CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa"

Transcrição

1 FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Katia Cristina Lopes de Paula / Arquitetura e Urbanismo Curso (s) : Arquitetura e Urbanismo Nome do projeto: ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE FÍSICA NAS ESCOLAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Nome do professor orientador: Kátia Cristina Lopes de Paula Nome do professor co-orientador: Maria Claudia Lorenzeti Correa Nome do coordenador(a) do Curso: Kátia Cristina Lopes de Paula Para a Fundação Educacional Regional Jaraguaense FERJ, mantenedora do Centro Universitário - Católica de Santa Catarina em Jaraguá do Sul e em Joinville, encaminhamos anexo, Projeto de Iniciação Científica a ser submetido ao Edital nº.../2014 Programa de Bolsas de Estudo da Educação Superior UNIEDU, da Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina, e declaramos nosso interesse e prioridade conferida ao desenvolvimento do projeto ora proposto, assim como nosso comprometimento de que serão oferecidas as garantias necessárias para sua adequada execução, incluindo o envolvimento de equipe, utilização criteriosa dos recursos previstos e outras condições específicas definidas no formulário anexo., de de 2014 Professor orientador Professor coorientador Coordenador do Curso 1

2 2 DESCRIÇÃO DO PROJETO Orientações para organização do texto( projeto): Fonte: Times New Roman ou Arial, 12. Espaçamento entre linhas simples, o texto deverá estar justificado. Todos os autores deverão estar corretamente citados no texto e descritos nas referências. Título do Projeto: Análise da Acessibilidade Física das Escolas estaduais de Santa Catarina Tipo de Projeto ( 12 meses ) (X) Apresentado pelo professor; Resumo do Projeto O ensino público representa o alicerce da democracia e a base fundamental para a superação das desigualdades sociais. Portanto, entende-se que o planejamento de espaços destinados ao ensino deva permitir o livre acesso de todos os segmentos da sociedade a todos os setores e níveis de aprendizado. Sustentamos que esse acesso não deveria significar apenas a possibilidade das camadas menos favorecidas da população chegarem à escola, mas também, a eliminação de quaisquer barreiras físicas e sociais às Pessoas com Deficiência (sensorial, física e mental, temporária ou permanente). Nossa pesquisa buscará mapear e produzir leituras preliminares de uma escola piloto, na cidade de Joinville/SC, procurando verificar potencialidades e limitações dessas edificações. A partir da catalogação e análise dos espaços educacionais, assim como dos registros fotográficos e croquis explicativos sobre as barreiras arquitetônicas e de mobiliários, procuraremos identificar, quantificar e analisar a recorrência das barreiras propondo a criação de parâmetros que visam a inclusão espacial de pessoas com deficiência (PCDs). Dessa forma, imaginamos que será possível esboçar estratégias de atuação tanto para a criação de espaços acessíveis quanto no que concerne às atitudes a serem tomadas por dirigentes e educadores de instituições de ensino. Problematizacão (Problema de pesquisa) Texto limitado em até 200 palavras No Brasil, o Censo do IBGE de 2010 mostra que cerca de 45,6 milhões de pessoas (23,9% da população total) apresentam algum tipo de incapacidade ou deficiência. São as pessoas com ao menos alguma dificuldade de enxergar, ouvir, locomover-se ou com alguma deficiência física ou mental. A Constituição Brasileira assegura, desde 1988, o direito à educação para todos, sem nenhum tipo de discriminação. O Censo Escolar/2013 indica que a inclusão escolar dos alunos com deficiência passou de alunos matriculados, em 2007, para em Dessa forma verifica-se que a matrícula de alunos com deficiência, nas salas de aula do ensino regular, tem aumentado a cada ano. Constata-se porém que uma grande parcela da população brasileira com deficiência ainda não possui acesso à educação. Essa situação se deve tanto a uma inadequada configuração dos espaços físicos como, principalmente, à falta de conscientização de profissionais, de planejadores e gestores sobre as reais necessidades e peculiaridades de acesso de muitas pessoas com dificuldades físicas, motoras e /ou sensoriais. Conforme constatou Duarte e Cohen (2006) temos verificado que as escolas não estão preparadas para acolher diferenças físicas que existem entre as pessoas. Temos visto com preocupação, que a falta de convívio entre as diferenças tende a perpetuar o preconceito e a consequente situação de desigualdade social em que se encontram as pessoas com deficiência em nosso país. Acreditamos que o estímulo à convivência entre crianças diferentes em escolas públicas será uma iniciativa com o potencial de reduzir desigualdades, preconceitos e integrar social e culturalmente as pessoas com deficiência no panorama do desenvolvimento social brasileiro. Texto limitado a 20 linhas Justificativa (descrever o problema de pesquisa e sua importância científica, tecnológica e sócio-econômico-ambiental para a região ) Temos assistido, ao longo dos últimos anos, a aparição de projetos e iniciativas, que visam solucionar problemas de acessibilidade nas escolas. Atualmente, a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva da Educação Inclusiva (MEC/2008), à luz da Convenção Sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (ONU/2006), orienta as escolas para a construção de sistemas educacionais inclusivos, que assegurem o direito de todos à educação. Nesse contexto, o MEC/SEESP implementou o Programa Escola Acessível que apoia projetos de acessibilidade dos prédios escolares, os quais visam promover tanto a adequação arquitetônica quanto a dos mobiliários e da sinalização. Porém constatamos que muitas escolas acabam não sendo beneficiadas por falta de conhecimento técnico na área de Arquitetura e Urbanismo. Nesse sentido, ao propormos criar instrumentos de análise das barreiras arquitetônicas encontradas nas escolas, estamos buscando fornecer subsídios para projetos que contemplem a superação das desigualdades físicas e sociais nos espaços de ensino. Com isso objetivamos contribuir para a eliminação de uma das formas mais cruéis de segregação que assistimos em todas as camadas sociais: a exclusão de pessoas com deficiências físicas, sensoriais e/ou mentais. 3

3 Sabemos que a escola é o local onde as crianças se relacionam longe da influência direta de familiares já contaminados pelo preconceito, por isso para garantir que a escola se torne um ambiente educativo inclusivo se faz necessário assegurar o acesso e a participação independente de todos os alunos às suas instalações físicas e atividades de formação. Texto limitado a 20 linhas Objetivo Geral: ( Onde estamos...onde queremos chegar.) Criar instrumentos de avaliação que permitam identificar as dificuldades encontradas por alunos com deficiência no uso dos espaços e equipamentos educacionais. Objetivos específicos ( Etapas que devem ser cumpridas para se atingir o objetivo geral.) Texto limitado a 05 linhas Compreender os conceitos de acessibilidade relacionados aos ambientes educacionais; Desenvolver planilhas de avaliação de acessibilidade para cada departamento escolar; Aplicar os instrumentos de avaliação de acessibilidade; Mapear e diagnosticar as barreiras arquitetônicas; Sistematizar os dados coletados, produzindo uma base de dados sobre o assunto; Texto limitado a 15 linhas Metodologia (Descrição dos procedimentos, instrumentos( questionários, formulários, entrevistas, softwares), técnicas e materiais(equipamentos) a serem utilizados na execução do projeto). Etapa 1 Revisão Bibliográfica sobre o tema; Etapa 2 Desenvolvimento de metodologia e técnicas de levantamento e diagnóstico de acessibilidade das escolas; Etapa 3 Levantamento Técnico de acessibilidade da Escola João Martins Veras 1 ; Etapa 4 Diagnóstico Técnico de acessibilidade Escola João Martins Veras; Etapa 5 Análise dos dados: a partir dos dados levantados serão elaborados os mapeamentos dos edifícios, que serão definidos após o conhecimento das informações de campo. Os mapas serão analógicos, entretanto, serão digitalizados para a formalização da pesquisa; Etapa 6 - Elaboração dos mapeamentos das barreiras encontradas; Etapa 7 Reflexão prático-teóricas a partir da seleção de elementos projetuais da NBR relacionados às barreiras encontradas. Texto limitado em 02 página Fundamentação Teórica 1. Histórico da Arquitetura sem Barreiras Entre os dias 17 e 20 de junho de 1963 em uma cidade próxima ao Lago Maior, na Suíça, foi realizado, pela primeira vez, um Congresso voltado a discutir as barreiras arquitetônicas, convocado pela Federação Nacional de Mutilados e Pessoas com Deficiências. Segundo CONDE (1994, p.92) nessa convocação lia-se textualmente que: Este congresso foi convocado para examinar conjuntamente a necessidade urgente de realizar uma transformação dos edifícios antigos e estudar a conveniência de planejar os novos imóveis de tal forma que todas as especificações sejam acessíveis às pessoas com alguma deficiência, às pessoas idosas e também às mães que empurram carrinhos de bebê. Neste evento, a expressão barreiras arquitetônicas, foi consagrada como sendo um conjunto de obstáculos, empecilhos e barreiras que o homem encontra para andar pela cidade, utilizar os transportes e ter acesso à sua moradia. Tinha, como proposta inicial, lutar para a eliminação das barreiras arquitetônicas para, só depois, erradicá-las. Em Copenhague, nos dias 12 a 17 de maio de 1967, efetuou-se o II. Congresso, no qual, além de ser publicado um manual de orientação para as pessoas com deficiências, chegou-se a conclusões que descreviam a necessidade de se criar comissões nacionais e internacionais para enfrentar os problemas das barreiras arquitetônicas. Os técnicos e especialistas, que dele participaram, deixaram explicitado um programa de ações que: (...)em primeiro lugar, tornava necessário realizar comissões e reuniões de estudo. Em segundo lugar, buscava informar ao público, por meio da imprensa e dos meios de comunicação modernos, o problema das barreiras arquitetônicas. Em terceiro lugar, adotava medidas legislativas que indicassem as normas fundamentais como a orientação na área urbanística e formas de acesso a meios públicos e privados, bem 1 Escola piloto definida conforme orientação da Secretaria de Desenvolvimento Regional do Estado de Santa Catarina 4

4 como no transporte. O quarto ponto: ensino, estudo do problema das barreiras arquitetônicas nas universidades, faculdades e institutos especializados. Em quinto lugar, indicava a necessidade de um material de forma sistemática que fosse distribuído de forma universal. (CONDE, 1994, p.93) Como consequência destas decisões e sugestões adotadas naquele Congresso, surgiram comitês e comissões de trabalho na Europa e nos Estados Unidos. Porém, as Nações Unidas não podiam ficar à margem daquele processo e, assim, em 1974, durante uma reunião em Nova York, um grupo de especialistas formulou uma série de resoluções que a Assembleia das Nações Unidas aprovaria e distribuiria pelo mundo afora. Em tais resoluções foram apontados os principais fatores, responsáveis pelo atraso na eliminação das barreiras arquitetônicas. São eles: a) a falta de consciência mundial da importância do assunto; b) a crença de que os problemas técnicos eram de difícil solução e tinham um custo elevado; c) a falta de coordenação de esforços para a solução dos problemas; d) a necessidade de se melhorar os métodos de execução. Passaram-se mais de quarenta anos e esses fatores ainda persistem e podem ser sentidos em quase todos os países do mundo, em especial nos subdesenvolvidos, onde a problemática das barreiras arquitetônicas é negligenciada ou simplesmente ignorada. No Brasil, a acessibilidade passou a ser debatida a partir dos boletins técnicos, das normas e das publicações de empresas públicas para pesquisa e gerenciamento de construções e transportes. Podem-se destacar, a título de exemplificação, o Boletim Técnico do CET/SP nº 24, intitulado Projeto-Piloto Deficientes Físicos e Visuais; o manual Construir Para o Ir e Vir, da CAAPD/MG, e a norma da ABNT NBR b. O grande problema que se enfrenta agora, é que a acessibilidade está sendo confundida e encarada como uma ação filantrópica da comunidade. De acordo com GUIMARÃES (1991, p.34): a acessibilidade não deve ser confundida com filantropia; ela é um sinal de maturidade da consciência de comunidades que buscam com rigor a conformidade de equipamentos e edifícios a padrões específicos de qualidade ambiental. Em países como o Brasil não se deve julgar a atitude das pessoas, em relação à este problema, como sendo sinal de atraso ou descaso, uma vez que ele convive com a pobreza e a falta de instrução do seu povo. Por isso mesmo, observa-se a necessidade da conscientização dos profissionais da arquitetura, para que os projetos sejam desenvolvidos prevendo a acessibilidade dos deficientes, de forma a poupar extensas reformas e gerar benefícios a curto prazo. 1.2 Arquitetura Sem Barreiras: seus princípios, seus fundamentos Projetar livre de barreiras consiste em propiciar o ajuste entre o usuário e o espaço ambiental, pela eliminação de elementos construtivos impróprios e pela implantação de outros mais adequados a baixos níveis de adaptação. Segundo o arquiteto DREYFUSS: Quando o contato entre o objeto, a arquitetura e os usuários apresenta um ponto de atrito, o projetista, ou o arquiteto, cometeu um erro. Mas ao contrário, se as pessoas experimentam uma segurança maior, mais conforto ou simplesmente se sentem mais à vontade, mais felizes, o projetista ou o criador do ambiente, teve êxito. (apud UBIERNA, 1994, p.59) A simplicidade desta ideia, de ir suavizando e eliminando os atritos entre o ambiente e o usuário, se constitui no principal fundamento da arquitetura sem barreiras, que, de um modo geral, se propõe a criar bens acolhedores e acessíveis a todos. Contudo, evitar barreiras no meio físico, não significa somente garantir a acessibilidade ambiental, pois esta expressão caracteriza, apenas, a capacidade dos portadores de deficiência utilizar-se de equipamentos e de edifícios adaptados ao seu potencial de desempenho. Além desse acesso físico, a arquitetura sem barreiras deve envolver outras noções complementares, tais como: o alcance, a funcionalidade, o esforço necessário, a segurança, a organização lógica, a comodidade, a proximidade, e a privacidade. (GUIMARÃES, 1991, p.25). Cada fator, deve ser equilibrado pelo bom senso, de maneira a compor um sistema integrado de recursos à disposição do usuário. Se, como afirma o arquiteto Alvar Aalto, o objeto da criação é tornar a vida mais humana, e é evidente que nem todas as barreiras que se antepõem aos deficientes são físicas - existem as barreiras invisíveis, as barreiras do egoísmo e da hipocrisia - cabe à arquitetura, o dever de suavizar as barreiras físicas, para que, desta forma, haja uma maior integração entre o deficiente e a comunidade. Desta forma, aplicar a Arquitetura sem Barreiras na criação do espaço humano, corresponde a instrumentação do usuário para a competência necessária à adaptação ambiental Classificação das Barreiras do Meio Físico De acordo com ESTEBAN (1994, p.156), AMENGUAL (1992, p.3 de 34) e GUIMARÃES (1991, p.3), barreiras ambientais são quaisquer obstáculos is de caráter físico que impeçam ou dificultem o deslocamento das pessoas que ostentam deficiência em sua 5

5 mobilidade. Segundo GUIMARÃES (1991, p.3), a característica mais marcante das barreiras ambientais está em sua invisibilidade para pessoas não portadoras de deficiência. Isto acontece devido ao fato destas barreiras atuarem em níveis de conforto considerados suportáveis para a maioria da população. Ocorre que ambientes são compreendidos, percebidos e interpretados de modos distintos, tendo em vista a herança e as variações culturais da população que se utiliza do espaço construído.(ornstein; BRUNA & ROMÉRO, 1995, p.37) A Organização das Nações Unidas, em sua Reunião do Grupo de Peritos, no ano de 1974, classificou as barreiras do meio físico em três níveis de impedimento, quais sejam: as barreiras arquitetônicas, abrangendo os edifícios públicos e privados com acesso às pessoas, lugares de trabalho e residências; as barreiras urbanísticas, incluindo a estrutura urbana e seus mobiliários, sítios históricos e espaços abertos de domínio público e privado; e por fim, as barreiras de transporte no sistema de mobilidade pública e privada. Os efeitos psicológicos negativos da inacessibilidade, provocados pelas barreiras do meio físico, justificam as reformas do espaço construído (STEINFELD; DUNCAN & CARDEL, 1977, p.8). Basicamente, de acordo com GUIMARÃES (1991, p.3), as barreiras do meio físico interferem na relação entre indivíduo e ambiente, pela qual mensagens simbólicas de valores sociais contribuem para a integração desse indivíduo na comunidade Barreiras Arquitetônicas As barreiras denominadas arquitetônicas são todos os obstáculos físicos que se apresentam no interior dos edifícios frente às diversas classes e graus de deficiência. Conforme AMENGUAL (1992, p. 4 de 34) cuja opinião é seguida por MAIA (1994, p. 69), Para que os edifícios não apresentem barreiras arquitetônicas estes devem oferecer características que se estabelecem de forma gradual... Portanto, os locais como: Edifícios abertos ao público - que incluem: edifícios públicos e privados que realizam serviços nas áreas se saúde, educação, cultura, religião, recreação; locais de trabalho; residências temporárias - e residências devem ser: a) franqueáveis - que consiste em poder entrar nos edifícios desde a área pública até o seu interior sem ajuda de terceiros; b) acessíveis - que significa percorrer os edifícios até chegar ao local de destino; e, c) utilizáveis - que se traduz em poder desenvolver as atividades programadas no interior dos edifícios. (AMENGUAL, 1994, p. 4 de 34; MALET & LLOVERAS, 1992, p. 3 de 52 e MAIA, 1994, p. 70) Destaca-se, ademais, que as residências tradicionais não habitadas por Pessoas Portadoras de Deficiências, devem ser acessíveis nos locais de estar, refeições e banho ou toalete, para que as pessoas com deficiência possam ser hóspedes ou visitas dos seus amigos e parentes. A moradia, de um modo geral, deve ser visitável... não a moradia de pessoas diferentes, mas nas moradias em geral, que devem permitir o acesso de todas as pessoas a até pelo menos às áreas de estar e a um banheiro. (AMENGUAL, 1994, p. 35) O caráter de visitabilidade pode ser aplicado a diversas edificações, embora esta proposta seja discutível se analisadas as prioridades, retro mencionadas. O ideal seria que todos os edifícios fossem universalmente acessíveis, de tal maneira, que as reformas pudessem ser evitadas e o desenho universal implantado Barreiras Urbanísticas As barreiras denominadas urbanísticas são os obstáculos que se apresentam no espaço urbano, sítios históricos, espaços não edificados de uso público e privado e nos mobiliários urbanos, com relação aos vários tipos e graus de deficiências. AMENGUAL (1994, p. 35), comenta neste sentido que, nos ambientes construídos de modo à não apresentar barreiras urbanísticas... não devem existir problemas nos espaços livres das edificações públicas e privadas. Além disso, os espaços representados pelas praças, calçadas, jardins, lugares históricos, reservas ecológicas não devem também apresentar barreiras. Observa-se, assim, que esses espaços sem barreiras devem oferecer as seguintes características: a) transitabilidade: que consiste em proporcionar ao descapacitado a oportunidade de circular pelas calçadas, passear nos parques, praças, e jardins e atravessar as ruas sem riscos e por seus próprios meios, porquanto: se tivermos de prestar-lhes ajuda em cada esquina, não estaremos promovendo a transitabilidade... (AMENGUAL, 1994, p. 36) b) estacionamento: constitui-se em proporcionar vagas específicas, para que o portador de deficiência ou seu acompanhante possam estacionar seus veículos próximos à sua residência, local de trabalho ou edifícios abertos ao público que ele tenha de utilizar; c) uso: que caracteriza-se em permitir a aproximação e utilização do mobiliário urbano, ao portador de deficiência; d) orientação: maneira pela qual o ambiente urbano deve orientar as pessoas, não só ao portador de deficiência visual, todos os pictogramas, que devem ser claros e padronizados, para que possam ser manejados em qualquer parte do mundo; e) segurança: item no qual se ressalta as normas de trânsito, e de forma especial, a necessidade de que as pessoas portadoras de deficiência não sejam agredidas, ao se locomoverem pelo espaço urbano, pelos motoristas imprudentes. (AMENGUAL, 1992, p. 5 de 34; AMENGUAL, 1994, p. 36; MAIA, 1994, p. 71; CONDE et al., 1992, p. 3 de 38) Barreiras de Transporte As barreiras encontradas nos transportes, particulares ou coletivos (de curta, média e longa distância), são todos os obstáculos que se apresentam nos meios terrestres, marítimos, fluviais ou aéreos, com relação aos diversos tipos e graus de deficiência. A infra-estrutura dos edifícios e a infra-estrutura urbana, que vincula e abriga a utilização dos meios de transporte (estações terminais, intermediárias e paradas urbanas)... não devem apresentar barreiras arquitetônicas ou urbanísticas, oferecendo condições para que as mesmas sejam 6

6 evitadas. (MAIA, 1994, p. 71) Os veículos responsáveis pelos transportes devem apresentar as seguintes facilidades: a) identificação: os veículos devem ser facilmente reconhecidos mediante sinalização normatizada; b) abordagem: os veículos devem permitir a entrada e a saída dos descapacitados, por seus próprios meios, mediante a utilização de acessórios especiais ou das características arquitetônicas especialmente desenvolvidas para essa finalidade; c) deslocamento: a pessoa com deficiência e sem ajuda técnica deve poder deslocar-se no interior dos veículos (ônibus, trens, outros); d) uso: os botões de chamadas, locais de sanitários e serviços complementares (nos terminais de curta e longa distância), devem estar ao alcance da pessoa com deficiência; e) reserva de lugar: os veículos de transporte público, devem possuir lugares reservados para pessoas com deficiência, nos quais deverão existir, de forma clara e normatizada, os meios necessários para uma boa sinalização.(amengual, 1992, p. 5 de 34-35; MAIA, 1994, p. 71; AZNAREZ, 1992, p. 2 de 84-88) É indubitável que as pessoas que têm grave deficiência precisarão de coisas especiais. Para tanto,...as exigências fundamentais ao se conceber um transporte acessível seria: respeitar o meio ambiente, ser acessível e seguro a todas as pessoas, ter manutenção fácil, fácil aquisição, integração com o meio ambiente, equilíbrio estético funcional, minimizar os percursos do usuário, facilitar a manobra de embarque e desembarque, a confiabilidade e durabilidade dos dispositivos de embarque e desembarque e sinalização adequada. (UBIERNA, 1994, p.109) O desafio, então, seria fazer com que cada barreira correspondesse a uma solução, reabilitando e habilitando, de forma progressiva, o sistema de transporte existente Acessibilidade Ambiental A acessibilidade ambiental, integral, consiste em tornar organizado o meio construído e o meio natural,para que qualquer pessoa possa se desenvolver da maneira mais independente e segura possível. Para UBIERNA (1994, p. 62) a acessibilidade é um conceito ligado à qualidade do projeto e se baseia num conjunto de especificações, de normas, de legislação...em uma atitude vital, em uma sensibilidade. E isso é o mais difícil... A acessibilidade não é um luxo; ela é uma necessidade de bem estar para muitos. Por isso, o fator da acessibilidade deverá possibilitar o desenvolvimento dentro e fora de um determinado meio, e, também, permitir a manipulação de objetos e equipamentos em um determinado espaço. Dessa forma, a acessibilidade só tornar-se-á possível quando o espaço oferecer alternativas de escolha para diferentes decisões sobre a melhor forma de ajuste, entre as habilidades pessoais do deficiente e o desafio de cada ambiente edificado. GUIMARÃES (1994, p.90) coloca que o mesmo ambiente que desafia, intimida outras pessoas. Em vez de tentar eliminar ambientes que intimidam, temos que fazer com que os ambientes desafiem a todos, para que possamos nos sentir cada vez mais capazes de enfrentar os desafios Neste contexto, a acessibilidade deve ser entendida como um seguimento da adaptação individual, onde cada pessoa produza uma resposta diferente ao meio do qual faz parte. Com isso, a adaptação se coloca como palavra chave e a atitude exploratória como principal item para se obtê-la. Por outro lado, nem sempre a acessibilidade ambiental resulta em uma total independência, eis que o desenvolvimento da competência ambiental, pela instrumentação do indivíduo contra condicionantes ambientais, permite ao portador de deficiência a organização de seu tempo e a administração de objetivos em sua vida através dos recursos à disposição. (GUIMARÃES, 1991, p.25) Assim, observa-se a necessidade do usuário de dispor de autonomia e espontaneidade. Com isso, o acesso absoluto deve permitir que o indivíduo decida por si próprio o objetivo à ser alcançado; que o ambiente urbano seja motivador e que qualquer ajuda de outras pessoas seja utilizada por decisão pessoal e não por imposição circunstancial. Pode-se dizer, dessa forma, que não é suficiente, para se obter um ambiente acessível a todos, eliminar as barreiras arquitetônicas no interior dos edifícios, se essa providência não for complementada com a exclusão das barreiras urbanísticas e de transporte. Tampouco é suficiente ter um entorno livre de barreiras, com excelente transporte, se o interior não está. Dispor de um...entorno integrado significa la existencia simultánea de ámbitos interiores, exteriores y medios de transporte, donde la evitación y supresión de barreras físicas se ha realizado em forma conjunta y armónica (AMENGUAL, 1992, p. 6 de 34). O Conselho Europeu, em 1974, ditou uma Resolução referente à acessibilidade ao meio físico, estabelecendo princípios que são atualmente aplicados e aceitos no mundo inteiro. Estes princípios são: a) livre uso e movimento de pessoas, com deficiência ou não, nos edifícios e espaços urbanos, sem delimitação de zonas 7

7 separadas; b) toda pessoa, em alguma época da vida, é um deficiente atuante ou em potencial; c) os edifícios, as ruas e as áreas verdes são realizadas para um modelo humano fictício; d) a acessibilidade integrada deve ser conseguida mediante a adaptação dos edifícios, estruturas urbanas e meios de transportes existentes, para criar entornos livres de barreiras. (apud AMENGUAL, 1992, p. 6 de 34) É necessário então, que a acessibilidade não atente contra à imagem das pessoas elas não querem ser lembradas de que são diferentes, querem ser integradas à população geral... (STEINFELD, 1994, p. 87). Dessa forma, a acessibilidade deve estar relacionada à estética. Logo, o salto qualitativo da acessibilidade consiste no desenho universal, onde o meio deve se adaptar às pessoas, e não as pessoas ao meio, como defendem GUIMARÃES (1994, p. 91); STEINFELD (1994, p.88); UBIERNA (1994, p.59) e CAMISÃO (1994, p.107). Por sua vez, GUIMARÃES (1991, p. 20)e UBIERNA (1994, p. 59), na tentativa de salientar a importância de tantos e tão variados conceitos, exemplificam dizendo que, dentro do universo da acessibilidade, pode-se encontrar cinco princípios básicos e geradores do ambiente livre de barreiras. São eles: a) disponibilidade: disposição de elementos construídos únicos, ajustáveis ou múltiplos, de tal forma que o conjunto esteja adequado às necessidades ou características do usuário. b) conecção: interligação de continuidade entre todos os elementos construtivos num determinado meio. Entendendo-se nesse princípio, o conceito de rota acessível, que corresponde ao trajeto de cada pessoa por entre as diferentes alternativas de uso do espaço, não existindo assim qualquer forma de hierarquização ou importância nos elementos que compõe o urbano. c) proximidade: corresponde à imediação relativa entre os elementos acessíveis, permitindo que a rota acessível abranja distâncias mínimas de percurso. d) conforto: compreende os níveis de segurança ajustáveis às diferentes habilidades, abrangendo a minimização do estresse, seja pelo esforço físico, pelo domínio do local ou pela percepção sensorial. Atingindo ainda o domínio do indivíduo sobre as condições ambientais, favorecendo-lhe a independência frente à necessidade de utilização de outras pessoas para obter seus objetivos. A funcionalidade do espaço edificado permite a compensação das limitações, pois transforma elementos materiais em natural extensão do corpo. Tal funcionalidade é tida, erroneamente, como a própria expressão da acessibilidade, porém, o conforto no uso ambiental constitui-se apenas na formulação estrutural para a experiência de cada situação. e) comodidade: idéia complementar de conforto do usuário, elevando-o à condição de preservação da sua autonomia. Devendo, os vários elementos existentes, estarem dispostos numa configuração que permita ao usuário optar entre eles de acordo com a sua convivência e o contexto de seu comportamento. Assim, a acessibilidade, faz com que o comportamento desviante se ajuste num padrão mais amplo de tolerância social, em que a própria noção de normalidade corresponda a acomodação de todas as diferenças em suas especificidades Graduação da Acessibilidade O grau de acessibilidade compreende o número de um a cinco, que é atribuído à disponibilidade crescente de alternativas ou recursos para uso de elementos acessíveis nos espaços internos e externos de uma edificação. Segundo GUIMARÃES (1995, p. 8), AMENGUAL (1994, p. 36), STEINFELD (1994, p. 89) e outros inúmeros autores consagrados,...esta graduação serve como um indicador no desenvolvimento da acessibilidade para abranger cada vez mais a satisfação das necessidades especiais de seus usuários... A acessibilidade prevista em diferentes graus predispõe a um planejamento evolutivo, abrangendo o urbanismo, mesmo que isso dependa de recursos tecnológicos e financeiros desconhecidos ou indisponíveis à época do projeto arquitetônico primordial Os cinco graus da acessibilidade Os acesso-graus 1 e 2, referem-se às construções existentes cuja reforma construtiva pode alcançar algumas facilidades, sem contudo, permitir que uma única rota acessível interligue todos os diversos espaços de interesse. De modo geral, o acesso-gráu 1 se estabelece quando a edificação atende de alguma forma as pessoas com deficiência na mobilidade, sendo que, muitas vezes, o uso ambiental prescinde da disponibilidade, proximidade e comodidade para todos. No acesso-grau 1, pode ser encontrado algum elemento ambiental que possibilite o desenvolvimento de determinada atividade, porém, esta, só será efetuada com o auxílio de outras pessoas. O acesso-grau 2 apresenta-se como uma forma evolutiva do anterior, mesmo considerando-se as características desfavoráveis que podem ocorrer, como, por exemplo, numa implantação topográfica em desnível. Embora não se constate impedimentos, há ainda um grande número de barreiras arquitetônicas ou ambientais. A partir do acesso-graus 1 e 2, pode-se atingir apenas o acesso-grau 3. Graus mais elevados implicam em reformas substanciadas na edificação a custos proibitivos. Para GUIMARÃES (1995, p.8), este é o...fato que predispõe a consideração de condições mais adequadas na época de reconstrução ou de novas edificações... A evolução de graus inferiores para os acesso-graus 4 e 5, principalmente, deve ocorrer como resultado do planejamento e do gerenciamento administrativo a médio e longo prazos, estimulados por instrumentos legais ou fiscais por parte do poder público. Para efeito de fiscalização dos projetos em novas edificações, deve-se tomar como referência os acesso-graus 3, 4 e 5. O acesso-grau 3 deve ser considerado, nesses casos, como parâmetro mínimo de acessibilidade, onde deve ocorrer a compatibilização de necessidades relativas à deficiência ambulatória, auditiva, locomotora e visual. No que se refere ao atendimento de necessidades especiais em maior amplitude, deve-se adotar os parâmetros dos acesso-graus 4 e 5....O acesso-gráu 5 é relativo ao design universal... (GUIMARÃES, 8

8 1995, p. 9), no qual as alternativas existentes se ajustam às características das pessoas e dos seus equipamentos Adaptabilidade Ambiental A adaptabilidade ambiental tem como base a acessibilidade, porém considerada em etapas. Esta consiste em dispor os elementos do espaço edificado de maneira...flexível, ajustável, removível e de acessórios adequados à habilidade particular de qualquer usuário... (GUIMARÃES, 1991, p.31) Pode-se dizer, então, que o campo da adaptabilidade é composto por quatro conceitos, a saber: (AMENGUAL, 1994, p.37) a) adaptabilidade: nível máximo de excelência; b) visitabilidade: nível restrito de adaptabilidade, de acordo com as condições existentes; c) conversibilidade: possibilidade de se modificar no tempo e no espaço o meio ambiente; d) exeqüibilidade: possibilidade de se realizar as modificações necessárias de acordo com parâmetros projetuais. Texto limitado em até 05 páginas 3. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO ETAPA OU FASE DO PROJETO Objetivo Específico Etapa/Fase (O que?) Especificação (Como?) Início Semanas e meses Término Semanas e meses Compreender os conceitos Revisão bibliográfica de acessibilidade relacionados aos ambientes educacionais Desenvolver planilhas de avaliação de acessibilidade para cada departamento escolar Desenvolvimento de metodologia e técnicas de levantamento e diagnóstico de acessibilidade das escolas Aplicar os instrumentos de Levantamento Técnico de avaliação de acessibilidade acessibilidade da Escola (projeto piloto) João Martins Veras Mapear e diagnosticar as Diagnóstico Técnico de barreiras arquitetônicas acessibilidade Escola João Sistematizar os dados coletados, produzindo uma base de dados sobre o assunto Martins Veras Análise dos dados Investigação bibliográfica e redação inicial da pesquisa Elaborar planilha de levantamento de acessibilidade a partir da análise teórica Planilha de levantamento de campo Mês 1 Semana 1 Mês 2 Semana 1 Mês 2 Semana 3 Mapeamento das barreiras Mês 3 Semana 4 Considerações finais sobre os resultados da pesquisa: análise de dados levantados e confrontados Mapa analógico das barreiras arquitetônicas Elaboração dos mapeamentos das barreiras encontradas Reflexão prático-teóricas a Redação de texto sobre as partir da seleção de elementos projetuais da NBR relacionados às barreiras encontradas dificuldades e sucessos do processo da pesquisa e seus resultados obtidos; Organização das informações e formatação conforme normas da ABNT. Mês 6 Semana 1 Mês 7 semana 2 Mês 8 Semana 1 Mês 1 Semana 4 Mês 2 Semana 2 Mês 3 Semana 3 Mês 5 Semana 4 Mês 7 semana 2 Mês 7 semana 4 Mês 8 semana 4 9

9 4. REFERÊNCIAS 10

10 ( Descrever as utilizadas na elaboração do projeto.todas as referências deverão estar citadas no corpo do projeto, conforme normas ABNT) AMENGUAL, Clotilde. Barreiras Arquitetônicas. In: CURSO BÁSICO SOBRE ACESSIBILIDADE AO MEIO FÍSICO, Rio de Janeiro, jun AMENGUAL, Clotilde. Movilidad Reducida y Accesibilidad. In: CURSO BÁSICO SOBRE ACCESIBILIDAD AS MEDIO FÍSICO: EVITACION Y SUPRESIÓN DE BARRERAS ARQUITECTONICAS, URBANISTICAS Y DEL TRANSPORTE. 5ª ed. Madrid: Real Patronato de Prevención y de Atención a Personas con Minusvalía, CONDE, Guillermo Cabezas. Arquitetura para Todos. In: VI SIAMF: SEMINÁRIO SOBRE ACESSIBILIDADE AO MEIO FÍSICO, Rio de Janeiro, jun DUARTE, Cristiane Rose de Siqueira ; COHEN, R. Proposta de Metodologia de Avaliação da Acessibilidade aos Espaços de Ensino Fundamental. In: Anais NUTAU 2006: Demandas Sociais, Inovações Tecnológicas e a Cidade. São Paulo, USP: ESTEBAN, L. Salvador. Modificaciones Ambientales para Deficientes Visuales. In: SEXTA CONFERENCIA INTERNACIONAL DE BOBILIDADE. TOMO I. Rio de Janeiro, GUIMARÃES, Marcelo Pinto. Fundamentos do Barrier-Free Design. Edição especial para o Premio Nacional de Design, Pesquisa e de Adequação do Mobiliário Urbano à Pessoa Portadora de Deficiência. Belo Horizonte: IAB- MG, GUIMARÃES, Marcelo Pinto. A Graduação da Acessibilidade Versus a Norma NBR9050/94: uma análise de conteúdo. Belo Horizonte: CVI, MAIA, T. Q. Portador de Deficiência: Locomover-se, um Direito de Todos. FAU, Universidade de Brasilia, Brasília, MALET, Santiago Delas & LLOVERAS, F. Barreras Arquitectonicas. In: CURSO BÁSICO SOBRE ACCESIBILIDAD AS MEDIO FÍSICO: EVITACION Y SUPRESIÓN DE BARRERAS ARQUITECTONICAS, URBANISTICAS Y DEL TRANSPORTE. 5ª ed. Madrid: Real Patronato de Prevención y de Atención a Personas con Minusvalía, ORNSTEIN, S; BRUNA, G; ROMÉRO, M. Ambiente Construído & Comportamento: a avaliação pós-ocupação e a qualidade ambiental. São Paulo: NOBEL, STEINFELD, E.; DUNCAN, J; CARDELL, P. Towards a Responsive Environment: The Psychological Effects of Inaccessibility. STROUDSBURG: M. Bednar, STEINFELD, E. Arquitetura através do Desenho Universal. In: VI SIAMF: SEMINÁRIO SOBRE ACESSIBILIDADE AO MEIO FÍSICO, Rio de Janeiro, jun UBIERNA,José Antonio Junca. Recomendações para Acessibilidade no Transporte. In: VI SIAMF: SEMINÁRIO SOBRE ACESSIBILIDADE AO MEIO FÍSICO, Rio de Janeiro, jun RESUMO DO ORÇAMENTO: VALOR MÁXIMO DE R$ 900,00 11

11 FERJ Elementos de Despesa Quantidade Preço Unitário R$ Participação em eventos 2 Passagens e Despesa de 80 passes para 3,2 (cada Locomoção. visita escola passagem ida e Material de Consumo ( descrever todos os itens ex: Papel A4, disquetes,etc..) 200 folhas papel sulfite A4 branco 200 folhas sulfite A3 volta) 5,00 47,80 Contrapartida (quando houver parcerias) Quantidade Preço Unitário R$ Total R$ 256,00 162,80 2 estojo de canetas Magic Color 12 cores básicas ponta dupla. 10 dvds 100,00 10,00 Aquisição de Livros * 61,2 Cópias monocromáticas, 100 cópias 15,00 420,00 fotocópia colorida, fotos monocromática aéreas, mapas, plotagens, s A4 cópias em metro. 50 cópias 75,00 coloridas A4 10 cópias coloridas A3 10 PLOTAGENS coloridas A1 30,00 300,00 Equipamentos e Material Permanente ** Outros ( Descrever conforme padrão) Total do Projeto 900,00 * O valor não poderá exceder a 15 % do valor total solicitado para a execução do projeto. ** O valor solicitado deverá respeitar os critérios dispostos no Edital. 6-CRONOGRAMA DE DESEMBOLSO (R$) (Especificar o período em que os elementos de despesas serão solicitados) 2 Deverá estar justificada a despesa na Metodologia do projeto e aprovada pela Coordenação do PROINPES 12

12 CONTRAPARTIDA (quando houver parcerias) Objetivo Específico Elementos de despesas 7. EQUIPE 13

13 (Breve histórico da equipe e de sua experiência na área do projeto) Importante: Anexar Currículo Lattes 3 (atualizado nos últimos 06(seis) meses), completo para toda a equipe envolvida no projeto. KÁTIA CRISTINA LOPES DE PAULA Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pelo Centro de Estudos Superiores de Londrina (1996) - atual Centro Universitário Filadelfia - mestrado em Ciências de Arquitetura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2003) e doutorado em Arquitetura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2008). Atualmente é coordenadora do curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário Católica de Santa Catarina e pesquisadora da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Planejamento e Projetos da Edificação, atuando principalmente nos seguintes temas: teoria e projeto arquitetônico, projeto de edificação, ambiências urbanas e arquitetura inclusiva. MARIA CLAUDIA LORENZETTI CORREA Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo (1995) e mestrado em Engenharia Civil (2003) pela Universidade Federal de Santa Catarina. É sócia proprietária da empresa B&C Projetos e Consultorias Ltda., junto a qual desenvolveu projetos nas áreas de preservação e conservação do patrimônio histórico e cultural, planejamento, turismo, paisagem e meio ambiente, Participou de diversas ações de planejamento e gestão junto ao IPHAN nas cidades de Laguna e Joinville, além de ter exercido a função de Coordenadora do Curso de Arquitetura e Urbanismo do IST, tendo sido membro da Comissão de Patrimônio Histórico Municipal e Coordenadora de Patrimônio Cultural da Fundação Cultural de Joinville, também fez parte do núcleo do Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB SC em Joinville e atuou junto ao grupo de pesquisa do Curso de Turismo com Ênfase em Meio Ambiente no desenvolvimento e coordenação do projeto de restauro e reabilitação do Centro Cultural Deutsche Schule do Bom Jesus IELUSC na mesma cidade. Texto limitado em 01 página 14

Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Sistemas de Informação

Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Sistemas de Informação FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Sistemas de Informação Curso (s) : Bacharel em Sistemas de Informação Nome do projeto:

Leia mais

78ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito

78ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito 78ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito Acessibilidade Viviane Fernandes Lima Manaus, 28 de junho de 2012. 1. DADOS E CONCEITOS 2. INCLUSÃO SOCIAL

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 59/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014.

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. Considerando o previsto na Constituição da República

Leia mais

Curso de Acessibilidade

Curso de Acessibilidade O - PROGRAMA E OBJETIVO 1. O QUE É ACESSIBILIDADE Quem são as pessoas com deficiência e as pessoas com mobilidade reduzida. A evolução do homem padrão e a arquitetura inclusiva. Conceito e as práticas

Leia mais

Vínculo institucional: FADERS e PUCRS Faculdade de Serviço Social / Atuação: Professora e Pesquisadora da FSS/ graduação e pós-graduação

Vínculo institucional: FADERS e PUCRS Faculdade de Serviço Social / Atuação: Professora e Pesquisadora da FSS/ graduação e pós-graduação PROJETO DE PESQUISA: Condições de Acesso das Pessoas com Deficiência às Universidades do RS Responsável: Profa Dra Idília Fernandes Vínculo institucional: FADERS e PUCRS Faculdade de Serviço Social / Atuação:

Leia mais

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian Planos Municipais de Mobilidade Urbana e Acessibilidade e o papel do TCE-RS na sua implementação Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian SUPORTE

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000. Civil Regulamento Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 13/09/2013-17:59:14 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL

Leia mais

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Junho 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO Pg. 03 2. OBJETO Pg. 03 3. ESCOPO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS Pg. 03 4. DIRETRIZES PARA

Leia mais

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP Material das Palestras II Encontro MPSP e MEC Educação Inclusiva MARCOS LEGAIS CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 208. O dever do Estado com a educação

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE BELÉM, A CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM, estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

O PREFEITO MUNICIPAL DE BELÉM, A CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM, estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS LEI Nº 8.068, DE 28 DE MAIO DE 2001 Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, no Município de Belém,

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

TURISMO E INCLUSÃO SOCIAL: um estudo da acessibilidade nos meios de hospedagem em Balneário Camboriú 1

TURISMO E INCLUSÃO SOCIAL: um estudo da acessibilidade nos meios de hospedagem em Balneário Camboriú 1 TURISMO E INCLUSÃO SOCIAL: um estudo da acessibilidade nos meios de hospedagem em Balneário Camboriú 1 Amanda Fantatto de Melo 2 ; Priscilla Gomes Welter 3 ; Sônia R. de S. Fernandes 4 INTRODUÇÃO O turismo

Leia mais

EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO

EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO I. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO PROJETO BRA/11/021 - PROGRAMA DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS COM INCLUSÃO SOCIAL (PSA)

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406 INFRA-ESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA As salas de aula da FACULDADE BARRETOS estão aparelhadas para turmas de até 60 (sessenta) alunos, oferecendo todas as condições necessárias para possibilitar o melhor

Leia mais

Acessibilidade à pessoa com deficiência

Acessibilidade à pessoa com deficiência Acessibilidade à pessoa com deficiência V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EQI-01 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

A QUESTÃO DA ACESSIBILIDADE NA ELETROBRAS HOLDING: O PAPEL DA ERGONOMIA COMO ARTICULADORA DE AÇÕES INTEGRADAS

A QUESTÃO DA ACESSIBILIDADE NA ELETROBRAS HOLDING: O PAPEL DA ERGONOMIA COMO ARTICULADORA DE AÇÕES INTEGRADAS A QUESTÃO DA ACESSIBILIDADE NA ELETROBRAS HOLDING: O PAPEL DA ERGONOMIA COMO ARTICULADORA DE AÇÕES INTEGRADAS Vinicius Costa Cavalheiro Machado Divisão de Administração das Instalações Prediais DAAA/Eletrobras

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

EDITAL Nº 05/2007 PRODOCÊNCIA

EDITAL Nº 05/2007 PRODOCÊNCIA EDITAL Nº 05/2007 PRODOCÊNCIA PROGRAMA DE CONSOLIDAÇÃO DAS LICENCIATURAS MEC/SESu/DEPEM 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu EDITAL Nº 05/2007 Brasília, 20 junho de 2007

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal em Bibliotecas

Acessibilidade e Desenho Universal em Bibliotecas ACESSIBILIDADE EM INFORMAÇÃO E EM ARTE Quem faz a diferença? Acessibilidade e Desenho Universal em Bibliotecas Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - UFRJ Regina COHEN, DSc. Arquiteta e Doutora em Ecologia

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio REGIMENTO DAS ATIVIDADES EXTRACLASSE VIAGENS TÉCNICAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - As viagens técnicas realizadas sob responsabilidade do Curso

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais. Professor: Luiz Clóvis Guido Ribeiro Período: Novembro de 2013

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais. Professor: Luiz Clóvis Guido Ribeiro Período: Novembro de 2013 O Desafio da Implementação das Políticas Transversais Professor: Luiz Clóvis Guido Ribeiro Período: Novembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS Secretaria Nacional de Promoção

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Relatório do 2º Monitoramento

Relatório do 2º Monitoramento TC n? 012.374//2000-3 Relatório do 2º Monitoramento Programa Nacional de Informática na Educação - ProInfo Brasília, dezembro de 2002. Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES...

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Local PRODEL. Programa de Extensão Institucional

Programa de Desenvolvimento Local PRODEL. Programa de Extensão Institucional Programa de Desenvolvimento Local PRODEL Programa de Extensão Institucional Programa de Extensão Institucional Um programa de extensão universitária é o conjunto de projetos de extensão desenvolvido por

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA APRESENTAÇÃO Toda proposta educacional cujo eixo do trabalho pedagógico seja a qualidade da formação a ser oferecida aos estudantes

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

ADAPTAÇÃO PARA A ACESSIBILIDADE DO CAMPUS DE UVARANAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA

ADAPTAÇÃO PARA A ACESSIBILIDADE DO CAMPUS DE UVARANAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA (X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ADAPTAÇÃO

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP 2014 PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP INTRODUÇÃO A Pró-reitoria de graduação (PROGRAD), a Câmara Central de Graduação (CCG), o Núcleo de Educação à Distância

Leia mais

XADREZ: uma ferramenta para a inclusão resultados preliminares

XADREZ: uma ferramenta para a inclusão resultados preliminares XADREZ: uma ferramenta para a inclusão resultados preliminares Tayla Kuhnen 1 ; Sara Cristina Stacheski Martins 2 ; Tiago Martins da Silva 3 ; Marcelo Eger Sibert 4 ; Marines Dias Gonçalves 5 INTRODUÇÃO

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

EXPEDIENTE CONSULTA Nº 006.350/2013 ASSUNTO: Possibilidade de um deficiente auditivo cursar medicina. RELATORA: Consa.ª Lícia Maria Cavalcanti Silva

EXPEDIENTE CONSULTA Nº 006.350/2013 ASSUNTO: Possibilidade de um deficiente auditivo cursar medicina. RELATORA: Consa.ª Lícia Maria Cavalcanti Silva PARECER CREMEB Nº 30/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 02/08/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 006.350/2013 ASSUNTO: Possibilidade de um deficiente auditivo cursar medicina. RELATORA: Consa.ª Lícia Maria Cavalcanti

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

CURSO DE DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL

CURSO DE DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL CURSO DE DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL ELABORAÇÃO DOS PROJETOS PROFª: Daniele Dias de Oliveira Bertagnolli Mai/2012 PROJETO A palavra projeto (do latim projectu, particípio passado de projicere, lançar

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS ANAIS

APRESENTAÇÃO DOS ANAIS APRESENTAÇÃO DOS ANAIS ARANHA, M.S.F.. Apresentação dos Anais. In: III Congresso Brasileiro Multidisciplinar de Educação Especial, 2002, Londrina (PR). CD-ROM do III Congresso Brasileiro Multidisciplinar

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 Por que é equivocado dizer que a INCLUSÃO refere se a um processo direcionado aos alunos com necessidades educacionais especiais,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratar consultoria por produto para formular

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS PARA EDUCAÇÃO DO CAMPO E DIVERSIDADE COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

Leia mais

Maria Inês Gazzola Paulino

Maria Inês Gazzola Paulino CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde PROTEÇÃO À SAÚDE DOS SERVIDORES DEFICIENTES DO SUS BETIM Maria Inês Gazzola Paulino Betim Agosto, 2012 1 1. PROBLEMA

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde;

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde; EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 05/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Levantamento dos marcos lógicos e legais de Mobilidade Urbana, Transporte e Trânsito.

Levantamento dos marcos lógicos e legais de Mobilidade Urbana, Transporte e Trânsito. 1. Marcos Lógicos Levantamento dos marcos lógicos e legais de Mobilidade Urbana, Transporte e Trânsito. Publicação/Origem MARCOS LÓGICOS INTERNACIONAIS Declaração Universal dos Direitos Humanos 1948 Art.

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS:

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS: UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA ORIENTAÇÕES GERAIS PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Neste ano o processo seletivo será realizado por meio de um sistema

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Coordenador do Curso de Administração Prof. Marcos Eduardo dos Santos Supervisor de Estágio do Curso Prof. Marcos Eduardo dos Santos JUIZ DE

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Este Regulamento estabelece as políticas da disciplina de Trabalho

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 03/2010

TERMO DE REFERÊNCIA 03/2010 TERMO DE REFERÊNCIA 03/2010 PROJETO: OEI/BRA 08/003 Fortalecimento da Capacidade Institucional da Secretaria de Educação Especial SEESP/MEC em Gestão e Avaliação do Programa de Acompanhamento e Monitoramento

Leia mais

Adequação dos Sistemas de Trens Urbanos de Porto Alegre à Acessibilidade Universal (Decreto n. 5.296 de 2004)

Adequação dos Sistemas de Trens Urbanos de Porto Alegre à Acessibilidade Universal (Decreto n. 5.296 de 2004) Programa 1078 Nacional de Acessibilidade Ações Orçamentárias Número de Ações 13 1O340000 Produto: Projeto executado Adequação dos Sistemas de Trens Urbanos de Porto Alegre à Acessibilidade Universal (Decreto

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso Especialização em Acessibilidade Cultural Departamento de Terapia Ocupacional da UFRJ. Rio de Janeiro, 2013 Responsáveis pela elaboração

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

Preocupados com a discriminação de que são objeto as pessoas em razão de suas deficiências;

Preocupados com a discriminação de que são objeto as pessoas em razão de suas deficiências; CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO CONTRA AS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA (CONVENÇÃO DA GUATEMALA), de 28 de maio de 1999 Os Estados Partes nesta Convenção,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 (do deputado Zezéu Ribeiro - PT/BA) Assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social.

Leia mais

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos No Brasil há necessidade de conscientização e cumprimento de Decretos e Leis para a promover acessibilidade e inclusão social

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos ARANHA, M.S.F.. A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos. Resumo de

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução Este material surge como resultado do acompanhamento das apresentações do Plano de Mobilidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1610 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal 1

Acessibilidade e Desenho Universal 1 Acessibilidade e Desenho Universal 1 Adriana Romeiro de Almeida Prado 2 É papel do planejador intervir nos espaços para criação de ambientes que desafiam e para eliminação dos ambientes que intimidam.

Leia mais

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. Gestão Democrática

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. Gestão Democrática Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade Gestão Democrática Diagnóstico Em agosto de 2002, o Fórum de Educação da Zona Leste promoveu o 2º seminário Plano Local de Desenvolvimento Educativo. Realizado no

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE Como Associação que abarca as instituições de educação superior públicas tendo como finalidade o desenvolvimento da educação a distância, a UniRede apresenta abaixo as considerações relativas aos três

Leia mais

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes INVENTÁRIO ANUAL Exercício 2011 Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes Elaboração: Fernando de Souza Guimarães : 3409-4674 / 3409-4675 : dimat@dsg.ufmg.br Belo Horizonte, 2011 SUMÁRIO

Leia mais

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos:

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos: Clínica Psicológica da UFPE Plano Institucional de Estágio Supervisionado Apresentação A Clínica Psicológica é uma entidade pública, ligada ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais