UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL USO DE ENERGIAS ALTERNATIVAS EM UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL Flaviana Zini Fernandes Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São Carlos como parte dos requisitos para a conclusão da graduação em Engenharia Civil Orientador: Profº Douglas Barreto São Carlos 2011

2 DEDICATÓRIA O rio atinge os seus objetivos porque aprendeu a contornar os obstáculos. (André Luís) À minha mãe Heloísa, por não ter medido esforços para garantir a minha educação, e à minha irmã Patrícia, pelo apoio durante todos os anos de minha formação.

3 AGRADECIMENTOS Ao meu orientador, Prof. Dr. Douglas Barreto, pela orientação paciente e pela motivação constante. Aos mestres do Departamento de Engenharia Civil, por terem me proporcionado um ambiente de ensino-aprendizagem de excelência e por terem acreditado em meu potencial. A turma de Engenharia Civil do ano de 2007, pelos momentos de descontração e pelas contribuições à minha formação.

4 RESUMO As fontes alternativas de energia surgem com o processo de reestruturação do setor elétrico brasileiro, onde a demanda por combustíveis menos poluentes aumenta expressivamente a cada ano. O setor residencial é o que vem recebendo mais atenção pelas políticas governamentais com o propósito de inserir o uso do gás natural e a energia solar na oferta interna de energia primária, já que elas se apresentam como fontes sustentáveis, viáveis e de fácil operação, quando comparadas à energia elétrica. Os sistemas prediais de aquecimento de água são responsáveis por uma parcela significativa no consumo de energia elétrica do país. Neste contexto, o presente trabalho analisa a viabilidade econômico-financeira na utilização de energias sustentáveis em alternativa à energia elétrica no sistema de aquecimento de água em instalações prediais residenciais. E tem como contribuição, diminuir a falsa concepção de inviabilidade econômica de novas fontes de energia. Palavras-chave: sistema de aquecimento de água residencial, gás natural, energia solar, sustentabilidade.

5 ABSTRACT ABSTRACT Alternative sources of energy come with the process of restructuring the electricity sector, where demand for cleaner fuels increases dramatically each year. The residential sector is what has been receiving more attention by government policies in order to insert the use of natural gas and solar energy in the domestic supply of primary energy, as they present themselves as sustainable sources, viable and easy to operate, compared to electric energy. The building systems for heating water accounts for a significant part of energy consumption in the country. In this context, this study analyzes the economic and financial viability in the use of sustainable energy as an alternative to electric power system for heating water in residential building installations. And it has a contribution, decrease the false conception of economic unfeasibility of new energy sources. Key-words: system of residential water heating, natural gas, solar energy, sustainability.

6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Oferta Interna de Energia Elétrica por Fonte - Fonte: BEN (2010)... 5 Figura 2 - Derivados de petróleo após o refino - Fonte: ANEEL (2009)... 9 Figura 3 - Consumo de gás natural no Brasil - Fonte: BEN (2010) Figura 4 - Média anual de insolação diária no Brasil - Fonte: Atlas solarimétrico do Brasil (INMET, 2011) Figura 5 - Atlas eólico do Brasil (1998) - Fonte: INMET (2011) Figura 6 - Configurações dos sistemas de aquecimento elétrico, gás e solar. Fonte: RAIMO, Figura 7 - Esquema de funcionamento dos aquecedores a gás instantâneo ou de passagem. Fonte: CHAGURI, Figura 8 - Imagem interna do reservatório de um aquecedor de acumulação. Fonte: BORGES, Figura 9 - Esquema aquecedor solar de placa plano. Fonte: COMGÁS, Figura 10 - Trajetória do sol e desvio do Norte geográfico. Fonte: COMGÁS, Figura 11 - Esquema de instalação de aquecimento solar. Fonte: BORGES, Figura 12 - Tempo de retorno do investimento no coletor solar. Fonte: RAIMO,

7 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Consumo de energia do setor residencial - Fonte: BEN (2010)... 7 Tabela 2 - Dados da energia hidráulica no Brasil - Fonte: BEN (2010) Tabela 3 - As dez maiores usinas em operação, região e potência no Brasil - Fonte: ANEEL (2009) Tabela 4 - Oferta e demanda de energia eólica - Fonte: BEN (2010) Tabela 5 - Dados do questionário aplicado aos moradores do objeto de estudo Tabela 6 - Frequência média de banho e tempo médio de banho para seis moradores Tabela 7 Consumo energético do edifício e a somatório de custos Tabela 8 - Consumo energético de um apartamento e a somatório de custos Tabela 9 - Características técnicas dos aquecedores Tabela 10 - Custo mensal de gás com um ponto de consumo, para medição coletiva e individual Tabela 11 - Características técnicas dos coletores e custo do equipamento Tabela 12 - Resumo das características e custos dos equipamentos utilizados no edifício

8 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Apresentação do problema Importância do projeto no contexto atual Objetivos Justificativa Metodologia Estrutura do texto CONSUMO DE ENERGIA Cenário energético do setor residencial no Brasil FONTES DE ENERGIA Petróleo e derivados Energia hidráulica Gás natural Energia solar Carvão mineral Energia eólica Biomassa Energia nuclear SISTEMAS DE AQUECIMENTO DE ÁGUA Eletricidade Alternativas para os sistemas de aquecimento Aquecimento a gás Aquecedores de passagem Aquecedores de acumulação Sistema solar Orientação e inclinação dos coletores Sistemas prediais de água quente ESTUDO DE CASO Descrição do edifício estudo de caso Levantamento do uso de aparelhos nas unidades DIMENSIONAMENTO DAS FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA Consumo de água quente Consumo energético do edifício... 34

9 6.1 Dimensionamento do aquecedor a gás Dimensionamento energia solar Análise dos resultados CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO... 51

10 1 1. INTRODUÇÃO Neste trabalho é analisada a demanda energética de um edifício residencial e, de acordo com os dados apresentados, estudar as possibilidades de se utilizar fontes alternativas para a geração de energia no prédio. Para isso foram feitos estudos detalhados dessas fontes e suas implicações nos projetos já existentes. 1.1 APRESENTAÇÃO DO PROBLEMA A energia elétrica é atualmente a modalidade de energia mais consumida no país. O consumo crescente, aliado com a falta de investimentos no setor de geração, vem aumentando a demanda, tornando o fornecimento cada vez mais crítico no curto prazo (ANDRADE, 1997). As alternativas que visam o uso racional e eficiente de energia elétrica apresentam, geralmente, custo e tempo de retorno de investimento pequeno, quando comparados aos valores de outras alternativas. Assim, uma das soluções é a intervenção junto às instalações consumidoras, através de ações para otimizar os sistemas de uso final de energia elétrica presentes na instalação, sem comprometer o desempenho desta. Analisando a viabilidade técnica e econômica de tal intervenção,é necessário determinar a forma de como a energia elétrica está sendo utilizada (procedimento chamado de diagnóstico energético), e posteriormente, formular soluções que aumentem a eficiência do sistema em pesquisa. Com a análise dos resultados, é possível obter a viabilidade econômica das soluções propostas, podendo ser executadas as que apresentarem maiores vantagens técnicas e econômicas IMPORTÂNCIA DO PROJETO NO CONTEXTO ATUAL O setor residencial brasileiro é, ainda, dependente da energia hidrelétrica e de instalações de novas fontes de energia em prédios e apartamentos. Com a implantação de fontes de energia solar e/ou gás natural, os impactos ambientais que envolvem e asseguram o conforto, a saúde e a economia poderiam ser minimizador de forma significativa. As implicações para a implantação de tais energias estão apresentadas neste trabalho conforme o contexto atual energético.

11 2 1.2 OBJETIVOS O objetivo principal é avaliar as possibilidades do uso de energias alternativas em edifícios residenciais. Também foi identificar as modalidades de uso de energia e definir quais são as mais adequadas para o uso em edifícios, considerando as características, técnicas e de custos envolvidos. 1.3 JUSTIFICATIVA O Brasil possui um dos maiores e melhores potenciais energéticos do mundo. A energia hidroelétrica é responsável por grande parte na produção da energia elétrica no país, por ser uma energia limpa e devido ao rico mapa hidrográfico do país. O setor residencial brasileiro consome mais da metade da energia elétrica produzida, seja para o funcionamento de eletrodomésticos como para o aquecimento de água. (ANEEL, 2009) A região sudeste, com o maior índice populacional do país, é a maior consumidora da energia gerada. Com o desenvolvimento urbano e o crescimento populacional, a utilização da energia elétrica só tende a crescer obrigando que o governo tome iniciativas a expandir o sistema energético. A oferta deve acompanhar a evolução, e assim, processos de otimização da energia devem ser implantados. (BEN, 2010) As fontes alternativas são implantadas no setor energético brasileiro, principalmente no setor residencial, a fim de introduzir energias que minimizem o consumo da energia elétrica. Os sistemas mais utilizados são o sistema solar e o sistema de aquecimento a gás natural. A instalação desses sistemas nas residências ainda possui um custo alto para classes sociais mais baixas. (MANSUR, 2004) O boom imobiliário aposta em novas tecnologias que impressionem seus clientes, e a entrega de um empreendimento com características sustentáveis é uma das jogadas de marketing atualmente. A principal ferramenta utilizada é o aquecimento de água pelo sistema a gás canalizado. Além de suas vantagens econômicas, o usuário ainda ajuda na preservação do meio ambiente. (MANSUR, 2004) Neste trabalho, é feito um estudo sobre as possíveis adaptações dos sistemas sustentáveis de aquecimento de energia em um edifício já existente, e a partir dos dados obtidos, analisar a viabilidade econômica em instalar um novo sistema de geração de energia.

12 3 1.4 METODOLOGIA Em termos de metodologia para o desenvolvimento deste trabalho foram estabelecidas as seguintes atividades: As atividades para desenvolver a metodologia deste trabalho foram: a) Introduzir o assunto e estabelecer os fundamentos do trabalho na revisão bibliográfica; b) Caracterizar as fontes de energia (solar, eólica, gás natural e outras) para uso em edificações; c) Caracterizar o edifício objeto do estudo; d) Caracterizar o consumo de energia comum e individual através de pesquisa de campo; e) Aplicar o questionário com questões abertas aos moradores a fim de colher dados do consumo energético do edifício; f) Caracterizar os equipamentos de produção de água quente e energia; g) Compilar os resultados das atividades e) e f); h) Analisar a capacidade dos equipamentos em atender a demanda individual comum; i) Analisar a implantação no edifício e as possíveis mudanças de projeto; j) Discutir e concluir os resultados obtidos. 1.5 ESTRUTURA DO TEXTO O trabalho está apresentado nos seguintes capítulos: 1 Introdução: apresenta o problema estudado, a justificativa, objetivos, metodologia e estrutura do trabalho de conclusão de curso; 2 Consumo de energia: aborda as questões relativas ao consumo de energia e a matriz energética nacional; 3 Fontes de energia: discorre-se sobre as diversas formas de energia abordando as características de obtenção de cada uma delas; 4 Sistemas de aquecimento de água: apresentam-se os diversos sistemas de aquecimento de água utilizados nas edificações;

13 4 5 Estudo de caso: apresenta-se o edifício sobre o qual se desenvolveu todo o estudo de aplicabilidade do uso de energia alternativa (gás e solar). 6 Dimensionamento das fontes alternativas de energia: apresenta os cálculos para o consumo de água quente, dimensionamento do aquecedor a gás, dimensionamento da energia solar e análise dos resultados; 7 Conclusão: apresentam-se as principais conclusões e considerações.

14 5 2. CONSUMO DE ENERGIA O consumo de energia é muito importante nos dias atuais para as atividades humanas. As principais fontes de energia utilizadas são: petróleo, hidráulica, gás natural, solar, carvão, eólica, biomassa e nuclear. Essas energias podem ser divididas em renováveis, isto é, energia proveniente de recursos naturais, disponíveis no ambiente e que causam menores impactos ambientais (solar, eólica, hidráulica e outras), e as nãorenováveis, as quais possuem reservas limitadas e não sendo possível a reposição do que se gasta (petróleo, gás natural e carvão). Devido à exploração das fontes de energia, sendo que algumas podem causar graves danos ambientais, começou-se a economia do consumo de energia em atividades das indústrias, residências, transportes e outros. Contudo, essa economia pode proporcionar uma vida sustentável a longo prazo. (ANEEL, 2009) Brasil. A Figura 1, a seguir, apresenta a distribuição das principais fontes de energia no Figura 1 - Oferta Interna de Energia Elétrica por Fonte - Fonte: BEN (2010) No Brasil, atualmente, a energia elétrica é a modalidade mais consumida, sendo predominantemente renovável e com um setor hidráulico responsável por mais de 76% da oferta (BEN, 2010), conforme mostra a Figura 1 anterior.

15 6 O aumento do consumo de energia elétrica, ao longo dos anos, provoca preocupações em relação à capacidade de a oferta acompanhar a demanda. As primeiras iniciativas de buscar tecnologias de conservação, no Brasil, começaram em 1975 com a organização de um seminário sobre o assunto, realizado pelo Grupo de Estudos sobre Fontes Alternativas de Energia (GEFAE) e as pesquisas focaram a eficiência na cadeia de captação, transformação e consumo de energia. (HORNBURG, 2007) Assim, ao longo dos anos, foram implantadas campanhas de combate ao desperdício e o investimento em ações que promovessem o aumento da eficiência no uso de energia elétrica. Segundo o MME (1999), o país conta com o Sistema Interligado Nacional (SIN) na geração e transmissão de energia elétrica, composto por usinas, linhas de transmissão e ativos de distribuição. O SIN abrange as regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste, Nordeste e parte do Norte, somando mais de 89,2 mil quilômetros em linhas de transmissão. O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) é o responsável pela coordenação e controle da operação do SIN, realizada pelas companhias geradoras e transmissoras, sob a fiscalização e regulação da ANEEL. A integração entre as regiões no Brasil traz grandes benefícios, uma vez que o país possui um grande número de usinas hidrelétricas localizadas em regiões com diferentes regimes hidrológicos. A região Sudeste que concentra 43% da população brasileira e 11% do território nacional é responsável por quase 60% do consumo de energia elétrica do país, segundo dados de 1999 do Ministério de Minas e Energia (MME, 1999). 2.1 CENÁRIO ENERGÉTICO DO SETOR RESIDENCIAL NO BRASIL De acordo com a ANEEL (2009): Em 2008, cerca de 95% da população tinha acesso a rede elétrica e o país contava com mais de 61,5 milhões de unidades consumidoras em 99% dos municípios brasileiros, sendo destas, a grande maioria, cerca de 85% residencial. O setor residencial apresenta um grande crescimento ao longo dos anos devido às políticas de redução de impostos para alguns bens de consumo e devido ao aumento da renda per capita. A ampliação no consumo de energia elétrica nas residências vem aumentando ao longo dos anos decorrente da crescente entrada de aparelhos eletroeletrônicos no ambiente doméstico, e isso foi permitido pelo aumento do PIB nacional. (BEN, 2010).

16 7 A Tabela 1, a seguir, apresenta a participação das diversas fontes de energia no consumo residencial no Brasil. Tabela 1 - Consumo de energia do setor residencial - Fonte: BEN (2010) FONTES (%) Gás Natural 0,5 0,6 0,7 0,8 0,8 0,9 0,9 1,0 1,0 1,0 Lenha 31,8 34,0 37,1 38,1 37,8 37,7 37,5 35,1 33,9 32,4 Gás Liquefeito de petróleo 30,6 31,4 29,5 27,3 27,3 26,2 25,8 26,5 26,6 26,3 Querosene 0,2 0,3 0,3 0,1 0,1 0,1 0,1 0,0 0,0 0,0 Gás Canalizado 0,3 0,1 0,1 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Eletricidade 34,7 31,5 30,2 31,3 31,6 32,8 33,4 35,1 36,2 37,7 Carvão Vegetal 2,0 2,1 2,1 2,4 2,4 2,4 2,3 2,3 2,3 2,5 TOTAL 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Com base nos dados da BEN (2010), até o final da década de 80, a lenha era responsável por aproximadamente 50% do total de consumo de combustível no setor, seguido pelo gás liquefeito de petróleo (GLP) com 28%, e a eletricidade, com 20%. De acordo com a Tabela 1, BEN (2010), a fonte mais utilizada no setor residencial atualmente é a eletricidade. Isso ocorreu devido à evolução demográfica e sócio-econômica do país nas últimas décadas. A lenha, utilizada como fonte de energia no meio rural e em domicílios de baixa renda perdeu importância para a eletricidade e o GLP, com maior eficiência na obtenção de energia útil e também devido à eficiência técnica dos equipamentos de uso final. (ANEEL, 2009) O uso racional e eficiente de energia no setor residencial deve partir de intervenções nas instalações consumidoras, identificando as modalidades mais adequadas paras as residências, considerando as características, técnicas e custos envolvidos.

17 8 3. FONTES DE ENERGIA A seguir, a revisão bibliográfica específica para as fontes de energia: petróleo, hidráulica, gás natural, solar, carvão, eólica, biomassa e nuclear. 3.1 PETRÓLEO E DERIVADOS O petróleo e seus derivados transformaram-se, ao longo dos anos, na principal fonte primária da matriz energética mundial e também em insumo para praticamente todos os setores industriais. As crises presenciadas nesse período provocaram problemas econômicos em vários países e alertaram para a necessidade de redução na dependência dessa substância. (BEN, 2010) A atual participação do petróleo na produção mundial de energia elétrica é pouco expressiva e têm recuado nos últimos anos em decorrência dos investimentos realizados na utilização de outras fontes menos agressivas ao meio ambiente, como o carvão, água, gás natural e energia nuclear, e com preços menores e mais estáveis. O petróleo possui papel relevante na geração de eletricidade em países que não dispõem de outras alternativas. (ANEEL, 2009) Os derivados mais conhecidos do petróleo são: gás liquefeito (GLP ou gás de cozinha), gasolina, óleo diesel, querosene, óleo combustível, asfalto, lubrificante, solventes, parafinas e outros. (ANEEL, 2009) No Brasil, a participação do petróleo na matriz da energia elétrica vem crescendo devido às novas descobertas de reservas, das quais a maioria encontra-se no mar. (BEN, 2010) Na Figura 2, a seguir, são representados os derivados de petróleo após o refino e suas porcentagens no mercado brasileiro.

18 9 Figura 2 - Derivados de petróleo após o refino - Fonte: ANEEL (2009) O óleo diesel é o derivado mais produzido no Brasil no uso de geração de energia elétrica por este abastecer as usinas instaladas, principalmente na região Norte do país, e assim atender os Sistemas Isolados, os quais ainda não são conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). (ANEEL, 2009) A descoberta de campos de petróleo tem o poder de mudar as características socioeconômicas de uma região, valorizando imóveis, aumentando as vendas do comércio, incentivando investimentos públicos municipais, entre outras. Porém, traz consigo os impactos ambientais. Em terra, a exploração pode provocar alterações e degradações do solo, e no mar, além da interferência no ambiente, coloca em risco a fauna e a flora aquática. Por isso a produção de petróleo tende a ser submetida a uma forte legislação ambiental. (AGUIAR, 2004) 3.2 ENERGIA HIDRÁULICA O setor elétrico brasileiro possui uma matriz energética com forte participação de fontes renováveis já que os parques de usinas hidrelétricas não se caracterizam pela emissão de gases do efeito estufa, e assim é classificada no mercado internacional como energia limpa. Os resultados preliminares do Balanço Energético Nacional (BEN, 2010), indicam que a energia de fonte hidráulica (hidreletricidade) responsável por 14,7% da matriz energética brasileira, sendo superada por derivados da cana-de-açúcar com 16% e petróleo e derivados com 36,7%. Na oferta interna de energia elétrica, a energia de fonte hidráulica

19 10 produzida no país representou 85,6%, constituindo-se de longe, na maior produtora de eletricidade do país. A Tabela 2, a seguir, apresenta a oferta e demanda da energia hidráulica no Brasil. Tabela 2 - Dados da energia hidráulica no Brasil - Fonte: BEN (2010) FLUXO (GWh) Produção Consumo total Transformação Geração pública Geração de autoprodutores De acordo com a Tabela 2, a produção de energia hidráulica aumentou cerca de 23% em nove anos, mostrando a importância desta energia no setor energético brasileiro. Em novembro de 2008, as usinas hidrelétricas eram responsáveis por 75,68% da potência total instalada no país. Porém no passado, o parque hidrelétrico chegou a representar 90% da capacidade instalada. A diminuição da capacidade instalada pode ser explicada pela necessidade de diversificação da matriz elétrica de forma a aumentar a segurança do abastecimento, a dificuldade em oferecer novos empreendimentos hidrelétricos e o aumento de entraves jurídicos que prorrogaram o licenciamento ambiental de usinas hidráulicas. (ANEEL, 2009) Atualmente, os maiores entraves à expansão hidrelétrica do país são de natureza ambiental e judicial. Assim, por conta dessa dificuldade de aceitação por parte das comunidades atingidas e da pressão de grupos organizados (ONGs), projetos sustentáveis começaram a ser desenvolvidos, buscando os resultados econômicos e simultaneamente, compensando os impactos socioambientais provocados pelas usinas. (HORNBURG, 2007) A Tabela 3 indica as dez maiores usinas em operação por região e sua respectiva potência.

20 11 Tabela 3 - As dez maiores usinas em operação, região e potência no Brasil - Fonte: ANEEL (2009) FLUXO POTÊNCIA (kw) REGIÃO Tucuruí I e II Norte Itaipú (parte brasileira) Sul Ilha Solteira Sudeste Xingó Nordeste Paulo Afonso IV Nordeste Itumbiara Sudeste São Simão Sudeste Governador Bento Munhoz da Rocha Neto (Foz do Areia) Sudeste Jupiá (Eng Souza Dias) Sudeste Porto Primavera (Eng Sérgio Motta) Sudeste Os principais projetos de usinas hidrelétricas, inclusos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo Federal, estão localizados na bacia Amazônica, no rio Madeira, na bacia do Tapajós, no rio Teles Pires e na bacia do Xingu, para a qual esta prevista a construção da Usina de Belo Monte. Estas usinas são consideradas como iniciativas que proporcionaram expansão da infra-estrutura, estimulando o desenvolvimento econômico, tecnológico e social das áreas atingidas. (BEN, 2010) O investimento do Governo Federal em novos projetos indica que a energia hidráulica continuará sendo, por muitos anos, a principal fonte geradora de energia elétrica do Brasil. 3.3 GÁS NATURAL O gás natural apresenta-se em grande desenvolvimento, com o crescimento das reservas no país e com os investimentos em infra-estrutura, sendo assim, uma alternativa viável e de fácil operação, oferecendo um custo de geração mais baixo do que os outros combustíveis. É um produto com grande valor agregado sob a ótica do setor elétrico, pois substituindo o uso da eletricidade no aquecimento ou resfriamento da água com a utilização direta do combustível, contribuiria na redução da demanda de energia elétrica, principalmente nos períodos de pico. A sua queima é limpa, não gerando cinzas ou detritos poluentes e apresenta uma menor contribuição de emissões de gás carbônico. Porém, ao

21 12 ser comparado com fontes renováveis como a energia nuclear e a energia hidroelétrica, o gás natural perde em termos de emissões de gases que conduzem ao efeito estufa. No entanto, apresenta vantagens significativas no sentido de não gerar resíduos radioativos e não apresentar grandes impactos à natureza. (BEN, 2010) Figura 3 - Consumo de gás natural no Brasil - Fonte: BEN (2010) O segmento residencial de gás natural é um dos mercados de maior expansão. A PETROBÁS projetou, até 2016, uma expansão de 40 % no mercado residencial de energia, como pode ser observado anteriormente na Figura 3. As consequências imediatas previstas para os clientes são o aumento no investimento por parte da concessionária de gás, para a expansão da malha de distribuição, e a melhoria dos produtos existentes no mercado. (ZATORRE, 2006) Segundo ZATORRE (2006), essas modificações no setor energético residencial proporcionarão diversas vantagens aos novos consumidores: Ausência de estocagem, pois seu transporte e entrega ao usuário final são feitos através das redes de distribuição, que vão desde a fonte de produção até o consumidor, permitindo um fornecimento contínuo (sem necessidade de reabastecimento) liberando assim, a área útil da edificação; Maior segurança, pois em caso de vazamento (devido à menor densidade do gás natural em relação ao ar) dissipa-se rapidamente na atmosfera;

22 13 Principalmente, uma significativa economia quando substituto da energia elétrica. Em relação aos tipos de aquecedores a gás utilizado, eles são divididos comercialmente em aquecedores de passagem ou instantâneos, e aquecedores de acumulação ou acumulativo. O mais utilizado é o aquecedor de passagem por apresentar um menor custo de aquisição e pelo fato de serem equipamentos compactos, podendo ser instalados em pequenos espaços. Além disso, só funcionam quando há necessidade de água aquecida, garantindo menor economia. No mercado, este equipamento apresenta diversos modelos, desde 5 litros/min (atende 1 ponto de consumo), até 20 litros/min (atende até 3 pontos de consumo). (CORDEIRO, 2001) Já o aquecedor de acumulação armazena água para momentos de necessidade em vários locais ao mesmo tempo, e para instalá-lo é necessário uma área maior, caracterizando sua principal desvantagem. Há um consumo de gás natural constante para manter a água sempre quente no depósito, gerando um gasto maior. Comercialmente, este equipamento apresenta modelos com reservatórios de 85 litros (atende até 2 pessoas) até 190 litros (atende mais de 5 pessoas). (CUMULUS, 2008) A utilização de gás natural em prédios residenciais tornou-se bastante explorada no marketing de venda dos apartamentos, pois existe um aumento na qualidade (conforto) quando comparado com aqueles que utilizam a energia elétrica ou solar no aquecimento de água. Isso agrega maior valor ao empreendimento, devido ao fato de se obter água quente com temperaturas superiores ao do chuveiro elétrico e em maiores períodos de tempo quando comparado ao aquecimento pela energia solar. (ZATORRE, 2006) Em comparação com a energia solar, que precisa de fonte auxiliar para suprir a demanda de água quente em dias de baixa radiação solar, deve-se ressaltar que a utilização do gás natural no aquecimento de água predial residencial não necessita de nenhum outro complemento energético. (BEN, 2010) O gás natural, devido a sua amplitude de usos, torna-se um competidor com grande pontecial frente a quase todos os demais combustíveis alternativos. Assim, no setor residencial, a substituição da energia elétrica pelo gás natural nos diferentes processos térmicos de uma residência, diminuiria significavelmente a energia consumida e ajudaria na racionalidade do sistema energético brasileiro, através da sua utilização extensiva.

23 ENERGIA SOLAR A radiação solar pode ser utilizada diretamente como fonte de energia térmica, para aquecimento de fluídos e ambientes e para a geração de potência elétrica, a qual é gerada através de efeitos sobre determinados materiais, entre os quais se destacam o termoelétrico e o fotovoltáico. A conversão da energia solar em energia elétrica ocorre através de efeitos de radiação (calor e luz) sobre determinados materiais, chamados de semicondutores. (COMGÁS, 2011) Um dos processos mais utilizados da energia solar é o aquecimento de água, sendo mais encontrados, no Brasil, nas regiões Sul e Sudeste, devido as características climáticas. A maior parte do território brasileiro está localizada próxima da linha do Equador, do modo que não é observado grandes variações na duração solar do dia. Porém, a maioria da população brasileira e das atividades socioeconômicas do país está localizada em regiões mais distante do Equador. Para maximizar o aproveitamento da radiação solar, deve-se ajustar a posição do coletor ou painel solar de acordo com a latitude, local e o período do ano em que se requer mais energia. (LAMBERT, 1996). A seguir, a Figura 4 com a insolação diária no Brasil.

24 15 Figura 4 - Média anual de insolação diária no Brasil - Fonte: Atlas solarimétrico do Brasil (INMET, 2011) No setor predial residencial, o sistema de aquecimento solar consiste em um reservatório térmico isolado termicamente e um conjunto de coletores que captam a energia irradiada pelo sol, aquecendo a água que circula pela serpentina e armazenando-a no reservatório para consumo. (COMGÁS, 2011) O coletor é normalmente instalado no teto das residências e edificações, ficando conhecido como teto solar. Devido à baixa densidade de energia solar que incide sobre a superfície terrestre, em uma única residência, pode-se ser necessária a instalação de vários metros quadrados de coletores para atender a necessidade energética. (BORGES, 2008) Segundo a ANEEL (2009), para o suprimento de água quente de uma residência típica (três ou quatro moradores), são necessários cerca de 4m² de coletor, e somente com o aquecimento doméstico de água para banho, são gastos anualmente cerca de 20 bilhões

25 16 de kwh de energia elétrica, e essa energia sendo quase toda gerada em poucas horas do dia (basicamente entre 18h e 20h), o que significa sobrecarga no sistema. A energia solar poderia suprir esse gasto, com vantagens socioeconômicas e ambientais, porém, a difusão dessa tecnologia ainda é limitada devido ao custo de aquisição dos equipamentos, particularmente para residências de baixa renda. O preço do coletor solar adequado a uma residência de baixa renda custa cerca de R$ 550,00, ao passo que o preço de um chuveiro elétrico convencional é da ordem de R$ 15,00. (BEN, 2010) Diante do grande potencial energético do país, o incentivo ao aquecimento da água pela energia solar ainda é insignificante diante das demais energias alternativas. Já existem projetos de aproveitamento da radiação solar no país, para fins comerciais e residenciais, indicando cenários futuros muito mais favoráveis ao uso dessa energia no Brasil. 3.5 CARVÃO MINERAL O uso do carvão mineral na geração de vapor para movimentar as máquinas foi um dos pilares da Primeira Revolução Industrial, iniciada na Inglaterra no século XVIII. Já no fim do século XIX, o vapor foi aproveitado na produção de energia elétrica. E assim, o carvão estabeleceu-se como a fonte mais utilizada na geração de energia elétrica no mundo, respondendo por 41% da produção total (ANEEL, 2009). Na natureza existem dois tipos de carvão: o vegetal e o mineral. O primeiro é obtido a partir da carbonização da lenha, e o segundo, é formado pela decomposição da matéria orgânica durante milhões de anos, sob determinadas condições de temperatura e pressão. Ambos podem ser utilizados na indústria, principalmente na siderúrgica, e na produção de energia elétrica. No Brasil o carvão vegetal é o mais utilizado, sendo o maior produtor mundial desta fonte. A desvantagem do carvão vegetal é o seu baixo poder calorífico e a elevada participação de impurezas, sendo assim pobre do ponto de vista energético e altamente poluente. (ANEEL, 2009) No Brasil, as maiores jazidas situam-se nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Porém, a aplicação desse mineral é restrita devido a fatores como a vocação brasileira na utilização de fontes hídricas na produção de energia elétrica e a baixa qualidade da maior parte do carvão nacional. Há também restrições de natureza geopolítica e entraves tecnológicos e econômicos que refletem no custo da geração da eletricidade. De acordo com a ANEEL (2009): No Brasil, o minério representa, no entanto, pouco mais de 1,5% da matriz da energia elétrica. Em 2007, ano em que 435,68 TWh produzidos no

26 17 país, o carvão foi responsável pela geração de 7,9 TWh, a partir da operação de usinas termelétricas que estão localizadas na região Sul. A extração do carvão gera benefícios econômicos como empregos diretos e indiretos, aumento da demanda por bens e serviços na região e aumenta da arrecadação tributária, e o processo de produção, da extração até a combustão, provoca significativos impactos socioambientais. Estimativas apontam que o carvão é responsável por entre 30% e 35% do total de emissões de CO 2, principal agente do efeito estufa. (BEN, 2010) A preservação ambiental impulsionou no desenvolvimento de tecnologias limpas. Na produção de energia elétrica, ocorrem grandes investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento, focados na redução de impurezas e diminuição de emissões das partículas poluentes. 3.6 ENERGIA EÓLICA A energia eólica é denominada como a energia cinética contida nas massas de ar em movimento, no caso o vento. Seu aproveitamento ocorre através da conversão da energia cinética de translação em energia cinética de rotação, com o emprego de turbinas eólicas, também denominadas aerogeradores, para a geração de energia elétrica ou através de cataventos e moinhos para trabalhos mecânicos, como bombeamento de água (ANEEL, 2009). Espera-se que a energia eólica venha a ser muito mais competitiva economicamente nos próximos anos devido aos recentes desenvolvimentos tecnológicos, reduzindo o custo e melhorando o desempenho e a confiabilidade nos equipamentos. A Tabela 4, a seguir, mostra a oferta e demanda da energia eólica no ano de Tabela 4 - Oferta e demanda de energia eólica - Fonte: BEN (2010) FLUXO (GWh) Geração total Consumo total Para que a energia eólica seja considerada tecnicamente aproveitável, é necessário que sua densidade seja maior ou igual a 500 W/m², a uma altura de 50 metros, o que requer

27 18 uma velocidade mínima do vento de 7 a 8 m/s. Os melhores potenciais do Brasil estão no litoral das regiões Norte e Nordeste, onde a velocidade média do vento, a 50m do solo, é superior a 8 m/s. As outras regiões com grande potencial eólico são o Vale São Francisco, o Sudoeste do Paraná e o litoral do Rio Grande do Sul. Segundo dados do Centro de Referência para Energia Solar e Eólica o potencial eólico brasileiro é da ordem de MW. (CRESESB, 2011) A Figura 5 mostra a velocidade do vento no Brasil em cada região, merecendo destaque a região nordeste com o maior potencial eólico. Figura 5 - Atlas eólico do Brasil (1998) - Fonte: INMET (2011) A participação da energia eólica no Brasil na geração de energia elétrica ainda é desprezível diante das demais fontes. Em 2002 havia apenas seis centrais eólicas em

28 19 operação no país, todas na região Nordeste. Os esforços do Governo Federal em amenizar os impactos da crise no abastecimento de energia elétrica têm despertado o interesse de muitos empreendedores, o que fez surgir novos projetos, a grande maioria localizados no litoral dos estados do Ceará e Rio Grande do Norte, e ainda há alguns projetos no interior de Pernambuco, na Bahia e no Rio de Janeiro. (ANEEL, 2009) 3.7 BIOMASSA A biomassa é considerada uma das principais alternativas para a diversificação da matriz energética e a conseqüente redução da dependência dos combustíveis fósseis. É possível obter energia elétrica e biocombustíveis, como o biodiesel e o etanol. Diante do mercado internacional o Brasil de destaca como o segundo maior produtor de etanol, que é obtido a partir da cana-de-açúcar. (HORNBURG, 2007) No Brasil, em 2009, a biomassa foi a segunda principal fonte de energia, superada apenas pelo petróleo e derivados. Entre as fontes de energia interna só foi superada pela hidreletriciade. (BEN, 2010) A cana-de-açúcar é um recurso com grande potencial, dentre as fontes de biomassa, pois na geração de eletricidade utiliza-se do bagaço e da palha e como produto final, o etanol, cujo consumo é crescente em substituição aos derivados de petróleo como o óleo diesel e a gasolina. No plano nacional, o maior potencial de eletricidade, utilizando cana-deaçúcar, encontra-se na região Sudeste, particularmente no Estado de São Paulo. Na sequência estão Paraná e Minas Gerais. (HORNBURG, 2007) O manejo adequado da plantação permite a retirada planejada de árvores, e com o uso de técnicas da engenharia florestal e agrônoma, os impactos no solo e nas florestas são minimizados. O método tradicional da colheita de cana-de-açúcar é a colheita manual acompanhada da queima da palha, responsável na produção de grandes volumes de CO 2. No entanto, com o aumento da produtividade neste setor, várias usinas estão optando pela colheita mecânica, o que exclui as queimadas. 3.8 ENERGIA NUCLEAR Nos últimos anos a energia nuclear, produzida a partir do átomo de urânio, passou a ser considerada uma fonte limpa pela baixa emissão de volumes de gás carbônico gerado nas atividades nucleares.

29 20 O minério de urânio, metal pouco menos duro que o aço, é encontrado em estado natural nas rochas da crosta terrestre. Desse minério é extraído o átomo de urânio utilizado na geração nuclear. No Brasil, o monopólio da mineração de elementos radioativos e da produção e comércio de materiais nucleares são feitos pelas Indústrias Nucleares Brasileiras (INB), sendo assim, as responsáveis pela extração e processamento do urânio e demais minerais radioativos. (ANEEL, 2009) A geração nuclear de energia elétrica está em expansão. Novas unidades estão em construção e o cenário brasileiro é propício para este desenvolvimento, apresentando grandes vantagens: as boas reservas do mineral e o domínio da tecnologia de enriquecimento de urânio. (HORNBURG, 2007) A instalação de usinas nucleares em território nacional teve início na década de 70, com a construção de Angra I. Após alguns anos, foram adquiridas pelo Governo Federal as usinas de Angra II e Angra III. Esta última, ainda desabilitada, deve entrar em operação no início de Com isto, a participação da capacidade nuclear instalada no Brasil deve passar de 1,98% para 2,5%, um aumento de quase 21% na geração de energia deste setor. (ANEEL, 2009) O incentivo a energia nuclear tem caráter ambiental, pois seria uma expansão e diversificação da matriz energética, de forma que atenderia ao crescente consumo de energia no país, poupando os combustíveis fósseis. As usinas nucleares são as menos agressivas ao meio ambiente, pois na fase de operação da usina, os níveis de radioatividade são permanentemente monitorados e controlados, de forma a não superar os limites previstos pelos órgãos reguladores. No entanto, ainda não se conseguiu encontrar uma solução para os dejetos radioativos. Alternativas para depósito desses dejetos estão em estudo no exterior, e uma das sugestões é o armazenamento em uma estrutura geológica estável. (BEN, 2010) As chances de acidentes em usinas nucleares são altas e a tecnologia hoje existente apenas atenua, mas não acaba com os riscos de acidentes ambientais. O impacto ambiental que estas usinas causam tem sido muito enfatizado nas últimas décadas, sendo hoje preocupação de movimentos ambientalistas, tanto em termos globais como regionais, além de uma remota, mas não desprezível contaminação do solo, do ar e da água por radionuclídeos oriundos da água utilizada no sistema de refrigeração dos cilindros de urânio.

30 21 4. SISTEMAS DE AQUECIMENTO DE ÁGUA O setor residencial brasileiro reflete a cultura do uso excessivo da eletricidade para aquecimento de água. Cerca de 24% do consumo total de energia elétrica gerada no país é consumida por esse setor, e desses, uma parcela é utilizada para o aquecimento de água. (BEN, 2010). Com as políticas nacionais de conservação e uso racional de energia, a inclusão do uso do gás natural e da energia termo-solar no aquecimento de água começaram a mudar o cenário energético residencial brasileiro, apresentando vantagens sobre a energia elétrica como a redução da demanda de energia consumida e a racionalização no sistema energético. 4.1 ELETRICIDADE O equipamento mais utilizado no aquecimento de água nas residencias é o chuveiro elétrico, e isto é devido ao baixo custo de aquisição e instalação dos aparelhos. Ele teve no passado e ainda tem hoje uma grande importância na acessibilidade de conforto de água quente, e com a sua proliferação, provocou uma sobrecarga no setor elétrico, devido, principalmente, a concentração de uso em determinados horários, os chamados horários de pico, ou seja, horário em que há um grande consumo de energia em um curto espaço de tempo. Assim, devido a este problema, e as políticas nacionais de conservação e uso racional de energia, as concessionárias de distribuição de eletricidade começaram a investir na substituição de chuveiros elétricos por sistemas de acumulação com aquecimento a gás e solar. (CHAGURI, 2009) Para uso residencial as fontes de energia mais utilizadas, comparado com os demais combustíveis, são a solar e gás natural, por necessitarem de um espaço pequeno para armazenamento, manipulação e operação. O gás natural apresenta vantagens em relação aos demais combustíveis por possibilitar maior rendimento térmico, controle e uma combustão limpa, sem gerar resíduos; e a energia solar é viável em praticamente todo o território brasileiro, com painéis solares cada vez mais potentes e com o custo de aquisição decaindo devido à grande utilização. (CHAGURI, 2009) Cada um dos sistemas de aquecimento de água requer requisitos próprios, a dificuldade se encontra em estabelecer limites entre padrões de qualidade e segurança com o interesse de investimento dos empreendedores. Estes requisitos impõem limites que aumentam os custos de instalações e operação dos sistemas de aquecimento que devem

31 22 ser repassados ao mercado consumidor e quanto maior esses padrões, maior o custo do investimento. (CHAGURI, 2009) 4.2 ALTERNATIVAS PARA OS SISTEMAS DE AQUECIMENTO Os aquecedores de água são equipamentos que tem como objetivo fornecer água quente suficiente para todos os pontos de consumo, na temperatura e vazão desejada, conforme projeto específico. Os projetos de sistemas de aquecimento de água devem atender aos mecanismos para o melhor desempenho de seus aquecedores, a otimização de recursos energéticos e dos custos de operação, devendo ser compatíveis com a infraestrutura da edificação e demandas necessárias ao usuário AQUECIMENTO A GÁS O aquecedor é o elemento principal deste sistema e pode ser dividido em aquecedores instantâneos (ou de passagem), e aquecedores de acumulação. Possuem a capacidade de atender exclusivamente uma unidade autônoma (sistemas individuais ou centrais privados - independentemente dos pontos de consumo e do número de usuários, abastecem apenas uma residência), ou o abastecimento de um conjunto de unidades autônomas (sistemas centrais coletivos - atendem várias residências simultâneamente). A Figura 6 esquematiza os sistemas de aquecimento em uma residência. (RAIMO, 2007) Portanto, em função das características do aquecedor e do serviço de água quente, pode-se ter várias alternativas para o aquecimento de água. Os sistemas se diferenciam essencialmente: No circuito de distribuição de água quente; Nos componentes de vazão de água e potências dos aquecedores; No armazenamento da água quente.

32 23 Figura 6 - Configurações dos sistemas de aquecimento elétrico, gás e solar. Fonte: RAIMO, AQUECEDORES DE PASSAGEM A facilidade de implantação e a necessidade de pouco espaço a ser ocupado fizeram dos aquecedores iinstantâneos, ou de passagem, a alternativa mais conveniente nas residências. Dentre outras alterntaivas estão na facilidade em individualização da conta de gás combustível e a opção do construtor em transferir para o usuário a responsabilidade na aquisição do equipamento. Os aquecedores instantâneos ou de passagem são aparelhos que funcionam para atender um consumo imediato, apenas a demanda no instante da solicitação. No momento em que é solicitada água quente em um ponto de consumo, ocorre o acionamento do aparelho. A água, passa por uma serpentina, e é aquecida por meio do calor gerado pelo queimador localizado na parte de baixo do aparelho. O acionamento do queimador nos

33 24 aquecedores é feito por meio da ignição provocada por uma pilha, ou por uma fonte de energia elétrica, permitindo que o sistema mantenha o consumo de gás racionalizado, utilizando somente quando necessário. O aquecedor também é constituído por um sistema de controle de fluxo e segurança, que faz o acionamento e o bloqueio de água e gás, e um sistema de exaustão, responsável pela saída dos gases queimados para uma chaminé, dispositivo este que deve estar interligado com o ambiente externo da residência. (CHAGURI, 2009) Para o seu dimensionamento deve-se levar em conta o número de pontos de consumo que serão atendidos para que se possa determinar a capacidade do aquecedor e quantos desses pontos serão atendidos simultaneamente. Este equipamento se comparado com os sistemas de acumulação, possuem certas limitações físicas em função da relação vazão instantânea de água que passa pelo aparelho, da potência e da temperatura. Assim, para um bom rendimento do aparelho é aconselhável manter pequena a distância do aquecedor ao ponto de consumo, evitando perdas de temperatura, e consequentemente, otimizando o rendimento do equipamento. A seguir, a Figura 7 ilustra o funcionamento dos aquecedores de passagem. (CHAGURI, 2009) Figura 7 - Esquema de funcionamento dos aquecedores a gás instantâneo ou de passagem. Fonte: CHAGURI, AQUECEDORES DE ACUMULAÇÃO Os aquecedores de acumulação são aparelhos com a característica de manter a água aquecida e reservada para a utilização nos horários de maior consumo na residência.

34 25 São constituídos por uma unidade de aquecimento, acessórios e um reservatório com capacidade para abastecer vários pontos de consumo ao mesmo tempo. (BORGES, 2009) A água entra pela parte de baixo do reservatório e é aquecida através de um queimador localizado na parte inferior, e o seu acionamento é controlado através de um termostato de acordo com a variação de temperatura. Na parte superior do reservatório há uma saída para a água quente a qual é distribuída para os pontos de consumo. A Figura 8 ilustra o interior do reservatório. (BORGES, 2009) As válvulas de segurança, o sifão e as válvulas eliminadoras de ar são alguns dos dispositivos e acessórios instalados no reservatório com o objetivo de garantir o bom funcionamento do sistema. Destaque para a válvula de segurança, a qual protege o reservatório no caso de uma sobrepressão acima da permitida pelo sistema, ou seja, ela evita danos ao equipamento quando ocorre uma desregulagem na pressão da rede de água fria, ou devido à expansão da água durante o processo de aquecimento do reservatório. (BORGES, 2009) Os aquecedores de acumulação possuem algumas vantagens em relação aos aquecedores de passagem como a possibilidade de atender vários pontos simultaneamente sem restrições dentro da capacidade de armazenamento e não ocasionar oscilações de temperatura, pois estes equipamentos são isolados termicamente, na maioria dos casos com lã de vidro ou o poliuretano expandido, afim de reduzirem as perdas térmicas com o ambiente. (RAIMO, 2007)

35 26 Figura 8 - Imagem interna do reservatório de um aquecedor de acumulação. Fonte: BORGES, SISTEMA SOLAR O sistema solar de aquecimento é formado por um conjunto de coletores que captam a energia irradiada pelo sol, aquecendo a água. O coletor solar é um dispositivo que absorve a maior quantidade possível de irradiação solar e transfere a maior parte dessa energia para um determinado fluído, no caso, a água, que circula por uma serpentina e quando aquecida é armazenada em um reservatório de consumo. Quanto maior o a intensidade de luz, maior o fluxo de energia, porém, este sistema não precisa necessariamente do brilho do sol para operar, pois ele pode também gerar energia em dias nublados. (RAIMO, 2007) Os coletores utilizados são normalmente selecionados em função de sua aplicação e devem ser resistentes às condições exteriores (intempéries, condições metereológicas, etc.) e eficientes na conversão da energia para a demanda de consumo. O mais utilizado no setor residencial é o coletor plano com cobertura. O fluxo de radiação incidente é uniforme para toda a sua superfície coletora, aquecendo a água a temperaturas compatíveis ao uso sanitário e demais aplicações em uma residência. (COMGÁS, 2011) A Figura 9, a seguir, ilustra o esquema de um aquecedor de placa plano.

36 27 Figura 9 - Esquema aquecedor solar de placa plano. Fonte: COMGÁS, ORIENTAÇÃO E INCLINAÇÃO DOS COLETORES As instalações solares necessitam ser corretamente dimensionadas, instaladas e ter manutenções regulares para que o sistema seja eficiente. O posicionamento correto do conjunto de coletores solares é essencial para o perfeito desempenho do sistema. A inclinação em relação ao plano horizontal e a direção de instalação dos coletores solares variam em função dos parâmetros metereológicos e geográficos do lugar onde os coletores se encontram localizados, tais como latitude local e número de horas diárias de insolação. (COMGÁS, 2011) Os coletores devem estar expostos ao sol de tal forma que a incidência da radiação solar atinja o coletor perpendicularmente. E como há uma variação da inclinação do sol, conforme a época do ano, eles devem ser instalados com uma inclinação que maximize e uniformize a incidência da radiação solar durante o período de um ano. A recomendação é a de que a instalação possua uma inclinação equivalente à latitude da região onde será instalado o sistema solar, somando-se 10º. (COMGÁS, 2011) Além disso, os coletores devem estar posicionados simetricamente em relação à trajetória do sol, posição esta que permita o maior tempo de incidência do sol ao longo do dia. Quando instalados no Hemisfério Sul, como no caso do Brasil, os coletores devem ser direcionados para o Norte Geográfico, para haja um maior aproveitamento da irradiação. A Figura 10, a seguir, exemplifica as diretrizes a serem seguidas para uma correta instalação. (COMGÁS, 2011)

37 28 Figura 10 - Trajetória do sol e desvio do Norte geográfico. Fonte: COMGÁS, SISTEMAS PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE Devido aos processos naturais de transferência de calor, na distribuição de água ocorrem perdas térmicas da água quente com o ambiente, por meio da condução de calor nas paredes da tubulação entre a água quente e o ambiente. Assim, deve-se analisar as perdas de calor nas instalações, em função dos materiais utilizados, das técnicas de isolamento térmico recomendadas, na temperatura da água com a qual a instalação deve funcionar adequadamente. O circuito de distribuição de água quente compreende basicamente em tubulações, conexões, registros gaveta, registros de pressão e devem atender aos quesitos de vazão, pressão e velocidade da água conforme aos pontos de consumo. Os materiais utilizados para a condução da água quente devem resistir a temperaturas altas, compatíveis com as temperaturas de saída dos aquecedores de água. Os materiais mais utilizados para as tubulações são o cobre e o CPVC (polipropileno copolímero clorado). O cobre por ser o melhor condutor térmico dentre as opções oferecidas pelo mercado, será o adotado nas tubulações.

38 29 Os reservatórios, responsáveis pelo armazenamento e fornecimento de água para os sistemas de aquecimento, devem ser analisados e selecionados em função das características do sistema de aquecimento e do local da instalação. O volume dos reservatórios é uma das principais configurações a serem determinadas, e deve ser calculado em função da necessidade de água quente que deve estar disponível para uso da edificação, ou seja, em função da quantidade de pessoas residentes, como por exemplo 160 a 200 litros para 1 a 2 pessoas, 300 a 370 litros para 3 ou 4 pessoas e 440 litros nos casos de 5 a 6 pessoas (COMGÁS, 2011). No caso de armazenamento de água quente, esta deve ser armazenada em reservatórios térmicos, permitindo sua disponibilização em função da real necessidade dos usários. Como eles armazenam água quente por longos períodos, devem possuir isolamento térmico para reduzir a troca de calor entre a água quente armazenada e o ambiente.

39 30 5. ESTUDO DE CASO Para avaliação das possibilidades do uso de energias alternativas nas edificações, com base no levantamento de informações feito na revisão bibliográfica, foi feito um estudo sobre as características do uso dessas energias e suas implicações sobre um edifício já existente para facilitar as medições, análise de projetos e coleta de dados. 5.1 DESCRIÇÃO DO EDIFÍCIO ESTUDO DE CASO Trata-se de um edifício residencial, situado na cidade de São Carlos, construído há 14 anos pelo escritório Ivo Nicoletti, o qual oferece diversos serviços na área de engenharia civil e arquitetura, possuindo endereço fixo na cidade. O empreendimento está localizado na Rua Miguel Petroni, 458, Jardim Bandeirantes. Possui quatro pavimentos com dois apartamentos por andar, distribuídos em um terreno com área total de 148,36 m². Os apartamentos possuem um quarto, um banheiro, uma sala e uma cozinha com área de serviço acoplada. Devido a sua localização, o prédio possui duas entradas principais, porém, em lados opostos. As características do edifício em estudo, com respectivas áreas e localização estão no ANEXO deste trabalho. 5.2 LEVANTAMENTO DO USO DE APARELHOS NAS UNIDADES Para ajudar na análise e escolha das modalidades de energia e equipamentos a serem utilizados no edifício foi feito um questionário voltado para os moradores do edifício a fim de que estes respondessem sobre os gastos energéticos nos respectivos apartamentos e o funcionamento das instalações. O questionário será do tipo com questões abertas e com perguntas chaves para o projeto, as quais são exemplificadas a seguir: - qual o gasto energético mensal do apartamento? - qual a potência do chuveiro instalado no apartamento? - qual a quantidade de lâmpadas instaladas em uso e suas respectivas potências? - qual o horário de permanência no apartamento? - se possível informar o horário e duração do banho;

40 31 - se possível fornecer uma cópia recente da conta de energia; Com esse estudo de caso, foi possível verificar as características mais adequadas à aplicação dos equipamentos necessários para a geração de energia e água quente assim como as adaptações necessárias para a sua adoção, promovendo uma discussão e análise de custos envolvidos. A infraestrutura necessária para o aquecimento de água é determinada pela energia final da alternativa do sistema de água quente e da demanda, ou seja, do número de pontos de uso na unidade consumidora. Em edificações residenciais, os diferentes níveis de consumo de água quente estão relacionados com o número de pessoas e com o número de pontos de uso, parâmetros estes que podem ser estimados, através do número de dormitórios e de banheiros. O número de pontos de uso de água quente é definido pela infra-estrutura da edificação. Um morador aciona o sistema de água quente no momento e na intensidade correspondentes a sua necessidade, hábito pessoal e estilo de vida. Assim, para ajudar na análise e escolha das modalidades de energia e equipamentos a serem utilizados no edifício, foi feito um questionário voltado para os moradores do edifício a fim de colher dados sobre os gastos energéticos nos respectivos apartamentos e o funcionamento das instalações. O questionário foi aplicado em junho de 2011 A seguir estão apresentadas as perguntas feitas aos moradores, e a Tabela 5, com os dados coletados com seis dos oito moradores do edifício. 1) Número de lâmpadas em uso e suas respectivas potências; 2) A potência do chuveiro instalado no apartamento; 3) Tempo médio de permanência no banho; e horário comum de banho (manhã e/ou tarde); 4) Número de eletrodomésticos em uso; 5) Horário de maior permanência no apartamento (manhã/tarde/noite);

41 32 Tabela 5 - Dados do questionário aplicado aos moradores do objeto de estudo. DADOS COLETADOS A B C D E F G* H* LÂMPADA FLUORESCENTE Potência: 15W Potência: 20W LÂMPADA INCANDESCENTE Potência: 60W Potência: 100W CHUVEIRO ELÉTRICO 5500W e 127V TEMPO MÉDIO DE PERMANÊNCIA NO BANHO / PERÍODO NÚMERO DE ELETRODOMÉSTICOS EM USO HORÁRIO DE MAIOR PERMANÊNCIA NO APTO. 15 min. / noite 10 min. / manhã e noite 10 min. / manhã e noite 10 min. / noite 10 min. / noite 15 min. / noite noite *Não responderam ao questionário. manhã manhã / tarde / noite noite noite noite - - O questionário foi aplicado em junho de 2001 e deste, para efeito da identificação da energia gasta para o aquecimento, foram utilizados o tempo médio, frequências e potência do chuveiro.

42 33 6. DIMENSIONAMENTO DAS FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA 6.1 CONSUMO DE ÁGUA QUENTE Neste estudo, o ponto de consumo de água quente em análise é o do chuveiro elétrico. A Tabela 6, a seguir, apresenta a frequência e o tempo médio de banho obtido nas respostas do questionário, realizado em junho de Os valores obtidos foram utilizados no cálculo da vazão por banho, e posteriormente, o cálculo de energia gasta por banho. Tabela 6 - Frequência média de banho e tempo médio de banho para seis moradores. APARTAMENTO FREQUÊNCIA DE BANHOS MÉDIA (por banho) 1,3 TEMPO (min.) 11,7 A energia que o chuveiro elétrico necessita para aquecer a água pode ser expressa da seguinte forma: Q = P x t x C kcal Q = Produção de energia (kcal) P = Potência do chuveiro elétrico (W) C kcal = 0,00024 kcal/s (fator de conversão) Para o chuveiro elétrico com potência de 5500W, instalado em cada um dos apartamentos,a energia consumida é: Q = 5500 x 60 x 0,00024 = 79,2kcal O tempo médio de banho foi 11,6 minutos por pessoa, assim, a energia necessária para aquecer a água gasta em um banho é: Q BANHO = 79,2kcal x 11,6min = 918,72kcal (11,6 minutos)

43 34 A partir dessa energia produzida, considerando a temperatura da água fria em 20ºc e admitindo vazão do chuveiro elétrico de 3L/min, com potência máxima do chuveiro elétrico (5500W), pode-se determinar a temperatura que a água aquecida chega em um banho, utilizando-se a seguinte equação: Q = m x C x (t 2 t 1 ) Q = Produção de energia (kcal) m = Vazão do chuveiro elétrico (L/min) C = 1 cal/(kg/ºc) A temperatura máxima atingida pela água considerando-se 79,2kcal é: 79,2 = 3 x 1 x (t 2 20) -> t 2 = 46,4ºC Admitindo uma temperatura máxima da água para banho de 40ºC, e substituindo na equação, tem-se vazão do chuveiro elétrico para um banho com tempo médio de 11,6min igual a: 79,2 = Q REAL x 1 x (40 20) -> Q REAL = 4L/min Assim, a energia gasta em um banho com uma vazão de 4L/min será de 1,067kWh, admitindo que 1kWh = 86042kcal. A tarifa energética obtida na Companhia Paulista de Luz e Força de São Paulo (CPFL, 2011) em novembro de 2011, para fornecimento de energia elétrica para o grupo B1 Residencial - Monofásico, é de um preço médio de 0, R$/kWh sem ICMS, e portanto, o custo de um banho é de aproximadamente R$ 0, CONSUMO ENERGÉTICO DO EDIFÍCIO A energia consumida pelo edifício foi obtida através do questionário realizado com os moradores e contas energéticas do edifício. Para os cálculos alguns parâmetros foram estabelecidos: A tarifa para fornecimento de energia elétrica pela CPFL, para o grupo B1 Residencial - Monofásico, é de um preço médio de 0, R$/kWh; (CPFL, 2011) O tempo diário de uso (horas), a quantidade de equipamentos em uso e a permanência no apartamento foram estabelecidos de acordo com a pesquisa realizada e os dados coletados;

44 35 O gasto energético do edifício foi obtido através da conta de gastos do condomínio apresentada mensalmente. A Tabela 7 apresenta, aproximadamente, os gastos energéticos totais do edíficio em estudo, e a Tabela 8, os gastos aproximados de um apartamento, relacionando-os com o custo energético obtido na Companhia Paulista de Luz e Força de São Paulo (CPFL). Tabela 7 Consumo energético do edifício e a somatório de custos. Equipamento Quantidade Tempo diário de uso (horas) Potência (Watts) Energia em kwh/mês Custo Lâmpada Fluorescente Lâmpada Incandescente Chuveiro Elétrico ,40 R$ 8, ,80 R$ 9, ,40 R$ 17, R$ 37,19 8 2, ,76 R$ 114,23 Televisor R$ 33,06 Computador ,4 R$ 29,75 Geladeira R$ 49,58 Microondas 3 0, ,25 R$ 6,97 Máq. Lavar Roupas Gastos do edifício 3 0, ,50 R$ 10, R$ 17,22 = 32, ,51 R$ 316,95

45 36 Tabela 8 - Consumo energético de um apartamento e a somatório de custos. Equipamento Quantidade Tempo diário de uso (horas) Potência (Watts) Energia em kwh/mês Custo Lâmpada Fluorescente Lâmpada Incandescente Chuveiro Elétrico 2, ,975 R$ 0, ,2 R$ 0,41 1, ,1 R$ 0,72 1, ,5 R$ 1,55 1 0, ,47 R$ 14,28 Televisor R$ 2,07 Computador ,8 R$ 3,72 Geladeira R$ 6,20 Microondas 0,5 0, ,38 R$ 1,16 Máq. Lavar Roupas 0,5 0, ,25 R$ 1,81 = 16, ,67 R$ 32, DIMENSIONAMENTO DO AQUECEDOR A GÁS O Gás Natural, utilizado nos sistemas de aquecimento de água, possui um elevado rendimento térmico, combustão completa e sem geração de resíduos. No estudo de caso, foi utilizado o aquecedor de passagem, e este abastece apenas um ponto, o chuveiro. Optou-se pelo aquecedor de passagem por possuir maior facilidade de implantação e necessitar de pouco espaço a ser ocupado. O estudo de caso é um apartamento de 40,00 m² com medição de energia elétrica individualizada. O sistema de aquecimento a ser utilizado será o individual devido às dimensões do apartamento e por apresentar apenas um ponto de consumo, necessitando apenas de uma infraestrutura de alimentação de água fria para o aquecedor, que pode ser

46 37 uma derivação de um ponto de consumo de água fria, e de uma da rede de abastecimento de gás. Para a instalação correta do sistema de aquecimento a gás, alguns cuidados devem ser tomados, como a fixação do equipamento em lugares ventilados. As diretrizes devem seguir a norma NBR a qual afirma que o ambiente onde será instalado o equipamento deve possuir aberturas permanentes na parede comunicando com o exterior e caso seja necessário, a instalação de um duto de ventilação individual ou coletivo ramificado. Assim, o aquecedor de passagem está localizado na cozinha, local próximo ao banheiro, diminuindo consideravelmente as perdas térmicas pela tubulação, devido à proximidade ao ponto de consumo, e por ser um local com ventilação permanente e de fácil instalação para a chaminé, responsável pela saída dos gases queimados para o exterior do apartamento. Para o dimensionamento do aquecedor de passagem a vazão utilizada foi aproximadamente a metade utilizada pelo chuveiro elétrico, determinada da seguinte maneira: q aq = Q USO X [(t 3 t 2 ) / (t 1 t 2 )] Assim, q aq = 4 x [(40 20) / (70 20)] = 1,6L/min 2L/min Admitindo que a temperatura máxima atingida pelo aquecedor seja de 70ºC, a temperatura de uso seja 40ºC e a água fria seja de 20ºC, tem-se duas potências, a de operação e a máxima do aquecedor, determinadas da seguinte maneira: U = 60 x (t 1 t 2 ) x q aq A potência requerida pelo aquecedor na vazão de operação será de 80kcal e na vazão máxima será de 135kcal. A potência na vazão máxima (135kcal) será a utilizada para a escolha do aquecedor de passagem. O aquecedor da marca LORENZETTI de 7,5L/min atende a potência requerida e a vazão necessária e possui um preço médio no mercado de R$269,00. (LORENZETTI, 2011) A seguir, a Tabela 9 apresenta os dados técnicos do aquecedor.

47 38 Tabela 9 - Características técnicas dos aquecedores. Características técnicas AQUECEDOR Potência nominal nas condições padrão (kcal/min) 176,00 Rendimento (%) 83,70 Vazão para elevação da temperatura em 20 C (litros/min.) 7,50 Consumo máximo a potência plena (m³/h) 1,11 Dimensões (mm) 440x300x135 Custo (R$) 28,90 De acordo com as tarifas de gás natural canalizado, estipulada pela Gás Brasiliano Distribuidora S.A. em novembro de 2011, responsável pela distribuição de gás natural canalizado na cidade de São Carlos, alguns parâmetros foram estabelecidos para o cálculo de volume de gás necessário. (GÁS BRASILIANO, 2011) A tarifa do gás natural canalizado para o segmento residencial com medição coletiva, para um volume previsto entre 0 a 150 m³ sem ICMS, para valor fixo é de 59,65 R$/mês e para valor variável é de 1, R$/m³; A tarifa do gás natural canalizado para o segmento residencial com medição individual, para um volume previsto entre 0 a 5 m³ sem ICMS, para valor fixo é de 14,35 R$/mês e para valor variável é isento; O poder calorífico do gás natural é de 10,932 kwh/m³ à uma temperatura de 20ºC e pressão de 1 atm; A fórmula utilizada no cálculo do custo envolvido é

48 39 F = valor do encargo fixo I = F + (CM x V) CM = consumo mensal medido em m³ V = valor do encargo variável Para o cálculo do consumo e custo de gás no edifício, utilizando o aquecedor instantâneo com consumo máximo, a potência plena, de 1,11m³/h e medição individual, temse: 1) O consumo máximo de gás natural a potência plena é de 1,11m³/h; com 11,6 minutos de funcionamento, obtem-se um consumo de gás equivalente a 0,2146m³ por banho; 2) A potência nominal de 176kcal/min consome-se 0,2146m³, porém deseja-se o consumo na potência de operação de 80kcal/min, assim, o consumo real de gás natural é 0,0975m³ por banho. A partir dos valores fornecidos pela Gás Brasiliano, e utilizando a fórmula I = F + (CM x V), chega-se a um custo por mês em gás natural para o aquecimento de água na medição individual e coletiva. A seguir, a Tabela 10 mostra o resultado dos cálculos, com um ponto de consumo para a medição coletiva e para medição individualizada, respectivamente. Tabela 10 - Custo mensal de gás com um ponto de consumo, para medição coletiva e individual. MEDIÇÃO Volume de gás (m³/mês) Valor fixo (R$/mês) Valor variável (R$/m³) Custo (R$ - Sem ICMS) COLETIVA 23,40 59,65 1,99 106,22 INDIVIDUAL 2,93 14,35-114,80 O chuveiro elétrico têm como uma de suas vantagens, o menor consumo de água, comparado aos aquecedores a gás que utilizam um volume maior devido ao tempo que necessitam para aquecer a água. Porém, os aquecedores possuem a vantagem econômica perante os chuveiros elétricos, e ela foi expressa neste estudo, pois enquanto com o chuveiro elétrico gasta-se R$ 397,69 mensalmente, com um aquecedor a gás, esse valor cai para R$ 120,24. Em um edifício, este valor expressa economia nas contas no final do mês, e ambientalmente, racionalização de energia.

49 DIMENSIONAMENTO ENERGIA SOLAR A utilização da energia solar no objeto de estudo, prédio residencial de quatro pavimentos, visa promover o uso de uma energia alternativa economicamente viável e ambientalmente limpa. Para o correto aproveitamento da energia solar deve-se atentar a sua captação, a conversão de calor, a transferência e o armazenamento para utilização nos períodos em que a mesma não se encontra disponível. Como a energia solar está presente só durante o dia, este sistema deve ter sua capacidade de armazenamento ampliada para evitar o acionamento desnecessário do auxiliar elétrico, e assim, reduzindo as vantagens econômicas oferecidas pelo sistema de aquecimento solar. A Figura 11 representa um esquema simplificado da instalação de um sistema de aquecimento a energia solar. Figura 11 - Esquema de instalação de aquecimento solar. Fonte: BORGES, 2008 Os coletores devem ser dimensionados de acordo com as condições metereológicas do local de instalação. Os coletores de menor eficiência podem apresentar custos mais baixos e acessíveis. Se houver disponibilidade de espaço, pode-se optar por instalar uma maior área de coletores com menor eficiência para aquecer a mesma quantidade de água. Para início de dimensionamento, deve-se determinar o volume necessário de água quente para a escolha do reservatório. O valor utilizado para a vazão real é a mesma do aquecimento a gás, 4 litros/min. O volume para consumo é obtido da seguinte forma:

50 41 V CONSUMO = 4 x 11,6 x 1,3 x 8 = 482,56 litros Com um volume de água aquecida de 482,56 litros, o Reservatório Solar Vitrex da marca CUMULLUS com capacidade de 500 litros atende a demanda de água quente. O reservatório possui um diâmetro de 730mm e comprimento de 1800mm, e possui um preço médio no mercado de R$ 1.670,00. A torre de reservatório do edifício estudo de caso possui 7,3m² com reservatórios já instalados. Uma análise antes da instalação deve ser feita pois o reservatório solar possui uma área de 1,31m², o que exigiria uma realocação dos reservatórios já instalados. Para determinar o modelo de coletor solar a ser utilizado neste estudo, deve-se calcular a energia para aquecer a água no mês. Para um gasto de 1,067kWh por banho, tem-se: Q = 1,067 x 8 x 1,3 x 30 = 332,90kWh/mês O coletor solar da marca CUMULLUS, com uma produção média mensal de energia de 169,8kWh/mês. Foi escolhido para compor o sistema de aquecimento de água com coletor solar térmico. A seguir, a Tabela 11 apresenta alguns dados técnicos e custo do coletor solar utilizado no estudo. O custo envolvido é baseado apenas na aquisição do equipamento, sem englobar serviços de mão de obra, acessórios de montagem e transporte dos equipamentos até o local. Tabela 11 - Características técnicas dos coletores e custo do equipamento. Área externa do coletor (m²) 1,95 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS VALOR Eficiência (%) 62,4 Produção média mensal de energia (kwh/mês) 169,8 Custo coletor(r$) (unidade) 980,6 Custo reservatório(r$) (unidade) 1.670,00 Os coletores em estudo são os de baixa pressão e instalados em locais expostos na cobertura da edificação. A radiação solar para São Carlos é de aproximadamente 6 kwh.dia/m², o que satisfaz a irradiação necessária absorvida pelo coletor para a geração de energia térmica. (CRESESB, 2011)

51 42 Para o cálculo do número de coletores necessários, alguns parâmetros foram estabelecidos, de acordo com as características técnicas fornecidas pelos catálogos dos coletores solares. Com produção média mensal de energia de 169,8 kwh/mês, tem-se: 1) Área dos coletores = Demanda energética (kwh/mês) / Produção específica de energia do coletor solar (kwh/mês). 332,90 Área dos coletores 2 m² 169,8 O coletor solar possui área externa de 1,95 m², e segundo o cálculo de área, é necessário apenas um coletor para atender a demanda energética de 332,90kWh/mês gastos no aquecimento de água do edifício. Os coletores devem estar expostos ao sol de tal forma que a incidência da radiação solar atinja o coletor perpendicularmente, instalados com uma inclinação que maximize e uniformize a incidência da radiação solar durante o período de um ano, e orientados na direção do norte geográfico da Terra. O aquecimento solar necessita de um investimento incial alto, comparado ao aquecimento a gás, para a aquisição do sistema. Os coletores solares e reservatório solar são equipamentos mais caros que os aquecedores instantâneos a gás. Assim, para que o investimento neste sistema de aquecimento possa ser analisado, deve-se estudar o tempo de retorno que o equipamento escolhido fornecerá. Segundo Raimo (2007), o tempo de retorno do investimento do sistema de aquecimento solar é função da eficiência média do coletor (η), na conversão da radiação solar em calor e do consumo evitado de energia final, eletricidade ou gás (taxa de cobertura solar). A Figura 12 abaixo, mostra o tempo de retorno do investimento do coletor solar, com energia final auxiliar elétrica, com uma taxa de juros de 12% ao ano. Para esta comparação utilizou-se a radiação média de 4.000, e Wh/m² e o produto da eficiência e taxa de cobertura solar (η x TCS).

52 43 Figura 12 - Tempo de retorno do investimento no coletor solar. Fonte: RAIMO, 2007 Para o cálculo do tempo de retorno do coletor solar utilizado, a partir do gráfico, temse: 1) No estudo, a radiação média em São Carlos é de 6kWh.dia/m², e segundo dados do catálogo, para o coletor solar, a produção média mensal de energia é de 87,1kWh.mês/m²; 2) Tempo de retorno = Radiação solar média (kwh.mês/m²) / Produção média mensal de energia (kwh.dia/m²). 6 x(365 ) 3) Tempo de retorno 2anos 87,1 x(12) Assim, para este modelo de coletor solar, o tempo de retorno do investimento será de 2 anos. Através do gráfico pode-se perceber que quanto maior a relação eficiência e taxa de cobertura solar (η x TCS) o tempo de retorno do investimento será menor. O coletor solar utilizado no estudo possui uma eficiência alta, o que o torna viável para o sistema de aquecimento de água no edifício. Porém, nesta situação deve-se analisar a aquisição do equipamento em termos de custo, pois para um edifício de pequeno porte, com apartamentos de um dormitório e com um coletor de menor eficiência, o tempo de retorno do investimento será maior. O sistema de aquecimento solar racionaliza energia, porém, neste caso, deve-se fazer uma análise de viabilidade do investimento.

53 ANÁLISE DOS RESULTADOS Os sistemas possuem características próprias que devem ser ressaltadas na escolha do melhor equipamento a ser instalado. Assim, para uma análise de viabilidade mais detalhada, a Tabela 12, a seguir, apresenta um resumo dos equipamentos utilizados no estudo considerando o custo acumulado no primeiro ano, onde o valor de compra foi amortizado em 12 meses, e depois considerado apenas o custo mensal. Tabela 12 - Resumo das características e custos dos equipamentos utilizados no edifício. SISTEMA DE AQUECIMENTO EQUIPAMENTO POTÊNCIA CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CUSTO DO EQUIPAMENTO* CONTA DE ENERGIA MENSAL TOTAL GASTOS EM 1 ANO** TOTAL ENERGIA ELÉTRICA chuveiro elétrico 5500W rede de água fria R$ 231,20 R$ 397,69 R$ 5003,48 GÁS NATURAL aquecedor de passagem 176kcal/min rede de água fria + rede de água quente + rede de gás R$ 2159,00 R$ 120,24 R$ 3601,88 ENERGIA SOLAR coletor solar + reservatório solar 169,8kWh/mês rede de água fria + rede de água quente R$ 2.650,60 - R$ 2950,00 *Custo dos equipamentos foram definidos no dimensionamento do estudo de caso; **No caso do coletor solar, preve-se duas limpezas ao ano das placas solares ao custo de R$150 por limpeza. A energia elétrica possui a característica de economizar na vazão de água, porém possui o maior gasto mensal por morador dentre as demais fontes. O chuveiro elétrico é barato e fácil de adquirir, o que torna o sistema o mais utilizado atualmente nas residências brasileiras. O aquecedor de passagem a gás possui um valor maior de aquisição, quando comparado ao chuveiro elétrico e também possui um gasto, o qual não entrou no dimensionamento do equipamento, das intalações hidráulicas para água quente e possíveis reformas no edifício. Porém, apresenta menor custo mensal e um valor menor em relação aos gastos em um ano quando comparado a energia elétrica, sendo o segundo sistema indicado no estudo. A energia solar possui a característica de minimizar o gasto energético após a quitação da compra dos equipamentos, pois o usuário irá pagar apenas pelos demais gastos energéticos da residência. A instalação deve ser previamente analisada para que não

54 45 ocorram problemas na instalação do reservatório solar e para que o telhado tenha uma inclinação favorável à instalação dos coletores. Apresenta o menor gasto ao final de um ano, e isento de custos mensais, o que torna esse sistema o mais recomendado para o objeto de estudo. A Figura 13, a seguir, apresenta a evolução dos gastos acumulados em dois anos dos sistemas analisados. Figura 13 - Evolução dos gastos acumulados em dois anos. Como se pode observar na Figura 13, apesar do chuveiro ter um custo inicial muitas vezes menor que os sistemas a gás e solar, decorrido um pouco mais de oito meses o custo acumulado do chuveiro supera os dos sistemas à gás e solar, de modo que a longo prazo se torna bem atrativo o uso de energias alternativas.

55 46 7. CONCLUSÃO O dimensionamento da infraestrutura dos sistemas de aquecimento de água pelas energias analternativas solar e a gás, foi feito a partir de estudos de demanda e de análise comportamental dos usuários do edifício em estudo. Para isso uma pesquisa de campo foi feita e obtiveram-se dados do consumo energético, os quais foram convertidos em custos para a aquisição de novas formas de energia para o aquecimento de água. O custo total do serviço de aquecimento em função do nível de consumo de água aquecida mostrou um alto impacto no custo de investimento para a instalação dos sistemas quando se é utilizado pequenos volumes no edifício. À medida que o nível de consumo aumenta, o custo de investimento da energia passa a ser mais significativo, ou seja, para um número maior de apartamentos, o resultado seria mais satisfatório. A utilização do sistema a gás como fonte de calor para o serviço de aquecimento de água em edificações mostrou-se com menor custo, quando comparado a energia elétrica e a solar. O sistema atende o volume de água necessário a ser aquecido a um custo bem menor do que o requerido pela energia elétrica, o que torna o gás natural viável economicamente. No objeto de estudo, o uso do sistema de aquecimento a gás diminuirá os gastos energéticos, racionalizando energia e diminuindo o custo da conta de energia do usuário. O sistema de aquecimento solar mostrou-se como uma alternativa de energia menos acessível do que o gás natural, pois o custo do equipamento ainda é alto para torná-lo acessível a todas as classes sociais, principalmente no caso do objeto de estudo, um edíficio com apartamentos para alugar. Para se adquirir coletores solares, necessita-se de um investimento alto no início, e o retorno do investimento vem ao longo dos anos, e posteriormente, a economia na conta de energia, tendo como gastos mensais, além dos demais gatos energéticos da residência, a mão-de-obra na limpeza das placas solares. Assim, a energia solar é a primeira opção a ser instalada no edifício devido a viabilidade econômica mais atrativa por possuir um menor gasto em um ano e isenta de custos mensais. Assim, recomenda-se a instalação do aquecimento solar, com base nos dados mostrados no estudo.

56 47 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ACHÃO, Carla da Costa Lopes. Análise da estrutura de consumo de energia pelo setor residencial brasileiro p. Dissertação (Mestrado em Ciências em Planejamento Energético) Planejamento Energético, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de janeiro, ALENCAR FEITOSA, Everaldo; Energia eólica no Brasil: situação atual e perspectivas. Recife: Centro Brasileiro de Energia Eólica p. Apostila. ANDRADE, Thompson; LOBÃO, Waldir. Elasticidade de renda e preço da demanda residencial de energia elétrica brasileira. Rio de Janeiro: RJ, p. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA /ATLAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO BRASIL. Brasília: ANEEL, p. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7198: Projeto e execução de instalações prediais de água quente. São Paulo, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13103: Instalações de aparelhos a gás para uso residencial Requisitos dos ambientes. São Paulo, BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL. Rio de Janeiro: BEN, p. BENEDITO, Ricardo. Caracterização da geração distribuída de eletricidade por meio de sistemas fotovoltaicos conectados à rede, no Brasil, sob os aspectos técnico, econômico e regulatório p. Dissertação (Mestrado em Ciências) Instituto de Eletrotécnica e Energia, Escola Politécnica, São Paulo, BORGES, Marcelo; Sistemas de aquecimento de água: treinamento técnico/comercial. São Paulo: Aquecedores CUMULUS S. A. Indústria e Comércio p. Apostila. CENTRO DE REFERÊNCIA PARA ENERGIA SOLAR E EÓLICA SERGIO DE SALVO BRITO (CRESESB). Potencial energético solar. Dados irradiação solar. Disponível em: <www.cresesb.com.br>. Acesso em: 20 set CHAGURI, José. Sistemas prediais de aquecimento de água a gás: parâmetros de dimensionamento e gerenciamento p. Dissertação (Mestrado em Energia) Instituto de Eletrotécnica e Energia, Escola Politécnica, São Paulo, 2007.

57 48 COMGÁS. Manual técnico para projeto e construção de sistemas e aquecimento solar e gás natural. Sistema de aquecimento de água para edifícios através da associação energia solar e gás natural. <www.comgas.com.br>. Acesso em: 17 agosto CORDEIRO, João; AMORIM, Simar. Sistema Predial de Água Quente. São Carlos: UFSCar p. Apostila. CPFL. Companhia Paulista de Força e Luz: Taxas e Tarifas. São Paulo, Disponível em: <www.cpfl.com.br>. Acesso em: outubro FEITOSA, Everaldo Alencar; Energia Eólica no Brasil: situação atual e perspectivas. Recife: Centro Brasileiro de Energia Eólica p. Apostila. FERNANDA MATINEZ, Maria et al. Redução de consumo de energia elétrica através de conceitos green building. Eletrônica de Potência, Porto Alegre, vol. 14, n. 2, p , mar./maio FUNDESPA. Avaliação do consumo de insumos (água, energia elétrica e gás) em chuveiro elétrico, aquecedor a gás, chuveiro híbrido, aquecedor solar e aquecedor de acumulação elétrico. São Paulo: Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo, p. Relatório parcial. GÁS BRASILIANO. Gás Brasiliano Distribuidora S.A.: Tarifas de Gás Natural Canalizado. São Paulo, Disponível em: <www.gasbrasiliano.com.br>. Acesso em: novembro GOMES DA SILVA, Vanessa. Indicadores de sustentabilidade de edifícios: estado da arte e desafios para desenvolvimento no Brasil. Ambiente construído, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p , jan./ mar GUIDING PRINCIPLES OF SUSTAINABLE DESIGN. Energy management. In: NATIONAL PARK SERVICE. Disponível em: Acesso em: 01 abr HORNBURG, Ricardo; D. WEISE, Andreas. Gestão de energia em edifícios. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 27., 2007, Foz do Iguaçu. Anais... Paraná: UFSC, p INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET). Climatologia. Disponível em: <www.inmet.gov.br>. Acesso em: junho 2011.

58 49 K. VIEIRA, Robin. The energy pyramid A hierarchal tool for decision makers. In: FLORIDA SOLAR ENERGY CENTER. Disponível em: <http://www.fsec.ucf.edu/en/publications/html/fsec-pf /index.htm>. Acesso em: 01 abr LAMBERTS, Roberto; Eficiência energética em edificações. Florianópolis: UFSC/Laboratório de eficiência energética p. Apostila. L. M. ALVAREZ, André; A. SAIDEL, Marco. Uso racional e eficiente de energia elétrica: metodologia para a determinação dos potenciais de conservação dos usos finais em instalações de ensino e similares. São Paulo: Escola Politécnica da Universidade de São Paulo/CUASO, p. Apostila. LORENZETTI. Aquecedor instantâneo de água e gás: manual de instruções de instalação, funcionamento e garantia. São Paulo, Disponível em: <www.lorenzetti.com.br>. Acesso em: dezembro MANSUR DE AGUIAR, Wilson. O uso de fontes alternativas de energia como fator de desenvolvimento social para segmentos marginalizados da sociedade p. Tese (Mestrado em Ciências em Planejamento Energético) Planejamento Energético, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, M. C. AGUILAR, Heliana et al. Utilização de sistemas de energia solar ativa e passiva na edificação. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA SOLAR, 1., 2007, Fortaleza. Anais... Ceará: UFPA, p M. F. DE OLIVEIRA, Lutércia et al. Zoneamento bioclimático da região sudeste do Brasil para conforto térmico animal e humano. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v. 26, n. 3, p , set./dez RAIMO, Patrícia. Aquecimento de água no setor residencial p. Dissertação (Mestrado em Energia) Instituto de Eletrotécnica e Energia, Escola Politécnica, São Paulo, S. PARKER, Danny et al. Executive summary: comparative evaluation of the impacto f roofing systems on residential cooling energy demand in Florida. In: FLORIDA SOLAR ENERGY CENTER. Disponível em: <http://www.fsec.ucf.edu/en/publications/html/fsec-cr es/index.htm>. Acesso em: 04 abr

59 50 SOLETROL. Aquecedores solares de água. São Paulo, Disponível em: <www.soletrol.com.br>. Acesso em: outubro ZATORRE ORTEGOSA, Cássima. Metodologia para estudos da viabilidade econômicofinanceira do uso do gás natural em instalações prediais residenciais: uma abordagem via dinâmica de sistemas p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Elétrica) Planejamento de Sistemas Elétricos, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2006.

60 51 Características das tipologias adotadas. ANEXO Desenhos sem escala. Figura 1.A - Planta Baixa Pavimento Térreo

61 Figura 2.A - Planta Baixa Pavimento Tipo 52

62 Figura 14.A - Planta Cobertura 53

63 Figura 4.A - Corte AA 54

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

Sistemas de aquecimento de água residencial e o ASBC: Aquecedor Solar de Baixo Custo Por Felipe Marques Santos Aluno do curso de Engenharia de Energia Projeto Coordenado por Prof. Dr. Rogério Gomes de

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Deodato do Nascimento Aquino Técnico

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES 1 INTRODUÇÃO NA PRÉ HISTÓRIA O HOMEM UTILIZAVA SUA PRÓPRIA ENERGIA PARA DESENVOLVER SUAS ATIVIDADES TRANSFERÊNCIA DO ESFORÇO PARA OS ANIMAIS 2 APÓS A INVENSÃO DA RODA: UTILIZAÇÃO

Leia mais

FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL

FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Paola Ribas Gonçalves dos SANTOS, Maria Caroliny Camargo FLORENTINO, Jhennyfer Lopes Cerqueira BASTOS, Giselle Vanessa TREVISAN.

Leia mais

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA Iria Müller Guerrini, No Brasil a maior quantidade de energia elétrica produzida provém de usinas hidrelétricas (cerca de 95%). Em regiões rurais e mais distantes das hidrelétricas

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

Instalações prediais de gases combustíveis água quente. Construção de Edifícios 5. Arquitetura e Urbanismo FAU USP. J.

Instalações prediais de gases combustíveis água quente. Construção de Edifícios 5. Arquitetura e Urbanismo FAU USP. J. Instalações prediais de gases combustíveis água quente Construção de Edifícios 5 Arquitetura e Urbanismo FAU USP J. Jorge Chaguri Jr Para que gás? Principais Normas NBR 15526 NBR 13103 Edifícios prumada

Leia mais

Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar.

Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar. Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar. Prof. Dr. Luiz Roberto Carrocci Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Campus de Guaratinguetá Definições a) Energia

Leia mais

Aquecimento alternativo

Aquecimento alternativo 34_Aquecedor domestico.qxd 17/11/2004 16:34 Page 90 AQUECEDOR DOMÉSTICO DE ÁGUA Divulgação Abrava/DASol Aquecimento alternativo Popularizar o produto é um dos objetivos do setor para 2005 Atualmente podemos

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Paulo Sérgio Ferrari Mazzon

Paulo Sérgio Ferrari Mazzon Tecnologia de Aquecimento Solar de Água Abyara, São Paulo, 03 de Julho de 2008 Paulo Sérgio Ferrari Mazzon Luciano Torres Pereira Grupo Soletrol Soletrol Industria e Comércio Soletrol l Tecnologia Universidade

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL II ENCONTRO BRASILEIRO DE SILVICULTURA Campinas, Abril 2011 SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL JOSÉ OTÁVIO BRITO Professor Titular jobrito@usp.br CONJUNTURA MUNDIAL CONSUMO MUNDIAL

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo INTRODUÇÃO: Desde a pré-história o homem vem se utilizando de diversas fortes e formas de energia, para suprir suas necessidades energéticas, por isso,

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO DA COSTA 1, Cinthya Borges Lopes DA SILVA 2, Michele Gomes FERREIRA 3, João Marcelo Dias

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 AGOSTO DE 2005 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 1 2 OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA 2 3 CONTEÚDO DO TRABALHO 2 3.1 ESTUDOS DE FUNDAMENTAÇÃO SOBRE ECONOMIA E ENERGIA

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

RTPROJETO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AQUECEDORES SOLARES EM RESIDÊNCIAS POPULARES

RTPROJETO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AQUECEDORES SOLARES EM RESIDÊNCIAS POPULARES 1 RTPROJETO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AQUECEDORES SOLARES EM RESIDÊNCIAS POPULARES João. L. B. ZAMPERIN 1, Simone L. ANDRADE 2, Camila P. C. GABRIEL 3, Luis R. A. GABRIEL FILHO 4 RESUMO: Neste trabalho analisamos

Leia mais

Análise financeira da substituição do chuveiro elétrico pelo. Carlos C. da Silva Fernando M. Rodrigues Marques

Análise financeira da substituição do chuveiro elétrico pelo. Carlos C. da Silva Fernando M. Rodrigues Marques Análise financeira da substituição do chuveiro elétrico pelo aquecedor sob a ótica do usuário final Carlos C. da Silva Fernando M. Rodrigues Marques 1 1. Objetivo O presente estudo visa comparar financeiramente,

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 Altera dispositivos da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, para promover a geração e o consumo

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência.

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. 2 Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Therm 8000 S Soluções de aquecimento de água para altas

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA IMPLANTAÇÃO DE GERAÇÃO FOTOVOLTAICA DE GRANDES CONSUMIDORES COMERCIAIS DE ENERGIA ELÉTRICA NO ESTADO DO PARANÁ

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA IMPLANTAÇÃO DE GERAÇÃO FOTOVOLTAICA DE GRANDES CONSUMIDORES COMERCIAIS DE ENERGIA ELÉTRICA NO ESTADO DO PARANÁ UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA ALESSANDRO FREDERICO SILVESTRI VINÍCIUS GARCIA TAKASAKI ANÁLISE

Leia mais

Água Quente: Objetivos de Projeto

Água Quente: Objetivos de Projeto Água Quente: Objetivos de Projeto FINALIDADE DO USO E TEMPERATURA ADEQUADA Hospitais e laboratórios : 100 C ou mais Lavanderias : 75 a 85 C Cozinhas : 60 a 70 C Uso pessoal e banhos : 35 a 50 C MODALIDADES

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique:

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: - Joana Moreira Lima nº16 - José Fernando nº17 - Sandra oliveira nº23 O carvão, o petróleo e o gás natural são combustíveis fósseis.

Leia mais

Produção de Energia Alternativa

Produção de Energia Alternativa Produção de Energia Alternativa Prof.Pedro Araújo Realizado por: - Diogo Fernandes nº27097 - Gonçalo Paiva nº26743 - José Silva nº27144 Introdução A produção de energias alternativas, tem vindo a ganhar

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia

Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia A geracao de eletricidade Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia valdemir cunha/horizonte Unidades geradoras da usina hidrelétrica de Promissão, no

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio

ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio 1587938146 Jessika Costa 1581943530 Rafael Beraldo de Oliveira 1584937060 A

Leia mais

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água Seminário: COPA DO MUNDO DE 2014 NORMATIZAÇÃO PARA OBRAS SUSTENTÁVEIS Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais

Identificando os tipos de fontes energéticas

Identificando os tipos de fontes energéticas Identificando os tipos de fontes energéticas Observe a figura abaixo. Nela estão contidos vários tipos de fontes de energia. Você conhece alguma delas? As fontes de energia podem ser renováveis ou não-renováveis,

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

Armazenamento de Energia Renovável

Armazenamento de Energia Renovável Solar Eólico Armazenamento de Energia Renovável Biomassa Eficiência Energética Comercial Parques Público Rural Industrial Residencial MICRO E MINIGERAÇÃO DE ENERGIA A ANEEL permitiu aos consumidores através

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO. PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogério Lisboa)

JUSTIFICAÇÃO. PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogério Lisboa) PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogério Lisboa) Dispõe sobre a obrigatoriedade de previsão para uso de aquecedores solares de água em novas edificações multifamiliares. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

ESTAÇÕES DO ANO - MOVIMENTAÇÃO DA TERRA

ESTAÇÕES DO ANO - MOVIMENTAÇÃO DA TERRA MAPAS DA RADIAÇÃO SOLAR BRASIL ESTAÇÕES DO ANO - MOVIMENTAÇÃO DA TERRA Além das condições atmosféricas (nebulosidade, umidade relativa do ar etc.), a disponibilidade de radiação solar, também denominada

Leia mais

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Competência de área 1 Compreender as ciências naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas, percebendo seus papéis

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

Profª: Sabrine V.Welzel

Profª: Sabrine V.Welzel Geografia 1 ano/ensino Médio Fontes Energéticas 1) Porque o setor energético é considerado estratégico? 2) (FGV) Sobre o consumo de energia no Brasil é correto afirmar que: a) a Região Sudeste não consegue

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas 1. OBJETIVO DO GUIA DE FERRAMENTAS Então você está pensando em começar ou expandir um negócio de energia limpa? Este é um guia passo a passo para que seu negócio

Leia mais

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo:

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: no Alojamento, para banhos, cozinha e limpezas nos Serviços, para limpezas, lavagem de

Leia mais

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia A Roménia localiza-se geograficamente no centro da Europa (parte sudeste da Europa Central). O país tem,5 milhões de habitantes e abrange uma

Leia mais

Energias Renováveis Palestrante: Lucas Redecker Secretário de Minas e Energia do RS

Energias Renováveis Palestrante: Lucas Redecker Secretário de Minas e Energia do RS Energias Renováveis Palestrante: Lucas Redecker Secretário de Minas e Energia do RS Dia: 15 desetembro/2015 Local: Auditório Central do Colégio Teutônia Horário: 19h30min Configuração dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Pedro Uczai) Dispõe sobre incentivos à utilização da energia solar e dá nova redação ao artigo 82 da Lei nº 11.977, de 7 de julho de 2009. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Energia Solar Térmica. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014

Energia Solar Térmica. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Energia Solar Térmica Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Componentes de Sistemas Solares Térmicos Energia Solar Térmica - 2014

Leia mais

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia José Henrique R. Cortez Câmara de Cultura José Henrique Cortez 1 Energia e Meio Ambiente Crise Energética? José Henrique Cortez 2

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia

Fontes Alternativas de Energia Fontes Alternativas de Energia Fontes de Energia Fontes Primárias Fontes Renováveis Fontes Não Renováveis Geotérmica Gravitacional Solar Nuclear Oceânica Eólica Hidráulica Fontes Secundárias Madeira Cana

Leia mais

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III*

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fundos de Investimento em Participações em Infraestrutura BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fotomeramenteilustrativa. Trata-se dapch Buritido GrupoAtiaiaEnergiaS.A., que não faz parte do produto

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Recursos Minerais e Energéticos

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Recursos Minerais e Energéticos COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Recursos Minerais e Energéticos O que são recursos minerais? Recursos minerais são substâncias naturais inorgânicas que foram descobertas

Leia mais

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Seminário Internacional Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Por Laura Porto Brasília, Junho de 2002 BRASIL CAPACIDADE INSTALADA

Leia mais