Sumário. 1. Introdução. Geopolímeros: Novos materiais poliméricos inorgânicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sumário. 1. Introdução. Geopolímeros: Novos materiais poliméricos inorgânicos"

Transcrição

1 Geopolímeros: Novos materiais Joseph Davidovits Sumário Espetacular progresso tecnológico tem sido feito nos últimos anos através do desenvolvimento de novos materiais, como os geopolímeros, e novas técnicas, tais como o "sol-gel". Materiais modernos concebidos com a ajuda de reações de geopolimerização estão dando abertura a novas aplicações e procedimentos e transformando ideias tidas como certas na química inorgânica. Técnicas em altas temperaturas já não são necessárias para obter materiais semelhantes às cerâmicas em suas estruturas e propriedades. Estes materiais podem policondensar como polímeros orgânicos, em temperaturas inferiores a 100 C. A geopolimerização envolve a reação química de óxidos de aluminossilicatos (Al 3+ em número de coordenação IV) com polissilicatos alcalinos produzindo ligações poliméricas Si-O-Al; as estruturas tridimensionais amorfas a semicristalinas dos sílico-aluminatos são do tipo polissialato (-Si-O-Al-O-), polissiloxossialato (-Si-O-Al-O-Si-O-), polidissiloxossialato (-Si-O-Al-O-Si-O-Si-O-). Esta nova geração de materiais, usado puro, com fillers ou reforçado, já está encontrando aplicações em todas as áreas da indústria. Alguns exemplos: Puro: para armazenamento de resíduos químicos tóxicos ou radioativos, etc. Com fillers: para a produção de concretos especiais, moldes para moldagem de termoplásticos, etc. Reforçado: para a fabricação de moldes, ferramentas, em fundições de ligas de alumínio e metalurgia, etc. Essas aplicações podem ser encontradas na indústria automobilística e aeroespacial, fundições de metais não-ferrosos e metalurgia, engenharia civil, indústrias de plásticos, etc. 1. Introdução As investigações do comportamento térmico de materiais orgânicos e inorgânicos desempenharam um papel importante na minha carreira científica. Trinta anos atrás, quando eu introduzi o DTA (Análise Térmica Diferencial) como uma nova ferramenta para a compreensão do comportamento estrutural de poliuretanos e oligouretanos, tive que construir o meu próprio equipamento. A bibliografia da minha tese de doutorado continha apenas duas referências lidando com a análise térmica diferencial de polímeros orgânicos. Hoje, a caracterização de materiais avançados é realizada rotineiramente utilizando a análise térmica. Em consequência de vários incêndios catastróficos ocorridos na França em 1970/73, pareceu útil realizar a investigação de novos materiais resistentes ao calor sob a forma de materiais plásticos não-inflamáveis e nãocombustíveis. Os geopolímeros são o resultado desta pesquisa. Meu trabalho e desenvolvimento realizado nos laboratórios da companhia de pesquisa privada CORDI SA desde 1972, estão na criação de materiais projetados para tecnologia avançada, e agora para toda a indústria, com a segregação em outros domínios, como as artes e arqueometria. Em 1978, procurando por tecnologias de polímeros inorgânicos, eu fui golpeado por circunstâncias hidrotérmicas similares que controlavam a síntese 1

2 de plásticos fenólicos orgânicos de um lado, e de minerais feldspatoides e zeólitas de outro lado. Ambas as sínteses exigem valores de ph elevados, alcalinidade concentrada, pressão atmosférica, e termoendurecimento em temperaturas abaixo de 150 C. Entretanto, as zeólitas foram sintetizadas exclusivamente para o uso na catálise de compostos orgânicos. O estudo na literatura e em bancos de dados de patentes demonstra que, antes de 1978, a ideia de usar esta química mineral para o desenvolvimento de uma nova família de ligantes minerais e de polímeros minerais, tinha sido totalmente negligenciada. As estruturas tridimensionais amor fas a semicristalinas dos sílico-aluminatos foram chamadas de geopolímeros dos tipos: Polissialato (-Si-O-Al-O-) Polissiloxossialato (-Si-O-Al-O-Si-O-) Polidissiloxossialato (-Si-O-Al-O-Si-O-Si-O-). À parte das Ciências Arqueológicas Aplicadas (pesquisa realizada na Universidade de Barry, Miami, Flórida), o alvo de nosso programa de pesquisa e desenvolvimento a longo prazo não era acadêmico. Isto explica porque uma literatura científica muito pequena está disponível a respeito de geopolímeros. A maioria das referências que divulgam esta aplicação de mineralogia pertence à literatura de patentes. As aplicações desta nova família de ligantes minerais foram testadas em instalações fabris experimentais, na União Europeia e nos EUA. Muitos alcançaram um bom estágio industrial. LONE STAR INDUSTRIES (EUA): uma nova classe de cimentos especiais e cimentos compostos (Cimentos PYRAMENT); HÜLS TROISDORF AG (Alemanha): produtos para construção e usos industriais, ligantes TROLIT; GEOPOLYMERE Sarl (França): ligantes minerais avançados para ambientes severos, resinas estáveis à temperatura para moldes e formas, ligantes GEOPOLYMITE, compósitos cerâmicos GEOPOLYCERAM. 2. Terminologia Para a designação química dos geopolímeros baseados em sílico-aluminatos, o polissialato foi sugerido. Sialato é um abreviação para sílico-óxidoaluminato. A rede de sialato consiste de tetraedros SiO 4 e AlO 4 ligados alternadamente compartilhando todos os oxigênios. Os íons positivos (Na +, K +, Li +, Ca ++, Ba ++, NH 4+, H 3 O + ) devem estar presentes nas cavidades da estrutura para balancear a carga negativa do Al 3+ em número de coordenação IV. Os polissialatos apresentam a seguinte fórmula empírica: M n {-(Si ) z -Al } n, wh 2 O No qual M é um cátion como potássio, sódio ou cálcio, e n é o grau de policondensação; z é 1, 2, 3. Os polissialatos são polímeros em cadeias ou anéis com Si 4+ e Al 3+ em número de coordenação IV com oxigênio e com microestrutura amorfa a semicristalina. Algumas estruturas relacionadas são mostradas na Figura 1. Os compostos geopoliméricos envolvidos em materiais desenvolvidos para aplicações industriais são cristalinos ou não-cristalinos (estrutura amorfa ou vítrea). Polissialato cristalino M n -(-Si-O-Al-O-) n e polissiloxossialato M n -(-Si-O-Al-O-Si-O-) n resultam de condições de cura hidrotérmicas, visto que o endurecimento em temperatura ambiente induz a estruturas amorfas ou vítreas. O grau de desordem em um geopolímero pode ser 2

3 Figura 1: Gráficos moleculares por computador das cadeias poliméricas polissialato M n -(-Si-O-Al-O-) n e polissiloxossialato M n -(-Si-O-Al-O-Si-O-) n, e estruturas relacionadas. deduzido por observações da maneira como os raios X difractram para formar um padrão de difração. No estado não-cristalino, a difração de raios X resulta em um halo difuso amplo em vez de picos acentuados de difração. Diversos materiais geopoliméricos de interesse prático são não-cristalinos. Esta estrutura não pode ser investigada somente pelos difractogramas de raios X. A espectroscopia de ressonância magnética nuclear (RMN-RAM) fornece uma visão sobre a estrutura molecular. 3. Polissialato cristalino (Si-O-Al-O-) n Com o precursor geopolimérico caulinita Si 2 (OH) 4, policondensação hidrotérmica a 150 C/5-10 MPa com NaOH produz sodalitas bem cristalizadas à base de polissialato de sódio Na-PS (Si 2 O 4 O 4,2Na),3H 2 O, no tempo de 20 segundos de acordo com o esquema apresentado na Figura 2. Figura 2: Policondensação hidrotérmica do polissialato de sódio. A unidade estrutural da zeólita A é idêntica ao do polissialato de sódio e baseia-se na estrutura da sodalita (Figura 3). A estrutura tridimensional evolui a partir da policondensação do dímero: ciclo-dissialato (CDS). Para a zeólita A a unidade de condensação principal é o tetrâmero ciclotetrassialato que é formado na solução antes da cristalização. O geopolímero K-PS, polissialato de potássio resulta da policondensação com KOH em 3

4 vez de NaOH. Figura 3: Tipos estruturais da zeólita A e polissialato de sódio Em 1976, o óxido de aluminossilicato (Si 2 ), precursor geopolimérico extremamente reativo, foi utilizado na fabricação de painéis e telhas. Mas as condições experimentais que controlam o endurecimento da pasta cerâmica, 150 C/15 MPa, não favorecem qualquer formação de cristais individuais, como é geralmente o caso para a preparação de espécies zeolíticas. Ao contrário, obtém-se um corpo cerâmico microporoso duro. Padrões de difração de raios X (Figura 4) sugerem uma estrutura que compreende uma mistura de Na- PS e alguma zeólita A, por curto tempo de reação (10/15 min). Com mais tempo de reação, min, somente o Na-PS mais denso é formado. géis de sílico-aluminatos para ser cristalizado em um sistema hidrotérmico fechado em temperaturas variando em geral da temperatura ambiente para cerca de 175 C. Em alguns casos, temperaturas maiores que 300 C são usadas. A pressão é geralmente a pressão autógena aproximadamente equivalente à pressão de vapor saturado (svp) da água em temperatura designada. O tempo requerido para cristalização varia de poucas horas a vários dias. O tempo de maturação em temperatura ambiente é 24 horas; o tempo de cristalização a 100 C de 50 a 100 horas. Para o sistema K 2 O- Al 2 O 3 -Si, as temperaturas de cristalização variam de 150 C a 230 C. Ver Figura 5. Figura 4: Difractogramas de raios X para corpos cerâmicos obtidos com o óxido de aluminossilicato (Si 2 ); aumentando o tempo de reação. Os valores típicos para a Zeólita A são mostrados somente pelo tempo padrão de reação de 10 minutos. 4. Polissiloxossialato amorfo (Si-O-Al- O-Si-O)n, (Na,K)-PSS, (Ca,K)-PSS e K-PSS Sabe-se que o mecanismo da formação das espécies zeolíticas cristalinas com razão Si/Al > 2 requer Figura 5: As escalas de temperatura da cristalização para o sistema K 2 O-Al 2 O 3 -Si. Aos ligantes geopoliméricos geralmente não se aplicam estas condições hidrotérmicas. No entanto, em alguns casos, condições hidrotérmicas podem ser encontradas no processo de fabricação de compósitos reforçados com fibras especiais, que exigem uma temperatura de cura relativamente mais elevada entre C. Um mecanismo de endurecimento envolve entre outros a reação química dos precursores geopoliméricos, como os óxidos de aluminossilicatos (Al 3+ em número de coordenação IV) com polissilicatos alcalinos produzindo ligações poliméricas Si-O-Al. A fim de enfatizar o número de coordenação IV do Al nós 4

5 usualmente escrevemos (Si 2, Al 2 ) n para esses óxidos de aluminossilicatos específicos em vez de (2Si, Al 2 O 3 ). A fabricação do (Si 2, Al 2 ) n é realizada (a) calcinando os hidróxidos de aluminossilicatos (Si 2, Al 2 (OH) 4 ), ou (b) pela condensação de vapores de SiO e de Al 2 O: (a) 2(Si 2 (OH) 4 ) -> 2(Si 2 ) n + 4H 2 O (b) 4SiO (vapor) + 2Al 2 O (vapor) + 4 -> (Si 2 ) n Com produção também de: 2SiO + -> 2Si (Sílica ativa condensada) policondensação de vários aluminossilicatos alcalinos presentes nos ligantes GEOPOLYMITE, são realmente sob raios X materiais amorfos que são difíceis de caracterizar. Os padrões de difração de raios X sugerem, entretanto que o (Na,K)-PSS, (Ca,K)- PSS e K-PSS consistem de sistemas desordenados de materiais de ordem de curto alcance com estruturas similares aos vidros feldspáticos ou zeólitas cristalinas. Difractogramas de raios X para diversas amostras de K-PSS e (Na,K)-PSS, descritas na Tabela 1, são mostradas na Figura 6. Eles revelam que o material tem um pico de halo difuso de cerca de 3,05-3,30A ( Θmax, Cu Kα). Al 2 O + -> Al 2 O 3 (Coríndon) A geopolimerização é exotérmica e pode ser esquematizada como se segue. Ela pode ser considerada como o resultado da policondensação de monômeros hipotéticos imóveis, os íons de ortossialato: Figura 6: Difractogramas de raios X para ligantes (Na,K)-PSS e K-PSS da Tabela 1. Tabela 1: 2Θmax para ligantes (Na,K)-PSS e K-PSS. Supôs-se que as sínteses são realizadas através de oligômeros (dímero, trímero) que fornecem as unidades de estrutura reais da formação macromolecular tridimensional. 4.1 Difração de raios X O ( Na, K)- PSS e o K- PSS que resultam da A comparação dos valores de 2Θmax para o (Na,K)- PSS e K-PSS (Tabela 1) com os valores do pico de difração 2Θmax para estruturas de sílico-aluminatos cristalinos naturais e sintéticos (Tabela 2) revela que os ligantes (Na,K)-PSS e K-PSS são os equivalentes amorfos dos principais sílico-aluminatos de estrutura cristalina, exceto hidrossodalita e analcima. A hidrossodalita com sua típica cadeia sodalita, rede polissialato (Si-O-Al-O) n, não é representante dos 5

6 ligantes GEOPOLYMITE. Tabela 2: 2Θmax (pico de difração) para algumas estruturas de sílicoaluminatos naturais e sintéticos. Tabela 3: Coordenação do Al em sílico-aluminatos e mudança química do 27 Al após De Jong e outros. Deve ser observado que estes resultados sejam de acordo com o mecanismo químico estabelecido para as espécies polissiloxossialato (Si-O-Al-O-Si-O) n. A estrutura tridimensional atribuída ao (Na, K)-PSS é a phillipsita e para os geopolímeros K-PSS é a leucita. A experiência prática sugere que a formação da estrutura da analcima exige a presença de íons Ca ++ solúveis em complemento a íons Na ++ e K +. A cristalização dentro da estrutura da analcima também pode ser induzida pela adição de cargas que atuam como núcleos de cristalização. 4.2 Espectroscopia de Ressonância Magnética Nuclear, RMN-RAM de alta resolução A espectroscopia RMN-RAM com rotação no ângulo mágico fornece dados úteis estruturais para espécies sílico-aluminatos (zeólitas, argilas, cerâmicas, cimentos, geopolímeros). Em particular, estudos de RMN-RAM do 29 Si e 27 Al representam uma ferramenta muito poderosa Espectroscopia RMN-RAM do 27 Al Investigações anteriores mostraram que em ânions de aluminatos, o alumínio tetracoordenado (em relação ao oxigênio) ressoa em ppm, e que em sílico-aluminatos, o alumínio tetracoordenado ressoa em cerca de 50 ± 20 ppm, enquanto o alumínio hexacoordenado ressoa em cerca de 0 ± 10 ppm a partir de [Al(H 2 O) 6 ] 3+ (Tabela 3). A regra de Loewenstein estabelece que, sempre que dois tetraedros estão ligados por uma ponte de oxigênio, apenas uma poderá ser ocupada por Al e, portanto, não pode haver pontes Al-O-Al. Na ausência de ligações Al-O-Al o ambiente de cada átomo de Al é Al(4Si). A regra de Loewenstein é obedecida em ânions de aluminossilicatos. A exclusão de ligações Al-O-Al define o número de possibilidades de cinco unidades estruturais AlQ n (nsi) com n = 0, 1, 2, 3 e 4. Foram identificadas várias ressonâncias nos espectros e a interpretação proposta para as diversas linhas é que, na série em que AlQ denota o átomo de Al central tetracoordenado e as correspondentes unidades de construção elementares, a mudança química diminui conforme estabelecido na Tabela 4. Algumas unidades geopoliméricas típicas AlQ n (nsi) são mostradas na Figura 7. A espectroscopia de RMN-RAM do 27 Al de todos os (Na, K)-PSS e K-PSS mostrou mudanças químicas no intervalo de 55 ppm a partir de [Al(H 2 O) 6 ] 3+ idêntico ao espectro mostrado na Figura 8, que indica que o alumínio é do tipo AlQ 4 (4Si) e é coordenado tetraedricamente. A ausência de qualquer outra ressonância e o pico extremamente estreito em 55 ppm, exclui quaisquer unidades estruturais singulares residuais de baixo peso molecular, tais como dímeros e trímeros. (Na, K)-PSS e K-PSS são verdadeiros sílico-aluminatos de estrutura 6

7 tridimensional com unidades estruturais poliméricas. Tabela 4: AlQ n e unidades estruturais correspondentes com mudança química do 27 Al a partir de [Al(H 2 O) 6 ] 3+. significa que se trata de um ambiente organizado diferente da parte desordenada principal da matriz. Ressonâncias amplas são geralmente encontradas em géis zeolíticos, antes da cristalização das zeólitas. Fig. 7 Unidades estruturais AlQ n (nsi) envolvidas em reações geopoliméricas. No entanto, a RMN-RAM do 27 Al não pode diferenciar entre as várias estruturas propostas para os materiais geopoliméricos basedos em unidades estruturais poliméricas do tipo polissialato (Si- O-Al-O-) n, polissiloxossialato (Si-O-Al-O-Si-O-) n ou polidissiloxossialato (Si-O-Al-O-Si-O-Si-O-) n. Essa diferenciação pode ser realizada com a espectroscopia de RMN-RAM do 29 Si. Figura 9 Espectro de RMN-RAM para o K-PSS (ligante GEOPOLYMITE) Um estudo anterior mostrou que a mudança química do 29 Si em um ambiente amorfo ou altamente desordenado é acrescido em cerca de 5 ppm. As ressonâncias encontradas para o 29 Si no K-PSS "desordenado" são -81,5 ppm, -87 ppm e -94,5 ppm; para as mudanças químicas do 29 Si "ordenado" de 86,5 ppm, -92 ppm, -99,5 ppm, que pode ser atribuído a Q(4Al), Q(3Al) e Q(2Al), respectivamente (ver Figura 10). A ressonância Q(4Al) não implica necessariamente na presença de espécies do tipo polissialato (Si-O-Al-O) (caliofilita, por exemplo) que podem resultar da policondensação de (Si 2, Al 2 ), sem inter-reação com Si, como sugerido acima. Figura 8 Espectro de RMN-RAM do 27 Al para o K-PSS Espectroscopia RMN-RAM do 29 Si Como apresentado na Figura 9, o K-PSS dá uma ampla ressonância em -94,5 ppm associada a um sinal em -87 ppm, uma ressonância pequena em -81,5 ppm, e um pequeno pico em -79 ppm. A ressonância posterior em -79 ppm é estreita, o que Figura 10 - Intervalos de mudanças químicas do 29 Si para blocos estruturais Si(nAl) em estruturas de aluminossilicatos. 7

8 Na verdade, sílico-aluminatos com uma relação atômica Si/Al > 2 geralmente apresentam várias ressonâncias do 29 Si sugerindo que os tetraedros Si e Al não são regularmente ordenados ao longo das cadeias poliméricas. A Tabela 5, mostra dados da RMN-RAM do 29 Si para diversos sílico-aluminatos naturais e sintéticos que mostram claramente a presença de todas as posições do Q(nAl) dentro das estruturas. Por outro lado, os sílico-aluminatos com razão atômica Si/Al = 1, só exibem as posições Si(4Al). termorrígidas, mas são estáveis até C. As resinas geopoliméricas (Geopolymite) comercialmente disponíveis em junho de 1990 são apresentadas na Tabela 6. Tabela 6: Resinas geopoliméricas e aplicações. Tabela 5: Espectro de RMN-RAM do 29 Si de espécies zeolíticas. O espectro de RMN-RAM do 29 Si sugere que o modelo estrutural do K-PSS pode ser atribuído à leucita hidratada, de acordo com o mecanismo químico sugerido em estudos anteriores. A mudança do 29 Si estreita em -79 ppm está relacionada aos nesossilicatos (Q 0, Q 1 ), silicatos monoméricos ou diméricos. Conforme mencionado anteriormente, isto poderia ser o resultado da pós-solubilização do Si sólido (sílica ativa), que se foi digerido durante a formação da matriz secundária K-PSS. 5. Propriedades físicas e térmicas Os materiais geopoliméricos são polímeros, deste modo se transformam, policondensam e adotam uma configuração rapidamente em baixas temperaturas (algumas horas a 30 C, poucos minutos a 85 C e alguns segundos em forno micro-ondas); mas também geopolímeros, assim, eles são materiais minerais que são duros, resistentes a intempéries e que suportam altas temperaturas. Para resumir: eles são utilizados apenas como resinas orgânicas Os materiais geopoliméricos de ferramentaria mais modernos são os geopolímeros polidissiloxossialato, M-PSDS, e fluoro-polidissiloxossialato, (F,M)-PSDS. Os geopolímeros (F,M)-PSDS, os mais promissores das resinas de ferramentaria, resulta da conjugação de duas técnicas avançadas: geopolimerização e tecnologia sol-gel. Os geopolímeros (F,M)-PSDS [Patentes Pendentes] compreendem uma rede geopolimérica formada de polidissiloxossialato associada com óxido de silício molecular Si incorporado na matriz. O Si molecular preso produz uma baixa porosidade, microestrutura altamente compactada, com maior densidade (ver Figura 11). Como apresentado na Figura 12, Tabela 7 e Figura 13, as propriedades físicas dos geopolímeros, tais como temperatura de fusão e coeficiente de 8

9 expansão térmica CTE, são uma função da relação Si/Al. com a quantidade de óxido de silício molecular Si compactado dentro da rede geopolimérica tridimensional. Figura 13 Coeficiente de expansão térmica para geopolímeros e materiais de ferramentaria. Tabela 7: Coeficiente de expansão térmica (CTE) para geopolímeros. As resinas Geopolymite são projetadas para equiparar-se com o CTE do aço, que lhes permitem ser usadas com inserções de aço ou armações, ou terem um CTE equiparado ao de outro metal, peças de epóxi/fibra de carbono, ou quaisquer resinas orgânicas. Formulações de materiais geopoliméricos moldáveis variam no grau de expansão térmica. A Figura 13, apresenta uma comparação entre o coeficiente de expansão térmica (CTE) para materiais tradicionais e para geopolímeros (tipos K-PSS, K-PSDS, F, M- PSDS). Os valores do CTE medidos para geopolímeros são aqueles das resinas comercialmente disponíveis Geopolymite, sem qualquer carga adicional. Os valores do CTE são em função da razão Si/ Al conforme mostrado na Tabela 7. No caso das formulações F,M-PSDS, os valores do CTE aumentam 6. Exemplos de aplicações 6.1 M a t e r i a i s t i p o c e r â m i c a : C u r a geopolimérica em baixa temperatura da cerâmica. A cura geopolimérica em baixa temperatura (L.T.G.S.) ocorre em condições alcalinas através de um precursor oligossialato (-Si-O-Al-O-) (Na) em concentrações de 2 a 6% em peso da massa cerâmica. Em temperaturas de secagem (50 C a 250 C) a caulinita em argilas é transformada por LTGS em um composto tridimensional do tipo 9

10 sodalita polissialato Na-PS, estável à água e que possue alta resistência mecânica (Figura 14). Figura 14 L.T.G.S. sobre solos cauliníticos. Resistência mecânica à compressão em MPa para terra caulinítica geopolimerizada e não-tratada (com 3% em peso de Na 2 O equivalente). Temperatura de cura entre 20 C e 1000 C. O LTGS pode dramaticamente aumentar e modernizar a indústria de cerâmica tradicional. Uma vez geopolimerizado em PCDS (Na-policiclodissialato) ou PCTS (K-policiclotrissialato), a C, os corpos cerâmicos podem ser queimados muito rapidamente a 1000 C-1200 C, para produzir uma cerâmica de alta qualidade (Figura 15). da matriz geopolimérica, assim como age como um ligante para converter resíduos semissólidos em um adesivo sólido. Elementos perigosos presentes na mistura de materiais residuais com compostos geopoliméricos estão "presos" na estrutura tridimensional da matriz geopolimérica. (Fig. 16 e Fig. 17). Concretos e argamassas antigos demonstraram uma excepcional durabilidade de cimentos zeolíticos, análogos aos geopolímeros sintéticos discutidos aqui, e são indicativos da resistência à erosão, que pode ser esperado dos cimentos geopoliméricos modernos. As relações molares dos óxidos Al 2 O 3 /M 2 O (onde M é sódio ou potássio) no intervalo de 1,5 a 4,0 são sugeridas como ideais para a estabilidade a longo prazo. Figura 15 - Fabricação de telhas cerâmicas; consumo de energia em kcal/kg de telha de métodos atuais, rápidos e geopolimerizados e queima a 1000 C-1200 C. 6.2 Gerenciamento de resíduos tóxicos Materiais zeolíticos são conhecidos por suas habilidades para absorver resíduos químicos tóxicos. Os geopolímeros têm um comportamento semelhante às zeólitas e feldspatoides. Eles imobilizam resíduos perigosos elementares dentro 10

11 6.3 Ligantes e concretos geopoliméricos Os ligantes geopoliméricos foram introduzidos com sucesso na indústria. Eles produzem produtos minerais sintéticos com propriedades como superfícies duras (4-7 na escala Mohs), estabilidade térmica, e superfície altamente lisa e moldabilidade precisa. Estes produtos são úteis para ferramentaria, para moldagem de objetos de arte, cerâmicas e similares, e como materiais de construção. Session of the International Panel on Climate Change (IPCC), Washington, D.C., fevereiro de 1990, apoiou a proposta de reduzir as emissões de dióxido de carbono em 20% até A Suécia já adotou a legislação para congelar os níveis de emissões de dióxido de carbono em O ministro do meio ambiente da Alemanha Ocidental disse que vai propor que a Alemanha Ocidental corte suas emissões de dióxido de carbono em 25% até Espera-se que as emissões de C possam ser reduzidas substancialmente, reduzindo o uso de combustíveis fósseis e através de novas tecnologias e conservação de energia. No entanto, as emissões de C resultantes de reações químicas continuarão a crescer com o desenvolvimento industrial. Este é especificamente o caso da fabricação de cimento Portland. O cimento (cimento Portland comum) resulta da calcinação do calcário (carbonato de cálcio) e material sílicoaluminoso de acordo com a reação: Figura 18 Retenções de resistência a retenções em temperaturas elevadas para concretos feitos com cimentos Portland (Portland I, Portland III), cimento composto de geopolímero/ Portland (Pyrament) e geopolímeros K-PSS (Geopolymite 711), (K,Ca)-PSS (Geopolymite 50). Endurecimento em temperatura ambiente. Figura 19 Endurecimento em temperatura ambiente para concretos feitos de cimentos geopoliméricos (GEOPOLYCEM) e cimentos Portland. 6.4 Concretos geopoliméricos e o desafio do efeito estufa e aquecimento global A maioria dos 67 países participantes da 3 rd Plenary 5CaCO 3 + 2Si => (3CaO,Si )(2CaO,Si ) + 5C A produção de 1 tonelada de cimento gera 0,55 tonelada de C e precisa da combustão de combustível de carbono em 0,40 tonelada de C. Para simplificar: 1 t de cimento = 1 t de C. Em 1988 a produção mundial de 1 bilhão de toneladas métricas de cimento, responsável por 1 bilhão de toneladas métricas de C, ou seja, 5% da emissão mundial de C de Isto é equivalente ao C gerado por toda atividade japonesa. O desenvolvimento industrial está fortemente associado com o aumento da produção de cimento e concreto. A Figura 20 apresenta a produção mundial anual de cimento, e de C até o ano de Um congelamento da produção ao nível recomendado 11

12 pela Suécia em ou a redução de 20% em significa uma mudança drástica nos sistemas cimentícios envolvidos na utilização de concreto. Os concretos devem usar menos cimentos à base de cálcio, sendo este último substituído por materiais similares ou de melhores propriedades cimentícias. Os concretos geopoliméricos, materiais cimentícios à base de sódio e potássio, devem prover a resposta para esta questão. materiais de reforço atualmente no mercado. Uma vasta gama de reforços inorgânicos resistentes à alcalinidade foi combinado com matrizes geopoliméricas, em particular a fibra SiC, com experiências na indústria de compósitos/plásticos reforçados, e tem sido produzido sem queima, sem fumaça, sem toxidade, benefícios dos compósitos avançados cerâmicos, sem que a indústria utilize altas temperaturas, alto processamento de energia. Talvez a área de crescimento mais rápida seja a de ferramentaria de compósito/geopolímero, Geopolyceram. A relação entre a temperatura de operação, resistência à flexão e tipo de fibra, é apresentado na Figura Compósitos de matriz cerâmica reforçados com fibras em temperatura ambiente Em 1982 iniciamos o desenvolvimento do conceito de um compósito de matriz geopolimérica. O objetivo era fabricar ferramentas de moldagem e moldes, para substituir ferramentas de metal para a produção de pequenas séries na indústria de processamento de plástico e indústria de fundição. Estabelecendo como nosso objetivo a fabricação de compósitos de ferramentaria de alto desempenho, começamos a pesquisa básica que visa proporcionar novas resinas geopoliméricas provendo uma viscosidade muito baixa e alta resistência mecânica, e estudamos o comportamento de diferentes Tecidos E-glass e de carbono devem ser utilizados até 450 C (842 F) com a matriz F, M-PSDS. Temperaturas mais elevadas requerem fibras cerâmicas 12

13 como SiC, tecidos Nicalon, ou fibras de óxido de alumínio Safil. Em todos os casos, em uma temperatura de utilização superior a 700 C (1292 F) implica uma matriz M-PSDS. Tabela 8 Comparação entre o Geopolyceram fibra SiC / compósito K-PSS Geopolymite e compósitos matriz cerâmica/fibra SiC. 13

Geopolímero para principiantes

Geopolímero para principiantes Geopolímero para principiantes Prof. Joseph Davidovits... Inventei os geopolímeros em 1979, mas já havia começado em 1972. Nessa época, por causa da Cortina de Ferro; eu não sabia que outros colegas trabalhavam

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

Ferramentas científicas: raios X, FTIV, RMN

Ferramentas científicas: raios X, FTIV, RMN 4 Ferramentas científicas: No curso nº 4, aprenderemos as três principais ferramentas científicas: raios X, infravermelho e espectroscopia de ressonância magnética nuclear; não incluí o microscópio eletrônico.

Leia mais

Problemas práticos relativos à produção em massa do cimento geopolimérico

Problemas práticos relativos à produção em massa do cimento geopolimérico Problemas práticos relativos à produção em massa do cimento geopolimérico No Geopolymer Camp, de 1 a 3 julho de 2009, em Saint-Quentin, França, o prof. Joseph Davidovits apresentou questões-chave sobre

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais

Novos produtos semiindustriais

Novos produtos semiindustriais Novos produtos semiindustriais Patrik Boura - Czech Development Agency, Praga Eu tenho a honra de compartilhar com vocês os resultados que nós atingimos desde o ano passado, e eu acredito que vai trazer

Leia mais

Disciplina MAF 2130 Química Aplicada Turma A02

Disciplina MAF 2130 Química Aplicada Turma A02 Disciplina MAF 2130 Química Aplicada Turma A02 1 CIÊNCIAS DOS MATERIAIS Profa. Dra. Adélia Lima Email: amlsilva0603@gmail.com à Química Aplicada 2 A disciplina Química Aplicada aborda os conteúdos básicos

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

Cimento Portland versus Ligantes Geopoliméricos

Cimento Portland versus Ligantes Geopoliméricos Cimento Portland versus Ligantes Geopoliméricos Considerações econômicas sobre as implicações do mercado de carbono no custo dos concretos Sumário Com a entrada em vigor do Protocolo de Kyoto, teve início

Leia mais

Quando tratamos das propriedades de um material transformado, segundo muitos pesquisadores, estas dependem de uma reciclagem bem sucedida. Para que isto ocorra, os flocos de PET deverão satisfazer determinados

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

CONCRETOS REFRATÁRIOS PARA CIMENTO E CAL: EVOLUÇÃO, PROPRIEDADES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO. Waldir de Sousa Resende IBAR LTDA

CONCRETOS REFRATÁRIOS PARA CIMENTO E CAL: EVOLUÇÃO, PROPRIEDADES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO. Waldir de Sousa Resende IBAR LTDA VII ERUR ENCONTRO DE REFRATÁRIOS E USUÁRIOS DE REFRATÁRIOS CONCRETOS REFRATÁRIOS PARA CIMENTO E CAL: EVOLUÇÃO, PROPRIEDADES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO Waldir de Sousa Resende IBAR LTDA RESUMO Definição Concretos

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

Leis Ponderais e Cálculo Estequiométrico

Leis Ponderais e Cálculo Estequiométrico Leis Ponderais e Cálculo Estequiométrico 1. (UFF 2009) Desde a Antiguidade, diversos povos obtiveram metais, vidro, tecidos, bebidas alcoólicas, sabões, perfumes, ligas metálicas, descobriram elementos

Leia mais

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Prof.: Mayara Moraes CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA TIPO CP XXX RR Cimento Portland Composição Classe - Resistência aos 28 dias(mpa) SIGLA Ex.:

Leia mais

Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás

Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás 5 Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás Nos últimos anos a investigação da estrutura eletrônica de nanotubos de carbono têm atraído crescente interesse, e recentemente a síntese de nanotubos

Leia mais

Reações a altas temperaturas. Diagrama de Equilíbrio

Reações a altas temperaturas. Diagrama de Equilíbrio Reações a altas temperaturas Diagrama de Equilíbrio Propriedades de um corpo cerâmico Determinadas pelas propriedades de cada fase presente e pelo modo com que essas fases (incluindo a porosidade) estão

Leia mais

Apostila de Química Geral

Apostila de Química Geral Cursinho Vitoriano UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Câmpus de São José do Rio Preto Apostila de Química Geral Período noturno Ligações químicas interatômicas Vanessa R.

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém cinco

Leia mais

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto.

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto. Ficha de Produto Edição 02/09/2010 Identificação n 02 04 01 04 001 0 000001 Sikadur 30 Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação Características / Vantagens Testes Sikadur

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes.

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Histórico A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Os romanos chamavam e sse s materiais de " caeme ntu m", termo

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Idade do concreto. Verificação da resistência. Módulo de

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 03 Síntese do Oxalato

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

RESINA POLIÉSTER INSATURADO, ISOFTÁLICA, MÉDIA REATIVIDADE

RESINA POLIÉSTER INSATURADO, ISOFTÁLICA, MÉDIA REATIVIDADE BOLETIM TÉCNICO COMMODITIES ARAZYN 11.0 - BOLETIM TECNICO DA FAMILIA ARA QUÍMICA S/A. RUA ARTHUR CÉSAR, 200 18147-000 ARAÇARIGUAMA SP BRASIL TEL: 0 (XX) 11 4136 1900 BTE DOCUMENTO 000136 RESINA POLIÉSTER

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Ana Paula Alves da Silva 1, a, Aline Resmini Melo 1,b, Carolina Resmini Melo 1,c. 1 Engenharia

Leia mais

Aluminas hidratadas e calcinadas Desenvolvidas com o mais rigoroso controle de processo e qualidade

Aluminas hidratadas e calcinadas Desenvolvidas com o mais rigoroso controle de processo e qualidade Aluminas hidratadas e calcinadas Desenvolvidas com o mais rigoroso controle de processo e qualidade A Fórmula da Produtividade As aluminas hidratadas Alcoa são empregadas na produção de policloreto de

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii)

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 09 Síntese do cloreto

Leia mais

Refratários não formados

Refratários não formados Refratários não formados Os não formados são os que não apresentam forma física definida e são constituídos pelos concretos, massas de socar, plásticos e argamassas, que podem ser fornecidos em baldes,

Leia mais

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR LIGAÇÕES QUÍMICAS 5 TEORIA CORPUSCULAR 1 INTRODUÇÃO O fato de os gases nobres existirem na natureza como átomos isolados, levou os cientistas KOSSEL e LEWIS a elaborar um modelo para as ligações químicas.

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

Materiais Compósitos

Materiais Compósitos Materiais Compósitos Introdução Material que combina propriedades complementares btenção de propriedades que não se conseguem com os componentes isolados. São combinações de pelo menos dois materiais distintos,

Leia mais

Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais

Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí VII Jornada Científica 21 a 23 de outubro de 2014 Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais Warley Alves Coutinho CHAVES

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos;

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g (ACAFE) Foi dissolvida uma determinada massa de etanol puro em 200 g de acetona acarretando em um aumento de 0,86 C na temperatura de ebulição da acetona. Dados: H: 1 g/mol, C: 12 g/mol, O: 16 g/mol. Constante

Leia mais

Concretos antigos e modernos: Qual é a real diferença?

Concretos antigos e modernos: Qual é a real diferença? Concretos antigos e modernos: Qual é a real diferença? Muitos estudiosos da arquitetura antiga são surpreendidos pela vasta diferença na qualidade entre as estruturas originais e os reparos mais recentes.

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Uma das formas mais empregadas para produção

Leia mais

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Coimbra, 29 e 30 de Março 2012 Índice Enquadramento Norma NP EN 459 Matérias primas Composição Características Produto

Leia mais

Tempo de secagem: 30 minutos a 1 hora Tempo de cura: 18 a 24 horas

Tempo de secagem: 30 minutos a 1 hora Tempo de cura: 18 a 24 horas COLAS Conhecer os diversos tipos de materiais é muito importante para o desenvolvimento de um cosplay. Nesse tutorial vamos conhecer um pouco do universo das colas. Encontramos no mercado uma infinidade

Leia mais

PIROMETALURGIA. Prof. Carlos Falcão Jr.

PIROMETALURGIA. Prof. Carlos Falcão Jr. Prof. Carlos Falcão Jr. 2Al(OH) 3 Al 2 O 3 + 3H 2 O(vapor) 1200ºC INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS 1.1) Ustulação Processo metalúrgico conduzido a altas temperaturas, mas não ocorrendo fusão parcial

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

Tecnol. Mecânica: Produção do Gusa Introdução: conhecimentos tecnológicos que faltavam ao homem da antiguidade:

Tecnol. Mecânica: Produção do Gusa Introdução: conhecimentos tecnológicos que faltavam ao homem da antiguidade: Introdução Você já parou para imaginar um mundo sem coisas simples como facas, agulhas de costura, chaves, fechaduras, alfinetes lâminas de barbear? Pois é, não faz muito tempo, na verdade cerca de 500

Leia mais

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Agregados para concreto Os agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X

DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X Disciplina: Engenharia de Proteínas Ma. Flávia Campos Freitas Vieira NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS Fonte: Lehninger, 2010.

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 01 Propriedades e aplicação dos materiais H55/H56 02 Propriedades específicas, físicas

Leia mais

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO Prof. Ricardo

Leia mais

Leis Históricas da Estequiometria

Leis Históricas da Estequiometria Estequiometria A proporção correta da mistura ar-combustível para o motor de uma carro de corrida pode ser tão importante quanto a habilidade do piloto para ganhar a corrida. As substâncias químicas, como

Leia mais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Trabalho realizado por: Leonardo Vieira R. da Silveira Marcelo Henrique G. Bueno Ralf Marcelo. S. de Oliveira Professor: Renato de Sousa Dâmaso Disciplina:

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

Ficha Técnica de Produto

Ficha Técnica de Produto Ficha Técnica de Produto GLENIUM 3400 NV Aditivo hiperplastificante. GLENIUM 3400 NV é um aditivo com alto índice de redução de água, pronto para o uso. O GLENIUM 3400 NV é uma nova geração de aditivos

Leia mais

01) (ACAFE) O grupo de átomos que é encontrado na forma monoatômica pelo fato de serem estáveis é:

01) (ACAFE) O grupo de átomos que é encontrado na forma monoatômica pelo fato de serem estáveis é: 01) (ACAFE) O grupo de átomos que é encontrado na forma monoatômica pelo fato de serem estáveis é: a) Halogênios b) Calcogênios c) Metais Alcalinos Terrosos d) Metais Alcalinos e) Gases Nobres 02) (UFF-RJ)

Leia mais

www.professormazzei.com Assunto: TERMOQUÍMICA Folha 3.1 Prof.: João R. Mazzei

www.professormazzei.com Assunto: TERMOQUÍMICA Folha 3.1 Prof.: João R. Mazzei 01- (FUVEST-1994) Considere a reação de fotossíntese (ocorrendo em presença de luz e clorofila) e a reação de combustão da glicose representadas a seguir: 6CO (g) + 6H O(l) ë C H O (s) + 6O (g) C H O (s)

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO IX Olimpíada Capixaba de Química 2011 Prova do Grupo II 2 a série do ensino médio Fase 02 Aluno: Idade: Instituição de Ensino: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2011-2 GABARITO DA PROVA DISCURSIVA DE QUÍMICA

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2011-2 GABARITO DA PROVA DISCURSIVA DE QUÍMICA UFJF CNCURS VESTIBULAR 2011-2 GABARIT DA PRVA DISCURSIVA DE QUÍMICA Questão 1 Sabe-se que compostos constituídos por elementos do mesmo grupo na tabela periódica possuem algumas propriedades químicas semelhantes.

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES ACAL 1. Definição. Generalidades. Características Gerais. Classificação. 2. Aglomerantes

Leia mais

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita)

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. MATERIAIS: DIVERSIDADE E CONSTITUIÇÃO 1.1 Materiais 1.1.1 Materiais

Leia mais

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 Há uma diferença fundamental entre as funções de estado, como T, P e U, e as variáveis de processo, como Q (calor) e W (trabalho), que são transientes

Leia mais

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum)

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) OPQ0001 Questões ENADE 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) Materiais metálicos, cerâmicos e poliméricos são amplamente utilizados nos dias de hoje. Suas aplicações estão diretamente relacionadas

Leia mais

Obtenção de benzeno a partir do gás natural utilizando catalisadores Fe-Mo/ZSM-5

Obtenção de benzeno a partir do gás natural utilizando catalisadores Fe-Mo/ZSM-5 Obtenção de benzeno a partir do gás natural utilizando catalisadores Fe-Mo/ZSM-5 L. P. MALLMANN 1 e O. W. P. LOPEZ 1 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Departamento de Engenharia Química E-mail

Leia mais

Resinas Vinil Híbridas - Baixo VOC e sustentabilidade inovando a fabricação de compósitos. André L. Oliveira

Resinas Vinil Híbridas - Baixo VOC e sustentabilidade inovando a fabricação de compósitos. André L. Oliveira Resinas Vinil Híbridas - Baixo VOC e sustentabilidade inovando a fabricação de compósitos André L. Oliveira Sustentabilidade O que são VOC? Sistemas livre de estirenos Resinas Vinil Híbridas Exemplos de

Leia mais

"A vantagem do alumínio"

A vantagem do alumínio "A vantagem do alumínio" Comparativo entre os Evaporadores para Amônia fabricados com tubos de alumínio e os Evaporadores fabricados com tubos de aço galvanizado Os evaporadores usados em sistemas de amônia

Leia mais

Estrutura de Sólidos Cristalinos. Profa. Dra Daniela Becker

Estrutura de Sólidos Cristalinos. Profa. Dra Daniela Becker Estrutura de Sólidos Cristalinos Profa. Dra Daniela Becker Bibliografia Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 3, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais,

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

Impacto Ambiental da Indústria Cimenteira e o Desenvolvimento de Novos Eco-Cimentos

Impacto Ambiental da Indústria Cimenteira e o Desenvolvimento de Novos Eco-Cimentos Seminário de Sustentabilidade da Cadeia Produtiva do Concreto Impacto Ambiental da Indústria Cimenteira e o Desenvolvimento de Novos Eco-Cimentos Mauricio Mancio mancio@ufrgs.br Seminário de Sustentabilidade

Leia mais

Ensino Médio Unidade Parque Atheneu. Professor (a): Me. DIOGO LOPES Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE QUÍMICA I

Ensino Médio Unidade Parque Atheneu. Professor (a): Me. DIOGO LOPES Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE QUÍMICA I Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Me. DIOGO LOPES Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE QUÍMICA I OBS: Sua lista semanal deverá ser respondida em folha de papel almaço, copiando

Leia mais

Ligações Químicas Ligação Iônica Ligação Metálica

Ligações Químicas Ligação Iônica Ligação Metálica Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Ligações Químicas Ligação Iônica Ligação Metálica Periodicidade O átomo é visto como uma esfera, onde só as

Leia mais

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO COMPARAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TIJOLO DE SOLO-CIMENTO INCORPORADO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROVENIENTES DE CATAGUASES - MG E O RESÍDUO DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DAS INDÚSTRIAS PERTENCENTES

Leia mais

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Testes para identificar a gravidez Como é possível identificar se uma mulher está grávida? Após os sintomas apresentados acima, normalmente

Leia mais

INFORMAÇÃO EXAME DA PROVA DE INGRESSO PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2015/2016

INFORMAÇÃO EXAME DA PROVA DE INGRESSO PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2015/2016 INFORMAÇÃO EXAME DA PROVA DE INGRESSO PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2015/2016 Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) Componente Específica de

Leia mais

15-09-2015. Química 12º Ano. Marília Peres Esc. Sec. José Saramago - Mafra. Chemistry is all about you! http://www.youtube.com/watch?

15-09-2015. Química 12º Ano. Marília Peres Esc. Sec. José Saramago - Mafra. Chemistry is all about you! http://www.youtube.com/watch? 12º Ano Esc. Sec. José Saramago - Mafra O que é a? Chemistry is all about you! http://www.youtube.com/watch?v=9ith8us-uju 2 1 O que é a? Orgânica Física Inorgânica Bioquímica Analítica... 3 O que é a?

Leia mais

LIS GUIMARÃES DE AZEREDO MELO

LIS GUIMARÃES DE AZEREDO MELO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA CURSO DE MESTRADO EM CIÊNCIA DOS MATERIAIS LIS GUIMARÃES DE AZEREDO MELO SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios. Prof. Gustavo Baldi de Carvalho

Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios. Prof. Gustavo Baldi de Carvalho Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios Prof. Gustavo Baldi de Carvalho Indústrias: Plásticos Cerâmica Metalúrgica Amplamente utilizado nas indústrias de plásticos, tintas, papel e cosméticos,

Leia mais

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira ADITIVOS 1. OBJETIVO Reforçar ou introduzir certas características 2. UTILIZAÇÃO Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira 3. FUNÇÕES BÁSICAS DOS ADITIVOS CONCRETO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL Porto Alegre, 21 de março de 2003. 1 - INTRODUÇÃO O carvão

Leia mais

Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons

Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons Maria Cecília Evora, Delmo Nishitsuji, Dr.Gerson Marinucci Dr. Leonardo Gondim de Andrade e Silva Objetivo Pesquisar e desenvolver

Leia mais

-Estrutura, composição, características. -Aplicações e processamento. -Tecnologias associadas às aplicações industriais.

-Estrutura, composição, características. -Aplicações e processamento. -Tecnologias associadas às aplicações industriais. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Teófilo Otoni - MG Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Tópicos : -Estrutura, composição, características.

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Conservação e Restauração

Leia mais

PAINÉIS CIMENTO-MADEIRA

PAINÉIS CIMENTO-MADEIRA CIMENTO-MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR - DETF INRODUÇÃO HISTÓRICO 1914 > Áustria > partículas excelsior + aglutinante (óxido magnésio + cloreto magnésio) 1928 > Alemanha > início > uso cimento portland

Leia mais

Projeto ACV Modular para Construção Brasileira

Projeto ACV Modular para Construção Brasileira MODULAR Projeto ACV Modular para Construção Brasileira Vanderley M. John (Poli USP) Flávio Pacca (EACH USP) Universidade de São Paulo A proposta a ser apresentada foi elaborada pelo Comitê de Materiais

Leia mais

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Materiais constituintes do Concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Adições Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: Egydio Herve Neto Dario Dafico Silvia Selmo Rubens Curti, 3/42 Adições Adições minerais são

Leia mais

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO (CAUSAS QUÍMICAS ATAQUE ÁLCALI/AGREGADO) Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 REAÇÕES ENVOLVENDO A FORMAÇÃO DE PRODUTOS EXPANSIVOS Ataque por sulfatos Ataque

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

POLÍMEROS POLIETILENO DE BAIXA DENSIDADE

POLÍMEROS POLIETILENO DE BAIXA DENSIDADE POLÍMEROS Os polímeros são macromoléculas formada pela união de pequenas unidades que se repetem, os monômeros. Existem basicamente dois tipos de polimerização: adição e condensação. Na polimeirzação por

Leia mais