O PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA EM CONTEXTOS NÃO FORMAIS: EXPECTATIVAS E REALIDADES EM DIFERENTES PERSPECTIVAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA EM CONTEXTOS NÃO FORMAIS: EXPECTATIVAS E REALIDADES EM DIFERENTES PERSPECTIVAS"

Transcrição

1 Recebido: 31/07/2013 Parecer emitido em: 18/08/2013 Artigo original O PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA EM CONTEXTOS NÃO FORMAIS: EXPECTATIVAS E REALIDADES EM DIFERENTES PERSPECTIVAS Maloá de Fátima Francisco 1, Rubens Venditti Júnior 2. RESUMO Este estudo teve por objetivo compreender as expectativas e realidades na atuação em Atividade Motora Adaptada (AMA) dos profissionais das áreas de Educação Física (EF), da administração pública das instituições especiais de atendimento às pessoas com deficiência (PcDs), familiares de PcDs dependentes e pelas PcDs independentes, residentes em Muzambinho/MG, comparando assim as expectativas e realidades da EFA em contextos não formais, sob estas diversas perspectivas de envolvimento. Os participantes foram selecionados por critérios relacionados aos sujeitos com deficiência destacados na pesquisa, totalizando 26 indivíduos. Os dados foram coletados através de entrevista com gravação em áudio e transcrição na íntegra. Foi verificado que a realidade da EFA atualmente se contrapõe às expectativas, principalmente no que tange à inclusão das PcDs nos contextos não formais, deflagrando a necessidade de reflexões e discussões para a atuação profissional em AMA e EF. Palavras-chave: Atividade Motora Adaptada. Pessoa com deficiência. Inclusão. Atuação profissional. ADAPTED PHYSICAL EDUCATION TEACHER IN NON-FORMAL CONTEXTS: EXPECTATIONS AND REALITIES THROUGH DIFFERENT PERSPECTIVES ABSTRACT This study aimed to comprehend the expectancies and realities in Adapted Motor Activities (AMA), of physical education (PE) professionals, public administration inside special institutions of people with disabilities (PwD), families of addicted people with disabilities and independent people with disabilities, living in Muzambinho City/MG/ Brazil, comparing the reality and expectation of EFA in non formal contexts. Participants were selected using criteria related to the central subjects of this research (PwD), totaling 26 individuals. Data were collected through interviews with audio recording and full transcription. It was found that the reality of APE has been moving in opposite ways than expectations, especially regarding the inclusion in non formal contexts, starting the needing of reflections and discussions to acting in AMA and PE. Keywords: Physical Education. Adapted Motor Activity. People with disabilities. Inclusion. Teaching. APRESENTAÇÃO A realidade da pessoa com deficiência (PcD) tem mudado aos poucos, mesmo assim Meurer e Castro (2008) identificaram em seu estudo que a proporção de pessoas com deficiência nas academias é bastante reduzida. Segundo Palma et al., (2007), muitos ainda entendem que o espaço para PcD é apenas a escola especial, mas assim como a política de inclusão escolar, estes também têm direito de usufruir todos os espaços da sociedade e, principalmente, dentro dos espaços da Educação Física (EF), por ela ser compreendida como uma possibilidade em prol da qualidade de vida destes sujeitos. A não inclusão destas pessoas nestes contextos, segundo Maciel (2000), se torna um gerador de barreiras entre a pessoa com deficiência e sua participação efetiva na sociedade. Percebe-se que a grande maioria das pessoas com deficiência não frequenta clubes, academias, aulas de EF e espaços de lazer. Esta exclusão em relação à atividade física não se dá por conta de estas PcDs serem incapazes, mas sim por puro preconceito, despreparo e/ou falta de conhecimento acerca das potencialidades destes sujeitos (VENDITTI JR, 2005). Além disso, a exclusão destes grupos em relação a estas práticas e estes espaços sociais acaba enfraquecendo a saúde e a qualidade de vida, gerando um estilo de vida inativo e sedentário. E neste processo, existem dois fatores de suma importância que incidem diretamente na vida das PcDs para sua efetiva participação em contextos não formais da EF. Estes fatores são a família e os profissionais de EF atuantes em diferentes contextos educacionais. Um profissional treinado e capacitado, segundo Reid (1999), é capaz de desempenhar atividades que englobam o indivíduo em uma perspectiva biológica, comportamental, humanitária e social. Seja na escola ou fora dela, o profissional deve proporcionar à PcD oportunidade de praticar atividade física e não excluí-la das possibilidades de integração e desenvolvimento social e pessoal. Coleção Pesquisa em Educação Física - Vol. 12, n. 3, ISSN:

2 No entanto, estudos demonstraram também que na realidade destes profissionais existe falta de qualificação e preparação, poucas oportunidades de emprego, condições de trabalho e insegurança em adaptar as atividades conforme a deficiência (FRANCISCO, 2011). Outro importante fator a ser considerado é a interação do profissional com a sociedade e a família. A família que é fonte de apoio e providencia de forma consciente o desenvolvimento da PcD, de maneira a fortalecer a individualidade, a autonomia e a independência. Rimer (2004) apud Carvalho (2005) diz que sem o apoio dos familiares, dos amigos e das pessoas mais próximas (que pode vir a ser até mesmo o profissional responsável pela atividade), a pessoa com deficiência não terá um envolvimento com a atividade física e consequentemente não mudará seu estilo de vida. Glat (2004) diz que a inclusão social de PcDs será conforme a decisão da família em permitir a sua participação em diferentes ambientes e relações sociais. Em face disso, este estudo objetivou identificar a realidade e expectativa de familiares e profissionais envolvidos no processo inclusivo, a respeito da PcD em contexto não formal de EF e EF Adaptada (EFA). A EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA No Brasil, a Educação Física Adaptada (EFA) começou a ser pronunciada por volta dos anos 80, efetivamente em meados de 1986 (FRANCISCO, 2011). No entanto a EFA ainda é uma área que está amadurecendo em conhecimento no meio acadêmico e muito mais no contexto social, por isso acreditamos na importância de trabalhos que se pronunciam acerca deste tema. Embora nova em conhecimento, possui definições precisas quanto aos seus objetivos: [...] a EFA é uma área do conhecimento em EF e esportes que tem por objetivo privilegiar uma população caracterizada como portadora de deficiência ou de necessidades especiais, e desenvolve-se através de atividades psicomotoras, esporte pedagógico, recreação e lazer, técnicas de orientação e locomoção (ROSADAS, 1991). Gorgatti e DaCosta (2008) relatam que a EFA é uma parte da EF e que seu objetivo é o estudo e a intervenção profissional no universo das pessoas que apresentam diferentes condições para a prática das atividades físicas e que seu foco é o desenvolvimento da cultura corporal de movimento, justamente na e para as pessoas com estas deficiências. Muito vem se falando de inclusão e suas relações com educação, trabalho, saúde e lazer. No Brasil, a inclusão é obrigatória desde o ano de 1996 no ensino conforme a Lei 9.394/96 art. 4 (LDB - Lei de Diretrizes e Bases da Educação) (BRASIL, 2010). É um assunto que está crescendo e ganhando apoio social. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), identificada no Censo Demográfico 2010, 23,9% da população brasileira (aproximadamente 47 milhões de pessoas) têm algum tipo de deficiência (BRASIL, 2010). É importante especificar que a nomenclatura oficial nesta pesquisa para definir a população alvo da EFA será Pessoa(s) com Deficiência (PcD)(s), usada em âmbito mundial, estabelecida pela Portaria da Presidência da República - Secretaria de Direitos Humanos, Nº 2.344, de 3 de novembro de 2010 (FRANCISCO, 2011). Vale ressaltar que dentro deste grupo de PcDs não se enquadram os idosos, obesos, superdotados, hipertensos, diabéticos, entre outros (tidos grupos especiais); mas somente pessoas com deficiência física, auditiva, visual, intelectual e múltipla, porque as pessoas que possuem estas características mencionadas anteriormente são nomeadas Pessoas com Necessidades Especiais (PNE). Esta diferenciação hoje é uma vitória devido às várias definições já obtidas no decorrer da história. Nesta trajetória histórica, a pessoa com deficiência foi rejeitada e inferiorizada na sociedade e as consequências ainda hoje atingem diferentes aspectos de suas rotinas diárias: autoestima e aspectos psicológicos; questões sociais e culturais; como também a acessibilidade aos espaços de lazer, esportes e cultura. Segundo Meurer e Castro (2008), esta rejeição social e os preconceitos vinculados à deficiência tornam bastante reduzidas as proporções de PcDs praticantes de EFA, nos espaços não formais da EF que são academias, clubes, espaços de lazer, etc. No entanto, é de suma importância averiguar se estas pessoas não estão realmente inseridas na EFA em contextos não formais, qual a realidade que as acompanha e quais são suas expectativas neste contexto. Não deixando também de identificar fatores intervenientes nesta realidade e na busca destas expectativas. Tratando de fatores intervenientes, o que se pode afirmar é que a atuação do profissional de Educação Física (EF) em contextos não formais, dos familiares que cuidam da PcD dependente ou que fazem parte da vida desta pessoa se ela for independente, bem como também os responsáveis pela administração pública, que criam políticas públicas para atender a estas pessoas, enfim, todas estas pessoas exercem influência significativa neste processo. Se realizarmos um recorte da EFA em contextos não formais para a(s) PcD(s), veríamos que a realidade destes nesta área é desfrutada por poucos. Talvez o principal motivo apesar de muito debatido seja a não inclusão destas pessoas neste contexto (MACIEL, 2000). Porém, não só o meio precisa ser adaptado, 118 Coleção Pesquisa em Educação Física - Vol. 12, n. 3, ISSN:

3 mas o modo como as pessoas enxergam a PcD. Faz-se necessário um olhar que não veja a sua limitação, mas a sua potencialidade. Esse olhar precisa estar atento a um novo paradigma em EFA: a diversidade humana, o respeito e convívio com as diferenças (GORGATTI e DA COSTA, 2008; VENDITTI JR, 2005; FABIANI e VENDITTI JR, 2008). Somente através do envolvimento de todos os fatores que fazem parte da realidade da EFA em contextos não formais é que se conseguirá alcançar as expectativas pertinentes à inclusão efetiva das PcDs no contexto social de maneira global. ASPECTOS METODOLÓGICOS Objetivos e Características do Estudo Considerando o exposto, este artigo tem como objetivo principal comparar as visões e concepções de diversos grupos de profissionais e indivíduos contextualizados à temática da inclusão (profissionais de EF e EFA, indivíduos da administração pública e instituições especializadas no tratamento e atendimento a PcD; os familiares de PcD dependentes e as próprias PcDs independentes), residentes em Muzambinho/ MG, apontando reflexões a respeito da realidade inclusiva e as expectativas sobre a EFA em contextos não formais para cada um destes grupos sociais e/u profissionais. Este artigo foi caracterizado como uma pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória (GODOY, 1995; GIL, 2008). Todos os procedimentos estão devidamente protocolados no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Câmpus Muzambinho, como parte de uma pesquisa de trabalho de conclusão de curso da primeira autora, sob orientação do segundo autor, docente do instituto nos anos de 2010 e meados de Sujeitos Participantes da Pesquisa Esta população foi dividida em categorias analíticas para melhor análise dos agrupamentos de interesse na pesquisa. Cada categoria foi previamente identificada a partir dos seguintes critérios: - Categoria 01 - PROFISSIONAIS de EF: para ser sujeito válido desta população o critério de escolha foi ter aceitado participar do estudo; ser atuante em contexto não formal da EF na cidade de Muzambinho/ MG. Não foi relevante para está pesquisa, o tempo de atuação profissional nestes contextos não formais. - Categoria 02 - FAMILIARES: para ser sujeito válido desta população o critério de escolha foi ter aceitado participar do estudo; ser parente próximo, residente na mesma casa da PcD dependente, com conhecimento prévio dos pesquisadores. - Categoria 03 - PESSOAS COM DEFICIÊNCIA (PCDs): para ser sujeito válido desta população, o critério de escolha foi também ter aceitado participar do estudo livremente; ser uma pessoa que possui alguma deficiência seja ela físico/motora, auditiva, visual, intelectual e/ou múltipla; porém que fosse independente. Também foi utilizado o critério de conhecimento prévio dos pesquisadores, todos os envolvidos são pessoas com quem já previamente existiu algum contato principalmente por parte da pesquisadora. - Categoria 04 ADMINISTRADORES PÚBLICOS: para ser sujeito válido desta população o critério de escolha foi ter aceitado participar do estudo; ser o administrador público vinculado à prefeitura municipal e/ou político e envolvido com a temática inclusiva em seu cargo. JUSTIFICATIVA Justifica se a escolha da EFA em contextos não formais por ser uma área de poucos estudos e de grande relevância para a EF. Justificamos esses agrupamentos, principalmente pelas indagações oriundas dos estudos de graduação, iniciados em 2009, que suscitaram os pesquisadores a procurar mais entendimento e as diferenciações com os envolvidos no processo inclusivo quando da atuação em EFA nesses contextos não-formais. Chegou-se à distribuição das quatro categorias citadas: a dos profissionais de EF; da família; da administração pública e das PcDs; por serem todos estes participantes do processo da EFA em contextos não formais de forma direta ou indireta. O levantamento amostral identificou 26 indivíduos (n=26) para participarem da pesquisa, Após a identificação dos participantes, permaneceram os mesmos 26 indivíduos que consentiram em participar do estudo, sendo esclarecidos previamente a respeito dos estudos, assinando termos de consentimento e autorização dos dados para a pesquisa, não havendo nenhuma desistência. Também eram previamente comunicados que poderiam desistir a qualquer momento da entrevista e ficou garantido o sigilo das informações e das identidades de todos os participantes deste estudo (FRANCISCO, 2011). PROCEDIMENTOS E INSTRUMENTO DE PESQUISA Os dados foram coletados com a utilização de questionário aberto, montados com base em estudos Coleção Pesquisa em Educação Física - Vol. 12, n. 3, ISSN:

4 de Neves e Silveira (2006) e de Moreira et al., (2007), aplicados à população selecionada por meio de entrevistas com gravação em áudio e transcrição na íntegra, realizadas pelos próprios pesquisadores, entre os meses de Maio a Novembro de As perguntas consistiam sobre a PcD na EFA em contextos não formais, a realidade deste contexto, bem como as expectativas e conhecimentos a respeito do processo inclusivo. A coleta dos dados foi realizada após o recolhimento do termo de consentimento livre e esclarecido e da aprovação da pesquisa em comitê de ética institucional. O questionário aberto em forma de entrevista foi aplicado individualmente aos sujeitos da pesquisa, em suas casas ou ambientes de trabalho. Foram horários agendados previamente, conforme a disponibilidade dos respondentes. Não havia limite de tempo para o encerramento da entrevista, sendo que estas duraram entre 5 a 20 minutos. Vale ressaltar que durante as entrevistas e por todo o processo, sempre havia ao menos um dos pesquisadores presentes nessas coletas e as transcrições eram sempre feitas pelo(s) mesmo(s) indivíduo(s) que realizara(m) a entrevista, facilitando assim as possíveis incompreensões e dificuldades contextuais. ANÁLISE DOS DADOS E DISCUSSÃO Os dados qualitativos obtidos na coleta sobre a realidade da EFA foram tratados por análise descritiva e comparativa dos mesmos com a literatura encontrada, como também realizado um paralelo com as expectativas obtidas nas respostas das entrevistas desse mesmo estudo. Os sujeitos foram divididos em categorias de agrupamento de respostas, para melhor análise, uma vez que o método de investigação escolhido foi entrevista com questionário aberto. Todas as entrevistas foram gravadas em áudio e transcritas na íntegra. Após a transcrição das entrevistas, os dados foram submetidos à análise dos conteúdos escritos. Conforme Minayo (2003), estes procedimentos aplicam-se a discursos e baseiam-se na dedução ou inferência sistemáticas, de forma objetiva identificando algumas características da mensagem, por meio da construção de categorias, reunidas por temas de significação. Os resultados foram agrupados em tabelas e/ou quadros, conforme categoria pertencente. Nestes quadros, constam os principais apontamentos da realidade da EFA em contextos não formais apontados pelos sujeitos entrevistados bem como um paralelo as suas expectativas, divididos de acordo com as categorias de grupos pertencentes já mencionados anteriormente. Foram também transcritas as frases que obtiveram maior ênfase entre os entrevistados, escolhidas através da análise destes conteúdos descritos pelos entrevistados. CARACTERIZAÇÃO DESCRITIVA DOS PARTICIPANTES Participaram desta pesquisa um total de 26 (vinte e seis) pessoas (n=26), residentes na cidade de Muzambinho/MG. Esta população foi dividida em categorias analíticas para melhor análise do discurso das entrevistas. Os dados obtidos explicam cada categoria. Vejamos a tabela 01: Tabela 01. Categorias envolvidas no estudo. CATEGORIA 01 (n=07) CATEGORIA 02 (n=10) CATEGORIA 03 (n=07) CATEGORIA 04 (n=02) Profissionais de EF, atuantes em contextos não formais. No total de 07 (sete) profissionais, sendo 03(três) do sexo feminino e 04 (quatro) do sexo masculino, com idade variando entre 21 e 35 anos, residentes na cidade de Muzambinho/MG. Não foi relevante para esta pesquisa tempo de atuação profissional em contextos não formais. Família que contém integrantes com deficiência e que fossem dependentes. No total de 10 (dez) pessoas. No caso, o grau de parentesco de todas as representantes das famílias foram mães, com idades variando entre 30 a 59 anos, não por critério de escolha, mas por serem elas as pessoas que permanecem mais tempo com as PcDs, que geralmente são filhos(as), todas residentes na cidade de Muzambinho/MG. Pessoas com deficiência e independentes. Total de 07 (sete) pessoas, sendo 03 (três) do sexo feminino e 04 (quatro) do sexo masculino, com idade variando entre 20 e 40 anos, residentes na cidade de Muzambinho/MG. Administração pública: Total de 02 (dois) representantes, ambos do sexo masculino, com idade entre 40 e 50 anos. Ambos vinculados a cargos políticos executivos efetivos na Prefeitura Municipal de Muzambinho/MG, no período da coleta de dados. CATEGORIA 01 - Profissionais de Educação Física atuantes em contextos não formais Os profissionais de EF são agentes importantíssimos no processo da EFA para PcDs. No entanto, estudos realizados por Lebedeff, Siqueira e Zarth (2008), como também o de Palla e Castro (2004), retrataram 120 Coleção Pesquisa em Educação Física - Vol. 12, n. 3, ISSN:

5 um quadro sobre a realidade da atuação do profissional de EF na educação física adaptada (EFA). Abaixo, se encontram descritas frases de ênfase ditas pelos indivíduos participantes desta pesquisa que corroboram com os estudos destes autores. Optamos por aqui destaca-las em virtude de alguns pontos que visamos discutir mais adiante no texto. Vamos, portanto, às frases (QUADRO 01): Quadro 01. Frases destacadas de alguns Profissionais de EF com relação à atuação em EFA, correspondente à categoria 01 da pesquisa (07 profissionais no total) [...] fica difícil você se especializar para trabalhar com uma, duas ou três pessoas. Sendo que estas pessoas não estão dispostas a pagar, por exemplo, por um personal, ou pagar para você estar trabalhando com aquela pessoa. [...] eu acho que depois da faculdade precisaria ter um curso mais especializado, ter um estudo mais dinâmico para os profissionais de EF para de repente haver um interesse maior, mostrar mais o que é, porque na faculdade a gente tem uma base de atuação. [...] elas já não procuram tanto este tipo de serviço, justamente pelas pessoas não estarem aptas e preparadas a recebê-las em seu estabelecimento. [...] bom, estudar sobre grupos de PcDs eu não estudo, não me aprofundo, não procuro saber não. Mas a musculação é meio, o básico que a gente sabe, que dá pra fazer com todo mundo. (SIC) Nesta perspectiva, o quadro 02 abaixo, demonstra o resultado obtido pela entrevista realizada com os 07 (sete) profissionais de EF em contextos não formais, analisando as categorias de respostas dos sujeitos. No quadro, destacamos as palavras-chave oriundas dos discursos pontuados pelos profissionais no que diz respeito ao que eles encontram no cotidiano e realidades dos contextos não formais de atuação com as expectativas dos mesmos em relação ao processo inclusivo, à pessoa com deficiência e à EFA. Quadro 02. Realidade e Expectativa em relação à EFA em contextos não formais, dos Profissionais de EF em contextos não formais, correspondente a categoria 01. Realidade Falta conhecimento técnico e científico Possuem conhecimento dos benefícios da atividade física para as pessoas com necessidades especiais Falta motivação em atender esta população Não possuem condições adequadas de trabalho para estas pessoas Não tem feito nada para melhor atender a estas pessoas Possuem embasamento na experiência do teste da aprendizagem diária, por acerto e erro. Não possuem foco nesta clientela Expectativas Maior divulgação Adaptações físicas Conscientização profissional Conscientização da sociedade Conscientização familiar Conscientização das pessoas com necessidades especiais e quebra de preconceitos Crescimento e Expansão Os profissionais de EF são agentes pedagógicos importantíssimos no processo da EFA para PcDs. Os resultados evidenciam que possuem expectativa de maior divulgação; conscientização da família; da sociedade; crescimento e expansão. Porém, falta motivação e foco nas características e necessidades especiais desta clientela, bem como conhecimento para o desenvolvimento de um bom trabalho para as PcD. Isto se deve ao fato de que, segundo estes profissionais, as PcDs exigirem maior atenção e gastos ou adaptações. O que pode ser comparado aos estudos de Palla e Castro (2004), onde foram achadas referências nos discursos dos professores em relação à inclusão escolar, em que a motivação é barrada diante das condições e oportunidades de trabalho. E de Lebedeff, Siqueira e Zarth (2008), em que os professores relataram como fatores dificultadores ao processo de inclusão e sua atuação profissional, a falta de uma preparação profissional específica e insegurança em adaptar as atividades conforme a deficiência. Isso nos permite inferir que as expectativas não correspondem muitas vezes à realidade vivenciada, e que se torna necessária uma autoavaliação profissional com mudança de atitudes e paradigmas. Se estes fatores já foram achados em outros estudos, significa que esta problemática profissional é vivenciada em outros lugares, tornando necessária uma nova tomada de decisão para alteração da realidade que caminhem em direção às expectativas dos profissionais e de todos os envolvidos. CATEGORIA 02 - Familiares de pessoas com deficiência que são dependentes A influência da família na vida das PcDs dependentes é de tamanha importância que Glat (2004) diz que a inclusão social de PcD apenas se dará conforme a decisão da família, em permitir a sua Coleção Pesquisa em Educação Física - Vol. 12, n. 3, ISSN:

6 participação em diferentes ambientes e relações sociais, o que também acontece quando a PcD já tem sua família independente. Abaixo se encontram frases de ênfase ditas pelos participantes desta pesquisa que corroboram com a literatura sobre o papel da família no processo inclusivo através da EFA (QUADRO 03). Quadro 03. Frases destacadas de alguns Profissionais de EF com relação à atuação em EFA, correspondente à categoria 02 da pesquisa (10 sujeitos no total) [...] Meu filho não frequenta por falta de oportunidades... porque na academia tem que pagar e é falta de oportunidade e condições financeiras. [...] se tiver uma companhia (pessoa responsável presente) para tomar conta eu deixo ir... Agora, sozinho eu não deixo não! [...] motivo, quando agente vai caminhar, passear, eu solto da mão dele e falo para ele andar sozinho. (SIC) [...] eu acho muito legal perante a sociedade eles praticarem atividade física, para a sociedade aceitar eles (SIC), porque eles são pessoas iguais à gente até mesmo muitas das vezes mais carismáticos, acho que eles se sentiriam mais importantes e respeitados. Nestas frases, pode se notar que a família tem motivado os seus filhos a praticarem atividade física, porém no quadro 04 abaixo estão destacados fatores extrínsecos que correspondem a sua realidade e que chegam a ser fatores desmotivantes para estas famílias incentivarem seus filhos, o que corrobora com a literatura estudada e resumida em Francisco (2011). O quadro 04 elenca as categorias de palavras-chave analisadas após os discursos e transcrições das entrevistas desta categoria. Quadro 04. Realidade e expectativa em relação à EFA em contextos não formais, dos familiares das PcD que são dependentes, correspondente a categoria 02. Realidade Falta de oportunidade e projetos sociais Condição sócio econômica desfavorável Falta tempo e disponibilidade Dificuldade de locomoção e acessibilidade Temperamento da PcD e dificuldades de convívio social Expectativas Mais oportunidades sociais Acessibilidade e Gratuidade de Serviços Acompanhantes e Tutores Obtenção de meios de locomoção Trabalho específico e especializado à PcD Em relação aos familiares, Glat (2004) diz que a inclusão social de PcD se dará efetivamente conforme a decisão familiar em permitir a sua participação em diferentes ambientes e relações sociais, o que também acontece quando a PcD já tem sua independência familiar. O principal apontamento da realidade pelos familiares (no caso, as mães participantes deste estudo) foi a condição sócio econômica, já apontada no estudo de Mota e Sallis (2002) apud Carvalho (2005); que relatam a interferência da condição socioeconômica da família, que tende a interferir neste processo, direcionando os recursos financeiros para as despesas de maior necessidade, limitando a pessoa a poder pagar por uma atividade ou pagar o transporte para realizar determinada atividade. Os achados deste estudo nos fazem perceber que o principal motivo para que a prática da atividade física não seja realidade na vida de PcD, segundo as mães, está ocorrendo por fatores extrínsecos que afetam diretamente por estes serem dependentes. Aspectos, tais como locomoção e condições socioeconômicas, foram muito destacados e reclamados pelas familiares. No entanto, se forem criadas políticas públicas que venham a solucionar estes problemas não há motivos intrínsecos apontados pela família como fator de empecilho superior aos já existentes, indicando quebra de paradigmas no que condiz à questão da superproteção e falta de informações a respeito da importância da atividade física e das práticas corporais para as PcDs. Deste modo, se interpreta que as expectativas da família dependem mais de ações da esfera governamental do que decisões próprias. Afirma-se assim o quanto é importante a opinião dos familiares para um forte embasamento em busca da criação de políticas públicas. Porém, é necessário mais estudos dentro desta vertente, para que estes fatores sejam realmente confirmados e mais aprofundados. CATEGORIA 03 - Pessoas com deficiência (independentes) Além de sabermos a realidade e a expectativa da EFA em contextos não formais na visão dos 122 Coleção Pesquisa em Educação Física - Vol. 12, n. 3, ISSN:

7 familiares das PcDs que são dependentes e dos profissionais de EF atuantes em contextos não formais, é necessário saber a respeito da visão das próprias PcDs, no caso, PcDs independentes, que respondem por si mesmas. Pensando nisso, logo abaixo se encontram algumas frases ditas por estas pessoas sobre o que elas observam e pensam sobre o processo inclusivo. Podemos destacar alguns importantes aspectos daquilo que as mesmas compreendem e esperam da EFA em contextos não formais a partir das análises do Quadro 05, a seguir: Quadro 05. Frases destacadas de alguns Profissionais de EF com relação à atuação em EFA, correspondente à categoria 03 da pesquisa (total de 07 sujeitos) [...] não pratico por opção minha... Já pratiquei e hoje não pratico mais. Não sei se porque no começo eu estava me esforçando demais, sentindo algumas dores. O próprio instrutor disse que era normal, por eu nunca ter praticado... Mas ai, eu desisti por conta própria mesmo e não voltei mais... (SIC) [...] qualquer coisa que fosse atividade física, teria vontade, mas acho que não tem como, por causa das pernas... Elas não funcionam... são totalmente molinhas (SIC). [...] não pratico nada, porque na minha cidade não tem esporte e por condições financeiras e dificuldades na minha casa. [...] não pratico devido à minha sensibilidade... A dificuldade da lesão medular trouxe muitas barreiras pra gente... Então é complicado, pra mim é complicado, minha lesão é muito alta e também porque eu moro na roça, longe do centrão da cidade (SIC). Estas frases nos levam a conhecer um pouco mais sobre como as PcD que são independentes encaram a realidade da atividade física em suas vidas. Paralelo a estas realidades, é bom ver que eles têm expectativas de que algo possa acontecer de melhor em suas vidas. É o que conseguimos observar ao categorizar seus discursos, de acordo com os detalhes no quadro 06: Quadro 06. Realidade e expectativa em relação à EFA em contextos não formais, das pessoas com deficiência que são independentes, correspondente a categoria 03. Realidade Falta de oportunidades Condição sócio econômica desfavorável Falta tempo Dificuldade de locomoção Opção própria Receio Baixa estima Expectativas Conscientização da população com necessidade especial sobre a prática de atividade física e sua importância na saúde Apoio para a prática de atividade física e esportes Oportunidades e acessibilidade Criação de projetos gratuitos e políticas públicas Fundação de uma associação para as pessoas com necessidades especiais Desenvolvimento Motor e Humano Qualidade de Vida e saúde Os resultados constantes na tabela relatadas pelas PcDs que são independentes participantes desta amostra corroboram com os estudos de Moreira et al., (2007) sobre fatores que impedem a adesão da atividade física em suas vidas, confirmando que estes fatores realmente impedem as PcD de estarem inseridos na EFA em contextos não formais. Os únicos fatores da realidade destes que não haviam sido detectados nos estudos de Moreira et al., (2007), fôramos itens falta de tempo e a falta de oportunidades. Os outros corroboram com achados desta pesquisa, o que nos permite confirmar que a realidade das PcDs se encontra nas mesmas características de outros estudos. O que foi bastante oportuno e diferencial neste estudo foi a oportunidade fornecida para que as PcDs relatem as suas expectativas, no que tange a EFA. As expectativas obtidas como resultado neste estudo, demonstram que as PcDs estão a procura de oportunidades, apoio e de conscientização da sociedade sobre a realidade enfrentada por elas. Se houvesse estudos dentro desta lógica haveria embasamento para que se permitisse um debate a respeito de como atender às expectativas propostas e principalmente almejadas pelas PcDs. Sugere-se, portanto, estudos dentro desta vertente para que haja conhecimento real desta problemática e possam ser realizadas intervenções de maneira correta e adequada às demandas desta população. Coleção Pesquisa em Educação Física - Vol. 12, n. 3, ISSN:

8 CATEGORIA 04 - Representantes da Administração Pública em Instituições Especializadas Ter representantes da Administração Pública nesta pesquisa se torna importante, devido à iniciativa para criação de políticas públicas serem oriundas desta classe, que aqui foi representada por apenas dois indivíduos vinculados à prefeitura de Muzambinho/MG, com cargos executivos efetivos e atuantes dentro dos contextos do estudo. Vale destacar a dificuldade obtida em recrutarmos sujeitos neste perfil e categoria. Após meses de tentativas frustradas, conseguimos apenas o n de 2 sujeitos, que admitimos ser um fator bastante limitador na pesquisa. Mesmo assim, o que chamou bastante atenção no discurso destes representantes foi a não concordância entre eles dos aspectos da realidade inclusiva com as supostas expectativas de projetos e políticas públicas, que podem ser observados nas frases destacadas abaixo (QUADRO 07). Quadro 07. Frases destacadas de s da Administração Pública com relação à atuação em EFA, correspondente à categoria 04 da pesquisa (total de 02 sujeitos) [...] nós pensamos e já enviamos alguns projetos... O único que conseguimos êxito foi este da academia ao ar livre por enquanto. Para o ano que vem, a gente espera que os outros sejam liberados... É muito importante. Infelizmente, no momento a gente tem encontrado dificuldades para implementação de programas sociais, devido à falta de recursos financeiros e estruturas municipais e públicas que atendam a população PcD. [...] não tenho conhecimento de nenhum projeto. Se há algum, principalmente a nível municipal, de Muzambinho/MG, eu o desconheço... [...] enquanto não houver projeto, não há condições de executar nada... Veja só: dinheiro tem, o que falta são projetos! Percebemos certo desacordo entre os dois sujeitos. Um destaca que existem projetos enviados na esfera municipal. Já o outro reforça que o que efetivamente falta é o projeto e propostas a serem encaminhadas na prefeitura, destacando inclusive que existe a verba, mas a mesma não é aproveitada ou utilizada. O quadro 08 a seguir demonstra algumas categorias de palavras-chave, de acordo com o resultado obtido pela entrevista realizada com os 02 (dois) representantes da Administração Pública de forma conflitante em suas opiniões expressas no discurso. Quadro 08. Realidade e expectativa dos representantes da Administração Pública em relação à EFA em contextos não formais, correspondente à categoria 04. Realidade Faltam projetos Possuem recursos e verbas para tal Já foram enviados projetos Temos profissionais capacitados Falta de recursos e infraestrutura Expectativas Maior acessibilidade Reconhecimento do problema e carência dos serviços Liberação de recursos financeiros pelos governos federal e estadual Aprovação de projetos já enviados Elaboração de projetos e mobilização da população PcD do município Os representantes da Administração Pública relataram fatores conflitantes em seu discurso entre as suas próprias opiniões da realidade atual. Um dos representantes relatou a falta de verba para execução de projetos para esta população. Já o outro relatou que faltam projetos e existem verbas. Estes desacordos nos levam a pensar: Será que algo está realmente sendo feito? Pelos dados que foram obtidos no discurso das famílias das PcD que são dependentes e das próprias PcD independentes deduzimos que provavelmente não há muitos projetos sendo efetivamente executados em relação à EFA. Isto realmente afirma o que já havia sido dito por Credidio e Yoshida (2008), sobre a dificuldade na criação e implantação de Políticas Públicas, entre as quais se destacam como motivo para a não criação: a falta de sensibilidade para com as diferença; baixa cobertura dos programas; resistência das organizações sociais especializadas em estabelecer parcerias; além de ações mal formuladas. Isso nos leva a pensar que as expectativas provavelmente não serão cumpridas. Ficamos, portanto, à mercê da Administração Pública esperando que através da intervenção em levar aos poderes públicos o conhecimento da importância da criação de políticas públicas voltadas para a população PcD em outras esferas que ainda estão esquecidas, fazendo a nossa parte, haja mudança. A criação destas políticas públicas só podem advir da organização das próprias classes de PcDs. CONSIDERAÇÕES FINAIS Mediante os resultados obtidos, elaboramos algumas propostas para cada categoria, com o intuito 124 Coleção Pesquisa em Educação Física - Vol. 12, n. 3, ISSN:

9 de mudar a realidade atentando as expectativas vistas ao longo da pesquisa. Como propostas, sugerimos às universidades reestruturação das disciplinas de EFA pertencentes ao currículo, conciliando teoria e conceituação a práticas realistas nesta área; como também a inserção desta disciplina nas universidades que não a tem. Assim, durante a formação, os estudantes de EF estarão mais qualificados e capacitados para as futuras atuações profissionais em EFA. Aos já formados, sugerimos que as universidades se empenhem em realizar cursos de capacitação e aumento da demanda de pós-graduação para que haja maior produção científica nesta área. Para as famílias com PcD sugere-se maior incentivo para as práticas de atividade física, e que procurem informações a respeito de projetos de atividades físicas adaptadas oferecidas, que sejam fontes de estímulo e apoio motivacional da PcD. Já para as próprias PcDs que procurem se organizar ou busquem instituições especializadas em suas deficiências e informem-se também da ocorrência de projetos sociais de EFA. Mesmo se não tiverem condições financeiras e não existindo programas gratuitos, peçam e mobilizem seus familiares para que juntos realizem alguma atividade. Aos Administradores Públicos, mais um apelo para que se atente para esta população que carece de políticas públicas voltadas para suas necessidades tanto quanto qualquer outra população. Estas pessoas necessitam de esporte, lazer, acessibilidade e precisam cobrar isto das instâncias cabíveis. Outros dados alarmantes deste estudo: os principais pontos da realidade são a própria falta motivação e interesse de profissionais de EF atuantes em EFA em contextos não formais; falta de condições financeiras para as famílias serem motivadoras das pessoas com deficiência; falta de apoio e oportunidade para que a pessoa com deficiência esteja no contexto não formal da EFA por parte da administração pública e ações mal formuladas para a criação de políticas públicas específicas voltadas a atividade física em contextos não formais para as PcDs. No entanto, as expectativas são de crescimento e expansão, aumento de oportunidades, conscientização da sociedade e do profissional de EF, liberação de recursos financeiros da esfera governamental, confluindo num processo inclusivo efetivo. Mas para que isso aconteça é necessário que grupo que aqui foi representado atue com compromisso, abrindo espaços para que todo este processo a realidade das PcD na EFA em contextos não formais aconteça e que as expectativas não se tornem meramente sonhos ou utopia de alguns pensadores da EFA e da inclusão social. REFERÊNCIAS BRASIL. Portaria nº 2.344, de 3 de novembro de Secretaria de Direitos Humanos. Diário Oficial da União. DOU, n. 212, seção 1,p. 4, (05/11/2010). Disponível: boletins/portaria_n_2.344.pdf/view. Acesso em: 05 de jan CARVALHO, M. M. S. Estilos de vida, atividade física e autopercepção em jovens com deficiência mental ff. Dissertação de Mestrado Universidade do Porto, Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física, Porto, CREDIDIO, E.; YOSHIDA, B. Política Pública Para Pessoa Com Deficiência. Florianópolis, SC. II Conferência Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Agosto de Disponível em:<www.sst. sc.gov.br/.../palestra_politica_publica_para_pessoa_com_deficiencia.ppt -referencia palestra politica publica> Acesso em: 15 de out FABIANI, C. A.; VENDITTI JR, R. Educação física adaptada na formação universitária: reflexões sobre a preparação do profissional de educação física para a atuação com pessoas com necessidades especiais. Revista Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 9, n. 12, jan/jun, 2008 FRANCISCO, M. Educação Física Adaptada em Ambientes não formais f. Monografia (TCCgraduação), Instituto Federal Sul de Minas, Muzambinho/MG, GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo, SP: Atlas, GLAT, R. Orientação familiar como estratégia facilitadora do desenvolvimento e inclusão de pessoas com necessidades especiais. Rio Grande do Sul, RS. Revista educação especial Edição 2004, nº 24. Disponível em: <http://coralx.ufsm.br/revce/ceesp/2004/02/a3.htm> Acessado em: 17/10/2010. GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 35, n. 2, p , abril GORGATTI, M. G; DA COSTA, R. F. Atividade física adaptada: qualidade de vida para as pessoas com necessidades especiais. 2. ed. Barueri, SP: Manole, Coleção Pesquisa em Educação Física - Vol. 12, n. 3, ISSN:

10 LEBEDEFF, T. B.; SIQUEIRA, P. C. M.; ZARTH, A. P. O profissional de Educação Física e sua responsabilidade frente ao processo de inclusão. Lecturas Educación Física y Deportes, Buenos Aires, Año 13, n. 122, Julio de Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd122/profissional-de-educacao-fisica-e-processode-inclusao.htm> Acesso: 26/09/2010. MACIEL, M. R. C. Portadores de deficiência: a questão da inclusão social. São Paulo, SP. Perspectiva, v. 14,n. 2,p , Disponívem em: ipt=sci_arttext. Acesso: 23/10/2010. MEURER, S.T.; CASTRO, M.R.T. A inserção de pessoas com deficiência física nas academias da cidade de Santa Maria. Lecturas Educación Física y Deportes, Buenos Aires, Ano 13, n. 122, Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd122/a-insercao-de-pessoas-com-deficiencia-fisica-nas academias.htm>. Acesso: 08/10/2010. MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 22. ed. Rio de Janeiro, RJ: Vozes, MOREIRA, W. C; RABELO, R. J.; PAULA, A. H.; COTTA, D. O. Fatores que influenciam a adesão de deficientes motores e deficientes visuais a prática desportiva. Lecturas Educación Física y Deportes, Buenos Aires, Año 11, n. 104, Enero de Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd104/deficientesmotores-visuais.htm> Acesso: 25/11/2010. NEVES, M. M. B. da J.; SILVEIRA,F. F; Inclusão Escolar de Crianças com Deficiência Múltipla:Concepções de Pais e Professores. Brasília, DF. Psicologia: Teoria. e Pesquisa, Jan-Abr 2006, vol. 22 n. 1, pp Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ptp/v22n1/29847.pdf> Acesso: 25/09/2010. PALLA, A. C.; CASTRO, E. M. Atitude de professores e estudantes de Educação Física em relação ao ensino de alunos com deficiência em ambiente inclusivo. Rio Claro, SP. Revista da Sobama, Dezembro 2004, v. 9,n. 1,pp Disponível: <http://www.rc.unesp.br/ib/efisica/sobama/sobamaorg/inicio.htm> Acesso: 05/10/2010. PALMA, L.; MANTA, S. W; LEHNHARD, G. R.; MATTHES, S. E. R.; BERGUERMMAYER; L. C. Acessibilidade e academias de ginástica: a participação das pessoas com deficiência. Lecturas Educación Física y Deportes Buenos Aires, Año 15, n. 152, Enero de 2011.Disponívelem: <http://www.efdeportes.com/efd152/ acessibilidade-e-academias-de-ginastica.htm> Acesso: 10/01/2011. REID, G. Preparação Profissional em Atividade Física Adaptada: Perspectivas Norte Americanas. In: III Congresso Brasileiro de Atividade Motora Adaptada, 1999, Recife. Revista da Sociedade Brasileira de Atividade Motora Adaptada, v. 5,n. 1,p. 1-4,2000. Disponível:http://www.rc.unesp.br/ib/efisica/sobama/ sobamaorg/inicio.htm>acesso: 05/10/2010. ROSADAS, S. C. Educação Física Especial para Deficientes. 3. ed. Rio de Janeiro,RJ: Atheneu, VENDITTI JÚNIOR, R. Análise da autoeficácia docente de professores de educação física f. Dissertação (Mestrado em Educação Física)- Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Câmpus Muzambinho/MG. Centro de Ciências Aplicadas à Educação e Saúde no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Câmpus Muzambinho (IFSULDEMINAS). 2 Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Câmpus Bauru/SP, Departamento de Educação Física. Av. Dr. Carlos de Campos, Bl. 5 - Ap. 50 Vila Industrial Campinas/SP Coleção Pesquisa em Educação Física - Vol. 12, n. 3, ISSN:

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade?

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? Discente em formação do curso de Licenciatura Plena em Educação Física, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Campus Jequié.

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Aline Alcalá; Amanda Fernandes Dayrell; Danielle Martins Rezende; Gabriela Camacho; Renata Carmo-Oliveira O processo de inclusão de pessoas com necessidades

Leia mais

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PEDROTTI, Ana Paula Floss²; GRASSI, Marília Guedes²; FERREIRA, Marilise²; MOREIRA, Nathana Coelho²; NOAL,

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias Relato de experiência de um agente social sobre suas atividades com as comunidades do município de Santa Maria- RS, através do

Leia mais

POR UMA EAD INCLUSIVA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES.

POR UMA EAD INCLUSIVA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. 1 POR UMA EAD INCLUSIVA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Indaial, Maio, 2011. Tatiana dos Santos da Silveira - UNIASSELVI silsa@terra.com.br Educação Universitária Nível Meso Gerenciamento, Organização e Tecnologia

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO RESUMO

METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO RESUMO METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO LIMA, Raiane Ketully Vieira Acadêmica do curso de Educação Física licenciatura da Universidade

Leia mais

Maria Inês Gazzola Paulino

Maria Inês Gazzola Paulino CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde PROTEÇÃO À SAÚDE DOS SERVIDORES DEFICIENTES DO SUS BETIM Maria Inês Gazzola Paulino Betim Agosto, 2012 1 1. PROBLEMA

Leia mais

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014 Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização Levantamento das questões de interesse Perfil dos alunos, suas necessidades e expectativas; Condições de trabalho e expectativas dos professores;

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DA VEREADORA PROF.ª THEREZINHA RUIZ

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DA VEREADORA PROF.ª THEREZINHA RUIZ ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DA VEREADORA PROF.ª THEREZINHA RUIZ PROJETO DE LEI Nº. 267 / 2014 Dispõe sobre a prática de educação física adaptada nos estabelecimentos de ensino

Leia mais

Música e inclusão: a formação de professores de música para o trabalho com alunos com deficiência visual Raphael Ota 1, Vânia Gizele Malagutti 2

Música e inclusão: a formação de professores de música para o trabalho com alunos com deficiência visual Raphael Ota 1, Vânia Gizele Malagutti 2 Música e inclusão: a formação de professores de música para o trabalho com alunos com deficiência visual Raphael Ota 1, Vânia Gizele Malagutti 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo relatar a experiência

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA ANÁLISE NA RELAÇÃO ENTRE ALUNOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA E ALUNOS NÃO PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA.

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA ANÁLISE NA RELAÇÃO ENTRE ALUNOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA E ALUNOS NÃO PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA. EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA ANÁLISE NA RELAÇÃO ENTRE ALUNOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA E ALUNOS NÃO PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA. Edicarlos Dos Santos Freitas, Luzimara Silveira Braz Machado, Rose

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA PERSPECTIVA DOS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA PERSPECTIVA DOS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA PERSPECTIVA DOS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL Resumo MICHELS, Lísia Regina Ferreira 1 - UFFS Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1 Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 Ana Luiza Araujo COSTA anaepietro26@gmail.com Maria Simone

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

A INCLUSÃO SOCIAL DE DEFICIENTES VISUAIS E AS CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL

A INCLUSÃO SOCIAL DE DEFICIENTES VISUAIS E AS CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL A INCLUSÃO SOCIAL DE DEFICIENTES VISUAIS E AS CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL Vanessa Piccinin da Rosa. Maria Rosangela Silveira Ramos Instituto Federal Farroupilha

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

A palavra de ordem será: ACESSIBILIDADE!

A palavra de ordem será: ACESSIBILIDADE! O que é o Congresso de Acessibilidade? O Congresso de Acessibilidade é o primeiro evento online TOTALMENTE GRATUITO a ser realizado no Brasil, com foco no público de Pessoas com Deficiência e/ou Necessidades

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias O Programa Esporte e Lazer da Cidade e o seu processo formativo para egressos do curso de educação física da Universidade Federal

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE. UMA ANÁLISE DO MATERIAL DE FORMAÇÃO DOCENTE

PROGRAMA NACIONAL EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE. UMA ANÁLISE DO MATERIAL DE FORMAÇÃO DOCENTE PROGRAMA NACIONAL EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE. UMA ANÁLISE DO MATERIAL DE FORMAÇÃO DOCENTE MARTIN, Mariana UEL 1 INTRODUÇÃO Este trabalho objetiva analisar o material Educar na Diversidade:

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO Palavras-chave: Idoso, práticas corporais, dança, saúde. INTRODUÇÃO Este relato foi fruto de uma

Leia mais

A DANÇA E O DEFICIENTE INTELECTUAL (D.I): UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA À INCLUSÃO

A DANÇA E O DEFICIENTE INTELECTUAL (D.I): UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA À INCLUSÃO A DANÇA E O DEFICIENTE INTELECTUAL (D.I): UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA À INCLUSÃO CARNEIRO, Trícia Oliveira / Centro Universitário Leonardo da Vinci SODRÉ, Marta Patrícia Faianca / Universidade do Estado do

Leia mais

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2013

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2013 Pedagogia: Aut. Dec. nº 93110 de 13/08/86 / Reconhecido Port. Nº 717 de 21/12/89/ Renovação Rec. Port. nº 3.648 de 17/10/2005 Educação Física: Aut. Port. nº 766 de 31/05/00 / Rec. Port. nº 3.755 de 24/10/05

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

TÍTULO: A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA (NASF): VISÃO DOS PROFISSIONAIS

TÍTULO: A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA (NASF): VISÃO DOS PROFISSIONAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA (NASF):

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL EM ITAPEVI/SP

ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL EM ITAPEVI/SP CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA

Leia mais

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL Área Temática: Educação Modalidade: Comunicação Oral. Rosangela Maria Boeno (Coordenadora da Ação de Extensão) 1 Rosangela Maria Boeno 2 Adrieli Signorati

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: AS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE CAMPO GRANDE/MS FRENTE À INCLUSÃO.

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: AS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE CAMPO GRANDE/MS FRENTE À INCLUSÃO. EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: AS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE CAMPO GRANDE/MS FRENTE À INCLUSÃO. Juliana Fernandes Junqueira -Acadêmica do curso de Educação Física - UCDB

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL

ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL 1003 ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL Cristina Angélica Aquino de Carvalho Mascaro Carla Fernanda Siqueira Vanessa Cabral Amanda Carlou Andrade Santos Fundação

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho 1 de 5 29/6/2010 00:34 www.ibmeconline.com.br De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho Autora: Patrícia Carla de Souza Della

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA Natássia Contrera Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: natassiac@hotmail.com Giseli Bueno Berti Universidade

Leia mais

João Brito Batista Thelma Helena Costa Chahini INTRODUÇÃO

João Brito Batista Thelma Helena Costa Chahini INTRODUÇÃO O ENSINO DA MUSICOGRAFIA BRAILLE: PERCEPÇÕES DOS DOCENTES E DOS DISCENTES DO CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO - UFMA João Brito Batista Thelma Helena Costa Chahini Universidade

Leia mais

TÍTULO: IDOSO E LAZER: CONCEPÇÃO, BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DE MORADORES DE SÃO PAULO

TÍTULO: IDOSO E LAZER: CONCEPÇÃO, BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DE MORADORES DE SÃO PAULO TÍTULO: IDOSO E LAZER: CONCEPÇÃO, BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DE MORADORES DE SÃO PAULO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

A INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO NO PET-SAÚDE PARA O FORTALECIMENTO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

A INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO NO PET-SAÚDE PARA O FORTALECIMENTO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA A INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO NO PET-SAÚDE PARA O FORTALECIMENTO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Resumo BORGES, Pollyanna Kássia de Oliveira Borges 1 - UEPG ZARPELLON, Lídia Dalgallo 2 - UEPG ZIMMERMANN,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL MORAIS 1, Alexsandra Dias LIMA 2, Aline Cristine da Silva GOMES 3, Inalígia Figueiredo FRANCA 4, Juliana Monteiro da OLIVEIRA 5,

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO

ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Políticas públicas: a cultura como fator de desenvolvimento econômico

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA REGULAR: UM ESTUDO SOBRE A VISAO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Felin, Rafael Pasqualin; Gularte, Isis Karina Cardoso da Luz. 10mo Congreso Argentino de Educación Física y Ciencias. 9 al 13 de septiembre de 2013

Felin, Rafael Pasqualin; Gularte, Isis Karina Cardoso da Luz. 10mo Congreso Argentino de Educación Física y Ciencias. 9 al 13 de septiembre de 2013 Felin, Rafael Pasqualin; Gularte, Isis Karina Cardoso da Luz Relato de experiência de um agente social sobre suas atividades com as comunidades do município de Santa Maria-RS, através do Programa de Esporte

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

A Percepção dos estudantes da saúde sobre a sua formação para o SUS

A Percepção dos estudantes da saúde sobre a sua formação para o SUS A Percepção dos estudantes da saúde sobre a sua formação para o SUS Zangirolani LTO, Santos ACA, Fuentes ACRC, Andrade JC, Stuck RC, Garcia MAA. Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas,

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física

QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física Susana Schneid Scherer 1 - IFSUL-RS Carmem Lucia Lascano Pinto - IFSUL- RS Resumo: Partindo da premissa de que a profissão

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES Rodrigo Barretto Vila 1 Aline Cezário Coutinho 2 Cristiane Tenuta Cabral

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial Introdução Esta proposta de estudo insere-se na linha de pesquisa Trabalho, Gênero e Políticas Sociais do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da PUCRJ e buscou conhecer questões referentes à inserção

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

FACULDADE REDENTOR ITAPERUNA RJ

FACULDADE REDENTOR ITAPERUNA RJ RESULTADOS DA PESQUISA DE PERCEPÇÃO E SATISFAÇÃO DOS CURSOS DE: MBA - GESTÃO ESTRATÉGICA DOS NEGÓCIOS MBA - GESTÃO ESTRATÉGICA COM PESSOAS FACULDADE REDENTOR 2012 ITAPERUNA RJ MODELO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO

Leia mais

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária Os casos encaminhados à modalidade

Leia mais

TÍTULO: DOS DISCURSOS ÁS PRÁTICAS INCLUSIVAS: A PERCEPÇÃO DO ALUNO PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL FRENTE Á REALIDADE DO PROCESSO DE INCLUSÃO

TÍTULO: DOS DISCURSOS ÁS PRÁTICAS INCLUSIVAS: A PERCEPÇÃO DO ALUNO PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL FRENTE Á REALIDADE DO PROCESSO DE INCLUSÃO TÍTULO: DOS DISCURSOS ÁS PRÁTICAS INCLUSIVAS: A PERCEPÇÃO DO ALUNO PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL FRENTE Á REALIDADE DO PROCESSO DE INCLUSÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM NASCIMENTO PREMATURO Francisca Daniela de Morais Roberto moraisfrancisca@bol.com.br Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU regcps@yahoo.com.br

Leia mais

Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde

Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde Ana Valéria Machado Mendonça¹ Grasiela de Sousa Pereira² Dyego Ramos Henrique Raelma Paz Silva Maria

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em A SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR RELACIONADA AOS TEMAS JOGOS E BRINCADEIRAS E CAPOEIRA, NA PERSPECTIVA DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR André Barros Laércio Iório Luciana Venâncio

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior Janaína Batista da Silva Larissa Horrara de Almeida Leonardo Lopes Liliana Oliveira Palhares da Silva Luciana

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE Karolayne Germana Leal e Silva e-mail: karolaynegermana@hotmail.com Magna Adriana de Carvalho e-mail: magnacreas@hotmail.com

Leia mais

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS*

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* * Release elaborado pela BM&FBOVESPA baseado nos dados informados pelo Banco Mundial para o 2º Workshop de Divulgação

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

XADREZ: uma ferramenta para a inclusão resultados preliminares

XADREZ: uma ferramenta para a inclusão resultados preliminares XADREZ: uma ferramenta para a inclusão resultados preliminares Tayla Kuhnen 1 ; Sara Cristina Stacheski Martins 2 ; Tiago Martins da Silva 3 ; Marcelo Eger Sibert 4 ; Marines Dias Gonçalves 5 INTRODUÇÃO

Leia mais

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi EJE: Comunicacion y Extensión AUTORES: Garcia, Gabriela Viero 1 Tumelero, Samira Valduga 2 Rosa, Rosane 3

Leia mais