PÓS-GRADUAÇÃO - UFJF DISTÚRBIOS DA TIREÓIDE E EXERCÍCIO FÍSICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PÓS-GRADUAÇÃO - UFJF DISTÚRBIOS DA TIREÓIDE E EXERCÍCIO FÍSICO"

Transcrição

1 PÓS-GRADUAÇÃO - UFJF DISTÚRBIOS DA TIREÓIDE E EXERCÍCIO FÍSICO Prof. Dr. Emerson Filipino Coelho

2 ÁREA DE ATUAÇÃO GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - UFJF PÓS-GRADUAÇÃO EM ATIVIDADES MOTORAS MESTRE EM PSICOFISIOLOGIA DO EXERCÍCIO - UGF DOUTOR CIÊNCIAS DA SAÚDE - UFRJ PÓS DOUTORANDO - CIÊNCIAS DA SAÚDE - UFRJ COORDENADOR DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO FÍSICA E GINÁSTICA LABORAL DA ARCELORMITTAL - JF DESDE 2001 E DA UFJF DESDE PROFESSOR ADJUNTO DA FAMINAS - MURIAÉ COORDENADOR DA PÓS LATU SENSU - UNIVERTIX

3 REGULAÇÃO DOS HORMÔNIOS TIREOIDIANOS extrínsecas + - intrínsecas Hipotálamo T3- triiodotironina T4- tiroxina T 3, T 4 TRH - + TSH + Tireóide Hipófise anterior TSH - tireotropina

4 HIPOTÁLAMO - HIPÓFISE Área pequena, com apenas 4g. Cérebro 1.200g.

5 HIPOTÁLAMO - HIPÓFISE

6 TIREÓIDE

7 FUNÇÕES DO HIPOTÁLAMO A maioria das funções do hipotálamo se relaciona com a HOMEOSTASE PAPEL REGULADOR Sistema Nervoso AUTÔNOMO Sistema ENDÓCRINO, além de controlar processos motivacionais como a FOME, A SEDE E O SEXO

8 FUNÇÕES DO HIPOTÁLAMO - HIPÓFISE CONTROLE DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO O hipotálamo posterior controla o SISTEMA SIMPÁTICO peristaltismo gastrointestinal dilatação da pupila FC PA

9 FUNÇÕES DO HIPOTÁLAMO - HIPÓFISE CONTROLE DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO O hipotálamo anterior controla o S. PARASSIMPÁTICO peristaltismo gastrointestinal, constrição da pupila, FC PA

10 FUNÇÕES DO HIPOTÁLAMO - HIPÓFISE REGULAÇÃO DA TEMPERATURA CORPORAL O hipotálamo é informado da temperatura corporal pelos TERMORRECEPTORES PERIFÉRICOS e também por neurônios localizados no hipotálamo anterior O hipotálamo funciona como um TERMOSTATO capaz de detectar as variações de temperatura do SANGUE e ativa os mecanismos de PERDA ou de CONSERVAÇÃO do calor

11 FUNÇÕES DO HIPOTÁLAMO REGULAÇÃO DO COMPORTAMENTO EMOCIONAL Hipotálamo + Sistema Límbico + Área Pré Frontal = regulação de processos emocionais como: Ansiedade, raiva, medo, prazer, sexualidade...

12 FUNÇÕES DO HIPOTÁLAMO - HIPÓFISE REGULAÇÃO DA INGESTÃO DE ÁGUA (Metabolismo de água e sais minerais) O centro da sede funciona através da concentração do sangue no organismo. concentração sanguínea ela rouba líquido dos tecidos, concentração ela manda líquido para os tecidos. ou anti diurético (HAD),

13 FUNÇÕES DO HIPOTÁLAMO - HIPÓFISE REGULAÇÃO DA DIURESE O hormônio antidiurético, também chamado vasopressina, age aumentando a absorção de água nos túbulos renais e, conseqüentemente diminuindo a eliminação de água pela urina (diurese)

14 SIST. ENDÓCRINO - HORMÔNIOS TIREOIDIANOS sist. endócrino é responsável pela regulação e coordenação dos PROCESSOS FISIOLÓGICOS HORMÔNIOS TIREOIDIANOS mensageiros químicos do SIST. ENDÓCRINO

15 ESPECIFICIDADE DA AÇÃO HORMONAL A maioria dos hormônios desempenha seu efeito sobre um órgão-alvo específico. Receptor hormonal específico HORMÔNIO Receptor Hormonal

16 HORMÔNIOS TIREOIDIANOS EFEITOS Metabolismo energético e crescimento consumo de O 2 tecidos - efeito calorigênico taxas do metabolismo basal absorção glicose no intestino. síntese e secreção de colesterol

17 TESE DE DOUTORADO 16/02/2011 CINÉTICA DA CURVA DA RESPOSTA VENTILATÓRIA AO EXERCÍCIO DE PACIENTES COM HIPOTIREOIDISMO SUBCLÍNICO ANTES E APÓS A REPOSIÇÃO DE LEVOTIROXINA EMERSON FILIPINO COELHO Orientadores: Prof. Dr. Mário Vaisman Profa. Dra. Fátima Palha de Oliveira (in memoriam)

18 HORMÔNIOS TIREOIDIANOS REGULAÇÃO frio + - estresse Hipotálamo T3, T4 TRH - + Hipófise anterior TSH + Tireóide

19 INFLUÊNCIA DOS HORMÔNIOS TIREOIDIANOS NOS SISTEMAS CARDIO-PULMONAR E VASCULAR O fenótipo cardíaco é extremamente sensível a mudanças nos níveis séricos de T 3 e T 4. DANZI, S., KLEIN, I. (2004) Thyroid hormone and the cardiovascular system. Minerva Endocrinologist, v.29, pp

20 INFLUÊNCIA DOS HORMÔNIOS TIREOIDIANOS NOS SISTEMAS CARDIO-PULMONAR E VASCULAR Os hormônios tireoidianos controlam a expressão de certos genes do miocárdio, regulando a disponibilidade de cálcio, que afeta tanto a função sistólica quanto a diastólica. Uma das principais transcrições gênicas reguladas por esses hormônios estão relacionadas às proteínas do retículo sarcoplasmático, mecanismo pelo qual os agonistas beta-adrenérgicos exercem uma função inotrópica + no coração. Moolman (2002). Cardiovasc J South Afr. 13(4): Klein & Danzi (2007). Circulation. 116:

21 INFLUÊNCIA DOS HORMÔNIOS TIREOIDIANOS NOS SISTEMAS CARDIO-PULMONAR E VASCULAR Os hormônios tireoidianos promovem alterações cardiovasculares, hemodinâmicas e metabólicas que impactam diretamente na capacidade de realização de exercício físico. (WASSERMAN et al. 2005)

22 INTRODUÇÃO TIREÓIDE HIPÓFISE HIPOTÁLAMO GUYTON e HALL (2006)

23 INTRODUÇÃO MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DO HIPOTIREOIDISMO V - Hipotireoidismo: Diagnóstico (2009).

24 INTRODUÇÃO - HIPOTIREOIDISMO SUBCLÍNICO HIPOTIREOIDISMO SUBCLÍNICO - HS Caracterizado por: Alterações mínimas na função da tireóide (TSH e T 4 normal) mas podendo ter consequências compatíveis com hipotireoidismo clínico ou primário. do risco de doenças cardiovasculares mortalidade TSH (>4,0 μui/ml) e T 4 (0,8 a 1,9 ng/dl) Ochs et al Ann Intern Med. 148(11): , Razvi et al J Clin Endocrinol Metab. 98(8):

25 INTRODUÇÃO - HIPOTIREOIDISMO SUBCLÍNICO Alterações Disfunções Orgânico-Funcionais Estudos Cardiovascular e Hemodinâmica Metabólicas e musculares Contratilidade Cardíaca Frequência Cardíaca Débito Cardíaco Resistência Vasc. Periférica Pressão Arterial Diastólica Variabilidade da FC Período de pré-ejeção Rigidez arterial Ativ. enzimática mitocondrial Capacidade do met. oxidativo Sensibilidade à insulina Dislipidemia Biondi et al. (1999) Monzani et al. (2001) Kahaly et al. (2002) Fazio et al. (2004) Kahaly & Dillman (2005) Dagre et al. (2005) Hamano; Inoue (2005) Mainnenti et al. (2007) Akcakoyun et al. (2009) Nagasaki et al. (2006) Galeta et al. (2006) Cabral et al. (2009) Amati et al. (2009) Palmieri et al. (2004) Klein & Danzi (2007) Biondi & Cooper (2008) Reuters et al. (2006)

26 INTRODUÇÃO - HIPOTIREOIDISMO SUBCLÍNICO INFLUÊNCIAS FISIOLÓGICAS / EXERCÍCIO tolerância ao esforço Fadiga precoce (BIONDI & COOPER, 2008) (AKBAR et al., 2004) resistência vascular sistêmica contratilidade miocárdica (BIONDI & COOPER, 2008) recuperação da FC e PAD MAIS LENTA, (AKCAKOYUN et al., 2010) (MAINENTI et al., 2007) FC pico VO 2máx LA (KAHALY, 2000) (CARACCIO et al., 2005) CAPACIDADE DE REALIZAR EXERCÍCIO

27 HIPOTIREOIDISMO E EXERCÍCIO FÍSICO

28 INTRODUÇÃO Evolução do HIPOTIREOIDISMO SUBCLÍNICO PARA CLÍNICO A taxa de risco de progressão do HS ao hipotireoidismo manifesto aumenta com a idade, sexo feminino, e na presença de anticorpos antitireoidianos positivos (anti TPO +). O único fator independente que se associa a progressão para hipotireoidismo foi a concentração do TSH, com taxa TSH >10 miu/l. Vanderpump MP. et al (1995) Clin Endocrinol;43: Surks et al. (2004) JAMA; 291(2): Biondi & Cooper, (2008) Endocr Rev. 29(1): V - Hipotireoidismo: Diagnóstico (2009).

29 Evolução do HIPOTIREOIDISMO SUBCLÍNICO

30 PREVALÊNCIA Pode chegar a 20%, dependendo da população e da faixa etária investigada, sendo mais frequente em mulheres idosas (SURKS et al., 2004). No Brasil foi detectada uma prevalência de 10% de positividade para ATPO circulantes em mulheres com mais de 35 anos e de 12,3% de hipotireoidismo, incluindo a forma clínica e subclínica (Sichieri et al. 2007)

31 INTRODUÇÃO Efeito L-T 4 no HS em exercício O retorno à condição de eutireoidismo, por meio L-T 4, reverte os comprometimentos cardiovasculares, o que pode acarretar melhorias da capacidade funcional. Níveis de TSH Ergômetros (KAHALY, 2000; MONZANI et al., 2001; FAZIO et al., 2004; PALMIERI et al., 2004; YAZICI et al., 2004; TURHAN et al., 2006; RAZVI et al., 2007; KLEIN & DANZI, 2007; BIONDI & COOPER, 2008). Alguns autores Protocolos confirmam que a normalização do TSH melhora a capacidade funcional no HS (BELL et al., 1985; FORFAR et al., 1985; Falta de grupo controle Aptidão física KAHALY, 2000); outros, não (CARACCIO et al., 2005); Terceiros demonstram ligeira melhora (AREM et al., 1996; BRENTA et al., 2003) ou benefícios somente em esforço submáximo (MAINENTI et al., 2009)

32 PROBLEMA Existem benefícios da reposição de L-T 4 em indivíduos com HS. POR OUTRO LADO Poucas evidências científicas sobre o impacto L-T 4 na capacidade funcional no HS em exercício. Biondi & Cooper, (2008) Endocr Rev. 29(1): Papi et al Curr Opin Endocrinol Diabetes Obes. 14:

33 CAPACIDAE FUNCIONAL INTERAÇÃO DOS SISTEMAS CAPTAÇÃO TRANSPORTE UTILIZAÇÃO O 2 (WASSERMAN et al. 2005)

34 Atuação Hormônios Tireoidianos HS & EXERCÍCIO FÍSICO Contratilidade Cardíaca Débito Cardíaco Volume Sistólico Síntese Protéica Atividade Mitocondrial Metabolismo do Glicogênio RVP Capacidade Vital (WASSERMAN et al. 2005)

35 CINÉTICA DAS CURVAS DE VENTILAÇÃO Retratam a velocidade da resposta dos dos sistemas envolvidos no fornecimento de O 2 ao músculo em exercício. VE, VO 2 e VCO 2 ERGOESPIROMETRIA Wasserman et al. (2005) Jones & Poole (2005)

36 ERGOESPIROMETRIA - MONITORAÇÃO O volume é medido através do PNEUMOTACÓGRAFO externo conectado via linhas de ar (mangueiras) ao sensor (interno) de volume espirado do VO2000

37 ERGOESPIROMETRIA - MONITORAÇÃO Cosmed K4b2

38 JUSTIFICATIVA Esta tese se justifica pela detecção da escassez de literatura científica específica e pela contribuição inédita do impacto da reposição de L-T 4 na cinética ventilatória de VE, VCO 2 e VO 2 em portadores de HS em exercício.

39 JUSTIFICATIVA A análise da cinética do O 2 é uma importante ferramenta na avaliação diagnóstica e prognóstica de doenças e pode ser obtido em teste ou valores submáximo, e não depende da motivação do avaliado. Ela pode ser usada: na estratificação de riscos e Na verificação de efeitos: terapias medicamentosas e do treinamento físico. (BRUNNER-LA ROCCA et al., 1999; POOLE et al., 2005; WASSERMAN et al., 2005; KEMPS et al. 2009).

40 OBJETIVO GERAL Analisar a capacidade funcional de pacientes com HS, através da cinética das curvas de VE, VCO 2 e VO 2 por ergoespirometria, geradas no estado prétratamento e após seis meses de normalização do TSH pela reposição de L-T 4.

41 OBJETIVOS ESPECIFICOS Analisar o impacto da L-T 4 na cinética das curvas de VE, VCO 2 e VO 2 em pacientes com HS: * durante o exercício * na recuperação pacientes com HS versus mulheres saudáveis pacientes HS (L-T 4 ) versus não tratadas

42 MATERIAIS E MÉTODOS AMOSTRA As pacientes foram encaminhadas ao ambulatório de endocrinologia do Hospital (HUCFF/UFRJ). O recrutamento ativo e passivo frente aos casos prevalentes, somando 23 mulheres HS e 21 mulheres saudáveis. DOSAGENS HORMONAIS Ensaio imunométrico por quimiluminescência (3a. Geração); Aparelho automático Immulite 2000 Kit para dosagem de TSH e T 4 livre: DPC (Diagnostic Products Corporation) TSH: valores de referência: 0,4-4,0 uui/ml. T 4 livre: valores de referência: 0,8-1,9 ng/dl.

43 MATERIAIS E MÉTODOS CRITÉRIOS DE INCLUSÃO GRUPO (HS) Feitas 2 dosagens (com intervalo mínimo de 4 semanas) TSH 4,0 UI/ml; T 4 livre normal (0,8 a 1,9 ng/dl).

44 MATERIAIS E MÉTODOS CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO Uso de drogas e doenças que interferem na função tireoidiana. Uso de L-T 4

45 DELINEAMENTO DO ESTUDO pacientes com HS versus mulheres saudáveis pacientes HS (L-T 4 ) versus não tratadas

46 ERGÔMETRO - PROTOCOLO ESTEIRA Balke modificado velocidade constante de 4,8 km/h de 3% de inclinação a cada 2min Recuperação: velocidade constante de 3,0 km/h sem inclinação por 3min.

47 ANÁLISE ESTATÍSTICA Quando os pressupostos de normalidade e homogeneidade de variâncias foram atendidos: teste t-student para amostras independentes. uma vez não atendidos os pressupostos paramétricos, optou-se pelo teste não-paramétrico de Mann-Whitney. Variáveis categóricas (tabagismo, menopausa, sedentarismo) foram analisadas pelo teste Qui-Quadrado. O efeito do tratamento com L-T 4 sobre a cinética das variáveis ventilatórias nas pacientes foi avaliado pela diferença das médias das variáveis de cada grupo (pós - pré) pelo teste Mann-Whitney. Correlações entre variáveis foram feitas pelo teste de Spearman. O nível de significância adotado foi de 5%

48 FERRAMENTAS ESTATÍSTICAS E DE MODELAGEM DE CURVA DAS VARÁVEIS VENTILATÓRIAS software SPSS 16.0 for Windows (Statistical Package for the Social Sciences). Matlab R12, versão release 12.

49 Parâmetros de Análise da Cinética do VO 2 durante o Exercício e Recuperação T ½ = Tempo necessário para se alcançar 50% da variação do VO 2 T63%(Ƭ) = Tempo necessário para se alcançar 63% da variação do VO 2 VE/VCO 2 slope = Inclinação da curva de eficiência respiratória OUES = Inclinação da eficiência do consumo O 2 (VO 2 / VE) ΔVO 2 /ΔT = Relação entre consumo O 2 em função do tempo ΔVE, ΔVO 2, ΔVCO 2 Amplitude de variação das variáveis ventilatórias ΔVO 2 /Δt slope = Inclinação da curva da relação VO 2 /Tempo

50 VO2 (ml/kg/min) EXEMPLO DE CINÉTICA DE CURVA DURANTE A ERGOESPIROMETRIA 40 Pico 35 Δ = Pico - Pré y = 6,5ln(x) + 6, Ƭ VO 2 (63% Δ) ΔVO 2 /Δt slope 5 0 Pré T 1/2 VO 2 (50% Δ) Tempo (min/s)

51 VO 2 (L/min) VO2 (ml/min) EXEMPLO DE CINÉTICA DE CURVA DURANTE A ERGOESPIROMETRIA y = 1624ln(x) OUES VO 2 /VE Log VE (L/min) Ventilação-Minuto (L/min) OUES = Inclinação da eficiência do consumo O 2 (VO 2 / VE). OUES A EFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA

52 VE (L/min) Ventilação-Minuto (L/min) EXEMPLO DE CINÉTICA DE CURVA DURANTE A ERGOESPIROMETRIA y = 17,0x + 5,5 VE/VCO 2 slope 0,5 1 1,5 2 2,5 VCO 2 (L/min) VE/VCO 2 slope = Inclinação da curva de eficiência respiratória VE /VCO 2 slope A EFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA

53 Cinética da Curva de Recuperação do VO 2 T 1/2 VO 2 rápido a recuperação

54 VO 2 (L/min) VO 2 (L/min) Cinética da Curva de Recuperação do VO 2 Exemplo de 1 Mulher Saudável Exemplo de 1 Paciente com HS Recuperação A = 1,3 K-1 = 43,4 C = 0,8 Desvio = 0,2 Inclinação Desvio = Constante de Tempo Recuperação A = 0,6 K-1 = 67 C = 0,7 Desvio = 0.3 Desvio = 0, Tempo (s) Tempo (s) Tempo (s) Tempo (s)

55 RESULTADOS COMPARAÇÃO: pacientes com HS versus mulheres saudáveis pacientes HS (L-T 4 ) versus não tratadas QUANTO: Características do grupos: idade, peso, altura, TSH, T 4 Variáveis de pico Variáveis de cinética durante o teste ergoespirométrico Variáveis de cinética na recuperação (após teste)

56 RESULTADOS: pacientes com HS versus mulheres saudáveis CARACTERÍSTICAS: * O nível de significância adotado foi de (p<0,05)

57 RESULTADOS: pacientes com HS versus mulheres saudáveis VALORES PICO DO EXERCÍCIO: * O nível de significância adotado foi de (p<0,05)

58 DISCUSSÃO: pacientes com HS versus mulheres saudáveis Contratilidade miorcárdica disfunção PAD da resistência vascular periférica Débito Cardíaco O inadequado suporte cardiovascular parece ser um dos principais fatores envolvidos na intolerância ao esforço no HS. resistência ao fluxo sanguíneo compromete a eficiência das trocas gasosas no músculo Fc pico similar (AKCAKOYUN et al., 2010). FC pico (FOLDES et al., 1987; KAHALY, 2000; KAHALY et al., 2002).

59 RESULTADOS: pacientes com HS versus mulheres saudáveis DURANTE O EXERCÍCIO: Diferenças não significativas (p>0,05)

60 Tempo (s) RESULTADOS: pacientes com HS versus mulheres saudáveis DURANTE O EXERCÍCIO: T 1/2 VO 2 ƬVO 2 TT1/2 VOVO2 2 tau Ƭ VO VO2 2 Pacientes com HS Mulheres Saudáveis Diferenças não significativas (p>0,05)

61 RESULTADOS: pacientes com HS versus mulheres saudáveis CINÉTICA DA RECUPERAÇÃO: Diferenças não significativas (p>0,05)

62 DISCUSSÃO : pacientes com HS versus mulheres saudáveis CINÉTICA DA RECUPERAÇÃO: A significância clínica desta investigação reside no fato de que a velocidade de recuperação dos parâmetros ventilatórios tem sido apontada pela literatura como fatores de morbi-mortalidade (SCRUTINIO et al., 1998; OCHS et al., 2008).

63 DISCUSSÃO : pacientes com HS versus mulheres saudáveis CINÉTICA DA RECUPERAÇÃO: Em média, as pacientes com HS levaram (T 1/2 VO 2rec 71s) e (ƬVO 2rec 103s) para recuperar 50% e 63% do VO 2pico. Os valores encontrados são similares aos de pacientes com apnéia obstrutiva do sono; transplantados cardíacos e pessoas com insuficiência cardíaca congestiva branda (TANABE et al., 2000; NANAS et al., 2010 ; GRASSI et al., 1997) Porém, são inferiores aos de pacientes com cardiomiopatia dilatada; insuficiência cardíaca crônica e cirrose (TERZIYSKI et al., 2008; DE GROOTE et al, 1996; COHEN-SOLAL et al., 1997; TANABE et al., 2000; SCRUTINIO et al., 1998)

64 CONCLUSÃO : pacientes com HS versus mulheres saudáveis CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS PICO TSH IMC T 4 = Duração pico Inclinação pico Fc pico ( = VO 2pico ) aptidão física SIMILAR VARIÁVEIS DURANTE VARIÁVEIS rec =T 1/2 VO 2 = ƬVO 2 SIMILARES (T 1/2 VO 2rec, ƬVE rec e tempo rec) SIMILARES

65 CONCLUSÃO: pacientes com HS versus mulheres saudáveis INDICAM LEVE COMPROMETIMENTO CAPACIDAE FUNCIONAL INTERAÇÃO DOS SISTEMAS o estágio brando da doença UTILIZAÇÃO TRANSPORTE CAPTAÇÃO O 2

66 CONCLUSÃO HS versus mulheres saudáveis As pacientes HS apresentaram menor tolerância ao esforço; porém, o mesmo comportamento da cinética da resposta ventilatória durante o exercício e na recuperação.

67 CONCLUSÃO HS (L-T 4 ) versus HS não tratadas Conclui-se que a reposição de L-T 4 normalizou os níveis de TSH, mas não foi capaz de melhorar a cinética da resposta ventilatória durante o exercício e na recuperação, quando analisada por ergoespirometria.

68 CONCLUSÃO HS (L-T 4 ) versus HS não tratadas Existem resultados promissores da reposição de L-T 4 na melhoria das alterações orgânico-funcionais, porém a terapia medicamentosa parece não ser suficiente por si só para a melhoria da capacidade funcional no HS.

69 CONCLUSÃO O caráter subclínico da doença tireoidiana não foi suficiente para comprometer a capacidade funcional, considerando as variáveis de cinética analisadas.

70 CONCLUSÃO As variáveis de cinética do exercício e da recuperação são parâmetros promissores para o entendimento da intolerância ao esforço no HS e na identificação de variáveis: diagnósticas e prognósticas

71 SUGESTÕES E RECOMENDAÇÕES Novos estudos são necessários utilizando maior número de pacientes, em diferentes níveis de disfunção tireoidiana, a fim de observar se de fato a reposição de L-T 4 influencia o comportamento da cinética da resposta ventilatória, por ergoespirometria.

72 SUGESTÕES E RECOMENDAÇÕES Para a análise da cinética da resposta ventilatória durante o exercício em pacientes com disfunção tireoidiana, recomenda-se a utilização de protocolo submáximo e que contemple carga constante e progressiva em um único teste. É preciso investigar ainda a influência da aptidão física e do treinamento físico nas respostas ventilatórias ao esforço no HS.

73 DISTÚRBIOS DA TIREÓIDE Desvio Metabólico Hiper Estimulação Simpática Hipo

74 HIPOTIREOIDISMO

75 HIPOTIREOIDISMO

76 HIPOTIREOIDISMO INTRODUÇÃO TIREÓIDE HIPÓFISE HIPOTÁLAMO GUYTON e HALL (2006)

77

78

79 HIPOTIREOIDISMO

80 HIPOTIREOIDISMO

81

82 HIPOTIREOIDSMO

83 HIPOTIREOIDISMO

84 HIPOTIREOIDISMO

85 HIPOTIREOIDSMO

86 HIPOTIREOIDSMO

87 HIPERTIREOIDISMO

88 Na suspeita de hipertireoidismo

89 Na suspeita de hipertireoidismo TSH

90 Na suspeita de hipertireoidismo TSH Normal Praticamente exclui hipertireoidismo

91 Na suspeita de hipertireoidismo Baixo TSH Normal Praticamente exclui hipertireoidismo

92 Na suspeita de hipertireoidismo Baixo TSH Normal Alto T4 ou T4 livre Normal Praticamente exclui hipertireoidismo

93 Na suspeita de hipertireoidismo Baixo TSH Normal Alto T4 ou T4 livre Normal Praticamente exclui hipertireoidismo Hipertireoidismo

94 Na suspeita de hipertireoidismo Baixo TSH Normal T4 ou T4 livre Alto Normal Hipertireoidismo Praticamente exclui hipertireoidismo T3 ou T3 livre Alto Normal

95 Na suspeita de hipertireoidismo Baixo TSH Normal T4 ou T4 livre Alto Normal Hipertireoidismo Praticamente exclui hipertireoidismo T3 ou T3 livre Alto Normal Toxicose por T3

96 Na suspeita de hipertireoidismo Baixo TSH Normal T4 ou T4 livre Alto Normal Hipertireoidismo Praticamente exclui hipertireoidismo T3 ou T3 livre Toxicose por T3 Alto Normal Exclui hipertireoidismo

97 HIPERTIREOIDISMO 0,1% população 2% das mulheres 0,2% dos homens Doença de Graves é a mais comum Bócio multinodular, adenoma tóxico, tireoidite subaguda

98 HIPERTIREOIDISMO Suor Perda de peso ou ganho Anxiedade Diarréia Intolerância ao calor Taquicardia Tremor Fadiga Irregularidade menstrual Fraqueza

99 HIPERTIREOIDISMO Hiperestimulação Simpática!!! Sintomas Perda de Peso Fraqueza Muscular Intolerância ao Calor Ansiedade Arritmia Contratilidade VE Fração de Ejeção Tratamento Hormonal Atividade Simpática Bloqueadores

100 HIPERTIREOIDISMO Tratamento Drogas antitireoidianas ß-bloqueador Iodo inorgânico Radioiodo Cirurgia

101 HIPERTIREOIDISMO

102

103

104 PROJETO DE PÓS-DOUTORADO Efeito do Treinamento Aeróbio sobre a Capacidade Funcional de Pacientes com Hipotiroidismo Subclínico FRANCISCO ZACARON WERNECK EMERSON FILIPINO COELHO Orientadores: Prof. Mário Vaisman Prof. Jorge Roberto Perrout de Lima

105 INTRODUÇÃO Exercício Físico Treinamento Músculo Coração Pulmão Músculo Coração Pulmão Capacidade Funcional Hipotiroidismo Subclínico TSH e T4 Cinética das Trocas Gasosas Baixa Tolerância ao Esforço

106 PROBLEMA O treinamento aeróbio melhora a capacidade funcional de pacientes com hipotiroidismo subclínico? Literatura sobre Hipotireoidismo Subclínico: 1) Resposta cardiopulmonar ao exercício (BELL et al., 1985; FORFAR et al., 1985; AREM et al., 1996; KAHALY, 2000; BRENTA et al., 2003; CARACCIO et al., 2005; MAINENTI et al., 2009; 2010) 2) Cinética das Trocas Gasosas (COELHO et al., 2011) 3) Treinamento Físico e Capacidade Funcional (? )

107 JUSTIFICATIVA Estudo inédito Entendimento das adaptações fisiológicas ao treinamento Prescrição de exercícios Benefícios Tratamento Não-Medicamentoso

108 OBJETIVOS Geral: Analisar o efeito do treinamento aeróbio sobre a capacidade funcional de pacientes com hipotireoidismo subclínico, especificamente sobre a cinética das trocas gasosas, mensurada através da ergoespirometria. Específico: Analisar a cinética das trocas gasosas, as características antropométricas, cardiopulmonares, ecocardiográficas e o perfil de humor de pacientes com HS comparados a pacientes eutireoidianos e mulheres sem comprometimento tireoidiano, verificando diferenças entre os grupos nas respostas ao treinamento aeróbio.

109 DELINEAMENTO DO ESTUDO

110 PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS PARA PACIENTES / HIPO E HIPER -TIREOIDISMO Existe CARÊNCIA DE ESTUDOS envolvendo o efeito do treinamento. Evidências aqui demonstradas, identificam características e COMPROMETIMENTOS FUNCIONAIS NESTES PACIENTES que se ASSEMELHAM a pacientes CARDÍACOS E PULMONARES. Devemos estar atentos às seguintes características do programa de exercícios: TIPO: exercício aeróbio e/ou resistido; INTENSIDADE: moderada, podendo ser monitorada pela PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO; FREQUÊNCIA: 3 a 5 vezes por semana; DURAÇÃO: pelos menos 30 minutos por sessão.

111 PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS PARA PACIENTES / HIPO E HIPER -TIREOIDISMO Atenção especial deve ser dada quanto a HIDRATAÇÃO. Outro aspecto importante é que cerca de 40% dos pacientes com HIPO apresentam HIPERTENSÃO DIASTÓLICA, e dependendo dos níveis pressóricos por vezes tomam medicação anti-hipertensiva. RISCO DE QUEDAS devido a característica de fraqueza muscular e da maior resistência à insulina, o que pode provocar ligeira HIPOGLICEMIA.

112 PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS PARA PACIENTES / HIPO E HIPER -TIREOIDISMO Sob o ponto de vista da SAÚDE, a LIMITADA capacidade funcional observada nestes pacientes podem restringir as atividades diárias ou até mesmo impedir que eles se tornem fisicamente ativos, comprometendo sua qualidade de vida. Por isso, a PRÁTICA de EXERCÍCIOS FÍSICos deve ser ESTIMULADA, reconhecendo a importância do mapeamento da resposta dos parâmetros VENTILATÓRIOS EM ESFORÇO, que possibilita uma prescrição de treinamento mais ajustada, INDIVIDUALIZADA e adequada.

113 PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS PARA PACIENTES / HIPO E HIPER -TIREOIDISMO CONTROLAR FC FREQUENCÍMETRO PA - APARELHO DE PRESSÃO GLICOSE GLICOSÍMETRO LACTATO - LACTÍMETRO BORG - ESCALA DE PERCEPÇÃO DE ESFORÇO

114 PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS PARA PACIENTES / HIPO E HIPER -TIREOIDISMO CONSIDERAÇÕES FINAIS A literatura disponível carece de informações relativas ao efeito do treinamento físico, não havendo recomendações científicas para a prescrição de exercícios físicos para esta população especial. Neste sentido, recomenda-se utilizar as diretrizes de prescrição similares àquelas para pacientes CARDÍACOS.

115 HIPOTIREOIDISMO E EXERCÍCIO FÍSICO LEITURA RECOMENDADA

116 HIPOTIREOIDISMO E EXERCÍCIO FÍSICO LEITURA RECOMENDADA

117 obrigado

DISFUNÇÕES DA TIREÓIDE

DISFUNÇÕES DA TIREÓIDE DISFUNÇÕES DA TIREÓIDE Prof. Francisco Zacaron Werneck Doutorando em Ciências da Saúde UFRJ Especialista em Métodos Estatísticos UFJF Sócio-proprietário da Apollo Trainer Consultoria fzacaron@oi.com.br

Leia mais

Fisiologia da glândula Tireóide

Fisiologia da glândula Tireóide Universidade Federal do Espírito Santo PSICOLOGIA Fisiologia da glândula Tireóide Élio Waichert Júnior Localização anatômica Secreta 3 Hormônios: Tiroxina (T4) Triiodotironina (T3) Calcitonina Prof. Élio

Leia mais

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Sistema endócrino + Sistema nervoso integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Conjunto de glândulas endócrinas que secretam hormônio Relembrando Glândulas que liberam

Leia mais

DOENÇAS DA TIRÓIDE. Figura nº1 Localização da Tiróide e da Hipófise

DOENÇAS DA TIRÓIDE. Figura nº1 Localização da Tiróide e da Hipófise DOENÇAS DA TIRÓIDE O que é a Tiróide? A Tiróide é uma glândula situada na base do pescoço imediatamente abaixo da maçã de Adão (fig.nº1) e é constituída por dois lobos unidos por uma parte central chamada

Leia mais

HIPOTIROIDISMO INTRODUÇÃO

HIPOTIROIDISMO INTRODUÇÃO HIPOTIROIDISMO INTRODUÇÃO Deficiência hormonal mais comum Produção ou ação deficiente dos hormônios tiroidianos Prevalência de 2 a 3% na população geral Mais comum em mulheres (10:1), idosos e brancos

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

TIREÓIDE. O que é tireóide?

TIREÓIDE. O que é tireóide? TIREÓIDE O que é tireóide? A tireóide é uma glândula em forma de borboleta, situada no pescoço, logo abaixo do ossinho do pescoço, popularmente conhecido como gogó. A tireóide produz um hormônio capaz

Leia mais

Sistema Endócrino: controle hormonal

Sistema Endócrino: controle hormonal Sistema Endócrino: controle hormonal Todos os processos fisiológicos estudados até agora, como digestão, respiração, circulação e excreção, estão na dependência do sistema que fabrica os hormônios. O sistema

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Jatin Das TIREÓIDE

SISTEMA ENDÓCRINO. Jatin Das TIREÓIDE SISTEMA ENDÓCRINO Jatin Das Os hormônios tireoidianos são fundamentais para o desenvolvimento de vários órgãos no período embrionário, rio, mas também m são responsáveis pelo crescimento, a diferenciação

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

Sistema endócrino. Apostila 3 Página 22

Sistema endócrino. Apostila 3 Página 22 Sistema endócrino Apostila 3 Página 22 Sistema mensageiro Hormônios: informacionais, produzidas pelas glândulas endócrinas e distribuídas pelo sangue. Órgão-alvo: reage ao estímulo do hormônio. Sistema

Leia mais

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício.

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. XX Congresso Português de Pneumologia Hermínia Brites Dias Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Avaliação funcional

Leia mais

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM A SAÚDE DO OBESO Dr. Izidoro de Hiroki Flumignan Médico endocrinologista e sanitarista Equipe CETOM Centro de Estudos e Tratamento para a Obesidade Mórbida. Diretor do Instituto Flumignano de Medicina

Leia mais

Distúrbios da glândula tireóide Resumo de diretriz NHG M31 (julho 2013)

Distúrbios da glândula tireóide Resumo de diretriz NHG M31 (julho 2013) Distúrbios da glândula tireóide Resumo de diretriz NHG M31 (julho 2013) Van Lieshout J, Felix-Schollaart B, Bolsius EJM, Boer AM, Burgers JS, Bouma M., Sijbom M. traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

Hipotiroidismo Canino. Realizado por : Joana Lourenço Vasco Machado

Hipotiroidismo Canino. Realizado por : Joana Lourenço Vasco Machado Hipotiroidismo Canino Realizado por : Joana Lourenço Vasco Machado O que é uma glândula? Órgão que tem como função produzir uma secreção específica e eliminá-la do organismo, ou lançá-la no sangue ou na

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular Helena Santa-Clara Conteúdos Adaptações agudas e crónicas ao exercício Frequência cardíaca Volume sistólico e fracção de ejecção Débito cardíaco Pressão

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 9: Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sensorial Motor Somático Autônomo Glândulas,

Leia mais

Hormônio do Crescimento

Hormônio do Crescimento Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Hormônio do Crescimento O Hormônio do Crescimento Humano é um dos muitos hormônios que tem sua produção

Leia mais

Doenças da Tireóide. Prof. Fernando Ramos

Doenças da Tireóide. Prof. Fernando Ramos Doenças da Tireóide Prof. Fernando Ramos Introdução A tireóide é uma glândula localiza na porção anterior do pescoço e responde pela produção de hormônios como Triiodotironina (T3) e Tiroxina (T4) que

Leia mais

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA OBJETIVOS Classificação dos distúrbios do sono Classificação dos distúrbios respiratórios do sono Definições: ronco, ravas (rera),

Leia mais

Programa de Condicionamento Cardiovascular

Programa de Condicionamento Cardiovascular Programa de Condicionamento Cardiovascular Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2010 Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Fta. Andrea Kaarina

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Diego Ceolin

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Diego Ceolin SISTEMA ENDÓCRINO Prof. Diego Ceolin INTRODUÇÃO Função: Atua juntamente com o sistema nervoso para o equilíbrio corporal ( Homeostase ) HOMEOSTASE Tendência permanente do organismo manter a constância

Leia mais

PATOLOGIAS FETAIS E TRATAMENTO CLÍNICO INTRA-UTERINO. arritmias cardíacas. hipo e hipertireoidismo. defeitos do tubo neural

PATOLOGIAS FETAIS E TRATAMENTO CLÍNICO INTRA-UTERINO. arritmias cardíacas. hipo e hipertireoidismo. defeitos do tubo neural 13. TERAPÊUTICA FETAL MEDICAMENTOSA Entende-se por terapêutica fetal medicamentosa ou clínica, quando nos valemos da administração de certos medicamentos específicos, visando o tratamento de alguma patologia

Leia mais

Glândulas endócrinas:

Glândulas endócrinas: SISTEMA ENDOCRINO Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam sobre célula alvo Regulação do organismo (homeostase) Hormônios: Substâncias químicas que são produzidas

Leia mais

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo Como prescrever o exercício no tratamento do DM Acad. Mariana Amorim Abdo Importância do Exercício Físico no DM Contribui para a melhora do estado glicêmico, diminuindo os fatores de risco relacionados

Leia mais

Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Mensagem Química: Hormônios Os hormônios são substâncias químicas liberadas na corrente sanguínea

Leia mais

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Prof. Ricardo Freitas M.Sc. CREF 008822-G/MG. Formação Acadêmica Atuação Profissional Linha de Pesquisa E-mail: ricardo.dias@upe.pe.gov.br www.lifegroup.com.br

Leia mais

CORPO MOVIMENTO; SISTEMA NERVOSO; SISTEMA CARDIORESPIRATÓRIO; SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO. SISTEMA ENDÓCRINO

CORPO MOVIMENTO; SISTEMA NERVOSO; SISTEMA CARDIORESPIRATÓRIO; SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO. SISTEMA ENDÓCRINO CORPO X MACONHA CORPO MOVIMENTO; SISTEMA NERVOSO; SISTEMA CARDIORESPIRATÓRIO; SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO. SISTEMA ENDÓCRINO CORPO - MOVIMENTO CORPO - MOVIMENTO Movimentos estão presentes em todas as atividades

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

Autor. Revisão Técnica. Durval Alex Gomes e Costa

Autor. Revisão Técnica. Durval Alex Gomes e Costa Apresentação A estrutura do Guia de Interpretação de Exames, em que cada capítulo aborda um exame diferente, foi concebida para ser uma alternativa à literatura especializada na melhor interpretação possível

Leia mais

Hormônios Metabólicos da

Hormônios Metabólicos da Hormônios Metabólicos da Tireóide Tireóide Produz Calcitoninahomeostasia de CA Produz hormôniocolóide [Ca +2 ] plasmática (inibe osteoclastos) [Ca +2 ] plasmática Síntese dos Hormônios Capilar Bomba de

Leia mais

10/09/2015. Glândula pineal. Hormônio Melatonina : produzido à noite, na ausência de luz. Crescimento; Regulação do sono; CONTROLE HORMONAL

10/09/2015. Glândula pineal. Hormônio Melatonina : produzido à noite, na ausência de luz. Crescimento; Regulação do sono; CONTROLE HORMONAL Glândulas endócrinas e tecidos que secretam hormônios; Coordena funções do organismo CONTROLE HORMONAL S. Nervoso + S. endócrino = Homeostase Mensageiros químicos; Atuam em um tecido ou órgão alvo específico;

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM Prof a. Ms. Carolina Rivolta Ackel Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM DEFINIÇÃO Acúmulo de estresse provocado pelo treinamento resultando em queda persistente da capacidade

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O QUE É DIABETES? Trata-se de uma doença crônica que ocorre quando o pâncreas não produz insulina ou quando o corpo não consegue utilizar

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Aula 23 Sistema endócrino

Aula 23 Sistema endócrino Aula 23 Sistema endócrino O sistema endócrino é formado por órgãos e tecidos que secretam hormônios. Os hormônios são lançados na corrente sangüínea e influenciam a atividade de células, órgãos ou sistemas.

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

A patroa quer emagrecer

A patroa quer emagrecer A patroa quer emagrecer A UU L AL A Andando pela rua, você passa em frente a uma farmácia e resolve entrar para conferir seu peso na balança. E aí vem aquela surpresa: uns quilinhos a mais, ou, em outros

Leia mais

Excreção. Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas.

Excreção. Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas. Fisiologia Animal Excreção Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas. Sistema urinario Reabsorção de açucar, Glicose, sais, água. Regula volume sangue ADH: produzido pela

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Introdução Boa parte do funcionamento do corpo humano depende da comunicação entre as células por meio de mensageiros químicos que viajam pelos sangue. Conjunto de células produtoras de hormônios. Hormônios

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade de

Leia mais

APLICADO AO EXERCÍCIO

APLICADO AO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA LABORATÓRIO DE METABOLISMO DE LIPÍDEOS SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO APLICADO AO EXERCÍCIO Prof. Dr: Luiz

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

DOENÇAS DA TIREÓIDE. A Tireóide é uma glândula endócrina produtora de 2 hormônios do tipo amina:

DOENÇAS DA TIREÓIDE. A Tireóide é uma glândula endócrina produtora de 2 hormônios do tipo amina: Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DOENÇAS DA TIREÓIDE 1 - HORMÔNIOS DA TIRÓIDE: A Tireóide é uma glândula endócrina produtora de 2 hormônios

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico, 21 outubro de 2014) CIÊNCIAS NATURAIS 9º ano de escolaridade Saúde Individual e comunitária Indicadores do estado de saúde de uma população

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso Funções: Coordena o funcionamento dos outros sistemas. Controla os movimentos (voluntários e involuntários). É responsável pela recepção de estímulos externos e pela resposta

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ UESPI UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PESQUISA CNPq PERFIL DOS PACIENTES COM HIPERTIREOIDISMO SUBMETIDOS A RADIODOTERAPIA COM DOSE FIXA EM CLÍNICA

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PRINCIPAL CAUSA DE MORTE NO MUNDO!! AS PRINCIPAIS

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

MINI BULA CARVEDILOL

MINI BULA CARVEDILOL MINI BULA CARVEDILOL Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO: Comprimido 3,125mg: caixas contendo 15, 30; Comprimido 6,25 mg: caixa contendo 15, 30; Comprimido 12,5 mg: caixa contendo

Leia mais

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br Todo mundo quer viver muitos anos, não é mesmo? Mas você já se questionou se está somando mais pontos contra do que a favor na busca pela longevidade? Por isso mesmo, um estudo da Universidade da Califórnia,

Leia mais

Sistema Endócrino É UM SISTEMA SOFISTICADO E SENSÍVEL FORMADO POR VÁRIOS ÓRGÃOS OU

Sistema Endócrino É UM SISTEMA SOFISTICADO E SENSÍVEL FORMADO POR VÁRIOS ÓRGÃOS OU SISTEMA ENDRÓCRINO Sistema Endócrino É UM SISTEMA SOFISTICADO E SENSÍVEL FORMADO POR VÁRIOS ÓRGÃOS OU GLÂNDULAS DIFERENTES QUE SECRETAM HORMÔNIOS. OS HORMÔNIOS SÃO MENSAGEIROS QUÍMICOS,GERALMENTE TRANSPORTADOS

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

Alterações Hormonais no Estresse

Alterações Hormonais no Estresse Alterações Hormonais no Estresse Na reação simpática da Fase de Alarme do Estresse é onde ocorre maior secreção de hormônios anti-inflamatórios, como por exemplo, um dos corticosteroides, a desoxicorticosterona,

Leia mais

Senhor Presidente PROJETO DE LEI

Senhor Presidente PROJETO DE LEI Senhor Presidente PROJETO DE LEI " INSTITUI, NO CALENDÁRIO OFICIAL DE DATAS E EVENTOS DO MUNICÍPIO DE SÃO DE CAETANO DO SUL, O 'MÊS DE CONSCIENTIZAÇÃO E PREVENÇÃO DO CÂNCER DE TIREOIDE' NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Randomizado Apresentado por Tatiana Goveia Araujo na reunião

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS Ericeira, 11 de Fevereiro 2011 DEFINIÇÃO De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação Cardíaca é um conjunto De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

Prof. Ms. Marcos Santana Prof. Dr. Marco Túlio de Mello

Prof. Ms. Marcos Santana Prof. Dr. Marco Túlio de Mello Ritmos Biológicos e Exercício Físico Prof. Ms. Marcos Santana Prof. Dr. Marco Túlio de Mello ... é a ciência que se preocupa com a investigação e objetivamente com a quantificação dos mecanismos da estrutura

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. Fisiologia Endócrina. Introdução ao Sistema Endócrino

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. Fisiologia Endócrina. Introdução ao Sistema Endócrino Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Fisiologia Endócrina Introdução ao Sistema Endócrino Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas Faculdade de Ciências

Leia mais

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Dra. Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo Setembro/2006 Guidelines 1980 National Institutes of Health 1984 American

Leia mais

ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL

ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL Sistema Endócrino Prof. Fernando Stuchi Introdução Os mensageiros químicos do corpo (hormônios) são produzidos pelas glândulas endócrinas ou glândulas de secreção interna,

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Quem Sou? Carlos Ballarati : Formação Medicina: Formado em Medicina pela PUC-SP Sorocaba em 1988. Residência Médica: Clinica Medica Unicamp em 1989

Leia mais

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO Dr. José Maria Santarem* Exercícios físicos são parte integrante da prática e preparação esportiva, e podem ser utilizados em medicina com diversas finalidades.

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br ANS - Nº 34.388-9 0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br Março 2007 Programa de Atenção ao Diabetes O que é diabetes? AUnimed-BH preocupa-se com a saúde e o bem-estar dos seus clientes, por isso investe em

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Cognitiva, emocional, Motivacional, lolitiva Tarefas realizadas Tarefas

Leia mais

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS PREVENÇÃO DAS DOENÇAS MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS design ASCOM-PMMC PREVENIR É PRECISO DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS No

Leia mais

DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO.

DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO. Izamara Maria Fachim Rauber 1 IZAMARA_MARIA_FACHIM_RAUBER.doc,

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais