Eureka! Novos desafios virão. E desafio veio para ficar e, como o Ciab Febraban, levantar questões e apontar caminhos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eureka! Novos desafios virão. E desafio veio para ficar e, como o Ciab Febraban, levantar questões e apontar caminhos."

Transcrição

1

2

3 13 Ciab Febraban 2007 Em time que está ganhando, não se mexe. Todos os seis patrocinadores e o co-patrocinador repetem a dose para nova edição do maior evento de bancos das Américas. 14 Bancos latinos dizem sim às microfinanças Instituições de 49 países se reuniram para determinar as metas e oportunidades em toda a América Latina. Como ampliar o acesso a crédito e serviços bancários. 19 Outsourcing O mercado da terceirização de serviços aumenta a cada dia e já ultrapassou a casa do trilhão. Na área financeira, a novidade é a terceirização do dinheiro. Eureka! Da Redação Você parou, ficou meio besta, com cara de ponto de interrogação quando viu a capa da nossa revista? Não entendeu nada? O que tem a ver um ovo e um banco numa revista de tecnologia bancária? Imagina desafio maior do que colocar um banco equilibrado sobre um ovo? Pois é isso mesmo que queremos transmitir: a sensação de que até o imponderável pode ser pensado, imaginado e, quiçá, realizado se você tiver imaginação, ousadia e pertinácia. Você já viu alguém vencer desafios pensando do mesmo jeitinho de sempre? Fazendo tudo igual a ontem, anteontem, a semana passada, o milênio passado? É claro que não! Seu banco onde você quiser Mobilidade multiplica a bancarização Raízes da transformação Os bancos encaram os desafios de incluir fatias cada vez maiores da população brasileira, com responsabilidade social e Educação integral WWB o banco das microempreendedoras Um banco só de mulheres dedicado ao fomento da produção Como esperar um produto diferente se os insumos intelectuais, inclusive são sempre os mesmos? O que vence desafios é o pensamento divergente, e não o convergente. A unanimidade que é sempre burra, como lembrava Nelson Rodrigues leva ao mesmo lugar. Ainda que seja o lugar errado. O Ciab Febraban já venceu 16 desafios, porque imaginou, ousou e renovou. A TI brasileira e os bancos brasileiros venceram n desafios nestes 16 anos, desde o confisco do Plano Collor, em 1990, até a adaptação ao ambiente de macro estabilidade econômica que é estável mas não estagnado. Isso sem falar dos anos loucos da hiperinflação e dos planos heterodoxos. Foi uma simbiose e uma sinergia que fertilizaram os dois lados: o da TI e o dos bancos, resultando num sistema bancário automatizado ao estado mundial da arte. Novos desafios virão. E desafio veio para ficar e, como o Ciab Febraban, levantar questões e apontar caminhos. P.S.: a foto instigadora da capa é olha só! de um colega chamado Canetta! Antonino Canetta, bancário do HSBC, de Curitiba, que foi selecionado pelo seleto júri do Banco de Talentos da Febraban. Para quem não sabe, o Banco de Talentos é uma consagração de bancários talentosos em fotografia, pintura, música, artesanato e teatro que já tem 13 anos. A Federação publica também um livro anual com as obras dos artistas selecionados.

4 Mobilidade: o banco sempre com você Caros amigos, Estamos completando mais um ano de sucesso do principal evento de Tecnologia da Informação da América Latina com foco no mercado financeiro, o Ciab Febraban. Nos 20 mil m² do Transamérica Expo Center, se instalaram quase uma centena de Expositores e ainda três amplos auditórios onde puderam ser apresentadas mais de 50 horas de palestras e debates, congregando profissionais de áreas de negócio, de controle, de suporte, e de TI de instituições financeiras. O tema central de 2006 A Sociedade Virtual revelou-se inusitado e oportuno, atraindo a atenção do público presente com seus painéis sobre Inovação, Comunidades Virtuais, Social Computing e Marketing.com. E o Ciab Febraban 2007, cujo tema central será Mobilidade: seu banco sempre com você, certamente reunirá todos os ingredientes de interesse e novidades para atender a todas as expectativas. Soluções criativas, iniciativas arrojadas e ambiciosas serão apresentadas para ilustrar aplicações de tecnologia no universo financeiro. Neste número da Revista Ciab Febraban, estão relatados alguns tópicos de pesquisas recentes e inéditas desenvolvidas por Magdalena Gutierrez consultorias de renome mundial e depoimentos de consagrados profissionais sobre Mobile Banking e Mobile Payment. Também na pauta figuram exemplos de responsabilidade social, revelando a preocupação dos bancos com o atendimento a deficientes físicos e ações visando a inclusão digital de populações brasileiras através da instalação de telecentros por todo o País por mérito dos três maiores bancos nacionais. Esforços de bancarização relatados no congresso de 2006 servem de aperitivo para novas abordagens do tema no evento do próximo ano. Não podemos deixar de registrar com grande satisfação o apoio renovado para 2007 dos mesmos seis patrocinadores deste ano: CPM, Diebold Procomp, IBM, Itautec, Perto e Telemar, a quem desde já agradecemos a fundamental colaboração para o êxito do XVII Congresso e Exposição de Tecnologia da Informação das Instituições Financeiras. Reserve em sua agenda de 2007 as datas de 13 a 15 de junho. Carlos Eduardo Corrêa da Fonseca Diretor Setorial de Tecnologia da Febraban Coordenador Geral do Ciab Febraban 2007 Comissão Organizadora Coordenador-geral Carlos Eduardo Corrêa da Fonseca Jornalista Responsável William Salasar, Superintendente de Comunicação Social da Febraban (MTB 1315) Fotos Alexis de Jesus Flores Perez, Arnaldo Pereira (SP) e Marcos Almeida (RJ) Membros Agostinho H. T. de Gouveia ABN AMRO Real Antonio Martinez Carrara G&P Paulo Cherberle Bradesco Odair Garcia Banco do Brasil Delfino Natal de Souza Caixa Econômica Federal Carlos Augusto de Oliveira ItauBank (BankBoston) Luis Marques Azevedo Consultor Luiz Alberto Villaça Santander Banespa Gerente Geral de Eventos e Cursos da Febraban Nair Macedo Assessor Técnico da Febraban Nilton César Gratão Edição Danilo Vivan (MTB ) Colaborador Vanderlei Campos Projeto Gráfico, DTP, Capa e Ilustrações Gill Pereira (Ellementto Arte) Pautas, Reportagens e Textos ABCE Comunicação Esta revista é uma publicação oficial da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) Dezembro / 2006 Sede Rua Líbero Badaró, º andar Centro São Paulo SP

5 Raízes da transformação Telecentros do BB atendem 5 milhões de pessoas, que terão portal especial. Caixa anuncia doação de 25 mil micros por ano para inclusão. Bradesco forma 104 mil cidadãos ao ano e Febraban lança programa de formação de portadores de deficiência. Os tempos não estão fáceis para os economistas. A transformação da sociedade brasileira não está sendo captada pelos números da macroeconomia. A educação, o treinamento e a criação de oportunidades para a inclusão social estão sendo realizadas por fundações, instituições, ONGs e demais organismos da sociedade civil. Até que todo esse esforço venha à tona, os economistas continuarão sendo surpreendidos. Os esforços para a inclusão digital e ampliação da responsabilidade social promovidos pelos Bancos brasileiros tiveram painel especial na última edição do Ciab Febraban. Foram apresentados projetos e programas do Bradesco, Banco do Brasil e Caixa Econômica, além das próprias iniciativas da Febraban no tocante à inclusão de pessoas com deficiências. Essas iniciativas que beneficiam milhões de cidadãos de baixa renda e, de várias formas, excluídos da produção e consumo formais, têm em comum o uso social e transformador da tecnologia, educação e legislação. A diretora de Responsabilidade Social da Febraban, Sonia Favaretto, ao abrir o painel, tocou no monstro a ser derrotado por milhares de iniciativas: O grave quadro de exclusão social do País é claro quando analisamos as pesquisas de amostragem de domicílios do IBGE, aponta Sonia. Ao fim Cerca de 18 mil pessoas ao mês são recebidas no maior telecentro do País, na cidade paulista de Mauá Divulgação

6 de 2005, apenas 18,6% dos lares bra- Em breve, o endereço BB, o telecentro diversifica seus acor- sileiros tinham um microcomputador e detelecentro.com.br vai abrigar uma dos entre as secretarias municipais e 13,7% com acesso a Internet. página de cada um desses estabele- amplia os serviços. O BB entrou com Apesar do progresso na ado- cimentos comunitários. Vai oferecer, 96 estações de trabalho, além de 6 ção de tecnologia, a exclusão é mo- entre muitos outros recursos, a possi- servidores, que formam a rede à dis- numental. No mês de novembro, o bilidade de fazer compras eletrônicas, posição dos mauaenses que precisam Comitê Gestor de Internet identificou cotações, divulgar eventos, classifi- da Internet livre e acesso a serviços que, a despeito de 30 milhões de bra- cados, cultura, negócios e catálogos como aquisição de conhecimento e sileiros terem computador em casa e virtuais de produtos e serviços criados educação até procura de concursos e 20 milhões, acesso à rede mundial, pelas próprias comunidades, além de emprego. Todos os internautas são as- 84 milhões de pessoas jamais usa- incrementar a comunicação necessária sistidos por monitores treinados pelo ram um computador. É fácil imaginar para essas iniciativas, anuncia Rosana. banco e funcionários da prefeitura. o grau de exclusão daqueles que não têm acesso aos benefícios comuns da tecnologia. Em seguida, o Ciab Febraban apre- Telecentro atende a 600 pessoas por dia O programa do BB começou A primeira experiência do telecentro com a secretaria da educação foi a formação de professores para a rede pública local em tecnologia e alfa- sentou os resultados dos Telecentros com a decisão de doar 58 mil compu- betização digital. Para isso, a unidade tadores que estavam recebeu mais 10 estações de trabalho Rosana Melo, coordenadora do Programa de Inclusão Digital do BB: telecentros gerenciados pela comunidade e autosustentados Divulgação sendo desativados, em 2004, durante a modernização tecnológica do banco. A partir daí, a instituição decidiu pelo incentivo a grupos organizados para a criação e mesas digitais, todas equipadas com softwares e recursos pedagógicos. Através da secretaria municipal da Assistência Social e Cidadania, a estrutura passará a ser usada por crianças desasistidas. Além disso, a unidade iniciará cursos gratuitos de informáti- de centros comunitá- ca a partir de 2007, assim que receber rios que expandissem mais dois servidores do BB. as oportunidades de Na capital paulista encontramos conhecimento e pro- mais dois exemplos de mobilização dução: tivemos inspi- comunitária. A Pastoral do Imigrante ração nos modelos de recebeu do banco 11 estações que telecentros comunitá- atendem a trabalhadores vindos da rios das prefeituras de Bolívia, Peru, Paraguai e outros países. São Paulo, Porto Alegre Cerca de 160 deles, empregados em e ONGs no Rio, lembra confecções do bairro central do Pari, BB. Rosana Melo, coordenadora do Pro- Rosana. Nesse modelo, o banco apa- recebem cursos de informática e têm grama de Inclusão Digital do BB desde o rece como indutor da estrutura final a a oportunidade talvez negada em seus início, em maio de 2004, deu uma idéia ser criada por organizações existentes países: almejar uma nova e promisso- da sua magnitude: Instalamos na localidade, ao fornecer estrutura ra carreira profissional. O telecentro centros de integração digital, que aten- técnica, treinamento de monitores e dos imigrantes também está aberto dem cinco milhões de pessoas, informa suporte para se alcançar mais parce- à comunidade: as crianças encontram ao lembrar que a prioridade não será rias com iniciativa privada e para ou- cursos especializados (até de artes mais buscar a expansão desse sistema, tras oportunidades. plásticas) e atividades especiais para a mas dar saltos de qualidade. Estamos O telecentro será gerenciado terceira idade e adolescentes. incluindo, em todos os telecentros, os pela comunidade e chegará a ser auto- No bairro da Mooca, a escola benefícios do INSS que são prestados sustentado, salienta Rosana. especial para educação de excepcio- pela Internet, instalando bancos popu- Essa é a realidade do maior tele- nais e uma entidade filantrópica com lares, promovendo acesso a universida- centro do País, o do município paulis- 40 anos de fundação também encon- des, valendo-se da educação à distân- ta de Mauá. Localizado no centro da traram no BB o aliado para expandir. cia, e está em fase de homologação e cidade, recebe 600 pessoas ao dia. Hoje, a escola possui telecentro com testes o Portal dos Telecentros. Fruto da parceria entre a Prefeitura e o 14 micros e um servidor à disposi-

7 Sacar dinheiro, pagar contas, depositar cheques e cédulas sem envelopes, fazer pagamentos com cartão, retirar folhas de cheque e muito mais, com total segurança. Seja dentro da agência ou em qualquer lugar, a tecnologia da Perto leva aos seus clientes a mobilidade para uma vida sem limites.

8 ção de suas 78 crianças. O projeto, enviado pela escola para o BB, em dezembro de 2005, prevê a abertura da estrutura à comunidade e especialmente para as famílias das crianças que apresentam baixo grau de instrução formal, informa Rita de Cássia do Carmo, diretora. A escola ainda procura outros parceiros: pretende dispor ou ajudar a desenvolver softwares de educação para crianças portadoras de deficiência mental. Para quem se interessar, acesse: Universidade à distância Ao encarar a inclusão digital como direito do cidadão, o modelo participativo e colaborativo do BB já atingiu todos os estados, num total de 690 municípios; proporciona o acesso à tecnologia da informação, tendo como conseqüência a criação de oportunidades de se ampliar conhecimento, trabalho e renda. Estamos em comunidades indígenas, quilombolas, assentamentos rurais, favelas onde se exige licença para entrar, lugares onde, para interagir com a comunidade, se viaja 24 horas de barco, informa Rosana Melo. O desafio agora é agregar ainda mais valor a essa estrutura nacional de telecentros. Na unidade de São João da Aliança, cidade localizada a 160 quilômetros de Brasília, foi inaugurada a primeira universidade à distância em telecentros. Através de um acordo com a Pontifícia Universidade Católica e estrutura, montada pelo BB, composta por antena parabólica, TV e demais equipamentos, a comunidade recebe cursos regulares de terceiro grau. A ambição do BB é fechar 2006 com 40 dessas salas e ampliar o leque de estudo aos que precisam enfrentar os vestibulares. Os monitores também são alvo de programa de educação especialmente preparado e previsto no projeto. O banco já treinou deles. Para se ter uma idéia da velocidade: de agosto a fim de novembro último, cerca de mil pessoas se transformaram em monitores dos telecentros com conteúdos pedagógicos que envolvem: responsabilidade social, técnicas de inclusão, sobre o manejo das ferramentas de benefícios estatais (que incluem até documentos e certidões pela Internet) e conteúdos de comunicação na comunidade. Por outro lado, o monitor recebe aulas técnicas sobre os sistemas operacionais, de gestão do telecentro e até de itens de hardware, tornando-o capaz de prestar os primeiros níveis de manutenção. O programa do BB se encarrega da formação de monitores, não de sua remuneração: Às vezes, eles são voluntários, funcionários de prefeituras ou autarquias, até contratados por empresas parceiras, conta Rosana. Para finalizar, a estrutura tecnológica dos telecentros também respeitou o modelo que coloca o banco como indutor de uma mobilização, prevendo ampliação de recursos e auto suficiência das Divulgação unidades. Foi por isso que o banco optou por construir uma suíte de softwares feita em software livre. Essa tecnologia permitirá integração muito mais fácil com sistemas universitários e representará custos muito pequenos no futuro, pois serão assumidos pela comunidade parceira, esclarece Rosana. A suíte Telecentro do BB oferece softwares que dão conta desde necessidades administrativas até dos recursos de rede e servidores, da facilidade de instalação e ampliação de sistemas, passando por aplicativos para o controle de presença em salas de aula etc. Software livre e Casa Brasil Outras iniciativas semelhantes foram contabilizadas no Ciab e na Febraban. Vale destacar a busca constante, nos projetos de inclusão digital, da capacitação e da auto-suficiência, pois tecnologia é independência, frisa Sonia Favaretto, diretora da Febraban. O uso de software livre, de computadores doados e do banco como indutor dentro de um modelo colaborativo também são a base dos programas de inclusão da Caixa. Em palestra no Ciab 2006, Orlando Pereira Cezar, assessor Jean Philippe Leroy, superintendente executivo do Bradesco: os investidores exigem contrapartidas sociais da vice-presidência de TI da Caixa, (representante no comitê técnico de inclusão digital do Ministério do Planejamento), também localizou o início dos esforços na renovação tecnológica do banco e na oportunidade de se doar equipamentos: De julho de 2005, quando iniciamos, até um ano depois, a Caixa doou mais de 25 mil micros para projetos de inclusão digital. A instituição renova, anualmente, cerca de 25% de todo o seu parque de equipamentos. Eles são, desde a determinação de 2005, submetidos à manutenção, testes e é instalada

9 Divulgação Telecentros em todo o País: inclusão social pela porta da frente uma suíte com os programas desenvolvidos em software livre. Desde então, a Caixa entrou em parceria com os Ministérios da Educação (MEC) e do Desenvolvimento (MDIC) e foi elaborada a construção dos Telecentros de Informação e Negócios, cuja missão é promover de forma auto-sustentável a inclusão digital de pequenas empresas no Brasil. Até novembro, a Associação Nacional dos Telecentros de Informações e Negócios já contava com mais de duas mil dessas unidades instaladas e parcerias com muitas empresas e bancos. Em cinco delas, a Caixa tinha colocado em funcionamento um correspondente não bancário e estuda a concessão de microcrédito através desses canais. Já com a ONG Moradia e Cidadania, deflagrou-se um programa contra a exclusão digital. Nascida do Comitê da Ação da Cidadania dos Empregados da Caixa tornou-se de atuação nacional, a fim de promover, entre outras, a educação digital, alfabetização, microcrédito, programas de geração de renda e de moradia para faixas de baixíssima renda. Maior parceira da Caixa, a ONG contabilizava até meados de 2006 mais de 500 salas de inclusão digital, instaladas em comunidades quilombolas, indígenas, escolas, centros comunitários e outros. Outro programa de combate à exclusão digital é o Casa Brasil, do governo federal. Esse projeto reúne a Caixa e o BB aliados a cinco ministérios, duas autarquias e duas estatais. Ele prevê a implantação de telecentros oferecendo acesso gratuito a Internet, auditórios, biblioteca, estúdios multimídia, laboratórios e inclusão bancária; tudo num só local em comunidades de baixo IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) e contando com parcerias de instituições locais. Segundo o ITI (Instituto de Tecnologia da Informação, órgão que participa do programa) o projeto deve contar com 90 unidades até o fim de Responsabilidade social como estratégia da empresa Pereira Cezar, no entanto, observa que para se atingir os objetivos de combater a exclusão não bastam esses programas. As empresas devem adotar estratégias de Responsabilidade Social corporativas. Como filiada ao instituto Ethos e compromissada com o Pacto Global da ONU, a Caixa relaciona táticas para garantir o respeito aos direitos humanos, o trabalho digno e contra as práticas de corrupção. A Caixa pratica e exige de colaboradores e fornecedores estratégias que respeitem o meio ambiente, como o uso de papéis e materiais reciclados, além de criar e adotar indicadores de empresas responsáveis. A instituição quer provar que os princípios de responsabilidade empresariais têm impactos concorrenciais. Por exemplo, ela busca financiar empresas que se oponham à degradação do meio ambiente e adotem medidas de incentivo ao crescimento e dignidade no trabalho. Tais posturas são medidas pela adoção de modelos de gestão que prevêem a gestão participativa em vários níveis, e outros itens nomeados como indicadores de desempenho social interior. Nesse quesito, a instituição mede de seus parceiros: programas de alimentação, encargos, saúde e adoção de previdência privada. Na outra ponta, a instituição adotou o índice de desempenho social externo, ou

10 10 a participação em programas de educação, adolescente aprendiz, esporte, cultura, saúde, saneamento e combate à fome. De nossa parte, podemos afirmar que a participação da Caixa em programas como o Fome Zero e Bolsa Família representou investimentos em responsabilidade social de R$ milhões e R$ milhões em 2004 e Anos no negócio de responsabilidade Quem não correria o risco de ser reprovado nos quesitos de responsabilidade adotados pela Caixa é o Bradesco. É a instituição financeira que há mais tempo investe em educação e saúde como forma de retribuir à sociedade. A Fundação Bradesco comemorou seu meio século de existência nesse último mês de novembro com a marca de uma escola para cada estado brasileiro, cerca de 620 mil alunos já formados integralmente e 104 mil sendo atendidos esse ano. Esse é um projeto do tamanho do Brasil, sintetiza Jean Philippe Leroy, superintendente executivo, que também esteve no Ciab Febraban. A Fundação, que mantém 40 escolas, não se dedica apenas a capacitar e educar jovens, mas a levar adiante a idéia de cidadania ao oferecer educação gratuita para adultos, crianças e adolescentes, além de planos de saúde (incluindo saúde bucal) e todos os materiais, igualmente gratuitos. O orçamento anual da Fundação é de R$ 170 milhões, recebidos na forma de dividendos como acionista do banco. Talvez, a mais importante notícia que o Bradesco oferece nas áreas de responsabilidade e integração digital seja de natureza estrutural. A instituição decidiu reunir suas muitas iniciativas numa só diretoria. Integrou os departamentos de relações com investidores e mercado sob a rubrica responsabilidade sócio-ambiental com operação independente. Dessa forma, poderá agilizar ainda mais as iniciativas, fincadas em seis pilares de responsabilidade que norteiam a atuação da fundação. Os investidores não demandam apenas dividendos, mas exigem contrapartidas sociais. Hoje, o mercado faz questão de saber sua postura, explica. Por deixar de dissociar ações sociais das ambientais e de ações de inclusão digital e bancária, ao se criar a nova diretoria, Leroy pôde anunciar: o Bradesco já usa 80% de todo o seu papel reciclado e vamos lançar o talão de cheque reciclado, elevando a utilização para 97%. Apoio à Eco-eficiência Os pilares que o Bradesco usa em sua estratégia sócio-ambiental são: Educação (vinculada à Fundação), cultura, esportes, eco-eficiência, inclusão bancária e ambiental. Sobre Cultura, Leroy lembrou a recente exposição realizada em São Paulo com a trajetória do pintor espanhol Pablo Picasso, que registrou 900 mil visitantes. Um dos mais importantes programas de incentivo ao esporte é a parceria, há 18 anos, com o município paulista de Osasco de patrocínio à prática do vôlei. Somente nesse ano, são mais de 3 mil meninas atendidas. Sobre eco-eficiência, a instituição dá apoio à mensuração e análise de iniciativas empresariais que contribuam para o equilíbrio do meio ambiente. Internamente, a instituição já recebeu certificações na excelência no tratamento de água usada, resíduos de escritórios e gestão de prédios, promovendo inclusive a interação de funcionários para esse fim. O banco também tem produtos relacionados às iniciativas sócio-ambientais. Uma iniciativa do Bradesco, o cartão SOS Mata Atlântica, possibilitou o plantio de 14 mil mudas da mata nativa. Cartões similares do instituto Ayrton Senna retro-alimentam a organização. A experiência do Banco Postal, criado pelo Bradesco e Correios em 2001, já possibilitou a inclusão bancária de 4,5 milhões de brasileiros. Comunidades Marginalizadas Na área de programas específicos para inclusão digital, o Bradesco comparece com os seus CIDs (Centros de Inclusão Digital). São, no ano de 2006, um total de 50 centros com capacidade para atender 24 mil pessoas ao mês. Trata-se de parcerias estabelecidas pela Fundação Bradesco com empresas de informática e escolas públicas, viabilizando laboratórios de ensino de tecnologia, além de estarem abertos às comunidades para alfabetização digital. A exemplo de programas similares, os CIDs também atendem comunidades marginalizadas. Além disso, o banco promove a capacitação e treinamento em informática de professores da rede pública na região da Grande São Paulo. Através de parcerias com Cisco e Microsoft, a fundação já formou mais de 10 mil alunos como solutions providers nas soluções desenvolvidas por elas. Para se ter uma idéia, um curso especializado como esse chega a custar R$ 30 mil no mercado e rende atividades recompensadoras. Ainda em tecnologia, as iniciativas do Bradesco se tornam cada vez mais sofisticadas. Através de acordos com o Instituto de tecnologia americano MIT, a Fundação envia alunos para seus cursos. Está sendo criada por essa dupla e as empresas Intel, Cisco e Microsoft, o BIT: Instituto de Tecnologia Bradesco, em Campinas. Dedicado à capacitação profissional, já possui 30 salas e auditórios com capacidade para 400 pessoas. Não existe modelo. Existe vontade, necessidade e obrigação. No mundo temos um bilhão de pessoas que não têm acesso a água corrente, outras 2 bilhões que vivem com menos de dois dólares ao dia. As iniciativas, mesmo as mais simples, podem nos ajudar na solução de problemas que aumentam a cada dia, disse Leroy no encerramento do Ciab Febraban. n

11 Programa Febraban de Inclusão Social Federação quer criar condições para facilitar o preenchimento de até 20 mil vagas para pessoas com deficiências. A Febraban concluiu um estudo que, infelizmente, é pouco freqüente no Brasil. Como resultado dos esforços da Federação e da Consultoria i- Social, realizados durante 2006, apresentou-se a primeira pesquisa nacional População com Deficiência no Brasil Fatos e Percepções. Os objetivos baseavam-se em duas iniciativas: incrementar os programas de atendimento e acessibilidade para pessoas com deficiência por parte dos bancos e aí figura a raridade da iniciativa conhecer seu perfil sócio-econômico para avaliar um projeto de empregabilidade desse público no sistema financeiro, configurando talvez a ação mais decisiva de integração social de portadores de deficiências (PCDs) no País. Durante dois meses, a pesquisa entrevistou PCDs distribuídas no Brasil e mostrou muitas facetas surpreendentes. A maioria é chefe de família (47%); quase a metade deles adquiriu deficiências em função de violência urbana (48%) e a população brasileira de PCDs, estimada em 24,6 milhões é engrossada, todo mês, por contingente de 8 mil pessoas que adquirem deficiência. Todos os dados e revelações da pesquisa estão disponíveis ao público no site e foram utilizados nas várias iniciativas que a Federação promoveu como a elaboração da série de cartilhas Coleção Febraban de Inclusão Social e na organização do evento 1º Workshop de Inclusão Social, que contou com a presença de 300 pessoas. Divulgação Mario Sergio de Vasconcelos, diretor de Relações Institucionais da Febraban: precisávamos conhecer a realidade dos portadores de deficiências no País A partir desses dados, passamos a construir um programa efetivo de qualificação profissional, informa Mario Sergio de Vasconcelos, diretor de Relações Institucionais da Febraban. Precisávamos conhecer melhor a realidade dessa população para propor e facilitar sua inclusão no mercado de trabalho bancário. Nesse sentido, a pesquisa demonstrou que 78,7% têm apenas até o sétimo ano de estudo. Em contraste, os bancos brasileiros possuem 96% do seu quadro de colaboradores composto por trabalhadores com o terceiro grau completo, e somados aos que cursam a universidade. Divulgação Dessa forma, revelou-se o descompasso que é o principal obstáculo da inclusão dessa população nos cerca de 400 mil empregos mantidos pelo sistema financeiro. Segundo a lei que criou as cotas para PCDs, o sistema bancário teria até 20 mil vagas imediatas para essa população, é em função dessa necessidade que passamos a elaborar um programa de qualificação, raciocina Mario Sérgio. Por enquanto, o conteúdo programático é discutido pelas comissões de Recursos Humanos e de Diversidade da Federação e será apresentado para a diretoria em breve. O programa de qualificação será para pessoas acima de 17 anos e objetiva qualificar para 4 cargos iniciais nos Bancos: Caixas, Call Center, Administração de Retaguarda e Administração de Agências. A duração estimada é de 8 meses, divididos em duas etapas, consolidação do ensino fundamental e treinamento específico. A expectativa dos envolvidos é iniciar, em 2007 e sob a condução da Febraban, uma turma piloto e, depois, que os bancos aproveitem o conteúdo e experiência para promover suas próprias turmas. n 11

12 Certificados Digitais Serasa Segurança Serasa nos negócios eletrônicos. Mais competitividade para sua empresa. Com os Certificados Digitais Serasa, você pode assinar digitalmente apólices, contratos e todos os documentos eletrônicos, com a mesma validade jurídica daqueles assinados em papel, economizando tempo e reduzindo despesas operacionais. O processo de emissão de apólices, que normalmente é feito em 15 dias, com o Certificado Digital Serasa é concluido em minutos, com segurança, agilidade e validade jurídica. Agende uma visita e saiba por que a Serasa é destaque em certificação digital. A Serviço do Desenvolvimento do Brasil serasa.com.br

13 Divulgação 65% dos 90 estandes já estão vendidos a grandes empresas de tecnologia Para Luis Marques, evento é o melhor market place O Ciab 2007 já está no ar! Para os outros, o ano de 2007 mal começou. Mas, para quem faz o Ciab, a edição 2007 do Congresso vai bem adiantada. Os patrocinadores do evento todos parceiros de longa data já apostaram suas fichas em mais uma temporada de sucesso. Telemar, IBM, Itautec, Perto, Diebold Procomp e CPM asseguraram sua participação tendo a Serasa como copatrocinadora. Dos 90 estandes a serem ocupados no evento, nada menos que 56 (65% do total) foram comercializados. Empresas como Microsoft, Tivit, Oracle e Cisco estão com seus espaços reservados. A Exposição, lembra Luís Marques de Azevedo, consultor da Febraban, tem sido considerada o melhor market place em termos de foco e a melhor relação custo/benefício para patrocinadores e expositores. Data e local estão confirmados: o evento será realizado nos dias 13, 14 e 15 de junho, mais uma vez no Transamérica Expo Center. A área da exposição, totalizando m², será a mesma utilizada na edição deste ano. O tema será MOBI- LIDADE: seu banco sempre com você. Em 2006, o Ciab Febraban atingiu cifra expressiva de congressistas e de visitantes da exposição. Foram 1,4 mil participantes do congresso e 15 mil visitantes. O Congresso contou com 20 palestrantes internacionais, 26 mediadores e 74 palestrantes brasileiros totalizando 120 participações em 29 painéis com nomes como N. Ganapathy Subramanian, vice-presidente da Tata e Lars Gustavsson, responsável pela área de TI do ABN AMRO no mundo. Azevedo, um dos responsáveis pela escalação desse time de feras, considera que, no formato do evento, algumas tendências vieram para ficar. Por exemplo: as mesas redondas, com a participação de jornalistas especializados e mediadores. Na última edição foram duas, Visão 2020 de lideranças em TI e Debate sobre os destaques do Ciab, ambas mediadas por Paulo Markun, do programa Roda Viva, da TV Cultura. Foram experiências muito ricas, com debates abertos e auditórios lotados. Por isso, deveremos repetir a dose em Outra tendência é a de ampliar o foco do evento, tratando, cada vez com maior freqüência, de assuntos como Marketing, Responsabilidade Social, Correspondentes e Bancarização. São questões em que a tecnologia não é o foco principal, mas um suporte para que os negócios sejam realizados com segurança, confiabilidade e custos compatíveis, explica o consultor da Febraban. Setores do mundo financeiro que não sejam estritamente ligados ao tema bancos, também continuarão tendo espaço na grade do Ciab Febraban. Em 2006, foram realizados painéis sobre Seguradoras, Cartões de Crédito e sobre a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Como vem se tornando tradição, em 2007 os integrantes da Febraban deverão, mais uma vez, arrumar as malas para um Road Show de apresentação do evento. Em 2006, eles se apresentaram em 10 países da América Latina o que, na opinião de Azevedo, contribuiu para que 106 visitantes estrangeiros participassem do Ciab Febraban ante 20 em O consultor adianta que provavelmente os Estados Unidos, mais especificamente, a cidade de Nova Iorque, estará incluída no roteiro deste ano. Essa tem sido uma demanda dos patrocinadores, afirma. Sinal de que o Ciab Febraban vai se tornando, cada vez mais, um evento, de expressão internacional, com ambição de atrair também o cobiçado setor financeiro norte-americano. n 13

14 Felaban: oportunidades e desafios da bancarização Bancos estão preparados e dispostos a ampliar o acesso ao crédito e a serviços bancários na América Latina. Mas faltam ajustes no ambiente econômico e institucional, para fomentar investimentos e a inclusão de forma sustentável. 14 Os bancos da América Latina têm estrutura institucional, tecnologia, governança e capital para enfrentar o desafio da inclusão. Promover a extensão dos serviços financeiros a faixas mais amplas da população inclui uma combinação de ações de fomento ao mercado, competição e regulação adequada. Este foi um dos eixos da apresentação de Juan Antonio Niño, ex-presidente da Federação Latino-americana de Bancos (Felaban), na abertura da 40ª Assembléia Anual da entidade. Outras prioridades na agenda das instituições da região, segundo Niño, se referem à governança corporativa (Basiléia II), combate à lavagem de dinheiro e mecanismos de expansão de crédito. Ao término do encontro, Niño passou o cargo ao equatoriano Fernando Pozzo, eleito novo presidente da Felaban. O acesso ao serviço bancário é uma questão de cidadania. Desprovido desse direito, o indivíduo ou família não pode poupar, não tem acesso a crédito, não consegue administrar seus recursos e atender a suas necessidades de forma adequada. Isso é uma injustiça. Em termos de inclusão bancária, temos avançado com rapidez na América Latina, afirmou Márcio Cypriano, presidente da Febraban. No encontro da Felaban, que reuniu 1350 inscritos de 49 países, retomou-se, de forma ampla, a discussão sobre Bancarização e Microcrédito que começou a ser aprofundada no CIAB Entre os avanços nesse sentido, Niño destacou a experiência dos correspondentes não bancários, na qual o Brasil é o principal referencial, como forma de expandir a capilaridade do sistema bancário a custos viáveis. Além da infra-estrutura tecnológica, elemento imprescindível aos projetos de inclusão, foi enfatizada a necessidade de infra-estrutura legal aperfeiçoada, como base para expansão do crédito a agentes econômicos de menor porte. Para desenvolvimento do sistema financeiro da região (latino-americana), é preciso uma política que respeite a dignidade humana e garanta os direitos de credores e devedores, mencionou. Fora da região latino-americana, a experiência do banco Grameen, de Bangladesh (fundado por Muhammad Yunus, ganhador do Prêmio Nobel da Paz), evidencia que relações justas e não paternalistas são o caminho para uma operação sustentável de microcrédito. O ex-presidente, por sua vez, lembrou que há estudos nesta região que demonstram uma relação direta entre o grau de proteção aos credores e o acesso ao crédito por pequenas empresas. Consideramos que, por nenhuma razão, o incentivo ao mercado deva representar pressões descabidas ao sistema bancário. Os empresários e banqueiros não podem ser forçados e entrar em operações não rentáveis em nome da bancarização, afirmou. Entre as melhorias demandadas, temos a necessidade de mais fluidez e agilidade na execução de termos de garantia. Iniciativa pioneira nesse sentido foi feita no Peru, desenvolvida a partir da colaboração das instituições financeiras e de magistrados, de criação de uma justiça especializada, para criar mais segurança e dinamismo no ambiente financeiro. Outra ação complementar dos Estados, no que se refere ao microcrédito e bancarização, é a redução ou

15 Fiocca (BNDES) projeta que apenas uma das ações em microcrédito chegará a R$ 200 milhões em 2006 eliminação da carga tributária sobre as operações financeiras. Impostos sobre transações aumentam o custo do relacionamento entre os agentes econômicos e reduzem a competitividade da economia. Fernando Nogueira da Costa, diretor-executivo da Febraban, mostrou que as iniciativas para expandir a base de clientes a faixas ainda não atendidas pelo sistema financeiro já rendem benefícios expressivos à economia e à população. Nos últimos três anos, o volume de crédito consignado atingiu R$ 42 bilhões (no Brasil). Marcos Almeida O número de contas passou de 63 milhões para 95 milhões, desde O crédito ao consumidor, por sua vez, tem dado base ao crescimento sustentado do comércio e da indústria, enumerou. Na avaliação de Joaquim Ferreira Levy, vice-presidente de Administração e Finanças do BID, a inclusão econômica de setores mais amplos da população não é apenas uma questão de justiça, mas também um elemento estratégico ao desenvolvimento dos países desta região. A América Latina é grande geograficamente, mas é pequena em população. Portanto, a integração é necessária não apenas para crescer, como também para manter nosso padrão de vida, afirmou. Mesmo com os níveis de pobreza deste continente, a entrada de emergentes com grandes populações, como a Índia, no mercado mundial, impõe que a América Latina aumente seus níveis de eficiência e produtividade, para enfrentar a competição, acrescentou. Demian Fiocca, presidente do BNDES, reconhece que a tendência de expansão do crédito, iniciada em 2003, foi muito concentrada no financiamento para consumo. Isso é importante, mas precisamos de crédito orientado ao crescimento, afirmou. Fiocca aponta a Construção Civil como um setor com potencial expansão, associada a crédito. Entre as áreas estratégicas apoiadas pelo BNDES, destaca os financiamentos para investimentos em Infra-estrutura e Exportação. No segmento de microcrédito, ele mencionou o Cartão BNDES, para financiamento de capital de giro, que deve atingir um volume total de R$ 200 milhões em

16 Fotos: Marcos Almeida O ciclo do inves Criar mecanismos financeiros que viabilizem as relações entre os agentes econômicos da reg Málaga (Itaú): prioridade dos governos é controlar gastos À medida que os Estados não podem, não devem e não querem atuar como o grande provedor de capital como ocorreu em vários ciclos em países da região, a maioria deles marcada por regimes autoritários, o setor financeiro precisa se capacitar para a intermediação de investimentos de longo prazo. Esse foi um dos principais temas discutidos na 40ª Assembléia Anual da Felaban. Alguns líderes podem ter conquistado votos atacando as privatizações. Mas, na prática, nenhum desses governos tem recursos para dar conta dos investimentos necessários, disse Tomás Málaga, economista-chefe do Itaú. Málaga pondera que, neste momento, a prioridade da maioria dos governos é exatamente aprofundar o controle de seus gastos. Com os ajustes feitos nos anos 90, começamos a perder a fama de gastadores. Em uma conjuntura internacional favorável, pudemos colher alguns frutos dessas mudanças, comentou. Celso Amorim, ministro de Relações Exteriores, observou que muitos bancos internacionais estão aproveitando oportunidades que seriam interessantes a bancos latino-americanos. A integração física do continente sul-americano gera uma demanda de financiamentos, que pode ser absorvida em grande parte pelas instituições locais, afirma. Evidentemente, não se espera dos bancos privados o financiamento concessional (para grandes investimentos em infra-estrutura). Mas há Estudo aponta obstáculos e soluções para expandir acesso a serviços bancários Problemas sócio-econômicos e culturais; ineficiências na gestão e operação dos bancos; deficiências institucionais; e inadequação da regulação setorial estão entre as principais frentes de trabalho para se expandir a bancarização na América Latina. Esta é uma das conclusões do estudo Acesso aos Serviços Bancários na América Latina: Identificação de Obstáculos e Recomendações, apresentado por Liliana Rojas-Suárez, coordenadora do Comitê Latino-americano de Assuntos Financeiros (CLAAF), na 40ª Assembléia Anual da Felaban. Não vai se resolver a bancarização enquanto houver elevados níveis de pobreza, reconhece Rojas. Mas diversos estudos apontam uma relação direta entre o aprofundamento dos serviços financeiros e o desenvolvimento econômico dos países, constata. A especialista acrescenta que o crédito bancário é um motor de investimento particularmente importante na América Latina, por responder por mais de 30% das fontes de financiamento das companhias, percentual que ultrapassa 50% no caso das pequenas e médias empresas. Entre os fatores macroeconômicos e políticos, Rojas reconhece que a estabilidade tanto dos regimes democráticos quanto das políticas monetárias atenua tradicionais temores relativos à liquidez e preservação do valor dos depósitos. Todavia, ela menciona a necessidade de uma evolução cultural, para aprimorar o relacionamento de pessoas físicas e empresas com o sistema financeiro. Nos países desenvolvidos, as escolas ensinam conceitos de poupança, crédito e rentabilidade. Temos que mobilizar instituições públicas, grupos privados e outros agentes que possam levar cada vez mais informações ao público, acrescentou. Nas questões referentes à regulação, o imposto sobre transações financeiras penaliza seis países da região Argentina (0,6%), Bolívia (0,3%), Brasil (0,38%), Colômbia (0,4%), Peru (0,08%), e Venezuela (0,5%). Como resultado, Rojas citou a queda de 1,5 ponto percentual na relação depósitos bancários/pib, com a instituição da CPMF no Brasil. Outra distorção, que atinge a outro grupo de países, são limites legais para flutuação das taxas de juros. As exigibilidades de alocação de capital para risco de crédito, determinadas pelo Acordo de Basiléia, também precisariam ser ajustadas, para corrigir distorções como a excessiva concentração de aplicações em títulos públicos. Em relação à qualidade do ambiente institucional, Rojas coloca a independência do judiciário; garantia de manutenção das regras; e defesa dos direitos de poupadores e credores como principais indicadores. Nessa área, ela informa que o Brasil está em uma posição mediana, comparado ao cenário mundial. 16

17 timento privado grandes projetos de infra-estrutura e facilitar ião são tarefas imprescindíveis das instituições. espaços importantes, que têm sido ocupados por bancos estrangeiros, ressaltou. Amorim destacou que o foco na América Latina na política brasileira de comércio exterior, além de se alinhar à tendência de formação de blocos econômicos, tem apresentado resultados imediatos. A América Latina responde por 23% das exportações brasileiras e só a América do Sul é maior do que os EUA como mercado. E 93% das exportações (para este continente) são de produtos manufaturados, informou. Diferente das transações comerciais com países ricos, o relacionamento com novos mercados exige a criação de serviços e abre oportunidades inéditas. Quando se vende leite ou laranja para os EUA, a UE ou o Japão, tocamos no nervo de alguns setores da economia. Já em outros mercados, as resistências são menores e há mais possibilidades de expansão, comparou. O Brasil tem uma forte presença empresarial em Angola, mas há até pouco tempo as remessas eram feitas via Portugal, exemplificou. O ministro comparou o momento vivido pelos países sul-americanos, com o que ocorreu nos EUA no Século XIX, quando se ligaram as duas costas e se criou uma rede de transporte e comunicações continentais. A integração latino-americana precisa de financiamento. Grande parte cabe aos governos, mas as instituições privadas têm um papel imprescindível, resumiu o chanceler. Chanceler Amorim informa que comércio entre Brasil e América do Sul é maior do que com EUA Rojas: há relação direta entre o aprofundamento dos serviços financeiros e desenvolvimento econômico Ajustes para o microcrédito Apesar dos diversos fatores externos, Rojas destaca que as instituições financeiras têm ajustes próprios a serem feitos, no sentido de capacitá-las a expandir o alcance dos serviços. Há ineficiências bancárias que inibem o relacionamento entre as instituições e as pequenas e médias empresas. Os problemas incluem a burocracia para abertura de contas e realização de operações e a falta de mecanismos massificados de avaliação de risco, aponta. Ao mesmo tempo em que a maioria das pequenas e médias empresas da América Latina coloca a dificuldade de financiamento como maior empecilho ao crescimento, Rojas admite que os bancos enfrentam dificuldades específicas na prestação de serviços a esse segmento. O custo de avaliar e monitorar caso a caso, assim como a falta de critérios adequados de dimensionamento de riscos, acaba resultando em exigências pesadas de garantias. As empresas, por sua vez, não apresentam capacidade de cumprir essas condições, o que inibe o recurso ao setor financeiro como estratégia de crescimento, descreveu. Uma das prioridades do setor financeiro na América Latina, segundo Rojas, é desenvolver modelos de avaliação de risco adequados ao financiamento de pequenos empreendimentos. Todavia, o grau de informalidade da economia cria um ciclo vicioso, cuja superação exige táticas inovadoras. Uma abordagem é constituir históricos de informações creditícias, que permitam o apoio ao empreendedor, até para ajudá-lo a chegar à economia formal, observou. n 17

18 18

19 Os cuidados que se deve tomar antes de terceirizar a cadeia de valor do outsourcing, que começa no hardware (infra-estrutura) passando por aplicativos, desenvolvimento, manutenção, suporte, testes e BPO Business Processing Outsourcing (terceirização dos processos de negócios) foram os temas principais do painel Eficiência Operacional Outsourcing, no Ciab Febraban Divulgação Charles Teschner, da Booz Allen Hamilton: os bancos podem baixar seus custos em 20% combinando otimização interna, consolidação e centralização Outsourcing já está em todas as pontas O mercado da terceirização de serviços aumenta a cada dia. Se for considerado IT Service como um todo, é uma indústria de US$ 1,1 trilhão em 2006, que cresce entre as maiores taxas da economia global. A tendência, segundo Mauricio Minas, vice-presidente da sênior da CPM, é continuar assim nos próximos anos. Ele acrescenta que, deste total, US$ 670 bilhões já são gerados por três segmentos do outsourcing infra-estrutura, aplicativos e BPO. Atualmente, temos outra modalidade que vem crescendo muito, o offshore outsourcing. Os serviços financeiros já representam 25% deste novo serviço em termos globais, informa. O Outsourcing extrapolou a parte de serviços e equipamentos e chegou no dinheiro. Grandes fornecedores de tecnologia passam a assumir também a gestão pontaa-ponta dos ATMs, desde o monitoramento dos caixas de atendimento e atualização dos softwares até a reposição do dinheiro que alimenta os equipamentos. Hoje, o banco já não precisa mais comprar ATMs. Ele pode alugar as máquinas. Na visão de Luís Marques de Azevedo, consultor da Federação Brasileira de Bancos, a administração dos ATMs por terceiros indica que o outsourcing é o caminho mais racional. O compartilhamento das redes entre o Banco do Brasil e a Caixa é realidade. A estrutura atual, onde o banco tem controle total sobre a base de ATMs, deve mudar. É uma questão de tempo e amadurecimento. Economia de até 60% Charles Teschner, diretor gerente da Booz Allen Hamilton e também um dos palestrantes do painel Eficiência Operacional Outsourcing, estimou que a terceirização pode garantir economia de 20% a 65% às instituições financeiras com Tecnologia da Informação. Os bancos podem baixar seus custos em 20% ao combinar otimização interna, consolidação e centralização. Isso sem recorrer à terceirização. Mas podem ganhar mais uns 20% ou bem mais economizando com aluguel e mão-de-obra mais ba- 19

20 rata. Se tudo for somado, como o ganho em escala com a soma do volume, a economia pode chegar a 60%. O executivo lembra que há não muito tempo atrás os bancos faziam tudo em casa. Com a perspectiva cada vez maior de queda de juros, os bancos brasileiros enxergam ganhos de margem menores em futuro próximo e, por esta razão, precisam buscar alternativas e estar preparados ressaltou. Para Wilson Luiz Gellacic, sócio-diretor da Ernst &Young do Brasil e responsável pela área de auditoria de sistemas e riscos em TI, é muito bonito falar em outsourcing e offshore, mas não se pode esquecer que a atividade do banco é regulada e a instituição se reporta a determinadas entidades. Portanto, necessita de que algumas condições sejam respeitadas. Algumas destas entidades têm se manifestado a respeito do outsourcing, como é o caso do Comitê de Basiléia ao divulgar documento com nove mandamentos de alerta aos bancos sobre os cuidados necessários antes de partir para o procedimento. Países como Holanda, EUA, Austrália e Reino Unido já publicaram regras para as instituições bancárias trabalharem com terceirização de forma segura. Estas regras são claras e específicas e são auditadas de tempos em tempos. Gellacic focou sua apresentação nos serviços que as instituições financeiras podem passar a terceiros sem que afete seus controles internos, como os processos de TI. Estamos falando em desenvolvimento de sistemas, centros de processamento, administração de folha de pagamento, contabilidade, transferências entre outros. Wilson Luiz Gellacic, da Ernst&Young: é muito bonito falar em outsourcing e offshore, mas não se pode esquecer que a atividade do banco é regulada Divulgação As Melhores Práticas n Planejamento n Estratégia n Análise de Custo/Performance / Riscos n Seleção de Fornecedores n Negociação de Termos,Condições, Encerramento e Disputas n Transição n Gerenciamento do Níveis de Serviço n Auditorias Periódicas Pensar friamente O consultor ressalta não existir mais dúvidas: o BPO lidera o crescimento nesta área e chegou para ficar. Já o offshore, recurso que pode ajudar a reduzir em muito os custos de uma companhia, é tendência forte que, por enquanto, é liderada por Índia, China, Malásia e Filipinas. Em 2010, 20% dos gastos das despesas das instituições financeiras serão com serviços terceirizados. Isto, segundo Gellacic, deixa claro que as empresas devem centrar esforços na sua atividade-fim e deixar as operações repetitivas, que não afetam a estratégia de negócios, para um terceiro. Antes de terceirizar, é preciso parar e pensar friamente o que pode dar errado. No processo de outsourcing, é preciso que as corporações se preparem melhor. Pois, pode parecer uma resolução simples e banal, mas, se for realizada sem um conjunto de medidas, dores de cabeça virão no futuro. São vários os motivos que podem levar a empresa a partir para outsourcing: buscar melhores práticas, focar no negócio, passar de custo fixo para variável, reduzir seu ativo, melhorar o gerenciamento dos custos, processos de vendas mais rápidos, elaborar um plano de carreiras entre outras. Gellacic alerta também que um mau contrato é ruim para as duas partes. É preciso incluir alguns itens importantes como análise de riscos da operação, caso a parceria venha a não dar certo. Também é indispensável que o contrato preveja seu encerramento e possíveis disputas. Precisa estar claro como minha empresa termina o contrato caso as coisas não dêem certo. n Razões para terceirizar n Focar o negócio n Melhorar o negócio n Razões financeiras n Aumentar a receita n Gerenciar os custos n Elaborar Plano de Carreiras 20

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV DATA CENTER VIRTUAL - DCV Em entrevista, Pietro Delai, Gerente de Pesquisa e Consultoria da IDC Brasil relata os principais avanços

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil MICROFINANÇAS Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Curso de Prefeitos Eleitos 2013 a 2016 ARDOCE Missão Ser um banco competitivo e rentável, promover o desenvolvimento sustentável do Brasil e cumprir sua função pública

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga Inovação em seguros edição 2012 CONTEÚDO 1 Introdução... 2 2 Objetivo... 3 3 Desenvolvimento do trabalho... 4 Parceria entre as duas áreas

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Inscrição Prêmio ABF-AFRAS - Categoria Fornecedor

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Inscrição Prêmio ABF-AFRAS - Categoria Fornecedor PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Inscrição Prêmio ABF-AFRAS - Categoria Fornecedor Dados da empresa Razão Social: Visa do Brasil Empreendimentos Ltda. Nome Fantasia:

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança Favor indicar o departamento no qual opera: 16% 5% Relações externas, Comunicação N=19 79% Estratégia e inovação Gestão de Risco Outros Meio Ambiente, saúde e segurança Outros: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Para competir com eficácia, as empresas da atualidade precisam se adaptar a um ambiente tecnológico que sofre rápidas mudanças.

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

NOVA ATITUDE SOCIAL PARA A SUSTENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO

NOVA ATITUDE SOCIAL PARA A SUSTENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO Maio 2005 NOVA ATITUDE SOCIAL PARA A SUSTENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO Uma empresa cidadã tem direitos e deveres, assim como qualquer indivíduo. Trata-se de uma consciência crítica que nasce a partir do respeito

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

ESPAÇO INOVAÇÃO 2015 ITS

ESPAÇO INOVAÇÃO 2015 ITS CIAB FEBRABAN 2015 25 Anos XXV Congresso e Exposição de Tecnologia da Informação das Instituições Financeiras Transamérica Expo Center 16 a 18 Junho de 2015 INTRODUÇÃO O ITS com apoio da FEBRABAN organizará,

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Quem somos Em que acreditamos Acreditamos nas pessoas

Quem somos Em que acreditamos Acreditamos nas pessoas Prioridades para 2014-2019 Quem somos Somos o maior grupo político da Europa, orientado por uma visão política de centro-direita. Somos o Grupo do Partido Popular Europeu do Parlamento Europeu. Em que

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Vitor Seravalli Diretoria Responsabilidade Social do CIESP Sorocaba 26 de Maio de 2009 Responsabilidade Social Empresarial (RSE) é uma forma de conduzir

Leia mais

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS ATIVOS INTANGÍVEIS Embora a Organização não registre seus ativos intangíveis, há evidências da percepção de sua magnitude pelos investidores e que pode ser encontrada na expressiva diferença entre o Valor

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

O termo negócio social foi cunhado inicialmente por Muhammad Yunus, indiano, doutor em Economia, professor e laureado com o Prêmio Nobel da Paz em

O termo negócio social foi cunhado inicialmente por Muhammad Yunus, indiano, doutor em Economia, professor e laureado com o Prêmio Nobel da Paz em Negócio Social O termo negócio social foi cunhado inicialmente por Muhammad Yunus, indiano, doutor em Economia, professor e laureado com o Prêmio Nobel da Paz em 2006 Classifica um determinado empreendimento

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira Do microcrédito às microfinanças Monica Valente Microcrédito Tânia Machado Microcrédito como instrumento de desenvolvimento econômico e

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Programa Voluntários Bradesco

Programa Voluntários Bradesco 18ª Audiência de Sustentabilidade Programa Voluntários Bradesco Agosto / 2009 Banco Bradesco Um dos maiores Bancos Privados da América Latina 22 Maior Banco no Mundo (Forbes Global 2000) Maior Seguradora

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

Prêmio Vivaleitura. Dicas para se inscrever no. e outros projetos...

Prêmio Vivaleitura. Dicas para se inscrever no. e outros projetos... Dicas para se inscrever no Prêmio Vivaleitura e outros projetos... 2011 Vaga Lume R. Aspicuelta, 678 Vila Madalena São Paulo SP 05433-011 (11) 3032-6032 www.vagalume.org.br falecom@vagalume.org.br 1) Apresentação

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

A revolução da excelência

A revolução da excelência A revolução da excelência ciclo 2005 PNQ Foto: Acervo CPFL CPFL Paulista, Petroquímica União, Serasa e Suzano Petroquímica venceram o Prêmio Nacional da Qualidade 2005. A Albras, do Pará, foi finalista.

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI CUSTOMER SUCCESS STORY Março 2014 AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI PERFIL DO CLIENTE Indústria: Manufatura Empresa: AT&S Funcionários: 7.500 Faturamento: 542 milhões

Leia mais

Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq

Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq A Indústria de Máquinas na Era da Economia Verde Perfil geral A indústria da indústria Fundação:1937- origem de um sindicato têxtil; Possui 1.500

Leia mais

Suzano: atualização e mais qualidade de informações com SAP Business Suite powered by HANA

Suzano: atualização e mais qualidade de informações com SAP Business Suite powered by HANA Suzano: atualização e mais qualidade de informações com SAP Business Suite powered by HANA Geral Executiva Nome da Suzano Papel e Celulose Indústria Papel e celulose Produtos e Serviços Celulose de eucalipto,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

Nome e contato do responsável pelo preenchimento deste formulário: Allyson Pacelli (83) 88252115 e Mariana Oliveira.

Nome e contato do responsável pelo preenchimento deste formulário: Allyson Pacelli (83) 88252115 e Mariana Oliveira. Dados da empresa PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado Razão Social: Capacita Empreendimentos Educacionais Nome Fantasia: SOS Educação Profissional

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Promover a inserção de mulheres no mercado de trabalho por meio de projetos de geração de renda é o objetivo do Instituto Lojas

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

SAP Customer Success Story Turismo Hotel Urbano. Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One

SAP Customer Success Story Turismo Hotel Urbano. Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One Geral Executiva Nome da Hotel Urbano Indústria Turismo Produtos e Serviços Comercialização online de pacotes

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC

Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC Elisabeth Gomes elisabeth.gomes@sbgc.org.br Diretora de relações com o governo - SBGC 2º Fórum de Gestão

Leia mais

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic CUSTOMER SUCCESS STORY Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Companhia: Globalweb Outsourcing Empregados: 600 EMPRESA A Globalweb

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

Oito em cada dez brasileiros não sabem como controlar as próprias despesas, mostra estudo do SPC Brasil

Oito em cada dez brasileiros não sabem como controlar as próprias despesas, mostra estudo do SPC Brasil Oito em cada dez brasileiros não sabem como controlar as próprias despesas, mostra estudo do SPC Brasil Mais de um terço dos brasileiros desconhecem o valor das contas que vencem no próximo mês. Falta

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação - Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Os sistemas de informação empresariais na sua carreira Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais