Política de Assistência Social das. ACMs do Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Política de Assistência Social das. ACMs do Brasil"

Transcrição

1 Política de Assistência Social das ACMs do Brasil

2 SUMÁRIO Apresentação Segment o Família Segmento Criança e Adolescente Segmento Jovem Segmento Idoso Segmento Pessoas com Deficiências Controle Social Participação dos Usuários Avaliação Diretrizes para Captação de Recursos Diretrizes para Capacitação de Recursos Humanos

3 Política de Assistência Social das ACMs do Brasil Documento elaborado pelas Associações Cristãs de Moços do Brasil contendo os princípios, objetivos e diretrizes da sua política na área de desenvolvimento social, alinhada à Lei Orgânica da Assistência Social, à Política Nacional de Assistência Social e à Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social. ACM/YMCA Brasília Setembro 2008

4 1. Apresentação Política de Assistência Social das ACMs do Brasil O presente documento foi elaborado pelos representantes das ACMs Brasília, Itapeva, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo e Sorocaba, participantes dos 11º, 12º, 13º e 16 Encontros Nacionais de Desenvolvimento Social das ACMs do Brasil. 2. Introdução As Associações Cristãs de Moços do Brasil (ACMs Brasília, Itapeva, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo e Sorocaba), neste documento, denominadas simplesmente ACM, adotará em todo o território nacional a presente política, a fim de alinharem suas ações na área da Assistência Social à Lei Orgânica da Assistência Social - LOAS, à Política Nacional de Assistência Social PNAS/2004 e à Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social NOB/SUAS. A ACM reconhece seu caráter público ao ofertar, como parceira do Estado, proteção social à população que vive em situações de vulnerabilidade e riscos, devendo, portanto, ao desenvolver tais ações, se pautar pela lógica e regulação do Estado. O presente documento reflete o pensamento da ACM, nesse sentido, e não se propõe a esgotar todos os aspectos da política proposta, mas, antes, representa um primeiro passo para a sua construção, tratando neste primeiro momento dos princípios, diretrizes e objetivos comuns. 3. Público Alvo Famílias, indivíduos e grupos que se encontram em situações de vulnerabilidade e riscos, decorrentes da pobreza, privação (ausência de renda, precário ou nulo acesso aos serviços públicos, dentre outros) e, ou, da perda ou fragilidade de vínculos de afetividade, pertencimento e sociabilidade. 4. Princípios I. Reconhecimento da primazia do Estado na formulação e regulação da Política Pública de Assistência Social. II. Reconhecimento do caráter público das ações de assistência social desenvolvidas pela ACM, enquanto parceira do Estado. III. Respeito à condição de cidadania e à dignidade do usuário, à sua autonomia e ao seu direito a serviços de qualidade e ao acesso às demais políticas públicas, vedando-se qualquer comprovação vexatória de necessidade, bem como, a exposição de sua imagem sem prévia autorização do mesmo ou do responsável legal. IV. Respeito ao direito dos usuários à convivência familiar e comunitária. V. Respeito aos valores culturais, às crenças religiosas, aos valores pessoais dos usuários e às diferenças. VI. Reconhecimento dos valores universais como base para o desenvolvimento humano e social. VII. Reconhecimento da igualdade de direitos no acesso ao atendimento, sem discriminação de qualquer natureza. VIII. Reconhecimento da matricialidade sociofamiliar, ou seja, da centralidade da família como núcleo social básico de proteção e educação das crianças e adolescentes, de acolhida, convívio, autonomia, sustentabilidade e protagonismo social. IX. Reconhecimento da territorialização e da intersetorialidade como pressupostos para a operacionalização da Política de Assistência Social, ou seja, reconhecimento da necessidade da integração e articulação desta com as demais políticas públicas para uma ação concentrada no território de vivência dos usuários, a fim de promover a inclusão social e melhorar a qualidade de vida dessa população. APRESENTAÇÃO -5-

5 APRESENTAÇÃO Política de Assistência Social das ACMs do Brasil 5. DIRETRIZES I. Atendimento gratuito à população de baixa renda, em situação de vulnerabilidade e risco pessoal e social, através da oferta de serviços, programas e projetos de proteção social básica e, quando houver condições, de proteção social especial. II. Atendimento à todas as faixas etárias, priorizando-se o segmento infanto-juvenil. III. Fortalecimento das famílias usuárias através de ações que facilitem seu acesso às demais políticas públicas e proporcionem capacitação para superação de suas dificuldades, possibilitando, assim, sua inclusão social de forma sustentável. IV. Integração da família, através do reconhecimento de sua centralidade, no processo socioeducativo desenvolvido junto às crianças e adolescentes, por meio de serviços, programas e projetos socioassistenciais. V. Fortalecimento dos vínculos familiares, comunitários e sociais dos usuários. VI. Participação dos usuários, através de um conselho de representantes, no planejamento, controle e avaliação dos serviços, programas e projetos socioassistenciais. VII. Estabelecimento de parcerias com o Poder Público e organizações privadas para ampliação e qualificação das ações socioassistenciais. VIII. Operacionalização da política em rede, com base no território, ou seja, integração com o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) e com a rede socioassistencial e de serviços públicos. IX. Participação no processo de controle social da Política de Assistência Social através dos conselhos, fóruns e conferências de assistência social. X. Cadastro e controle de frequência de todos os usuários através de instrumentos próprios. XI. Controle da qualidade dos serviços através de instrumentos de monitoramento e avaliação. XII. Divulgação do trabalho socioassistencial em diversos meios de comunicação de forma a valorizá-lo como diferencial. XIII. Garantia de equipe multidisciplinar e formação continuada. XIV. Definição dos critérios de atendimento em conformidade com a legislação vigente e com a realidade de cada território. 6. OBJETIVO GERAL Garantir, em parceria com o Estado, proteção social aos usuários, estimulando a capacidade de enfrentamento das condições geradoras de exclusão social e visando a conquista de autonomia, resiliência, sustentabilidade e protagonismo. -6-

6 SEGMENTO FAMÍLIA

7 7. SEGMENTO FAMÍLIA Introdução a. Definição de família Política de Assistência Social das ACMs do Brasil O termo família é derivado do latim famulus, que significa escravo doméstico. Este termo foi criado na Roma Antiga para designar um novo grupo social que surgiu entre as tribos latinas, ao serem introduzidas à agricultura e também escravidão legalizada. No direito romano clássico a família natural cresce de importância - esta fámília é baseada no casamento e no vínculo de sangue. A família natural é o agrupamento constituído apenas dos cônjuges e de seus filhos. A família natural tem por base o casamento e as relações jurídicas dele resultantes, entre os cônjuges, pais e filhos. Se nesta época predominava uma estrutura familiar patriarcal em que um vasto leque de pessoas se encontrava sob a autoridade do mesmo chefe, nos tempos medievais (Idade Média), as pessoas começaram a estar ligadas por vínculos matrimoniais, formando novas famílias. Dessas novas famílias fazia também parte a descendência gerada que, assim, tinha duas famílias, a paterna e a materna. (WIKIPEDIA, 2008) Com a Revolução Industrial, ocorre um estreitamento dos laços familiares e a diminuição desses grupos, devido aos movimentos de migração para cidades construídas ao redor dos complexos industriais. Enfim, podemos dizer que a formação familiar vem se modificando através dos tempos, acompanhando mudanças religiosas, econômicas e socioculturais do contexto em que se encontram inseridas. Hoje em dia, a NOB (Norma Operacional Básica) define família como: Núcleo afetivo, vinculado por laços consanguíneos, de aliança ou afinidade, onde os vínculos circunscrevem obrigações recíprocas e mútuas, organizadas em torno de relações de geração e de gênero. Para o IBGE a definição de família é: Conjunto de pessoas ligadas por laços de parentesco, dependência doméstica ou normas de convivência, todos residentes na mesma casa. O Estatuto da Criança e do Adolescente ECA (Lei de 1990), em seu Art. 4º, nas disposições preliminares, elenca a família como o primeiro dos pilares sociais a ter responsabilidade e deveres junto à criança e ao adolescente. A Política Nacional de Assistência Social de 2004 reconhece que a família, independente de seu formato, é a mediadora das relações entre os sujeitos e a coletividade e geradora de modalidades comunitárias de vida. b. Estruturas familiares Refletindo as transformações culturais e sociais, nos dias de hoje, a família se apresenta de maneira heterogênea e mutável, assumindo várias formas de estruturação. Torna-se necessário desmistificar a idealização de uma dada estrutura familiar como sendo a natural, abrindo-se caminho para o reconhecimento da diversidade das organizações familiares no contexto histórico, social e cultural. De acordo com Alberto Eiguer, um grupo familiar pode assumir as seguintes estruturas: Nuclear Conjugal - consiste em um homem, uma mulher e seus filhos. Nuclear Monoparental - pais únicos devido à fenômenos sociais como o divórcio, óbito,, abandono de lar ou até mesmo adoção de crianças por uma só pessoa; Família ampliada ou consanguínea consiste na família nuclear mais parentes diretos ou colaterais. Famílias alternativas comunitárias em que o papel dos pais é descentralizado, sendo que as crianças se tornam responsabilidade de todos os membros adultos; SEGMENTO FAMÍLIA -9-

8 Política de Assistência Social das ACMs do Brasil SEGMENTO FAMÍLIA Famílias alternativas homossexuais em que exista uma relação de parceria entre duas pessoas do mesmo sexo, que podem incluir crianças adotadas ou filhos biológicos de um ou de ambos os parceiros. No Brasil, segundo o IBGE, a família apresentou grandes mudanças entre os anos de 1980 a Dentre essas, se destacam: Queda substancial do tamanho da família em todas as regiões do país; Aumento do número de famílias do tipo mulheres sem cônjuge com filhos (17,9%), mais claramente definida nas regiões Norte e Nordeste; Aumento do número de famílias cujas pessoas de referência são mulheres (27,3%). Apesar das mudanças estruturais na família, o padrão histórico predominante ainda é o de casal com filhos (52,8%). c. Centralidade da família A partir da implantação do Sistema Único da Assistência Social (SUAS), a família, cada vez mais, assume a centralidade das estratégias de ação da Política de Assistência Social, da qual a Matricialidade sociofamiliar é uma das diretrizes. Essa centralidade presente no SUAS, traz em sua base, a concepção de que todas as outras necessidades e públicos da assistência social estão, de alguma maneira, vinculados à família, quer seja no momento de utilização dos programas, projetos e serviços da Assistência Social, quer seja, no início do ciclo, que gera a necessidade do indivíduo vir a ser alvo da atenção da política. A família é o núcleo social básico de proteção, acolhida, convívio, autonomia, sustentabilidade e protagonismo social. Também a Constituição brasileira de 1988 reconhece em seu artigo 226, a família como base da sociedade e que deve ter proteção especial do Estado. Isso representa grande avanço da legislação. Já em 2003, o código civil avança na abordagem da família, introduzindo conceitos como o de poder familiar compartilhado, entre outros aspectos. A família deve ser compreendida no contexto em que vive, respeitando seus costumes e valores e o constante movimento de transformação. Além disso, podemos dizer que a família reflete as mudanças sociais e atua sobre elas, ocupando importante papel no movimento da sociedade. Diante das situações de risco social e vulnerabilidades vividas pelas famílias brasileiras, principalmente por pressões geradas pelos processos de exclusão social e cultural, essas famílias precisam ser apoiadas pelo Estado e pela sociedade. d. Papéis da família A importância da convivência familiar para a criança e o adolescente está reconhecida na Constituição Federal e no ECA, bem como em outras legislações e normativas nacionais e internacionais. Precisamos compreender a família como um local de afeto e aprendizado, onde se transmitem valores e tradições, muitas vezes permeada por conflitos, contradições e tensões, como é o caso da violência contra mulheres, crianças e idosos. A maior expectativa é que ela produza cuidados, proteção, aprendizado dos afetos, construção de identidades e vínculos relacionais de pertencimento, capazes de promover melhor qualidade de vida à seus membros e efetiva inclusão social na comunidade em que vivem. No entanto, estas expectativas são possibilidades e não garantias. A família vive num dado contexto, que pode ser fortalecedor ou esfacelador de suas possibilidades e potencialidades. Criar os filhos, educá-los, prepará-los para agir com responsabilidade e segurança no conturbado mundo de hoje é uma tarefa exigente e desafiadora. Muitos são os problemas que dificultam às famílias a realização de sua tarefa, tais como: o desemprego, a precarização das relações de trabalho, a fragilização dos vínculos familiares, o desmantelamento das políticas públicas, restando poucos espaços onde os sujeitos sociais podem se fortalecer, restabelecer e reconhecer. -10-

9 Política de Assistência Social das ACMs do Brasil Este tipo de espaço é que a ACM busca oportunizar no seu trabalho com as famílias, atuando no sentido de contribuir para o desenvolvimento de famílias educadoras, cidadãs e protagonistas. Família Educadora As crianças e os adolescentes têm direito à educação integral, visando ao seu desenvolvimento cognitivo, emocional e social, de forma a prepará-los para o pleno exercício da cidadania. A família é a base da formação de um indivíduo. Ambiente em que ocorrem os primeiros contatos e relacionamentos da criança, modelo referencial e responsável pela formação de valores, entre outras coisas. As relações sociais começam a ser definidas desde a infância, percorrendo a fase adulta. Portanto, temos o binômio escola-família como potencializador das estruturas de compreensão e percepção do comportamento social, gerando (ou não) um adulto capaz de compreender e enfrentar a realidade social, através das regras de conduta, se adequando aos usos e costumes sociais. Família Cidadã A cidadania está em permanente construção; é um referencial de conquista da humanidade, por meio do qual lutamos por mais direitos, maior liberdade, melhores garantias individuais e coletivas. A cidadania, pressupõe também, deveres. A família cidadã é aquela que tem condições de orientar e cuidar dos seus filhos, acessar informações e serviços diversos, usufruir seus direitos de forma consciente, visando o seu desenvolvimento sustentável e o fortalecimento dos vínculos familiares, comunitários e de participação social. Família Protagonista É por meio da cultura familiar, das trocas de experiências, das construções do caráter, do desenvolvimento de vínculos saudáveis e de ações que fortaleçam as competências das crianças e dos adolescentes, auxiliando-os a ter um plano de vida digno para desempenhar seus papéis sociais, que a família se torna protagonista. Para tal, sua estrutura deve estar fundada no desempenho de papéis e funções saudáveis, não só intra, mas também extra-familiar, em constante troca com o meio, construindo junto ao coletivo uma sociedade melhor, sendo participativa e solidária. Política de Atendimento das ACMs e. Público alvo Famílias de baixa renda em situação de vulnerabilidade e risco social, residentes nos territórios de atuação das ACMs. f. Objetivos Contribuir para o empoderamento, o fortalecimento e a autonomia das famílias, centrando as ações em três esferas principais: Vida em Família: Objetivo específico: fortalecer as relações intrafamiliares e o papel da família enquanto protagonista e educadora principal das crianças e adolescentes. Família na Comunidade: Objetivo específico: oportunizar o desenvolvimento dos laços de solidariedade, potencialização, no coletivo, das ações de cada família e fortalecimento do seu papel de protagonista nos processos de interação com seu meio social. Vida de Direitos e Deveres: SEGMENTO FAMÍLIA -11-

10 Política de Assistência Social das ACMs do Brasil SEGMENTO FAMÍLIA Objetivo específico: promover a noção de direitos e deveres, visando consolidar a condição de cidadão de cada membro da família. g. Princípios Centralidade da Família De acordo com a NOB/SUAS, a proteção social de assistência social, ao ter por direção o desenvolvimento humano e social e os direitos de cidadania, tem como um dos princípios a matricialidade sociofamiliar e como uma das garantias a segurança do convívio ou vivência familiar, comunitária e social. Primazia de Atenções De acordo com a NOB/SUAS, a assistência social dá primazia de atenção às famílias e seus membros, a partir do seu território de vivência, com prioridade àquelas com registros de fragilidades, vulnerabilidades e presença de vitimizações entre seus membros. Protagonismo da Família De acordo com a NOB/SUAS, a dinâmica da rede socioassistencial em defesa dos direitos de cidadania considera o cidadão e a família não como objeto de intervenção, mas como sujeito protagonista da rede de ações e serviços. h. Diretrizes Integrar a ACM, como organização participante do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), à rede de proteção social do(s) território(s) em que atua, de forma a contribuir para o fortalecimento da mesma, visando a articulação de serviços e recursos necessários ao enfrentamento da pobreza e da exclusão social. Interagir com a rede de serviços de assistência social, saúde, educação, cultura, esporte, lazer e outros, visando promover o acesso das famílias às diversas políticas públicas para atendimento de suas necessidades. Desenvolver ações e projetos que possibilitem o fortalecimento das competências familiares e progressos significativos na resolução de problemas intrafamiliares. Realizar, junto às famílias, projetos diversos, de acordo com necessidades e interesses manifestados pelas mesmas. Considerar a família como parte integrante do público-alvo dos serviços e projetos socioeducativos desenvolvidos com crianças e adolescentes, envolvendo-as nos processos junto aos mesmos, e, ao mesmo tempo, dispensando atenções necessárias ao seu fortalecimento. Envolver as famílias nos processos de planejamento e avaliação das atividades referentes aos serviços e projetos socioassistenciais e socioeducativos dos quais participem. Promover junto às comunidades projetos coletivos que possibilitem às famílias a melhoria da qualidade de vida e o desenvolvimento do seu protagonismo. Estimular as famílias a buscar e participar em sua comunidade de diferentes espaços de integração e mobilização social, inclusive de conselhos e comissões ligados à gestão pública da região. i. Referências bibliográficas BRASIL, Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome (2004) Política Nacional de Assistência Social. Resolução do CNAS nº145 de 15/10/2004, publicada no Diário Oficial da União de 28/10/2004 disponível em acesso em 14/07/2008 BRASIL, Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome (2005) Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social NOB/SUAS. Resolução do CNAS nº 130, DE 15 DE JULHO DE 2005, publicada no Diário Oficial da União, disponível em acesso em 14/07/

11 Política de Assistência Social das ACMs do Brasil BRASIL (2007) Plano Nacional de Convivência Familiar e Comunitária. WIKIPEDIA (s/d) verbete família. Disponível em C3.A7.C3.B5es_externas. Acesso em 14/07/2008. IBGE, (s/d) IBGE Teen: A Família Brasileira. Disponível em familia.html#anc1. Acesso em 14/07/2008. ROSA, Elizabete Terezinha Silva (2006) A centralidade da família na política de assistência social. In: I CONGRESSO INTERNACIONAL DE PEDAGOGIA SOCIAL, 1. Anais eletrônicos. Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, Disponível em: <http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=msc &lng=es&nrm=abn>. Acesso em: 14/07/2008 COSTA, A. C. G. (2003) Regimes de Atendimento e Apoio Sócio-Familiar. Belo Horizonte: Modus Faciendi. GOMES, José Carlos (1987) Manual de Psicoterapia da Família. Editora Vozes. MIERMONT, Jacques et al (1994) Dicionário de terapias familiares: teoria e prática. Porto Alegre, Artes Médicas. EIGUER, Alberto (1999) Um Divã Para Família. Porto Alegre, Artes Médicas. SALVADOR, Minuchin (1990) Famílias: Funcionamento e Tratamento. Porto Alegre, Artes Médicas. SEGMENTO FAMÍLIA -13-

12 SEGMENTO CRIANÇA E ADOLESCENTE

13 8. SEGMENTO CRIANÇA E ADOLESCENTE Introdução a. A educação integral Política de Assistência Social das ACMs do Brasil A Unesco, ao propor os quatro pilares da educação (aprender a ser, aprender a conviver, aprender a fazer e aprender a conhecer), e a nova LDB, ao propor os temas transversais, ampliam o conceito de educação para além do conhecimento teórico, valorizando também aspectos atitudinais e de convivência. A educação integral pressupõe a formação da pessoa em toda sua complexidade; pressupõe uma atenção voltada para o desenvolvimento integral do ser humano, considerando suas potencialidades emocionais, sociais, cognitivas, espirituais e físicas. A educação integral estimula o conhecimento de si, do outro, do mundo e articula os saberes acadêmicos, tradicionais e culturais. É essa articulação dos projetos individuais e coletivos que possibilitará a vivência da cidadania. Família, escola, comunidade e toda a rede de atendimento à criança e ao adolescente (postos de saúde, centros de lazer, bibliotecas e diferentes serviços públicos e privados) são pilares fundamentais na promoção do desenvolvimento integral, o qual diz respeito à saúde (física e psicológica), à educação, à alimentação, ao lazer, à convivência familiar, comunitária e social. O desenvolvimento integral depende, do ponto de vista da proteção social, de todo um conjunto de intervenções que busquem evitar ou sanar situações de exclusão, riscos e vulnerabilidades. Do lado da educação, visa a promover o desabrochar das potencialidades pessoais, sociais, intelectuais e produtivas do seu público-alvo. Atenção especial também deve ser dispensada às diversidades e desigualdades. Explorar as peculiaridades de cada um permite o reconhecimento do diferente e a ampliação do repertório vivencial de todos. A convivência com a variedade é riquíssima, facilitando a aprendizagem do respeito e da tolerância. b. O trabalho socioeducativo As ações socioeducativas perpassam toda a política social e concretizam a educação integral. Ofertam aos cidadãos um conjunto diversificado de oportunidades de aprendizagem. Assim, políticas públicas de Educação, Cultura, Saúde, Esportes e Assistência Social, entre outras, promovem ações socioeducativas com propósitos diversos, mas complementares. Todas elas funcionam, em princípio, em sinergia para o desenvolvimento integral do cidadão. As ações socioeducativas no âmbito da Assistência Social promovem aprendizagens de convívio social. A convivência social é um objetivo complexo porque envolve várias dimensões: desenvolvimento do sentido coletivo, da autonomia na vida, do acesso e usufruto de serviços básicos, do reconhecimento e participação na vida pública. Essas dimensões são condição necessária para que crianças e adolescentes alcancem, sobretudo, sentido de pertencimento e inclusão social, favorecendo sua integração a redes de proteção social que fluem pela via do Estado, das famílias e das comunidades. Assim, as ações socioeducativas na área da Assistência Social se dão por meio do entrelaçamento da educação com a proteção social e para sua efetividade é necessário estabelecer parcerias com a escola, a família, a comunidade e com os mais diversos serviços de atendimento à população infanto-juvenil, cada um desempenhando seu papel nesse processo. SEGMENTO CRIANÇA E ADOLESCENTE 1. Os temas transversais dizem respeito a conteúdos de caráter social, que devem ser incluídos no currículo do ensino fundamental, de forma transversal, ou seja: não como uma área de conhecimento específica, mas como conteúdo a ser ministrado no interior das várias áreas estabelecidas. Os temas transversais são estabelecidos pelos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) e compreendem seis áreas: Ética, Orientação Sexual, Meio Ambiente, Saúde, Pluralidade Cultural e Trabalho e Consumo. -17-

14 Política de Assistência Social das ACMs do Brasil SEGMENTO CRIANÇA E ADOLESCENTE Concluindo, as ações socioeducativas têm como um de seus pilares de sustentação o trabalho em rede, sendo que seu compromisso específico é o da qualificação do convívio como estratégia de formação do indivíduo social. Seu foco de trabalho é, portanto, a convivência social. c. Pressupostos das ações socioeducativas Conforme o CENPEC (2007:8), as ações socioeducativas: São caminhos estratégicos para o enfrentamento da desigualdade. Pensar em políticas de proteção ao grupo infanto-juvenil é problematizar a ausência de oportunidades para esta população e, sobretudo, criar condições de aprendizagens que resultem efetivamente em conquista de equidade. Designam um campo de múltiplas aprendizagens voltadas a assegurar proteção social e oportunizar o desenvolvimento de interesses e talentos múltiplos de crianças, adolescentes e jovens. Têm como finalidades a convivência, a socialização e participação na vida pública comunitária, campos privilegiados para tratar de forma intencional valores éticos, estéticos e políticos. Realizam-se fora dos quadros do sistema formal de ensino ofertando recursos educativos que por sua flexibilidade, inovação e diversidade, possibilitam às crianças, adolescentes e jovens outros canais de contato com o mundo do conhecimento, ampliando-se a aprendizagem em todos os sentidos. Política de Atendimento das ACMs d. Público-alvo Crianças e adolescentes de 06 a 14 anos, de ambos os sexos, em situação de vulnerabilidade e risco social. e. Princípios O texto elaborado pelo CENPEC (2007:10-11) propõe alguns princípios da ação socioeducativa: toda criança, adolescente e jovem pode e tem o direito de aprender, independentemente de seu ponto de partida, do repertório e da trajetória já construídos. Toda criança, adolescente e jovem deve participar, de acordo com seu nível de amadurecimento, do planejamento e da responsabilidade em relação ao projeto pedagógico coletivo, e aprender a elaborar seu próprio projeto de desenvolvimento pessoal e social. O aprendizado da convivência democrática exige investimento e aprimoramento das práticas e dos profissionais, pois esse aprendizado não é decorrência, mas sim foco do trabalho socioeducativo. A escolha e definição das atividades socioeducativas levam em conta a história sociocultural e as questões emergentes na comunidade e no mundo, a ampliação do repertório e das oportunidades de aprendizagem das crianças e adolescentes, suas demandas e necessidades, e os valores universais e democráticos. Para garantir efetividades ao trabalho é necessário articulação e integração aos processos educativos da escola formal oferecendo apoio à melhoria do desempenho escolar e abertura para que crianças vivenciem novas alternativas de acesso ao conhecimento. 2. A Assistência Social é política de proteção social responsável por agir junto à parcela da população atingida por conjunturas, contextos ou processos produtores de vulnerabilidade social. São diversos os fatores de vulnerabilidade social: a ausência ou precária renda; o trabalho informal, precário e o desemprego; o precário ou nulo acesso aos serviços das diversas políticas públicas; a perda ou fragilização de vínculos de pertencimento e de relações sociofamiliares e as discriminações. 3. A participação se pratica e se aprende. Aprende-se a participar participando. É no contato com as pessoas, no diálogo, na troca de idéias, na colocação de nossas dúvidas, nos pedidos de esclarecimento que, aos poucos, ganhamos confiança e percebemos o tipo de contribuição que podemos oferecer à coletividade em nosso dia-a-dia. -18-

15 Política de Assistência Social das ACMs do Brasil A participação das famílias será estimulada no sentido de, com elas, fortalecer, valorizar e apoiar o desenvolvimento integral de seus filhos, tanto escolar como complementar, dando maior sentido e significado ao processo de aprendizagem. Oferecer espaços de acolhimento, diálogo e interação, discutindo com as crianças e adolescentes as situações desafiantes do cotidiano estimulando-os a buscar alternativas para as questões que se apresentam. Imprimir valores às ações cotidianas, rompendo com o caráter meramente utilitário de muitos dos aprendizados, de forma a atender as reais necessidades das crianças e adolescentes. f. Diretrizes e objetivos Ao focar a convivência social e colocá-la em um primeiro plano, o trabalho socioeducativo não desconsidera as outras dimensões da aprendizagem. O Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (CENPEC), considerando os quatro pilares da educação, propõe três dimensões para as aprendizagens socioeducativas: SEGMENTO CRIANÇA E ADOLESCENTE A aquisição de conhecimentos atravessa a vida das crianças e adolescentes e os afeta em diferentes graus de intensidade, produzindo mudanças no modo de pensar, ver e viver, gerando sensações de diferentes tonalidades. Embora os conteúdos estejam intrinsecamente relacionados, cada uma dessas dimensões requer estratégias específicas, formas distintas de formular e realizar situações em que as crianças e adolescentes possam aprender seus conteúdos. A escola e programas socioeducativos não se confundem ou competem, mas sim se complementam. Nas ações socioeducativas destacam-se a convivência, o relacionar-se com o outro, enquanto que na escola são focados os saberes acadêmicos. Portanto, em cada um dos espaços, o conteúdo do outro é colocado como pano de fundo. -19-

16 Política de Assistência Social das ACMs do Brasil SEGMENTO CRIANÇA E ADOLESCENTE Assim, as ações socioeducativas não repetem as dinâmicas do espaço da escola formal e não possuem um currículo padrão, mas sim projetos que nascem nas comunidades, de suas demandas, interesses, particularidades e potencialidades e, portanto, são flexíveis, inovadores e podem experimentar várias linguagens. 1) Atitudinal Aprender a ser É a busca do desenvolvimento integral da pessoa, de sua autoestima, autodeterminação, auto realização, de sua sensibilidade pessoal, da espiritualidade, do pensamento crítico e da imaginação criadora. Uma pessoa bem formada em sua maneira de ser tem melhores condições para enfrentar os problemas e contribuir para uma melhor compreensão do outro e a resolução de seus conflitos. A educação deve preocupar-se com o desenvolvimento pleno de seus educandos. Isto inclui tornar possível sua formação cognitiva, afetiva, psicomotora, etc. É necessário conhecer-se a si mesmo para que se possa conhecer o outro e aceitá-lo. Como aceitar o outro sem aceitar a si próprio primeiro? Nisto consiste o pilar da educação do novo milênio que propõe conhecer-se a si mesmo, aprendendo a ser cada vez melhor. Enxergando a si mesmo como sujeito de capacidades múltiplas e como sujeito de relações. O educando tem condições de desenvolver-se de maneira mais significativa. Máquinas podem ser muito úteis, mas jamais substituirão o prazer do contato pessoal entre os seres. Somos seres humanos e, só por isso, já não nos é possível viver isoladamente. O outro nos mostra quem somos. Aprender a ser é a relação da pessoa consigo mesma, ou seja, com sua identidade e seu projeto de vida. Todo ser humano deve ser preparado para elaborar pensamentos autônomos e críticos, para formular os próprios juízos de valor, de modo a poder decidir, por si mesmo, como agir nas diferentes circunstâncias da vida. Nesse contexto deve-se desenvolver: Identidade Auto Estima Autoconceito Autoconfiança Visão destemida do futuro O querer ser O projeto de vida O sentido da vida Autodeterminação Resiliência Auto realização Plenitude Humana Aprender a Conviver Envolve a descoberta e o encontro do outro com a devida compreensão e respeito aos seus valores, à sua cultura, desenvolvendo a percepção da interdependência, da não-violência, da capacidade de administrar conflitos, da valorização do outro e, não, da competitividade. É também aprender a ser solidário, receptivo, aceitando o diferente, participando de projetos comuns que levem a uma compreensão mútua na vivência de valores da paz e do respeito. -20-

17 Política de Assistência Social das ACMs do Brasil Isto implica colocar-se no lugar do outro, muitas vezes para sentir suas frustrações, angustias e desejos. Desta forma, se poderá levar o aluno a compreender que as diferenças não são a causa da violência entre os povos e, sim, que essa causa está na maneira como encaramos estas diferenças. Se nem irmãos, ditos gêmeos idênticos, são iguais, por que esperar que a humanidade, reunida pela diversidade, porte-se de maneira igual. Deve-se levar o aluno a compreender e valorizar as diferenças privilegiando o desenvolvimento da cultura da paz e da colaboração. Conviver é relacionar-se. Ninguém existe sozinho, ninguém pode ser feliz sozinho. Portanto, depois de um encontro consigo mesmo, vamos em direção ao encontro com o outro. Relacionamo-nos com as pessoas em níveis. Há o nível interpessoal, as relações com a família, as amizades e o amor. E o nível de relações sociais, o relacionamento no sentido mais amplo (com a cidade, com o país, o que se dá pela obediência às leis) 1) Aprender a não agredir o semelhante nem física, nem psicológica e nem socialmente. Isto implica em respeitar as diferenças entre as pessoas, tolerar e respeitar pontos de vista diferentes do nosso, em respeitar direitos pessoais e sociais, em saber cooperar e ser solidário, visando o bem-estar de todos. É preciso aprender a ver o outro como diferente, como complemento ou opositor, nunca como inimigo. O que está por trás da valorização da não-agressão é o princípio da vida. Ao valorizar a minha vida e a do outro, valorizo a humanidade. 2) Aprender a comunicar-se. A comunicação é o pressuposto para o entendimento, para o acordo, para a resolução de conflitos e para a convivência. É preciso aprender a conversar, a expressar-se, a compreender, concordar e discordar sem agredir. As linguagens oral, escrita, artística devem ser entendidas como instrumentos para se viver melhor. 3) Aprender a interagir. Interagir é estar atento ao outro e agir em sintonia com ele, aprendendo a concordar e discordar sem romper a convivência. Respeitar as convicções políticas, religiosas, a condição social, a situação econômica, o time de futebol, o jeito de vestir, de pensar e de agir do outro. Saber ceder sem se sentir perdedor. 4) Aprender a decidir em grupo. É saber negociar, aperfeiçoar o espírito democrático, fazer-se entender e procurar entender o outro, saber propor sem impor e respeitar a vontade da maioria. 5) Aprender a se cuidar. É aprender a proteger e valorizar a própria saúde, as normas gerais de segurança. Novamente, falamos da valorização da vida. Cuidar do corpo, da mente e do espírito é sinal de respeito consigo mesmo. 6) Aprender a cuidar do lugar em que vivemos. É aprender a cuidar do meio ambiente, defendendo e preservando o espaço público. O que está por trás dessa atitude é o compromisso ético com nossa vida e com a das futuras gerações. Cuidar do lugar onde vivemos não se restringe a preservar os recursos da Terra: é no cotidiano que cuidamos da nossa casa, da nossa rua, dos equipamentos públicos. 7) Aprender a valorizar o saber social. É aprender a respeitar e integrar o saber cultural, tradicional e acadêmico. Saber social é o conjunto de conhecimentos, práticas, procedimentos, valores, sentimentos e ritos de uma cultura. Muitas vezes esse saber não está nos livros: você o obtém conversando com os mais velhos, na história de uma comunidade. Quando nascemos já existe um conjunto de valores, práticas culturais e tradições que constituem a história de cada grupo social. Há, também, o saber científico, as pesquisas acadêmicas, as grandes descobertas. Tanto um, quanto outro, são extremamente importantes e constituem canais de inserção cultural e pertencimento social. 2) Conceitual Aprender a conhecer É o despertar do prazer de conhecer, de compreender, descobrir, construir e reconstruir o conhecimento, ter curiosidade. É condição para ser desenvolvida sempre, ao longo de toda a vida, a fim de compreender o mundo, a sociedade, o movimento das ideias; a busca do conhecimento em que ele se encontra, principalmente hoje com toda a tecnologia disponível SEGMENTO CRIANÇA E ADOLESCENTE

18 Política de Assistência Social das ACMs do Brasil SEGMENTO CRIANÇA E ADOLESCENTE Os conhecimentos da dimensão conceitual são os mais valorizados na escola, cuja missão maior é garantir que os alunos aprendam os conteúdos disciplinares. Devemos exercitar o aprender a aprender e este dá-se pelo exercício da atenção, da memória e do pensamento. Atenção para propor às crianças algo que venha, verdadeiramente, ao encontro de suas necessidades e enriqueça suas experiências. E a memória? Facilmente pensamos que memória é coisa de educação tradicional. Não é. O que seria da humanidade sem memória? Certamente não teríamos conhecimento de muitos acontecimentos, anteriores à escrita, por exemplo, se não fosse pela memória de nossos antepassados. Quanto ao pensamento, compete ao professor oportunizar ao aluno situações para que ele possa desenvolvê-lo adequadamente, sem repressões, pois é, justamente, por saber refletir que o ser humano chegou aonde está, por saber pensar e repensar suas práticas, aprimorando-as, para o seu próprio benefício. Aprender a conhecer, por fim, significa não conceber o conhecimento como algo imutável, mas, sim, como algo que se constrói ao longo de toda a existência, onde quer que estejamos. Conhecer um mundo em mudanças permanente é essencial para movimentar-se nele. Não numa perspectiva profunda e detalhada, e sim, numa cultura geral. O verdadeiro conhecimento é crítico e reflexivo; vem de muitas fontes: tv, revista, jornais, convivência, internet, entre outras. O que tem valor hoje não é a força de trabalho, mas o conhecimento de quem trabalha. Para tanto se torna fundamental: Aprender a aprender; Ensinar a ensinar; Conhecer o conhecer; O domínio da linguagem (oralidade, leitura e escrita); A capacidade de fazer cálculos e resolver problemas; A capacidade de descrever, analisar e interpretar dados, fatos e situações; A capacidade de receber criticamente os meios de comunicação. 3) Procedimental Aprender a Fazer É o desenvolvimento da competência e habilidades que levem ao uso da tecnologia e sua aplicação na vida moderna, sem esquecer de atentar para as relações interpessoais, a fim de saber trabalhar em equipe, levando ao desenvolvimento das novas lógicas e da criatividade. A educação não poderá limitar-se a formar pessoas para realizar uma atividade única. O mundo evolui a passos largos e o que é moderno, hoje, muito em breve estará obsoleto. Então, nossos educandos devem estar preparados para enfrentar situações novas que exijam deles mais do que executar uma tarefa já interiorizada e mecânica. Aprender a fazer quer dizer fazer de diferentes formas, de maneira que não fique preso a um único meio de se chegar aos resultados desejados. Significa não apenas desenvolver uma qualificação profissional, mas, sim, um leque de competências que o levem a uma qualificação cada vez melhor. Inclui, também, saber trabalhar conjunta e harmoniosamente em busca de objetivos comuns. Em outras palavras, apropriar-se do sentido implícito em uma frase já nossa velha conhecida: A união faz a força. Está mais ligada à formação para o mundo do trabalho. A referência básica é o domínio de competências e habilidades requeridas pelo novo mundo do trabalho, que facilitam não apenas ingressar, mas nele permanecer e crescer. -22-

19 Para isso faz-se necessário desenvolver: A capacidade de compreender e atuar em seu entorno social; A capacidade de localizar, acessar e usar melhor a informação acumulada; A capacidade de planejar, trabalhar e decidir em grupo; Política de Assistência Social das ACMs do Brasil Aprendizagem/capacitação profissional direcionada à inserção no mercado de trabalho ; Habilidades: básicas, específicas e de gestão 5. É preciso pôr em prática todos os estudos e projetos para a modernização da educação. Para mudar nossa história e obter conquistas, precisamos ousar em cortar as cordas que impedem o próprio crescimento, exercitar a cidadania plena, aprender a usar o poder da visão crítica, entender o contexto desse mundo, ser o ator da própria história, cultivar o sentimento de solidariedade, lutar por uma sociedade mais justa e solidária e, acima de tudo, acreditar sempre no poder transformador da educação. g. Referências bibliográficas CENPEC (2005) Avaliação: construindo parâmetros das ações socioeducativas. São Paulo, s/ed. CENPEC (2007a) Parâmetros das Ações Socioeducativas: Igualdade como direito, diferença como riqueza. Caderno 1: Síntese. Versão preliminar, São Paulo, s/ed. CENPEC (2007b) Parâmetros das Ações Socioeducativas: Igualdade como direito, diferença como riqueza. Caderno 2 Conceitos e políticas. Versão preliminar, São Paulo, s/ed. INSTITUTO AIRTON SENNA (2001) Conceitos Norteadores para o Grupo de Trabalho, Instituto Ayrton Senna, s/ed. SEGMENTO CRIANÇA E ADOLESCENTE 4. Para maiores de 14 anos. 5. Habilidades específicas e de gestão exclusivamente para maiores de 14 anos. -23-

20 SEGMENTO JOVEM

21 Introdução Política de Assistência Social das ACMs do Brasil De acordo com a Legislação Brasileira Lei nº de 05/08/2013 que institui o Estatuto da Juventude, jovens são pessoas com idade entre 15 e 29 anos (Art. 1º, 1º). Para fins desta política, estará contemplada a faixa etária entre 15 e 24 anos de idade. A juventude sempre foi considerada um período delicado e decisivo da vida humana. No entanto, no mundo atual os conflitos e desafios que envolvem a vida dos jovens vêm se exacerbando de forma incomum. No Brasil de hoje, estar situado na faixa etária que vai dos 15 aos 24 anos já configura, por si só uma situação de risco. Certamente, um país que não oferece aos jovens oportunidades adequadas de desenvolvimento social e profissional tem pouco a esperar do futuro. (RIBAS JUNIOR, 2004, p.01) SEGMENTO JOVEM Segundo dados do ano de 2013 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o Brasil possui 34,1 milhões de brasileiros na faixa etária entre 15 e 24 anos. De acordo com a PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) em 2011, a taxa de desemprego entre 15 e 17 anos ficou em 21% e entre 18 e 24 anos, em 13,2%. Para efeito de comparação, entre 25 e 49 anos, a taxa de desemprego é de apenas 4,8%. A conjunção de baixa escolaridade, pouca oportunidade para desenvolver competências básicas requeridas pelas novas configurações do mundo do trabalho e reduzida oportunidade de mobilidade social empurra muitos jovens para criminalidade e explica em boa medida o crescimento da violência no país. (RIBAS JUNIOR, 2004, p.01) Assim sendo, diante da grande demanda de jovens existentes no país, as ACMs do Brasil se propõem a trabalhar, por meio de sua política de assistência social, com este segmento, prioritariamente com os provenientes de famílias de baixa renda em situação de vulnerabilidade e/ou risco social, no que diz respeito à formação cidadã e capacitação para o mercado de trabalho. Perpassando essa formação e capacitação se impõe a questão do protagonismo juvenil, competência esta que qualifica a vida pessoal, social e profissional dos jovens. A ACM possui uma história antiga de protagonismo juvenil que se iniciou em 1844 quando um grupo de jovens liderados por George Williams, em plena Revolução Industrial materializa, diante dos impactos sociais da época, o Movimento Acemista (YMCA) com a proposta de permitir o desenvolvimento sadio e harmonioso de jovens que viviam em Londres no século XVIII. A palavra protagonismo é constituída por duas raízes gregas: proto, que significa o primeiro, o principal ; agon, que significa luta. Agonistes, por sua vez, significa lutador. Protagonista quer dizer, então, lutador principal, personagem principal, ator principal. O jovem deve começar então, em face do protagonismo a ser aceito como solução e não como problema. (HAMZE, 2013, p.01). A palavra protagonismo vai muito além do que ser dinâmico e idealista. Por trás está todo um processo de educação de base, que segundo José Manuel Moran (2013), especialista em mudanças na educação, estão pautados no conhecimento integrador e inovador, no desenvolvimento da autoestima, na formação do jovem empreendedor e na construção do cidadão. -27-

22 SEGMENTO JOVEM Política de Assistência Social das ACMs do Brasil Política de Atendimento das ACMs Princípios: Baseado na Lei Federal de 05/08/2013 (Estatuto da Juventude), consideramos como princípios básicos para o trabalho com jovens: I - promoção da autonomia e emancipação dos jovens; II - valorização e promoção da criatividade e da participação social e política; III reconhecimento do jovem como sujeito de direitos universais, geracionais e singulares; I V contribuição para o desenvolvimento integral do jovem; V - respeito à identidade e à diversidade individual e coletiva da juventude; VI - promoção da vida segura, da cultura da paz, da solidariedade e da não discriminação; VII - valorização do diálogo e convívio do jovem com as demais gerações. Diretrizes: Proporcionar atendimento multidisciplinar; Promover ações para inserção do jovem no mercado de trabalho e projetos pertinentes ao segmento; Socializar informações relativas aos direitos e deveres; Proporcionar atividades de cunho cultural e educativo com temas pertinentes à faixa etária, estimulando debates; Oportunizar a sociabilização, a participação nos diversos espaços e o exercício dos direitos sociais. Público Alvo Jovens, na faixa etária entre 15 e 24 anos, de ambos os sexos, prioritariamente, em situação de vulnerabilidade e/ou risco social. Objetivo Geral: Contribuir para a formação sociocultural e educacional dos jovens visando à construção de atitudes que favoreçam o protagonismo juvenil. Objetivos Específicos: Capacitar os jovens visando sua inserção no mercado de trabalho; Despertar a consciência da cidadania; Estimular a convivência familiar e comunitária visando o fortalecimento dos vínculos; Estimular a convivência em grupo, o protagonismo e a liderança objetivando a autonomia, autoconfiança e autoestima; Proporcionar oportunidades de desenvolvimento pessoal e social com base nos valores da instituição; Orientar para a preservação da saúde física e mental. Referências: BRASIL, Presidência da República. Estatuto da Juventude. Lei nº , de 05 de agosto de RIBAS JUNIOR, Fábio Barbosa. Educação e Protagonismo Juvenil. Disponível em: br. Acesso em 09 de setembro de

23 Política de Assistência Social das ACMs do Brasil Protagonismo Juvenil. Disponível em: Acesso em 05 de setembro de Programas Corpo de Líderes ACM São José dos Campos. Disponível em: acmsjcampos. Acesso em 05 de setembro de BRASIL, IBGE. Censo Demográfico, Disponível em: Acesso em 04 de outubro de BRASIL, PNAD, Disponível em: trabalhoerendimento/pnad2011. Acesso em 04 de outubro de HAMZE, Amélia. Protagonismo Juvenil. Disponível em: noticias/ protagonismo-juvenil-jovens-falam-da-importancia-da-participacao-e-queespaco-deve-ser-conquistado. Acesso em 05 de setembro de 2013.JBKJBKJBJBKJB SEGMENTO JOVEM -29-

24 SEGMENTO IDOSO

25 10. SEGMENTO IDOSO Introdução -33- Política de Assistência Social das ACMs do Brasil Velhice é o último período da evolução natural da vida. Implica em um conjunto de mudanças biológicas, fisiológicas, psicológicas, sociais e econômicas, gerando perdas e ganhos para os indivíduos, dependendo de como o processo do envelhecer é pensado, sentido e vivido, nos âmbitos pessoal, familiar e social. Para envelhecer deve-se pensar a própria velhice que não é uma prática comum e, por isso, quase sempre as pessoas encontram-se desprevenidas, sem chances de viver bem, pois, muitas vezes, a situação de pobreza e doenças em geral, decorre das condições adversas a que foram submetidas ao longo da vida, chegando à velhice com vários problemas acumulados. O envelhecimento é um processo comum a todos os seres vivos e, nos seres humanos, inicia com a concepção do embrião e se estende por toda a vida. Portanto, a velhice não é estática, é o resultado e o prolongamento de um processo. Sabe-se, entretanto, que a velhice não começa em uma idade cronológica, nem ocorre de forma igual para todas as pessoas. Fruto de nossos hábitos e costumes, este é um processo pessoal e também difere de época para época, ou seja, é pautado muito mais pelas perdas originadas pelas mudanças físicas e psicossociais, tais como: aparecimento de rugas e progressiva perda da elasticidade e viço da pele; diminuição da força muscular, da agilidade e da mobilidade das articulações; redução da capacidade auditiva e visual; distúrbios nos sistemas respiratório, circulatório, urogenital; alteração da memória. O segmento da população idosa no mundo está aumentando ano a ano em virtude do aumento da longevidade das pessoas. O mesmo acontece no Brasil, conforme demonstrado pelas pesquisas do IBGE e outras. Em 2000, segundo o Censo, a população de 60 anos ou mais de idade era de pessoas (8,6% da população total) contra (7,3%) em Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), em 2004, havia 17,6 milhões de pessoas com 60 anos ou mais, o que correspondia a 9,7% da população brasileira. De acordo com projeções realizadas, a população de idosos, em 2020, será de 30,8 milhões de pessoas, representando 14,2% da população total. Atualmente, a expectativa de vida dos brasileiros é de 68 anos, demonstrando um importante aumento da população idosa e isto se deve ao fato da intervenção da ciência médica para assistir à velhice que faz com que o prolongamento da vida seja acompanhado pela melhoria de sua qualidade. Além do progresso da medicina nesta área, a melhoria da qualidade de vida na terceira idade também é devido ao crescimento de programas para a mesma, que tem contribuído para criar oportunidades de inserção social e permite aos idosos explorar novas vivências, realizar projetos abandonados em outras etapas da vida e estabelecer relações com o mundo dos mais jovens e dos mais velhos. Muitos idosos no Brasil veem-se obrigados a continuar ou retornar ao mercado de trabalho para obter uma renda complementar, uma vez que os recursos provenientes das aposentadorias e pensões não são suficientes para cobrir suas necessidades. Nem todos que precisam conseguem trabalho, e os que conseguem, muitas vezes, se submetem ao subemprego, em condições que não condizem com suas expectativas. Aqueles que se afastam voluntária ou involuntariamente, do mercado de trabalho correm o risco de se sentirem inúteis, à margem da vida familiar e social. Esta situação se instala não só pelo sentimento do idoso em relação à sua situação, mas também pela imagem negativa que a maioria das pessoas possui sobre a terceira idade, difundida na mídia, que propaga como prioritário o poder econômico, discriminando e excluindo o idoso por este não ser mais produtivo nem integrar-se aos padrões de beleza e juventude culturalmente valorizados, e influenciando as atitudes e comportamentos dos mesmos fazendo com que comecem a se comportar e pensar da mesma forma que são retratados. Entretanto, essa imagem está sendo desmistificada, pois muitos idosos têm potencial para levar uma vida social ativa, independente e vigorosa, caso lhes sejam dadas as condições para tanto e possam contar SEGMENTO IDOSO

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL OBJETIVO DO CURSO Capacitar trabalhadores da assistência social para a utilização dos instrumentos técnico-operativos trabalho

Leia mais

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Ano 2012

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Ano 2012 Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Ano 2012 Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene Martin Tendolo Diretora de Departamento: Silmaire

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS Deliberação da IV Conferência Nacional; Garantia de acesso aos direitos socioassistenciais; Modelo democrático e descentralizado

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF O trabalho social com famílias no âmbito do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família - PAIF Contexto Social: Acesso diferencial às informações Uso e abuso de substâncias psicoativas Nulo ou

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Data de Criação: 23 de janeiro de 2004. Objetivo: aumentar a intersetorialidade

Leia mais

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios:

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios: LEI Nº 1720/2012 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS (Sistema Único de Assistência Social). Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015

ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015 ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015 LINHA DE AÇÃO I: SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DE SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS PARA CRIANÇAS

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Secretaria Nacional de Assistência Social MARCOS NORMATIVOS E REGULATÓRIOS Constituição Federal 1988 LOAS 1993 PNAS 2004

Leia mais

Lea Lúcia Cecílio Braga Diretora do Departamento de Proteção Social Básica/DPSB Secretaria Nacional de Assistência Social / SNAS Ministério

Lea Lúcia Cecílio Braga Diretora do Departamento de Proteção Social Básica/DPSB Secretaria Nacional de Assistência Social / SNAS Ministério Lea Lúcia Cecílio Braga Diretora do Departamento de Proteção Social Básica/DPSB Secretaria Nacional de Assistência Social / SNAS Ministério Desenvolvimento Social e Combate à Fome/MDS Brasília Dezembro/2014

Leia mais

Projeto de Lei n.º 36/2013-L

Projeto de Lei n.º 36/2013-L Projeto de Lei n.º 36/2013-L AUTORIZA A CRIAÇÃO DE UMA CASA DE PASSAGEM PARA MULHERES NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BARRA BONITA. Art. 1º Fica o Executivo autorizado a criar no âmbito

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Ministério do Esporte

Ministério do Esporte EDUCAÇÃO PELO ESPORTE PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO Ministério do Esporte Um brasileiro Ayrton Senna tinha Uma paixão pelo Brasil e seu povo Um sonho Ajudar a criar oportunidades de desenvolvimento para

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROTAGONISMO JUVENIL

EDUCAÇÃO E PROTAGONISMO JUVENIL 1 EDUCAÇÃO E PROTAGONISMO JUVENIL Fabio Barbosa Ribas Jr. 1 Novembro 2004 A juventude sempre foi considerada um período delicado e decisivo da vida humana. No entanto, no mundo atual os conflitos e desafios

Leia mais

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Dimensão formativa do programa voltada à educação para a cidadania

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária Manaus/AM 29 de Abril de 2014 Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (2004) O SUAS materializa o conteúdo da LOAS, cumprindo no tempo histórico dessa Política as exigências

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA Comitê Intersetorial Direito à Convivência Familiar e Comunitária Porto Alegre, 9 de outubro de 2012 DIRETRIZES Fundamentação Plano Nacional Efetivação

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual:

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Trabalho, Emprego e Renda Autogestão, Autodefesa e Família APAE : INTEGRALIDADE DAS AÇÕES NO CICLO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Maria dos Prazeres Nunes 1 INTRODUÇÃO No Brasil a expansão da educação ocorre de forma lenta, mas, crescente nas últimas décadas. Com base nas determinações

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE Vera Lucia Conrado de Oliveira¹; Maria Zildaneide Gonzaga²; Elda Cristiane de Souza Lima³ ESCOLA SENADOR PAULO GUERRA/CABROBÓ-PE lucinhaconrado.77@gmail.com;

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Básica Programa de Inclusão Produtiva de 3º Fase Auxílio Produção Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br 5.485.424 idosos - 2014 9.316.614 idosos - 2030 Fonte: Fundação SEADE Novas Demandas e Desafios Poder Público Sociedade Famílias Garantia de Direitos Proteção Social

Leia mais

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária Os casos encaminhados à modalidade

Leia mais

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO CONTEXTUALIZAÇÃO DOUTRINA DA SITUAÇÃO IRREGULAR DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL. Código de menores;. Menores em situação irregular;. Carentes, abandonados,

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS Adelaide Alves Dias * * Psicóloga. Mestre em Psicologia Social e Doutora em Educação. Professora do Centro de Educação e pesquisadora

Leia mais

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Arnaldo Rezende Setembro/2010. Um pouco da origem... 1543 Implantação da 1ª. Santa Casa de Misericórdia. 1549 - Chegada dos Jesuítas no

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 Disciplina a Especialidade Profissional Terapia Ocupacional nos Contextos Sociais e dá outras providências. O Plenário do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia

Leia mais

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA Antonia Alves Vanzetto RESUMO A Assistência Social reconhecida como Política Pública na Constituição Federal/1988, através dos artigos

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013.

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento ao Idoso do Município de São Gonçalo do Rio Abaixo, Cria o Conselho Municipal do Idoso e dá outras providências.

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos EDUCAÇÃO CONTRA O TRABALHO INFANTOJUVENIL: CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODO E VULNERABILIDADES Felipe Pitaro * Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos de partida. O primeiro diz

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM Falar em mobilização e participação de jovens na escola de ensino médio implica em discutir algumas questões iniciais, como o papel e a função da escola

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INTEGRAL NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

DESENVOLVIMENTO INTEGRAL NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DESENVOLVIMENTO INTEGRAL NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR A BASE A Base Nacional Comum é um conjunto de conhecimentos e habilidades essenciais que cada estudante brasileiro tem o direito de aprender a

Leia mais

AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE

AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE Patrícia da Silva Souza Graduanda de Pedagogia pela UEPB pipatricia278@gtmail.com Kátia Anne Bezerra da Silva Graduanda em Pedagogia

Leia mais

6ª Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa de Maringá. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga

6ª Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa de Maringá. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga 6ª Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa de Maringá Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga TEMA Protagonismo e Fotografo Paulo Pepe Empoderamento da Pessoa Idosa Por um Brasil de

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis.

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. MENSAGEM Nº. 02/2013 Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. Com nossos cordiais cumprimentos encaminhamos a V. Exa. e digníssimos Pares dessa R. Casa Legislativa, o Projeto

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens A obra salesiana teve início em Turim, na Itália, onde Dom Bosco colocou em prática seus ideais de educação associados ao desenvolvimento

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 1 O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Ana Carolina Corrêa 1 RESUMO O presente artigo pretende refletir sobre a urgente e necessária efetivação da

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Proteção Social Básica

Proteção Social Básica Proteção Social Básica Proteção Social Básica A Proteção Social Básica (PSB) atua na prevenção dos riscos por meio do desenvolvimento de potencialidades e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Cozinha Escola Borda Viva

Mostra de Projetos 2011. Cozinha Escola Borda Viva Mostra de Projetos 2011 Cozinha Escola Borda Viva Mostra Local de: São José dos Pinhais Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

8. SUAS: Desafio histórico de construção da Rede de Proteção Social para famílias em situação de vulnerabilidade, risco pessoal e social.

8. SUAS: Desafio histórico de construção da Rede de Proteção Social para famílias em situação de vulnerabilidade, risco pessoal e social. C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A B R I G A D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O 433 8. SUAS: Desafio histórico de construção da Rede de Proteção Social para famílias

Leia mais

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012. Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012. Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas Objetivos: Traduzem os resultados que se pretende atingir com a execução

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais