PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ELETROSTÁTICAS EM PLATAFORMAS DE COLETA DE DADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ELETROSTÁTICAS EM PLATAFORMAS DE COLETA DE DADOS"

Transcrição

1 PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ELETROSTÁTICAS EM PLATAFORMAS DE COLETA DE DADOS Alexandre Pinhel Soares Engenheiro do Departamento de Equipamentos Eletroeletrônicos de Furnas Centrais Elétricas S.A. Coordenador da Comissão de Estudos de Proteção Contra Descargas Eletrostáticas do ABNT/CB-03 - Comitê Brasileiro de Eletricidade. Tel.: (0xx21) Francis Lacerda Meteorologista da Secretaria de Recursos Hídricos do Estado de Pernambuco. Tel.: (0xx81) ABSTRACT This paper presents the Electrostatic Discharge (ESD) phenomena in the Meteorological Data Acquisition Equipment and the tools and metodologies to solve this problem. RESUMO Nos últimos anos tem-se observado, no Brasil, uma notável atualização tecnológica nos dispositivos de aquisição de dados meteorológicos. As estações meteorológicas e hidrológicas convencionais têm sido substituídas por Plataformas de Coleta de Dados (PCD) que são compostas, essencialmente, por componentes eletrônicos. O constante avanço da miniaturização desses componentes tem como consequência indesejada o aumento da suscetibilidade à danos, sendo uma das mais expressivas formas de danos os que são causados por um fenômeno elétrico denominado Descarga Eletrostática (ESD - Electrostatic Discharge). Este trabalho apresenta o problema das ESD em PCDs. Será apresentado como a umidade do ar tem forte influência nesse tipo de fenômeno e qual o ferramental e procedimentos necessários ao operador de campo e ao supervisor para que consiga-se reduzir à quase zero o risco de dano no equipamento causado por ESD a partir de manuseio indevido. PALAVRAS-CHAVE: Plataforma de Coleta de Dados - Descarga Eletrostática - Umidade do ar INTRODUÇÃO A eletricidade estática pode ser definida como a carga elétrica resultante do desbalanceamento de elétrons na superfície de um material. O desbalanceamento gera um campo elétrico que pode influenciar outros objetos a distância e pode gerar uma descarga (evento ESD), i.e., uma transferência de elétrons entre dois corpos de forma que a carga final de cada um deles, individualmente, seja zero. A eletricidade estática é mais frequentemente criada pelo contato e separação de dois corpos de materiais iguais ou não. Um exemplo típico é o caso de uma pessoa andando sobre carpete. A carga é gerada a partir do contato e posterior separação entre a sola do sapato e o carpete. A carga será dependente de variáveis como as características dos materiais envolvidos no evento de contato/separação, a velocidade de separação, a área de contato além de variáveis ambientais como temperatura, quantidade de partículas no ar e, principalmente, a umidade relativa do ar (RH), como pode ser observado na tabela

2 Tabela 1 : Exemplos de Geração de Carga Eletrostática Comparação entre ambientes seco e úmido - Tensões típicas Evento RH 10-25% RH 65-90% Andar sobre carpete 35 kv 1.5 kv Andar sobre piso de vinyl 12 kv 250 V Levantar de um assento de espuma de urethane 18 kv 1.5 kv Deslizar uma caixa de styrene em um carpete 18 kv 1.5 kv Trabalhar em uma mesa 6 kv 100 V Pegar uma embalagem de polietileno de sobre uma mesa 20 kv 600V O ininterrupto processo de miniaturização iniciado com os Circuitos Integrados (CI), têm forçado o contínuo aprimoramento das tecnologias de proteção contra ESD, a começar pela própria estrutura interna dos CIs que, na maioria das vezes, contém circuitos específicos de proteção. Apesar de todos os avanços tem-se que ainda hoje todos os CIs são susceptíveis, em maior ou menor grau, a danos por ESD. A tabela 2 exemplifica. Tabela 2 : Sensibilidade dos componentes eletrônicos a um evento ESD. Tipo do dispositivo Sensibilidade à ESD (Volts) VMOS Mosfet, GaAsfet, EPROM JFET OP-AMP Diodo Schottky Resistor de filme Schottky TTL Sendo equipamentos eletrônicos, as Plataformas de Coleta de Dados (PCD) utilizadas na Meteorologia estão sujeitas a serem danificadas por ESD, bastando para isso que um operador de campo manuseie, erroneamente, suas ferramentas, instrumentos ou as partes da PCD que possuam componentes eletrônicos. A PCD pode efetivamente ser danificada com a simples conexão do cabo de comunicação de um computador portátil, por exemplo. Esse trabalho se propõem a alertar a comunidade de Meteorologia para os problemas com ESD, especialmente em localidades onde ocorrem dias de muito baixa umidade do ar. Serão sugeridas algumas metodologias de trabalho e será apresentado ferramental que, se devidamente usado, provavelmente anulará os riscos de danos causados por ESD. 1353

3 A PCD Uma PCD (figura 1) pode ser definida como um computador interligado a um conjunto de sensores, a um sistema de fornecimento de energia e, em grande parte, a um sistema de telecomunicações. Figura 1 : Exemplo da parte interna de uma PCD (com um computador portátil conectado para algum procedimento de rotina). Por uma série de motivos operativos como aferição dos sensores, coleta de dados, reconfiguração de parâmetros, manutenção preventiva ou corretiva, é comum que eventual ou rotineiramente um indivíduo, normalmente denominado operador ou técnico de campo entre em contato fisicamente com os equipamentos que compõem a PCD, podendo ocasionar um evento ESD com consequente falha que pode ser : Falha Latente : Falha oculta não imediatamente detectável. [1] Falha catastrófica : Falha simultaneamente repentina e completa. [1] A falha catastrófica é facilmente detectável, pois ela é caracterizada pela imediata inoperância em alguma função do equipamento. Já a falha latente é mais complexa, pois o defeito pode aparecer muito tempo depois, descaracterizando o evento ESD e iludindo a equipe de manutenção. A probabilidade de ocorrência de um evento ESD é inversamente proporcional a umidade do ar, porém fatores com o tipo de roupa (materiais sintéticos) e o tipo de pele (seca) do operador também influenciam na geração de carga. Como exemplo de local com ocorrência de baixa umidade do ar tem-se a PCD de Petrolina, no Estado de Pernambuco (figura 2). 1354

4 Umidade Relativa Média do Ar (%) Tempo (Dias) Figura 2 : Exemplo de umidade Relativa Média do Ar em PCD (Petrolina, no Estado de Pernambuco, de julho a setembro de 1999). Deve-se ressaltar que o exemplo fornecido refere-se à umidade relativa média, o que implica que durante momentos no decorrer dos dias os valores instantâneos chegaram a ser menores que os indicados no gráfico da figura 2. Nesse exemplo em quase metade dos dias do período a umidade relativa média foi inferior a 50%, sendo que no dia 27 de agosto de 1999 foi de 26%. Pode-se afirmar que qualquer manuseio na PCD neste dia, sem as devidas precauções, implicaria necessariamente em alguma falha. A PROTEÇÃO CONTRA ESD A verificação da umidade do ar antes do manuseio do equipamento e a não utilização de roupas sintéticas quando da visita à PCD podem reduzir os riscos de eventos ESD, porém o mais seguro é a implantação de um Programa de Proteção Contra ESD que definirá o ferramental específico, a identificação dos itens sensíveis através de simbologia própria [2] e os procedimentos de operação, supervisão e auditoria [3]. O conceito de proteção contra ESD baseia-se na drenagem da carga eletrostática armazenada para um local que não seja sensível. Esse local é o solo e o caminho da drenagem é o aterramento. Em outras palavras, o operador deve estar, a todo momento, em perfeita conexão com o sistema de aterramento da PCD. Essa conexão é realizada por um dispositivo denominado pulseira antiestática (figura 3). O ponto onde a pulseira será conectada deve garantir continuidade com o aterramento da PCD e é recomendável [3] que tal pondo seja específico para essa finalidade e mecanicamente adequado e que esteja claramente identificado [2]. Uma vez em conexão com o aterramento, qualquer carregamento eletrostático gerado pelos movimentos do operador quase que imediatamente será drenado para o terra, de forma a impedir que os potenciais eletrostáticos alcancem os valores necessários a eventos ESD. Caso haja necessidade de manuseio de algum item que possua conponentes eletrônicos, como uma placa de circuito impresso ou um dispositivo sensor deve-se, primeiramente, estabelecer-se uma superfície eletricamente adequada. Tendo em vista as características mecânicas típicas de uma PCD, a forma mais conveniente de se obter essa superfície é com a utilização de um dispositivo denominado manta antiestática, que é eletricamente condutora e que 1355

5 deve ser conectada ao aterramento pelos mesmos motivos da pulseira. A figura 4 exemplifica a utilização de uma manta em conjunto com a pulseira. No caso de uma PCD, a manta pode ficar, por exemplo, no local usualmente utilizado pelo computador portátil. Figura 3 : Exemplo de pulseira antiestática Figura 4 : Exemplo de utilização de uma manta antiestática Um outro aspecto importante do Programa de Proteção é a verificação frequente do estado das pulseiras e das mantas utilizadas pelos operadores de campo. Essas verificações devem ficar a cargo da supervisão e os resultados devem ser registrados em planilha própria para uso em auditorias ou processos de certificação de serviços. CONCLUSÕES Os potenciais problemas com ESD em PCDs podem ser quase que totalmente anulados com um conjunto pequeno de ferramentas e procedimentos de controle. O treinamento e a conscientização dos operadores de campo, a correta identificação dos pontos de aterramento e as verificações de conformidade efetuadas pela supervisão, são elementos decisivos no sucesso da implantação do Programa de Proteção. Lugares com ocorrência de baixa umidade do ar são prioritários na implantação do Programa de Proteção, porém é recomendável que o Programa se extenda a todas as PCDs de forma a que os operadores tenham os procedimentos de controle plenamente incorporados às rotinas de trabalho. Por fim, deve-se ressaltar que, apesar desse trabalho ser dirigido às PCDs, ele é extensível a outros ambientes onde ocorram manuseios de equipamentos eletrônicos, desde que sejam feitos os devidos estudos. REFERÊNCIAS Norma ABNT NBR14163 Descargas eletrostáticas - Terminologia, Norma ABNT NBR14164 Símbolos gráficos utilizados no controle das descargas eletrostáticas, IEC Technical Report Protection of electronic devices from electrostatic phenomena General requirements,

Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos

Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos ELETROSTÁTICA Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos Eletrostática Estuda os fenômenos relacionados às cargas elétricas em repouso. O átomo O núcleo é formado por: Prótons cargas elétricas positivas Nêutrons

Leia mais

Mas antes de manuseá-la devemos saber o seguinte: Placa eletrônica de condicionadores de ar tipo SPLIT

Mas antes de manuseá-la devemos saber o seguinte: Placa eletrônica de condicionadores de ar tipo SPLIT 1 Placa eletrônica É o conjunto de componentes eletrônicos montados em uma placa de circuito impresso, ela é Responsável pelo controle e operação de toda unidade. Não devemos esquecer que a placa eletrônica

Leia mais

Montagem e Manutenção de Computadores

Montagem e Manutenção de Computadores Montagem e Manutenção de Computadores Aula 04 Eletricidade estática, gabinetes e fontes. Professores: Rafael Antônio Marques Gomes Isabel Medeiros Eletricidade estática: A eletricidade estática é o fenômeno

Leia mais

ÁREA CLASSIFICADA (DEVIDO A ATMOSFERA EXPLOSIVA DE GÁS)

ÁREA CLASSIFICADA (DEVIDO A ATMOSFERA EXPLOSIVA DE GÁS) FONTES DE IGNIÇÃO ÁREA CLASSIFICADA (DEVIDO A ATMOSFERA EXPLOSIVA DE GÁS) Área na qual uma atmosfera explosiva de gás está presente ou na qual é provável sua ocorrência a ponto de exigir precauções especiais

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PROTEÇÃO E CONTROLE NA FABRICAÇÃO E MANIPULAÇÃO DE EQUIPAMENTOS SENSÍVEIS A ESD (DESCARGAS ELETROSTÁTICAS). Área de Engenharia Elétrica e Telecomunicações

Leia mais

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de Capítulo 1: Eletricidade É um fenômeno físico originado por cargas elétricas estáticas ou em movimento e por sua interação. Quando uma carga encontra-se em repouso, produz força sobre outras situadas em

Leia mais

2.5. Placas eletrônicas da central

2.5. Placas eletrônicas da central 2.5. Placas eletrônicas da central Placa eletrônica de laço Piezo Placa de laço Na placa eletrônica de laço podem ser ligados quatro laços de detecção, compostos por detectores de fumaça, detectores termovelocimétricos

Leia mais

Unidade de Rastreamento para Logística Básica MANUAL DE INSTALAÇÃO

Unidade de Rastreamento para Logística Básica MANUAL DE INSTALAÇÃO Unidade de Rastreamento para Logística Básica DE INSTALAÇÃO CalAmp A CalAmp é líder no fornecimento de soluções que utilizam comunicação sem fio. Possui um extenso portfólio de produtos com recursos inteligentes

Leia mais

Placa Acessório Modem Impacta

Placa Acessório Modem Impacta manual do usuário Placa Acessório Modem Impacta Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Modem é um acessório que poderá ser utilizado em todas as centrais

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

RONALDO LUIS FERREIRA DE SIQUEIRA, TATIANE SOARES DA SILVA, VITOR GABRIEL COIMBRA FARIAS

RONALDO LUIS FERREIRA DE SIQUEIRA, TATIANE SOARES DA SILVA, VITOR GABRIEL COIMBRA FARIAS Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática RONALDO LUIS FERREIRA DE SIQUEIRA,

Leia mais

ADVERTÊNCIA: Instruções gerais de segurança

ADVERTÊNCIA: Instruções gerais de segurança ADVERTÊNCIA: Instruções gerais de segurança Consulte as instruções de segurança a seguir para ajudar a garantir a sua segurança pessoal e para ajudar a proteger o seu equipamento e ambiente de trabalho

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Instruction Manual Manual de Instrucciones

MANUAL DE INSTRUÇÕES Instruction Manual Manual de Instrucciones DETECTOR DE ALTA TENSÃO SEM CONTATO High Voltage Proximity Detector Detector de Alto Voltaje sin Contacto 275 *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. MANUAL

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Guia do usuário Placa VoIP

Guia do usuário Placa VoIP Guia do usuário Placa VoIP Versão 02/07 Caro usuário, Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa VoIP é um acessório que poderá ser utilizado em todas as

Leia mais

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Introdução Componentes Eletrônicos Equipamentos Eletrônicos Utilizados no Laboratório Tarefas INTRODUÇÃO O nível de evolução tecnológica evidenciado nos dias

Leia mais

Manual de Instalação e Operação Revisão 15 de 14 de Abril de 2009

Manual de Instalação e Operação Revisão 15 de 14 de Abril de 2009 GRAMEYER Equipamentos Eletrônicos Ltda / GRAMEYER Indústria Eletroeletrônica Ltda. R. Mal. Castelo Branco, 2477 Schroeder SC Brasil 89275-000 e-mail: info@grameyer.com.br - www.grameyer.com.br Fones: 55

Leia mais

Lista de Exercícios de Física II Lei de Ohm - circuitos Prof: Tadeu Turma: 3 Ano do Ensino Médio Data: 16/07/2009

Lista de Exercícios de Física II Lei de Ohm - circuitos Prof: Tadeu Turma: 3 Ano do Ensino Médio Data: 16/07/2009 Lista de Exercícios de Física II Lei de Ohm - circuitos Prof: Tadeu Turma: 3 Ano do Ensino Médio Data: 16/07/2009 1ª Questão) Num circuito elétrico, dois resistores, cujas resistências são R 1 e R 2, com

Leia mais

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez Segurança Elétrica em Ambiente Hospitalar Prof. Ernesto F. F. Ramírez Choque Elétrico Intensidade da corrente circulação de corrente elétrica através do organismo humano Percurso da corrente Duração do

Leia mais

IFBA MOSFET. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista - 2009

IFBA MOSFET. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista - 2009 IFBA MOSFET CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista - 2009 MOSFET s - introdução Semicondutor FET de óxido metálico, ou Mosfet (Metal Oxide

Leia mais

(www.inpe.br/webelat/homepage/menu/el.atm/perguntas.e.respostas.php. Acesso em: 30.10.2012.)

(www.inpe.br/webelat/homepage/menu/el.atm/perguntas.e.respostas.php. Acesso em: 30.10.2012.) 1. (G1 - ifsp 2013) Raios são descargas elétricas de grande intensidade que conectam as nuvens de tempestade na atmosfera e o solo. A intensidade típica de um raio é de 30 mil amperes, cerca de mil vezes

Leia mais

eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há Blocos eletrônicos

eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há Blocos eletrônicos A UU L AL A Manutenção eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há uma máquina muito sofisticada. Certo dia essa máquina apresentou um defeito e parou. Imediatamente foi acionada a equipe

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

Capítulo X. Gestão proativa Monitoramento e manutenção de baterias de UPS Por Thiago Yokoyama Matsumoto* Instalações em cargas de missão crítica

Capítulo X. Gestão proativa Monitoramento e manutenção de baterias de UPS Por Thiago Yokoyama Matsumoto* Instalações em cargas de missão crítica 32 Instalações em cargas de missão crítica Capítulo X Gestão proativa Monitoramento e manutenção de baterias de UPS Por Thiago Yokoyama Matsumoto* Nos fascículos anteriores foram discutidos, adotar uma

Leia mais

Características & Interligação. Módulo APGV. Módulo Ponte Graetz com Ventilação Forçada. Revisão 00 de 13/05/10

Características & Interligação. Módulo APGV. Módulo Ponte Graetz com Ventilação Forçada. Revisão 00 de 13/05/10 Características & Interligação Módulo APGV Módulo Ponte Graetz com Ventilação Forçada Revisão 00 de 13/05/10 Direitos Reservados à Todas as informações contidas neste manual são de uso exclusivo da Equipamentos

Leia mais

GUIA DE TELAS IHM Delta ARVTi 2000

GUIA DE TELAS IHM Delta ARVTi 2000 GUIA DE TELAS IHM Delta ARVTi 2000 Revisão 00 de 02/06/10 Direitos Reservados à Todas as informações contidas neste manual são de uso exclusivo da Equipamentos Eletrônicos Ltda., não podendo ser reproduzidas,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO. NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 1. Introdução. 2. Porque da importância da NR-10

BOLETIM TÉCNICO. NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 1. Introdução. 2. Porque da importância da NR-10 NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade 1. Introdução A Norma Regulamentadora n 10 é um documento que descreve um conjunto de procedimentos e requisitos para as atividades que envolvem

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

Requisitos de projeto, montagem, inspeção, manutenção e reparos de instalações e sistemas envolvendo equipamentos intrinsecamente seguros

Requisitos de projeto, montagem, inspeção, manutenção e reparos de instalações e sistemas envolvendo equipamentos intrinsecamente seguros Requisitos de projeto, montagem, inspeção, manutenção e reparos de instalações e sistemas envolvendo equipamentos intrinsecamente seguros Roberval Bulgarelli Consultor Técnico PETROBRAS Coordenador do

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Eletricidade estática: exposições e controles

Eletricidade estática: exposições e controles Eletricidade estática: exposições e controles Eletricidade estática: exposições e controles INTRODUÇÃO A eletricidade estática é frequente na fonte de ignição de algumas substâncias, tornando-se um real

Leia mais

Retrabalhando o Componente SMD

Retrabalhando o Componente SMD Os aparelhos celulares utilizam a técnica de montagem por superfície ou SMT (Surface Mounting Technology) com emprego de componentes ultra-miniaturizados para a montagem em superfície chamados SMD (Surface

Leia mais

Medidor monofásico eletrônico LUMEN MC

Medidor monofásico eletrônico LUMEN MC Medidor monofásico eletrônico LUMEN MC kwh MEDIDOR ELETRÔNICO LUMEN MC 120V 15(100)A 60Hz 2Fios 1EL 1Fase REVERSO Ke 0,625 Wh/Pulso Kh 0,625 Wh/Pulso Classe B 2008 Y K Portaria INMETRO/Dimel nº 00000000

Leia mais

Placa Acessório Modem Impacta

Placa Acessório Modem Impacta MANUAL DO USUÁRIO Placa Acessório Modem Impacta Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Modem é um acessório que poderá ser utilizado em todas as centrais

Leia mais

1. Eletroeletrônica. 1.1. Introdução. 1.2. Fundamentos de Eletricidade

1. Eletroeletrônica. 1.1. Introdução. 1.2. Fundamentos de Eletricidade 1. Eletroeletrônica 1.1. Introdução Os computadores e seus periféricos, bem como todos os equipamentos de informática, são aparelhos eletrônicos. Podemos dizer, mais precisamente, que os computadores são

Leia mais

Aula 5 Infraestrutura Elétrica

Aula 5 Infraestrutura Elétrica Aula 5 Infraestrutura Elétrica Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Ruído Elétrico Os problemas de energia elétrica são as maiores causas de defeitos no hardware das redes de computadores e conseqüente

Leia mais

Aterramentos. por Rafael Alves

Aterramentos. por Rafael Alves Aterramentos por Rafael Alves Dentre as causas mais comuns que podem ocasionar distúrbios e danos à segurança das pessoas e equipamentos numa estação de telecom estão as descargas atmosféricas, as sobretensões

Leia mais

Problemas de eletricidade

Problemas de eletricidade Problemas de eletricidade 1 - Um corpo condutor está eletrizado positivamente. Podemos afirmar que: a) o número de elétrons é igual ao número de prótons. b) o número de elétrons é maior que o número de

Leia mais

Mód. 32 SD Relé NA - "Check Before Operate"

Mód. 32 SD Relé NA - Check Before Operate 1. Descrição do Produto O módulo AL-3202 é uma interface de saída digital, de 32 pontos, a relé, microprocessada, cuja principal característica é implementar a operação com "check before operate", sendo

Leia mais

Guia de Upgrade e Serviços

Guia de Upgrade e Serviços Guia de Upgrade e Serviços Informações sobre Direitos Autorais As únicas garantias para produtos e serviços da Hewlett-Packard são estabelecidas nas declarações expressas que os acompanham. Nada contido

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA FORNECIMENTO DE COMPONENTES PARA MONTAGEM DE PLACAS DE CIRCUITOS IMPRESSOS

ORIENTAÇÕES PARA FORNECIMENTO DE COMPONENTES PARA MONTAGEM DE PLACAS DE CIRCUITOS IMPRESSOS ORIENTAÇÕES PARA FORNECIMENTO DE COMPONENTES PARA MONTAGEM DE PLACAS DE CIRCUITOS IMPRESSOS 1.0 INTRODUÇÃO Este documento tem por finalidade sugerir procedimentos a serem seguidos na preparação, embalagem

Leia mais

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos*

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos* Aula Prática 114 O Setor Elétrico / Setembro de 2009 Especificação de sistemas de monitoração on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves

Leia mais

ANEXO FUNÇÃO CONTROLE DE NÍVEL. ARVTi 2000. Adendo de uma função no software. Anexo Rev03.01 de 01/06/10

ANEXO FUNÇÃO CONTROLE DE NÍVEL. ARVTi 2000. Adendo de uma função no software. Anexo Rev03.01 de 01/06/10 ANEXO FUNÇÃO CONTROLE DE NÍVEL ARVTi 2000 Adendo de uma função no software Anexo Rev03.01 de 01/06/10 Direitos Reservados à Todas as informações contidas neste manual são de uso exclusivo da Equipamentos

Leia mais

CAPACITOR. Simbologia: Armazenamento de carga

CAPACITOR. Simbologia: Armazenamento de carga CAPACITOR O capacitor é um componente eletrônico capaz de armazenar cargas elétricas. É composto por duas placas de material condutor, eletricamente neutras em seu estado natural, denominadas armaduras,

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança

Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança P R O F. C L O D O M I R O U N S I H U A Y V I L A, D R. E N G E N H A R I A E L É T R I C A U F P R C E N T R A I S E L É T R I C A S

Leia mais

White Paper sobre Antiestática

White Paper sobre Antiestática Cargas Eletrostáticas Durante a Pesagem: Medidas para a Prevenção de Erros Geração de carga eletrostática As amostras carregadas eletrostaticamente podem causar dificuldades de manuseio e erros de medição

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Chama Convencional Tipo Ultravioleta Código: AFC9104. O detector de chama AFC9104 é um equipamento que deve ser instalado no teto ou na parede das edificações e tem como função enviar

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA FÍSICA Introdução Recomendações para o controle do acesso físico Política de segurança

Leia mais

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas elétricas ou a seleção de freqüências em filtros para caixas

Leia mais

Engenharia de Manutenção em Sistemas Eletroeletrônicos.

Engenharia de Manutenção em Sistemas Eletroeletrônicos. Engenharia de Manutenção em Sistemas Eletroeletrônicos. Superintendência de Engenharia de Manutenção Departamento de Equipamentos Eletroeletrônicos Cenário Grande empresa com atividade-fim muito específica.

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL MÉDIO CARGO: Técnico da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Técnico 1 Padrão I (TM11) CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA

Leia mais

FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA CWF24-01

FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA CWF24-01 FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA (Input: 85 ~ 264 Vac / 120 ~ 370 Vdc) (Output: 24 Vdc / 1 A) CWF24-01 Fonte de Alimentação Chaveada Manual do usuário MAN-PT-DE-CWF24-01-01.00_14 Introdução Obrigado por

Leia mais

Conceitos básicos de Componentes SMD. Eng. Décio Rennó de Mendonça Faria

Conceitos básicos de Componentes SMD. Eng. Décio Rennó de Mendonça Faria Conceitos básicos de Componentes SMD Eng. Décio Rennó de Mendonça Faria Maio de 2014 Componentes em SMD Atualmente, nos equipamentos eletrônicos modernos, a utilização de resistores e capacitores convencionais

Leia mais

9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES:

9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES: 9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES: 9.1 OTIMIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA OPERAÇÃO DOS TRANSFORMADORES Os transformadores são máquinas estáticas que transferem energia elétrica de um circuito para outro, mantendo

Leia mais

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo A - Hidrantes de recalque do sistema de chuveiros automáticos 2 Aplicação B Sinalização dos Hidrantes de Recalque do Sistema de chuveiros

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Ago/2011

DIODO SEMICONDUTOR. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Ago/2011 DIODO SEMICONDUTOR Prof. Marcelo Wendling Ago/2011 Conceitos Básicos O diodo semicondutor é um componente que pode comportar-se como condutor ou isolante elétrico, dependendo da forma como a tensão é aplicada

Leia mais

Capacitores. Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br

Capacitores. Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br Capacitores Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br Capacitor Consiste em doiscondutores separados por um isolante, ou material dielétrico. Capacitores armazenam energia elétrica por

Leia mais

Ensaio de resistência de isolamento

Ensaio de resistência de isolamento 56 Capítulo VII Ensaios de resistência de isolamento e de rigidez dielétrica Por Marcelo Paulino* A avaliação do sistema isolante consiste em uma das principais ferramentas para determinar a condição operacional

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

Eletricidade Aplicada à Informática

Eletricidade Aplicada à Informática Professor: Leonardo Leódido Ligações Elétricas Sumário Dispositivos Eletro-Eletrônicos Dispositivos de Medição Dispositivos Eletro-Eletrônicos Resistência Todo elemento em um circuito oferece um certa

Leia mais

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas 44 Capítulo VI Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Da mesma forma que se deve fazer com os elementos que formam uma instalação elétrica no seu sentido físico,

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Surg Light. Manual do Usuário

Surg Light. Manual do Usuário Surg Light Manual do Usuário FINALIDADE O Surg Light é um equipamento utilizado como fonte de luz, nas especialidades médicas (otorrinolaringologia, dermatologia), odontológicas (cirurgias bucomaxilo facial,

Leia mais

Vida Útil de Baterias Tracionárias

Vida Útil de Baterias Tracionárias Vida Útil de Baterias Tracionárias Seção 1 Introdução. Seção 2 Vida Útil Projetada. ÍNDICE Seção 3 Fatores que Afetam a Vida Útil da Bateria. Seção 3.1 Problemas de Produto. Seção 3.2 Problemas de Manutenção.

Leia mais

Unidade 12 - Capacitores

Unidade 12 - Capacitores Unidade 1 - Capacitores Capacidade Eletrostática Condutor Esférico Energia Armazenada em um capacitor Capacitor Plano Associação de Capacitores Circuitos com capacitores Introdução Os primeiros dispositivos

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

SITRANS LVL200H.ME****A****

SITRANS LVL200H.ME****A**** Vibrating Switches SITRANS LVL200H.ME****A**** NCC 14.03368 X Ex d IIC T6 Ga/Gb, Gb Instruções de segurança 0044 Índice 1 Validade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técnicos... 4 4 Condições de utilização... 4

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CHAVE ESTÁTICA MONOFÁSICA 2 A 6 KVA

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CHAVE ESTÁTICA MONOFÁSICA 2 A 6 KVA MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CHAVE ESTÁTICA MONOFÁSICA 2 A 6 KVA ÍNDICE Introdução 01 Principais aplicações 01 Características técnicas 02 Descrição de funcionamento 03 Instalação 04 Armazenamento 05 Assistência

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56 NORMA ABNT BRASILEIRA NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Quality management systems - Requirements CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO

Leia mais

São necessários três componentes, simultaneamente, para existir a EMI:

São necessários três componentes, simultaneamente, para existir a EMI: AInterferência Eletromagnética nas Redes de Computadores Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA 28 de maio de 2007 EMI Electromagnetic Interference O ambiente

Leia mais

AS NORMAS ABNT. ABNT NBR IEC 60335-2-76 Trata especificamente sobre equipamentos eletrificadores de cercas. Foi publicada em 03/12/2007

AS NORMAS ABNT. ABNT NBR IEC 60335-2-76 Trata especificamente sobre equipamentos eletrificadores de cercas. Foi publicada em 03/12/2007 AS NORMAS ABNT INTRODUÇÃO ABNT NBR IEC 60335-2-76 Trata especificamente sobre equipamentos eletrificadores de cercas. Foi publicada em 03/12/2007 NBR NM-IEC 335-1 Trata sobre a segurança de equipamentos

Leia mais

FECHADURA SOLENOIDE FAIL SECURE COM CHAVE

FECHADURA SOLENOIDE FAIL SECURE COM CHAVE FECHADURA SOLENOIDE FAIL SECURE COM CHAVE VERSÃO DO MANUAL 2.1 de 04/02/2014 8037 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Itens que Acompanham... 3 3. Especificações Técnicas... 4 4. Características Gerais...

Leia mais

SISTEMA CIRÚRGICO ELETRO-TÉRMICO VULCAN EAS

SISTEMA CIRÚRGICO ELETRO-TÉRMICO VULCAN EAS SISTEMA CIRÚRGICO ELETRO-TÉRMICO VULCAN EAS Bisturi Elétrico Explicação de Símbolos Internacionais e Símbolos Utilizados Eletrodo Neutro (aterramento) Pedal Isolamento de Paciente / parte aplicada tipo

Leia mais

2.1.1 LEDs... 2 2.1.2 Painel traseiro... 2

2.1.1 LEDs... 2 2.1.2 Painel traseiro... 2 INTRODUÇÃO... 1 1.1 CONTEÚDO DA EMBALAGEM... 1 1.2 RECURSOS... 1 INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO... 2 2.1 LIGANDO O SWITCH... 2 2.1.1 LEDs... 2 2.1.2 Painel traseiro... 2 2.3 REQUISITOS DO AMBIENTE DE INSTALAÇÃO...

Leia mais

FOTO FOTO FOTO. controle de estática MEDIDOR DE ESTÁTICA TESTADOR DE PULSEIRA E CALCANHEIRA SK-TE1003 SK-FG450 HAKKO 498 AIRSOURCE 698

FOTO FOTO FOTO. controle de estática MEDIDOR DE ESTÁTICA TESTADOR DE PULSEIRA E CALCANHEIRA SK-TE1003 SK-FG450 HAKKO 498 AIRSOURCE 698 MEDIDOR DE ESTÁTICA Equipamento utilizado para medição do campo eletrostático em objetos e materiais diversos. Detecta a diferença de potencial associado com a carga elétrica. É particularmente útil na

Leia mais

GMT6-C. Monitor de Temperatura Digital. Manual de Instalação e Operação Revisão 03 de 29-10-2009 MGBR08231

GMT6-C. Monitor de Temperatura Digital. Manual de Instalação e Operação Revisão 03 de 29-10-2009 MGBR08231 GRAMEYER Equipamentos Eletrônicos Ltda / GRAMEYER Indústria Eletroeletrônica Ltda. R. Mal. Castelo Branco, 2477 Schroeder SC Brasil 89275-000 e-mail: seriados@grameyer.com.br - www.grameyer.com.br Fones:

Leia mais

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais.

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

Instruções complementares Flutuador para detecção de óleo/água para VEGACAP 63

Instruções complementares Flutuador para detecção de óleo/água para VEGACAP 63 Instruções complementares Flutuador para detecção de óleo/água para VEGACAP 63 Document ID: 31595 1 Índice Índice 1 Sobre o presente documento 1.1 Função.................................. 3 1.2 Grupo-alvo................................

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

RISCO DE EXPLOSÃO EM SALA DE BATERIAS COMO EVITAR

RISCO DE EXPLOSÃO EM SALA DE BATERIAS COMO EVITAR RISCO DE EXPLOSÃO EM SALA DE BATERIAS COMO EVITAR Recentemente estive envolvido na elaboração de um laudo técnico pericial referente ao um princípio de incêndio ocorrido em um local onde estavam sendo

Leia mais

APLICAÇÃO CARACTERÍSTICAS DESCRIÇÃO

APLICAÇÃO CARACTERÍSTICAS DESCRIÇÃO APLICAÇÃO O Sensor Eletroquímico de H 2 S fornece monitoração contínua de concentrações de gás sulfídrico (H 2 S) na faixa de 0 a 100 partes por milhão (ppm). O Sensor pode ser utilizado com um transmissor

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO. www.decibel.com.br

DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO. www.decibel.com.br DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO www.decibel.com.br ATENÇÃO É de fundamental importância a leitura completa deste manual antes de ser iniciada qualquer atividade

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO Código ETD-00.023 Data da emissão 28.12.1993 Data da última revisão 09.09.2009 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

Manual de instruções Módulo eletrônico VEGAMIP Série 60 - Unidade emissora VEGAMIP Série 60 - Unidade receptora. Document ID: 37349

Manual de instruções Módulo eletrônico VEGAMIP Série 60 - Unidade emissora VEGAMIP Série 60 - Unidade receptora. Document ID: 37349 Manual de instruções Módulo eletrônico VEGAMIP Série 60 - Unidade emissora VEGAMIP Série 60 - Unidade receptora Document ID: 37349 Índice Índice 1 Sobre o presente documento 1.1 Função..................................

Leia mais

Transistores de Efeito de Campo, Tiristores, relés e conectores: falhas e métodos de verificação de defeitos

Transistores de Efeito de Campo, Tiristores, relés e conectores: falhas e métodos de verificação de defeitos Transistores de Efeito de Campo, Tiristores, relés e conectores: falhas e métodos de verificação de defeitos Transistores de Efeito de Campo FET Tipos Gate por Junção (JFET) Gate Isolado (MOSFET de Depleção)

Leia mais

A Compatibilidade Eletromagnética (EMC) e sua Influência na Sociedade Brasileira

A Compatibilidade Eletromagnética (EMC) e sua Influência na Sociedade Brasileira A Compatibilidade Eletromagnética (EMC) e sua Influência na Sociedade Brasileira João Saad Júnior - PY1DPU - Pesquisador do CEPEL de 1978 a 2013, atualmente aposentado membro do O QUE É COMPATIBILIDADE

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais