José Autran Teles Macieira Auditor-Chefe CRC/RJ n. º /O-4

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "José Autran Teles Macieira Auditor-Chefe CRC/RJ n. º 077.517/O-4"

Transcrição

1 FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA - RAO Norma de Origem: NIG-AUDIN-001, NIG-AUDIN-002 PERÍODO DA AUDITORIA 04 a 15 de julho de 2011 DATA 1/41 ÓRGÃO AUDITADO Instituto de Pesos e Medidas do Estado de Minas Gerais Ipem/MG EQUIPE AUDITORA NOME AREA Flavio Silva dos Reis Coordenador da Equipe Deise da Silva Elvis Raul Constantino da Silva2 Auditoria Interna Audin Leandro Nunes de Figueiredo DETERMINAÇÃO DA AUDITORIA (SA) Ofício n. º 074/Audin, de 02 de junho de RECOMENDAÇÃO AO AUDITADO SIM PARA PROVIDÊNCIAS E/OU JUSTIFICATIVAS 30 DIAS A PARTIR DO RECEBIMENTO DO RELATÓRIO NÃO DE ACORDO/ENCAMINHAMENTO Senhor Presidente, apresentamos o relatório referenciado e sugerimos o encaminhamento aos Órgãos externos e Unidades Principais do Inmetro a seguir relacionados: Controladoria-Geral da União do Estado do Rio de Janeiro CGU/RJ; Instituto de Pesos e Medidas do Estado de Minas Gerais Ipem/MG; Profe; Dimel; Dqual; Cgcre; Diraf; Ouvid; Dplad; e Cored. FOR-AUDIN Rev Apr. Mai/03 - Pg. 01/02 José Autran Teles Macieira Auditor-Chefe CRC/RJ n. º /O-4

2 Senhor Auditor-Chefe, 2/41 Apresentamos a seguir o resultado da auditoria ordinária realizada no Instituto de Pesos e Medidas do Estado de Minas Gerais Ipem/MG, por determinação do Ofício n.º 074/Audin, de 02 de junho de I - INTRODUÇÃO Nossos trabalhos foram realizados no período de 04 a 15 de julho de 2011, com o objetivo de avaliar os atos e fatos ocorridos no Ipem/MG, no período compreendido entre abril/2010 e maio/2011, assim como, nos certificarmos da adequada execução das atividades de Metrologia Legal e Qualidade de Bens e Serviços no Estado de Minas Gerais. O Instituto de Pesos e Medidas do Estado de Minas Gerais - Ipem/MG foi criado por intermédio da Lei Estadual n. º 4.657, de 27 de novembro de 1967, sob a forma de autarquia, com personalidade jurídica de direito público, com autonomia administrativa e financeira, e teve sua estrutura reorganizada pela Lei Estadual n. º , de 03 de agosto de 1993, considerando as disposições da Lei Delegada n.º 84, de 29 de janeiro de 2003 e, seu regulamento aprovado por intermédio do Decreto n.º , de 1º de julho de 1994, alterado pelo Decreto n.º , de 10 de julho de O Ipem/MG executa as atividades de competência do Inmetro nas áreas de Metrologia Legal e Qualidade de Bens e Serviços, mediante delegação por meio do convênio em vigor, assinado entre o Inmetro e o Ipem/MG, com interveniência da Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia - SECT, em 2/1/2001, atualmente Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior SECTES, tendo como Secretário o Sr. Narcio Rodrigues da Silveira. Nossos exames foram conduzidos de acordo com as normas de auditoria geralmente praticadas no Serviço Público, sem que qualquer restrição nos tenha sido imposta por parte do Ipem/MG quanto ao método dos nossos trabalhos, que foram desenvolvidos na Sede do Órgão, situados na Rua Cristiano França Guimarães, n. º 80 - Bairro Cinco - CEP: Contagem/MG, sob a direção do Sr. Ivan Alves Soares, designado por Ato do Governo do Estado de Minas Gerais, publicado no DOE, do dia 07/07/2011, para responder pelo cargo em comissão de Diretor-Geral do Ipem/MG, inclusive como Ordenador de Despesas do Instituto de Pesos e Medidas do Estado de Minas Gerais - Ipem/MG, mediante Portarias de delegação do Inmetro n. os 324, 325 e 326, de 04/08/2011, publicadas no DO em 05/08/2011. II - DOS EXAMES REALIZADOS Inicialmente, cabe ressaltar que nossos trabalhos se pautaram na Solicitação da Auditoria, objeto do Processo Audin, encaminhada previamente ao Ipem/MG, cujas respostas e/ou esclarecimentos foram apresentados parcialmente quando da nossa chegada, em 04/07/2011, tendo sido emitida Solicitação Complementar da Auditoria, sendo respondida no decorrer da auditoria, comprometendo a extensão dos trabalhos, onde foram procedidas as análises e as devidas constatações por esta equipe de auditoria, estando os assuntos de maior relevância no presente relatório. Informamos que os trabalhos pertinentes às Áreas Técnicas de Metrologia Legal e da Qualidade, foram desenvolvidos de forma integrada, por técnicos daquelas diretorias, ressaltando que, os assuntos de maior importância encontram-se destacados em seus relatórios anexos.

3 3/41 Vale registrar que, nos trabalhos da Área da Qualidade, houve a participação no processo de auditoria de um servidor da Diretoria da Qualidade do Inmetro Dqual, Diego Lopes Soares Pinto, além da participação de um Auditor Especialista da Área da Qualidade do Instituto de Metrologia e Qualidade do Estado da Bahia Ibametro, o servidor Claudionor Adalberto dos Santos Filho. Enquanto que nos trabalhos pertinentes às Áreas Técnicas de Metrologia Legal Dimel, houve a participação de dois auditores, Fernando Cesar Ignácio Guimarães e Lydia Tomassi Peixoto. 1. ÁREA FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA Pendências de Exercícios Anteriores Manifestação do Auditado: Em resposta ao questionamento de Solicitação da Auditoria, objeto do Processo Audin PA /2011-O o auditado apresentou as respostas, conforme OFÍCIO/IPEM-MG/VDIGE/Nº 005/2011, de 09/06/2011. Comentários: Em relação às pendências de relatórios anteriores, averiguamos que foi emitido o Parecer n.º 050/Audin, de 11 de maio de 2011, tratando da análise às justificativas apresentadas pelo Instituto de Pesos e Medidas do Estado de Minas Gerais Ipem/MG, ao Relatório de Auditoria, objeto do processo Audin PA /2010-O, de 21/05/2010, permanecendo alguns itens para verificação nesta auditoria, sobre os quais observamos o seguinte: Processo - PA /2010-O Respostas do Auditado (Ofício nº 005/2011, de Parecer n.º 050/Audin, de 11/05/ /06/2011) Informo que foi encaminhado para a SEPAT: Recomendação Resposta não acatada. Apesar do Ipem/MG informar que o veículo não pertence ao Instituto e nem ao Inmetro e que vai solicitar a retirada do veículo da carga patrimonial, cabe registrar que a viatura de placa BIM-2308 foi doada pelo extinto Instituto do Açúcar e do Álcool - IAA, e o Ipem/MG na época recebeu a doação e registrou no patrimônio o bem. Atualmente, para desfazimento do mesmo deverá seguir os preceitos da legislação vigente. Portanto, mantemos nossa recomendação, e indicamos que o órgão deverá fazer gestão junto ao Inmetro/Diraf/Sepat para o desfazimento da viatura em tela, assim como todas as demais que apresentarem a mesma situação - Ofício 009/2011 IPEM-MG/DPGF/GLM/SEMP e o processo com intuito de providenciar a baixa da viatura de placa BIM 2308 (AnexoI); e - Ofício 011/2011 IPEM-MG/DPGF/GLM/SEMP e fotos anexadas( Anexo II). Em 06/06/2011 foi feito o contato telefônico com o Ricardo da SEPAT a fim de agilizar a baixa da mesma no sistema de gestão de Patrimônio do Inmetro (SISPATRI). Informamos, ainda, conforme página 11(onze) do processo, já efetuamos a baixa do veículo no sistema SIAD( Sistema Integrado de Administração de Materiais e Serviços do Estado de Minas Gerais). Solicitamos, ainda junto a SEPAT, orientações para que seja possível a alienação do veículo, tendo em vista que o mesmo encontra-se inservível e o custo de manutenção é inviável economicamente.

4 4/41 Recomendação Recomendação Resposta não acatada. Apesar do Ipem/MG noticiar que a viatura de placa GMF-0717 será incluída no próximo leilão, permanecemos aguardando a realização do desfazimento do bem Resposta não acatada. A ação informada pelo Ipem/MG não atende a recomendação formulada. Portanto, mantemos a nossa recomendação no sentido do órgão apresentar a documentação comprobatória do pagamento da multa Informo que a viatura de placa GMF-0717 foi leiloada conforme demonstrado na Nota Fiscal N.º (Anexo III). Conforme documentação (Anexo IV, informamos o pagamento das multas referentes às viaturas: Placa data horário Valor Situação GMF /6/ h27min 85,13 Pago GMF /9/ h40min 53,20 Pago HAR /1/2010 6h10min 85,13 Pago Recomendação Recomendação Recomendação Recomendação Resposta não acatada. Quanto à OB n. 4301/09 de 10/08/2009, que não foi destacado o valor de IRRF, deixamos de acatar em virtude da falta de apresentação de documentação comprobatória do recolhimento. No que se refere ao IRRF identificado nas OBs. n. os 4969, 5781, 6985 e 7300 de 2009, além das 0293, 0710 e 1668 de 2010, resposta acatada. Resposta não acatada. Apesar do Ipem/MG informar que foi realizado o ajuste aos itens das contas e , não foi apresentado à conciliação com o saldo do Patrimônio do Inmetro, registrado no Setor de Patrimônio Sepat. Portanto, mantemos nossa recomendação no sentido de o Instituto apresentar a documentação comprobatória do saneamento da irregularidade nos saldos das contas patrimoniais Resposta não acatada. Continuamos aguardando as conciliações dos saldos de inventário a ser apresentado pelo Setor de Patrimônio do Inmetro Diraf/Diope/Sepat. Resposta não acatada. Os esclarecimentos apresentados pelo Ipem/MG não justificam as despesas realizadas em desacordo com as atividades delegadas no Convênio celebrado entre o Inmetro e o Ipem/MG. Portanto, ratificamos a recomendação oriunda do Parecer n.º 010/Audin, cujos comprovantes deverão ser remetidos a esta Auditoria Interna do Inmetro para os devidos fins, conforme segue: Resposta não acatada. As justificativas Informo que, relativo a OB n.º 4301 de 10/08/2009 no valor de R$ ,00 não foi destacado o valor de IRRF em virtude da atividade da Empresa fornecedora Guia Veículos Ltda (locação de veículos), não está sujeita à retenção do IR na fonte conforme prevê o artigo 647 Parágrafo 1º do Regulamento do Imposto de Renda. Informamos que a conta foi regularizada conforme demonstrado no relatório fornecido pelo SIAD ( anexo V), em análise dos saldos, o valor dos roteadores foram regularizados com o valor de R$ ,88 no sistema SIAD. Com relação à conta estaremos providenciando a regularização. As divergências apuradas se devem pelo fato do Registro dos bens no sistema Estadual ser realizado pelo valor original dos bens, sem reavaliação, enquanto no Sistema da Sepat ( SISPATRI) realiza a reavaliação dos bens. Informamos que estamos realizando gestão junto a SEPLAG/MG ( Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado de Minas Gerais) que é a gestora do Sistema SIAD ( Sistema Integrado de Administração de Materiais e Serviços), com o objetivo de resolvermos essas divergências. Informamos, ainda, que com a implantação do SGI, no módulo Patrimônio, será possível sanar as possíveis divergências com maior tempestividade. Conforme providências adotadas no item , juntamente com a SEPAT, estaremos providenciando a regularização dos saldos de Patrimônio. Situação também reforçada por ocasião do contato telefônico feito com o servidor Ricardo da SEPAT, em 06/06/2011. Referente ao item: a A aquisição das placas de homenagens pela empresa de eventos teve como objetivo homenagear o servidor do IPEM/MG no dia do metrologista. Como se tratava de um evento de grande importância para a nossa instituição, resolvemos realizar a aquisição junto com a empresa de eventos, destacamos que foram apresentadas 3 (três) cotações de preços a fim de adquirir a placa com menor valor possível(anexo VI). A aquisição da placa de homenagem pelo valor de R$ 240,00 seria possível através

5 5/41 apresentadas pelo órgão não foram consideradas satisfatórias na sua amplitude, sob os seguintes aspectos: a nota fiscal no valor de R$ 240,00, correspondente a confecção de placas de homenagem, apesar de apresentação das justificativas, não são consideradas objeto da prestação de serviço efetuado pela empresa contratada, conforme verificado no contrato. d - nota fiscal no valor de R$ 1.680,00, correspondente a inscrição em Fórum Brasileiro de Direito Municipal, apesar de apresentação das justificativas, não é considerado objeto da prestação de serviço efetuado pela empresa contratada. h - nota fiscal no valor de R$ 635,00, correspondente a pagamento de blocos e canetas utilizadas no evento I Fórum Permanente de Contabilista, que apesar das justificativas apresentadas, não são consideradas atividades delegadas previstas no Convênio firmado com o Inmetro. j - nota fiscal no valor de R$ 2.920,00, correspondente a pagamento de coffe breack utilizadas no evento I Fórum Permanente de Contabilista, que apesar das justificativas apresentadas, não são consideradas atividades delegadas previstas no Convênio firmado com o Inmetro. Isso posto, recomendamos que sejam devolvidos aos cofres públicos o montante de R$ 5.475,00, tendo em vista que foram efetuados gastos não previstos no objeto do contrato, devendo os recursos serem aplicados exclusivamente na execução das atividades delegadas, conforme previsto no convênio firmado com o Inmetro. Por oportuno, solicitamos ainda a cópia do Convênio celebrado entre o IPEM-MG e o Sindicato dos Contabilistas de Minas Gerais. do processo por dispensa de licitação com fulcro no Art. 24, inciso II da lei 8666/93, sem fracionamento da despesa, entretanto foram solicitadas à empresa de eventos por considerar que as homenagens faziam parte do evento endomarketing. d Destacamos a importância na participação do evento Fórum Brasileiro de Direito Municipal, tendo em vista a grande interação entre este órgão (IPEM/MG) e os municípios e o conhecimento dos temas tratados para o melhor desenvolvimento das nossas atividades. O processo na sua finalidade ocorreu de forma regular, considerando o foco do evento e a comprovação da despesa realizada, bem como no aspecto da capacitação do servidor. Com relação aos itens a e d, aumentaremos a nossa atenção de modo a evitar erros formais na realização dos processos de despesas. h e j A participação do IPEM-MG no I fórum de Contabilistas ocorrido em outubro/2009 teve como objetivo a redução da inadimplência no pagamento das GRU s, por meio da sensibilização dos contadores sobre a importância do trabalho do IPEM-MG, uma vez que esses na maioria das vezes são os responsáveis pelo pagamento de taxas no que se refere a pequenas e médias empresas. Até o ano de 2009, a Dívida Ativa do IPEM possuía valores significativos, em função dos altos níveis de inadimplência. Nos anos de 2008 e 2009 foi intensificado pelo IPEM/MG, através do setor jurídico uma ação com o objetivo de cobrar os valores que já estavam inscritos em Dívida Ativa. Fato evidenciado pelo aumento da cobrança do jurídico e correspondente arrecadação do mesmo. (Anexo VI). Com a participação do IPEM/MG no I fórum de Contabilistas, procuramos investir em uma ação preventiva com o objetivo de redução da inadimplência e uma maior conscientização, principalmente, dos contabilistas. Acreditamos que ações de natureza corretiva, incorrem em custos mais elevados para a instituição, pois estaremos investindo mais em uma estrutura de cobrança (administrativa) do jurídico em detrimento da área fim. Embora, haja comprovação da regularidade da despesa(empenho, liquidação e pagamento) junto a empresa de eventos, iniciativa e procedimentos com vistas ao aperfeiçoamento da gestão do convênio serão submetidas à apreciação desta Auditoria. Em análise às respostas ofertadas pelo auditado tecemos o que segue: a) As respostas relativas às recomendações dos itens , , , , , e foram acolhidas por esta Audin. b) Quanto à recomendação do item : Resposta não acatada.

6 6/41 O Ipem/MG à época da assinatura do contrato com a empresa Terra Viagens e Turismo Ltda., inscrita no CNPJ nº / encontrava-se amparado pelo Convênio nº 011/2005 firmado com o Inmetro, assinado em 02 de janeiro de 2005, com prazo de cinco anos. Considerando a Cláusula Terceira Das Obrigações do Órgão Executor, no item 3.6 que diz: Aplicar os recursos provenientes deste convênio exclusivamente na execução das atividades delegadas.(grifo nosso). Considerando ainda, o Convênio vigente de nº 02/2010 firmado com o Inmetro, assinado em 1º de janeiro de 2010, com prazo de quatro anos, que diz no item 3.6 da Cláusula Terceira Das Obrigações do Órgão Executor: Aplicar os recursos provenientes deste convênio exclusivamente na execução das atividades delegadas, utilizando a legislação federal, quando couber, como parâmetro na consecução do objeto deste Convênio.(grifo nosso). Considerando os Princípios Constitucionais, quais sejam: Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência. Ressaltamos os seguintes: Legalidade: como princípio de administração significa que o administrador público está, em toda a sua atividade funcional, sujeito aos mandamentos da lei e às exigências do bem comum, e deles não se pode afastar ou desviar, sob pena de praticar ato inválido e expor-se a responsabilidade disciplinar, civil e criminal, conforme o caso. Impessoalidade: este princípio impõe ao administrador público que só pratique o ato para o seu fim legal. E a finalidade terá sempre um objetivo certo e inafastável de qualquer ato administrativo: o interesse público. Todo ato que se apartar desse objetivo sujeitar-se-á a invalidação por desvio de finalidade. Moralidade: A moralidade do ato administrativo juntamente com a sua legalidade e finalidade, além da sua adequação aos demais princípios, constituem pressupostos de validade sem os quais toda atividade pública seria ilegítima. Por legalidade ou legitimidade se entende não só a conformação do ato com a lei, como também com a moral administrativa e com o interesse coletivo. Considerando ainda, o Princípio da Motivação que deve apontar a causa e os elementos determinantes da prática do ato administrativo, bem como o dispositivo legal em que se funda. O ato não motivado, quando o devia ser, presume-se não ter sido executado com toda a ponderação desejável, nem ter tido em vista um interesse público. Em face de todo o exposto, ratificamos a nossa recomendação constante do Parecer n.º 010/Audin, de 10/02/2011 e do Parecer nº 050/Audin, de 11/05/2011, conforme, a seguir: Resposta não acatada. As justificativas apresentadas pelo órgão não foram consideradas satisfatórias na sua amplitude, sob os seguintes aspectos: a nota fiscal no valor de R$ 240,00, correspondente a confecção de placas de homenagem, apesar de apresentação das justificativas, não são consideradas objeto da prestação de serviço efetuado pela empresa contratada, conforme verificado no contrato. d - nota fiscal no valor de R$ 1.680,00, correspondente a inscrição em Fórum Brasileiro de Direito Municipal, apesar de apresentação das justificativas, não é considerado objeto da prestação de serviço efetuado pela empresa contratada.

7 7/41 h - nota fiscal no valor de R$ 635,00, correspondente a pagamento de blocos e canetas utilizadas no evento I Fórum Permanente de Contabilista, que apesar das justificativas apresentadas, não são consideradas atividades delegadas previstas no Convênio firmado com o Inmetro. j - nota fiscal no valor de R$ 2.920,00, correspondente a pagamento de coffe breack utilizadas no evento I Fórum Permanente de Contabilista, que apesar das justificativas apresentadas, não são consideradas atividades delegadas previstas no Convênio firmado com o Inmetro. Isso posto, recomendamos que sejam devolvidos aos cofres públicos o montante de R$ 5.475,00, tendo em vista que foram efetuados gastos não previstos no objeto do contrato, devendo os recursos serem aplicados exclusivamente na execução das atividades delegadas, conforme previsto no convênio firmado com o Inmetro. Recomendação: Ratificamos ao Órgão Delegado que tome as providências necessárias para efetuar a devolução do valor de R$ 5.475,00, sob pena de apuração de responsabilidade Atos normativos formalização documental. Manifestação do Auditado: Em resposta ao questionamento de Solicitação da Auditoria, objeto do Processo Audin PA /2011-O o auditado apresentou o Convênio firmado entre o Ipem/MG e o Inmetro Análise do Convênio nº 02/2010 Comentários: O Inmetro exerce a sua atividade, no Estado de Minas Gerais, prevista no art. 4º da Lei nº 9.993/1999, por intermédio do Ipem/MG, Autarquia vinculada à Secretária de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, prerrogativa essa prevista no Capítulo III, art. 10º 1º da alínea b, do Decreto Lei nº 200, de 25 de Fevereiro de O Convênio celebrado com o Ipem/MG é resultante também da necessidade de atuação local, conforme consta no art. 10, 5, do Decreto Lei nº 200/1967, o qual nos informa o seguinte: Ressalvados os casos de manifesta impraticabilidade ou inconveniência, a execução de programas federais de caráter nitidamente local deverá ser delegada, no todo ou em parte, mediante convênio, aos órgãos estaduais ou municipais incumbidos de serviços correspondentes. A formalização do vínculo com o Ipem/MG se deu com a publicação no Diário Oficial da União DOU do Extrato de Convênio nº 2/2010, no dia 15 de janeiro de 2010, nos termos:

8 8/41 Objeto: Este convênio tem por objeto a delegação da execução das atividades de competência do Inmetro, a seguir elencadas, com pactuação de resultados a alcançar e da contrapartida de recursos a serem repassados ao Instituto de Pesos e Medidas do Estado de Minas Gerais IPEM-MG, denominado, doravante, Órgão Executor. Recursos Financeiros: As despesas decorrentes deste Convênio correrão à conta das orçamentárias do Inmetro, para o exercício, sob a classificação de Transferências a Estado e ao Distrito Federal Serviços de Terceiros Pessoa Jurídica Elementos de Despesas , com atividades específicas fonte 250 Receita Própria. Vigência: o prazo deste Convênio é de 04 (quatro) anos, a contar da data de sua assinatura, podendo ser prorrogado mediante a celebração de termos aditivos. Data da assinatura: 1º de janeiro de Cabe-nos dar ciência ao que informa o art. 17 da Instrução Normativa STN nº 1, de 15 de janeiro de 1997: A eficácia dos convênios e de seus aditivos, qualquer que seja o seu valor, fica condicionada à publicação do respectivo extrato no Diário Oficial da União, que será providenciada pela Administração até o quinto dia útil do mês seguinte ao de sua assinatura, devendo ocorrer no prazo de vinte dias a contar daquela data, contendo os seguintes elementos: I. Espécie, número, e valor do instrumento; II. Denominação, domicílio e inscrição no Cadastro Geral de Contribuintes do Ministério da Fazenda CGC/MF dos partícipes e nome e inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas do Ministério da Fazendo CPF/MF dos signatários; III. Resumo do objeto; IV. Crédito pelo qual correrá a despesa, número e data da Nota de Empenho ou Nota de Movimentação de Crédito; V. Valor a ser transferido ou descentralizado no exercício em curso e, se for o caso, o previsto para exercícios subsequentes, bem como o da contrapartida que o convenente se obriga a aplicar; (Grifo nosso)vi. Prazo da vigência e data da assinatura; e VII. Código da Unidade Gestora, da gestão e classificação funcional programática e econômica, correspondente aos respectivos créditos. Destacamos o inciso V, do art. 17 da instrução normativa supracitada por ser o foco desta análise. Comparando o que deve se ter de informação no extrato da publicação com o que foi publicado, vemos que não consta a informação requerida no inciso mencionado. Pois não só se faria necessário conhecer o valor a ser transferido no exercício, como nos três seguintes, devido a vigência plurianual. O orçamento para o Órgão Executor fazer cumprir o Plano de Trabalho proposto, que deve ser devidamente aprovado pelo Inmetro antes da assinatura do instrumento, foi de R$ ,00 (Cento e vinte e sete milhões e cento e dez mil reais), de acordo com a Nota de Empenho 2010NE Tendo em vista que o Decreto nº 6.170/2007 em seu art. 9º dispõe: No ato de celebração do convênio ou contrato de repasse, o concedente deverá empenhar o valor total a ser transferido no exercício e efetuar, no caso de convênio ou contrato de

9 9/41 repasse com vigência plurianual, o registro no SIAFI, em conta contábil específica, dos valores programados para cada exercício subsequente. (Grifo nosso). Parágrafo único. O registro a que se refere o caput acarretará a obrigatoriedade de ser consignado crédito nos orçamentos seguintes para garantir a execução do convênio. O art. 8º da Portaria Interministerial MP/MF/CGU nº 127, de maio de 2008 tem a seguinte redação quanto à plurianualidade: Nos instrumentos regulados por esta Portaria, cuja duração ultrapasse um exercício financeiro, indicar-se-á o crédito e respectivo empenho para atender à despesa no exercício em curso, bem como cada parcela da despesa relativa à parte a ser executada em exercício futuro, mediante registro contábil. Parágrafo único. O registro a que se refere o caput acarretará a responsabilidade de o concedente incluir em suas propostas orçamentárias dos exercícios seguintes a dotação necessária à execução do convênio. Considerando que o convênio celebrado entre o Inmetro e o Ipem/MG tem um prazo de vigência de 4 anos a contar da data de sua assinatura, concluímos que o mesmo deve enquadrar-se nos atos normativos supramencionados. De acordo com os ditames da Instrução Normativa da Secretaria do Tesouro Nacional STN nº 1, de 15 de janeiro de 1997, em seu art. 2º, 4º, como segue: Os beneficiários das transferências de que trata o art. 1º desta Instrução Normativa, quando integrantes da Administração Pública de qualquer esfera de governo, deverão incluí-las em seus orçamentos. No contexto do artigo 2º, no 10º, temos a seguinte regra: Visando a evitar atraso na consecução do objeto do convênio, pelo descumprimento do cronograma de desembolso de recursos, o concedente deverá desenvolver sistemática específica de planejamento e controle dos convênios, de maneira a se garantir harmonia entre sua execução física e a financeira, esta subordinada aos decretos de programação financeira do Poder Executivo federal. A liberação dos recursos deve obedecer ao cronograma de desembolso previsto no Plano de Trabalho e guardará consonância com as metas e fases ou etapas de execução do objeto do instrumento, assim determina o art. 42 da Portaria Interministerial MP/MF/CGU nº 127/2008, e o art. 7º, inciso VII da IN STN nº 1, de 15 de janeiro de Para corroborar que a liberação de recursos deve observar o Plano de Trabalho, segue na íntegra o art. 21, da IN STN nº 1/1997: A transferência de recursos financeiros destinados ao cumprimento do objeto do convênio obedecerá ao Plano de Trabalho previamente aprovado, tendo por base o cronograma de desembolso, cuja elaboração terá como parâmetro para a definição das parcelas o

10 10/41 detalhamento da execução física do objeto e a programação financeira do Governo Federal. Na razão dos normativos apresentados, entendemos ser pertinente a liberação dos recursos do objeto conveniado em estrita conformidade com o Plano de Trabalho aprovado pelo Inmetro. De acordo com a Cláusula Segunda, item 2.1 do Convênio nº 02/2010 referente ao Ipem/MG, o Inmetro tem de aprovar o Plano de Trabalho, Orçamento e o Plano de Aplicação Anual do Órgão Executor, alocando recursos necessários à execução das atividades conveniadas. Não consta no convênio supradito o plano de trabalho do Ipem/MG, o que entendemos ser uma infringência ao art. 116, 1º da Lei 8.666/1993: A celebração de convênio, acordo ou ajuste pelos órgãos ou entidades da Administração Pública depende de prévia aprovação de competente plano de trabalho proposto pela organização interessada, o qual deverá conter, no mínimo, as seguintes informações: (grifo nosso) Identificação do objeto a ser executado; Metas a serem atingidas; Etapas ou fases de execução; Plano de aplicação dos recursos financeiros; Cronograma de desembolso; Previsão de início e fim da execução do objeto, bem assim da conclusão das etapas ou fases programadas; [...] Na mesma sintonia, o art. 21 da Portaria Interministerial MP/MF/CGU nº 127, de maio de 2008 versa o seguinte: Art. 21. O Plano de Trabalho, que será avaliado após a efetivação do cadastro do proponente, conterá, no mínimo: I. Justificativa para a celebração do instrumento; II. Descrição completa do objeto a ser executado; III. Descrição das metas a serem atingidas; IV. Definição das etapas ou fases da execução; V. Cronograma de execução do objeto e cronograma de desembolso; e VI. Plano de aplicação dos recursos a serem desembolsados pelo concedente e da contrapartida financeira do proponente, se for o caso. Além de não estar de acordo com os normativos legais o convênio não tem como ser avaliado quanto a sua eficácia. Os recursos são alocados de acordo com um plano de

11 11/41 aplicação, aprovado em reuniões orçamentárias ocorridas durante o ano, que geralmente são realizadas uma a cada semestre, não constante em um plano de trabalho. A Cláusula Quinta do Convênio informa que o Plano de Aplicação do Órgão Executor para o seu custeio deverá ser aprovado a cada exercício, incluindo as revisões que se fizerem necessárias ao longo do período e estará limitado a um valor até 90% da arrecadação efetivamente realizada, mas levando em consideração as definições das avaliações orçamentárias e financeiras realizadas em conjunto pelos Convenentes, para custeio das atividades delegadas, que integrarão o presente Convênio, conforme o modelo de relacionamento aprovado em Plenária da RBMLQ-I. Cabe informar que consta na Ata nº 34/2010, realizada no Inmetro-Xerém nos dias 04 e 19 de agosto de 2010, referente à Reunião Orçamentária do período de janeiro a julho e de agosto (2010) a fevereiro de 2011, que o limite orçamentário é de 70%, podendo ser alterado desde que devidamente justificado e aprovado, após análise pela Cored e Diraf. Informações também relevantes na Ata supramencionada são as seguintes: a) Foi entregue ao representante desse órgão, o termo aditivo do convênio a ser celebrado entre o Ipem/MG e o Inmetro. Este novo convênio estabelece um percentual mínimo de 60% de repasse, sem um teto máximo estabelecido, além da criação de um escritório. b) Cabe ressaltar que o presente órgão deverá encaminhar a Cored, o Plano de Aplicação e a Prestação de Contas, até o dia 10 de cada mês subsequente. O não cumprimento do pleito implicará que o órgão deixará de receber a transferência de recursos pactuados, em ata. Este trabalho tem por finalidade realizar um melhor controle dos gastos. Informamos ainda, que após análise da Cored, a Prestação de Contas será encaminhada a Contabilidade do Inmetro. Já na Ata de Fevereiro de 2010 (Ata nº 17/2010), ou seja, no mês seguinte ao da assinatura do Convênio nº 2/2010, foi informado que o limite orçamentário do órgão é de 70%, logo o plano de aplicação do órgão limita-se a 70%. O orçamento estando limitado a 70% é o mesmo que estarmos efetuando um contingenciamento no orçamento do órgão executor. Essa informação constante nas três atas de reunião orçamentária, quando comparada com a informação na Cláusula Quinta item do Convênio nº 2/2010, nos leva ao entendimento de que houve redução no plano de aplicação. O Inmetro tem como obrigação, imposta no Item 2.6 da Cláusula Segunda do Convênio nº 2/2010, efetuar a transferência de valores necessários à execução das atividades delegadas, em consonância com a definição do Plano de Aplicação de recursos acordados nas Reuniões Orçamentárias, conforme disponibilidade orçamentária e financeira. Ficou evidente após análise das Atas de Reuniões (nº 17/2010; 34/2010; e 25/2011) que o plano de aplicação é pactuado no momento das mesmas.

12 12/41 Recomendação: Tendo em vista que os convênios efetuados pelo Inmetro devem respeitar os comandos legais da Lei n.º 8.666/1993, Decreto nº 6.170/2007 e da Portaria Interministerial MP/MF/MCT nº 127/2008 recomendamos que o Ipem/MG apresente a esta Audin o Plano de Trabalho aprovado pelo Inmetro para o período compreendido no Convênio nº 02/2010 assinado em 1º de janeiro de 2010 Com relação à ordenação de despesa no interregno de 1º a 24/01/2011, período no qual o Ipem/MG esteve sem ordenador de despesa formalmente designado, verificamos que não houve emissão de Notas de Empenho, bem como pagamentos por meio de ordens bancárias Setor de Recursos Humanos Força de trabalho do órgão (efetivos, comissionados, cedidos e/ou requisitados e terceirizados). Em resposta ao questionamento contido na Solicitação da Auditoria SA, objeto do Processo Audin, o Ipem/MG apresentou, por meio de planilha, a sua força de trabalho. Comentários: Iniciando nossas análises na área de pessoal, verificamos conforme informações apresentadas pelo Ipem/MG, que o órgão conveniado conta com 370 (trezentos e setenta) funcionários em sua força de trabalho, assim distribuídos: Servidores Quantidade 2009 Quantidade 2010 % em relação ao total Variação Efetivos ,89-66 Comissionados ,49 - Requisitados 4 4 1,08 - Contratados* ,54-2 Total ,00-68 (*) Para efeito de análise consideramos funcionários contratados aqueles pertencentes ao quadro da Empresa MGS. Com relação aos 34 (trinta e quatro) servidores cedidos, verificamos que a cessão de 4 (quatro) a outros a órgãos do Estado de Minas Gerais estão devidamente formalizadas. No entanto, aqueles 30 (trinta) cedidos ao Ipem/ES por força de Convênio n.º 001/2004 firmado entre o Ipem/MG (cedente) e o Ipem/ES (cessionário) na data de 30/12/2004, publicado no DOE/ES em 25/05/2005, pelo período de 12 meses, prorrogáveis por iguais períodos, por intermédio de Termos Aditivos, sendo o último - Quinto Termo Aditivo, assinado em 07/05/2010, que teve sua vigência encerrada em 07/05/2011, ainda não renovada.

13 13/41 Continuando nossas análises no demonstrativo apresentado anteriormente trazendo como referência os contratados junto a Empresa MGS, destacamos que, no exercício de 2009, totalizavam 115 (cento e quinze) funcionários e, em 2010, foi reduzido em 1,77%, passando para o total de 113 (cento e treze), montante que representa 30,54% do total da força de trabalho do órgão. Recomendação: Com relação aos servidores cedidos ao Ipem/ES, tendo em vista a vigência do último Termo Aditivo encerrada em 07/05/2011, recomendamos ao Ipem/MG regularizar a cessão dos 30 (trinta) servidores que atualmente prestam serviço naquele órgão Processos de Diárias Nacionais Manifestação do Auditado: Em resposta ao questionamento de Solicitação da Auditoria, objeto do Processo Audin PA /2011-O foi informado o quantitativo de Concessões de Diárias no período auditado. Comentários: A atual legislação de Diárias utilizada pelo Ipem/MG é o Decreto Estadual n de 09/06/2011, contudo, a nossa análise está sob a égide do Decreto Estadual n.º , de 03 de março de 2010, para a concessão de diárias aos servidores e aos prestadores de serviços, devido ao período analisado ter sido de abril de 2010 a maio de No universo de PCDs analisados constatamos o preenchimento incompleto do formulário relatório de viagem, no que tange a ausência de informação nos campos data, assinatura e carimbo de identificação tanto do proposto, quanto da autoridade concedente. Ressaltamos que, no 6º do art. 7º do Decreto n.º , de 03/03/2010 diz que: a responsabilidade pelo controle das viagens e da prestação de contas é, respectivamente, da autoridade solicitante e concedente. Relacionamos, a seguir, os PCDs cujas observações merecem atenção e justificativas por parte do Ipem/MG: Proces so 2451 PCD n.º 205- PM/002/20 11 Observações A devolução de R$ 150,00 foi feita após o prazo de cinco dias úteis previstos na legislação. Na autorização de saída de veículos não consta o nome do passageiro, apenas o nome do condutor.

14 14/ PM/003/ PM/005/ PM/009/ CV/002/ CV/003/ BH/237/ BH/238/201 1 No Relatório de viagem a declaração do servidor de que não reside na localidade de destino em 11/04/2011 está sem carimbo de identificação. A Aprovação do relatório de viagem pela autoridade solicitante foi em 25/04/2011e a aprovação da autoridade concedente está sem data, apenas com a assinatura e carimbo. Na autorização de saída de veículos não consta o nome do passageiro, apenas o nome do condutor. No Relatório de viagem a aprovação da autoridade concedente está sem data, apenas com assinatura e carimbo. Na autorização de saída de veículos não há escrito o nome do passageiro, apenas o nome do condutor. Os Relatórios diários anexados dos dias 11 a 15/04 e de 18 a 21/04 não estão verificados pela chefia imediata. No relatório "acompanhamento de produção" do SGI não há informação registrada. No Relatório de viagem a declaração do servidor de que não reside na localidade de destino em 09/05/2011 está sem carimbo, somente com a assinatura. Autorização de Saída de Veículos período de 25/04 a 30/04/2011,saindo de Montes Claros a Patos de Minas e vice versa, sendo a data de saída em 25/04/2011 e chegada em 07/05/2011 divergindo da informação no campo previsão de deslocamento, onde não consta o nome do passageiro, apenas do condutor. Os Relatórios diários anexados dos dias 25 a 29/04 e de 02 a 06/05 não estão verificados pela chefia imediata. Cabe ressaltar que, embora esteja informado no processo que o servidor veio de Patos de Minas para Montes Claros em 30/04/2011 para abastecer conforme mapa de controle de abastecimento de viatura e retornou a Patos de Minas em 1º/05/2011, no SGI o veículo de placa BET-1862 foi abastecido em 25/04/2011, não havendo registro de abastecimento em 30/04/2011. No relatório de "acompanhamento de produção" do SGI não há registro. Ausência do nome do passageiro no formulário de solicitação de viatura. Ausência de anulação do valor de R$ 80,00, devolvido, referente ao excesso de diárias recebidas. O horário inicial da viagem em 08/02/2011 registrado no Relatório de viagem está divergente do registrado no formulário de saída de veículos do SGI. No relatório do SGI "acompanhamento da produção" a coluna diárias está em branco. No Relatório de viagem a aprovação da autoridade concedente foi em 16/03/2011, ultrapassando o prazo de prestar contas. Na autorização de saída de veículos não consta o nome do passageiro, o nome do condutor. No relatório do SGI "acompanhamento da produção" a coluna diárias está em branco. Ausência do nome do passageiro no formulário de solicitação de viatura anexado ao PCD. O horário de saída no dia e no dia constante do Relatório de viagem está divergente do horário lançado no formulário de saídas de veículos do SGI. Embora os relatórios diários estejam anexados ao PCD, no relatório de "acompanhamento de produção" do SGI não há informação registrada. Ausência do nome do passageiro no formulário de solicitação de viatura do Estado. O formulário de " acompanhamento de produção" do SGI está sem registro. O Formulário de saída de veículos do SGI está com o horário divergente do informado no relatório de viagem.

15 15/ MC/61/ MC/62/ CG/22/2011 Prestação de contas fora do prazo. Não consta autorização para permanecer no final de semana. No formulário de solicitação de diárias, o veículo informado é o de placa BVZ-6578(Caminhão), e as despesas de lavagem geral e abastecimento de óleo diesel foram feitas no referido veículo, contudo os relatórios diários estão com a informação de placa do veículo GM/Celta 2P Life, BET-2135 bem como a autorização de saída de veículo. Na autorização de saída de veículos do Siad, o período contemplado está de 04/04 a 18/04/2011. No SGI tendo como relatório "saída de veículos" não há qualquer informação registrada sobre os veículos citados e os condutores. Não há comprovação da anulação do valor de R$ 20,00. Prestação de contas fora do prazo. No relatório de solicitação de diárias o veículo informado é o de placa BVZ-6578(Caminhão) Caminhão, contudo os relatórios diários estão com a informação da placa BET-2135, Celta, bem como a autorização da saída de veículo, tendo como condutor, o Sr. Jose Geraldo de Oliveira. Há divergências no horário de saída e de chegada do relatório de solicitação de diárias e a autorização de saída de veículos emitida pelo Siad. No SGI, o relatório de saída de veículos está contemplando o período de 25 a 30/04/2011. A despesa realizada referente ao serviço de solda em caixa de ferramentas tem como referência o caminhão Ford 2492, de placa BVZ Aprovação da autoridade concedente em 04/04/2011, ultrapassando o prazo para prestar contas, previsto na legislação. Não consta a justificativa do servidor para a contagem da viagem iniciar no domingo e o término ser no sábado. Não consta o nome do passageiro no formulário de Autorização de Saída de Veículo MC/26/201 1 Aprovação do relatório de viagem pela autoridade solicitante sem data (Sr. Denise Cerqueira); Aprovação da autoridade concedente em 11/03/2011, ultrapassando o prazo previsto em prestar contas. Não há comprovação da anulação do valor devolvido no processo de diárias MC/27/ CG/21/ GV/42/ GV/43/201 1 No relatório de viagem a aprovação da autoridade concedente em 16/03/2011 ultrapassou o prazo previsto em prestar contas. De acordo com o encaminhado em 12/07/2011, consta a informação de que no dia 24/02/2011 não houve aula, pois no dia 23/02/2011a aula foi em período integral de 8h, não havendo justificativa para o retorno do servidor ter sido em 25/02/2011. No relatório de viagem a aprovação da autoridade concedente foi em 04/04/2011, ultrapassando o prazo previsto para a prestação de contas. Ausência do nome do passageiro no relatório de saída de veículos. No formulário "Relatório de Viagem" no campo aprovação da autoridade concedente a data não foi preenchida. No formulário saída de veículos só há informação do nome do condutor. Relatórios diários anexados sem o visto da chefia imediata No relatório de viagem o campo aprovação da autoridade concedente está sem data, sem carimbo, apenas assinado não sendo possível identificar. Autorização de Saída de Veículos Placa GMF-4281 VW/Saveiro 1.6, no período de 25/04/2011 a 29/04/2011 e de 29 a 30/04/2011 assinado pelo condutor e pela Autoridade competente, contudo sem carimbo de identificação. Relatórios diários anexados sem o devido visto da chefia imediata.

16 Recomendação: 16/ Recomendamos ao Ipem/MG observar a formalização dos processos de diárias e, ainda apresentar o saneamento das falhas apontadas na tabela Transportes Avaliação da Frota de Viaturas Manifestação do Auditado: Em resposta ao questionamento contido na Solicitação da Auditoria, objeto do Processo Audin, foi apresentada a relação da frota de viaturas oficiais e locadas no Ipem/MG. Comentários: De acordo com as informações apresentadas, constatamos que o Ipem/MG conta atualmente com 117 veículos, sendo 53 locados e 64 oficiais. No que se refere ao estado de conservação da frota de viaturas oficiais do Inmetro à disposição do Ipem/MG, fomos informados: Estado de Conservação Quantitativo Ótimo 01 Bom 04 Regular 29 Ruim 30 Inservível 09 Sinistrada 02 Total 75 Com relação ao cadastro dos veículos oficiais, nos moldes do anexo III, da IN n.º 03/2008, o Ipem/MG deixou de preencher diversos campos do formulário, prejudicando a identificação daquelas viaturas, quais sejam: 05; 17; 20 e 22. Recomendação: Recomendamos ao Ipem/MG cumprir a Instrução Normativa n.º 03/2008, regulamentada pelo Decreto n.º 6.403, de 17 de março de 2008, no que concerne a identificação das viaturas oficiais nos moldes do anexo III da mesma. Outro fato que deve ser registrado é a ausência de identificação da viatura oficial, de placa GMF-6408, que atende ao Diretor-Geral do Ipem/MG, contrariando o que determina art. 12, Instrução Normativa n.º 03/2008, regulamentada pelo Decreto n.º 6.403, de 17 de março de 2008.

17 RELATÓRIO DE AUDITORIA ORDINÁRIA 17/41 Recomendação: Recomendamos ao Ipem/MG cumprir o que determina a Instrução Normativa n.º 03/2008, regulamentada pelo Decreto n.º 6.403, de 17 de março de Avaliação da Documentação das Viaturas Manifestação do Auditado: Em resposta ao questionamento efetuado na Solicitação da Auditoria, objeto do Processo Audin PA /2010-O, foi disponibilizada a cópia da documentação relativa ao licenciamento das viaturas. Comentário: De acordo com as informações apresentadas e análise procedida, por amostragem aleatória, não estatística, constatamos que os licenciamentos anuais das viaturas oficiais à disposição do Ipem/MG se encontram em dia. Entretanto, diante da análise realizada, constatamos diversas viaturas em nome do Ipem/MG, CNPJ n.º / , conforme segue: Viatura Fiat/Línea LX 1.9 Renault Kangoo Express Renault Kangoo Express Renault Kangoo Express Mitsubishi L200 Mitsubishi L200 Renault Kangoo Express Renault Kangoo Express Renault Kangoo Express Renault Kangoo Express Renault Kangoo Express Renault Kangoo Express Renault Kangoo Express VW Saveiro VW Saveiro Caminhão VW 9.150E Caminhão Iveco/Ectector Caminhão VW Euro3 Worker Caminhão Ford Cargo 2422 Placa GMF-6408 GMF-4606 GMF-4605 GMF-4600 GMF-4599 GMF-4598 GMF-4597 GMF-4596 GMF-4595 GMF-4594 GMF-4593 GMF-4592 GMF-4591 GMF-4284 GMF-2114 EEF-7031 EEF-3679 EEF-3678 BRZ-5356

18 Recomendação: 18/ Recomendamos ao Ipem/MG a transferência de propriedade das viaturas relacionadas na tabela para o Inmetro, sem prejuízo das demais viaturas que se encontrem na mesma situação Avaliação da Despesa com as Viaturas. Manifestação do Auditado: Em resposta ao questionamento efetuado na Solicitação da Auditoria, objeto do Processo Audin, foram disponibilizados o controle de manutenção e os relatórios de abastecimento de veículos. Comentários: Diante das informações apresentadas, constatamos que o Ipem/MG não possui um controle consolidado das despesas com as viaturas, não permitindo que o órgão demonstre de forma eficaz o estado de conservação de cada viatura. Vale registrar ainda que não foi apresentado o Mapa de Controle do Desempenho e Manutenção dos Veículos Oficiais, nos moldes do Anexo II, da Instrução Normativa n.º 03, de 15 de maio de 2008, regulamentada pelo Decreto n.º 6.403, de 17 de março de Recomendações: Recomendamos ao Ipem/MG cumprir a Instrução Normativa n.º 03, de 15 de maio de 2008, regulamentada pelo Decreto n.º 6.403, de 17 de março de Recomendamos ao Ipem/MG que apresente um controle consolidado de gastos por veículos demonstrando a despesa com combustível, óleo lubrificante, pneus, manutenção, troca de peças, etc., a fim de avaliar o custo x benefício de cada veículo da frota do órgão Análise dos Processos de Despesas com a frota de veículos do Ipem/MG. Comentários: De acordo com as informações apresentadas, no que se refere aos processos de despesas inerentes ao Setor de Transporte, procedemos a análise, conforme segue: Processo n.º /2010 Interessado: GLM - SVTR Fiat Automóveis SA. CNPJ n.º / Objeto: Aquisição de veículo para atendimento à Diretoria-Geral do Ipem/MG Tipo de Despesa: Pregão Eletrônico Valor do Contrato: ,00 Valor estimado: R$ ,05 Valor pago no período de exame junho-2010 a maio-2011: R$ ,00

19 Comentário: 19/ O presente processo versa sobre a aquisição de veículo para atendimento à Diretoria-Geral do Ipem/MG, sendo constatada a ausência de comprovação da publicação do resultado do Pregão Eletrônico no Diário Oficial, em desacordo com a alínea b, do inciso XII, do art. 30, do Decreto Federal n.º 5.450, de 31 de maio de 2005, que diz: Art. 30. O processo licitatório será instruído com os seguintes documentos: I - justificativa da contratação; II - termo de referência; III - planilhas de custo, quando for o caso; IV - previsão de recursos orçamentários, com a indicação das respectivas rubricas; V - autorização de abertura da licitação; VI - designação do pregoeiro e equipe de apoio; VII - edital e respectivos anexos, quando for o caso; VIII - minuta do termo do contrato ou instrumento equivalente, ou minuta da ata de registro de preços, conforme o caso; IX - parecer jurídico; X - documentação exigida para a habilitação; XI - ata contendo os seguintes registros: a) licitantes participantes; b) propostas apresentadas; c) lances ofertados na ordem de classificação; d) aceitabilidade da proposta de preço; e) habilitação; e f) recursos interpostos, respectivas análises e decisões; XII - comprovantes das publicações: a) do aviso do edital; b) do resultado da licitação; c) do extrato do contrato; e d) dos demais atos em que seja exigida a publicidade, conforme o caso. Grifo nosso. Recomendação: Recomendamos ao Ipem/MG o cumprimento do Decreto Federal n.º 5.450, de 31 de maio de Processo n.º /2010 Interessado: GLM-SVAO Almeida Dias Sistema de Segurança Ltda. CNPJ n.º / Objeto: Contratação de Empresa especializada em manutenção de equipamento de vigilância eletrônica, com aquisição de quatro câmeras Tipo de Despesa: Dispensa de Licitação Valor estimado: R$ 3.833,90 Valor pago no período de exame junho-2010 a maio-2011: R$ 3.099,00

20 Comentários: 20/ Constatamos a solicitação de compras-serviços, cuja especificação é Manutenção e reparo em equipamento e sistemas de segurança eletrônica Contratação de empresa especializada em manutenção de equipamento de vigilância eletrônica para Sede. Manutenção do sistema existente com inclusão de mais 4 micro câmeras. (grifo nosso) Constatamos que a dotação orçamentária foi , ou seja, no elemento de despesa de serviço, sendo que na especificação existe a aquisição de bem patrimonial (quatro câmeras). Constatamos o Relatório de dados de especificação, bem como a Nota de empenho n.º 4926, de 14/10/2010, no valor de R$ 3.099,00, elemento de despesa , ou seja, aquisição de material permanente no elemento de despesa de serviço. Constatamos a Nota Fiscal de Serviço n.º , de 1º de novembro de 2010, no valor de R$ 3.099,00, devidamente atestada, cuja descrição do serviço é: Sistema de vigilância eletrônica existente com inclusão de mais 4 (quatro) micro-cameras... Recomendação: Recomendamos ao Ipem/MG providências no sentido de realizar o acerto contábil no que se refere à aquisição de material permanente no elemento de despesa e dotação orçamentária de serviço. Processo n.º /2010 Interessado: GLM-SUTR Minas Empresarial Comércio Pneus Ltda / Objeto: Aquisição de Pneus para veículos da frota do Ipem-MG Tipo de Despesa: Pregão Eletrônico Valor estimado: ,16 Valor pago no período de exame junho-2010 a maio-2011: R$ ,80 CNPJ n.º Comentários: O presente processo versa sobre a aquisição de pneus para as viaturas oficiais da frota do Ipem/MG, sendo constatada a ausência da comprovação de publicação do resultado do Pregão Eletrônico, no Diário Oficial, em desacordo ao que preconiza a alínea b, do inciso XII, do art. 30, do Decreto Federal n.º 5.450, de 31 de maio de 2005, que diz: Art. 30. O processo licitatório será instruído com os seguintes documentos: I - justificativa da contratação; II - termo de referência; III - planilhas de custo, quando for o caso; IV - previsão de recursos orçamentários, com a indicação das respectivas rubricas; V - autorização de abertura da licitação; VI - designação do pregoeiro e equipe de apoio; VII - edital e respectivos anexos, quando for o caso;

RELATÓRIO DE AUDITORIA ORDINÁRIA FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA - RAO. 1/04 a 17/05/2013

RELATÓRIO DE AUDITORIA ORDINÁRIA FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA - RAO. 1/04 a 17/05/2013 FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA - RAO PERÍODO DA AUDITORIA DATA 1/04 a 17/05/2013 1/13 ÓRGÃO AUDITADO Instituto de Metrologia e Qualidade Industrial do Maranhão Inmeq/MA EQUIPE AUDITORA NOME AREA

Leia mais

De 13/05/2012 a 09/06/2012

De 13/05/2012 a 09/06/2012 FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA - RAO PERÍODO DA AUDITORIA DATA De 13/05/2012 a 09/06/2012 1/10 ÓRGÃO AUDITADO Instituto de Pesos e Medidas do Estado de Roraima Ipem/RR EQUIPE AUDITORA NOME Valmir

Leia mais

Os exames foram conduzidos de acordo com as normas de auditoria geralmente praticadas no serviço público.

Os exames foram conduzidos de acordo com as normas de auditoria geralmente praticadas no serviço público. FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA - RAO PERÍODO DA AUDITORIA DATA De 07/10/2012 a 03/11/2012 1/9 ÓRGÃO AUDITADO Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Tocantins - Ipem/TO EQUIPE AUDITORA NOME Valmir

Leia mais

CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E SUAS PRESTAÇÕES DE CONTAS. Seminário Administrativo Itapema/SC

CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E SUAS PRESTAÇÕES DE CONTAS. Seminário Administrativo Itapema/SC CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E SUAS PRESTAÇÕES DE CONTAS. TERMOS DE COOPERAÇÃO. DO CONTROLE DA NECESSIDADE AO NECESSÁRIO CONTROLE. COFEN-COREN Lei nº. 5.905, de 12/07/1973. Art. 1º. São criados o Conselho

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. AUDITORIA GERAL DO ESTADO ATOS DO AUDITOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. Estabelece normas de organização e apresentação das prestações de contas de convênios que impliquem

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Parecer nº 013/Audin INMETRO/SITAD/NÚMERO DO PROTOCOLO

Leia mais

29/10/2013 a 14/11/2013. Coordenação Geral da Rede Brasileira de Metrologia Legal e Qualidade Cored

29/10/2013 a 14/11/2013. Coordenação Geral da Rede Brasileira de Metrologia Legal e Qualidade Cored FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA - RAO Norma de Origem: Nig Audin 001 três PERÍODO DA AUDITORIA DATA 29/10/2013 a 14/11/2013 1/ 9 ÓRGÃO AUDITADO Coordenação Geral da Rede Brasileira de Metrologia

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14 Leia-se:...Art. 1º DELEGAR COMPETÊNCIA e as responsabilidades decorrentes ao Superintendente Regional do DNIT nos estados de Goiás e Distrito Federal para Lavrar o Termo Aditivo de Prorrogação de prazo,

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Altera a Portaria Interministerial nº 127/MP/MF/CGU, de 29 de maio de 2008,

Leia mais

a.1) em área desapropriada ou em desapropriação por Estado, por Município, pelo Distrito Federal ou pela União;

a.1) em área desapropriada ou em desapropriação por Estado, por Município, pelo Distrito Federal ou pela União; INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 4, DE 17 DE MAIO DE 2007 DOU de 18.5.2007 _ Retificação _DOU de 21.5.2007 Altera dispositivos, que especifica, da Instrução Normativa nº 1, de 15 de janeiro de 1997, disciplinadora

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS

BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO AUDITORIA GERAL DO ESTADO BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS APLICAÇÃO DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS ABORDAGEM Conceitos relacionados ao tema; Legislação aplicável à execução; Modelo de gestão e processo adotado pela Fundep. O que é o SICONV? CONCEITOS

Leia mais

PA-410-007/2012-O. Senhor Auditor Chefe,

PA-410-007/2012-O. Senhor Auditor Chefe, FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA - RAO PERÍODO DA AUDITORIA DATA De 1º/10 a 05/11/2012 1/12 ÓRGÃO AUDITADO Instituto de Metrologia e Qualidade do Estado de Alagoas Inmeq/AL EQUIPE AUDITORA NOME Deise

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*)

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) Disciplina no âmbito do IFPR as Orientações acerca da Execução Orçamentária e Financeira, relativas à Concessão de Suprimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 7 DE 23 DE ABRIL DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 7 DE 23 DE ABRIL DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 7 DE 23 DE ABRIL DE 2010 Estabelece as normas para que os Municípios, Estados e o Distrito Federal

Leia mais

1. ÁREA FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA.

1. ÁREA FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA. Parecer n.º 017/Audin INMETRO/SITAD/NÚMERO DO PROTOCOLO 52600. / 2011 Ref.: Análise das respostas apresentadas pela SURRS, às recomendações contidas no Relatório de Auditoria Ordinária n.º PA- 730-014/2011,

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99)

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA QUE ENTRE SI CELEBRAM A (UNIÃO/ESTADO/MUNICÍPIO), ATRAVÉS DO (ÓRGÃO/ENTIDADE ESTATAL),

Leia mais

ANEXO VII LEI Nº13.190 DE 11 DE JULHO DE

ANEXO VII LEI Nº13.190 DE 11 DE JULHO DE ANEXO VII LEI Nº13.190 DE 11 DE JULHO DE 2014 Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o exercício de 2015, e dá outras providências. Art. 60 - Sem prejuízo das disposições contidas nos demais artigos,

Leia mais

DECRETO Nº 951 DE 23 DE JULHO DE 2014.

DECRETO Nº 951 DE 23 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 951 DE 23 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 2.054 de 12 de junho de 2014 para dispor sobre o custeio de transporte, hospedagem e alimentação do colaborador eventual e do profissional técnico

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Parecer nº. 018/Audin INMETRO/SITAD/NÚMERO DO PROTOCOLO

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014

LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014 LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014 Dispõe sobre concessão de diária aos Vereadores e servidores que menciona e dá outras providências. A Câmara Municipal de Piranguinho aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Subchefia para Assuntos Jurídicos Civil DECRETO Nº 6.170, DE 25 DE JULHO DE 2007. Dispõe sobre as normas relativas às transferências de recursos da União mediante convênios

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE

TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE Salvador, 21 e 22 de julho de 2010 CONVÊNIOS EQUIPE: Alessandro Chaves de Jesus Ana Lucia Alcântara Tanajura Cristiane Neves de Oliveira

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

C O N V Ê N I O Nº 015/2015

C O N V Ê N I O Nº 015/2015 C O N V Ê N I O Nº 015/2015 Que entre si celebram de um lado o MUNICÍPIO DE ITABIRITO, pessoa jurídica de direito público interno, inscrição no CNPJ sob o nº 18.307.835/0001-54, com endereço a Avenida

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 *******************************

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* Promulgo a presente Resolução de conformidade com a legislação vigente. Em 30 de agosto de 2013. Silvio Rodrigues de Oliveira =Presidente da Câmara=

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO GERÊNCIA DE AUDITORIA TOMADA DE CONTAS ANUAL SIMPLIFICADA RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 18/2007/GEAUD/CISET/MD TIPO DE AUDITORIA : AVALIAÇÃO DE GESTÃO EXERCÍCIO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle 4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle Luís Eduardo Vieira Superintendência de Gestão Técnica SGT Financeira e Controle. Introdução A transparência

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23036.000146/2007-28 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº. 03/2008 Setor: Licitações, Contratos e Convênios (CCC e DCF) Período: 09/06/2008 a 30/06/2008 Legislação Aplicada: - Lei nº. 8.666/93 - Lei nº. 11.170/2005 - Decreto nº. 3.931/01

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 19 DE ABRIL DE 1993 (DOU de 23/04/93)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 19 DE ABRIL DE 1993 (DOU de 23/04/93) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 19 DE ABRIL DE 1993 (DOU de 23/04/93) Disciplina a celebração de convênios, acordos, ajustes ou instrumentos similares, que envolvam a transferência de recursos financeiros

Leia mais

Suprimentos de fundos (adiantamentos) Manual de Suprimento de fundos Concessão, aplicação e prestação de contas

Suprimentos de fundos (adiantamentos) Manual de Suprimento de fundos Concessão, aplicação e prestação de contas Suprimentos de fundos (adiantamentos) Manual de Suprimento de fundos Concessão, aplicação e prestação de contas 1 Este manual foi desenvolvido com o objetivo de orientar e informar de forma direta sobre

Leia mais

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI Dispõe sobre as atribuições dos agentes de compras

Leia mais

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras SUMÁRIO O Sistema de Registro de Preços do Governo do Estado

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

INSTRUÇÃO DGA Nº 81, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO DGA Nº 81, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO DGA Nº 81, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 #Estabelece procedimentos para registro, no SICONV, de informações referentes a Convênios com OBTV. O Coordenador da Administração Geral, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 A SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais, especialmente em referência ao disposto no artigo 25, da Constituição Federal de 1988, e ao

Leia mais

ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS

ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS Em conformidade às competências do CAU/BR previstas na Lei nº 12.378/2010 e em seu Regimento Geral, são apoiados projetos que contribuem para

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SEGURO OBRIGATÓRIO, DPVAT E DPEM, PARA A FROTA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SEGURO OBRIGATÓRIO, DPVAT E DPEM, PARA A FROTA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SEGURO OBRIGATÓRIO, DPVAT E DPEM, PARA A FROTA DO ESTADO DE MINAS GERAIS EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL N.º 01/SEPLAG/2004 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 007, DE 22 JUNHO DE 2007.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 007, DE 22 JUNHO DE 2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA N 007, DE 22 JUNHO DE 2007. Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

Secretaria do Planejamento

Secretaria do Planejamento Salvador, Bahia Sexta-Feira 10 de outubro de 2014 Ano XCIX N o 21.543 Secretaria do Planejamento INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02 DE 08 DE OUTUBRO DE 2014 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública

Leia mais

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 Disciplina a celebração de convênios e operações de crédito com previsão de ingresso de recursos financeiros que beneficiem órgãos e entidades da Administração

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 Dispõe sobre a concessão, aplicação e prestação de contas de suprimento de fundos no âmbito do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina

Leia mais

CONVÊNIOS EXECUÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS

CONVÊNIOS EXECUÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS CONVÊNIOS EXECUÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS CONTA BANCÁRIA ESPECÍFICA O convenente deverá manter os recursos repassados na conta específica, somente sendo permitidos saques para pagamento das despesas relativas

Leia mais

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008.

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 81, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos sobre a apresentação de relatórios de gestão e prestação de contas em Programas Especiais de Fomento. A DIRETORIA COLEGIADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA TIPO DE AUDITORIA : Auditoria de Gestão EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO : 00181.000687/2010-82 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/15 A Coordenadoria do Sistema de Controle Interno do Município, considerando: - O volume de recursos recebidos pelo Município a título de repasse de outros entes da Federação via Convênio ou Contrato

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI - 04

INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI - 04 INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI - 04 DISPÕE SOBRE A CONCESSÃO DE DIÁRIAS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ. VERSÃO : 01 DATA: 22/03/2012 ATO APROVAÇÃO: Instrução Normativa SCI Nº 001/2010 UNIDADE RESPONSÁVEL:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 19 DE 24 DE ABRIL DE 2009 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Constituição Federal Artigos 205, 206, 208

Leia mais

FLUXOGRAMA DO TRÂMITE INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE OPERAÇÃO DE CRÉDITO

FLUXOGRAMA DO TRÂMITE INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE OPERAÇÃO DE CRÉDITO FLUXOGRAMA DO TRÂMITE INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE OPERAÇÃO DE CRÉDITO Verificada a necessidade de cumprimento de meta de governo para a qual não haja recurso disponível, pode a Secretaria interessada analisar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Regulamenta as normas para o relacionamento entre a Universidade Federal do Amapá e as Fundações de Apoio prevista na Lei n 8.958, de 20 de dezembro

Leia mais

RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO

RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO Modelo 1B da Instrução Normativa n.º 85/2012 CÂMARA MUNICIPAL DE PINHÃO - PR RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO Exercício de 2012 1. Normatização do Sistema e Histórico Legal O sistema de controle interno da

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : NÚCLEO ESTADUAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE/PE CÓDIGO UG : 250029 RELATÓRIO Nº : 189831 UCI EXECUTORA : 170063 Chefe da CGU-Regional/PE, RELATÓRIO

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA A B C D E OBJETO O presente Termo de Referência tem como objeto o fornecimento parcelado de combustíveis à frota dos veículos oficiais do Conselho Regional de Medicina do

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL - CMAS EDITAL 001/2014. Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL - CMAS EDITAL 001/2014. Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS EDITAL 001/2014 Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS TORNA PÚBLICO O PROCESSO DE SELEÇÃO DE ENTIDADES E ORGANIZAÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, PROGRAMAS,

Leia mais

CURSO: SICONV 1) NOÇÕES GERAIS, CREDENCIAMENTO, CADASTRAMENTO E PROGRAMAS DE CONVÊNIO

CURSO: SICONV 1) NOÇÕES GERAIS, CREDENCIAMENTO, CADASTRAMENTO E PROGRAMAS DE CONVÊNIO CURSO: SICONV TEMAS CENTRAIS 1) NOÇÕES GERAIS, CREDENCIAMENTO, CADASTRAMENTO E PROGRAMAS DE CONVÊNIO 2) PROPOSIÇÃO, AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS - CEDENTE, CELEBRAÇÃO DE UM CONVÊNIO E ALTERAÇÕES 3) EXECUÇÃO,

Leia mais

EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ.

EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ. PREÃMBULO 1994 EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ. A Prefeitura Municipal de Marabá, por intermédio

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 12 de março de 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 12 de março de 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 12 de março de 2014. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROAD Disciplina no âmbito da UDESC os procedimentos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI: 01/2014 Versão nº: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 074/2014. Unidade Responsável: Departamento Financeiro da Secretaria Municipal de Finanças

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014. TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a concessão de bolsa de estudo para curso de língua estrangeira no âmbito do Tribunal Superior

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO

GABINETE DO MINISTRO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 265, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2001 O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso de suas atribuições, e considerando o disposto no art. 8º do Decreto nº

Leia mais

AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO

AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO Esta Chamada Pública de Apoio Institucional visa à seleção de projetos a serem apoiados pelo CAU/BR na modalidade de Apoio à Assistência

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 01350.000002/2007-76 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012

RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012 RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012 Dispõe sobre alterações na Regulamentação de apoio à pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de

Leia mais

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL REGULAMENTO DE COMPRAS A AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL ADES, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede na Av. Dom Luís, 685, sala 101 Bairro Meireles CEP 60.160-230

Leia mais

CONSIDERANDO que deve haver compatibilidade entre o motivo do deslocamento e o interesse público;

CONSIDERANDO que deve haver compatibilidade entre o motivo do deslocamento e o interesse público; ATO DA MESA Nº 500, de 15 de julho de 2015 Dispõe sobre a concessão de diárias e passagens e a respectiva prestação de contas no âmbito da Assembleia Legislativa, e adota outras providências. A MESA DA

Leia mais

ERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ GABINETE DO REITOR INTRODUÇÃO

ERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ GABINETE DO REITOR INTRODUÇÃO 2 ERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INTRODUÇÃO Considerando os prazos fixados em lei para encerramento do exercício e a regulamentação que determina as datas para entrega dos BALANÇOS ORÇAMENTÁRIOS FINANCEIRO E PATRIMONIAL

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO DA PROCURADORIA CONSULTIVA Nº 03/2015 (MARÇO DE 2015)

BOLETIM INFORMATIVO DA PROCURADORIA CONSULTIVA Nº 03/2015 (MARÇO DE 2015) ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL DO ESTADO BOLETIM INFORMATIVO DA PROCURADORIA CONSULTIVA Nº 03/2015 (MARÇO DE 2015) 1. Instruções para prorrogações de convênios celebrados pela Administração Direta

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO 001/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM JESUS GO.

EDITAL DE LEILÃO 001/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM JESUS GO. EDITAL DE LEILÃO 001/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM JESUS GO. O MUNICÍPIO DE BOM JESUS, Estado de Goiás, pessoa jurídica de direito público interno, com sede administrativa situada na Praça Sebastião

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA DO PROGRAMA DE TRABALHO

CLÁUSULA SEGUNDA DO PROGRAMA DE TRABALHO QUARTO TERMO ADITIVO AO CONTRATO Nº 14/ANA/2004 CELEBRADO ENTRE A AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E A ASSOCIAÇÃO PRÓ-GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL, COM A ANUÊNCIA DO COMITÊ PARA

Leia mais

Número: 00190.010534/2012-04. Unidade Examinada: Município de Diadema/SP

Número: 00190.010534/2012-04. Unidade Examinada: Município de Diadema/SP Número: 00190.010534/2012-04 Unidade Examinada: Município de Diadema/SP Relatório de Demandas Externas n 00190.010534/2012-04 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS PRESTAÇÃO DE CONTAS TEXTO 2 PRESTAÇÃO DE CONTAS E SUAS ESPECIFICIDADES INTRODUÇÃO Tomando como base a definição do Tesouro Nacional que designa a Prestação Contas como: Demonstrativo organizado pelo próprio

Leia mais

C O N V Ê N I O Nº 055/2014

C O N V Ê N I O Nº 055/2014 C O N V Ê N I O Nº 055/2014 Que entre si celebram de um lado o MUNICÍPIO DE ITABIRITO, pessoa jurídica de direito público interno, inscrição no CNPJ sob o nº 18.307.835/0001-54, com endereço a Avenida

Leia mais

EXEMPLO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL

EXEMPLO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL ANEXO II EXEMPLO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL (PARA CONVÊNIO OU INSTRUMENTOS CONGÊNERES) RELATÓRIO DE TCE Nº XX/2013 DADOS DO CONVÊNIO PROCESSO ORIGINAL 90000.000050/2009-99 INSTRUMENTO ORIGINAL

Leia mais

Orientações para o. Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado. Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro

Orientações para o. Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado. Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro Orientações para o Controle de Convênios Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro Maio/2010 Devolução de recursos de

Leia mais

Análise da Prestação de Contas apresentada pelo Convenente.

Análise da Prestação de Contas apresentada pelo Convenente. PARECER Nº.: 007/2012 PROCESSO: 59510.001420/2012-48 ASSUNTO: Análise da Prestação de Contas apresentada pelo Convenente. DATA: 09/07/2012. A - HISTÓRICO: A.1 - CONVENENTE: Instituto de Promoção do Desenvolvimento.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei. (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. LEI Nº 3.545, DE 17 DE JULHO DE 2008. Publicada

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Pró-Reitoria de Planejamento Coordenadoria de Projetos e Convênios

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Pró-Reitoria de Planejamento Coordenadoria de Projetos e Convênios MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Pró-Reitoria de Planejamento Coordenadoria de Projetos e Convênios CARTILHA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE CONVÊNIOS Elaboração: José Joaquim

Leia mais

José Autran Teles Macieira Auditor-Chefe CRC/RJ n.º 077.517/O-4

José Autran Teles Macieira Auditor-Chefe CRC/RJ n.º 077.517/O-4 FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA - RAO Norma de Origem: NIG-AUDIN-001, NIG-AUDIN-002 PERÍODO DA AUDITORIA DATA 24 a 27 de outubro de 2011 01/21 ÓRGÃO AUDITADO Instituto de Pesos e Medidas do Estado

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA - DA VINCULAÇÃO AO EDITAL

CLÁUSULA SEGUNDA - DA VINCULAÇÃO AO EDITAL PROCESSO Nº 01550.000345/2009-46. PREGÃO Nº 26/2009. ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 1/2010. A FUNDAÇÃO CASA DE RUI BARBOSA, pessoa jurídica de direito público vinculada a Ministério da Cultura, com sede

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE TERMOS DE COOPERAÇÃO Estabelece diretrizes, normas e procedimentos para celebração, execução e prestação de contas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

Conformidade dos Registros de Gestão GENOC/DCOG

Conformidade dos Registros de Gestão GENOC/DCOG Conformidade dos Registros de Gestão GENOC/DCOG 1 O que é Conformidade? 2 Motivação 1. Diagnóstico de ausência de documentação suporte nas UGs e ausência de assinaturas nas Notas de Empenho e Ordens Bancárias

Leia mais

Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015

Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015 Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015 1. APRESENTAÇÃO Nos termos do artigo 74 da Constituição Federal, artigo 59 da Lei Complementar nº. 59, artigos 63 a 66 da Lei Complementar nº. 33, de 28

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS EDITAL Nº 008/2015

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS EDITAL Nº 008/2015 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS EDITAL Nº 008/2015 CONVÊNIO Nº: 812779/2014 SDH/PR PROCESSO LICITATÓRIO Nº: 012/2015 TIPO: Cotação prévia de preços / Menor preço OBJETO: Contratação de Seguro contra Acidentes

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010)

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) Aprova Regimento Interno da Pró-Reitoria de Administração PROAD. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

LEI Nº. 1826 DE 4 DE MAIO DE 2011

LEI Nº. 1826 DE 4 DE MAIO DE 2011 LEI Nº. 1826 DE 4 DE MAIO DE 2011 "AUTORIZA ASSINATURA DE CONVÊNIO E CONCEDE CONTRIBUIÇÃO CORRENTE ESPECIAL À ASSOCIAÇÃO DESENVOLVIMENTO DAS BANDEIRINHAS & DETERMINA OUTRAS PROVIDÊNCIAS" A Câmara Municipal

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA 1 de 10 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA CERTIFICADO Nº :201108660 UNIDADE AUDITADA :110008 - MINISTERIO DA PESCA E

Leia mais