados acarretaram na melhoria do relacionamento interpessoal no ambiente de trabalho e, ainda, a capacitação e compartilhamento dos conhecimentos nos grupos, incentivando a troca de informações e experiências pessoais. Implantação do Projeto de digitalização e rede única de informações com expressiva diminuição do volume de documentação impressa, economicidade de impressão com a opção de consulta no sistema informatizado, agilidade no atendimento ao cliente onde os documentos podem ser consultados diretamente na rede, via computador. Ganho de tempo, qualidade com menor esforço, uma vez que não se faz necessário desarquivar processos cujo arquivo ativo e inativo se localizam em outro imóvel. Facilidade na análise e conclusão dos processos diligenciados, uma vez que podem ser consultados na rede única de informações implantada pela UJ já digitalizados. No processo de digitalização foram digitalizadas (cento e setenta e cinco mil e sessenta e cinco) registro de informações referente a pastas funcionais dos servidores ativos (13.319), falecidos (1.747), aposentados ( ), instituidores de pensão (59.410) e excluídos (143) servindo como facilitador nas consultas dos dados funcionais dos servidores com maior rapidez e eficácia. Servidor de Rede (equipamento) com maior capacidade de armazenamento de arquivos em rede preservando as informações da Administração; Maior segurança das informações que estão disponibilizadas em rede. 18

19 A existência da UJ permite que as Unidades integrantes do Organograma do Ministério da Fazenda/ES e demais Órgãos da Administração Pública instaladas no edifício-sede do MF/ES desenvolvam suas atividades finalísticas com rapidez e facilidade, pois são providas de bens e serviços oferecidos pela SAMF/ES considerados essenciais no dia-a-dia das Organizações. Dentre estes bens e serviços, destacam-se: pagamento da folha de pessoal, concessão de aposentadorias e pensões, pagamento de benefícios, realização de licitações públicas para aquisição de bens e contratação de serviços, manutenção das condições de segurança e habitabilidade das instalações físicas prediais, serviços de atendimento ao cidadão e inclusão digital. A Unidade realiza, ainda, atividades que visam o bem estar e saúde do servidor fazendário inseridas no contexto do Programa Bem Viver, instituído pelo Órgão Central. Valoriza o servidor proporcionando a capacitação com troca de experiências e partilha das práticas desenvolvidas. Promove treinamentos internos abrangendo cursos locais, à distância e presenciais, comemorações de aniversários, confraternizações em datas significativas do calendário nacional. PONTOS FRACOS IMPACTOS NEGATIVOS Apesar do aumento considerável das atividades desde a criação da UJ, em 2001, então Gerência Regional de Administração do MF/ES, que absorveu da, também então GRA/RJ, atualmente SAMF/RJ, a UJ não obteve aumento do número de servidores para execução dessas atividades, que, antes da extinção da DAMF/ES (1998), executadas com cerca de aproximadamente 100 servidores. Em 2011, a UJ recebeu, por força de decreto de anistia editado pelo Governo Federal, por meio da Comissão Interministerial de Anistia/CIA-MPOG, o quantitativo de 24 servidores anistiados na condição de celetistas oriundos da extinta Cia Vale o Rio Doce, hoje, reintegrados ao Ministério das Minas e Energia representado neste Estado pelo DNPM Departamento Nacional de Produção Mineral. Tais servidores se enquadram na faixa etária entre 50 a 70 anos, ou seja, já constituem uma força de trabalho envelhecida para a Administração Pública. Ressalta-se que os servidores anistiados possuem várias limitações de designação de responsabilidade por parte da UJ impostas pelo regime CLT, além de lhe faltarem capacitação adequada que possam contribuir mais efetivamente com os resultados que a UJ tem por missão alcançar, estes, devido a faixa etária, ausentam-se com frequência e se afastam por longo período por motivo doença especificada em Lei. Como força de trabalho de servidores estatutários a UJ contou com apenas 19 servidores efetivos que, somados ao grupo celetista (24), perfizeram um total de 43 servidores para atuarem nas atividades meio de sua competência. Não são considerados como força de trabalho, por não integrarem a UJ os servidores cedidos (05 servidores). A força de trabalho da UJ tem por objetivo proporcionar apoio administrativo às Unidades Usuárias do Ministério da Fazenda visando o desenvolvimento das atividades finalísticas da Procuradoria da Fazenda Nacional, Delegacia da Receita Federal do Brasil, Controladoria Geral da União, Superintendência do Patrimônio da União, Agência Brasileira de Inteligência, além da própria 19

20 Superintendência de Administração e o Serpro, embora, restando prejudicadas em virtude da desmotivação pessoal e profissional dos servidores já em fase final de carreira e próximos à aposentadoria, consequentemente, resultados nem sempre alcançados face à realidade do corpo funcional atualmente em atividade. Dos 43 servidores estatutários/celestistas, somente 27 (vinte e seis) atuam diretamente na área finalística da UJ. Os demais (16 servidores) atuam em atividades de suporte e manutenção predial, atividades estas que não impactam direta, positivamente e administrativamente na execução do planejamento estratégico e no atingir das metas da UJ. TOTAL DE SERVIDORES: 43 ATUANTES EM AÇÕES FINALÍSTICAS (GABINETE, RH, RL, OF): 27 ATUANTES EM AÇÕES DE SUPORTE: 16, sendo: 01 o motorista, 04 recadastramento, 01 telefonista, 10 manutenção predial. Este atual cenário, de expressiva redução de servidores da UJ, vem impactando negativamente, desde 2001, no desenvolvimento das atividades e distribuição de servidores por setores, dificultando até mesmo a necessária segregação de funções na UJ, fato este que leva um mesmo servidor a acumular atividades. Ressalte-se ainda a grande dificuldade da UJ quando das ausências do servidor, seja por motivo de férias, licença prêmio, doença ou outras naturezas. A Unidade não possui número suficiente de servidores para delegar substituição. Em decorrência, há comprometimento nas atividades desenvolvidas, os servidores acumulam atividades/funções o que impossibilita o crescimento profissional, pois, dificulta realização de novos projetos no contexto da Organização para otimização de suas atividades, desempenhos e resultados. Para minimizar os efeitos dos impactos negativos a UJ conta com contratações de serviços terceirizados visando suprir a carência de quantitativo de pessoal efetivo e a deficiência da qualidade de mão-de-obra celetista, fim de cumprir sua missão. Assim, conclui-se que a UJ, face ao expressivo número reduzido de servidores fica comprometida em realizar suas atividades com melhor desempenho e qualidade por prestar apoio administrativo aos demais Órgãos Fazendários e outros federais. A Unidade desenvolve suas atividades com resultados muitas vezes indesejáveis em virtude da carência de pessoal devido a atual situação que se passa no cenário de contratações e concursos, que por sua vez não ocorrem em favorecimento das SAMF s desde o ano de

21 a) Estratégia de atuação frente às responsabilidades institucionais A Superintendência de Administração/ES possui característica de Unidade Jurisdicionada e não Unidade Orçamentária, portanto não se enquadra nos Programas e Ações da LOA e LDO. Tal característica é de competência do seu Órgão Central, a Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração SPOA/DF, sendo esta Unidade Orçamentária 25101, que repassa o montante dos recursos da LOA à SAMF/ES para cobertura das despesas de custeio do Ministério da Fazenda no Espírito Santo administrado, regimentalmente, pela UJ. d) Desempenho Orçamentário e Financeiro I. Programação Orçamentária das Despesas Quadro A Identificação das Unidades Orçamentárias Denominação das Unidades Orçamentárias Código da UO Código SIAFI da UGO Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração A UJ SAMF-ES está subordinada a UO de seu Órgão Central e não é UGO consolidada e agregada. 21

22 Quadro A Movimentação Orçamentária por Grupo de Despesa Despesas Correntes Natureza da Movimentação de Crédito UG concedente ou recebedora Classificação da ação 1 Pessoal e Encargos Sociais 2 Juros e Encargos Sociais 3 Outras Despesas Correntes Concedidos , , ,33 Movimentação Interna ,00 Recebidos , , , ,45 Concedidos Movimentação Externa Recebidos , , B , D , ,77 22

23 Natureza da Movimentação de Crédito Movimentação Interna Movimentação Externa Fonte: Siafi , ,00 UG concedente ou recebedora Classificação da ação Despesas Correntes 4 Investimento 5 Inversões Financeiras 6 Outras Despesas de Capital Concedidos Recebidos , Concedidos Recebidos ,

24 Quadro A.2.11 Despesas por modalidade de contratação dos créditos recebidos por movimentação Modalidade de Contratação Despesa Liquidada Despesa paga Licitação , , , ,50 Convite , ,89 Tomada de Preços Concorrência Pregão , , , ,61 Concurso Consulta Contratações Diretas , , , ,23 Dispensa , , , ,92 Inexigibilidade , , , ,31 Regime de Execução Especial Suprimento de Fundos Pagamento de Pessoal , , , ,07 Pagamento em Folha , , , ,54 Diárias , , , ,53 Outras , , , ,68 Fonte: Siafi 24

25 Quadro A Despesas correntes por grupo e elemento de despesa dos créditos recebidos por movimentação Grupos de Despesa Despesa Empenhada Despesa Liquidada RP não processados Valores Pagos Despesas de Pessoal , , , , , , , , , , , , , , ,20 Demais elementos do grupo Juros e Encargos da Dívida Demais elementos do grupo Outras Despesas Correntes , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00-747, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,76 130, , , ,47 163, , ,47 163, ,47 775,95 977,47 775, ,47 775, , , , , , , , , Demais elementos do grupo Fonte: Siafi 25

26 Quadro A Despesas de capital por grupo e elemento de despesa dos créditos recebidos por movimentação Grupos de Despesa Despesa Empenhada Despesa Liquidada RP não processados Valores Pagos Investimentos , , , , , , , , , , , , , , ,84 Demais elementos do grupo Inversões Financeiras º elemento de despesa º elemento de despesa º elemento de despesa Demais elementos do grupo Amortização da Dívida º elemento de despesa º elemento de despesa º elemento de despesa Demais elementos do grupo Fonte: Siafi 26

27 II. Indicadores Institucionais O Planejamento Estratégico da Superintendência de Administração no Espírito Santo obedece, em suma, as diretrizes estabelecidas pelo Órgão Central, a Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração / SPOA/MF/DF por ser Unidade Jurisdicionada daquela pasta. O Planejamento Estratégico SPOA se pautou pela Portaria nº 333, de 09/04/2009, que estabeleceu as metas globais para o exercício de 2009, e pelo conjunto de objetivos estratégicos, fatores críticos de sucesso, indicadores de desempenho e metas globais definidos para o triênio 2009 a Para regulamentar a Portaria nº 333, em virtude dos trabalhos de revisão e desdobramentos iniciados em 2008, da necessidade de difundir os principais termos e conceitos utilizados no Planejamento Estratégico SPOA e ainda, considerando a importância de dar conhecimento sobre as etapas do ciclo da gestão estratégica, do modelo de gestão estratégica e das responsabilidades foi expedida a Ordem de Serviço SPOA nº 001, de 07 de maio de 2009, que dispõe sobre os procedimentos e apresenta os pressupostos básicos definidos para o Planejamento Estratégico SPOA, triênio Dentre os procedimentos e pressupostos constantes da OS nº 001 pode-se destacar as 04 etapas de constituem o ciclo de elaboração da gestão estratégica, os propósitos organizacionais da SPOA, os Painéis Estratégicos, os 05 Objetivos Estratégicos, os Indicadores de Desempenho, as Metas, a forma de Acompanhamento e Responsabilidades, os 06 Modelo de Gestão Estratégica e Responsabilidades, e competências adicionais não estabelecidas na Portaria nº 401/2007. Foram expedidas, ainda, outras Ordens de Serviço nºs 02 e 03, ambas em 2009, dispondo sobre os procedimentos complementares para a execução do Planejamento Estratégico SPOA, triênio , onde está inserida a UJ SAMF/ES. Foi editada, ainda, a Portaria nº 1.123, de 18/12/2009, de aprovação do conjunto das metas globais definidas para a Gestão Estratégica da SPOA, bem como a publicação em Boletim de Serviços para as metas setoriais. A SPOA/MF-ES editou a Portaria nº 1.220, de 30/12/2010, publicada em 03/01/2011que dispõe acerca da revisão do conjunto de metas globais e das metas setoriais definidas para a Gestão Estratégica SPOA/MF/DF. Todas as informações detalhadas da elaboração, desenvolvimento e execução do Planejamento Estratégico SPOA, triênio , podem ser obtidas por meio da intranet no link a seguir 27

28 1. Perspectiva de Unidades Usuárias: OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Aumentar a satisfação das Unidades Usuárias Avaliar e otimizar a qualidade dos serviços prestados pela SPOA, de maneira a resgatar e a fidelizar as Unidades Usuárias. 2. Perspectiva de Processos Melhorar o desempenho dos processos de trabalho Criar e manter condições para a redução dos recursos gastos nos processos, mapeando, padronizando e automatizando. 3. Perspectiva de Aquisições Melhorar o desempenho das Aquisições Pesquisar e adotar melhores práticas que, juntamente com a padronização e automação de processos, criem e mantenham as condições adequadas para a melhoria dos processos. 4. Perspectiva de Pessoas Desenvolver a força de trabalho Desenvolver os Servidores, criando condições para que bem desempenhem as suas funções. 5. Perspectiva de Finanças Melhorar a gestão dos recursos do Ministério da Fazenda Fazer o levantamento e providenciar as condições favoráveis para acordos entre os órgãos fazendários, na busca da otimização dos recursos do Ministério da Fazenda. 1. Perspectiva de Unidades Usuárias FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO Marketing de relacionamento Desenvolver formas de acompanhar, junto às unidades usuárias, a qualidade dos serviços prestados em logística, recursos humanos e tecnologia da informação para aumentar o percentual de satisfação das unidades usuárias. Avaliação dos serviços prestados Desenvolver formas de avaliar, junto às unidades usuárias, a qualidade dos serviços prestados em logística, recursos humanos e tecnologia da informação para aumentar o percentual de satisfação das unidades usuárias. 28

29 2. Perspectiva de Processos Padronização Criar meios para que sejam padronizadas as atividades críticas de logística e de recursos humanos que contribuam diretamente para reduzir o tempo médio de atendimento de logística e o número de inconsistências por matrícula SIAPE. Racionalização Enfatizar ações de responsabilidade socioambiental que resultem na participação dos servidores em iniciativas que visem à sustentabilidade, focando na redução de consumo, no reaproveitamento e na reciclagem. 3. Perspectiva de Aquisições Padronização de materiais e serviços Criar meios para a padronização e a implantação dos serviços e materiais críticos que contribuam diretamente para reduzir o tempo médio das aquisições. 4. Perspectiva de Pessoas Desenvolvimento de competências Acompanhar o cumprimento do cronograma de implantação do plano de desenvolvimento de competências, visando a adequá-las para o cumprimento de metas organizacionais. 5. Perspectiva de Finanças Eficiência de gastos Aprimorar a eficiência da gestão das despesas, para criar as condições favoráveis à otimização dos recursos do Ministério da Fazenda. Cumprimento da programação orçamentária Acompanhar e aprimorar a contratação de serviços cujos créditos foram autorizados, para evitar a sobra e o remanejamento de recursos. 29

30 Mapa do Planejamento Estratégico 2009/

31 PAINEL ESTRATÉGICO O Painel Estratégico é o quadro-resumo com todos os entes que integram a estratégia da SPOA, devidamente alocados nas perspectivas: Unidades Usuárias, Aquisições, Processos, Pessoas, e Finanças. O Painel Estratégico Global traduz os Objetivos Estratégicos, com seus Indicadores Resultantes - as medidas de desempenho que permitirão verificar a implantação da estratégia -, e os Fatores Críticos de Sucesso, que são os principais desafios a serem superados para a consecução dos objetivos. Os indicadores Direcionadores são ligados a esses Fatores e demonstram a tendência e as causas presumidas do efeito, permitindo ações proativas. O Painel Estratégico Setorial traz as anotações dos indicadores específicos da Unidade, desdobrados dos Indicadores do Painel Estratégico Global. Estes Painéis foram resultado do Encontro de Dirigentes - Planejamento Estratégico , realizado no CENTRESAF/MF, dias 21 e 22 de outubro de 2008 e ajustes posteriores, efetuados pelo COPLAN. 31

32 PAINEL ESTRATÉGICO GLOBAL Visão: SER REFERENCIAL COMO UNIDADE DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL ATÉ PERSPECTIVAS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS UNIDADES USUÁRIAS Aumentar a satisfação das unidades usuárias PROCESSOS AQUISIÇÕES PESSOAS FINANÇAS Melhorar o desempenho dos processos de trabalho Melhorar o desempenho das Aquisições. Desenvolver a força de trabalho Melhorar a gestão dos recursos do Ministério da Fazenda. INDICADORES RESULTANTES FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO % de satisfação de unidades usuárias (a) Marketing de relacionamento (b) Avaliação dos serviços prestados Tempo médio de atendimento de logística Nº de inconsistências por matrícula SIAPE % de impedimentos judiciais à reposição ao erário na folha de pagamento Nº de ações de responsabilidade socioambiental ( a ) Padronização ( b ) Racionalização Tempo médio das aquisições Padronização de materiais e serviços Adequação das competências dos servidores Cumprimento de metas organizacionais % de satisfação do servidor Desenvolvimento de competências Crédito autorizado / Programado. (a) Cumprimento da programação orçamentária (b) Eficiência de gastos. 32

33 INDICADORES DIRECIONADORES (a e b) Avaliação pós-- serv. prestado logística (a e b) Avaliação pósserviço prestado de RH (a e b) Avaliação pósserviço prestado de TI ( a ) Nº de atividades críticas de logística padronizadas ( a ) Nº de atividades críticas de RH padronizadas ( b )Consumo de energia elétrica ( b )Consumo de água ( b )Consumo de papel % de materiais críticos padronizados e implantados % de serviços críticos padronizados % de cumprimento do plano de desenvolvimento de competências (a) Serviços contratados/crédito autorizado (b) Eficiência na gestão das despesas 33

34 PAINEL ESTRATÉGICO SETORIAL Visão: SER REFERENCIAL COMO UNIDADE DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL ATÉ PERSPECTIVAS INDICADORES RESULTANTES INDICADORES DIRECIONADORES UNIDADES USUÁRIAS % de Satisfação de unidades usuárias. Avaliação pós-serviço prestado de logística Avaliação pós-serviço prestado de RH Avaliação pós-serviço prestado de TI PROCESSOS AQUISIÇÕES PESSOAS FINANÇAS Tempo médio de atendimento de logística Nº de inconsistências por matrícula SIAPE % de impedimentos judiciais à reposição ao erário na Folha de Pagamento Nº de ações de responsabilidade socioambiental Implantação das atividades críticas de logística padronizadas Implantação das atividades críticas de RH padronizadas Nº de inconsistências nas pensões por matrícula SIAPE de pensionistas Nº de inconsistências em ativos por matrícula SIAPE Nº de inconsistências em aposentadorias por número de matrícula SIAPE de aposentados Consumo de energia Tempo médio das Aquisições % de serviços críticos implantados Cumprimento de metas organizacionais % de satisfação do servidor % de cumprimento do plano de desenvolvimento de competências Serviços contratados / Crédito autorizado. Despesas com energia elétrica Despesas com serviços de vigilância e segurança Despesas com pessoal terceirizado 34

35 elétrica Consumo de água Consumo de papel 35

36 MATRIZ DE RESPONSABILIDADES Global Perspectiva Nº Sigla Indicador de Desempenho Gestor COGEF COGEP COGTI COGPL COGRL SAMFs 01 UU01R % de Satisfação de Unidades Usuárias Priscila Nery R P Unidades 02 UU02D Avaliação Pós-Serviço Prestado de Logística Alexandra Mendes P R P Usuárias 03 UU03D Avaliação Pós-Serviço Prestado de RH Kelcylene Cabral R P P 04 UU04D Avaliação Pós-Serviço Prestado de TI Maria Freitas R P 05 AQ01R Tempo Médio das Aquisições Elizeu Nascimento P R P Aquisições 06 AQ02D % de Materiais Críticos Padronizados e Implantados Claudia Loureiro P R P 07 AQ03D Nº de Serviços Críticos Padronizados Wânia Pereira P R P 08 PR01R Tempo Médio de Atendimento de Logística Francisca Inêz P R P 09 PR02R Nº de Inconsistências por Matrícula SIAPE Sônia Rodrigues R P P 10 PR03R % de Impedimentos Judiciais à Reposição ao Erário na Folha de Pagamento Vivian Rodrigues R P P 11 PR04R Nº de Ações de Responsabilidade Socioambiental Ana Aparecida P P R P Processos 12 PR05D Nº de Atividades Críticas de Logística Padronizadas Rejane Levy P P R P 13 PR06D Nº de Atividades Críticas de RH Padronizadas Neide Barbosa R P P P 14 PR12D Consumo de Energia Elétrica Reginaldo Torres P R P 15 PR13D Consumo de Água Reginaldo Torres P R P 16 PR14D Consumo de Papel Marcos Gomes P R P 17 PE01R Adequação das Competências dos Servidores Maristela Alcântara R P Pessoas 18 PE02R Cumprimento de Metas Organizacionais Priscila Nery P R P 19 PE03R % de Satisfação do Servidor Georgia Maria R P P 20 PE04D Cumprimento do Plano de Desenvolvimento de Competências Eneides Araujo R P Finanças 21 FI01R Crédito Autorizado / Programado Rute Botelho R P 22 FI04D Eficiência na Gestão das Despesas R R Área responsável pelo indicador. Geralmente área de vinculação do indicador. P Área parceira. Participa de plano de ação quando acionada pelo Gestor de Indicador. 36

37 MATRIZ DE RESPONSABILIDADES Setorial Perspectiva Nº Sigla Indicador de Desempenho Gestor COGEF COGEP COGTI COGPL COGRL SAMFs 01 UU01R % de Satisfação de Unidades Usuárias Priscila Nery R R Unidades 02 UU02D Avaliação Pós-Serviço Prestado de Logística Marco Aurélio P R R Usuárias 03 UU03D Avaliação Pós-Serviço Prestado de RH Kelcylene Cabral R P R 04 UU04D Avaliação Pós-Serviço Prestado de TI Maria Freitas R R Aquisições 05 AQ01R Tempo Médio das Aquisições Renata Simas P R R 06 AQ04D Nº de Serviços Críticos Implantados Rejane dos Santos R R 07 PR01R Tempo Médio de Atendimento de Logística Nilzinete Maria P R R 08 PR02R Nº de Inconsistências por Matrícula SIAPE Sônia Rodrigues R P R 09 PR03R % de Impedimentos Judiciais à Reposição ao Erário na Folha de Pagamento Vivian Rodrigues R P R 10 PR04R Nº de Ações de Responsabilidade Socioambiental Ioelson Cangussu P P R R 11 PR07D Implantação das Atividades Críticas de Logística Padronizadas Marcus Renaldo R R Processos 12 PR08D Implantação das Atividades Críticas de RH Padronizadas Neide Barbosa R P P R 13 PR09D Nº de Inconsistências nas Pensões / Matrícula SIAPE de Pensionistas Sônia Rodrigues R R 14 PR10D Nº de Inconsistências em Ativos / Matrícula SIAPE de Ativos Eleni Militão R R 15 PR11D Nº de Inconsistências em Aposentadorias / Matrícula SIAPE de Aposentados Sônia Rodrigues R R 16 PR12D Consumo de Energia Elétrica Reginaldo Torres P R R 17 PR13D Consumo de Água Reginaldo Torres P R R 18 PR14D Consumo de Papel Maria Célia P R R 19 PE02R Cumprimento de Metas Organizacionais Priscila Nery P R R 20 PE03R % de Satisfação do Servidor Georgia Maria R P R Pessoas 21 PE04D Cumprimento do Plano de Desenvolvimento de Competências Eneides Araujo R R 22 FI06D Despesas com Energia Elétrica Rute Botelho R P P R 23 FI07D Despesas com Serviços de Vigilância e Segurança Rute Botelho R P P R 24 FI10D Despesas com Pessoal Terceirizado Rute Botelho R P P R R Área responsável pelo indicador. Geralmente área de vinculação do indicador. P Área parceira. Participa de plano de ação quando acionada pelo Gestor de Indicador. 37

38 RELAÇÃO DE INDICADORES METAS SETORIAIS Nº Sigla Indicador de Desempenho SAMF-ESPÍRITO SANTO Gestor UU01R % de satisfação de unidades usuárias Raimundo 70% 70% 90% 02 UU02D Avaliação pós-serviço prestado de logística Luisa Maria 60% 70% 80% 03 UU03D Avaliação pós-serviço prestado de RH Celina Queila 40% 60% 80% 04 UU04D Avaliação pós-serviço prestado de TI Carlos Alberto 51% 80% 70% 05 AQ01R Tempo médio das aquisições Luisa Maria 60% 65% 70% 06 AQ04D % de serviços críticos implantados Luisa Maria 50% 50% 50% 07 PR01R Tempo médio de atendimento de logística Luisa Maria 60% 80% 80% 08 PR02R Nº de inconsistências por matrícula SIAPE Celina Queila 30% - 20% 09 PR03R % de impedimentos judiciais à reposição ao erário na folha de pagamento Celina Queila PR04R Nº de ações de responsabilidade socioambiental Albertina PR07D Implantação das atividades críticas de logística padronizadas Luísa Maria PR08D Implantação das atividades críticas de RH padronizadas Albertina PR09D Nº de inconsistências nas pensões / Matrícula SIAPE de pensionistas Celina Queila 20% - 30% 14 PR10D Nº de inconsistências em ativos / Matrícula SIAPE de ativos Celina Queila 30% - 20% 15 PR11D Nº de inconsistências em aposentadorias / Matrícula SIAPE de aposentados Celina Queila 30% - 40% 16 PR12D Consumo de energia elétrica em kwh/m2 Luísa Maria 4, , PR13D Consumo de água em m/pes. Luísa Maria 1,6000 1,5 1, PR14D Consumo de papel Luísa Maria 10% 50% 10% 19 PE02R Cumprimento de metas organizacionais Penha 85% - 95% 38

39 20 PE03R % de satisfação do servidor Albertina 95,65% 80% 97,65% 21 PE04D % de cumprimento do plano de desenvolvimento de competências Celina Queila 60% 60% 80% 22 FI02R Serviços contratados / Crédito autorizado Penha 80% - 100% 23 FI06D Despesas com energia elétrica Penha 100% - 90% 80% 100% - 90% 24 FI07D Despesas com serviços de vigilância e segurança Penha 100% - 90% 80% 100% - 90% 25 FI10D Despesas com pessoal terceirizado Penha 100% - 90% 80% 100% - 90% Observação: 1) com relação aos indicadores PR03R % de impedimentos judiciais à reposição ao erário na folha de pagamento, e PR04 Nº de ações de responsabilidade socioambiental, estamos no aguardo de instruções de novos procedimentos do Órgão Central/SPOA. 39

40 INSTRUMENTO DE MONITORAMENTO DE DESEMPENHO - IMD O Planejamento Estratégico da Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração SPOA, revisado em outubro de 2008, no Encontro de Dirigentes, resultou na construção dos Painéis Estratégicos Global e Setorial. Consta nos referidos Painéis um rol de Indicadores de desempenho que permitirão acompanhar e verificar o cumprimento das estratégias definidas pela SPOA, para o triênio Os Painéis Estratégicos Global e Setorial da SPOA apresentam 33 Indicadores de Desempenho no total, sendo oito globais, quinze globais e setoriais, e dez setoriais, conforme tabela abaixo: 40

41 Dessa forma, a COGPL construiu o Instrumento de Monitoramento do Desempenho - IMD. Essa ferramenta desenvolvida no Microsoft Excel utiliza diversas planilhas interligadas, que permitiu registrar e apurar os resultados obtidos pelos Indicadores em cada SAMF e Unidade Central, bem como, a geração de gráficos para uma melhor visualização, interpretação e avaliação do desempenho do conjunto de Indicadores do Planejamento Estratégico da SPOA. Veja gráfico a seguir: 41

42 SATISFAÇÃO DA UNIDADE-USUÁRIA A satisfação dos cidadãos e usuários tem sido uma das novas preocupações das organizações que atuam no setor público, principalmente no quesito de como mantê-la contínua em um ambiente repleto de mudanças e contingências, tanto estruturais quanto gerenciais. Essas mudanças interferem no modelo de gestão e na forma como a organização atuará para uniformizar/padronizar os serviços prestados aos seus usuários. Esse contexto de incertezas exige que as organizações busquem constantemente ferramentas que permitam a melhoria contínua dos produtos e/ou serviços ofertados visando cumprir sua missão e manter o usuário satisfeito. Consonante com essa tendência, a Presidência da República decretou que os órgãos e entidades do Poder Executivo deverão aplicar periodicamente pesquisa de satisfação junto aos usuários de seus serviços e utilizar os resultados como subsídio relevante para reorientar e ajustar os serviços prestados (Art. 12, Decreto nº , de 11/08/2009). Este Decreto foi posteriormente normatizado pela Secretaria de Gestão, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, por meio da publicação da Instrução Normativa nº. 1, de 6 de janeiro de 2010, que dispõe sobre a elaboração e a publicação de Carta de Serviços ao Cidadão e a aplicação de pesquisas de satisfação do usuário. Esta Instrução reforça a importância do monitoramento e avaliação sistemática por meio de aplicação de pesquisa de satisfação junto aos usuários (Art. 7º, 2º). A Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração (SPOA) órgão central desta Unidade Jurisdicionada já havia iniciado a estruturação da Pesquisa de Satisfação da SPOA, mesmo antes da publicação do Decreto supracitado, visto que a Subsecretaria é adesa ao Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização (GESPÚBLICA) e adota o Modelo de Excelência em Gestão Pública (MEGP). Este Modelo prevê a necessidade dos Órgãos avaliarem a satisfação dos cidadãos-usuários em relação aos seus produtos ou serviços oferecidos, buscando identificar oportunidades para melhoria, aumentando a satisfação. A Pesquisa de Satisfação da SPOA objetiva identificar o nível de satisfação das Unidades Usuárias Fazendárias (UUs) em relação aos serviços prestados pelas Unidades da Subsecretaria (Unidade Central - DF e SAMF s). A Pesquisa foi composta por três Fases: Fase I: Qualitativa: direcionada aos Dirigentes de nível estratégico de todas as UUs Fazendárias e tem como objetivo identificar a percepção geral dessas UUs em relação aos serviços prestados pela SPOA (Unidade Central e SAMF s). As informações, sugestões e críticas obtidas contribuirão para o direcionamento do questionário da Fase Quantitativa e para a elaboração do Plano de Melhoria. Fase II: Quantitativa: aplicou-se junto aos servidores de todas as UUs, e teve por objetivo identificar o percentual de satisfação dos servidores em relação a serviços específicos prestados pela SPOA e Unidades Centrais, que foram detectados na Fase Qualitativa como os serviços utilizados com mais frequência. 42

43 O questionário a aplicado foi disponibilizado em meio eletrônico aos servidores das UUs. Fase III: Plano de Melhoria: será realizado após a conclusão das fases anteriores. As ações do Plano de Melhoria serão desenvolvidas em 2011 com base nos resultados obtidos por meio das Fases Qualitativa e Quantitativa, com o objetivo de aprimorar os serviços prestados às UUs Fazendárias. Ressalta-se que a Pesquisa foi uma das iniciativas do Planejamento Estratégico SPOA, triênio , sendo instrumento fundamental para elevar o nível de gestão da SPOA e Unidades Regionais (SAMF s). 43

44 2ª Pesquisa de Satisfação exercício 2011 Para a realização da 2ª Pesquisa, os questionários desenvolvidos foram disponibilizados eletronicamente no site do Órgão Central e aplicados no período de 1º a 26 de agosto de Ressalta-se que para a 2ª Pesquisa só foram considerados válidos os questionários respondidos por servidores das Unidades Fazendárias. Os dados foram coletados em âmbito global (SPOA) e em âmbito setorial (SAMFs), garantindo o sigilo e a confidencialidade das identidades dos participantes desse estudo, ou seja, os servidores exclusivamente integrantes do Ministério da Fazenda. No gráfico acima, é apresentado um panorama comparativo entre os resultados das Unidades da SPOA (Órgão Central da UJ) e a meta do indicador. Desta forma, é possível identificar que: sete SAMFs, dentre elas a UJ SAMF-ES (MT, AL, ES, MS, SE, PI e CE) superaram a meta. Outras informações acerca da 2ª Pesquisa de Satisfação das Unidades Usuárias (Fazendárias) podem ser obtidas no link a seguir: pdf 44

45 PROGRAMA GESPÚBLICA O Programa Gespública foi instituído pelo Decreto nº 5.378, 23/02/2005, com a finalidade de contribuir para a melhoria da qualidade dos serviços públicos prestados aos cidadãos e para o aumento da competitividade do País, formulando e implementando medidas integradas em agenda de transformações da gestão, necessárias à promoção dos resultados preconizados no plano plurianual, à consolidação da administração pública profissional voltada ao interesse do cidadão e à aplicação de instrumentos e abordagem gerenciais. A primeira etapa para realização do Gespública na UJ foi acerca da realização da autoavaliação no alcance dos 250 pontos no ranking do programa, abordando várias perspectivas: estratégias e planos: 25 pontos; liderança: 25 pontos; cidadãos e sociedade: 25 pontos; conhecimento e informação: 25 pontos; pessoas e processos: 25 pontos e resultados: 100 pontos. A partir da autoavaliação é possível conhecer em qual estágio se encontra a unidade. Em relação à UJ abaixo o gráfico representando a sua colocação no ranking entre as unidades regionais da Subsecretaria de Planejamento, orçamento e Administração do MF/SPOA em que aparece em 2º lugar em nível nacional. 45

46 No ano de 2010 a UJ iniciou os trabalhos da segunda fase do Programa Gespública para realização da autoavaliação dos 500 pontos com término previsto no exercício de Entretanto, em virtude da escassez de recursos com diárias e passagens estabelecidos no âmbito do Serviço Público, no ano de 2011, notoriamente divulgado nos meios de comunicação, ficaram suspensas todas as viagens para treinamento, capacitação e projetos, restando prejudicada, assim, a finalização dos trabalhos da conclusão da 2ª autoavaliação vez que para a validação das informações e resultados da UJ pelo comitê responsável pelo Gespública no DF exige-se a presença do validador do Programa. Assim, a finalização do processo de autoavaliação foi adiada, possivelmente, para 2012 visto a necessidade da presença do consultor e do validador do Programa Gespública permanecendo o cenário inalterado em 31/12/

47 PARTE A ITEM 4 Quadro A Situação dos Restos a Pagar de exercícios anteriores Restos a Pagar Processados Ano de Inscrição Montante Inscrito Cancelamentos Pagamentos Saldo a Pagar em acumulados acumulados 31/12/ R$ 2.520,00 - R$ 2.520, Restos a Pagar não Processados Ano de Inscrição Montante Inscrito Cancelamentos Pagamentos acumulados acumulados 2010 R$ ,39 R$ ,37 R$ , R$ ,84 R$ ,44 R$ , Observações: Fonte: Siafi Saldo a Pagar em 31/12/

48 PARTE A ITEM 5 Quadro A.5.1 Força de Trabalho da UJ situação apurada em 31/12/2011 Tipologias dos Cargos Lotação Ingressos no Egressos no Autorizada Efetiva exercício exercício 1. Servidores em cargos efetivos ( ) Membros de poder e agentes políticos Servidores de Carreira ( ) Servidor de carreira vinculada ao órgão Servidor de carreira em exercício descentralizado Servidores de carreira em exercício provisório Servidores requisitados de outros órgãos e esferas 2. Servidores com Contratos Temporários Servidores em Regime Celetista Total ( ) Fonte: Siape 48

49 Quadro A.5.2 Situações que reduzem a força de trabalho da UJ em 31/12 Quantidade de Tipologias dos afastamentos pessoas na situação em 31 de dezembro 1. Cedidos ( ) Exercício de Cargo em Comissão Exercício de Função de Confiança Outras situações previstas em leis específicas: Lei 8.682/93, art. 5º; LC nº 73/93; Decreto nº 6.833/09; Portaria nº 74/ Afastamentos ( ) Para Exercício de Mandato Eletivo Para Estudo ou Missão no Exterior Para Serviço em Organismo Internacional Para Participação em Programa de Pós Graduação Stricto Sensu no País - 3. Removidos ( ) De oficio, no interesse da Administração A pedido, a critério da Administração A pedido, independentemente do interesse da Administração para acompanhar cônjuge/companheiro A pedido, independentemente do interesse da Administração por Motivo de saúde A pedido, independentemente do interesse da Administração por Processo seletivo - 4. Licença remunerada ( ) Doença em pessoa da família Capacitação - 5. Licença não remunerada ( ) Afastamento do cônjuge ou companheiro Serviço militar Atividade política Interesses particulares Mandato classista - 6. Outras situações (Falecimento, Transferência) Total de servidores afastados em 31 de dezembro ( ) 07 Fonte: Siape 49

50 Quadro A.5.3 Detalhamento estrutura de cargos em comissão e funções gratificadas da UJ (situação em 31/12) Tipologias dos cargos em comissão e das funções gratificadas Autorizada Lotação Efetiva Ingressos no exercício Egressos no exercício 1. Cargos em comissão Cargos Natureza Especial Grupo Direção e Assessoramento superior Servidores de carreira vinculada ao órgão Servidores de carreira em exercício descentralizado Servidores de outros órgãos e esferas Sem vínculo Aposentados Funções gratificadas Servidores de carreira vinculada ao órgão Servidores de carreira em exercício descentralizado Servidores de outros órgãos e esferas Total de servidores em cargo e em função (1+2) Fonte: Siape 50

51 Quadro A.5.4 Quantidade de servidores da UJ por faixa etária situação apurada em 31/12/2011 Faixa Etária (anos) Tipologias do Cargo Acima de Até 30 De 31 a 40 De 41 a 50 De 51 a Provimento de cargo efetivo Membros de poder e agentes políticos Servidores de Carreira Servidores com Contratos Temporários Servidores Cedidos ou em Licença Provimento de cargo em comissão Cargos de Natureza Especial Grupo Direção e Assessoramento Superior Funções gratificadas Provimento de cargo celetista Total (1+2+3) Fonte: Siape 51

52 Quadro A.5.5 Quantidade de servidores da UJ por nível de escolaridade situação apurada em 31/12 Tipologias do Cargo Quantidade de pessoas por nível de escolaridade Provimento de cargo efetivo Membros de poder e agentes políticos Servidores de Carreira Servidores com Contratos Temporários Servidores Cedidos ou em Licença Provimento de cargo em comissão Cargos de Natureza Especial Grupo Direção e Assessoramento Superior Funções gratificadas Provimento de cargo celetista Total (1+2+3) LEGENDA Nível de Escolaridade 1 - Analfabeto; 2 - Alfabetizado sem cursos regulares; 3 - Primeiro grau incompleto; 4 - Primeiro grau; 5 - Segundo grau ou técnico; 6 - Superior; 7 - Aperfeiçoamento / Especialização / Pós-Graduação; 8 Mestrado; 9 - Doutorado; 10 - Não Classificada. Fonte: Siape 52

53 Quadro A Composição do Quadro de servidores inativos situação apurada em 31/12 Regime de proventos / Regime de aposentadoria De Servidores Aposentados até 31/12 Quantidade De Aposentadorias iniciadas no exercício de referência 1 Integral Voluntária Compulsório Invalidez Permanente Outras Proporcional Voluntária Compulsório Invalidez Permanente Outras - - Fonte: Siape/Controle de portaria do SRH/SAMF/ES 53

54 Quadro A Composição do Quadro de Instituidores de Pensão situação apurada em 31/12 Quantidade de Beneficiários de Pensão Regime de proventos do servidor instituidor Iniciadas no exercício Acumuladas até 31/12 de referência 1. Aposentado Integral Proporcional Em atividade Total (1+2) 17 - Fonte: Siape/Controle de portaria do SRH/SAMF/ES 54

55 Quadro A Composição do Quadro de estagiários Nível de Quantitativo de contratos de estágio vigentes Custo do exercício escolaridade 1º Trimestre 2º Trimestre 3º Trimestre 4º Trimestre (em R$ 1,00) 1. Nível superior , Área Fim Área Meio ,84 2. Nível Médio , Área Fim Área Meio ,31 3. Total (1+2) ,15 Fonte: Siape 55

56 Quadro A Quadro de custos de pessoal no exercício de referência e nos dois anteriores Tipologias/ Exercícios Exercícios Exercícios Exercícios Exercícios Exercícios Exercícios Vencimentos e vantagens fixas Despesas Variáveis Retribuições Gratificações Adicionais Indenizações Benefícios Assistenciais e previdenciários Demais despesas variáveis Despesas de Exercícios Anteriores Decisões Judiciais Em R$ 1,00 Membros de poder e agentes políticos Servidores de Carreira que não ocupam cargo de provimento em comissão , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,03 Servidores com Contratos Temporários Servidores Cedidos com ônus ou em Licença Servidores ocupantes de Cargos de Natureza Especial Servidores ocupantes de cargos do Grupo Direção e Assessoramento Superior Servidores ocupantes de Funções gratificadas Total 56

57 Exercícios Fonte: Siape Obs: O expressivo aumento dos vencimentos e gratificações de 2011 para 2011 ocorreu devido o recebimento do quadro de servidores aposentados e pensionistas oriundos do INSS absorvidos pela RFB. 57

58 Quadro A Contratos de prestação de serviços de limpeza e higiene e vigilância ostensiva Unidade Contratante Nome: Superintendência de Administração do Ministério da Fazenda no Espírito Santo UG/Gestão: /00001 CNPJ: / Informações sobre os contratos Ano do contrato Área Natureza Identificação do Contrato Empresa Contratada (CNPJ) Nível de Escolaridade exigido Período contratual de execução dos trabalhadores contratados das atividades contratadas F M S Início Fim P C P C P C 2010 L O / /05/ /05/ P 2010 V O / /08/ /03/ P Observações: Sit. LEGENDA Área: (L) Limpeza e Higiene; (V) Vigilância Ostensiva. Natureza: (O) Ordinária; (E) Emergencial. Nível de Escolaridade: (F) Ensino Fundamental; (M) Ensino Médio; (S) Ensino Superior. Situação do Contrato: (A) Ativo Normal; (P) Ativo Prorrogado; (E) Encerrado. Quantidade de trabalhadores: (P) Prevista no contrato; (C) Efetivamente contratada. Fonte: Processos nº / /

59 Quadro A Contratos de prestação de serviços com locação de mão-de-obra Unidade Contratante Nome: Superintendência de Administração do Ministério da Fazenda no Espírito Santo UG/Gestão: /00001 CNPJ: / Informações sobre os contratos Ano do contrato Área Natureza Identificação do Contrato Empresa Contratada (CNPJ) Nível de Escolaridade exigido Período contratual de execução dos trabalhadores contratados das atividades contratadas F M S Início Fim P C P C P C O / /05/ /05/ P O / /03/ /03/ P O / /04/ /10/ E O / /04/ /10/ E O / /04/ /10/ E O / /08/ /08/ P E / /11/ /04/ A E / /11/ /04/ A E / /11/ /04/ A Observações: - Todos os contratos da UJ possuem caráter de despesa compartilhada entre as unidades instaladas no Ed. do MF/ES: SAMF, RFB, PFN, SPU, CGU, ABIN, SERPRO, BB. LEGENDA Área: 1. Conservação e Limpeza; 2. Segurança; 3. Vigilância; 4. Transportes; 5. Informática; 6. Copeiragem; 7. Recepção; 8. Reprografia; 9. Telecomunicações; 10. Manutenção de bens móveis 11. Manutenção de bens imóveis Natureza: (O) Ordinária; (E) Emergencial. Nível de Escolaridade: (F) Ensino Fundamental; (M) Ensino Médio; (S) Ensino Superior. Situação do Contrato: (A) Ativo Normal; (P) Ativo Prorrogado; (E) Encerrado. Quantidade de trabalhadores: (P) Prevista no contrato; (C) Efetivamente contratada. Sit. 59

60 12. Brigadistas 13. Apoio Administrativo Menores Aprendizes 14. Outras Fonte: Processos nº / ; / ; / ; / ; / ; 60

61 5.6 Indicadores Gerenciais sobre Recursos Humanos DEMONSTRATIVO DE PESSOAL: O atual quantitativo do quadro de pessoal está muito aquém para a demanda de atividades que são executadas pelo órgão e previstas no Regimento Interno estabelecido pela Portaria nº 207, de 04/03/2010, publicada em 04/03/2010 no DOU. Desde 1995 não é realizado nenhum concurso público visando recompor a defasagem do quadro de pessoal operacional administrativo do quadro do Ministério da Fazenda, advindo da extinção dos cargos, dos falecimentos e das aposentadorias dos servidores. A extinção da DAMF/ES (1998) acarretou na distribuição dos aproximados 120 servidores para outros órgãos. O ato de criação da SAMF/ES, então GRA/ES, em 2001 não contemplou o retorno de servidores nem tampouco de áreas físicas, mas tão somente as atividades da então DAMF/RJ, atual SAMF/RJ. Tais circunstâncias impactaram e continuam impactando, consideravelmente, no desempenho das atividades da Superintendência de Administração gerando acúmulo de atividades entre os atuais servidores, duplas funções, etc. A tendência, diante desse cenário, caso não haja recomposição de pessoal estatutário, é o agravo da situação em virtude do considerável número de servidores da UJ que estão na iminência de se aposentarem numa projeção para os próximos 02 (dois) anos, ressaltando-se ainda, a maior incidência de afastamentos médicos decorrentes de doenças advindas de expressivo estresse trabalhista bem como, a faixa etária que constitui uma força de trabalho envelhecida. Mesmo diante de tais circunstâncias, a UJ considera dentro de uma normalidade o absenteísmo dos servidores que se mantêm assíduos em seus locais de trabalhos. A seguir atual composição do quadro de recursos humanos da UJ: Servidor Adalberto Caparica P. dos Santos Adilton Barros Nogueira Carlos Alberto Monteiro de Araújo Celina Queila Graça dos Santos Eliene Lopes Rosa das Neves Érika Thais Gonçalves Heloisa Pires Zamprógno Jacinta de Fátima Pereira Maciel Janes Alves Coelho Luisa Maria Costa Cunha Luiz Roberto Duarte Maria Albertina Guarany Pennafort Cargo Motorista Datilógrafo Engenheiro Civil Agente Administrativo Auxiliar Administrativo Assistente Técnico Administrativo Datilógrafa Agente Administrativo Agente Administrativo Agente Administrativo Arquivista Administradora 61

62 Maria da Penha Alves Cunha Maria Lúcia Falcão Duarte Maria Lúcia Cardoso Marise Bermudes Souza Pavan Nívea Nascimento Paulo Sérgio Alberto Raimundo Zacarias Raiol Albuquerque Regina Flegler Marquezine Regina Lúcia de Campos Vieira (2 MATRÍCULAS) Sirlei Brunelli Zuleide de Fátima M. Gomes Margato Zulmira Barroca Ademir João Correa Antônio Carlos Abreu Dias Antônio Cesar Santos Augusto Pereira de Abreu Bernardo Rocha Francisco de Souza Sá Gessi André de Oliveira Iran de Resende Ferreira Itamar Alves Freire Jorge Luiz de Souza Netto José Antônio Fernandes Leandro Fernandes Lourival Nunes do Nascimento Luiz Albérico Malta Lutero Ferreira Lamego Mariel Gomes Leal Mauro Silva de Lima Moacir Soares Cabral Neigmar de Almeida Nélson Silvério Otavio Luiz Lopes Pereira Roberval de Almeida Rubens Brandão Sergio Dalmácio Siqueira Administradora Telefonista Agente Administrativa - cedida para PU/ES Odontóloga - cedida para SIASS/ES Agente Administrativo - cedida para SIASS/ES Agente Administrativo Téc. Ass. Educacionais Agente de Portaria Médica - cedida para SIASS/ES Auxiliar de Enfermagem - cedida para SIASS/ES Agente Administrativo Téc. Contabilidade Analista Espec. de Serv. Econômicos Laboratorista Téc. Espec. Técnico de Segurança do Trabalho Técnico Esp. Assuntos Econ. Superv. Geral de Apoio Serviços Econom. Mecânico Técnico Oficial de Serviços de Apoio Comprador Oficial de Serviços de Apoio Técnico de Segurança do Trabalho Operador de Equipamentos e Instalação Técnico Executivo de Serv. Econômicos Ajudante de Mat. e Patrim. Oficial de Processamento de Dados Técnico Executivo de Serv. Econômicos Técnico de Recursos Humanos Técnico de Material e Patrimônio Operador de Equipamentos Especiais Mecânico Técnico Soldador Técnico Controlador de Material de Patrimonio Operador de Equip. Especiais Orçamentista Especificador Eletricista Técnico 62

63 TOTAL 43 SERVIDORES Dos 43 servidores: 01 é motorista, 04 são específicos do recadastramento, 05 estão cedidas, 01 é telefonista e 10 são da equipe predial (eletricista, mecânico, servente e afins), totalizando 21 servidores. Assim, do total dos 43 servidores, apenas 22 atuam diretamente nas atividades da área meio da UJ/SAMF. Os outros 21 servidores atuam nas ações de apoio operacional, exceto os cedidos (5). Como demonstrado no quadro, em virtude da implantação da Unidade do Sistema de Atenção a Saúde do Servidor SIASS, no Espírito Santo, pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, a UJ teve uma redução de pessoal da área médica e odontológica que possuem cargos específicos da área de saúde. A UJ, além da médica e da odontóloga, cedeu ainda, duas servidoras administrativas para o SIASS com vistas à estruturar aquela Unidade vez que ambas já integravam o setor médico/odontológico enquanto SAMF/ES, já estando com outras duas servidoras cedidas para a PU/ES. Tais circunstâncias acarretaram uma pequena rotatividade de pessoal na UJ reduzindo seu quadro. Visando complementar sua força de trabalho a UJ conta com um pequeno quantitativo de pessoal terceirizado e estagiários conforme quadro abaixo: Terceirizados Andressa Telles Fraga Clayton Cardozo Amaral Célia Maria Vieira da Silva Hérica Correia Araújo João Batista Bermudes Nayara Moreira Rafhael Guaitolini Roselene Gomes de Oliveira Silvânia da Silva Lyrio Thiago Pretti Dallapícola Nascimento Wesley Barbosa Gomes TOTAL 11 TERCEIRIZADOS Cargo Recepcionista Recepcionista Recepcionista Recepcionista Recepcionista Recepcionista Recepcionista Recepcionista Recepcionista Recepcionista Recepcionista Estagiário Cargo/Nível 01 Superior 00 Médio TOTAL 01 ESTAGIÁRIOS 63

64 EVOLUÇÃO DO QUANTITATIVO DE PESSOAL SITUAÇÃO FUNCIONAL SAMF/Estatutário Ativos SAMF/Celetista PFN PSFN Inativos Pensionistas Terceirizados Estagiários Observação: 1) A Superintendência de Administração administra a folha de pagamento dos servidores ativos da SAMF e da PFN, e ainda, dos servidores aposentados e pensionistas de todos os Órgãos Fazendários (SAMF, PFN e RFB). 64

65 Benefícios MINISTÉRIO DA FAZENDA EVOLUÇÃO DOS GASTOS COM A FOLHA DE PESSOAL E BENEFÍCIOS AO SERVIDOR SITUAÇÃO FUNCIONAL Ativos SAMF / PFN(*) / PSFN(**) R$ ,64 R$ ,61 R$ ,62 Inativos (aposentados) R$ ,74 R$ ,92 R$ ,50 Pensionistas R$ ,20 R$ ,81 R$ ,92 Assistência Médica/odontológica R$ ,67 R$ ,00 R$ 8.385,00 Assistência Pré-Escolar R$ 8.236,20 R$ ,00 R$ 7.400,00 Auxílio alimentação R$ ,38 R$ ,00 R$ ,00 Auxílio transporte R$ ,55 R$ ,19 R$ ,66 Indenização de transporte Obs: O aumento nas despesas de inativos e pensionista deu-se em virtude do recebimento dos servidores aposentados e pensionistas advindos do INSS que integrou-se à RFB. 65

66 RECADASTRAMENTO DE PESSOAL SERVIDOR APOSENTADOS PENSIONISTAS TOTAL Recadastrados Falecidos Representação Legal Visita domiciliar Outros Estados Outros Órgãos Federais A recadastrar Observação: 1) dos 07 (sete) aposentados que não se recadastraram 04 referem-se aqueles que tiveram suas aposentadorias concedidas no respectivo ano de 2011, tornando-se opcional o recadastramento, 02 realizaram o recadastramento no início de 2012 (recadastramento manual) e 01 reside no exterior já agendado para o mês de mar/2012, e 2) dos 21 (vinte e um) pensionistas não recadastrados, 09 tiveram suas pensões concedidas em 2011 tornando-se opcional o recadastramento, 03 faleceram em anos anteriores e ainda constam os nomes no sistema de recadastramento, 02 estão com a pensão suspensa pó falta de recadastramento e 07 realizaram o recadastramento no início de 2012 (recadastramento manual). 66

67 TREINAMENTO / CAPACITAÇÃO DE PESSOAL Embora o exercício de 2011 tenha sido escasso acerca de recursos para investimento em capacitação e treinamento de servidores, a UJ realizou 36 eventos de treinamentos de pessoal. Os eventos realizados, 34 servidores participaram de várias ações de capacitação sendo: palestras, cursos internos nas modalidades EaD ensino a distância e presencial e seminários. Do total de servidores, 02 foram para dirigentes, gerentes ou assessores. Não foram realizadas ações de educação formal. O total da carga horária dos eventos em geral foi de (mil, seiscentos e vinte) horas a seguir distribuídas: (mil, quinhentos e vinte horas) com ações de capacitação que envolveu o total 31 servidores capacitados; 100 (cem) horas em ações de eventos diversos, envolvendo o total de 05 servidores capacitados. Os investimentos gastos pela UJ foram na ordem de R$ 6.319,30 (seis mil, trezentos e dezenove reais e trinta centavos) para as ações de capacitações. Das capacitações, as áreas com maior número de participação foram: - Auditoria, desenvolvimento gerencial, gestão da informação, logística e planejamento. As ações de capacitação por finalidade ficaram da seguinte forma: - 5 servidores na Área estratégica; - 5 servidores na área gerencial; - 26 servidores na área Técnica ou Operacional. Do quantitativo de ações de aperfeiçoamento: - 12 servidores por curso; - 03 servidores por palestra; - 01 servidor em seminário, e, - 20 servidores treinamento em serviço. Das ações de capacitações, foram 36 conforme abaixo: Realizadas 12 através da modalidade EAD (distância); Realizadas 20 de forma presencial, na cidade onde o servidor trabalha; Realizamos 01 de forma presencial, fora da cidade onde o servidor trabalha; Realizamos 03 de forma aberta, na cidade onde o servidor mora. 67

68 O Plano anual de capacitação da UJ foi elaborado com base na gestão por competências sendo trabalhadas as competências envolvendo liderança, processos, habilidades, conhecimentos e atitudes. MÊS EVENTOS / 2011 QUANTITATIVO PARTICIPANTES NOME PARTICIPANTES PERÍODO JAN NOVOS SERVIDORES - PLANEJAMENTO ESTRATEGICO 20 BERNARDO ROCHA OTAVIO LUIZ L. PEREIRA ROGERIO PASSOS MARIEL GOMES LEAL LUTERO F. LAMEGO NEIGMAR DE ALMEIDA JORGE LUIZ DE SOUZA NETTO AUGUSTO PEREIRA DE ABREU ANTONIO CESAR SANTOS ANTONIO CARLOS A DIAS JOSE CANDIFO DE OLIVEIRA FRANCISCO DE SOUZA SÁ ITAMAR ALVES FREIRE IRAN DE RESENDE FERREIRA JOSE ANTONIO FERNANDES LOURIVAL NUNES DO NASCIMENTO LUIZ ALMÉRICO MALTA MOACIR SOARES ROBERVAL DE ALMEIDA RUBENS BRANDÃO 31/01 a 08/02/2011 FEV BERNARDO ROCHA EXCEL BÁSICO II 9 OTAVIO LUIZ L.PEREIRA ROGERIO PASSOS MARIEL GOMES LEAL LUTERO F. LAMEGO NEIGMAR DE ALMEIDA JORGE LUIZ DE SOUZA NETTO AUGUSTO PEREIRA DE ABREU ANTONIO CESAR SANTOS EXCEL BÁSICO I 11 ANTONIO CARLOS A DIAS JOSE CANDIFO DE OLIVEIRA FRANCISCO DE SOUZA SÁ ITAMAR ALVES FREIRE IRAN DE RESENDE FERREIRA JOSE ANTONIO FERNANDES LOURIVAL NUNES DO NASCIMENTO LUIZ ALMÉRICO MALTA MOACIR SOARES 09 a11, 14 a 18/02 14 a 18/02/

69 LEI Nº 8112/90 - AUXILIO FUNERAL 5 LEI Nº 8112/90- PENSÃO CIVIL PALESTRA-A MOTIVAÇÃO FAZENDO PARTE DA SUA VIDA! 30 5 ROBERVAL DE ALMEIDA RUBENS BRANDÃO ROGERIO PASSOS MARIEL GOMES LEAL LUTERO F. LAMEGO ERIKA THAIS GONÇALVES ELIENE LOPES ROSAS DAS NEVES ANTONIO CESAR SANTOS MARIEL GOMES LEAL LUTERO F. LAMEGO ROGERIO PASSOS ERIKA THAIS GONÇALVES CELINA QUEILA GRAÇA S.ALVES PAULO SERGIO ALBERTO JACINTA DE FÁTIMA P.MACIEL LUIZ ROBERTO DUARTE ELIENE LOPES ROSAS DAS NEVES JANES PORTO ALVES FERREIRA MARIA ALBERTINA G.PENNAFORT ERIKA THAIS GONÇALVES RAIMUNDO ZACARIAS RAYOL DE ALBUQUERQUE LUISA MARIA COSTA CUNHA AUGUSTO PEREIRA DE ABREU ANTONIO CESAR SANTOS MARIA DA PENHA ALVES CUNHA CARLOS ALBERTO M DE ARAUJO RUBENS BRANDÃO ROBERVAL DE ALMEIDA MOACIR SOARES LUIZ ALMÉRICO MALTA LOURIVAL NUNES DO NASCIMENTO IRAN DE RESENDE FERREIRA JOSE ANTONIO FERNANDES JOSE CANDIDO DE OLIVEIRA LUTERO F. LAMEGO ANTONIO CARLOS A DIAS ANTONIO CESAR SANTOS MARIEL GOMES LEAL ROGERIO PASSOS BERNARDO ROCHA OTAVIO LUIZ LOPES PEREIRA NEIGMAR DE ALMEIDA 14/02/ /02/ /02/

70 MAR PLANEJAMENTO ESTRATEGICO APRESENTAÇÃO DO SISTEMA CORPORATIVO-SRH E USO DE SENHAS 34 5 CELINA QUEILA GRAÇA DOS S ALVES PAULO SERGIO ALBERTO JACINTA DE FÁTIMA PEREIRA MACIEL LUIZ ROBERTO DUARTE HELOISA Z. PIRES ADILTON BARROS NOGUEIRA MARIA ALBERTINA G.PENNAFORT RAIMUNDO ZACARIAS ALBUQUERQUE LUISA MARIA COSTA CUNHA AUGUSTO PEREIRA DE ABREU ANTONIO CESAR SANTOS MARIA DA PENHA ALVES CUNHA CARLOS ALBERTO M. DE ARAUJO RUBENS BRANDÃO ROBERVAL DE ALMEIDA MOACIR SOARES LUIZ ALMÉRICO MALTA LOURIVAL NUNES DO NASCIMENTO IRAN DE RESENDE FERREIRA JOSE ANTONIO FERNANDES JOSE CANDIDO DE OLIVEIRA LUTERO F. LAMEGO ANTONIO CARLOS A DIAS MARIEL GOMES LEAL ROGERIO PASSOS BERNARDO ROCHA OTAVIO LUIZ LOPES PEREIRA NEIGMAR DE ALMEIDA JOSE CANDIDO DE OLIVEIRA FRANCISCO DE SOUZA SÁ ITAMAR ALVES FREIRE REGINA MARQUEZINE FLEGLER ZULMIRA BARROCO ELIENE LOPES ROSAS DAS NEVES LUTERO F. LAMEGO ANTONIO CARLOS A DIAS MARIEL GOMES LEAL ITAMAR ALVES FREIRE 17/03/ /03/2011 ANTONIO CESAR SANTOS ABR GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS E PLANOS DE CARREIRA 3 ERIKA THAIS GONÇALVES ZULEIDE DE FATIMA M.G.MARGATO LUIZ ROBERTO DUARTE BERNARDO ROCHA 05/04 A 25/04/

71 OTAVIO LUIZ LOPES PEREIRA AUGUSTO PEREIRA DE ABREU ANTONIO CESAR SANTOS ITAMAR ALVES FREIRE LUTERO F. LAMEGO MARIEL GOMES LEAL NEIGMAR DE ALMEIDA ROGERIO PASSOS REGINA MARQUEZINE FLEGLER PALESTRA PREGÃO E PREGÃO ELETRÔNICO BROFICCE 13 ADILTON BARROS NOGUEIRA PAULO SERGIO ALBERTO JACINTA DE FÁTIMA PEREIRA MACIEL LUISA MARIA COSTA CUNHA AUGUSTO PEREIRA DE ABREU NEIGMAR DE ALMEIDA RAIMUNDO ZACARIAS RAYOL DE ALBUQUERQUE MARIEL GOMES LEAL LUTERO F. LAMEGO LUIZ ALMÉRICO MALTA ITAMAR ALVES FREIRE RUBENS BRANDÃO JOSE ANTONIO FERNANDES 3 AUGUSTO PEREIRA DE ABREU LEANDRO FERNANDES ADILTON BARROS NOGUEIRA 19/05/ /05 A 27/06/2011 MAIO POP- TCU 1 LEANDRO FERNANDES 18/05/2011 SUSTENTABILIDADE 1 LEANDRO FERNANDES 19/05/2011 REUNIÃO TÉCNICA- SIASS 19 CELINA QUEILA GRAÇA S.ALVES JANES PORTO ALVES FERREIRA ELIENE LOPES ROSAS DAS NEVES ERIKA THAIS GONÇALVES MARIEL GOMES LEAL MARIA DA PENHA ALVES CUNHA ANTONIO CESAR SANTOS LUTERO F. LAMEGO NEIGMAR DE ALMEIDA FRANCISCO DE SOUZA SÁ LUIZ ALBÉRICO MALTA JORGE LUIZ DE SOUZA NETTO LUIZ ROBERTO DUARTE ROBERVAL DE ALMEIDA OTAVIO LUIZ LOPES PEREIRA RUBENS BRANDÃO LEANDRO FERNANDES HELOISA PIRES ZAMPROGNO 27/05/

72 SISAC 7 SICAF 12 ERIKA THAIS GONÇALVES CELINA QUEILA GRAÇA DOS S.ALVES MARIA ALBERTINA G.PENNAFORT LUTERO F. LAMEGO MARIEL GOMES LEAL JANES PORTO ALVES FERREIRA ELIENE LOPES ROSAS DAS NEVES OTAVIO LUIZ LOPES PEREIRA RAIMUNDO ZACARIAS RAYOL DE ALBUQUERQUE LUIZ ROBERTO DUARTE ROGERIO PASSOS RUBENS BRANDÃO JOSE ANTONIO FERNANDES BERNARDO ROCHA ITAMAR ALVES FREIRE NEIGMAR DE ALMEIDA AUGUSTO PEREIRA DE ABREU MARIEL GOMES LEAL 17/06/ /06/2011 JUN VIDEOCONFERÊNCIA ACS / COGEP 9 COMPROTDOC 4 PALESTRA- GESTÃO AMBIENTAL - ACELLOR MITTAL 25 LUIZ ALBÉRICO MALTA CELINA QUEILA G.S. ALVES JANES PORTO ALVES FERREIRA ERIKA THAIS GONÇALVES LUTERO F. LAMEGO ROGERIO PASSOS ADILTON BARROS NOGUEIRA ELIENE LOPES ROSAS DAS NEVES MARIEL GOMES LEAL PAULO SERGIO ALBERTO ZULMIRA BARROCO ITAMAR ALVES FREIRE BERNARDO ROCHA JANES PORTO ALVES FERREIRA CELINA QUEILA GRAÇA ERIKA THAIS GONÇALVES LUTERO F. LAMEGO MARIEL GOMES LEAL JANES PORTO ALVES FERREIRA ROGERIO PASSOS NEIGMAR DE ALMEIDA BERNARDO ROCHA RUBENS BRANDÃO ANTONIO CESAR SANTOS MARIA ALBERTINA GUARANY PENNAFORT JACINTA DE FÁTIMA PEREIRA MACIEL JOSE ANTONIO FERNANDES 02/06/ /06 A 22/08/ /06/

73 JUL JORGE LUIZ DE SOUZA NETTO ADEMIR CORREA PAULO SERGIO ALBERTO LUIZ ALBÉRICO MALTA ADILTON BARROS NOGUEIRA LUISA MARIA COSTA CUNHA LEANDRO FERNANDES AUGUSTO PEREIRA DE ABREU RAIMUNDO ZACARIAS ALBUQUERQUE MARIA DA PENHA ALVES CUNHA CARLOS ALBERTO M.O DE ARAUJO ITAMAR ALVES FREIRE GESTÃO PÚBLICA 1 LEANDRO FERNANDES VIDEOCONFERÊNCIA- ADILTON BARROS NOGUEIRA ORIENTAÇÃO PLANO CELINA QUEILA G.S.ALVES DE TRABALHO- JANES PORTO ALVES FERREIRA COGEP 8 MARIEL GOMES LEAL LUTERO F. LAMEGO LUISA MARIA COSTA CUNHA RAIMUNDO ZACARIAS RAYOL 13/06 A 13/07/ /07/2011 AGO INGLES ON LINE 5 ELIENE LOPES ROSAS DAS NEVES CELINA QUEILA GRAÇA DOS SANTOS ALVES LUISA MARIA COSTA CUNHA ZULEIDE DE FATIMA M.G.MARGATO ERIKA THAIS GONÇALVES 08/08/2011 a 08/08/2012 LUIZ ROBERTO DUARTE SUSTENTABILIDADE E NEGÓCIOS: CONCEITO, HISTÓRICO E AGENDA PARA O SÉCULO XXI, 1 LEANDRO FERNANDES 10/08/2011 MARKETING E SUSTENTABILIDADE: PRINCÍPIOS E ESTRATÉGIA, 1 LEANDRO FERNANDES 21/08/2011 VIDEOCONFERÊNCIA- EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 2011 E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO INSTITUCIONAL 8 CELINA QUEILA G SANTOS ALVES LUIZ ROBERTO DUARTE RAIMUNDO ZACARIAS ALBUQUERQUE JANES PORTO ALVES FERREIRA MARIEL GOMES LEAL LUTERO F. LAMEGO ZULEIDE DE FATIMA M.G.MARGATO ERIKA THAIS GONÇALVES 29/08/

74 I CURSO DE LICITAÇÃO E CONTRATO 7 MARIA LUISA COSTA CUNHA ADILTON BARROS NOGUEIRA RAIMUNDO ZACARIAS RAYOL ALBUQUERQUE LUIZ ROBERTO DUARTE NEIGMAR DE ALMEIDA AUGUSTO PEREIRA DE ABREU LEANDRO FERNANDES 09,16,23/08 /2011 SET CÁLCULOS FINANCEIROS SEM SABER MATEMÁTICA 21 REDAÇÃO OFICIAL 4 CELINA QUEILA GRAÇA DOS S. ALVES MARIA LUISA COSTA CUNHA ITAMAR ALVES FREIRE JANES PORTO ALVES FERREIRA ERIKA THAIS GONÇALVES LUTERO F. LAMEGO ELIENE LOPES ROSA DAS NEVES AUGUSTO PEREIRA DE ABREU LEANDRO FERNANDES ZULMIRA BARROCO RAIMUNDO ZACARIAS LUIZ ROBERTO DUARTE ADILTON BARROS NOGUEIRA JOSE LUIZ SOUZA NETTO ADEMIR JOÃO CORREA ANTONIO CESAR SANTOS BERNARDO ROCHA IRAN DE REZENDE FERREIRA NEIGMAR DE ALMEIDA MARIEL GOMES LEAL PAULO SERGIO ALBERTO LEANDRO FERNANDES REGINA FLEGLER MARQUEZINE HELOISA PIRES ZAMPROGNO GOZZI MARIA ALBERTINA G. PENNAFORT 23/set 12/09 a 11/11/2011 PRÁTICA DE GESTÃO E FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS 4 LUISA MARIA COSTA CUNHA ADILTON BARROS NOGUEIRA RAIMUNDO ZACARIAS RAYOL 10/10/2011 OUT AUGUSTO PEREIRA DE ABREU CONGRESSO ESTADUAL DE RECURSOS HUMANOS 1 CELINA QUEILA GRAÇA DOS S. ALVES 19 A 21/10/2011 A IMPORTÂNCIA DO 14 PAULO SERGIO ALBERTO 06/10/

75 CLIMA ORGANIZACIONAL NA INSTITUIÇÃO LUIZA MARIA CUNHA LUIZ ROBERTO DUARTE ADILTON BARROS NOGUEIRA JOSE LUIZ SOUZA NETTO ADEMIR JOÃO CORREA ANTONIO CESAR SANTOS BERNARDO ROCHA IRAN DE REZENDE FERREIRA NEIGMAR DE ALMEIDA MARIEL GOMES LEAL MARIA ALBERTINA GUARANY PENNAFORT ERIKA THAIS GONÇALVES ELIENE LOPES ROSAS DAS NEVES NOV VIII SEMANA DE ADMINISTRAÇÃO ORÇAMENTÁRIA FINANCEIRA E PAULO SERGIO ALBERTO CONTRATAÇÕES PÚBLICAS FEDERAL 1 CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO DE PREGOEIROS 1 LUISA MARIA COSTA CUNHA VIDEOCONFERENCIA- SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO- GDAFAZ 6 CELINA QUEILA GRAÇA DOS S. ALVES MARIA ALBERTINA G. PENNAFORT ERIKA THAIS GONÇALVES JANES PORTO ALVES FERREIRA PAULO SERGIO ALBERTO ELIENE ROSA LOPES DAS NEVES 21 A 25/11/ E 24/11/ /11/2011 DEZ VIDEO CONFERENCIA - OUVIDORIA 3 PAULO SERGIO ALBERTO LEANDRO FERNANDES CELINA QUEILA GRAÇA DOS S. ALVES 15/12/

76 CLIMA ORGANIZACIONAL Acerca da satisfação e motivação dos servidores a UJ foi líder por 02 (duas) vezes consecutivas, 2009 e 2010 na 1ª e 2ª Pesquisa de Clima Organizacional, respectivamente, promovida pela Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração conforme se pode notar nos gráficos abaixo. 1ª Pesquisa de Clima Organizacional 76

77 PARTE A ITEM 7 Quadro A.7.1 Modelo da Declaração de inserção e atualização de dados no SIASG e SICONV DECLARAÇÃO Eu, LUISA MARIA COSTA CUNHA, CPF n , Responsável pela área de Recursos Logísticos, exercido na Superintendência de Administração do Ministério da Fazenda no Espírito Santo declaro junto aos órgãos de controle interno e externo que todas as informações referentes a contratos, convênios e instrumentos congêneres firmados até o exercício de 2011 por esta Unidade estão disponíveis e atualizadas, respectivamente, no Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais SIASG e no Sistema de Gestão de Convênios, Contratos de Repasse e Termos de Parceria SICONV, conforme estabelece o art. 19 da Lei nº , de 9 de agosto de 2010 e suas correspondentes em exercícios anteriores. Vitória, 31 de março de Luisa Maria Costa Cunha Responsável pela área de Recursos Logísticos SAMF/ES Obs: O documento original assinado está arquivado na UJ, em pasta própria. 77

78 PARTE A ITEM 8 Quadro A.8.1 Demonstrativo do cumprimento, por autoridade e servidores da UJ, da obrigação de entregar a DBR Declaração de Bens e Rendas Detentores de Cargos e Funções obrigados a entregar a DBR Autoridades (Incisos I a VI do art. 1º da Lei nº 8.730/93) Cargos Eletivos Funções Comissionadas (Cargo, Emprego, Função de Confiança ou em comissão) Fonte: Siape/Recursos Humanos. Situação em relação às exigências da Lei nº 8.730/93 Momento da Ocorrência da Obrigação de Entregar a DBR Posse ou Início do exercício de Função ou Cargo Final do exercício da Função ou Cargo Final do exercício financeiro Obrigados a entregar a DBR Entregaram a DBR Não cumpriram a obrigação Obrigados a entregar a DBR Entregaram a DBR Não cumpriram a obrigação Obrigados a entregar a DBR Entregaram a DBR Não cumpriram a obrigação

79 PARTE A ITEM 9 Quadro A Estrutura de controles internos da UJ Aspectos do sistema de controle interno Avaliação Ambiente de Controle Os altos dirigentes da UJ percebem os controles internos como essenciais à consecução dos objetivos da unidade e dão suporte adequado ao seu funcionamento. X 2. Os mecanismos gerais de controle instituídos pela UJ são percebidos por todos os servidores e funcionários nos diversos níveis da estrutura da unidade. X 3. A comunicação dentro da UJ é adequada e eficiente. X 4. Existe código formalizado de ética ou de conduta. X 5. Os procedimentos e as instruções operacionais são padronizados e estão postos em documentos formais. X 6. Há mecanismos que garantem ou incentivam a participação dos funcionários e servidores dos diversos níveis da estrutura da UJ na elaboração dos procedimentos, das instruções X operacionais ou código de ética ou conduta. 7. As delegações de autoridade e competência são acompanhadas de definições claras das responsabilidades. X 8. Existe adequada segregação de funções nos processos da competência da UJ. X 9. Os controles internos adotados contribuem para a consecução dos resultados planejados pela UJ. X Avaliação de Risco Os objetivos e metas da unidade jurisdicionada estão formalizados. X 11. Há clara identificação dos processos críticos para a consecução dos objetivos e metas da unidade. X 12. É prática da unidade o diagnóstico dos riscos (de origem interna ou externa) envolvidos nos seus processos estratégicos, bem como a identificação da probabilidade de ocorrência X desses riscos e a consequente adoção de medidas para mitigá-los. 13. É prática da unidade a definição de níveis de riscos operacionais, de informações e de conformidade que podem ser assumidos pelos diversos níveis da gestão. X 14. A avaliação de riscos é feita de forma contínua, de modo a identificar mudanças no perfil de risco da UJ, ocasionadas por transformações nos ambientes interno e externo. X 15. Os riscos identificados são mensurados e classificados de modo a serem tratados em uma escala de prioridades e a gerar informações úteis à tomada de decisão. X 16. Existe histórico de fraudes e perdas decorrentes de fragilidades nos processos internos da unidade. X 17. Na ocorrência de fraudes e desvios, é prática da unidade instaurar sindicância para apurar responsabilidades e exigir eventuais ressarcimentos. X 18. Há norma ou regulamento para as atividades de guarda, estoque e inventário de bens e valores de responsabilidade da unidade. X Procedimentos de Controle Existem políticas e ações, de natureza preventiva ou de detecção, para diminuir os riscos e alcançar os objetivos da UJ, claramente estabelecidas. X 20. As atividades de controle adotadas pela UJ são apropriadas e funcionam consistentemente de acordo com um plano de longo prazo. X 21. As atividades de controle adotadas pela UJ possuem custo apropriado ao nível de benefícios que possam derivar de sua aplicação. X 22. As atividades de controle adotadas pela UJ são abrangentes e razoáveis e estão diretamente relacionados com os objetivos de controle. X Informação e Comunicação A informação relevante para UJ é devidamente identificada, documentada, armazenada e comunicada tempestivamente às pessoas adequadas. X 24. As informações consideradas relevantes pela UJ são dotadas de qualidade suficiente para permitir ao gestor tomar as decisões apropriadas. X 79

80 25. A informação disponível à UJ é apropriada, tempestiva, atual, precisa e acessível. X 26. A Informação divulgada internamente atende às expectativas dos diversos grupos e indivíduos da UJ, contribuindo para a execução das responsabilidades de forma eficaz. X 27. A comunicação das informações perpassa todos os níveis hierárquicos da UJ, em todas as direções, por todos os seus componentes e por toda a sua estrutura. X Monitoramento O sistema de controle interno da UJ é constantemente monitorado para avaliar sua validade e qualidade ao longo do tempo. X 29. O sistema de controle interno da UJ tem sido considerado adequado e efetivo pelas avaliações sofridas. X 30. O sistema de controle interno da UJ tem contribuído para a melhoria de seu desempenho. X Considerações gerais: LEGENDA Níveis de Avaliação: (1) Totalmente inválida: Significa que o fundamento descrito na afirmativa é integralmente não aplicado no contexto da UJ. (2) Parcialmente inválida: Significa que o fundamento descrito na afirmativa é parcialmente aplicado no contexto da UJ, porém, em sua minoria. (3) Neutra: Significa que não há como afirmar a proporção de aplicação do fundamento descrito na afirmativa no contexto da UJ. (4) Parcialmente válida: Significa que o fundamento descrito na afirmativa é parcialmente aplicado no contexto da UJ, porém, em sua maioria. (5) Totalmente válido. Significa que o fundamento descrito na afirmativa é integralmente aplicado no contexto da UJ. 80

81 PARTE A ITEM 10 Quadro A Gestão Ambiental e Licitações Sustentáveis Aspectos sobre a gestão ambiental Avaliação Licitações Sustentáveis A UJ tem incluído critérios de sustentabilidade ambiental em suas licitações que levem em consideração os processos de extração ou fabricação, utilização e descarte dos produtos e matérias primas. Se houver concordância com a afirmação acima, quais critérios de sustentabilidade ambiental foram aplicados? - Energia elétrica: elaboração de projeto de substituição de gerador; manutenção do disjuntor central da subestação; substituição da cancela do estacionamento. - Água potável: instalação de sprinklers; aprimoramento no controle do m3 de entrada de água nas caixas para detectar vazamento de forma imediata; X - Reaproveitamento de resíduos: reaproveitamento de materiais utilizados na manutenção do prédio para outras finalidades. - Descarte de resíduos sólidos e radioativos: coleta seletiva de materiais recicláveis, pilhas, baterias e lâmpadas fluorescentes; - Materiais biodegradáveis: detergentes, desinfetantes, sabonetes, desodor, etc... - Embalagens: produtos de consumo; - Impressão/cópia de documentos: locação de equipamentos com função duplex; 2. Em uma análise das aquisições dos últimos cinco anos, os produtos atualmente adquiridos pela unidade são produzidos com menor consumo de matéria-prima e maior X quantidade de conteúdo reciclável. 3. A aquisição de produtos pela unidade é feita dando-se preferência àqueles fabricados por fonte não poluidora bem como por materiais que não prejudicam a natureza (ex. produtos de X limpeza biodegradáveis). 4. Nos procedimentos licitatórios realizados pela unidade, tem sido considerada a existência de certificação ambiental por parte das empresas participantes e produtoras (ex: ISO), como critério avaliativo ou mesmo condição na aquisição de produtos e serviços. X Se houver concordância com a afirmação acima, qual certificação ambiental tem sido considerada nesses procedimentos? 5. No último exercício, a unidade adquiriu bens/produtos que colaboram para o menor consumo de energia e/ou água (ex: torneiras automáticas, lâmpadas econômicas). Se houver concordância com a afirmação acima, qual o impacto da aquisição desses X produtos sobre o consumo de água e energia? Redução do consumo de água em m3 e redução do consumo de energia elétrica em Kwh. 6. No último exercício, a unidade adquiriu bens/produtos reciclados (ex: papel reciclado). Se houver concordância com a afirmação acima, quais foram os produtos adquiridos? X 7. No último exercício, a instituição adquiriu veículos automotores mais eficientes e menos poluentes ou que utilizam combustíveis alternativos. Se houver concordância com a afirmação acima, este critério específico utilizado foi X incluído no procedimento licitatório? 8. Existe uma preferência pela aquisição de bens/produtos passíveis de reutilização, reciclagem ou reabastecimento (refil e/ou recarga). Se houver concordância com a afirmação acima, como essa preferência tem sido X manifestada nos procedimentos licitatórios? 9. Para a aquisição de bens/produtos é levada em conta os aspectos de durabilidade e qualidade de tais bens/produtos. X 10. Os projetos básicos ou executivos, na contratação de obras e serviços de engenharia, possuem exigências que levem à economia da manutenção e operacionalização da edificação, à redução do consumo de energia e água e à utilização de tecnologias e materiais X que reduzam o impacto ambiental. 81

82 11. Na unidade ocorre separação dos resíduos recicláveis descartados, bem como sua destinação, como referido no Decreto nº 5.940/ Nos últimos exercícios, a UJ promoveu campanhas entre os servidores visando a diminuir o consumo de água e energia elétrica. Se houver concordância com a afirmação acima, como se procedeu a essa campanha? Por meio de cartazes fixados nos quadros dos elevadores e nos quadros dos hall do edifício, por torpedinhos entregues aos servidores, palestras instrucionais, mensagem no rodapé dos documentos, mensagem por , informe nos monitores eletrônicos dos elevadores) 13. Nos últimos exercícios, a UJ promoveu campanhas de conscientização da necessidade de proteção do meio ambiente e preservação de recursos naturais voltadas para os seus servidores. Se houver concordância com a afirmação acima, como se procedeu a essa campanha? Por meio de cartazes fixados nos quadros dos elevadores e quadros nos hall do edifício, palestras com instrutores externos, mensagem por , por meio da I Jornada da Sustentabilidade Ambiental do MF em 2011, com exposição de obras de arte no espaço Corredor Cultural do MF de artistas locais feitas com produtos reciclados, parceria com outras instituições que atuam na área de preservação ambiental com reutilização de materiais, tais como: Prefeitura de Vitória, Caixa e Associações. Considerações Gerais: Para responder as informações, reuniram-se o grupo de responsáveis pela alta administração da UJ que possuem responsabilidade de tomadas de decisões. X X X LEGENDA Níveis de Avaliação: (1) Totalmente inválida: Significa que o fundamento descrito na afirmativa é integralmente não aplicado no contexto da UJ. (2) Parcialmente inválida: Significa que o fundamento descrito na afirmativa é parcialmente aplicado no contexto da UJ, porém, em sua minoria. (3) Neutra: Significa que não há como afirmar a proporção de aplicação do fundamento descrito na afirmativa no contexto da UJ. (4) Parcialmente válida: Significa que o fundamento descrito na afirmativa é parcialmente aplicado no contexto da UJ, porém, em sua maioria. (5) Totalmente válida: Significa que o fundamento descrito na afirmativa é integralmente aplicado no contexto da UJ. 82

83 PARTE A ITEM 11 Quadro A Distribuição Espacial dos Bens Imóveis de Uso Especial de Propriedade da União QUANTIDADE DE IMÓVEIS DE LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA PROPRIEDADE DA UNIÃO DE RESPONSABILIDADE DA UJ EXERCÍCIO 2011 EXERCÍCIO 2010 ES BRASIL Vitória Subtotal Brasil PAÍS EXTERIOR PAÍS n Subtotal Exterior - - Total (Brasil + Exterior) Fonte: Acervo documental SAMF/ES 83

84 Quadro A Discriminação dos Bens Imóveis de Propriedade da União sob a responsabilidade da UJ UG RIP Regime Estado de Conser vação Valor Histórico Valor do Imóvel Data da Avaliação Valor Reavaliado Despesa com Manutenção no exercício Imóvel Instalações , , , , Total , ,00 Fonte: Ofício 552/2011/SPN/SPU/SPIUNET e Ofício 2.554/2011/SPN/SPIUNET. O imóvel sob o RIP refere-se a um imóvel destinado a estacionamento de veículos oficiais dos órgãos fazendários e não fazendários, razão pela qual não há são realizadas despesas com investimento, manutenção e melhoria. 84

85 PARTE A ITEM 12 Quadro A Gestão de Tecnologia da Informação da UJ Quesitos a serem avaliados Planejamento da área 1. Há planejamento institucional em vigor ou existe área que faz o planejamento da UJ como um todo. Avaliação Há Planejamento Estratégico para a área de TI em vigor. X 3. Há comitê que decida sobre a priorização das ações e investimentos de TI para a UJ. X Perfil dos Recursos Humanos envolvidos 4. Quantitativo de servidores e de terceirizados atuando na área de TI Há carreiras específicas para a área de TI no plano de cargos do Órgão/Entidade. X Segurança da Informação 6. Existe uma área específica, com responsabilidades definidas, para lidar estrategicamente com segurança da informação. X 7. Existe Política de Segurança da Informação (PSI) em vigor que tenha sido instituída mediante documento específico. X Desenvolvimento e Produção de Sistemas 8. É efetuada avaliação para verificar se os recursos de TI são compatíveis com as necessidades da UJ. X 9. O desenvolvimento de sistemas quando feito na UJ segue metodologia definida. X 10. É efetuada a gestão de acordos de níveis de serviço das soluções de TI do Órgão/Entidade oferecidas aos seus clientes. X 11. Nos contratos celebrados pela UJ é exigido acordo de nível de serviço. X Contratação e Gestão de Bens e Serviços de TI 12. Nível de participação de terceirização de bens e serviços de TI em relação ao desenvolvimento interno da própria UJ. 80% 13. Na elaboração do projeto básico das contratações de TI são explicitados os benefícios da contratação em termos de resultado para UJ e não somente em termos de TI. X 14. O Órgão/Entidade adota processo de trabalho formalizado ou possui área específica de gestão de contratos de bens e serviços de TI. X 15. Há transferência de conhecimento para servidores do Órgão/Entidade referente a produtos e serviços de TI terceirizados? X Considerações Gerais: X LEGENDA Níveis de avaliação: (1) Totalmente inválida: Significa que a afirmativa é integralmente NÃO aplicada ao contexto da UJ. (2) Parcialmente inválida: Significa que a afirmativa é parcialmente aplicada ao contexto da UJ, porém, em sua minoria. (3) Neutra: Significa que não há como afirmar a proporção de aplicação do fundamento descrito na afirmativa no contexto da UJ. (4) Parcialmente válida: Significa que a afirmativa é parcialmente aplicada ao contexto da UJ, porém, em sua maioria. (5) Totalmente válida: Significa que a afirmativa é integralmente aplicada ao contexto da UJ. 85

86 PARTE A ITEM 13 Quadro A.13.1 Despesa com cartão de crédito corporativo por UG e por portador Código da UG Limite de Utilização da UG R$ ,00 Valor do Valor Portador CPF Limite Total Saque Fatura Individual Dielson Cláudio dos Santos R$ 1.200,00 - R$ 402,60 R$ 402,60 Dielson Cláudio dos Santos R$ 1.200,00 - R$ 963,74 R$ 963,74 Paulo Henrique Nike de Araújo R$ 1.200,00 - R$ 971,26 R$ 971,26 Paulo Henrique Nike de Araújo R$ 1.200,00 - R$ 147,04 R$ 147,04 Wander Francisco Coelho de Freitas R$ 1.200,00 - R$ 312,45 R$ 312,45 Wander Francisco Coelho de Freitas R$ 1.200,00 - R$ 174,20 R$ 174,20 Wander Francisco Coelho de Freitas R$ 1.200,00 - R$ 769,04 R$ 769,04 Total utilizado pela UG - R$ 3.740,33 R$ 3.740,33 Código da UG Limite de Utilização da UG R$ ,00 Renato Mendes Souza Santos R$ 2.000,00 - R$ 792,00 R$ 792,00 Total utilizado pela UG - R$ 792,00 R$ 792,00 Código da UG Limite de Utilização da UG R$ ,00 Raimundo Zacarias Raiol Albuquerque R$ 2.000,00 - R$ 641,86 R$ 641,86 Paulo Sérgio Alberto R$ 2.000,00 - R$ 776,00 R$ 776,00 Paulo Sérgio Alberto R$ 2.000,00 - R$ 477,65 R$ 477,65 Paulo Sérgio Alberto R$ 2.000,00 - R$ 1.172,08 R$ 1.172,08 Total utilizado pela UG - R$ 3.067,59 R$ 3.067,59 Total utilizado pela UJ - R$ 7.599,92 R$ 7.599,92 Fonte: Siafi 86

87 Quadro A.13.2 Despesa com cartão de crédito corporativo (série histórica) Exercícios Saque Fatura Total (R$) Quantidade (a) Valor Quantidade (b) Valor (a+b) R$ 7.599,92 R$ 7.599, R$ 9.113,56 R$ 9.113, R$ ,90 R$ ,90 Fonte: Siafi 87

88 PARTE A ITEM 15 Quadro A Cumprimento das deliberações do TCU atendidas no exercício Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Deliberações do TCU Deliberações expedidas pelo TCU Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida TC / /2011 1ª Câmara 1 DE Ofício Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Deliberação: Considerar legal o ato da concessão da pensão civil em favor de Vera Lúcia Nogueira Gomes determinando que sejam feitas as anotações na pasta funcional. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Inscrição de legalidade da pensão realizada no cadastro do SIAPE da pensionista e na pasta funcional do servidor. Síntese dos resultados obtidos Pensão legal e cadastro e pasta funcional atualizada. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não se aplica. 88

89 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Deliberações do TCU Deliberações expedidas pelo TCU Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida TC / /2011 1ª Câmara 9.1 DE Ofício Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Deliberação: Considerar ilegal o ato da concessão da aposentadoria em favor de Júlia Maria Ferraz e negar registro do correspondente ato. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: A UJ apresentou recurso denominado Pedido de Reexame em face do Acórdão por entender que a interessada faz jus à concessão de aposentadoria por ter preenchido os requisitos legais, uma vez que o E. TCU descontou em duplicidade 824 dias na contagem do tempo de serviço, com os seguintes pedidos: a) conhecer o Pedido de Reexame nos termos do art. 48, Lei 8.443/92 com suspensão dos efeitos em relação aos itens 9.1 e 9.3.3, com fulcro no art. 285, caput, e art único, do RI/TCU; b) no mérito, dar-lhe provimento, tornando insubsistente o Acórdão nº 2.962/2011; c) julgar legal o ato de concessão de aposentadoria em favor de Júlia Maria Ferraz, determinando-lhe o respectivo registro; Síntese dos resultados obtidos Efeito suspensivo às determinações do Acórdão em virtude do recurso denominado Pedido de Reexame junto ao TCU impetrado pela UJ. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Para o caso em tela, em análise aos autos de concessão inicial da aposentadoria da interessada verifica-se que o tempo de 27 anos, 11 meses e 14 dias informado na ficha SISAC resulta do cálculo do tempo de contribuição referente ao período de 01/05/1976 a 02/04/2006 correspondente a 30 anos, 02 meses e 19 dias, descontados os 824 dias referentes ao tempo de contribuição posterior à EC nº 41/2003. Tais circunstâncias impossibilitaram que a UJ adotasse as providências determinadas pelo Acórdão apresentando junto ao TCU o Pedido de Reexame contendo os fatos, os fundamentos legais que embasaram os pedidos para manutenção da aposentadoria nos moldes inicialmente propostos. O Pedido de Reexame foi impetrado com fulcro no art. 186 do Regimento Interno do Tribunal de Contas da União e encontra-se sob análise e julgamento da Corte de Contas com caráter de efeito suspensivo ao cumprimento às determinações contidas no Acórdão 2.962/

90 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Deliberações do TCU Deliberações expedidas pelo TCU Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida TC / /2011 1ª Câmara 1 DE Ofício Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Deliberação: Considerar prejudicado por perda de objeto o ato da concessão da aposentadoria em favor de Aristides Lourenço da Costa. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Em decorrência do falecimento do aposentado, foi concedida pensão a Srª Maria José Moura Costa, processo / Síntese dos resultados obtidos Pensão legalizada pelo TCU e CGU. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não se aplica. 90

91 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Deliberações do TCU Deliberações expedidas pelo TCU Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida TC / /2011 1ª Câmara 1 DE Ofício Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Deliberação: Considerar legal o ato da concessão da pensão civil em favor de: a) Airton Vieira Lima Filho; b) Dulce Scopel de Carvalho; c) Edmir Vieira Lima Sobrinho; d) Esther Fraga Hermogenes Sales e, e) Ivanette da Silveira Lima determinando que sejam feitas as anotações nas respectivas pastas funcionais. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Inscrição de legalidade das pensões realizadas no cadastro do SIAPE dos pensionistas e nas pastas funcionais dos servidores. Síntese dos resultados obtidos Legalidade das pensões e cadastros e pastas funcionais atualizadas. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não se aplica. 91

92 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Deliberações do TCU Deliberações expedidas pelo TCU Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida TC / /2011 1ª Câmara 9.1 DE Ofício Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Deliberação: Conhecer dos presentes pedidos de reexame e considerar legal o ato de concessão de aposentadoria em favor de Walter Lucas Knoblauch e ordenar o registro do ato respectivo. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Inscrição de legalidade da aposentadoria realizada no cadastro do SIAPE do aposentado e na pasta funcional do servidor. Síntese dos resultados obtidos Aposentadoria considerada legal e cadastro e pasta funcional atualizada. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não se aplica. 92

93 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Deliberações do TCU Deliberações expedidas pelo TCU Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida TC / /2011 1ª Câmara 1 DE Ofício Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Deliberação: Considerar legal o ato de concessão de pensão civil em favor de: a) Cleria Coelho Garcia; b) Norma Calil Fernandes; e, c) Ranusa Maria Souza. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Inscrição de legalidade das pensões realizadas no cadastro do SIAPE dos pensionistas e nas pastas funcionais dos servidores. Síntese dos resultados obtidos Pensões consideradas legais e cadastros e pastas funcionais atualizadas. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não se aplica. 93

94 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Deliberações do TCU Deliberações expedidas pelo TCU Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida TC / /2011 1ª Câmara 1 DE Ofício Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Deliberação: Considerar legal o ato de concessão de pensão civil em favor de: a) Augusta Lourdes Pretti Fraga; b) Margarete do Nascimento Costa; c) Maria José Moura Costa; d) Maria de Souza Rocha; e) Michael do Nascimento Costa; e, f) Sylvia Maria Carvalho da Cruz. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Inscrição de legalidade das pensões realizadas no cadastro do SIAPE dos pensionistas e nas pastas funcionais dos servidores. Síntese dos resultados obtidos Pensões consideradas legais e cadastros e pastas funcionais atualizadas. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não se aplica. 94

95 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Deliberações do TCU Deliberações expedidas pelo TCU Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida TC / /2011 1ª Câmara 1 DE Ofício Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Deliberação: Considerar legal o ato de concessão de aposentadoria em favor de: a) Antenor Alberto Ribeiro; b) Felismina Maria Nascimento Sant Anna; e, c) Maria do Carmo Rosário. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Inscrição de legalidade das aposentadorias realizadas no cadastro do SIAPE dos aposentados e nas pastas funcionais dos servidores. Síntese dos resultados obtidos Aposentadorias legalizadas e cadastros e pastas funcionais atualizadas. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não se aplica. 95

96 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Deliberações do TCU Deliberações expedidas pelo TCU Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida TC / /2011 1ª Câmara 1 DE Ofício Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Deliberação: Considerar prejudicado por perda de objeto o ato da concessão da aposentadoria em favor de Adelmar Luiz Cardoso. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Em decorrência do falecimento do aposentado foi concedida pensão a Srª Maria Conceição Nascimento, processo / Síntese dos resultados obtidos Pensão legalizada pelo TCU. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não se aplica. 96

97 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Deliberações do TCU Deliberações expedidas pelo TCU Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida TC / /2011 1ª Câmara 1 DE Ofício Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Deliberação: Considerar prejudicado por perda de objeto o ato da concessão da aposentadoria em favor de Orlando dos Santos Campos. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Em decorrência do falecimento do aposentado foi concedida pensão a Srª Angela Maria Munhão Campos e outros, processo / Síntese dos resultados obtidos Pensão legalizada pelo TCU. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não se aplica. 97

98 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Deliberações do TCU Deliberações expedidas pelo TCU Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida TC / /2011 1ª Câmara 1 DE Ofício Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Deliberação: Considerar legal o ato de concessão de aposentadoria em favor de: a) Elenice Dias Reis; b) Elson da Silva Vicente; e, c) Fernanda Caldas de Campos Gonçalves; d) Marise Modenesi de Andrade; e) Palmerino Roldi; e f) Ruth Braga Bomfim. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Inscrição de legalidade das aposentadorias realizadas no cadastro do SIAPE dos aposentados e nas pastas funcionais dos servidores. Síntese dos resultados obtidos Aposentadorias legalizadas e cadastros e pastas funcionais atualizadas. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não se aplica. 98

99 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Deliberações do TCU Deliberações expedidas pelo TCU Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida TC / /2011 1ª Câmara 1 DE Ofício Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Deliberação: Considerar prejudicado por perda de objeto o ato da concessão da pensão em favor de Aristotelino de Mattos Pimentel. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Em decorrência do falecimento do pensionista foi concedida pensão ao Sr. Fernando Antônio Rossetti Pimentel, processo / Síntese dos resultados obtidos Pensão legalizada pelo TCU. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não se aplica. 99

100 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Deliberações do TCU Deliberações expedidas pelo TCU Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida TC / /2011 1ª Câmara 1 DE Ofício Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Deliberação: Considerar prejudicado por perda de objeto o ato da concessão da pensão em favor de Maria Mercedes Casorri Fregonassi. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Pensionista não deixou beneficiários. Síntese da providência adotada: Síntese dos resultados obtidos Não se aplica. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não se aplica. 100

101 Quadro A Situações das deliberações do TCU que permanecem pendentes de atendimento no exercício Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Deliberações do TCU Deliberações expedidas pelo TCU Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida TC / /2011 1ª Câmara 9.1 DE Ofício Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Deliberação: Considerar ilegal o ato da concessão da aposentadoria em favor de Júlia Maria Ferraz e negar registro do correspondente ato; Dispensar o ressarcimento das quantias indevidamente recebidas de boa fé (Súmula 106/TCU); Dar ciência do teor à interessada; Encaminhe ao TCU comprovante do conhecimento da interessada; Cessar os pagamentos decorrentes do ato ilegal; Determinar a SEFIP monitoramento do cumprimento das determinações; Enviar cópia do Acórdão à UJ. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: A UJ apresentou recurso denominado Pedido de Reexame em face do Acórdão por entender que a interessada faz jus à concessão de aposentadoria por ter preenchido os requisitos legais, uma vez que o E. TCU descontou em duplicidade 824 dias na contagem do tempo de serviço, com os seguintes pedidos: a) conhecer o Pedido de Reexame nos termos do art. 48, Lei 8.443/92 com suspensão dos efeitos em relação aos itens 9.1 e 9.3.3, com fulcro no art. 285, caput, e art único, do RI/TCU; b) no mérito, dar-lhe provimento, tornando insubsistente o Acórdão nº 2.962/2011; c) julgar legal o ato de concessão de aposentadoria em favor de Júlia Maria Ferraz, determinando-lhe o respectivo registro; Síntese dos resultados obtidos Efeito suspensivo às determinações do Acórdão em virtude do recurso denominado Pedido de Reexame junto ao TCU impetrado pela UJ. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Para o caso em tela, em análise aos autos de concessão inicial da aposentadoria da interessada verifica-se que o tempo de 27 anos, 11 meses e 14 dias informado na ficha SISAC resulta do cálculo do tempo de contribuição referente ao período de 01/05/1976 a 02/04/2006 correspondente a 30 anos, 02 meses e 19 dias, descontados os 824 dias referentes ao tempo de contribuição posterior à EC nº 41/2003. Tais circunstâncias impossibilitaram que a UJ adotasse as providências determinadas pelo Acórdão apresentando junto ao TCU o Pedido de Reexame contendo os fatos, os fundamentos legais que embasaram os pedidos para manutenção da aposentadoria nos moldes inicialmente propostos. O Pedido de Reexame foi impetrado com fulcro no art. 186 do Regimento Interno do Tribunal de Contas da União e em 31/12/2011 encontra-se sob análise e julgamento da Corte de Contas com caráter de efeito suspensivo ao cumprimento às determinações contidas no Acórdão 2.962/

102 Quadro A Relatório de cumprimento das recomendações do OCI (Órgão de Controle Interno) Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida ORDEM DE SERVIÇO Órgão/entidade objeto da recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Recomendação: Abster-se de pagar vantagens judiciais decorrentes de planos econômicos de forma parametrizada, por meio de percentuais sobre parcelas salariais do servidor, em obediência à reiterada jurisprudência do Tribunal de Contas da União, a exemplo dos Acórdãos nº 2.161/ Plenário e nº 3.533/2006-2ª Câmara. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: A recomendação foi submetida ao Ministério do Planejamento por meio do Órgão Central COGRH/MF. Endereçamento de correspondências aos interessados citados informando da absorção Decisão Judicial Transitada em Julgado. Síntese dos resultados obtidos Foram abertos os processo de reposição ao erário das quantias pagas indevidamente. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Considerando a obrigatoriedade de oportunizar o direito do contraditório e ampla defesa as recomendações não foram atendidas de imediato. 102

103 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida ORDEM DE SERVIÇO Órgão/entidade objeto da recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Recomendação: Excluir o pagamento das vantagens a seguir relacionadas das fichas financeiras dos interessados identificados, em obediência ao artigo 263 da Lei nº /2009, após notificação dos interessados para que eles exerçam seus direitos à ampla defesa e ao contraditório: Diferença de Proventos prevista no artigo 7º da Lei nº 8.270/1991 (rubrica SIAPE nº 00491); VPNI prevista no Decreto-lei nº 2.347/1987 (rubrica SIAPE nº 00966); VPNI prevista no artigo 29 da Lei nº /2005 (rubrica SIAPE nº 82333); VPNI prevista no artigo 36 da MP nº 216/2004 (rubrica SIAPE nº 82352); vantagem paga por meio da rubrica SIAPE nº V.P. PARECER FC 03/89 SUB-JUDI; vantagem Pessoal prevista no artigo 13 da Lei nº 8.216/1991 (rubricas SIAPE nº 00175, e 00641); e vantagens judiciais relativas a "12 referências" e à complementação salarial prevista no Decreto-Lei nº 2.438/1988 (rubricas SIAPE nº e 16171). Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Endereçamento de correspondências aos interessados citados informando da determinação da Auditoria. Síntese dos resultados obtidos Foram abertos os processo de reposição ao erário das quantias pagas indevidamente. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Considerando a obrigatoriedade de oportunizar o direito do contraditório e ampla defesa as recomendações não foram atendidas de imediato. 103

104 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida ORDEM DE SERVIÇO Órgão/entidade objeto da recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Recomendação: Conceder a vantagem prevista no artigo 268, 1º, da Lei nº /2008 somente quando houver efetiva redução de remuneração ou proventos dos interessados em razão da aplicação da Lei nº /2008. O valor dessa vantagem deve ser apurado em julho/2008, mês de vigência da Medida Provisória nº 441/2008, na quantia suficiente para compensar a redução de remuneração ou proventos. Em seguida, o valor da vantagem prevista no artigo 268, 1º, da Lei nº /2008 deve ser absorvido pelos aumentos de remuneração ou proventos posteriormente concedidos aos interessados em razão da vigência de novas tabelas de vencimentos básicos e de gratificações para os integrantes do PECFAZ, inclusive em razão dos novos valores de vencimento básico e de pontos da GDAFAZ decorrentes da aplicação das tabelas constantes dos Anexos CXL e CXXXVII da Lei nº /2008, a partir de março/2009. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Foram feitos os cálculos dos valores para verificação se gerou a VPNI prevista no art. 268, 1º, da Lei /2008. Síntese dos resultados obtidos Foram abertos os processo de reposição ao erário das quantias pagas indevidamente. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Considerando a obrigatoriedade de oportunizar o direito do contraditório e ampla defesa as recomendações não foram atendidas de imediato. 104

105 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida ORDEM DE SERVIÇO Órgão/entidade objeto da recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Recomendação: Providenciar o levantamento dos valores pagos indevidamente aos interessados identificados, para fins de ressarcimento ao erário, nos termos do artigo 46 da Lei nº 8.112/1990. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Foram formalizados os processo de reposição ao erário para atendimento da recomendação. Síntese dos resultados obtidos Foram abertos os processo de reposição ao erário das quantias pagas indevidamente. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Considerando a obrigatoriedade de oportunizar o direito do contraditório e ampla defesa as recomendações não foram atendidas de imediato. 105

106 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida ORDEM DE SERVIÇO Órgão/entidade objeto da recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Recomendação: Abster-se de realizar pagamentos de quaisquer vantagens decorrentes de outros Planos de Carreiras, Planos de Carreiras e Cargos, Planos Especiais de Cargos ou Planos de Classificação de Cargos aos servidores, aposentados e pensionistas integrantes do PECFAZ, em obediência ao artigo 263 da Lei nº /2009. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Comunicação da suspensão de pagamentos aos interessados. Síntese dos resultados obtidos Foram abertos os processo de reposição ao erário das quantias pagas indevidamente. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Considerando a obrigatoriedade de oportunizar o direito do contraditório e ampla defesa as recomendações não foram atendidas de imediato. 106

107 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida ORDEM DE SERVIÇO Órgão/entidade objeto da recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Recomendação: Alterações indevidas nos valores dos benefícios dos pensionistas de instituidores de pensão falecidos na vigência da Lei nº /2004. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Acertos no sistema SIAPE. Síntese da providência adotada: Síntese dos resultados obtidos Foram abertos os processo de reposição ao erário das quantias pagas indevidamente. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Considerando a obrigatoriedade de oportunizar o direito do contraditório e ampla defesa as recomendações não foram atendidas de imediato. 107

108 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida NOTA TÉCNICA Órgão/entidade objeto da recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Recomendação: Abster-se de pagar vantagens judiciais decorrentes de planos econômicos de forma parametrizada, por meio de percentuais sobre parcelas salariais do servidor, em obediência à reiterada jurisprudência do Tribunal de Contas da União, a exemplo dos Acórdãos nº 2.161/ Plenário e nº 3.533/2006-2ª Câmara. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Feito comunicação aos interessados e exclusão das rubricas na folha de pagamento de junho/2011. Síntese dos resultados obtidos Recomendação atendida e situação regularizada. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não se aplica. 108

109 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida NOTA TÉCNICA Órgão/entidade objeto da recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Recomendação: Excluir o pagamento das vantagens a seguir relacionadas das fichas financeiras dos interessados identificados, em obediência ao artigo 263 da Lei nº /2009, após notificação dos interessados para que eles exerçam seus direitos à ampla defesa e ao contraditório: Diferença de Proventos prevista no artigo 7º da Lei nº 8.270/1991 (rubrica SIAPE nº 00491); VPNI prevista no Decreto-lei nº 2.347/1987 (rubrica SIAPE nº 00966); VPNI prevista no artigo 29 da Lei nº /2005 (rubrica SIAPE nº 82333); VPNI prevista no artigo 36 da MP nº 216/2004 (rubrica SIAPE nº 82352); vantagem paga por meio da rubrica SIAPE nº V.P. PARECER FC 03/89 SUB-JUDI; vantagem Pessoal prevista no artigo 13 da Lei nº 8.216/1991 (rubricas SIAPE nº 00175, e 00641); e vantagens judiciais relativas a "12 referências" e à complementação salarial prevista no Decreto-Lei nº 2.438/1988 (rubricas SIAPE nº e 16171). Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Vantagens excluídas. Processos encaminhados à PFN e COGEP. Síntese dos resultados obtidos Recomendação atendida e situação regularizada. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não se aplica. 109

110 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida NOTA TÉCNICA Órgão/entidade objeto da recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Recomendação: Providenciar o levantamento dos valores pagos indevidamente aos interessados identificados, para fim de ressarcimento ao erário, nos termos do artigo 46 da Lei nº 8.112/1990. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Procedido a abertura de processos de reposições ao erário, com casos de suspensão por decisão judicial. Alguns casos de falecimento Síntese dos resultados obtidos Recomendação parcialmente atendida e situação regularizada. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Impetração de recurso pelos interessados com decisão judicial favorável à suspensão da reposição, concessão do prazo do contraditório e ampla defesa conferido em lei, falecimento de interessados no curso do processo. 110

111 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida SOLICITAÇÃO DE AUDITORIA Órgão/entidade objeto da recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Recomendação: A modalidade de licitação para a contratação da empresa de energia elétrica, conforme consta da Relação de contratos está indevidamente registrada como inexigibilidade quando deveria ser DISPENSA, conforme prevê o item XXII do art. 24 da Lei 8.666/93. Nas contratações futuras a UJ deverá adotar a modalidade correta, cumprindo a determinação legal. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Logísticos - Síntese da providência adotada: Foi aberto o processo nº / para regularizar a contratação. Síntese dos resultados obtidos Recomendação parcialmente atendida. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor A minuta de contrato da concessionária não está de acordo com as exigências da lei e o processo deverá ser encaminhado ao órgão jurídico, PFN, para aprovação da minuta. 111

112 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida SOLICITAÇÃO DE AUDITORIA Órgão/entidade objeto da recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Recomendação: O contrato nº 07/2007, firmado em 02/07/2007 com a empresa Stange Viagens e Turismo Ltda, vem sendo sucessivamente prorrogado por aditivos, em desacordo com determinações do TCU, Acórdão 1.386/2005 Plenário, que não considera o serviço de fornecimento de passagem aérea como prestação continuada. Considerando que o último aditivo tem vencimento em 31/12/2011, de futuro e em conformidade com deliberações do TCU, promover a contratação anual desta modalidade de serviço. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Logísticos - Síntese da providência adotada: Foi aberto o processo nº / para fazer nova contratação para Síntese dos resultados obtidos Recomendação parcialmente atendida. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor O processo licitatório foi encaminhado ao órgão jurídico, PFN, para aprovação da minuta do Edital e Contrato. 112

113 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida / SOLICITAÇÃO DE AUDITORIA Órgão/entidade objeto da recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Recomendação: Abster-se de pagar vantagens judiciais decorrentes de planos econômicos de forma parametrizada, por meio de percentuais sobre parcelas salariais do servidor, em obediência à reiterada jurisprudência do Tribunal de Contas da União, a exemplo dos Acórdãos nº 2.161/ Plenário e nº 3.533/2006-2ª Câmara. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Encaminhado correspondência a interessada comunicando a exclusão da rubrica decisão judicial referente pagamento 3,17% e as rubricas referentes a decisão judicial dos servidores foram excluídas na folha de pagamento de junho/2011. Síntese dos resultados obtidos Recomendação atendida e situação regularizada. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não se aplica. 113

114 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida / SOLICITAÇÃO DE AUDITORIA Órgão/entidade objeto da recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Recomendação: Excluir o pagamento das vantagens a seguir relacionadas das fichas financeiras dos interessados identificados, em obediência ao artigo 263 da Lei nº /2009, após notificação dos interessados para que eles exerçam seus direitos à ampla defesa e ao contraditório: Diferença de Proventos prevista no artigo 7º da Lei nº 8.270/1991 (rubrica SIAPE nº 00491); VPNI prevista no Decreto-lei nº 2.347/1987 (rubrica SIAPE nº 00966); VPNI prevista no artigo 29 da Lei nº /2005 (rubrica SIAPE nº 82333); VPNI prevista no artigo 36 da MP nº 216/2004 (rubrica SIAPE nº 82352); vantagem paga por meio da rubrica SIAPE nº V.P. PARECER FC 03/89 SUB-JUDI; vantagem Pessoal prevista no artigo 13 da Lei nº 8.216/1991 (rubricas SIAPE nº 00175, e 00641); e vantagens judiciais relativas a "12 referências" e à complementação salarial prevista no Decreto-Lei nº 2.438/1988 (rubricas SIAPE nº e 16171). Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Vantagens excluídas e processo encaminhado à PFN/ES para consulta do prazo decadencial. Envio de comunicado ao interessado da exclusão. Síntese dos resultados obtidos Recomendação atendida e situação regularizada. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não se aplica. 114

115 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida / SOLICITAÇÃO DE AUDITORIA Órgão/entidade objeto da recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Recomendação: Providenciar o levantamento dos valores pagos indevidamente aos interessados identificados, para fim de ressarcimento ao erário, nos termos do artigo 46 da Lei nº 8.112/1990. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Síntese da providência adotada: Comunicação aos interessados da reposição ao erário, porém, suspensas por decisão judicial. Síntese dos resultados obtidos Recomendação parcialmente atendida. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Impetração de recurso pelos interessados com suspensão por decisão judicial e concessão de prazo do contraditório e ampla defesa conferido em Lei. Falecimento de alguns interessados no decorrer do processo. 115

116 Quadro A Situações das recomendações do OCI que permanecem pendentes de atendimento no exercício Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida NOTA TÉCNICA Órgão/entidade objeto da recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Recomendação: Abster-se de pagar vantagens judiciais decorrentes de planos econômicos de forma parametrizada, por meio de percentuais sobre parcelas salariais do servidor, em obediência à reiterada jurisprudência do Tribunal de Contas da União, a exemplo dos Acórdãos nº 2.161/ Plenário e nº 3.533/2006-2ª Câmara. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Justificativa para o seu não cumprimento: A desautorização da ação referente a decisão judicial é de caráter exclusivo do Órgão Central da UJ, a COGEP/SPOA/DF. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Os servidores da UJ que atuam na área de RH não possuem perfil no sistema de pessoal para praticar atos dessa natureza que são atendidos pelo MPOG por meio do órgão central. 116

117 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida NOTA TÉCNICA Órgão/entidade objeto da recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Recomendação: Excluir o pagamento das vantagens a seguir relacionadas das fichas financeiras dos interessados identificados, em obediência ao artigo 263 da Lei nº /2009, após notificação dos interessados para que eles exerçam seus direitos à ampla defesa e ao contraditório: Diferença de Proventos prevista no artigo 7º da Lei nº 8.270/1991 (rubrica SIAPE nº 00491); VPNI prevista no Decreto-lei nº 2.347/1987 (rubrica SIAPE nº 00966); VPNI prevista no artigo 29 da Lei nº /2005 (rubrica SIAPE nº 82333); VPNI prevista no artigo 36 da MP nº 216/2004 (rubrica SIAPE nº 82352); vantagem paga por meio da rubrica SIAPE nº V.P. PARECER FC 03/89 SUB-JUDI; vantagem Pessoal prevista no artigo 13 da Lei nº 8.216/1991 (rubricas SIAPE nº 00175, e 00641); e vantagens judiciais relativas a "12 referências" e à complementação salarial prevista no Decreto-Lei nº 2.438/1988 (rubricas SIAPE nº e 16171). Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Humanos - Justificativa para o seu não cumprimento: Processo encontra-se na PFN/ES para manifestação de prazo decadencial. Processo encontra-se no Órgão Central COGEP/SPOA/DF para consulta sobre a exclusão da vantagem. Exclusão indevida de rubrica. Concessão de contraditório e ampla defesa. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Servidores da UJ que atuam no RH não possuem perfil no sistema de pessoal. Algumas ações são de caráter exclusivo do MPOG or meio do Órgão Central COGEP. 117

118 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida / SOLICITAÇÃO DE AUDITORIA Órgão/entidade objeto da recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Recomendação: A modalidade de licitação para a contratação da empresa de energia elétrica, conforme consta da Relação de contratos está indevidamente registrada como inexigibilidade quando deveria ser DISPENSA, conforme prevê o item XXII do art. 24 da Lei 8.666/93. Nas contratações futuras a UJ deverá adotar a modalidade correta, cumprindo a determinação legal. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Logísticos - Justificativa para o seu não cumprimento: A minuta do contrato fornecido pela concessionária não atende a Lei 8.666/93. O processo será encaminhado à PFN para aprovação. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor A concessionária alega que a minuta é padrão para todos os contratantes e não abre concessão para alteração de algumas exigências. 118

119 Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência de Administração do MF/ES Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida / SOLICITAÇÃO DE AUDITORIA Órgão/entidade objeto da recomendação Superintendência de Administração do MF/ES Descrição da Recomendação: O contrato nº 07/2007, firmado em 02/07/2007 com a empresa Stange Viagens e Turismo Ltda, vem sendo sucessivamente prorrogado por aditivos, em desacordo com determinações do TCU, Acórdão 1.386/2005 Plenário, que não considera o serviço de fornecimento de passagem aérea como prestação continuada. Considerando que o último aditivo tem vencimento em 31/12/2011, de futuro e em conformidade com deliberações do TCU, promover a contratação anual desta modalidade de serviço. Providências Adotadas Setor responsável pela implementação Gerência de Recursos Logísticos - Justificativa para o seu não cumprimento: O processo licitatório foi encaminhado ao órgão jurídico, PFN, para aprovação da minuta do Edital e Contrato. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Trâmites de elaboração da minuta de Edital e contrato com posterior encaminhamento do processo nº / para aprovação jurídica. A licitação foi realizada em início de janeiro/

120 PARTE A ITEM 17 Outras Informações consideradas relevantes pela Unidade para demonstrar a conformidade e o desempenho da gestão no exercício As informações a seguir demonstram as ações empregadas pelas áreas de atividades da UJ Superintendência de Administração, consolidando sua importância no contexto Organizacional da Administração Pública Federal como executora de atividades meio no âmbito do Ministério da Fazenda beneficiando os demais Órgãos Fazendários que utilizam as atividades meio de competência da UJ para o desenvolvimento de suas atividades finalísticas de arrecadação e fiscalização e cobrança. DOCUMENTOS FINANCEIROS UG GESTÃO NE NS NL OB DARF GPS NF TOTAL Tesouro

121 CONCESSÃO DE DIÁRIAS E PASSAGENS - PCDs UG GESTÃO Tesouro SAMF PFN ,5 82,

122 DESPESAS DE CUSTEIO ÁGUA E ESGOTO Em R$ R$ ,79 R$ ,72 R$ ,20 Em M m m³ m³ 122

123 ENERGIA ELÉTRICA Em R$ R$ ,47 R$ ,47 R$ ,38 Em KWh kwh kwh kwh 123

124 TELEFONIA em R$ FIXA R$ ,04 R$ ,20 R$ ,12 MÓVEL CELULAR R$ ,89 R$ ,64 R$ ,95 Observação: As despesas de telefonia de PabX contemplam o uso de todas as Unidades usuárias instaladas no Ed. Sede do MF/ES: SAMF, DRFB, PFN, CGU, SPU, ABIN, SERPRO E BANCO BRASIL. 124

125 AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS DISPENSA DE LICITAÇÃO Uso Comum (TODAS) SAMF PFN PSFN CGU SPU ESAF/RJ-DF RFB TOTAL

126 DISPENSA DE LICITAÇÃO Tradicional (materiais) Eletrônica (serviços) TOTAL Obs: O quantitativo de dispensa tradicional de materiais ficou acima da dispensa eletrônica em virtude das contratações dos serviços de garantia da por conta das concessionária da marca dos veículos oficiais que necessitaram do emprego das peças para o conserto. INEXIGIBILIDADE Uso Comum (TODAS) SAMF PFN PSFN SPU TOTAL

127 PREGÃO ELETRÔNICO Uso Comum SAMF PFN/PSFN SPU RFB TOTAL CONVITE Uso Comum TOTAL TOMADA DE PREÇOS Uso Comum SAMF PFN/PSFN SPU TOTAL

128 DAS MODALIDADES DE COMPRAS/Qtd Dispensa de licitação Inexigibilidade Pregão Eletrônico Convite Tomada de Preços TOTAL

129 CONTRATOS DE BENS E SERVIÇOS CONTRATOS Uso Comum SAMF PFN/PSNF SPU TOTAL

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Brasília - DF / 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS,

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. Institui o Fundo Municipal de Saúde e da outras providencias.. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU

PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU ANEXO I PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU nº 47, de 2004, DN/TCU nº 81, de 2006, e NE/CGU nº 03, de 2006, instituída pela Portaria CGU nº 555, de 2006 Discriminação

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.051, DE 23 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 23.10.2015 N. 3.759 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Administração, Planejamento e Gestão Semad, suas finalidades

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO Exercício de 2012 SUPERINTENDÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO DO MF/ES 03/2013 1/143 PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO Exercício de 2012

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006.

LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006. LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Dispõe sobre a Estrutura Administrativa e institui organograma da Câmara Municipal de Uruguaiana e dá outras providências. Faço saber,

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014 ) ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º A Secretaria de Relações de

Leia mais

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc.

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. LEI N. 084/91 Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. Faço saber que a Câmara

Leia mais

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA SECRETARIA MUNICIPAL DE INFRAESTRUTURA E OBRAS End: Travessa Anchieta, S-55 Centro Fone: (14) 3283-9570 ramal 9587 Email: engenharia@pederneiras.sp.gov.br Responsável: Fábio Chaves Sgavioli Atribuições

Leia mais

LEI Nº 213/1994 DATA: 27 DE JUNHO DE 1.994. SÚMULA: INSTITUI O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. CAPITULO I DOS OBJETIVOS

LEI Nº 213/1994 DATA: 27 DE JUNHO DE 1.994. SÚMULA: INSTITUI O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. CAPITULO I DOS OBJETIVOS LEI Nº 213/1994 DATA: 27 DE JUNHO DE 1.994. SÚMULA: INSTITUI O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. O Sr. Ademir Macorin da Silva, Prefeito Municipal de Tapurah, Estado de Mato Grosso, no

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS (Normativos e composição) Outubro - 2010 Coordenação-Geral de Técnicas, Procedimentos e Qualidade DCTEQ Eveline Brito Coordenadora-Geral de Técnicas, Procedimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003.

ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003. ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003. Discriminação da peça I Rol de Responsáveis, assinado pela Diretoria Colegiada,

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a estrutura organizacional do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte e dá outras providências. A GOVERNADORA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA CG Nº 001 DE 02 de junho de 2014 Institui o Plano de atividades de Auditoria Interna no ano de 2014 e dá outras providências. O CONTROLADOR GERAL DO MUNICPIO DE MATINHOS, no uso de

Leia mais

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991.

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUIS HELOSMAN DE FIGUEIREDO, PREFEITO MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA, ESTADO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SACRAMENTO-MG

PREFEITURA MUNICIPAL DE SACRAMENTO-MG LEI Nº 1.189, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010 CRIA O EMPREGO PÚBLICO DE COORDENADOR DE RECURSOS HUMANOS; O SETOR DE TESOURARIA; ALTERA OS ANEXOS I, III, V, VII E VIII, DA LEI MUNICIPAL Nº. 947, DE 17 DE JUNHO

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 004/2013. O Prefeito Municipal de Governador Lindenberg ES, Estado do Espírito Santo apresenta o presente projeto de lei;

PROJETO DE LEI Nº 004/2013. O Prefeito Municipal de Governador Lindenberg ES, Estado do Espírito Santo apresenta o presente projeto de lei; PROJETO DE LEI Nº 004/2013 Ementa: Dispõe sobre o cargo de controlador interno e auditor público interno do Município de Governador Lindenberg ES e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Governador

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 *******************************

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* Promulgo a presente Resolução de conformidade com a legislação vigente. Em 30 de agosto de 2013. Silvio Rodrigues de Oliveira =Presidente da Câmara=

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA TIPO DE AUDITORIA : Auditoria de Gestão EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO : 00181.000687/2010-82 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 2015

Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 2015 Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 1 A Ouvidoria do DNPM, órgão de assistência direta e imediata ao Diretor-Geral, foi criada por meio do Decreto nº 7.9, de

Leia mais

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos Exercício 2015 Auditoria Interna Unidade de Auditoria Interna - CEFET/RJ Normativos: Portaria nº 07, de 15/01/2001: cria a Unidade de Auditoria

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.102, DE 6 DE SETEMBRO DE 2013 Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 Ver também IN 7/13 Disciplina a organização e a apresentação das contas anuais dos administradores e demais responsáveis por unidades jurisdicionadas das administrações direta

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica)

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) No decorrer da execução do Projeto, e tão logo sejam definidos os perfis dos consultores necessários para a consecução dos produtos

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) Altera o art. 4º-A do Ato Normativo nº 572/2009-PGJ, de 30 de janeiro de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Unidade de Auditoria

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei. (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. LEI Nº 3.545, DE 17 DE JULHO DE 2008. Publicada

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 02/13 DE 25/03/13

LEI COMPLEMENTAR Nº 02/13 DE 25/03/13 LEI COMPLEMENTAR Nº 02/13 DE 25/03/13 CRIA ORGÃOS E AMPLIA CARGOS DE PROVIMENTO EM COMISSÃO NA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE CAMPOS NOVOS, ACRESCENTA DISPOSITIVOS NA LEI COMPLEMENTAR

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013 Programa 2101 - Programa de Gestão e Manutenção da Presidência da República 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 121 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função:

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA - UAUDI Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna Rio de Janeiro 2015 CAPÍTULO I DA MISSÃO E DO ESCOPO

Leia mais

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete:

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete: LEI Nº 12.911, de 22 de janeiro de 2004 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - e do Fundo Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - FUNSEA-SC

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

Procuradoria Geral de Justiça, em Natal (RN), 08 de junho de 2011.

Procuradoria Geral de Justiça, em Natal (RN), 08 de junho de 2011. MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA R E S O L U Ç Ã O Nº 074/2011-PGJ.* O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso das atribuições

Leia mais

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N 2163/2015 Reformula o Plano de Cargos, Carreiras e Salários dos Servidores da Caixa de Assistência, Previdência e Pensões dos Servidores Públicos Municipais de Porciúncula CAPREM e estabelece normas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003 INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003 UCCI Unidade Central de Controle Interno SCI Sistema de Controle Interno Versão: 1.0 Aprovada em: 31/10/2011 Unidade Responsável: Unidade Central de Controle Interno I -

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre orientações às unidades jurisdicionadas ao Tribunal quanto à elaboração dos conteúdos dos relatórios de gestão referentes ao exercício de 2012. O

Leia mais

Esfera Fiscal. Subfunção Administração Geral

Esfera Fiscal. Subfunção Administração Geral Governo do do Amazonas Secretaria de de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN Sistema de Planejamento, Orçamento e Gestão do do Amazonas SPLAM Pág. 3 de 2001 - da 25000 - Secretaria de de Infraestrutura

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013.

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre a criação, composição, competência e funcionamento do Conselho Municipal de Esporte e Lazer CMEL. O Povo do Município de Turvolândia Estado de Minas Gerais,

Leia mais

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO Capítulo I - FINALIDADE Artigo 1º - O Instituto FENASBAC tem as seguintes finalidades: I. promover a geração de conhecimento,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL a) formulação, implantação e avaliação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sócio-econômico e

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA SECRETARIA MUNICIPAL DE COMPRAS E LICITAÇÕES End: Rua Siqueira Campos, S-64 Centro Fone: (14) 3283-9570 ramal 9576 Email: compras@pederneiras.sp.gov.br Responsável: Dr. Luis Carlos Rinaldi Atribuições

Leia mais

L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014

L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014 L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre a reestruturação da Loteria do Estado do Pará - LOTERPA e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

ESTATUTO DO DISTRITO ESTADUAL DE FERNANDO DE NORONHA

ESTATUTO DO DISTRITO ESTADUAL DE FERNANDO DE NORONHA DECRETO Nº 26.266, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003. DOE 24.12.2003, p. 04. P.Execuitivo Altera o Estatuto do Distrito Estadual de Fernando de Noronha, aprovado pelo Decreto nº 25.297, de 12 de março de 2003,

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO ESTUDANTIL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO ESTUDANTIL Capítulo I Âmbito de Aplicação,

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 014/2006.

ATO NORMATIVO Nº 014/2006. ATO NORMATIVO Nº 014/2006. Dispõe sobre a organização da Superintendência de Gestão Administrativa do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. AUDITORIA GERAL DO ESTADO ATOS DO AUDITOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. Estabelece normas de organização e apresentação das prestações de contas de convênios que impliquem

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE ATO NORMATIVO Nº 01, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Normativo de Pessoal EMPREGO DE LIVRE PROVIMENTO E DEMISSÃO DE NÍVEL SUPERIOR, EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL SUPERIOR E EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL

Leia mais

Controle Interno do Tribunal de Contas da União

Controle Interno do Tribunal de Contas da União Controle Interno do Tribunal de Contas da União Resumo: o presente artigo trata de estudo do controle interno no Tribunal de Contas da União, de maneira expositiva. Tem por objetivo contribuir para o Seminário

Leia mais

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 Estabelece medidas administrativas temporárias para contenção e otimização de despesas, no âmbito do Poder Executivo, cria o Conselho Gestor para Eficiência Administrativa

Leia mais

Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais

Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais Programa 0641 Inteligência Federal Objetivo Desenvolver Atividades de inteligência e de Segurança da Informação no interesse do Estado e da Sociedade Indicador(es) úmero de Ações 14 Taxa de Relatórios

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN ROTINAS ADMINISTRATIVAS PROPLAN SETOR: Pró-Reitoria CARGO: Docente / TNS FUNÇÃO: Pró-Reitor

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes para disciplinar

Leia mais

Perfil e Jornada de Trabalho da Equipe de Profissionais da Estação Juventude Local

Perfil e Jornada de Trabalho da Equipe de Profissionais da Estação Juventude Local PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL SECRETARIA NACIONAL DE JUVENTUDE Perfil e Jornada de Trabalho da Equipe de Profissionais da Estação Juventude Local a) COORDENADOR ADJUNTO: 01 (Contratação Temporária

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br LEI Nº. 6.067, DE 11 DE MARÇO DE 2010. Altera a Lei Ordinária 5.711/06, que dispõe sobre a Organização Administrativa da Câmara Municipal do Natal, e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 04.06.2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Governo. O Prefeito Municipal de São José dos

Leia mais

o artigo 13, VIII do Estatuto da UEPG;

o artigo 13, VIII do Estatuto da UEPG; Certifico que a presente Resolução foi disponibilizada neste local no dia 05/12/2014 Graziela de Fátima Rocha Secretaria da Reitoria RESOLUÇÃO UNIV. N o 43, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014. Aprova o Regimento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA Art. 1º. A Secretaria de Tecnologia de Informação e Comunicação SETIC é um Órgão Suplementar Superior

Leia mais

DECRETO Nº 27.438 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2006.

DECRETO Nº 27.438 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2006. DECRETO Nº 27.438 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2006. Dispõe sobre a Estrutura Organizacional da Secretaria Municipal de Fazenda e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 Dispõe sobre a Instituição da Autarquia Estadual, Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas - IPAAM, aprova seu Regimento interno e dá outras providências. O

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

PLANO BÁSICO ORGANIZACIONAL SINTÉTICO DA FINANCEIRA BRB

PLANO BÁSICO ORGANIZACIONAL SINTÉTICO DA FINANCEIRA BRB Plano Básico Organizacional BRB CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S.A. PRESI/DIFAD/SUFAD GERGE GERÊNCIA DE GESTÃO PLANO BÁSICO ORGANIZACIONAL SINTÉTICO DA FINANCEIRA BRB BRASÍLIA - DF DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DO GOVERNO FEDERAL

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DO GOVERNO FEDERAL POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DO GOVERNO FEDERAL Brasília, junho de 2009 SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS A SRH/MP, órgão subordinado diretamente ao Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão,

Leia mais

*LEI COMPLEMENTAR Nº 283, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2004.

*LEI COMPLEMENTAR Nº 283, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2004. Governo do Estado do Rio Grande do Norte Gabinete Civil Coordenadoria de Controle dos Atos Governamentais *LEI COMPLEMENTAR Nº 283, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2004. Altera a Lei Complementar n.º 163, de 5 de

Leia mais

Dispõe sobre a transformação da Fundação Estadual do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia do Estado de Roraima FEMACT-RR, e do

Dispõe sobre a transformação da Fundação Estadual do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia do Estado de Roraima FEMACT-RR, e do Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 LEI N 815 DE 7 DE JULHO DE 2011 Dispõe sobre a transformação da Fundação Estadual do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia do

Leia mais