Key word: chronicle, journalism, narrative, Moacyr Scliar, analysis of the speech.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Key word: chronicle, journalism, narrative, Moacyr Scliar, analysis of the speech."

Transcrição

1 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun ENTRE A REALIDADE DO JORNAL E A CRIAÇÃO LITERÁRIA: A CRÔNICA DE MOACYR SCLIAR Nincia Cecília Ribas Borges Teixeira Tatiana Carolina Lazzarotto Resumo Diferentemente da técnica empregada usualmente pelos jornais na transmissão de notícias, a crônica jornalística traz marcas de subjetividade e pode ocupar se da narrativa para tratar de assuntos do dia a dia. Desde seu surgimento, quando possuía a função de registrar os fatos históricos, até a atual presença em jornais, a crônica retira do vivido a sua matéria prima. Pautada em assuntos cotidianos, a crônica contemporânea representa um jornalismo que possui características literárias, com funções múltiplas de informar, entreter e propor uma reflexão do dia a dia. A partir da análise dos textos de um dos representantes do gênero, o autor Moacyr Scliar, a pesquisa pretende mostrar como a informação é transmitida de forma literária. A discussão amplia se sob a ótica da Análise de Discurso da linha francesa, para verificar a intertextualidade entre a informação já noticiada e a crônica ficcional. Palavras chave: crônica, jornalismo, narrativa, Moacyr Scliar, análise do discurso. Abstract Differently from the usual technique of journals, the journalistic chronicle is concerned with the narrative of daily themes composing with the subjectivity. The chronicle, from its beginning until nowadays, has working with the function of registering the historical facts, pointing out the lived moments. The contemporaneous chronicle represents the journalism with literary characteristics, that multiple functions of informing, entertaining and proposes a daily reflection. Based on Moacyr Scliar s works, representative writer of that narrative, the research concerns with the transmitted information as literary production. The text, referenced on the perspective of the French Speech Analysis, brings the question about intertextuality between the broadcast information and fictional chronicle. Key word: chronicle, journalism, narrative, Moacyr Scliar, analysis of the speech.

2 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun As práticas jornalísticas, que apregoam princípios de objetividade e imparcialidade, ignoram a técnica da narrativa na transmissão de notícias. Encontramos dentro do jornal, porém, a crônica, um texto com traços de subjetividade, e que destoa do jornalismo informativo pela tomada de posição do cronista. Nesse sentido, a crônica representa um jornalismo que possui características literárias, com funções múltiplas de informar, entreter e propor uma reflexão do cotidiano. Um dos seus representantes é o cronista Moacyr Scliar, que cria fatos ficcionais baseados na realidade. Seus textos são veiculados no caderno Cotidiano, da Folha de S. Paulo. A partir da realidade noticiada no jornal, os textos de Scliar são produzidos a partir do processo de intertextualidade, segundo os pressupostos da Análise do Discurso de linha francesa. Segundo Barthes (apud Koch, 1997, p.46), o texto é compreendido pelo diálogo de outros textos já existentes, caracterizando em uma permuta entre diversos textos. Dessa forma, verifica se como os elementos da notícia transitam para os elementos da crônica ficcional, em uma relação intertextual de dados e sentidos. Por intertextualidade, Maingueneau (1997, p.63) entende como o conjunto de relações explícitas ou implícitas que um texto estabelece com outros textos. Moacyr Scliar é considerado um dos grandes expoentes da literatura nacional. Em sua obra, que reúne romances, ensaios, contos e crônicas, o escritor aborda temáticas como o judaísmo e o cotidiano da classe média brasileira. O autor escreve semanalmente crônicas no jornal Folha de S. Paulo, baseando se em notícias inusitadas, mas corriqueiras, tratadas de forma pouco aprofundada pelo jornal. Os temas retratados normalmente falam de violência, abandono, miséria, até questões comportamentais, tratadas com um tom leve e humorístico. Ao recontar fatos já noticiados no jornal em forma de histórias, considera se que as crônicas de Scliar constituem narrativas dentro do jornal Folha de S. Paulo. Para Cavalcanti (1982, p.80), todos os textos são narrativas na medida em que não apenas referem, falam do mundo, mas constroem realidade(s), uma interpretação sobre o mundo. Dessa forma, o leitor de Scliar pode dar sentidos próprios para a história que lhe é apresentada e, mesmo conhecendo a notícia em que o autor se baseou, pode envolver se livremente na narrativa ficcional. O ato de o cronista criar situações e personagens, baseado em incidentes reais e já vividos, é entendido, segundo Sato (2002, p.33), como a recriação do real. Assim, a principal arma da crônica seria utilizar

3 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun emoções e fatos inventados ou recuperados pela memória do cronista. Dessa forma, o texto chama a atenção do leitor, convidando o para um tipo diferente de mergulho no real, mais ameno, mais prazeroso, quiçá mais profundo (ibidem, p.34). A partir do fato apresentado pelo jornal, Scliar apresenta situações aquém daquela apresentada. Entretanto, esse caráter pluridimensional dos seus textos não se reduz à mera ficção, pois o autor acaba por refletir também outros fatos do cotidiano, mas que podem não estar presentes na notícia base. Podemos exemplificar utilizando o exemplo da crônica O seqüestro das galinhas. O autor parte da notícia publicada pelo jornal de que um grupo de homens armados havia roubado 50 galinhas em um sítio do interior de São Paulo. Após refletir sobre o motivo que leva assaltantes, armados em grupos, roubarem galinhas, um animal comum, Scliar parte para o terreno da ficção, dando possíveis razões para o furto. Talvez se trate de outra coisa. Talvez se trate de seqüestros. Galinhas muito prezadas por seus donos, por serem de estimação ou de rara qualidade, seriam alvo tentador para seqüestradores. E aí começariam os bilhetes. Um deles viria acompanhado de um ovo: Por enquanto suas galinhas ainda estão vivas e botando ovos. Mas se vocês querem evitar que elas se transformem em fricassê, mandem de imediato a quantia pedida, etc, etc. (SCLIAR, 2006, p.2) Dessa forma, o autor transforma o furto noticiado em um seqüestro, recuperando a idéia de que existem pessoas que possuem galinhas como animais de estimação. Mais ainda, Scliar fala de um procedimento comum dos seqüestradores ao pedir resgate para a família: junto com um bilhete ameaçador, exigindo um resgate em troca da libertação, manda se uma prova de que o ente querido está vivo. A crônica de Scliar recupera fatos do cotidiano que passariam despercebidos, não fossem suas crônicas. As matérias que servem de base para os textos do autor noticiam os fatos em pequenos fragmentos. São matérias curtas, noticiadas sem muita descrição e análise, parecendo recortes do cotidiano. Ao ser entrevistado, o autor explica que o critério de seleção usado para escolher as matérias é o maior interesse humano dos fatos relatados. Ele também considera que as notícias, principalmente as que falam das relações interpessoais são muito mais reveladoras da condição humana do que se imagina. Dessa forma, o cronista retira de um episódio particular o que possa ter uma significação mais ampla, atribuindo novos significados a um fato inusitado. Para que se construa uma narrativa, é necessário que existam elementos no fato noticiado que chamem a

4 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun atenção, que rendam uma boa história. De acordo com Labov (apud Cavalcanti, 1982, p.78) se o acontecimento se torna bastante comum, não é mais a violação de uma regra de comportamento esperada, não é mais narrável. Dessa forma, Scliar seleciona notícias que apresentem algo de incomum, para criar situações irreais, que podem causar estranhamento, a fim de ressaltar o que há de estranhável e inusitado nas próprias notícias do jornal. Scliar ainda amplia o relato puro e simples para uma dimensão contextual, resultando em um ângulo diferenciado, ao mesmo tempo real e supra real, por conter o acréscimo de elementos ficcionais. Dessa maneira, é preciso entender o texto por seu caráter dialógico, ou seja, não uma unidade significativa que se encerra em si, mas também a presença de várias vozes sociais. A relação entre o conteúdo noticiado e a expressão desse conteúdo, o como dizer, pode resultar na recriação do fato real, ou nas palavras de Barros, Reformula se o mundo pelo discurso, vê se a realidade sob novos prismas, refazse o real. Os discursos poéticos se caracterizam, em resumo, pela ambivalência intertextual interna que, graças à multiplicidade de vozes e de leituras, substitui a verdade universal, única e peremptória pelo diálogo de verdades textuais. (BARROS, 2003, p.7) O autor faz questão de recuperar informações noticiadas pela matéria jornalística em seus textos. Isso porque ele não parte da pura ficção, mas reformula a notícia já tratada pelo jornal. Cabe acrescentar que na crônica de Scliar, sempre é especificado o título ou um trecho da matéria que lhe serviu de base, assim como a data e o caderno onde a notícia foi publicada. Dessa forma, ao leitor sempre será concedida a fonte da crônica, que aborda, partindo dos princípios jornalísticos, um fato verídico, atual e de interesse público. A criação dos personagens das histórias é uma característica singular de seus textos. O autor dá vida a indivíduos que, muitas vezes, são retratados de forma superficial, quando não são apenas citados na notícia base. Nas crônicas de Scliar, o personagem passa então a ser alegoria de pessoas reais, também constituído de valores, vícios, sentimentos, etc. Na crônica Aquela inconfiável arma, o pitbull, Scliar apresenta uma narrativa que parte de um fato insólito, a notícia de um jovem que usava seu cachorro pitbull para assaltar pessoas. Na notícia que serviu de base, o assaltante é retratado como um rapaz de 18 anos, desempregado, que alegava passar por dificuldades financeiras. Em sua crônica, Scliar transforma o jovem acusado em uma personagem com traços individuais

5 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun e marcantes, sendo o que mais se destaca é o apego do jovem ao cão. Era seu maior tesouro, aquele pitbull. Ele o criara desde pequeno e nunca se separara dele. (...) O cão era seu amigo. Aliás, o único amigo que tinha. E por isso se afligia ao ver o animal faminto (SCLIAR, 2005, p.2). Nesse trecho, podemos perceber que o autor dá um motivo para que o rapaz cometa o crime. Impulsionado pela angústia de ver o cão passar fome, o jovem decide optar pela última saída: o furto. Scliar ainda recupera outras informações dadas pela matéria que lhe serviu de base, como o desemprego e a ida do rapaz a outra cidade. Essas construções objetivam causar as mais múltiplas reações e sensações no leitor, que se comove com a história. Assim, Scliar dá voz aos personagens, que podem ganhar a adesão do leitor. A crônica de Scliar é baseada no agora, causando efeitos neste, mas permanece além, pois procura imortalizar as histórias cotidianas. Moacyr Scliar, dessa forma, constrói textos com um caráter atemporal, pois as histórias são compreendidas sem a leitura da notícia que lhe serviu de base. Isso se dá pela imprecisão referencial, isto é, não há menção específica a momentos históricos e espaços definidos. O assaltante acompanhado de seu pitbull pode ser qualquer rapaz que vive em uma cidade de médio ou grande porte. As situações narradas giram em torno de um lugar comum, e os personagens apresentados podem pertencer a qualquer tempo, a qualquer lugar, protagonizam histórias que não envelhecem (...) (CAVALCANTI, 1982, p.91). Além disso, Scliar não nomeia os personagens de suas crônicas, justamente para reforçar a idéia de que os personagens não são construídos a fim de serem identificados como esta ou aquela pessoa, podendo retratar toda uma parcela da população. Sobre a ausência dos nomes dos personagens, Scliar explica: Não lhes dou nome porque são mais tipos característicos do que personagens com vida própria Na crônica Desistindo de Natal, publicada em 19/12/2005, no caderno Cotidiano da Folha de São Paulo. Moacyr Scliar partiu de uma das notícias inserida no caderno Dinheiro e publicada dezesseis dias antes do Natal. A notícia informa que 32% dos brasileiros não fariam compras no Natal daquele ano. Partindo do resultado de uma pesquisa, o repórter transmite as informações resultantes, de forma expositiva. Os dados são apresentados por meio de porcentagens. Assim como nos outros textos do autor, Moacyr Scliar, nessa crônica, baseia se em uma notícia curta, mas que possui conteúdo de utilidade pública. Segundo o manual de redação da Folha de S. Paulo, as notícias

6 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun de utilidade pública dizem respeito a tudo que afete fundamentalmente a vida cotidiana dos leitores (2001,p.22). Entretanto, o jornal noticia o fato, mas não se aprofunda de maneira a demonstrar como o fato influencia diretamente a vida dos compradores. Isso porque o enfoque dado é mostrar a perspectiva da notícia a partir dos comerciários. No caso da matéria apontada, as únicas fontes utilizadas são o próprio resultado da pesquisa do Instituto Ipsos e as afirmações do presidente da Associação Comercial de São Paulo. A escolha das fontes é fundamental para o encaminhamento da matéria. Nesse caso, o repórter optou por enfocar de que forma a diminuição das vendas e o aumento da informalidade atingem os comerciários, que não terão um rendimento satisfatório no final do ano. Cabe acrescentar que a matéria não é assinada, marcada pela ausência do narrador, assim, não se sabe quem redigiu o texto. É assim que a imparcialidade, traço importante do jornalismo informativo, é perpassada na notícia, a qual expõe os fatos através do seu repórter, cuja voz não é aparente. A crônica, como gênero híbrido, pode ser apresentada de diversas formas, aproximando se do ensaio, do poema ou do conto. No texto Desistindo de Natal, Scliar descreve, através de uma carta ao Papai Noel, os anseios de uma criança cuja família passa por dificuldades financeiras às vésperas do Natal. Dessa forma, o enunciatário do texto é uma criança, a qual não é definida se é menino ou menina, nem quantos anos tem. Na notícia base, não há a menção a nenhum personagem, ou seja, alguém que não terá condições financeiras de fazer compras no Natal. Assim, partindo da informação dada pelo jornal, Scliar constrói um personagem que estaria vivendo a situação noticiada, ou seja, o enunciatário da carta faria parte das estatísticas da matéria jornalística. Ao partir do real noticiado para construir seu texto, o autor estabelece uma relação intertextual. Barthes (apud Koch, 1997, p.46) afirma que todo texto é um intertexto, sendo que outros textos estão presentes nele, em níveis variáveis, sob formas mais ou menos reconhecíveis. Assim, o texto de Scliar constitui se como uma resposta a um outro enunciado já dito, o da informação jornalística, sendo esta apreendida e reformulada pelo autor. As relações entre a crônica e a notícia base se estabelecem pelo conteúdo, pois ambas abordam o mesmo assunto, porém, com ângulos diferenciados. A intertextualidade, nesse caso, se dá de forma explícita, pois existe a citação efetiva de sua fonte,

7 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun apontando um trecho da matéria que lhe serviu de inspiração, assim como o caderno e a data em que foi publicada. O autor retoma o intertexto para retirar lhe o essencial do que é transmitido. Porém, reformula essa informação a partir de outros fatos e ocorrências, reconstruindo o ainda de forma literária. Scliar imagina o fato pelos olhos de uma criança, através de uma carta que ela escreve ao Papai Noel. O interlocutor é escolhido justamente por fazer parte do imaginário infantil. Os anseios da criança, expressos em uma cartinha ao bom velhinho, faz parte do senso comum, de que as crianças escrevem ao Papai Noel, um ser mítico, acreditando que ele pode realizar todos os sonhos. Trata se de uma criança de uma cidade interiorana. A gente mora numa cidade pequena do interior, muito pobre. Não há menção de qual é essa cidade. A imprecisão do espaço tem o intuito de não caracterizar um lugar específico, mas sim, apresentar um retrato mais abrangente da sociedade. Como já foi apontado, Scliar pretende apresentar mais tipos humanos do que personagens com vida própria. Assim sendo, a criança poderia ser um menino ou uma menina de qualquer cidade do interior, cuja família passa por dificuldades financeiras. A produção do texto de Scliar depende não só da leitura da notícia existente, mas também do conhecimento de mundo do autor e sua bagagem cultural. Dessa forma, a crônica não nasce sozinha, mas depende também do diálogo com outros textos, orquestrados pelo seu autor. Nesse sentido, parte se da afirmação de Maingueneau (apud Koch, 1997, p.47): um discurso não vem ao mundo numa inocente solicitude, mas constrói se em relação de um já dito em relação ao qual toma posição. Dessa forma, o autor retira não só da notícia base, mas também reformula, a partir de outros discursos e outros elementos, podendo não explicitar a citação efetiva dos últimos. Assim, existe uma relação intertextual com outros discursos relativamente autônomos que, embora funcionando como momentos ou etapas de produção, não aparecem na superfície do discurso produzido ou terminado (KOCH, 1997, p.47). Podemos tomar como exemplo o problema do desemprego retratado na crônica. Na notícia em que Scliar se baseia para criar sua crônica o repórter não faz uma relação explícita entre a retração das vendas e o problema do desemprego. Mesmo não fazendo parte da matéria que lhe serviu de base, Scliar fala do problema, exemplificado pelo pai da criança. O autor não inventa um fato, mas retrata algo que acontece na realidade. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em pesquisa realizada em

8 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun cidades metropolitanas, o número de pessoas que estavam desempregadas, em dezembro de 2005, era de 8,3%. Outro dado que não aparece na matéria, mas que o autor retrata em seu texto é a geração de emprego que as fábricas trazem às pequenas cidades. No Natal passado, o prefeito anunciou que tinha um presente para a população: uma grande fábrica iria se instalar aqui, dando emprego para muitas pessoas. Meu pai ficou animado. (...) Agora, porém, o prefeito teve de dizer que a fábrica não vem mais. Não entendo dessas coisas, mas parece que a situação está difícil. (SCLIAR, 2005, p.2) No Brasil, as indústrias, sejam elas de pequeno ou grande porte, contribuem para um aumento no número de empregos e para uma melhora da economia local, tanto em cidades metropolitanas como interioranas. Dessa forma, Scliar, a partir de um texto ficcional, retrata situações reais, que fazem parte do contexto da realidade brasileira. Nesse sentido, a relação estabelecida entre o discurso produzido na crônica e o conjunto de outros discursos identificáveis nela caracteriza se por interdiscursividade. De acordo com Maingueneau (apud Cardoso, 1999, p.62), o interdiscurso é um processo de reconfiguração incessante no qual uma formação discursiva é levada a incorporar elementos pré construídos, produzidos fora dela, com eles provocando sua redefinição e redirecionamento. Dessa forma, ocorre a mescla de elementos intertextuais com a presença de outros discursos, com o qual o autor estabelece alianças ou enfrentamentos. A relação entre os diversos discursos na produção de um texto resulta em um espaço dialógico e heterogêneo. O dialogismo, para Bakhtin, está presente em todos os níveis do discurso, sendo condição essencial para a produção deste. Qualquer enunciação, mesmo que sob a forma de escrita imobilizada, é uma resposta a qualquer coisa e construída como tal (BAKHTIN, apud MAINGUENEAU, 1997, p.33). Sendo assim, o texto é dialógico, resultando de muitas vozes sociais. Podemos identificar na crônica não só as marcas de subjetividade do autor, que permeia a construção do discurso, como a própria voz daqueles que a personagem principal representa, através da classe social, idade, etc. As marcas de subjetividade do enunciador, assim como os outros discursos presentes fazem com que o discurso do texto analisado seja entendido por seu caráter heterogêneo. A heterogeneidade torna se uma característica que fundamenta o discurso. Maingueneau (1997) distingue

9 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun a heterogeneidade representada (mostrada) e a heterogeneidade constitutiva. A primeira corresponde a uma presença identificável de um outro discurso no texto. Na crônica de Scliar, esta se dá na citação da matéria do jornal e nas informações dadas pela notícia que o autor recupera em sua crônica. Na heterogeneidade constitutiva, o discurso não é apenas um espaço em que acaba de se introduzir um discurso de outro, ele constrói se através de um debate com a alteridade, independente de qualquer traço visível de citação, de alusão, etc. (MAINGUENEAU, 1997, p.56) O interdiscurso não é mostrado na superfície do discurso, mas acaba por ser determinante de significações. Dessa maneira, pode se agregar ao texto em questão mais um componente do interdiscurso. A criança da crônica de Scliar assume um posicionamento inocente e conformista, retomando o discurso da personagem Pollyana, clássico da literatura infanto juvenil. Pollyana (obra homônima, da escritora americana Eleanor Porter) é uma menina órfã de 11 anos, que inventa o jogo do contente, que consiste em encontrar maneiras de encontrar o lado positivo de todas as coisas, permitindo à personagem ficar feliz até nos piores momentos. A obra de Porter perpassa a crônica nas falas conformistas da criança, quando esta justifica por que não quer mais os presentes, apesar de saber que não poderá mais ganhá los. Dessa forma, o interdiscurso se dá pelo processo de alusão, sendo esta a incorporação de temas e/ou figuras de um discurso que vai servir de contexto (unidade maior) para a compreensão do que foi incorporado (FIORIN, 2003, p.34). Nesse caso, a relação é estabelecida de forma contratual, repetindo as mesmas idéias da personagem que lhe serviu de inspiração. Como não há menção expressa da fonte, cabe ao leitor recuperá la na memória para dar lhe sentido no texto. Assim, a personagem da crônica, através de seu discurso conformista, assume uma postura resignada, afirmando desistir de todos os pedidos com que sonhava e explicando o porquê da deistência. Na verdade, o motivo já havia sido apresentado: o pai estaria desempregado e não teria dinheiro para as compras de final de ano. Porém, a criança prefere deixar claro ao seu interlocutor que os pedidos não seriam convenientes a sua família, repetindo as queixas e justificativas ditas pela mãe. Não quero aquela bonita árvore de natal de que lhe falei até mandei um desenho, lembra? Nada de pinheirinho, nada de luzinhas, nada de bolinhas coloridas. A verdade, Papai Noel, é que essas coisas só gastam espaço e, como disse a mamãe, gastam muita luz. (SCLIAR, 2005, p.2)

10 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun Assim, a carta possui uma carga emotiva, marcada por palavras e expressões negativas, como nada de Natal, vou ter que desistir, nada de presentes. A criança ainda parece querer convencer a si própria de que os bens materiais com os quais sonha são supérfluos e ainda trariam mais despesas para a família. A verdade, Papai Noel, é que essas coisas só gastam espaço e, como disse a mamãe, gastam muita luz (...) Se tivesse peru, eu comeria tanto que decerto passaria mal (...) Bicicletas custam caro. E além disso é uma coisa perigosa (...) DVD não é uma coisa tão urgente assim (...) Sapato sempre pode dar problema: às vezes ficam apertados, às vezes caem do pé. (SCLIAR, 2005, p.2) Após listar as justificativas, a criança conclui: Ou seja: nada de Natal, Papai Noel. Para mim, nada de Natal. Assim, o autor aproveita da proximidade da data, época em que as pessoas estão mais sensibilizadas com as dificuldades do próximo e constrói um discurso de uma criança que não acredita mais no Natal. Scliar tem por objetivo mostrar ao leitor como as dificuldades financeiras suprimem as fantasias de uma criança pobre que não acredita mais em seus sonhos. Scliar (ibidem) ainda aproveita para revelar em sua crônica como o espírito natalino, normalmente associado à solidariedade e fundamentado na fé cristã, reduziu o Natal a uma data comercial, na qual o consumo exagerado e a troca de presentes tornaram se o atrativo principal. Dessa forma, Moacyr Scliar oferece essa análise a partir da voz de uma criança pobre, que acredita que a data se resume aos bens de consumo, e sem os quais não haveria sentido para comemorações. Em seus textos, Moacyr Scliar mostra que atrás da realidade noticiada pelo jornal, existe uma ficção em potencial. Ao oferecer um texto mais imaginativo, que oferece uma possibilidade diferente ao texto da matéria, o autor apresenta uma visão mais abrangente diante daquela imposta na notícia. Partindo de relatos reais, mas superficiais, o cronista dá uma nova roupagem ao que leu, apresentando personagens que poderiam estar ocultos sob cada uma dessas histórias. Ao partir das notícias, que, para o autor, são reveladoras da condição humana, o cronista apóia se no reflexo da realidade social que o circunda, acrescentando também outras situações e personagens ao fato relatado. Torna se assim um narrador que não apenas informa, mas envolve o leitor com uma narrativa fabulosa e surpreendente. Dessa forma, seu texto resulta de um movimento criativo que se serve da linguagem não só para retratar a realidade social existente, mas também para acrescentar à realidade histórica algo inexistente até então (KONZEN, 2002, p.17). A crônica de Moacyr Scliar torna se uma mescla entre a realidade e a ficção. O autor inspira se na arte

11 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun literária para oferecer um caminho diferenciado para narrar o real. Dessa forma, a apreensão da realidade é representada em suas crônicas com um sabor literário, constituindo em textos onde os limites entre o jornalismo e a literatura tornam se permeáveis. Os textos constituem também em uma transformação da atualidade em contemporaneidade, pelo caráter atemporal das crônicas. Por meio de uma alegoria de fatos diários, o autor aprofunda se na realidade contemporânea e vai além, interpretando e reformulando a realidade. De modo cíclico, continuando o passado no presente, a história escrita por Scliar irá interessar o leitor de qualquer tempo, pois este terá condições de lhe dar sentidos novos, mesmo em outra época. Através da recuperação do fato real noticiado, o autor produz um outro texto, permeado pelos discursos que emanam do real, do jornal e da própria vivência do cronista. As crônicas de Scliar constituem um papel social, um meio de reflexão dos assuntos cotidianos. Isso porque os personagens e os espaços retratados nos textos não são estáticos e transitórios, pois transpõem os limites da criação literária para tornarem se matéria perene. Referências Bibliográficas BARROS, D. L. P. Dialogismo, Polifonia e Enunciação. In Dialogismo, Polifonia, Intertextualidade. BARROS, D.L.P.; FIORIN, J. L. (orgs.). 2 ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, CARDOSO, S. H. B. Discurso e Ensino. Belo Horizonte: Autêntica, CAVALCANTI, J. R. As narrativas nas páginas de jornais. In Comunicarte, v.1, n. 29. Campinas: Pontifícia Universidade Católica, FIORIN, J. L. Polifonia textual e discursiva. In Dialogismo, Polifonia, Intertextualidade. BARROS, D.L.P.; FIORIN, J. L. (orgs.). 2 ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, KOCH, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, KONZEN, P. C. Ensaios sobre a arte da palavra. Cascavel: Edunioeste, IBGE. Disponível em Acessado em outubro JOVEM acusado de usar pit bull em assalto é preso. In Folha de S. Paulo, Caderno Cotidiano, p.4. São Paulo, 21 dez MAINGUENEAU, D. Os termos chave da Análise do Discurso. Lisboa: Gradiva, MANUAL da redação: Folha de S. Paulo. São Paulo: Publifolha, SATO, N. Jornalismo, literatura e representação. In Jornalismo e literatura: a sedução da palavra. CASTRO, G. de e GALENO, A. (orgs.). São Paulo: Escrituras Editora, 2002.

12 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun SCLIAR, M. Aquela inconfiável arma, o pitbull. In Folha de S. Paulo, Caderno Cotidiano, p. 2. São Paulo, 26 dez Desistindo de Natal. In Folha de S. Paulo, Caderno Cotidiano, p. 2. São Paulo, 19 dez O seqüestro das galinhas. In Folha de S. Paulo, Caderno Cotidiano, p.2. São Paulo, 13 fev Re: Mais algumas questões [Mensagem pessoal]. Mensagem recebida por em 11 ago NÍNCIA CECÍLIA RIBAS BORGES TEIXEIRA Pós doutora pela UFRJ. Doutora em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Mestre em Letras pela Universidade Estadual de Londrina. É Professora Adjunta da Universidade Estadual do Centro Oeste. Tem experiência na área de Letras e Comunicação Social, com ênfase em Literatura, atuando nas seguintes linhas de pesquisa: Gênero e Representação; Texto, Memória e Diferença Cultural. Tatiana Lazzaroto Jornalista, graduada em Letras Literatura.

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Um na Estrada Caio Riter

Um na Estrada Caio Riter Um na Estrada Caio Riter PROJETO DE LEITURA 1 O autor Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA ANDRÉ ANTÔNIO MAGGI SACOLA MÁGICA E LATA LITERÁRIA Claudia

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO META Discutir a heterogeneidade discursiva como constitutiva da linguagem. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA Mestranda Ivi Furloni Ribeiro Resumo: Nosso objetivo neste presente artigo é entender como se constitui a narrativa

Leia mais

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 5 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Me. Tony Aparecido Moreira FCT/UNESP Campus de Presidente Prudente SP tony.educ@gmail.com Comunicação Oral Pesquisa finalizada

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

Projeto Escola e família: construindo novos caminhos

Projeto Escola e família: construindo novos caminhos Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Projeto Escola e família: construindo novos caminhos ELIZÂNGELA. S. VIEIRA COORDENADORA DE PROJETOS EDUCACIONAIS

Leia mais

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL Emanuel Carvalho 2 Prefácio * Edivan Silva Recebi o convite para prefaciar uma obra singular, cujo título despertou e muita minha atenção: Como escrever um livro infantil,

Leia mais

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães.

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. Autores: DILMA ANTUNES SILVA 1 ; MARCELO NASCIMENTO 2. Modalidade: Relato de experiência.

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Projeto Quem sou eu? Image URI: http://mrg.bz/q6vqo3 Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Justificativa: Tendo em vista a

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

O Discurso Publicitário: dialogismo e heterogeneidade 1

O Discurso Publicitário: dialogismo e heterogeneidade 1 O Discurso Publicitário: dialogismo e heterogeneidade 1 Dylia LYSARDO-DIAS 2 Resumo: Considerando que toda comunicação verbal comporta a interação entre discursos sobre o mundo, este trabalho tem por objetivo

Leia mais

2. APRESENTAÇÃO. Mas, tem um detalhe muito importante: O Zé só dorme se escutar uma história. Alguém deverá contar ou ler uma história para ele.

2. APRESENTAÇÃO. Mas, tem um detalhe muito importante: O Zé só dorme se escutar uma história. Alguém deverá contar ou ler uma história para ele. 1.INTRODUÇÃO A leitura consiste em uma atividade social de construção e atribuição de sentidos. Assim definida, as propostas de leitura devem priorizar a busca por modos significativos de o aluno relacionar-se

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS - DPPE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PDE Anexo I Professor PDE FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Palavras-chave: Mulheres Mil, trabalho e educação, programas sociais, educação profissional. NO MOMENTO NÃO ESTOU TRABALHANDO: ANSEIOS DAS

Palavras-chave: Mulheres Mil, trabalho e educação, programas sociais, educação profissional. NO MOMENTO NÃO ESTOU TRABALHANDO: ANSEIOS DAS NO MOMENTO NÃO ESTOU TRABALHANDO: ANSEIOS DAS ESTUDANTES DO PROGRAMA MULHERES MIL NO IFSUL- CÂMPUS SAPIRANGA/RS Gisele Lopes Heckler UNISINOS Agência Financiadora: CAPES/PROEX Resumo Esta comunicação objetiva

Leia mais

Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza

Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza 1 www.oxisdaquestao.com.br Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza Texto de CARLOS CHAPARRO Entramos em 2012 sem Daniel Piza. Perdemo-lo aos 41 anos de idade, a 30 de dezembro de 2011. Mas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

Redação CURSO E COLÉGIO TEXTO 1

Redação CURSO E COLÉGIO TEXTO 1 Redação CURSO E COLÉGIO TEXTO 1 Você e um grupo de colegas ganharam um concurso que vai financiar a realização de uma oficina cultural na sua escola. Após o desenvolvimento do projeto, você, como membro

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Ministrantes: Anita Maria da Rocha Fernandes César Albenes Zeferino Maria Cristina Kumm Pontes Rafael Luiz Cancian Itajaí,

Leia mais

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA Ires de Oliveira Furtado Universidade Federal de Pelotas iresfurtado@gmail.com

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

O que caracteriza a sequência textual descritiva é a presença de um processo de adjetivação e crescente caracterização física e psicológica de Howard.

O que caracteriza a sequência textual descritiva é a presença de um processo de adjetivação e crescente caracterização física e psicológica de Howard. 1) Gabarito oficial definitivo - Questão 1 Sequências textuais narrativas: - No tempo de Jack, o Estripador, uma época difícil para Londres, também vivia na capital britânica um afável estenógrafo chamado

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

JornaVista: entrevista em quadrinhos 1. Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG

JornaVista: entrevista em quadrinhos 1. Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG JornaVista: entrevista em quadrinhos 1 Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG RESUMO O presente trabalho pretende apresentar como se deu a

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência Ana Raquel da Rocha Bezerra, UFPE Andressa Layse Sales Teixeira, UFRN RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público O que é Relato de Experiência? Faz parte dos gêneros pertencentes ao domínio social da memorização

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

56,6% 51% 52% 49% 48% 48% 48% 49% 46% 46% 41%

56,6% 51% 52% 49% 48% 48% 48% 49% 46% 46% 41% 1 Alfabetização, Educação Infantil e acesso à cultura escrita: as possibilidades da escola de nove anos Nestes tempos em que o país parece ter finalmente acordado para a questão da qualidade da educação

Leia mais

Algumas ideias para a produção textual!!!

Algumas ideias para a produção textual!!! Algumas ideias para a produção textual!!! O que é texto? Desmitificar as tradicionais aulas de produção de texto Produção escrita de diversos gêneros de textos Ter ou não aulas específicas para produção

Leia mais

NO MEU BAIRRO SE BRINCA DE...

NO MEU BAIRRO SE BRINCA DE... NO MEU BAIRRO SE BRINCA DE... Cintia Cristina de Castro Mello EMEF Alberto Santos Dummont RESUMO Este relato apresenta o trabalho desenvolvido no EMEF Alberto Santos Dumont, com as turmas 1ª e 3ª séries

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO Projeto escolar com a temática Livro Amigo produzido no ano de 2012, 2013 e em andamento em 2014, por todos os integrantes da escola e comunidade.

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo TIPO F P-1 tipo D-5 Língua Portuguesa (P-1) Ensino Fundamental 5º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avaliar o desempenho dos alunos

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ Geane Apolinário Oliveira Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) - Geane-cg@hotmail.com RESUMO: Este

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Professor Rafael Cardoso Ferreira O que é linguagem? A linguagem é o instrumento graças ao qual o homem modela seu pensamento, seus sentimentos, suas emoções,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Metas Curriculares de Português

Metas Curriculares de Português Metas Curriculares de Português Ensino Básico 2.º Ciclo O domínio da ORALIDADE Helena C. Buescu, Maria Regina Rocha, Violante F. Magalhães Objetivos e Descritores de Desempenho Oralidade 5.º Ano Objetivos

Leia mais

ESTILO DE REDAÇÃO LITERÁRIA

ESTILO DE REDAÇÃO LITERÁRIA ESTILO DE REDAÇÃO LITERÁRIA Estrutura do Texto Dissertativo A estrutura de um texto dissertativo está baseada em três momentos: 1. Introdução: Também chamada de "Tese", nesse momento, o mais importante

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Língua Portuguesa Nome: CONHEÇA A HISTÓRIA DO PAPAI NOEL

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Língua Portuguesa Nome: CONHEÇA A HISTÓRIA DO PAPAI NOEL 3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Língua Portuguesa Nome: Leia este texto para resolver as questões propostas. CONHEÇA A HISTÓRIA DO PAPAI NOEL Era uma vez um menino chamado Nicolau. Os pais

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Marechal Floriano Peixoto, 61 Cep:84430-000 Fone/Fax:(42)34361327 e-mail: iuvalcidesmunhoz@seed.pr.gov.br Imbituva - Paraná Projeto de Leitura

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2014 1º fase

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2014 1º fase Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 1º fase Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em grandes

Leia mais

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento Renomado professor universitário, autor de títulos de não

Leia mais

ACESSO AO FILME CLIQUE AQUI ACESSO: http://www.youtube.com/watch?v=i5ki0b2h6ks

ACESSO AO FILME CLIQUE AQUI ACESSO: http://www.youtube.com/watch?v=i5ki0b2h6ks Discilplina: História E.E. Presidente Vargas Professor: Valdir Steffen Atividade para os 3º Anos ATIVIDADE 01 Obs: fundamental para o entendimento do processo de implantação da revolução russa em 1917.

Leia mais

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

AULAS DE LEITURA: UMA PRÁTICA DESMOTIVADORA? Gisele de Sales SILVA; Cinthia da Costa MOTA; Daise Fernanda NUNES/graduandas Letras/UFMS

AULAS DE LEITURA: UMA PRÁTICA DESMOTIVADORA? Gisele de Sales SILVA; Cinthia da Costa MOTA; Daise Fernanda NUNES/graduandas Letras/UFMS AULAS DE LEITURA: UMA PRÁTICA DESMOTIVADORA? Gisele de Sales SILVA; Cinthia da Costa MOTA; Daise Fernanda NUNES/graduandas Letras/UFMS 1 Introdução Objetivamos apontar e questionar a prática exercida nas

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO ANGELA CRISTINA NUNES GUEDES HUERTAS ORIENTADOR: PROFESSOR: PAULO GUILHERMETI O ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL:

Leia mais

IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM!

IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM! IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM! Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história.

Leia mais

estão em evidência hoje?

estão em evidência hoje? estão em evidência hoje? delas. Muito antes de entender quem eram e como pensavam as mulheres, percebemos que era fundamental identificar as diferenças comportamentais entre homens e mulheres. Afinal,

Leia mais

LIVRO DO PROFESSOR LIBRAS 1 O ANO 35. Espaços da escola. Encaminhamento

LIVRO DO PROFESSOR LIBRAS 1 O ANO 35. Espaços da escola. Encaminhamento Atividade 9 Espaços da escola Encaminhamento Leve os alunos para conhecer os espaços da escola: sala de leitura, informática, refeitório, quadra de futebol, parque, etc. Peça para os alunos registrarem

Leia mais

Bíblias para Crianças na Literatura Infantil Brasileira

Bíblias para Crianças na Literatura Infantil Brasileira Bíblias para Crianças na Literatura Infantil Brasileira Ms. Letícia Lopes Ferreira i Resumo: Analisa uma versão em português de uma narrativa da Bíblia (texto base), comparada a três versões da mesma para

Leia mais

Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração"

Resumo executivo do Livro Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT PROGRAMA INTERNACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL IPEC Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil

Leia mais

Colégio Nomelini Ensino Fundamental II LISTA Nº 04 9º ANO

Colégio Nomelini Ensino Fundamental II LISTA Nº 04 9º ANO Trazer a tarefa resolvida no dia: 22/03/2013 (Sexta-feira) Prof. Vanessa Matos Interpretação de textos LISTA Nº 04 9º ANO DESCRIÇÃO: A seleção de atividades é para a leitura e interpretação. Responda os

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO?

FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO? FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO? Bruna Jéssica da Silva Josélia dos Santos Medeiros José Teixeira Neto (UERN) Resumo: A filosofia, amor pela sabedoria, enquanto componente curricular do Ensino Médio busca,

Leia mais

Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor

Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor Curso: Nome do (a) Aluno (a): Ano: 3º Componente Curricular: Língua Portuguesa Professor

Leia mais

Comissão Diocesana da Pastoral da Educação ***************************************************************************

Comissão Diocesana da Pastoral da Educação *************************************************************************** DIOCESE DE AMPARO - PASTORAL DA EDUCAÇÃO- MARÇO / 2015 Todo cristão batizado deve ser missionário Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos e fazei-me conhecer a vossa estrada! Salmo 24 (25) Amados Educadores

Leia mais

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 Francisco José da Silva ROCHA Filho 2 Nathalia Aparecida Aires da SILVA 3 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal,

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas.

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas. ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática I Era uma vez um gato xadrez... Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto.

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais