A SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NA CONSTRUÇÃO CIVIL FRENTE À NECESSIDADE DE UM TRABALHO TECNOLOGICAMENTE INOVADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NA CONSTRUÇÃO CIVIL FRENTE À NECESSIDADE DE UM TRABALHO TECNOLOGICAMENTE INOVADO"

Transcrição

1 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN A SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NA CONSTRUÇÃO CIVIL FRENTE À NECESSIDADE DE UM TRABALHO TECNOLOGICAMENTE INOVADO Wagner Costa Botelho (UNIP) Oduvaldo Vendrametto (UNIP) Renata Maciel Botelho (BSILIDES) Embora com atraso, inicia-se os processos de Inovações Tecnológicas na Indústria da Construção Civil. Novos equipamentos, materiais, sistemas de gestão e manutenção, perfil de mão de obra, estão rompendo metodologias e modelos tradicionais até agora utilizados. Tratando-se de setor em que utiliza mão de obra em grande escala e de baixa qualificação, um paradoxo começa a ser observado na construção civil: os empregos exigem um perfil de trabalhador pouco disponível no mercado e os trabalhadores desempregados não estão qualificados a participarem dos novos processos inovados tecnologicamente, processos estes que certamente geram resíduos, que por vezes não tem destinação correta. Providências devem ser tomadas, as mudanças que estão acontecendo comprometem o setor, trazendo para as empresas a oportunidade concreta de se envolverem com ações sustentáveis. A pesquisa que orientou este trabalho revelou para o setor da Construção Civil, o uso de mão de obra má qualificada, sem educação técnica especializada, tem conduzido a não qualificação para atividades em que a Inovação Tecnológica da Construção Civil se faz presente. Uma proposta de implementação no curso de Formação de Técnicos de Nível Médio em Eletrotécnica, de disciplinas que contemplem tal evolução tecnologia voltada para um mundo sustentável e ambientalmente correto, é o propósito deste trabalho. Palavras-chaves: Sustentabilidade ambiental, Inovação tecnológica, Construção Civil, Educação técnica.

2 1. Introdução Momento em que sem exceção, todos os países estão engajados em mitigar os danos ambientais, com ações integradas e processos sustentáveis, novas especializações profissionais e postos de trabalho surgem, enquanto diversas ocupações tradicionais são transformadas ou extintas. As novas demandas profissionais surgem com a exigência dos novos padrões de conhecimento e habilitações, apanhando os sistemas formadores de surpresa. O mercado ainda carece de políticas públicas e privada quanto a dois aspectos importantes: - A qualificação adequada para os ingressantes nos novos empregos que são gerados no mercado do trabalho e; - O estabelecimento de mecanismos de apoio que re-qualifiquem os trabalhadores para este novo mercado. Além de exigir dos trabalhadores contínua atualização, desenvolvimento de habilidades e competências de modo a atender aos novos requisitos-técnicos para alargar a sua sobrevivência e aumentar sua empregabilidade com o enriquecimento da função a qual ele exerce. A preocupação com a formação de profissionais técnicos, diante dessa realidade, inspirou este trabalho que se propõe a um estudo de caso sobre o ensino de instalações elétricas residenciais, quanto à manutenção e instalação da rede elétrica em paredes divisórias não tradicionais como as construídas com Drywall. Uma vez que as atividades empresariais, influenciadas pelas novas realidades tecnológicas e de gestão, buscam profissionais com competências adequadas prontos para atuarem neste novo mundo tecnologicamente inovado, com operações de baixo impacto ambiental e sustentável. O contexto em que este trabalho está inserido é o do mercado brasileiro da Construção Civil, que embora com atraso, inicia a inserção de processos de Inovações Tecnológicas radicais. Portanto, o interesse pessoal dos pesquisadores para o tema, se impõe pela recorrência das discussões sobre as Inovações Tecnológicas na Construção Civil e a mudança do perfil de 2

3 mão de obra no Brasil, assunto permanente nesse ambiente. Pesquisas desta natureza favorecem a compreensão do real papel dos agentes formadores de técnicos numa sociedade composta de pessoas de baixa formação escolar e profissional. A prospecção com recém formados mostrou o desconhecimento da evolução tecnológica. A presente pesquisa teve como alvo, identificar novas tecnologias, materiais e processo em obra Civil como o Drywal, e o perfil do trabalhador capacitado em cursos profissionais Técnicos de nível médio em Eletrotécnica, quando inseridos nesse mercado após terem sido instruídos para metodologias convencionais de operação nas atividades de uma obra. A configuração da pesquisa apresentada neste artigo foi motivada pelos docentes e pesquisadores como tentativa de propor melhorias para a área de atuação desse modelo de ensino, que se encontra aquém da velocidade evolutiva que deveria estar. O direcionamento esteve nos processos inovados tecnologicamente e os tradicionais, para estudar a mudança do perfil do trabalhador, os requisitos de conhecimento exigidos dos novos profissionais Técnicos, a provável redução de postos de trabalho disponíveis, a trabalhadores de baixa qualificação atuantes em obras com processos inovados tecnologicamente, sem educação técnica especializada. Essa demanda orientou para a inserção de uma disciplina no curso de Formação de Técnicos de Nível Médio em Eletrotécnica, que contemple a evolução tecnológica na Construção Civil para um universo onde o meio ambiente sustentável é a frase do momento. O problema central está identificado como: - A importância da capacitação de profissionais Técnicos do curso de Eletrotécnica nos novos métodos de trabalho da Construção Civil faz-se imprescindível nestes novos tempos? Este problema leva para a imediata hipótese: - No curso de Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, a inclusão de uma disciplina que aborde as inovações tecnológicas no setor da Construção Civil, a fim de manter estes profissionais no mercado de trabalho competitivo, faz-se necessária. Portanto, o objetivo pôde ser concentrado na identificação da necessidade de capacitação do futuro Técnico Eletrotécnico nas novas tecnologias do setor da Construção Civil. Na construção / instalação e montagem inovadas, vem com tendência futura de desemprego 3

4 tecnológico em função do novo perfil profissional exigido para este setor, demandando para si cursos Técnicos que tenha esta visão de mudança sistêmica. Com uma busca bibliográfica de modo exploratório, procurou-se estudar o caso da mudança de perfil do técnico que está transitando de obras tipo construção para obra do tipo montagem. Procurou-se também, avaliar a tendência futura de desemprego tecnológico em função do novo perfil profissional exigido para os profissionais Técnicos Eletrotécnicos dentro deste setor da Construção Civil, além da consciência do meio ambiente sustentável. A pesquisa de caráter exploratório bibliográfico é colocada como o passo inicial para a tomada de consciência de um problema, para posterior formulação das hipóteses sobre o mesmo. Devido ao viés da Inovação Tecnológica e a limitação do ambiente de pesquisa, o estudo de caso mostra-se indicado o aprofundamento do tema. É fundamental ressaltar que, apesar de as atividades pesquisadas serem significativas de acordo com o referencial teórico apresentado, não esgota as possibilidades do tema em estudo. 2. O mundo do trabalho e as mudanças tecnológicas Oliveira (1995) apresenta que as mudanças tecnológicas no mundo do trabalho ocorreram a partir do século XVIII, com a Revolução Industrial, que se caracterizou pela evolução tecnológica aplicada na produção e a conseqüente revolução nos processos de produção e nas relações sociais. Lamera (2000) constata que trabalhadores migrantes, quase sempre de baixa escolaridade e precária formação profissional, encontravam na Construção Civil a possibilidade de venda da sua força física de trabalho, geralmente terceirizados, origina a mão de obra deste setor. Contudo, a realidade brasileira é de pouca qualificação, baixa escolaridade, aprendizado na prática e baixa capacidade em aprender, na qual vem ocorrendo importantes mudanças relacionadas a processo de trabalho gerando conseqüentemente nas empresas alteração organizacional do trabalho. 2.1 A Construção Civil, características, tendências, mão de obra e tecnologia Segundo Guerrini (1998), a Construção Civil se relaciona com grande parte dos setores 4

5 industriais, desde a fase extrativista de minérios para fabricação de materiais e componentes até a manutenção e automação de edifícios. Esta característica está inter-relacionada em um contexto geral com outras áreas como a Eletrotécnica. Destacando-se, portanto, a importância social e econômica da Construção Civil, em face da grande absorção da mão de obra técnica especializada de outros setores e o poder de reprodução de empregos diretos e indiretos. A Construção Civil está passando por um processo de mudança, com a reestruturação da sua capacidade de produção, frente à crescente competição externa, que conduz ao processo técnico e a adoção de modelos claramente distinta de gerência de produção caracterizada por uma organização tradicional em fase de mudanças radicais. Na Construção Civil, a reestruturação produtiva está mais ligada à utilização de novos materiais do que à introdução de novas máquinas e equipamentos. É o caso, por exemplo, dos painéis de gesso acartonado, que substituem as paredes de alvenaria. Cabe aos profissionais Técnicos de instalações elétricas se capacitarem na instalação e manutenção neste novo tipo de parede. É visível uma forte tendência à utilização de sistemas construtivos baseados na pré-fabricação de elementos antes produzidos no próprio canteiro, transformando o processo de Construção em sistemas de montagem. Paredes de gesso acartonado separam compartimentos de uma construção. São compostas por um miolo de gesso e aditivos, envolto por cartão especial. A soma destes elementos, resistentes a esforços de compressão e tração, o gesso e o cartão, resultam em uma superfície de revestimento e acabamento, a qual se pode pregar, aparafusar, serrar e trabalhar inclusive superfícies curvas. A organização tradicional da Construção Civil subdividiu e reduziu as tarefas tornando sua execução extremamente simples, sendo este segmento caracterizado pela intensidade de mão de obra, baixo nível de escolaridade e qualificação profissional Técnica. Portanto, as mudanças que começam acontecer deverão ter repercussão significativa na qualificação de mão de obra deste e de outros setores de apoio instalação elétrica é um delas. Frente a presente característica da atividade da Construção Civil, os profissionais Técnicos do setor e os dos demais setores necessitam, além do aprendizado prático, desenvolver a habilidade de lidarem com novos materiais. Ainda nos dias de hoje, alguns especialistas apontam falta de treinamento na Construção 5

6 Civil. Como exemplo, pode-se destacar, segundo Barros (1999), que as características da mão de obra para a produção, manutenção e instalação de elementos elétricos em paredes de vedações verticais em chapas de gesso acartonado, aponta um problema que é:... a deficiência no processo de treinamento e capacitação da mão de obra técnica.... Lima (1994) considera que o processo de formação da mão de obra na Construção Civil, ocorre através da iniciação e da colaboração direta na execução prática das tarefas. Contudo, o desconhecimento e desqualificação podem ser recuperados através do treinamento especifico, tendo em vista que as tecnologias e novas técnicas sempre estão em evolução. A preocupação desta pesquisa em analisar o aspecto humano envolvido nessas modificações do processo construtivo, pela introdução de novos materiais e conseqüentemente novo perfil de mão de obra, é partilhada por Farah (1992) ao afirmar que:... os ofícios sofrem assim um novo processo de empobrecimento e extinção, apesar da continuidade da necessidade de domínio de um saber fazer que não se subordine integralmente a uma prescrição padronizada. Diversos autores têm-se preocupado em conceituar tecnologia segundo sua área de interesse. Entretanto, no entendimento popular, a tecnologia é o equipamento, a máquina, o software. O pragmatismo do empresário leva a considerações do tipo: a compra dessa tecnologia que possibilitará dobrar a produção pelo simples fato de ter adquirido uma máquina (VENDRAMETO, 2003). Tecnologia é, sobretudo, conhecimento (PORTER, 2004). Esse conhecimento instrumentaliza-se quando se incorporam numa ferramenta ou equipamento tangível, em procedimentos, métodos, técnicas, algoritmos, softwares e anotações:... de todas as coisas que podem modificar as regras da concorrência, a transformação da tecnologia figura entre as mais proeminentes. Há também efeitos negativos, assim como efeitos positivos da tecnologia. Cattani (2002) considera que a ação contra os efeitos negativos da tecnologia é a educação técnica em prol de sua valorização para serviços especiais, através de ações de governos e empresas para com programas especiais de formação e treinamento de Técnicos. Nos anos 70, em decorrência das transformações dos processos produtivos verificados em escala mundial, é que o debate sobre Inovação Tecnológica ressurgiu. Para Porter (2004), a 6

7 Inovação Tecnológica pode ser divida em: substituição de equipamentos e aquisição de novos conhecimentos e métodos.o trabalho passa por mudanças significativas de organização e conhecimento. (FRACCARI, 2004) A Inovação Tecnológica substitui materiais construtivos que chegam à obra em regime de Just-in-Time e são montados, como paredes, revestimentos, janelas, portas, instalações elétricas, instalações hidráulicas e trabalhadores de perfil profissional diferente daqueles que anteriormente realizavam essas atividades. Rifkin (2001) observa que enquanto as primeiras tecnologias industriais substituíram a força física do trabalho humano, trocando força muscular por máquinas, a Inovação Tecnológica baseada no computador promete substituir a própria inteligência humana, colocando máquinas inteligentes no lugar dos seres humanos em toda a escala de atividade econômica. No passado quando uma revolução tecnológica ameaçava a perda em massa dos empregos em determinado setor econômico, um novo setor surgia para absorver a mão de obra excedente. O Brasil terá de estar preparado. Para isso precisa qualificar o trabalhador para enfrentar o desafio e se ajustar às exigências dos novos mercados de trabalho que está extinguindo ou reduzindo antigas atividades e talentos. (FRACCARI, 2004) A escolarização em massa de boa qualidade será o melhor antídoto para superar tal desafio. Assim, é interessante reproduzir as afirmações de Pastore (2004), Acosta-Hoyos (1985) e Rifkin (2001): Há duas alternativas: ou educamos aceleradamente a nossa gente e passamos a competir com eficiência; ou convencemos os nossos concorrentes a deseducar seus povos e parar de competir. E, a saída é uma só: educar. Educar mais e, sobretudo, educar bem. (PASTORE, 2004) Neste contexto, hoje os problemas e conflitos surgidos do avanço tecnológico na Construção Civil são de tal importância, que certos profissionais técnicos deste setor estão ameaçados de sucumbir se eles não forem solucionados ou amenizados. (ACOSTA-HOYOS, 1985) Os trabalhadores deverão passar por processos de aprendizagem ou adquirirem novas competências até para que possam migrar para outras atividades. A Inovação Tecnológica como parte integrante da cultura, marca a sua presença em cada época e em cada sociedade, levantando problemas e introduzindo conflitos a serem resolvidos. 7

8 2.2 Desemprego tecnológico e formação profissional Na literatura há respostas para alguns questionamentos, como Pastore (2004), ao afirmar que nas últimas décadas, vários países têm apresentado uma ocorrência simultânea de um rápido desenvolvimento tecnológico e elevação do desemprego, dizendo que: A simples coincidência de avanços tecnológicos com aumento de desemprego não é suficiente para se concluir que as inovações tecnológicas, de modo isolado, são destruidoras de empregos. Uma inovação tecnológica pode ter um impacto direto destrutivo e um impacto indireto construtivo - em outro setor da economia. Além disso, uma Inovação Tecnológica pode destruir empregos hoje, e criar amanhã - na mesma empresa. (PASTORE, 2004) Alguns analistas vêem o progresso técnico como o grande e único responsável pela redução de empregos. Alguns consideram a Inovação Tecnológica como a grande responsável pelo desemprego e desigualdade de renda, outros como a grande saída para se criar novos postos de trabalho e melhorar o bem estar humano. Porém, a coincidência do avanço tecnológico com o aumento do desemprego não é suficiente para se concluir que o avanço da tecnologia produz desempregos. Neste contexto, Sacomano (2002), relata que as construtoras passam a cobrar maior capacitação de seus subcontratados e estabelece novos parâmetros para a terceirização de serviços/produtos dentro e fora da obra. A mão de obra que foi educada e preparada até a pouco, vem perdendo espaço rapidamente sem entender o que se passa, principalmente em razão da rapidez dos acontecimentos, que não permitem tempo para digerir e adequar-se à nova realidade de um cenário atual de mudanças tecnológicas. Estes acontecimentos vêm sendo puxados pelo momento altamente competitivo, imposto pela realidade da globalização, eliminando postos de trabalho de dentro da obra e criando outros fora da obra, porém, de capacitação diferente das que eram exigidas dentro da obra. O CONSTRUBUSINESS (2007) apresenta a Indústria da Construção Civil como responsável pela geração de 1,25 milhões de empregos diretos, sendo uma grande geradora de ocupação da mão de obra nacional quando se compara com outras atividades industriais. Aponta-se este setor como sendo aquele que mais emprega no setor industrial. Acredita-se que, em longo prazo, o número de empregos eliminados nas indústrias e 8

9 escritórios em razão da automação será superado pelos recém-criados empregos em engenharia, manufatura, vendas e assistência técnica para produtos de nova tecnologia. Embora isso possa ser verdadeiro, há uma questão preocupante em curto prazo: o que farão os trabalhadores que perderem seus empregos para a automação? Por exemplo, um trabalhador pode monitorar três robôs de soldagem elétrica em uma tarefa que antes exigia quatro trabalhadores. Ainda, uma secretária pode fazer o trabalho de três, graças aos modernos processadores de texto. Uma conseqüência da Inovação Tecnológica é a eliminação de certos empregos. Para Gaither (2002) a resposta é: Eles serão transferidos para outras funções dentro de suas empresas, ou irão para outras empresas, ou ficarão desempregados. Todos os três setores tradicionais da economia agricultura, indústria e serviços estão vivenciando a Inovação Tecnológica, encaminhando milhões de trabalhadores para as filas do desemprego. Segundo Rifkin (2001), o único novo setor emergente é o setor do conhecimento, formado por uma pequena elite de empreendedores, cientistas, técnicos, programadores de computador, profissionais técnicos, educadores e consultores. Dentre as diversas causas do desemprego, uma está associada à tecnologia, ou seja, as Inovações Tecnológicas podem ser responsáveis pela redução do emprego, na medida em que elas representam racionalização dos processos produtivos e aumento da produtividade do trabalho, sem que haja necessária contrapartida em termos de incremento na demanda de trabalho. Espera-se que se repita o fenômeno verificado nos setores de autopeças, eletromecânico, entre outros, começa a se confirmar. A inserção de novos materiais, equipamentos com bases tecnológicas controladas por computadores, novos métodos de gestão e organização do trabalho estão substituindo trabalhadores em larga escala também na construção civil. Esta pesquisa é realizada nesta conjuntura, com o objetivo de estudar a mudança do perfil do trabalhador e os requisitos de conhecimento exigidos para os novos profissionais técnicos do setor de eletrotécnica na Construção Civil. Zibas (2003) considera que a Formação Profissional é uma expressão que designa processos históricos que digam respeito à capacitação para no trabalho, portanto, à relação permanente 9

10 entre o trabalhador e o processo de trabalho: A disponibilidade de uma força de trabalho educada é condição necessária, embora não suficiente, para viabilizar estratégias produtivas centradas na capacidade de aprendizado e inovação das organizações. Cattani (2002) propõe que a Formação Profissional, designa todos os processos educativos que permitam, ao indivíduo, adquirir e desenvolver conhecimentos teóricos, técnicos e operacionais relacionados à produção de bens e serviços quer esses processos sejam desenvolvidos nas escolas ou nas empresas. 3. Novos materiais da Construção Civil estudados: alvenaria tradicional e gesso drywall O uso das chapas de gesso acartonado do tipo Drywall na produção de vedações verticais (ESGA Execução em Sistema de Gesso Acartonado) vem se tornando cada vez mais intenso, substituindo respectivamente a tradicional vedação em alvenaria. Nesse contexto nacional, onde a atual situação sócio-econômica do Brasil tem levado as empresas construtoras a buscarem eficiência no seu processo de produção, apesar da utilização crescente desses componentes, há uma carência no Brasil sobre o conhecimento destas novas tecnologias construtivas, bem como a falta de mão de obra técnica qualificada na operação desta inovação. Parede para Modesto (2004) pode ser definida como qualquer elemento divisório ou de vedação de uma Construção, constituído de tijolos, argamassa, pedra, concreto, etc., que serve para separar as diferentes partes de uma edificação. No atual setor da Construção Civil, subsetor de edificações, entre tantos métodos construtivos tecnologicamente inovadores, pode-se citar a Execução do Sistema de Gesso Acartonado para fechamento vertical. Alvenaria de divisão pode ser composta de painéis de elementos especiais, para divisão de ambientes, internamente, nas edificações. (ZULIAN, 2002) De acordo com a definição da ABFCD (2004) Associação Brasileira de Fabricantes de Chapa de Drywall, a concepção básica do sistema de paredes é de uma estrutura leve em perfis de chapas de aço galvanizado, constituída basicamente por guias e montantes, sobre os quais são fixadas chapas de gesso, em uma ou mais camadas, gerando uma superfície pronta para receber o acabamento final (pintura, papel de parede, cerâmica, laminados plásticos, etc.) 10

11 - figura 1. FIGURA 1 - Misto de Drywall, alvenaria e elétrica convencional. Fonte: Conceito (2005) Segundo Loturco (2004), a manutenção elétrica em paredes em Drywall, pela própria natureza da tecnologia empregada, é facilmente executada apenas por Técnicos Eletrotécnicos, sem "quebra-quebra", no entanto, se o problema for localizado pode-se efetuar apenas a substituição parcial da placa. Em situações em que o estrago é maior, substitui-se toda a placa. Apesar de se tratar de uma intervenção maior, o processo também é rápido e prático. Em ambos os casos somente a placa afetada é manipulada. O conjunto da parede só será afetado em razão do revestimento utilizado. 3.1 Descarte deste material inovado tecnologicamente A geração do resíduo durante a fase de construção é decorrência das perdas dos processos construtivos. Parte das perdas do processo permanece incorporada nas construções, na forma 11

12 componentes cujas dimensões finais são superiores àquelas projetadas. Este é o caso de argamassas de revestimento, concretos, etc. Outra parcela vai se converter em resíduo de construção. A proporção entre as duas não é conhecida em detalhes. Mudanças tecnológicas também podem reduzir as perdas e o entulho da construção. Processos como a incorporação de instalações em paredes de alvenaria que exigem a quebra parcial da parede recém construída e sua reconstrução com argamassa, por exemplo, devem ser abandonados. No entanto, nem todas as novas tecnologias adotadas recentemente colaboram com a redução das perdas. Na fase de manutenção está associada a fatores de correção de defeitos; reformas ou modernização do edifício ou de partes do mesmo, que normalmente exigem demolições parciais; descarte de componentes que tenham degradado e atingido o final da vida útil e por isso necessitam ser substituídos. Nesse contexto, entende-se que realmente a tecnologia tem dado vantagem competitiva para as organizações que nela investem como resultado de serem mais bem sucedidas que seus concorrentes. Assim, as organizações que segundo Penrose (2006) são concebidas com uma predisposição por parte de indivíduos para assumir riscos na expectativa de um ganho, a Inovação Tecnológica na Construção Civil, pode ser para os empresários um meio competitivo, sustentável e com impacto ambiental inexorável. 4. Desenvolvimento de competências e ações ambientais na Construção Civil A modernização da Construção Civil substitui mão de obra por novas máquinas e equipamentos, estruturas de concreto armado por metálicas, paredes de alvenaria por novos materiais, sistemas hidráulicos e elétricos. É visível a forte tendência à utilização de sistemas construtivos baseados na pré-fabricação. (CAMPBELL, 2009) Dentro de uma abordagem de sustentabilidade, as empresas mundiais têm como objetivo político e ético a colaboração com a redução das emissões de carbono. O desenvolvimento e a adoção de tecnologias mais limpas tem sido um caminho para isso. Essa mudança implica em preparar profissionais para o desenvolvimento de soluções sustentáveis, que gerem não só ganhos econômicos, mas também ambientais e sociais. Tais soluções devem buscar a eficiência energética, edifícios verdes, Retroffiting (modernização de edifícios, máquinas e 12

13 equipamentos) e produção de componentes para edifícios. González (2010), afirma que para minimizar a geração de resíduos nos processos produtivos é preciso um modelo de desenvolvimento sustentável da obra. O responsável técnico deve estar atento com a degradação da qualidade da vida humana no planeta e do trabalhador. Por ser o setor de Construção Civil responsável por uma enorme parcela da diminuição da qualidade ambiental, este setor caracteriza-se por desperdiçar matéria prima e insumos utilizados nos processos construtivos. Se as fontes de energia fossem inesgotáveis e os recursos naturais não finitos seriam o melhor dos mundos para um País sustentável, diz Júnior (2010). O autor continua: Os princípios básicos em obra são a racionalização do uso do material de construção lutando contra o desperdício, diminuindo a geração de resíduos para reduzir extração de matéria prima, preservando fontes de recursos naturais e minimizando impactos ambientais. Para a Indústria da Construção Civil, define Valença (2006), é imprescindível atuar no desenvolvimento de tecnologias que potencializem o reuso de resíduos. Esta ação deve ser aplicada nos processos de produção, nos produtos e serviços cujo principal objetivo é diminuir os impactos ambientais. Além desses, é desejável que também se reduzam os custos diretos e indiretos de produção, tempo e desperdício de materiais. O empreendimento deve apresentar edifícios mais eficientes do ponto de vista energético, que possam gerar impactos cada vez menores ao meio ambiente. A produção mais limpa direciona para as questões ambientais em diversas áreas, entre as quais o desenvolvimento de medidas de conservação de consumo de matéria prima, água e energia. Para os produtos pretende-se, segundo Júnior (2010), reduzir os impactos ambientais à saúde humana, considerando a segurança em todo seu ciclo de vida, desde a extração da matéria prima, fabricação, uso e destinação final. 5. A mudança no trabalho na construção civil: uma investigação estruturada A Construção Civil é um setor que apresenta certas particularidades dentro do universo produtivo da economia brasileira, desempenhando um papel fundamental no seu desenvolvimento. Tem sido um dos mais importantes da economia nacional e grande 13

14 empregador de mão de obra. Na última década, a Construção Civil brasileira vem passando por um processo de mudanças e reestruturação produtiva, causando impactos diretamente no cotidiano dos trabalhadores do setor. (DIEESE, 2007) Dentre estes motivos até aqui apresentados, dentre outros, é que um grupo de pesquisadores do qual um dos autores deste trabalho participou, realizou uma investigação estruturada que contemplou: Etapa 1: Aplicação de questionário estruturado via Internet com o uso do método Delphi Web; Etapa 2: Aplicação de questionário estruturado via Internet, com emissão de relatórios 1 e 2, como o objetivo de elucidar dúvidas remanescentes da Etapa 1; Etapa 3: Pesquisa de campo com aplicação de questionário não-estruturado, para dirimir divergências remanescentes das etapas 1 e 2; Etapa 4: Organização de Workshop e conclusão das Etapas 1, 2 e 3; Etapa 5: Conclusão da Pesquisa com base nas etapas 1, 2, 3 e 4. Em sua investigação, o grupo de pesquisadores citado anteriormente (BOTELHO, 2005), conclui que o mercado brasileiro de Construção Civil está vivendo um visível momento de mudança onde novos materiais, a industrialização de seus processos, o uso de equipamentos, o sistema de gestão e o perfil da mão de obra empregada estão rompendo o tradicionalismo, repassando para o trabalhador um novo padrão de empregabilidade. O mesmo grupo de pesquisadores, também chegou ao resultado que apresenta a organização tradicional da Construção Civil fragmentada em diversas empresas terceirizadas dentro de uma obra e reduziu as tarefas individuais uma vez que chegam as obras segmentos do processo tradicional (produtos pré-fabricados), tornando sua montagem extremamente simples. Porém, demanda um perfil de trabalhador técnico especializado com requisitos de conhecimento específicos exigidos, ou seja, uma visão do todo e raciocínio espacial mais desenvolvido. 5.1 Discussão Concorrente a conclusão obtida pelo grupo de pesquisadores, nota-se que o trabalho passa por 14

15 mudanças significativas de organização e conhecimento. Trabalhadores tradicionais como auxiliares, pedreiros, carpinteiros, encanadores, eletricistas e outros, devem passar por processos de aprendizagem ou adquirirem novas competências até para migrarem para outras atividades. Neste caso um agravante é que o baixo nível intelectual de grande parte dos trabalhadores de diversos setores da Indústria da Construção Civil dificulta o aprendizado das novas tecnologias, assim como a migração para outros setores de atividade econômica. Portanto, os comentários a seguir têm como escopo à verificação do objetivo formulado neste trabalho, a fim de amenizar a carência de treinamento técnico especializado e capacitação de trabalhadores formados no curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, frente às novas tecnologias do setor da Construção Civil, onde: A modernização da Construção Civil, que tem exigido mais produtividade e qualidade do produto utilizado nas obras, não tem sido acompanhada de preparação e da valorização da mão de obra. Os profissionais Técnicos tradicionais de eletrotécnica não estão sendo qualificados para aplicar os novos materiais de base tecnológica da evolução do setor da Construção Civil; A Construção Civil, com significativa capacidade de reprodução de empregos diretos e indiretos é responsável pela absorção de grande parte da mão de obra de trabalhadores brasileiros de diversos setores produtivos, sendo a capacitação profissional nestes setores obtida em processos on-the-job, em que não há treinamento formal, para os profissionais destes diversos setores. Esta informalidade leva apenas a reprodução e transferência do status-quo da cultura já existente, com imperfeições crônicas, entre os próprios trabalhadores, através do convívio com as atividades executadas por seus colegas de trabalho. Forma-se um "ciclo vicioso do conhecimento e capacitação", em que não se incrementa a plena Inovação Tecnológica que está cada vez mais presente nas obras e são realizadas por terceiros, muitas vezes despreparados, apesar de serem Técnicos formados em escolas técnicas; As conseqüências sociais e industriais da Inovação Tecnológica com maior intensidade estão acontecendo ainda em pequena escala. Os seus efeitos mais profundos deverão ser sentidos na medida em que os materiais e equipamentos advindos da Inovação Tecnológica se popularizem e tenham seus preços mais competitivos. Para reduzir os efeitos dessas 15

16 mudanças é preciso qualificar os trabalhadores de todos os setores da cadeia da Construção Civil, principalmente o os do setor elétrico, para enfrentar o desafio e se ajustar às exigências dos novos mercados de trabalho, que está reduzindo antigas atividades, onde muitos talentos estão deixando de ser necessários. O levantamento bibliográfico realizado para o embasamento deste trabalho englobou os principais assuntos correlatos e necessários à estruturação deste. O estudo de caso foi realizado de acordo com o objetivo estabelecido - Pesquisar as novas tecnologias, materiais, processo e perfil do trabalhador frente aos componentes inovados tecnologicamente em uma obra Civil, como o Drywall, na capacitação de profissionais Técnicos do Ensino Médio do curso de Eletrotécnica, quando inseridos neste novo mercado de trabalho, após terem sido instruídos para metodologias convencionais de operação, nas atividades de uma obra e a provável redução de postos de trabalho disponíveis a trabalhadores de baixa qualificação. 5.2 Evidências conclusivas Para tanto a conclusão pode ser dividida em três partes sendo: Parte-1: Houve consenso na pesquisa bibliográfica, que os materiais e os métodos usados decorrentes de Inovação Tecnológica, não só substituem os tradicionais como exige um conhecimento que os trabalhadores tradicionais dos diversos setores da Construção Civil. A pesquisa apurou que o número de trabalhadores, na aplicação de métodos inovados é menor que os utilizados nos métodos convencionais, gerando consequentemente uma menor demanda de mão de obra que por sua vez deve ser especializada. Para que os impactos da Inovação Tecnológica não sejam sentidos nos diversos setores das obras, tais setores devem investir em mais educação formal da mão de obra com uma conseqüente redução do treinamento on-the-job, observando que não basta treinar-por-treinar: o trabalhador deve aprender (ser capacitado) sobre as novas tecnologias de materiais, atribuição esta, que deve contemplar os cursos técnicos das Etecs; Parte-2: As obras tecnologicamente inovadas utiliza-se de produtos industriais, construídos fora do canteiro de obras locais em que também demandar profissionais Técnicos 16

17 especializados em modelos diferenciados de produção. Tais atividades são dimensionalmente mais precisas e levadas posteriormente para serem montadas nas edificações. Essa metodologia aumenta a produtividade possibilitando a realização de mais trabalho proporcionalmente por dia, aumentando a produtividade. Isto implica na redução dos trabalhadores e extinção de postos de trabalhos tradicionais; Parte-3: Conclui-se que a forma de execução das instalações elétricas de uma parede em alvenaria convencional acabada é mais longo que em parede acabada em sistema Drywall. A comprovação do proposto pela pesquisa bibliográfica pôde definir frente à Inovação Tecnológica da Indústria da Construção Civil, os trabalhadores dos demais setores ou subsetores, precisam ser capacitados por meio de treinamentos especializados para crescerem como profissionais Técnicos e se manterem no mercado de trabalho, em conseqüência da modernização da Construção Civil, que tem exigido mais produtividade e qualidade do produto utilizado nas obras, e não tem sido acompanhada do preparo e da valorização da mão de obra. A mão de obra apta a aplicar estes novos produtos tem obtido sua capacitação profissional em processos on-the-job na indústria dos componentes construtivos e no canteiro de obras com profissionais Técnicos tradicionais. Observa-se que os fornecedores de materiais inovados tecnologicamente são quem tem se preocupado em dar treinamentos específicos para os trabalhadores operacionais dos diversos setores da Construção Civil. A Etec, por sua vez, não tem feito o seu papel de capacitar seus Técnicos frente aos materiais e processos inovados tecnologicamente na Construção Civil. Os comentários e conclusões que seguem apoiaram-se na pesquisa bibliográfica, podendo afirmar que o problema universal de todo o cidadão do novo milênio é como ter acesso às informações sobre o mundo e como ter condições de articulá-las e organizá-las ao mesmo tempo. Neste contexto, entende-se que em função das novas tecnologias, materiais, processo dos componentes inovados tecnologicamente aplicados na Construção Civil, os responsáveis pelo curso de Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, devem atentar-se também ao mercado da Construção Civil que emprega atualmente grande parte de seus egressos, incluindo em sua grade curricular teoria e prática que contemplas as novas tecnologias do mercado da 17

18 construção que sejam correlatas à habilitação do Técnico Eletrotécnico. No entanto, hoje a organização tradicional do trabalho na Construção Civil subdividiu e reduziu as tarefas tornando sua execução extremamente simples. Novas tecnologias têm substituído os equipamentos, materiais, métodos e pessoas. Este trabalho está concentrado no aspecto evolutivo paredes inovadas tecnologicamente, gesso acartonado, e suas instalações elétricas especiais. O presente trabalho procurou assim, identificar a mudança de perfil do Técnico que está transitando da construção / instalação para a montagem, com uma tendência futura de desemprego tecnológico em função do novo perfil profissional exigido para este setor, demandando para si cursos Técnicos que tenha esta visão de mudança sistêmica, por meio da capacitação de profissionais Técnicos do Curso de Eletrotécnica do Ensino Médio na Etec Basilides de Godoy (São Paulo) frente às Inovações Tecnológicas na Construção Civil e a mudança do perfil de mão de obra. 6. Conclusão O técnico é um elo fundamental na execução, supervisão e implantação de projetos, já que a ele é conferida toda a formação com ênfase na operacionalidade, onde o Curso de Eletrotécnica deve oferecer a formação técnica, conferindo aos profissionais competências para atuar em iniciativas em que a base técno-científica seja atualizada com áreas afins. A nova legislação da educação brasileira definiu, a partir de 1998, as novas diretrizes curriculares para a educação profissional de nível técnico. Assim os argumentos utilizados neste artigo permitiram responder, mesmo que parcialmente, a pergunta formulada no início deste trabalho. O questionamento: Qual a importância da capacitação de profissionais Técnicos do curso de Eletrotécnica nos novos métodos de trabalho da Construção Civil? Dessa forma, evidencia-se que é necessário ir mais além, visto que ela não se esgota em si mesma. Apesar de o objetivo pontual ser alcançado por este trabalho, a presente pesquisa foi extremamente limitada. Para dar continuidade é importante que outros aspectos não abordados neste estudo sejam enfocados, como outros tipos de materiais construtivos inovados tecnologicamente em outros setores de atuação do Técnico Eletrotécnico. 18

19 Nesse sentido, destacam-se os pontos a seguir. Em primeiro lugar, a Lei de Inovação Tecnológica, ao buscar estabelecer um diálogo cada vez mais intenso entre as instituições produtoras de bens de conhecimento, surge como mais um instrumento para facilitar a criação de uma cultura de inovação no País. Em segundo, a inovação tecnológica, submetida a uma concepção de desenvolvimento sustentável, deve resultar da interação entre educadores, configurando um ponto de convergência entre as potencialidades e as necessidades econômicas, sociais e ambientais. Em terceiro lugar, a Inovação Tecnológica faz parte de um ciclo que partiu da discussão focada nas necessidades observadas que agora precisam ser implementados. É possível inferir a partir da pesquisa que as instituições de ensino podem prestar relevantes contribuições e funcionar como instrumento de suporte para romper o ciclo vicioso da dependência tecnológica do País. A educação e o treinamento facilitam o aperfeiçoamento pessoal e das habilidades do trabalhador, assim como a consciência ambiental. Abrem possibilidades para melhor entender e evoluir para utilização de novas tecnologias. A concorrência e a busca de competitividade, imperiosa para a sobrevivência da empresa, age de maneira perversa com o trabalhador menos qualificado e menos habilitado, ao adotar Inovações Tecnológicas que de modo direto ou indireto, imediato ou futuro afetam a sua vida educacional e profissional. Deste modo, o trabalhador sem qualificação é sumariamente descartado a menos que haja uma preocupação permanente, por parte de governo e empresas, em equipá-lo com conhecimentos e treinamentos que lhe dê oportunidade de permanecer no mundo do trabalho moderno dentro dos preceitos de sustentabilidade do planeta. Esta pesquisa revela o uso de mão de obra má qualificada, sem treinamento, além do descarte pouco consciente do gesso acartonado, mais comumente nomeado de Drywall. Além de não estar havendo transferência entre a indústria, escola técnica e o trabalhador tradicional, quanto às novas ocupações e necessidades de capacitação que estão surgindo. Portanto, a implementação de melhorias em cursos de ensino técnico é uma alternativa estratégica, para que os trabalhadores possam fazer frente às condições atuais do mercado e as exigências da sociedade de forma sustentável e ambientalmente correta. 19

20 Referências ABFCD Chapa de Drywall <http://www.abragesso.org.br/index.php/2 abril/2008>, acesso em ACOSTA-HOYOS, L. E. Tecnologia e Qualidade de Vida: Uma polêmica de nosso tempo. Viçosa: Editora UFV, BARROS, M. M. B. O processo de produção das alvenarias racionalizadas. In: Seminário Tecnologia e Gestão Na Produção De Edifícios: Vedações Verticais, EPUSP/PCC, São Paulo, BOTELHO, W. C. A inovação tecnológica na Construção Civil de edifícios e a qualificação da mão de obra. São Paulo, p. Dissertação (Mestrado) Universidade Paulista, CATTANI, A. D. Tecnologia e Trabalho: Dicionário Critico. São Paulo: Ed. Vozes, CAMPBELL, Steve Lead by Example Walls and Cieling <Acesso em: - 08/05/2009>. CONSTRUBUSINESS Folder eletrônico <disponível em / - acesso em abril/2008> DIEESE. Resenha: Reestruturação Produtiva Na Construção Civil Estudos Setoriais n. 12 <Disponível em: civil.pdf - acesso em abril/2008>. FARAH, M. F. S. Tecnologia, processo de trabalho e construção habitacional. Tese (Doutorado) Faculdade de Filosofia, Sociologia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, FRACCARI, P., VENDRAMETO, O., BOTELHO, W. A inovação tecnológica na Construção Civil e o novo perfil da mão de obra. XIII Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica: Tecnologia e desenvolvimento: desafios e caminhos para uma nova sociedade. FIA-PPGTUSP. Curitiba PR, GAITHER, N. Administração da Produção e Operações. São Paulo: Thomson 8ª ed,

21 GONZÁLEZ, M. A. S. Sustentabilidade econômica - proposta de aplicação de descobrimento de conhecimento no processo de concepção de produtos imobiliários Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) <Disponível em: Acesso em: 20/03/ :00h>. GUERRINI, F. M. Um Modelo Integrado de Administração de Produção para Empresas de Construção Civil, São Carlos. Tese (Doutorado), Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, JÚNIOR, J. L. M. Produção limpa na construção civil Uma visão prática do engenheiro de produção. <Disponível em: Acesso em: 30/03/ h>. LAMERA, D. L. (Coord.) Perfil do Trabalhador na Indústria da Construção Civil de Goiânia. São Paulo: Editora FUNDACENTRO, LIMA, I. S. A qualidade na construção de edificações e a qualidade de vida no trabalho. In: XIV ENEGEP - Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 1994, João Pessoa, PB. Anais. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, out LOTURCO, B. Revista Téchne 84 - março de MODESTO. Dicionário on-line da construção <disponível em: acesso em abril/2008>. OLIVEIRA, C. R. História do Trabalho. 4ª ed. São Paulo: Ática, PASTORE, J. A Controvérsia Sobre Tecnologia e Emprego. <Disponível em : mct.gov.br/cee/revista/parcerias5/tecnoemp.htm acesso em abril/2008>. PENROSE, E. A teoria do crescimento da firma. São Paulo UNICAMP, PORTER, M. E. Vantagem Competitiva. R. de Janeiro: Editora Campus, 23ª edição, RIFKIN, J. Fim dos Empregos: O Declínio Inevitável dos Níveis dos Empregos e a Redução da Força Global de Trabalho. São Paulo: Ed. Makron Books, SACOMANO, J. B. A relação da gestão da cadeia de suprimentos de empresas de 21

22 Construção Civil com um sistema de administração de produção. Tópicos emergentes em engenharia de produção vol.1. São Paulo, Arte e Ciência Editora: VALENÇA, M. Z. Gestão dos Resíduos Sólidos da Construção Civil: por uma prática integrada de sustentabilidade empresarial ENEGEP 2006 <Disponível em: Acesso em: 17/03/2010>. VENDRAMETO, O. Políticas de inovação tecnológica: proposta de alinhamento para desenvolvimento de cadeias produtivas endógenas. Tópicos emergentes em engenharia de produção vol.2. São Paulo, Arte e Ciência Editora: ZIBAS, D. M. L. Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. Ed. Vozes, Petrópolis, ZULIAN, C. S. et all Notas de aulas da disciplina Construção Civil - Universidade Estadual de Ponta Grossa: curso de engenharia civil alvenaria 2002 < disponível em: e - acesso em abril/2008>. 22

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI SENADO FEDERAL COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE AUDIÊNCIA PÚBLICA: IDÉIAS E PROPOSTAS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SESI

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

ESTUDO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO PARA EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA. Palavras-Chave: Custos, Formação de Preço, Economia Solidária

ESTUDO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO PARA EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA. Palavras-Chave: Custos, Formação de Preço, Economia Solidária ESTUDO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO PARA EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA Autores: Fábio Bruno da Silva Marcos Paulo de Sá Mello Palavras-Chave: Custos, Formação de Preço, Economia Solidária INTRODUÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção DOCUMENTO NÃO CONCLUÍDO Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

GESSO ACARTONADO E O DESCARTE NÃO SUSTENTÁVEL: AS NOVAS TECNOLOGIAS E NOVO PERFIL DO RECURSO HUMANO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

GESSO ACARTONADO E O DESCARTE NÃO SUSTENTÁVEL: AS NOVAS TECNOLOGIAS E NOVO PERFIL DO RECURSO HUMANO NA CONSTRUÇÃO CIVIL 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 GESSO ACARTONADO E O DESCARTE NÃO SUSTENTÁVEL: AS NOVAS TECNOLOGIAS E NOVO PERFIL DO RECURSO HUMANO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Wagner Costa Botelho (UNIP) wagner.botelho@cnec.com.br

Leia mais

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior Janaína Batista da Silva Larissa Horrara de Almeida Leonardo Lopes Liliana Oliveira Palhares da Silva Luciana

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

A inovação tecnológica na construção civil e os aspectos humanos

A inovação tecnológica na construção civil e os aspectos humanos A inovação tecnológica na construção civil e os aspectos humanos Oduvaldo Vendrameto (UNIP) oduvaldov@uol.com.br Pedro Luiz Fraccari (UNIP) pluiz@ig.com.br Wagner Costa Botelho (UNIP) wagner@wrb.com.br

Leia mais

Melhorias da Infraestrutura

Melhorias da Infraestrutura Melhorias da Infraestrutura Refino Papel e Celulose Energia Fóssil Processos Químicos Processos Industriais Conversão De Resíduos Em Energia www.azz.com/wsi Fornecedora de soluções e serviços completos

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO Missão do Curso Formar profissionais de nível superior, com atuação na área de Tecnologia em Gestão Financeira, a partir da articulação das teorias que fundamentam

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

O PAPEL DO SECRETARIADO NA IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SUSTENTÁVEIS. Cláudia Kniess e Maria do Carmo Todorov

O PAPEL DO SECRETARIADO NA IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SUSTENTÁVEIS. Cláudia Kniess e Maria do Carmo Todorov O PAPEL DO SECRETARIADO NA IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SUSTENTÁVEIS Cláudia Kniess e Maria do Carmo Todorov AGENDA INTRODUÇÃO Conceitos de Sustentabilidade x Desenvolvimento Sustentável Projetos Sustentáveis

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Uma boa gestão de estoques comprova sua importância independente do segmento em questão. Seja ele comércio, indústria ou serviços, o profissional que gerencia

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva José Fonseca de Medeiros ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL

Revista Inteligência Competitiva José Fonseca de Medeiros ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL 244 ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL 1 Entrevista com Francisco Diretor de Articulação Nacional da ABRAIC, sobre a profissão de analista de inteligência competitiva

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências Extraído da Dissertação de Mestrado em Habitação de autoria de Orivaldo Predolin Júnior 2005, Predolin, O.J. A partir da idéia de que, para a melhoria da qualidade do produto final da construção civil

Leia mais

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC.

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Comprometida com a qualidade e o desenvolvimento dos nossos produtos investimos continuamente

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail.

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail. EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: OS SOFTWARES LIVRES COMO MEIOS DE ACESSO À GRADUAÇÃO DE TURISMO* Bárbara Cardoso Delgado Carina Fernandes Neves Janille de Oliveira Morais RESUMO Pretende-se delinear uma análise

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Carta de Apresentação. Tudo o que você precisa saber sobre nós!

Carta de Apresentação. Tudo o que você precisa saber sobre nós! Carta de Apresentação Tudo o que você precisa saber sobre nós! 1 Sobre nós Fundada desde 2006, o Grupo Reviza adquiriu ao longo de todos esses anos, uma vasta experiência na área de prestação de serviços

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA Silvio Burrattino MELHADO Engenheiro Civil, Professor da Escola Politécnica da USP. Av. Prof. Almeida Prado, travessa 2, n 271, CEP 05508-900 São Paulo

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Introdução A Engenharia Da Computação

Introdução A Engenharia Da Computação Introdução A Engenharia Da Computação AULA I Slide 1 O Que é Engenharia? [De engenho + -aria.] Substantivo feminino 1.Arte de aplicar conhecimentos científicos e empíricos e certas habilitações específicas

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG.

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. (Projeto InterAção) Introdução Com a tendência de um crescimento mundial da população, gerando um desenvolvimento industrial

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE ALVENARIA ESTRUTURAL: BLOCOS DE CONCRETO DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE O uso de alvenaria como sistema estrutural já vem sendo usado a centenas de anos, desde as grandes

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil Materiais de Construção Civil Aula 07 Gesso para Construção Civil Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Gesso para Construção Civil O gesso é um mineral aglomerante produzido a partir da calcinação da gipsita,

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

B3-88 Análise do grupo de compras coletivas de alimentos ecológicos em Laranjeiras do Sul, Paraná através de modelagem de processos de entrega.

B3-88 Análise do grupo de compras coletivas de alimentos ecológicos em Laranjeiras do Sul, Paraná através de modelagem de processos de entrega. B3-88 Análise do grupo de compras coletivas de alimentos ecológicos em Laranjeiras do Sul, Paraná através de modelagem de processos de entrega. Novakoski, Rodrigo 1 ; Silva, Aline Pereira 2 ; Schreiner,

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO 1 ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO CELINA APARECIDA ALMEIDA PEREIRA ABAR Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Brasil abarcaap@pucsp.br - VIRTUAL EDUCA 2003-1 INTRODUÇÃO

Leia mais

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas 1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso GEPAG UNIFESP abril / 2009 CONTEXTO Características do Trabalho no

Leia mais

MBA Gestão Integrada de Resíduos Sólidos

MBA Gestão Integrada de Resíduos Sólidos ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO LASSU - LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE MBA Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Por que fazer um MBA LASSU USP? Grande parte do mercado e da sociedade ainda

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012.

ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012. ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012. Gisele Hiromi Matsumoto de Freitas¹; Ronan Yuzo Takeda Violin²;

Leia mais